Gestão ambiental e poluição sonora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gestão ambiental e poluição sonora"

Transcrição

1 Gestão ambiental e poluição sonora João Candido Fernandes (UNESP) Resumo: Este trabalho tem como objetivo apresentar os principais problemas causados pela poluição sonora, a forma de poluição que atinge o maior número de pessoas no mundo. Com a revolução industrial, a produção se tornou prioridade, mas o homem nunca mais conseguiu ter a mesma qualidade ambiental de antes. Com o desenvolvimento tecnológico no século XX, o aparecimento do automóvel e o desenvolvimento da aviação militar, houve um incremento do ruído na zona urbana. A partir dos anos 50, houve um crescimento descontrolado da industrialização, com o automatismo e o acúmulo de máquinas contribuindo aceleradamente para o ruído nos grandes centros. Algumas pesquisas indicam que o ruído ambiental duplica a cada 10 anos. Numa visão mais ampla, o silêncio não deve ser encarado apenas como um fator determinante do conforto ambiental, e sim como um direito do cidadão. Numa segunda parte, o trabalho apresenta métodos de avaliação do conforto acústico: formas de medição do ruído e formas de análise, comparando os valores encontrados com a legislação federal (leis e resoluções do Conama e normas brasileiras), estaduais (normas da CETESB) e municipais. Palavras-chave: Ruído; Poluição Sonora; Ambiente Urbano; Conforto Acústico. 1. Introdução Os altos níveis de ruído urbano têm se transformado, nas últimas décadas, em uma das formas de poluição que mais tem preocupado os urbanistas e arquitetos. Os valores registrados acusam níveis de desconforto tão altos que a poluição sonora urbana passou a ser considerada como a forma de poluição que atinge o maior número de pessoas (Figura 1). Assim, desde o congresso mundial sobre poluição sonora em 1989, na Suécia, o assunto passou a ser considerado como questão se saúde pública. Entretanto, a preocupação com os níveis de ruído ambiental já existia desde 1981 pois, no Congresso Mundial de Acústica, na Austrália, as cidades de São Paulo e do Rio de Janeiro passaram a ser consideradas as de maiores níveis de ruído do mundo. Nas cidades médias brasileiras, onde a qualidade de vida ainda é preservada, o ruído já tem apresentado níveis preocupantes, fazendo com que várias delas possuam leis que disciplinem a emissão de sons urbanos (FERNANDES, 1990; FERNANDES, 2001). FIGURA 1 Ruído urbano

2 A Organização Mundial da Saúde indica como limite de conforto para exposição diária (média durante as 24 horas do dia) um nível LDN= 55 db(a); indica também um nível LDN= 65 db(a) como um valor de perturbação e de desconforto (BERGLUND; LINDVALL, 1990). A Figura 2 mostra a porcentagem da população de alguns países do mundo que está exposta a níveis acima dos recomendados (BERGLUND; LINDVALL, 1995). Numa visão mais ampla, o silêncio não deve ser encarado apenas como um fator determinante no conforto ambiental, mas deve ser visto como um direito do cidadão. O bemestar da população não deve tratado apenas com projetos de isolamento acústico tecnicamente perfeitos, mas, além disso, exige uma visão crítica de todo o ambiente que vai receber a nova edificação. É necessária uma discussão de forma urbanística (FERNANDES, 2003). Outro conceito importante a ser discutido se refere às comunidades já assentadas ameaçadas pela poluição sonora de novas obras públicas. A transformação de uma tranqüila rua em avenida, a construção de um aeroporto ou de uma auto-estrada, ou uma via elevada, podem elevar o ruído a níveis insuportáveis. FIGURA 2 Porcentagem da população exposta a níveis médios de ruído (Ldn) Fonte: Berglund e Lindvall (1995). 2. Avaliação do Ruído ambiental Atualmente, o método mais usado em todo o mundo para a análise do ruído em um local, é a análise através das curvas NC (Noise Criterion). Essas curvas foram desenvolvidas pelo grande pesquisador em acústica Leo Beranek, a partir da década de 50 sendo amplamente usadas em projetos acústicos. Trata se de curvas, estabelecidas num plano cartesiano (freqüência X nível de ruído), que fixam níveis de conforto para cada ambiente de atividade humana, inclusive a curva limite de nível de ruído para dano auditivo. As curvas NC são usadas nas Normas ISO 1996/71 e na NBR Mais recentemente, o autor publicou as curvas NCB (Balanced Noise criterion ), que adotam a definição de nível de interferência da voz das normas dos Estados

3 Unidos, além de trabalharem com 2 oitavas abaixo que as curvas NC. A Figura 2 apresenta as curvas NCB. O autor recomenda para cada ambiente de atividade humana uma curva limite para o ruído (Tabela 1). Assim, por exemplo, a curva NCB 10 é recomendada como espectro de freqüência para estúdios de rádio e de gravação; a curva NCB 30 é especificada como limite de ruído para auditórios, teatros, igrejas e salas para conferências; os locais onde os níveis de ruído estão entre as curvas NCB 40 a 50 oferecem moderadas condições de comunicação oral ou por telefone, sendo recomendadas para secretarias, laboratórios e salas de engenharia; as curvas NCB 50 a 60, representam uma difícil comunicação, sendo recomendadas para lojas, armazéns e garagens; entre as curvas NCB 55 e 70, o local não oferece condições para comunicação oral ou por telefone, não havendo, porém, risco de dano auditivo. Beranek também definiu as áreas A e B do diagrama: espectros que atinjam essas áreas se caracterizam por sons de altos níveis e baixa freqüência, que causam desconforto às pessoas (sensação de rufar de um tambor, ou sensação de vibração causada pelas ondas sonoras). O autor usou o termo "rumble" para definir essa situação, atribuindo à área "A" como clara sensação de vibração, e à área "B" como moderada sensação de vibração. FIGURA 3 Freqüência central da banda de oitava [Hz]

4 3. O Conforto Acústico Para avaliação do Conforto Acústico, o método mais preciso e adequado é o uso das Curvas Noise Criterion. Outros métodos (mais simples) são também usados e consistem em: Medir o Ruído - em db(a) - conforme as Normas Brasileiras. Comparar com Índices Normalizados de Conforto Acústico. A Figura 4 apresenta os tipos de ambiente obtidos em cada curva NCB. Curva NCB Tipo de ambiente que pode conter como máximo ruído, os níveis da curva correspondente 10 Estúdios de gravação e de rádio (com uso de microfones à distância) 10 a 15 Sala de concertos, de óperas ou recitais (para ouvintes de baixos níveis sonoros) 20 Grandes auditórios, grandes teatros, grandes igrejas (para médias e grandes intensidades sonoras) 25 Estúdios de rádio, televisão, e de gravação (com uso de microfones próximos e captação direta) 30 Pequenos auditórios, teatros, igrejas, salas de ensaio, grandes salas para reuniões, encontros e conferências (até 50 pessoas), escritórios executivos. 25 a 40 Dormitórios, quartos de dormir, hospitais, residências, apartamentos, hotéis, motéis, etc. (ambientes para o sono, relaxamento e descanso). 30 a 40 Escritórios com privacidade, pequenas salas de conferências, salas de aulas, livrarias, bibliotecas, etc. (ambientes de boas condições de audição). 30 a 40 Salas de vivência, salas de desenho e projeto, salas de residências (ambientes de boas condições de conversação e audição de rádio e televisão). 35 a 45 Grandes escritórios, áreas de recepção, áreas de venda e depósito, salas de café, restaurantes, etc. (para condições de audição moderadamente boas). 40 a 50 Corredores, ambientes de trabalho em laboratórios, salas de engenharia, secretarias (para condições regulares de audição). 45 a 55 Locais de manutenção de lojas, salas de controle, salas de computadores, cozinhas, lavanderias (condições moderadas de audição). Lojas, garagens, etc. (para condições de comunicações por voz ou telefone apenas 50 a 60 aceitáveis). Níveis acima de NCB 60 não são recomendadas para qualquer ambiente que exija comunicação humana. 55 a 70 Para áreas de trabalho onde não se exija comunicação oral ou por telefone, não havendo risco de dano auditivo. FIGURA 4 Tipos de ambiente com o máximo ruído permitido correspondente às curvas NCB 3.1 Índices normalizados de conforto acústico Os valores medidos devem ser comparados com níveis sonoros indicados por normas ou por entidades ambientais. Os principais são: NBR (NB-95), que trata dos níveis de ruído para conforto acústico ABNT, 1987; NBR 10151, que fixa níveis de conforto (ABNT, 2000); Resolução CONAMA Nº 1 e 2 São Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente sobre avaliação de ruído ambiente. Estas resoluções confirmam o uso das Normas Brasileiras como método mais adequado. Para conhecer esta norma veja referência (BRASIL, 1990); Normas da Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB L e L11.034), para ruído ambiental, que valem para o Estado de São Paulo (SÃO PAULO, 1992a,b).

5 Portaria do Ministério do Trabalho e Emprego - Norma Regulamentadora nº 17, que visa estabelecer parâmetros que permitam o máximo de conforto, segurança e desempenho eficiente em ambientes de trabalho (BRASIL, 2005); Organização Mundial da Saúde, que estabelece os níveis de ruído para conforto acústico (BERGLUND; LINDVALL, 1990; 1995). Leis Municipais: a lei é o texto jurídico de maior força. Está acima de Normas, Resoluções, Portarias etc., portanto, num laudo ambiental, deve sempre prevalecer os valores estabelecidos por leis. Neste aspecto as Leis Municipais que normalizam o ruído urbano têm grande importância; Norma Brasileira NBR , que fixa as condições para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades e especifica o método de medição e os critérios de aceitação (ABNT, 2000); Norma Americana do American National Standard Institute (ANSI S12.2), sobre os níveis de ruído aceitáveis nos USA (ANSI, 1995). Para conhecer todas as normas referenciadas, acesse wwwp.feb.unesp.br/jcandido, site hospedado na Faculdade de Engenharia da Unesp em Bauru Referências AMERICAN NATIONAL STANDARD INSTITUTE USA. ANSI S12.2. Criteria for Evaluating Room Noise, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR : Acústica. Avaliação do ruído em áreas habitadas visando o conforto da comunidade Procedimento. Rio de Janeiro: ABNT, p. ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR : Níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro: ABNT, p. BERGLUND, B.; LINDVALL, T. Archives of the Center for Sensory Research. Stockholm: Center for Sensory Research Stockholm/World Health Organization, v. 2, Issue 1, BERGLUND, B.; LINDVALL, T. Noise as a public health problem. Sthedish Council for Building Research, v. 5. Stockholm: World Health Organization, BRASIL. Portaria N.º 3.214, de 08 de Junho de Norma Regulamentadora nº Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho, relativas à Segurança e Medicina do Trabalho. In: SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO. Manual de legislação Atlas. 56. ed. São Paulo: Atlas, p. ISBN: BRASIL. Resolução CONAMA Nº 1 e 2. Resoluções do Conselho Nacional do Meio Ambiente sobre avaliação de ruído ambiente. Brasília: CONAMA, FERNANDES, J. C. Avaliação dos níveis de ruído urbano em cidades médias. In: Encontro Nacional de Conforto no Ambiente Construído, 1., 1990, Gramado. Anais... Gramado: Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído, v. 1, p , FERNANDES, J. C. Proposição de Legislação Municipal para Ruídos Urbanos Parte I: Diretrizes. In: Simpósio de Engenharia de Produção, 8., 2001, Bauru. Anais... Bauru: UNESP, Disponível em: <http://www.simpep.feb.unesp.br/anteriores.html> FERNANDES, J. C. Acústica e Ruídos. Apostila do Curso de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica da Faculdade de Engenharia da Unesp, Campus de Bauru p. SÃO PAULO. Secretaria do Meio Ambiente. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB. Norma Técnica L : Ruído. Determinação do nível de ruído em ambientes internos e externos de áreas habitadas Método de ensaio. São Paulo: CETESB p. SÃO PAULO. Secretaria do Meio Ambiente. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental - CETESB. Norma Técnica L : Ruído. Processo prático para calcular o nível de ruído equivalente contínuo Procedimento. São Paulo: CETESB p.

Capítulo 6. O Ruído Ambiental. Acústica e Ruídos. 1. Avaliação do Ruído Ambiental

Capítulo 6. O Ruído Ambiental. Acústica e Ruídos. 1. Avaliação do Ruído Ambiental 48 Capítulo 6 O Ruído Ambiental Os altos níveis de ruído urbano têm se transformado, nas últimas décadas, em uma das formas de poluição que mais tem preocupado os urbanistas e arquitetos. Os valores registrados

Leia mais

II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Poluição sonora e meio ambiente

II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Poluição sonora e meio ambiente II SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Poluição sonora e meio ambiente João Candido Fernandes Professor Livre-docente do Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade

Leia mais

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO

COMUNICADO/SOLICITAÇÃO COMUNICADO/SOLICITAÇÃO Nos dias 5, 6 e 7 de novembro de 2013, na Universidade Aberta do Brasil Polo/UAB Imperatriz, será realizado o Curso de Medição e Avaliação de Ruído Ambiental, a ser ministrado pelo

Leia mais

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues

Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Disciplina: Ciências do Ambiente Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Conceito Poluição sonora é qualquer alteração nas características do som ambiente provocada por ruídos. Som e Ruído SOM É o resultado

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 12 AUDIÇÃO HUMANA A função do ouvido é captar e converter ondas de pressão em sinais elétricos que são transmitidos ao cérebro para produzir

Leia mais

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS

MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 1 Programa de Recuperação de Espaços Didáticos Pró-Reitoria de Graduação MANUAL DE MEDIÇÃO E CÁLCULO DAS CONDIÇÕES ACÚSTICAS 2 1. INTRODUÇÃO Adotou-se um processo de trabalho convencional, de desenvolvimento

Leia mais

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira

Audição e Trabalho. Marcelo Madureira Audição e Trabalho Marcelo Madureira Som Qualquer perturbação vibratória em meio elástico, a qual produz uma sensação auditiva Energia transmitida por vibrações no ar (ou outros materiais) e que causa

Leia mais

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem

Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem 71 Capítulo 9 Avaliação dos Efeitos do Ruído sobre o Homem Nos últimos anos, os altos níveis de ruído se transformaram em uma das formas de poluição que atinge maior número de pessoas. A poluição sonora

Leia mais

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade.

LANÇAMENTO. Placo Phonique. Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. LANÇAMENTO Placo Phonique Solução acústica para seu conforto e tranquilidade. Ssshhh... o silêncio é ouro. O excesso de ruído é uma das principais queixas das pessoas num ambiente. Os ruídos, além de incomodarem,

Leia mais

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população

Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Poluição sonora no município de São Paulo: avaliação do ruído e o impacto da exposição na saúde da população Introdução O ruído pode ser definido como um som desagradável e indesejável que pode afetar

Leia mais

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575

PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO PARÂMETROS PARA QUALIDADE ACÚSTICA NAS EDIFICAÇÕES CONFORME NBR 15.575 EMPRESA NBR 15.575 DESEMPENHO ACÚSTICO PROJETO ACÚSTICO EXECUÇÃO

Leia mais

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation

A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 14-Jun-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

ACÚSTICA, RUÍDOS E PERDA DE AUDIÇÃO. Prof. Dr. João Candido Fernandes

ACÚSTICA, RUÍDOS E PERDA DE AUDIÇÃO. Prof. Dr. João Candido Fernandes ACÚSTICA, RUÍDOS E PERDA DE AUDIÇÃO Prof. Dr. João Candido Fernandes Depto de Engenharia Mecânica, FEB, UNESP, Bauru, SP, Brasil, jcandido@feb.unesp.br Resumo: O objetivo do curso é apresentar o projeto

Leia mais

RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL

RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL RUÍDO URBANO E CONFORTO AMBIENTAL EM LOGRADOUROS DA CIDADE DE FEIRA DE SANTANA, BRASIL Autores Anastácio Pinto Gonçalves Filho, MsC Prof. Luiz Roberto Santos Moraes, PhD EFEITOS DO RUÍDO URBANO Interferência

Leia mais

Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário.

Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário. Análise das Condições Acústicas em Sala de Aula Climatizada de Ambiente Universitário. Thalita Christina Brandão Pereira (UFPB) thalitajp@ig.com.br Luis Bueno da Silva (UFPB) bueno@producao.ct.ufpb.br

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos

RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos A CGCRE é signatária do Acordo de Reconhecimento Mútuo da ILAC International Laboratory Accreditation de 11-Set-2012 RELATÓRIO TÉCNICO Ensaios Acústicos Segundo ISO 7779 Acoustics Measurement of airborne

Leia mais

Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE.

Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE. Estudo dos efeitos do ruído ferroviário no desempenho acústico de habitações no bairro Álvaro Weyne na cidade de Fortaleza, CE. Daniela Maria de Sousa Martins a, Adeildo Cabral da Silva b a Estudante de

Leia mais

Dutos para condução de ar

Dutos para condução de ar Dutos para condução de ar 1 1) Q = VA considerações 2) H 2 p V = h+ + γ 2g (energia total) 3) 2 2 pa V a pb V b Ja b = ha + + hb + + γ 2g γ 2g J a b p p V V = + γ 2g 2 2 a b a b Perda de carga para dutos

Leia mais

Capítulo 6. O Ruído Ambiental

Capítulo 6. O Ruído Ambiental 88 Capítulo 6 O Ruído Ambiental Os altos níveis de ruído urbano têm se transformado, nas últimas décadas, em uma das formas de poluição que mais tem preocupado os urbanistas e arquitetos. Os valores registrados

Leia mais

PROJETO DE LEI (Do Senhor Paulo Roberto)

PROJETO DE LEI (Do Senhor Paulo Roberto) PROJETO DE LEI (Do Senhor Paulo Roberto) Fixa limite para emissão sonora nas atividades em templos religiosos. Art. 1º As atividades das Entidades Religiosas em templos de qualquer crença, não poderão

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina VI-079 - POLUIÇÃO SONORA: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE RUÍDO EM 03 SHOPPINGS DE NATAL/RN Carmem

Leia mais

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013

ÁREA DE ENSAIOS ACÚSTICA RELATÓRIO DE ENSAIO Nº 82636 Amostra nº: 092013 Data de entrada: 25 / 09 / 2013 LABORATÓRIO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL LMCC 1/8 ENDEREÇO: Av. Roraima, 1000 Prédio 10, Campus Camobi, Santa Maria/RS CEP 97105-900 TELEFONE: (55) 3220.8608 (Fax) Direção 3220.8313 Secretaria 3220.8461

Leia mais

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som

Ruído. 1) Introdução. 2) Principais grandezas e parâmetros definidores do som 1) Introdução A movimentação mecânica de cargas pode ser definida como o conjunto de ações, de materiais e de meios que permitem, de um modo planeado e seguro, movimentar cargas de um determinado local

Leia mais

Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura

Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura 1 Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Analise da Norma NBR 15575 Autor Principal Consultor www.gineraudio.com.br giner@gineraudio.com.br

Leia mais

Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil

Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil Marco Antonio Nabuco de Araujo Laboratório de Ensaios Acústicos INMETRO-Brasil Até 1990, a legislação ambiental federal no Brasil se limitava a uma Portaria do Ministério do Interior (hoje extinto), muito

Leia mais

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes

RUÍDO. Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006 Professora Isabel Lopes Nunes RUÍDO Trabalho Elaborado por: Bruno Pereira nº 13791 Engenharia Mecânica Fábio Oliveira nº 15434 Engenharia Química Filipe Ataíde nº 15909 Engenharia Química Higiene e Segurança no Trabalho B 2005/2006

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL

RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL RELATÓRIO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DE RUÍDO AMBIENTAL AVALIAÇÃO DO NÍVEL DE PRESSÃO SONORA Conforme Resolução CONAMA 001/90 CONSTRUTORA NORBERTO ODEBRECHT S/A ESTALEIRO E BASE NAVAL DO PROJETO PROSUB - ITAGUAÍ/RJ

Leia mais

Propriedades Físicas do Som

Propriedades Físicas do Som 12 Capítulo 2 Propriedades Físicas do Som 1. - Introdução O som é um fenômeno vibratório resultante de variações da pressão no ar. Essas variações de pressão se dão em torno da pressão atmosférica e se

Leia mais

Nº 172392. www.ipt.br

Nº 172392. www.ipt.br COMUNICAÇÃO TÉCNICA Nº 172392 Ruído urbano Marcelo de Mello Aquilino Palestra apresentada em Mesa Redonda: Meio Ambiente em Foco, IPT, 06 de junho, 2014. A série Comunicação Técnica compreende trabalhos

Leia mais

Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS

Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS Qualidade ambiental em Shoppings Centers: uma análise dos Níveis de Pressão Sonora - NPS Ademir Batista CASTORINO 1 ; Eguimar Felício CHAVEIRO 2 ; Juliana Ramalho BARROS 3 1 Instituto de Estudos Sócio

Leia mais

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM

O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM POLUIÇÃO SONORA O som é produzido pela propagação de vibrações mecânicas em meio elástico (ar) capaz de excitar o aparelho auditivo. SOM SOM É o resultado de movimentos de flutuação de partículas de ar

Leia mais

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno

SOM. Ruído. Frequência. Ruído. Amplitude da vibração. Ruído. Isabel Lopes Nunes FCT/UNL. Som - produz vibrações (ondas) que entram no ouvido interno SOM Isabel Lopes Nunes FCT/UNL toda a vibração mecânica que se propaga num meio elástico (ar, metais, líquidos ), desde que as frequências que a compõem se encontrem dentro de uma determinada faixa audível

Leia mais

ROTEIRO DE CÁLCULO PARA ACÚSTICA

ROTEIRO DE CÁLCULO PARA ACÚSTICA ROTEIRO DE CÁLCULO PARA ACÚSTICA DIAGNÓSTICO, PROJETO E AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO a. Caracterizar as condições de exposição: ruído urbano móvel (tráfego viário, aéreo, etc) e fixo (casas noturnas, indústrias,

Leia mais

Consultoria Assessoria Projetos

Consultoria Assessoria Projetos Consultoria Assessoria Projetos Giner Sound Vibration Transmissão Interfaces Acústica Recepção Massa Rigidez Amortecimento Conforto Acústico Interno em Hotéis José Carlos Giner, BSc(EEng) CEng Aco Principal

Leia mais

O Ruído e sua Medição

O Ruído e sua Medição 61 Capítulo 8 O Ruído e sua Medição 1. - Introdução Como já vimos no capítulo 2, podemos definir Ruído, de maneira subjetiva, como toda sensação auditiva desagradável, ou fisicamente, como todo fenômeno

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT OBJETIVOS DA DISCIPLINA

Leia mais

Requisitos de Conforto Acústico, Desempenho Acústico e as Experiências de ensaios de laboratório e campo

Requisitos de Conforto Acústico, Desempenho Acústico e as Experiências de ensaios de laboratório e campo Requisitos de Conforto Acústico, Desempenho Acústico e as Experiências de ensaios de laboratório e campo Eng. Dr. Fulvio Vittorino (11) 3767-4553 fulviov@ipt.br www.ipt.br Sumário Conforto Acústico e a

Leia mais

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica

Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica Associação Brasileira de Cinematografia, ABC Recomendação Técnica Arquitetura de Salas de Projeção Cinematográfica 1 Escopo da Recomendação: Esta Recomendação Técnica é uma iniciativa conjunta da Associação

Leia mais

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS

PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS PROPAGAÇÃO DO RUÍDO DE UM TRATOR AGRÍCOLA DE PNEUS Camilla Missio 1 ; Jorge Wilson Cortez 3 ; Wellytton Darci Quequeto 2 ; Leonardo Maldaner 2 ; Anamari Viegas de Araujo Motomiya 3 UFGD/FCA Caixa Postal

Leia mais

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL

PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL PADRONIZAÇÃO INTERNACIONAL EM AUDIOMETRIA INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION (ISO) 8253-1 Versão 2010 Neste material você encontrará informações sobre a ISO 8253 Parte 1 versão 2010 e sua relação

Leia mais

O Mapeamento de Ruído como Instrumento para Planejamento Metropolitano

O Mapeamento de Ruído como Instrumento para Planejamento Metropolitano O Mapeamento de Ruído como Instrumento para Planejamento Metropolitano Eng. Dr. Fulvio Vittorino (11) 3767-4553 fulviov@ipt.br www.ipt.br O impacto do ruído sobre o ser-humano O crescimento da urbanização

Leia mais

GUSTAVO HENRIQUE FREIRE RODRIGUES CONFORTO ACÚSTICO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UCB

GUSTAVO HENRIQUE FREIRE RODRIGUES CONFORTO ACÚSTICO NA BIBLIOTECA CENTRAL DA UCB UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Curso de Física Conforto Acústico na Biblioteca Central da UCB Autor: Gustavo Henrique F. Rodrigues Orientador:

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR.

AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. AVALIAÇÃO DO RUÍDO AMBIENTAL: MONITORAMENTO E CARACTERIZAÇÃO DO RUÍDO DE TRÁFEGO NA AVENIDA COLOMBO EM MARINGÁ-PR. Laurence Damasceno de Oliveira 1, Camila Fernanda Giannini 2, Paulo José Moraes Monteiro

Leia mais

PROPRIEDADES ACÚSTICAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO PARA USO EM EDIFICAÇÕES NO ENTORNO DE AEROPORTOS

PROPRIEDADES ACÚSTICAS DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO PARA USO EM EDIFICAÇÕES NO ENTORNO DE AEROPORTOS Anais do 15 O Encontro de Iniciação Científica e Pós-Graduação do ITA XV ENCITA / 2009 Instituto Tecnológico de Aeronáutica São José dos Campos SP Brasil Outubro 19 a 22 2009. PROPRIEDADES ACÚSTICAS DE

Leia mais

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO

UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO UMA BREVE VISÃO SOBRE O RUÍDO URBANO Marcus Nunes Departamento de Engenharia Mecânica Faculdade de Aracruz UNIARACRUZ mnunes@fsjb.edu.br RESUMO O ruído, como mais uma fonte de irritação, é um dos principais

Leia mais

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO

ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO ACÚSTICA DA EDIFICAÇÃO Disciplina ministrada ao IV semestre do curso de Engenharia Civil Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop/MT Profa. Dr.-Ing. Erika Borges Leão PROGRAMAÇÃO 18/08 - Apresentação

Leia mais

O vidro na barreira do som

O vidro na barreira do som Maio 2015 O vidro na barreira do som OFERECIMENTO SUPLEMENTO 1 março CONCEITOS BÁSICOS E A EVOLUÇÃO DO USO DO VIDRO SUPLEMENTO 2 abril EXEMPLOS PRÁTICOS DO USO DO VIDRO ACÚSTICO SUPLEMENTO 3 maio ENSAIOS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO

RELATÓRIO TÉCNICO No. RT002-062010 AVALIAÇÃO DA ISOLAÇÃO SONORA AÉREA DE PAINEL DE FIBROCIMENTO E GESSO ACARTONADO Universidade Federal de Santa Maria Centro de Tecnologia Laboratório de Acústica Av. Roraima 1000, Campus Universitário, Bloco 10, Sala 439, Camobi, CEP 97105-900, Santa Maria/RS, Brasil Tel.: 55-55 -

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação ERGONOMIA Notas de Aula-Graduação Ponto 8 Ambientes de Trabalho Prof. Mario S. Ferreira, Maio, 2012 Fatores Ambientais Intervenientes na Relação Tarefa-Atividade Elementos ativos: pessoas e equipamentos

Leia mais

ACÚSTICA. Instrutor: José Carlos Giner, BSc (EEng) CEng Aco

ACÚSTICA. Instrutor: José Carlos Giner, BSc (EEng) CEng Aco ACÚSTICA Instrutor: José Carlos Giner, BSc (EEng) CEng Aco Todas as fotos e desenhos são de propriedade da Environmental Solutions Consultoria S/S Ltda Home Expert Acústica Módulo 1 Apresentado por: José

Leia mais

Qualificação Profissional (Capacitação)

Qualificação Profissional (Capacitação) Qualificação Profissional (Capacitação) M.SC Rogério Dias Regazzi Mestre em Metrologia e Qualidade Industrial PUC-Rio Engenheiro de Segurança do Trabalho e Ambiental Engo Mecânico e de Instrumentação e

Leia mais

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO

Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO Minuta de Norma AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO HUMANA À VIBRAÇÃO VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE PREFÁCIO As vibrações afetam as pessoas de muitas formas causando desconforto, problemas de saúde, diminuição da

Leia mais

Consultoria Acústica Industrial e Urbana

Consultoria Acústica Industrial e Urbana Consultoria Acústica Industrial e Urbana A LCS Consultoria Acústica foi criada com a finalidade específica de prestar um serviço especializado em assuntos relacionados com o ruído industrial e urbano.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1

AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 AVALIAÇÃO DO RUÍDO NA ÁREA CENTRAL DE IJUÍ, RS1 Jaciele Schirmer Strieder 2, Luiza A. U. Scortegagna 3, Thiana D. Herrmann 4, Raquel Kohler 5. 1 Pesquisa Institucional desenvolvida no Departamento de Ciências

Leia mais

Esse barulho me deixa surda!

Esse barulho me deixa surda! Esse barulho me deixa surda! A UU L AL A Você já reparou na quantidade de ruídos ao seu redor? Basta ficar dez segundos prestando atenção aos sons para notar o som da TV, um carro passando, um cachorro

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO

LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO LAUDO TÉCNICO DE AVALIAÇÃO DO RUÍDO Contratante: Sistema Ribrane de Ensino Ltda ME Praça Padre Tavares, 46 - Centro Avaré - SP. Responsável Técnico: Engenheiro Eletricista e de Segurança do Trabalho CREA:

Leia mais

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE

VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE VALIAÇÃO DO RUÍDO EM ÁREAS HABITADAS VISANDO O CONFORTO DA COMUNIDADE 1. OBJETIVO 1.1 Esta Norma fixa as condições exigíveis para avaliação da aceitabilidade do ruído em comunidades. Ela especifica um

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Josevan Ursine Fudoli ENGº CIVIL E DE SEGURANÇA DO TRABALHO HIGIENE OCUPACIONAL RUÍDO Aula

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL

INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL INSTITUTO DE ENGENHARIA DE SÃO PAULO SOLUÇÕES PARA RUÍDO OCUPACIONAL HISTÓRIA DE CASOS DIVISÃO TÉCNICA SEGURANÇA NO TRABALHO e DIVISÃO TÉCNICA DE ACÚSTICA 22/05/2012 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO ALGUNS

Leia mais

Painel 4 Vistorias em Edificações

Painel 4 Vistorias em Edificações Diagnósticos Técnicos e a Preservação de Direitos na Construção Civil Painel 4 Vistorias em Edificações Palestrante José Carlos Muniz Falcon Realização Apoio Técnico Apoio Institucional Vistorias em Edificações-

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

A Acústica no Interior de Ambientes

A Acústica no Interior de Ambientes 54 Capítulo 7 A Acústica no Interior de Ambientes O projeto acústico de ambientes é um dos maiores desafios enfrentados por Arquitetos e Engenheiros Civis. Isto em razão da rara literatura em língua portuguesa

Leia mais

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a)

Tabela 1- Intensidades sonoras características em db(a) Desempenho Acústico DESEMPENHO ACÚSTICO O ruído gerado pela circulação de veículos, crianças brincando no playground e música alta no apartamento vizinho são causas de desentendimentos e de estresse. Por

Leia mais

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RUÍDO E SEUS EFEITOS NO HOMEM DA CONSTRUÇÃO CIVIL VII ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO QUALIDADE NO PROCESSO CONSTRUTIVO 27 A 30 DE ABRIL DE 1998 FLORIANÓPOLIS - SC ANTAC NÚCLEO DE PESQUISA EM CONSTRUÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA

Leia mais

NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS

NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS NÍVEL DE RUÍDO - UMA MEDIDA DE QUALIDADE NAS BIBLIOTECAS José Yvan Pereira Leite (1) Eng. de Minas - UFPB, Mestre em Engenharia Química - UFRN, prof. da Escola Técnica Federal do Rio Grande do Norte. Sócio

Leia mais

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores?

Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Transporte Vertical em Edifícios Como projetar edifícios com elevadores? Nós movimentamos 1 bilhão de pessoas a cada dia... Grupo Schindler Grupo Schindler - Fundado por Robert Schindler, em 1874, na Suíça

Leia mais

Desempenho Acústico em Edificações INFORMATIVO

Desempenho Acústico em Edificações INFORMATIVO Desempenho Acústico em Edificações INFORMATIVO Definições, Referências, Estratégias, Técnicas e Processos de Medição em Atendimento aos Parâmetros Acústicos de Desempenho, Conforto e Licenciamento Ambiental

Leia mais

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS

O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS O RUÍDO AERONÁUTICO E OS EFEITOS NA SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS DO AEROPORTO SANTA GENOVEVA E DE GUARULHOS JACQUELINE COSTA SANTOS HUMBERTO CÉSAR MACHADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS http://sites.pucgoias.edu.br/home/

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO

POLUIÇÃO SONORA VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO VERÔNICA MARIA MIRANDA BRASILEIRO Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional MARÇO/2012 Verônica Maria Miranda Brasileiro

Leia mais

Os computadores como fonte de poluição sonora

Os computadores como fonte de poluição sonora Os computadores como fonte de poluição sonora Paulo Cabral Director da Unidade de Negócio de Laboratórios (pc@iep.pt) Teresa Canelas Responsável técnico da Unidade de Negócio de Laboratórios (tc@iep.pt)

Leia mais

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico

O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico O impacto da Norma de Desempenho NBR 15575 na Indústria de materiais e componentes visando o atendimento do desempenho acústico Vera Fernandes Hachich Sócia-gerente da PBQP-H INMETRO Programas Setoriais

Leia mais

PROTETORES AUDITIVOS

PROTETORES AUDITIVOS PROTETORES AUDITIVOS Prof. Samir N.Y. Gerges, Ph.D. Supervisor do Laboratório de Ruído Industrial (LARI) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Mecânica Campus Universitário

Leia mais

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo.

DELIMITAÇÃO Km 15 da Marginal Esquerda da Rodovia Anchieta, sentido São Paulo,em São Bernardo do Campo. ESTUDO DA POLUIÇÃO SONORA NA RODOVIA ANCHIETA Paula Alexandre de Siqueira Orientador: Prof. Dr. Alejandro Jorge Dorado Coordenador geral: Prof. Msc. Fernando Codelo Nascimento Música para uma pessoa, pode

Leia mais

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008

Ruído. Acção de Formação. Associação de Municípios do Oeste. Outubro de 2008 Ruído Acção de Formação Associação de Municípios do Oeste Outubro de 2008 Objectivos Impacte do Ruído no Ser Humano; Introdução à Acústica; Quantificação do Ruído; Legislação Aplicável (D.L. n.º 9/2007

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO AOS QUAIS OS OPERADORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESTÃO EXPOSTOS

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO AOS QUAIS OS OPERADORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESTÃO EXPOSTOS AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE RUÍDO AOS QUAIS OS OPERADORES DE MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESTÃO EXPOSTOS Elivânia Maria Sousa Nascimento 1, Carlos Alberto Viliotti 2 ; Karla Lúcia Batista Araújo 3 ; Silvia Ferreira

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO

REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS Departamento de Segurança contra Incêndio REGULAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DAS EDIFICAÇÕES E ÁREAS DE RISCO DO ESTADO DE SÃO PAULO 1 PRESENÇA DO CORPO DE BOMBEIROS

Leia mais

1. INFORMAÇÕES GERAIS

1. INFORMAÇÕES GERAIS 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 EMPRESA CONTRATANTE Razão Social: Multiplan Greenfield VII Empreendimento Imobiliário Ltda. CNPJ: 14.447.630/0001-13 Endereço: Av. das Américas, 4.200 - Bloco 02 / Sala 501 -

Leia mais

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3

Relatório técnico nº 00412. Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 Relatório técnico nº 00412 Avaliação de Desempenho Acústico de Sistemas de Pisos NBR 15575:2013 parte 3 SINDUSCON- Grande Florianópolis End.: Avenida Rio Branco,1051- Centro, Florianópolis, SC Contato:

Leia mais

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL

SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL Última Atualização: Rio de Janeiro, 22 de Outubro de 2013. Número de páginas: 05 SERVIÇOS MANDATÓRIOS ESPECIAIS DA 3R BRASIL TECNOLOGIA AMBIENTAL Destacamos a seguir os serviços especiais mandatórios realizados

Leia mais

Processos e Layouts Produtivos

Processos e Layouts Produtivos Processos e Layouts Produtivos Produção Segurança Tecnologia de processos Layout Projeto de organização do trabalho Fernando Gonçalves Amaral Estudos de ou Layout Aplicação: Em todos os setores produtivos

Leia mais

Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento

Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Março 1999 Projeto 02:135.01-004 Acústica - Avaliação do ruído ambiente em recintos de edificações visando o conforto dos usuários Procedimento Origem: NBR 152:1987 e errata de Junho 1992 CB-02- Comitê

Leia mais

ARQUITETURA E URBANISMO

ARQUITETURA E URBANISMO FEAR -Faculdade de Engenharia e Arquitetura FEAR CAMPUS Fig.1 Mapa Campus I (Adaptado pela autora) Fonte: WebSite www.upf.com.br FEAR ENSINO O curso de Arquitetura e Urbanismo da UPF, iniciou suas atividades

Leia mais

CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA CATEGORIA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ENSAIOS ACÚSTICOS NOS EMPREENDIMENTOS DA MELNICK EVEN APRESENTAÇÃO DA EMPRESA MELNICK EVEN APRESENTAÇÃO DA EMPRESA A Melnick Even, com 20 anos de atuação no mercado gaúcho

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA ARMANDO CAMPOS PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA LEGISLAÇÃO E NORMAS: RUÍDO CONSOLIDAÇÃO DAS LEIS DO TRABALHO - CAPÍTULO V NORMA REGULAMENTADORA 15 - NR 15, ANEXOS 1 E 2 (LIMITES DE TOLERÂNCIA) DECRETO 3048/1999 - INSS

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva Curso Técnico Segurança do Trabalho Higiene, Análise de Riscos e Condições de Trabalho MÄdulo 8 Programa de ConservaÇÉo Auditiva O ouvido humano pode ser separado em três grandes partes, de acordo com

Leia mais

Empresa. R. Estado do Amazonas, 609 Jd. Imperador São Paulo SP CEP 03935-000 PABX: (11) 2107-0499 www.isar.com.br

Empresa. R. Estado do Amazonas, 609 Jd. Imperador São Paulo SP CEP 03935-000 PABX: (11) 2107-0499 www.isar.com.br Empresa Com sede própria, construída em uma área de 6.000 m² e localizada estrategicamente próxima ao Pólo Petroquímico da região leste de São Paulo, a Isar é uma das maiores e mais competentes empresas

Leia mais

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA

MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA MANUAL PRÁTICO DE AVALIAÇÃO E CONTROLE DE VIBRAÇÃO PPRA 1ª edição 2009 2ª edição 2013 3ª edição 2014 TUFFI MESSIAS SALIBA Engenheiro Mecânico. Engenheiro de Segurança do Trabalho. Advogado. Mestre em meio

Leia mais

Conforto Acústico em Escritórios Corporativos

Conforto Acústico em Escritórios Corporativos Primeiro Slide deverá: - Alinhar todo a direita - Se houver Logotipo alinhado a esquerda Conforto Acústico em Escritórios Corporativos Eng. Davi Akkerman Qualidade acústica = produzir mais e melhor Motivação

Leia mais

NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS

NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS NÍVEIS DE POLUIÇÃO SONORA NA ÁREA III, CAMPUS I, DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Rodrigo Afonseca Guimarães Acadêmico do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Católica de Goiás rodrigoambiente@hotmail.com

Leia mais

Poluição Sonora. - Central de água gelada Chillers a Ar - Barreiras acústicas e passagem das canalizações.

Poluição Sonora. - Central de água gelada Chillers a Ar - Barreiras acústicas e passagem das canalizações. 1 Poluição Sonora O sistema auditivo humano foi concebido inicialmente para exposição aos mais diversos sons existentes na natureza: o de cascatas, o do vento tocando as folhas da vegetação, canto dos

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo

Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil. Documento informativo Agência Nacional de Aviação Civil Brasil Superintendência de Estudos, Pesquisas e Capacitação para a Aviação Civil Documento informativo Treinamento como ferramenta na mitigação de problemas ambientais

Leia mais

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015

Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos. Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 Impactos dos ruídos urbanos no cotidiano dos cidadãos paulistanos Lucila Lacreta Arquiteta Urbanista 27 de abril de 2015 PSIU no combate à poluição sonora O Programa de Silêncio Urbano (PSIU) da Prefeitura

Leia mais

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução

PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO. 1 Introdução PROJETOS DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO 1 Introdução As instalações elétricas de baixa tensão são regidas no Brasil pela norma NBR 5410 (também conhecida por NB-3). Esta norma aplica-se às instalações

Leia mais

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente

Fonte: Ruído e a Cidade Instituto do Ambiente Ruído Como se define Define-se ruído, como sendo um som sem interesse ou desagradável para o auditor. O ruído (som) pode ser mais ou menos intenso, composto por uma só tonalidade ou composto por várias

Leia mais

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO

PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO DE TRABALHO UNIÃO DE ENSINO E CULTURA DE GUARAPUAVA - UNIGUA FACULDADE GUARAPUAVA CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO PERFIL DO CURSO INFORMAÇÕES SOBRE AS ATRIBUIÇÕES DOS ARQUITETOS E URBANISTAS INFORMAÇÕES SOBRE O MERCADO

Leia mais

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS

POLUIÇÃO SONORA. Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Luís Filipe F. Ferreira DTABN, ESAS, IPS Som é qualquer variação de pressão que o ouvido pode detectar. Quando uma fonte sonora, como um diapasão, vibra, provoca variações de pressão no ar ambiente,, que

Leia mais

PORTARIA Nº 490/DGAC, de 06 de setembro de 1996.

PORTARIA Nº 490/DGAC, de 06 de setembro de 1996. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA AERONÁ UTICA DEPARTAMENTO DE AVIAÇÃO CIVIL PORTARIA Nº 490/DGAC, de 06 de setembro de 1996. Aprova e Efetiva o Plano Específico de Zoneamento de Ruído do Aeroporto

Leia mais

hotel Nada disso é diferente para quem precisa de um espaço confortável para o trabalho. O Hotel dispõe de toda a infraestrutura necessária para o

hotel Nada disso é diferente para quem precisa de um espaço confortável para o trabalho. O Hotel dispõe de toda a infraestrutura necessária para o hotel CONFORTO E EXCELÊNCIA PARA QUE NÃO FALTE NADA AOS HÓSPEDES Indicado três vezes pelo Guia 4 Rodas, o compromisso com o conforto do cliente e a excelência de seus serviços conferem ao Hotel Marbor

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Gerência de Pesquisa e Pós-Graduação ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA

Leia mais