Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas Rita Isabel Vieira do Vale Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Optometria em Ciências da Visão (2º ciclo de estudos) Orientador: Dr. Luís Vieira Co-orientador: Prof. Doutor Pedro Monteiro Covilhã, Outubro de 2013

2 ii Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

3 Resumo Depois de realizado um estágio, é tempo de rever tudo o que este nos trouxe de novo e nos fez crescer como profissionais. Na Ocular Eye Care tivemos oportunidade de aprender com casos reais, três dos quais descrevo neste relatório. Suspeita de condição aguda, insuficiência de convergência e adaptação de lentes de contacto hidrófilas tóricas, são os temas escolhidos para figurar neste trabalho. A análise dos casos selecionados é dividida em introdução, apresentação do caso e respetivos dados recolhidos, diagnóstico, tratamento e discussão. Palavras-chave Condição aguda, insuficiência de convergência, lentes de contacto tóricas. iii

4 iv Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

5 Abstract After performing a traineeship, it s time to review what this brought us new, and made us grow as professionals. In Ocular Eye Care we had the opportunity to learn from real cases, three of them are described in this report. Suspected of acute condition, convergence insufficiency and toric contact lenses adaptation, are the topics chosen to appear in this work. The analysis of selected cases is made by introduction, case presentation and their data collected, diagnosis, treatment and discussion. Keywords Acute condition, convergence insufficiency, toric contact lenses. v

6 vi Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

7 Índice Lista de Figuras... ix Lista de Tabelas... xi Lista de Acrónimos... xiii Capítulo I... 1 Introdução... 1 Capítulo II... 3 Suspeita de Condição Aguda Introdução Apresentação do Caso Diagnóstico e Tratamento Discussão... 5 Capítulo III... 6 Insuficiência de Convergência Introdução Apresentação do Caso Diagnóstico Tratamento Discussão Capítulo IV Introdução Apresentação do Caso Diagnóstico e Tratamento Discussão Capítulo V Conclusão Bibliografia Anexos vii

8 viii Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

9 Lista de Figuras Imagem 1: Diferentes mapas topográficos da córnea do olho direito Imagem 2: Diferentes mapas topográficos da córnea do olho esquerdo ix

10 x Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

11 Lista de Tabelas Tabela 1: Resultados dos testes optométricos efetuados no caso de referenciação para Oftalmologia Tabela 2: Resultados dos testes optométricos efetuados no caso de Visão Binocular... 7 Tabela 3: Resultados dos testes optométricos efetuados no caso de Adaptação de LC tóricas 12 xi

12 xii Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

13 Lista de Acrónimos AC/A- Quantidade de vergência acomodativa que ocorre quando um sujeito realiza determinada quantidade de acomadação; AO Ambos os olhos; ARP Acomodação Relativa Positiva; AV Acuidade Visual; D- Dioptria, unidade de medida da potência de sistemas ópticos; Endo- Endoforia; Exo- Exoforia; LC- Lentes de contacto; MEM- Acrónimo para designar a retinoscopia MEM, que tem como principal objectivo avaliar a precisão da resposta acomodativa; mm unidade de medida; OD Olho direito; OE Olho esquerdo; Orto- Ortoforia; PPC- Ponto próximo de acomodação; VFP- Vergências fusionais positivas; xiii

14 xiv Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência,

15 Capítulo I Introdução Neste relatório iremos descrever e analisar três dos casos observados em optometria clínica na empresa Ocular Eye Care, onde se realizou o estágio curricular com 3 meses de duração, entre Julho e Outubro de O estágio foi orientado pelo Dr. Luís Vieira e co-orientado pelo Prof. Doutor Pedro Monteiro. Quanto ao teor dos casos apresentados neste relatório, foi-nos proposto incluir 3 casos distintos, onde o primeiro fosse sobre referenciação e reencaminhamento para oftalmologia, o segundo sobre visão binocular, e o terceiro sobre contatologia. O estágio consistiu em várias atividades envolvendo as diversas vertentes da Optometria, deste modo, foi-nos dada formação contínua pelos orientadores, de forma a consolidar os conhecimentos adquiridos na universidade e integrando-os na prática optométrica. Para além da formação teórica que nos foi dada continuamente ao longo dos 3 meses, também nos foi sempre concedida a oportunidade de assistirmos e colaborarmos nas consultas, de forma interativa. Estivemos em contacto com diversos aparelhos, tal como, topógrafo, campímetro, tonómetro, para além de todos os outros existentes habitualmente em gabinete. Utilizávamos de forma regular o topógrafo nas consultas. Surgiram vários casos de Queratocone, onde podemos verificar e concluir que este é um instrumento crucial para o seu diagnóstico. Interagimos também com todos os aparelhos envolvidos no processo de montagem de óculos, deste modo pudemos ter perceção da existência de vários parâmetros a ter em conta na escolha da melhor lente e armação para cada ametropia. Ao longo deste estágio deparamo-nos com diversos casos e situações, incluindo queratocone e baixa visão, que são para nós casos menos comuns. Relativamente aos casos de queratocone que se apresentaram em consulta ao longo do estágio, foi-nos mostrado todo o processo de diagnóstico e tratamento, geralmente utilizando 1

16 lentes de contacto Rose K através de várias tentativas de adaptação e posterior avaliação da AV. No que diz respeito aos casos de baixa visão, enfrentamos esta difícil realidade, na qual aprendemos a ter em conta as alternativas e materiais disponíveis tanto para a medição da AV e execução do exame, como as diversas soluções e suportes de ajuda visual disponíveis no mercado. Relativamente aos casos de reencaminhamento, quando constatamos que a resolução do caso não seria da competência da nossa área, elaboramos um pequeno relatório descritivo dos sintomas apresentados pelo paciente e da possível causa, o qual era posteriormente apresentado ao oftalmologista. Uma outra vertente interessante deste estágio foi o facto de podermos ser parte integrante no projeto de rastreios que decorreu em diversas fábricas durante este período. 2

17 Capítulo II Suspeita de Condição Aguda 2.1 Introdução O primeiro caso a que nos propomos apresentar é um caso de referenciação para Oftalmologia. A panóplia de testes a que o Optometrista tem acesso e está habilitado a executar nem sempre é suficiente para a determinação da resolução de todos os casos que se lhe apresentam. Muitas das vezes existe uma suspeita de patologia quando a acuidade visual do paciente não melhora com a refração ou quando no final do exame concluímos que as queixas do paciente não foram solucionadas. O optometrista dispõe de aparelhos e conhecimentos académicos sobre patologia ocular que o ajudam a conduzir o exame de forma a chegar a um diagnóstico, no entanto não tem legitimidade para tratar uma patologia, deste modo é necessário recolher o máximo de dados relevantes para introduzir no relatório que irá dirigir ao Oftalmologista. 2.2 Apresentação do Caso Paciente de 33 anos, apresenta queixas de olho esquerdo vermelho, ardor, sensação de corpo estranho e fotofobia. Ainda relativamente às queixas do paciente, refere dores de cabeça frontais há cerca de uma semana, visão turva e dor ocular no olho esquerdo. No que diz respeito à História Familiar, Historia Ocular e História de Saúde não há qualquer tipo de sintomatologia relevante e o paciente é saudável. Na observação externa do paciente verificamos que, para além da hiperémia conjuntival unilateral, este apresenta vesiculas na pálpebra superior com edema, tal como erupção cutânea na parte superior esquerda do rosto. 3

18 Atualizou a graduação em Junho, no entanto nos últimos dois dias não se sente bem com os óculos, os quais têm a seguinte prescrição: OD: x 45º OE: x170º Para iniciar a consulta, foi-lhe medida, antes de mais, a AV com compensação, a qual apresentou 1.0 no olho direito e 0.8 no olho esquerdo. Na Retinoscopia, obtivemos no OD e x 45º e x 180º no OE. O resultado do exame subjectivo no OD foi x 40º e no olho esquerdo x 175º. Foi-lhe medida a pressão intra-ocular, onde verificamos que apresentava 12,0 mmhg no olho direito e 10,0 mmhg no olho esquerdo. Seguidamente foram conferidas as pupilas e os reflexos pupilares, que se apresentavam sem qualquer tipo de anomalia. Na oftalmoscopia não foram observadas alterações no fundo ocular. A observação biomicroscópica com fluoresceína permitiu-nos verificar que o paciente possuía sinais de hiperémia radial centrípeta no olho esquerdo, sem complicações na córnea. A tabela abaixo resume os dados recolhidos na consulta anteriormente descrita: Tabela 1: Resultados dos testes optométricos efetuados no caso de referenciação para Oftalmologia. Rx habitual Retinoscopia Subjectivo PIO Reflexos pupilares Oftalmoscopia Biomicroscopia OD: X 45º AV: 1.0 OE: X 170º AV: 0.8 OD: x 45º OE: x 180º OD: x 40º AV: 1.0 OE: x 175º AV: 0.8 OD: 12,0 mmhg OE: 10,0 mmhg Sem alteração Sem alteração OD: Sem alteração OE: Hiperémia radial e Edema palpebral. Córnea sem alteração 4

19 2.3 Diagnóstico e Tratamento Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, A pressão intra-ocular, as pupilas e reflexos pupilares e a oftalmoscopia encontram-se dentro da normalidade, no entanto existirá alguma causa para o despoletar do padrão de conjuntivite radial severa observada no biomicroscópio. O facto da acuidade visual do sujeito estar ligeiramente diminuída onde surge o olho vermelho e esta não melhorar após a refração, juntamente com o facto de só terem surgido queixas com os óculos nos últimos dois dias, mostra que existe patologia associada. Ao corarmos o olho em causa com fluoresceína e visualizarmos biomicroscopicamente, verificamos que o paciente apresentava o olho seco e pequenos derrames na conjuntiva para além do já referido padrão de conjuntivite em todos os quadrantes. Relativamente à córnea, o diagnóstico é positivo, pois não foram observadas queratites nem quaisquer tipos de lesões. Deste modo, e sendo que as queixas do paciente são bastante relevantes neste caso, restanos relatar ao oftalmologista os testes efetuados afim deste poder fazer um diagnostico mais preciso e aplicar o tratamento indicado o mais rapidamente possível. 2.4 Discussão Os resultados dos testes efetuados remetem-nos a uma situação de patologia ocular. O quadro apresentado leva-nos a suspeitar de uma condição aguda e urgente, pois apesar de numa primeira análise sugerir uma simples conjuntivite, não podemos desvalorizar as queixas de dor intensa e incómodo relatadas na anamnese. No relatório enviado para o oftalmologista foram descritos os dados dos testes optométricos obtidos e alertado para o facto de se tratar de uma condição aguda que merece cuidado urgente. Dentro das condições agudas que poderíamos ter com este quadro clinico, a mais provável seria Herpes Ocular, no entanto cabe ao oftalmologista concluir acerca do diagnóstico exato. Numa pesquisa posterior à consulta verifiquei que existem vários tipos de herpes ocular, e que o herpes zóster manifesta-se por meio de erupção cutânea no rosto e do lado do olho afetado, sendo que a principal característica deste tipo de herpes é a dor intensa que pode persistir durante meses. O herpes zóster apresenta sintomas semelhantes ao herpes tipo 1, mas é provocado pelo vírus da varicela (catapora). 5

20 Capítulo III Insuficiência de Convergência 3.1 Introdução A tarefa do optometrista nem sempre é linear e não se resume apenas à refração, por isso este deve extrair o máximo de informação possível na anamnese a fim de estruturar e dirigir a sua consulta. A anamnese é crucial nos casos onde surgem anomalias na visão binocular, e deste modo uma simples queixa de dor de cabeça deverá ser explorada. A parte da visão binocular é talvez das mais complexas e exaustivas na nossa profissão, pois devemos ter em conta não só as queixas relatadas na anamnese, mas também saber interligalas com os resultados de diversos testes refrativos, vergênciais e acomodativos, a fim de chegar a um diagnóstico e posterior sugestão de tratamento. A primeira fase do exame de visão binocular consiste na medição da magnitude e direção da foria de longe e de perto juntamente com o cálculo do coeficiente AC/A. A segunda fase é a avaliação das vergências fusionais através de medidas diretas e indiretas. Numa terceira fase é importante avaliar a amplitude de convergência através do Ponto Próximo de Convergência (PPC), pois deste modo despistamos uma das anomalias mais comuns da visão binocular, a insuficiência de convergência. A quarta fase é o estado sensorial, onde é avaliada a supressão e a estereopsia. 3.2 Apresentação do Caso Paciente de 30 anos, apresenta queixas de diplopia, visão desfocada, epífora e dores de cabeça nos trabalhos de perto, sendo que também refere visão desfocada ao longe. Refere que a última consulta foi há cerca de 2 anos, sem qualquer diagnóstico. O paciente é saudável e a Historia Familiar, Historia Ocular e Historia de Saúde não têm relevância. 6

21 Para iniciar a consulta, foi-lhe medida, antes de mais, a AV, a qual apresentou do OD e do OE. Relativamente ao Cover Teste, o paciente possui 2 Δ de Exoforia ao longe e 12 Δ de Exoforia ao perto. No teste do Ponto Próximo de Convergência (PPC) obtivemos com o estímulo acomodativo o resultado de 8 cm/10 cm. Foi efetuada a Retinoscopia ao sujeito, não obtendo qualquer erro refractivo no OD e -0.25D no OE. Estes valores foram posteriormente afinados com a refração subjetiva com a qual concluímos que o sujeito ficou emétropizado com -0.25D em ambos os olhos. A fim de averiguarmos se o paciente possui reservas suficientes para compensar a foria apresentada no Cover Teste, fomos quantificar a vergência fusional positiva (convergência) de perto, onde obtivemos 8/12/9. Seguidamente, e para podermos elaborar o cálculo do AC/A, foi necessário efetuar o Cover Teste de perto com a lente de -1.00D, onde obtivemos o valor de 9 Δ Exoforia. Relativamente ao MEM verificamos que o resultado foi 0.00D e no que respeita à Estereopsia obteve-se 40. A tabela abaixo resume os dados recolhidos na consulta anteriormente descrita: Tabela 2: Resultados dos testes optométricos efetuados no caso de Visão Binocular AV (sem compensação) Cover Teste PPC (estimulo acomodativo) Retinoscopia Refração Subjetiva Vergencia fusional positiva (perto) Cover teste (perto) com lente de -1.00D Retinoscopia MEM OD: OE: Longe: 2 Δ Exo Perto: 12 Δ Exo 8 cm/ 10 cm OD: 0.00 OE: -0,25 D OD: D OE: D 8/12/9 9 Δ Exo 0.00 D AV:1.0 AV:1.0 Estereopsia 40 DIP 60 mm 7

22 3.3 Diagnóstico A partir da Anamnese podemos suspeitar de um problema de perto, pois as queixas dirigem-se essencialmente para as tarefas de leitura. A Acuidade Visual encontra-se ligeiramente reduzida e ao efetuarmos o subjetivo verificamos que possui uma miopia baixa em AO. Houve um melhoramento da AV com a compensação relativa aos dados subjetivos. Em primeiro lugar é evidente a alta exoforia de perto (12 Exo), e deste modo é necessário averiguar se as vergências, neste caso a vergência fusional positiva (convergência) compensa a foria apresentada. Segundo o Critério de Sheard, para que o sujeito se sinta confortável é necessário que a vergência fusional compensadora apresentada seja o dobro da foria. O critério não é cumprido, logo é normal que existam queixas por parte do paciente. Relativamente à relação AC/A, esta pode ser obtida através do cálculo do AC/A calculado e do AC/A gradiente abaixo demonstrados. Cálculo do AC/A: AC/A calculado = DIP + DF (FP FL) = [(-12) - (-2)] = 2/1 AC/A gradiente = (FI FHP) / - L = [(-9) (-12)] / -(-1.00) = 3/1 O AC/A está baixo em relação aos valores esperados e a medida do PPC está acima da norma, o que sugere uma insuficiência de convergência. A retinoscopia de MEM exibiu um valor baixo e a estereopsia está dentro da normalidade. Refletindo sobre todos os dados do paciente, para além do alto grau de exoforia, AC/A baixo e típico PPC elevado, foi também confirmado o diagnóstico de Insuficiência de Convergência pelas medidas diretas e indiretas (retinoscopia MEM) da VFP. 8

23 Para além das queixas de perto apresentadas, o paciente também referia visão desfocada ao longe, o que poderá ser devido a um excesso acomodativo consequente do seu problema de convergência. A insuficiência de convergência faz com que o sistema visual não consiga focar o plano de leitura em visão próxima e necessite de reservas fusionais positivas para não ver em diplopia. Não tendo reservas suficientes, vai recorrer à convergência acomodativa para manter o alinhamento e a visão única. O uso excessivo da acomodação é confirmado com o baixo valor do MEM e poderá provocar um espasmo acomodativo quando o paciente passa para visão de longe. 3.4 Tratamento O primeiro tratamento a ter em consideração numa insuficiência de convergência é a correção óptica da ametropia do paciente, no entanto existem exceções e essa regra, como é o caso das miopias de baixo grau, nas quais não é recomendada a correção. O caso aqui apresentado possui como erro refrativo uma miopia de -0,25 e não efetuamos a correção do mesmo, pois este dever-se-á provavelmente ao excesso acomodativo consequente da insuficiência de convergência do sujeito. A insuficiência de convergência é a anomalia da visão binocular que possui melhor prognóstico com treino visual. Na maioria destes casos é o treino visual a opção mais efetiva de tratamento e a eleita como primeira escolha, sendo os prismas uma alternativa caso esta não funcione. No caso em questão optamos por efetuar um plano de tratamento distinto do comum, pois as queixas de diplopia relatadas pelo paciente obrigaram-nos a uma resolução rápida do problema. Assim sendo, o tratamento escolhido como principal foi a prescrição de prismas de base externa para solucionar os sintomas de imediato. Relativamente à potência do prisma a prescrever, utilizamos a seguinte fórmula: Prisma necessário = 2/3 da foria 1/3 da vergência fusional compensadora Deste modo é necessário prescrever um prisma de 6 Δ Base Interna para que obedeça ao Critério de Sheard. Não foi eliminada a hipótese de efetuar treino visual, pelo contrário, foi explicado ao paciente que o seu problema teria de ser posteriormente solucionado com treino de convergência. 9

24 3.5 Discussão É notória a insuficiência de convergência presente neste caso, tanto a nível de queixas relatadas na anamnese como nos típicos valores de perto alterados. A insuficiência de convergência é uma condição caracterizada por uma alta exoforia de perto, ortoforia ou exoforia baixa de longe, vergência fusional positiva diminuída e uma relação AC/A baixa. A característica principal desta anomalia é o ponto próximo de convergência alterado. Verificamos que todas estas condições figuram no caso exposto, concluindo facilmente acerca do diagnóstico. Concluímos também que esta anomalia de convergência poderá ter conduzido consequentemente a outros problemas, tais como excessivo uso de acomodação e espasmo acomodativo. Apesar de não termos dados da ARP que confirmem esta parte do diagnóstico, termos o MEM (Método de Estimativa Monocular) o qual mede o atraso acomodativo, e neste caso apresentase baixo, o que significa que está a acomodar em demasia. A inexistência de vergência fusional que compense a foria de perto faz com que seja arrastada acomodação para que o paciente foque no plano que pretende ler, deste modo há um sobreuso da acomodação. Por outro lado, devido ao sobreuso da acomodação, quando o paciente passa da visão de perto para a visão de longe, há uma incapacidade de relaxar a acomodação e consequente diminuição da AV de longe (espasmo acomodativo). 10

25 Capítulo IV Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas 4.1 Introdução As lentes de contacto são uma excelente alternativa e complemento aos óculos para o sujeito ametrope. Para além das questões do conforto e estética, a lente de contacto proporciona maior campo visual, o que facilita a vida quotidiana da atualidade. Nem todos os sujeitos ametropes são propícios à adaptação de lentes de contacto, pois esta depende de vários parâmetros que têm de ser avaliados antes e depois de ensaiarmos as mesmas. É importante que o optometrista faça um acompanhamento das adaptações realizadas, pois é na consulta de seguimento que avalia o estado da LC e o seu comportamento no olho, bem como a AV atingida com esta compensação. Um dos aparelhos bastante útil nas consultas de adaptação de LC é o topógrafo. Este permitenos fazer uma melhor escolha da primeira lente de ensaio pois dá informação da diferença de curvatura da córnea entre o centro e a periferia e permite-nos também ter uma noção da possível direção do descentramento da lente. 4.2 Apresentação do Caso Paciente de 27 anos, empregado de loja, não usa qualquer tipo de compensação. Aquando da consulta de medicina do trabalho foi-lhe sugerido exame à visão. Relativamente às queixas apresentadas, refere fotofobia e dores de cabeça temporais pouco frequentes. Refere ainda pior qualidade de visão do olho esquerdo, sendo que considera ter uma boa visão binocular. O paciente é saudável e a Historia Familiar, Historia Ocular e Historia de Saúde não têm relevância. 11

26 Foi-lhe medida a Acuidade Visual, a qual apresentou 0.8-1/5 no OD e /5 no OE. No Cover Teste, o paciente não possui qualquer tipo de desvio ao longe e manifesta 3 exoforia ao perto. O resultado da retinoscopia foi x 180º no olho direito e x 10º no olho esquerdo. A prescrição final obtida com o subjetivo foi: OD: x 180º e OE: x 180º, atingindo a AV de 1.25 e /5 respetivamente. Foi-lhe feita a topografia corneal a fim de obtermos mais dados sobre o astigmatismo, onde podemos verificar que o simk é de x 10º e x 173º. A retinoscopia de MEM deu no olho direito e no olho esquerdo. Ao examinarmos as pupilas verificamos que não existiam quaisquer tipos de anomalia, do mesmo modo que a biomicroscopia não apresentou anormalidades e padrão lipídico colorido. Tabela 3: Resultados dos testes optométricos efetuados no caso de Adaptação de LC tóricas AV (sem compensação) Cover Teste Retinoscopia Subjectivo Reflexos pupilares Retinoscopia MEM Biomicroscopia OD: 0.8-1/5 OE: /5 Longe: Orto Perto: 3 Exo OD: x 180º OE: x 10º OD: x 180º AV:1.25 OE: x 180º AV:1.25-2/5 Sem alteração OD: OE: Não apresenta alterações nas pálpebras, conjuntiva, esclera e córnea. Apresenta um menisco lacrimal suficiente e padrão lipídico colorido. SimK OD: x 10º OE: x 173º 12

27 4.3 Diagnóstico e Tratamento Suspeita de Condição Aguda, Insuficiência de Convergência, O paciente apresentava astigmatismo em ambos os olhos, o que foi comprovado nas topografias corneais efetuadas, que se encontram em anexo (Figura 1 para o olho direito e Figura 2 para o olho esquerdo). Estas estão divididas em 4 mapas distintos: mapa de potência axial, mapa de potência tangencial, mapa de elevação e mapa de potência refrativa. Através do mapa axial verifica-se uma tipologia em forma de laço, comprovando o astigmatismo corneal existente. Através do mapa de potência tangencial pudemos extrair o valor do Simk, o qual é x 10º no OD e x 173º no OE, podemos também verificar que estamos perante um astigmatismo direto (a favor da regra), pois o meridiano mais curvo é o vertical e o mais plano é o horizontal. Para além da compensação oftálmica obtida na refração, foram recomendadas ao paciente Lentes de Contacto tóricas para correção da sua ametropia, neste caso, do astigmatismo. Assim sendo, as lentes aconselhadas ao paciente foram: Olho Direito: Daillies Toric x 180º Olho Esquerdo: Daillies Toric x 180º Ensinou-se ao paciente todo os passos importantes no manuseamento das lentes de contacto. Verificamos que a AV do paciente com as lentes de contacto é de 1.0 no OD e 1.0-1/5 no OE. Ao fazermos a observação desta adaptação na lâmpada de fenda, verificamos que a lente do OD estava centrada, tinha movimento adequado e possuía instabilidade rotacional. Já na lente do OE verificamos que estava centrada, tinha movimento adequado e possuía rotação de 10º no sentido horário. Foi marcada com o paciente uma consulta de seguimento para três dias depois, onde medimos novamente a AV com a LC e avaliamos a adaptação no biomicroscópio. Na consulta de seguimento o paciente revela conforto e satisfação com as lentes de contacto. A Acuidade Visual manteve-se igual à anteriormente medida em ambos os olhos. No olho direito a lente manteve-se centrada, com movimento adequado e instabilidade rotacional, e teste de fluoresceína negativo. No olho esquerdo a lente permaneceu também centrada, com movimento adequado e com rotação de 10º no sentido horário. 13

28 Visto que a lente do olho esquerdo continua a apresentar uma rotação de 10º no sentido horário, seria ideal novo diagnóstico com lente de x 10º. No entanto as lentes de contacto daillies toric apenas apresentam 6 eixos standard: 20º, 70º, 90º, 110º, 160º e 180º. Assim sendo, e não havendo alternativa, fomos obrigados a manter o mesmo eixo (180º), o que não faz efectivamente uma grande diferença na AV do paciente. 4.4 Discussão O processo de adaptação de lentes de contacto nem sempre é simples. Temos de ter em atenção toda a avaliação que esta exige para chegarmos à lente de contacto mais próxima da ideal para o paciente em questão. Através do novo diagnóstico com a lente adaptada a 10º, atingimos o objetivo do paciente ver a linha de 1.0 em ambos os olhos. A adaptação revela-se satisfatória pois a lente encontra-se centrada, o movimento é adequado, a AV é máxima e o paciente sente conforto. A escolha da melhor lente de contacto em termos de regime de substituição prende-se com as necessidades diárias do sujeito e a utilidade que lhe pretende conceder. Se por um lado o objetivo do paciente é fazer um uso ocasional (desporto e laser, por exemplo), a lente diária será a mais indicada. Contrariamente, se o objetivo solicitado é um uso contínuo como complemento diário aos óculos, então é sugerível uma lente mensal. No caso em questão, o paciente para além da compensação refrativa questionou a hipótese de começar a ser usuário de lentes de contacto para situações ocasionais, principalmente para a prática de desporto. Deste modo, foram-lhe aconselhadas as lentes Daillies Toric, as quais possuem um diâmetro de 14.20mm e um raio de curvatura de 8.60mm. A presença de uma certa instabilidade rotacional da lente no OD poderá dever-se à alteração da camada lipídica da lágrima (padrão lipídico colorido) observada na primeira consulta. Este padrão sugere uma espessura da camada lipídica superior ao normal, o que provoca uma maior instabilidade do filme lacrimal. Assim sendo, de algum modo é previsível uma maior retenção de depósitos lipídicos na superfície da LC, sendo que a lente de substituição diária é a melhor opção pois não requer cuidados de manutenção. 14

29 Capítulo V Conclusão O estágio é sem dúvida alguma um marco importante na vida de um estudante ao proporcionar uma visão mais abrangente dos conhecimentos teóricos obtidos ao longo da vida académica. Foi com satisfação que fiz parte deste projeto de estágios e que pude percecionar ao redigir este relatório a aprendizagem por mim adquirida. Os casos aqui apresentados são apenas uma pequena amostra de todas as situações que nos poderão surgir na prática da nossa profissão. O optometrista tem de estar apto para encarar as diversas situações que lhe surgem no dia-adia e deste modo considero que o estágio foi enriquecedor tanto a nível pessoal como profissional, na medida em que me preparou para a vida profissional futura. Durante este processo foi notória a minha necessidade de uma maior autonomia na realização e estruturação do exame, a fim de chegar a um diagnóstico e tratamento adequado a cada caso. As ferramentas a que tive acesso, bem como toda a formação que me foi dada neste período garantiram-me a autonomia pretendida. 15

30 Bibliografia (1) Marsh RJ, Cooper M. Ophthalmic Herpes zoster. Eye 1993;7: (2) Scheiman M, wick B. Tratamiento Clínico de la Vision Binocular: Disfuncion heterofóricas, acomodativas y oculomotoras. 1st ed. Madrid: Ciagami. S.L.; (3) González-Méijome JM, editor. Contactologia. Copyright; p. 254 (4) Molina NP, Mora CF. Insuficiencia de convergência. Ciencia & Tecnología para la Salud Visual y Ocular. Vol. 8, No

31 Anexos Imagem 1: Diferentes mapas topográficos da córnea do olho direito 17

32 Imagem 2: Diferentes mapas topográficos da córnea do olho esquerdo 18

Relatório de Estágio

Relatório de Estágio UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Relatório de Estágio Suspeita de Retinopatia Diabética Adaptação de LC Multifocais Excesso de Convergência Jacinta Marisa de Jesus Almeida Relatório de

Leia mais

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras.

Mini Glossário. B Blefarite Inflamação das pálpebras. A Acomodação Capacidade do olho em focar a várias distâncias, desde o perto ao longe, por alteração da potência dióptrica do cristalino. Acuidade Visual Capacidade de discriminar dois pontos próximos como

Leia mais

Suspeita de oclusão do ramo da veia central da retina, Adaptação de lentes de contacto em hipermétrope astigmata, Estrabismo acomodativo

Suspeita de oclusão do ramo da veia central da retina, Adaptação de lentes de contacto em hipermétrope astigmata, Estrabismo acomodativo UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Suspeita de oclusão do ramo da veia central da retina, Adaptação de lentes de contacto em hipermétrope astigmata, Estrabismo acomodativo Andreia Manuela

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 1 Miopia e Hipermetropia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso ao comportamento do olho humano, constatou quando há uma deficiência visual e como é possível corrigi-la. Vimos algumas peculiaridades, o que acontece

Leia mais

Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa

Heteroforias. Desvio latente que só aparece quando há quebra da fusão; Indivíduo com uma capacidade fusional boa Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Heteroforias Definição É um desvio latente que os eixos visuais estão fixando normalmente o objeto

Leia mais

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010

Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 Óptica Geométrica Ocular Séries de Exercícios 2009/2010 2 de Junho de 2010 Série n.1 Propagação da luz 1. A velocidade da luz amarela de sódio num determinado líquido é 1, 92 10 8 m/s. Qual o índice de

Leia mais

Suspeita de degeneração macular, excesso de divergência, adaptação de lentes hidrófilas tóricas

Suspeita de degeneração macular, excesso de divergência, adaptação de lentes hidrófilas tóricas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências da Saúde Suspeita de degeneração macular, excesso de divergência, adaptação de lentes hidrófilas Relatório de Estágio apresentado como requisito para

Leia mais

Método analítico dos #21 pontos do Optometric Extension Program

Método analítico dos #21 pontos do Optometric Extension Program Método analítico dos #21 pontos do Optometric Extension Program S. Mogo 10 de Janeiro de 2008 O método analítico dos #21 pontos surgiu devido à tentativa de substituir métodos empíricos por regras precisas.

Leia mais

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão.

Biofísica da visão II. Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Biofísica da visão II Ondas eletromagnéticas, o olho humano, Funcionamento da visão, Defeitos da visão. Sistema de líquidos do olho Glaucoma: aumento da pressão intra-ocular SIMULAÇÃO DE PERDA NO GLAUCOMA

Leia mais

Suspeita de Edema Macular Cistóide; Anomalia na Convergência; Adaptação de Lentes de Contato Hidrófilas Tóricas

Suspeita de Edema Macular Cistóide; Anomalia na Convergência; Adaptação de Lentes de Contato Hidrófilas Tóricas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Suspeita de Edema Macular Cistóide; Anomalia na Convergência; Adaptação de Lentes de Contato Hidrófilas Tóricas Ruben Joel Olival Almeida Relatório de estágio

Leia mais

Relatório de Estágio Adaptação de Lente de Contacto Tórica, Olho Seco Severo, Endotropia Parcialmente Acomodativa

Relatório de Estágio Adaptação de Lente de Contacto Tórica, Olho Seco Severo, Endotropia Parcialmente Acomodativa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Relatório de Estágio Adaptação de Lente de Contacto Tórica, Olho Seco Severo, Endotropia Parcialmente Acomodativa Susete Maria Arraiano Salvador Relatório

Leia mais

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças

Miopia. Miopia Patológica. pseudomiopia e miopia nocturna. Miopia elevada, associada a mudanças Miopia Miopia patológica, pseudomiopia e miopia nocturna Miopia elevada, associada a mudanças as degenerativas ou patológicas do pólo p posterior do olho. Comprimento axial excessivo Progressiva Alterações

Leia mais

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela.

Introdução: Mas, todas estas lentes podem ser na verdade convergentes ou divergentes, dependendo do que acontece com a luz quando esta passa por ela. Introdução: Com este trabalho experimental pretende-se observar o comportamento de feixes ao atravessar lentes e, ao mesmo tempo, verificar o comportamento dos feixes ao incidir em espelhos. Os conceitos

Leia mais

Nuno Lopes MD. FEBO.

Nuno Lopes MD. FEBO. Nuno Lopes MD. FEBO. 1ª Parte História Clínica Exame Objectivo 2 História Clínica Fulcral - enquadramento etiológico Orientar Exame Oftalmológico EAD Estabelecer empatia / relação MD Colaboração Satisfação

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia

Projeto CAPAZ Básico Ametropias 2 Astigmatismo e Presbiopia 1 Introdução Ao assistir à aula, você teve acesso à continuidade do nosso estudo de ametropias. Nesta apostila você terá mais algumas informações para o aprofundamento dos conteúdos trabalhados e um organograma

Leia mais

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone.

CERATOCONE. A palavra ceratocone se deriva de duas palavras gregas : karato que significa córnea e konos que significa cone. Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira CERATOCONE QUE É CERATOCONE? O ceratocone, ou córnea cônica é uma desordem não inflamatória, na qual

Leia mais

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica

Projeto CAPAZ Biblioteca Comunicação na Ótica 1 Comunicação na Ótica Transformando complicadas características técnicas em convincentes argumentos de venda É verdade que estamos passando por uma fase da Óptica onde a informação tem sido a principal

Leia mais

GUIA DE ADAPTAÇÃO DO MÉDICO

GUIA DE ADAPTAÇÃO DO MÉDICO Keratoconus Nipple Cone Irregular Cornea Post Graft GUIA DE ADAPTAÇÃO DO MÉDICO ROSE K2 ROSE K2 NC NIPPLE CONE CÓRNEA IRREGULAR PÓS-TRANSPLANTE APRESENTAÇÃO Fácil adaptação usando uma abordagem sistemática

Leia mais

Suspeita de Glaucoma, Insuficiência de Convergência e Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas

Suspeita de Glaucoma, Insuficiência de Convergência e Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Ciências da Saúde Suspeita de Glaucoma, Insuficiência de Convergência e Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas Marina Pereira Jorge Dissertação para

Leia mais

Anomalia na Vergência Fusional Positiva, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas, Anomalia Macular

Anomalia na Vergência Fusional Positiva, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas, Anomalia Macular UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências da Saúde Anomalia na Vergência Fusional Positiva, Adaptação de Lentes de Contacto Hidrófilas Tóricas, Stephanie de Jesus Ventura Correia Relatório de Estágio para

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C.

A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR. S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. A INFLUÊNCIA DO COMPUTADOR NA INTEGRIDADE DA VISÃO BINOCULAR S. Plácido; C. Neves; V. Francisco; S. Ceia; S. Marques; M. Oliveira; C. Lança Aveiro, 2015 Introdução Computer Vision Syndrome (CSV): Conjunto

Leia mais

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme

Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo. Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção do objeto Poder de foco Regula a sensibilidade do filme BIOFÍSICA DA VISÃO Profa. Le:cia Veras Costa- Lotufo VISÃO: Interação da luz com os fotorreceptores da re:na Re:na filme inteligente situado no OLHO Olho Câmara superautomá:ca Posiciona- se na direção

Leia mais

Óptica Visual e. Instrumentação

Óptica Visual e. Instrumentação Óptica Visual e Instrumentação Trabalho elaborado por: Andreia Fonseca 13220 Elia Coelho 13846 Gonçalo Heleno 13007 Ensino de Física e Química Página 1 Objectivos: Este trabalho experimental tem como principais

Leia mais

LENTES DE CONTATO DESCARTÁVEIS CUIDADOS AO COMPRAR, TAMBÉM É PRECISO ADAPTAR E ACOMPANHAR O USO.

LENTES DE CONTATO DESCARTÁVEIS CUIDADOS AO COMPRAR, TAMBÉM É PRECISO ADAPTAR E ACOMPANHAR O USO. LENTES DE CONTATO DESCARTÁVEIS Por Luiz Alberto Perez Alves CUIDADOS AO COMPRAR, TAMBÉM É PRECISO ADAPTAR E ACOMPANHAR O USO. As lentes de contato descartáveis foram introduzidas no Brasil no inicio dos

Leia mais

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau

Manual Técnico Bragal Oil e Gás. Óculos de Segurança com Grau Manual Técnico Bragal Oil e Gás Óculos de Segurança com Grau Apresentação: A necessidade do uso de lentes corretivas, por profissionais que trabalham com óculos de segurança, é uma aplicação de 15% da

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab)

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a neovascularização coroideia (NVC) secundária a miopia patológica Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis

Leia mais

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro.

Introdução. A essas e outras questões serão respondidas durante nosso encontro. Introdução Milhares de trabalhadores precisam exercer suas atividades utilizando óculos com lentes corretivas ao mesmo tempo que precisam usar óculos de segurança para se proteger contra os riscos inerentes

Leia mais

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas

CEGUEIRA E CATARATA. Perguntas e respostas CEGUEIRA E CATARATA Perguntas e respostas Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira 14. O que torna a pessoa cega? Somado aos acidentes e defeitos

Leia mais

Visão Subnormal. Guia do Apresentador

Visão Subnormal. Guia do Apresentador Visão Subnormal Guia do Apresentador SLIDE 1 Introdução do apresentador. O propósito desta apresentação é oferecer informações sobre o que é a visão subnormal, o que pode ser feito sobre ela e onde se

Leia mais

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12

Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 Luz, olho humano e óculos Capítulo 12 O olho humano O papel da retina e do cérebro A Pupila - É a estrutura do olho responsável por regular a entrada da quantidade de luz para a formação da imagem; - Em

Leia mais

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente.

Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. 01 Como n lente = n meioa, não há refração. Ou seja, o sistema óptico não funciona como lente. Como n lente < n meiob, a lente de bordas finas opera como lente divergente. Resposta: A 1 02 A gota de água

Leia mais

Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos

Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos Testemunha do Primer Tratamento de NewEyes Laser, Mais de 3 anos Desta vez apresentamos uma testemunha muito especial. Trata-se do primeiro paciente ao que foi aplicado o tratamento de NewEyes Laser. A

Leia mais

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS?

INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? INFORMAÇÃO PARA O DOENTE PORQUE É IMPORTANTE A HIGIENE PALPEBRAL EM CASO DE DISFUNÇÃO DAS GLÂNDULAS DE MEIBOMIUS? ÍNDICE PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A DGM?...3 O QUE SÃO AS LÁGRIMAS?.....................................................................................4

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.1 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.1 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras. 2 Habilidade Reconhecer características ou propriedades dos instrumentos ópticos e a óptica da visão,

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco

Perguntas e Respostas sobre Telescópios. Telescopio Refrator. tub o Bandeja porta oculares Haste de micro ajuste Tripé. Buscador Ajuste de foco Perguntas e Respostas sobre Telescópios A palavra telescópio é de origem grega e significa ver ao longe (Tele Skopen). Os telescópios têm dois tipos básicos: refratores, regidos pelo princípio físico da

Leia mais

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO

CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO CAUSAS MAIS FREQUENTES OLHO VERMELHO Conjuntivite Olho seco Hemorragia subconjuntival Blefarite Erosão córnea e corpos estranhos córnea Pós trauma Episclerite Uveite anterior Queimaduras químicas Esclerite

Leia mais

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular.

Todo o conjunto que compõe a visão humana é chamado globo ocular. Olho humano O olho humano é um sistema óptico complexo, formado por vários meios transparentes além de um sistema fisiológico com inúmeros componentes. Olho humano Todo o conjunto que compõe a visão humana

Leia mais

Índice de Refração. c v. n =

Índice de Refração. c v. n = Refração da Luz O que é Refração? É um fenômeno que ocorre quando a luz passa através da interface que separa dois meios, ocasionando uma mudança na direção de propagação. A refração é decorrente de uma

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico:

PRINCÍPIOS BÁSICOS. Histórico: REFRAÇÃO Histórico: PRINCÍPIOS BÁSICOS Lei básica da reflexão era conhecida por Euclides, o mais famoso matemático da Antigüidade viveu entre 325 e 265 AC. De forma experimental, o princípio básico da

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Tirada de Medidas

Projeto CAPAZ Básico Tirada de Medidas 1 Introdução Ao assistir à aula você teve acesso ao importante procedimento denominado Tiradas de Medidas e como fazê-las. Essas medidas são imprescindíveis para a confecção de todos e quaisquer óculos.

Leia mais

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos:

Espelhos Esféricos. Definições e Elementos: Definições e Elementos: Calota Esférica. Espelho Esférico é uma calota esférica na qual uma das faces é refletora. Espelho Côncavo Superfície refletora interna. Espelho Convexo Superfície refletora externa.

Leia mais

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a

Por isto, o sindicalismo tende a optar pela aplicação rígida de. Assim mesmo, os sistemas administrativos tendem a Resistência stê dascoo coorporações Os sindicatos e associações de trabalhadores temem que a descentralização, produção atomização em suas organizações, promova a perda de direitos adquiridos, debilite

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Instrumentos Ópticos Lupa Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Luneta Astronômica Luneta ou Telescópio Refrator Instrumentos Ópticos Telescópio Refletor Telescópio Refletor

Leia mais

Como avaliar o Astigmatismo. Filomena Ribeiro

Como avaliar o Astigmatismo. Filomena Ribeiro Como avaliar o Astigmatismo Filomena Ribeiro Objectivo Emetropia Até onde podemos chegar em qualidade visual? Esfera Astigmatismo Aberrações de alta ordem Astigmatismo e catarata % 25 20 15 17,1 19,1 14,8

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS 10-1 RELATÓRIO FINAL DE INSTRUMENTAÇÃO PARA ENSINO - F-809 CONSTRUÇÃO DE SISTEMA ÓTICO A PARTIR DE LENTES DE ÁGUA Aluno: Rubens Granguelli Antoniazi RA: 009849 Professor

Leia mais

3B SCIENTIFIC PHYSICS

3B SCIENTIFIC PHYSICS 3B SCIENTIFIC PHYSICS Kit de ótica laser de demonstração U17300 e kit complementar Manual de instruções 1/05 ALF Índice de conteúdo Página Exp - N Experiência Kit de aparelhos 1 Introdução 2 Fornecimento

Leia mais

! " # $ % &! $ $! ' '"# $ "$ #( )*! "#+, OE OD POSIÇÃO DOS OLHOS, DIVERGINDO PARA ALCANÇAREM FUSÃO DE IMAGENS EM POSIÇÃO EXOFÓRICA ! Bases nasais.2,6mm. 1.8mm. O,E, O,D A LINHA DE VISÃO NÃO SOFRE DESVIOS

Leia mais

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente

Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente Guia para o tratamento com Lucentis (ranibizumab) Para a perda de visão devida a Edema Macular Diabético (EMD) Informação importante para o doente Secção 1 Sobre o Lucentis Este caderno de informação foi

Leia mais

DuraVision Platinum. Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão ZEISS. O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos*

DuraVision Platinum. Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão ZEISS. O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos* DuraVision Platinum abril/2012 *Comparado aos atuais antirreflexos da Carl Zeiss Vision O tratamento antirreflexo mais resistente de todos os tempos* Veja mais. Viva mais. Lentes de alta precisão. Líder

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica

PADRÃO DE RESPOSTA. Resposta: Diagnóstico 1. Coriorretinopatia Serosa Central. Exames 1. Angiografia fluoresceínica 2. Tomografia de coerência óptica PADRÃO DE RESPOSTA Questão 1: Paciente feminino de 35 anos com queixa súbita de baixa visual no OD. Sem comorbidades sistêmicas. Ao exame a acuidade visual era sem correção OD 20/60 com metamorfopsia e

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Projeto CAPAZ Básico Lensometria

Projeto CAPAZ Básico Lensometria 1 Introdução Ao assistir à aula você entendeu a importância da lensometria para o profissional de óptica, percebeu que é um procedimento constante e que exige precisão e, portanto, muita atenção. Aprendeu

Leia mais

Projeto CAPAZ Intermediário Análise de Inadaptação

Projeto CAPAZ Intermediário Análise de Inadaptação 1 Introdução Quando um cliente retorna à loja reclamando de seus novos óculos com lentes progressivas, há uma chance em um milhão de resolver o problema dele na primeira tentativa. Deve-se evitar que ele

Leia mais

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE

SENSIBILIDADE E ESPECIFICIDADE G.D.x PRINCÍPIO O princípio da polarimetria a laser permite medir a espessura da camada de fibras nervosas, na região peripapilar, devido às propiedades birrefringentes desta camada. BIRREFRINGÊNCIA (Dupla

Leia mais

Cefaleia crónica diária

Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária Cefaleia crónica diária O que é a cefaleia crónica diária? Comecei a ter dores de cabeça que apareciam a meio da tarde. Conseguia continuar a trabalhar mas tinha dificuldade em

Leia mais

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central.

Lentes de bordas finas: quando as bordas são mais finas que a região central. Lentes Esféricas Uma lente é um meio transparente que tem duas faces curvas ou uma face curva e outra plana. Na figura temos os tipos usuais de lentes,sendo as faces curvas esféricas. Lentes de bordas

Leia mais

Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação.

Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação. Portaria nº 397, de 09 de outubro de 2.002. Aprova a Classificação Brasileira de Ocupações CBO/2002, para uso em todo território nacional e autoriza a sua publicação. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO E

Leia mais

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade.

Floxedol destina-se a ser utilizado em adultos e crianças com idade igual ou superior a um ano de idade. FOLHETO INFORMATIVO FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR floxedol 3 mg/ml Gel oftálmico Ofloxacina Leia atentamente este folheto antes de utilizar este medicamento. - Conserve este folheto.

Leia mais

Materiais e Equipamentos Contatologia

Materiais e Equipamentos Contatologia Contatologia Materiais e Equipamentos - Contatologia Introdução As lentes de contato são produtos amplamente conhecidos e populares nos dias atuais. Elas trazem grandes benefícios às pessoas que optam

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 INVESTIGAÇÃO MATEMÁTICA: UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Bruno Rodrigo Teixeira 1 Universidade Estadual de Londrina - UEL bruno_matuel@yahoo.com.br Camila Rosolen 2 Universidade Estadual de Londrina - UEL camilarosolen@yahoo.com.br

Leia mais

GUIA VARILUX DE ADAPTAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO

GUIA VARILUX DE ADAPTAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO GUIA DE ADAPTAÇÃO VARILUX REGRAS PARA O ÊXITO DA COMPENSAÇÃO ÓPTICA COM LENTES VARILUX INTRODUÇÃO A Essilor elaborou especialmente para os profissionais de óptica oftálmica este guia, que reúne as regras

Leia mais

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2

CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 CONSULTA EM OFTALMOLOGIA GERAL CÓDIGO SIA/SUS: 03.01.01.007-2 Motivos para o encaminhamento: 1. Déficit Visual; 2. Cefaléia acompanhada de baixa acuidade visual 3. Retinopatia Diabética 4. Inflamação Ocular;

Leia mais

Identificando as partes do equipamento

Identificando as partes do equipamento Lensometria Identificando as partes do equipamento () Ocular (2) Ajuste Ocular (3) Anel de eixo (4) Alavanca de marcação () Alavanca de fixação (6) Alavanca da mesa de armação (7) Mesa de apoio da armação

Leia mais

Declaração de utilização prevista. Exclusão de responsabilidade

Declaração de utilização prevista. Exclusão de responsabilidade Como posso permitir que um paciente partilhe dados comigo? Como posso ligar um convite de paciente a um registo de paciente na minha conta web? Como é que os dados partilhados de um paciente são transferidos

Leia mais

O que precisa de saber sobre. Lentes de Contacto

O que precisa de saber sobre. Lentes de Contacto O que precisa de saber sobre Lentes de Contacto Descubra as vantagens em usar Lentes de Contacto + Liberte-se do uso da armação. + Experimente um campo de visão sem limitações. + Escolha os óculos de sol

Leia mais

Programas de Rastreio. Olho Diabético

Programas de Rastreio. Olho Diabético Programas de Rastreio Olho Diabético Acompanhamento mais de perto e tratamento da retinopatia diabética Closer monitoring and treatment for diabetic retinopathy Informação importante sobre os cuidados

Leia mais

Kit de ótica. Material. Montagem

Kit de ótica. Material. Montagem Som, Luz e Materiais Kit de ótica Um pouco de história Embora as propriedades óticas de ampliação e redução de objetos convexos e côncavos transparentes fossem conhecidas desde a Antiguidade, as lentes,

Leia mais

Escola Secundária Manuel Cargaleiro

Escola Secundária Manuel Cargaleiro Escola Secundária Manuel Cargaleiro Técnicas Laboratoriais de Física Trabalho elaborado por: Nuno Valverde nº12 Pedro Correia nº16 10ºD Índice Página AS LENTES...3 LENTES CONVEXAS...4 LENTES CÔNCAVAS...5

Leia mais

Formação de imagens por superfícies esféricas

Formação de imagens por superfícies esféricas UNIVESIDADE FEDEAL DO AMAZONAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPATAMENTO DE FÍSICA Laboratório de Física Geral IV Formação de imagens por superfícies esféricas.. Objetivos:. Primeira parte: Espelho Côncavo

Leia mais

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto

Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Cursos de Formação em Alternância na Banca Relatório de Follow-up 2010-2013 Lisboa e Porto Outubro de 2015 Índice 1. Introdução... 3 2. Caraterização do Estudo... 4 3. Resultado Global dos Cursos de Lisboa

Leia mais

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_

Prof. André Motta - mottabip@hotmail.com_ Exercícios Lentes Esféricas 1- Analise as afirmações a seguir e assinale a correta. A) É impossível obter uma imagem maior que o objeto com uma lente divergente. B) Quando um objeto está localizado a uma

Leia mais

www.fisicanaveia.com.br

www.fisicanaveia.com.br www.fisicanaveia.com.br Lentes Esféricas Lentes Esféricas: construção Biconvexa Lentes Esféricas: construção PLANO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção CÔNCAVO-CONVEXA Lentes Esféricas: construção BICÔNCAVA

Leia mais

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades.

MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL. Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. MICROSCÓPIO ESPECULAR VOROCELL Duvidas freqüentes a respeito do microscópio Vorocell, mitos e verdades. Porque o Microscópio Especular da Eyetec chama-se Vorocell? Vorocell é uma homenagem ao pesquisador

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA

ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA LACRIL ALLERGAN PRODUTOS FARMACÊUTICOS LTDA Solução Oftálmica Estéril álcool polivinílico 1,4% BULA PARA O PACIENTE Lubrificante Ocular APRESENTAÇÃO Solução Oftálmica Estéril Frasco plástico conta-gotas

Leia mais

Guia do Cliente PLANO DE SAÚDE

Guia do Cliente PLANO DE SAÚDE Guia do Cliente PLANO DE SAÚDE Índice 5. Seja bem-vindo! 6. Plano de Saúde SAÚDEGLOBAL 7. Cartão SAÚDEGLOBAL Light 10. Cartão SAÚDEGLOBAL Dental 11. Cartão SAÚDEGLOBAL Premium 14. Características Diversos

Leia mais

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico.

Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. Introdução Nosso objetivo será mostrar como obter informações qualitativas sobre a refração da luz em um sistema óptico cilíndrico. A confecção do experimento permitirá também a observação da dispersão

Leia mais

Luis Alberto Perez Alves Contatólogo e consultor Adaptação de lentes de contato rígidas esféricas Capítulo l

Luis Alberto Perez Alves Contatólogo e consultor Adaptação de lentes de contato rígidas esféricas Capítulo l Luis Alberto Perez Alves Contatólogo e consultor Adaptação de lentes de contato rígidas esféricas Capítulo l As lentes de contato rígidas esféricas ainda hoje ocupam um lugar de destaque nas adaptações,

Leia mais

Conheces a janela através da qual vês o mundo???

Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Conheces a janela através da qual vês o mundo??? Pestanas : São filas de pêlos fininhos que saem das

Leia mais

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS

O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PEDRO MAIA FITNESS & CYCLING BIKE PERSONAL TRAINER O TREINO DEPOIS DOS 50 ANOS PLANEAMENTO OS PRINCÍPIOS DE TREINO Quando treinamos, temos como principal objetivo melhorar alguns dos aspetos das nossas

Leia mais

Instrumentos Ópticos

Instrumentos Ópticos Instrumentos Ópticos Associação de Lentes. Lentes Justapostas: Lentes Justapostas Separação Nula. A lente equivalente à associação de duas lentes justapostas, apresenta vergência dada por: C res = C 1

Leia mais

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação

Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação Capítulo III Aspectos metodológicos da investigação 3.1) Definição do problema Tendo como ponto de partida os considerandos enumerados na Introdução, concretamente: Os motivos de ordem pessoal: Experiência

Leia mais

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA

ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA ATIVIDADES INVESTIGATIVAS NO ENSINO DE MATEMÁTICA: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA GT 01 - Educação Matemática no Ensino Fundamental: Anos Iniciais e Anos Finais Maria Gorete Nascimento Brum - UNIFRA- mgnb@ibest.com.br

Leia mais

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo

de duas lentes convergentes associadas coaxialmente. A primeira está próxima do objeto, sendo COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA CMJF DISCIPLINA: Física 2 a Série Ensino Médio / 2007 Professor: Dr. Carlos Alessandro A. da Silva Notas de Aula: Instrumentos Ópticos e Óptica da Visão INSTRUMENTOS ÓPTICOS

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação

A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação A voz dos professores do Agrupamento de Escolas da Apelação Rita Monteiro Universidade Católica Portuguesa Abril 2014 Fontes / Referências Roldão (2013, 2008, 2007, 2004) Alarcão (1998) Shulman (2005,

Leia mais

2.O que precisa de saber antes de utilizar Frisolona Forte

2.O que precisa de saber antes de utilizar Frisolona Forte Folheto informativo: Informação para o utilizador Frisolona Forte 10 mg/ml colírio, suspensão Prednisolona, acetato Leia com atenção todo este folheto antes de começar a utilizar este medicamento pois

Leia mais

LACRIFILM (carmelose sódica)

LACRIFILM (carmelose sódica) LACRIFILM (carmelose sódica) União Química Farmacêutica Nacional S.A. solução oftálmica 5 mg/ml LACRIFILM carmelose sódica Solução oftálmica estéril IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES

Leia mais

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL

Unidade IV. Aula 20.2 Conteúdo. Óptica, Ser humano e Saúde. Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. INTERATIVIDADE FINAL Unidade IV Óptica, Ser humano e Saúde Aula 20.2 Conteúdo Os defeitos da visão e as lentes corretoras e instrumentos ópticos. 2 Habilidade: Compreender os conceitos das propriedades da óptica geométrica

Leia mais

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR).

Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Diretriz de tratamento da Catarata Autoria: Conselho Brasileiro de Oftalmologia, Associação Médica Brasileira e Associação Brasileira de Catarata e Cirurgia Refrativa (ABCCR). Participantes: Dr. Armando

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão

Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Relatório Final de Instrumentação de Ensino F809 Ótica e Problemas da Visão Aluna: Gabriela Simone Lorite RA 008769 Orientador: Lucila Cescato Universidade Estadual de Campinas Junho/2004 Resumo O olho

Leia mais

O que é uma lente esférica?

O que é uma lente esférica? O que é uma lente esférica? É um sistema constituído de dois dioptros esféricos ou um dioptro esférico e um plano, nos quais a luz sofre duas refrações consecutivas. Classificação das lentes 1. Quanto

Leia mais

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos

ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO. LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos ÓPTICA GEOMÉTRICA MENU DE NAVEGAÇÃO Clique em um item abaixo para iniciar a apresentação LENTES ESFÉRICAS LENTES CONVERGENTES Elementos Propriedades Construção Geométrica de Imagens LENTES DIVERGENTES

Leia mais

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio

RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA. Dados do Intercâmbio RELATÓRIO DE INTERCÂMBIO CRInt ECA Nome: Juliana Malacarne de Pinho No. USP 7166759 Curso ECA: Jornalismo Dados do Intercâmbio Universidade: Universidade NOVA de Lisboa Curso: Comunicação Social Período:

Leia mais

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia

A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia A Necessidade de Realizar a Avaliação de Desempenho dos Recursos Humanos: O Ponto de Concórdia Alexandre Pires DREAlentejo "Aprender sem pensar é tempo perdido." Confúcio A avaliação é-nos familiar a todos.

Leia mais

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA

CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO/EXCLUSÃO NAS SEGUINTES PATOLOGIAS: CATARATA E GLAUCOMA CATARATA CRITÉRIOS DE INCLUSÃO Esta indicada em portadores de opacidade do cristalino que, mesmo com melhor correção óptica,

Leia mais

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa

PROJETO OLHAR BRASIL Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Dra. Lilia M.Contreiras Corrêa Assessora Técnica da Diretoria de Atenção Especializada Oftalmologia/SESAB Reconhecendo as dificuldades do acesso da população brasileira, não só à consulta oftalmológica,

Leia mais

PROGRAMA DRE PJ. Diretoria de Programas Especiais Educação Integral/Saúde Escolar

PROGRAMA DRE PJ. Diretoria de Programas Especiais Educação Integral/Saúde Escolar PROGRAMA DRE PJ Diretoria de Programas Especiais Educação Integral/Saúde Escolar 2015 1 Treinamento Visão do Futuro Avaliação 1º anos O Programa Visão do Futuro é destinado à prevenção e recuperação da

Leia mais

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 )

R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) R E L A T Ó R I O D E E N G E N H A R I A D E S O F T W A R E ( 2 0 0 5 / 2 0 0 6 ) Tendo iniciado no presente ano lectivo 2005/2006 o funcionamento da plataforma Moodle na Universidade Aberta, considerou-se

Leia mais