SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O"

Transcrição

1 SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE VIAGENS FUNCIONAIS DE SERVIDORES PÚBLICOS: EM BUSCA DE EFICIÊNCIA ADMINISTRATIVA E PRESTAÇÃO DE CONTAS À SOCIEDADE Mateus Silva Figueiredo

2 II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 67: Experiências recentes com o controle de viagens e passagens no setor público SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O GERENCIAMENTO DE VIAGENS FUNCIONAIS DE SERVIDORES PÚBLICOS: EM BUSCA DE EFICIÊNCIA ADMINISTRATIVA E PRESTAÇÃO DE CONTAS À SOCIEDADE RESUMO Mateus Silva Figueiredo Este trabalho tem o objetivo de elaborar um Sistema de Informação Digital de Gerenciamento de Viagens Funcionais de servidores públicos do Estado de Minas Gerais, partindo-se desde a Solicitação de Adiantamento de Diárias de Viagens até a Prestação de Contas pelo servidor com o intuito de proporcionar accountability por parte do Poder Executivo de Minas Gerais. Para tal realização utiliza-se o conceito SIG Sistema de Informações Gerenciais com o objetivo de possibilitar a obtenção de Relatórios Gerenciais os quais irão auxiliar no processo decisório dos Gestores Públicos, bem como com o objetivo de prover a sociedade com informações consolidadas e relevantes para a fiscalização do Estado pelo cidadão. Além disso, o sistema contará com a utilização da API do Google Maps, uma notável ferramenta de GeoProcessamento que auxiliará o sistema na obtenção de mapas, caminhos possíveis e distâncias entre as cidades a serem visitadas calculando o gasto com combustíveis e outros insumos de acordo com os veículos utilizados e com os destinos. O objetivo do sistema é aumentar a eficiência das viagens e possibilitar um controle mais apurado das viagens realizadas pelos órgãos e entidades públicas, evitando-se assim os desvios e abusos cometidos nas viagens de servidores públicos, os quais têm sido alvo constante da imprensa de um modo geral.

3 SUMÁRIO 1 A TRANSPARÊNCIA PÚBLICA COMO PRESSUPOSTO DE UMA GESTÃO PÚBLICA DEMOCRÁTICA E EFICIENTE A DEFINIÇÃO DE ACCOUNTABILITY RELATO DO PROJETO DO SISTEMAS DE VIAGENS NA REALIDADE DA SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS DESCRIÇÃO DO PROJETO Objetivos do Sistema de Informação e o Processo de Viagens no Estado de Minas Gerais Público-alvo da iniciativa Aspectos legais O impacto do processo de tramitação de documentos digitais no processo de viagens: a assinatura digital garantindo a confiança documental API do Google Maps CUSTOS DE LICENCIAMENTO DA API DO GOOGLE MAPS PARA SISTEMA CORPORATIVO Recursos a serem utilizados na construção do sistema CUSTOS E BENEFÍCIOS DO SISTEMA DE VIAGENS REFERÊNCIAS... 17

4 3 1 A TRANSPARÊNCIA PÚBLICA COMO PRESSUPOSTO DE UMA GESTÃO PÚBLICA DEMOCRÁTICA E EFICIENTE Para que se possa empreender uma Gestão Pública Democrática é imprescindível que o cidadão obtenha informações acerca das decisões e atividades da Administração Pública para que possa julgar os seus atos quanto aos princípios que regem a República Federativa do Brasil expressos na legislação vigente, tendo como base e norteamento a Constituição da República Federativa do Brasil de A importância da transparência pública na figura da publicização dos atos administrativos é de tão nobre valor que o constituinte a declarou expressamente: Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.... Deste modo, a publicidade é elemento essencial para a validade do ato administrativo, sob pena de nulidade. A idéia subjacente ao princípio da publicidade é fazer com que os administradores públicos exponham claramente à sociedade suas ações ou mesmo omissões para que estes possam ser avaliados quanto à sua moralidade e probidade administrativa. Contudo, para muito além da obrigatoriedade de publicização das atividades públicas constante em lei, a transparência pública é pressuposto da ordem democrática pois os cidadãos elegem seus representantes para em seu nome atuarem e realizarem as tarefas que lhes são atribuídas de forma ampla e transparente e com o interesse público. Devem agir em conformidade com os princípios democráticos e atuarem em observância das preferências dos eleitores na perspectiva da Democracia Indireta. Por conta do ideal republicano-democrático é rechaçada a idéia de agir às escuras e com a prevalência de interesses privados ou particulares. Partindo-se da idéia de que algumas pessoas fatalmente se desvirtuarão na sua conduta e agirão de forma diversa daquela desejada pela nação é que se instituem as formas de controle sob a forma dos diversos mecanismos de accountability. Uma boa ilustração metafórica acerca das necessidades de controle se encontra em Madison, um clássico do federalismo estadunidense: "se os homens fossem anjos, não seria necessário haver governos. Se os homens fossem governados por anjos, dispensar-se-iam os controles internos e externos" (Madison,

5 [1788], The Federalist 51, p. 337). Deste modo, se espera que as pessoas investidas nas funções e posições públicas sejam passíveis de fiscalização para que possam ser alvo de questionamentos e processos administrativos que apurem suas responsabilidades na condução da coisa pública. Um problema muito importante que surge na fiscalização dos governantes na medida em que dada a complexidade dos processos decisórios públicos e os custos na obtenção dos dados e em sua transformação em informação, os indivíduos não têm incentivos para investirem recursos financeiros e de tempo em tais atividades e assim não fiscalizam na maioria das vezes os seus representantes políticos. Essa é a idéia do cientista político polonês-americano Adam Przeworski. (Lua Nova nº 67, 2006). Entende-se por gestão pública eficiente não somente aquela em que as atividades administrativas são realizadas de forma econômica utilizando-se do mínimo de recursos disponíveis mas aquela em que as preferências coletivas são levadas em consideração e a informação é disponibilizada de forma hábil e célere ao cidadão. Mesmo que para tanto haja um custo expressivo, este deve ser incorporado como um produto e exigência do modelo político constituído pois o accountability é uma conseqüência necessária da democracia. Só não presta contas aquele que não está subordinado a nenhum poder.

6 5 2 A DEFINIÇÃO DE ACCOUNTABILITY Para que a gestão pública seja transparente é necessário que haja accountability. Em razão do uso ostensivo desse termo é importante se definir o que se quer dizer com ele levando-se em consideração as acepções que a literatura tem lhe conferido. O termo é proveniente da língua inglesa e por isso não encontra um correspondente direto em língua portuguesa. De uma maneira geral, accountability significa prestação contas, ou seja, o indivíduo de possa de alguma tarefa ou responsabilidade tem a obrigação de esclarecer as tarefas e atividades empreendidas, seus resultados, desafios e contingências enfrentadas e outras informações pertinentes e relevantes. De acordo com (Carla Bronzo, 2000) A noção de accountability política pressupõe a existência do poder e a necessidade de que este seja controlado. Isso constitui sua razão de ser.. Isto significa dizer que aquele que deve prestar contas é exatamente aquele que possui certo poder delegado e que de algum modo tem que assegurar que está se comportando da maneira desejada. Portanto, a necessidade de controle deriva da proteção à sociedade quando do momento de delegação de poder a alguém para que exerça atividades em nome e no interesse da coletividade. A literatura costuma classificar o accountability em três formas, a saber: accountability horizontal, o qual ocorre entre entes de mesmo status hierárquicofuncional, accountability vertical, em que órgãos e entidades são fiscalizadas e devem prestar contas a um órgão central com a finalidade precípua de fiscalizar e coordenar as atividades desenvolvidas por outros, por fim tem-se o accountability societal que é a síntese do objetivo último daqueles devido ao fato de que a transparência da gestão da res publica é dirigida à sociedade com base no princípio democrático. Ainda conforme a autora: Tendo como referencia o modelo da agência, o autor desenvolve uma concepção de accountability endógena, a partir da qual os oficiais (agentes) são induzidos a tornar suas ações controláveis pelos seus eleitores (principais), de forma a atrair recursos e suporte, e analisa as condições sob as quais os agentes são mais ou menos responsivos aos interesses públicos (Ferejohn, p. 3 apud Bronzo, 2000). Neste caso a teoria agente/principal é utilizada partindo-se da crença acerca da assimetria de informação existente entre ambos, o que gera a possibilidade de o executor desviar a sua conduta em relação ao que foi acordado.

7 6 Deste modo é importante a transparência e a prestação de contas constante para o formulador das políticas públicas para que este possa avaliar e decidir quanto à sua efetividade. Também é de suma importância a prestação de contas para a sociedade pois é esta a detentora da titularidade do poder de acordo como princípio da soberania popular expressa pela ordem democrática. Assim, o Sistema de Viagens proposto, é antes de qualquer coisa um facilitador da realização da prestação de contas e publicização dos gastos públicos concernentes às viagens realizadas pelo funcionalismo público para que o Estado assegure que escândalos constantes em que servidores utilizam do erário para lazer e entretenimento não mais sejam manchetes de jornais. Portanto, apesar de abrir possibilidades para questionamentos diversos em decorrência da facilidade de acessos de dados e informações, a sociedade reconhecerá a honestidade e seriedade de uma administração que abre as portas para a clareza e transparência de seus atos enquanto ente público e Estatal, cuja obrigação de publicidade e prestação de contas cumpre fielmente na medida em que se preocupa com esta faceta das atribuições que lhe foram confiadas.

8 7 3 RELATO DO PROJETO DO SISTEMAS DE VIAGENS NA REALIDADE DA SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DO ESTADO DE MINAS GERAIS No momento atual o Processo de Viagem é feito nos tradicionais moldes da Administração Burocrática, ou seja, utilizando formulários em folhas de papel contendo o pedido de Solicitação de Adiantamento (quando for o caso), recebimento da(s) Diária(s) de Viagem e ao término do processo, a entrega do Formulário de Prestação de Contas e os respectivos documentos comprobatórios. Para que o processo seja autorizado pelos Dirigentes Máximos (ou aqueles que sejam competentes para isto) e pelos ordenadores de despesas é necessário que o agente público ou mesmo algum colaborador eventual do órgão saia em busca das assinaturas dos participantes envolvidos, causando um transtorno ao servidor, além de gerar muito trabalho aos dirigentes. Outra questão que se torna um dificultador da celeridade do processo é o fato de o modelo de formulário e o seu fluxo não ser conhecido pelos envolvidos, o que muitas vezes causa dúvidas aos participantes menos interados que acabam por ligar ou mesmo comparecer pessoalmente à Diretoria de Finanças para que suas dúvidas sejam sanadas. Contudo, não são só as dificuldades dos participantes e o acúmulo de trabalho que é causado nos setores envolvidos que impedem que o processo seja eficiente. No modo em que se opera atualmente o Processo de Viagens, não é possível se calcular com exatidão o tempo de percurso, rotas utilizadas e o consumo de combustível pelo fato de que tal tarefa não pode ser exigida dos operadores do processo pelo simples motivo de que para tanto seria necessário um número muito maior de assistentes e auxiliares para o cálculo e geração manual do banco de dados em questão. É impensável que isto venha ocorrer pois além do grave desperdício de mão-de-obra consumida pelo retrabalho, o Setor de Finanças e de Transportes possuem outras atribuições que não estas. Deste modo, o cenário em que se depara esta análise é de extrema ineficiência na medida em que não utiliza técnicas e recursos de TI que há muito tempo estão disponíveis para tais processos e operações de armazenamento de dados e geração de informações relevantes à organização. Utilizar do aparato tecnológico para aumentar a eficiência se faz necessário pelo fato de a Administração Pública não enquanto organização não poder se manter obsoleta frente às novas tecnologias.

9 8 4 DESCRIÇÃO DO PROJETO 4.1 Objetivos do Sistema de Informação e o Processo de Viagens no Estado de Minas Gerais A proposta deste trabalho é a criação de um Sistema de Informação Digital Computadorizado em que se utilize o armazenamento em bancos de dados de todas as informações pertinentes às atividades do Processo de Viagens com vistas a um futuro resgate e obtenção destes dados já tabulados e organizados sendo passíveis de transformação em Relatórios Gerenciais de fácil leitura e entendimento por parte da Alta Gerência para eles possam tomar suas decisões de forma mais acurada. O projeto em questão tem como finalidade facilitar a gestão dos gastos públicos com Diárias e Viagens a trabalho realizadas pelos membros e colaboradores do setor público uma vez que não é tarefa fácil acompanhar e controlar a realização de despesas de tal natureza,que por possuírem pequeno valor unitário e grandes quantidades de pessoas envolvidas, se torna muito lenta devido à necessidade de se examinarem os documentos unitária e separadamente caso a caso. Assim, o Sistema de Informação em questão visa a consolidação digital de informações que já existem na organização e contribui para a uniformização e padronização dos procedimentos e regras existentes para a solicitação dos serviços relativos às viagens a trabalho por parte dos servidores públicos. Assim como no setor privado, no Estado existem várias áreas em que os profissionais precisam se comunicar e se interagir entre si e por isto surgem as demandas de viagens de trabalho, seja para a ministração ou mesmo a participação em cursos de aperfeiçoamento, representação do órgão em eventos oficiais e a participação dos funcionários públicos em seminários, congressos e conselhos de representação popular. Portanto, é indubitável que o instrumento de viagens é de suma importância para o bom andamento da máquina pública, ressaltando que quem mais utiliza deste mecanismo são as equipes de educação, saúde e meio ambiente na medida em que estas Secretarias de Estado possuem regionais espalhadas por todo o interior de Minas Gerais. Uma vez que o Estado é de grande extensão territorial no contexto brasileiro e possui 853 municípios, existem muitas agências descentralizadas localizadas nas cidades-pólo e que demandam constante inspeção e treinamento com consequente deslocamento de equipes para estas

10 9 localidades. A sistematização do Processo de Viagens só irá facitar o controle e alocação de pessoas e recursos logísticos dado que o Google Maps é uma ferramenta versátil e econômica para a utilização de geoprocessamento no que diz respeito à obtenção de informações acerca das vias terrestres de acesso dos mais diversos pontos de acesso às cidades de Minas Gerais. Por outro lado, o Sistema, além de produzir informações sobre a maioria das viagens ocorridas logicamente no Estado, possibilita o controle de todo o tipo de viagem, infraestrutura de deslocamento e concessão de diárias até mesmo no âmbito internacional que se verifica em alguns casos de viagens internacionais em comitivas formadas pelo Governador e a alta gerência. 4.2 Público-alvo da iniciativa Em linhas gerais o Sistema de Viagens pode ser utilizado por todos órgãos da Administração Direta e Indireta do Estado de Minas Gerais e que estejam submetidos ao princípio da legalidade do art. 37, caput da Constituição da República Federativa do Brasil e devam seguir as diretrizes traçadas pelo poder Executivo na figura do Decreto de 2007 que regulamenta as possibilidades de transporte de servidores e agentes públicos, os preços de suas respectivas diárias de viagem de acordo com o cargo preenchido e os limites para concessão de adiantamentos e outras previsões do processo em questão. Decorre disto que os utilizadores do Sistema de Informação serão aqueles servidores tanto da área fim quanto da área meio e que por alguma razão necessitem de viajar em nome do órgão público e a seu serviço. Cabe ressaltar que mesmo os colaboradores eventuais do Estado tais como pareceristas e consultores dententores de munus publico desde que a serviço de órgão público poderá utilizar o Sistema e obter os mesmos benefícios e prerrogativas dos funcionários públicos efetivos. Portanto, constiuem-se público-alvo todos os indivíduos que se deslocarão da repartição pública em que estão situados para o encontro de empresas, outros órgãos públicos, ou pessoas físicas, mas sempre em nome e no interesse da Administração Pública que representam. Apesar de se dirigir ao Estado de Minas Gerais a solução também poderia ser disponibilizada a outros entes da Federação pelo fato de que as normas e diretrizes financeiras e orçamentárias aplicadas na gestão do projeto muito se assemelha com outros níveis de governo como por exemplo a sua utilização em Prefeituras Municipais.

11 Aspectos legais No Estado de Minas gerais a matéria é regulada pelo Decreto de Nele estão contidas as disposições legais acerca de quem pode viajar, os locais de destino, preço das diárias a serem concedidas a cada espécie de funcionário, servidor ou colaborador e requisitos próprios de observância obrigatória quanto à comprovação de despesas efetuadas na viagem e que devem ser demonstradas através de notas fiscais e atestados de serviços realizados. Também preve aspectos e regras diferidas de acordo com o caso concreto e que guiarão os servidores no processo de viagens quanto à sua legalidade de acordo com os preceitos e princípios que regem o agente público em suas funções na Administração Pública. Já no que diz respeito às assinaturas dos Dirigentes Máximos e Ordenadores de Despesas para a autorização e liberação de recursos financeiros e logísticos, será necessária a utilização de Assinatura Digital para a validação dos pedidos de Viagens realizados no Sistema. Deste modo o trâmite de papeis diminuirá bastante sendo que o maior ganho será o de produtividade uma vez apesar de acarretar uma diminuição no consumo de tinta e papel de impressão, a economia realizada é pequena em comparação com os ganhos de eficiência e eficácia advindos da diminuição do retrabalho e do correto acompanhamento das requisições de viagens com o uso de formulários em AJAX (Asynchronous Javascript And XML) evitando o preechimento errôneo dos formulários, sendo que o Sistema contará com mecanismos de ajuda fáceis e auto-explicáveis com o intuito de ensinar passo a passo o servidor em dificuldades de preenchimento. Os participantes de aprovação receberão tokens com uma chave privada, receberão uma chave pública e terão sua assinatura digital reconhecida na forma da Medida Provisória /2001 e não mais necessitarão imprimir determinado documento e submetê-lo à assinatura manual e o respectivo reconhecimento de firma do signatário. Para a celeridade do processo, o fluxo de informações do workflow concebido neste projeto, quanto a aprovação por parte dos Ordenadores de Despesas e Dirigentes Máximos, poderá identificar a ausência de algum destes seja por motivo de viagem oficial, doença e outras contingências e remanejar a competência da aprovação documental autorizativa por parte dos substitutos ou mesmo direcionar para outros indivíduos que detenham tal prerrogativa em função

12 11 de anterior desconcentração de tais atribuições legais de autorizar a execução de determinados atos administrativos. Também o Sistema de viagens pode auxiliar a contabilidade e a gestão de custos no setor público atendendo ao preceito legal do 3 o da LRF LEI COMPLEMENTAR N o 101, DE 4 DE MAIO DE que diz: A Administração Pública manterá sistema de custos que permita a avaliação e o acompanhamento da gestão orçamentária, financeira e patrimonial. Para se proceder a este fim, basta que se crie uma variável de controle no banco de dados e que irá alocar as despesas efetuadas quanto à organização de custos proposta pelo órgão que tem o objetivo de implantar a Gestão de Custos dos gastos públicos. Para o detalhamento das despesas encontra-se disponível o SIAFI e toda a sua base de dados que por questões operacionais não pode ser usada diretamente sem o intermédio do B.O. Business Objects, ferramenta de manipulação e extração de dados do SIAFI do Estado de Minas Gerais. Assim a metodologia de classificação de despesas tradicional e os agrupamentos por projetos do Orçamento-Programa poderiam ser utilizados para a racionalização do gasto com diárias de viagens, combustíveis e veículos por exemplo. 4.4 O impacto do processo de tramitação de documentos digitais no processo de viagens: a assinatura digital garantindo a confiança documental Com a adoção do Sistema Digital de Viagens não faz mais sentido que haja o trâmite de pedidos escritos ou preenchidos manualmente solicitando demandas de Viagem. Deste modo a assinatura manual dos envolvidos na autorização da viagem passa a ser incumbência do uso da assinatura digital. A infraestrutura de chaves públicas já está disponível no Brasil há sete anos pela Medida Provisória nº , de 24 de Agosto de Em razão disto, a implementação do Sistema de Diárias de Viagem deve utilizar assinatura digital para os participantes do processo que devam aprovar documentos e autorizar a realização de viagens e utilização de veículos oficiais. Com a compra de e-cards ou tokens de assinatura digital para os participantes relevantes o processo se torna íntegro e transparente e não deixará preocupações e receios no processo de transição quando da implementação do Sistema.

13 A API do Google Maps Resumidamente falando, o conceito de API pode ser descrito sucintamente pelo Wikipédia: API, de Application Programming Interface (ou Interface de Programação de Aplicativos) é um conjunto de rotinas e padrões estabelecidos por um software para a utilização das suas funcionalidades por programas aplicativos isto é: programas que não querem envolver-se em detalhes da implementação do software, mas apenas usar seus serviços. De modo geral, a API é composta por uma série de funções acessíveis somente por programação, e que permitem utilizar características do software menos evidentes ao utilizador tradicional.por exemplo, um sistema operacional possui uma grande quantidade de funções na API, que permitem ao programador criar janelas, acessar arquivos, criptografar dados etc. Ou então programas de desenho geométrico que possuem uma API específica para criar automaticamente entidades de acordo com padrões definidos pelo utilizador.no caso de sistemas operacionais, a API costuma ser dissociada de tarefas mais essenciais, como manipulação de blocos de memória e acesso a dispositivos. Estas tarefas são atributos do Kernel ou núcleo do sistema, e raramente são programáveis.mais recentemente o uso de APIs tem se generalizado nos plugins, acessórios que complementam a funcionalidade de um programa. Os autores do programa principal fornecem uma API específica para que outros autores criem plugins, estendendo as funcionalidades do programa para os utilizadores comuns. Deste modo o Sistema de Informação de Viagens a ser implantado no Estado de Minas Gerais, em suas Secretarias, não precisaria se preocupar em desenvolver sistemas de mapeamento descritivo de rotas, cálculos de distâncias e localizações das mais diversas. Basta que haja a integração entre os Sistemas na medida em que o Sistema de Viagens seria em web e assim está absolutamente possível a sua perfeita integração dado que o Google Maps segue esta tendência mundial de disponibilização de conteúdo e utilitários pela internet. Com isso, tudo no projeto em tela que se referir a geoprocessamento poderá utilizar a API do Google Maps em vez de ficar reinventando a roda.

14 13 5 CUSTOS DE LICENCIAMENTO DA API DO GOOGLE MAPS PARA SISTEMA CORPORATIVO Uma vez que o Sistema de Viagens não é de acesso público, ele deverá comprar uma licença do serviço API Premier do Google Maps para que possa utilizar o mecanismo de controle espacial-geográfico em ambiente fechado e corporativo. Contudo, isto não deve representar um alto custo para a automatização do Processo de Viagem uma vez que conforme argumenta o fabricante: A API Premier do Google Maps apresenta uma ótima relação custo-benefício, com o preço inicial de apenas U$ por ano. O preço é baseado no número de visualizações de páginas de mapas para sites externos. Para usuários internos, o preço é baseado no número de usuários finais que usam o aplicativo ou no número de veículos que você está rastreando. Entre em contato conosco para obter mais informações. Embutindo-se este custo em um Sistema de Viagens de apenas um órgão público que demanda uma quantidade razoável de viagens, tais como a Secretaria de Estado de Saúde, Secretaria de Estado de Educação e o IEF Instituto Estadual de Florestas- já é possível se vislumbrar o rápido retorno do investimento tanto em termos de economia e adequação dos gastos quanto dos benefícios trazidos pela implementação do Sistema, que produzirá informação relevante e de grande valor a quem viaja e aos gestores da área meio correlata a este serviço. Cabe destacar que o valor supracitado de US$ por ano permite a obtenção de 2 milhões de acessos ao Google Maps de forma especializada, costumizada e sem propagandas e publicidades diversas a que estão submetidos os usuários da API gratuita. Assim, utiliza-se uma aplicação externa e extremamente eficiente que tem sido testada exaustivamente por uma comunidade mundial de programadores ao invés de investir grandes quantias na criação de ferramenta de mesmas funcionalidades ou alguma ferramenta que possua limitações técnicas de desenvolvimento devido a restrições, orçamentárias, de tempo, ou mesmo de capacidade de produção e criação por parte da empresa vencedora da licitação. 5.1 Recursos a serem utilizados na construção do sistema Contratação de empresa especializada e capacitada na produção de Sistemas de Informação Computadorizados Corporativos em ambiente Web utilizando-se de linguagens de fácil programação e manutenção

15 14 podendo citar como exemplo e sugerir o PHP Hypertext Preprocessor, Banco de Dados SQL Structured Query Language- e XHTML (extensible Hypertext Markup Language) uma vez que estas linguagens são de uso gratuito (Open Source) e por isso não representarão custos adicionais ao projeto no que diz respeito à aquisição de licenças; Equipe interna ao órgão e capacitada com profissionais capacitados em Tecnologia da Informação ou que saibam mapear processos e especificar Sistemas de Informação a serem construidos, detalhando com cautela as funcionalidades, casos de uso, Fluxo de Informações, regras de ambiente e Workflow do processo atualmente em funcionamento. Além disso estes profissionais deverão ser capazes de dar respostas às demandas já existentes contornando situações adversas e que podem não se adequar perfeitamente ao sistema em análise; Servidores e equipamentos de Informática que possam suportar as aplicações utilizadas, bem como o banco de dados a ser instalado. Além disso é muito importante que o acesso razoável à internet seja previsto para o adequado funcionamento e operação do Sistema de Viagens em ambiente WEB; Estima-se que o montante de recursos financeiros a serem utilizados neste projeto não ultrapassem os R$ ,00 (Cem Mil Reais), levando-se em consideração a adoção de ferramentas de código aberto e livre. Neste valor está computado o valor de licenciamento da API do Google Maps. Não se computou o valor dos tokens de assinatura digital devido à necessidade de estudo mais aprimorado da melhor forma de adquiri-los. Uma vez que Serão apenas os dirigentes e ordenadores de despesas aprovadores os únicos que obteram assinatura digital, este valor não impossibilitará o Sistema pois o seu valor não ultrapassará 10% (dez por cento) do valor total do Sistema.

16 15 6 CUSTOS E BENEFÍCIOS DO SISTEMA DE VIAGENS Apesar de se projetar um Custo de aproximadamente R$ ,00 e envolver alguns funcionários das áreas de TI e Gestão de Processos, o Sistema de Viagens proposto tem a capacidade de pagar o investimento em menos de um ano dado que a geração e disponibilização de informações rápidas e precisas permitirão uma alocação mais eficiente dos recursos destinos às viagens dos servidores públicos e também possibilitarão o cálculo dos custos envolvidos neste processo. Além disso o montante gasto anualmente pelo Estado justifica a adoção de um Sistema unificado a todos os órgãos pelo fato de todos terem que observar os mesmos principíos de planejamento e os mesmos textos legais. Abaixo está uma tabela contendo apenas o gasto com Diárias de Viagens para se ter um exemplo de que a questão envolve vários milhões de reais e por isto merece atenção por parte dos gestores e dirigentes públicos. Resumidamente, as etapas de implementação deste projeto se dará em cinco momentos distintos e estão diretamente ligados à capacidade da organização responsável pelo apoio técnico e de recursos a serem providos para que as atividades não sejam interrompidas e paralizem o avanço do processo ou desmotivem os membros envolvidos. São estas: Mapeamento do Processo de Viagens com o intuito de conhecê-lo e modelá-lo tirando dúvidas e levantando uma ampla discussão com todos os participantes com o intuito de deixar claro os procedimentos que devem existir para o bom andamento do processo; Levantamento de Requisitos Funcionais necessários ao estabelecimento da regras e necessidades estruturais a serem demandas à empresa vencedora da licitação. Também se averiguarão os casos de usos e regras especiais que devem constar do Sistema; Acompanhamento da codificação do Sistema por parte do órgão responsável, acompanhando o andamento dos trabalhos e corrigindo possíveis falhas existentes na concepção original; Teste exaustivo do Sistema em versão preliminar para a detecção de erros quanto ao que pedido em relação ao que foi entregue e correção de bugs inerentes à programação do Sistema sem se esquecer de

17 16 envolver os participantes em inúmeros testes e solicitações de opinião quanto às possibilidades de interface e acessos; Implantação do Sistema através do incentivo dos funcionários em sua utilização, bem como a divulgação das informações de operação do Sistema com o intuito de proporcionar maior agilidade e aceitação por todos. Além disso, incentivar os participantes a darem sugestões sob a perpectiva de Software Eternamente Beta dado que ele nunca acaba, vai sempre sofrendo adaptações em função das demandas institucionais e dos usuários.

18 17 REFERÊNCIAS CARNEIRO, C. B. L. Governança e accountability: algumas notas introdutórias. Trabalho realizado para a disciplina Governança, Accountability e Democracia, com a Professora Maria Fatima Anastasia, no segundo semestre de ESTADO de Minas Gerais. Decreto de GOOGLE. Google Maps. Disponível em: <http://maps.google.com.br/>. LRF. Lei Complementar n o 101, de 4 de maio de MADISON, J. The Federalist, 1982 [1788], 51 p PRZEWORSKI, A. Eleições e representação. Lua Nova, n. 67, São Paulo, 2006 República Federativa do Brasil Medida Provisória n o , de 24 de agosto de WIKIPÉDIA. Desenvolvido pela Wikimedia Foundation. Apresenta conteúdo enciclopédico. Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=api&oldid= >. Acesso em: 10 out AUTORIA Mateus Silva Figueiredo Graduando em Administração Pública pela Escola de Governo da Fundação João Pinheiro Minas Gerais, Brasil. Estagiário da Secretaria de Estado de Meio Ambiente de Minas Gerais SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente. Endereço eletrônico:

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº 313 DE 02 DE DEZEMBRO DE 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DO CONTROLE INTERNO DO PODER LEGISLATIVO DE POCONÉ E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS O Presidente da Câmara Municipal de Poconé,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação

TERMO DE REFERÊNCIA. 1. Objeto. 2. Antecedentes. 3. Objeto da Licitação TERMO DE REFERÊNCIA 1. Objeto 1.1. Contratação de empresa especializada em auditoria de tecnologia da informação e comunicações, com foco em segurança da informação na análise de quatro domínios: Processos

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais

.: DAI - Divisão de Atos Internacionais 1 von 6 31.05.2010 10:06.: DAI - Divisão de Atos Internacionais DECRETO Nº 2.579, DE 6 DE MAIO DE 1998. Promulga o Acordo Básico de Cooperação Técnica, celebrado entre o Governo da República Federativa

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA MANUTENÇÔES EVOLUTIVAS NO SITE PRO-SST DO SESI 1. OBJETO 1.1. Contratação de empresa especializada para executar serviços de manutenção evolutiva, corretiva, adaptativa e normativa

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2014 SCLCS - SISTEMA DE COMPRAS, LICITAÇÕES, CONTRATOS E SERVIÇOS N.º 01/2014 Versão: 01 Data de aprovação: 7 de outubro de 2014. Ato de aprovação: Resolução n.º 112 /2014 Unidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE

GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ CONTROLADORIA E OUVIDORIA GERAL DO ESTADO - CGE Termo de Referência para Contratação de Serviço de Consultoria (Pessoa Jurídica) para Reestruturação do Portal da Transparência

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 14 DE JANEIRO DE 2015 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL SAL/MJ Nº 03, DE 4 DE JANEIRO DE 205 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 Seleciona: Consultor para identificação das melhores

Leia mais

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil

Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora Raiz da ICP-Brasil Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Ações Orçamentárias Número de Ações 18 72640000 Produto: Sistema implantado Desenvolvimento e Implantação do Criptossistema da Autoridade Certificadora

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013

Volume V. Suprimento de Fundos MACONFI. Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças. 1ª Edição Janeiro / 2013 Volume V Suprimento de Fundos MACONFI Manual de Procedimentos da Coordenadoria de Contabilidade e Finanças 1ª Edição Janeiro / 2013 Sumário 1. Conteúdo... 3 2. Conceitos... 3 3. Restrições à concessão

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (6) 2025 3376 / 34 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 6, DE 2 DE JULHO DE

Leia mais

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL

Portal do Servidor Publico. Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL Portal do Servidor Publico Cartilha de Orientação Acesso ao PORTAL 1 Indice Apresentação do Portal... 03 Acesso ao Portal do Servidor Publico... 04 Solicitar Senha... 04 Disponibilidade do Portal... 06

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Regulamenta o compartilhamento, entre o CAU/BR e os CAU/UF, da gestão, manutenção, evolução e despesas relativas ao Centro de Serviços Compartilhados do Conselho

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM VENDAS E COACHING EM PLANO DE VIDA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 07/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS

O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS O CONTROLE INTERNO COMO INSTRUMENTO DE GESTÃO PARA OS MUNICÍPIOS Luís Filipe Vellozo de Sá e Eduardo Rios Auditores de Controle Externo TCEES Vitória, 21 de fevereiro de 2013 1 Planejamento Estratégico

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES REFERENTES AO CONVÊNIO ICMS 75/91

DÚVIDAS FREQUENTES REFERENTES AO CONVÊNIO ICMS 75/91 DÚVIDAS FREQUENTES REFERENTES AO CONVÊNIO ICMS 75/91 Objetivando disponibilizar mais um recurso de auxílio às empresa que solicitam sua inclusão ou manutenção na Relação de Candidatas ao benefício fiscal

Leia mais

Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira na UNIR

Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira na UNIR MEMORANDO CIRCULAR Nº 06/2015/PROPLAN Porto Velho, 27 de Maio de 2015. Para: CÂMPUS E NÚCLEOS Ref. Assunto: Elaboração do Plano para a Implantação da Descentralização da Execução Orçamentária e Financeira

Leia mais

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE

NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE RESOLUÇÃO Nº 058/2012 NORMAS PARA SOLICITAÇÃO, AUTORIZAÇÃO, CONCESSÃO E PRESTAÇÃO DE CONTAS DE TRANSPORTE, PASSAGENS, HOSPEDAGEM E ADIANTAMENTO AOS CONSELHEIROS DE SAÚDE O Conselho Municipal de Saúde,

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Apresentação. Módulos integrantes

Apresentação. Módulos integrantes Apresentação O Sistema de Informações Gerenciais de Acompanhamento de Projetos (SIGAP) tem por objetivo organizar informações referentes ao acompanhamento da execução de projetos de cooperação técnica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º A Unidade de Auditoria

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS Maria Leila Casagrande Angeliki Natsoulis Cestari Ana Paula P. Delfino Motta II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 32: Qualidade do gasto público

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*)

INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) INSTRUÇÃO INTERNA DE PROCEDIMENTOS IIP Nº 005, de 24 de agosto de 2011 (*) Disciplina no âmbito do IFPR as Orientações acerca da Execução Orçamentária e Financeira, relativas à Concessão de Suprimentos

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

RESOLVE: Número. De 8. Folha 1 Entrada em vigor

RESOLVE: Número. De 8. Folha 1 Entrada em vigor 1 O Presidente da Fundação Oswaldo Cruz, no Uso de suas atribuições e da competência que lhe foi delegada pela Portaria do MS/nº 93, de 22.07.99, RESOLVE: 1.0 PROPÓSITO Estabelecer as Diretrizes Institucionais

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e Manual do Usuário Prestador Introdução Este manual tem como objetivo apresentar a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) que será utilizado pelos contribuintes

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DECONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 04, 7 DE MARÇO DE 2012

ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DECONTAS RESOLUÇÃO T.C. Nº 04, 7 DE MARÇO DE 2012 RESOLUÇÃO T.C. Nº 04, 7 DE MARÇO DE 2012 Dispõe sobre o Sistema de Gerenciamento de Recursos da Sociedade SAGRES na esfera municipal. O TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO, na sessão do Pleno realizada

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014

PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 PUBLICADO NO ÓRGÃO OFICIAL DO MUNICÍPIO Nº 2030 DE 10/02/2014 DECRETO N. 240/2014 Regulamenta a Lei Complementar n 975/2013 que dispõe sobre a criação do Programa ISS Tecnológico, que institui benefícios

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR Nº 011/2011 PROPLAN. Curitiba, 28 de Março de 2011.

OFÍCIO CIRCULAR Nº 011/2011 PROPLAN. Curitiba, 28 de Março de 2011. OFÍCIO CIRCULAR Nº 011/2011 PROPLAN Curitiba, 28 de Março de 2011. Ao Senhor Prof. Dr. Donizeti Antonio Giusti Diretor do Setor de Ciências Terra Nesta Universidade Assunto: Procedimentos relativos à execução

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

DECRETO Nº 596/2009 D E C R E T A

DECRETO Nº 596/2009 D E C R E T A Alterado pelo Decreto nº 1724/11 DECRETO Nº 596/2009 Regulamenta a Lei nº 989/2009, que dispõe sobre a forma de pagamento de despesas de viagens através da liberação de diárias. O PREFEITO MUNICIPAL DE

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional

Detalhamento da Implementação Concessão de Empréstimos, ressarcimento dos valores com juros e correção monetária. Localizador (es) 0001 - Nacional Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 51 Pagamento da participação da patrocinadora

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. Altera o Regulamento de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Municipal de Fazenda. A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM GESTÃO FINANCEIRA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 02/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais) Fone: 55

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM

MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM MANUAL DE PROCEDIMENTOS MPR/ASCOM-002-R00 ATIVIDADES DE ASSESSORAMENTO, COMUNICAÇÃO INTEGRADA E APOIO À GESTÃO DA ASCOM 09/2015 PÁGINA INTENCIONALMENTE EM BRANCO 2 30 de setembro de 2015. Aprovado, Gabriela

Leia mais

Resolução CC-52, de 23-6-2004

Resolução CC-52, de 23-6-2004 Resolução CC-52, de 23-6-2004 ANEXO I Institui a Política e o Plano Estratégico de Uso de Software na Administração Pública Estadual O Secretário-Chefe da Casa Civil, na qualidade de Presidente do Comitê

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA RESOLUÇÃO CFM Nº 1.772/2005 (Publicada no D.O.U. de 12.08.2005, Seção I, p. 141-142) Revogada pela Resolução CFM nº 1984/2012 Institui o Certificado de Atualização Profissional

Leia mais

CURSO: CONTABILIDADE PÚBLICA E ANÁLISE DE BALANÇOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: TEORIA E PRÁTICA. Período: Abril e Setembro

CURSO: CONTABILIDADE PÚBLICA E ANÁLISE DE BALANÇOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: TEORIA E PRÁTICA. Período: Abril e Setembro CURSO: CONTABILIDADE PÚBLICA E ANÁLISE DE BALANÇOS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: TEORIA E PRÁTICA Período: Abril e Setembro Público Alvo: Servidores que trabalham na área contábil financeira do estado. Objetivo:

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM MARKETING EMPRESARIAL E PESSOAL TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE

ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE ORIENTAÇÃO TÉCNICA SICOM - CONTABILIDADE O principal objetivo do SICOM é exercer um controle concomitante dos atos e fatos realizados nas administrações públicas, criando condições para identificar de

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

Senhor Gestor, CCDQV/DRH/PRAD

Senhor Gestor, CCDQV/DRH/PRAD Memo Circular nº 001/CCDQV Porto Velho, 18 de fevereiro de 2013 Senhor Gestor, A UNIR, procurando manter o desenvolvimento contínuo de seus servidores para melhorar a eficiência, eficácia e qualidade no

Leia mais

PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES

PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES NOTA TÉCNICA N.º 008/2012 PORTARIA MPS N 170/2012 DE 25 DE ABRIL DE 2012 IMPLEMENTAÇÃO DE COMITÊ DE INVESTIMENTOS E OUTROS CONTROLES O assunto tratado na presente Nota Jurídica é de fundamental importância

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

M A N U A L D O U S U Á R I O

M A N U A L D O U S U Á R I O M A N U A L D O U S U Á R I O S I S T E M A D E A B E R T U R A D E C H A M A D O S D E S E R V I Ç O S Sumário 1. Apresentação... 3 2. Introdução do GLPI... 4 3. Acessando o GLPI... 5 4. Abertura e Registro

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SIGPBF APLICATIVO DE FORMULÁRIOS GUIA DE NAVEGAÇÃO PERFIL MUNICÍPIO Versão do Guia: 1.1 Brasília, DF Abril de 2011 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

Brasília, 27 de maio de 2013.

Brasília, 27 de maio de 2013. NOTA TÉCNICA N o 20 /2013 Brasília, 27 de maio de 2013. ÁREA: Desenvolvimento Social TÍTULO: Fundo para Infância e Adolescência (FIA) REFERÊNCIAS: Lei Federal n o 4.320, de 17 de março de 1964 Constituição

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 11, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 11, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 44 (61) 2025 76 / 114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 11, DE 0 DE JULHO DE

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4.

SUMÁRIO INTRODUÇÃO. 3 1. ACESSO AO SISTEMA. 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO.6 3. PREENCHIMENTO DO MÓDULO DE MONITORAMENTO. 8 4. MANUAL TÉCNICO-OPERACIONAL DO MÓDULO DE MONITORAMENTO DO PLANO DE AÇÕES ARTICULADAS - PAR Brasília/DF, 23 julho de 2009 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1. ACESSO AO SISTEMA... 5 2. ACESSO AO MÓDULO DE MONITORAMENTO...6

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. BKR-Lopes, Machado Orientador Empresarial LEX VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Orientador Empresarial LEX Jovem Empreendedor Programa de Crédito Orientado Comitês de Aprovação Regulamento Operacional CARTA-CIRCULAR

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2013 SISTEMA: ADMINISTRATIVO ASSUNTO: CONCESSÃO DE DIÁRIAS E INDENIZAÇÃO POR DESPESAS DE TRANSPORTE

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2013 SISTEMA: ADMINISTRATIVO ASSUNTO: CONCESSÃO DE DIÁRIAS E INDENIZAÇÃO POR DESPESAS DE TRANSPORTE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004/2013 SISTEMA: ADMINISTRATIVO ASSUNTO: CONCESSÃO DE DIÁRIAS E INDENIZAÇÃO POR DESPESAS DE TRANSPORTE 1. Esta Instrução tem por objetivo estabelecer orientações e procedimentos

Leia mais

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124

SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 1 12 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 SE Brasília/DF Jan./2013 24.000 ex. 10,5x29,7cm Editora MS/CGDI/SAA OS 2013/0124 12 Em 2013, o registro de dados no

Leia mais

Esfera: 10 Função: 04 - Administração Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 20204 - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI

Esfera: 10 Função: 04 - Administração Subfunção: 122 - Administração Geral UO: 20204 - Instituto Nacional de Tecnologia da Informação - ITI Programa 1109 Massificação da Certificação Digital ICP-Brasil Numero de Ações 14 Ações Orçamentárias 09HB Contribuição da União, de suas Autarquias e Fundações para o Custeio do Regime de Previdência dos

Leia mais

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades

Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades Descrição dos Cargos, Atribuições e Responsabilidades 1. DESCRIÇÕES DO CARGO - ESPECIALISTA EM DESENVOLVIMENTO DE TECNOLOGIA NUCLEAR E DEFESA a) Descrição Sumária Geral Desenvolver, projetar, fabricar,

Leia mais

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória

Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Uso dos computadores e a Tecnologia da informação nas empresas: uma visão geral e introdutória Não há mais dúvidas de que para as funções da administração - planejamento, organização, liderança e controle

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ - INCTEC-SA CONSULTORIA EM PESQUISA, INOVAÇÃO E DESENVOLVIMENTO TERMO DE REFERÊNCIA Nº 04/2012 Contatos Luiz Augusto Gonçalves de Almeida (Coord. de Relações Institucionais)

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea

Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Norma para pagamento de diária a serviço e solicitação de passagem aérea Objetivo: A presente norma tem por objetivo formalizar e agilizar os pedidos de diária e passagem a serviço da entidade bem como

Leia mais

Manual e Normas Sistema Disciplina Online

Manual e Normas Sistema Disciplina Online Manual e Normas Sistema Disciplina Online 2011-2 1 SUMÁRIO Pág. 1. Sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.1. Acesso ao sistema Disciplina Online - Aluno (UNIP). 05 1.2. Observações. 05 2. Sistema

Leia mais

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14

BOLETIM ADMINISTRATIVO Nº 020 DE 12 a 16/05/14 Leia-se:...Art. 1º DELEGAR COMPETÊNCIA e as responsabilidades decorrentes ao Superintendente Regional do DNIT nos estados de Goiás e Distrito Federal para Lavrar o Termo Aditivo de Prorrogação de prazo,

Leia mais

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria

I sob o enfoque contábil: Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Modelo de Projeto de Lei de Controle Interno Controladoria e Auditoria Dispõe sobre a organização e a atuação do Sistema de Controle Interno no Município e dá outras providências. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório.

Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Em 2013, o registro de dados no SIOPS passará a ser obrigatório. Fique atento aos procedimentos e prazos estabelecidos pela Lei para declaração de despesas com saúde. art certificado digital-siops-10,5x29,7.indd

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE

GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores. Apresentação SERVIÇO PÚBLICO RELEVANTE GESPÚBLICA Rede Nacional de Consultores Apresentação A Rede de Nacional de Consultores "ad hoc" do Programa Nacional de Gestão Pública e Desburocratização GesPública se constitui elemento de suma importância

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (61) 2025 3376 / 3114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 1/2015 TERMO DE REFERÊNCIA PARA REALIZAR A AUTOMATIZAÇÃO DA ANÁLISE DOS PROCESSOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DO CEARÁ. SUMÁRIO Objetivo da contratação...2

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA

SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA BOLSA FAMÍLIA GUIA DE NAVEGAÇÃO MÓDULO DE TRANSFERÊNCIA DE ARQUIVOS APLICATIVO UPLOAD /DOWNLOAD VERSÃO 1.1 BRASÍLIA DF Agosto/2015 2011 Ministério do Desenvolvimento Social

Leia mais

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA

GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA GUIA PARA EMITIR A NOTA FISCAL ELETRÔNICA SUMÁRIO >> Introdução... 3 >> O que é a nota fiscal eletrônica?... 6 >> O que muda com esse novo modelo de documento fiscal?... 8 >> O DANFE - Documento Acessório

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR?

COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? COMO O INVESTIMENTO EM TI PODE COLABORAR COM A GESTÃO HOSPITALAR? Descubra os benefícios que podem ser encontrados ao se adaptar as novas tendências de mercado ebook GRÁTIS Como o investimento em TI pode

Leia mais

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada;

I - Proposto: pessoa que viaja e presta contas da viagem realizada; 1 PORTARIA MEC 403/2009 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 403, DE 23 DE ABRIL DE 2009 Dispõe sobre a solicitação, autorização, concessão e prestação de contas de diárias, passagens

Leia mais

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas

Arquivos Públicos e Transparência. Aurora Maia Dantas Arquivos Públicos e Transparência Aurora Maia Dantas Informação Dados, processados ou não, que podem ser utilizados para produção e transmissão de conhecimento, contidos em qualquer meio, suporte ou formato

Leia mais

Descentralização de acesso a informação aos dados funcionais por meio de consulta ao Sistema de Administração de Pessoal SISAP

Descentralização de acesso a informação aos dados funcionais por meio de consulta ao Sistema de Administração de Pessoal SISAP Descentralização de acesso a informação aos dados funcionais por meio de consulta ao Sistema de Administração de Pessoal SISAP Julho 2014 1 Sumário Categoria:... 3 Temática:... 3 Ementa:... 3 Ideia:...

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL Nº 19 DE 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL Nº 19 DE 2014 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA DE ASSUNTOS LEGISLATIVOS EDITAL Nº 9 DE 04 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Projeto BRA/07/004 seleciona: Consultor para identificação das melhores práticas e produção de

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ

Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Número: 00190.012047/2013-59 Unidade Examinada: Instituto Benjamin Constant - RJ Relatório de Demandas Externas n 00190.012047/2013-59 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações

Leia mais

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV)

Amigos concurseiros, Administração Pública (Banca FGV) 1 Amigos concurseiros, Tendo em visto a iminência da realização de mais um concurso para a Secretaria de Fazenda do Estado RJ (SEFAZ/RJ), vamos analisar as questões de Administração Pública que caíram

Leia mais

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO

P á g i n a 3 INTRODUÇÃO P á g i n a 3 INTRODUÇÃO A Administração de Materiais compreende as decisões e o controle sobre o planejamento, programação, compra, armazenamento e distribuição dos materiais indispensáveis à produção

Leia mais

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008.

DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. DECRETO Nº 1.528, DE 21 DE AGOSTO DE 2008. Dispõe sobre modificações no processo de implantação do monitoramento dos programas e ações governamentais, no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato

Leia mais

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL

PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DE TRANSPARÊNCIA ADMINISTRATIVA MUNICIPAL Façam perguntas por: Telefone: (71) 2105-7900 E-mail: perguntas@tmunicipal.org.br DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Com

Leia mais

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1

Governança de TI. ITIL v.2&3. parte 1 Governança de TI ITIL v.2&3 parte 1 Prof. Luís Fernando Garcia LUIS@GARCIA.PRO.BR ITIL 1 1 ITIL Gerenciamento de Serviços 2 2 Gerenciamento de Serviços Gerenciamento de Serviços 3 3 Gerenciamento de Serviços

Leia mais

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD.

Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 2013. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. Edital para publicação no site período de 23 a 30 de junho de 203. PROJETO BRA/04/029 Seleciona CONSULTOR na modalidade PRODUTO* CÓD. GESTÃO EAD Os currículos deverão ser encaminhados para o endereço eletrônico

Leia mais

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO

CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO CURSO: MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA DISCIPLINA: ÉTICA NA GESTÃO PÚBLICA PRIMEIRO MÓDULO INTRODUÇÃO OBJETIVO DO CURSO MBA EM GESTÃO PÚBLICA E AUDITORIA Oferecer condições ferramentais para o profissional

Leia mais

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011

NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM. Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 NOVO DECRETO DE DIÁRIAS DE VIAGEM Decreto nº. 45.618, de 09 de junho de 2011 Belo Horizonte, agosto de 2011 Agenda Diretrizes da Alteração Organização da Norma Alterações Principais Outras Alterações O

Leia mais