Os computadores como fonte de poluição sonora

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os computadores como fonte de poluição sonora"

Transcrição

1 Os computadores como fonte de poluição sonora Paulo Cabral Director da Unidade de Negócio de Laboratórios Teresa Canelas Responsável técnico da Unidade de Negócio de Laboratórios Resumo Laboratório de Metrologia e Ensaios do IEP A protecção da saúde e a garantia do conforto das pessoas, tanto no desempenho das suas funções profissionais como nas suas actividades de lazer, são hoje entendidas como fundamentais para minimizar os riscos resultantes da exposição humana às diversas fontes de poluição, incluindo a sonora. Nesse sentido, importa conhecer os níveis sonoros que são emitidos pelos equipamentos com os quais se trabalha, designadamente computadores e demais equipamentos de tecnologias de informação e de comunicação (TIC). A medição do ruído emitido pelos equipamentos de TIC, segundo a norma internacional ISO 7779, permite seleccionar os equipamentos tendo em consideração a potência sonora declarada pelo seu fabricante, de acordo com o estabelecido na norma ISO Permite também prever os níveis de pressão sonora que irão existir num posto de trabalho ou num ambiente doméstico. A crescente consciencialização dos indivíduos e das instituições para os riscos decorrentes da exposição humana a níveis sonoros elevados leva a prever que num futuro próximo venha a tornar-se obrigatória na Europa a indicação dos valores da potência sonora emitida pelos equipamentos de TIC. 1 Introdução A poluição sonora constitui um problema crescente, sendo uma das principais formas de degradação do ambiente no mundo actual. Um estudo recente da Comissão Europeia mostra que morrem por ano 50 mil cidadãos europeus de causas directamente relacionadas com a exposição a níveis sonoros superiores aos recomendados pela Organização Mundial de Saúde. Convivemos hoje com níveis sonoros muito elevados. Exemplos disso são os centros comerciais sobrelotados; o tráfego rodoviário, ferroviário ou aéreo; o nosso local de trabalho. Também nas nossas casas o ruído de fundo frequentemente ultrapassa em muito o nível recomendado. À medida que a tecnologia evoluiu e os preços dos equipamentos diminuíram substancialmente, o número de computadores utilizados, tanto a nível pessoal como nos locais de trabalho, cresceu exponencialmente, o que introduziu nas nossas vidas uma nova fonte de ruído, omnipresente mas nem por isso menos incomodativa Porquê medir o ruído emitido pelos computadores?

2 O ruído (em inglês noise, com origem na palavra latina nausea, que significava doença) tem sido associado apenas às doenças auditivas, como a perda da audição. No entanto, também afecta a produtividade e a concentração das pessoas a ele expostas, causando também stress. Embora não se possa atribuir a perda de audição ao ruído produzido por computadores, o stress que lhe está associado constitui o principal risco para a saúde. Mesmo na presença de um reduzido número de máquinas e com níveis sonoros relativamente baixos, o ruído produzido pelos computadores pode aumentar o stress e, consequentemente, os riscos para a saúde. A Organização Mundial de Saúde recomenda a este respeito um valor máximo de ruído de fundo de 35 db(a) para permitir uma boa inteligibilidade da fala e para evitar a perturbação de terceiros que se encontrem em recintos contíguos. Identificar a contribuição acústica de cada computador através da avaliação da sua potência sonora é o primeiro passo para a gestão do ruído no ambiente que aqueles partilham com os seres humanos. O conhecimento do valor da potência sonora de cada máquina permite estimar o nível sonoro que irá existir num determinado espaço, sabendo qual o número de máquinas que aí serão colocadas, obviamente considerando apenas esta fonte de ruído e sem ter conta as características acústicas do local. Assim, o conhecimento dos níveis de potência sonora emitidos pelos computadores permite uma escolha mais ponderada destes equipamentos Principais fontes de ruído num computador O ruído produzido por um computador típico varia entre os 25 db(a) e os 50 db(a) [7]. Um computador cujo ruído seja de 30 db(a) é considerado bastante silencioso, enquanto que um computador que produza um nível de ruído entre 40 db(a) e 50 db(a) é identificado pelos utilizadores como sendo suficientemente ruidoso para causar stress se for utilizado durante um período de tempo prolongado. Este problema tem vindo a ser agravado pelas exigências crescentes dos utilizadores destes equipamentos, em termos da redução dos tempos de cálculo e do aumento da velocidade de processamento. O aumento das frequências origina um maior aquecimento dos circuitos, com a consequente necessidade de maior arrefecimento, fazendo das ventoinhas de dissipação de calor o elemento mais crítico na emissão de ruído. Todavia, também existem outras fontes de ruído, tais como os discos duros convencionais e outros tipos de drives (tais como CD e DVD), a fonte de alimentação do computador e até o design da própria caixa. 2. Objectivos O presente artigo apresenta alguns dos resultados obtidos a partir de um conjunto de ensaios, cujo objectivo foi determinar o ruído acústico emitido por computadores de secretária. Para tal, foi avaliada a potência sonora emitida pelo equipamento e foi medido o nível de pressão sonora na posição do utilizador. Para este estudo foram considerados dois computadores distintos, de fabricantes diferentes. 3. Método utilizado Para a realização deste trabalho foi utilizado o método preconizado na norma internacional ISO 7779:2010, Acústica. Medição do ruído de condução aérea emitido por equipamentos de tecnologia de informação e de telecomunicações [1].

3 Em lugar do método preferencial que a ISO 7779 refere, com utilização de uma câmara anecóica ou semi-anecóica, foi seguido o método da norma ISO 3744:1994, Acústica. Determinação dos níveis de potência sonora e dos níveis de energia sonora de fontes sonoras através da potência sonora. Métodos de engenharia em campo livre sobre um plano reflector [3]. Para a determinação do nível de pressão sonora na posição do utilizador do computador foi seguido o método preconizado pela ISO 11201:2010, Acústica. Ruído emitido por maquinaria e equipamento. Determinação dos níveis de pressão sonora emitidos num posto de trabalho e noutras posições especificadas para um campo livre sobre um plano reflector com correcções ambientais desprezáveis [4] Posições do microfone para a avaliação da potência sonora As medições foram efectuadas de acordo com o esquema que está apresentado na figura 1. Figura 1 1,..., 9: pontos de medição da potência sonora, cf. ISO 3744:1994 As coordenadas para colocação do microfone, de acordo com o método estabelecido na norma, são função das dimensões da amostra. A título de exemplo, indicam-se na tabela seguinte as coordenadas dos pontos de medição correspondentes a um dos computadores que foram objecto deste estudo, o qual designaremos por A. Tabela 1 Coordenadas, em metros (computador A ) Posições X Y Z 1 0,50 0,00 0,37 2 0,00 0,44 0,37 3-0,50 0,00 0,37 4 0,00-0,44 0,37 5 0,50 0,44 0,73 6-0,50 0,44 0,73 7-0,50-0,44 0,73 8 0,50-0,44 0,73 9 0,00 0,00 0,73

4 3.2. Posições do microfone para a medição do nível de pressão sonora no posto do utilizador, na posição sentado Para a avaliação da pressão sonora no posto de trabalho, na posição correspondente ao utilizador sentado, foram seguidas as orientações da ISO 11201:2010 [4]. As posições correspondentes do microfone são esquematizadas na figura 2. Figura 2 P3: ponto de medição da pressão sonora, cf. ISO 7779: Resultados obtidos Nas tabelas 2 e 3 apresenta-se um resumo dos resultados obtidos nas avaliações efectuadas aos computadores A e B. Optou-se por indicar o nível de potência sonora em B (bel), no sentido de procurar não causar confusão aos utilizadores no acto da compra do equipamento, já que o db (decibel) está largamente difundido para exprimir outra grandeza no domínio da acústica, o nível de pressão sonora. Entre estas duas grandezas, potência sonora e pressão sonora, podem existir grandes diferenças de valores, sendo o valor do nível de potência sonora superior ao do nível de pressão sonora Valores encontrados para os dois computadores objecto do estudo Tabela 2 Computador A : níveis sonoros medidos (níveis sonoros que serão declarados pelo fabricante ao colocar o equipamento no mercado) Parâmetro Em funcionamento normal (Computador a executar tarefas de leitura e gravação de ficheiros de e para o disco rígido, e leitura e gravação de CDs ou DVDs) Em repouso (Computad or ligado (com energia) mas sem estar

5 Nível de potência sonora, L wad (Nota: 1 B = 10 db) Nível de pressão sonora, na posição do utilizador, L pam executar qualquer tarefa) 4,8 B 4,6 B 34 db 32 db Tabela 3 Computador B : níveis sonoros medidos Parâmetro Nível de potência sonora, L wad (Nota: 1 B = 10 db) Nível de pressão sonora, na posição do utilizador, L pam Em funcionamento normal Em repouso 4,4 B 3,6 B 33 db 26 db É de salientar que em nenhum dos computadores avaliados, A e B, se registaram tons discretos proeminentes aos 16 khz, nem ruído impulsivo. Quando perceptíveis, tais sons podem ser muito incomodativos para o utilizador. 5. Conclusões Pela análise dos resultados obtidos pode concluir-se que, no que respeita ao nível de pressão sonora, ambos os computadores analisados se enquadram, do ponto de vista do utilizador, dentro dos níveis recomendados pela Organização Mundial de Saúde. No entanto, atendendo ao nível de potência sonora encontrada, alguns utilizadores poderão considerar o ruído emitido pelo computador como stressante, principalmente numa utilização prolongada e/ou se o computador for utilizado em simultâneo com outros equipamentos. Referências [1] Norma internacional ISO 7779:2010 Acoustics. Measurement of airborne noise emitted by information technology and telecommunications equipment. [2] Norma internacional ISO 9296:1988 Acoustics. Declared noise emission values of computer and business equipment. [3] Norma internacional ISO 3744:2010 Acoustics. Determination of sound power levels and sound energy levels of noise sources using sound pressure. Engineering methods for an essentially free field over a reflecting plane. [4] Norma internacional ISO 11201:2010 Acoustics. Noise emitted by machinery and equipment. Determination of emission sound pressure levels at a work station and at other specified positions in an essentially free field over a reflecting plane with negligible environmental corrections. [5] Norma ECMA-74, 11th edition, Measurement of Airborne Noise emitted by Information Technology and Telecommunications Equipment.

6 [6] Norma ECMA-109, 5th edition, Declared Noise Emission Values of Information Technology and Telecommunications Equipment. [7] Mike Chin, An Introduction to Measuring PC Noise - VIA Technologies, Inc. [8] The Silent PC -

MEDIÇÃO DO RUÍDO EMITIDO POR EQUIPAMENTOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES

MEDIÇÃO DO RUÍDO EMITIDO POR EQUIPAMENTOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Acústica 2008 20-22 de Outubro, Coimbra, Portugal Universidade de Coimbra MEDIÇÃO DO RUÍDO EMITIDO POR EQUIPAMENTOS DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÕES Teresa Canelas, Paulo Cabral, tc@iep.pt;

Leia mais

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 2. AS NORMAS DE RUÍDO 3. DEFINIÇÕES UTILIZADAS NAS NORMAS DE ENSAIO = P

RESUMO 1. INTRODUÇÃO 2. AS NORMAS DE RUÍDO 3. DEFINIÇÕES UTILIZADAS NAS NORMAS DE ENSAIO = P ASPECTOS NORMATIVOS REFERENTES AOS ENSAIOS DE RUÍDO EM MÁQUINAS GIRANTES ADOTADOS PEA WEG Agnaldo Reus Medeiros Rodrigues - cq-lab1@weg.com.br Seção de Controle de Produtos I WMO RESUMO Este trabalho procura

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa

Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO. Formadora - Magda Sousa Qualificação dos Profissionais da Administração Pública Local RISCOS FÍSICOS RUÍDO Formadora - Magda Sousa O Ruído no Meio Ambiente O problema do Ruído no meio ambiente tem-se tornado, cada vez mais, numa

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 11-Set-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO

TÍTULO: A nova lei do ruído. AUTORIA: Ricardo Pedro. PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO TÍTULO: A nova lei do ruído AUTORIA: Ricardo Pedro PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 166 (Setembro/Outubro de 2006) INTRODUÇÃO Foi publicado no passado dia 6 de Setembro o Decreto-Lei n.º 182/2006 que transpõe

Leia mais

Consultoria Assessoria Projetos

Consultoria Assessoria Projetos Consultoria Assessoria Projetos Giner Sound Vibration Transmissão Interfaces Acústica Recepção Massa Rigidez Amortecimento Conforto Acústico Interno em Hotéis José Carlos Giner, BSc(EEng) CEng Aco Principal

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

Avaliação do ambiente sonoro de espaços de informática educativa

Avaliação do ambiente sonoro de espaços de informática educativa Buenos Aires, 5, 6 y 7 de noviembre de 2008 Avaliação do ambiente sonoro de espaços de informática educativa Maria Fernanda de Oliveira Nunes (a), Bianca Polidoro de Oliveira Franco (b), Monika Maria Stumpp

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a)

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a) Desempenho Acústico DESEMPENHO ACÚSTICO O ruído gerado pela circulação de veículos, crianças brincando no playground e música alta no apartamento vizinho são causas de desentendimentos e de estresse. Por

Leia mais

DC112d/DC112. Dosímetro / Dosímetro analisador

DC112d/DC112. Dosímetro / Dosímetro analisador Dosímetro / Dosímetro analisador D_DC112dDC112_v0027_20120703_PRT Aplicações Avaliação da exposição dos trabalhadores ao ruído no trabalho, simultaneamente à verificação dos EPI (Equipamentos de Protecção

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

ABSTRACT RESUMO INTRODUÇÃO

ABSTRACT RESUMO INTRODUÇÃO CERTIFICAÇÃO ACÚSTICA DE MÁQUINAS PARA TRABALHAR MADEIRA: COMPARAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SONOROS DECLARADOS PELO FABRICANTE E OS NÍVEIS SONOROS MEDIDOS EM UTILIZAÇÃO PRÁTICA REFERÊNCIA PACS: 43.15.+S Falcão,

Leia mais

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO

O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO O RUÍDO LABORAL E A SUA PREVENÇÃO Humberto J. P. Guerreiro Engenheiro de Minas INTRODUÇÃO O ruído é um dos agentes físicos que gera mais incomodidade. É responsável por conflitos entre pessoas, entre pessoas

Leia mais

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 14-Jun-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Conjuntura: Retracção no mercado português e perspectivas de ligeira melhoria no mercado externo. IEP: Os computadores como fonte de poluição sonora

Conjuntura: Retracção no mercado português e perspectivas de ligeira melhoria no mercado externo. IEP: Os computadores como fonte de poluição sonora 320 - JULHO AGOSTO 2012 Periodicidade: Bimestral Preço de capa: 1,50 Conjuntura: Retracção no mercado português e perspectivas de ligeira melhoria no mercado externo Entrevista ao Director Geral da Rittal

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene do Trabalho. Volume XVII Ruído. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVII Ruído um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa autorização

Leia mais

Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz

Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz Mapa de Ruído do Concelho da Figueira da Foz Índice 1. INTRODUÇÃO... 1 2. JUSTIFICAÇÃO DO PROJECTO... 2 3. ASPECTOS METODOLÓGICOS... 3 3.1. Definição do Âmbito e Objectivos do Estudo... 3 3.2. Aquisição

Leia mais

A utilização de smartphones na monitorização do ruído

A utilização de smartphones na monitorização do ruído A utilização de smartphones na monitorização do ruído Patrícia Susana Contente Pereira Dissertação em Engenharia do Ambiente, Perfil de Gestão e Sistemas Ambientais Orientador: Prof. Doutor Francisco Manuel

Leia mais

FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos

FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos FlowGrid para Ventiladores Axiais e Centrífugos Menos ruído - mais qualidade de vida A Escolha do Engenheiros Inovando para as pessoas. O FlowGrid foi desenvolvido para proteção eficiente contra o ruído

Leia mais

ESTUDO ACÚSTICO DE BANCOS DE IGREJA

ESTUDO ACÚSTICO DE BANCOS DE IGREJA 42º CONGRESO ESPAÑOL DE ACÚSTICA ENCUENTRO IBÉRICO DE ACÚSTICA EUROPEAN SYMPOSIUM ON ENVIRONMENTAL ACOUSTICS AND ON BUILDINGS ACOUSTICALLY SUSTAINABLE ESTUDO ACÚSTICO DE BANCOS DE IGREJA PACS: 43.55.EV

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1

Cátia Homem, 9 de Janeiro de 2008 Página 1 Escola Secundária Vitorino Nemésio Física e Química A Componente de física 11º ano Actividade Laboratorial 2.1 Osciloscópio Nome: Turma: Nº: Classificação: docente: 1. Questão problema: Perante o aumento

Leia mais

Análise ao Novo Regulamento Geral do Ruído

Análise ao Novo Regulamento Geral do Ruído Análise ao Novo Regulamento Geral do Ruído Augusto Miguel Lopes Director Geral do Laboratório de Acústica e Vibrações da ECO 14 Em 17 de Janeiro de 2007 foi publicado um Novo Regulamento Geral do Ruído

Leia mais

Espectro da Voz e Conversão A/D

Espectro da Voz e Conversão A/D INSTITUTO SUPERIOR TÉCNICO LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES GUIA DO 1º TRABALHO DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS DE TELECOMUNICAÇÕES I Espectro da Voz e Conversão A/D Ano Lectivo de

Leia mais

Evolução da legislação européia

Evolução da legislação européia Evolução da legislação européia RUIDO - VIBRAÇÕES Prof. J. Malchaire Universidade católica de Louvain RUÍDO: Unidades p peak P a ponderação C L EX,8h db(a) valor médio ponderadono tempo de um periodo representativo

Leia mais

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO

AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA MAPAS ESTRATÉGICOS DE RUÍDO ASCENDI AUTO-ESTRADA A41 LANÇO FREIXIEIRO / ALFENA - RESUMO NÃO TÉCNICO - - ADITAMENTO - JUNHO 2010 CERTINOR Engenharia e Consultoria, Lda. DIVISÃO DE ACÚSTICA APLICADA Av. da República, n.º 2503, Sala

Leia mais

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD

O DVD. Tecnologia Digital Versatitle Disc. O aparecimento do DVD O DVD O DVD O DVD Tecnologia Digital Versatitle Disc O DVD O DVD designado por Digital Video Disc, actualmente conhecido por Digital Versatitle Disc. Tal como o CD o DVD é uma tecnologia que possui várias utilizações,

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios

Ambiente de trabalho. Configurações. Acessórios Ambiente de trabalho Configurações Acessórios O Sistema Operativo (SO) é o conjunto de programas fundamentais que permitem que o computador funcione e comunique com o exterior. Actualmente, o Windows é

Leia mais

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões

Considerações Finais. Capítulo 8. 8.1- Principais conclusões Considerações Finais Capítulo 8 Capítulo 8 Considerações Finais 8.1- Principais conclusões Durante esta tese foram analisados diversos aspectos relativos à implementação, análise e optimização de sistema

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O que é a Informática? A palavra Informática tem origem na junção das palavras: INFORMAÇÃO + AUTOMÁTICA = INFORMÁTICA...e significa, portanto, o tratamento da informação

Leia mais

MEDIDAS DE ATENUAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO URBANO PARA O CONFORTO ACÚSTICO EM ÁREAS RESIDENCIAIS

MEDIDAS DE ATENUAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO URBANO PARA O CONFORTO ACÚSTICO EM ÁREAS RESIDENCIAIS MEDIDAS DE ATENUAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO URBANO PARA O CONFORTO ACÚSTICO EM ÁREAS RESIDENCIAIS NUNES, Maria Fernanda de O. (1); DORNELLES, Grasiela T. (2); SOARES, Igor N. (2) (1) Arquiteta, Mestre em

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação;

O SOM. 2. Um fenómeno vibratório que produz essa sensação; O SOM Segundo a Diciopédia, o som pode ser: 1. Física: sensação auditiva produzida por vibrações mecânicas de frequência compreendida entre determinados valores (20 e 20 000 vibrações por segundo, em média);

Leia mais

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA

INTRODUÇÃO À ACÚSTICA INTRODUÇÃO À ACÚSTICA 1. Introdução As sociedades industriais com o seu desenvolvimento tecnológico têm contribuído para o aumento dos níveis de ruído, sendo um dos principais factores de risco para a

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada

Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Memória Descritiva de Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo de Ponta Delgada Sistema de Comunicação Marítima para o Porto de Abrigo 1(10) Índice 1. Objectivo... 3 2. Descrição do Sistema

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

Modelos de cobertura em redes WIFI

Modelos de cobertura em redes WIFI Departamento de Engenharia Electrotécnica Secção de Telecomunicações Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Comunicação sem fios 2005/2006 Grupo: nº e Modelos de cobertura em redes

Leia mais

AVALIAÇAO DE RUÍDO E VIBRAÇÃO EM MOTOSSERRA: RESULTADOS PARCIAIS

AVALIAÇAO DE RUÍDO E VIBRAÇÃO EM MOTOSSERRA: RESULTADOS PARCIAIS NOTA TÉCNICA AVALIAÇAO DE RUÍDO E VIBRAÇÃO EM MOTOSSERRA: RESULTADOS PARCIAIS Irlon Angelo da CUNHA 1 Rosa YAMASHITA 1 ; Ila Maria CORRÊA 2 & Antonio José da Silva MACIEL 3 ; RESUMO A motosserra, por constituir-se

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH

MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Manual de Utilizador. Portal TRH MINISTÉRIO DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Manual de Utilizador Portal TRH Novembro de 2009 ÍNDICE 1. Introdução...2 2. Registo...4 3. Visualização e criação de operadores...8 4. Introdução

Leia mais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais

Introdução ao Ruído. Vibrações e Ruído (10375) 2014 Pedro V. Gamboa. Departamento de Ciências Aeroespaciais Introdução ao Ruído Vibrações e Ruído (10375) 2014 Tópicos Som. Pressão Sonora e Potência Sonora. Níveis Sonoros. 2 1. Som O som pode ser definido como uma manifestação positiva resultante da variação

Leia mais

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento

CPU - Significado CPU. Central Processing Unit. Unidade Central de Processamento CPU - Significado CPU Central Processing Unit Unidade Central de Processamento CPU - Função Na CPU são executadas as instruções Instrução: comando que define integralmente uma operação a ser executada

Leia mais

Competição entre soluções de transporte: Corredor Lisboa - Madrid Álvaro Barreira Rosário Macário Vasco Reis. Airdev Lisboa, 20 de Outubro de 2011

Competição entre soluções de transporte: Corredor Lisboa - Madrid Álvaro Barreira Rosário Macário Vasco Reis. Airdev Lisboa, 20 de Outubro de 2011 Competição entre soluções de transporte: Corredor Lisboa - Madrid Álvaro Barreira Rosário Macário Vasco Reis Airdev Lisboa, 20 de Outubro de 2011 1 Conteúdos Motivação Objectivos Metodologia Caso de estudo

Leia mais

Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador

Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador Cópia de Segurança e Recuperação Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. As informações aqui contidas

Leia mais

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo.

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo. ESTUDO DA POLUIÇÃO SONORA NA RODOVIA ANCHIETA Paula Alexandre de Siqueira Orientador: Prof. Dr. Alejandro Jorge Dorado Coordenador geral: Prof. Msc. Fernando Codelo Nascimento Música para uma pessoa, pode

Leia mais

As cartas de Brasília Mapas de ruído da capital federal. Prof. Dr. Sérgio Garavelli

As cartas de Brasília Mapas de ruído da capital federal. Prof. Dr. Sérgio Garavelli As cartas de Brasília Mapas de ruído da capital federal Prof. Dr. Sérgio Garavelli Grupo de Pesquisa em Acústica Ambiental Dr. Sérgio Luiz Garavelli Coordenador Dr. Armando de Mendonça Maroja MSc. Cleber

Leia mais

Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças. Comissão Europeia Empresas e Indústria

Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças. Comissão Europeia Empresas e Indústria SEGURANÇA DOS BRINQUEDOS Garantir os mais altos níveis de protecção para as crianças Comissão Europeia Empresas e Indústria Fotolia Orange Tuesday Existem cerca de 80 milhões de crianças menores de 14

Leia mais

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS)

DIVISÃO DE ACÚSTICA. 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) ENSAIO DE DESEMPENHO DE LAJE PARA ISOLAMENTO DE RUÍDO DE IMPACTO NBR 15575-3:2013 2 - Equipamento SONÔMETRO, medidor do nível de pressão sonora (NPS) deve estar de acordo com as exigência da norma IEC

Leia mais

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios

Artigo. Desempenho acústico de divisórias para escritórios Artigo Desempenho acústico de divisórias para escritórios Raros escritórios comerciais não possuem divisórias para definir ambientes. Trata-se de um elemento arquitetônico versátil, com boas opções de

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 MEDIÇÃO DA POTÊNCIA SONORA DE UM GRUPO MOTO-GERADOR E SIMUAÇÃO DO CAMPO ACÚSTICO EM UMA USINA TERMEÉTRICA Cruz, Sérgio.

Leia mais

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Tecnologias da Informação e Comunicação UNIDADE 1 Tecnologias da Informação e Comunicação: Sistema Operativo em Ambiente Gráfico 1º Período Elementos básicos da interface gráfica do Windows (continuação).

Leia mais

Introdução... 2. Características das placas de som... 2

Introdução... 2. Características das placas de som... 2 á Placa de som: principais características... 2 Introdução... 2 Características das placas de som... 2 Conversores ADC e DAC... 2 Resolução das placas de som... 2 Taxa de amostragem... 3 Resposta de freqüência...

Leia mais

Jornal Oficial das Comunidades Europeias

Jornal Oficial das Comunidades Europeias L 189/12 18.7.2002 DIRECTIVA 2002/49/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 25 de Junho de 2002 relativa à avaliação e gestão do ruído ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo

Leia mais

PROTEÇÃO AUDITIVA PONHA EM DIA SUA. e mais... aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo. www.racconet.com.

PROTEÇÃO AUDITIVA PONHA EM DIA SUA. e mais... aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo. www.racconet.com. www.racconet.com.br n 31 seu informativo de segurança Infoseg n 31 PONHA EM DIA SUA PROTEÇÃO AUDITIVA aprenda a se proteger corretamente dicas para adquirir seu protetor auditivo e mais... foto cedida

Leia mais

AL 1.3. Capacidade térmica mássica

AL 1.3. Capacidade térmica mássica 36 3. ACTIVIDADES PRÁTICO-LABORATORIAIS AL 1.3. Capacidade térmica mássica Fundamento teórico da experiência A quantidade de energia que se fornece a materiais diferentes, de modo a provocar-lhes a mesma

Leia mais

Requisitos de Conforto Acústico, Desempenho Acústico e as Experiências de ensaios de laboratório e campo

Requisitos de Conforto Acústico, Desempenho Acústico e as Experiências de ensaios de laboratório e campo Requisitos de Conforto Acústico, Desempenho Acústico e as Experiências de ensaios de laboratório e campo Eng. Dr. Fulvio Vittorino (11) 3767-4553 fulviov@ipt.br www.ipt.br Sumário Conforto Acústico e a

Leia mais

TACOMINHO. Competência técnica e tecnologia especializada. Data: 3/05/2007

TACOMINHO. Competência técnica e tecnologia especializada. Data: 3/05/2007 Data: 3/05/2007 TACOMINHO Competência técnica e tecnologia especializada A Tacominho é especializada nos serviços de reparação, montagem e aferição de: tacógrafos; taxímetros e limitadores de velocidade,

Leia mais

Gestão ambiental e poluição sonora

Gestão ambiental e poluição sonora Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) jcandido@feb.unesp.br Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma

Leia mais

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações

Data de adopção. Referência Título / Campo de Aplicação Emissor. Observações NP ISO 10001:2008 Gestão da qualidade. Satisfação do cliente. Linhas de orientação relativas aos códigos de conduta das organizações CT 80 2008 NP ISO 10002:2007 Gestão da qualidade. Satisfação dos clientes.

Leia mais

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos.

EWAD~C. série para aplicações. de grandes dimensões COMFORTO. Todo o ano. Aquecimento. Ar condicionado. Sistemas Hidrónicos. EWAD~C série para aplicações COMFORTO Todo o ano de grandes dimensões Aquecimento Ar condicionado Sistemas Hidrónicos Refrigeração EWAD~C- Concebida para exceder os requisitos da indústria HVAC relativamente

Leia mais

Impacto das emissões dos nossos automóveis no quotidiano

Impacto das emissões dos nossos automóveis no quotidiano Dia Mundial da Metrologia Medições na Vida Quotidiana Impacto das emissões dos nossos automóveis no quotidiano Alexandra Costa e André Ramalho ISQ Visão geral Fundado em 1965. Empresa privada, sendo uma

Leia mais

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil

Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Uma nova Ferramenta para estimar as perdas auditivas e a exposição ao ruído dos trabalhadores da Construção Civil Paulo Alves Maia FUNDACENTRO / Campinas Introdução O ruído gerado nos canteiros de obra

Leia mais

O que caracteriza um som?

O que caracteriza um som? O que caracteriza um som? As características de uma onda sonora são conectadas com os conceitos físicos originários da observação de Fenômenos Periódicos, tal como o Movimento Circular Uniforme (MCU) e

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Estrutura e Funcionamento de um Computador

Estrutura e Funcionamento de um Computador Estrutura e Funcionamento de um Computador ESE Viseu 2009/2010 Docente: Maribel Miranda Pinto O hardware é a parte física do computador, a parte palpável do computador, ou seja, é o conjunto de componentes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº1 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº1 Cablagem estruturada 1 Introdução Vivemos em plena segunda revolução industrial.

Leia mais

X-TATIC SOUND CONTROL UNIT. Handbuch. Manual. Manuel d utilisation. Guia usario. Manuale d istruzioni. Gebruiksaanwijzing.

X-TATIC SOUND CONTROL UNIT. Handbuch. Manual. Manuel d utilisation. Guia usario. Manuale d istruzioni. Gebruiksaanwijzing. Handbuch Manual Manuel d utilisation Guia usario Manuale d istruzioni Gebruiksaanwijzing Guia usário Instukcja obstugi 88 X-TTIC SOUND CONTROL UNIT Índice 1. Características do X-Tatic Sound Control Unit

Leia mais

Novas Ferramentas de Engenharia Acústica para Controlo de Ruído Industrial Ana Bicker Carlos Aroeira Luís Conde Santos dbwave@dbwave.pt Seminário Energia e Ambiente - Empresas Maio Junho de 2015 Agenda

Leia mais

ATENUAÇÃO ACÚSTICA DE UM SISTEMA DE VENTILAÇÃO INDUSTRIAL

ATENUAÇÃO ACÚSTICA DE UM SISTEMA DE VENTILAÇÃO INDUSTRIAL ATENUAÇÃO ACÚSTICA DE UM SISTEMA DE VENTILAÇÃO INDUSTRIAL PACS: 43.50.GF L. Bragança; J. Matos Departamento de Engenharia Civil, Universidade do Minho Campus de Azurém 4800-058, Guimarães, Portugal Tel.:

Leia mais

Bosch Security Systems Para mais informações, visite a nossa página: www.boschsecurity.com ou envie um e-mail para: pt.securitysystems@bosch.

Bosch Security Systems Para mais informações, visite a nossa página: www.boschsecurity.com ou envie um e-mail para: pt.securitysystems@bosch. Tradição de qualidade e inovação Há mais de 100 anos que Bosch é sinónimo de qualidade e confiança. A Bosch Security Systems detém orgulhosamente uma vasta gama de equipamentos para intrusão, incêndio,

Leia mais

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência

Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Watts e Volt-Amperes: Confusão em potência Aplicação Técnica 15 Revisão 1 por Neil Rasmussen > Resumo Executivo Esta nota ajuda a explicar as diferenças entre Watts e VA e explica de que forma os termos

Leia mais

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência

Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Solução de Aquecimento de Águas de Elevada Eficiência Gama 04 Gama de 2013 O que é Therma V? 06 O que é Therma V? Vantagens Therma V 08 Elevada Eficiência Energética 10 Programação Semanal 12 Instalação

Leia mais

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos

A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos A Utilização de Argamassas Leves na Minimização da Transmissão de Ruídos de Impacto em Pavimentos Fernando G. Branco CICC, Dep. Eng. Civil, Univ. Coimbra Portugal fjbranco@dec.uc.pt Luís Godinho CICC,

Leia mais

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego

Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA Centro de Estudos Aplicados Consequências económicas da exploração da RAV 2. Impacto no PIB da criação de tráfego Versão Final Manuel Leite Monteiro Lisboa 2006 Universidade

Leia mais

CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ENSAIOS ACÚSTICOS NOS EMPREENDIMENTOS DA MELNICK EVEN APRESENTAÇÃO DA EMPRESA MELNICK EVEN APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1

EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 1 EFEITOS DO RUÍDO EM AMBIENTES DE APRENDIZAGEM. Wislanildo Oliveira Franco 1 RESUMO. Os efeitos do ruído decorrentes do desenvolvimento tecnológico alcançado pela Sociedade atual, não podem mais ser relegados

Leia mais

Arquitectura dos processadores

Arquitectura dos processadores Arquitectura dos processadores Outra arquitectura foi desenvolvida pela Motorola para os Apple Macintosh.(incompativel com o PC - IBM). Passaram a existir duas arquitecturas de processadores: CISC (Complex

Leia mais

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025)

4. Descrição do Âmbito de Acreditação - Laboratórios de Ensaio (ISO/IEC 17025) Pág. de 7 OEC3 24-5-8. Objetivo O presente documento tem como objetivo definir os requisitos específicos para a acreditação de laboratórios de ensaios de acústica e vibrações, em complemento do estabelecido

Leia mais

Conselho de Ministros

Conselho de Ministros República & Moçambique Conselho de Ministros Decreto n." 12001 A Lei n." 20/97, de 01 de Outubro, estabelece no seu artigo 18, que todas as actividades que a data da entrada em vigor da Lei do Ambiente,

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes)

Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) 1 Todas as unidades são testadas na fábrica antes de serem vendidas! (Possibilidade de assistir aos testes) ISO 9001 Quality Management System ISO 14001 Environmental Management System 2 Sazonalidade das

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA OF./CIRC./CFFa nº 029/20 Brasília-DF, 12 de março de 20 Aos Conselhos Regionais de Fonoaudiologia Prezado(a) Senhor(a), Encaminhamos a V.Sª. Recomendação CFFa nº 11, de 08 de março de 20, que dispõe sobre

Leia mais

sac.brasil@phonak.com www.phonak.com.br SAC 0800 701 8105

sac.brasil@phonak.com www.phonak.com.br SAC 0800 701 8105 Life is on A Phonak tem como objetivo melhorar, substancialmente a qualidade de vida de pessoas com deficiência auditiva e das que convivem com elas. As desafiar de maneira criativa os limites da tecnologia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE FUNDO EM MARINGÁ Camila Fernanda Giannini 1, Paulo José Moraes Monteiro e Teixeira

Leia mais