P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques 3

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques 3"

Transcrição

1 Versão online: Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: X; e-issn: X Potencial gerador de hidrocarbonetos dos argilitos carbonosos das Formações de Vúzi e de Moatize (Karoo Inferior) da Bacia Carbonífera de Moatize Minjova, Província de Tete, Moçambique Hydrocarbon source rock potential of the Vúzi and Moatize Formations black shales (Lower Karoo) of the Moatize- Minjova Coal Basin, Tete Province, Mozambique P. Fernandes 1*, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 2, J. Marques LNEG Laboratório Nacional de Geologia e Energia IP Artigo Curto Short Article Resumo: A Formação de Moatize da Bacia Carbonífera de Moatize Minjova é uma unidade estratigráfica importante do Supergrupo Karoo de Moçambique, consistindo em argilitos carbonosos, arenitos e camadas de carvão. Os argilitos da Formação de Moatize caracterizam-se por possuírem querogénio do tipo II-III e do tipo III, com elevados valores de COT (1,3 31 wt.%) e valores de Índice de Hidrogénio (HI) baixos a médios ( mg HC/g COT), sendo considerados como possuindo elevada capacidade para gerar gás, podendo ser considerados como unidades importante de shale gas. A Formação (Tilítica) de Vúzi, na base do Supergrupo Karoo, não possui capacidade para gerar hidrocarbonetos. Palavras-chave: Geoquímica orgânica, Shale gas, Karoo, Bacia Carbonífera de Moatize-Minjova, Moçambique. Abstract: The lower Permian Moatize Formation is an important stratigraphic unit of the Karoo Supergroup of the Moatize - Minjova Coal Basin, Tete Province, Mozambique. The shales from this formation yielded type II - III kerogen, high TOC values ( wt.%) and Hydrogen Index (HI) low to moderate ( mg HC/g TOC) and can be regarded as an important gas prone source rock. The Vúzi Formation, the older stratigraphic unit of the Karoo Supergroup, has no hydrocarbons source rock potential. Keywords: Organic geochemistry, Shale gas, Karoo, Moatize Minjova Coal Basin, Mozambique. 1 CIMA Centro de Investigação Marinha e Ambiental, Universidade do Algarve, Campus de Gambelas, Faro, Portugal. 2 Centro de Geologia da Universidade de Lisboa (GeGUL), Faculdade de Ciências, Departamento de Geologia, Edifício C6, Piso 4, Campo Grande, Lisboa, Portugal. 3 Gondwana Empreendimentos e Consultorias Limitada, Rua B, nº 233, Bairro da COOP., Caixa Postal 832, Maputo, Moçambique. * Autor correspondente / Corresponding author: 1. Enquadramento geológico Em Moçambique as sucessões do Supergrupo do Karoo estão representadas em grabens e semi-grabens com preenchimento sedimentar que se iniciou no Pérmico inferior e terminou no Triásico Superior. Estas estruturas desenvolveram-se, principalmente, nos limites exteriores ou dentro de escudos cratónicos do Arcaico e do Proterozóico. Na Província de Tete, na região Centro Oeste de Moçambique, o Supergrupo do Karoo está bem representado ao longo do vale do rio Zambeze em bacias intra-cratónicas separadas por blocos de tipo horst constituídos por rochas cristalinas do Proterozóico. Entre a região de Cahora-Bassa e a cidade de Tete localiza-se um dos principais horsts, separando o Karoo do vale do Zambeze em duas grandes bacias: a Bacia do Médio Zambeze e a Bacia do Baixo Zambeze (Fig. 1). A região do presente estudo localiza-se na Bacia Carbonífera de Moatize Minjova, pertencente à Bacia do Baixo Zambeze. Tradicionalmente, a geologia do Supergrupo Karoo está dividida em duas unidades litológicas diferentes, as unidades sedimentares, que constituem a maioria da sucessão estratigráfica, e as unidades de natureza ígnea que se posicionam no topo da sucessão do Karoo. Estas últimas consistem em rochas vulcânicas (basaltos e riólitos) e rochas intrusivas (doleritos, gabros e sienitos) de idade jurássica inferior e relacionadas com o início da fase de rifting responsável pela fragmentação do Supercontinente Gondwana. As unidades sedimentares são constituídas por várias formações de natureza clástica depositadas em ambiente continental, que registam as importantes mudanças dos ambientes sedimentares, desde ambientes glaciares e proglaciares característicos da Formação (Tilítica) de Vúzi (Pérmico inferior médio, Lopes et al., 2014; Pereira et al., 2014) na base da sucessão, seguidos por ambientes continentais temperados húmidos da Formação (Gresosa) de Moatize (Pérmico médio) e por último, no topo da sucessão, ambientes quentes e áridos que caracterizam a Formação (Margo-Gresosa) de Matinde (Pérmico médio superior) e a Formação (Gresosa) de Cádzi (Pérmico superior Triásico Inferior). A característica mais notável da Bacia Carbonífera de Moatize Minjova é a riqueza em camadas de carvão

2 434 P. Fernandes et al. / Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, existentes na Formação de Moatize (Vasconcelos & Achimo, 2010). Intercalados com os depósitos de carvão e camadas de arenitos estão camadas de argilitos carbonosos de cor negra a cinzenta. É sobre a avaliação do potencial gerador de hidrocarbonetos destas últimas litologias que este trabalho é dedicado. Fig. 1. Mapa da classificação das bacias sedimentares de Moçambique em relação à fragmentação do Supercontinente Gondwana. Localização da Bacia de Carbonífera de Moatize Minjova. Fig. 1. Classification of Mozambique s sedimentary basin in relation to the Gondwana Supercontinent break-up. Location of the Moatize Minjova Coal Basin. 2. Material e métodos As amostras para este estudo foram recolhidas em sete sondagens de exploração de carvão que penetraram o topo da Formação de Vúzi e a Formação de Moatize. As sondagens foram realizadas pela companhia ETA STAR Moçambique S.A., com o objectivo de reconhecer a posição das camadas de carvão da Formação de Moatize em profundidade, assim como, a profundidade e distribuição da Formação de Vúzi. A figura 2 ilustra as colunas litológicas das sete sondagens, uma possível correlação lateral entre as sondagens e a posição das amostras estudadas. Um total de 84 amostras de argilitos negros carbonosos, argilitos cinzentos e silto-argilitos foram analisadas para a geoquímica orgânica (pirólise rock-eval) (Tab. 1). As sondagens ETA 15, ETA 65, ETA 71, ETA 72 e ETA 75 interceptaram o topo da Formação de Vúzi, a profundidades variáveis e as camadas da base da Formação de Moatize (Fig. 2). Nestas sondagens a Formação de Vúzi consiste em conglomerados matriz suportados intercalados com níveis de argilitos e siltitos, enquanto que a Formação de Moatize é formada por argilitos negros carbonosos, camadas de arenitos e camadas pouco espessas (< 1 m) de carvão. Na sondagem ETA 75 entre os 73,8 e os 79 m de profundidade identificaram-se várias soleiras de doleritos. A sondagem DW123 (Fig. 2) intersectou desde a superfície até à profundidade de 489,3 m litologias pertencentes à Formação de Moatize, correspondendo os últimos 5 m a conglomerados clasto-suportados intercalados com níveis centimétricos de argilitos atribuídos ao topo da Formação de Vúzi. Entre os 470 e os 480 m de profundidade a sucessão é intruída por duas soleiras de dolerito, a mais espessa com ca. 1,3 m. De um modo geral, podemos dividir as sucessões desta sondagem em dois intervalos distintos caracterizados pelo tipo de litologia dominante. O primeiro intervalo, desde a superfície até ca. 160 m de profundidade é dominado por argilitos, enquanto que o segundo intervalo desde os 160 m de profundidade até ao final da sondagem é dominado por arenitos. A sondagem DW 132 (Fig. 2) intersectou apenas litologias da Formação de Moatize e pode ser dividida, tal como a sondagem DW 123, em dois intervalos. Desde a superfície até aos ca. 290 m a sucessão é dominada por litologias argilosas intercalados com algumas camadas de arenitos e carvão. Dos 290 m de profundidade até ao final da sondagem dominam as camadas de arenitos Geoquímica orgânica Pirólise Rock-Eval A preparação das amostras de rocha para os estudos geoquímicos envolveu a redução a pó de cerca de g da amostra, com um moinho de ágata. O pó de rocha obtido foi posteriormente enviado para análise no laboratório Geodata na Alemanha. A técnica de pirólise rock-eval (Epitalié et al., 1977) fornece dados sobre a quantidade, tipo e maturação térmica da matéria orgânica presente em rochas e em sedimentos. Os parâmetros medidos por esta técnica incluem os seguintes parâmetros: carbono orgânico total (COT), S1, S2, S3 e temperatura máxima de pirólise (Tmax). Os índices de hidrogénio (HI) e de oxigénio (OI) foram calculados de acordo com Peters & Cassa (1994). O valor de COT, dado em percentagem de massa, foi determinado primeiro pela remoção dos carbonatos por ação do ácido fosfórico a 17%. Após a remoção dos carbonatos, as amostras foram aquecidas até 1500ºC num analisador LECO SC-144 de carbono/enxofre. O aquecimento liberta CO 2 da matéria orgânica sólida presente na amostra, cujo valor é registado por um detector de infra-vermelhos e em percentagem de massa da amostra (wt.%).

3 Rochas mãe de hidrocarbonetos da Bacia Carbonífera de Moatize-Minjova 435 Tabela. 1. Resultados da pirólise rock-eval separados por formações e sondagens. Table. 1. Rock-eval pyrolysis results by formations and boreholes. Formação de Moatize Formação de Vúzi Sondagem Amostra TOC S2 S1 S3 OI HI Tmax M1 23,00 49,45 1,94 0,6 2,61 215, M2 13,00 24,91 1,00 0,51 3,92 191, M3 11,00 25,08 1,22 0,86 7,82 228, ETA 72 M4 8,40 14,23 0,86 0,49 5,83 169, M5 6,80 7,15 0,56 1,52 22,35 105, M6 14,00 11,00 0,61 0,39 2,79 78, M7 18,00 21,61 0,98 0,6 3,33 120, M8 21,00 16,94 0,76 0,53 2,52 80, M21 17,00 2,98 0,24 11,3 66,47 17, M22 1,30 0,38 0,05 0,48 36,92 29, M23 9,40 14,33 0,44 0,71 7,55 152, ETA 75 M24 15,00 36,14 0,83 0,64 4,27 240, M25 11,00 15,98 1,09 0,4 3,64 145, M26 13,00 22,5 1,36 0,52 4,00 173, M27 12,00 14,06 0,64 0,29 2,42 117, M28 3,00 2,26 0,09 0,12 4,00 75, M36 2,20 0,95 0,06 0,24 10,91 43, M37 3,20 1,15 0,12 0,29 9,06 35, ETA 15 M38 2,50 0,65 0,08 0,19 7,60 26, M39 9,70 9,84 0,42 0,36 3,71 101, M40 23,00 42,59 1,44 0,68 2,96 185, M41 2,40 0,62 0,06 0,21 8,75 25, M44 9,60 10,85 0,46 0,73 7,60 113, ETA 71 M45 9,80 7,99 0,46 0,58 5,92 81, M46 19,00 26,83 1,49 0,74 3,89 141, M47 31,00 36,68 1,96 1,13 3,65 118, M53 3,70 2,79 0,11 0,71 19,19 75, M58 3,70 4,64 0,17 0,47 12,70 125, M64 3,30 2,93 0,2 0,83 25,15 88, M66 6,60 7,33 0,21 0,3 4,55 111, M68 4,50 4,85 0,4 0,3 6,67 107, M71 3,90 2,51 0,25 0,22 5,64 64, M76 4,00 4,07 0,39 0,46 11,50 101, M82 3,00 2,92 0,57 0,93 31,00 97, M84 3,90 4,11 0,65 0,37 9,49 105, DW 132 M87 5,70 5,4 1,11 0,55 9,65 94, M91 4,30 5,3 0,97 0,98 22,79 123, M94 10,00 17,74 2,19 0,19 1,90 177, M95 3,10 2,3 0,46 0,39 12,58 74, M100 4,80 4,81 1,03 0,38 7,92 100, M102 5,40 4,61 0,8 0,37 6,85 85, M103 17,00 18,79 2,43 0,29 1,71 110, M105 11,00 12,24 2,12 0,2 1,82 111, M107 6,80 6,03 1,31 0,29 4,26 88, M108 8,90 7,48 1,65 0,46 5,17 84, M110 4,00 3,41 0,92 0,51 12,75 85, M111 8,20 18,58 2,1 0,28 3,41 226, M117 2,40 1,17 0,06 0,27 11,25 48, M118 9,70 14,63 0,33 0,36 3,71 150, M119 10,00 10,69 1,47 0,53 5,30 106, M125 4,80 5,64 0,76 0,61 12,71 117, M129 4,20 3,81 0,33 0,28 6,67 90, M131 5,40 6,84 1,14 0,31 5,74 126, M132 3,90 2,68 0,43 0,39 10,00 68, M134 4,10 3,77 0,53 0,26 6,34 91, DW123 M135 19,00 19,75 2,88 0,28 1,47 103, M136 9,80 8,35 1,46 0,32 3,27 85, M139 9,50 9,29 2,3 0,3 3,16 97, M140 6,50 4,32 0,26 0,34 5,23 66, M141 7,00 3,3 0,31 0,24 3,43 47, M142 6,10 1,29 0,18 0,23 3,77 21, M143 11,00 2,6 0,34 0,3 2,73 23, M145 8,30 1,19 0,3 0,21 2,53 14, M147 17,00 2,7 0,66 0,26 1,53 15, M148 8,40 0,78 0,24 0,16 1,90 9, ETA 72 ETA 65 ETA 75 M9 1,10 0,41 0,05 0,11 10,00 37, M10 2,30 0,81 0,07 0,15 6,52 35, M11 2,80 0,68 0,09 0,17 6,07 24, M12 1,30 0,29 0,05 1,51 116,15 22, M13 2,50 0,71 0,09 0,42 16,80 28, M14 2,80 0,69 0,08 0,2 7,14 24, M16 1,20 0,3 0,04 1,68 140,00 25, M18 2,80 0,79 0,07 1,11 39,64 28, M19 2,60 0,77 0,04 0,62 23,85 29, M20 2,70 1,79 0,06 0,14 5,19 66, M29 2,20 0,69 0,16 0,22 10,00 31, M30 1,60 0,38 0,08 0,26 16,25 23, M33 1,30 0,44 0,06 0,19 14,62 33, M34 5,40 2,53 0,18 0,41 7,59 46, Resultados 3.1. Pirólise Rock-Eval Das 92 amostras analisadas para geoquímica orgânica, em apenas 8 amostras os valores de COT foram inferiores a 0,5 wt. % (limite inferior de detecção do aparelho) sendo a maioria destas pertencentes à Formação de Vúzi (6 amostras). Os valores de pirólise rock eval e COT obtidos para as amostras analisadas estão na tabela 1. O COT na Formação de Moatize varia entre 1,3 e 31 wt.%, mas a maioria das amostras apresentam valores de COT superiores a 4 wt.%, valores típicos de rochas com COT muito bons a excelentes. Já os valores de COT da Formação de Vúzi são, de modo geral, inferiores aos valores da Formação de Moatize, variando entre um valor mínimo de 0,9 wt.% e um valor máximo de 24 wt.%. Caracterizando-se esta última formação, relativamente aos valores do COT, como média a boa. Os valores de S1 medidos na Formação de Vúzi são inferiores a 0,5 mg HC/g rocha indicando que poucos hidrocarbonetos foram gerados durante a fase de maturação orgânica. Na Formação de Moatize os valores de S1 estão, na maioria das amostras, entre 0,1 e 2 mg HC/g rocha indicando que alguns hidrocarbonetos foram gerados durante a fase de maturação orgânica na bacia sedimentar. Relativamente, aos hidrocarbonetos gerados durante a segunda fase da pirólise (S2), a Formação de Vúzi apresenta valores inferior a 2,5 mg HC/g rocha, e a Formação de Moatize valores, para a maioria das amostras, entre 5 e 60 mg HC/g rocha. Atendendo aos valores de S2 obtidos, a Formação de Vúzi apresenta um potencial muito fraco para gerar petróleo ou gás, enquanto que a Formação de Moatize o potencial da maioria das amostras distribui-se entre o moderado, o bom, o muito bom e o excelente. Sugerindo, portanto, um potencial apreciável para gerar hidrocarbonetos. Os valores de Tmax variam entre ºC e ºC para a Formação de Moatize e a Formação de Vúzi, respectivamente. Contudo, os valores de Tmax das duas formações não são confirmados pelas medidas obtidas para o poder refletor da vitrinite das mesmas amostras por Fernandes et al. (2014) (1,3 1,69%R r ) e de outros locais da Bacia Carbonífera de Moatize Minjova por Vasconcelos (1995) e Vasconcelos & Achimo (2010) (1,28 1,51%R r ). O poder refletor da vitrinite indica um rank de carvões betuminosos na transição entre B e A (ISO 11760, 2005) e uma posição no final da janela do petróleo e início da janela do gás termogénico, tendo sido considerado como o parâmetro de maturação orgânica das amostras estudadas e não os valores de Tmax obtidos pela pirólise. A não correspondência entre os valores do poder refletor da vitrinite e os valores de Tmax pode ser devida a vários factores: existência de migrabetunes, incorreta identificação do pico de S2, etc., estando em curso a sua investigação Tipo de matéria orgânica De acordo com o gráfico S2 vs. COT (Fig. 3), a maioria das amostras da Formação de Moatize estudadas projectam-se no campo de valores baixos a moderados de HI ( mg HC/g COT) indicando que a matéria orgânica é constituída maioritariamente por querogénio do tipo III. O querogénio do tipo III é propenso à produção de gás. As amostras da Formação Vúzi têm valores de HI muito baixos (< 50 mg HC/g COT), indicando que a matéria orgânica é classificada como querogénio do tipo IV e que não apresenta nenhuma propensão para a geração de hidrocarbonetos, quer petróleo, quer gás.

4 436 P. Fernandes et al. / Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, Fig. 2. Descrição geral das sondagens analisadas, com a posição das amostras estudadas e a correlação lateral para o topo da Formação de Vúzi. Fig. 2. General description of the boreholes analysed, with the position of the samples studied and the lateral correlation for the top of the Vúzi Formation. 4. Potencial gerador de hidrocarbonetos Os resultados das análises de geoquímica orgânica (COT e pirólise rock-eval) permitem discriminar as formações de Vúzi e de Moatize em relação ao tipo de querogénio mas, também, em relação ao potencial gerador de hidrocarbonetos e maturação que apresentam. A maioria das amostras da Formação de Moatize apresenta valores de COT elevados (> 8 wt.%) e valores de S2 resultante da pirólise superiores a 100 mg HC/g rocha apontando, portanto, para um potencial muito bom a excelente para gerar gás (Peters & Cassa, 1994). As amostras da Formação de Vúzi apresentam valores de COT são baixos (< 4 wt.%) e, mais importante para o potencial gerador de hidrocarbonetos, os valores de S2 são muitos baixos, sempre inferiores a 3 mg HC/g rocha, indicando que esta

5 Rochas mãe de hidrocarbonetos da Bacia Carbonífera de Moatize-Minjova 437 formação não demonstra nenhum potencial gerador de hidrocarbonetos (gás e petróleo). Os valores de S1 obtidos por pirólise da Formação de Vúzi são muito baixos indicando que poucos hidrocarbonetos foram destilados das amostras durante a primeira fase de pirólise. A Formação de Moatize separa-se da formação anterior por apresentar valores de S1 superiores, distribuindo-se entre os campos do potencial moderado e o do potencial bom (Peters & Cassa, 1994). Este dado indica que foram gerados hidrocarbonetos durante a história térmica da Formação de Moatize na bacia sedimentar, todavia o seu potencial é, ainda, moderado. Fig. 3. Gráfico COT vs. S2, com o tipo de querogénio e o seu potencial gerador em hidrocarbonetos. Fig. 3. TOC vs. S2 graph, with the type of kerogen and its hydrocarbons source rock potential. 5. Conclusões A Formação de Moatize na Bacia Carbonífera de Moatize Minjova, é uma unidade importante do Supergrupo Karoo de Moçambique, consistindo em argilitos carbonosos, arenitos e camadas de carvão intercaladas. Os argilitos carbonosos possuem um importante potencial como rochas geradoras de gás, podendo ser considerados como unidades importantes de shale gas. A Formação Vúzi, estratigraficamente subjacente à Formação Moatize, não apresenta nenhum potencial gerador de hidrocarbonetos. A matéria orgânica presente na maioria das amostras da Formação de Vúzi é classificada como querogénio de tipo IV com baixos valores de HI, indicando que esta unidade estratigráfica não possui capacidade para gerar hidrocarbonetos. A Formação de Moatize é caracterizada por possuir querogénio do tipo III, com elevados valores de COT (> 4 wt.%) e valores de HI médios a elevados, sendo considerada como possuindo capacidade para gerar gás. Todavia, esta situação só se poderá verificar atualmente, em regiões da Bacia Carbonífera de Moatize Minjova onde a Formação de Moatize estiver a profundidade e a temperaturas (> 150ºC) capazes de gerar gás termogénico. Contudo, mesmo que não se verifiquem estas condições, gás natural poderá ser explorado nas regiões onde a Formação de Moatize estiver a maior profundidade por fracking, pois a maturação orgânica (Fernandes et al., 2014) indica uma posição no final da janela do petróleo, podendo nestes locais os valores da maturação serem superiores por maior subsidência e os valores medidos de S1, S2 e COT, indicam uma considerável capacidade para gerar gás. Agradecimentos Os autores desejam expressar o seu agradecimento às empresas ETA STAR Moçambique, S.A. proprietária das sondagens e que autorizou a recolha das amostras e o seu estudo e Gondwana Empreendimentos e Consultorias, Limitada., pela disponibilização das sondagens amostradas, de toda a informação relativa a estas e o apoio prestado durante a recolha das amostras e nos trabalhos de campo. Os autores desejam, também, expressar os seu agradecimento à empresa GALP Exploração o apoio financeiro dado para a realização das análises de geoquímica orgânica das sondagens e em especial ao Dr. Sebastian Luening o interesse neste projeto. Por último, Paulo Fernandes agradece à Fundação para a Ciência e Tecnologia a bolsa de licença sabática concedida, que permitiu a realização dos trabalhos de campo em Moçambique. Referências Espitalié, J., Laporte, J.L., Madec, M., Marquis, F., Leplat, P., Paulet, J., Boutefeu, A., Méthode rapide de caractérisation des roches mères de leur degré d'évolution. Revue Institut Français du Pétrole, 32(1), Fernandes, P., Cogné, N., Rodrigues, B., Jorge, R.C.G.S., Marques, J., Jamal, D., História Térmica do Supergrupo do Karoo da Bacia Carbonífera de Moatize-Minjova, Província de Tete, Moçambique. Integração de dados do Poder Reflector da Vitrinite e da Termocronologia dos Traços de Fissão da Apatite. Comunicações Geológicas,101(Especial I), ISO 11760, Classification of coals. 9 p. Lopes, G., Pereira, Z., Fernandes, P., Marques, J., Datação Palinológica dos Sedimentos Glaciogénicos da Formação Vúzi, sondagem ETA 65, Bacia de Moatize, Moçambique Resultados Preliminares. Comunicações Geológicas, 101(Especial I), Peters, K.E., Cassa, M.R., Applied source rock geochemistry. In: L.B. Magoon, W.G. Dow, (Eds). The Petroleum System - From Source to Trap. American Association of Petroleum Geologists Memoir 60, Pereira, Z., Lopes, G., Fernandes, P., Marques, J., Estudo palinoestratigráfico da sondagem ETA 72 do Karoo Inferior da Bacia de Moatize, Moçambique - Resultados Preliminares. Comunicações Geológicas, 101(Especial I), Vasconcelos, L., Contribuição para o conhecimento dos carvões da Bacia Carbonífera de Moatize, Província de Tete, República de Moçambique. Tese de doutoramento, Universidade do Porto (não publicada), 231 p. Vasconcelos, L., Achimo, M., O carvão em Moçambique. Ciências Geológicas Ensino e Investigação da sua História. In: J.M. Cotelo Neiva, A. Ribeiro, L. Mendes Victor, F. Noronha, M.M. Ramalho, (Eds). Geologia das Ex-Colónias de África, Moçambique, III, Lisboa,

RGAOT 13. LIVRO DE actas. UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Vila Real, 24 a 26 de outubro de 2013 U AD DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA

RGAOT 13. LIVRO DE actas. UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Vila Real, 24 a 26 de outubro de 2013 U AD DEPARTAMENTO DE GEOLOGIA RGAOT 13 R E C U R S O S G E O L Ó G I C O S, A M B I E N T E E O R D E N A M E N T O D O T E R R I T Ó R I O LIVRO DE actas UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO Vila Real, 24 a 26 de outubro de

Leia mais

A Geologia no litoral do Alentejo

A Geologia no litoral do Alentejo A Geologia no litoral do Alentejo Manuel Francisco Pereira (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Carlos Ribeiro (Prof. Auxiliar da Universidade de Évora) Cristina Gama (Prof.ª Auxiliar da Universidade

Leia mais

P. Fernandes 1*, N. Cogné 2, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 3, J. Marques 4, D. Jamal 5

P. Fernandes 1*, N. Cogné 2, B. Rodrigues 1, R. C. G. S. Jorge 3, J. Marques 4, D. Jamal 5 Versão online: http://www.lneg.pt/iedt/unidades/16/paginas/26/30/185 Comunicações Geológicas (2014) 101, Especial I, 427-431 IX CNG/2º CoGePLiP, Porto 2014 ISSN: 0873-948X; e-issn: 1647-581X História térmica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ.

AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE COALBED METHANE (GÁS NATURAL) DAS CAMADAS DE CARVÃO DA FORMAÇÃO RIO BONITO, MARACAJÁ, SC, BACIA DO PARANÁ. Priscila Lourenzi, Janaina Lewandowski, Gustavo Simão, Wolfgang Kalkreuth.

Leia mais

Classificação: Leve/pesado viscosidade (% de parafínicos ou alcanos pesados) Sweet/sour teor de enxofre baixo/elevado. Octano

Classificação: Leve/pesado viscosidade (% de parafínicos ou alcanos pesados) Sweet/sour teor de enxofre baixo/elevado. Octano SISTEMA PETROLÍFERO PETRÓLEO Substância natural composta principalmente por hidrocarbonetos não cíclicos c clicos (alcanos) com fórmula f química geral C n H 2n+2 ocorrendo juntamente com aromáticos e

Leia mais

Bacia do Parnaíba. Geólogo Marcos André Rodrigues Alves Superintendência de Definição de Blocos

Bacia do Parnaíba. Geólogo Marcos André Rodrigues Alves Superintendência de Definição de Blocos Bacia do Parnaíba Geólogo Marcos André Rodrigues Alves Superintendência de Definição de Blocos Roteiro Localização Infraestrutura Histórico Exploratório Evolução Tectonoestratigráfica Bacia do Parnaíba

Leia mais

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi

Bacia do Paraná: Rochas e solos. Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia do Paraná: Rochas e solos Almério Barros França Petrobrás Claudinei Gouveia de Oliveira Instituto de Geociências-UnBi Bacia Hidrográfica do Rio Paraná versus Bacia Sedimentar do Paraná = Bacia do

Leia mais

Palavras-chave: Geoquímica orgânica, Bacia do Paraná, isótopo estável de carbono, paleoambiente.

Palavras-chave: Geoquímica orgânica, Bacia do Paraná, isótopo estável de carbono, paleoambiente. POTENCIAL GERADOR DE HIDROCARBONETOS, INFLUÊNCIA DO CALOR DE ROCHAS INTRUSIVAS NA MATURAÇÃO DO QUEROGÊNIO E ISÓTOPOS ESTÁVEIS DE CARBONO COMO INDICADORES DO PALEOAMBENTE DEPOSICIONAL DA FORMAÇÃO IRATI

Leia mais

Nona Rodada de Licitações Bacia do Parnaíba. Geóloga Eliane Petersohn,, M.sc. Superintendência de Definição de Blocos

Nona Rodada de Licitações Bacia do Parnaíba. Geóloga Eliane Petersohn,, M.sc. Superintendência de Definição de Blocos Nona Rodada de Licitações Bacia do Parnaíba Geóloga Eliane Petersohn,, M.sc. Superintendência de Definição de Blocos Localização Área total 668.858 km 2 Bacia paleozóica intracratônica Cobertura Cretácea

Leia mais

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1

DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS. Nuno ALTE DA VEIGA 1 DELIMITAÇÃO DE VARIAÇÕES LATERAIS NUM RESERVATÓRIO ALUVIONAR COM MÉTODOS ELÉCTRICOS Nuno ALTE DA VEIGA 1 RESUMO Em regiões de soco cristalino pequenas manchas de depósitos de aluvião existentes localmente

Leia mais

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS

ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS 4 o PDPETRO, Campinas, SP 1.1.0100 1 ANÁLISE TECTONO-ESTRATIGRÁFICA DA SUCESSÃO EO-PERMIANA DA BACIA DO PARANÁ APLICADA AO MAPEAMENTO DE POTENCIAIS CORPOS RESERVATÓRIOS Júnia Casagrande 1 (UFRGS ANP PRH12),

Leia mais

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora

Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais. Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Armazenamento de CO 2 Tipos de reservatórios e selecção de locais Júlio Carneiro Centro de Geofísica de Évora Injecção de CO 2-40 anos de prática?! Injecção de CO 2 efectuada desde 1972 como tecnologia

Leia mais

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS)

PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) PEGADAS DE DINOSSÁURIOS NA PRAIA DA PAREDE (CASCAIS) RELATÓRIO PRELIMINAR PARA INFORMAR SOBRE O INTERESSE CIENTÍFICO, PATRIMONIAL, PEDAGÓGICO E CULTURAL DA JAZIDA Vanda Faria dos Santos Lisboa Novembro

Leia mais

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia

SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro 30 de setembro de 2004 - Clube de Engenharia Urânio: Alguns Aspectos relacionados com as Pesquisas, Produção, Demanda e Mercado de Urânio no Brasil e no Mundo SEMINÁRIO RECURSOS ENERGÉTICOS DO BRASIL: PETRÓLEO, GÁS, URÂNIO E CARVÃO Rio de Janeiro

Leia mais

Reservas Brasileiras de gás convencional. e Potencial para gás não convencional

Reservas Brasileiras de gás convencional. e Potencial para gás não convencional Reservas Brasileiras de gás convencional e Potencial para gás não convencional Gás Natural Reservas Gás Natural Provada 459 bcm (16 tcf) Total 907 bcm (32 tcf) Em 10 anos: x 2 Produção Gás Natural 65,9

Leia mais

O CARVÃO DA CAMADA BONITO INFERIOR, JAZIDA SUL-CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA.

O CARVÃO DA CAMADA BONITO INFERIOR, JAZIDA SUL-CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA. O CARVÃO DA CAMADA BONITO INFERIOR, JAZIDA SUL-CATARINENSE: UMA CONTRIBUIÇÃO PARA A CARACTERIZAÇÃO PETROGRÁFICA, QUÍMICA E TECNOLÓGICA. Gustavo Simão, Priscila Lourenzi, Wolfgang Kalkreuth. LACAPETRO-Laboratório

Leia mais

Quarta Rodada de Licitações Bacia do Solimões

Quarta Rodada de Licitações Bacia do Solimões Quarta Rodada de Licitações Bacia do Solimões João Clark Superintendência de Definição de Blocos Área: 600.000 km 2 Bacia do Solimões Mapa de Localização Área do Paleozóico: 300.000 km 2 Esforço Exploratório

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» MINERAÇÃO E PETRÓLEO E GÁS «21. As rochas selantes devem mostrar propriedades como impermeabilidade e plasticidade para manter sua condição de selante mesmo após ser submetida

Leia mais

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação

Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Desempenho da Calha Rochosa Não-Revestida do Vertedouro da Usina Hidrelétrica Governador Ney Braga (Segredo) após 14 anos de Operação Roberto Werneck Seara; Benedito de Souza Neto; Fabiano Rossini COPEL

Leia mais

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos

Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Exploração sustentada de recursos geológicos Recursos energéticos Aula nº85 22 Maio 09 Prof. Ana Reis Recursos energéticos Vivemos numa época em que os recursos energéticos afectam a vida de todas as pessoas.

Leia mais

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo

Geologia da Bacia do Paraná. Antonio Liccardo Geologia da Bacia do Paraná Antonio Liccardo A Bacia do Paraná Localização das bacias fanerozóicas no Brasil Bacia sedimentar Região recebe aporte de material por estar abaixo do nível regional, acumulando

Leia mais

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais.

Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola Programa de Pós-Graduação em Engenharia Agrícola Tipos e fontes de energias alternativas e convencionais. Robson

Leia mais

CENARIO ATUAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PERSPECTIVAS DE EXPLORAÇÃO DE RESERVAS NÃO CONVENCIONAIS NO BRASIL

CENARIO ATUAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PERSPECTIVAS DE EXPLORAÇÃO DE RESERVAS NÃO CONVENCIONAIS NO BRASIL 4 CAMPETRO Campinas Oil & Gas 1 Campinas Energy CENARIO ATUAL DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL PERSPECTIVAS DE EXPLORAÇÃO DE RESERVAS NÃO CONVENCIONAIS NO BRASIL Colombo Celso Gaeta Tassinari ccgtassi@usp.br

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

Conceitos e definições do setor de gás natural

Conceitos e definições do setor de gás natural Conceitos e definições do setor de gás natural O que é o gás natural O gás natural é um combustível fóssil que se encontra na natureza, associado ou não ao petróleo, formado por hidrocarbonetos com predominância

Leia mais

BASENG Engenharia e Construção LTDA

BASENG Engenharia e Construção LTDA RELATÓRIO DE INVESTIGAÇÃO GEOLÓGICO- GEOTÉCNICA: SONDAGEM A PERCUSSÃO LT2 ENGENHARIA E CONSTRUÇÃO CONTRUÇÃO DE UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO HOSPITAL E MATERNIDADE Praia de Boiçucanga São Sebatião / SP

Leia mais

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL

EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL EVOLUÇÃO GEOLÓGICA DO TERRITÓRIO NACIONAL O Brasil apresenta, em seu território, um dos mais completos registros da evolução geológica do planeta Terra, com expressivos testemunhos geológicos das primeiras

Leia mais

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela

Cada nova camada que se forma sobrepõe-se e comprime as camadas mais antigas, situadas por baixo dela - são testemunhos dos processos geológicos que ocorreram no passado; - são habitualmente estratificadas e fossilíferas Reflectem as alterações ambientais que ocorreram na Terra Contam a história evolutiva

Leia mais

Nona Rodada de Licitações Bacia do Rio do Peixe

Nona Rodada de Licitações Bacia do Rio do Peixe Nona Rodada de Licitações Bacia do Rio do Peixe Cid Queiroz Fontes Superintendência de Definição de Blocos LOCALIZAÇÃO DA BACIA E CONDIÇÕES DE OPERACIONALIDADE Mapa de Localização Aspectos Gerais Pertence

Leia mais

Areias e Ambientes Sedimentares

Areias e Ambientes Sedimentares Areias e Ambientes Sedimentares As areias são formadas a partir de rochas. São constituídas por detritos desagregados de tamanhos compreendidos entre 0,063 e 2 milímetros. Areias: Ambiente fluvial As areias

Leia mais

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,***

Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** Departamento de Geologia Paleozóico? Helena Couto*, *** & Alexandre Lourenço**,*** *Professora Associada do Departamento de Geologia da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto **Reitoria da Universidade

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO

ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO ANÁLISE COMPARATIVA DOS MÉTODOS DE ESTMATIVA DE CAPACIDADE DE CARGA DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS - ESTUDO DE CASO Heriberto Pagnussatti; Adailton Antonio dos Santos UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais

ROCHAS E MINERAIS. Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais ROCHAS E MINERAIS Disciplina: Ciências Série: 5ª EF - 1º BIMESTRE Professor: Ivone de Azevedo Fonseca Assunto: Rochas & Minerais A crosta terrestre é basicamente constituída de rochas. A rocha é produto

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global.

- Principal agente das mudanças de estado: Tectônica Global. Classificação de bacias sedimentares: mecanismos de subsidência e contexto tectônico - Bacias sedimentares: áreas da superfície terrestre que sofrem ou sofreram subsidência continuada. - Subsidência resposta

Leia mais

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ

A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ 8-6-2012 TEMA III A TERRA ONTEM, HOJE E AMANHÃ Ano Lectivo 2011/2012 Geologia Joana Pires nº15 12ºB Glaciares Os glaciares são massas de gelo que se originam á superfície terrestre devido à acumulação,

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO A GEOTERMIA E SUA IMPORTÂNCIA NO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO O que é a geotermia? A terra não só é capaz de produzir energia de maneira passiva a partir de materiais fósseis acumulados ao longo de milhões

Leia mais

Os Recursos Minerais na nossa vida

Os Recursos Minerais na nossa vida Os Recursos Minerais na nossa vida Min. Volfrâmio Expl. Argilas Gesso Cobre nativo Calcário Granito Ouro Expl. Areias Min. Chumbo Min. Urânio Realizado por INETI, Área de Geologia Económica (Daniel Oliveira,

Leia mais

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL

CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL CRATERAS METEORÍTICAS NO BRASIL Alvaro Penteado Crósta Instituto de Geociências, Unicamp As crateras de impacto são estruturas formadas quando um planeta ou satélite é atingido por meteoritos, asteróides

Leia mais

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na 1 Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na composição predominante da vegetação. O padrão climático (temperatura e precipitação) representa o principal aspecto utilizado

Leia mais

PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL

PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL PERSPECTIVAS PARA O&G NÃO- CONVENCIONAL NO BRASIL Lauro Doniseti Bogniotti Departamento de Política de Exploração e Produção de Petróleo e Gás Natural depg@mme.gov.br OLADE Montevidéu, 25/07/2012 SUMÁRIO

Leia mais

Modulo I Mudanças Climáticas

Modulo I Mudanças Climáticas Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Exercícios Extras Silvia Set/09 Modulo I Mudanças Climáticas 1. (UFRJ) A maior parte do aquecimento da atmosfera é proveniente da radiação terrestre: a atmosfera deixa

Leia mais

Bacia do Espírito Santo

Bacia do Espírito Santo Bacia do Espírito Santo Adoniran Bugalho Superintendência de Definição de Blocos Roteiro Localização Infraestrutura e condições operacionais Histórico exploratório Dados existentes Evolução tectonoestratigráfica

Leia mais

2 Método sísmico na exploração de petróleo

2 Método sísmico na exploração de petróleo 16 2 Método sísmico na exploração de petróleo O método sísmico, ou sísmica de exploração de hidrocarbonetos visa modelar as condições de formação e acumulação de hidrocarbonetos na região de estudo. O

Leia mais

ANEXO B PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO B PROPOSTA TÉCNICA REPUBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DOS RECURSOS MINERAIS 5º CONCURSO DE CONCESSÃO DE ÁREAS ANEXO B PROPOSTA TÉCNICA Todos os documentos técnicos do candidato devem ser submetidos aqui: Os formulários preenchidos

Leia mais

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4

ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESTRUTURA GEOLÓGICA E RELEVO AULA 4 ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO Organiza os principais eventos ocorridos na história do planeta ERA PRÉ -CAMBRIANA DESAFIO (UEPG) ex. 1 p. 181 - A história e a evolução da

Leia mais

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora

Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Do Risco à Catástrofe Um Desafio para a Protecção Civil O Risco Sísmico no Município da Amadora Luís Carvalho Geógrafo Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil luis.carvalho@cm

Leia mais

ID: 61245534 03-10-2015

ID: 61245534 03-10-2015 ID: 61245534 03-10-2015 Tiragem: 29592 País: Portugal Period.: Diária Pág: 17 Cores: Cor Área: 15,92 x 30,00 cm² Corte: 1 de 1 A1 Sapo Moçambique Online Visitas diárias: 2119 País: MZ OCS: Sapo Moçambique

Leia mais

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899

Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Professor: Anderson Carlos Fone: 81 8786 6899 Estrutura geológica é a base do território. Corresponde à sua composição rochosa. Já o relevo é a forma apresentada pelo território ao nossos olhos: montanhas

Leia mais

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL

Capítulo 4 - ROCHAS CLASSIFICAÇÃO DAS ROCHAS QUANTO À QUANTIDADE DE TIPOS DE MINERAL Capítulo 4 - ROCHAS DEFINIÇÕES MINERAL: Toda substancia inorgânica natural, de composição química estrutura definidas. Quando adquire formas geométricas próprias, que correspondam à sua estrutura atômica,

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

Avaliação do efeito térmico das intrusivas ígneas em um horizonte potencialmente gerador da Bacia do Paraná: Formação Irati

Avaliação do efeito térmico das intrusivas ígneas em um horizonte potencialmente gerador da Bacia do Paraná: Formação Irati Revista Brasileira de Geociências Igor Viegas Alves Fernandes de Souza et al. 38(2 - suplemento): 138-148, junho de 2008 Avaliação do efeito térmico das intrusivas ígneas em um horizonte potencialmente

Leia mais

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS

I: PRAIA DE PORTO DE MÓS Índice: Atenção...2 O porquê do roteiro...3 Material necessário...3 Descrição geral da geologia da Bacia Algarvia...4 PARTE I: PRAIA DE PORTO DE MÓS...8 Localização geográfica do local da saída de campo...9

Leia mais

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra

À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra À descoberta da Geologia da Praia Grande, Sintra Para observar as pegadas de dinossáurio preservadas na laje vertical do extremo sul da Praia Grande, suba as escadas até as encontrar. Nas pegadas que observa

Leia mais

Objetivo Conteúdos Habilidades

Objetivo Conteúdos Habilidades Tema 8 Um Lugar Frio e Escuro Objetivo investigar as condições ambientais predominantes nos oceanos, com destaque para os gradientes verticais de temperatura, luz e pressão hidrostática. Conteúdos física,

Leia mais

Avaliação do Potencial Gerador de Hidrocarbonetos Não Convencionais da Formação de Mira do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo

Avaliação do Potencial Gerador de Hidrocarbonetos Não Convencionais da Formação de Mira do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo Avaliação do Potencial Gerador de Hidrocarbonetos Não Convencionais da Formação de Mira do Grupo do Flysch do Baixo Alentejo Pedro Miguel de Bruges Bettencourt Meneses Branco Dissertação para obtenção

Leia mais

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo

os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo os hidrocarbonetos e o mecanismo de Desenvolvimento Limpo Engª. Kassi Costa/setembro 2013 Sumario Introdução Combustíveis Fósseis ou Hidrocarbonetos Sistema Petrolífero Mecanismo Desenvolvimento Limpo/Alternativas

Leia mais

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

PETRÓLEO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara PETRÓLEO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara CONCEITO E ORIGEM Petróleo: do latim petrus (pedra) + oleum (óleo) = óleo de pedra É uma substância de origem orgânica, oleosa, inflamável, geralmente menos densa

Leia mais

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK

SENSOR STK 817 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817. www.samtek.com.br SAMTEK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS STK 817 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de modo a

Leia mais

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista

I: Aplicação. Descritiva. propriedade mais. importante. (vista Noções básicas de Geometria Descritiva e sua aplicação naa análise de estruturas geológicas António Alexandre Araújo (Centro de Geofísica de Évora, Departamento de Geociências, Escola de Ciências e Tecnologia

Leia mais

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC

Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Análise e Classificação Granulométrica de Sedimentos Quaternários em Perfil Estratigráfico de Margem Fluvial do Rio Itapocu - SC Paulino, R.B. (UFPR) ; Goulart, A.A. (UFPR) ; Siefert, C.A.C. (UFPR) ; Lopes,

Leia mais

Área total 606.234 km 2

Área total 606.234 km 2 Décima Rodada de Licitações Bacia do Amazonas Geólogos Andrei Dignart e Juliana Ribeiro Vieira Superintendência de Definição de Blocos Localização Arco de Purus Manaus Área total 606.234 km 2 Modificado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOLOGIA Figura 1Figura 2Figura 3Figura 4Figura 5Figura 6Figura 7Figura 8Figura 9Figura 10Figura 11Figura 12Figura 13Figura 14Figura 15Figura 16Figura 17Figura 18Figura 19Figura 20Figura 21Figura 22Figura 23Figura

Leia mais

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade.

Figura 1 Fragmentação e evolução dos continentes desde a Pangeia até à atualidade: A Pangeia à 225 milhões de anos, B Continentes na atualidade. 1. Dinâmica interna da Terra 1.1. Deriva dos Continentes e Tectónica de Placas 1.1.1. Teoria da Deriva Continental Esta teoria foi apresentada por Wegener em 1912, e defendia que os continentes, agora

Leia mais

SERIES NATURALES: APLICACIÓN EN EL ESTUDIO DE LA GENERACIÓN Y EXPULSIÓN DEL PETROLEO Y EN EL MAPEAMIENTO DE OIL-KITCHENS

SERIES NATURALES: APLICACIÓN EN EL ESTUDIO DE LA GENERACIÓN Y EXPULSIÓN DEL PETROLEO Y EN EL MAPEAMIENTO DE OIL-KITCHENS SÉRIES NATURAIS: APLICAÇÃO NO ESTUDO DA GERAÇÃO E EXPULSÃO DO PETRÓLEO E NO MAPEAMENTO DE OIL-KITCHENS NATURAL SERIES: PETROLEUM GENERATION AND EXPULSION ASSESSMENT AND OIL-KITCHENS MAPPING SERIES NATURALES:

Leia mais

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central

ACSS ACSS. Gás combustível em edifícios hospitalares. do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010. Especificações Técnicas para. Administração Central Especificações Técnicas para Gás combustível em edifícios hospitalares ACSS Administração Central do Sistema de Saúde, IP ET 02/2006 V. 2010 Administração Central ACSS do Sistema de Saúde Ministério da

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

Guião de Exploração de Actividades. Parte A Alta Tecnologia para Estudar a Dinâmica Interna da Geosfera

Guião de Exploração de Actividades. Parte A Alta Tecnologia para Estudar a Dinâmica Interna da Geosfera Guião de Exploração de Actividades Que contribuições poderão fornecer os métodos directos e indirectos para o conhecimento da estrutura e dinâmica da Geosfera? Quais são os métodos para investigar o interior

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos 5 de setembro de 2014 Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos mozambique@vda.pt Foram publicadas, em Boletim da República, a Lei n.º 20/2014, de 18 de Agosto ( Lei de Minas ) e a Lei n.º

Leia mais

Planta 4. Legenda. Complexos Hidrogeológicos Complexo Aluvionar. Sistema Miocénico Inferior. Sistema das Argilas de Prazeres. Limite PP Parque Mayer

Planta 4. Legenda. Complexos Hidrogeológicos Complexo Aluvionar. Sistema Miocénico Inferior. Sistema das Argilas de Prazeres. Limite PP Parque Mayer ¹ Planta 4 Legenda Complexos Hidrogeológicos Complexo Aluvionar Sistema Miocénico Inferior Sistema das Argilas de Prazeres Limite PP Parque Mayer Direcção Municipal de Planeamento Urbano Departamento de

Leia mais

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL

VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL VARIAÇÃO DA RADIAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO EM PORTUGAL O regime térmico de Portugal acompanha a variação da radiação solar global ao longo do ano. Ao longo do ano, os valores da temperatura média mensal

Leia mais

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6)

SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) SISTEMA AQUÍFERO: VIANA DO ALENTEJO ALVITO (A6) Figura A6.1 Enquadramento litoestratigráfico do sistema aquífero Sistema Aquífero: Viana do Alentejo-Alvito (A6) 92 Identificação Unidade Hidrogeológica:

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL SONDAGENS Em virtude da dificuldade de se prever

Leia mais

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO.

069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM Page 1 S O N D A G E N S E C A P T A Ç Õ E S D E Á G U A S O N D A G E N S B A T A L H A PESQUISAMOS SOLUÇÕES PARA O SEU CONFORTO. 069123_RITA CASTRO 9/27/04 7:05 PM

Leia mais

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS

CAPÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE PORTUGUESAS CAÍTULO VI MODELO DE CORRELAÇÃO SISMOSTRATIGRÁFICA ENTRE AS MARGENS CONTINENTAIS SUL E SUDOESTE ORTUGUESAS 263 VI.1. INTRODUÇÃO O modelo geral de correlação sismostratigráfica entre as Margens Continentais

Leia mais

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos

Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Aplicação de teores em trítio e de carbono-14 como método de diagnóstico e análise de sistemas subterrâneos Paula M. Carreira 1, Dina Nunes 1, Pedro Valério 1, Maria Fátima Araújo 1, José M. Marques 2,

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011

Ligações às redes de energia eléctrica. Setembro de 2011 Ligações às redes de energia eléctrica Setembro de 2011 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada Procedimentos para ligação de uma instalação à rede Ponto de ligação

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP. Sessão de Abertura. Lisboa, 24 de junho de 2015

I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP. Sessão de Abertura. Lisboa, 24 de junho de 2015 I CONFERÊNCIA ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO DA CPLP Sessão de Abertura Lisboa, 24 de junho de 2015 Intervenção do Secretário Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade

Leia mais

Qual o nosso lugar no Universo?

Qual o nosso lugar no Universo? Qual o nosso lugar no Universo? Acredita-se que no Universo existam cerca de 100 000 milhões de galáxias. As galáxias são enormes grupos de estrelas, gás e poeira. Nem todas são iguais e diferenciam-se

Leia mais

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra

A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra A história das pedras, do Guincho às abas da Serra de Sintra Geologia no Verão 2012 Saída: 10.00 h no Restaurante Muchaxo, Guincho Regresso: +/- 16.00 h no mesmo local Ida e volta: aprox. 8 km 1/9 INTRODUÇÃO

Leia mais

Principais texturas e rochas metamórficas Os fenómenos metamórficos provocam modificações na textura das rochas iniciais. A textura depende da dimensão dos cristais, forma e arranjo dos diferentes minerais,

Leia mais

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo.

TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA A análise termogravimétrica (TG) é uma técnica térmica onde a massa da amostra é registada em função da temperatura ou do tempo. TERMOGRAVIMETRIA São frequentemente usados três modos distintos

Leia mais

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA

A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA A NOVA LEGISLAÇÃO PARA RESÍDUOS RESULTANTES DA ACTIVIDADE EXTRACTIVA João M. L. Meira Geólogo Mário J. N. Bastos Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO A exploração de minas e pedreiras, bem como a actividade

Leia mais

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE

Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Parâmetros Geotécnicos do Arenito do Estaleiro Atlântico Sul Suape - PE Joaquim Teodoro Romão de Oliveira Universidade Católica de Pernambuco e Universidade Federal de Pernambuco, Recife, Brasil, jtrdo@uol.com.br

Leia mais

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem;

ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL. Tema 1: A Terra: estudos e representações UNIDADE DIDÁCTICA: 1- Da paisagem aos mapas. A descrição da paisagem; ANO LECTIVO PLANIFICAÇÃO ANUAL DEPARTAMENTO DE HISTÓRIA E GEOGRAFIA 2007/2008 ANO GEOGRAFIA 7.º GERAIS Tema 1: A Terra: estudos e representações Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL.

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÉRMICO DA QUADRA MULTIFUNCIONAL DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO CEARÁ, BRASIL. Adeildo Cabral da Silva, Professor-Pesquisador, Construção Civil, Centro Federal de

Leia mais

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013)

Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Ligações às redes de energia eléctrica de instalações consumidoras (em vigor a partir de 12 de maio de 2013) Novembro de 2012 Índice Competências da ERSE Princípios e conceitos gerais Potência requisitada

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER

Turismo no Espaço Rural. A oferta e a procura no TER A oferta e a procura no TER 2007 Índice Introdução Capacidade de alojamento Estimativa de dormidas Taxas de ocupação-cama Anexos 2 Introdução. Em 2007 estavam em funcionamento em Portugal 1.023 unidades

Leia mais

GESTÃO DE ARQUIVO DE DADOS

GESTÃO DE ARQUIVO DE DADOS 1 GESTÃO DE ARQUIVO DE DADOS 1 2014 Agenda 2 1. Introdução 2. Actividades gerais do Arquivo Técnico de E&P 3. Importância do Arquivo Técnico de E&P para a Sonangol 4. Tipo de documentos e formatos 5. Tipos

Leia mais

Página CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.ENQUADRAMENTO 3 1.1.OBJECTIVOS..4 1.2.ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO...4

Página CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.ENQUADRAMENTO 3 1.1.OBJECTIVOS..4 1.2.ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO...4 ÍNDICE GERAL Página CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO 1.ENQUADRAMENTO 3 1.1.OBJECTIVOS..4 1.2.ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO...4 CAPÍTULO 2 CARACTERIZAÇÃO DA ILHA E SUAS TIPOLOGIAS CONSTRUTIVAS 2.1.DESCRIÇÃO DAS CARACTERISTICAS

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE GEOGRAFIA Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 02/06/2012 Nota: Professor(a): Élida Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número de questões desta prova: 12 2) Valor das questões:

Leia mais

II CENTRAL & NORTH ATLANTIC CONJUGATE MARGINS CONFERENCE

II CENTRAL & NORTH ATLANTIC CONJUGATE MARGINS CONFERENCE http://metododirecto.pt/cm2010 ISBN: 978-989-96923-1-2 Volume III p. 256-260 II CENTRAL & NORTH ATLANTIC CONJUGATE MARGINS CONFERENCE Contribution to the knowledge of petroleum generative potential of

Leia mais