Bolsista: Sheila Garcia. Período a que se refere: 01abr04 a 31mar05. São José dos Campos, 01 de fevereiro de 2005.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bolsista: Sheila Garcia. Período a que se refere: 01abr04 a 31mar05. São José dos Campos, 01 de fevereiro de 2005."

Transcrição

1 RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES DO PROJETO TEMÁTICO URBANIZAÇÃO DISPERSA E MUDANÇAS NO TECIDO URBANO. ESTUDO DE CASO: ESTADO DE SÃO PAULO Bolsista: Sheila Garcia Instituição: INPE Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais/MCT Orientador: Prof. Dr. Nestor Goulart Reis Filho Número do Relatório: 01 Período a que se refere: 01abr04 a 31mar05 São José dos Campos, 01 de fevereiro de Pág.: 1 / 27

2 SUMÁRIO 1. Introdução Localização das áreas de estudo Atividades realizadas 3.1 Treinamento em introdução ao Sensoriamento Remoto Treinamento no uso do software Spring Seleção das Imagens Landsat Georreferenciamento das Imagens de Satélite e Cartas Topográficas Geração de Mosaicos Digitais Interpretação de Imagens Landsat para Estudo Urbano Realização de Coleta de Dados do Campo Levantamento de Imagens da National Aeronautics and Space 21 Administration (NASA) 3.9 Classificações Automáticas das Imagens e Avaliação da Precisão Geração de Bancos para Estudos dos Núcleos Dispersos Urbanos Considerações Finais Referências Bibliográficas 27 Pág.: 2 / 27

3 LISTA DE FIGURAS 2.1 Áreas delimitadas para execução do projeto Órbitas de satélites artificiais CBERS Pontos de Controle (em verde) Geração Mosaicos de Imagens Pontos Visitados em trabalho de Campo Área de São Jose dos Campos Imagem capturada do site da NASA (M ) Mapa Dispersão Urbana para os anos 1999/ SUMARIO DE TABELAS 3.1 Imagens LANDSAT selecionadas para as áreas de estudo 14 Pág.: 3 / 27

4 1. INTRODUÇÃO O presente relatório descreve as atividades desenvolvidas para no Projeto Estudo de Caso: Estado de São Paulo", que estão inseridas no sub-tema Dispersão e Mobilidade. O mesmo tem como um dos objetivos o monitoramento da dispersão do tecido urbano em regiões de crescimento urbano intenso, a partir de 1970 até o ano 2000, tendo como auxilio os levantamentos censitários de 1970, 1980, 1991 e As análises dos processos de dispersão urbana serão realizadas em uma primeira etapa para o Estado de São Paulo nas regiões de crescimento urbano intenso, a partir do uso de dados de Sensoriamento Remoto Orbital obtidos pelos satélites da série LANDSAT, disponíveis sob a forma digital, no acervo da CDteca da Divisão de Sensoriamento Remoto - DSR do INPE. Os dados obtidos e levantados serão alocados manipulados e armazenados em ambiente Spring 4.1 (Inpe, 2004). Pág.: 4 / 27

5 2. LOCALIZAÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO Na realização do estudo foram analisadas as áreas com alto índice de urbanização e industrialização do Estado de São Paulo. Assim, as áreas de estudos relacionadas foram: Araçatuba Araraquara Barretos Bauru Franca Marília Metropolitana da Baixada Santista Metropolitana de Campinas Metropolitana de São Paulo Presidente Prudente São José do Rio Preto Registro Ribeirão Preto São José do Rio Preto São José dos Campos A Figura 2.1 apresenta as áreas de estudo delimitadas para a execução do projeto. Figura 2.1-Áreas delimitadas para a execução do projeto Pág.: 5 / 27

6 3. ATIVIDADES REALIZADAS 3.1 Treinamento em introdução ao Sensoriamento Remoto Para maior entendimento da tecnologia a ser utilizada, foi realizado um treinamento sobre o uso do Sensoriamento Remoto no levantamento de dados da superfície terrestre. No treinamento foram abordados os seguintes tópicos: 1) Conceituação de Sensoriamento Remoto Segundo Florenzano (DATA), sensoriamento remoto é a tecnologia que utiliza a energia refletida ou emitida pela superfície para a obtenção de imagens. A energia utilizada é a radiação eletromagnética que se propaga em forma de ondas eletromagnéticas com velocidade da luz (3 x10 5 Km/s). A distribuição da radiação eletromagnética é dada por regiões, de acordo com o comprimento de onda e freqüência. Essa energia é captada pelos sensores instalados nos satélites artificiais. 2) Tipos de Sensores São equipamentos que captam e registram a energia refletida ou emitida pelos elementos da superfície terrestre. Podem ser instalados em plataformas terrestres, aéreas, como balões e aviões, e orbitais, como satélites artificiais. Alguns exemplos desses sensores são as câmaras fotográficas, de vídeo, os radiômetros, radares, etc. Existem sensores operando em diferentes regiões do espectro eletromagnético. Dependendo do tipo, os sensores captam os dados de uma ou mais regiões do espectro. O olho humano é um sensor natural que enxerga somente a luz ou energia visível. Sensores artificiais permitem obter dados de regiões de energia invisível ao olho humano. 3) Satélites de Sensoriamento e de Recursos Minerais *Satélites Artificiais São satélites construídos pelo homem e que giram em torno da Terra. Possuem sensores de alta tecnologia que recebem imagens, mandam notícias pelo mundo inteiro, e fazem comunicação entre a internet e chamadas telefônicas. Existem vários tipos de satélites, como por exemplo, os de comunicação, de televisão, científico, espiões, Pág.: 6 / 27

7 metereológicos (geoestacionário, pois possuem período de rotação de 24 horas em órbita equatorial) e de sensoriamento remoto (possuem órbita polar, sentido norte-sul). Neste trabalho, todas as imagens utilizadas foram obtidas por satélite de sensoriamento remoto, sobre o qual seguem informações mais detalhadas. Satélites de Recursos Terrestres Esse tipo de satélite tem órbita circular e se desloca em torno da Terra com a mesma velocidade do deslocamento da Terra em relação ao Sol, ou seja, tem órbita solsíncrono. Os satélites mais utilizados em sensoriamento remoto no Brasil atualmente são: LANDSAT, SPOT e CBERS. A Figura 3.1 mostra a órbita dos satélites artificiais. Figura 3.1: Órbitas de satélites artificiais. -Satélite LANDSAT O programa Landsat compreende em uma série de 7 satélites, os quais foram desenvolvidos para a observação dos recursos terrestres. Primeiramente operava em quatro canais (dois na região do visível e dois na região do infravermelho próximo), cujo sistema era chamado de MSS (Multiespectral Scanner System). Posteriormente, foi implementado o sistema TM (Thematic Mapper), que trabalhava com 7 canais (três no visível, um no infravermelho próximo, dois no infravermelho médio e um no infravermelho termal),que logo foi substituído pelo ETM + (Enhanced thematic mapper) que além dos canais utilizados no sistema TM, possuía o canal pancromático que vai da região do visível e infravermelho próximo). Pág.: 7 / 27

8 -Satélite SPOT - A série SPOT (Satellite pour l'observation de la Terre), foi iniciada com o satélite franco-europeu SPOT 1, em 1986 sob a responsabilidade do Centre National d'etudes Spatiales - CNES da França. Hoje o programa do SPOT possui em órbita três satélites (2, 4 e 5) que possibilitam acesso a qualquer ponto da Terra em menos de 24 horas e atuando em conjunto, com órbitas revistas em intervalos de 3 a 5 dias. Os satélites da família SPOT operam com sensores ópticos, em bandas do visível, infravermelho próximo e infravermelho médio. Com o lançamento do SPOT 5, ocorrido em maio de 2002, a missão inaugurou a possibilidade de aquisição de imagens orbitais tridimensionais graças a sua capacidade de visada lateral de até 27º (estereoscopia cilíndrica) e também conseguiu melhorar a resolução espacial do canal pancromático para 5 metros. -Satélite CBERS - O programa CBERS (China-Brazil Earth Resources Satellite ou Satélite Sino-Brasileiro de Recursos Terrestres) mantém um satélite de observação terrestre em órbita: o CBERS-2, lançado na China. Os satélites são equipados com sensores de diferentes resoluções espaciais, que podem cobrir o planeta em menos de 21 dias e, ao mesmo tempo, produzir informações mais detalhadas em uma visada mais estreita. O CBERS carrega câmeras para observação óptica e um sistema de coleta de dados ambientais. É um sistema único, pois mantém em órbita instrumentos sensores que combinam características especialmente adequadas às diversas escalas temporais e espaciais, necessárias ao monitoramento e à preservação dos ecossistemas. O sistema de coleta de dados é destinado à retransmissão de dados ambientais coletados em Terra e transmitidos ao satélite por meio de pequenas estações autônomas. Os dados provenientes das diversas estações, localizados em vários pontos do planeta, são dirigidos ao mesmo tempo às centrais de processamento e usuários finais, por meio de transmissões em freqüências diferentes. Possui órbita circular, quase polar, síncrona com o Sol. A Figura 3.2 mostra a foto do CBERS-1. Pág.: 8 / 27

9 Figura 3.2 CBERS. Pág.: 9 / 27

10 3.2 Treinamento no uso do software Spring 4.1 Realização do curso Introdução ao Spring 4,1, ministrado pela Divisão de Sensoriamento Remoto do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).O programa Sistema para Processamento de Informações Georreferenciadas (SPRING) é um SIG com as seguintes características: Opera como um banco de dados geográfico sem fronteiras e suportar grande volume de dados (sem limitações de escala, projeção e fuso), mantendo a identidade dos objetos geográficos ao longo de todo banco; Administra tanto dados vetoriais como dados matriciais ( raster ), e realizar a integração de dados de Sensoriamento Remoto num SIG; Provê um ambiente de trabalho amigável e poderoso, através da combinação de menus e janelas com uma linguagem espacial facilmente programável pelo usuário (LEGAL - Linguagem Espaço-Geográfico baseada em Álgebra).; Consegue escalonabilidade completa, isto é, ser capaz de operar com toda sua funcionalidade em qualquer ambiente de rede. Durante o curso Introdução ao Spring 4.1 foram abordados os seguintes tópicos: Geoprocessamento e SPRING Geoprocessamento (conceitos) - Como o SPRING se encaixa neste contexto; Modelagem do Mundo real - Modelo de Dados do SPRING; Apresentação de aplicação a ser desenvolvida ao longo do curso; Definição de um banco, categorias e projeto no SPRING; Apresentação geral do SPRING Pág.: 10 / 27

11 Imagens de Sensores Remotos no SPRING Imagens de Sensores Remotos Mono e Multiespectrais - formatos e produtos. Resolução (espacial, espectral e temporal) Correção Geométrica de Imagens Registro de Imagens: Métodos Procedimentos para registro de Imagens. Processamento Digital de Imagens (PDI) Princípios e técnicas Histogramas de imagens digitais e realce de contraste Espaço de cores - Composições coloridas Filtragem de freqüências espaciais Classificação Digital de Imagens (PDI) Espaço de atributos Visão geral de classificadores - tipos e fundamentos Classificação por pixel (Maxver) e regiões (Isoseg) Manipulação de Mapas Temáticos Estrutura vetorial e topológica Etapas para construção de um mapa temático - Procedimentos básicos Conversão de representação (Vetor - Varredura) Importação de dados Modelagem Numérica de Terreno Aquisição de dados de MNT Grades e interpoladores Principais produtos de MNT Mapa de declividade - procedimentos Linguagem de Manipulação de Mapas Pág.: 11 / 27

12 Estrutura do LEGAL - sintaxe de comandos Operação sobre geo-campos e geo-objetos Exemplo de programas em LEGAL Outras Análises Medidas de área e distância Mapa de Distâncias - Buffer Tabulação Cruzada Manipulação de Mapas Cadastrais Etapas para construção de um mapa cadastral - procedimentos básicos Recursos de consulta a mapas cadastrais Elaboração de Cartas (SCARTA) Elementos de uma carta Mecanismos de saída - impressão Pág.: 12 / 27

13 3.3 Seleção das Imagens Landsat Nesta fase, foram selecionadas as imagens cujas datas de obtenção fossem concomitantes aos anos relativos aos censos demográficos (1970 a 2000) ou em datas próximas. Para a data de 1970 as áreas urbanas foram levantadas a partir de cartas topográficas do IBGE na escala 1:50.000, em função da baixa resolução espacial apresentada pelos primeiros satélites da série LANDSAT (80 metros), o que dificultaria a identificação das áreas urbanas contínuas e dispersas. O mapeamento das áreas urbanas para o ano de 1980 não pôde ser feito a partir de imagens desta data, pois o primeiro Landsat com sensor TM e resolução espacial de 30m foi lançado em Além disso, apenas estão disponíveis no acervo da Cdteca as imagens obtidas a partir de 1984, portanto, o mapeamento de 1980 teve que ser feito através dos dados orbitais desta data. Após o levantamento das imagens Landsat/TM disponíveis no acervo do INPE, uma análise detalhada foi feita a fim de certificar a qualidade dos dados quanto a presença de nuvens ou ruídos nas áreas de interesse. Houve então a necessidade de substituição de algumas das imagens no Banco de Dados. Pág.: 13 / 27

14 Tabela 3.1: Imagens LANDSAT selecionadas para as áreas de estudo. Área de Estudo Ar aç a tu ba B a rre tos Ba u ru C a mp in as F ra nca M a rília Pr es i dent e Pru dente Data da Passagem da Imagem / Dados LA NDSAT 5 e / 08/ TM 0 8/ 07/ TM 1 9/1 2/ 1999 ETM + 1 2/ 10/ TM 2 9/1 2/ 1999 ETM + 2 8/ 10/ TM 1 4/0 1/ 2000 ETM + 1 4/0 6/ 2000 TM 1 6/0 7/ 2000 TM 1 8/0 9/ 2000 TM 0 7/1 2/ 2000 TM 2 3/1 2/ 2000 TM 1 8/ 09/ TM 2 0/ 02/ TM 0 1/0 5/ 2001 ETM + 2 5/ 04/ TM 1 6/ 09/ TM 2 3/ 02/ TM 2 1/ 10/ TM 0 1/ 10/ TM 2 8/ 06/ TM 0 7/0 6/ 2000 TM 1 6/ 09/ TM 2 3/0 6/ 2000 TM 0 6/ 01/ TM 2 6/0 6/ 2000 TM 1 3/ 03/ TM 1 1/0 9/ 2000 TM 2 1/ 09/ TM 1 3/1 0/ 2000 TM 0 1/ 09/ TM 1 2/ 11/ TM 0 3/0 9/ 1999 ETM + 2 1/ 07/ TM 2 3/0 3/ 2001 ETM + 0 6/ 07/ TM 1 0/ 07/ TM 1 6/0 6/ 2000 TM 1 4/ 10/ TM 1 9/0 8/ 2000 TM 2 0/0 9/ 2000 TM 0 1/ 10/ TM 2 8/ 06/ TM 0 7/0 6/ 2000 TM 1 6/ 09/ TM 2 3/0 6/ 2000 TM 0 6/ 01/ TM 2 6/0 6/ 2000 TM 1 3/ 03/ TM 1 1/0 9/ 2000 TM 2 1/ 09/ TM 1 3/1 0/ 2000 TM 0 5/ 08/ TM 0 8/ 07/ TM 1 9/1 2/ 1999 ETM + 1 2/ 10/ TM 2 9/1 2/ 1999 ETM + 2 8/ 10/ TM 1 4/0 1/ 2000 ETM + 1 4/0 6/ 2000 TM 1 6/0 7/ 2000 TM 1 8/0 9/ 2000 TM 0 7/1 2/ 2000 TM 2 3/1 2/ 2000 TM R e gi s tro 0 4/ 06/ TM 1 0/ 07/ TM 0 1/0 2/ 2000 TM R i beirã o P ret o 2 0/ 06/ TM 0 8/ 08/ TM 1 6/0 6/ 2000 TM Sã o J os é do R io Pre to S ão J os é d os C a mp os S an tos 2 0/ 06/ TM 2 0/ 02/ TM 0 7/0 6/ 2000 TM 2 5/ 04/ TM 0 9/0 7/ 2000 TM 1 6/9 /1 990 TM 23 /6 /2 000 TM 2 3/2 /1 991 TM 11 /9 /2 000 TM 2 1/ 10/ TM 1 3/1 0/ 2000 TM 1 2/ 03/ TM 2 7/ 04/ TM 0 3/0 9/ 1999 ETM + 1 4/ 07/ TM 2 1/ 12/ TM 1 0/0 1/ 2000 TM 0 1/ 09/ TM 2 3/ 10/ TM 2 9/0 9/ 2000 TM 0 1/ 09/ TM 1 7/ 06/ TM 17 // 01 / TM 1 2/ 03/ TM 2 3/ 10/ TM 2 5/0 6/ 2000 TM 1 2/ 09/ TM 2 3/ 10/ TM 2 9/0 9/ 2000 TM Pág.: 14 / 27

15 3.4 Georreferenciamento das Imagens de Satélite O Registro de uma imagem compreende uma transformação geométrica que relaciona coordenada de imagem (linha, coluna) com coordenadas de um sistema de referência (coordenadas geográficas), ou seja, é o georreferenciamento do dado em uma projeção cartográfica. A interface de Registro permite dois procedimentos básicos: o Registro de Imagens e o Registro Vetorial de um Plano de Informação. O Registro de Imagens e usado para o georreferenciamento e posterior inserção na base de dados de imagens no formato GRIB (arquivos de imagem com extensão grb). O Registro Vetorial faz o georreferenciamento de Planos de Informação que contenham dados no formato vetorial e que pertençam a qualquer Projeto que esteja vinculado ao Banco de Dados utilizado. Para realizar o Registro dos dados neste projeto foram coletados pontos de controle no modo tela, como apresenta a Figura 3.3. Pág.: 15 / 27

16 Figura 3.3: Pontos de Controle ( em verde) Para o Registro das imagens, foi usada como base de referência na aquisição de pontos de controle a rede de drenagem e de rodovias do DER. Assim, cruzamentos de estradas ou rios eram identificados no dado vetorial e a situação localizada na imagem correspondente (imagem/vetor). Inicialmente foram registradas as imagens do ano de 2000, e, a partir delas, as dos anos de 1980 e 1990, tomando-se pontos da imagem de 2000 (imagem/imagem). As cartas topográficas do IBGE de 1970, a serem utilizadas no trabalho na escala 1: (escaneadas - formato digital) foram também georreferenciadas. Foi preciso inicialmente converter os arquivos para o formato GRIB no módulo IMPIMA do SPRING para em seguida, usando-se a opção Registro de Imagens, inseri-las no Banco de Dados. Os pontos de controle foram adquiridos pelo modo teclado, no qual as coordenadas dos Pág.: 16 / 27

17 pontos são informadas pelo usuário (via teclado) e seu correspondente indicado na imagem (no caso, a carta topográfica) via mouse. Pág.: 17 / 27

18 3.5 Geração de Mosaicos Digitais Mosaico é o agrupamento de planos de informação diferentes em um único, aqui utilizado para a junção automática de imagens adjacentes previamente registradas. O produto final do mosaico é uma imagem ou um mapa topologicamente consistente, como mostra a figura 3.4. Figura 3.4: Mosaico de Imagens Devido ao fato das áreas de estudo abrangerem mais de uma imagem, mosaicos foram efetuados para a maioria dos projetos. Pág.: 18 / 27

19 3.6 Interpretação de Imagens Landsat para Estudo Urbano Na interpretação de imagens para o mapeamento das manchas urbanas, para o ano de 1970, as áreas urbanizadas foram delimitadas na tela do computador, através da opção Edição Vetorial, utilizando-se como referência as áreas urbanizadas das cartas topográficas do IBGE. Para o mapeamento das manchas urbanas dos anos de 1980, 1991 e 2000, foi feita a interpretação visual das imagens LANDSAT, canais 3, 4 e 5 associados aos filtros azul, vermelho e verde respectivamente, na tela do computador. Foram identificadas nesta etapa do trabalho as áreas urbanas contínuas e as áreas urbanizadas dispersas que serão consideradas como pertencentes ao processo de urbanização em função das variáveis tamanhos e distância do núcleo urbano contínuo. Na interpretação das imagens na tela do computador foram utilizadas as chaves de interpretação convencionais de análise não automática dos dados (visual) como tonalidade, cor, textura, forma, tamanho, localização e relação de aspectos. Pág.: 19 / 27

20 3.7 Realização de Coleta de Dados do Campo A verificação da precisão do mapeamento realizado, bem como a checagem das dúvidas levantadas na interpretação, foi feita, no caso de ASJC, a partir da realização de trabalho de campo no período de 01 a 04 de junho de 2004, em função da não disponibilidade de mapeamentos pré-existentes que pudessem auxiliar a interpretação das imagens. Nas áreas onde houve dúvida de interpretação das imagens foram levantados pontos de GPS no local, como se vê na Figura 3.5. Figura Pontos visitados em trabalho de campo Área de São José dos Campos. Pág.: 20 / 27

21 3.8 Levantamento de Imagens da NASA Para um melhor georreferrenciamento de imagens foram também levantados os dados da NASA. Usamos a rotina da National Aeronautics and Space Administration (NASA) que se encontra no site. para capturar as imagens, trata-se de Mosaicos contendo as bandas 7, 4 e 2 ( RGB ), com resolução de 28,5 metros e são compostos por passagens de vários anos, próximas ao ano de 1990, o mesmo já vieram georreferenciados onde foram utilizados para o registro imagem / imagem para algumas áreas de estudo. Veja a Figura 3.6 como exemplo. Figura 3.6 Imagem obtida da National Aeronautics and Space Administration Pág.: 21 / 27

22 3.9 Classificações Automáticas das Imagens e Avaliação da Precisão Paralelamente à interpretação das imagens, na tela do computador foram realizadas classificações automáticas das imagens visando incorporá-las na separação das áreas urbanizadas a fim de melhorar a precisão no processo de delimitação destas áreas. Neste procedimento as imagens são classificadas automaticamente e, a partir do uso da opção Edição Vetorial do software, é feito um refinamento através da interpretação visual da classificação, reduzindo-se assim os erros de inclusão e omissão. Com isto temse uma redução da subjetividade, inerente à interpretação visual, principalmente quanto aos limites dos polígonos urbanizados e também a otimização de tempo no processo total de classificação. A este procedimento de classificação combinada (automática e visual), as áreas erroneamente discriminadas como urbanas pelo classificador automático serão eliminadas pela intervenção do intérprete quando da análise visual dos dados. Pág.: 22 / 27

23 3.10 Geração de Bancos para Estudos dos Núcleos Dispersos Urbanos Nesta etapa do trabalho também foram classificados os núcleos urbanos dispersos para as áreas de estudo de São José dos Campos e Campinas nas décadas de 70, 80, 90 e 2000, determinando-se a área em hectare desses núcleos sua distância em km ao marco zero da cidade. Para esse procedimento, foram montados vários bancos, um para cada região de estudo, contendo no banco projetos separados para cada município em questão. A classificação temática realizou-se através de vários processos contidos no software, começando com categoria que agrupa dados de mesma natureza no banco, definindo um grupo de dados e posteriormente criando classes nomeadas e numeradas para cada núcleo urbano disperso. Para o mapa de distância obteve-se uma análise de proximidade (medida de distância entre objetos, comumente medida em unidade de comprimento) que apresenta zonas com larguras de 1km em torno do marco zero das cidades, como mostra a Figura 3.7. Pág.: 23 / 27

24 Figura 1 Figura 3.7-Mapa Dispersão Urbana para os anos 1999/2000. Também foram elaboradas tabelas para todos os municípios das demais áreas de estudo, relacionados a esses dados. Pág.: 24 / 27

25 4. CONSIDERAÇÕES FINAIS A pesquisa Urbanização dispersa e mudanças no tecido urbano é ampla e complexa, o que exige uma metodologia com etapas específicas. A montagem de um banco de dados em um sistema de informações geográficas inclui se o levantamento desses dados que é ferramenta essencial para sua viabilização. O termo sistemas de informação geográfica (SIG) é aplicado para sistemas que realizam o tratamento computacional de dados geográficos. Essa informatização mostrase importante para o armazenamento e recuperação de informação espacial, para a análise de fenômenos e para a produção de mapas, pois integra imagens de satélite, dados cartográficos, censitários, cadastrais, etc. Deste modo, a construção de um banco de dados, ou seja, a inserção dos dados em um SIG faz-se imprescindível para atingir o objetivo desta pesquisa, que é o estudo sistemático da urbanização dispersa e das mudanças que vêm ocorrendo no tecido urbano nas últimas três décadas. O levantamento, registro e mosaico das imagens, o mapeamento das áreas urbanizadas, o agrupamento das informações sobre os núcleos urbanizados dispersos quanto ao tamanho e distância da mancha urbana principal (etapas estas descritas neste relatório) foram procedimentos necessários para promover esta fase, que ainda está em processo. O estudo de caso é o Estado de São Paulo, e a análise será feita nas principais regiões urbanizadas, que são: Araçatuba, Barretos, Bauru, Bragança Paulista, Campinas, Franca, Marília, Presidente Prudente, Registro, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, São José dos Campos, Metropolitana de São Paulo, Metropolitana de Santos e Sorocaba. Já existem projetos completos no Banco de Dados, que são os das regiões de São José dos Campos e Campinas. Os demais projetos estão em fase de finalização. Destaca-se também neste trabalho, a importância do Sensoriamento Remoto orbital, que provê a coletânea de imagens necessária ao estudo de áreas urbanas. As Pág.: 25 / 27

26 imagens são fontes de informação de baixo custo, cruciais para a compreensão e mapeamento do meio físico. Oferece uma visão sinóptica de grandes extensões da superfície terrestre que proporciona o entendimento integrado das regiões. As imagens de satélite, além do formato digital, oferecem a vantagem de deter informações radiométricas sobre os alvos, o que permite outras análises e processamentos auxiliares ao objetivo principal da pesquisa. Pág.: 26 / 27

27 5. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS MAPEAMENTO PLANIALTIMÉTRICO DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS. São Paulo: EMPLASA, CD-ROM. INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE-DPI). Manual do SPRING 4.1. São José dos Campos, dezembro Disponível em < Acesso em dez DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DER. Mapa Rodoviário do Estado de São Paulo, São Paulo: DER janeiro DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DER. Mapa Rodoviário, São Paulo: DER, janeiro DEPARTAMENTO DE ESTRADAS DE RODAGEM DER. Mapa Rodoviário, São Paulo: DER, outubro FLORENZANO, T. G. Imagens Satélite para Estudo Ambientais. São Paulo: Oficina de textos, Dias, N.W.; Batista, G.; Novo, E.M.M.; Mausel, P.W.; Krug, T. Sensoriamento remoto: Aplicações para a Preservação, Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia. CD-ROM educacional, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, Pág.: 27 / 27

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 01 de fevereiro de 2005.

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 01 de fevereiro de 2005. RELATÓRIO FINAL DE ATIVIDADES DO PROJETO TEMÁTICO URBANIZAÇÃO DISPERSA E MUDANÇAS NO TECIDO URBANO. ESTUDO DE CASO: ESTADO DE SÃO PAULO Bolsista: Alessandra das Graças Portela Instituição: INPE Instituto

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43

INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ SECRETARIA DO PLANEJAMENTO E GESTÃO (SEPLAG) INSTITUTO DE PESQUISA E ESTRATÉGIA ECONÔMICA DO CEARÁ (IPECE) NOTA TÉCNICA Nº 43 AQUISIÇÃO, TRATAMENTO E DISPONIBILIZAÇÃO DE IMAGENS

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Aula 3 - Registro de Imagem Registro é uma transformação geométrica que relaciona as coordenadas da imagem (linha e coluna) com as coordenadas geográficas (latitude e longitude)

Leia mais

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO

INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO INFLUÊNCIA DA OCUPAÇÃO URBANA NO MEIO AMBIENTE DA PLANÍCIE COSTEIRA DO CAMPECHE SC, COM O USO DE GEOPROCESSAMENTO PROFª MSC. MARIANE ALVES DAL SANTO MAURICIO SILVA Laboratório de Geoprocessamento - GeoLab

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR.

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE

I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE I ENCONTRO PAULISTA DE BIODIVERSIDADE 16 a 18 de novembro de 2009 Fundação Mokiti Okada Palestrante: Mônica Pavão Pesquisadora do Instituto Florestal INVENTÁRIO FLORESTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO INVENTÁRIO

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha

Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Projeto de Engenharia Ambiental Sensoriamento remoto e Sistema de Informação Geográfica Grupo: Irmandade Bruna Hinojosa de Sousa Marina Schiave Rodrigues Raquel Bressanini Thaís Foffano Rocha Sensoriamento

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO Geog.Ms. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Conceito Disciplina do conhecimento que utiliza

Leia mais

Aula 3 - Registro de Imagem

Aula 3 - Registro de Imagem Aula 3 - Registro de Imagem 1. Registro de Imagens Registro é uma transformação geométrica que relaciona coordenadas da imagem (linha e coluna) com coordenadas geográficas (latitude e longitude) de um

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3

Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Sistemas de Informação Geográfica Aula 3 Introdução Equipamentos de entrada de dados são dispositivos que convertem dados analógicos e mapas impressos no papel em mídia m eletrônica ou digital para serem

Leia mais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Jorge Pereira Santos 1ª versão - 2013 Processamento Digital Geotecnologias e Software Livre www.processamentodigital.com.br

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente. Afinal de contas, como tudo isso começou?. Conceitos básicos. Principais sensores orbitais. Cartografia para Florestas

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

APOSTILA DE CURSO - SPRING-3.3 (versão Windows) Spring Básico. Junho de 1999 INPE

APOSTILA DE CURSO - SPRING-3.3 (versão Windows) Spring Básico. Junho de 1999 INPE APOSTILA DE CURSO - SPRING-3.3 (versão Windows) Spring Básico Junho de 1999 INPE As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações e correções sem prévio aviso. Esse documento pode ser

Leia mais

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS

GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS GEONFORMAÇÃO PARA NÃO ESPECIALISTAS - Produtos Cartográficos - Geoprocessamento - Sistemas de Informações Geográficas (GIS) - Serviços de Mapas - Demo de um GIS aplicado na PMSP CARTOGRAFIA (conceitos)

Leia mais

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Os sensores instalados em satélites artificiais são o resultado

Leia mais

TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico. Junho de 2006 INPE

TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico. Junho de 2006 INPE TUTORIAL 10 AULAS - SPRING 4.3 (Versão Windows) SPRING Básico Junho de 2006 INPE As informações contidas neste documento estão sujeitas a alterações e correções sem prévio aviso. Esse documento pode ser

Leia mais

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR

GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR GERAÇÃO DE CARTA IMAGEM DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO-PR Ana Laura Reichert CENTENARO 1, Danielli BATISTELLA 1 Gabriela SUZIN 1, Morgana Gabriela RAYMUNDI 1 1 Universidade Tecnológica Federal do Paraná,

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS

AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS TERMO DE REFERENCIA AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL AQUISIÇÃO DE IMAGENS DE SATÉLITE DE ALTA RESOLUÇÃO ESPACIAL PARA A REGIÃO DO MUNICÍPIO DE ROSÁRIO DO SUL - RS 1. Objetivos.

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

Aula 5 - Classificação

Aula 5 - Classificação AULA 5 - Aula 5-1. por Pixel é o processo de extração de informação em imagens para reconhecer padrões e objetos homogêneos. Os Classificadores "pixel a pixel" utilizam apenas a informação espectral isoladamente

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO.

O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. O SITE CICLOVIAS DE CURITIBA, DO PLANEJAMENTO A EXECUÇÃO. INTRODUÇÃO Criar um site sobre as ciclovias da cidade de Curitiba. A idéia surgiu no ano de 2010 a partir de uma conversa entre alguns colaboradores

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de:

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: 1) - Imagens de satélite Landsat MSS, TM e ETM+; 2) - Cartas produzidas pela Junta de Investigações do Ultramar (JIU, 1962-1963); mapa de

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO - UFES CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E NATURAIS CCHN DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DEFESA DE MONOGRAFIA Evolução temporal e espacial do uso e ocupação do solo para os anos

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB210 GEOPROCESSAMENTO SEGUNDO SEMESTRE DE 2013 PROF. DR. CARLOS ALBERTO

Leia mais

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações.

ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA. Declaração de trabalho, serviços e especificações. PROCESSO 014-2014 ANEXO B TERMO DE REFERÊNCIA Declaração de trabalho, serviços e especificações. A Contratada deverá executar o trabalho e realizar os serviços a seguir, indicados de acordo com as especificações

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 6 Geoprocessamento Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 156 O que é geoprocessamento? Consiste no uso de ferramentas computacionais

Leia mais

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO

CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO CONTROLE DE QUALIDADE e VALIDAÇÃO DE PRODUTO CARTOGRÁFICO Editar dados em vários formatos e armazenar estas informações em diferentes sistemas é provavelmente uma das atividades mais comuns para os profissionais

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Humanas e da Educação CCE/FAED Deapartamento de Geografia DG Curso Mestrado em Planejamento Regional e Desenvolvimento Sócio Ambiental

Leia mais

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas

SENRORIAMENTO REMOTO E SIG. Aula 1. Prof. Guttemberg Silvino Prof. Francisco das Chagas SENRORIAMENTO REMOTO E SIG Aula 1 Programa da Disciplina 1 CONCEITOS, HISTÓRICO E FUNDAMENTOS (8 aulas) 2 Sensoriamento remoto. Histórico e definições 3 Domínios do Sensoriamento Remoto 4 Níveis de Coleta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Correção geométrica de imagens

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE. Correção geométrica de imagens Correção geométrica de imagens O georreferenciamento descreve a relação entre os parâmetros de localização dos objetos no espaço da imagem e no sistema de referência, transformando as coordenadas de cada

Leia mais

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto

2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2 Classificação de Imagens de Sensoriamento Remoto 2.1. Processamento Digital de Imagens Processamento Digital de Imagens entende-se como a manipulação de uma imagem por computador de modo que a entrada

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento

Tecnologias Digitais de Geoprocessamento Gilberto Pessanha Ribeiro Engenheiro Cartógrafo - UERJ Mestre em Ciências Geodésicas - UFPR Doutor em Geografia UFF Especialista em Geologia do Quaternário Museu Nacional/UFRJ gilberto@eng.uerj.br gilberto@globalgeo.com.br

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3

NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO. Módulo 3 NOÇÕES DE GEOPROCESSAMENTO Módulo 3 Sistema Metropolitano de Informações Georreferenciadas MetroGeo Curso Noções de Geoprocessamento Módulo 3 Oscar Ricardo M. Schmeiske Programação Curso Noções de Geoprocessamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais