CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS"

Transcrição

1 CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS LÍVIA GARCIA ALVES DE SOUZA SISTEMA PARA ACADEMIA DE GINÁSTICA MUNDO LIVRE LINS/SP 1º SEMESTRE/2011

2 2 CENTRO ESTADUAL DE ENSINO TECNOLÓGICO PAULA SOUZA FACULDADE DE TECNOLOGIA DE LINS CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM BANCO DE DADOS LÍVIA GARCIA ALVES DE SOUZA SISTEMA PARA ACADEMIA DE GINÁSTICA MUNDO LIVRE Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins para obtenção do Título de Tecnóloga em Banco de Dados. Orientador: Prof. Me. Fábio Lucio Meira. LINS/SP 1º SEMESTRE/2011

3 3 LÍVIA GARCIA ALVES DE SOUZA SISTEMA PARA ACADEMIA DE GINÁSTICA MUNDO LIVRE Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Faculdade de Tecnologia de Lins, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Tecnóloga em Bando de Dados sob orientação do Prof. Me. Fábio Lucio Meira. Orientador: Fábio Lúcio Meira Examinador 1: Gisele Molina Becari Examinador 2: Naylor Garcia Bachiega Data de aprovação: / /

4 4 Aos meus pais, Zuleica Garcia Alves de Souza, in memorian e José Pereira de Souza. Ao meu irmão José Pedro Garcia Alves de Souza e ao meu namorado Fernando Silva pelo apoio e incentivo.

5 5 AGRADECIMENTOS Nesta oportunidade em que é alcançada uma meta importante na minha vida profissional, quero expressar os meus sinceros agradecimentos, primeiramente, a Deus, pois sem fé Nele, nada seria possível. Obrigada pela conclusão de mais essa etapa da minha vida, com muita saúde para eu poder continuar e mostrar minha capacidade no decorrer da vida. A toda minha família, principalmente aos meus pais, José e Zuleica (in memorian), por terem me dado momentos de carinho e conselhos, além de apoio, paciência e compreensão; e ao meu irmão, José Pedro, por me alegrar nos momentos difíceis dessa trajetória. Obrigada por confiarem em mim e investirem na minha carreira. Agradeço também ao meu namorado, Fernando Silva, pela amizade e companheirismo nessa corrida etapa da minha vida. A todos os amigos de classe, em especial, Adriano Castro, Brunna Linhares, Daiane Areco, Eduardo Bertin, Endrius Estevan, Luciana Pereira, Matheus de Caires e Susane Pontes, que sempre me incentivaram a insistir e persistir. Aos professores Adriana de Bortoli, Elaine Valencise, Luciane Noronha, Mario Pardo e Ygor Gonzaga, pela ajuda, compreensão e amizade. Ao meu orientador, Professor Me. Fábio Lúcio Meira, pela ajuda tão necessária ao desenvolvimento e realização desse trabalho.

6 6 RESUMO Esta pesquisa tem como objetivo geral informatizar os processos rotineiros (básicos) da academia de ginástica Mundo Livre. Dentre os objetivos específicos estão: cadastrar clientes, funcionários e fichas de exercícios; informar aos professores sobre os exercícios de cada cliente; mostrar os aniversariantes do mês; administrar o pagamento das mensalidades; controlar o fluxo de caixa. Focaliza-se, primeiramente, o estudo das principais tecnologias utilizadas no desenvolvimento do software, por exemplo, Java, JSP e JSF além do armazenamento dos dados no banco de dados Oracle 10g. Após o estudo, fez-se a análise do documento visão, segundo a aplicação da metodologia de Gonçalves (2006), Gonçalves (2007); Gonçalves (2008) e Geary e Horstmann (2007), essenciais para o desenvolvimento do trabalho. Em seguida, procedeu-se à criação dos diagramas, elaboração da prototipação das telas do sistema e a implementação do software. O estudo mostra a necessidade dos programadores buscarem mais informações sobre ferramentas e tecnologias que os auxiliam a desenvolver softwares e esclarecer se a utilização de um sistema de informações traz resultados positivos para uma empresa de pequeno porte como, por exemplo, a academia de ginástica Mundo Livre. Quanto à implementação e implantação do sistema na academia Mundo Livre, verificou-se ainda a viabilidade de aperfeiçoar o sistema de acordo com as exigências do gerente da academia. Palavras-chave: Tecnologia. UML. Sistema de informação. Software. Academia de ginástica.

7 7 ABSTRACT This research aims to computerize the general routine processes (basic) the gym Mundo Livre. Specific goals include: registering customers, employees and records of exercises; informing teachers about the exercises for each client; showing the month s birthdays; administering the payment of fees; monitor cash flow. It focuses, first, the study of the main technologies used in software development, for example, Java, JSP and JSF beyond the storage of data in Oracle Database 10g. After the study, did the analysis of vision document, according to the application of the methodology of Gonçalves (2006), Gonçalves (2007), Gonçalves (2008) and Geary and Horstmann (2007), essential for the development work. Then, proceeded to the creation of diagrams, preparation of the prototyping system screens and software implementation. The study shows programmers need seeking more information about tools and technologies that help them develop software and to clarify whether the use of an information system brings positive results for a small business, for example, the gym Mundo Livre. The implementation and deployment of the Free World in the gym, there was also the feasibility of improving the system in accordance with the requirements of the manager and teachers of the academy. Keywords: Technology. UML. Information system. Software. Fitness center.

8 8 LISTA DE FIGURAS Figura 1. NetBeans IDE Figura 2. Diagrama de Caso de Uso Figura 3. Diagrama de Atividades Manter Fichas Cadastrar Figura 4. Diagrama de Atividades Manter Fichas Atualizar Figura 5. Diagrama de Atividades Manter Funcionários Cadastrar Figura 6. Diagrama de Atividades Manter Funcionários Atualizar Figura 7. Diagrama de Atividades Manter Clientes Cadastrar Figura 8. Diagrama de Atividades Manter Clientes Atualizar Figura 9. Diagrama de Atividades Manter Recebimentos Figura 10. Diagrama de Atividades Controlar Fluxo de Caixa Figura 11. Diagrama de Atividades Gerar Promoção Figura 12. Diagrama de Classe Figura 13. Diagrama MVC Controle Ficha Exercícios Figura 14. Diagrama MVC Controle Funcionários Figura 15. Diagrama MVC Controle Endereços Figura 16. Diagrama MVC Controle Clientes Figura 17. Diagrama MVC Controle Mensalidades Figura 18. Diagrama MVC Controle Fluxo Caixa Figura 19. Diagrama de Sequência Criar Ficha de Exercícios Figura 20. Diagrama de Sequência Atualizar Ficha de Exercícios Figura 21. Diagrama de Sequência Listar Ficha de Exercícios Figura 22. Diagrama de Sequência Criar Funcionários Figura 23. Diagrama de Sequência Atualizar Funcionários Figura 24. Diagrama de Sequência Listar Funcionários Figura 25. Diagrama de Sequência Criar Endereços Figura 26. Diagrama de Sequência Atualizar Endereços Figura 27. Diagrama de Sequência Listar Endereços Figura 28. Diagrama de Sequência Criar Clientes Figura 29. Diagrama de Sequência Atualizar Clientes Figura 30. Diagrama de Sequência Listar Clientes Figura 31. Diagrama de Sequência Criar Mensalidades Figura 32. Diagrama de Sequência Atualizar Mensalidades Figura 33. Diagrama de Sequência Listar Mensalidades Figura 34. Diagrama de Sequência Criar Fluxo de Caixa Figura 35. Diagrama de Sequência Atualizar Fluxo de Caixa Figura 36. Diagrama de Sequência Listar Fluxo de Caixa Figura 37. Tela de Login do Sistema Figura 38. Tela Home Figura 39. Opções Clientes, Ficha de Exercícios e Funcionários Figura 40. Cadastro de Clientes Figura 41. Cadastro de Pessoas Figura 42. Cadastro de Endereços Figura 43. Lista de Endereços Figura 44. Visualização de Endereços Figura 45. Atualização de Endereços Figura 46. Selecionar Cliente ou Funcionário Figura 47. Cadastro de Funcionários... 73

9 Figura 48. Cadastro de Ficha de Exercícios Figura 49. Cadastro de Membros Figura 50. Cadastro de Mensalidades Figura 51. Cadastro de Fluxo de Caixa Figura 52. Menu do Sistema Figura 53. Relatório de Aniversariantes do Mês

10 10 LISTA DE QUADROS Quadro 1. O Problema da Empresa Quadro 2. Posição do Produto Quadro 3. Responsabilidades dos Cargos Quadro 4. Necessidades e Recursos... 38

11 11 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS AJAX Asyndhronus JavaScript and XML ARPA Advanced Research and Projects Agency API Application Programming Interface BD Banco de Dados CEP Código de Endereçamento Postal CNPJ Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica CPF Cadastro de Pessoa Física CSS Cascading Style Sheet GUI Interface Gráfica do Usuário HTML HyperText Markup Language IDE Integrated Development Environment ISP Internet Service Providers JDBC Java Database Connectivity JS JavaScript JSF Java Server Faces JSP Java Server Pages NSF National Science Foundation MER Modelo Entidade-Relacionamento MVC Modelo-Visão-Controle RG Registro Geral SGBD Sistema Gerenciador de Banco de Dados SO Sistema Operacional SPC Serviço de Proteção ao Crédito SQL Structured Query Language UML Unified Modeling Language W3C World Wide Web Consortium

12 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA UMA BREVE HISTÓRIA DA INTERNET A evolução da Web UML PROCESSO UNIFICADO Características do processo unificado Fases do processo unificado Workflows TECNOLOGIAS Java NetBeans HTML CSS Servlets Java Persistence API (JPA) Java Server Pages (JSP) Java Server Faces (JSF) BANCO DE DADOS JDBC Oracle 10g DOCUMENTO VISÃO DA ACADEMIA MUNDO LIVRE POSICIONAMENTO Instrução do problema INSTRUÇÃO SOBRE A POSIÇÃO DO PRODUTO DESCRIÇÕES DO ENVOLVIDO Resumo do envolvido Ambiente do usuário VISÃO GERAL DO PRODUTO Perspectiva do produto PREMISSAS E DEPENDÊNCIAS NECESSIDADES E RECURSOS OUTROS REQUISITOS DO PRODUTO DIAGRAMAS DIAGRAMA DE CASO DE USO ESPECIFICAÇÃO DE HISTÓRIAS Manter fichas de exercícios (gerente e professor) Manter funcionários (gerente) Manter clientes (gerente) Manter recebimentos (gerente) Controlar fluxo de caixa (gerente) Gerar promoções (gerente) DIAGRAMAS DE ATIVIDADES DIAGRAMA DE CLASSE DIAGRAMAS MVC (MODELO-VISÃO-CONTROLE) DIAGRAMAS DE SEQUÊNCIA... 57

13 4. PROTÓTIPO LAYOUT DAS TELAS CONCLUSÃO GLOSSÁRIO REFERÊNCIAS ANEXOS

14 14 INTRODUÇÃO As empresas buscam permanentemente meios de informação para obter resultados confiáveis e conseguirem sucesso nas tomadas de decisões, de forma a aumentar a competitividade entre suas atividades, satisfazendo as expectativas dos clientes. Desta maneira, os empresários adotam instrumentos que permitam maior flexibilidade, velocidade, inovação e integração para atuarem em ambientes com constantes mudanças, pois sabem que um sistema de informação é algo essencial para uma empresa que queira valorizar e otimizar sua tomada de decisões. Importante ressaltar também que, para uma empresa conseguir resultados positivos em seu processo estratégico, ela precisará preestabelecer objetivos. Assim, para Padoveze apud Santos (2010, p.17), sistema de informação é definido como Um conjunto de recursos humanos, materiais, tecnológicos e financeiros agregados segundo uma sequência lógica para o processamento de dados e tradução em informações, para, com seu produto, permitir as organizações o cumprimento de seus objetivos principais. Ou seja, sistema de informação é uma visão interativa do todo para buscar uma solução de obter resultados positivos para a empresa. A busca por esses resultados faz com que as empresas procurem constantemente informações que envolvam seus processos operacional, administrativo e estratégico. Oliveira (2000) define sistema de informação como um conjunto de normas e procedimentos que objetivam transmitir, através de um meio qualquer, informações sobre pessoas ou órgãos. Já, de acordo com Laudon e Laudon (2004, p.7), Um sistema de informação pode ser definido tecnicamente como um conjunto de componentes inter-relacionados que coleta, processa,

15 15 armazena e distribui informações destinadas a apoiar a tomada de decisões, a coordenação e o controle de uma organização. Sabendo que um sistema de informação (software) pode alterar significativamente a vida da empresa, a academia Mundo Livre, que trabalha no ramo de ginástica desde 2006 com uma administração manual, resolveu informatizar seus processos e procedimentos e investir em um sistema de informações (software) adequado para otimizar sua administração. A academia Mundo Livre apresenta alguns problemas na gerência de cadastros de funcionários, clientes e ficha de exercícios. Além disso, o gerente da academia pretende saber quais são os aniversariantes do mês para oferecer promoções com o objetivo de fidelizar os clientes. Assim, tendo vista esses problemas, a empresa resolveu investir em tecnologia da informação (em um sistema de informação) para sanar todos os problemas, aprimorando o processo de cadastramento, acelerando o processo de visualização dos aniversariantes do mês, facilitando o processo de recebimento de pagamento, informando aos professores sobre os exercícios dos clientes e controlando melhor o fluxo de caixa. Dessa forma, o objetivo geral neste trabalho é desenvolver um sistema para informatizar os processos rotineiros (básicos) da academia Mundo Livre. Dentre os objetivos específicos, estão: cadastrar clientes, funcionários e fichas de exercícios; informar os professores sobre os exercícios dos clientes; mostrar os aniversariantes do mês; administrar o pagamento das mensalidades; controlar o fluxo de caixa. O trabalho está embasado em autores renomados como, Gonçalves (2006), Gonçalves (2007), Gonçalves (2008), Medeiros (2004), Padoveze apud Santos (2010), Oliveira (2000), Laudon e Laudon (2004), Meira (2010), Geary e Horstmann (2007) entre outros. O resultado da pesquisa é apresentado, nesta monografia, em quatro capítulos.

16 16 No primeiro deles, tecem-se considerações gerais sobre a história da Internet juntamente com a evolução da Web. Apresentam-se, também, as contribuições de Gonçalves (2006), Medeiros (2004) e Meira (2010) para fundamentar sobre as tecnologias UML e Processo Unificado. Logo em seguida, tratam-se as tecnologias que serão utilizadas no desenvolvimento do software, como, Java, NetBeans, HTML, CSS, Servlet, JPA, JSP, JSF. E finaliza com o estudo do banco de dados Oracle 10g. No segundo capítulo, aborda-se a análise de negócios, ou seja, o documento visão que contém dados sobre a academia Mundo Livre e suas necessidades, como informatizar a administração da academia controlando o cadastro de clientes, funcionários e ficha de exercícios, administrar o pagamento das mensalidades, mostrar os aniversariantes do mês e controlar o fluxo de caixa. O terceiro capítulo trata os diagramas necessários para o desenvolvimento do software para a academia Mundo Livre. Entre eles estão diagrama de caso de uso, especificação de histórias, diagramas de atividades, diagrama de classe, diagramas de Modelo-Visão-Controle (MVC) e diagramas de sequência. E, no quarto capítulo, abordou-se a prototipação do software que são as telas do sistema, explicando-as (opções) para o usuário do sistema, no caso, o gerente. Conclui-se a monografia retomando as questões que a motivaram e avaliando se os objetivos foram alcançados. E, para finalizar, levantam-se as lacunas deixadas, sugerindo continuidade em pesquisas desta natureza que contribuam para o conhecimento e aperfeiçoamento do software com as tecnologias e ferramentas apresentadas.

17 17 1. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Este capítulo abordará a breve história da Internet, a UML (Unified Modeling Language) e o processo unificado. Além disso, tratará as tecnologias necessárias para o desenvolvimento do software para a academia Mundo Livre como Java, NetBeans, HTML, CSS, servlets, Java Persistence API (JPA), Java Server Pages (JSP) e Java Server Faces (JSF) UMA BREVE HISTÓRIA DA INTERNET A história da Internet, segundo Gonçalves (2006), teve início com a ARPANET, ARPA significa Advanced Research and Projects Agency - Agência de Pesquisas em Projetos Avançados. Essa agência tinha o objetivo de investigar e ajudar no desenvolvimento do Departamento de Defesa dos Estados Unidos da América. Naquela época, eram proibidos conteúdos ou comunicação que tivessem o foco comercial. Na década de 80, a ARPANET começou a ser ligada a outras redes de universidades e de grandes empresas; por exemplo, a HP, com o objetivo de se tornar mais dinâmica. Já no final dessa década, a ARPANET passou a responsabilidade de manter e aumentar o backbone 1, ou seja, a rede principal pela qual os dados de todos os clientes da Internet passam, para a NSF (National 1 Backbone significa a interconexão central de uma rede de Internet, ou seja, é como uma espinha dorsal de conexões que interliga pontos distribuídos de uma rede, formando uma grande via que trafegam informações. (GONÇALVES, 2006)

18 18 Science Foundation Fundação Nacional de Ciências). Então, a NSF desenvolveu a rede nos EUA. Gonçalves (2006) afirma que, ainda nos anos 80, começaram a aparecer os primeiros ISP (Internet Service Providers Provedores de Serviços de Internet), possibilitando o acesso a empresas particulares. No início dos anos 90, devido à criação de suas próprias infra-estruturas por parte dos operadores privados, a NSF começou a perder o controle do backbone. E foi nesse período que as restrições à comercialização da Internet foram retiradas. Assim, desde 1969, várias aplicações para Internet foram criadas e se tornaram cada vez mais amigáveis ao usuário. Algumas como: Gopher, Veronica, WAIS, FTP, BBS, entre outras. E em 1990, com o aparecimento da World Wide Web, a utilização de browsers dominou o mercado da Internet pois diminuíram os custos de acesso, aumentaram gradativamente o conteúdo, fazendo com que a Internet tivesse um crescimento exponencial A evolução da Web Com a abertura da Internet, criou-se uma revolução, pois houve a possibilidade de comunicação em massa. A partir de então, as pessoas queriam expor suas ideias, conhecimentos e começaram a se comunicar. Grandes empresas apostaram na Internet como uma nova forma de comercialização, criando meios mais sofisticados para o acesso à informação. (GONÇALVES, 2006) O principal meio de acesso, o browser, passou por muitas mudanças, sempre acrescentando mais capacidade de interatividade. E com essa interatividade, diversas tecnologias foram inventadas e aperfeiçoadas com o objetivo de diminuir o tempo de carregamento das informações vindas do servidor. Segundo Gonçalves (2006, p.3), os primeiros meios a tentar interagir com o usuário sem a necessidade de ter que carregar a página diversas vezes foram os Frames e o JavaScript. A empresa Netscape, com seu navegador Netscape Navigator, contribuiu significativamente para essa evolução.

19 UML A UML (Unified Modeling Language que quer dizer Linguagem de Modelagem Unificada) é a linguagem padrão para especificar, visualizar, documentar e construir artefatos de um sistema e pode ser utilizada com todos os processos ao longo do ciclo de desenvolvimento e através de diferentes tecnologias de implementação. (FURLAN, 1998) Conforme Medeiros (2004, p. 10), a UML (Unified Modeling Language que quer dizer Linguagem de Modelagem Unificada) não nos indica como devemos fazer um software. Ela indica apenas as formas que podem ser utilizadas para representar um software em diversos estágios de desenvolvimento. Ou seja, a UML é uma ferramenta que possibilita aos desenvolvedores a visualização dos resultados de seus trabalhos em diagramas padronizados. Medeiros (2004, p. 10) ainda afirma que o L de Language refere-se a uma linguagem de comunicação entre duas partes e não a uma linguagem de computador. Partes essas que indicam que UML não é um processo, mas sim a forma de comunicação que um processo utilizará. Conforme Silva e Videira (2001, p. 117 e 118), UML (Unified Modeling Language) é uma linguagem para especificação, construção, visualização e documentação de artefatos de um sistema de software. Para os autores (SILVA e VIDEIRA, 2001), a UML apresenta algumas particularidades principais: a) semântica e notação para trabalhar com grande número de tópicos atuais de modelagem; b) semântica para tratar tópicos de modelagem futura, relacionados com a computação distribuída, frameworks, a tecnologia de componentes e Internet; c) facilidades em trocar os modelos entre ferramentas distintas; d) mecanismos que possibilitam que futuras notações de modelagem possam continuar a ser desenvolvidas sobre a UML.

20 20 A UML permite uma ampla utilização para aplicações como, por exemplo, a modelagem de sistemas concorrentes, distribuídos, para a Web, sistemas de informações geográficas, entre outras. Para a OMG 2 (2011), a UML ajuda a especificar, visualizar e modelar os documentos de sistemas de software, incluindo sua estrutura e design de forma que atenda todos os requisitos traçados para o projeto. Por ser flexível, a UML permite modelar praticamente qualquer tipo de aplicação, compilada em qualquer tipo de combinação hardware, sistema operacional, linguagem de programação e de rede. Assim, a UML é importante independentemente do tipo de projeto, seja ele de pequeno, médio ou grande porte PROCESSO UNIFICADO Conforme Meira (2010, p. 59), Open UP ou processo unificado é um processo de desenvolvimento de software livre de ferramentas e de baixo formalismo que pode ser estendido a uma variedade gama de tipos de projetos e não apenas desenvolvimento de software. Ou seja, é o desenvolvimento de software livre que serve para várias áreas envolvendo projetos. Para o desenvolvimento do software livre são aplicadas as abordagens iterativa e incremental, informando também a filosofia ágil e pragmática com o foco na natureza colaborativa do desenvolvimento do software. (MEIRA, 2010) A abordagem iterativa quer dizer que os processos são subdivididos de acordo com as principais atividades a serem realizadas. Essas atividades são chamadas de iteração. Já a abordagem incremental, significa que alguns membros da equipe de desenvolvedores esforçam-se para atingir os objetivos da iteração. Assim, com essas abordagens, a equipe consegue ter um feedback, direcionandoos as decisões tomadas ao término de cada iteração. 2

21 Características do processo unificado Para Medeiros (2004, p. 11), o processo unificado é dirigido por casos de uso. Ou seja, descrições de casos de uso e seus diagramas embasam a construção de um software. Outra característica é que o processo unificado é centrado em arquitetura, ou seja, preocupa-se com o software como um todo, como por exemplo, pensam-se nas tecnologias, orçamentos e ambientes de software. Medeiros (2004, p. 11) ressalta que a arquitetura de um sistema pode ser descrita com os seguintes documentos e diagrama: o documento visão, o diagrama de caso de uso, diagramas de componentes e implantação, diagrama de interação e o MER dão-nos as perspectivas da arquitetura do software. Isso quer dizer que os diagramas e seus documentos são importantes para o melhor desenvolvimento da arquitetura do software. E, também, o processo unificado é iterativo e incremental, ou seja, quando uma versão do sistema é liberada quer dizer que a iteração está concluída. E, claro, aprende-se muito com a entrega feita por meio de análises post-mortem (após a conclusão e entrega) que são realizadas em cada iteração. Assim, Medeiros (2004, p. 12) conclui que se uma entrega promoveu uma melhora, ela incrementou algo no sistema, daí o chamarmos de iterativo e incremental Fases do processo unificado Medeiros (2004, p. 12) ressalta que o processo unificado contêm 4 fases: Concepção, Elaboração, Construção e Transição. a) Concepção

22 22 Na fase Concepção, pensa-se na visão do software (em que um documento com o mesmo nome é construído), avaliam-se as tecnologias disponíveis, relacionam-se os riscos principais ou mais aparentes e detectam-se as áreas críticas a serem tratadas. É nessa fase que se inicia os documentos Nomenclatura e Glossário (que serão utilizados por todas as fases do processo). Essa fase termina quando todos os envolvidos no projeto concordam com o escopo descoberto e o validam. b) Elaboração Na fase de Elaboração, os requisitos (que aparecem no conjunto dos casos de uso) das áreas críticas são levantados e estudados. Essa fase repete-se ao longo do desenvolvimento, ou seja, o ciclo de vida do software. c) Construção Na Construção, pensa-se em protótipos, nos relacionamento dos campos com o banco de dados e nas funções que devem conversar com os componentes em Servlets ou EJB. É nessa fase, ainda, que deve-se realizar os testes e eliminar os erros. d) Transição Para Medeiros (2004, p. 14), quando parte do software pode ser avaliado como versão de produção, significa que estamos na fase de Transição. Ou seja, é nessa fase que os erros devem ser mínimos e quando chegar à homologação da parte que está sendo avaliada significa que o ciclo terminou Workflows

23 23 Medeiros (2004) afirma que o processo unificado contém 5 workflows: Requisitos, Análise, Projeto, Implementação e Testes. Para o autor (MEDEIROS, 2004, p. 14), o termo workflow tem, aqui, o significado de um conjunto de atividades com um objetivo comum. a) Requisitos É necessário obter todos os requisitos para desenvolver os casos de uso. No futuro, se necessário, o software poderá se amparar nessa documentação para corrigir erros, melhorar sua performance ou até mesmo para implementação. b) Análise Para Medeiros (2004, p. 15), quando identificamos quem realizará um caso de uso ou um de seus cenários principais, em termos de classes de forma conceitual, estamos dentro do workflow de análise. Ou seja, e nesse workflow que as classes precisam ser bem definidas para seguir em frente o projeto. c) Projeto Medeiros (2004, p. 15) ainda afirma que quando saímos de uma visão conceitual da construção de classes e diagramas de sequência, na abstração requerida, estamos dentro do workflow de projeto. O projeto envolve a passagem dos conceitos adquiridos para a prática, desenvolvimento do software. d) Implementação Nesse workflow são realizadas as codificações e compilações do sistema. Medeiros (2004, p.15) afirma que a própria construção de uma página HTML e sua colocação em funcionamento é sinal de que estamos executando esse workflow dentro de alguma fase. Ou seja, a transformação dos diagramas em códigos do sistema representa este workflow.

24 24 e) Testes Esse workflow envolve o modelo de testes, ou seja, descreve por quais testes a implementação deve passar. Segundo Medeiros (2004, p. 15) a compilação dos resultados desses testes (que devem ser anotados e identificados por data e condição de teste) servirá em análises post-mortem. Ou seja, os resultados dos testes ajudarão para corrigir erros ou mudar características na implementação. Assim, um workflow trata uma sequência pré-definida de atividades que são desempenhadas por papéis de atividades e que geram artefatos (ou produtos de trabalho) como resultado TECNOLOGIAS As tecnologias são as várias formas que existem à disposição para criação de Intranet 3, Extranet 4 e Internet de uma empresa. Ou seja, como afirma Medeiros (2004, p.137), isso se deve ao fato de que hoje temos poucas oportunidades de criar softwares clientes-servidores puros, como fazíamos aos montes na época em que os navegadores eram muito insipientes. No início da história da Internet, havia uma única alternativa para publicar (pois tinha o sentido de revista, livro ou jornal) assuntos para as outras pessoas, o HTML Java 3 Para Vescio (2009), Intranet é uma rede privada onde os usuários não podem trocar informações com usuários que não estejam nessa rede. É ainda uma ferramenta eficaz para combater o desperdício de tempo, esforço e materiais dentro de uma empresa, pois gera comunicação e oportunidades para colaboração e produtividade pessoal. 4 Vercio (2009) ainda afirma que a Extranet é uma rede corporativa, assim como a Intranet, mas que utiliza da Internet para se comunicar e conectar com outras empresas e fornecedores, clientes, parceiros e outros para compartilhar informações.

25 25 Em 1995, ocorreu um grande marco na história das linguagens. Foi quando Java foi anunciado pela empresa Sun Microsystems que lançava, naquele momento, uma linguagem de programação trabalhada em sites produzidos na World Wide Web. Java era (e ainda é) portável para outros sistemas operacionais. Além disso, Java possibilitava fazer diversas coisas, como animações, que até então não eram possíveis em páginas existentes na World Wide Web. Seu tamanho também era um fator importante, pois era pequeno o que facilitava a visualização dos aplicativos. Com o passar dos anos, Java amadureceu e muitas implementações foram criadas, como por exemplo, hoje em dia, podem-se usar aplicativos desktop, páginas para Internet e até mesmo aplicativos para pequenos celulares, todos com a linguagem Java. De acordo com Gonçalves (2007, p. 7), a linguagem Java nos dias de hoje é utilizada por grandes bancos, pois fornece extrema segurança. Também é utilizada por grandes empresas que desejam trafegar uma grande quantidade de dados e necessita de estabilidade e portabilidade entre outras empresas. Por isso, milhões de pessoas aprenderam a usar essa linguagem e, até mesmo grandes empresas estão fazendo uso dela, como por exemplo, a NASA, IBM, ESPN, entre outras NetBeans Para Gomes (2008, p. 12), o NetBeans é a IDE (Integrated Development Environment, ou seja, um ambiente integrado para desenvolvimento de software) oficial da Sun Microsystems para desenvolvimento em Java, conforme mostra a figura 1. O NetBeans é o ambiente ideal para implementar aplicações Web utilizando as tecnologias citadas mais à frente.

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA)

SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) SISTEMA DE CONTROLE INTERNO DE FLUXO DE CAIXA DO SETOR DE APOIO FINANCEIRO (ULBRA GUAÍBA) Alessandra Lubbe 1 Alexandre Evangelista 2 Jeandro Perceval 3 José Ramiro Pereira 4 Luiz Gustavo Mahlmann 5 RESUMO

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans

Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Desenvolvendo Aplicações Web com NetBeans Aula 3 Cap. 4 Trabalhando com Banco de Dados Prof.: Marcelo Ferreira Ortega Introdução O trabalho com banco de dados utilizando o NetBeans se desenvolveu ao longo

Leia mais

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação.

GLOSSÁRIO. ActiveX Controls. É essencialmente uma interface usada para entrada e saída de dados para uma aplicação. GLOSSÁRIO Este glossário contém termos e siglas utilizados para Internet. Este material foi compilado de trabalhos publicados por Plewe (1998), Enzer (2000) e outros manuais e referências localizadas na

Leia mais

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET

XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET XIV SEMINÁRIO NACIONAL DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMATIZAÇÃO DAS NORMAS E PROCEDIMENTOS DE MEDIÇÃO VIA INTRANET E INTERNET Autores: OROMAR CÓRDOVA GILBERTO ALVES LOBATO COPEL Companhia Paranaense

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 BAIXA DE CONTAS A PAGAR RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO

SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO SISTEMA DE GERENCIAMENTO E CONTROLE DE DOCUMENTOS DE TCC E ESTÁGIO Marcelo Karpinski Brambila 1, Luiz Gustavo Galves Mahlmann 2 1 Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação da ULBRA Guaíba < mkbrambila@terra.com.br

Leia mais

4 Desenvolvimento da ferramenta

4 Desenvolvimento da ferramenta direcionados por comportamento 38 4 Desenvolvimento da ferramenta Visando facilitar a tarefa de documentar requisitos funcionais e de gerar testes automáticos em uma única ferramenta para proporcionar

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI

Nome da Empresa Sistema digitalizado no almoxarifado do EMI Nome da Empresa Documento Visão Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 23/02/2015 1.0 Início do projeto Anderson, Eduardo, Jessica, Sabrina, Samuel 25/02/2015 1.1 Correções Anderson e Eduardo

Leia mais

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO

MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO MAPEAMENTO OBJETO RELACIONAL: UM ESTUDO DE CASO UTILIZANDO O HIBERNATE Rafael Laurino GUERRA, Dra. Luciana Aparecida Martinez ZAINA Faculdade de Tecnologia de Indaiatuba FATEC-ID 1 RESUMO Este artigo apresenta

Leia mais

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br

Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Prof. Marcelo Machado Cunha www.marcelomachado.com mcelobr@yahoo.com.br Ementa Introdução a Banco de Dados (Conceito, propriedades), Arquivos de dados x Bancos de dados, Profissionais de Banco de dados,

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO

GBD. Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO GBD Introdução PROF. ANDREZA S. AREÃO Sistema de arquivos X Sistemas de Banco de Dados Sistema de arquivos Sistema de Banco de Dados Aplicativos Dados (arquivos) Aplicativos SGBD Dados (arquivos) O acesso/gerenciamento

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia

DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP. VitorFariasCoreia DESENVOLVIMENTODE APLICAÇÕESPARAINTERNET:PHP VitorFariasCoreia INFORMAÇÃOECOMUNICAÇÃO Autor Vitor Farias Correia Graduado em Sistemas de Informação pela FACITEC e especialista em desenvolvimento de jogos

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Desenvolvendo para WEB

Desenvolvendo para WEB Nível - Básico Desenvolvendo para WEB Por: Evandro Silva Neste nosso primeiro artigo vamos revisar alguns conceitos que envolvem a programação de aplicativos WEB. A ideia aqui é explicarmos a arquitetura

Leia mais

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL

Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL Projeto Disciplinar de Infra-Estrutura de Software EMPRESA PERSONAL LAPTOP S SISTEMA INTEGRADO COMERCIAL EDILBERTO SILVA, CLEYCIONE (9245) 2, JONATHAN CAVALCANTE (9288) 2, MARCELO GOMES (9240) 2, NILTON

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado)

UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO (Bacharelado) SISTEMA INTERNO INTEGRADO PARA CONTROLE DE TAREFAS INTERNAS DE UMA EMPRESA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012.

PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de 2012. PORTARIA N Nº 184 Rio de Janeiro, 27 de dezembro de. ACRESCENTA A ARQUITETURA DE PADRÕES TECNOLÓGICOS DE INTEROPERABILIDADE -, NO SEGMENTO RECURSOS TECNOLÓGICOS, O PADRÃO TECNOLÓGICO SISTEMAS DE GERENCIAMENTO

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Introdução BD desempenha papel crítico em todas as áreas em que computadores são utilizados: Banco: Depositar ou retirar

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate

Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Uma Abordagem sobre Mapeamento Objeto Relacional com Hibernate Luis Gustavo Zandarim Soares 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paraná PR Brasil luisgustavo@live.co.uk,

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Sistemas de Produtividade

Sistemas de Produtividade Sistemas de Produtividade Os Sistemas de Produtividade que apresentaremos em seguida são soluções completas e podem funcionar interligadas ou não no. Elas recebem dados dos aplicativos de produtividade,

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd.

Para construção dos modelos físicos, será estudado o modelo Relacional como originalmente proposto por Codd. Apresentação Este curso tem como objetivo, oferecer uma noção geral sobre a construção de sistemas de banco de dados. Para isto, é necessário estudar modelos para a construção de projetos lógicos de bancos

Leia mais

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo

Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos. Plano de Testes. Versão <1.1> DeltaInfo. Soluções para web Soluções para o mundo Sistema BuildParty para montagem e gerenciamento de eventos Plano de Testes Versão DeltaInfo Soluções para web Soluções para o mundo DeltaInfo 2 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autores

Leia mais

Concepção e Elaboração

Concepção e Elaboração UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Análise e Projeto Orientado a Objetos Concepção e Elaboração Estudo

Leia mais

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)?

Roteiro. BCC321 - Banco de Dados I. Conceitos Básicos. Conceitos Básicos. O que é um banco de dados (BD)? Roteiro BCC321 - Banco de Dados I Luiz Henrique de Campos Merschmann Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto luizhenrique@iceb.ufop.br www.decom.ufop.br/luiz Conceitos Básicos Banco

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14

1 ACESSO AO PORTAL UNIVERSITÁRIO 3 3 PLANO DE ENSINO 6 4 AULAS 7 5 AVALIAÇÃO E EXERCÍCIO 9 6 ENQUETES 12 7 QUADRO DE AVISOS 14 portal@up.com.br Apresentação Este manual contém informações básicas, e tem como objetivo mostrar a você, aluno, como utilizar as ferramentas do Portal Universitário e, portanto, não trata de todos os

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Introdução Banco de Dados

Introdução Banco de Dados Introdução Banco de Dados Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny Por que estudar BD? Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária reserva de hotel matrícula em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA. Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Autor: Evandro Bastos Tavares Orientador: Antônio Claudio Gomez

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho

Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Virtualização Microsoft: Data Center a Estação de Trabalho Estudo de Caso de Solução para Cliente Universidade Utiliza Virtualização para Criar Data Center Com Melhor Custo-Benefício e Desempenho Visão

Leia mais

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric

Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Manual de Instalação, Administração e Uso do Sistema Elétric Versão 1.0 Autores Bruna Cirqueira Mariane Dantas Milton Alves Robson Prioli Nova Odessa, 10 de Setembro de 2013 Sumário Apoio 1. Licença deste

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML.

Palavras-Chaves: engenharia de requisitos, modelagem, UML. APLICAÇÃO DA ENGENHARIA DE REQUISITOS PARA COMPREENSÃO DE DOMÍNIO DO PROBLEMA PARA SISTEMA DE CONTROLE COMERCIAL LEONARDO DE PAULA SANCHES Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas RENAN HENRIQUE

Leia mais

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho

Governador Cid Ferreira Gomes. Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho. Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria Izolda Cela de Arruda Coelho Secretário Adjunto Maurício Holanda Maia Secretário Executivo Antônio

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas.

Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Aula 1: Noção Básica e Criação de Tabelas. Introdução Olá! Seja bem-vindo a apostila de Microsoft Access 2010. Access 2010 é um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados da Microsoft, distribuído no pacote

Leia mais

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house

ERP: Pacote Pronto versus Solução in house ERP: Pacote Pronto versus Solução in house Introdução Com a disseminação da utilidade e dos ganhos em se informatizar e integrar os diversos departamentos de uma empresa com o uso de um ERP, algumas empresas

Leia mais

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial...

1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3. 3. Configurações... 6. 4. Relacionamento... 8. 5. Folha de Pagamento esocial... 1. Plataforma Sage... 2 2. Primeiro Acesso... 3 1.1. Conhecendo a Plataforma... 4 1.2. Seleção da Empresa de Trabalho... 4 1.3. Sair do Sistema... 5 1.4. Retornar a tela principal... 5 3. Configurações...

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot

Proposta Loja Virtual. Schmitt Tricot Proposta Loja Virtual Schmitt Tricot Apresentação: Atualmente atuo no mercado de sites e lojas virtuais desde 2010, desenvolvendo novas ideias, trabalhando com agilidade, para sempre atender a todas as

Leia mais

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1

Processos de Software. 2007 by Pearson Education Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Processos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 4 Slide 1 Objetivos Apresentar modelos de processos de software Descrever três modelos genéricos de processo e quando

Leia mais

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44)

QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) QUESTÕES PROVA 2 (28 a 44) 28) A orientação a objetos é uma forma abstrata de pensar um problema utilizando-se conceitos do mundo real e não, apenas, conceitos computacionais. Nessa perspectiva, a adoção

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal de Pernambuco Ciência da Computação Especificação de Requisitos e Validação de Sistemas Professora: Carla Taciana Lima Lourenço Silva Schuenemann Estudo de Viabilidade Clínica médica

Leia mais

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s

Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Curso de Gestão em SI Disciplina: Tecnologias de Banco de Dados para SI s Rodrigo da Silva Gomes (Extraído do material do prof. Ronaldo Melo - UFSC) Banco de Dados (BD) BD fazem parte do nosso dia-a-dia!

Leia mais

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos

Introdução. Banco de dados. Por que usar BD? Por que estudar BD? Exemplo de um BD. Conceitos básicos Introdução Banco de Dados Por que usar BD? Vitor Valerio de Souza Campos Adaptado de Vania Bogorny 4 Por que estudar BD? Exemplo de um BD Os Bancos de Dados fazem parte do nosso dia-a-dia: operação bancária

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE VOTAÇÃO WEB UTILIZANDO TECNOLOGIA TOUCHSCREEN José Agostinho Petry Filho 1 ; Rodrigo de Moraes 2 ; Silvio Regis da Silva Junior 3 ; Yuri Jean Fabris 4 ; Fernando Augusto

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09

ÍNDICE. Sobre o SabeTelemarketing 03. Contato. Ícones comuns à várias telas de gerenciamento. Verificar registros 09. Tela de relatórios 09 ÍNDICE Sobre o SabeTelemarketing 03 Ícones comuns à várias telas de gerenciamento Contato Verificar registros 09 Telas de cadastro e consultas 03 Menu Atalho Nova pessoa Incluir um novo cliente 06 Novo

Leia mais

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado

Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Aprenda as melhores práticas para construir um completo sistema de teste automatizado Renan Azevedo Engenheiro de Produto de Teste e Medição -Américas Aprenda as melhores práticas para construir um completo

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS

INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS INFORMÁTICA APLICADA II BANCO DE DADOS Professor:. Carga horária semanal: 4 HA Resumo dos assuntos abordados: - Teoria de banco de dados; - Modelagem de dados; - MS-Access; - Linguagem SQL; - PostgreSQL;

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular

Plano de Ensino. Apresentação da Unidade Curricular Plano de Ensino Plano de Ensino Apresentação da Unidade Curricular o Funcionamento, arquitetura e conceitos fundamentais dos bancos de dados relacionais e objeto relacionais. Utilização de linguagem DDL

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS PARA O DESENVOLMENTO DE INTERFACES WEB Marcelo Rodrigo da Silva Ribeiro 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil marcelo.rodrigo@live.com,

Leia mais