O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura"

Transcrição

1 O mundo das pequenas coisas: estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura The little things world: prints for textile made with objects of sewing universe Cavalcante, Vanessa Peixoto; Bacharel em Desenho Industrial; Universidade de Brasília Resumo Projeto de estampas para tecidos feitas com imagens de objetos do universo da costura. Uma fase de experimentação com esses objetos gerou fotografias que exploram as possibilidades gráficas deles. A partir da repetição dessas fotos, desenvolveram-se padronagens e estampas que enfatizam os aspectos positivos dos objetos textura, simbologia e expressão. O primeiro resultado deste projeto é uma análise comparativa entre formas dos objetos e estampas. O segundo é um conjunto de doze estampas representativas da amplitude de resultados gráficos obtidos no estudo. Palavras-chave: Estampa; Padronagem; Objeto. Abstract Project of textile prints made with images from the sewing universe. Experimental stage with those objects produced photos which explore their graphic possibilities. Those photos were repeated for the development of patterns and prints that emphasize the positive aspects of the objects texture, symbology and expression. The first outcome of this project is a comparative analysis between object shapes and prints. The second is a set of twelve prints that represents the amplitude of the graphic results obtained in the study. Keywords: Print; Pattern; Object.

2 Introdução O projeto tem como objetivo geral desenvolver estampas para aplicação em tecido, utilizando objetos do universo da costura como elementos gráficos. Situa-se no cenário do design de superfície, que, segundo Renata Rubim (2004, p. 22), abrange o design têxtil, de papéis, cerâmico, de plásticos, de emborrachados, desenhos e/ou cores sobre utilitários. Metodologia A metodologia adotada teve como fase inicial a pesquisa bibliográfica amparada por textos de Rubim (2004), sobre design de superfícies; de Dinah Bueno Pezzolo (2007), a respeito de estampagem de tecidos; e de Ellen Lupton e Jennifer Cole Phillips (2008, p. 53), em que foram pesquisados materiais gráficos compostos por objetos em três dimensões. Na fase de levantamento de similares, foram selecionadas texturas, fotografias, ilustrações e estampas feitas com objetos ou elementos gráficos de configuração similar a de botões, fitas, agulhas, entre outros. Também foram analisadas estampas comuns às obtidas a partir da impressão a jato de tinta em tecidos. Essas pesquisas apontaram requisitos estéticos, simbólicos e de métodos de produção. Aqueles que nortearam o projeto definiam que era necessário compor as estampas com imagens de objetos do universo da costura: instrumentos e acabamentos, assim como explorar a metalinguagem, definida por Samira Chalhub (2002, p. 8) deste modo: [...] linguagem da linguagem [...] é metalinguagem uma leitura relacional, isto é, mantém relações de pertença porque implica sistemas de signos de um mesmo conjunto onde as referências apontam para si próprias [...]. Os últimos requisitos principais eram: estabelecer como método de estamparia a impressão a jato de tinta e desenvolver estampas para tecidos que seriam utilizados em produtos de moda. A etapa seguinte foi marcada por experimentos livres com fitas, botões, agulhas, alfinetes, miçangas, entre outros. O objetivo era explorar as possibilidades gráficas desses objetos, os quais eram manipulados sobre uma superfície e fotografados a partir de diversos ângulos. Após seleção das fotos, notou-se que essas tinham características plásticas distintas em relação à cor, à textura e às formas, mas todas mostravam objetos expressivos e delicados. A figura 1 apresenta seis exemplos dessas fotos. Figura 1: Exemplos das fotos dos objetos do universo da costura A fim de se estabelecer critérios para a construção das estampas, pesquisou-se também a respeito dos princípios para a criação de padronagens e fundamentos que orientam o desenvolvimento de projetos gráficos. A partir desses critérios, a geração de alternativas foi feita repetindo-se cada foto de diversos modos, formando várias estampas. A repetição podia ser orientada pela diagramação, relação de figura/fundo, dimensões dos elementos, entre outros. E, mesmo atendendo aos requisitos do projeto, a geração de alternativas também foi marcada pela experimentação.

3 Análise das estampas em relação às formas dos objetos Junto ao desenvolvimento do projeto em si, apontou-se uma possível formulação teórica para observação e análise dos resultados obtidos. Durante a geração de alternativas, notou-se que a harmonia visual das estampas não dependia somente da diagramação e de como as fotos eram repetidas mas também das formas dos objetos nas fotografias e das características físicas deles. Decidiu-se posicionar fotos representativas do conjunto das imagens selecionadas em gráficos orientados por dois critérios. O primeiro diz respeito à concentração da forma no espaço e o segundo, à característica de mutabilidade do objeto ou composição. Este critério refere-se à natureza do objeto e à percepção de que a própria configuração pode ser facilmente modificada por um fenômeno físico. Os gráficos são mostrados a seguir. Gráfico 1: Fotos ordenadas de acordo com o critério de concentração das formas No primeiro extremo do gráfico 1, estão formas que apresentam concentração de cor, compostas por somente um objeto ou por elementos agrupados. No outro extremo, estão aquelas que ultrapassam as margens das fotografias, cujas cores são mostradas espalhadas. No meio do gráfico, estão imagens nas quais se intercalam áreas de preenchimento e áreas vazias. Gráfico 2: Fotos ordenadas de acordo com o critério de mutabilidade das formas

4 O gráfico 2 é iniciado com formas estáveis, arquitetadas e de configuração simples. No outro extremo, estão fotos que mostram objetos ordenados ao acaso, sobre os quais se tem a impressão de que podem ser modificados por intervenções físicas com facilidade. No meio do gráfico, estão imagens que podem ser obtidas ao acaso, mas são mais estáveis. Com o objetivo de avaliar a relação entre formas dos objetos e estampas, os resultados da geração de alternativas foram observados a partir dos dois critérios. Para isso, foram feitos dois gráficos de estampas ordenadas na mesma sequência de suas respectivas fotos nos gráficos anteriores. No gráfico 3, a seguir, visualiza-se estampas ordenadas de acordo com o critério de concentração das formas. Gráfico 3: Estampas ordenadas de acordo com o critério de concentração das formas A análise desse gráfico mostrou que, nas estampas do nível 1 do gráfico, as formas que apresentam maior concentração comportam-se como pontos ou linhas, ao serem repetidas. O ritmo da estampa é definido principalmente pela diagramação. As estampas obtidas a partir de imagens com pouca concentração, mostradas no nível 3, apresentaram algumas características semelhantes. Nelas, os objetos comportam-se como linhas retas ou curvas. O ritmo da composição é definido pela diagramação e pelas formas, pois estas apresentam angulações ou curvas que direcionam o olhar do observador de uma maneira específica. Porém, essas características não geram incômodo visual, pois cada objeto apresenta desenhos contínuos em toda sua extensão. Nas estampas do nível 2, feitas com imagens nas quais se intercalam áreas de preenchimento e áreas vazias, foi possível observar que as formas são mais complexas do que as citadas anteriormente e se mostram como combinações de linhas e pontos. Ao serem repetidas, interferem no ritmo estabelecido pela diagramação e, em alguns casos, geram ruídos visuais à composição.

5 As estampas também foram ordenadas de acordo com o critério de mutabilidade das formas, como visto no gráfico 4, a seguir. Gráfico 4: Estampas ordenadas de acordo com o critério de mutabilidade das formas Ao analisar as estampas do nível 1 desse gráfico, observou-se que as formas de natureza estática aceitam ser repetidas de diversas maneiras, sendo mais fácil criar composições harmônicas e estáveis com a repetição delas. Já nas estampas referentes a objetos de natureza mutável, ordenadas nos níveis 2 e 3, viu-se que o uso de diagramação regular e ritmo constante tende a diminuir a expressividade das formas repetidas. Objetos muito finos ou imagens constituídas por muitas unidades espalhadas, vistos nas estampas de nível 3, são mais frágeis e não valorizados quando repetidos. Notou-se também que os mesmos aspectos que levam uma forma a apresentar a tendência à mutabilidade geram ruídos visuais quando esta é repetida. Comparando os resultados dos gráficos 3 e 4, pode-se fazer algumas afirmações a respeito do comportamento das configurações dos objetos nas estampas. Primeiramente, concluiu-se que formas semelhantes a pontos e linhas retas têm natureza estática e aceitam ser repetidas e organizadas de modos diversos, gerando estampas harmônicas. Imagens que mostram linhas curvas ou desenhos orgânicos, os quais apresentam continuidade ou concentração, requerem mais cuidado ao serem repetidas para que a expressividade não seja perdida. E, por fim, foi visto que formas nas quais áreas de preenchimento e áreas vazias são intercaladas, feitas de pequenos ou finos elementos, apresentam o maior nível de natureza mutável. Ao serem repetidas, não são valorizadas e podem gerar ruídos visuais nas composições. Essa análise comparativa entre as formas dos objetos e as estampas foi possível por ter-se adotado metodologia baseada na livre experimentação, durante o registro fotográfico dos objetos e geração de alternativas de estampas. A amplitude de resultados gráficos dessas etapas forneceu dados para a execução dessa análise, a qual é útil não somente a este mas também a outros projetos de estampas feitas a partir de grafismos, desenhos ou fotografias.

6 Estampas para tecido feitas com objetos do universo da costura Diante das alternativas geradas, foi feita a seleção de doze estampas representativas da variabilidade de resultados gráficos obtidos. Esse conjunto de estampas deveria também apresentar coerência com a análise descrita anteriormente, assim como atender aos requisitos do projeto. A seguir, pode ser visualizada uma amostra com seis estampas. Figura 2: Seis das doze estampas finais do projeto Conclusão As estampas finais exploram as possibilidades da impressão a jato de tinta em tecidos por serem compostas por diversas cores, fotografias e, em alguns casos, desenhos de grandes extensões. As texturas dos objetos agrupam essas estampas em um conjunto coeso e as caracterizam como representações de objetos reais. Essas texturas são essenciais para o cumprimento do requisito de se explorar a metalinguagem e permitir que o observador de um tecido estampado com alguma dessas composições seja remetido ao universo da costura. As estampas apresentam grande variedade de soluções e são adequadas a demandas diversas. Elas permitem adaptação de cores de fundo, organização dos elementos e alteração das dimensões de acordo com as necessidades do cliente. Se utilizadas em peças de roupas de grande extensão, as padronagens e os objetos com os quais são feitas são valorizados. Já pequenas peças relevam detalhes e texturas. Desse modo, as estampas resultantes deste projeto têm grande aplicabilidade em tecidos para roupas e acessórios de moda. Referências CHALHUB, Samira. A metalinguagem. 4. ed. São Paulo: Ática, LUPTON, Ellen; PHILLIPS, Jennifer Cole. Novos fundamentos do design. São Paulo: Cosac Naify, PEZZOLO, Dinah Bueno. Tecidos: história, tramas, tipos e usos. São Paulo: SENAC São Paulo, RUBIM, Renata. Desenhando a superfície. São Paulo: Rosari, 2004.

Exemplos de estamparia, motivos e Rapport

Exemplos de estamparia, motivos e Rapport Exemplos de estamparia, motivos e Rapport Design de Superfície pode ser entendido como a ocupação da superfície de objetos da vida cotidiana como suporte para expressões com significados, além de seu desempenho

Leia mais

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann

Aula 3 - Direção, movimento e ritmo. professor Rafael Hoffmann Aula 3 - Direção, movimento e ritmo professor Rafael Hoffmann Direção Ascenção Intabilidade Direção Direção Todas as formas básicas expressam três direções visuais básicas e significativas: o quadrado,

Leia mais

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian Project IAAPE Pedestrian Accessibility and Attractiveness Indicators: Tool for Urban Walkability Assessment and Management Working Paper No. WP-8 Localização dos inquéritos de rua para Arroios e Gulbenkian

Leia mais

O que há de novo. Audaces Idea

O que há de novo. Audaces Idea O que há de novo Audaces Idea Com o propósito de produzir tecnologia de ponta, o principal requisito da Política de Qualidade da Audaces é buscar a melhoria contínua de seus produtos e serviços. Inovadora

Leia mais

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS. 1º Período 18 de Setembro a 17 de Dezembro [Aulas previstas: 89]

COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS. 1º Período 18 de Setembro a 17 de Dezembro [Aulas previstas: 89] COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA LISBOA ANO LETIVO 2015/2016 DEPARTAMENTO DE ARTES VISUAIS PLANIFICAÇÃO 1º PERÍODO DESENHO A 10º ANO Domínio Perceção visual Expressão gráfica Comunicação visual Calendarização

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2011.1 BRUSQUE (SC) 2013 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 CRIATIVIDADE... 3 02 HISTÓRIA DA ARTE E DO DESIGN... 3 03 INTRODUÇÃO AO... 3 04 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 3

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2011/1 1 1 INTRODUÇÃO AO DESIGN DE MODA Terminologias e conceitos da área. Contextualização e processo de moda. Mercado. Ciência e. 2 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO Leitura analítica e crítica. Gêneros textuais.

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2004/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Concepção e desenvolvimento de desenho. Modelagem. Montagem. Técnicas de aprimoramento. Fichas técnicas. Processo de padronização. Mostruário.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 514502 INTRODUÇÃO AO DESIGN Conceituação e história do desenvolvimento do Design e sua influência nas sociedades contemporâneas no

Leia mais

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano

ROTAS DE APRENDIZAGEM 2015-2016 ED. VISUAL 8.º Ano Projeto 1: ANIMAÇÂO GRÁFICA DA CAPA Professora: Elisabete Mesquita_mesquita.beta@gmail.com Objetivo Geral: Reinventar uma foto do aprendente através do desenho e colagem. Deste estudo resultará a ilustração

Leia mais

Design de superfície informativo para capa de cadernos

Design de superfície informativo para capa de cadernos Design de superfície informativo para capa de cadernos 1. Introdução A oferta crescente de novos produtos acirrou a concorrência entre itens similares existentes no mercado. Para um produto se destacar

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE DESIGN GRÁFICO. Planificação anual

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE DESIGN GRÁFICO. Planificação anual Agrupamento de Escolas Júlio Dantas 1515 ESCOLA SECUNDÁRIA JÚLIO DANTAS LAGOS (00312) CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE DESIGN GRÁFICO Disciplina: sign Gráfico - 10ºH Professores: Mara Taquelim, Rui Calmeiro.

Leia mais

CURSO DE DESIGN DE MODA

CURSO DE DESIGN DE MODA 1 CURSO DE MATRIZ CURRICULAR 2016.1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 49/15, 2015 de 7 de outubro de 2015. SUMÁRIO 2 1ª FASE... 4 01 DESENHO DE MODA I... 4 02 HISTÓRIA: ARTE E INDUMENTÁRIA...

Leia mais

Capítulo 7 Medidas de dispersão

Capítulo 7 Medidas de dispersão Capítulo 7 Medidas de dispersão Introdução Para a compreensão deste capítulo, é necessário que você tenha entendido os conceitos apresentados nos capítulos 4 (ponto médio, classes e frequência) e 6 (média).

Leia mais

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO

Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Interação Humano-Computador Teoria Geral da Gestalt PROFESSORA CINTIA CAETANO Introdução Nossa inteligência pode ser caracterizada pela nossa capacidade de identificar padrões, e o sistema visual é o nosso

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL.

Universidade Federal de Santa Catarina CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. CAPÍTULO 6 GRÁFICOS NO EXCEL. Um gráfico no Excel é uma representação gráfica dos números de sua planilha - números transformados em imagens. O Excel examina um grupo de células que tenham sido selecionadas.

Leia mais

TECITECA: A EXPERIÊNCIA DE ORGANIZAÇÃO DE UM ESPAÇO DE PESQUISA

TECITECA: A EXPERIÊNCIA DE ORGANIZAÇÃO DE UM ESPAÇO DE PESQUISA Introdução 10º Colóquio de Moda 7ª Edição Internacional TECITECA: A EXPERIÊNCIA DE ORGANIZAÇÃO DE UM ESPAÇO DE PESQUISA Teciteca: The Experience Of Organization Of An Area Of Research Perotoni,Taiane;

Leia mais

A CRIAÇÃO DA IMAGEM TÊXTIL: PROCESSOS CONSTRUTIVOS EM DESIGN DE SUPERFÍCIE

A CRIAÇÃO DA IMAGEM TÊXTIL: PROCESSOS CONSTRUTIVOS EM DESIGN DE SUPERFÍCIE A CRIAÇÃO DA IMAGEM TÊXTIL: PROCESSOS CONSTRUTIVOS EM DESIGN DE SUPERFÍCIE Dailene Nogueira da Silva Universidade Estadual Paulista e-mail: dai_nogueira1@hotmail.com Marizilda dos Santos Menezes UNESP

Leia mais

Pesquisa em Design: Inovar, Criar e Realizar

Pesquisa em Design: Inovar, Criar e Realizar M de Lourdes Luz, Doutora, Universidade Veiga de Almeida Nara Iwata, Mestre, Universidade Veiga de Almeida Pesquisa em Design: Inovar, Criar e Realizar M de Lourdes Luz (Curso Design de Jóias - Universidade

Leia mais

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP)

FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) FERRAMENTAS DE CRIATIVIDADE MAPA MENTAL (MIND MAP) 1. O que é Mapa Mental (Mind Map) é um diagrama usado para representar palavras, idéias, tarefas ou outros itens ligados a um conceito central e dispostos

Leia mais

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória

O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória O uso do desenho e da gravura sobre fotografia como práxis poética da memória Vinicius Borges FIGUEIREDO; José César Teatini CLÍMACO Programa de pós-graduação em Arte e Cultura Visual FAV/UFG viniciusfigueiredo.arte@gmail.com

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

Gramática Visual. Composição

Gramática Visual. Composição Gramática Visual Composição Uma comunicação visual composta de formas expressivas possui um conteúdo de valores significativos. As formas são organizadas num espaço limitado: o espaço visual ou campo

Leia mais

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital.

A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. Elementos de Diagramação Comunicação Visual A diagramação é o ato de distribuir os elementos gráficos pontos, linhas, formas, textos, cores, em uma representação gráfica ou digital. É construir, estruturar

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na

Gestalt do Objeto. Teoria Geral da Gestalt. Fundamentado Cientificamente na Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Teoria Geral da Gestalt Fundamentado Cientificamente na Psicologia i da Percepção da Forma Prof. Dr. João Gomes Filho... Setembro. 2006 BIBLIOGRAFIA

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual

Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores. Autor: José Augusto Manzano. Capítulo 1 Abordagem Contextual Algoritmos: Lógica para desenvolvimento de programação de computadores Autor: José Augusto Manzano Capítulo 1 Abordagem Contextual 1.1. Definições Básicas Raciocínio lógico depende de vários fatores para

Leia mais

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt

Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma. Teoria Geral da Gestalt Gestalt do Objeto Sistema de Leitura Visual da Forma Fundamentado Cientificamente na Psicologia da Percepção da Forma Teoria Geral da Gestalt Prof. Dr. João Gomes Filho I 2010 BIBLIOGRAFIA mais a do próprio

Leia mais

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1

Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA Bacharelado em Moda Matriz Curricular 2010-1 Fase Cod. Disciplina I II III IV Prérequisitos Carga Horária Teórica

Leia mais

THE BRAND GUIDE BOOKLET

THE BRAND GUIDE BOOKLET THE BRAND GUIDE BOOKLET APRESENTAÇÃO 1ª Edição Março de 2015 A experiência de uma pedalada perfeita só pode ser intensificada por uma bicicleta perfeita. Audax foi criada por almas aventureiras que entendem

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design gordongroup Sobre o gordongroup gordongroup é uma agência de marketing e comunicação de tempo integral e de balcão único, que oferece um conjunto exclusivo de serviços criativos,

Leia mais

CATÁLOGO DE REFERÊNCIAS PARA A SÍNTESE VISUAL EM PROJETO DE DESIGN DE MODA

CATÁLOGO DE REFERÊNCIAS PARA A SÍNTESE VISUAL EM PROJETO DE DESIGN DE MODA CATÁLOGO DE REFERÊNCIAS PARA A SÍNTESE VISUAL EM PROJETO DE DESIGN DE MODA Catalogue of references for visual synthesis on fashion design project Prado, Marcela Monteiro; Discente; Universidade Estadual

Leia mais

Ilustrações para a campanha publicitária dos Irmãos Green. 1

Ilustrações para a campanha publicitária dos Irmãos Green. 1 Ilustrações para a campanha publicitária dos Irmãos Green. 1 Julia Camargo CALLEGARI 2 Gabriel Muller SPACH 3 Gabriela Antunes SCHETTERT 4 Juliana Beltrão VENERI 5 Pamela Raquel Bruch GROFF 6 Renato BUIATTI

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web Web Design

Tópicos de Ambiente Web Web Design Tópicos de Ambiente Web Web Design Professora: Sheila Cáceres Historia As primeiras formas comunicativas foram mediante elementos visuais. Embora o surgimento da linguagem falada, a linguagem visual continuou

Leia mais

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO

ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO ANIMAL PRINT E MODELOS EXPLICATIVOS DE CONSUMO SIMBÓLICO Animal print and symbolic consumption explaining models Garcia, Maria Carolina; Doutora; Centro Universitário Belas Artes, maria.garcia@belasartes.br

Leia mais

Redação de Trabalhos Técnicos/Científicos

Redação de Trabalhos Técnicos/Científicos Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Métodos e Técnicas de Laboratório em Eletrônica Redação de Trabalhos Técnicos/Científicos Florianópolis,

Leia mais

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo.

Seleção Retangular Esta é uma das ferramentas mais usadas. A seleção será indicada pelas linhas tracejadas que fazem a figura de um retângulo. O que é o Gimp? O GIMP é um editor de imagens e fotografias. Seus usos incluem criar gráficos e logotipos, redimensionar fotos, alterar cores, combinar imagens utilizando o paradigma de camadas, remover

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES. Ano letivo 2015/2016 EXPRESSÃO E EDUCAÇÃO PLÁSTICA Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1.º Ciclo PLANIFICAÇÃO ANUAL - EXPRESSÕES Ano letivo 2015/2016 3.º Ano Descoberta e organização progressiva de volumes Modelagem

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO 1 CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN GRÁFICO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) Consuni nº. 63/14, 2011 de 10 de dezembro de 2014. 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 3 01 INTRODUÇÃO AO CONHECIMENTO TECNOLÓGICO...

Leia mais

Processo de criação para peças gráficas

Processo de criação para peças gráficas 64 Embrapa Soja. Documentos, 276 Processo de criação para peças gráficas Claudinéla Sussai de Godoy 1 ; Gilceana Soares Moreira Galerani 2; Ana Luisa C. L. Cavalcante'. 1AIuna de graduação de Desenho Industrial-UNOPAR,

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010.

Clique no menu Iniciar > Todos os Programas> Microsoft Office > Publisher 2010. 1 Publisher 2010 O Publisher 2010 é uma versão atualizada para o desenvolvimento e manipulação de publicações. Juntamente com ele você irá criar desde cartões de convite, de mensagens, cartazes e calendários.

Leia mais

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza

Curso de Design Linguagem Visual. Luciano Pedroza Curso de Design Linguagem Visual Luciano Pedroza O Designer O designer, ao contrário do pensamento comum não é artista, mas utiliza elementos da arte no desenvolvimento do projeto. O artista, por definição,

Leia mais

UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL

UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL UMA PROPOSTA DE USO DE INTERFACE GRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO DO BORDADO MANUAL A proposal use of graphic interface for development manual embroidery Mendes, Isabella Filipini; UTFPR Apucarana, isa_filipini70@hotmail.com

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 04035356 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA DESIGN GRÁFICO EM PUBLICIDADE ETAPA 3 Período

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE ARTES- CEART BACHARELADO EM MODA - HABILITAÇÃO EM DESIGN DE MODA Coleção de moda para o público infantil aliando Arte & Cultura à técnica de estamparia

Leia mais

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress

Pág 31. UC Introdução a Informática Docente: André Luiz Silva de Moraes 1º sem Redes de Computadores. 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress 5 Introdução ao uso do BrOffice Impress O pacote BrOffice é um pacote de escritório muito similar ao já conhecido Microsoft Office e ao longo do tempo vem evoluindo e cada vez mais ampliando as possibilidades

Leia mais

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano

Conteúdos Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Bimestrais Sugeridos para a Área Artes Visuais 6º Ano Compreendendo as Artes Visuais como área de conhecimento, que busca a formação de um sujeito atuante nos diferentes contextos da sociedade, pretendemos

Leia mais

IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1

IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1 IMAGENS 3D VIRTUAIS NO ENSINO DE CIÊNCIAS: RECONSTRUÇÕES DE UM MODELO ANALÓGICO DO OLHO HUMANO EM APLICATIVO MULTIMÍDIA 1 Welerson R. MORAIS (CEFET-MG) 2 Ronaldo L. NAGEM (CEFET-MG) 3 Resumo O uso de imagens

Leia mais

Representação Carga horária:?

Representação Carga horária:? DSG 1006 - Projeto Avançado Usos e Impactos Sócio Ambientais 2012.1 Supervisão: Nathalia Cavalcante Tópico Representação Carga horária:? Trabalhar questões relativas a processos, técnicas, ferramentas

Leia mais

Criando Quiz com BrOffice.impress

Criando Quiz com BrOffice.impress Criando Quiz com BrOfficeimpress A ferramenta de apresentação possibilita o desenvolvimento de várias atividades interativas como: Sete erros Quiz (Perguntas/Respostas), Colocar em ordem objetos, alfabeto,

Leia mais

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes.

Diagrama de Classes. Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. 1 Diagrama de Classes Um diagrama de classes descreve a visão estática do sistema em termos de classes e relacionamentos entre as classes. Um dos objetivos do diagrama de classes é definir a base para

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2007/1 1 1 ACESSÓRIOS Fase: 5ª Carga Horária: 30h/a Créditos: 02 Pesquisa e planejamento. Conceituação. Concepção de produtos de moda voltada para o mercado de acessórios. 2 ATIVIDADES COMPLRES Fase: -x- Carga

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

Resultados Experimentais

Resultados Experimentais Capítulo 6 Resultados Experimentais Este capítulo é dedicado às avaliações experimentais do sistema CBIR. Os experimentos aqui realizados têm três objetivos principais: comparar os nossos resultados com

Leia mais

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART

Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART Rodrigo Pascoal Lopes da Silva Vinicius Araújo Mille Wladas Savickas OPTICAL ART SÃO PAULO 2011 OPTICAL ART Movimento da arte abstrata que se desenvolveu na década de 1960. A OP ART (abreviatura de óptical

Leia mais

O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA

O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA 1 O ENSINO DE DESENHO DE MODA: uma experiência de monitoria MARIA DE FATIMA SILVA E ISA MARIA MEIRA ROCHA DE LIMA INTRODUÇÃO Este artigo relata a experiência de monitora em Desenho de Moda, no Curso Superior

Leia mais

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO

O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO O USO DA LINGUAGEM DO DESENHO NO CONTEXTO DOS MEIOS DIGITAIS UMA EXPERIÊNCIA DE ENSINO Marly de Menezes Gonçalves, Doutoranda em Arquitetura pela FAU/USP FASM - Faculdade Santa Marcelina professora do

Leia mais

Programa de Unidade Curricular

Programa de Unidade Curricular Programa de Unidade Curricular Faculdade Arquitectura e Artes Licenciatura Design Unidade Curricular INTRODUÇÃO ÀS TECNOLOGIAS DIGITAIS Semestre: 1 Nº ECTS: 3,0 Regente Sandra de Magalhães Campos, Arq.

Leia mais

Editorial de Moda: Anos 60 1

Editorial de Moda: Anos 60 1 Editorial de Moda: Anos 60 1 Lucas Paiva de OLIVEIRA 2 Rosana Vilanova LACERDA 3 Paola Monteiro CORRÊA 4 Gabriella Grendene ZANCHI 5 Renata STODUTO 6 Centro Universitário Metodista do IPA, Porto Alegre,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN

CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JARAGUÁ DO SUL PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM DESIGN Matriz Curricular do Curso de Design Fase Cód. Disciplina Créditos Carga Horária 01

Leia mais

Wilson Moraes Góes. Novatec

Wilson Moraes Góes. Novatec Wilson Moraes Góes Novatec Copyright 2014 Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo,

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique

CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique CURSO: Desenvolvimento Web e Comércio Eletrônico DISCIPLINA: Gestão da Qualidade Professor: Ricardo Henrique UNIDADE 6 GERENCIAMENTO DA ROTINA 1 INTRODUÇÃO 3 O GERENCIAMENTO DA ROTINA 4 CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Fundamentos de design

Fundamentos de design Fundamentos de design Uma das empresas de comunicação e marketing mais destacadas de Ottawa, Canadá, o gordongroup oferece um design premiado para uma oferta completa de produtos de comunicação de identidades

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Bacharelado em Sistemas de Informação Trabalho de Diplomação

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Bacharelado em Sistemas de Informação Trabalho de Diplomação Caros alunos e orientadores de conteúdo e acadêmico, Este documento ilustra quais capítulos devemos possuir na monografia de (no mínimo), e o que cada um contempla. O formato deverá ser o utilizado pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO. Relatório Perfil Curricular CICLO GERAL OU CICLO BÁSICO AR081- FOLCLORE BRASILEIRO OBRIGATÓRIO 1 30 30 60 3 Fórmula: AR280 AR280- FOLCLORE BRASILEIRO FOLCLORE, ORIGENS, CAMPOS DE ATUAÇÃO E INTERLIGAÇÃO COM OUTRAS CIÊNCIAS, INFLUÊNCIA

Leia mais

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO

SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO SESSÃO 5: DECLINAÇÃO SOLAR AO LONGO DO ANO Respostas breves: 1.1) 9,063 N 1.2) norte, pois é positiva. 1.3) São José (Costa Rica). 2) Não, porque Santa Maria não está localizada sobre ou entre os dois

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM GUARDA-ROUPA DE LONA. Fabrício V. A. de SOUZA, Rafael BELUSSO

DESENVOLVIMENTO DE UM GUARDA-ROUPA DE LONA. Fabrício V. A. de SOUZA, Rafael BELUSSO DESENVOLVIMENTO DE UM GUARDA-ROUPA DE LONA Fabrício V. A. de SOUZA, Rafael BELUSSO Instituto de Estudos Superiores da Amazônia (IESAM) Av. Gov. José Malcher, 1148 66.055-260 Belém PA Fvini_souza@hotmail.com

Leia mais

Atividade 7. Figura 1 (1) Figura 2 (2)

Atividade 7. Figura 1 (1) Figura 2 (2) Atividade 7 1) PROBLEMATIZAÇÃO: No dia-a-dia não é difícil nos depararmos com situações em que há o emprego de superfícies curvas refletindo luz. Dentre elas, podem ser citados os espelhos esféricos e

Leia mais

Aula 8 - Contraste. professor Rafael Hoffmann

Aula 8 - Contraste. professor Rafael Hoffmann Aula 8 - Contraste professor Rafael Hoffmann Estar contra. Comparação, na qual as diferenças se tornam claras. Usado para sugerir distinções visuais. Ao compararmos o dessemelhante, aguçamos o significado

Leia mais

a) VISUAL MERCHANDISING

a) VISUAL MERCHANDISING a) VISUAL MERCHANDISING (1) Introdução Enquanto o marketing planeja, pesquisa avalia e movimenta o produto desde a sua fabricação até sua chegada ao ponto-de- venda, o merchandising representa o produto

Leia mais

Da Prancheta ao Computador...

Da Prancheta ao Computador... Da Prancheta ao Computador... Introdução Como necessidade básica de se localizar ou mesmo para detalhar projetos de quaisquer obras, ao longo do tempo inúmeras formas de representar paisagens e idéias

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Tutorial - Vetorizando uma fotografia

Tutorial - Vetorizando uma fotografia Tutorial - Vetorizando uma fotografia Thiago Santos 02-2013 Vetorizando uma fotografia Meu nome é Thiago Santos e vou mostrar a vocês como vetorizar uma fotografia. O processo não é muito complicado, mas

Leia mais

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1

PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009. PROFESSORA: Bianca de Souza NÚCLEO 3 TURMA N3-8 OBJETIVOS 1 PLANEJAMENTO TRIMESTRAL III Trimestre / 2009 PROFESSORA: Bianca de Souza OBJETIVOS 1 Os objetivos para o terceiro trimestre com a turma N3-8 é o estudo e a construção de uma maquete da escola. Uma sequência

Leia mais

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM

EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM EXERCÍCIOS E EXPERIMENTAÇÕES: ABORDAGENS DO ENSINO DE ARTE EM Resumo: SALA DE AULA Mariza Barbosa de Oliveira mariza.barbosa.oliveira@gmail.com Escola Municipal Professor Eurico Silva As experiências relatadas

Leia mais

Organograma, funcionograma, fluxograma

Organograma, funcionograma, fluxograma CENTRO UNIVERSITÁRIO DE BARRA MANSA CURSO DE NUTRIÇÃO ADMINISTRAÇÃO DE UNIDADES DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO AULA 28 Profa. M.Sc Vanessa Vasconcelos Fonseca Mestre em Ciência de Alimentos Especialista MBA

Leia mais

O conceito de Affordance como estratégia generativa no design de produtos orientado a versatilidade.

O conceito de Affordance como estratégia generativa no design de produtos orientado a versatilidade. O conceito de Affordance como estratégia generativa no design de produtos orientado a versatilidade. Dissertação (Mestrado) Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Orientada pelo Prof. Dr. Benamy Turkincz,

Leia mais

EXTINÇÃO 1 PUC-SP. Keller e Schoenfeld (1968), por exemplo, referem-se à extinção da seguinte maneira:

EXTINÇÃO 1 PUC-SP. Keller e Schoenfeld (1968), por exemplo, referem-se à extinção da seguinte maneira: EXTINÇÃO 1 MARIA AMALIA ANDERY E TEREZA MARIA SÉRIO PUC-SP Quando falamos em comportamento operante estamos falando de uma relação entre uma classe de respostas, as conseqüências por ela produzidas e as

Leia mais

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS

PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS PROJETO ATIVIDADES ARTÍSTICAS/CRIATIVAS CONSULTORIA PEDAGÓGICA: Prof. Dr. Lutiere Dalla Valle Professor da Universidade Federal de Santa Maria atua na formação de professores de artes visuais e artistas

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 39 Relatório de Projeto Técnicas de Estruturação Tópicos Abordados Relatório de Projeto. Técnicas de Estruturação para uma boa Avaliação. Elaboração do Relatório

Leia mais

VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo. III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo. I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo

VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo. III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo. I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo VII Encontro Nacional de Estudos do Consumo III Encontro Luso-Brasileiro de Estudos do Consumo I Encontro Latino-Americano de Estudos do Consumo Mercados Contestados As novas fronteiras da moral, da ética,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DA PRENSA TÉRMICA SUBLIMÁTICA 8X1

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DA PRENSA TÉRMICA SUBLIMÁTICA 8X1 MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DA PRENSA TÉRMICA SUBLIMÁTICA 8X1 1. Identificação dos elementos da prensa 8X1: JTSD72 Antes de ligar a prensa e iniciar seu trabalho é indispensável verificar se a

Leia mais

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO

A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO A SEGUIR ALGUMAS DICAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE UM PROJETO CIENTÍFICO DESENVOLVENDO UM PROJETO 1. Pense em um tema de seu interesse ou um problema que você gostaria de resolver. 2. Obtenha um caderno

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DA PRENSA TÉRMICA DE CANECAS JTSB03

MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DA PRENSA TÉRMICA DE CANECAS JTSB03 MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA UTILIZAÇÃO DA PRENSA TÉRMICA DE CANECAS JTSB03 1. Identificação dos elementos da prensa JTSB03: Antes de ligar a prensa e iniciar seu trabalho é indispensável verificar se a mesma

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

PADRÃO PLÁSTICO TOM.

PADRÃO PLÁSTICO TOM. PADRÃO PLÁSTICO TOM. Os princípios de dinâmica de um padrão tonal são muito parecidos com o que vimos em relação aos da linha. Ao colocarmos algumas pinceladas de preto sobre um campo, eles articulam uma

Leia mais

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas

O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas O advento das mídias sociais digitais e o mercado de trabalho para o profissional de relações públicas Julie Caroline de Alcântara Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: juliealcantara.31@gmail.com

Leia mais

Interação Humana com Computador

Interação Humana com Computador Interação Humana com Computador Tecnologias de Computadores André Ferraz N.º24881 Jason Costa N.º25231 Ana Pereira N.º25709 IHC Estudo, planeamento e desenho de uma interação entre o utilizador e computadores.

Leia mais

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I

Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Orientações para Mostra Científica IV MOSTRA CIENTÍFICA 2014 COLÉGIO JOÃO PAULO I Tema VIDA EFICIENTE: A CIÊNCIA E A TECNOLOGIA A SERVIÇO DO PLANETA Cronograma Orientações Pré-projeto Metodologia Relatório

Leia mais

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL

UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL UM CAMINHO DE UMA PRODUÇÃO AUDIOVISUAL Existem infinitas maneiras de organizar, produzir e finalizar uma obra audiovisual. Cada pessoa ou produtora trabalha da sua maneira a partir de diversos fatores:

Leia mais

Titulo Pesquisa e Criação em Moda. Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo

Titulo Pesquisa e Criação em Moda. Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo Titulo Pesquisa e Criação em Moda Autor Iara Mesquita da Silva Braga * Resumo A moda é um setor de mercado complexo, de vasta abrangência de atividades e significados. O atual profissional de moda deve

Leia mais

Software Tutorial sobre Sistema Solar

Software Tutorial sobre Sistema Solar Software Tutorial sobre Sistema Solar Alan Correa, Antônio Rocir, Sandro Niederauer Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) Rua 24 de maio, 141 95520-000 Osório RS Brasil {sandroniederauer, alan.sms}@hotmail.com,

Leia mais

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1

Ementário do curso de Design de Moda Grade 2008/1 1 1 CRIATIVIDADE Fase: 1ª Carga Horária: 60h Créditos: 04 Conceitos de criatividade. Criação e moda. Linguagem, identidade e estilo. Processo criativo. Desenvolvimento da capacidade da análise e percepção

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL

MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL MATERNAL I OBJETIVOS GERAIS DA EDUCAÇÃO INFANTIL Desenvolver uma imagem positiva de si, atuando de forma cada vez mais independente, com a confiança em suas capacidades e percepção de suas limitações;

Leia mais

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA

ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA ALTERAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO DE UMA INDÚSTRIA ARTESANAL PARA UMA PRODUÇÃO DEDICADA Edson Augusto Lopes RESUMO Atualmente com a globalização as indústrias vem investindo em máquinas e equipamentos modernos

Leia mais