INSTITUTO OSWALDO CRUZ. Construção de uma biblioteca de módulos para utilização na composição de workflows para filogenia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO OSWALDO CRUZ. Construção de uma biblioteca de módulos para utilização na composição de workflows para filogenia"

Transcrição

1 Ministério da Saúde Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz INSTITUTO OSWALDO CRUZ Pós-Graduação em Biologia Computacional e Sistemas Fábio Bernardo da Silva Construção de uma biblioteca de módulos para utilização na composição de workflows para filogenia Dissertação apresentada ao Instituto Oswaldo Cruz como parte dos requisitos para obtenção do título de Mestre em Biologia Computacional e Sistemas Orientador (es): Prof a. Dra. Maria Luiza Campos Prof. Dr. Alberto Martín Rivera Dávila RIO DE JANEIRO 2010 i

2 xxxx xxx Bernardo, Fábio da Silva Construção de uma biblioteca de módulos para utilização na composição de workflows para filogenia./ Fábio Bernardo da Silva Rio de Janeiro: p.; il. Dissertação (Mestrado) Instituto Oswaldo Cruz, Biologia Computacional e Sistemas, Bioinformática; 2. Experimentos; 3. Workflows Científicos; 4. Sistema de Gerenciamento de Workflow Científico; 5. Árvores Filogenéticas CDD **** ii

3 Ministério da Saúde Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz INSTITUTO OSWALDO CRUZ Pós-Graduação em Biologia Computacional e Sistemas Fábio Bernardo da Silva Construção de uma biblioteca de módulos para utilização na composição de workflows para filogenia. ORIENTADOR (es): Prof. Dra. Maria Luiza Machado Campos Prof. Dr. Alberto Martín Rivera Dávila Aprovada em: / / EXAMINADORES: Prof. Dr. Antônio Basílio de Miranda (FIOCRUZ) Presidente Prof. Dra. Ana Carolina Paulo Vicente (FIOCRUZ) Membro Prof. Dra. Maria Claudia Reis Cavalcante (UFRJ) - Membro Prof. Dr. André Nóbrega Pitaluga (FIOCRUZ) - Suplente Prof. Dra. Vanessa Braganholo Murta (UFRJ) - Suplente Rio de Janeiro, 22 de Junho de iii

4 À Deus, que tornou tudo isto possível. À minha esposa Cátia Marques e à minha filha Thamirys, que muito contribuíram para a conclusão deste trabalho. iv

5 AGRADECIMENTOS Aos meus orientadores, Drª. Maria Luiza Campos e Alberto Martín Rivera Dávila, por toda a atenção dada durante o desenvolvimento deste trabalho e pelas orientações fornecidas para a correta condução do mesmo. Aos professores Maria Cláudia Reis Cavalcante, Antônio Basílio de Miranda e Ana Carolina Paulo Vicente pela presença em minha banca de avaliação. Ao coordenador do curso de Biologia Computacional e Sistemas da Fundação Oswaldo Cruz, Dr. Alberto Martín Rivera Dávila, por ter confiado no meu trabalho e fornecido as informações necessárias ao cumprimento das minhas atividades como aluno. Aos professores do curso de Biologia Computacional e Sistemas pelos conhecimentos repassados e pela excelente didática de ensino durante o meu período como aluno. Aos meus pais, Vanderlei Ramos da Silva e Maria de Fátima Bernardo da Silva, por tudo que representam na minha vida e que sem eles, este trabalho seria apenas um desejo inalcançável. Aos amigos Marcelo Pontes, Adriana Froes, Felipe, Monete Rajão Gomes, Franklin Souza da Silva, Diogo Antônio Tschoeke, Márcia Bezerra, Felipe Figueiredo, Gilberto, Raphael Cuadrat e Milene Pereira Guimarães os meus sinceros agradecimentos pela convivência diária e pelas informações transmitidas. Aos amigos Rodrigo Jardim, Kari Ocãna, Monete Rajão Gomes, Fábio Mota, Franklin Souza da Silva e Diogo Antônio Tschoeke, pela parceria nos conhecimentos biológicos repassados, pela ajuda nas dificuldades, pelas atividades realizadas em conjunto e que certamente contribuíram bastante para a realização deste trabalho. Ao Professor Sérgio Serra Manuel da Cruz e o aluno Fernando Seabra Chirigate, ambos da UFRJ, pelos conhecimentos transmitidos sobre workflows e desenvolvimentos de módulos para o SGWfC VisTrails, um dos principais conhecimentos para consolidação desta dissertação. Ao amigo Marcelo Cunha que sempre me apoiou nos momentos mais difíceis desta jornada. A todos os amigos que contribuíram direta ou indiretamente nesta dissertação e a amizade feita durante a caminhada da pós-graduação. v

6 Ministério da Saúde Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz INSTITUTO OSWALDO CRUZ Construção de uma biblioteca de módulos para utilização na composição de workflows para Filogenia. RESUMO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Fábio Bernardo da Silva Com o advento da era pós-genômica, ocorreu uma explosão de informações onde inúmeras descobertas geraram grande quantidade de dados biológicos, que para serem analisados, necessitavam da cooperação de várias áreas de conhecimento. Inicialmente, as atividades de análises destes dados são suportadas por programas que constituem um fluxo de trabalho, baseado em scripts, que normalmente são executados por linha de comando, obrigando os seus usuários a terem domínio de algoritmos e lógica de programação. Tais scripts auxiliam muito na entrada, processamento e resultado final da análise, mas ainda apresentam dificuldades em interferir, coletar e armazenar dados ao longo de sua execução. Além disso, dependendo da especificidade do script, o seu uso pode ser muito complexo, em função da dificuldade da implementação, manutenção e reuso. Também, neste tipo de ambiente, o registro de execução das atividades do fluxo, da origem dos dados utilizados e das transformações aplicadas aos dados, geralmente, não são mantidos. Para tanto, tem havido o crescente uso de workflows científicos na execução e condução de experimentos científicos. Os workflows científicos pressupõem a resolução de problemas científicos através das técnicas de composição do fluxo de atividades, onde os passos normalmente são compostos por programas de bioinformática que recebem, processam e geram um conjunto de dados que podem ser repassados aos demais passos do workflow. Toda a estrutura de desenvolvimento e execução desses workflows é apoiada por sistemas específicos, conhecidos como Sistemas de Gerenciamento de Workflows Científicos (SGWfC), que possuem seus próprios mecanismos de gerência e linguagem. Considerando as vantagens de uso dos SGWfC no cenário da Bioinformática, este trabalho apresenta o workflow científico para reconstrução filogenética denominado PHYLO. Como contribuições deste trabalho, podemos citar a flexibilidade de composição de novos workflows científicos a partir dos módulos existentes no PHYLO e os vários programas de bioinformática disponibilizados em um ambiente de fácil utilização pelo usuário, permitindo a intervenção do mesmo durante toda a execução do experimento, além da visualização das árvores filogenéticas geradas. Palavras-chaves: Bioinformática; experimentos; workflows científicos; Sistemas Gerenciadores de Workflow Científico; árvores filogenéticas. vi

7 Ministério da Saúde Fiocruz Fundação Oswaldo Cruz INSTITUTO OSWALDO CRUZ Construction of a library of modules for use in the composition of workflows for phylogeny. ABSTRACT DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Fábio Bernardo da Silva With the advent of post-genomic era, there was an explosion of information where many discoveries have generated large amounts of biological data, which, to be analyzed, needed the cooperation of various fields of knowledge. Initially, the to industrial activities of analysis of these data are supported by programs that constitute the workflow, based on scripts, that normally run from command line, forcing users to algorithms and programming logic. Such scripts help much the input, processing and outcome of the analysis, but still present difficulties for users to interfere, collect and store data throughout their implementation. Also, according to the specific use of the script, it can be very complex, depending on the difficulty of implementation, maintenance and reuse. Also, in this type of environment, the registration of the execution of the activities of the flow, the source of data used and the transformations applied to the data are generally not retained. For these, there has been the growing use of scientific workflows for the implementation and execution of scientific experiments. Scientific workflows assume scientific problems solving through techniques of composition of the flow of activities, where the steps are usually composed of bioinformatics programs that receive, process and generate a data set that can be passed on to other steps of the workflow. The structure of development and implementation of these workflows is supported by specific systems, known as Scientific Workflows Management Systems (SGWfC), which have their own management mechanisms and language. Considering the advantages of using the scenario SWfMS in the scientific bioinformatics, this work presents the scientific workflow PHYLO for phylogenetic reconstruction. As contributions of this work, we can cite the flexibility for composing new scientific workflows from existing modules in PHYLO and the various bioinformatics programs made available in a user-friendly environment, supporting user intervention throughout the execution of the experiment, besides the visualization of the generated phylogenetic trees. Keywords: Bioinformatics; experiments, scientific workflows, Scientific Workflow Management Systems; phylogenetic trees. vi

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1.1 Árvore da vida, baseada em genes ortólogos mostrando as relações filogenéticas entre diversos grupos de organismo. Fonte: (Ciccareli et al.,2006) Figura 1.2 Ferramenta e utilitários do servidor WEB Phylemon. Fonte: (Tarrara et al., 2007). Visão geral da ferramenta Phylemon (A). Visão do Super Phylemon, onde são armazenados os pipelines desenvolvidos pelos usuários (B). Área de visualização e exploração de árvores retangulares, circulares e radiais (C). Arquivos de saída (D). O mapeamento de riscos e topologia dos resultados dos testes TREE-PUZZLE (E). Detalhes de resultados emparelhados entre cinco espécies (F). Visão da área de Armazenamento dos arquivos de entrada e saída em projetos específicos criados pelo usuário (G) Figura Visão geral do sistema ARPA. Fonte: Ocaña e colaboradores, Visão da tela principal do ARPA, para entrada de arquivos no formato (A). Visão área de resultados do pipeline (B). Área de visualização de árvores (C) Figura 1.4 Proteína de aquaporina permitindo a passagem de água e bloqueando a passagem de solutos. Fonte: (Agre e Kozono, 2003) Figura Execuções utilizando o workflow científico PHYLO e reaproveitamento dos módulos comuns a cada experimento Figura 3.2 Diagrama do workflow científico PHYLO, com os seus respectivos programas Figura 3.3 Detalhes da implementação dos módulos do workflow científico PHYLO Figura 4.1 Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 1. Método de máxima verossimilhança, com programa PhyML, modelo evolutivo JTT, análise de bootstrap com valor 100, categorias de taxa de substituição com valor 4, distribuição Gama com valor 1 e proporção de sítios invariáveis = Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 1. Método de agrupamento de vizinhos, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 1. Método máxima parcimônia, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura 4.4 Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 3. Método de máxima verossimilhança, com programa PhyML, modelo evolutivo JTT, análise de bootstrap com valor 100, categorias de taxa de substituição com valor 4, distribuição Gama com valor 1 e proporção de sítios invariáveis = Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 3. Método de agrupamento de vizinhos, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 3. Método máxima parcimônia, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 9. Método de máxima verossimilhança, com programa PhyML, modelo evolutivo JTT, análise de bootstrap com valor 100, vi

9 categorias de taxa de substituição com valor 4, distribuição Gama com valor 1 e proporção de sítios invariáveis = Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 9. Método de agrupamento de vizinhos, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 9. Método máxima parcimônia, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 1, 3 e 9. Método de Máxima Verossimilhança, com programa PhyML, modelo evolutivo JTT, análise de bootstrap com valor 100, categorias de taxa de substituição com valor 4, distribuição Gama com valor 1 e proporção de sítios invariáveis = Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 1, 3 e 9. Método de agrupamento de vizinhos, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura Topologia da árvore filogenética não enraizada das sequências proteicas de aquaporina 1, 3 e 9. Método Máxima Parcimônia, com programa Phylip com bootstrap com valor igual a Figura 8.1 Tela inicial do vistrails para adicionar módulos Figura 8.2 Tela do Vistrails, opção preferences selecionada Figura 8.3 Inserção de módulo no Vistrails Figura 8.4 Tela de execução do Vistrails com módulo adicionado

10 LISTA DE TABELAS Tabela Características desejáveis em workflows científicos Tabela 1.2 Tipos de aquaporinas e locais de maior expressão gênica Tabela Programas implementados no PHYLO com as respectivas funções, versão utilizada e referência Tabela Experimento Tabela Experimento Tabela Experimento Tabela Número de sequência de isoformas de aquaporinas de diferentes tipos e organismos Tabela 4.2 Características do PHYLO, sistema para reconstrução filogenética ARPA, a ferramenta Phylemon e o ScaFos Tabela 4.3 Comparação entre os módulos do PHYLO e um pipeline baseado em script x

11 LISTA DE ABREVIATURAS Aligh-m AQP AQP1ARATH AQP1LEIDO AQP1LEIMA AQP1SACE AQP3LEIBR AQP3LEIN Alinhamento múltiplo de sequências altamente divergentes Aquaporinas Sequência proteica de aquaporina tipo 1 de Arabidopsis thaliana Sequência proteica de aquaporina tipo 1 de Leishmania donovani Sequência proteica de aquaporina tipo 1 de Leishmania major Sequência proteica de aquaporina tipo 1 de Saccharomyces cerevisiae Sequência proteica de aquaporina tipo 3 de Leishmania braziliensis Sequência proteica de aquaporina tipo 3 de Leishmania infantum AQP3SACE Sequência proteica de aquaporina tipo 3 de Saccharomyces cerevisiae AQP3TRYBRU Sequência proteica de aquaporina tipo 3 de Trypanosoma brucei AQP9LEIBR AQP9LEIDO AQP9LEIMA AQP9LEIN Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Leishmania braziliensis Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Leishmania donovani Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Leishmania major Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Leishmania infantum AQP9SACE Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Saccharomyces cerevisiae AQP9TRYBRU Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Trypanosoma brucei xi

12 AQP9TRYCR Sequência proteica de aquaporina tipo 9 de Trypanosoma cruzi ARPA AV AWTY Blast cdna Reconstrução automática e análise filogenética Agrupamento de vizinhos Um sistema de exploração gráfica de MCMC com convergência filogenética em Inferência Bayesiana Ferramenta básica de procura de alinhamento local Ácido desoxirribonucléico complementar ClustalW Consense crna Programa para alinhamento múltiplo de sequências Programa para geração de árvore consensu. Ácido ribonucleico complementar DNA Garli GARSA GBlocks GenBank Mafft Modelgenerator MP MrBayes MUSCLE MV PAUP PHP Ácido desoxirribonucléico Programa que executa a inferência filogenética usando o algoritmo de máxima verossimilhança. Recurso de análise genômica para anotação de sequências. Seleção de blocos conservados a partir de alinhamentos múltiplos para utilização em análise filogenética Base de dados de sequências genéticos Programa de alinhamento múltiplo de sequências baseado em transformação rápida Fourier Programa de seleção de melhor modelo evolutivo. Máxima parcimônia Programa de filogenia usando inferência Bayesiana Programa para alinhamento múltiplo de sequências Máxima Verossimilhança Programa filogenético usando máxima parcimônia Processador de hipertexto xii

13 Phylip PhyML PROBCONS RaxML Readseq RNA Seqboot SGBD SGWF SGWfC SWISS-PROT T-Coffee TREE-PUZZLE TrimAL UniPro UPGMA Weighbor WfMC Pacote de inferência filogenética Programa que implementa um algoritmo simples, rápido e preciso para estimar grandes filogenias por máxima verossimilhança Alinhamento probabilístico baseado na conservação de sequências múltiplas de aminoácidos Programa para inferência filogenética usando o algoritmo de máxima verossimilhança Leitura e reformatação de sequências Ácido ribonucleico Bootstrap, Jackknife, ou troca com reaproveitamento de sequências moleculares, sitio de restrição, frequência do gen ou caracteres Sistema gerenciador de banco de dados Sistemas Gerenciadores de Workflow Sistemas Gerenciadores de Workflows Científicos Banco de dados biológicos curados de sequências proteicas Programa para alinhamento múltiplo de sequências Programa para análise filogenética usando método de máxima verossimilhança e quartetos usando computação paralela Ferramenta de alinhamento automático com corte em grande escala para análise filogenética Banco de dados de busca de sequências de proteínas Método de agrupamento de pae=res com média aritmética Programa para reconstrução filogenética Coligação de administração Workflows xiii

14 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO Bioinformática e filogenia Reconstrução filogenética Pipeline filogenético Sistemas para análises filogenéticas Phylemon ARPA Workflows Sistemas de gerenciamento de workflows científicos e suas aplicações na biologia computacional e sistemas Workflows Científicos Vistrails Kepler Taverna Workflow filogenético a ser desenvolvido As aquaporinas e aquagliceroporinas Organização dos capítulos OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos Específicos MATERIAIS E MÉTODOS Reconstrução filogenética Ambiente utilizado Especificação do workflow Execução e validação do workflow desenvolvido RESULTADOS Análise Filogenética das proteínas de aquaporinas Análise Filogenética das proteínas de aquaporinas Análise Filogenética das proteínas de aquaporinas Análise Filogenética das proteínas de aquaporinas 1, 3 e Comparação do PHYLO com outros sistemas de reconstrução filogenética Comparação entre os módulos do SGWC PHYLO e um Pipeline baseado em script xiv

15 5 - DISCUSSÃO Reconstrução filogenética semiautomática e automática Flexibilidade na execução de tarefas no PHYLO,Phylemon e o ARPA Registro das etapas de execução e proveniência de dados Uso de tecnologia WEB Reuso de módulos do PHYLO Alteração e manutenção dos módulos Composição de novos workflows científicos a partir do PHYLO Dificuldades na implementação do workflow científico PHYLO Análises protéicas das aquaporinas CONCLUSÕES Contribuições Melhorias e trabalhos futuros REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES E ANEXOS xvi

16 1 - INTRODUÇÃO A comunidade científica vem desvendando muitos aspectos da ciência da vida fazendo uso, principalmente, de tecnologias avançadas. Nos últimos anos, no âmbito das ciências biológicas, dois campos emergiram: a genômica e a proteômica. Estes campos estão avançando e gerando dados muito rapidamente e a bioinformática tem fornecido as ferramentas para análise e interpretação dessa grande quantidade de dados como complemento às práticas laboratoriais. Os dados obtidos através de pesquisas em bancadas, como por exemplo, sequências nucleotídicas ou proteicas, são processados e confrontados utilizando-se softwares de bioinformática. Os dados processados são compostos de bases de dados locais ou bases disponibilizadas na internet [1] tendo, como exemplo, os bancos de dados genômicos curados ou não. A bioinformática é uma área que está em constante crescimento. Esta área reúne o conhecimento de várias ciências, tendo como base a computação, biologia, química, estatística, matemática, física e áreas afins. Utiliza-se destes conhecimentos para processar dados com softwares cujo objetivo principal é a solução de problemas biológicos. Tais processos demandam recursos computacionais e cálculos matemáticos complexos. Esta prática denomina-se pesquisa in silico [2]. Um cientista utiliza dos recursos de Bioinformática para gerar e gerenciar as informações biológicas passa por muitos desafios no desenvolvimento de softwares, principalmente no que diz respeito a dificuldade de construção de um programa que possibilite a gerência da entrada/saída de dados do programa ou das atividades de fluxo de trabalho. Normalmente, este tipo de atividade é desenvolvida utilizando-se a sequência lógica de execução do experimento e implementada em linguagens interpretadas, devido à simplicidade de implementação. No entanto, este tipo de solução é, geralmente, desenvolvido de forma específica, com dificuldade de reutilização de seus códigos ou scripts [3]. Segundo Taylor [4], pipeline é uma estrutura computacional geralmente utilizada para combinar vários módulos de programas em um só, onde o fluxo de trabalho e as atividades envolvidas são encadeados por conjuntos de scripts em uma determinada linguagem de programação. Com o advento e uso de workflows científicos, o usuário executa experimentos utilizando-se da composição de 1

17 programas que operam em regime de fluxo de atividades, podendo ser executado em ambiente local ou distribuído. Taylor [4], ao analisar a metodologia utilizada em reconstrução filogenética, percebe que, para um cientista trabalhar com um pipeline filogenético, é necessário que esse profissional tenha domínio de lógica de programação e conhecimento da estrutura da linguagem onde o mesmo foi escrito. Além disso, dependendo do script desenvolvido, o grau de dificuldade pode ser ainda maior, tornando complexas sua utilização, flexibilidade e facilidade de reutilização, manutenção e composição de recursos. A utilização de Sistemas Gerenciadores de Workflows Científicos (SGWF) possibilita ao usuário a verificação de erros, a execução total ou parcial do experimento, bem como o aproveitamento ou reuso dos módulos desenvolvidos em outros experimentos. Os Sistemas de Gerência de Workflows Científicos (SGWfC) são sistemas específicos [5], que possuem seus próprios mecanismos de gerência e linguagem para definição e execução dos módulos criados nestes ambientes. São normalmente lineares e centrados em dados, necessitando de estruturas de controle de fluxo [6]. Na tentativa de oferecer maior flexibilidade para a investigação de questões biológicas, em especial, estudos de filogenia, esta dissertação tem como propósito desenvolver uma biblioteca de módulos de um workflow científico para filogenia. Sendo assim, este sistema tem o propósito de disponibilizar um conjunto de módulos que implementem métodos filogenéticos para facilitar a definição dos fluxos de atividades e o encadeamento de programas, além de oferecer flexibilidade na composição de novos workflows filogenéticos, permitindo registrar informações sobre sua definição e execução. Esta introdução encontra-se dividida em sete partes. Na primeira parte, serão abordados conceitos de Bioinformática e Filogenia. Na segunda parte, serão abordados os conceitos de reconstrução filogenética. Na terceira parte, será descrito um pipeline filogenético, que motivou o início dos estudos deste trabalho. Na quarta parte serão discutidos os sistemas para análise filogenética, onde serão abordados o Phylemon [7] e o pipeline automático para reconstrução filogenética, o ARPA [8]. Na quinta parte serão discutidos os conceitos de Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWF) e Workflow científico. Na sexta parte, será abordado o alvo da investigação, que são as aquaporinas e aquagliceroporinas. E na última parte encontra-se a organização dos capítulos desta dissertação. 2

18 1.1 - Bioinformática e filogenia Com o advento da descoberta da estrutura de DNA [9] e o surgimento dos primeiros sequenciadores por Sanger e Coulson [10], vários métodos de filogenia têm sido desenvolvidos com o auxílio da biologia molecular para apoiar estudos filogenéticos. A aplicação desses métodos ampliou o universo de descobertas na área biológica, especialmente com a utilização de dados moleculares ao invés dos métodos tradicionais de classificação de organismos, como os baseados em morfologia, fisiologia e paleontologia. Dados moleculares são poderosos elementos de estudo da história evolutiva, por possibilitarem a reconstrução da filogenia dos grupos de organismos vivos. Baldi e Brunak [11] detectaram que a cada experimento um grande volume de dados biológicos era gerado e necessitavam da cooperação de várias áreas de conhecimento para serem analisados. A informática, com suas técnicas computacionais, tem se revelado eficiente através da bioinformática, na resolução de problemas biológicos como: sequenciamento de DNA e cdna, análise de expressões gênicas e determinação de estruturas proteicas, assim como na inferência de árvores filogenéticas [12],[11]. A evolução da infraestrutura computacional tem contribuído para aprimorar as formas de experimentação das pesquisas biológicas in silico, que utilizam Sistemas Gerenciadores de Banco de Dados (SGBD), Sistemas Gerenciadores de Workflows Científicos (SGWfC), programas biológicos e plataformas gráficas 2D e 3D, facilitando desvendar os questionamentos sobre o estudo da vida. Desde o marco fundamental representado pela teoria da evolução de Darwin [13] a filogenia direciona seus estudos para as relações evolutivas dos seres, representadas graficamente através de árvores filogenéticas, também conhecidas como grafos ou cladogramas [14]. No que se refere à filogenia, pode-se ressaltar duas importantes considerações: a filogenia clássica, que tem como base os caracteres dos organismos, os fenótipos e os registros paleontológicos [15]; os estudos filogenéticos, que servem tanto para inferir quanto para validar hipóteses ao confrontar com bancos de dados genômicos, permitindo a investigação das relações filogenéticas entre espécies. O conceito clássico de filogenia é representado por dois segmentos de pensamento: a escola cladista e a fenética. A cladista, ou filogenia tradicional, é a filogenia que estuda a relação dos organismos utilizando caracteres morfológicos, 3

19 fisiológicos ou paleontológicos, que dão origem aos cladogramas ou árvores filogenéticas. Já a escola fenética utiliza dados moleculares e algoritmos matemáticos e/ou estatísticos para inferir a ordem de divergência dos táxons, assim como os comprimentos dos ramos que os conectam, para a construção de árvores filogenéticas dos organismos estudados [16]. A interpretação destas árvores permite a inferência de hipóteses sobre os organismos estudados principalmente no que diz respeito às relações evolutivas entre os dados estudados. A filogenia tem contribuído para um melhor entendimento de como os processos evolutivos atuam na estruturação dos seres, sendo evidente que ela é uma ferramenta potencial de integração de questões evolutivas. Podemos citar como exemplos de sua utilização a construção da árvore da vida [17], representada na Figura 1.1, o estudo ecológico de comunidades [18], o entendimento do funcionamento de ecossistemas [19], o estudo da estrutura e funções das aquaporinas visando ao desenvolvimento de fármacos [20] e a avaliação da resistência a fármacos desenvolvida por Tripanossomatídeos [21]. 4

20 Figura 1.1 Árvore da vida, baseada em genes ortólogos mostrando as relações filogenéticas entre diversos grupos de organismo. Fonte: (Ciccareli et al.,2006) Reconstrução filogenética Inicialmente, todas as árvores filogenéticas ou cladogramas eram confeccionadas manualmente. Segundo Scheineider [14], os cientistas utilizavam caracteres morfológicos (medidas corporais, medidas parciais e presença de estruturas) como base de todo o trabalho de prospecção de dados conceituada como análise filogenética clássica. Atualmente, com o surgimento da análise filogenética moderna, os cientistas passaram a utilizar dados moleculares e métodos estatísticos para construção de árvores filogenéticas [15]. No entanto, a melhor forma de elucidar problemas biológicos se constitui na combinação de dados moleculares e morfológicos [22]. Segundo Nahum e Pereira [23], os principais componentes da análise filogenética molecular incluem: a seleção de genes ou produtos de genes de interesse, a identificação de potenciais homólogos, a busca através de métodos baseados em similaridade de sequência, a criação de alinhamentos múltiplos das 5

21 sequências, a reconstrução de árvores filogenéticas utilizando diferentes métodos de inferência e o mapeamento de informações disponíveis sobre as árvores. Coletivamente, esses componentes servem como um quadro para testar uma hipótese evolutiva, para suportar uma variedade de análises, como, por exemplo, uma pesquisa na busca por um gene conservado [24], reconstrução da história evolutiva de sequências (nucleotídicas e protéicas) através de suas relações de ancestralidade, dentre outras [25]. Com o advento da filogenia moderna, houve a iniciativa de algumas entidades nacionais e internacionais de unirem esforços para o desenvolvimento de bases de dados para armazenamento de dados genômicos visando à realização de pesquisas, sendo o GenBank um dos principais bancos utilizados [26]. Atualmente, várias pesquisas in silico utilizam em suas análises bases de dados e sistemas para reconstrução e análise filogenética que, em função de suas características, contribuem para reduzir o tempo e custo na obtenção de resultados. Além disso, contribuem na identificação de organismos [27], na construção de árvores filogenéticas e anotação funcional de proteínas [28] e genes [29]. Segundo Page e Holmes [30], os métodos de construção de árvores filogenéticas podem ser classificados em dois tipos, de acordo com os dados a serem tratados: métodos de distância e métodos discretos. O primeiro está limitado à construção de uma matriz de distância na qual a diferença entre sequências é calculada, utilizando-se um modelo de substituição de nucleotídeos [31] [14]. No método discreto todos os caracteres são analisados diretamente, considerando o alinhamento de sequência [30] [14]. Dentre os métodos de distância, o UPGMA (Unweighted Pair Group Method with Arithmetic Mean) foi desenvolvido para a construção de árvores que refletem o grau de similaridade entre os táxons estudados [32], [33] e [34], podendo também ser utilizado para construção de árvores, desde que não ocorra uma grande variabilidade na taxa de substituição entre as linhagens estudadas, garantindo assim uma relação aproximada entre a linha da distância evolutiva e o tempo de divergência [35]. O método de distância de agrupamento de vizinhos é utilizado quando se tem variação entre as taxas de substituição entre as linhagens. Desenvolvido por Saitou e Nei [36], este método é amplamente utilizado e tem como principal característica ser o mais eficiente algoritmo de distância, cujo objetivo é a obtenção da árvore com menor soma de ramos [37] [31]. Segundo Nei e Kumar [35], o método de 6

VisTrails. Fernando Seabra Chirigati Aluno de Engenharia de Computação e Informação COPPE/UFRJ Email: fernando_seabra@cos.ufrj.br

VisTrails. Fernando Seabra Chirigati Aluno de Engenharia de Computação e Informação COPPE/UFRJ Email: fernando_seabra@cos.ufrj.br VisTrails Fernando Seabra Chirigati Aluno de Engenharia de Computação e Informação COPPE/UFRJ Email: fernando_seabra@cos.ufrj.br Características SGWf - Sistema de Gerenciamento de Workflows; Desenvolvido

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

17/10/2012. Bases Instrumentais de bioinformática aplicada à Epidemiologia Molecular das doenças transmissíveis. Fábio Gregori. O que é?

17/10/2012. Bases Instrumentais de bioinformática aplicada à Epidemiologia Molecular das doenças transmissíveis. Fábio Gregori. O que é? Bases Instrumentais de bioinformática aplicada à Epidemiologia Molecular das doenças transmissíveis Fábio Gregori O que é? Vantagens e desvantagens Ser mais completo,... Versões (Windows [32 bit], DOS,

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins. Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários

Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins. Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários Rafael Jessen Werneck de Almeida Martins Recomendação de pessoas em redes sociais com base em conexões entre usuários Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para a obtenção

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web

Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Resumo. Desenvolvimento de um software de gerenciamento de projetos para utilização na Web Autor: Danilo Humberto Dias Santos Orientador: Walteno Martins Parreira Júnior Bacharelado em Engenharia da Computação

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE. Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Introdução Modelos de Processo de Desenvolvimento de Software Os modelos de processos de desenvolvimento de software surgiram pela necessidade de dar resposta às

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

Analise filogenética baseada em alinhamento de domínios

Analise filogenética baseada em alinhamento de domínios Analise filogenética baseada em alinhamento de domínios Moléculas biológicas e evolução Como já foi comentado anteriormente sabemos que o DNA de qualquer espécie de ser vivo sofre mutações ao longo do

Leia mais

Linhas de Experimentos: Reutilização e Gerência de Configuração em Workflows científicos

Linhas de Experimentos: Reutilização e Gerência de Configuração em Workflows científicos Linhas de Experimentos: Reutilização e Gerência de Configuração em Workflows científicos Eduardo Ogasawara Leonardo Murta Cláudia Werner Marta Mattoso 1 Sumário Introdução Análise de SGWfC pela perspectiva

Leia mais

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC XXXVIII Reunião Anual da SBNeC Introdução ao Armazenamento de Dados de Experimentos em Neurociência Parte 3: Uso de questionários digitais (continuação) + Ferramentas para Gerenciamento de Arquivos Amanda

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR ORGANIZAÇÃO CURRICULAR O curso Técnico em Informática, em Nível Médio Subseqüente, será organizado de forma semestral, com aulas presenciais, compostos por disciplinas, com conteúdos estabelecidos, tendo

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE ENGENHARIA DE SOFTWARE/ SISTEMAS DE SOFTWARE CMP1280/CMP1250 Prof. Me. Fábio Assunção Introdução à Engenharia de Software SOFTWARE Programa de computador acompanhado dos dados de documentação e configuração

Leia mais

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros

Estilos Arquiteturais. Estilos Arquiteturais. Exemplos de Estilos Arquiteturais. Estilo: Pipe e Filtros Em geral sistemas seguem um estilo, ou padrão, de organização estrutural Os estilos diferem: nos tipos de componentes que usa na maneira como os componentes interagem com os outros (regras de interação)

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL

A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL A INTERNET COMO FERRAMENTA AUXILIAR NO ENSINO DE MECÂNICA COMPUTACIONAL Manoel Theodoro Fagundes Cunha Sergio Scheer Universidade Federal do Paraná, Setor de Tecnologia, Centro de Estudos de Engenharia

Leia mais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 17 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Gerenciamento de Memória: Introdução O gerenciamento de memória é provavelmente a tarefa mais complexa de um sistema operacional multiprogramado.

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

ARQUITETURA DE SOFTWARE

ARQUITETURA DE SOFTWARE ARQUITETURA DE SOFTWARE Em seu livro, que constitui um referencial sobre o assunto, Shaw e Garlan discutem arquitetura de software da seguinte maneira: Desde quando o primeiro programa foi dividido em

Leia mais

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS)

Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Roteiro para a escrita do documento de Especificação de Requisitos de Software (ERS) Definição Geral: Disciplina de Compiladores Prof. Jorge Bidarra (UNIOESTE) A especificação de requisitos tem como objetivo

Leia mais

Sistema de Informação Integrado

Sistema de Informação Integrado Sistema de Informação Integrado Relatório de Atividades Centro de Referência em Informação Ambiental, CRIA Novembro, 2005 Trabalho Realizado As atividades básicas previstas para o primeiro trimestre do

Leia mais

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO

MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO MANUAL DE IMPLANTAÇÃO SISTEMA DE INVENTÁRIO CACIC Configurador Automático e Coletor de Informações Computacionais GOVERNO FEDERAL SOFTWARE PÚBLICO software livre desenvolvido pela Dataprev Sistema de Administração

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 6 Slide 1 Objetivos Apresentar os conceitos de requisitos de usuário e de sistema Descrever requisitos funcionais

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Luciana da Silva Almendra Gomes. Proveniência para Workflows de Bioinformática

Luciana da Silva Almendra Gomes. Proveniência para Workflows de Bioinformática Luciana da Silva Almendra Gomes Proveniência para Workflows de Bioinformática Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo Programa de Pós-

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos

Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Sistema de mineração de dados para descobertas de regras e padrões em dados médicos Pollyanna Carolina BARBOSA¹; Thiago MAGELA² 1Aluna do Curso Superior Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

Gestão de Armazenamento

Gestão de Armazenamento Gestão de Armazenamento 1. Introdução As organizações estão se deparando com o desafio de gerenciar com eficiência uma quantidade extraordinária de dados comerciais gerados por aplicativos e transações

Leia mais

Data Warehouse Processos e Arquitetura

Data Warehouse Processos e Arquitetura Data Warehouse - definições: Coleção de dados orientada a assunto, integrada, não volátil e variável em relação ao tempo, que tem por objetivo dar apoio aos processos de tomada de decisão (Inmon, 1997)

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP.

AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. AGILE ROLAP - UMA METODOLOGIA ÁGIL PARA IMPLEMENTAÇÃO DE AMBIENTES DE NEGÓCIOS BASEADO EM SERVIDORES OLAP. Luan de Souza Melo (Fundação Araucária), André Luís Andrade Menolli (Orientador), Ricardo G. Coelho

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho.

DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. - DSI DSI é o processo cujo objetivo é introduzir mudanças num sistema de informação, com objetivo de melhorar o seu desempenho. Preocupação: Problema técnicos Mudança na natureza e conteúdo do trabalho

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE MATEMÁTICA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO MATA62 - Engenharia de Software I Comparação entre Ferramentas de Gerência de Projeto Salvador 2009.1 MATA62

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10)

Questionário. A ferramenta auxilia na alocação de Não (0) x x x. Satisfatório (5) complexidade de um caso de uso? de uso (72) Sim (10) Questionário Nível Avaliado Gerador de plano de teste Gerador de dados Função/característica do produto Gestão dos dados do plano de teste (51) Perguntas Pontuação Selenium BadBoy Canoo A ferramenta auilia

Leia mais

! Introdução. " Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do Processo Unificado

! Introdução.  Motivação para Processos de Software. ! Processo Unificado (USDP)  Definições  RUP x USDP  Características do Processo Unificado Agenda! Introdução " Motivação para Processos de Software! (USDP) " Definições " RUP x USDP " Características do! Descrição detalhada do! Processos Derivados! Templates simplificados! Conclusões 2 Processo

Leia mais

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres

Tópicos de Ambiente Web. Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Tópicos de Ambiente Web Modulo 2 Processo de desenvolvimento de um site Professora: Sheila Cáceres Roteiro Motivação Desenvolvimento de um site Etapas no desenvolvimento de software (software:site) Analise

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1

Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores. Trabalho Interdisciplinar Semestral. 3º semestre - 2012.1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Trabalho Interdisciplinar Semestral 3º semestre - 2012.1 Trabalho Semestral 3º Semestre Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Apresentação

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com REVISÃO ENGENHARIA DO SOFTWARE Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Software Sequencia de Instruções a serem seguidas ou executadas Dados e rotinas desenvolvidos por computadores Programas

Leia mais

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica

Palavras chave: Extensão universitária, Aquisição de dados, Observação; Tempo, Serie histórica MONITORAMENTO DO TEMPO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA GERENCIAMENTO E USO DE DADOS METEOROLÓGICOS DA ESTAÇÃO AGROMETEOROLÓGICA DO CAV/UDESC LAGES, SC Célio Orli Cardoso, Centro de Ciências

Leia mais

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G

Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio. Software de Gestão Rural ADM Rural 4G Planejar Soluções em TI e Serviços para Agronegócio Software de Gestão Rural ADM Rural 4G 2011 ADM Rural 4G Agenda de Apresentação E Empresa Planejar O Software ADM Rural 4G Diferenciais Benefícios em

Leia mais

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial

1. DOTPROJECT. 1.2. Tela Inicial 1 1. DOTPROJECT O dotproject é um software livre de gerenciamento de projetos, que com um conjunto simples de funcionalidades e características, o tornam um software indicado para implementação da Gestão

Leia mais

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância

5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância 5 Framework para coordenação e mediação de Web Services para ambientes de aprendizado à distância O capítulo anterior apresentou uma discussão sobre a inclusão dos chamados learning services no processo

Leia mais

Módulo 07 Gestão de Conhecimento

Módulo 07 Gestão de Conhecimento Módulo 07 Gestão de Conhecimento Por ser uma disciplina considerada nova dentro do campo da administração, a gestão de conhecimento ainda hoje tem várias definições e percepções, como mostro a seguir:

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado

Bioinformática. Trabalho prático enunciado complementar. Notas complementares ao 1º enunciado Bioinformática Trabalho prático enunciado complementar Neste texto, enunciam- se algumas considerações adicionais ao 1º enunciado e uma lista de possíveis tarefas que complementam o enunciado original

Leia mais

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões

Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Hugo Roenick Um Modelo de Componentes de Software com Suporte a Múltiplas Versões Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós graduação em Informática do Departamento de Informática

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1

UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 UM PROTÓTIPO DO SISTEMA PARA CONTROLE DE BIBLIOTECAS POR MEIO DE PÁGINAS WEB DINÂMICAS 1 Daniel de Faveri HONORATO 2, Renato Bobsin MACHADO 3, Huei Diana LEE 4, Feng Chung WU 5 Escrito para apresentação

Leia mais

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT

ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT LONDRINA - PR 2015 ROBSON FUMIO FUJII GOVERNANÇA DE TIC: UM ESTUDO SOBRE OS FRAMEWORKS ITIL E COBIT Trabalho de Conclusão

Leia mais

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML.

Palavras-Chaves: Arquitetura, Modelagem Orientada a Objetos, UML. MODELAGEM ORIENTADA A OBJETOS APLICADA À ANÁLISE E AO PROJETO DE SISTEMA DE VENDAS ALTEMIR FERNANDES DE ARAÚJO Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas ANDRE LUIZ DA CUNHA DIAS Discente da

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Curso de Linux Básico

Curso de Linux Básico Curso de Linux Básico Oficina TecnoJovem Outubro/2013 Instalação de Programas Introdução Pacotes Gerenciamento de Pacotes Exemplos Material baseado na Documentação Ubuntu, disponível na Internet (WIKI)

Leia mais

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA

TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA TÍTULO: DESENVOLVIMENTO DE UM MÓDULO CLIENTE PARA O PROCESSAMENTO DISTRIBUÍDO PARA BIOINFORMÁTICA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: FACULDADE

Leia mais

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena

Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços. Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Um Processo para Desenvolvimento de Aplicações Web Baseado em Serviços Autores: Fábio Zaupa, Itana Gimenes, Don Cowan, Paulo Alencar e Carlos Lucena Tópicos Motivação e Objetivos LP e SOA Processo ADESE

Leia mais

USCS. Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Mestrado em Comunicação

USCS. Universidade Municipal de São Caetano do Sul. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Mestrado em Comunicação USCS Universidade Municipal de São Caetano do Sul Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Mestrado em Comunicação Sub-Projeto de Pesquisa Evolução na Comunicação: estudos em sites da Internet

Leia mais

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB)

PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) RELATÓRIO DE ENTREGA DO PRODUTO 1 (CONSTRUÇÃO DE PORTAL WEB) PARA A ELABORAÇÃO DOS PLANOS MUNICIPAIS DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS PMGIRS PARA OS MUNICÍPIOS DE NOVO HORIZONTE, JUPIÁ, GALVÃO,

Leia mais

Modelagem e Simulação

Modelagem e Simulação AULA 11 EPR-201 Modelagem e Simulação Modelagem Processo de construção de um modelo; Capacitar o pesquisador para prever o efeito de mudanças no sistema; Deve ser próximo da realidade; Não deve ser complexo.

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian

EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM Visão Geral Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian EKM 2.0 Desafios na Simulação de Engenharia PAGE 2? Cenário 1: Colaboração Cenário 2: Reutilização Vários analistas trabalhando no mesmo Projeto

Leia mais

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos.

definido por um documento de padronização. A Fig. 1 representa a organização dos Grupos de Processos juntamente com os documentos exigidos. A GESTÃO DE PROJETOS EXISTENTE NA NORMA DO-178B Matheus da Silva Souza, matheusdasilvasouza@gmail.com Prof. Dr. Luiz Alberto Vieira Dias, vdias@ita.br Instituto Tecnológico de Aeronáutica Praça Marechal

Leia mais

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como:

Referências internas são os artefatos usados para ajudar na elaboração do PT tais como: Plano de Teste (resumo do documento) I Introdução Identificador do Plano de Teste Esse campo deve especificar um identificador único para reconhecimento do Plano de Teste. Pode ser inclusive um código

Leia mais

Requisitos de Software

Requisitos de Software Requisitos de Software Centro de Informática - Universidade Federal de Pernambuco Kiev Gama kiev@cin.ufpe.br Slides originais elaborados por Ian Sommerville e adaptado pelos professores Márcio Cornélio,

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769

Revista Eletrônica da FANESE ISSN 2317-3769 FRAMEWORK PARA TREINAMENTOS NA WEB BASEADO EM VÍDEO SOBRE DEMANDA Ícaro Carlos Andrade Costa 1 Igor Antônio Andrade Costa 2 Ricardo Ariel Correa Rabelo 3 Renata Azevedo Santos Carvalho 4 RESUMO A educação

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS

SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS 769 SISTEMA VIRTUAL PARA GERENCIAMENTO DE OBJETOS DIDÁTICOS Mateus Neves de Matos 1 ; João Carlos Nunes Bittencourt 2 ; DelmarBroglio Carvalho 3 1. Bolsista PIBIC FAPESB-UEFS, Graduando em Engenharia de

Leia mais

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart.

Glossário Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Apresenta a definição dos termos, siglas e abreviações utilizadas no contexto do projeto Citsmart. Versão 1.6 15/08/2013 Visão Resumida Data Criação 15/08/2013 Versão Documento 1.6 Projeto Responsáveis

Leia mais

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado

Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes. Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí. Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Sistema Tutor Inteligente baseado em Agentes na Plataforma MOODLE para Apoio às Atividades Pedagógicas da Universidade Aberta do Piauí Prof. Dr. Vinicius Ponte Machado Parnaíba, 14 de Novembro de 2012

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais