A eletricidade como fator gerador de incêndios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A eletricidade como fator gerador de incêndios"

Transcrição

1 incêndio matéria de capa incêndio matéria de capa A eletricidade como fator gerador de incêndios POR ESTELLITO RANGEL JUNIOR FOTOS STOCK.XCHNG 14 Incêndio Incendio 73.indd /05/11 16:32

2 incêndio matéria de capa Incendio 73.indd 15 Incêndio 15 06/05/11 16:32

3 Praticamente indissociável da vida moderna, o uso da eletricidade faz parte do planejamento estratégico do desenvolvimento das nações, pois seu emprego possibilita desde o funcionamento dos motores das indústrias até dos sistemas as telecomunicações e informática, contribuindo decisivamente para o aumento da qualidade de vida da população. A lâmpada incandescente a luz elétrica inventada em 1879, é considerada a primeira aplicação que mostrou a viabilidade econômica da eletricidade, uma vez que desencadeou a substituição dos lampiões a gás que realizavam a iluminação urbana, por pequenas redes elétricas. Com o aumento das aplicações da eletricidade no dia a dia, surgiram diversos registros de incêndios, o que levou ao estabelecimento de códigos que definiram regras para a execução das instalações elétricas, visando à segurança dos usuários e das propriedades. Um dos primeiros códigos sobre instalações elétricas foi o dos Estados Unidos, o National Electrical Code (NEC), que teve sua primeira edição em 1897 emitida pela National Fire Protection Agency, apenas um ano após a fundação da entidade, o que bem ilustra a preocupação quanto aos numerosos casos de incêndio que ocorreram naquele país devidos à eletricidade. Hoje, aquela entidade é denominada NFPA (National Fire Protection Association) e continua emitindo o NEC com uma nova edição a cada três anos. Na edição de 1904 do International Electrical Congress, realizada em St. Louis, EUA, foi proposta a criação de uma entidade que conduzisse a padronização das máquinas e dos dispositivos elétricos, que resultou na fundação da IEC (International Electrotechnical Commission), em 1906, em Londres. No Brasil, a preocupação com a regulamentação ao uso da eletricidade levou à criação do Comitê Brasileiro de Eletricidade e Iluminação (Cobei), em Um fato marcante, já que a criação da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) foi apenas feita em Apesar de o Brasil ter se engajado juntamente com as nações mais desenvolvidas na elaboração de normalização para uso seguro da eletricidade desde o primeiro momento, não temos conseguido evitar que grandes incêndios originados nas instalações elétricas tenham ocorrido no País, como, por exemplo, o do Edifício Joelma, em 1974, em São Paulo, que provocou a morte de 189 pessoas e ferimentos em outras 320. Segundo os laudos, essa ocorrência teve origem nos aparelhos de ar-condicionado do 12 o andar, que teriam sido ligados diretamente no barramento de cobre do painel de distribuição do mesmo, sem os dispositivos de proteção individuais já exigidos pelas normas da época, e com o uso de fiação de má qualidade. Em fevereiro de 2011, ocorreu um incêndio na Cidade do Samba, no Rio de Janeiro, em que a Comissão de Análise e Prevenção de Acidentes do CREA-RJ (Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia) apontou as irregularidades na parte elétrica dos barracões como uma das possíveis causas. Na ocasião, o fogo destruiu os galpões de três escolas de samba, além do Centro Cultural da Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba). De acordo com a comissão, ligações improvisadas para muitos aparelhos elétricos, como máquinas de cortar chapas e de solda, podem ter sobrecarregado a fiação dos barracões, o que teria levado a curtos-circuitos e incêndio. Felizmente, nesse caso não houve vítimas. Fora do Brasil, os números também são impressionantes. Nos Estados Unidos, entre 1999 e 2003, falhas nas instalações elétricas foram responsáveis por incêndios em residências, resultando em aproximadamente US$ 1,2 bilhão em prejuízos diretos. RISCOS DA ELETRICIDADE Os incêndios devidos à eletricidade são, na maioria dos casos, originados por sobreaquecimento da fiação, que pode tanto inflamar o revestimento plástico dos fios quanto os materiais que estiverem próximos, como tecidos, plásticos e papel. Esse sobreaquecimento surge como consequência de alguma irregularidade na instalação, seja um subdimensionamento que pode ter sido originado no projeto inadequado, seja devido ao mau uso pelos próprios consumidores. No âmbito industrial, nos segmentos que processam substâncias inflamáveis e dessa forma sujeitos ao surgimento de atmosferas explosivas, a ocorrência de eventual centelhamento na instalação elétrica pode levar a explosões com graves consequências à comunidade. Dessa forma, há necessidade de uma gerência de segurança cuidadosamente implantada, que promova uma 16 Incêndio

4 supervisão contínua das instalações elétricas, verificando não só os equipamentos como a capacitação dos profissionais autorizados, conforme exigido na Norma Regulamentadora 10 do Ministério do Trabalho e Emprego, a famosa NR-10. Portanto, a eletricidade induz a diversos benefícios e promove o desenvolvimento, mas necessita ter seus riscos mantidos devidamente sob controle. Neste artigo, vamos debater os riscos de incêndios devido à eletricidade, com foco restrito nos elementos de consumo nas instalações residenciais e comerciais, sem considerar os riscos relativos às descargas atmosféricas, outro fenômeno elétrico com riscos de incêndio. Abordaremos três etapas típicas ao longo da vida das instalações elétricas: projeto, execução e utilização. Enfatizaremos as irregularidades mais relevantes e recomendaremos medidas para evitá-las. ETAPAS DA VIDA DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA a) PROJETO As instalações elétricas devem ser projetadas de acordo com as necessidades do usuário. Por exemplo, para uma residência, os requisitos para circuitos de iluminação e distribuição de tomadas são diferentes dos adotados para um estabelecimento industrial. Incêndio 17 Existem normas técnicas que estabelecem esses critérios e elas devem ser seguidas. Ao contrário do que muita gente pensa, o projeto de uma instalação elétrica não pode ser confiado a um leigo que passou os olhos em uma norma técnica; apenas um profissional legalmente habilitado possui o conhecimento necessário para interpretar e identificar as melhores alternativas para projetar uma instalação segura e preparada para as necessidades atuais do usuário e para futuras expansões porventura desejadas. Há pessoas que, equivocadamente, acham que a instalação elétrica resume-se a dois fios, e que um eletricista de confiança pode executar novas instalações e ampliaconsulta 3207

5 ções, uma vez que ele possui vários anos de prática. Infelizmente, tal avaliação é errônea e responsável por irregularidades legais e técnicas antes mesmo da execução da instalação elétrica, pois um eletricista capacitado apenas pode realizar a execução de uma instalação, supervisionado por um profissional legalmente habilitado, e obedecendo ao projeto elaborado. Essas exigências são de cunho legal e estão expressas na NR-10, cuja edição em vigor foi emitida em A NR-10 estipula, inclusive, requisitos legais que devem estar contemplados no projeto da instalação, o qual deve estar embasado nas normas técnicas e assinado por profissional legalmente habilitado, ou seja, devidamente registrado no conselho de classe, o CREA. Devemos enfatizar que tanto os requisitos legais quanto as normas técnicas sofrem atualizações periódicas, de modo que se torna necessária uma constante atualização dos profissionais responsáveis. Há muito tempo que as instalações elétricas não se resumem a simples circuitos com dois fios. Hoje as instalações elétricas possuem características que as tornam mais seguras e complexas, como circuitos de tomadas com um terceiro condutor dedicado à proteção; disjuntores oferecidos com três diferentes curvas de tempo de atuação; e disjuntores diferenciais residuais, que devem ser avaliados quanto à adequada corrente de sensibilização. Isso para não citar o padrão brasileiro de tomadas e a Lei do Fio Terra (Lei nº promulgada em 26 de julho de 2006), que em 16 de dezembro de 2009 foi complementada pela Lei nº , e que passou a obrigar os construtores à inclusão de condutor de aterramento nas construções e os fabricantes de aparelhos elétricos e eletrônicos com carcaça metálica, comercializados no País, enquadrados na classe I, em conformidade com as normas técnicas brasileiras pertinentes, deverão dispor de condutor terra de proteção e do respectivo plugue, também definido em conformidade com as normas técnicas brasileiras. Dessa forma, fica clara a razão da exigência de um profissional legalmente habilitado, pois o conhecimento da tecnologia e os requisitos legais são fundamentais para que o projeto elétrico seja considerado efetivamente seguro. b) EXECUÇÃO A execução da instalação elétrica apenas pode ser realizada por profissional formalmente capacitado, o qual está limitado a seguir exatamente as especificações do projeto. A prática muito encontrada no segmento residencial de chamar o porteiro que faz tudo para instalar um ar-condicionado (na verdade está sendo efetuada uma ampliação na instalação elétrica) é frequentemente responsável por diversas irregularidades que via de regra comprometem a segurança da residência. Além do conhecimento necessário para executar corretamente a instalação, o executante necessita saber reconhecer se os materiais e dispositivos que foram comprados atendem aos requisitos legais, estabelecidos pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial). Como sabemos, quando a utilização de um produto pode comprometer a segurança dos cidadãos, o governo tem a prerrogativa de estabelecer requisitos para sua comercialização, e diversos produtos elétricos estão sujeitos a regulamentações do Inmetro. Os requisitos legais são implantados com base na avaliação da conformidade do produto a determinadas normas ou regulamentos técnicos. A avaliação da conformidade pode ser efetuada de várias formas, e as mais comumente empregadas são a certificação compulsória e a etiquetagem. Há algum tempo, para comprarmos um material elétrico, bastava entrar na loja de ferragens e pedir a quantidade desejada. Hoje devemos estar atentos se os produtos oferecidos estão sujeitos de forma compulsória a processos de avaliação de conformidade e se ostentam as respectivas marcações que comprovam sua aprovação. A CERTIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE COMPULSÓRIA A certificação de conformidade deve, por definição, ser realizada por uma terceira parte, isto é, por uma organização independente do consumidor e do produtor, devidamente autorizada pelo Inmetro para executar essa modalidade de avaliação da conformidade. O Inmetro define as regras da certificação (o que e como avaliar cada produto) em documentos específicos e promove o desenvolvimento da infraestrutura para a avaliação (laboratórios de calibração e de ensaios, padrões metrológicos, organismos de certificação acreditados, normas técnicas etc.). Além disso, faz o acompanhamento do 18 Incêndio

6 produto no mercado, estabelecendo penalidades quando identificadas não conformidades. Que materiais elétricos empregados na execução de instalações elétricas estão sujeitos à certificação compulsória? Os relacionados na Tabela 1. Na Figura 1, temos o modelo de identificação que deve estar afixada nos reatores eletrônicos, um dos produtos sujeitos à certificação compulsória. Figura 1 Etiqueta de certificação compulsória para reatores eletrônicos c) UTILIZAÇÃO Devemos chamar a atenção que os riscos na instalação elétrica não terminam com a conclusão da obra, TABELA 1 MATERIAIS ELÉTRICOS COM CERTIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE COMPULSÓRIA Material elétrico Documento Legal Cabo de potência com isolação sólida Portaria Inmetro nº 086 de 26/5/2003 extrudada, de PVC, para tensões de 0,6/1,0 kv Cabos e cordões flexíveis para tensão até 750 V, com isolação / cobertura extrudada de cloreto Portaria Inmetro nº 085 de 26/5/2003 de polivinila (PVC) Condutores isolados com policloreto de vinila (PVC), para tensões nominais de 450/750 V, Portaria Inmetro nº 175 de 19/10/2004 sem cobertura, para instalações fixas Disjuntores Portaria Inmetro nº 35 de 14/2/2005 Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, nas condições de gases e vapores inflamáveis e poeiras combustíveis Estabilizadores de tensão monofásicos, com saída de tensão alternada, com tensão nominal de até 250 V em potências de até 3 kva/3 kw Interruptores para instalações elétricas fixas domésticas e análogas Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares retilíneas, circulares e compactas Reatores eletromagnéticos para lâmpadas fluorescentes tubulares Portaria Inmetro nº 179 de 18/5/2010 OBS: uso industrial Portaria Inmetro nº 262 de 12/7/2007 Resolução Conmetro nº 008 de 26/7/1988 Resolução Conmetro nº 11 de 20/12/2006, nº 02 de 6/9/2007 e nº 08 de 31/8/2009; Portaria Inmetro nº 85 de 3/4/2006 Portaria Inmetro nº 267 de 21/9/2009 Portaria Inmetro nº 20 de 29/1/2002 Incêndio 19 consulta 3208

7 mesmo que o projeto tenha sido corretamente elaborado e tenham sido empregados produtos certificados devidamente instalados por profissionais capacitados. Iniciam-se aqui os riscos devidos ao mau uso pelos próprios usuários da instalação, como por exemplo efetuar mudanças e ampliações para atender às suas necessidades particulares. Novamente, confiar tais modificações a pseudoprofissionais que não possuem a capacitação necessária pode por tudo a perder, agravado pelo desconhecimento do projeto das instalações elétricas do imóvel. Raramente os proprietários de um imóvel possuem o respectivo Manual do Proprietário. Normalmente as pessoas compram casas ou apartamentos baseados apenas em critérios visíveis, como preço e localização, sem se preocuparem com situações futuras. Esse manual, cuja formatação é definida na NBR , contém as orientações sobre cuidados especiais necessários para a manutenção adequada do imóvel, assim como as plantas das unidades, os diagramas elétricos, hidráulicos e de estrutura. Essas informações são de fundamental importância para que o novo proprietário fique a par dos lugares onde pode ou não instalar aparelhos e fazer perfurações sem que com isso vá prejudicar a estrutura do prédio. Além disso, outra fonte de risco originada pelos próprios usuários após o imóvel pronto é a compra de produtos elétricos falsificados ou desconformes à legislação, atraídos pelos baixos preços. Como vimos, temos diversos produtos elétricos de consumo enquadrados em processos de avaliação de conformidade TABELA 2 PRODUTOS DE CONSUMO COM CERTIFICAÇÃO DE CONFORMIDADE COMPULSÓRIA Material elétrico Documento Legal Bebedouros Portaria Inmetro nº 191 de 10/12/2003 Adaptadores de plugues e tomadas Portaria Inmetro nº 324 de 21/8/2007 Cabos e cordões flexíveis isolados com PVC, para aplicações específicas em cordões conectores de aparelhos eletrodomésticos em tensões até 500 V Cabos e cordões flexíveis para tensão até 750 V, com isolação / cobertura extrudada de cloreto de polivinila (PVC) Cabos flexíveis isolados com borracha EPR, para aplicações específicas em cordões conectores de aparelhos eletrodomésticos em tensões até 500 V Cordões flexíveis com isolação extrudada de polietileno de clorossulfonado (CSP), para tensões até 300 V Portaria Inmetro nº 282 de 19/7/2007 Portaria Inmetro nº 085 de 26/5/2003 Portaria Inmetro nº 281 de 19/7/2007 Portaria Inmetro nº 286 de 19/7/2007 OBS para uso em ferros elétricos Disjuntores Portaria Inmetro nº 35 de 14/2/2005 Equipamentos elétricos para atmosferas explosivas, nas condições de gases e vapores inflamáveis e poeiras combustíveis Equipamentos elétricos sob regime de Vigilância Sanitária Estabilizadores de tensão monofásicos, com saída de tensão alternada, com tensão nominal de até 250 V em potências de até 3 kva/3 kw Interruptores para instalações elétricas fixas domésticas e análogas Plugues e tomadas para uso doméstico e análogo Reatores eletrônicos alimentados em corrente alternada para lâmpadas fluorescentes tubulares retilíneas, circulares e compactas Reatores eletromagnéticos para lâmpadas fluorescentes tubulares Aparelhos eletrodomésticos e similares Portaria Inmetro nº 179 de 18/5/2010 OBS: uso industrial Resolução Anvisa RDC n 32 de 29/5/2007, Portaria Interministerial MS/ MDIC n 692 de 8/4/2009 e Instrução Normativa - IN da Anvisa, vigente OBS: uso hospitalar Portaria Inmetro nº 262 de 12/7/2007 Resolução Conmetro nº 008 de 26/7/1988 Resolução Conmetro nº 11 de 20/12/2006, nº 02 de 06/09/2007 e nº 08 de 31/08/2009 Portaria Inmetro nº 85 de 03/04/2006 Portaria Inmetro nº 267 de 21/09/2009 Portaria Inmetro nº 20 de 29/01/2002 Portaria Inmetro nº 371 de 29/12/2009 OBS: entrará em vigor em julho de Incêndio

8 na modalidade certificação compulsória. Portanto, temos de ter cuidado no momento da compra, pois é possível encontrarmos no mercado produtos que não atendam a essas obrigações, caracterizando não só uma infração legal como um risco que estaremos colocando bem ao nosso lado. Os produtos elétricos de consumo sujeitos à certificação de conformidade compulsória estão mostrados na Tabela 2. Como podemos notar na Tabela 2, a partir de julho de 2011 teremos a exigência de certificação compulsória para diversos aparelhos elétricos de uso residencial, como: aspiradores de pós, aparelhos de limpeza por sucção de água, ferros de passar roupa, fornos elétricos, barbeadores elétricos, cortadores de cabelo, tostadores, grills, fritadeiras, frigideiras, aquecedores de líquidos, aparelhos para cuidado da pele ou cabelo, fornos de micro-ondas, aparelhos de exposição da pele à radiação ultravioleta e infravermelha, relógios, máquinas de costura, carregadores de bateria, motocompressores, bombas d água, secadoras de roupa com varal e fluxo de ar quente, ferramentas móveis de aquecimento, aparelhos de higiene oral, dispositivos elétricos para aquários, projetores, lavadoras de louças, banheiras com jatos, eletrificadores de cerca, ventiladores, elevadores de portões de garagem e sistemas de aquecimento de pisos. O escalonamento dessa nova certificação compulsória será o seguinte: a partir de 1º de julho de 2011 a fabricação e a importação desses aparelhos deverão atender aos requisitos da Portaria; a partir de 1º de julho de 2012 esses aparelhos deverão ser comercializados no mercado nacional, por fabricantes e importadores, somente em conformidade com os requisitos da Portaria; a partir de 1º de janeiro de 2013 a comercialização desses aparelhos no mercado nacional deve estar em conformidade com os requisitos da Portaria. A ETIQUETAGEM COMPULSÓRIA Outra modalidade da avaliação de conformidade empregada em produtos elétricos de consumo é a etiquetagem. Etiquetas informativas são colocadas no produto com informações resultantes da medição feita pelos fabricantes segundo normas específicas brasileiras ou internacionais pertinentes e controlada mediante a realização de ensaios por laboratório credenciado e/ou com o acompanhamento de técnicos do Inmetro, após aferição dos sistemas de medição dos fabricantes. Essas etiquetas estão presentes na linha de refrigeradores e assemelhados (congeladores, combinados e conservadores), e a medição referida na ENCE (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia) são o con- GAMAFIRE, SERIEDADE, RESPONSABILIDADE e COMPROMISSO COM A SEGURANÇA Nossa missão é oferecer soluções contra incêndios, com trabalho competente, alto padrão de qualidade e tecnologia adequada, confirmando a confiança dos clientes atuais e conquistando novos. Fundada em 1991 a GAMAFIRE acumula experiência de duas décadas no segmento de segurança e proteção contra incêndio, estando plenamente capacitada a prover soluções para os mais diversos riscos existentes no mercado comercial e industrial. Focados nas necessidades de nossos clientes, trouxemos para o Brasil o sistema FIRETRACE de combate a incêndio. Especialmente projetado para proteção de pequenos ambientes, o Firetrace pode ser facilmente instalado e não requer energia para o seu funcionamento. Trata-se de um sistema automático de ação extremamente rápida. O sistema utiliza o próprio tubo de detecção para conduzir o agente extintor (FM 200, NOVEC, CO 2, ETC) diretamente no foco de incêndio, provocando sua extinção instantaneamente. O Firetrace não deixa resíduos e permite a rápida retomada operacional. Devidamente certificado FM/UL o sistema Firetrace é normalmente aplicado nas seguintes áreas: Painéis Elétricos; Painéis Controle; Máquinas CNC; Veiculos fora de estrada; Coifas, etc. Trabalhando sob o regime de TURN KEY, executa um completo e abrangente fornecimento, desde os levantamentos de campo, elaboração do projeto executivo, fornecimento de equipamentos e materiais de montagem, mão de obra especializada, testes operacionais, start up s e Pós Vendas com manutenções preventivas e corretivas. Nossos valores: Preservar vidas e patrimônios; Ser referência de trabalho com responsabilidade; Gerar credibilidade e confiabilidade nas realizações. CONSULTE-NOS, ESTAMOS À DISPOSIÇÃO (11) Rua Coriolano, 526, Vila Romana, São Paulo, SP consulta Incêndio 21

9 sumo de energia e a eficiência energética dos aparelhos eletrodomésticos. Nesse caso, o que está sendo certificado é a informação prestada pelo fabricante quanto ao consumo de energia e da eficiência energética de seu produto, medido conforme as Normas Brasileiras e/ou Internacionais pertinentes e controlado pelo laboratório de ensaios credenciado, o que permitirá a aposição da ENCE, que é, portanto, uma etiqueta informativa, e não de conformidade construtiva. Os produtos sujeitos à etiquetagem compulsória estão na Tabela 3. Na Figura 2, temos a ENCE que deve ser ostentada nos refrigeradores de uso doméstico. Figura 2 ENCE para refrigeradores REQUISITOS MÍNIMOS PARA PRODUTOS ELÉTRICOS Como vemos, nem todos os produtos elétricos estão sujeitos à avaliação de conformidade, porém mais uma vez enfatizando o risco de incêndio apresentado por um produto de má qualidade, o Inmetro também estabeleceu requisitos mínimos para a comercialização no mercado brasileiro de diversos produtos elétricos. Nesse caso, embora não haja a obrigatoriedade de uma certificação de conformidade, é obrigatório que o produto atenda a determinados TABELA 3 PRODUTOS DE CONSUMO COM ETIQUETAGEM COMPULSÓRIA Equipamento elétrico Documento Legal Aparelhos de refrigeração de uso doméstico (refrigeradores e freezer) Portaria Inmetro nº 20, de 1º de fevereiro de 2006 Condicionadores de ar (janela e split) Portaria Inmetro nº 215, de julho de 2009 Máquinas de lavar roupa Portaria Inmetro nº 185, de 15 de setembro de 2005 Ventiladores de teto Portaria Inmetro nº 113, de 7 de abril de 2008 requisitos estabelecidos na Portaria Inmetro 27/2000, a qual deverá em breve ser substituída. A Tabela 4 traz os requisitos da Portaria 27/2000 e devemos conhecê-los para que possamos verificar o atendimento dos mesmos quando fizermos as compras de produtos elétricos para nossas residências e locais de trabalho. Como dica importante em prol da segurança, devemos ter sempre em mente o artigo 27 dessa Portaria e estendê-lo às compras de quaisquer produtos elétricos: É vedada a utilização de ligas ferrosas nos produtos e equipamentos referidos nesta Portaria. EXEMPLOS É importante ilustrarmos os riscos de incêndios devidos às instalações elétricas inadequadas ou pela utilização de produtos elétricos impróprios, e apresentarmos alguns exemplos. Exemplo 1 instalação antiga Alguns anos atrás, houve um incêndio em um apartamento em Copacabana, no Rio de Janeiro, resultando em destruição total. O laudo apontou como causa um sobreaquecimento no motor da ventoinha auxiliar localizada na parte traseira inferior do refrigerador, que aparentemente foi imobilizado devido à queda de um pano de prato sobre o mesmo. O revestimento da parede da cozinha era de melanina e a propagação do fogo foi rápida, durante a noite, quando os moradores estavam dormindo. A perícia apurou que os disjuntores que estavam no quadro de distribuição da cozinha eram originários da construção do prédio, com aproximadamente 40 anos de idade, e estavam inoperantes quanto à função de proteção de sobrecarga, provavelmente por corrosão interna provocada pela atmosfera salina, típica de regiões litorâneas. Esse exemplo ilustra a necessidade de inspeções periódicas na instalação elétrica, que no segmento industrial são realizadas por meio de programas de manutenção preventiva, com ferramental adequado e profissionais treinados, mas que infelizmente nos segmentos comercial e residencial são inexistentes. Uma iniciativa com essa proposta está sendo oferecida pelo Programa Casa Segura, do Procobre. 22 Incêndio

10 TABELA 4 REQUISITOS PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS ELÉTRICOS NÃO SUJEITOS À CERTIFICAÇÃO OU ETIQUETAGEM COMPULSÓRIA Produto Requisitos Observações Chaves do tipo faca, com ou sem fusíveis, fusíveis e bases para fusíveis Estárteres para lâmpadas fluorescentes Receptáculos para lâmpadas fluorescentes Receptáculos para lâmpadas incandescentes e fluorescentes compactas, do tipo Edson (rosca) Lâmpadas fluorescentes Lâmpadas incandescentes Interruptores, variadores de luminosidade, plugues, plugues de três saídas (benjamim ou tipo T), tomadas e adaptadores b) a tensão a que se destinam em volt (V); c) a corrente nominal em ampère (A) b) a potência das lâmpadas em watt (W) b) a potência em watt (W) b) a tensão a que se destinam em volt (V); c) a potência em watt (W) ou corrente nominal em ampère (A) b) a potência nominal em watt (W) b) a tensão a que se destinam em volt (V); c) a potência em watt (W). b) a tensão a que se destinam em volt (V); c) a potência em watt (W) ou a corrente nominal em ampère (A) Os contatos dos estárteres também poderão ser de alumínio Receptáculos deverão possuir um sistema de travamento contra rotação acidental quando da colocação ou retirada da lâmpada; Os terminais dos receptáculos deverão estar protegidos para evitar o contato acidental do usuário com as partes condutoras; A rosca dos receptáculos não pode ser acessada externamente, bem como deverá ter profundidade suficiente para permitir o total encaixe do casquilho da lâmpada Os casquilhos das lâmpadas fluorescentes compactas, com reator integrado, do tipo Edson (rosca), poderão ser de alumínio Os casquilhos das lâmpadas incandescentes, do tipo Edson (rosca), também poderão ser de alumínio consulta consulta Incêndio

11 Exemplo 2 produto não conforme Na Foto 1, temos um benjamim comprado em uma loja de ferragens. Por fora, à primeira vista, ele poderia até ser considerado por um consumidor leigo como um dispositivo adequado. Porém, um exame mais cuidadoso revela que ele não apresenta as informações exigidas na Portaria Inmetro 27/2000, descritas na Tabela 4 e, desta forma, não poderia estar colocado à venda. Essa irregularidade pode ser denunciada ao órgão de sua cidade do IPEM (Instituto de Pesos e Medidas), que tem poderes de busca e apreensão nesses casos. Porém, uma análise interna da peça mostrou que o perigo estava oculto e era ainda maior, pois ferindo outra disposição da Portaria Inmetro 27/2000, há partes ferrosas e corroídas nas partes condutoras do produto, mostradas na Foto 2. Conforme as correntes dos aparelhos conectados vão circulando nessas partes corroídas, provocam sobreaquecimento que pode gerar a queima do benjamim, da fiação dos aparelhos ligados, e daí propagar chamas para cortinas, sofás e o restante do ambiente, em poucos minutos. Tomadas múltiplas, internamente interligadas, constituídas apenas de tomadas fêmeas Extensões, incluindo as injetadas Filtros de linha, incluindo os injetados Lustres e luminárias Blocos autônomos de iluminação (luz de emergência) b) a tensão a que se destinam em volt (V), marcada opcionalmente em cada tomada; c) a corrente nominal em ampère (A), marcada opcionalmente em cada tomada atender individualmente ao especificado nas disposições, a elas pertinentes, desta Portaria, e, quando pré-medidas, a indicação da quantidade nominal em unidades legais de comprimento atender, individualmente, ao especificado nos artigos 17, 18 e 19, e conter a expressão "potência máxima" do conjunto e sua indicação em volt ampère (VA) ou "carga máxima", ou "corrente máxima", do conjunto, e sua indicação em ampère (A) atender, individualmente, ao especificado nas disposições pertinentes desta Portaria a) o nome, a marca ou logotipo b) a tensão a que se destinam em volt (V); c) o fluxo luminoso nominal com difusor em lúmem (lm); d) a autonomia com fluxo luminoso nominal em hora (h); e) a capacidade da bateria ampère-hora (Ah); f) a tensão nominal da bateria em volt (V) Deverá conter também a expressão "potência máxima" do conjunto e sua indicação em watt (W) ou "carga máxima", ou "corrente máxima" do conjunto e sua indicação em ampère (A) As extensões, com comprimento nominal de até 2 m deverão ter seção nominal mínima de 0,5 mm². Acima de 2 m, a menor seção nominal deverá ser de 0,75 mm², respeitando-se a corrente nominal do conjunto; A embalagem deverá apresentar a seção nominal do condutor identificação do fabricante, importador ou montador e conter a expressão "potência máxima", referente ao conjunto das lâmpadas a que se destinam, expressa em watt (W); As informações poderão ser gravadas em local visível do próprio produto ou indicadas por meio de etiquetas Foto 1 Vista externa do benjamim Conectores a) o nome, a marca ou logotipo b) a tensão em volt (V); c) a seção nominal máxima do fio ou cabo, que pode ser conectado, em milímetro quadrado (mm²) 24 Incêndio

12 Foto 2 Vista interna do benjamim Podemos dizer que o consumidor leigo não possui o conhecimento necessário para efetuar a compra de produtos elétricos e pode ingenuamente introduzir em seu ambiente residencial ou de trabalho elementos que oferecerão riscos de incêndio. Enfatizamos que a aquisição de material elétrico é na verdade uma compra técnica e, portanto, apenas deve ser feita com critério, sob recomendação de profissional capacitado e tecnicamente atualizado com os requisitos técnicos e legais. Exemplo 3 eletrodomésticos A ProTeste (Associação Brasileira de Defesa do Consumidor) efetua periodicamente ensaios que visam avaliar a segurança e o desempenho de aparelhos elétricos. Em 2005, a entidade havia ensaiado ventiladores de mesa usualmente encontrados no comércio varejista, reprovando todos os modelos. Em fevereiro de 2011, divulgou os resultados de novos ensaios, realizados em cinco diferentes ventiladores, e no quesito de segurança contra incêndio apenas um deles obteve aprovação no ensaio que simulava curto-circuito no interruptor liga-desliga. Também foi avaliado se o gabinete permitia a propagação de fogo para todo o aparelho em caso de curto-circuito nas peças, e nesse ensaio dois ventiladores apresentaram desempenho aceitável. Um dos fabricantes alegou em sua defesa que o modelo testado já estava fora de linha (cabe ressaltar que os modelos foram adquiridos no mercado poucos dias antes da realização dos testes), uma resposta aparentemente sem respaldo legal, uma vez que o Código de Defesa do Consumidor prevê os defeitos ocultos, especialmente nos casos que afetam a segurança do usuário. Como conclusão, a ProTeste não recomendou a compra de nenhum dos ventiladores testados, o que enfatiza a importância de medidas como a Portaria Inmetro 371/2009 para a população. Exemplo 4 chamas na via pública As redes de distribuição de energia elétrica também oferecem riscos de incêndio em áreas residenciais ou comerciais, e neste caso é importante uma atenção diferenciada por parte da empresa concessionária. Uma série de ocorrências de explosões em bueiros da concessionária Light do Rio de Janeiro foram registradas na mídia em 2010, repetindo as mesmas lamentáveis ocorrências de 2000, o que pode sinalizar que o risco ainda não esteja sob controle. O mais grave registrado na mídia ocorreu em 29 de junho de 2010, quando a turista americana Sarah Lowry teve 80% do corpo queimado e ficou 68 dias internada após ter sido atingida por uma explosão em bueiro quando atravessava uma rua em Copacabana, na faixa de pedestres. As chamas emanadas chegaram a três metros de altura. O marido dela, James McLaughlin, teve 35% do corpo queimado, ficando 30 dias internado. consulta consulta Incêndio

13 Esses eventos estão referenciados à manutenção dos sistemas elétricos, utilização e capacidade das redes e formação de atmosferas explosivas no interior dos dutos, sendo, portanto, mais um risco de incêndio devido à eletricidade que afeta os cidadãos. Exemplo 5 as instruções de segurança Segundo o Código de Defesa do Consumidor, cabe ao fornecedor disponibilizar ao consumidor todas as informações de segurança relativas ao produto, em especial os elétricos e eletrônicos, em português. Porém temos percebido no mercado varejista a venda de diversos produtos importados com instruções importantes em inglês e com o cordão de alimentação elétrica sem possuir o plugue conforme o padrão brasileiro de tomadas, o que além de caracterizar uma ilegalidade compromete a segurança da instalação e do usuário. A Foto 3 mostra essa irregularidade encontrada em um aparelho de arcondicionado tipo split exposto para venda em uma loja de departamentos brasileira, em dezembro de Foto 3: Placa com instruções importantes em inglês CONCLUSÕES O correto gerenciamento dos riscos de incêndio devidos à eletricidade envolve diversos atores: o governo, que define requisitos mínimos tanto para os produtos elétricos comercializados quanto para a atuação dos profissionais; os executantes, que devem possuir a capacitação, experiência e atualização comprovada; e, por último, mas não menos importante, o consumidor, que em última instância permite que uma irregularidade se instale e gere um risco de incêndio em sua propriedade, seja por contratação de um pseudoprofissional, seja pela aquisição de um produto falsificado ou que não atenda aos requisitos mínimos, ou mesmo pela utilização de produtos elétricos sem atentar às recomendações expressas no manual de utilização elaborado pelo fabricante. Tendo em vista a importância desse tópico para a segurança, os consumidores devem exigir seus direitos ao receber manuais de utilização, instalação e manutenção de aparelhos elétricos, em português, pois com a crescente importação de produtos asiáticos se percebe que apenas folhetos simplificados são fornecidos em nossa língua, enquanto informações importantes de segurança ou são omitidas ou afixadas nos gabinetes, em inglês. Tal prática contribui para a não conformidades na instalação, comprometendo a segurança dos usuários. Da mesma forma, uma vez que a elaboração do Manual do Proprietário está definida pela norma NBR : 1998, entendemos que deve ser exigido das construtoras o fornecimento do mesmo aos compradores de imóveis, com base nos artigo 39, inciso VIII e artigo 50, parágrafo único do Código de Defesa do Consumidor. Adicionalmente, tal item deveria ser incluído dentre os requisitos estabelecidos pelas prefeituras para a concessão do habite-se, o que ajudaria consideravelmente os usuários quanto ao conhecimento e à correta e segura utilização das instalações elétricas projetadas do imóvel adquirido. A efetiva segurança da instalação elétrica passa pela valorização dos profissionais de eletricidade e pelo atendimento às disposições legais que definem suas responsabilidades, desde a etapa de projeto. Uma vez que a energização da instalação caracteriza o início do gerenciamento dos riscos de incêndio por parte do usuário, é fundamental para a segurança da sociedade que as concessionárias apenas atendessem aos pedidos de ligação cujos projetos estivessem consoantes os requisitos técnicos e legais. Infelizmente, em diversas concessionárias, há dispensa de apresentação de projeto e da respectiva Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) para pedidos de ligação, o que, além de desrespeitar o exercício profissional dos técnicos legalmente habilitados, submete a comunidade aos riscos de incêndio devido a instalações feitas por pessoas técnica e legalmente desqualificadas. A instalação elétrica não é eterna, algo que se faça uma vez e esqueça. A inspeção periódica das instalações elétricas por profissionais legalmente habilitados é fundamental para garantir a segurança das pessoas e do patrimônio contra incêndios, e deve merecer prioridade de todos os usuários, sejam industriais, sejam comerciais ou residenciais. ESTELLITO RANGEL JUNIOR é instrutor e auditor de instalações elétricas em áreas classificadas 26 Incêndio

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria.

Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Andraplan Administração Empresarial Ltda. A essência da consultoria. Publicação de domínio público reproduzida na íntegra por Andraplan Administração Empresarial Ltda. Caso tenha necessidade de orientações

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DISPOSITIVOS ELÉTRICOS UTILIZADOS NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

PROCEDIMENTO PARA DISPOSITIVOS ELÉTRICOS UTILIZADOS NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas.

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Artigos técnicos 02 Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Instalação elétrica defasada é foco de

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 1.007, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2010. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 7 Simbologia de Projetos Elétricos Porto Alegre - 2012 Tópicos Projeto de instalações elétricas prediais Simbologia para instalações

Leia mais

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822

LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA José Antonio Mocarzel engenheiro eletricista CREA RJ 1981103822 LAUDO DE VISTORIA ELÉTRICA N O 21/2015 1. Informações gerais sobre o local da vistoria: Imóvel sito a rua Jornalista Irineu Marinho nº 441 Icaraí Niterói RJ Nome do Condomínio: Edifício Luanda CNPJ/MP:

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE

Manual Técnico. Transformadores de potência. Revisão 5 ÍNDICE Página 1 de 10 Manual Técnico Transformadores de potência Revisão 5 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...2 2 RECEBIMENTO...2 3 INSTALAÇÃO...3 3.1 Local de instalação...3 3.2 Ligações...3 3.3 Proteções...7 4 MANUTENÇÃO...9

Leia mais

ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL

ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL painel de resulados painel de resultados Por Maria Clara de Maio, colaborou Edson Martinho Fotos: Rubens Campo ANÁLISE DE UMA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESIDENCIAL UUma instalação elétrica mal dimensionada,

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NORMAS TÉCNICAS BRASILEIRAS SOBRE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Novas Normas NBR IEC 61643-1 - Dispositivos de proteção contra surtos em baixa tensão - Parte 1: Dispositivos de proteção conectados a sistemas de

Leia mais

Segurança Intrínseca

Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca Segurança Intrínseca é uma das técnicas que podem ser empregadas em equipamentos elétricos que se destinam às áreas classificadas. O objetivo de todas as técnicas

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Ensaio de estanqueidade das peças condutoras de gás

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Ensaio de estanqueidade das peças condutoras de gás ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABOTEC ENSAIOS E MEDIÇÕES LABORATORIAIS LTDA E ÁGUA

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice

MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA. Índice MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO SPDA Índice 1 Introdução 2 Local da Obra 3 Normas 4 Malha de Aterramento 5 Equipamento e Materiais 6 Sistema de Proteção Contra Descargas Atmosféricas 7 Cálculo dos Elementos

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 1 PROJETO ELÉTRICO AULA 1 PROJETO ELÉTRICO 1- Introdução 2- Normas técnicas Todo projeto deve ser concebido a luz de uma norma técnica. No Brasil, a normatização é de responsabilidade da Associação Brasileira de Normas Técnica

Leia mais

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO

REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO REFORMA SALA DO NÚCLEO DE SEGURANÇA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO PREVENTIVO CONTRA INCÊNDIO Responsabilidade e Compromisso com o Meio Ambiente 2 110766_MEMPCI_REFORMA_SALA_MOTORISTAS_R00 MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Central de Iluminação de Emergência 12 V(cc), 20 A, com Capacidade de 240 W. Código AFB240 A central de iluminação de emergência é alimentada pela rede elétrica predial (110 ou 220 volts) e também possui

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE ENTRADA DO CONDOMÍNIO DO EDIFÍCIO SOLAR DAS LARANJEIRAS 1 INDICE 1 OBJETIVO 2 NORMAS APLICÁVEIS 3 GENERALIDADES 4 METODOLOGIA 5 MEDIÇÕES DE GRANDEZAS

Leia mais

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima.

Exemplo de uma planta de distribuição elétrica utilizando parte da simbologia acima. TOMADA NO PISO PONTO DE FORÇA 2 3 3w 4w INTERRUPTOR DE 1 SEÇÃO INTERRUPTOR DE 2 SEÇÕES INTERRUPTOR DE 3 SEÇÕES INTERRUPTOR THREE-WAY PARALELO INTERRUPTOR FR-WAY INTERMEDIÁRIO ACIONADOR DE CIGARRA CIGARRA

Leia mais

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR

MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Indústria e Comércio de Bombas D Água Beto Ltda Manual de Instruções MISTURADOR SUBMERSO RÁPIDO MSR Parabéns! Nossos produtos são desenvolvidos com a mais alta tecnologia Bombas Beto. Este manual traz

Leia mais

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410

1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 1 INSPEÇÃO DA INSTALAÇÃO ELÉTRICA CONFORME A NBR 5410 A segurança sempre está em pauta em nossas vidas e com a eletricidade não deve ser diferente. Durante a utilização normal das instalações elétricas

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

Instalações elétricas resumo

Instalações elétricas resumo Instalações elétricas resumo Na instalação elétrica de um prédio (residencial, comercial ou industrial), temos basicamente: - Equipamentos relacionados com a alimentação da instalação, tais como geradores,

Leia mais

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas

PIE - Prontuário das Instalações Elétricas PIE - Prontuário das Instalações Elétricas Autor: Masatomo Gunji - Engº Eletricista e de Segurança do Trabalho: O PIE é um sistema organizado de informações pertinentes às instalações elétricas e aos trabalhadores

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

Manual de Instruções. Aquecedor de Ambiente Halógeno. Modelo: MA - 012 H. Versão 191212. www.martau.com.br SAC: 0800 51 7546. ATENÇÃO: Não Cobrir

Manual de Instruções. Aquecedor de Ambiente Halógeno. Modelo: MA - 012 H. Versão 191212. www.martau.com.br SAC: 0800 51 7546. ATENÇÃO: Não Cobrir ATENÇÃO: Não Cobrir www.martau.com.br SAC: 0800 5 7546 Versão 922 Aquecedor de Ambiente Halógeno Modelo: MA - 02 H Anotações Índice - Introdução...4 2 - Recomendações de segurança...5 2. - Símbolos e

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS ELETRICA ELETRICA A ME Engenharia tem como aliados profissionais altamente qualificados com anos de experiência em Engenharia de Eletricidade. Garantindo nossos projetos e manutenção com toda a proteção adequada

Leia mais

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO IT - 16 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências Normativas 4 Definições 5 Generalidades gerais 6- Procedimentos 7 Certificação e validade/garantia INSTRUÇÃO

Leia mais

A iluminação além da imaginação

A iluminação além da imaginação A iluminação além da imaginação 2014 Índice Introdução... 4 Aplicações...5 Conhecendo o Iluminador... 6 Instalação e Uso... 7 Recomendações Elétricas... 8 Solucionando problemas... 13 Especificações técnicas...

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10

BOLETIM TÉCNICO. NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. 1. Introdução. 2. Porque da importância da NR-10 NR-10 - Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade 1. Introdução A Norma Regulamentadora n 10 é um documento que descreve um conjunto de procedimentos e requisitos para as atividades que envolvem

Leia mais

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição

DICAS. Instalações elétricas residenciais. 8ª Edição DICAS Instalações elétricas residenciais 8ª Edição DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES CONCEITOS BÁSICOS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CERTIFICAÇÃO DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO REQUISITOS DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE PROF. MARCOS FERGÜTZ ABRIL/14 INTRODUÇÃO - Legislação Portaria no. 51, de 28 de janeiro de 2014, do INMETRO,

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 07/05/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Quadro de Distribuição Circuitos Terminais Circuitos Terminais Quadro de Distribuição Quadro de Distribuição

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS ANEXO XVIII AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 18 SISTEMAS DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica visa a adequar o texto da norma NBR 10897, que dispõe sobre

Leia mais

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10

Avaliação Serviço em Eletricidade Básica- NR10 Empresa: Instrutor: Nome: DATA: Questões: 01- A NR10 Instalação e Serviços de eletricidade fixam as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalha em instalações elétricas,

Leia mais

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO

FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO FIOS E CABOS BAIXA TENSÃO Conceitos Básicos sobre es Elétricos Definições: Vergalhão Produto metálico não-ferroso de seção maciça circular, destinado à fabricação de fios. Fio Metálico Produto maciço,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS SITE: www.amm.org.br- E-mail: engenharia@amm.org.br AV. RUBENS DE MENDONÇA, N 3.920 CEP 78000-070 CUIABÁ MT FONE: (65) 2123-1200 FAX: (65) 2123-1251 MEMORIAL DESCRITIVO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO INSTALAÇÕES

Leia mais

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira

A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira A Compatibilidade Eletromagnética (EMC) e sua Influência na Sociedade Brasileira João Saad Júnior - PY1DPU - Pesquisador do CEPEL de 1978 a 2013, atualmente aposentado membro do O QUE É COMPATIBILIDADE

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO UNESP CAMPUS DE FRANCA/SP 1 INDÍCE 1 - OBJETIVO 2 - NORMAS APLICÁVEIS 3 - GENERALIDADES

Leia mais

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06

Sistema de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional Identificação: PROSHISET 06 Extintores de Incêndio Portáteis. Revisão: 00 Folha: 1 de 7 1. Objetivo Assegurar que todos os canteiros de obras atendam as exigências para utilização dos extintores de incêndio portáteis de acordo com

Leia mais

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO

PADRÃO DE ENTRADA DE INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL SIMPLIFICADO www.celesc.com.br PADRÃO DE ENTRADA DE E N E R G I A E L É T R I C A E M INSTALAÇÕES CONSUMIDORAS MANUAL

Leia mais

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade

Atmosferas Explosivas. Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Segurança e confiabilidade Atmosferas Explosivas Quando o assunto é área de risco o uso de produtos apropriados e a manutenção adequada são exigências obrigatórias para atender normas

Leia mais

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO.

Introdução ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. ENERGIA ELÉTRICA: GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO. Introdução A energia elétrica que alimenta as indústrias, comércio e nossos lares é gerada principalmente em usinas hidrelétricas, onde a passagem

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG.. Instalações Elétricas Gerais 02.1. Geral 02.2. Normas 02.3. Escopo de Fornecimento 02.4. Características Elétricas para Iluminação de Uso Geral 02.4.1. Geral 02.4.2. Tensões de Alimentação

Leia mais

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso

Vasos de Pressão. Ruy Alexandre Generoso Vasos de Pressão Ruy Alexandre Generoso VASOS DE PRESSÃO DEFINIÇÃO: São equipamentos que contêm fluidos sob pressão, cujo produto P x V seja superior a 8. Em que: Pressão (Kpa) Volume (m 3 ) VASOS DE PRESSÃO

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

PORTEIRO ELETRÔNICO. Modelo: EG-PRL002. Manual do Usuário

PORTEIRO ELETRÔNICO. Modelo: EG-PRL002. Manual do Usuário PORTEIRO ELETRÔNICO Modelo: EG-PRL002 Manual do Usuário 1 Introdução Parabéns por adquirir o Porteiro Eletrônico modelo EG-PRL002 da EcoGold! Para conhecer toda a linha de produtos EcoGold, visite o site:

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

cesse: Downloads Manuais Tira-dúvidas

cesse: Downloads Manuais Tira-dúvidas para leigos cesse: Downloads gratuitos Manuais Tira-dúvidas E muito mais! O site Shammaluz está mais bonito e mais completo. Lá você encontra informações específicas para cada tipo de negócio que quer

Leia mais

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES

DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES DICAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS RES z CNCEITS BÁSICS DE ELETRICIDADE Nos condutores existem partículas invisíveis chamadas de elétrons livres que, assim como os planetas ao redor do sol, giram ao redor

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

NET CONECTION CORP ESTADOS UNIDOS LOS ANGELES, CA BRASIL ARGENTINA

NET CONECTION CORP ESTADOS UNIDOS LOS ANGELES, CA BRASIL ARGENTINA NET CONECTION CORP ESTADOS UNIDOS LOS ANGELES, CA BRASIL ARGENTINA APRESENTAÇÃO A NCC Certificações é reconhecida pela ANATEL como um Organismo de Certificação Designado, acreditada pelo INMETRO/CGCRE

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60

COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 Página 1 de 15 COMUNICADO TÉCNICO Nº 60 ALTERAÇÃO DE TENSÃO SECUNDÁRIA DE NOVOS EMPREENDIMENTOS NO SISTEMA RETICULADO SUBTERRÂNEO (NETWORK) Diretoria de Engenharia e Serviços Gerência de Engenharia da

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

FACULDADES DE ENGENHARIA DE RESENDE CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA COM ENFÂSE EM ELETRÔNICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO

FACULDADES DE ENGENHARIA DE RESENDE CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA COM ENFÂSE EM ELETRÔNICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO FACULDADES DE ENGENHARIA DE RESENDE CURSO ENGENHARIA ELÉTRICA COM ENFÂSE EM ELETRÔNICA ASSOCIAÇÃO EDUCACIONAL DOM BOSCO ADAPTAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS HOSPITALARES DE ACORDO COM AS NORMAS DA ABNT

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS CONTRA INCÊNDIO

CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS CONTRA INCÊNDIO Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS CONTRA INCÊNDIO Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial 2º Fórum Nacional de Prevenção

Leia mais

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável

Eletrodutos de PVC Rígido Tipo Rosqueável Barramentos de Cobre Medida Peso Amperagem /8 x 1/16 0,15kg 5 1/2 x 1/16 0,180kg 45 /8 x 1/8 0,269kg 7 1/2 x 1/8 0,58kg 97 5/8 x 1/8 0,448kg 122 /4 x 1/8 0,57kg 146 1 x 1/8 0,717kg 195 1.1/4 x 1/8 0,896kg

Leia mais

Grupo Geradores Residenciais. O que mantém sua família unida é a energia que compartilham.

Grupo Geradores Residenciais. O que mantém sua família unida é a energia que compartilham. Grupo Geradores Residenciais O que mantém sua família unida é a energia que compartilham. Gerando os melhores momentos para viver. Você precisa de eletricidade para iluminar os ambientes de sua casa, operar

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Condomínio Santa Tecla. Bagé RS. 21 de Maio de 2015

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. Condomínio Santa Tecla. Bagé RS. 21 de Maio de 2015 Engenharia, Pesquisa, Desenvolvimento e Ensino LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO Condomínio Santa Tecla Bagé RS 21 de Maio de 2015 Sumário 1. OBJETIVO. 3 2. NORMAS APLICÁVEIS.

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000

Instruções de Operação. Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Instruções de Operação Sistema de avaliação para sensores de fluxo VS3000 Conteúdo Instruções de segurança... pág. 03 Função e características... pág. 04 Montagem... pág. 04 Conexão elétrica... pág. 05

Leia mais

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018.

Eletrônicos. Convencionais. Manual do do Reator. Partida rápida. Fabricamos produtos com certificação: Descarga OCP 0018. Eletrônicos Convencionais Manual do do Partida rápida Fabricamos produtos com certificação: Descarga es BV OCP 0018 Índice Eletrônico de Descarga Índice PIS FPN 10 PIS AFP 10 PIS DICRÓICA 11 PID FPN 11

Leia mais

Manual de Instruções. Controle Remoto para Ventiladores e Lâmpadas Fan Controller

Manual de Instruções. Controle Remoto para Ventiladores e Lâmpadas Fan Controller Controle Remoto para Ventiladores e Lâmpadas Fan Controller Atendimento ao consumidor msn: sac@forceline.com.br skype: sac.forceline Casos Diferenciados (011) 6099-7747 Manual de Instruções Force Line

Leia mais

3 pás. Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes.

3 pás. Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. 3 pás Parabéns! Você acabou de adquirir um ventilador de teto com luminária, especialmente criado para trazer mais conforto e beleza aos ambientes. Com design diferenciado o Efyx Lunik3 é pré-montado.

Leia mais

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO

LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO ELETRIFICADOR DE CERCA EC- rural MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA TODO O CONTEÚDO DESTE MANUAL ANTES DE INICIAR A INSTALAÇÃO Esta página foi intencionalmente deixada em branco. CUIDADOS NA INSTALAÇÃO

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural

Disciplina: Eletrificação Rural UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS RIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 6 Condutores elétricos - dimensionamento e instalação.

Leia mais

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014.

Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 260, de 05 de junho de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho.

Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. 0 IMPORTANTE LEIA E SIGA AS SEGUINTES INSTRUÇÕES Estas informações são importantes para a segurança e eficiência na instalação e operação do aparelho. ATENÇÃO Atenção indica uma situação potencialmente

Leia mais

COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA

COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA COMUNICADO PADRÃO BRASILEIRO DE PLUGUES E TOMADAS E FIO TERRA A ABINEE Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica, considerando que em parte da mídia estão sendo veiculadas informações inconsistentes

Leia mais

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

REGULAMENTO CENTRO DE EVENTOS FIERGS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS No caso das instalações elétricas existentes nos espaços não comportarem a carga elétrica a ser ligada pelo evento, é necessário que a Contratante apresente os documentos e respeite as condições mínimas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE CORDÕES E CABOS FLEXÍVEIS CONTEMPLADOS PELA PORTARIA INMETRO 139/01

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE CORDÕES E CABOS FLEXÍVEIS CONTEMPLADOS PELA PORTARIA INMETRO 139/01 PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO DE CORDÕES E CABOS FLEXÍVEIS CONTEMPLADOS PELA PORTARIA INMETRO 139/01 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Definições 4 Responsabilidade 5 Siglas e Abreviaturas 6 Referência

Leia mais

COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010

COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010 COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010 1 INTRODUÇÃO Prezado(a) Senhor(a) Síndico(a), Estamos encaminhando os resultados do check-up efetuado nas instalações elétricas

Leia mais

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez

Segurança Elétrica em. Prof. Ernesto F. F. Ramírez Segurança Elétrica em Ambiente Hospitalar Prof. Ernesto F. F. Ramírez Choque Elétrico Intensidade da corrente circulação de corrente elétrica através do organismo humano Percurso da corrente Duração do

Leia mais

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri

Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios. Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios Marcos Velletri Reforma e Manutenção de Edificações ou Condomínios É de extrema importância a conscientização de proprietários e síndicos quanto à responsabilidade

Leia mais

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014

Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Avaliação da conformidade para luminárias LED para IP e lâmpadas LED Alexandre Paes Leme - Inmetro São Paulo 10/09/2014 Requisitos mínimos para luminárias LED Requisitos mínimos de segurança para a luminária

Leia mais

GUIA DE APOIO AO USUARIO

GUIA DE APOIO AO USUARIO GUIA DE APOIO AO USUARIO CONTEÚDO DE OLHO EM SEU PATRIMÔNIO... 3 1 - APRESENTAÇÃO... 4 2 - COMO PROCEDER DIANTE DA OCORRÊNCIA... 4 3 - INFORMAÇÕES IMPORTANTES... 5 4 - FIQUE ATENTO... 6 5 - DUVIDAS FREQUENTES...

Leia mais

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO NR-13 - CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR)

Leia mais

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS IT - 18 SISTEMA DE CHUVEIROS AUTOMÁTICOS SUMÁRIO ANEXO 1 Objetivo A - Hidrantes de recalque do sistema de chuveiros automáticos 2 Aplicação B Sinalização dos Hidrantes de Recalque do Sistema de chuveiros

Leia mais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais

Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Projeto de Instalações Elétricas Residenciais Me. Hader Aguiar Dias Azzini hader_azzini@hotmail.com Campinas - ES 2014 Introdução Em geral, o projeto elétrico compreende quatro partes: Memória (justificativa

Leia mais

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL

ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL ESTADO DO MARANHÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR COMANDO GERAL Resolução nº 002 de 09 de maio de 2011. O Comandante Geral do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Maranhão, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica

Manual do Usuário. Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica Manual do Usuário Complemento da componente curricular Instalações Elétricas do curso Técnico em Eletrônica MANUAL DO USUÁRIO Introdução A norma para Instalações elétricas de baixa tensão, NBR 5410:2004,

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE 2012 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC N 6, DE 30 DE JANEIRO DE

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO.

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais