Estudos em semiótica sincrética: seqüência cinematográfica do filme Fale com Ela

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estudos em semiótica sincrética: seqüência cinematográfica do filme Fale com Ela"

Transcrição

1 Estudos em semiótica sincrética: seqüência cinematográfica do filme Fale com Ela Ana Laura Rolim da Frota * Resumo: Este artigo faz algumas considerações de ordem semiótica sincrética, sobre o filme de Pedro Almodóvar Fale com Ela Hable com Ella. A referida obra poderia ser analisada sob esse enfoque na sua totalidade, no entanto, havendo a necessidade de esse estudo ser breve, destacarei como foco para minhas reflexões, uma seqüência que mostra, de forma inesquecível, melancólica e emocional, o momento em que Caetano Veloso canta Cucurrucucú Paloma. A referida seqüência permite fazer uma análise semiótica sincrética, devido às linguagens nela constantes, as quais se articulam de forma a instigar e convocar a sensibilidade e principalmente a percepção do enunciatário, fazendo com que o mesmo atribua a ela intensa significação. Palavras chave: Sincretismo, Semiótica, Cinema. Com a finalidade de situar e contextualizar o foco de interesse aqui destacado, apresentarei, nas próximas páginas, primeiramente, uma sinopse do filme, para após, realizar algumas considerações de caráter semiótico sincrético sobre o fragmento cênico referido, a partir dos estudos de Ignácio Assis Silva, Maria Sílvia Fantinatti, Ana Cláudia Oliveira e outros. Na parte final do trabalho, exporei algumas conclusões, usando como ponto de apoio o pensamento de Jean Marie Floch e A. J. Greimas. * Professora substituta de Artes Visuais no Colégio de Aplicação em Especialista em Artes Visuais, Arte-Educação e ensino da Arte (FEEVALE). Mestranda do Programa de Pós-Graduação da FACED/UFRGS.

2 2 Sinopse do Filme Fale com Ela Hable com Ella Produção: Espanha, 2002 De: Pedro Almodóvar Duração: 116 minutos Fale com ela apresenta-nos impulsos de amor e morte. Benigno e Marco são os protagonistas. Inicia-se em um teatro, durante a apresentação de um balé de Pina Bausch. Marco se emociona e chora. Benigno o observa discretamente. Dá para pensar tratar-se de um par gay. Benigno é mesmo homossexual, no entanto, Marco é um hetero sensível, por isso chora. Envolve-se com Lydia, uma toureira. Lydia sofre um acidente na arena e entra em coma. Marco reencontra Benigno no hospital, onde ele é enfermeiro e fala com Alicia, uma bailarina que também teve um acidente e está em coma. Benigno acredita que o ato de falar com Alicia a mantém ligada à vida. Marco, que é jornalista e escritor, não consegue falar com Lydia e ainda fica muito abalado ao saber que ela ia romper com ele no dia do acidente na arena. No hospital, ao lado da cama de Lydia, Marco pensa sobre um concerto que assistiram juntos e no qual escutaram Caetano Veloso cantando Cucurrucucú Paloma. Essa seqüência merece destaque, na medida em que desempenha, no filme, uma função bastante sintética. Inicia-se com a câmara acompanhando um jovem nadando em uma piscina. Ele sorri, já com a cabeça fora d água (até então só ouvimos os acordes da canção). Na cena seguinte, o público do concerto é mostrado, através de um plano conjunto horizontal para esquerda. Seguindo, Caetano passa a emocionar a todos os presentes (enunciatários - atores do filme) e enunciatários da platéia (cinema) com uma interpretação comovente e magistral da música em questão. Marco, distante de Lydia, escuta a melodia enquanto ela o observa. Marco chora ao ouvir as palavras como sofria por ela que até em sua morte a seguia amando, ai, ai, ai, ai, ai, cantava, ai, ai, ai, ai, ai, gemia; cantava de paixão mortal, morria. O clima é de total intimidade e melancolia. Vê-se Marco afastar-se. Lydia o segue e pergunta o

3 3 motivo de sua sensibilidade. Marco profere uma frase que resume sua síndrome evocativa: Esse Caetano me arrepia! Após relata detalhes de uma relação amorosa anterior. Um amor terminado. No decorrer do filme Elis Regina canta Jobim e a chave do momento, a qual se estende ao filme, é uma frase desse último O amor é a coisa mais triste quando se desfaz. A palavra (e o sexo) devolvem Alicia à vida, mas são fonte de perdição de Benigno seu enfermeiro. Numa das cenas mais lindas e poéticas de Fale com Ela, Benigno vai ao cinema e depois conta o filme para Alicia. É um velho filme mudo que ele vê na cinemateca na verdade, um filme feito pelo próprio Almodóvar. Nele, um homem é reduzido a dimensões liliputianas e penetra na vagina de uma mulher, que experimenta o prazer. Essa seqüência é apresentada em preto e branco e trata da procura de uma cientista, por uma solução para a obesidade preocupação tipicamente feminina - no entanto, quem testa a fórmula é um homem. A preocupação feminina da estética é apropriada pelo homem. Esta apropriação resulta numa diminuição do masculino em relação ao feminino, simbolizada no encolhimento do cientista. O final resulta na diluição e no desaparecimento do masculino dentro do feminino, simbolizados pela entrada completa do homem na mulher. A partir de então, o filme vai sendo costurado como uma peça barroca, culminando com a informação de que Alicia, mesmo em coma, está grávida. Benigno é acusado de tê-la estuprado e acaba preso. Benigno suicida-se e Lydia morre, portanto nenhum dos dois sobrevive à trama, apenas Marco e Alicia permanecem vivos. Marco tempera sua masculinidade e o gosto pelo belo, porém sem descaracterizá-la. É, por isso, capaz de compreender tanto Benigno quanto Lydia. Alicia é a mulher perfeita, modelo, amante da dança e da poesia. Para Almodóvar a solução é reunir Alicia e Marco. É por intuir esta dimensão que Benigno, ao final, sente-se atraído por Marco. Esta atração é o desejo de ser Marco. Antes de suicidar-se, Benigno realiza seu amor por Alicia por meio de Marco, deixando-lhe de herança seu apartamento, em frente à Academia de dança, e o prendedor de cabelo de Alicia.

4 4 mundo. Cada fotograma da obra mostra-nos Almodóvar, sua forma de ver e sentir o * Sinopse adaptada do filme Fale com Ela e de sites que tratam sobre ele. O Sincretismo semiótico em uma seqüência cinematográfica do filme Fale com Ela. A seqüência: No hospital, ao lado da cama de Lydia, Marco pensa sobre um concerto que assistiram juntos e no qual escutaram Caetano Veloso cantando Cucurrucucú Paloma. Essa cena merece destaque, na medida em que desempenha, no filme, uma função bastante sintética. Inicia-se com a câmara acompanhando um jovem nadando em uma piscina. Ele sorri, já com a cabeça fora d água (até então só ouvimos os acordes da canção). Na cena seguinte, o público do concerto é mostrado, através de um plano conjunto horizontal para esquerda. Seguindo, Caetano passa a emocionar a todos os presentes (enunciatários - atores do filme) e enunciatários da platéia (cinema) com uma interpretação comovente e magistral da música já referida. Marco, distante de Lydia, escuta a melodia enquanto ela o observa. Marco chora ao ouvir as palavras como sofria por ela que até em sua morte a seguia amando, ai, ai, ai, ai, ai, cantava, ai, ai, ai, ai, ai, gemia; cantava de paixão mortal, morria. O clima é de total intimidade e melancolia. Vê-se Marco afastar-se. Lydia o segue e pergunta o motivo de sua sensibilidade. Marco profere uma frase que resume sua síndrome evocativa, esse Caetano me arrepia! Após relata detalhes de uma relação amorosa anterior. Um amor terminado. Para iniciarmos a análise do sincretismo semiótico contido nesse fragmento cinematográfico, é necessário, primeiro, que elucidemos o sentido de sincretismo em semiótica.

5 5 Uma peça visual: em forma de texto, televisiva, cinematográfica ou outra modalidade qualquer, só é sincrética quando apresenta linguagens articuladas de forma a constituírem significação. Não há sincretismo se uma linguagem se sobressair da outra, ou mesmo, se alguma apagar ou anular a outra. É necessário que juntas, formem uma base comum sobre a qual se assente a significação (SÍLVA,1994, p.74). Na seqüência em questão, podemos perceber a articulação das linguagens sonora, visual e verbal, atribuindo à mesma sentido. Conforme Fantinatti (2003, p. 24) a passagem entre o sensível e o inteligível, na significação, se dá na própria montagem das linguagens que compõem o discurso. As tomadas dos takes, em plano de conjunto para esquerda - platéia do concerto - (BAUDRY, 1970, p.389) mostra-nos um plano geral mais fechado, visando dar uma visão melhor dos detalhes da ação, passando para Marco em plano próximo e logo após em close-up, que é um recurso de muita ênfase na linguagem cinematográfica, porque dá um grande destaque para os ombros e a cabeça do ator, mostrando-o de forma a valorizar suas expressões em detrimento do cenário. As tomadas dos takes são, ainda, acompanhadas da melodia triste e de texto tocante, dirigindo olho, a audição e os sentimentos do enunciatário, com a finalidade de colocá-lo dentro da cena, de forma a sentir-se como co-participe dela. A ação apresenta uma estratégia de comunicação sincrética, e não uma enunciação gestual desconectada de uma enunciação visual e sonora. Gesto, imagem e som concorrem para atribuir ao momento uma intensa significação. Jean Marie Floch refere-se a essa administração do contínuo discursivo, como um procedimento de sincretização que inclui verdadeiras sinestesias. Além das questões apresentadas acima, encontramos uma questão claramente sinestésica quando: Marco profere uma frase que resume sua síndrome evocativa: Esse Caetano me arrepia! Após relata detalhes de uma relação amorosa anterior. Um amor terminado. Há aqui o registro de uma emoção que é evocada por uma música. Essa emoção sintetiza a melancolia, a solidão do ser humano, mesmo em meio a uma multidão. Refere-se a incapacidade do homem, mesmo frente às dificuldades, de apagar o amor de sua vida. Almodóvar

6 6 recorre ao recurso evocativo da linguagem textual/sonora, para junto com o visual, construir o sentido da seqüência cinematográfica. Na presente análise, faz-se necessário contemplar, também, uma referência à importância dos planos de expressão e de conteúdo. Ambos constituem, conforme Greimas apud Oliveira (2000), as dimensões discursiva plano de conteúdo e plástica plano da expressão. O relacionamento harmônico entre ambos é que constitui o sentido da obra. Assim sendo, ao transpormos essas premissas para a seqüência cinematográfica de Almodóvar, constataremos que: o plano da expressão refere-se ao significante, o que suporta ou expressa o conteúdo, no caso: a imagem de Marco e Lydia em close-up, demonstrando através de suas expressões os seus sentimentos, a melodia, a letra da música, a performance de Caetano e dos participantes da platéia, o local da tomada de cena, feita em plano de conjunto, em uma ampla varanda com pilastras, dando para uma vasta área aberta. As pessoas usando roupas leves, sugerindo calor, o diálogo entre Marco e Lydia, composto por fases curtas, proferidas em tom baixo e íntimo, o abraço e o beijo entre os dois. O plano do conteúdo é o plano do significado, o que é veiculado pelo plano da expressão. Trata-se da temática, o que está sendo mostrado, no caso a tristeza, a perda, a solidão humana, o desencontro, a idéia de fim. Enfim, é a perfeita integração existente entre os planos de expressão e conteúdo, e, conseqüentemente entre as linguagens que os compõem, determinando a cena, que atribuem a ela a carga emocional e significação, a qual se estende à obra como um todo. Almodóvar usa o sincretismo para colocar em discussão o humano, suas carências, solidão e sentimentos. A densidade cênica do momento enfocado sintetiza as emoções que permeiam toda a obra e o enunciatário vê-se preso na teia mágica de sentido construído, pela articulação das diversas linguagens que dão significação ao filme.

7 7 Conclusão Finalizando estas breves reflexões, gostaria de ressaltar a importância do trabalho de A. J. Greimas, Ana Cláudia Oliveira, Jean Marie Floch, Ignácio Assis Sílva, Ana Sílvia Médola, Maria Sílvia Fantinatti e Jean Louis Baudry, entre outros tantos estudiosos da semiótica, para que possamos analisar com maior propriedade e clareza uma obra de arte como o filme de Almodóvar. A partir de seus estudos podemos perceber as articulações intricadas que existem entre os planos de expressão e conteúdo e conseqüentemente entre as formas e substâncias que os integram. Podemos compreender porque nos sentimos tão presos na teia de significação construída a partir da articulação entre as várias linguagens e, também, podermos perceber o que faz de uma notícia jornalística, capa de revista, filme, ou mesmo de uma seqüência cinematográfica, como a que estamos enfocando, uma produção de qualidade e principalmente de grande significação. Como diz Floch, apud Fantinatti (2003, p. 24), em termos de procedimentos de sincretização, se afastará primeiramente a idéia de que para tal enunciado sincrético há uma enunciação gestual, uma enunciação visual. O recurso para que uma pluralidade de linguagens de manifestação construa um texto sincrético depende de uma estratégia global de comunicação sincrética, que administra o contínuo discursivo resultante da textualização e opta por verter a linearidade do texto em substâncias diferentes. Em certos casos, salienta, ainda, Floch (2003, p. 60) que os procedimentos de sincretização podem depender de verdadeiras sinestesias. Usando como finalização desse trabalho o pensamento de Floch sobre sinestesia, podemos afirmar que Fale com Ela, trata, não só na cena por mim abordada, mas em sua totalidade, de um procedimento criativo sinestésico. O tempo inteiro do filme, vemos um objeto que remete a um comportamento, um comportamento que nos faz pensar em um sentimento ou um sentimento que é acordado por um som.

8 8 Trata-se de usar a sinestesia como despertar de emoções, e de apresenta-las de forma sensível, algo que Almodóvar faz como ninguém Referências BAUDRY, Jean Louis, Cinéthique (vol.7/8,1970:389). FANTINATTI, Maria Sílvia. O SINCRETISMO NA SÉRIE DE TELEVISÃO, CAPÍTULO I, PUC/São Paulo, p. 24 (dissertação de mestrado). FANTINATTI, Maria Sílvia. O SINCRETISMO NA SÉRIE DE TELEVISÃO, CAPÍTULO I, PUC/São Paulo, p. 19. (dissertação de mestrado). FLOCH, Jean Marie. Diccionario razonado de la teoria Del lenguage II. In: FANTINATTI, Maria Sílvia. O SINCRETISMO NA SÉRIE DE TELEVISÃO, CAPÍTULO I, PUC/São Paulo, p. 19. ( dissertação de mestrado). GREIMAS, Algirdas Julien. Semiótica plástica e semiótica figurativa. In: OLIVEIRA, Ana Cláudia. Notas sobre presentificação: inteligibilidade e sensibilidade na primeira página do Jornal. São Paulo. Centro de Pesquisas Sociossemióticas, p MÉDOLA, Ana Sílvia. In: FANTINATTI, Maria Sílvia. O SINCRETISMO NA SÉRIE DE TELEVISÃO, CAPÍTULO I, PUC/São Paulo, p.20.(dissertação de mestrado). SÍLVA, Ignácio Assis. Corpo e Sentido. (1994:74). FANTINATTI, Maria Sílvia. O SINCRETISMO NA SÉRIE DE TELEVISÃO, CAPÍTULO I, PUC/São Paulo, p. 18. (dissertação de mestrado). Outras Referências

A PRINCESA QUE ERA UMA VEZ

A PRINCESA QUE ERA UMA VEZ SINOPSE Era uma vez uma princesa que já estava cansada de ouvir as histórias serem narradas sempre do mesmo modo. Por esse motivo, pediu ao Narrador que contasse a história dela de uma forma diferente,

Leia mais

Tecnologia educacional : descubra suas possibilidades na sala de aula Thiagarajan e Pasigna Começo de conversa Lévy Libâneo

Tecnologia educacional : descubra suas possibilidades na sala de aula Thiagarajan e Pasigna Começo de conversa Lévy Libâneo LEITE, Lígia Silva. (Coord.). Tecnologia educacional: descubra suas possibilidades na sala de aula. Colaboração de Cláudia Lopes Pocho, Márcia de Medeiros Aguiar, Marisa Narcizo Sampaio. 2. Ed. Petrópolis-RJ:

Leia mais

As crianças pequenas e seus processos de apropriação da música

As crianças pequenas e seus processos de apropriação da música As crianças pequenas e seus processos de apropriação da música Small children and their processes of music appropriation Sílvia Cordeiro Nassif Schroeder Universidade de São Paulo (USP) scnassif@terra.com.br

Leia mais

A ironia e suas refrações um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso

A ironia e suas refrações um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso A ironia e suas refrações um estudo sobre a dissonância na paródia e no riso Camila da Silva Alavarce SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros ALAVARCE, CS. A ironia e suas refrações: um estudo sobre

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS TERCEIRO E QUARTO CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL ARTE OBJETIVOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Os Parâmetros Curriculares Nacionais indicam como objetivos do ensino fundamental que

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA LISIANE CHIARADIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA LISIANE CHIARADIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE EDUCAÇÃO LICENCIATURA EM PEDAGOGIA LISIANE CHIARADIA FAZ-DE-CONTA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: PREVENÇÃO DE DIFICULDADES E PROMOÇÃO DE APRENDIZAGENS. PORTO

Leia mais

O JOGO DE FAZ-DE-CONTA EM DIFERENTES ESPAÇOS SÓCIO-CULTURAIS

O JOGO DE FAZ-DE-CONTA EM DIFERENTES ESPAÇOS SÓCIO-CULTURAIS UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE PEDAGOGIA DIANDRA PEREIRA ROSSO O JOGO DE FAZ-DE-CONTA EM DIFERENTES ESPAÇOS SÓCIO-CULTURAIS CRICIÚMA, DEZEMBRO DE 2010. DIANDRA PEREIRA ROSSO O

Leia mais

De Jovem. para Jovem. Educação Entre Pares

De Jovem. para Jovem. Educação Entre Pares De Jovem para Jovem Educação Entre Pares RG Redação Maria Adrião Realização UNICEF Anna Penido, Silvio Kaloustian, Ana Maria Silva, Denise Bueno Revista Viração Paulo Lima, Vivian Ragazzi, Camila Caringe

Leia mais

(DES)GOSTO PELA LEITURA: UM COMPARATIVO ENTRE OS ANOS INICIAIS E FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

(DES)GOSTO PELA LEITURA: UM COMPARATIVO ENTRE OS ANOS INICIAIS E FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL (DES)GOSTO PELA LEITURA: UM COMPARATIVO ENTRE OS ANOS INICIAIS E FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL JANESCA IVANETE KUNTZER STRUECKER (UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL ). Resumo O hábito de leitura necessita

Leia mais

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO

MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 INTRODUÇÃO MOTIVAÇÃO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM ENFOQUE NO ENSINO MÉDIO Fabiana Franchin 1 Selva Maria G. Barreto (O) 2 1 INTRODUÇÃO Enquanto aluna do curso de pós-graduação em Educação Física Escolar e atuando

Leia mais

(im)pertinências da educação

(im)pertinências da educação (im)pertinências da educação o trabalho educativo em pesquisa maria lúcia de oliveira (org.) (IM)PERTINÊNCIAS DA EDUCAÇÃO MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA (Org.) (IM)PERTINÊNCIAS DA EDUCAÇÃO O TRABALHO EDUCATIVO

Leia mais

Camila Cornutti Barbosa A BOSSA NOVA, SEUS DOCUMENTOS E ARTICULAÇÕES: UM MOVIMENTO PARA ALÉM DA MÚSICA

Camila Cornutti Barbosa A BOSSA NOVA, SEUS DOCUMENTOS E ARTICULAÇÕES: UM MOVIMENTO PARA ALÉM DA MÚSICA Camila Cornutti Barbosa A BOSSA NOVA, SEUS DOCUMENTOS E ARTICULAÇÕES: UM MOVIMENTO PARA ALÉM DA MÚSICA CENTRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO - UNISINOS 2008 Dados Internacionais de Catalogação na Fonte (CIP)

Leia mais

É MUITO POUCO! Márcia Leite SINOPSE PALAVRAS D0 AUTOR FICHA TÉCNICA

É MUITO POUCO! Márcia Leite SINOPSE PALAVRAS D0 AUTOR FICHA TÉCNICA SINOPSE Lúdico e divertido, este livro explora situações de oposição pensadas a partir do cotidiano da criança, mostrando que a noção de quantidade percebida pelas pessoas passa pela afetividade. Com delicadeza

Leia mais

O BEM AMADO: Povo, meios de comunicação de massa e relações de poder na adaptação do texto teatral para o cinema

O BEM AMADO: Povo, meios de comunicação de massa e relações de poder na adaptação do texto teatral para o cinema O BEM AMADO: Povo, meios de comunicação de massa e relações de poder na adaptação do texto teatral para o cinema Dislene Cardoso de Brito Doutoranda em Literatura e Cultura Universidade Federal da Bahia

Leia mais

Mudando sua Escola, Mudando sua Comunidade, Melhorando o Mundo! Sistematização da Experiência em Educomunicação

Mudando sua Escola, Mudando sua Comunidade, Melhorando o Mundo! Sistematização da Experiência em Educomunicação Mudando sua Escola, Mudando sua Comunidade, Melhorando o Mundo! Sistematização da Experiência em Educomunicação EXPEDIENTE Organizadores Mário Volpi e Ludmila Palazzo (UNICEF) Textos Associação Cidade

Leia mais

ENTRE A CRIANÇA E A HISTÓRIA: O CASO DE A MAIOR FLOR DO MUNDO DE JOSÉ SARAMAGO.

ENTRE A CRIANÇA E A HISTÓRIA: O CASO DE A MAIOR FLOR DO MUNDO DE JOSÉ SARAMAGO. ENTRE A CRIANÇA E A HISTÓRIA: O CASO DE A MAIOR FLOR DO MUNDO DE JOSÉ SARAMAGO. NEFATALIN GONÇALVES NETO (USP). Resumo A modernidade implica algo mais do que simples aceitação. Ela constitui expressão

Leia mais

QUE BICHO ESTÁ NO VERSO?

QUE BICHO ESTÁ NO VERSO? SINOPSE Neste livro divertido e criativo, oferece ao leitor uma série de adivinhas poéticas, que brincam com a aparência física de vários bichos e a maneira como eles se vestem. Com as belíssimas ilustrações

Leia mais

O PODER DO AGORA. Eckhart Tolle UM GUIA PARA A ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL * * *

O PODER DO AGORA. Eckhart Tolle UM GUIA PARA A ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL * * * O PODER DO AGORA UM GUIA PARA A ILUMINAÇÃO ESPIRITUAL * * * Eckhart Tolle ÍNDICE INTRODUÇÃO... 7 A origem deste livro... 7 Verdade está dentro de você... 8 VOCÊ NÃO É A SUA MENTE... 10 O maior obstáculo

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS RESPOSTAS À PROVA ERA UMA VEZ, EM FUNÇÃO DA IDADE

EVOLUÇÃO DAS RESPOSTAS À PROVA ERA UMA VEZ, EM FUNÇÃO DA IDADE UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE PSICOLOGIA EVOLUÇÃO DAS RESPOSTAS À PROVA ERA UMA VEZ, EM FUNÇÃO DA IDADE Inês Maria Pereira Capinha MESTRADO INTEGRADO EM PSICOLOGIA (Secção de Psicologia Clínica e

Leia mais

VOCÊ TAMBÉM PODE DAR UM PRESUNTO LEGAL: AS MÚLTIPLAS VOZES DE UM DOCUMENTÁRIO SILENCIADO NA DITADURA CIVIL-MILITAR

VOCÊ TAMBÉM PODE DAR UM PRESUNTO LEGAL: AS MÚLTIPLAS VOZES DE UM DOCUMENTÁRIO SILENCIADO NA DITADURA CIVIL-MILITAR CESNORS Centro de Educação Superior Norte - RS TCC I Trabalho de Conclusão de Curso I Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte RS Departamento de Ciências da Comunicação Curso

Leia mais

Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais

Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais Que público é esse? formação de públicos de museus e centros culturais Luciana Conrado Martins (Org.) Ana Maria Navas Djana Contier

Leia mais

SE UM VIAJANTE NUMA NOITE DE INVERNO: A TESSITURA DE SUJEITOS NO DISCURSO ROMANESCO

SE UM VIAJANTE NUMA NOITE DE INVERNO: A TESSITURA DE SUJEITOS NO DISCURSO ROMANESCO SE UM VIAJANTE NUMA NOITE DE INVERNO: A TESSITURA DE SUJEITOS NO DISCURSO ROMANESCO Maria Aparecida Leite Mendes COTA (FAMINAS - BH 1 ) RESUMO: Analisaremos a encenação romanesca de Calvino em que as instâncias

Leia mais

O COACHING APRESENTA ALGUMA BASE CIENTÍFICA? 1. Por Edson Marques Oliveira. PALAVRAS-CHAVE: coaching, cientificidade, Recursos Humanos RESUMO

O COACHING APRESENTA ALGUMA BASE CIENTÍFICA? 1. Por Edson Marques Oliveira. PALAVRAS-CHAVE: coaching, cientificidade, Recursos Humanos RESUMO O COACHING APRESENTA ALGUMA BASE CIENTÍFICA? 1 Por Edson Marques Oliveira Coach pela Lambent do Brasil e certificado internacional pela ICC, doutor em Serviço Social pela Unesp-Franca-SP, Mestre em Serviço

Leia mais

O QUE PENSAM AS CRIANÇAS DE UMA PRÉ-ESCOLA SOBRE O INGRESSO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROJETO EM ANDAMENTO

O QUE PENSAM AS CRIANÇAS DE UMA PRÉ-ESCOLA SOBRE O INGRESSO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROJETO EM ANDAMENTO 1 O QUE PENSAM AS CRIANÇAS DE UMA PRÉ-ESCOLA SOBRE O INGRESSO NO ENSINO FUNDAMENTAL: PROJETO EM ANDAMENTO Lorenzza Bucci, [55] (16) 3610-7751, lorenzza@aluno.ffclrp.usp.br, Faculdade de Filosofia, Ciências

Leia mais

fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos

fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos 1 fazendo minha história Guia de ação para o trabalho em grupos apresentação Estar em grupo nos dá a sensação de estarmos mais vivos. Pelo

Leia mais

UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA: A ARTE DE ENSINAR

UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA: A ARTE DE ENSINAR Projeto Produções Literárias: divulgação no site www.unisa.br de produções dos alunos, ex-alunos e professores do curso de Letras da Unisa. Publicação deste material: março/2010. UMA PROFESSORA MUITO MALUQUINHA:

Leia mais

Ian MacKay. Saber Ouvir Entender o Que Realmente Está Sendo Dito Interpretar as Palavras, o Tom de Voz e os Sinais

Ian MacKay. Saber Ouvir Entender o Que Realmente Está Sendo Dito Interpretar as Palavras, o Tom de Voz e os Sinais Ian MacKay Saber Ouvir Entender o Que Realmente Está Sendo Dito Interpretar as Palavras, o Tom de Voz e os Sinais Tradução do Listening Skills, originalmente publicado em 1984, em comum acordo com o

Leia mais

Guia Vídeo na Escola!

Guia Vídeo na Escola! Guia Vídeo na Escola! 1 Apresentação As Oficinas Vídeo na Escola! têm como objetivo sensibilizar os jovens e o universo das escolas públicas para o potencial da produção audiovisual como ferramenta de

Leia mais

A Utilização de Vídeos Didáticos nas Aulas de Química do Ensino Médio para Abordagem Histórica e Contextualizada do Tema Vidros

A Utilização de Vídeos Didáticos nas Aulas de Química do Ensino Médio para Abordagem Histórica e Contextualizada do Tema Vidros Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência PIBID A Utilização de Vídeos Didáticos nas Aulas de Química do Ensino Médio para Abordagem Histórica e Contextualizada do Tema Vidros José Luiz da

Leia mais