Projeto de uma ferramenta para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Arquivísticos baseada em Software Livre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projeto de uma ferramenta para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Arquivísticos baseada em Software Livre"

Transcrição

1 Projeto de uma ferramenta para Gerenciamento Eletrônico de Documentos Arquivísticos baseada em Software Livre Giana Lucca (UFSM) Andrea Schwertner Charão (UFSM) Benhur de Oliveira Stein (UFSM) Resumo Em processos que envolvem estratégias da Tecnologia da Informação, a preocupação com a gestão de documentos é crescente, visto que estes constituem o principal repositório de informação das estruturas organizacionais. Neste contexto, este artigo apresenta o projeto de uma ferramenta de Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED) que alia conceitos da Arquivologia a tecnologias de Software Livre para Gestão de Conteúdo na Web, a fim de construir uma solução ao mesmo tempo eficiente e flexível para a gestão de documentos. Para projetar-se tal ferramenta, realizou-se um levantamento de requisitos permeando as diferentes disciplinas envolvidas e selecionou-se uma solução de Software Livre para servir de base à ferramenta de GED. Ao longo do artigo, discute-se os resultados destas diferentes etapas de projeto do software, culminando com a descrição do seu estado atual de desenvolvimento. Palavras-chave: Gerenciamento Eletrônico de Documentos; Software Livre; Gestão de Conteúdo; Funções Arquivísticas 1. Introdução A gestão de documentos tem se tornado um elemento cada vez mais importante no âmbito do planejamento estratégico da Tecnologia da Informação. Uma vez que a maior parte das informações vitais de uma organização estão contidas em documentos não-estruturados (SADIQ & ORLOWSKA, 1997), o gerenciamento eficiente destes torna-se um diferencial estratégico para o processo de gestão da informação e do conhecimento. Apesar da preocupação com a gestão de documentos estar crescendo, grande parte das soluções de Gerenciamento Eletrônico de Documentos (GED) existentes possuem um alto custo de implantação e são sujeitas a licenças de software proprietárias, que restringem as liberdades de uso e adaptação das ferramentas (MACEDO, 2003). Além da questão econômica, outro fator restritivo para a adoção das ferramentas existentes é que nem todas as soluções disponíveis no mercado estão em consonância com os princípios arquivísticos de gestão de documentos (SANTOS; CHARÃO; FLORES, 2003). Estes princípios são parte do trabalho da Arquivologia, uma ciência de grande importância nos processos de gestão da informação, pois se preocupa com todo o ciclo de vida dos documentos que têm valor probatório ou histórico para as organizações. É papel da Arquivologia, através de seus instrumentos, garantir agilidade na recuperação de documentos e das informações neles registradas, assim como associar tempos de guarda e destinações aos diferentes tipos documentais. Nos últimos anos, os sistemas de Gestão de Conteúdo, utilizados em Intranets empresariais como ferramenta de manutenção de portais Web, vêm sendo utilizados como solução de GED devido à incorporação de funcionalidades como controle de workflow, controle de versões e 1

2 controle de acesso. Porém, estas ferramentas não foram usualmente projetadas considerando especificidades referentes à gestão de documentos. Neste contexto, o objetivo geral deste trabalho é desenvolver uma ferramenta de GED a partir da adaptação de um Software Livre existente para Gestão de Conteúdo (alternativa econômica e tecnológica às soluções proprietárias), de forma a incorporar instrumentos arquivísticos de gestão de documentos. Este artigo apresenta as etapas iniciais do desenvolvimento desta ferramenta e está organizado da seguinte maneira: a seção 2 apresenta uma breve revisão de alguns conceitos importantes que norteiam o projeto da ferramenta. A seguir, a seção 3 descreve a metodologia utilizada. A seção 4, por sua vez, apresenta o modelo de dados concebido com base nos fundamentos arquivísticos e na legislação arquivística brasileira, além da ferramenta de Gestão de Conteúdo escolhida para ser utilizada como base de desenvolvimento. Por fim, a seção 5 conclui o artigo, apresentando também as próximas etapas de desenvolvimento da ferramenta. 2. Conceitos fundamentais Esta seção aborda a gestão de documentos e as funções, instrumentos e métodos arquivísticos que lhe são associados, bem como as definições de Software Livre e as tecnologias de Gestão de Conteúdo, constituindo a base conceitual para o presente projeto Gestão de documentos e funções arquivísticas A gestão de documentos surgiu a partir da necessidade das organizações em gerenciar a informação que se encontrava desorganizada, visando facilitar o acesso ao conhecimento explícito da corporação. Pode ser considerada como um conjunto de tecnologias utilizadas para assegurar a produção, administração, manutenção e destinação dos documentos (SANTOS, 2002), que possibilitam fornecer e recuperar as informações contidas nos documentos de uma maneira eficiente e conveniente. Neste contexto, o Gerenciamento Eletrônico de Documentos requer que se possua, em forma eletrônica, informações sobre os documentos registrados em qualquer forma ou suporte. Para Andrade (2002), trata-se ao mesmo tempo um método, um sistema e uma tecnologia para a conversão e processamento de documentos sob forma de informação eletrônica digital. Segundo Santos (2002), uma correta gestão de documentos está diretamente associada ao uso de instrumentos arquivísticos que facilitam a localização, o acesso a informações, o relacionamento com outros documentos e evitam o acúmulo de documentos desnecessários e/ou o descarte de documentos de valor. Esta preocupação deu origem aos sistemas de GED/A, que adicionam algumas particularidades aos sistemas de GED tradicionais, com o objetivo de auxiliar o tratamento de documentos de caráter arquivístico (THOMAZ & SANTOS, 2003). Documentos Arquivísticos são aqueles que, independente de sua forma ou suporte, contêm informação produzida ou recebida no decorrer das atividades exercidas por uma organização ou pessoa e que, segundo o Conselho Nacional de Arquivos CONARQ (2004), possuem elementos constitutivos suficientes para servir de prova dessas atividades. Segundo a abordagem conhecida como Arquivística Integrada, defendida por autores como Lopes (1997) e Rousseau e Couture (1998), a gestão de documentos arquivísticos deve contemplar todo o ciclo de vida dos documentos, desde sua criação até sua destinação final. No Brasil, a Lei 8.159, de 8 de janeiro de 1991 Artigo 8 (BRASIL, 1991), divide este ciclo de vida em três fases, relacionadas com a freqüência de uso e a importância do documento para a organização: Corrente, Intermediária e Permanente. Esta mesma divisão em fases é 2

3 chamada de Teoria das Três Idades por Rousseau e Couture (1998). Na fase corrente estão os documentos mais consultados e necessários para o funcionamento da organização, enquanto na fase intermediária estão os documentos pouco consultados, guardados por razões legais ou administrativas. Já na fase permanente estão aqueles documentos que têm valor probatório ou informativo, que por isso devem ser guardados permanentemente. De acordo com Rousseau e Couture (1998), existem sete funções arquivísticas a considerar: produção, avaliação, aquisição, conservação, classificação, descrição e difusão dos arquivos. Neste trabalho, dedica-se especial atenção às funções de classificação, avaliação, descrição e difusão. A Classificação consiste em organizar os documentos produzidos e recebidos pela organização no exercício de suas atividades, de forma a constituir um referencial para a sua recuperação. Pode ser realizada segundo um método estrutural (conforme a estrutura administrativa da entidade produtora), funcional (conforme as funções desempenhadas pela entidade produtora) ou por assunto (conforme o conteúdo dos documentos e suas relações com as atividades desempenhadas pela entidade produtora). Os instrumentos utilizados no processo de classificação são: o Plano de Classificação, utilizado para arquivos correntes e intermediários e o Quadro de Arranjo Documental, utilizado para arquivos permanentes. Ambos são muito semelhantes, sendo diferenciados apenas pela forma como os níveis e subníveis são denominados. Ambos os instrumentossão representados hierarquicamente, através da divisão dos conjuntos de elementos em níveis e sub-níveis (classes, subclasses, grupos, sub-grupos, séries, sub-séries, dossiês, etc.), distinguindo-se os diferentes tipos documentais. A Avaliação é a atividade de definir os prazos de guarda e destinação dos documentos nos arquivos corrente, intermediário e permanente, com vistas a garantir o acesso à informação a todos que dela necessitem. O instrumento que apóia a avaliação é a Tabela de Temporalidade, cuja estrutura básica deve necessariamente contemplar a classificação do documento, os prazos de guarda nas fases corrente e intermediária, a destinação final eliminação ou guarda permanente e um campo para observações necessárias a sua compreensão e aplicação. De acordo com Lopes (2000), a Descrição é proveniente dos processos de classificação e de avaliação. Deve ainda ser aliada à definição de um conjunto de metadados que representem as informações que identificam o acervo arquivístico e explicam o seu contexto. Metadados, segundo Takahashi (2000, p.59), são dados que descrevem outros dados. Por exemplo: em um formulário para catalogação de um documento, pode existir um campo para informar a data de criação deste documento, constituindo um metadado. Assim, metadados representam uma forma eficiente para solucionar problemas de localização, recuperação e acesso, visto que permitem documentar e organizar os dados de forma estruturada. Por fim, a Difusão tem por objetivo tornar os documentos acessíveis e promover sua consulta. Pode-se dizer que um instrumento que auxilia o processo de difusão é o Mapa de Localização, o qual agiliza a recuperação dos documentos por possuir, detalhadamente, a localização física dos documentos, já classificados e arquivados. Este mapa deve ser organizado de forma hierárquica, em conformidade com as especificidades de cada organização, numerando-se, por exemplo, salas, estantes, gavetas, caixas, entre outros Software Livre De maneira geral, o conceito de Software Livre se refere a programas de computador que podem ser livremente executados, copiados, distribuídos, estudados, modificados e aperfeiçoados pelos seus usuários. Para garantir estas liberdades, todo Software Livre tem seu 3

4 código fonte aberto e disponível. Conforme a Free Software Foundation FSF (2006), Software Livre é uma questão de liberdade de expressão e não apenas uma relação econômica. Isto explica o fato de existir Software Livre que é comercializado, e software proprietário que é distribuído gratuitamente. O que está em jogo é, principalmente, a flexibilidade e a independência tecnológica. Estas características podem constituir um diferencial estratégico para qualquer organização, o que justifica a escolha de uma ferramenta de Software Livre como base para o desenvolvimento deste trabalho Gestão de conteúdo Conteúdo, no contexto de uma organização, é toda e qualquer informação que seja relevante para a instituição e para os seus integrantes, enquanto Gestão de Conteúdo (GC) é o nome dado às tecnologias, ferramentas e métodos usados para captar (criar), gerenciar (revisar/editar/aprovar), armazenar, preservar (arquivar) e distribuir (publicar) conteúdo pela empresa (LAPA, 2004). O objetivo da Gestão de Conteúdo, segundo Mari (2004), é compartilhar documentos de maneira rápida e fácil utilizando um navegador Web dentro da Intranet da empresa ou mesmo na Internet. É o que dá suporte para as pessoas interessadas encontrarem as informações e transformá-las em conhecimento. Então, pode-se dizer que é semelhante a um sistema de GED, mas com a sofisticação e acessibilidade da Web. Segundo Bax (2003), a GC engloba o ciclo de vida completo de edição, armazenagem, disseminação e controle de versões de conteúdos e possui algumas funcionalidades essenciais, que caracterizam o conceito e que se desenvolvem à medida que novos produtos de mercado chegam à maturidade: Gestão de usuários e dos seus direitos (autenticação, autorização, auditoria); Criação, edição e armazenamento de conteúdo em formatos diversos (html, doc, pdf etc); Uso intensivo de metadados (ou propriedades que descrevem o conteúdo); Controle da qualidade de informação (com fluxo/trâmite de documentos ou controle de workflow); Classificação, indexação e busca de conteúdo (recuperação da informação com mecanismos de busca); Gestão da interface com os usuários (atenção à usabilidade, arquitetura da informação); Gestão de configuração (gestão de versões). Todas estas características também são desejavéis em um sistema de GED, o que motivou a utilização e adaptação de um Gerenciador de Conteúdo baseado em Software Livre para construir uma ferramenta que auxilie na gestão de documentos, levando em consideração os princípios arquivísticos. 3. Metodologia A primeira etapa de qualquer projeto de software está no levantamento de requisitos e na definição de um modelo de dados conceitual. Após estas primeiras etapas, deve-se selecionar as tecnologias e ferramentas que serão utilizadas para o desenvolvimento. Sendo assim, este trabalho iniciou pesquisando-se na literatura arquivística e nas bases legais os requisitos desejáveis em sistemas deste tipo. A partir do conhecimento adquirido e das informações coletadas, a segunda fase consistiu em estruturar uma proposta de modelo de dados que poderia ser utilizada para adaptar um Gerenciador de Conteúdo existente. Por fim, selecionouse um Gerenciador de Conteúdo baseado em Software Livre que pudesse ser adaptado a fim de incorporar o modelo de dados proposto, e então iniciou-se o desenvolvimento 4

5 propriamente dito. 4. Etapas e resultados do projeto da ferramenta Esta seção detalha as principais etapas de projeto da ferramenta de GED e apresenta os resultados obtidos em cada etapa. Ao final, descreve-se o estado atual de desenvolvimento da ferramenta Levantamento de requisitos e definição de um modelo de dados O levantamento de requisitos é uma etapa do processo de desenvolvimento de software onde são identificadas as necessidades dos usuários do sistema a ser desenvolvido, suas expectativas, as atividades que estes esperam que sejam automatizadas ou facilitadas e as informações que desejam receber do sistema. As fontes consultadas para o levantamento de requisitos para este sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos Arquivísticos foram principalmente: O Artigo 3º da Resolução Nº 20 do CONARQ (BRASIL, 2004), que define requisitos funcionais e não funcionais, bem como os metadados necessários para um Sistema de Gestão Eletrônica de Documentos; A especificação MoReq Model Requirements for the Management of Electronic Records (EUROPEAN ARCHIVES, 2001) uma especificação de requisitos e metadados para sistemas de gerenciamento de documentos de arquivo, atualmente utilizado como referência por vários países; A norma ISAD(G) Norma Geral Internacional de Descrição Arquivística (CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS, 1998) que define metadados descritivos que devem estar presentes em um sistema de classificação de arquivos; A norma ISO /2003 Dublin Core Metadata Element Set (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION, 2003) um padrão de catalogação composto por um conjunto de quinze descritores/metadados. A fim de delimitar a abrangência do sistema, decidiu-se que, nesta primeira fase do desenvolvimento, a ferramenta contemplará os instrumentos arquivísticos mais importantes citados anteriormente: o Plano de Classificação, a Tabela de Temporalidade e o Mapa de Localização. Seguindo a corrente da Arquivística Integrada, a ferramenta permitirá que qualquer documento, independente da fase que se encontre, possa ser classificado e gerenciado pelo sistema. Com base no levantamento realizado e na definição da abrangência da ferramenta, elaborouse um diagrama de classes inicial a ser utilizado pelo sistema, representado em linguagem UML (Unified Modeling Language). Esta linguagem consiste basicamente em diferentes elementos visuais, através dos quais pode-se construir diagramas gráficos que representam diversas perspectivas de um sistema (BEZERRA, 2002). A UML serve tanto para especificar, visualizar e documentar como para construir componentes de um sistema. O diagrama elaborado, apresentado na Figura 1, indica as classes de objetos relevantes no escopo do sistema, bem como suas inter-relações Seleção da ferramenta A ferramenta escolhida para servir de base ao desenvolvimento foi Plone (PLONE FOUNDATION, 2006), um dos mais populares e poderosos Gerenciadores de Conteúdo disponíveis atualmente sob uma licença de Software Livre. Segundo Bax (2003), trata-se de uma solução poderosa e flexível por ser totalmente personalizável e modular. Plone é uma 5

6 ferramenta multi-plataforma (disponível para diferentes operacionais) e pode ser usada na Intranet ou Internet, em sistemas para publicação de documentos ou como ferramenta para trabalho colaborativo em organizações geograficamente distantes. Figura 1 Modelo de dados preliminar definido para a ferramenta Dentre os recursos disponibilizados por esta ferramenta, pode-se destacar: gerenciamento de usuários (papéis, grupos, permissões); possibilidade de estender os tipos de conteúdo publicáveis (por padrão permite a criação de documentos, notícias, eventos, fóruns, tópicos); busca por texto integral ou metadados específicos; possibilidade de alterar a apresentação/aparência das telas; workflow por tipo de documento; possibilidade de desfazer modificações realizadas. Plone funciona sobre o Servidor de Aplicações Zope (ZOPE CORPORATION, 2006). Este servidor é basicamente composto por um banco de dados transacional orientado a objetos (ZODB), um servidor Web (ZServer) e duas linguagens para definição de modelos de páginas Web (DTML e ZPT). Com isso, Zope permite que a manipulação (inclusão, alteração, visualização, etc.) dos diferentes tipos de objetos armazenadas no banco de dados seja feita através de páginas Web geradas dinamicamente pelo servidor Web, a partir de modelos especificados através das linguagens acima citadas. Plone utiliza o mecanismo descrito acima para prover suas funcionalidades, definindo um conjunto básico de objetos e modelos de páginas. Para permitir a criação de novos tipos de conteúdo, Plone dispõe de ferramentas auxiliares que permitem, a partir de um diagrama de classes, gerar um novo tipo de objeto (conteúdo) para classe do diagrama, além de gerar os modelos de formulários Web para inclusão e edição dos novos conteúdos. 6

7 4.3. Estado atual do desenvolvimento A plataforma Plone/Zope está sendo atualmente utilizada no desenvolvimento da ferramenta de GED projetada. No momento, os esforços estão concentrados na criação de novos tipos de objetos contidos no modelo de dados apresentado na seção 4.1. A Figura 2 exemplifica duas das páginas Web geradas via Plone para as classes Tipo Documental e Documento. Estas páginas permitem a inclusão de novos tipos documentais e documentos no banco de dados. Figura 2 Páginas geradas para inclusão de Tipos Documentais (esquerda) e para Documentos (direita) 5. Conclusão Neste artigo apresentou-se o projeto de uma ferramenta de GED baseada em princípios arquivísticos de gestão de documentos, concebida de forma a aproveitar os recursos de uma ferramenta de Gestão de Conteúdo Web disponível como Software Livre. Acredita-se que a exploração conjunta destas características possa constituir um diferencial estratégico para diferentes estruturas organizacionais, aliando eficiência, flexibilidade e independência tecnológica. O desenvolvimento da ferramenta projetada já iniciou, como visto na seção 4.3. Restam, no entanto, várias etapas a cumprir, incluindo o aprimoramento dos formulários, o desenvolvimento de relatórios gerenciais e os testes iniciais da ferramenta. A partir disto, pretende-se realizar, através de um estudo de caso, uma avaliação da ferramenta e do seu modelo de dados. Esta etapa será realizada em conjunto com um profissional arquivista, contemplando desde a classificação e avaliação dos documentos de uma organização até a avaliação da usabilidade da ferramenta desenvolvida. Referências ANDRADE, M. V. M. Gerenciamento eletrônico da informação: ferramenta para a gerência eficiente dos processos de trabalho. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 12, 2002, Recife. Anais... Recife: Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), BAX, M. P. Gestão de conteúdo com Software Livre. In: KMBRASIL, 2003, São Paulo. Anais... São Paulo: Sociedade Brasileira de Gestão do Conhecimento (SBGC),

8 BEZERRA, E. Princípios de análise e projeto de sistemas com UML. Rio de Janeiro: Campus, BRASIL, Lei 8.159, de 9 de janeiro de Dispõe sobre a política nacional de arquivos públicos e privados e dá outras providências. Diário Oficial da União, de 09 janeiro de Disponível em: <http://www.arquivonacional.gov.br/conarq/leis/leg_arq_cp.htm#>. Acesso em: maio de BRASIL. CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Resolução nº.20 de 16 de julho de Diário Oficial da União, de 19 de julho de Disponível em: <http://www.arquivonacional.gov.br/conarq/leis/res_con_cp.htm>. Acesso em: maio CONSELHO INTERNACIONAL DE ARQUIVOS. Comissão ad hoc para as normas de descrição. ISAD (G): normas internacionais de descrição em arquivo. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, CONSELHO NACIONAL DE ARQUIVOS. Glossário de Documentos Arquivísticos Digitais. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, Disponível em: <http://www.arquivonacional.gov.br/conarq/cam_tec_doc_ele/download/glossario_ctde_2004.pdf>. Acesso em: maio COUTURE, C., ROUSSEAU, J.-Y. Os fundamentos da disciplina arquivística. Lisboa: Dom Quixote, EUROPEAN ARCHIVES. Model Requirements for the Management of Electronic Records (MoReq). INSAR - INformation Summary on ARchives, 6, Disponível em: <http://www.cornwell.co.uk/moreq.html>. Acesso em: maio FREE SOFTWARE FOUNDATION. The Free Software Definition. Disponível em <http://www.gnu.org/philosophy/free-sw.html>. Acesso em: maio INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION. ISO Dublin Core Metadata Element Set. Genebra, Disponível em: <dublincore.org/documents/dces/>. Acesso em: maio LAPA, E. Gestão de Conteúdo como apoio a Gestão do Conhecimento. Rio de Janeiro: Brasport, LOPES, L. C. A gestão da informação: as organizações os arquivos e a informática aplicada. Rio de Janeiro: Arquivo do Estado do Rio de Janeiro, A nova arquivística na modernização administrativa. Rio de Janeiro: [s. n.], p. MACEDO, G. M. F. Bases para a implantação de um Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos GED. Estudo de Caso. Dissertação de Mestrado. PPGEP. Universid ade Federal de Santa Catarina UFSC Disponível em: < > Acesso em: abril MARI, F. Obtendo produtividade e conhecimento através do investimento em tecnologia da informação. Portal KMOL. Abril, Disponível em: <http://www.kmol.online.pt/artigos/200504/mar05_1.html > Acesso em: maio PLONE FOUNDATION. Plone: A user-friendly and powerful open source Content Management System. Disponível em: <http://www.plone.org>. Acesso em: maio SADIQ, W.; ORLOWSKA, M. Applying a Generic Conceptual Workflow Modeling Technique to Document Workflow. In: AUSTRALIAN DOCUMENT COMPUTING SYMPOSIUM, 2., Proceedings... Melbourne:[s.n.], SANTOS, F. C. ; CHARAO, A. S. ; FLORES, D. Análise de Produtos para Gerenciamento Eletrônico de Documentos. In: CINFORM - ENCONTRO NACIONAL DE CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 4., 2003, Salvador. Anais... Salvador: Universidade Federal da Bahia (UFBA), Instituto de Ciência da Informação (ICI), p SANTOS, V. B. Gestão de documentos eletrônicos: uma visão arquivística. Brasília: ABARQ, TAKAHASHI, T. (Org.). Sociedade da informação no Brasil: o livro verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, THOMAZ, K. P., SANTOS, V. M. Metadados para o gerenciamento eletrônico de documentos de caráter arquivístico - GED/A: estudo comparativo de modelos e formulação de uma proposta preliminar. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v.4 n.4, Disponível em: <http://www.dgz.org.br/ago03/art_04.htm>. Acesso em: maio

9 ZOPE CORPORATION. The Zope Book. 2.6 ed. Disponível em: <http://www.zope.org/documentation/books/zopebook>. Acesso em: maio

METADADOS PARA UM SISTEMA DE GESTÃO ELETRÔNICA DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS

METADADOS PARA UM SISTEMA DE GESTÃO ELETRÔNICA DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS ARTIGO METADADOS PARA UM SISTEMA DE GESTÃO ELETRÔNICA DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS Por: Giana Lucca lucca@cpd.ufsm.br Acadêmica do Curso de Mestrado em Engenharia de Produção da Universidade Federal de

Leia mais

Gestão e preservação de documentos digitais

Gestão e preservação de documentos digitais Gestão e preservação de documentos digitais I Congresso Nacional de Arquivologia Brasília novembro 2004 Contexto Internacional Na década de 90, a comunidade arquivística internacional dá início aos primeiros

Leia mais

PLONARQ: GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS BASEADO EM SOFTWARE LIVRE

PLONARQ: GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS BASEADO EM SOFTWARE LIVRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PLONARQ: GERENCIAMENTO ELETRÔNICO DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSTICOS BASEADO EM SOFTWARE LIVRE DISSERTAÇÃO

Leia mais

O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software

O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software O uso do gestor de conteúdos plone no suporte a processos de software Fernando Silva Parreiras Objetivo Demonstrar a aplicação de ferramentas de gestão de conteúdo, especificamente o plone, no apoio a

Leia mais

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória

Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Gestão de Acervos Municipais: Físico, Digitalizado e Memória Erenilda Custódio dos Santos Amaral Salvador Objetivo; Motivação; Proposta; AGENDA O que se entende nesta proposta como Política de Gestão Documental;

Leia mais

Curso PMIP - Project Management Information Professional

Curso PMIP - Project Management Information Professional Curso PMIP - Project Management Information Professional ECM+GED+Gestão por Processos= O primeiro passo para integrar as informações com o conhecimento da sua empresa. Atualmente é cada vez mais claro

Leia mais

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida

Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace. Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Biblioteca Digital da UNIVATES utilizando a ferramenta DSpace Alexandre Stürmer Wolf, Ana Paula Lisboa Monteiro, Willian Valmorbida Roteiro Biblioteca Digital da UNIVATES Bibliotecas: Conceitos Metas da

Leia mais

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG.

Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Gestão de Documentos: Um estudo da difusão do uso de softwares livres no curso de graduação em Arquivologia da UFMG. Alex Soares André Ogando Karime Marcenes Márcia Bolina Wallace Carvalho RESUMO No contexto

Leia mais

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos

Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Corporativos Explorando o SharePoint como ferramenta de uma nova Gestão de Documentos Marcos Moysés da Cunha marcos.cunha@eletrobras.com (21) 2514-5695 Gestão de Documentos SharePoint GED... caminho... Gestão de Documentos

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos

Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Modelo de Requisitos para Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de documentos Margareth da Silva Arquivo Nacional XII Encontro Catarinense de Arquivos Jaraguá do Sul 23 de outubro de 2007 e-arq

Leia mais

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação

Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação Enterprise Content Management [ECM] Impulsionando o Poder da Informação O SoftExpert ECM Suite provê as tecnologias utilizadas para criar, capturar, gerenciar, armazenar, preservar e distribuir todos os

Leia mais

Sociedade do Conhecimento

Sociedade do Conhecimento Gerenciamento (Gestão) Eletrônico de Documentos GED Introdução Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Sociedade do Conhecimento Nunca se produziu tanto documento e se precisou de tanta velocidade

Leia mais

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo

Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade e Destinação de Documentos de Arquivo I CICLO DE PALESTRAS SOBRE A GESTÃO ARQUIVÍSTICAS DE DOCUMENTOS NO INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS Instrumentais Técnicos da Gestão de Documentos: o Código de Classificação e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012

PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 PORTARIA Nº 412, DE 5 DE SETEMBRO DE 2012 Estabelece diretrizes para a implementação da política de Gestão da Informação Corporativa no âmbito do Ministério da Previdência Social e de suas entidades vinculadas

Leia mais

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES

EMENTÁRIO DE COMPONENTES CURRICULARES Disciplinas obrigatórias: ICIA39 Administração de Unidades de Básica EMENTA: Conceitos de informação e gestão de organizações. Qualidade e competitividade (noções). Estudo de serviços de informação em

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos

Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Gestão Arquivística de Documentos Eletrônicos Claudia Lacombe Rocha Márcia Helena de Carvalho Ramos Margareth da Silva Rosely Cury Rondinelli Revisão por Alba Gisele

Leia mais

Apresentação Comercial Gestão Documental

Apresentação Comercial Gestão Documental Apresentação Comercial Gestão Documental Gestão Documental Como é possível administrar sua empresa de forma eficiente? Quais os passos para tornar seu empreendimento mais competitivo? Como é possível saber

Leia mais

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007

Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 Thalita Moraes PPGI Novembro 2007 A capacidade dos portais corporativos em capturar, organizar e compartilhar informação e conhecimento explícito é interessante especialmente para empresas intensivas

Leia mais

O ciclo de vida Simone de Abreu

O ciclo de vida Simone de Abreu O ciclo de vida Simone de Abreu A documentação eletrônica em números: estimativas apontam para um mercado de aproximadamente US$ 600 milhões em Hardware, Software e Serviços, ou seja, mais de 12 bilhões

Leia mais

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA

A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA A CLASSIFICAÇÃO E O VOCABULÁRIO CONTROLADO COMO INSTRUMENTOS EFETIVOS PARA A RECUPERAÇÃO DA INFORMAÇÃO ARQUIVÍSTICA por Renato Tarciso Barbosa de Sousa renasou@unb.br Rogério Henrique de Araújo Júnior

Leia mais

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos

Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Conselho Nacional de Arquivos Câmara Técnica de Documentos Eletrônicos Orientação Técnica n.º 1 Abril / 2011 Orientações para contratação de SIGAD e serviços correlatos Este documento tem por objetivo

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

Gestão de Processos de Negócio em Curso de Sistemas de Informação:

Gestão de Processos de Negócio em Curso de Sistemas de Informação: Gestão de Processos de Negócio em Curso de Sistemas de Informação: Relato de Experiência Utilizando Software Livre Jessica Lasch de Moura¹, Gabriel Machado Lunardi¹, Andrea Schwertner Charão¹, Patrícia

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação. Prof a.:lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Prof a.:lillian Alvares Fóruns óu s/ Listas de discussão Espaços para discutir, homogeneizar e compartilhar informações, idéias

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II. Primeiro Trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ENGENHARIA DE SOFTWARE II Primeiro Trabalho Descrição do trabalho: Escrever um Documento de Visão. Projeto: Automatização do sistema que

Leia mais

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS

UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS UM ESTUDO DE CASO SOBRE A INDEXAÇÃO AUTOMÁTICA DE DOCUMENTOS OFICIAIS DA UENP BASEADO EM LAYOUTS Alexia Guilherme Bianque (PIBIC/CNPq), Ederson Marco Sgarbi (Orientador), a.g.bianque10@gmail.com.br Universidade

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES

PROJETO: PRODUTO 3 RELATÓRIO PARCIAL DO DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE INFORMAÇÕES Nome da Empresa: DEPARTAMENTO INTERSINDICAL DE ESTATÍSTICA E ESTUDOS SÓCIO-ECONÔMICOS (DIEESE) PROJETO: PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA BRA/IICA/03/005 PARTICIPAÇÃO SOCIAL NÚMERO DO CONTRATO: 205037 TEMA:

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA

A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA A GESTÃO DE DOCUMENTOS COMO UM DOS FUNDAMENTOS PARA A INTELIGÊNCIA COMPETITIVA Renato Tarciso Barbosa de Sousa Universidade de Brasília renasou@unb.br A organização 1. Os fatos 2. O Discurso 3. As considerações

Leia mais

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EMENTAS DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 60 h 1º Evolução histórica dos computadores. Aspectos de hardware: conceitos básicos de CPU, memórias,

Leia mais

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes.

PROVA OBJETIVA. Quanto ao planejamento, organização e direção de serviços de arquivo, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO DA UFRRJ Art. 1 O presente Regimento Interno estabelece diretrizes

Leia mais

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15 Introdução ao Plone Sumário O que é Gestão de Conteúdo O que é Conteúdo Principais características de um CMS O que é o Plone Tipos de conteúdo no Plone Metadados Templates Interface do portal Gestão de

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.:Lillian Alvares Comunidades de Prática Grupos informais e interdisciplinares de pessoas unidas em torno de um interesse

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO

GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO Aula 1 Descrição Arquivística Revisando Conceitos de arquivologia: o documento, o arquivo, os princípios arquivísticos e a qualidade arquivística. Teoria das três idades.

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente

SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente SIMARPE Sistema de Arquivo Permanente Documentos formam a grande massa de conhecimentos de uma organização seja ela privada ou pública, esses documentos em sua maioria são parte do seu patrimônio. A Gestão

Leia mais

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos?

1. Qual a importância da gestão de documentos no desenvolvimento de sistemas informatizados de gerenciamento de arquivos? CONSIDERAÇÕES DO ARQUIVO NACIONAL, ÓRGÃO CENTRAL DO SISTEMA DE GESTÃO DE DOCUMENTOS DE ARQUIVO SIGA, DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL ACERCA DO SISTEMA ELETRÔNICO DE INFORMAÇÕES SEI O Arquivo Nacional,

Leia mais

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia.

A Empresa. Alguns Clientes que já utilizam nossa tecnologia. A Empresa A GDDoc é uma empresa especializada na gestão de documentos digitais e arquivos, auxilia as empresas a administrar através da tecnologia o uso de papel, para alcançar estes objetivos fazemos

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013

UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 UTILIZAÇÃO DO AMBIENTE COLABORATIVO TIDIA-AE PELO GRUPO DE GERENCIAMENTO DO VOCABULÁRIO CONTROLADO DO SIBiUSP - BIÊNIO 2011-2013 Adriana Nascimento Flamino 1, Juliana de Souza Moraes 2 1 Mestre em Ciência

Leia mais

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução

Gestão do Conteúdo. 1. Introdução Gestão do Conteúdo 1. Introdução Ser capaz de fornecer informações a qualquer momento, lugar ou através de qualquer método e ser capaz de fazê-lo de uma forma econômica e rápida está se tornando uma exigência

Leia mais

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP Produto I: ATU SAAP Documento de projeto do novo sistema. Modelo de Dados, Casos de Usos e Interface Gráfica do Sistema Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988

Leia mais

As etapas de automação

As etapas de automação As etapas de automação NEGREIROS, Leandro Ribeiro. Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação. Dissertação (mestrado em Ciência

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE GRADUAÇÃO EM BIBLIOTECONOMIA ALINE CRISTINA DE FREITAS ANA CLÁUDIA ZANDAVALLE CAMILA RIBEIRO VALERIM FERNANDO DA COSTA PEREIRA

Leia mais

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema

DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos. Características do Sistema DataDoc 4.0 Sistema de Gestão de Arquivos O software DataDoc 4.0 tem como finalidade automatizar a gestão de acervos documentais, englobando todas as fases da documentação. Totalmente desenvolvido em plataforma

Leia mais

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas

Conceito. As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas Conceito As empresas como ecossistemas de relações dinâmicas PÁG 02 Actualmente, face à crescente necessidade de integração dos processos de negócio, as empresas enfrentam o desafio de inovar e expandir

Leia mais

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET

FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET FACULDADE DE COMUNICAÇÃO SOCIAL HABILITAÇÃO EM RELAÇÕES PÚBLICAS ASSESSORIA DE RELAÇÕES PÚBLICAS Professora Iara Silva INTRANET E EXTRANET CONCEITOS, OBJETIVOS, BENEFÍCIOS E TENDÊNCIAS Renato Schumacher

Leia mais

Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED

Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos - GED Programa de Tratamento Integrado de Acervos - PROPTIA Fundamentos Benefícios - Cases Fundamento de GED GED - Conjunto de tecnologias que permitem o gerenciamento

Leia mais

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado

Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Análise da vantagem de adoção e uso de sistemas ERP código aberto em relação aos sistemas ERP código fechado Louis Albert Araujo Springer Luis Augusto de Freitas Macedo Oliveira Atualmente vem crescendo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Portais corporativos: evolução, aplicação, tendências e casos. de implantação. Fernando Silva Parreiras

Portais corporativos: evolução, aplicação, tendências e casos. de implantação. Fernando Silva Parreiras Portais corporativos: evolução, aplicação, tendências e casos de implantação Fernando Silva Parreiras Fernando Silva Parreiras Mestrando em ciência da informação pela ECI UFMG Especialista em gestão financeira

Leia mais

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010

Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Minicurso MoReq-Jus Mar/2010 Pauta O que é um Modelo de Requisitos? Modelo de Requisitos: Benefícios Pirâmide de Requisitos MoReq-Jus Motivação Objetivos Principais referências Evolução Abrangência dos

Leia mais

Gestão do Conhecimento e Arquivologia:

Gestão do Conhecimento e Arquivologia: Gestão do Conhecimento e Arquivologia: entrelaçamentos e possibilidades na formação do profissional arquivista. Profa. Dra. Maria do Rocio F. Teixeira DCI/FABICO/UFRGS Arquivologia Salvador, 2013. Apresentação

Leia mais

UML - Unified Modeling Language

UML - Unified Modeling Language UML - Unified Modeling Language Casos de Uso Marcio E. F. Maia Disciplina: Engenharia de Software Professora: Rossana M. C. Andrade Curso: Ciências da Computação Universidade Federal do Ceará 24 de abril

Leia mais

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias:

ARQUIVOLOGIA PADRÃO DE RESPOSTA. O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: QUESTÃO n o 1 O candidato deverá apresentar os seguintes elementos na construção das idéias: Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se a inviolabilidade

Leia mais

Catálogo de Kits TOTVS ECM

Catálogo de Kits TOTVS ECM Sobre o TOTVS ECM TOTVS ECM (Enterprise Content Management) é uma solução completa em gestão de conteúdo e processos. Reúne em um único produto dois importantes conceitos: BPM Workflow (Controle de processos)

Leia mais

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS

PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS ARQUIVO CENTRAL DO SISTEMA DE ARQUIVOS PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO DE DIGITALIZAÇÃO E GESTÃO DE REPOSITÓRIOS DE DOCUMENTOS ARQUIVÍSITCOS DIGITAIS AUTÊNTICOS 2011 PROJETO PARA INSTALAÇÃO DE LABORATÓRIO

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Informação no contexto administrativo Graduação em Redes de Computadores Prof. Rodrigo W. Fonseca SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA PELOTAS >SistemasdeInformação SENAC FACULDADEDETECNOLOGIA

Leia mais

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO

Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Critérios para certificação de Sites SciELO: critérios, política e procedimentos para a classificação e certificação dos sites da Rede SciELO Versão Março 2008 1 Introdução Este documento tem por objetivo

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos

Agenda. A Empresa História Visão Conceito dos produtos Agenda A Empresa História Visão Conceito dos produtos Produto Conceito Benefícios Vantagens: Criação Utilização Gestão Segurança Integração Mobilidade Clientes A empresa WF História Em 1998, uma ideia

Leia mais

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente

10. Defina Sistemas Distribuídos: Um conjunto de computadores independentes que se apresenta a seus usuários como um sistema único e coerente 1. Quais os componentes de um sistema cliente-servidor? Clientes e servidores 2. Na visão do hardware, defina o que é cliente e o que é servidor: Clientes. Qualquer computador conectado ao sistema via

Leia mais

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS

Informação no OAIS. Ambiente. Escopo e Objetivos. Aplicabilidade. Responsabilidades do OAIS. Funcional OAIS OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OAIS do no OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM OPEN ARCHIVAL INFORMATION SYSTEM do no < ESCOPO objetivos origem > :: O modelo de referência Open Archival rmation System é um esquema conceitual que disciplina e

Leia mais

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares

AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares AMBIENTE VIRTUAL DE APOIO AO ALUNO Pesquisa em andamento: resultados preliminares Denis Lacerda Paes 1 ; Angelo Augusto Frozza 2 RESUMO O trabalho apresentado visa desenvolver uma aplicação baseada em

Leia mais

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012

ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação ATO DA MESA Nº 48, DE 16/7/2012 Institui a Política de Preservação Digital da Câmara dos Deputados. A MESA DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, usando de suas

Leia mais

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação

Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Gestão de documentos para a garantia de fidedignidade e autenticidade dos documentos digitais: normatização e implementação Luciane Tomé da Cunha lucianetome@issx.com.br EU QUERO UM ECM O QUE O SE ESPERA

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DOCUMENTOS JURÍDICOS

BOLETIM INFORMATIVO DOCUMENTOS JURÍDICOS BOLETIM INFORMATIVO DOCUMENTOS JURÍDICOS 10 passos para implantação de projetos de Gestão da informação no setor Jurídico outubro/2013 A AUTOMAÇÃO DE DOCUMENTOS JURÍDICOS É VITAL PARA O PRÓPRIO PROCESSO

Leia mais

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO

COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO COMUNICAÇÃO DA ACÇÃO DE FORMAÇÃO Data 3 de Novembro a 15 de Dezembro de 2015 Ação de formação Área temática Cód. Ref. Formadores Horário INTRODUÇÃO À ARQUIVÍSTICA Gestão Documental S16 Helena Neves / Rui

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL

A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A IMPORTÂNCIA DO ARQUIVO INTERMEDIÁRIO NO ÂMBITO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA FEDERAL A criação dos arquivos intermediários torna-se uma tendência nacional para a implementação da gestão dos documentos, disciplinada

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários

PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL. LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários PROGRAMA DE GESTÃO DOCUMENTAL LEVANTAMENTO DA PRODUÇÃO DOCUMENTAL DA ATIVIDADE-MEIO Orientações para o preenchimento dos questionários Ministério Público (Paraná). Departamento de Gestão Documental. Levantamento

Leia mais

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias

Semântica para Sharepoint. Busca semântica utilizando ontologias Semântica para Sharepoint Busca semântica utilizando ontologias Índice 1 Introdução... 2 2 Arquitetura... 3 3 Componentes do Produto... 4 3.1 OntoBroker... 4 3.2 OntoStudio... 4 3.3 SemanticCore para SharePoint...

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência

Definições. Órgãos de Documentação. Classificação dos Arquivos. Quanto à Abrangência Definições Informação: Produto de um documento. Documento: Tudo aquilo que pode transmitir uma idéia, pensamento ou acontecimento, ou seja, uma informação. Arquivo: Lugar onde se guardam os documentos

Leia mais

ORIENTAR R E MONITORAR A GESTÃO DO CONHECIMENTO 1 OBJETIVO

ORIENTAR R E MONITORAR A GESTÃO DO CONHECIMENTO 1 OBJETIVO ORIENTAR R E MONITORAR A GESTÃO DO CONHECIMENTO Proposto por: Equipe do Departamento de Apoio nos Núcleos Regionais (DENUR) Analisado por: ATENÇÃO: A cópia impressa a partir da intranet Aprovado por: Integrante

Leia mais

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE

AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE AULA 04 - TABELA DE TEMPORALIDADE 4.1 - Tabela de Temporalidade Como é cediço todos os arquivos possuem um ciclo vital, composto pelas fases corrente, intermediária e permanente. Mas como saber quando

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados:

Dado: Fatos conhecidos que podem ser registrados e têm um significado implícito. Banco de Dados: MC536 Introdução Sumário Conceitos preliminares Funcionalidades Características principais Usuários Vantagens do uso de BDs Tendências mais recentes em SGBDs Algumas desvantagens Modelos de dados Classificação

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1

Departamento de Arquivologia SIGAD. Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Departamento de Arquivologia SIGAD Sistemas Informatizados de Gestão Arquivística de Documentos SIGAD 1 Agenda Introdução Conceitos Iniciais e-arq e SIGAD Para quem? Para quê? O que são? O que não são?

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

Gestão de Documentos e Registros. Elizete Pereira Sá - INFO CONTENT Lícia Guedes de Araújo Figueirêdo - BAHIAGÁS

Gestão de Documentos e Registros. Elizete Pereira Sá - INFO CONTENT Lícia Guedes de Araújo Figueirêdo - BAHIAGÁS Gestão de Documentos e Registros Elizete Pereira Sá - INFO CONTENT Lícia Guedes de Araújo Figueirêdo - BAHIAGÁS COMPANHIA DE GÁS DA BAHIA BAHIAGÁS Concessionária estadual dos serviços de distribuição de

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

INTERNET HOST CONNECTOR

INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR INTERNET HOST CONNECTOR IHC: INTEGRAÇÃO TOTAL COM PRESERVAÇÃO DE INVESTIMENTOS Ao longo das últimas décadas, as organizações investiram milhões de reais em sistemas e aplicativos

Leia mais

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONHECENDO E CONCEITUANDO SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Franco Vieira Sampaio 1 Atualmente a informática está cada vez mais inserida no dia a dia das empresas, porém, no início armazenavam-se os dados em folhas,

Leia mais

AGENDA. O Portal Corporativo. Arquitetura da Informação. Metodologia de Levantamento. Instrumentos Utilizados. Ferramentas

AGENDA. O Portal Corporativo. Arquitetura da Informação. Metodologia de Levantamento. Instrumentos Utilizados. Ferramentas AGENDA O Portal Corporativo Arquitetura da Informação Metodologia de Levantamento Instrumentos Utilizados Ferramentas PORTAL CORPORATIVO Na sociedade da informação é cada vez mais presente a necessidade

Leia mais

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra

BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO. Liliana Giusti Serra BIBLIOTECAS DIGITAIS: CONCEITOS E PLANEJAMENTO Liliana Giusti Serra INFORMAÇÃO - NOVA ECONOMIA Ciência da Informação Ciência da Computação CONTEÚDO Tecnologia de Rede BIBLIOTECAS DIGITAIS Interoperabilidade

Leia mais