MANUAL TÉCNICO DE SAÚDE, SEGURANÇA OCUPACIONAL E BEM-ESTAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL TÉCNICO DE SAÚDE, SEGURANÇA OCUPACIONAL E BEM-ESTAR"

Transcrição

1 Página 1 de 33 Treinamento Recomendado: - formal - leitura (sem necessidade de manter em registro) Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das alterações - 20/02/ Emissão inicial. a 19/11/ Alteração de texto no quadro do item , correspondente aos seguintes requisitos: nº 5 de Transporte de Produtos Perigosos; nº 2 de Transporte de Pessoal; nº 9 de Manutenção de Extintores; nº 7 de Dedetização e Controle de Pragas Urbanas. Distribuição de cópias: Gerências da Cemig, subsidiárias integrais e empresas contratadas. Elaborado por: SESMT - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho Verificado por: Visto: Data: João José Magalhães Soares - RH/ST Ricardo Luiz Diniz Gomes - RH Aprovado por: Visto: Data: Marco Antonio Rodrigues da Cunha - DGE Djalma Bastos de Morais - DPR

2 Página 2 de 33 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 4 1 OBJETIVO E APLICAÇÃO 5 2 DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS 5 3 ELEMENTOS TÉCNICOS DE SSO&BE 9 4 POLÍTICAS E DIRETRIZES ESTRATÉGICAS Política de Segurança, Saúde e Bem-estar Declaração de Princípios Éticos e Código de Conduta Profissional Diretrizes do Planejamento Estratégico 10 5 PLANEJAMENTO Perigos, riscos e controles Requisitos legais e outros requisitos Diagnóstico da situação atual de SSO&BE Objetivos, metas e planos de ação 12 6 IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO Recursos Funções, Responsabilidades, Autoridades e Prestação de Contas Competência, treinamento e conscientização Comunicação, participação e consulta Documentação de SSO&BE Controle de documentos e de registros Controle operacional de SSO&BE Considerações gerais Inventário Social Prevenção em saúde Ergonomia Readaptação Profissional Momento de Segurança PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional PCA - Programa de Conservação Auditiva Trabalhos com eletricidade Trabalhos em espaços confinados Condução de veículos da Empresa Controle durante o projeto e desenvolvimento de produtos ou serviços Controle durante o projeto de processo e de local de trabalho Controle na aquisição de produtos e serviços Controle sobre contratados e empregados de empresas contratadas Controle sobre visitantes no local de trabalho 28

3 Página 3 de Controle da infra-estrutura Preparação e resposta a emergências Orientações para elaboração de Procedimento para Atendimento a Emergência29 7 VERIFICAÇÃO Realização de ensaios elétricos em EPIs, EPCs e ferramentas isoladas Inspeção de Segurança Praticada - ISP Indicadores corporativos de SSO&BE Verificação do atendimento às Normas de SSO&BE Investigação e análise de incidentes 31 8 ANÁLISE CRÍTICA DO DESEMPENHO DE SSO&BE 31 9 ANEXOS 32 Anexo 1 - Política de Segurança, Saúde e Bem-estar 33

4 Página 4 de 33 APRESENTAÇÃO A empresa determina aos seus trabalhadores próprios, contratados e de empresas contratadas, em todos os níveis hierárquicos e independentes de sua área de atuação, que se envolvam diretamente no planejamento, na coordenação, na execução e no controle de medidas para prevenir a ocorrência de incidentes de trabalho, preservar sua saúde, integridade física e bem-estar no trabalho, como tarefa prioritária às demais. O cumprimento das determinações deste Manual é mandatório e contribuirá significativamente para o estabelecimento de um ambiente de trabalho seguro e saudável. Compete à Gerência de Segurança do Trabalho, Saúde e Bem-estar - RH/ST elaborar e manter atualizadas as Diretrizes Gerais de Segurança do Trabalho para empregados próprios, contratados de empresas contratadas e população, e monitorar a implementação de Diretrizes Específicas. Cabe à RH/ST manter atualizadas as diretrizes e requisitos deste Manual, informando e orientando as demais áreas da Empresa sempre que houver alterações neste Manual.

5 Página 5 de 33 1 OBJETIVO E APLICAÇÃO O objetivo deste Manual é apresentar as diretrizes e requisitos técnicos de saúde, segurança ocupacional e bem-estar a serem seguidos por todos os trabalhadores próprios, contratados e de empresas contratadas, de todas as áreas da Empresa - técnicas, administrativas ou operacionais, sem exceção, e independente de possuírem ou não sistema de gestão de saúde e segurança implantado. Este Manual é complementado pelas Instruções disponíveis no Portal do SESMT na Intranet. As atualizações das versões das instruções citadas neste Manual, bem como a inclusão de novas instruções, faz parte da melhoria contínua do sistema de gestão. Desta forma, a versão vigente da documentação a ser seguida é aquela disponível no Portal do SESMT, que deve ser consultado pelas áreas, no mínimo, a cada 3 meses. O Técnico de Segurança é o elo principal de comunicação e aplicação dos assuntos relativos a SSO&BE nas áreas, sendo a referência a ser consultada em caso de dúvidas, inclusive sobre as respectivas atualizações. A comunicação sobre as alterações dos documentos de responsabilidade da RH/ST é feita através da divulgação, via , para os RDs do SGS e integrantes do SESMT ou através de divulgação via rede corporativa intranet (CE Informa). 2 DEFINIÇÕES E ABREVIATURAS ACOMP - Acompanhamento de Planos de Ação. ACT - Acordo Coletivo de Trabalho. ADV - Autorização para Dirigir Veículos. ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestres. ART - Anotação de Responsabilidade Técnica. ASO - Atestado de Saúde Ocupacional. Avaliação de Riscos - Processo para quantificar o risco para tomada de decisões. AVCB - Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros. Brigada de Incêndio - Grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuar na prevenção, abandono, combate a um princípio de incêndio, atendimento a emergências e prestar primeiros socorros dentro de uma área preestabelecida. CAT - Comunicação de Acidente de Trabalho. CE - Comunicação Empresarial.

6 Página 6 de 33 CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes. CIS - Comunicação de Incidente de Segurança. CREA - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia. DER - Departamento de Estradas de Rodagem. Desempenho da SSO&BE - Resultados mensuráveis da gestão de um gerente sobre seus riscos de SSO&BE. Doença Ocupacional - Condição física ou mental adversa identificável, oriunda de, e/ou agravada por, uma atividade laboral e/ou situação relacionada ao trabalho. EPC - Equipamento de Proteção Coletiva. EPI - Equipamento de Proteção Individual. Fator de risco ou Perigo - Fonte, situação ou ato com potencial para provocar danos humanos em termos de lesão ou doença ocupacional ou combinação destas. Exemplo: perigo pode incluir pessoas, máquinas, equipamentos, produtos, materiais, atividades, etc. FISPQ - Ficha de Informações de Segurança de Produto Químico. Força de Trabalho - Empregados próprios, contratados e de empresas contratadas a serviço da Cemig. GCA - Grupo de Conservação Auditiva. Identificação de perigos - Processo de reconhecimento da existência de um perigo e definição de suas características. IES - Inventário Especial de Saúde. IMA - Instituto Mineiro de Agricultura. Incidente - Ocorrência/acidente de que resulte ou possa resultar em lesão, doença, fatalidade, perda material, perda de tempo ou outras perdas. Nota: Um acidente é um incidente que resultou em lesão, doença ou fatalidade. INMETRO - Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. IP - Instrução de Pessoal. IPS - Inventário Periódico de Saúde. IS - Instrução de Serviço. ISP - Índice de Segurança Praticada.

7 Página 7 de 33 IST - Instrução de Segurança do Trabalho - Instrução de caráter específico, técnico ou normativo, elaborada pela RH/ST, responsável pela implementação da Política de Saúde, Segurança e Bem-estar na Cemig, e que deve ser adotada como padrão corporativo. IT - Instrução de Trabalho - Instrução de caráter gerencial elaborada pela RH/ST, responsável pela implementação da Política de Saúde, Segurança e Bem-estar na Cemig, que deve ser adotada como padrão corporativo. Local de trabalho - Qualquer local físico no qual atividades relacionadas ao trabalho são executadas sob o controle da gerência, sejam estes internos ou externos à empresa. Nota: Convém levar em consideração os efeitos da SSO&BE sobre o empregado que esteja, por exemplo, viajando ou em trânsito (p.ex.: dirigindo, viajando de avião, ônibus ou trem), trabalhando nas instalações de um cliente, realizando serviços de campo, ou trabalhando em casa. MOPE - Condutores de Veículos Transportadores de Produtos Perigosos. MTE - Ministério do Trabalho e Emprego. NO - Norma de Organização - Documento que faz parte do Manual da Organização e especifica as competências e atribuições de cada gerência da Empresa. NPS - Nível de Pressão Sonora. NR - Normas Regulamentadoras estabelecidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego. PACP - Plano de Ação e Controle de Pendências. PAE - Procedimento para Atendimento a Emergência - Documento que define os procedimentos para atendimento a emergência. PCA - Programa de Conservação Auditiva. PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional. PCR - Plano de Cargos e Remunerações. PDCA - Em inglês Plan, Do, Check e Action - É uma ferramenta gerencial de tomada de decisões para garantir o alcance das metas necessárias à sobrevivência de uma organização, sendo composto das seguintes etapas: Planejar, Executar, Verificar e Agir. PE - Procedimento Específico - Documento no qual é registrada e definida a forma de executar uma atividade, com abrangência para uma área ou instalação específica da empresa. PG - Procedimento Geral - Documento no qual é registrada e definida a forma de executar uma atividade, com abrangência para todo o SGS. PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. RD - Representante da Direção.

8 Página 8 de 33 Registro de análise crítica pela direção - É o registro que contém as entradas e saídas de uma análise crítica pela direção. Pode ser constituído de um registro único, em alguns casos denominado Relatório de Análise Crítica ou de registros separados para as entradas (apresentações em slides, planilhas, etc) e para as saídas (ata de reunião ou outro registro). Requisitos legais - Leis, portarias, decretos, resoluções e outros documentos emitidos pelo governo em suas três esferas (federal, estadual e municipal), relacionados à SSO&BE. Os requisitos corporativos de cumprimento obrigatório são classificados como outros requisitos. Risco - Combinação da probabilidade de ocorrência de um evento perigoso ou exposição com a gravidade da lesão ou doença que pode ser causada pelo evento ou exposição. Risco aceitável - Risco que foi reduzido a um nível que pode ser tolerado pela Cemig, levando em consideração suas obrigações legais e seus Princípios de Gestão. RT - Responsável Técnico. SAMU - Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. SEP - Sistema Elétrico de Potência. SESMT - Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, representados na Cemig pelos Engenheiros de Segurança, Médicos, Enfermeira do Trabalho, Técnicos de Enfermagem e Assistentes Sociais, lotados na RH/ST, Psicólogos do Trabalho da RH/DH e pelos Técnicos de Segurança do Trabalho lotados nas Superintendências operacionais. SGS - Sistema de Gestão de Saúde e Segurança. SIPAT - Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho. SPCI - Sistema de Proteção Contra Incêndio. SRTE - Superintendência Regional do Trabalho e Emprego. SSO&BE - Saúde, Segurança Ocupacional e Bem-estar. SST - Saúde e Segurança no Trabalho. TFA - Taxa de Frequência de Acidentes com Afastamento. TI - Tecnologia da Informação. TST - Técnico em Segurança do Trabalho. USB - Unidade de Saúde e Bem-estar.

9 Página 9 de 33 3 ELEMENTOS TÉCNICOS DE SSO&BE Cabe ao SESMT da Cemig, gerenciado pela RH/ST, apoiar a implantação e manutenção do sistema de gestão de SSO&BE em todas as áreas da empresa, atuando e contribuindo como um órgão normativo e consultivo, presente em todas as fases do PDCA, desde o fornecimento de subsídios para as decisões estratégicas da Alta Direção nas questões relativas à SSO&BE até na operacionalização do sistema em todas as suas etapas. O sistema de gestão de SSO&BE da Cemig está estruturado em elementos, seguindo um ciclo PDCA, conforme ilustrado na figura a seguir. Política de SSO & BE Diretrizes do Planejamento Estratégico Perigos e riscos e controles Requisitos legais e outros Diagnóstico da situação atual de SSO & BE P Objetivos e metas de SSO & BE Planos de Ação D Recursos Comunicação, participação e consulta Controle operacional de SSO & BE Funções, responsabilidades, prestação de contas e autoridades Documentação de SSO & BE Competência, treinamento e conscientização Controle de Documentos e de Registros Preparação e resposta a emergências S E S M T C Realização de ensaios elétricos em EPIs, EPCs e ferramentas isoladas Inspeção da segurança praticada Indicadores corporativos de SSO & BE Verificação do atendimento às NRs Investigação e análise de incidentes Verificação Interna de SSO & BE A Análise crítica do desempenho de SSO & BE

10 Página 10 de 33 4 POLÍTICAS E DIRETRIZES ESTRATÉGICAS 4.1 Política de Segurança, Saúde e Bem-estar A Política de Segurança, Saúde e Bem-estar da Cemig - Anexo 1 - deve ser divulgada e explicada pelo gerente, de forma que seja entendida por toda a força de trabalho (próprios, contratados e empregados de empresas contratadas), em todas as gerências da Cemig, independente de possuírem sistema de gestão de saúde e segurança implantado ou não. A gerência deve manter registro formal desta divulgação, através de lista de presença, atualizada a cada revisão da Política de Segurança, Saúde e Bem-estar. Recomenda-se que o gerente estabeleça um mecanismo de medir o grau de entendimento e o grau de aplicação prática dessa Política pela força de trabalho, através de avaliação, imediatamente após a divulgação e explicação da Política ou outros meios de avaliação, algum tempo após a sua divulgação, em ocasiões oportunas tais como nos Momentos de Segurança. Cabe ao Gerente analisar todos os descumprimentos das Diretrizes Corporativas de Saúde, Segurança Ocupacional e Bem-estar dos empregados sob sua gestão, tomando as medidas administrativas cabíveis de acordo com as instruções vigentes na Empresa. Todas as medidas administrativas tomadas em cumprimento à esta determinação, devem ser encaminhadas para conhecimento da Gerência de Segurança do Trabalho, Saúde e Bem-estar RH/ST. A implementação destas ações administrativas relativas ao descumprimentos de Políticas, Normas, Instruções e Procedimentos de SSO&BE, visa coibir ações contrárias às determinações deste Manual. 4.2 Declaração de Princípios Éticos e Código de Conduta Profissional A Cemig, através do Princípio número 1 do seu Código de Ética, prioriza a saúde e segurança do seu quadro de pessoal próprio, contratados, de empresas contratadas e da população da sua área de concessão. As ações de prevenção de acidentes e promoção da saúde fazem parte de suas metas institucionais. 4.3 Diretrizes do Planejamento Estratégico O Sistema de Gestão de Saúde, Segurança e Bem-estar deve estar integralmente alinhado com as diretrizes do Planejamento Estratégico da Cemig. O gerente deve demonstrar esse alinhamento através de indicadores específicos de SSO&BE de sua área, que são acompanhados nas reuniões de análise crítica.

11 Página 11 de 33 5 PLANEJAMENTO 5.1 Perigos, riscos e controles Cada gerente deve assegurar que: seja realizada a identificação e avaliação dos perigos/fatores de risco à saúde e segurança e possíveis danos relacionados às instalações e a cada atividade realizada nas instalações e no serviço de campo da gerência, seguindo a IT-SESMT Metodologia Hira-Cemig; para os riscos significativos e sérios sejam implementados os controles necessários para eliminar, substituir, controlar - através de medidas de engenharia e de sinalização/alertas/controles administrativos - e, em último caso, para adotar o uso de equipamentos de proteção individual; todas as atividades com riscos significativos ou sérios sejam realizadas por pessoas treinadas, com preenchimento de formulário específico, conforme critérios definidos na IT-SESMT Análise de Risco; haja disponibilidade de recursos para implementação dos controles operacionais necessários. 5.2 Requisitos legais e outros requisitos O gerente é o responsável por assegurar o atendimento a todos os requisitos legais e outros subscritos pela Cemig em sua área de atuação. Para gerências onde o SGS está implantado ou em implantação, deve ser seguido o PG-02, devendo ser considerados todos os documentos disponíveis no Portal do SESMT na Intranet como outros requisitos. Para todas as gerências devem ser atendidos, no mínimo, os seguintes requisitos: legislação do Ministério do Trabalho e Emprego indicada no endereço legislação previdenciária; ACT disponibilizado na Intranet; outros requisitos indicados no Portal do SESMT na Intranet, no item Instruções de SSO&BE. Cabe ao TST assessorar o atendimento aos requisitos mínimos legais e aos outros requisitos aplicáveis a cada gerência de sua área de atuação. 5.3 Diagnóstico da situação atual de SSO&BE O SESMT da Cemig é responsável por conduzir diagnósticos corporativos de SSO&BE quando julgar necessário ou para atender diretrizes do Planejamento Estratégico. Os resultados desses diagnósticos são usados para elaboração de planos de ação corporativos coordenados pela RH/ST ou planos locais demandados pela RH/ST aos respectivos gerentes.

12 Página 12 de 33 A necessidade de realização de diagnóstico específico das condições de saúde, segurança ocupacional e bem-estar para uma gerência deve ser definida pelo gerente responsável pela área. 5.4 Objetivos, metas e planos de ação Além dos limites para a TFA, estabelecidos de forma corporativa pela RH/ST, cada gerente deve definir, anualmente, objetivos específicos para melhorar o desempenho de saúde, segurança ocupacional e bem-estar dos empregados próprios, contratados e de empresas contratadas que trabalham sob coordenação da gerência em suas instalações ou fora delas. Esses objetivos devem: estar alinhados com a Política de SSO&BE e com as diretrizes do planejamento estratégico; ser coerentes com os riscos de SSO&BE da gerência; buscar a melhoria do desempenho de saúde, segurança e bem-estar da força de trabalho através da minimização dos riscos e da prevenção de incidentes e doenças ocupacionais; possuir indicadores de desempenho para monitorar os resultados. Cada indicador deve possuir: uma meta que proporcione um desafio e que seja atingível em função dos recursos a serem alocados; um plano de ação para atingir a meta. O plano de ação deve ser aprovado pelo gerente e cadastrado no PACP ou ACOMP. Caso a gerência não utilize esses sistemas, fica a cargo do gerente a definição de outra forma de documentar e evidenciar esse Plano de Ação. É obrigatório que cada gerência monitore, no mínimo, os seguintes indicadores de desempenho relativos a SSO&BE: IRRO Índice de Redução de Risco Ocupacional IRRO RM RP RM Risco Mitigado (retirado das planilhas de Perfil de Risco da Metodologia Hira-Cemig) RP Risco Puro (retirado das planilhas de Perfil de Risco da Metodologia Hira-Cemig) IQVT - Índice de Qualidade de Vida no Trabalho TPO IQVT TPP TPO Total de Pontos (Pesos) Obtidos nos questionários de itens relacionados à qualidade de vida TPP Total de Pontos (Pesos) Possíveis de serem obtidos nos questionários de itens relacionados à qualidade de vida

13 Página 13 de 33 Recomenda-se que as gerências avaliem a necessidade de utilizar indicadores adicionais tais como: ISP Índice de Segurança Praticada TPO ISP TPP TPO Total de Pontos (Pesos) Obtidos nas inspeções de segurança TPP Total de Pontos (Pesos) Possíveis de serem obtidos nas inspeções de segurança ICS Índice de Conformidade de SSO&BE TPO ICS TPP TPO Total de Pontos (Pesos) Obtidos nas verificações internas de SSO&BE TPP Total de Pontos (Pesos) Possíveis de serem obtidos nas verificações internas de SSO&BE IAN Índice de Atendimento às Normas de SSO&BE TPO IAN TPP TPO Total de Pontos (Pesos) Obtidos nas verificações de atendimento às Normas de SSO&BE TPP Total de Pontos (Pesos) Possíveis de serem obtidos nas verificações de atendimento às Normas de SSO&BE IAP Índice de Acidentes Potenciais TAP IAP TAP TA TAP Total de Acidentes Potenciais registrados TA Total de Acidentes registrados TFA Taxa de Freqüência de Acidentes TA 6 TFA x10 THHT TA Total de Acidentes registrados THHT Total de Homem-hora trabalhado 6 IMPLEMENTAÇÃO E OPERAÇÃO 6.1 Recursos Cada gerente é responsável por assegurar recursos humanos, habilidades especializadas, infraestrutura organizacional, tecnologia e recursos financeiros necessários para estabelecer,

14 Página 14 de 33 implementar, manter e melhorar um sistema de gestão de SSO&BE que atenda os requisitos contidos neste Manual. 6.2 Funções, Responsabilidades, Autoridades e Prestação de Contas De acordo com a NO , são atribuições da RH/ST, entre outras: Elaborar e manter atualizadas as Diretrizes Gerais de Segurança do Trabalho para empregados, contratados e população, e monitorar a implementação de Diretrizes Específicas. Pesquisar, indicar e acompanhar os testes de equipamentos e materiais de segurança, métodos e técnicas de trabalho. Coordenar e elaborar as estatísticas de acidentes de trabalho de empregados, contratados e população. Coordenar o SESMT. Prover a Empresa de um Sistema de Gestão de Saúde e Segurança do Trabalho. O gerente, de cada órgão, é o responsável final pela saúde, segurança ocupacional e bem-estar de todos os empregados que trabalham na gerência ou prestam serviços para ela, em suas instalações ou em serviços externos, sendo que esta responsabilidade é indelegável. O gerente deve realizar todas as atividades descritas neste Manual como sendo de sua responsabilidade, destacadas ou complementadas pelas seguintes responsabilidades: assegurar o cumprimento dos requisitos legais relativos a SSO&BE em sua área; definir funções, alocando responsabilidades e prestações de contas e delegando autoridades, a fim de facilitar a gestão eficaz da saúde, segurança ocupacional e bem-estar conforme definido neste Manual; prestar contas do desempenho de saúde, segurança ocupacional e bem-estar de sua área; definir os objetivos e metas de saúde, segurança ocupacional e bem-estar para sua gerência; aprovar os planos de ação para atingir as metas estabelecidas; divulgar e explicar a Política de SSO&BE (Anexo 1) para que seja entendida e praticada por toda a força de trabalho; comunicar à força de trabalho a importância de atender aos requisitos legais e outros requisitos pertinentes a saúde, segurança ocupacional e bem-estar; assegurar provimento dos recursos essenciais para estabelecer, implementar, manter o sistema de gestão de SSO&BE e melhorar os seus resultados; assegurar o estabelecimento de processos de comunicação interna apropriados na gerência, que incluam a comunicação dos resultados de SSO&BE; conduzir análise crítica dos resultados de SSO&BE;

15 Página 15 de 33 demonstrar continuamente o seu comprometimento com a saúde, segurança ocupacional e bemestar da força de trabalho; garantir que a intervenção em instalações elétricas da Cemig, por pessoal próprio, contratado e de empresas contratadas, só possa ser realizada por pessoas autorizadas formalmente, conforme definido na IT-SESMT Autorização Formal para Intervenção em Instalações Elétricas. 6.3 Competência, treinamento e conscientização O gerente deve: assegurar que todas as pessoas que realizam atividades de risco com pontuação igual ou superior a 100 sejam treinadas na respectiva planilha de Perfil de Risco, elaborada conforme IT- SESMT ; definir, dentre os treinamentos indicados como recomendáveis no Portal do SESMT, aqueles que devem ser realizados pelos empregados sob sua responsabilidade; assegurar que toda a força de trabalho possua os treinamentos em saúde, segurança ocupacional e bem-estar indicados no Portal do SESMT, para cada função, conforme especificado a seguir: o Empregados de área administrativa: Curso de CIPA (Para os membros de CIPA eleitos e indicados pela Empresa). Curso de Direção Segura e Responsável (Para os empregados que possuam ADV). Curso de Brigadista (Para os membros, onde aplicável). Treinamentos nas Instruções de SSO&BE aplicáveis à área. o Empregados de área operacional: Curso de CIPA (Para os membros de CIPA eleitos e indicados pela Empresa). Curso de Direção Segura e Responsável (Para os empregados que possuam ADV). Curso de Primeiros Socorros. Treinamento de Técnicas de Resgate. Treinamento em Análise de Riscos. Curso de Brigadista (Para os membros, onde aplicável). Treinamentos nas Instruções de SSO&BE aplicáveis à área.

16 Página 16 de 33 Curso de Segurança para atendimento às Normas do MTE, aplicáveis para cada caso, como: NR-10 (Definido pelo RT da área, de acordo com a atividade realizada e abrangência da autorização). NR-11 (Para os operadores de equipamentos de transporte com força motriz própria). NR-13 (Para operadores de Caldeiras e Vasos de pressão). NR-33 (Para os empregados que executam atividades nestes ambientes). assegurar que sejam mantidos registros na gerência que evidenciam os treinamentos acima. Os cursos de qualificação e capacitação para o desempenho das atividades na Empresa são definidos conforme critérios estabelecidos no PCR corporativo, disponível na rede corporativa sob responsabilidade da RH/DH. O gerente deve ainda assegurar o cumprimento dos critérios estabelecidos nos seguintes documentos: IT-SESMT Treinamentos e Orientações para Atendimento ao item 10.8 da NR-10. IST-SESMT Reciclagem para Retorno ao Trabalho após Afastamento ou Inatividade por Período Superior a três meses. IST-SESMT Orientação Formal de Segurança a Visitantes dos Estabelecimentos da Empresa. IST-SESMT Orientação Formal de Segurança a Contratados e Empregados de Empresas Contratadas. IST-SESMT Instrução Formal de Segurança a Empregados. IST-SESMT Treinamento e Orientações para Atendimento ao Item Caput da NR-10 - Reciclagem Bienal. IST-SESMT Orientações para Secretário de CIPA. Outros documentos pertinentes disponibilizados no Portal do SESMT na Intranet. O gerente deve implementar um processo que assegure que toda a força de trabalho esteja consciente: das conseqüências reais ou potenciais de suas atividades de trabalho e de seu comportamento para a SSO&BE; dos benefícios resultantes da melhoria do seu desempenho pessoal para sua SSO&BE e de colegas de trabalho;

17 Página 17 de 33 de suas funções e responsabilidades em relação à SSO&BE; da importância em atingir a conformidade com a Política de SSO&BE indicada no Anexo 1; da importância em cumprir os procedimentos de SSO&BE disponibilizados no Portal do SESMT e outros definidos pela Gerência; da importância em cumprir os procedimentos de preparação e atendimento a emergências; da importância de realizar Análise de Risco antes da execução das atividades; das potenciais conseqüências da inobservância de procedimentos especificados. 6.4 Comunicação, participação e consulta O gerente é o responsável por assegurar uma comunicação eficaz dos assuntos relativos a SSO&BE em sua área. O gerente deve ainda assegurar que sejam cumpridos os critérios estabelecidos nos seguintes documentos: IT-SESMT Comunicação, Participação e Consulta de Assuntos Relativos a Gestão de Saúde, Segurança Ocupacional e Bem-estar. IST-SESMT Banner "Zona de Segurança segundo a NR-10". IST-SESMT Realização e Gestão do Momento de Segurança. IST-SESMT Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho - SIPAT. Outros documentos pertinentes disponibilizados no Portal do SESMT na Intranet. 6.5 Documentação de SSO&BE A documentação de SSO&BE da Cemig está estruturada conforme indicado na figura a seguir. Manual Técnico de SSO&BE Instruções de Trabalho (IT-SESMT) Instruções de Segurança do Trabalho (IST-SESMT) Documentos de SSO&BE elaborados pelas gerências

18 Página 18 de 33 Este Manual de SSO&BE define as diretrizes e requisitos a serem seguidos por todas as gerências da Cemig, independentemente de possuírem sistema de gestão, sendo um complemento das demais Normas de Organização relacionadas a SSO&BE. As Instruções de Trabalho são documentos de caráter gerencial, elaborados pela RH/ST e que devem ser, obrigatoriamente, adotados como padrões corporativos. As Instruções de Segurança do Trabalho são documentos de caráter específico, técnico ou normativo, elaborados pela RH/ST e que devem ser adotados, obrigatoriamente, como padrões corporativos. Os documentos de SSO&BE elaborados pelas gerências não podem, em hipótese alguma, conter requisitos ou práticas divergentes dos demais documentos indicados na figura anterior. Essa estrutura documental é complementada pelos seguintes documentos de hierarquia superior: legislação federal, estadual e municipal referente a SSO&BE; acordos assinados pela Cemig; instruções corporativas constantes do Manual de Procedimentos da Cemig. Os documentos que forem elaborados pelas gerências para atendimento às normas de segurança devem seguir o definido na IT-SESMT Critérios de Segurança para a Elaboração de Procedimentos de Trabalho. Os registros requeridos em todos os documentos acima devem ser mantidos nas gerências de forma a serem prontamente recuperáveis, em instalações que forneçam condições ambientais adequadas para prevenir danos, deterioração e perda. 6.6 Controle de documentos e de registros O gerente é o responsável por assegurar a manutenção de todos os registros requeridos nos documentos disponíveis no Portal do SESMT, nas NRs e em outros requisitos legais. O gerente deve designar pessoa(s) responsável(is) por controlar os documentos e registros de SSO&BE da gerência de modo a garantir: documentos aprovados antes da distribuição; documentos legíveis, claros e objetivos; documentos disponíveis para uso nos locais necessários; registros mantidos legíveis, prontamente identificáveis e recuperáveis pelos usuários.

19 Página 19 de Controle operacional de SSO&BE Considerações gerais Devem ser obedecidas as instruções constantes do Manual de Procedimentos da Cemig, disponíveis na intranet. O gerente deve assegurar que todas as atividades que possuam risco com pontuação igual ou superior a 100 nas planilhas de Perfil de Risco sejam executadas seguindo procedimentos da Empresa, independente dela possuir sistema de gestão ou não. Compete ao SESMT da Cemig recomendar o EPI adequado ao risco existente em determinada atividade, sendo permitida somente a utilização de EPIs especificados ou aprovados pelo SESMT. Está disponível no Portal do SESMT o Manual de EPI Cemig no qual consta a relação dos equipamentos de proteção atualmente em uso na Empresa. O gerente deve, ainda, assegurar o atendimento aos seguintes documentos: IT-SESMT Equipamentos de Proteção Individual - EPI. IST-SESMT Critérios para Utilização de Uniformes em Tecido Resistente à Chama e ao Fogo Repentino. IST-SESMT Critérios para Utilização de Luvas Isolantes em Cubículos e Painéis. IST-SESMT Aquisição de Óculos de Segurança com Lente Corretiva. IST-SESMT Utilização da Caixa Auxiliar de Tomada de Força nos Ensaios e Testes de Equipamentos Elétricos. IT-SESMT Segurança e Saúde nos Trabalhos em Espaços Confinados. IT-SESMT Sinalização de Segurança nas Instalações da Empresa. IT-SESMT Segurança em Projetos de Instalações Elétricas - NR-10. IT-SESMT Aquisição e Utilização de Produtos Químicos na Cemig. IT-SESMT Prontuário de Instalações Elétricas da NR-10. IT-SESMT Ergonomia - Análises Biomecânicas. IT-SESMT Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA. IT-SESMT Programa de Conservação Auditiva - PCA. IT-SESMT Critérios de Segurança para Realização de Eventos Temporários nas Instalações da Empresa. IST-SESMT Critérios de Segurança para Operação de Guindauto. Outros documentos pertinentes disponibilizados no Portal do SESMT na Intranet.

20 Página 20 de Inventário Social A Coordenação de Bem-estar da RH/ST disponibiliza, para ser realizado a cada dois anos, o Inventário Social, que consiste no atendimento individual aos eletricistas da Cemig, pelo Assistente Social, através do roteiro de investigação social. O cronograma de execução do Inventário é conduzido pela RH/ST a partir da demanda dos órgãos. A data de início das entrevistas é definida em comum acordo entre o gerente da área e o respectivo Assistente Social. Ao final do Inventário de cada gerência, o Assistente Social elabora um Plano de Ação que deverá ser aprovado pelo gerente da área. O gerente apresenta, juntamente com o Assistente Social, o Plano de Ação aos empregados. O gerente deve assegurar que as ações do plano sejam implantadas dentro dos prazos estabelecidos. O Assistente Social acompanha a implementação das ações, atuando junto ao gerente para correção de possíveis desvios encontrados Prevenção em saúde A RH/ST identifica a necessidade de ações de prevenção em saúde e implementa ações para sua execução seguindo o previsto no PE-SESMT Prevenção em Saúde. Essas ações envolvem treinamentos em saúde, palestras, campanhas, programas, vacinação e visitas ao local de trabalho. Cabe ao gerente: acionar a RH/ST, quando houver demandas específicas referentes à saúde de empregados sob sua gerência; incentivar os empregados sob sua gerência a participar das atividades de prevenção em saúde promovidas pela RH/ST Ergonomia A IP-9.3 estabelece os procedimentos e as responsabilidades para a adaptação das condições de trabalho na Empresa à NR-17: compete ao empregador realizar a análise ergonômica do trabalho para avaliar a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas do trabalhador. As ações em ergonomia na Cemig resultam da vigilância ativa da RH/ST, em conjunto com as gerências, direcionada aos fatores relacionados ao ambiente físico, equipamento e mobiliário do posto de trabalho (fatores biomecânicos), fatores organizacionais e ao ambiente psíquico, social e de relações no trabalho (fatores psicossociais). Os fatores relacionados são identificados e avaliados seguindo o previsto na IT-SESMT Ergonomia - Análises Biomecânicas e no PE-SESMT Prevenção em Saúde.

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ANEXO II EXIGÊNCIAS DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE 1. OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Estas exigências definem os deveres e as responsabilidades da CONTRATADA e estabelecem as orientações, requisitos

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007)

Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional (OHSAS 18001:2007) Gestão e otimização da produção Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional () Marco Antonio Dantas de Souza MSc. Engenharia de Produção Engenheiro de Segurança do Trabalho Introdução Fonte: Ministério da

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE

SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE ELABORADO APROVADO FOLHA: 1/24 NOME Vivan Gonçalves Coordenador do SESMT Teresinha de Lara Coordenador do SGI DATA: 02/01/2007 VERSÃO: 01 ÍNDICE 1. Objetivo 4 1.1. Escopo do SGSSO TELEDATA 5 2. Referências

Leia mais

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS)

MANUAL INTEGRADO DOS SISTEMAS DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA (EHS) 1/20 DO MEIO AMBIENTE E DE SAÚDE Emitido pelo Coordenador de EHS Luis Fernando Rocha Aguiar Aprovado pela Gerência da Usina de Itaúna Valério Toledo de Oliveira 2/20 Índice: 1 Objetivo e campo de aplicação

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as),

Marcos Damas. www.bethaconsultoria.com.br. Prezados (as) Senhores (as), Prezados (as) Senhores (as), A BETHA CONSULTORIA EM SEGURANÇA DO TRABALHO é uma empresa especializada em assessoria e prestação de serviços na área de segurança e medicina do trabalho para os mais diversos

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd)

GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) GESTÃO DA PRODUÇÃO (GPd) Antonio Keh Chuan Chou Gerente EHS GSC Latin America Sherwin Williams São Paulo, 22 de agosto de 2013 workshop AGENDA workshop Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho Operações

Leia mais

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho "Segurança o Tempo Todo"

Programa de Segurança e Saúde do Trabalho Segurança o Tempo Todo Página: 1/14 1. OBJETIVO Descrever as principais rotinas gerenciais de segurança e saúde do trabalho à serem desenvolvidas pela equipe da ENDICON, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais,

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

Conheça nossos Serviços

Conheça nossos Serviços BEM VINDO! Oferecemos completa Assessoria e Consultoria nos aspectos legais, técnicos e normativos relacionados à quaisquer serviços de SEGURANÇA, SAÚDE E MEDICINA DO TRABALHO. Conheça nossos Serviços

Leia mais

Guia de Mobilização - Vale

Guia de Mobilização - Vale Guia de Mobilização - Vale 2ª Edição Nov/2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. APLICAÇÃO... 3 3. MACRO FLUXO DO PROCESSO DE MOBILIZAÇÃO... 3 3.1. CERTIFICAÇÃO... 3 3.2. CONTRATAÇÃO... 4 3.3. MOBILIZAÇÃO...

Leia mais

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação:

ANEXO Nº I. Liberação: ¾ Termo de Liberação dos gestores da área solicitante para inicio das atividades; Prorrogação: ANEXO Nº I Item: SERVIÇO Unidade Requisitante: Código Cadastro: Empresa Contratada Especificações de Segurança, Higiene e Medicina do Trabalho para realização de integração na contratante. 1) Itens obrigatórios

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia

PROCEDIMENTO GERAL. Gestão de Anomalia PÁG. 1/12 1. OBJETIVO Estabelecer a sistemática para gestão de anomalias na BAHIAGÁS, determinando os critérios para seu registro, comunicação, investigação e a metodologia para definição e implantação

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP

MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP MANUAL DE SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL PARA EMPRESAS PRESTADORAS DE SERVIÇOS TIPO 1 DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE PESSOAS DGP DIVISÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL - DVSS Sumário 1. OBJETIVO...

Leia mais

Prezado colega, você sabia:

Prezado colega, você sabia: Prezado colega, você sabia: 1) Que, de maneira geral, as Normas Regulamentadoras (NRs), do MTE - Ministério do Trabalho e Emprego, estabelecem requisitos mínimos legais e condições com objetivo de implementar

Leia mais

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma;

a) garantir a efetiva implementação das medidas de proteção estabelecidas nesta Norma; TRABALHO EM ALTURA 36.1 Objetivo e Campo de Aplicação 36.1 Objetivo e Definição 36.1.1 Esta Norma tem como objetivo estabelecer os requisitos mínimos e as medidas de proteção para o trabalho em altura,

Leia mais

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS

Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Plano de Gerenciamento de RSS PGRSS Documento que aponta e descreve ações a relativas ao manejo dos resíduos sólidos, s observadas suas características, no âmbito dos estabelecimentos, contemplando os

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Anexo contratual: Health and Safety (HAS)

Anexo contratual: Health and Safety (HAS) Com a premissa fundamental de perpetuar a visão preventiva e o controle eficaz dos riscos operacionais, este anexo contratual determina os princípios legais e gerenciais para a manutenção da integridade

Leia mais

Procedimento de Segurança para Terceiros

Procedimento de Segurança para Terceiros Página 1 de 6 1. OBJETIVO Sistematizar as atividades dos prestadores de serviços, nos aspectos que impactam na segurança do trabalho de forma a atender à legislação, assim como, preservar a integridade

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional.

Prefácio. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS será retirada de circulação quando da publicação de seu conteúdo como Norma Internacional. Esta Norma OHSAS foi elaborada de acordo com as regras estabelecidas nas Diretrizes ISO/IEC,

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS 2.a SEP PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE SSMA PARA PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS Cortesia: Antônio Henriques & Isegnet Projeto de Inserção: 3RFollowGoGreener Aplicação: MPEM Rede Petro/SEBRAE Contato: www.isegnet.com.br

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) Sustentabilidade POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) A CONCERT Technologies S.A. prioriza a segurança de seus Colaboradores, Fornecedores,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para criação de Norma Regulamentadora sobre Trabalho em Altura

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora:

PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA. Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL. Equipe Técnica Executora: PAE PLANO DE ATENDIMENTO A EMERGÊNCIA Vigência: OUTUBRO/ 2015 à OUTUBRO/2016 Empresa: OCIDENTAL COMERCIO DE FRIOS LTDA - FILIAL Equipe Técnica Executora: REGINALDO BESERRA ALVES Eng de Segurança no Trabalho

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.

1 e 2... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n. ANEXO I da NR-20 1 e 2.... devem contemplar no Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, além dos requisitos previstos na Norma Regulamentadora n.º 9: a) o inventário e características dos inflamáveis

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade Obrigatoriedade de capacitação e autorização para trabalhos em altura e com eletricidade 08/05/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação...

Leia mais

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.

TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008. Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov. TREINAMENTO ITAIM INTERPRETAÇÃO DA NORMA NBR ABNT ISO 9001:2008 Maria das Graças Ferreira mgferreira@prefeitura.sp.gov.br 11 3104-0988 Este treinamento tem por objetivo capacitar os participantes para

Leia mais

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA.

MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. MEDIDAS DE CONTROLE COM NORMAS DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS QUE PRESTAM SERVIÇOS NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA. CLAUSULA PRIMEIRA: OBJETIVO. 1.1. Estabelecer diretrizes de

Leia mais

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais.

3.3 Deliberações do Conselho de Ética Pública do Estado de Minas Gerais. 03/07/2013 Pág. 01 GESTÃO DA DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS ÉTICOS E Substitui a IO-07 CÓDIGO DE CONDUTA PROFISSIONAL E DO CANAL de 03/04/2012 DE DENÚNCIA DA COMPANHIA ENERGÉTICA DE MINAS GERAIS 1. FINALIDADE

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002

POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO NORMA N-134.0002 POLÍTICA DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Norma N-134.0002 Estabelece as diretrizes da política de segurança e saúde do trabalho na Celesc, definindo

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços

Anexo 7 Requisitos para prestadores de serviços Para execução dos serviços o contratado deve enviar a documentação abaixo conforme a atividade que será desenvolvida. Para outras atividades que não constam na lista, o contratado deve enviar os documentos

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PÁG. 1/11 1. OBJETIVO Sistematizar os procedimentos de execução de trabalho em altura acima de 2,00 m (dois metros) do nível inferior, onde haja risco de queda. 2. ÁREA DE ABRANGÊNCIA Esta instrução de

Leia mais

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão:

CHECK LIST DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES Divisão: 4.2.2 Manual da Qualidade Está estabelecido um Manual da Qualidade que inclui o escopo do SGQ, justificativas para exclusões, os procedimentos documentados e a descrição da interação entre os processos

Leia mais

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR

III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR III ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DOS MUNICÍPIOS DA MICRORREGIÃO DO ALTO SAPUCAÍ PCMSO E SAÚDE DO SERVIDOR Sônia Cristina Bittencourt de Paiva Consultora em Saúde Ocupacional e Ergonomia A RELAÇÃO

Leia mais

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões

Gerenciamento de Obras. Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Gerenciamento de Obras Prof. Dr. Ivan Xavier Coordenação Prof. Dr. João R. L. Simões Fases do Gerenciamento: 3. Operação e controle da obra. 3. Operação e controle da obra: Reunião de partida da obra;

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA

PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA PLANO DE RESPOSTAS PARA EMERGÊNCIAS DUKE ENERGY GERAÇÃO PARANAPANEMA LIANE DILDA GERENTE DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO HISTÓRICO Privatização - 28.07.1999 (DEI-EUA) EUA) Geração e Comercialização de

Leia mais

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS

SELO ABRAIDI Programa de BPADPS SELO ABRAIDI Programa de BPADPS Reuniões: Julho a Agosto de 2010 Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes PAUTA * OBJETIVOS * ASPECTOS FUNDAMENTAIS * HISTÓRICO * SITUAÇÃO ATUAL

Leia mais

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR

II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento II.7.7 - PROGRAMA ESPECÍFICO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS DO TRABALHADOR EIA/RIMA para o Desenvolvimento Pág. 1/10 II.7.7 - Programa Específico de A PETROBRAS

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

OHSAS-18001:2007 Tradução livre

OHSAS-18001:2007 Tradução livre SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA OCUPACIONAL - REQUISITOS (OCCUPATIONAL HEALTH AND SAFETY MANAGEMENT SYSTEMS - REQUIREMENTS) OHSAS 18001:2007 Diretrizes para o uso desta tradução Este documento

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA

Nome da atividade: PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE PERDAS AUDITIVA Nome da atividade: DE PERDAS AUDITIVA RESULTADOS ESPERADOS: - PREVENIR A INSTALAÇÃO DE PERDAS AUDITIVAS OCUPACIONAIS. - CONTROLAR A EVOLUÇÃO DE PERDAS JÁ EXISTENTES - DIAGNOSTICAR PRECOCEMENTE PERDAS AUDITIVAS

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4

FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho. Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Saúde Ocupacional AULA 4 Competências a serem trabalhadas nesta aula Estabelecer os parâmetros e diretrizes necessários para garantir um padrão

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA 35.1. Objetivo e Campo de Aplicação NR-35 TRABALHO EM ALTURA Publicação D.O.U. Portaria SIT n.º 313, de 23 de março de 2012 27/03/12 35.1.1 Esta Norma estabelece os requisitos mínimos e as medidas de proteção

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013

Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Julho/2012 Cronograma de Atividades CIPA GESTÃO 2012-2013 Slogan: Segurança se faz com Educação MÊS Atividades * Reunião Ordinária e Posse da CIPA: 06/07/2012 * Implantação da Urna de Sugestões da CIPA.

Leia mais

GRUPO STARSEG GRUPO STARSEG. Assessoria e Consultoria em Segurança, Saúde e Meio Ambiente

GRUPO STARSEG GRUPO STARSEG. Assessoria e Consultoria em Segurança, Saúde e Meio Ambiente GRUPO STARSEG GRUPO STARSEG Assessoria e Consultoria em Segurança, Saúde e Meio Ambiente Rua Reverendo Martin Luther King, 161 Santo André - SP C.N.P.J: 05.667.311/0001-22 Tel: (011) 3461-8013 WWW.GRUPOSTARSEG.COM.BR

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Grupo PETRA S.A. Departamento de Tecnologia da Informação POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Início da Vigência: 01/Maio/2010 Propriedade do Grupo PETRA S.A. 1. INTRODUÇÃO Este documento foi elaborado

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013

PGRSS PASSO A PASSO NATAL/RN NOV/2013 NATAL/RN NOV/2013 PLANO DE GERENCIAMENTO DE RSS Documento que aponta e descreve ações relativas ao manejo dos resíduos sólidos nos estabelecimentos assistenciais de saúde Considerando as Características

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES

AVALIAÇÃO E SELEÇÃO DE FORNECEDORES VERIFICAÇÃO APROVAÇÃO ARQUIVO SQ SIGLA DA UO SULOG RUBRICA SIGLA DA UO G-SCQ RUBRICA 1 OBJETIVO Definir os requisitos e procedimentos mínimos para avaliação e seleção de fornecedores, assegurando fontes

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS NOVA NR 10 SEGURANÇA EM SERVIÇOS E INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Eng. Joaquim Gomes Pereira ------------ Ministério do Trabalho e Emprego DRT/SP 1 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº 10 NOVA NORMA REGULAMENTADORA Nº

Leia mais

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho

Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Aspectos do Projeto e Planejamento na Gestão Segurança do Trabalho Prof.MSc.Gonçalo Siqueira Santos / SP Segurança no trabalho Qual a sua atividade? Esta frase é uma das mais utilizadas entre os médicos

Leia mais

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE

AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE AUDITORIAS INTEGRADAS DE SAÚDE E SEGURANÇA PRÁTICA DE SUCESSO NA GESTÃO DE CONTRATOS DA CELPE Autores Andréa Katherine Vera Cruz Hugo Leonardo Vidal de Souza Araújo Sérgio Melo de Oliveira Moreira Simone

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS

DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS DIRETRIZES GERAIS REFERENTE À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA EMPRESAS CONTRATADAS 1) OBJETO 1.1) As diretrizes aqui apresentadas tem o objetivo de instruir as empresas contratadas pela, UNILA, quanto

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013

Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 CIPA Comissão Interna de Prevenção de Acidentes NR-5 Alexandre Enzweiler, Gabriel de Almeida e Yvo Pitol 22/04/2013 Atribuições iniciais Criada em 1934 e regulamentada somente em 1978 juntamente com outras

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012

Atuação Responsável. Programa. Requisitos do Sistema de Gestão. 20 anos do Atuação Responsável no Brasil. Responsável 1992-2012 Atuação Responsável anos 1992-2012 Programa Atuação Responsável 20 anos do Atuação Responsável no Brasil Requisitos do Sistema de Gestão Associação Brasileira da Indústria Química Associação Brasileira

Leia mais

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO

SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO OHSAS 18001 SISTEMAS DE GESTÃO PARA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL - ESPECIFICAÇÃO IMPORTANTE: A BSI-OHSAS 18001 não é uma Norma Britânica. A BSI-OHSAS 18001 será cancelada quando da inclusão do seu conteúdo

Leia mais

artigos 154 a 159 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 2 NR-5 - Estruturar, Implantar, Registrar e

artigos 154 a 159 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 2 NR-5 - Estruturar, Implantar, Registrar e 1 NR-1- Disposição Geral, embasado nos artigos 154 a 159 da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 2 NR-5 - Estruturar, Implantar, Registrar e acompanhar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA),

Leia mais

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança

Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Perguntas para avaliar a efetividade do processo de segurança Questionário básico de Segurança da Informação com o objetivo de ser um primeiro instrumento para você avaliar, em nível gerencial, a efetividade

Leia mais

ENGENHARIA DE SEGURANÇA

ENGENHARIA DE SEGURANÇA ESTADO DE MATO GROSSO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL ENGENHARIA DE SEGURANÇA P R O F ª K A R E N W R O B E L S T R A

Leia mais