AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO. Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

2 2

3 3

4 AVALIAÇÃO Impacto do Projeto Inovar com Igualdade - 2ª Edição

5 Avaliação do Impacto - Metodologia

6 RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE AUTODIAGNÓSTICO -Visou avaliação do desempenho das empresas no domínio da Igualdade de Género (IG) -Foi estruturado em nove principais dimensões: I. Missão e Valores da Empresa II. Recrutamento e Seleção de Pessoal III. Aprendizagem ao Longo da Vida IV. Remunerações e Gestão da Carreira V. Diálogo e Participação de Trabalhadores e Trabalhadoras e/ou Suas Organizações Representativas VI. Dever de Respeito pela Dignidade de Mulheres e Homens no Local de Trabalho VII. Informação, Comunicação e Imagem VIII. Conciliação da Vida Profissional, Familiar e Pessoal IX. Proteção na Maternidade e Paternidade e Assistência à Família

7 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS EMPRESAS: BOAS PRÁTICAS DE IG Verificamos que: Max: 750 -De uma forma global, em termos de boas práticas de Igualdade de Género (IG), é notória a evolução média (58%) das empresas associadas ao projeto 58%

8 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG I. MISSÃO E VALORES DA EMPRESA A evolução verificada (400%) prende-se, sobretudo, com: Max: 90 -a revisão e/ou criação de politicas, nomeadamente de Responsabilidade Social -a inclusão da temática da Igualdade de Género nestes instrumentos -a implementação da linguagem inclusiva nestes instrumentos 400%

9 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG II. RECRUTAMENTO E SELEÇÃO DE PESSOAL Em termos de Recrutamento, verifica-se ainda uma grande segregação sectorial em todas as empresas que participaram no projeto. Max: 60 Trata-se de uma situação que terá de ser trabalhada a montante nas empresas, pois em muitos casos para determinadas funções não existem candidaturas femininas/masculinas. - Foi desenvolvido um programa chamado O que eu quero Ser? que pretende trazer jovens às empresas para perceberem o dia a dia de determinadas funções e assim cativar os géneros menos representados.

10 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG III. APRENDIZAGEM AO LONGO DA VIDA Em termos de evolução das boas práticas de formação destacam-se: -Aanálise de horas de formação por género - Criação de diretrizes para o sistema de levantamento de necessidades de formação para garantir uma participação efetiva dos/as trabalhadores/as neste processo - Criação de diretrizes para uma melhor conciliação da vida pessoal com a vida familiar aquando da implementação da formação profissional promovida pela empresa 26% Max: 120

11 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG IV. REMUNERAÇÃO E GESTÃO NA CARREIRA Em termos remuneratórios verificamos que: - as empresas associadas ao projeto não descriminam remuneratoriamente os seus colaboradores das suas colaboradoras. Max: 60 - deste o início do projeto, não existia discriminação nesta matéria.

12 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG V. DIÁLOGO E PARTICIPAÇÃO DE TRABALHADORES /AS A evolução das boas práticas de diálogo e participação de trabalhadores/as está relacionada, sobretudo, com: Max: 60 - os questionários e entrevistas levadas a cabo durante o projeto aos/às colaboradores/as, onde para além da IG, foram avaliadas as relações entre o pessoal e a administração, a relação entre o/a colaborador/a e a sua chefia. 133% - o desenvolvimento de newsletters internas para comunicação com os/as colaboradores/as.

13 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG VI. DEVER DE RESPEITO PELA DIGNIDADE DE MULHERES E HOMENS NO LOCAL DE TRABALHO A evolução verificada prende-se, sobretudo, com: - as melhorias implementadas em termos de comunicação interna, nomeadamente na criação de locais onde são afixados/divulgados os direitos dos/das colaboradores/as. Max: 40 -Paralelamente foi desenvolvido um procedimento que permite o envio de queixas/denúncias de uma forma confidencial. 106%

14 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG VII. INFORMAÇÃO, COMUNICAÇÃO E IMAGEM A evolução verificada prende-se, sobretudo, com: -a divulgação de um conjunto de informações relevantes no domínio da IG (Parentalidade/Violencia Domenstica, etc) Max: 70 - a realização de diversas ações como o dia do trabalhador com os/as filhos/as dos/das colaboradores/as 69% - o desenvolvimento de um manual de linguagem inclusiva

15 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG VIII. CONCILIAÇÃO DA VIDA PROFISSIONAL, FAMILIAR E PESSOAL Verificou-se que: - Apesar de existirem um conjunto de boas práticas de conciliação da Vida Profissional, Familiar e Pessoal nas empresas, estas não estão formalmente estabelecidas. Max: No entanto, os planos de ação possuem um conjunto de boas práticas nesta matéria, que se implementadas no futuro, poderão aumentar significativamente a classificação das empresas nesta matéria. 24%

16 AVALIAÇÃO DA EVOLUÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE IG IX. PROTEÇÃO NA MATERNIDADE, PATERNIDADE E ASSISTÊNCIA À FAMILIA Em termos de boas práticas de Parentalidade, esta evolução tem haver, sobretudo com: Max: 130 -a oferta de brindes/prendas aos novos pais e mães nas empresas -a comunicação do nascimento (newsletter) de filhos e filhas - a divulgação dos direitos dos/as trabalhadores/as em termos de parentalidade, quer pela distribuição e afixação de informação, quer por meio de ações de formação 56%

17 RESULTADOS DO QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL -Visou uma avaliação final da participação das empresas no projeto -Foi estruturado em quatro principais dimensões: I. Avaliação dos objetivos e expectativas iniciais II. Avaliação da equipa de trabalho, das metodologias utilizadas e das práticas desenvolvidas no projeto III. Análise dos impactos da participação no projeto ao nível do individuo, da empresa e no meio envolvente IV. Sustentabilidade dos impactos positivos após conclusão do projeto

18 I. AVALIAÇÃO DOS OBJETIVOS E EXPECTATIVAS INICIAIS DA PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS OBJETIVOS QUE LEVARAM AS EMPRESAS A PARTICIPAR NO PROJETO n A incorporação dos princípios de Igualdade de Género (IG) na missão e valores da empresa 4 Sensibilização de todos os trabalhadores/as para a IG 2 A partilha com outras empresas de boas práticas em matéria IG 2 O reforço da imagem interna da empresa com as preocupações sociais 1 A implementação de boas práticas de outras empresas em matéria da IG 1 Dotar a empresa de mais ferramentas para o processo de certificação a desenvolver 1 O reconhecimento externo da existência de boas práticas no dominio da IG 1 Fazer o diagnóstico da situação da empresa no domínio da IG 1

19 I. AVALIAÇÃO DOS OBJETIVOS E EXPECTATIVAS INICIAIS DA PARTICIPAÇÃO DAS EMPRESAS

20 II.AVALIAÇÃO DA EQUIPA DE TRABALHO, DAS METODOLOGIAS UTILIZADAS E DAS PRÁTICAS ADOTADAS NO PROJETO AVALIAÇÃO DA EQUIPA DE TRABALHO, METODOLOGIAS E PRÁTICAS A participação dos promotores do projeto Boa Boa S/opinião Excelente Boa A participação dos consultores Excelente Excelente Excelente Excelente Excelente A metodologia de trabalho utilizada Excelente Boa Excelente Boa Boa A realização do diagnóstico Excelente Boa Bom Boa Boa A implementação das medidas Boa Boa Excelente Boa Boa A realização do que estava previsto Boa Boa Excelente Boa Boa

21 III. IMPACTOS RESULTANTES DA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO NA EMPRESA IMPACTOS NA EMPRESA Sensibilização interna para a temática da IG 5 Organização da documentação interna com eliminação da linguagem discriminatória 5 Maior satisfação e motivação no trabalho 4 Reforço da visibilidade e prestígio da empresa 3 Formalização de práticas já existentes no domínio da IG 3 Fortalecimento do espirito de equipa e a união entre os/as trabalhadores/as 3 Reforço da imagem interna da empresa com as preocupações sociais 3 Consciencialização e desempenho do papel de responsabilidade social 2 Maior sensibilização para o facto de a promoção da IG ser um fator de competitividade das empresas 2 Tratamento de toda a informação com introdução da dimensão da IG 2 Permitir uma maior proximidade entre família-empresa 2 Melhoria do clima organizacional 1 Dotar a empresa de competências para a realização do processo de certificação 1 Elaboração e implementação de manual de linguagem inclusiva 1 n

22 III. IMPACTOS RESULTANTES DA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO NO INDIVÍDUO IMPACTOS NO INDIVIDUO n Maior informação sobre a promoção dos direitos, liberdades e garantias 5 Maior satisfação e motivação do/a trabalhador/a 5 Aquisição e renovação de competências 2 Garantia de igualdade de tratamento, de oportunidades e de não discriminação 2 Maior disponibilidade de tempo para a conciliação da vida profissional com a vida pessoal/familiar 1 Aumento do bem-estar físico e psicológico 1 Valorização pessoal e profissional 1 Utilização de linguagem inclusiva 1

23 III. IMPACTOS RESULTANTES DA PARTICIPAÇÃO NO PROJETO NO MEIO ENVOLVENTE IMPACTOS NO MEIO ENVOLVENTE n Maior visibilidade externa da importância dada pela empresa às questões da IG 4 Transmissão de uma imagem positiva da empresa em termos de responsabilidade social 4 Abertura da empresa à comunidade envolvente 3 Maior conciliação entre a vida pessoal/familiar e laboral 2 Divulgação e dinamização das instituições sociais existentes/serviços de proximidade na área geográfica das empresas 1 Sensibilização das entidades externas em matéria de IG 1 Melhor qualidade de vida para colaboradores/as e seus familiares, logo para a comunidade envolvente 1

24 IV. MANUTENÇÃO DOS IMPACTOS APÓS CONCLUSÃO DO PROJETO MANUTENÇÃO DE IMPACTOS POSITIVOS APÓS CONCLUSÃO DO PROJETO n Mantendo e melhorando as boas práticas que possui no domínio da IG 5 Implementando novas práticas com o objetivo de uma melhoria contínua na IG 3 Iniciando o processo de certificação 1 Ampliando o projeto para todo o grupo da empresa 1

25 NOTAS CONCLUSIVAS Verificou-se um aumento significativo do número de boas práticas associadas à Igualdade de Género adotadas pelas empresas. -Pela positiva destaca-se, sobretudo, as boas práticas associadas à revisão e criação de documentação estratégica nas empresas que incorporam a IG e a promovem dentro das empresas. -Paralelamente é de salientar, ainda, a forte disseminação deste tema junto dos/das colaboradores/as e a repercussão nas suas famílias. -Como pontos a melhorar destaca-se a necessidade de estabelecer formalmente procedimentos para uma melhoria da conciliação da vida profissional, familiar e pessoal. - Contudo, mudar mentalidades e práticas requer tempo, persistência e permanência.

26 Muito obrigado pela atenção! 26

Balanço da 2ª Edição do Projeto Inovar com Igualdade

Balanço da 2ª Edição do Projeto Inovar com Igualdade Balanço da 2ª Edição do Projeto Inovar com Igualdade Projeto Inovar com Igualdade 2 edições 15 empresas 1250 colaboradores/as 2000 h de consultoria 750 ações propostas Empresas 1ª EDIÇÃO 2 EDIÇÃO 1ª Edição

Leia mais

Plano para a Igualdade de Género Câmara Municipal de Vagos

Plano para a Igualdade de Género Câmara Municipal de Vagos Plano para a Igualdade de Género da Câmara Municipal de Vagos, âmbito de intervenção: Plano para a Igualdade de Género Câmara Municipal de Vagos 1- Planeamento estratégico Promover os princípios da igualdade

Leia mais

FÓRUM EMPRESAS PARA A IGUALDADE. Síntese de Medidas

FÓRUM EMPRESAS PARA A IGUALDADE. Síntese de Medidas FÓRUM EMPRESAS PARA A IGUALDADE Síntese de Medidas Em 2014 foram 138 as medidas propostas pelas 31 empresas. São consideradas as medidas das 10 novas empresas aderentes bem como as medidas propostas para

Leia mais

Norma Portuguesa para Organizações Familiarmente Responsáveis BOAS PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS

Norma Portuguesa para Organizações Familiarmente Responsáveis BOAS PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS Norma Portuguesa para Organizações Familiarmente Responsáveis BOAS PRÁTICAS DE ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS ORGANIZAÇÕES FAMILIARMENTE RESPONSÁVEIS VIDA PLENA CONCILIAR AS VIDAS - Norma Portuguesa

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES COOPERATIVOS. 18 a 22 de janeiro de 2016

CURSO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES COOPERATIVOS. 18 a 22 de janeiro de 2016 CURSO DE FORMAÇÃO DE DIRIGENTES COOPERATIVOS 18 a 22 de janeiro de 2016 de 18 a 22 de janeiro de 2016 Objetivos gerais: Enquanto matéria transversal, sensibilizar quadros técnicos e dirigentes para a temática

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Chile. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Chile Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios A Lei nº 20.416 estabelece regras especiais para as Empresas de Menor Tamanho (EMT).

Leia mais

Guia de Boas Práticas de Igualdade de Género no setor da Cerâmica. Dezembro 2011 www.igualdade.info

Guia de Boas Práticas de Igualdade de Género no setor da Cerâmica. Dezembro 2011 www.igualdade.info Guia de Boas s de Igualdade de Género no setor da Cerâmica Dezembro 2011 www.igualdade.info Guia de Boas s de Igualdade de Género no setor da Cerâmica ÍNDICE 01 INTRODUÇÃO 5 02 A IGUALDADE DE GÉNERO NO

Leia mais

estão de Pessoas e Inovação

estão de Pessoas e Inovação estão de Pessoas e Inovação Luiz Ildebrando Pierry Secretário Executivo Programa Gaúcho da Qualidade e Produtividade Prosperidade e Qualidade de vida são nossos principais objetivos Qualidade de Vida (dicas)

Leia mais

Para a empresa a igualdade entre mulheres e homens é considerada uma prioridade para o desenvolvimento organizacional?

Para a empresa a igualdade entre mulheres e homens é considerada uma prioridade para o desenvolvimento organizacional? > QUESTIONÁRIO QUESTIONÁRIO I. MISSÃO E VLORES D EMPRES Empresas de excelência que visam ser socialmente responsáveis incorporam na sua missão e valores os princípios da igualdade de género e implementam

Leia mais

incorporação de um novo colaborador

incorporação de um novo colaborador incorporação de um novo colaborador Manual de Excelência no Serviço 21 4. A Incorporação de um Novo Colaborador Recrutamento e Selecção Antes da incorporação de um novo colaborador no Hotel será obrigatório

Leia mais

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa?

ASSET 55. Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Como a gestão por meio da PAS 55 promove a excelência operacional e aumenta a rentabilidade da empresa? Conselho de Administração / Alta Direção Nós estamos extraindo o maior valor possível dos nossos

Leia mais

CONTROLADA NÃO CÓPIA

CONTROLADA NÃO CÓPIA Ficha Técnica Parceiro Técnico CH Business Consulting Design Gráfico Monstros&Cia ÍNDICE Nota Introdutória A Baía do Tejo A Igualdade de Género na Baía do Tejo Plano de Igualdade da Baía do Tejo 01 05

Leia mais

Índice Descrição Valor

Índice Descrição Valor 504448064 Índice Descrição Valor 1 Missão, Objectivos e Princípios Gerais de Actuação 11 Cumprir a missão e os objectivos que lhes tenham sido determinados de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

1. Hoje vs Amanhã. 2. O que é um Centro de Voluntariado. 3. Impacte do Centro de Voluntariado. 4. Missão. 5. Competências do Centro de Voluntariado

1. Hoje vs Amanhã. 2. O que é um Centro de Voluntariado. 3. Impacte do Centro de Voluntariado. 4. Missão. 5. Competências do Centro de Voluntariado Projeto 1. Hoje vs Amanhã 2. O que é um Centro de Voluntariado 3. Impacte do Centro de Voluntariado 4. Missão 5. Competências do Centro de Voluntariado 6. Fases para a Criação 7. Processo de planeamento

Leia mais

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO

Proposta de Plano de Ação 2012/2013 CONSELHO LOCAL DE AÇÃO SOCIAL DE PENALVA DO CASTELO Proposta de Plano de Ação 2012/ 1 Proposta de Plano de Ação 2012/ Eixo de Desenvolvimento: Promover a qualificação escolar/profissional, o empreendedorismo e a empregabilidade. Objetivo geral: Dinamização

Leia mais

Política de Responsabilidade Sócio Ambiental (PRSA) w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r

Política de Responsabilidade Sócio Ambiental (PRSA) w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r Sócio Ambiental (PRSA) w w w. b a n c o g u a n a b a r a. c o m. b r ÍNDICE: 1. SOBRE A DOCUMENTAÇÃO... 3 1.1. CONTROLE DE VERSÃO... 3 1.2. OBJETIVO... 4 1.3. ESCOPO... 4 2. RESPONSABILIDADE SÓCIO AMBIENTAL...

Leia mais

ANO: 2015. Taxa de Reprodução da visão, missão e valores da. 90.00 organização. Taxa de Reprodução das políticas da organização 60.

ANO: 2015. Taxa de Reprodução da visão, missão e valores da. 90.00 organização. Taxa de Reprodução das políticas da organização 60. Casa Santa Isabel POLÍTICAS ANO: 2015 Política da ética A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo a valores morais fundamentais, orientados para a prevenção de riscos desnecessários

Leia mais

PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO

PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO PLANO PARA A IGUALDADE DE GÉNERO DO EXÉRCITO PARA O ANO DE 2014 2 1. ENQUADRAMENTO a. O princípio da igualdade é um princípio fundamental da Constituição da República Portuguesa, em que no seu Artigo 13º

Leia mais

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE

REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE Os Amigos do Cáster em parceria com a Câmara Municipal de Ovar criam o PRÉMIO PRESTÍGIO DE SUSTENTABILIDADE, inserido no âmbito do Programa Integrado de

Leia mais

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS)

AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) AGENDA NACIONAL DE TRABALHO DECENTE PARA OS TRABALHADORES E TRABALHADORAS DO SUS (ANTD-SUS) Brasília, 20 de novembro de 2014 II Encontro Nacional das Mesas de Negociação do SUS Agenda Nacional de Trabalho

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável.

Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. GREEN PROJECT AWARDS BRASIL Uma iniciativa que pretende RECONHECER AS BOAS PRÁTICAS em projetos que promovam o desenvolvimento sustentável. CANDIDATURAS 201 INSCRIÇÕES NO PRIMEIRO ANO INSCRIÇÕES FEITAS

Leia mais

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015

Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Programa de Educação para a Sustentabilidade 2014/2015 Plano de Atividades Programa de Educação para a Sustentabilidade O Programa de Educação para a Sustentabilidade para o ano letivo 2014/2015 integra

Leia mais

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES

DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS DIAGNÓSTICO PRÁTICAS DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS EMPRESAS DOS AÇORES JUNHO DE 2012 CENTRO ESTUDOS NATÁLIA CORREIA PONTA DELGADA CATARINA BORGES AGRADECIMENTOS SECRETARIA REGIONAL

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e

Leia mais

Plano de Ação 2016 GRACE

Plano de Ação 2016 GRACE Plano de Ação 2016 GRACE Mensagem da Direção É tempo de preparar mais um ano de intensa atividade do GRACE, procurando consolidar o capital de experiência e partilha acumulado e alargar novas perspetivas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO

AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO 156 AVALIAÇÃO DA MOTIVAÇÃO COLABORADORES 1 RELATÓRIO FINAL 2012 ÍNDICE Nota Introdutória 3 Resultados obtidos Avaliação Geral 3 Avaliação por questão 5 Tabela de Sugestões apresentadas e respetivas ações

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação

ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação ABNT NBR 16001:2004 Os Desafios e Oportunidades da Inovação A Dinâmica da Terra é uma empresa onde o maior patrimônio é representado pelo seu capital intelectual. Campo de atuação: Elaboração de estudos,

Leia mais

WePeopleValueYourPeople

WePeopleValueYourPeople WePeopleValueYourPeople e info@peoplevalue.com.pt w www.peoplevalue.com.pt Actualizado em 2010Jan14 quem somos? Somos a consultora sua parceira focada nas Pessoas e na sua valorização. Através da especialização

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização GEBALIS,EM, S.A. Diretor(a) Sergio Lopes Cintra Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa Número de Efetivos 200 NIF 503541567

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

3. Como podem ser constituídas as equipas dos projetos cooperativos?

3. Como podem ser constituídas as equipas dos projetos cooperativos? FAQ I Finalidade e âmbito do Programa COOPJOVEM 1. O que é o COOPJOVEM? O COOPJOVEM é um programa de apoio ao empreendedorismo cooperativo, destinado a apoiar os jovens NEET na criação de cooperativas,

Leia mais

O Ambiente Empresarial e a Sustentabilidade

O Ambiente Empresarial e a Sustentabilidade O Ambiente Empresarial e a Sustentabilidade Instrumentos de Gestão Empresarial: Buscando se inserir os princípios relacionados à sustentabilidade no âmbito e na realidade empresarial, diversos instrumentos

Leia mais

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A.

FrontWave Engenharia e Consultadoria, S.A. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa é uma empresa criada em 2001 como spin-off do Instituto Superior Técnico (IST). Desenvolve tecnologias e metodologias de inovação para rentabilizar

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011

Pesquisa IBOPE Ambiental. Setembro de 2011 Pesquisa IBOPE Ambiental Setembro de 2011 Com quem falamos? Metodologia & Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas telefônicas. Objetivo geral Identificar

Leia mais

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012

Planejamento Estratégico do Setor de Florestas Plantadas -2012 CONTEXTO O setor de florestas plantadas no Brasil éum dos mais competitivos a nível mundial e vem desempenhando um importante papel no cenário socioeconômico do País, contribuindo com a produção de bens

Leia mais

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da

A Academia está alinhada também aos Princípios para Sustentabilidade em Seguros UNPSI, coordenados pelo UNEP/FI órgão da ONU dedicado às questões da - 1 - Prêmio CNSeg 2012 Empresa: Grupo Segurador BBMAPFRE Case: Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE Introdução A Academia de Sustentabilidade BBMAPFRE foi concebida em 2009 para disseminar o conceito

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

ÍNDICE INTEGRANDO TALENTOS MISSÃO, VISÃO E VALORES DIFERENCIAL ESTRUTURA PRINCIPAIS SERVIÇOS

ÍNDICE INTEGRANDO TALENTOS MISSÃO, VISÃO E VALORES DIFERENCIAL ESTRUTURA PRINCIPAIS SERVIÇOS ÍNDICE INTEGRANDO TALENTOS MISSÃO, VISÃO E VALORES DIFERENCIAL ESTRUTURA PRINCIPAIS SERVIÇOS RECRUTAMENTO E SELEÇÃO HUNTING ESTÁGIOS DESENVOLVIMENTO METODOLOGIA CLIENTES AGRADECIMENTO CONTATO INTEGRANDO

Leia mais

Plano para a igualdade de género 2014-2016

Plano para a igualdade de género 2014-2016 Plano para a igualdade de género 2014-2016 Plano para a igualdade de género 2014-2016 Plano para a igualdade de género Índice página 3 ÍNDICE 05 1 ENQUADRAMENTO 06 2 CARACTERIZAÇÃO DA INCM 07 3 SÍNTESE

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE CONTEXTO DO PROGRAMA O Texbrasil, Programa de Exportação da Indústria da Moda Brasileira, foi criado em 2000 pela Abit (Associação Brasileira da Indústria Têxtil e Confecção)

Leia mais

GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO

GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO E ADMINISTRAÇÃO GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Está preparado para a gestão de recursos humanos na era da globalização? Desenvolver conhecimentos que permitam melhorar a gestão dos recursos humanos

Leia mais

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social

Plano de Atividades 2014-15. Gabinete de Serviço Social Plano de Atividades 2014-15 Gabinete de Serviço Social 1. Voluntariado e Dinamização da Comunidade 1.1. Clube Social 1.2. Projeto Conhecer a Terceira Idade 1.3. Campanha de Natal 1.4. Campanha Papel por

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor

Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor Parte integrante da Metodologia Tear de Trabalho em Cadeia de Valor 2 Apresentando as etapas da Metodologia Tear de forma simplificada, esta versão resumida foi preparada para permitir um acesso rápido

Leia mais

ColorADD 1/5. Sistema de identificação de cores para daltónicos

ColorADD 1/5. Sistema de identificação de cores para daltónicos ColorADD Sistema de identificação de cores para daltónicos Desenvolvido por Miguel Neiva, designer gráfico português e professor da Universidade do Minho, o projeto ColorAdd procura ajudar a minorar um

Leia mais

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP

POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP POLÍTICA DE DIVERSIDADE DO GRUPO EDP CONTEXTO Respeitar a diversidade social e a representatividade presente nas comunidades em que as organizações se inserem é um dever ético e simultaneamente um fator

Leia mais

Plano de Atividades 2014

Plano de Atividades 2014 Plano de Atividades 2014 Índice Nota introdutória ---------------------------------------------------------------------------------------------- 5 1. Programa Garis -------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO

REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO REGULAMENTO CURSO DESCENTRALIZADO I Nome do curso PROTAGONISMO JUVENIL - GRÊMIO ESTUDANTIL E A FORMAÇÃO CIDADÃ NO ESPAÇO ESCOLAR II Apresentação: descrição do curso O curso capacitará os participantes

Leia mais

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos

Serviço Comunitário na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos na licenciatura em Psicologia: Um programa com reconhecidas vantagens na qualidade da formação dos futuros psicólogos 1.º Congresso Nacional da Ordem dos Psicólogos 18 a 21 abril 2012 Luísa Ribeiro Trigo*,

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas

CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e Empresas CENÁRIO BRASILEIRO DO MARKETING RELACIONADO A CAUSAS Atitudes e comportamento das OSCs e 3º Seminário de Marketing Relacionado a Causas 25 de outubro de 2007 1 Objetivos Estudar atitudes e comportamentos

Leia mais

NÚCLEO SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

NÚCLEO SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL NÚCLEO SESI DE RESPONSABILIDADE SOCIAL Mapa Estratégico da Indústria (2007-2015) 2015) Objetivo Criar a cultura da Responsabilidade Social nas Empresas, incorporando as suas políticas às estratégias corporativas,

Leia mais

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO

PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO 1 PROPOSTA DE ANÁLISE DIAGNÓSTICA E GESTÃO DO HOSPITAL MATERNIDADE SÃO CAMILO Proposta: 004/2013 Interessado: Fundação Hospitalar e Maternidade São Camilo Datada Emissão: 16/09/2013 Unidade Instituto Solidário:

Leia mais

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ

Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ Descrição de Tarefas para a Posição de Director de Programas, Políticas e Comunicação da AAMOZ ActionAid é uma federação internacional trabalhando para erradicar a pobreza e a injustiça. A ActionAid foi

Leia mais

Recursos Humanos e Qualidade

Recursos Humanos e Qualidade K Recursos Humanos e Qualidade na Gestão das Organizações do 3.º Sector S. Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009 S. l Brás de Alportel, 11 de Dezembro de 2009_Isaque Dias O que é que fazem as Organizações

Leia mais

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional

Liziane Castilhos de Oliveira Freitas Departamento de Planejamento, Orçamento e Gestão Escritório de Soluções em Comportamento Organizacional CASO PRÁTICO COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL E GESTÃO DE TALENTOS: COMO A GESTÃO DA CULTURA, DO CLIMA E DAS COMPETÊNCIAS CONTRIBUI PARA UM AMBIENTE PROPÍCIO À RETENÇÃO DE TALENTOS CASO PRÁTICO: COMPORTAMENTO

Leia mais

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento

ROCK IN RIO LISBOA 2014. Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento ROCK IN RIO LISBOA 2014 Princípios de desenvolvimento sustentável Declaração de propósitos e valores Política de Sustentabilidade do evento PRINCÍPIOS O Sistema de Gestão da Sustentabilidade é baseado

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

Planejamento de Recursos Humanos

Planejamento de Recursos Humanos UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Filosofia e Ciências Câmpus de Marília Departamento de Ciência da Informação Planejamento de Recursos Humanos Profa. Marta Valentim Marília 2014 As organizações

Leia mais

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba

Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba Relatório das Ações de Sensibilização do Projeto De Igual para Igual Numa Intervenção em Rede do Concelho de Cuba 1 A dignidade do ser humano é inviolável. Deve ser respeitada e protegida Artigo 1º da

Leia mais

Por que ouvir a sua voz é tão importante?

Por que ouvir a sua voz é tão importante? RESULTADOS Por que ouvir a sua voz é tão importante? Visão Tokio Marine Ser escolhida pelos Corretores e Assessorias como a melhor Seguradora pela transparência, simplicidade e excelência em oferecer soluções,

Leia mais

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014

BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 BALANÇO FINAL PLANO DE FORMAÇÃO 2014 Anexo R&C 2014 INTRODUÇÃO A Sociedade Portuguesa para a Qualidade na Saúde (SPQS) executou, em 2014, um Plano de Formação dirigido aos seus associados e outros profissionais

Leia mais

Responsabilidade Social. Maria José Maurício Formadora - Educação para a Cidadania e Relações Humanas

Responsabilidade Social. Maria José Maurício Formadora - Educação para a Cidadania e Relações Humanas SEMINÁRIO ECO-ESCOLAS ESCOLAS 2009 16 de JANEIRO DE 2009 CASA MUNICIPAL DA CULTURA - SEIA Responsabilidade Social Maria José Maurício Formadora - Educação para a Cidadania e Relações Humanas Conceito de

Leia mais

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo

INDICADORES ETHOS PARA NEGÓCIOS SUSTENTÁVEIS E RESPONSÁVEIS. Conteúdo Conteúdo O Instituto Ethos Organização sem fins lucrativos fundada em 1998 por um grupo de empresários, que tem a missão de mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas a gerir seus negócios de forma socialmente

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado

REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA VOLUNTARIADO. Regulamento do Voluntariado REGULAMENTO INTERNO PARA PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Índice 1. Enquadramento... 3 2. Definição... 3 3. Princípios... 4 4. Objetivos... 4 5. Direitos... 4 6. Deveres... 5 7. Inscrição... 7 8. Candidatura...

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos

Políticas 2013. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão de Processos e Documentos Sistema de Gestão da Qualidade Políticas 2013 1 Índice 1. Enquadramento 2. Visão, Missão e Políticas 3. Posicionamento Estratégico 4. Políticas 5. Mapa de controlo das alterações efetuadas 2 1. Enquadramento

Leia mais

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo

Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Indicadores de Rendimento do Voluntariado Corporativo Avaliação desenvolvida por Mónica Galiano e Kenn Allen, publicado originalmente no livro The Big Tent: Corporate Volunteering in the Global Age. Texto

Leia mais

GUIÃO DE VISITAS A ENTIDADES EMPREGADORAS COM BOAS PRÁTICAS EM IGUALDADE DE GÉNERO VISITAR PARA REPLICAR

GUIÃO DE VISITAS A ENTIDADES EMPREGADORAS COM BOAS PRÁTICAS EM IGUALDADE DE GÉNERO VISITAR PARA REPLICAR GUIÃO DE VISITAS A ENTIDADES EMPREGADORAS COM BOAS PRÁTICAS EM IGUALDADE DE GÉNERO VISITAR 2 GUIÃO DE VISITAS A ENTIDADES EMPREGADORAS COM BOAS PRÁTICAS EM IGUALDADE DE GÉNERO VISITAR 3 FICHA TÉCNICA TÍTULO:

Leia mais

Política Ambiental janeiro 2010

Política Ambiental janeiro 2010 janeiro 2010 5 Objetivo Orientar o tratamento das questões ambientais nas empresas Eletrobras em consonância com os princípios da sustentabilidade. A Política Ambiental deve: estar em conformidade com

Leia mais

numero de colaboradores admitidos

numero de colaboradores admitidos Casa Santa Isabel DS.3.279 MONITORIZAÇÃO DAS POLÍTICAS DA ORGANIZAÇÃO ANO: 2 Política de recrutamento e seleção A organização define, implementa e controla o seu compromisso relativo aos processos de recrutamento

Leia mais

Serviço externo de Psicologia para Empresas

Serviço externo de Psicologia para Empresas Serviço externo de Psicologia para Empresas.Porque as pessoas são a essência da empresa. Cada vez mais ouvimos falar na necessidade urgente de locais de trabalho saudáveis e são diversas as campanhas que

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA. Preâmbulo

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA. Preâmbulo NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE LAGOA Preâmbulo O decreto lei nº 389/99, de 30 de setembro, no art.º 21º, atribui ao Conselho nacional para a Promoção do Voluntariado (CNVP) competências

Leia mais

QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE. 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector

QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE. 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector QUALIDADE NO 3.º SECTOR EXPERIÊNCIA DE CERTIFICAÇÃO DA RESPOSTA SOCIAL CRECHE 20 de Maio 2008 Qualidade e Qualificação 3º Sector Enquadramento para a Qualidade Estratégia de Desenvolvimento; Diferenciação;

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas.

Conjunto de pessoas que formam a força de trabalho das empresas. 1. OBJETIVOS Estabelecer diretrizes que norteiem as ações das Empresas Eletrobras quanto à promoção do desenvolvimento sustentável, buscando equilibrar oportunidades de negócio com responsabilidade social,

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria

Mostra de Projetos 2011. Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra de Projetos 2011 Projeto de Implantação e Implementação da Responsabilidade Socioambiental na Indústria Mostra Local de: Umuarama Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados

Leia mais

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC

Incentivar a inovação em processos funcionais. Aprimorar a gestão de pessoas de TIC Incentivar a inovação em processos funcionais Aprendizagem e conhecimento Adotar práticas de gestão participativa para garantir maior envolvimento e adoção de soluções de TI e processos funcionais. Promover

Leia mais

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa)

WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) WORKSHOP EQUALITY PAYS OFF (A Igualdade Compensa) Atrair e manter o talento feminino de topo Data: 24 de setembro 2013 Local: Representação da Comissão Europeia em Portugal Largo Jean-Monnet 1, 10ª 1269-068

Leia mais

Responsabilidade Ambiental do INOVINTER

Responsabilidade Ambiental do INOVINTER Título Do Documento Página 1 de 11 Responsabilidade Ambiental do INOVINTER Versão 1 Página 2 de 11 FICHA TÉCNICA Título Re sponsabilidade Ambie ntal do INOVINT ER Coordenação Direção (Álvaro Cartas) Autoria

Leia mais

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001

O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 O PROCESSO DE REVISÃO ISO 9001 Ana Francisco Gestora de Cliente Tópicos Enquadramento do Processo de Revisão Principais Alterações Pensamento Baseado em Risco Informação Documentada Princípios da Qualidade

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

Política de Gestão de Pessoas

Política de Gestão de Pessoas julho 2010 5 1. Política No Sistema Eletrobras, as pessoas são agentes e beneficiárias do fortalecimento organizacional, contribuindo para a competitividade, rentabilidade e sustentabilidade empresarial.

Leia mais

II. Contexto organizacional. III. Funções / Principais Resultados Esperados TERMO DE REFERÊNCIA

II. Contexto organizacional. III. Funções / Principais Resultados Esperados TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Assistente de Programa I. Informação sobre o posto LOCAL: Brasília, DF, Brasil Prazo de candidatura: De 20.04 a 10.05.2015 Tipo de contrato: Service Contract -( SB3-3 ) Nível do Posto

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos)

MATRIZ DA PROVA DE EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA SOCIOLOGIA (CÓDIGO 344 ) 12ºAno de Escolaridade (Dec.-Lei nº74/2004) (Duração: 90 minutos) 1. Unidades temáticas, conteúdos e objetivos/competências I O que é a Sociologia Unidades temáticas/conteúdos* 1. Sociologia e conhecimento sobre a realidade social 1.1. Ciências Sociais e Sociologia 1.2.

Leia mais

Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho

Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho 1 Evolução da avaliação de desempenho para a gestão do desempenho O facto de estarmos a assistir a um paradigma na gestão de pessoas, que

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais