UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA ELÉTRICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA ELÉTRICA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE POSITIVO NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA ELÉTRICA GERADOR DE FUNÇÕES MICROCONTROLADO COM INTERFACE WIRELESS NO COMPUTADOR Curitiba, 2008.

2 Felipe Ehlke Anastacio Marcos Martinez GERADOR DE FUNÇÕES MICROCONTROLADO COM INTERFACE WIRELESS NO COMPUTADOR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Engenharia Elétrica da Universidade Positivo, para obtenção de avaliação parcial da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), como requisito à obtenção do grau de Engenheiro Eletricista, sob a orientação do Prof. Mauricio Perreto. Curitiba, 2008.

3 AGRADECIMENTOS Agradecemos aos nossos mestres e colegas de turma por sempre nos incentivarem e nos ajudarem em todas as dificuldades que tivemos durante a criação e implementação. A Universidade Positivo por sempre nos fornecer os materiais e livros necessários para o embasamento teórico e prático para a construção desse projeto. A todos que participaram de várias formas da continuidade, do aprimoramento desse projeto ou que contribuíram para a realização deste trabalho. Ao Prof. Mauricio Perretto, orientador e amigo que participou conosco em todos os momentos críticos da criação desse produto.

4 Os cientistas estudam o mundo como ele é, os engenheiros criam um mundo como ele nunca havia sido. - Theodore von Karman

5 RESUMO O gerador de funções é um instrumento eletrônico desenvolvido para gerar sinais elétricos, em formas de onda, com variadas freqüências (de Hz até Mhz) e amplitudes. Sua vasta aplicação no campo da Engenharia Elétrica cria uma necessidade de um maior grau de liberdade quanto as suas funções (formas de onda) possíveis de serem geradas. Esse projeto consiste exatamente em possibilitar ao usuário, através de um software, desenhar o sinal que será fornecido pelo gerador. A comunicação entre PC (personal computer) e o hardware será através de uma interface sem fio, devido a sua larga utilização na comunicação de instrumentos eletrônicos e praticidade de uso. Palavras-chave: Gerador de funções, ondas personalizadas, comunicação sem fio.

6 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMA JUSTIFICATIVA OBJETIVOS ESPECÍFICOS Divisão do Trabalho FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SINAIS BÁSICOS DE UM GERADOR SISTEMAS DIGITAIS AMOSTRAGEM QUANTIZAÇÃO COMUNICAÇÃO SEM FIO MICROCONTROLADOR Arquitetura genérica de microcontrolador ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA ESPECIFICAÇÃO GERAL ESPECIFICAÇÃO FIRMWARE COMUNICADOR SEM FIO Modo Transparente Modo API (Application Programming Interface) ESPECIFICAÇÃO DO HARDWARE Memória Interna Ajustes Microcontroladores SOFTWARE IMPLEMENTAÇÃO SOFTWARE Interpolação Importação e Exportação de Arquivos HARDWARE Circuito do Microcontrolador DsPic 30F Circuito de Ajuste de Amplitude e Offset Circuito do Módulo XBee Circuito do Display LCD Circuito dos Botões Circuito de Alimentação Montagens em protoboard Diagrama Esquemático Completo do Circuito RESULTADOS MEMÓRIA EXTERNA MEMÓRIA INTERNA USO DO PLL (PHASE LOCKED LOOP) VETOR COM OS VALORES DO SOFTWARE SALVAR E ABRIR ONDAS...43

7 5.6 PROTOCOLO DE COMUNICAÇÃO ONDA PROJETADA E RESULTADO FINAL CONCLUSÕES ANÁLISE DOS OBJETIVOS CONCLUSÕES GERAIS TRABALHOS FUTUROS...48 REFERÊNCIAS...49 APÊNDICE A CÓDIGO DO DSPIC 30F APÊNDICE B CÓDIGO DO PIC 16F877A...52 APÊNDICE C CÓDIGO DO SOFTWARE...55 ANEXO A MOD_LCD.H...59 ANEXO B MANARQUIVO.CPP...61 ANEXO C CPORTA.H...62

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Onda senoidal...3 Figura 2 Onda quadrada...4 Figura 3 Onda triangular...4 Figura 4 Quantização...5 Figura 5 Exemplo de Aliasing...7 Figura 6 Nível de quantização...8 Figura 7 Microcontrolador com os seus elementos básicos e ligações internas...10 Figura 8 Unidade de entrada/saída que fornece comunicação com o mundo exterior...11 Figura 9 Arquitetura Harvard...12 Figura 10 Blocos do Projeto...15 Figura 11 Fluxograma do Firmware...16 Figura 12 Placa CON-USBBEE...17 Figura 13 Módulo XBee-Pro com placa CON-USBBEE em uso...18 Figura 14 Módulo XBee-Pro XBP24-AWI Figura 15 Tela do programa X-CTU...19 Figura 16 Frame de dado padrão RS232 (8-N-1)...20 Figura 17 Estrutura do Frame de dados no modo API...21 Figura 18 Espaço de programação para o mapa de memória do Dspic 30F Figura 19 Interface do software...25 Figura 20 Fluxograma do software...25 Figura 21 Software em uso...26 Figura 22 Tela Inicial...27 Figura 23 Software em uso...28 Figura 24 Diagrama Esquemático do DsPIC 30F Figura 25 Diagrama Esquemático do PIC 16F877A...31 Figura 26 Sinal obtido com Conversor Digital para Analógico...32 Figura 27 Configuração Somador Inversor com ajuste de Offset...33 Figura 28 Sinal obtido com Amplificador Operacional...34 Figura 29 Diagrama Esquemático do Módulo XBee...35 Figura 30 Diagrama Esquemático do Display LCD...35 Figura 31 Diagrama Esquemático dos Botões...36 Figura 32 Diagrama Esquemático da Alimentação do Circuito...37 Figura 33 Montagem do circuito em protoboard...38 Figura 34 Diagrama Esquemático Completo...39 Figura 35 Onda com PLL (a) e onda sem PLL (b)...42 Figura 36 Relação Ponto X Desenho...42 Figura 38 Onda Desenhada...43 Figura 39 Onda Aberta a partir do arquivo em.csv...44 Figura 39 Protocolo de Comunicação...45 Figura 40 Onda desenhada no software...45 Figura 41 Onda Reproduzida no Hardware...46

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Tabela de Quantização...8 Tabela 2 Características Risc...13 Tabela 3 Descrição dos pinos dos módulos XBee/XBee-Pro...19

10 LISTA DE SÍMBOLOS/ABREVIATURAS/SIGLAS Hertz (Hz) - Unidade de freqüência. Volts (V) - Unidade de tensão. Km/s - Unidade de Velocidade. M/s - Unidade de Velocidade. PC - Personal Computer. PWM - Pulse Width Modulation (Modulação por Largura de Pulso). CPU - Central Processing Unit (Unidade Central de Processamento). ULA - Unidade Lógica Aritmética. OPCODE - Código de operação. Tx - Transmissor Rx - Receptor DsPIC - Processador Digital de Sinais da Microchip LDO - Low Drop-Out (Regulador de Tensão) LED - Light Emitting Diode (Diodo Emissor de Luz) USB - Universal Serial Bus (Barramento Serial Universal)

11 1 INTRODUÇÃO O gerador de funções é um instrumento técnico fundamental na área da Engenharia Elétrica. Ele abrange uma grande variedade de utilização, devido a ser um gerador de três sinais básicos, que são usados frequentemente. Sendo, o maior exemplo o sinal senoidal, que é utilizado na rede elétrica aberta. Seu uso também esta intimamente ligado a geração de sinais quadrados, sendo sua aplicação na área da eletrônica digital. Outra aplicação é a onda triangular, sendo usada na resposta de circuitos que necessitem de excitação de sinais lineares. Junto com os sinais, o gerador possui uma vasta possibilidade de ajustes de controle, para a forma de onda escolhida, desde a freqüência, amplitude, duty cycle, offset, entre outros. 1.1 PROBLEMA O gerador, mesmo sendo um instrumento de amplo uso, não permite ao seu usuário a criação de sinais próprios, para experimentos que possuam aplicações mais específicas, como a resposta de capacitores e circuitos ressonantes a diferentes tipos de sinais de entrada. Com a geração de apenas três tipos de sinais, o usuário necessita de tempo para harmonizá-lo com o circuito ao qual irá testar, para evitar que haja alguma avaria nos componentes. Ou não se consiga o resultado esperado. 1.2 JUSTIFICATIVA O projeto tem como objetivo suprir a necessidade de um maior número de sinais. Para isso, através de uma interface no PC, na qual o usuário gere sinais discretos, através do uso de um mouse, tenha a possibilidade de selecionar a amplitude das amostras da forma de onda desejada, marcando os pontos no gráfico por onde ela deva passar e, essa onda seja ge-

12 2 rada na saída. A comunicação entre PC e hardware é feita por dois módulos de comunicação sem fio, permitindo que o usuário não necessite mais do computador. Podendo levar o hardware para uma bancada ou para o campo, permitindo assim o início do uso. 1.3 OBJETIVOS ESPECÍFICOS Uma boa aplicação é na área de ensino didático. No qual com os sinais fornecidos pode-se ver a reação de diferentes componentes. Assim como criar modulações para esses sinais, verificar período, continuidade, respostas transitórias e permanentes de sistemas. Os limites de operação para o gerador são de 20 a 100 KHz nos sinais amostrados e com uma amplitude de -10 V até +10 V. A decisão de usar um sistema sem fio deve-se ao fato de que a comunicação wireless vem sendo mais comum a todos os equipamentos eletrônicos que necessitam de transmissão de dados. Tornando assim o gerador um equipamento possível de comunicação com outros instrumentos e até mesmo com computadores portáteis Divisão do Trabalho O trabalho apresentado está dividido em capítulos. Primeiramente vem a fundamentação teórica, onde é descrito a base do tratamento de sinais, os três tipos de ondas comuns, a comunicação sem fio usada e o uso do microcontrolador, além da definição de alguns possíveis empecilhos nesse projeto como a parte de quantização e aliasing. Logo após há a especificação técnica. Onde é abordada a idéia geral do projeto, divisão em blocos, especificação do software e seu fluxograma, assim como especificação do hardware e sua montagem.

13 3 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Neste capitulo é apresentado o embasamento teórico e fundamentos necessários ao desenvolvimento desse trabalho. 2.1 SINAIS BÁSICOS DE UM GERADOR O gerador de funções gera três ondas analógicas; senoidal, triangular e retangular. Um sinal continuo é aquele que possui um número infinito de valores em um determinado intervalo de tempo. Matematicamente, todo sinal é uma função que toma um valor em Cada ponto do espaço em que está definida. A amplitude do sinal varia com o seu deslocamento no tempo. Como exemplo, a tensão disponível na rede elétrica brasileira, varia senoidalmente do seu mínimo para seu máximo e novamente para seu mínimo sessenta vezes por segundo. Isso é devido a sua freqüência de 60 Hz, a figura 1 exemplifica o sinal dito. Figura 1 Onda senoidal Fonte própria Outro modelo de sinal contínuo que é usado frequentemente é o sinal retangular. Essencialmente usado na eletrônica digital, onde ocorre uma variação brusca e instantânea de valores, criando assim os sinais quadrados como mostra a figura 2.

14 4 Figura 2 Onda quadrada Fonte própria O terceiro sinal fornecido é o triangular, utilizado em sistemas que necessitam de variação linear. Ele também é usado para fazer modulações. O sinal é mostrado na figura 3. Figura 3 Onda triangular Fonte própria A eletrônica analógica com sua enorme quantidade de variáveis, cria uma difícil precisão na busca de resultados em experimentos. Para contornar isso, utilizamos uma técnica chamada de conversão digital, onde os sinais são representados através de pulsos finitos, permitindo uma maior exatidão e uma maior alocação de informações em um mesmo espaço de banda.

15 5 2.2 SISTEMAS DIGITAIS Sistemas digitais possuem muitas vantagens sobre os sistemas analógicos. Estes últimos são circuitos construídos a partir de componentes de hardware, cujas propriedades podem variar consideravelmente dentro da especificação dos fabricantes. Elas também podem variar com a temperatura, alterando o comportamento do circuito. Em contra partida, o comportamento digital é previsível. Sendo que não é afetado por esses problemas, porque é majoritariamente feito por software. Pelas mesmas razões, os sistemas digitais são bem menos afetados por ruídos que os analógicos, além de consumirem muito menos energia. Os sistemas digitais são perfeitos para tratamento de sinal por sua exatidão, por isso serão utilizados no projeto para conferir uma maior precisão na passagem das informações do gráfico para o hardware pelo módulo wireless. Um sinal digital é composto por um somatório de impulsos que representam a- mostras do sinal analógico escolhido para ser digitalizado. Esse processo chama-se quantização é o processo de atribuição de valores discretos para um sinal cuja amplitude varia entre infinitos valores, como apresenta a figura 4. Esse processo é realizado através da amostragem. (a) Figura 4 Quantização [Roland 2008] (b)

16 6 2.3 AMOSTRAGEM Um sinal analógico, para ser representado de forma digital, necessitaria ser dividido em um número infinito de pontos de informação. O processamento digital de sinais utiliza um computador, ou um microprocessador. Esses elementos, computadores e microprocessadores, não podem armazenar infinitas informações, sendo necessário o processo de amostragem. A amostragem reduz o número de pontos para um nível aceitável, sem que a forma do sinal original seja perdido. A freqüência de amostragem necessária para que se capture um número suficiente de pontos obedece a Teoria de Amostragem de Nyquist [VAN DE VEGTE 2002], onde ele diz que a freqüência de amostragem deve ser no mínimo o dobro da freqüência do sinal a ser amostrado. Como exemplo, se um sinal que contém uma freqüência de 20 khz, deve ser a- mostrado vezes por segundo, ou seja, a uma freqüência de 40 khz. Caso contrário, com uma freqüência de amostragem muito baixa, há a possibilidade de ocorrer um erro chamado aliasing. A figura 5 mostra os efeitos de uma baixa amostragem. Nele um sinal de 40 khz é usado para amostrar um grupo de sinais, de 10 khz até 80 khz. Os pontos de amostragem, iguais para todos os sinais, são representados em linhas tracejadas verticalmente. De acordo com a teoria de Nyquist, somente sinais de até 20 khz poderiam ser amostrados usando uma taxa de amostragem de 40 khz. O sinal de 30 khz, mostrado na terceira janela da figura 4(a), tende a parecer como 10 khz devido a insuficiência de pontos. E sinais de freqüências superiores, tendem a parecer freqüências na faixa de 0 Hz a 20 khz pelo mesmo motivo.

17 7 (a) (b) Figura 5 Exemplo de Aliasing [VAN DE VEGTE 2002] Esse erro é chamado aliasing. A maioria das pessoas pode percebê-lo quando assiste a um filme e tem a ilusão das rodas de um carro parecendo estar rodando para trás. Isso é um resultado direto de que o número de quadros do filme não foram gravados suficientemente rápidos para capturar a rotação correta das rodas. Outro detalhe do processamento digital é a quantização. 2.4 QUANTIZAÇÃO Como já mencionado, sinais analógicos possuem duas características que os tornam inviáveis para o processamento computacional. Primeiro, sinais analógicos são definidos em todos os pontos do tempo. A amostragem resolve isso reduzindo o número de pontos para um número finito. Segundo, esses sinais podem ter qualquer amplitude entre seus valores mínimos e máximos físicos. Computadores usam grupo de bits para representar as amplitudes. Por exemplo, se dois bits são usados, haverá somente quatro valores digitais 00, 01, 10, 11- cada um para representar um valor de amplitude. Uma amostra analógica é codificada escolhendo o valor mais próximo de quantização, logo erros sempre existirão quando o número de bits for finito. Quando N bits são utilizados, 2 N valores possíveis podem ser representados pelo PC. Quanto maior o número de bits, mais próximo o valor digital se torna do analógico,

18 8 mas em compensação, é maior o tempo para o processamento do sinal. A tabela 1 e a figura 6 mostram exemplos de quantização. Tabela 1 Tabela de Quantização [VAN DE VEGTE 2002] CÓDIGO DIGITAL NÍVEL QUANTIZAÇÃO(V) ALCANCE DE ENTRADA ANALÓGICAS PARA ESSE CÓDIGO DIGITAL (V) 000 0,0 0,0 x < 0, ,375 0,275 x < 0, ,75 0,5625 x < 0, ,125 0,9375 x < 1, ,5 1,3125 x < 1, ,875 1,6875 x < 2, ,25 2,0625 x < 2, ,625 2,4375 x < 3 Figura 6 Nível de quantização [VAN DE VEGTE 2002] 2.5 COMUNICAÇÃO SEM FIO Sistemas de comunicação sem fio utilizam dispositivos chamados transmissores para criar ondas de rádio. Os sinais a serem transmitidos, como voz e dados, são convertidos em pulsos eletrônicos. Os transmissores modulam os sinais de rádio, a fim de que estes pos-

19 9 sam carregar os dados e então transmitem os sinais de rádio modulados para áreas distantes. Os receptores de rádio captam esses sinais, decodificando-os para obter o conteúdo original. [HAYKIN ], [LATHI ]. A freqüência a ser utilizada na transmissão influência inversamente no alcance e no comprimento de onda do sinal. Esta relação é apresentada na equação 1. onde: λ = comprimento de onda de uma onda sonora ou onda eletromagnética; c = velocidade da luz no váculo = km/s = m/s; f = frequência da onda = Hz. (1) Para que a transmissão de dados neste sistema tenha êxito é importante que certos requisitos sejam respeitados. São estes os requisitos: Potência de transmissão; Mínima distorção na propagação do sinal; As condições anteriores devem ser mantidas dentro de parâmetros suficientes para garantir a integridade dos dados transmitidos. 2.6 MICROCONTROLADOR Pode-se definir um microcontrolador, como o mostrado na figura 7, sendo um pequeno componente eletrônico, dotado de uma inteligência programável, utilizado no controle de processos lógicos. Esses processos devem ser entendidos como controles de periféricos, tais como led s, botões, display s de 7 segmentos, display s de cristal líquido (LCD), resistências, relês, sensores diversos (pressão, temperatura, etc) e muitos outros. Os controles lógicos são chamados assim, pois suas ações são baseadas no estado dos periféricos de entrada e saída. A inteligência do componente está associada à Unidade Lógica Aritmética (ULA), pois é nessa unidade que todas as operações matemáticas e lógicas

20 10 são executadas. Quanto mais poderosa a ULA do componente, maior a sua capacidade de processar informações. Ele é considerado pequeno porque em uma única pastilha de silício, temos todos os componentes necessários ao controle de um processo, ou seja, o microcontrolador está provido internamente de memória de programa, memória de dados, porta de entrada, e saída paralela, timer s, contadores, comunicação serial, PWM s, conversores analógicos digitais, etc. [RANGEL ] Figura 7 Microcontrolador com os seus elementos básicos e ligações internas [RANGEL 2008]

21 Arquitetura genérica de microcontrolador Todo microcontrolador possui em sua arquitetura as partes descritas a seguir: Memória de programa - Nesta fica as instruções que um microcontrolador deve executar, ou seja, as linhas de programação foram digitadas em um PC. Memória de dados - É a parte do controlador que permite ao programador escrever ou ler um determinado dado sempre que necessário. ULA - Chamada de Unidade Lógica Aritmética, esta parte do microcontrolador é responsável por todos os cálculos e a lógica matemática para tomada de decisão das tarefas a serem realizadas. I/O s - São os braços dos microcontroladores, mostrado na figura 8. É por eles que consegue inserir e receber dados dos chips, bem como controlar dispositivos mecânicos e elétricos. Em outras palavras são os caminhos que fazem a interligação do microcontrolador com o mundo externo. Figura 8 Unidade de entrada/saída que fornece comunicação com o mundo exterior [RANGEL ] CPU - Conhecida como Unidade Central de Processamento esta parte do microcontrolador é responsável por todo processamento de dados da unidade. É ela que interpreta os comandos e ativa os dispositivos de entrada e saída. [RANGEL ].

22 12 Unidade de Temporização - Tendo a unidade de comunicação série implementada, pode-se receber, enviar e processar dados. Contudo, para ser capaz de utilizar isto na indústria precisa-se ainda de mais alguns blocos. Um deles é o bloco de temporização que interessa bastante porque pode dar informações acerca da hora, duração, protocolo, etc. A unidade básica do temporizador é um contador que é na realidade um registro cujo conteúdo aumenta de uma unidade num intervalo de tempo fixo, assim, anotando o seu valor durante os instantes de tempo T1 e T2 e calculando a sua diferença, obtêm-se a quantidade de tempo decorrida. Esta é uma parte muito importante do microcontrolador, cujo domínio requer muita da atenção. RISC CPU - Na arquitetura Harvard existem dois barramentos, sendo um de dados e outro de instruções no caso dos microcontroladores PIC, o barramentos de dados é sempre de 8 bits e o de instruções podem ser de 12, 14, 16 bits dependendo do microcontrolador. Este tipo de arquitetura permite que enquanto uma instrução é executada outra seja buscada na memória, o que torna o processo mais rápido. Além disso, como o barramento de instruções é maior que 8 bits, o OPCODE (Código de Operação) da instrução já inclui o dado e o local onde ele vai operar (quando necessário), significa que apenas uma posição de memória é utilizada por instrução, economizando muita memória de programa. A arquitetura Harvard também possui um repertório com menos instruções que a de Von-Neumann, e essas são executadas apenas num único ciclo de relógio. Os microcontroladores com arquitetura Havard, são também designados por microcontroladores RISC (Computador com Conjunto Reduzido de Instruções). A tabela 2 mostra a diferença entre Risc e Cisc. A figura 9 mostra as arquiteturas Harvard versus Von Neumann. [MIKRO ]. Figura 9 Arquitetura Harvard - [MIKRO ]

23 13 Tabela 2 Características Risc [VEIGA 2008] CARACTERISTICAS RISC Risc Instruções simples levando um ciclo Apenas loads/setores referenciam a memória Altamente pipeline Instruções executada pelo hardware Poucas instruções e, mais de end. A complexidade está no compilador Múltiplos conjuntos de registradores

24 14 3 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA Este capítulo tem como objetivo descrever as especificações dos componentes que serão utilizados para o desenvolvimento do projeto. 3.1 ESPECIFICAÇÃO GERAL Nesta fase pode-se ver o projeto como um todo no diagrama em bloco apresentado na figura 10. No bloco PC está localizado o software, onde é realizado o desenho da forma de onda desejada. O hardware não depende do programa para gerar as formas de ondas: senoidal, triangular e quadrada. Caso queira desenhar uma outra forma de onda, ele deverá utilizar o software para realizar o desenho e a gravação. Após realizar esse procedimento, o usuário está livre do computador para fornecer a onda na saída. Quando essa forma de onda é enviada, ela vai para o bloco Tx, onde é realizada a transmissão wireless. O bloco Rx recebe essa forma de onda, que mandará imediatamente para o bloco Microcontrolador. Esse bloco faz o armazenamento da onda dentro de sua própria memória EEPROM. Para se realizar a geração de algum dos quatro sinais, é feito a seleção através do bloco Botões. Nesse bloco é escolhida a forma de onda e é feito o ajuste da freqüência. Após definir esses dois parâmetros, o Microcontrolador busca em sua memória os dados referentes a onda que é enviada para o bloco D/A, onde é feita a conversão do sinal digital para o analógico. Em seguida, o sinal irá para o bloco Ajustes onde é feito os ajustes de amplitude e offset.

25 15 Figura 10 Blocos do Projeto Fonte própria Com esse gerador de funções, será possível obter sinais com uma freqüência de 20 à 100 khz e uma amplitude variando de no mínimo -10V até o máximo de +10V. Podendo ser realizado qualquer ajuste dentro desses intervalos. 3.2 ESPECIFICAÇÃO FIRMWARE A figura 11 mostra o fluxograma do Firmware. No início é feito a seleção da forma de onda desejada. Caso a onda senoidal seja selecionada, ele irá gerar essa onda, indo para o ajuste da freqüência, ocorrendo o mesmo para a onda triangular e quadrada. Caso deseje receber uma nova onda proveniente do software, será habilitado o receptor fazendo seu armazenamento na memória através do microcontrolador. Caso a onda aleatória seja selecionada, ele irá gerar a última forma de onda gravada, indo para o ajuste da freqüência. Se nenhuma forma de onda foi selecionada, o hardware não irá gerar sinal, retornando para seu menu inicial.

26 Figura 11 Fluxograma do Firmware Fonte própria 16

27 COMUNICADOR SEM FIO A comunicação é feita por dois módulos de comunicação sem fio, um deles instalado no hardware e o outro conectado ao PC através de um emulador de portas USB/Serial, chamado CON-USBBEE. [MESSIAS 2008] A placa CON-USBBEE, mostrada na figura 12, usa um chip conversor USB/Serial; regulador de tensão LDO (baixa queda de tensão), comparador de tensão conectado aos LEDs (RSSI) que simulam a força do sinal de radio freqüência; LEDs indicadores de TX, RX, módulo ligado (ASS), e um microbotão para resetar o módulo de comunicação. Figura 12 Placa CON-USBBEE [MESSIAS ] Ao instalar no computador o driver USB que acompanha a placa, é criada no Windows uma porta COMx virtual quando a placa CON-USBBEE é plugada. Assim, é possível através de um programa, no caso o C/C++Builder, se comunicar com a placa como se fosse uma comunicação serial padrão RS232. A figura 13 mostra o módulo em uso em um laptop.

28 18 Figura 13 Módulo XBee-Pro com placa CON-USBBEE em uso [MESSIAS ] A comunicação entre o software e o hardware será realizada pelo sistema wireless. O módulo aqui utilizado é o XBee-Pro XBP24-AWI-001 (antena fio) da ZigBee/IEEE , mostrado na figura 14. É através dele que o hardware será gravado com a nova forma de onda desenhada pelo usuário através do software. Figura 14 Módulo XBee-Pro XBP24-AWI-001 [MESSIAS ] Na tabela 3 está descrito o significado de cada pino dos módulos XBee-Pro, como podemos ver, há pinos que podem exercer diferentes funções como, entrada analógica, entrada/saída digital, controle de fluxo e PWM. A maneira mais fácil para configurar a função de um determinado pino do módulo ou mesmo outros parâmetros, é através do programa X- CTU, representado na figura 15.

29 19 Tabela 3 Descrição dos pinos dos módulos XBee/XBee-Pro - [MESSIAS ] Pino # Nome Direção Descrição 1 VCC - Alimentação 3,3v 2 DOUT Saída Saída de dados da UART 3 DIN / CONFIG Entrada Entrada de dados da UART 4 DO8* Saída Saída digital 8 5 RESET Entrada Inicializa módulo (um pulso nível 0 de pelo menos 200ms) 6 PWM0 / RSSI Saída Saída do PWM 0 / Indicador de Força do sinal de RF (RX) 7 PWM1 Saída Saída do PWM 1 8 (Reservado) - Ainda não tem uma função definida (futura implementação) 9 DRT/ SLEEP_IRQ / DI8 Entrada Linha de Controle da Função Sleep ou Entrada digital 8 10 GND - Terra 11 AD4 / DIO4 Entrada/Saída Só Entrada Analógica 4 ou Entrada/Saída Digital 4 12 CTS/ DIO7 Entrada/Saída Controle de Fluxo CTS ou Entrada/Saída Digital 7 13 ON / SLEEP Saída Indicador de Estado do Módulo 14 VREF Entrada Tensão de Referência para as Entradas A/D 15 Associação / AD5 / Indicador de Associação, só Entrada Analógica 5 ou Entrada/Saída Digital 5 Entrada/Saída DIO5 16 RTS/ AD6 / DIO6 Entrada/Saída Controle de Fluxo RTS, só Entrada Analógica 6 ou Entrada/Saída Digital 6 17 AD3 / DIO3 Entrada/Saída Só Entrada Analógica 3 ou Entrada/Saída Digital 3 18 AD2 / DIO2 Entrada/Saída Só Entrada Analógica 2 ou Entrada/Saída Digital 2 19 AD1 / DIO1 Entrada/Saída Só Entrada Analógica 1 ou Entrada/Saída Digital 1 20 AD0 /DIO0 Entrada/Saída Só Entrada Analógica 0 ou Entrada/Saída Digital 0 Figura 15 Tela do programa X-CTU [MAXSTREAM ]

30 20 Basicamente os módulos XBee-Pro já vêm de fábrica configurados para serem u- sados diretamente, o mínimo que precisamos fazer para estabelecer um link de comunicação é alimentar os módulos corretamente com uma tensão de 3,3V. A comunicação entre os módulos pode ser realizada de dois modos diferentes: Modo Transparente e Modo API Modo Transparente Os dados recebidos da UART pelo pino DI(RX) são colocados na fila para transmissão via RF. Já os dados recebidos do canal de RF, são transmitidos através do pino DO(TX). No modo transparente os dados são transmitidos e recebidos da mesma forma que uma comunicação Serial RS232 padrão, como mostra a figura 16. Os módulos dispõem de buffers de transmissão e recepção para um melhor desempenho na comunicação serial. Figura 16 Frame de dado padrão RS232 (8-N-1) [MESSIAS ]

31 Modo API (Application Programming Interface) Esse modo de operação é uma alternativa ao modo de operação Transparente padrão. O modo API é baseado em frame e assim estende o nível para o qual uma aplicação de Host pode interagir com as capacidades de rede do módulo, mostrado na figura 17. No modo API os dados transmitidos e recebidos estão contidos em frames, que definem operações ou eventos dentro do módulo. Através desse modo de operação é possível um determinado módulo enviar endereço fonte, endereço destino, nome de um determinado nó, sinal RSSI, estado, e muito mais. [MESSIAS ] Figura 17 Estrutura do Frame de dados no modo API - [MESSIAS ] 3.4 ESPECIFICAÇÃO DO HARDWARE Este capítulo tem como objetivo descrever os dispositivos utilizados na composição do hardware Memória Interna O Dspic 30F4011 possui uma memória interna de 1 Kbytes, seu endereçamento é localizado no datasheet do componente. Como mostra a figura 18.

32 22 Figura 18 Espaço de programação para o mapa de memória do Dspic 30F4011 Fonte Própria.. Como mostrado na figura 18, o primeiro endereço da memória EEPROM interna começa em 7FFC00 e vai até 7FFFFE. Como o número de ondas a serem gravadas são quatro e cada uma possui 128 (bytes), chega-se a um total de 512 posições de memória para todas as ondas. O endereçamento é feito em hexadecimal, logo o uso dos endereços irá de 7FFC00 até 7FFE00, sendo que as 384 primeiras posições são fixas contendo os valores das ondas senóide, triangular e quadrada. O único trecho que é variado é da onda aleatória, que receberá os valores do módulo.

33 Ajustes No bloco Ajustes, são realizados dois ajustes: offset e amplitude. O primeiro será feito com o auxílio de um amplificador operacional, o LM318. Será feito a configuração do somador inversor, onde será somada uma tensão negativa na entrada do amplificador operacional, sendo ajustado o seu valor de tensão através de um potenciômetro, realizando assim o ajuste de offset. O ajuste de amplitude será feito através de um potenciômetro no resistor de ganho do amplificador. Sendo o sinal novamente enviado a um amplificador com a configuração inversor para desinverter o sinal à sua posição de origem Microcontroladores Os microcontroladores terão um papel fundamental no projeto, será utilizado um DsPIC 30F4011 e um PIC 16F877A. O primeiro é utilizado por causa da alta velocidade de trabalho. Ele é a ponte de ligação entre o software e a saída do hardware, responsável por receber os dados da comunicação sem fio. Uma de suas saídas será conectada diretamente em um pino de ativação do módulo, fazendo com que o módulo receptivo seja habilitado para receber dados da transmissão. Enviando-os a sua memória e através de seus botões será feita a seleção das ondas através da leitura e rápida repetição dos valores dos dados dando assim a impressão de ser criada uma onda continua no tempo e sendo repetida infinitamente. Além da seleção da onda a ser usada, seu maior papel o ajuste da freqüência a ser gerada na saída. Já o segundo tem como função controlar a exibição dos textos do LCD e o valor da freqüência.

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação

Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação Centro Universitário Positivo - UnicenP Núcleo de Ciências Exatas e Tecnológicas NCET Engenharia da Computação MINI OSCILOSCÓPIO DIGITAL PORTÁTIL BASEADO EM MICROCONTROLADOR PIC Curitiba 2004 1 Ederson

Leia mais

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS

XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS XIX Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 13 a 17/08/2012 São Carlos-SP Artigo CREEM2012 SENSOR DE TEMPERATURA WIRELESS Antonio Carlos Lemos Júnior, Ednaldo Lopes Rosa e Leandro Aureliano

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO CURVE TRACER CURITIBA 2011 GUSTAVO MURILO SCHMITT MASSANEIRO CURVE TRACER Documentação apresentada

Leia mais

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre

ACENDENDO AS LUZES. Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre ACENDENDO AS LUZES Capitulo 2 - Aula 1 Livro: Arduino básico Tutor: Wivissom Fayvre Projeto 1 LED piscante Neste capitulo, todos os projetos utilizam luzes LED s de diversas formas. Em relação ao hardware,

Leia mais

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações

2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Introdução às Telecomunicações 2- Conceitos Básicos de Telecomunicações Elementos de um Sistemas de Telecomunicações Capítulo 2 - Conceitos Básicos de Telecomunicações 2 1 A Fonte Equipamento que origina

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Sistema de Aquisição de Dados

Sistema de Aquisição de Dados Sistema de Aquisição de Dados Versão 2013 RESUMO Nesta experiência será desenvolvido o projeto de um sistema de aquisição e armazenamento de dados analógicos em formato digital. O sinal de um sensor de

Leia mais

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados?

Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? Alessandro F. Cunha O que são sistemas embarcados? 1. Introdução Alguma vez você já se deu conta que o microondas de sua casa tem uma capacidade computacional maior do que tinha o projeto Apolo, que levou

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA - SANTIAGO DO CACÉM p./9 Grupo Disciplinar: 540 Ano Lectivo: 008/009 -Circuitos sequenciais síncronos.. Aplicações com contadores síncronos... Registos. Utilizar circuitos CMOS da série 74HCT ou 4000. Testar o funcionamento

Leia mais

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS

EPUSP PCS 2021/2308/2355 Laboratório Digital GERADOR DE SINAIS GERADOR DE SINAIS E.T.M./2007 (adaptação) E.T.M./2011 (revisão) RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização com o problema da conversão de sinais digitalizados em sinais analógicos, o conversor

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO:

PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: PROGRAMAÇÃO DO TREINAMENTO: Página 2 0. Objetivos deste treinamento Quem está fazendo este módulo avançado II é porque já passou pelos módulos anteriores. Portanto não serão abordados aqui os tópicos já

Leia mais

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina

Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia básica. Objetivos da Disciplina Circuitos Digitais Cap. 1 Prof. José Maria P. de Menezes Jr. Circuitos Digitais Tópicos Digitais I- Engenharia Elétrica -UFPI Programa da disciplina, i metodologia de ensino, avaliações e bibliografia

Leia mais

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO

EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO EXPERIÊNCIA 17 USO DO TEMPORIZADOR INTERNO Parte I Fundamentos Teóricos O que diferencia um microcontrolador (como o 8051) de um microprocessador é o fato de que o primeiro pode apresentar, integrados

Leia mais

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br

WWW.cerne-tec.com.br. Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br 1 Comunicação USB com o PIC Vitor Amadeu Souza Parte II vitor@cerne-tec.com.br Continuando com o artigo apresentado na edição passada de comunicação USB com o PIC, continuaremos nesta edição o estudo do

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2013 VW Soluções 1 1. Especificação técnicas: Dimensões do módulo 4EA2SA v1.0: 100 mm x 56 mm Peso aproximado: xxx gramas (montada). Alimentação do circuito : 12 ou 24Vcc Tipo de comunicação: RS232 ou RS485 Tensão de referencia:

Leia mais

Comunicações e Rádios Digitais

Comunicações e Rádios Digitais UERJ - Circuitos de Comunicação Prof. Gil Pinheiro Comunicações e Rádios Digitais Gil Pinheiro UERJ-FEN-DETEL Conteúdo Comunicação Digital x Transmissão Digital Os SDR (Software Defined Radios) Arquiteturas

Leia mais

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI

Prática 8: Comunicação SPI. 8.1 Introdução e objetivos. 8.2 Princípios básicos do protocolo SPI Prática 8: 8.1 Introdução e objetivos Comunicação SPI O protocolo SPI (serial peripheral interface) é um método de comunicação utilizado para interconectar dispositivos ou chips de tal forma que estes

Leia mais

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO

TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO TRATAMENTO E ANÁLISE DE SINAIS DE BAIXA FREQUÊNCIA PARA EMULAÇÃO DE CANAL RÁDIO Davi Schmutzler Valim Faculdade de Engenharia Elétrica CEATEC davi_valim@puccampinas.edu.br Resumo: O trabalho trata de fazer

Leia mais

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza

Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Programação em BASIC para o PIC Mostrando Mensagens no Display LCD Vitor Amadeu Souza Introdução Nesta terceira série de artigos que aborda a programação na linguagem BASIC para o microcontrolador PIC,

Leia mais

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2

Microterminal MT 740. Manual do Usuário - versão 1.2 w Microterminal MT 740 Manual do Usuário - versão 1.2 1 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 1 2 RECONHECENDO O MT 740 2 3 INSTALAÇÃO 3 4 FUNCIONAMENTO 4 4.1 DESCRIÇÃO DAS CONFIGURAÇÕES E DOS COMANDOS 6 4.2 COMUNICAÇÃO

Leia mais

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos

Sinal analógico x sinal digital. Sinal analógico. Exemplos de variações nas grandezas básicas. Grandezas básicas em sinais periódicos Plano Redes de Computadores Transmissão de Informações nálise de Sinais ula 04 Introdução Dados, sinais e transmissão Sinal analógico x sinal digital Sinais analógicos Grandezas básicas Domínio tempo x

Leia mais

Manual PROTO-BEE Versão 1.1 Julho/2012 (nota na última página deste) www.rogercom.com Copyright, 1999-2012 ROGERCOM Fones: +55 82 3277-1185 / Cel.

Manual PROTO-BEE Versão 1.1 Julho/2012 (nota na última página deste) www.rogercom.com Copyright, 1999-2012 ROGERCOM Fones: +55 82 3277-1185 / Cel. Manual PROTO-BEE Versão 1.1 Julho/2012 (nota na última página deste) www.rogercom.com Copyright, 1999-2012 ROGERCOM Fones: +55 82 3277-1185 / Cel. +55 82 9945-4854 Brasil O adaptador PROTO-BEE Descrição

Leia mais

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21

Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 Instituto Tecnológico de Aeronáutica - ITA Divisão de Engenharia Eletrônica Departamento de Eletrônica Aplicada Laboratório de EEA-21 7ª Experiência Síntese de Circuitos Sequenciais Síncronos 1. Objetivos

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs.

Objetivo A presente prática tem por objetivo verificar na prática os diferentes modos de disparo dos TRIACs. Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Elétrica Laboratório de Engenharia Elétrica V TE067 Prof. James Alexandre Baraniuk Equipe: Data: / / EXPERIMENTO PRÁTICO COM TRIAC Objetivo A presente

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: ICO Aula N : 09 Tema: Unidade Central de

Leia mais

KID MANUAL DE SOFTWARE

KID MANUAL DE SOFTWARE KID MANUAL DE SOFTWARE Sumário 1.1. O que é Programação em Blocos?... 3 1.2. Conhecendo o KID Programador... 3 1.2.1. Instalação do Software... 3 1.2.2. Áreas do Software... 5 1.3. Blocos usados para Programação...

Leia mais

Manual informativo versão Julho/2012 www.rogercom.com.br Copyright, 1999-2012 ROGERCOM

Manual informativo versão Julho/2012 www.rogercom.com.br Copyright, 1999-2012 ROGERCOM Manual informativo versão Julho/2012 www.rogercom.com.br Copyright, 1999-2012 ROGERCOM Manual do adaptador CON-USBBEE XPlus - Página 2 Para conectar os módulos XBee/XBee-Pro (IEEE802.15.4, ZB, Wi-Fi e

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA DESENVOLVIMENTO DE EXPERIMENTOS LABORATORIAIS PARA O ENSINO DE AUTOMAÇÃO DA MEDIÇÃO NO CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA Gilva Altair Rossi gilva@demec.ufmg.br José Maria Galvez jmgalvez@ufmg.br Universidade

Leia mais

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3

Índice. Dia 05 de fevereiro de 2014...2. Apresentação... 2. Dia 12 de fevereiro de 2013...3 Índice Dia 05 de fevereiro de 2014....2 Apresentação... 2 Dia 12 de fevereiro de 2013....3 -Processador... 3 -Von Neumann... 3 -Harvard... 4 -Von Neumann x Harvard... 4 -Equipamentos que utilizam a arquitetura

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Parte II: Camada Física Dezembro, 2012 Professor: Reinaldo Gomes reinaldo@computacao.ufcg.edu.br Meios de Transmissão 1 Meios de Transmissão Terminologia A transmissão de dados d

Leia mais

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados

Sistemas Embarcados. Introdução aos sistemas embarcados Sistemas Embarcados Introdução aos sistemas embarcados Introdução aos Sistemas embarcados Definição de um sistema embarcado Exemplos de sistemas embarcados Processadores utilizados em sistemas embarcados

Leia mais

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com

PIC18F4550. Curso Engenharia de Controle e Automação. Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com PIC18F4550 Curso Engenharia de Controle e Automação Alex Vidigal Bastos www.decom.ufop.br/alex/ alexvbh@gmail.com 1 Agenda Características do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Pinagem do PIC18F4550 Datasheet

Leia mais

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações.

Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. Na primeira aula, conhecemos um pouco sobre o projeto Arduino, sua família de placas, os Shields e diversos exemplos de aplicações. A partir de agora, iremos conhecer o hardware do Arduino e suas caracteristicas

Leia mais

TS-320240 Display Gráfico Serial

TS-320240 Display Gráfico Serial TS-320240 Display Gráfico Serial TS-320240 - v1.3-161205 - pg 1 O display gráfico serial TS-320240 combina um módulo serial com um display gráfico de 320x240 pontos. Este conjunto recebe dados serialmente

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO

DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE CIRCUITOS CONVERSORES DIGITAL-ANALÓGICOS PARA CONTROLE DE POLARIZAÇÃO Aluno: Joaquim Masset Lacombe Dias Garcia Aluna: Ana Sofia Viotti Daker Aranha Orientador: Guilherme Penello Temporão

Leia mais

Conversores D/A e A/D

Conversores D/A e A/D Conversores D/A e A/D Introdução Um sinal analógico varia continuamente no tempo. Som Temperatura Pressão Um sinal digital varia discretamente no tempo. Processamento de sinais digitais Tecnologia amplamente

Leia mais

Fundamentos da Informática

Fundamentos da Informática 1 PROCESSAMENTO DE DADOS I - FUNDAMENTOS A) CONCEITO DE INFORMÁTICA - é a ciência que estuda o tratamento automático e racional da informação. B) PROCESSAMENTO DE DADOS 1) Conceito Processamento de dados

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO:

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADOR SÍNCRONO O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula teórica

Leia mais

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A

AD / DA. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 M-1116A AD / DA M-1116A *Only illustrative image./imagen meramente ilustrativa./imagem meramente ilustrativa. EXPERIMENTS MANUAL Manual de Experimentos Manual de Experimentos 1 Conteúdo 1. Objetivos 3 2. Experiência

Leia mais

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP

Estrutura de um Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Estrutura de um Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio UFSJ - CAP Hardware e Software HARDWARE: Objetos Físicos que compões o computador Circuitos Integrados, placas, cabos, memórias, dispositivos

Leia mais

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará).

Engenheiro de Telecomunicações pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia IESAM (Belém, Pará). Transmissão Digital em Banda Base: Modelagem do Canal Este tutorial apresenta a implementação da formatação de um pulso para transmissão digital em banda base que simule a resposta ao impulso de um canal

Leia mais

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores

Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Universidade Federal do Pará Laboratório de Sensores e Sistemas Embarcados (LASSE) Sistemas de Aquisição de Dados Baseado em Microcontroladores Rodrigo Williams Rodrigues Ataíde rodrigowra@ufpa.br 26 de

Leia mais

ADC0804 (CONVERSOR A/D)

ADC0804 (CONVERSOR A/D) ADC0804 (CONVERSOR A/D) Getulio Teruo Tateoki O conversor Analógico Digital ADC0804é um Circuito Integrado da National Semicondutores, capaz de converter uma amostra analógica entre 0 e 5V, em um valor

Leia mais

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008

Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 Boletim Técnico R&D 03/08 CARACTERÍSTICAS DO DRIVER MPC6006L 14 de março de 2008 O objetivo deste boletim é mostrar as características do driver MPC6006L. Tópicos abordados neste boletim: APRESENTAÇÃO

Leia mais

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II

Electrónica dos Sistemas Embebidos. Guia de Laboratório II Electrónica dos Sistemas Embebidos Guia de Laboratório II IST-2014 A -Objectivos Com este guia pretende-se tomar contacto com cada um dos blocos fundamentais do sistema de comunicações em PCM. Os sinais

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória

Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e Organização de Memória Introdução Arquitetura de Computadores Circuitos Combinacionais, Circuitos Sequênciais e O Nível de lógica digital é o nível mais baixo da Arquitetura. Responsável pela interpretação de instruções do nível

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 -

Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - T e c n o l o g i a Plataforma de desenvolvimento dspic - SIGMA128 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. DESENVOLVIMENTO INTRODUÇÃO Plataforma de desenvolvimento

Leia mais

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara

Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Flip-Flops (Aplicações) Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 2h/60h Pulsos Digitais Pulso positivo: executa sua função quando está em nível alto Pulso negativo: executa sua função quando

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC

Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Identificação Trabalho de Conclusão de Curso - TCC Jorge de Assis Merege Neto Construção de um protótipo (hardware e software) para segurança predial através de uma rede digital de monitoração via câmera

Leia mais

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID

PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID 1 PROTÓTIPO DE CONTROLE DE ACESSO POR RFID Alexsandro Monteiro de Oliveira Antônio Carlos Almeida Eunice de Lassalete Sebastião Bartolomeu RESUMO O projeto de controle de acesso por RFID consiste no desenvolvimento

Leia mais

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO

Fundamentos de Arquitetura de Computadores. Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Fundamentos de Arquitetura de Computadores Prof. Marcos Quinet Universidade Federal Fluminense UFF Pólo Universitário de Rio das Ostras - PURO Hardware de um Sistema Computacional Hardware: são os componentes

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5

ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4. 2.1. Ligação da porta USB... 4. 2.2. LEDs de estado... 4. 2.3. Botão... 5 MANUAL PICKIT2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. DESCRIÇÃO DO PICKIT2... 4 2.1. Ligação da porta USB... 4 2.2. LEDs de estado... 4 2.3. Botão... 5 2.4. Conector de programação... 5 2.5. Slot para chaveiro...

Leia mais

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes

4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes 4 Arquitetura básica de um analisador de elementos de redes Neste capítulo é apresentado o desenvolvimento de um dispositivo analisador de redes e de elementos de redes, utilizando tecnologia FPGA. Conforme

Leia mais

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima

Conversão Digital Analógico e Analógico Digital. Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Conversão Digital Analógico e Analógico Digital Disciplina: Eletrônica Básica Prof. Manoel Eusebio de Lima Agenda Grandezas Digitais e Analógicas Por que converter? Diagrama básico para conversão Conversores

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

Conceitos básicos do

Conceitos básicos do Conceitos básicos Conceitos básicos do Este artigo descreve os conceitos de memória eletrônica. Apresentar os conceitos básicos dos flip-flops tipo RS, JK, D e T, D Apresentar o conceito da análise de

Leia mais

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N

Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N O Kit de desenvolvimento ACEPIC 40N foi desenvolvido tendo em vista a integração de vários periféricos numa só placa, além de permitir a inserção de módulos externos para

Leia mais

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR

CONTROLE DE UM SERVO MOTOR CONTROLE DE UM SERVO MOTOR Versão 2014 RESUMO Esta experiência tem como objetivo a familiarização e o projeto de um circuito de controle simples de um servo motor. A parte experimental inclui atividades

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO SOFTWARE DE CONFIGURAÇÃO S501 CONNECT Versão 1.0.1 / Revisão 1 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 S. Caetano do Sul - SP - Brasil Fone:

Leia mais

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01

Unidade Central de Processamento (CPU) Processador. Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Unidade Central de Processamento (CPU) Processador Renan Manola Introdução ao Computador 2010/01 Componentes de um Computador (1) Computador Eletrônico Digital É um sistema composto por: Memória Principal

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

Multiplexação de Displays

Multiplexação de Displays Multiplexação de Displays Versão 202 RESUMO Nesta experiência são apresentados alguns conceitos sobre displays ou mostradores. São discutidas as formas de multiplexá-los de modo a reduzir a quantidade

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado

Transmissão e comunicação de dados. Renato Machado Renato Machado UFSM - Universidade Federal de Santa Maria DELC - Departamento de Eletrônica e Computação renatomachado@ieee.org renatomachado@ufsm.br 03 de Maio de 2012 Sumário 1 2 Modulação offset QPSK

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO

GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO GUIA DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DIGITAIS PARA O CURSO DE ENGENHARIA DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO Agosto/2004 V2 INTRODUÇÃO Este guia foi preparado para auxilio às aulas de laboratório para o curso de Engenharia

Leia mais

Unidade Central de Processamento

Unidade Central de Processamento Unidade Central de Processamento heloar.alves@gmail.com Site: heloina.com.br 1 CPU A Unidade Central de Processamento (UCP) ou CPU (Central Processing Unit), também conhecida como processador, é responsável

Leia mais

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010)

Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) Kit de desenvolvimento de PIC16F ou PIC18F QSPIC28 Manual do usuário Versão 1.1 (2010) QSP Tecnologia www.qsptec.com Av. Nova Cantareira 4798 Sala 01/02 Tel: 0xx11 2924-3323 Email: vendas@qsptec.com Copyright

Leia mais

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição

PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição PowerSpy Sistema de Monitoramento de Painéis de Distribuição Uma solução completa para a medição e monitoramento de um vasto conjunto de grandezas elétricas, com indicações de valores individuais para

Leia mais

Tutorial de Computação PWM v2010.08

Tutorial de Computação PWM v2010.08 Tutorial de Computação PWM v2010.08 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br 1 Introdução

Leia mais

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS

DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS DATA: HORÁRIO DE ENTRADA: HORÁRIO DE SAÍDA: BANCADA: RGM: NOMES DOS COMPONENTES DO GRUPO DE TRABALHO: PROJETO - CONTADORES ASSÍNCRONOS O objetivo desse projeto extra é aplicar os conceitos vistos em aula

Leia mais

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM

Amostrador PAM A/D PCM D/A PAM Filtro. Figura 1 Digrama de Blocos PCM UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I AULA PRÁTICA MODULAÇÃO POR AMPLITUDE DE PULSOS 1. Introdução Como o sinal

Leia mais

Como funcionam os Conversores A/D

Como funcionam os Conversores A/D Como funcionam os Conversores A/D Escrito por Newton C. Braga Seg, 10 de Maio de 2010 http://www.newtoncbraga.com.br/index.php/comofunciona/1508conversoresad.html Como converter uma grandeza analógica

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO ETHERNET BOX MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO E.P.M. Tecnologia e Equipamentos Ltda. Av. Comendador Gumercindo Barranqueiros, 285 Jardim Samambaia - Jundiaí SP CEP: 13211-410 Telefone (0xx11) 4582-5533

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox

1- Scilab e a placa Lab_Uino. 2- Instalação do ToolBox 1- Scilab e a placa Lab_Uino A placa Lab_Uino, é uma plataforma aberta para aprendizagem de sistemas microprocessados. Com a utilização de um firmware especifico a placa Lab_Uino é reconhecido pelo sistema

Leia mais

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar

Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Projeto de um Controlador de Temperatura Proporcional, Analógico, com Sensor de Temperatura Usando Transistor Bipolar Introdução O objetivo deste Laboratório de EE-641 é proporcionar ao aluno um ambiente

Leia mais

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega

Características técnicas Baseado no ATMega da empresa AVR, fabricante de micro-controladores em plena ascensão e concorrente do PIC Pode usar ATMega ARDUINO O que é Arduino Arduino foi criado na Itália por Máximo Banzi com o objetivo de fomentar a computação física, cujo conceito é aumentar as formas de interação física entre nós e os computadores.

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DE TECNOLOGIA CCET CURSO DE ENGENHARIA DE COMPUTAÇÃO Henrique Soares Hinke José Eduardo da Silva Rodrigues Matheus Augusto de Queiroz

Leia mais

Capítulo 4 Conversores AD e DA

Capítulo 4 Conversores AD e DA Capítulo 4 Conversores AD e DA Conteúdo Processamento de quantidades digitais e analógicas Conversão Digital-Analógico DA Circuitos conversores D/A Conversão Analógico-Digital AD AD de rampa digital Aquisição

Leia mais

MÓDULO SINTETIZADOR.

MÓDULO SINTETIZADOR. MÓDULO SINTETIZADOR. O módulo sintetizador é uma placa (PCA) de 3,5pol x 9 pol, ligada a placa mãe em J4 e localizada imediatamente adjacente ao módulo de Referência/Controle do transceptor. Como o módulo

Leia mais

- SISTEMAS DIGITAIS II

- SISTEMAS DIGITAIS II FEI NE772/7720-2.a PROVA - SISTEMAS DIGITAIS II - 29/11/2006 Turma A Duração 80min Prova sem consulta - Permitido o uso de calculadora Interpretação faz parte da prova. Nome...Nota... N.o N.o Lista 1.a

Leia mais

Organização de Computadores 1

Organização de Computadores 1 Organização de Computadores 1 SISTEMA DE INTERCONEXÃO (BARRAMENTOS) Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura de von Newmann Componentes estruturais: Memória Principal Unidade de Processamento Central

Leia mais

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1

Easy Lab. Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14. www.dma.ind.br. DMA Electronics 1 Easy Lab Manual do usuário Revisão 1.2 01/11/14 www.dma.ind.br DMA Electronics 1 A DMA ELECTRONICS projeta e fabrica sistemas para aquisição e registro de dados com conexão a um computador do tipo PC.

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido

Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação. Resumo Expandido Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Resumo Expandido Título da Pesquisa: Painel Braille para deficientes visuais: interface computacional. Palavras-chave: Painel Braille, Tecnologia Assistiva,

Leia mais