FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Imagenologia: Técnicas Radiológicas II Prof. Msc Ana Paula de Souza Paixão Biomedicina 5º P

2 Método de diagnóstico complementar por imagem; Utiliza ondas sonoras com frequência acima das audíveis pelo ouvido; Ondas denominadas de ultrassom; Onda sonora - onda mecânica produzida por fonte vibratória;

3

4 Nos ultra sonográficos de diagnósticos- sons de freq. muito alta são dirigidos p/ dentro do corpo; Através Transdutor Posicionado em contato com a pele; A pele é lubrificada (gel)- estabelecer um bom contato acústico;

5

6 O som atravessa o corpo- é refletido pelos tecidos p/ produzir ecos (2 até 14 MHz); Ecos são captados pelo mesmo transdutor- convertido em sinais elétricos;

7

8 O som se propaga nos tecidos- parte é refletida de volta ao aparelho e parte é absorvida pelo tecido; O retorno das ondas sonoras faz vibrar o transdutor, - transforma as vibrações em impulsos elétricos que se deslocam para o scanner de ultra-som - processa os impulsos elétricos e transforma-os numa imagem digital. Quanto maior a freq. do ultra som- menor o poder de penetração- melhor a resolução da imagem;

9 As imagens- formadas pela varredura do feixe sonoro; Criam planos anatômicos ou fatias do corpo na área; Operador- seleciona os planos: transversais (pés a cabeça), sagitais (cefálica p/ esq. e caudal p/ dir) ou oblíquos; Transversal Sagital

10

11 Ultra som corte longitudinal (sagital) Ultra som corte transversal

12 Ar, osso e outros materiais calcificados- não transmitem bem o som (forte reflexão)- imagem branca Ultra som desempenha um papel pequeno no diagnóstico de doenças pulmonares ou ósseas; Os gases no intestino - prejudicam informações dos exames intra abdominais- interfere na transmissão do som;

13 O líquido- bom condutor do som (não produz reflexão ou eco) imagem preta; Ultra sonografia- modalidade de imagem boa p/ diagnóstico de cistos, exames estruturais cheio de líquido (bexiga, sistema biliar, feto); Identificação da imagem: Cada amplitude de eco- gera determinada tonalidade de cinza/escala de cinza (preto a branco);

14 Reflexão forte/ecos intensos (amplitude)- imagem branca; Reflexão moderada/eco moderado a baixa intensidade- imagem cinza/níveis de cinza; Ausência de reflexão/ não há eco- imagem preta;

15

16

17

18 Vantagens: Maiores informações das estruturas moles (sem radiação ionizante)- em comparação ao Rx; Imagens em tempo real e baixo custo- em comparação a TC; Desvantagens: Não analisa função dos órgãos- em comparação com Rx e TC (uso de contraste).

19 É um método radiológico- utiliza radiação eletromagnética(ñ ionizante) na formação da imagem; Não depende da capacidade de absorção dos raios X pelos tecidos e nem da capacidade de reflexão ou transmissão de ondas sonoras; Mecanismo complexo- depende da presença de núcleos de hidrogênio (prótons) nos tecidos; Sofrerão influencia de um campo magnético e de estímulos de radiofrequência do aparelho;

20

21

22 Com a força do campo- os núcleos de hidrogênio (prótons) em moléculas de água e gordurasresponsáveis pela produção de imagens anatômicas; associado Radiofrequência aplicado ao hidrogênio em um campo magnético- vários prótons alteram seu alinhamento; Quando cessa o pulso de radiof. os prótons retornam em suas posições originais;

23 Quando realinham/relaxam- produzem sinal de rádio (fraco)- detectados e localizados (sensores de antena); Colocados ao redor do paciente; Constroi uma imagem- representando a distribuição dos prótons de hidrogênios; A RNM- consiste de um grande ímã circular; Encontramos- transmissor de radiof. e as bobinas emissora e bobina receptora do sinal.

24

25 Os sinais de rádio - convertidos em forma digital (computador manipula e criar a imagem); Dados- codificados em escala de cinza (branco ao preto); A tendência ao branco- é proporcional à intensidade do sinal; Quanto maior a [ ] de prótons de hidrogênio(segmento estimulado)-mais intenso o sinal de ressonância.

26 Identificação da imagem (2 tempos de relaxamento) A força do sinal depende da densidade dos prótons + relaxamento (T1 e T2); T1= tempo necessário p/ o próton retornar ao eixo do campo magnético; T2= tempo necessário p/ defasagem/diferença entre prótons (atinge repouso em tempo + curto q outros);

27 Identificação da imagem (2 tempos de relaxamento) T1: (+ utilizado) Líquido- Hipointenso(- prótons)- preta (s/ sinal); Tecidos moles- intensidade intermediária- tons de cinza (sinal fraco); Gorduras- Hiperintenso(+ prótons)- branca (sinal forte); T2: Líquido- Hiperintenso- branca (sinal forte) Tecidos Moles- tons de cinza (sinal fraco) Gorduras- Hipointenso- preta (s/ sinal)

28

29 T2 T1

30 Identificação da imagem (2 tempos de relaxamento) Ausência de sinal- cor preta; Ar, calcificações e corticais ósseas; Podemos- trabalhar com as intensidades. Depende do objetivo. Vantagens: ñ radiação ionizante, maiores detalhes anatômico (sensibilidade a lesões e especificidade em alguns segmentos). Desvantagem: carpo magnético- corpos metálicos no organismo (marcapasso, próteses, clips aneurisma)

31 Método de diagnóstico por imagem- captação de isótopos radioativos artificiais/radionuclídeos (ingeridos ou injetados em veia periférica); denominado Cintilografias ou cintigrafias Isótopos radioativos (radioisótopos) tem a mesma propriedade química dos isótopos do organismo; O corpo ñ distingue os tipos (natural do artificial)- acompanhar o processo normal de captação do material- pela radiação emitida.

32 Os isótopos radioativos- emitem raios gamas(radiação eletromagnética) similar ao raio x; Possuem vida curta (horas/ dias); Composto químico marcado Paciente- usar a menor dose (radiofármacos)- devem ser rapidamente excretados do corpo; A emissão é detectada- equipamento especiais (câmaras de cintilação)- o paciente é colocado na posição desejada p/ obtenção da imagem.

33

34

35 A diferença entre radiografia e TC- a radiação ñ é produzida pelo aparelho e sim emitida pelo corpo do paciente (fonte de radiação); Dose baixa- paciente pode permanecer junto a outras pessoas- s/ risco as mesmas; Na câmara - cristal detector de radiação- em contato com a radiação gama do radioisótopos- brilho ou cintilação (deslocamento de elétrons no cristal); Energia é transformada em impulsos elétrico Processado no computador- registrado como imagens (cores).

36

37 Isótopos artificiais (radionuclídeos) e radiofármacos (composto químico marcado com os radiof.); Farão trocas iônicas (organismo) com seus isótopos de mesma propriedade; Seleciona pela afinidade - determinado órgão; Estudar a fisiologia e fisiopatologia de forma específica; Mais utilizados- tecnécio 99m (todos órgãos); Iodo 123, iodo 131 (tireóide), tálio (cardíacos); Gálio (tumores e infecções)

38 Identificação das imagens: Captação do isótopo radioativo pelo órgão em estudo: Hipercaptante- capta muito o isótopo; Hipocaptante- capta pouco o isótopo; Não captante ou sem atividade- não capta a isótopo;

39 Cintilografia óssea: Detecta qualquer tipo de patologia óssea(tumores, metástases, fraturas, dores ósseas...)- imagens anormais (áreas hipercaptantes)

40 Cintilografia Renal: Detecta as vias urinárias normais e alteradas;

41 Até a próxima aula

Introdução à Radiologia

Introdução à Radiologia SUMÁRIO INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA Introdução à Radiologia Métodos de imagem: Prof. Dr. Carlos Cezar I. S. Ovalle (Raio X) Tomografia Computadorizada (TC) Ultrassonografia (US) Ressonância Magnética (RM)

Leia mais

Sensores Ultrasônicos

Sensores Ultrasônicos Sensores Ultrasônicos Introdução A maioria dos transdutores de ultra-som utiliza materiais piezelétricos para converter energia elétrica em mecânica e vice-versa. Um transdutor de Ultra-som é basicamente

Leia mais

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA Profa. Rita Pereira Ecografia ou Ultrassonografia SOM: onda mecânica,portanto precisa de um meio material para se propagar. Meios: ar, líquidos, materiais sólidos.. Produção

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

Princípios da Ultrassonografia

Princípios da Ultrassonografia Princípios da Ultrassonografia Ana Paula Araujo Costa Es pecialista em Residênica Médico-Veterinária (Diagnóstico por Imagem) Mes tranda em Ciência Animal Conceitos Gerais Exame altamente interativo Interpretação

Leia mais

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som?

Você sabia que, por terem uma visão quase. nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? A U A UL LA Ultra-som Introdução Você sabia que, por terem uma visão quase nula, os morcegos se orientam pelo ultra-som? Eles emitem ondas ultra-sônicas e quando recebem o eco de retorno são capazes de

Leia mais

INTRODUÇÃO Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) TEÓRICA

INTRODUÇÃO Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) TEÓRICA INTRODUÇÃO Arnolfo de Carvalho Neto (arnolfo@ufpr.br) TEÓRICA A Radiologia tem como objetivo principal auxiliar o médico a estabelecer o diagnóstico, de forma precisa e rápida, utilizando imagens. Até

Leia mais

Imagens de Ressonância Magnética

Imagens de Ressonância Magnética Imagens de Ressonância Magnética Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.edu.br Curso de Bioengenharia CECS, Universidade Federal do ABC Ressonância Magnética: Princípios físicos Definições e histórico Fundamentos

Leia mais

ULTRA SOM - HISTÓRIA

ULTRA SOM - HISTÓRIA ULTRA SOM Usa ondas de som para interagir com tecidos Mostra características específicas de tecidos Ondas mecânicas e longitudinais que viajam através da matéria Em ondas longitudinais, o movimento do

Leia mais

Ressonância Nuclear Magnética (RNM): É o estudo de imagem de última geração A Se baseia nas propriedades dos Átomos, mais especificamente dos Prótons

Ressonância Nuclear Magnética (RNM): É o estudo de imagem de última geração A Se baseia nas propriedades dos Átomos, mais especificamente dos Prótons Prof André Montillo É o estudo de imagem de última geração A Se baseia nas propriedades dos Átomos, mais especificamente dos Prótons Nucleares A Imagem é produzida através das alterações físicas que ocorrem

Leia mais

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação

Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Descobertas do electromagnetismo e a comunicação Porque é importante comunicar? - Desde o «início dos tempos» que o progresso e o bem estar das sociedades depende da sua capacidade de comunicar e aceder

Leia mais

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM

3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3. FORMAÇÃO DA IMAGEM 3.1 INTRODUÇÃO O sistema de geração da imagem de RM emprega muitos fatores técnicos que devem ser considerados, compreendidos e algumas vezes modificados no painel de controle durante

Leia mais

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA

Comunicação da informação a curta distância. FQA Unidade 2 - FÍSICA Comunicação da informação a curta distância FQA Unidade 2 - FÍSICA Meios de comunicação É possível imaginar como seria o nosso mundo sem os meios de comunicação de que dispomos? Os * * * * Aparelhos de

Leia mais

Princípios de Ultrassom

Princípios de Ultrassom Princípios de Ultrassom Prof. Emery Lins emery.lins@ufabc.edu.br SUMÁRIO AULA 1 - Princípios de Ultrassom - Introdução - Princípios físicos - Transdutores - Sistemas de Imagens de Ultrassom AULA 2 Aplicações

Leia mais

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado

2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado 2 Imagens Médicas e Anatomia do Fígado Neste capítulo são apresentados os tipos de dados utilizados neste trabalho e a anatomia do fígado, de onde foram retiradas todas as heurísticas adotadas para segmentação

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui

FÍSICA DAS RADIAÇÕES. Prof. Emerson Siraqui FÍSICA DAS RADIAÇÕES Prof. Emerson Siraqui CONCEITO Método que permite estudar o corpo em cortes ou fatias axiais ou trasversais, sendo a imagem obtida atraves dos Raios-X com o auxílio do computador (recontrução).

Leia mais

O USO DO EFEITO COMPTON NOS DIAGNÓSTICOS POR IMAGEM

O USO DO EFEITO COMPTON NOS DIAGNÓSTICOS POR IMAGEM O USO DO EFEITO COMPTON NOS DIAGNÓSTICOS POR IMAGEM Eduardo de Paula Miranda Pereira 1, Anderson Arleu da Silva 2, Mariana Cesário Fachini Gomes 3, Tatiane de Souza Silva 4, Gilberto Almeida da Silva 5,

Leia mais

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed

FÍSICA DO RX. Cristina Saavedra Almeida fisicamed FÍSICA DO RX Cristina Saavedra Almeida fisicamed O QUE É RADIAÇÃO Pode ser gerada por fontes naturais ou por dispositivos construídos pelo homem. Possuem energia variável desde valores pequenos até muito

Leia mais

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA

Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA Cintilografia Cerebral LARYSSA MARINNA RESIDENTE DE ENFERMAGEM EM NEONATOLOGIA A cintilografia tomográfica da perfusão cerebral (SPECT) detecta alterações da perfusão sanguínea cerebral inclusive na ausência

Leia mais

Imagem por ressonância magnética

Imagem por ressonância magnética Imagem por ressonância Aula 38 Histórico Descoberta das propriedades s nucleares: Isidor Isaac Rabi (prêmio Nobel de Física no ano de 1944) Impulso para vários estudos na área de espectroscopia LPV 5731

Leia mais

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B

Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29. Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina. Física B Título ONDULATÓRIA Extensivo Aula 29 Professor Edson Osni Ramos (Cebola) Disciplina Física B RADIAÇÕES ELETROMAGNÉTICAS ONDA ELETROMAGNÉTICA Sempre que uma carga elétrica é acelerada ela emite campos elétricos

Leia mais

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da

materiais ou produtos,sem prejudicar a posterior utilização destes, contribuindo para o incremento da Definição De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como: Técnicas utilizadas no controle da qualidade, d de materiais ou

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

Tema Central: Teoria Ondulatória

Tema Central: Teoria Ondulatória ÁREA: CIÊNCIAS DA NATUREZA, MATEMÁTICA E SUAS TECNOLOGIAS Tema Central: Teoria Ondulatória SUMÁRIO 1 Ondas Sonoras 1.1 Transmissão do Som 1.2 Aplicações de ondas sonoras 2. Solução de Situações Problemas

Leia mais

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930);

16/08/2009. Modo A Amplitude. Modo A Amplitude. Modo B - Brilho. Formação de imagens por Varredura. Mais antigo (1930); Formação de imagens por Varredura Modo A Amplitude Existem vários métodos para se extrair uma imagem a partir dos ecos: A-MODE (amplitude mode); B-MODE (brightness mode); M-MODE (motion mode). Informações

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR NUCLEAR Constituintes do átomo: electrões e núcleo. Constituintes do núcleo (nucleões): protões e neutrões. Características químicas electrões ; Características físicas núcleo

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

8ª série / 9º ano U. E. 16

8ª série / 9º ano U. E. 16 8ª série / 9º ano U. E. 16 Radiação O dicionário de física descreve radiação como: Designação genérica da energia que se propaga de um ponto a outro do espaço, no vácuo ou em um meio material, mediante

Leia mais

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO

COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS ONDAS ELETROMAGNÉTICAS E COMUNICAÇÃO COMUNICAÇÃO DE INFORMAÇÃO A LONGAS DISTÂNCIAS À medida que uma onda se propaga, por mais intensa que seja a perturbação que lhe dá origem, uma parte da sua energia será absorvida pelo meio de propagação,

Leia mais

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana

Energia Nuclear. Apostila educativa. Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Aplicações da Energia Nuclear Por ELIEZER DE MOURA CARDOSO Colaboradores: Ismar Pinto Alves Claudio Braz Sonia Pestana Rua General Severiano, 90 - Botafogo - Rio de Janeiro - RJ - CEP 22290-901 www.cnen.gov.br

Leia mais

Boletim nº. 003 Resumo de Termos e procedimentos, usado com radiações ionizantes em diagnóstico médico

Boletim nº. 003 Resumo de Termos e procedimentos, usado com radiações ionizantes em diagnóstico médico Boletim nº. 003 Resumo de Termos e procedimentos, usado com radiações ionizantes em diagnóstico médico Colaboração: Paulo Mota Craveiro - Docente da Faculdade de Marília Igor R. de Castro Bienert Médico

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Quanto à origem uma onda pode ser classificada em onda mecânica e onda eletromagnética.

Quanto à origem uma onda pode ser classificada em onda mecânica e onda eletromagnética. CLASSIFICAÇÃO DAS ONDAS Podemos classificar as ondas quanto à: sua origem direção de oscilação tipo de energia transportada. ONDAS QUANTO À ORIGEM Quanto à origem uma onda pode ser classificada em onda

Leia mais

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER

Radiografia Industrial MANFRED RONALD RICHTER MANFRED RONALD RICHTER 1. Princípios Radiografia Industrial OBJETIVO Verificação da existência de descontinuidades internas em materiais opacos pelo uso das radiações X ou (gama), que incidem em um dado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOFÍSICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOFÍSICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE BIOFÍSICA TÉCNICA DE DIAGNÓSTICO POR IMAGENS : RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NUCLEAR PROF. DR. EDUARDO DIAZ RIOS Porto Alegre,

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

Engenharia Biomédica e Física Médica

Engenharia Biomédica e Física Médica Engenharia Biomédica e Física Médica 2010-2011 Teste 1 Importante: - Indique todos os cálculos e aproximações que efectuar. - Quando achar necessário arbitrar valores ou parâmetros (p.ex. diâmetro de um

Leia mais

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA

Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Aula 1: RADIOLOGIA ODONTOLÓGICA E IMAGINOLOGIA Produção, Propriedades e Interações dos Raios X Os raios X foram descobertos em 1895, por William Conrad Röentgen. São na verdade, uma forma de onda eletromagnética

Leia mais

Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância. Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução

Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância. Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução Morfologia Matemática em Imagens de Ressonância Conceitos novos: Granulometria, Morfologia Condicional e com Reconstrução A Ressonância Magnética é um dos métodos de imagem mais completos disponíveis.

Leia mais

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012

PACS. III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica. Santa Casa de Porto Alegre, RS. 24 de Novembro de 2012 PACS III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica Santa Casa de Porto Alegre, RS 24 de Novembro de 2012 III Encontro Sul Brasileiro de Engenharia Clínica PACS - Agenda Histórico Workflow Modalidades

Leia mais

ESPECTROSCOPIA DE PRÓTONS POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DO MAL DE ALZHEIMER

ESPECTROSCOPIA DE PRÓTONS POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DO MAL DE ALZHEIMER ESPECTROSCOPIA DE PRÓTONS POR RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DO MAL DE ALZHEIMER Tecnólogo Ronaldo Maria Radialista Prof. Curso Técnico Sistema único Especialista em RM pela rede CDPI ALOYSIUS ALZHEIMER

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações

PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações PROCEDIMENTOS DE MEDICINA NUCLEAR Princípios e Aplicações VIII Encontro de Técnicos de Radiologia da Alta Noroeste Marco Antônio de Carvalho Físico Médico e Supervisor de Radioproteção em Medicina Nuclear

Leia mais

Comunicação da informação a longas distâncias

Comunicação da informação a longas distâncias Comunicação da informação a longas distâncias População mundial versus sistema de comunicação Comunicação, informação e mensagem Comunicação - é o ato de enviar informação, mensagens, sinais de um local

Leia mais

Professora Florence. Resposta:

Professora Florence. Resposta: 1. (G1 - ifsp 2012) Ondas eletromagnéticas só podem ser percebidas pelos nossos olhos quando dentro de determinada faixa de frequência. Fora dela não podem ser vistas, apesar de ainda poderem ser detectadas

Leia mais

Ecocardiografia Intracardíaca

Ecocardiografia Intracardíaca Universidade do Minho Engenharia Biomédica Ramo de Electrónica Médica Projecto (4º ano / 2º semestre) Docente: Paulo Mateus Mendes Débora Ferreira nº 39234 Gualtar, 14 Julho de 2006 Plano da apresentação

Leia mais

Automação industrial Sensores

Automação industrial Sensores Automação industrial Sensores Análise de Circuitos Sensores Aula 01 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina O que são sensores?

Leia mais

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 -

Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Diagnóstico por Imagem do Fígado - 2012 - Prof. Dr. Giuseppe D Ippolito Dr. Lucas Torres Dra. Elisa Brentas Departamento de Diagnóstico por Imagem www.unifesp.br/ddi/abdome Métodos de Diagnóstico por Imagem

Leia mais

Ressonância Magnética. Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais

Ressonância Magnética. Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais Ressonância Magnética Aluno : Bruno Raphael Pereira Morais Histórico 1873 Maxwell, com sua teoria para campos elétricos e magnéticos. Lorentz com a Teoria do Elétron. 1887 Hertz Radiofrequência 1924 Pauli

Leia mais

Raio X e Tomografia Computadorizada

Raio X e Tomografia Computadorizada Raio X e Tomografia Computadorizada Processamento de Imagens e Sinais Biológicos Aluno: Diego Cordeiro Barboza Professora: Aura Conci 04/2010 Sumário Introdução Descoberta Geração Imagens com Raio X Tomografia

Leia mais

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores

Tópicos Imagens Médicas Ultrassonografia Ultrassonografia Ultrassonografia Doppler Ecocardiografia Doppler espectral fluxo a cores Tópicos Imagens Médicas Prof. João Luiz Azevedo de Carvalho, Ph.D. Aula na disciplina Processamento de Imagens Universidade de Brasília 17 de novembro de 2011 http://pgea.unb.br/~joaoluiz/ joaoluiz@pgea.unb.br

Leia mais

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA

ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA, CAMPUS DE JI-PARANÁ, DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL DE JI-PARANÁ DEFIJI 1 SEMESTRE 2013-2 ONDAS MECÂNICAS, ONDA ELETROMAGNETICA E ÓPTICA FÍSICA Prof. Robinson

Leia mais

Radiografia industrial

Radiografia industrial A U A UL LA Radiografia industrial Introdução Se você já teve algum tipo de fratura óssea ou pegou uma gripe mais forte, certamente o médico deve ter solicitado uma radiografia da área afetada, para fazer

Leia mais

DENSIDADE. Aspecto Anatômico

DENSIDADE. Aspecto Anatômico Prof André Montillo O Fator Determinante para Definir uma Imagem DENSIDADE São as Variadas Densidades dos Tecidos Orgânicos que Reproduzem as Diferentes Imagens nos Exames por Imagem Aspecto Anatômico

Leia mais

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho

Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Dr. Jefferson Mazzei Radiologista Instituto do Câncer Arnaldo Vieira de Carvalho Objetivo da aula; Diagnóstico, estadiamento, acompanhamento, prevenção e pesquisa clínica; Limitações do método. Definição

Leia mais

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO

Ondas Eletromagnéticas Física - Algo Sobre INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO É importante tomarmos consciência de como estamos imersos em ondas eletromagnéticas. Iniciando pelos Sol, a maior e mais importante fonte para os seres terrestres, cuja vida depende do calor

Leia mais

Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista. Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com

Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista. Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com Princípio da formação de imagem e sua aplicação na cardiologia intervencionista Patrícia Lopes Barbosa patricialb7@gmail.com Produção dos raios X Na Cardiologia Intervencionista não existem fontes naturais

Leia mais

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano

OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano OSCILAÇÕES E ONDAS E. E. Maestro Fabiano Lozano Professor Mário Conceição Oliveira índice Oscilações e ondas...1 Tipos de Ondas...2 Tipo de deslocamento das ondas...2 Movimento ondulatório...2 Ondas Mecânicas...3

Leia mais

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1

Raios X. Riscos e Benefícios. Faculdade Novaunesc. Rosa de Hiroshima. Ney Matogrosso. Tecnologia em Radiologia. Turma: 2011.1 Rosa de Hiroshima Ney Matogrosso Pensem nas crianças Mudas telepáticas Pensem nas meninas Cegas inexatas Pensem nas mulheres Rotas alteradas Pensem nas feridas Como rosas cálidas Mas, oh, não se esqueçam

Leia mais

Biofísica Bacharelado em Química

Biofísica Bacharelado em Química Biofísica Bacharelado em Química Prof. Dr. Sergio Pilling PARTE A Capítulo 3 Ondas, som e introdução a bioacústica. Objetivos: Nesta aula iremos rever os conceitos sobre as ondas mecânicas em particular

Leia mais

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel

SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS. Prof. Homero Schiabel SEL 397 - PRINCÍPIOS FÍSICOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS MÉDICAS Prof. Homero Schiabel 6. FORMAÇÃO DE IMAGENS POR RAIOS X A Radiografia 2 fatores fundamentais: padrão de intensidade de raios-x transmitido através

Leia mais

4.2. Técnicas radiográficas especiais

4.2. Técnicas radiográficas especiais SEL 5705 - FUNDAMENTOS FÍSICOS DOS PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE IMAGENS (III. Raios-X) Prof. Homero Schiabel (Sub-área de Imagens Médicas) 4.2. Técnicas radiográficas especiais 4.2.1. Abreugrafia Chapa, em

Leia mais

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013

Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 E s c o l a S e c u n d á r i a d e A l c á c e r d o S a l Ano letivo 201 2/2013 Física e Química A Bloco II (11ºano) Teste de Avaliação 3 A - 06/02/2013 1. Suponha que um balão de observação está em

Leia mais

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825

EXTERNATO MATER DOMUS. RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 EXTERNATO MATER DOMUS RUA PASCAL, 1403 CAMPO BELO SP CEP 04616/004 - Fone: 5092-5825 MATÉRIA: FÍSICA PROFESSORA: RENATA LEITE QUARTIERI ALUNO: Nº Série: 3º TURMA: Única DATA: / /2015 ASSINATURA DO PAI/RESP.

Leia mais

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B.

04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A. , sendo m A. e m B. < m B. 04. Com base na lei da ação e reação e considerando uma colisão entre dois corpos A e B, de massas m A e m B, sendo m A < m B, afirma-se que 01. Um patrulheiro, viajando em um carro dotado de radar a uma

Leia mais

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos

1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1 Fibra Óptica e Sistemas de transmissão ópticos 1.1 Introdução Consiste em um guia de onda cilíndrico, conforme ilustra a Figura 1, formado por núcleo de material dielétrico (em geral vidro de alta pureza),

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas

Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Aula V Medição de Variáveis Mecânicas Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Disciplina: Instrumentação e Automação Industrial I(ENGF99) Professor: Eduardo Simas(eduardo.simas@ufba.br) Sensores

Leia mais

Infra-Estrutura de Redes

Infra-Estrutura de Redes Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Infra-Estrutura de Redes Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://www.professoreduardoaraujo.com Objetivos: Camada física

Leia mais

FÍSICA IV AULA 04: AS EQUAÇÕES DE MAXWELL; ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TÓPICO 03: ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO Arco-íris[1] Raio-x[2] Micro-ondas[3] Ondas de rádio[4] Televisão[5] À primeira vista pode parecer

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011

MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 MEDICINA NUCLEAR Lidia Vasconcellos de Sá 2011 APLICAÇÕES NA ÁREA MÉDICA RADIODIAGNÓSTICO RADIOTERAPIA MEDICINA NUCLEAR USO DE FONTES DE RADIAÇÃO NA ÁREA MÉDICA RAIOS-X DIAGNÓSTICO: equipamentos emissores

Leia mais

Prova se aproximando, nada melhor que treinar itens com a cara do ENEM, não?

Prova se aproximando, nada melhor que treinar itens com a cara do ENEM, não? Prova se aproximando, nada melhor que treinar itens com a cara do ENEM, não? 1 Por isso, o professor Ivys Urquiza (@tioivys) e o Projeto Medicina estarão juntos nessa reta final, ofertando listas de Ciências

Leia mais

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen.

História dos Raios X. 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 08 de novembro de 1895: Descoberta dos Raios X Pelo Professor de física teórica Wilhelm Conrad Röntgen. História dos Raios X 22 de dezembro de 1895, Röntgen fez a primeira radiografia

Leia mais

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão

Comunicação de Dados. Aula 9 Meios de Transmissão Comunicação de Dados Aula 9 Meios de Transmissão Sumário Meios de Transmissão Transmissão guiada Cabo par trançado Coaxial Fibra ótica Transmissão sem fio Ondas de rádio Micro ondas Infravermelho Exercícios

Leia mais

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER

RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NA DOENÇA DE ALZHEIMER ANDREIA GOMES DA SILVA Discente do Curso de Tecnologia em Radiologia das Faculdades Integradas de MARY HELLEN PEREIRA NUNES Discente do Curso de Tecnologia

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO PARA IMAGIOLOGIA MÉDICA

INSTRUMENTAÇÃO PARA IMAGIOLOGIA MÉDICA INSTRUMENTAÇÃO PARA IMAGIOLOGIA MÉDICA TÉCNICAS DE IMAGEM POR ULTRA-SONS Licenciatura em Engenharia Biomédica da FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA INSTRUMENTAÇÃO PARA IMAGIOLOGIA

Leia mais

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F.

Física experimental - Ondulatória - Conjunto para ondas mecânicas II, adaptador para osciloscópio com sensor e software - EQ181F. Índice Remissivo... 5 Abertura... 7 Guarantee / Garantia... 8 Certificado de Garantia Internacional... 8 As instruções identificadas no canto superior direito da página pelos números que se iniciam pelos

Leia mais

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz

Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização de Ondas Eletromagnéticas Propriedades da Luz Polarização Polarização: Propriedade das ondas transversais Ondas em uma corda Oscilação no plano vertical. Oscilação no plano horizontal. Onda

Leia mais

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas

Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas AULA 22.2 Conteúdo Eletromagnetismo Aplicações das ondas eletromagnéticas Habilidades: Frente a uma situação ou problema concreto, reconhecer a natureza dos fenômenos envolvidos, situando-os dentro do

Leia mais

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos

A RADIAÇÃO IONIZANTE. O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos A RADIAÇÃO IONIZANTE O que é? Fontes de radiação Efeitos biológicos Palestra introdutória Curso de Física da Radiação I -2004/1 Resp.: Prof. Stenio Dore O que é radiação? Def. abrangente: É o transporte

Leia mais

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa

Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Tomografia por emissão de pósitrons (PET) Pedro Bastos Costa Introdução Na Tomografia por Emissão de Pósitrons (PET), diferentemente dos exames de Raio-x ou CT, a emissão da radiação é realizada diretamente

Leia mais

Realizando o ensaio de ultra-som

Realizando o ensaio de ultra-som Realizando o ensaio de ultra-som A UU L AL A Na aula anterior, você ficou sabendo que o ultra-som é uma onda mecânica que se propaga de uma fonte emissora até uma fonte receptora, através de um meio físico.

Leia mais

MECÂNICA ONDULATÓRIA - IGL

MECÂNICA ONDULATÓRIA - IGL 1. (Enem 2011) Ao diminuir o tamanho de um orifício atravessado por um feixe de luz, passa menos luz por intervalo de tempo, e próximo da situação de completo fechamento do orifício, verifica-se que a

Leia mais

Radiação Ionizante e Legislação. Renato Sanchez Antonio

Radiação Ionizante e Legislação. Renato Sanchez Antonio Radiação Ionizante e Legislação Renato Sanchez Antonio Aspectos Técnicos Aparelhagem radiológica Gerador: suprido por uma força elétrica de 480 V, originada de um transformador trifásico de 300 KVA ou

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Características: não sobreposição de estruturas melhor contraste ( menos radiação espalhada) usa detectores que permitem visibilizar pequenas diferenças em contraste de tecido

Leia mais

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO

ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO COLÉGIO ESTADUAL RAINHA DA PAZ, ENSINO MÉDIO REPOSIÇÃO DAS AULAS DO DIA 02 e 03/07/2012 DAS 1 ª SÉRIES: A,B,C,D,E e F. Professor MSc. Elaine Sugauara Disciplina de Química ESPECTRO ELETROMAGNÉTICO As ondas

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Pressão Hidrostática => P= gh Supressão de Zero Para maior facilidade de manutenção e acesso ao instrumento, muitas vezes o transmissor é

Leia mais

Escola Secundária Vitorino Nemésio

Escola Secundária Vitorino Nemésio Escola Secundária Vitorino Nemésio Ano lectivo 2008/2009 Fisica e Química B 11ºAno 3º Teste de Avaliação Sumativa Nome: Nº: Classificação: Enc.Educação: A professora: 1. Todas as afirmações são falsas.

Leia mais

Website: professorsiraqui.com.br

Website: professorsiraqui.com.br TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Website: professorsiraqui.com.br ESCALA DE DENSIDADE DE HOUNSFIELD-UH As diferentes densidades de teciduais é possível pela medida dos índices de atenuação; Os índices de atenuação

Leia mais

O Ouvido Humano e a Audição

O Ouvido Humano e a Audição 36 Capítulo 4 O Ouvido Humano e a Audição Neste capítulo faremos um estudo sobre o ouvido humano, a fisiologia da audição e a sensibilidade do nosso sistema auditivo. 1. Conceitos básicos sobre a anatomia

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes

DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS. Descrição de componentes DH 406A SISTEMA DE TREINAMENTO EM MICROONDAS Descrição de componentes 2 1 INTRODUÇÃO O sistema de treinamento em microondas DH-0406A foi desenvolvido para permitir explorar experimentalmente alguns conceitos

Leia mais

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta.

1.3. Na figura 2 estão representados três excertos, de três situações distintas, de linhas de campo magnético. Seleccione a opção correcta. Escola Secundária Vitorino Nemésio Terceiro teste de avaliação de conhecimentos de Física e Química A Componente de Física 11º Ano de Escolaridade Turma C 13 de Fevereiro de 2008 Nome: Nº Classificação:

Leia mais

Colégio Jesus Adolescente

Colégio Jesus Adolescente Colégio Jesus Adolescente Ensino Médio 1º Bimestre Disciplina Física Setor B Série 9º ANO Professor Gnomo Lista de Exercício Mensal Capitulo 1 1) A figura a seguir representa, nos instantes t = 0s e t

Leia mais

Radiação Espalhada no Paciente

Radiação Espalhada no Paciente Interação dos Raios X com a Matéria Os Raios-X podem ser: Transmitidos, Absorvidos, Espalhados. A probabilidade da interação depende da energia do fóton incidente, da densidade do meio, da espessura do

Leia mais