Editorial EDITORIAL. Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte".

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Editorial EDITORIAL. Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte"."

Transcrição

1

2

3 EDITORIAL Editorial Olá amigo, THE CLUB Av. Profº Celso Ferreira da Silva, 190 Jd. Europa - Avaré - SP - CEP Informações: (14) Suporte: (14) Fax: (14) Internet Cadastro: Suporte: Informações: Dúvidas Correspondência ou fax com dúvidas devem ser enviados ao - THE CLUB, indicando "Suporte". Opinião Se você quer dar a sua opinião sobre o clube em geral, mande a sua correspondência para a seção "Tire sua dúvida". Reprodução A utilização, reprodução, apropriação, armazenamento em banco de dados, sob qualquer forma ou meio, de textos, fotos e outras criações intelectuais em cada publicação da revista The Club Megazine são terminantemente proibidos sem autorização escrita dos titulares dos direitos autorais. Você está recebendo mais uma edição da revista The Club Megazine. Como não poderia deixar de ser estamos trazendo inúmeras novidades para você. Começando pelo nosso consultor Claudinei Rodrigues, que está trazendo informações sobre o banco de dados PostgreSQL. Nesta matéria você aprenderá a forma correta de instalar o banco de dados além de conhecer qual componente utilizar e montar uma aplicação utilizando o Delphi 7. O nosso colaborador Mauro Sant Anna está trazendo informações quentinhas sobre a evolução.net Framework. O nosso colaborador Fábio Camara está trazendo mais informações sobre o VSTS. Um conjunto de ferramentas muito interessante O nosso consultor Thiago Montebugnoli está trazendo duas matérias que a exemplo do PostgreSQL estão sendo muito solicitadas ao nosso suporte técnico. A primeira é sobre o trabalho com herança de formulários e a segunda é sobre o trabalho com Stored Procedures. E finalizando estamos trazendo a seção de Perguntas & Respostas referente às ultimas solicitações feitas ao nosso suporte técnico. Tenha uma boa leitura, e até a próxima. Impressão e acabamento: HIPERGRAF Indústria Gráfica Tel.: (14) Cep Rua Francisca A. Pereira Borges, 436 Barra Bonita - Vila São Caetano Tiragem: exemplares Copyright The Club Megazine 2007 Diretor Técnico Mauro Sant Anna Colaboradores Mauto Sant Anna, Fábio Camara Delphi é marca registrada da Borland International, as demais marcas citadas são registradas pelos seus respectivos proprietários. Editorial Conhecendo o PostgreSQL A Evolução do.net Framework Iniciando VSTS Trabalhando com Herança de Formulários Stored Procedures no Delphi Perguntas & Respostas

4 PostgreSQL Conhecendo o PostgreSQL Por Claudinei Rodrigues Nós últimos meses temos notado, aqui no suporte técnico do The Club, uma crescente procura por maiores informações sobre o banco de dados PostgreSQL. Com base nisso vou procurar neste artigo fazer uma apresentação do PostgreSQL mostrando as suas características e também como podemos fazer o acesso via Delphi. O PostgreSQL é um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) de código aberto com mais de 15 anos de desenvolvimento. As informações que consegui obter até o momento é que ele é um banco de dados extremamente robusto, confiável, extremamente flexível e rico em recursos. Outra informação muito importante é que a equipe de desenvolvimento do PostgreSQL sempre teve uma grande preocupação em manter a compatibilidade com os padrões SQL92/SQL99. Um pouco de história O PostgreSQL derivou do projeto POSTGRES da universidade de Berkley, cuja última versão foi a 4.2. O POSTGRES foi originalmente patrocinado pelo DARPA (Agência de Projetos de Pesquisa Avançada para Defesa), ARO (Departamento de Pesquisa Militar), NSF (Fundação Científica Nacional) e ESL Inc. A implementação do projeto POSTGRES começou em 1986 e em 1987 tornou-se operacional. A primeira versão lançada para o público externo foi em Devido a uma crítica feita ao seu sistema de regras, o POSTGRES teve essa parte re-implementada e lançada em uma segunda versão em Em 1991 foi lançada a versão 3, com melhorias no executor de consultas e algumas partes do código foram re-escritas. As versões subseqüentes, até o Postgres95, foram focadas em confiabilidade e portabilidade. O POSTGRES foi utilizado em diversos sistemas de pesquisa e de produção, uma aplicação de análise financeira, um banco com rotas de asteróides, e diversos sistemas de informações geográficas. O código do POSTGRES foi aproveitado em um produto comercializado pela Illustra Information Technologies (posteriormente incorporada à Informix, que agora pertence à IBM). A versão seguinte, o Postgres95, teve mudanças radicais em relação ao projeto original. O seu código foi totalmente revisado, o tamanho dos fontes foi reduzido em 25%, e a linguagem SQL foi implementada como interface padrão. A performance foi consideravelmente melhorada e vários recursos foram adicionados. Em 1996 o nome Postgres95 tornou-se inadequado, o projeto foi rebatizado PostgreSQL, para enfatizar a relação do POSTGRES original com a linguagem SQL. A numeração da versão voltou a seguir o padrão anterior ao Postgres95 (considerada a 5.0), e a primeira versão do PostgreSQL foi a 6.0. Enquanto a ênfase do Postgres95 tinha sido a correção de falhas e otimização do código, o desenvolvimento das primeiras versões do PostgreSQL foi orientada à melhoria de recursos e implementação de novos recursos, sempre seguindo os padrões de SQL anteriormente estabelecidos. PostgreSQL pelo mundo A equipe do projeto cresceu e se espalhou pelo mundo, hoje o grupo de desenvolvimento do PostgreSQL tem membros nos Estados Unidos, Canadá, Japão, Russia, vários países da Europa e alguns outros. Esse grupo é formado essencialmente por empresas especializadas em PostgreSQL, empresas usuárias do sistema, além dos pesquisadores acadêmicos e programadores independentes. Além da programação, essa comunidade é responsável pela documentação, tradução, criação de ferramentas de modelagem e gerenciamento, e elaboração de extensões e acessórios. Pela riqueza de recursos e conformidade com os padrões, ele é um SGBD muito adequado para o estudo universitário do modelo relacional, além de ser uma ótima opção para empresas 4

5 PostgreSQL implementarem soluções de alta confiabilidade sem altos custos de licenciamento. É um programa distribuído sob a licença BSD, o que torna o seu código fonte disponível e o seu uso livre para aplicações comerciais ou não. O PostgreSQL foi implementado em diversos ambientes de produção no mundo. Colocando a mão na massa A tela mostrada na figura 02 é a primeira tela da instalação do PostgreSQL. Nesta tela nós vamos escolher em qual idioma será feita a instalação. Neste caso nós vamos escolher Brazilian Portuguese / Português Brasil. Fazendo isto a partir de agora todas as próximas telas de instalação serão em português. Como você pode ver na figura 3. Depois desta breve historia sobre o PostgreeSQL, vamos fazer o download do banco de dados e começar a trabalhar. Para fazer o download acesse o link redir?setmir=356&typ=h&url=http://ftp2.br.postgresql.org/ postgresql//binary/v8.2.3/win32/postgresql zip. Neste link você poderá fazer o download diretamente da versão 8.23 do PostgreeSQL. O arquivo baixado terá o nome postgresql zip. Descompacte este arquivo. No diretório onde você descompactar você verá os seguintes arquivos: Figura 01: Relação de arquivos Instalando o banco de dados Para dar inicio a instalação do banco de dados, dê um duplo clique no arquivo postgresql-8.2.msi. Feito isto você verá uma tela igual à mostrada na figura 02. Figura 03: Instalando o PostgreSQL Vale a pena lembrar que existe esta opção em português graças a comunidade brasileira de usuários do PostgreSQL. Na tela mostrada na figura 04 você terá acesso a todas as informações sobre a instalação do PostgreSQL. Sempre é bom dar uma lida. Figura 02: Escolhendo o idioma para a instalação Figura 04: Informações sobre a instalação 5

6 PostgreSQL A etapa mostrada na figura 05 nos permite escolher quais os componentes serão instalados. Por padrão temos o servidor, o cliente psql, o cliente pgadmin e os drivers de conexão. Apenas clique no botão próximo. Neste ponto como você não informou a senha, o instalador vai criar o usuário e irá gerar uma senha automaticamente. Sendo assim apenas clique no botão Próximo. Figura 07: Criando a conta Você irá receber uma mensagem informando que o usuário não foi encontrado. Sendo assim, basta clicar no botão Sim para que o novo usuário seja criado. Na próxima tela, mostrada na figura 08, o instalador irá lhe mostrar a tela com a senha que foi gerada. É sempre bom mantê-la anotada. Figura 05: Opções de instalação. A próxima tela, figura 06, é uma tela que causa muita confusão durante a instalação. Preste muita atenção neste ponto. Nesta tela que está sendo mostrada na figura 06, nós iremos informar o nome de usuário do sistema e não o usuário do banco de dados. Neste exemplo que estamos montando o programa de instalação sugere o nome postgres e pede para que você digite uma senha. Atenção, por questões de segurança não informe a senha. Isso mesmo, não informa a senha. Figura 08: Gerando a senha. A próxima tela, figura 09, também é muito importante nesta instalação. Nesta tela nós vamos escolher o Locale do banco de dados e também a codificação padrão para o banco de dados. Para quem não conhece o Locale, ele é o conjunto de informações que descrevem os formatos e mensagens de uma determinada língua e/ou país. Figura 06: Configuração do serviço Figura 09: Configurando o banco de dados. 6

7 PostgreSQL Figura 10: Conexões remotas Como você pode ver nós escolhemos o Locale Portuguese, Brasil e a codificação como SQL_ASCII. Outro ponto que também merece a sua atenção é informar se o servidor irá aceitar conexões via rede ou se funcionará apenas localmente. momento de nos aprofundarmos nestes módulos, pois foge ao propósito desta matéria. Portanto, deixe o que estiver marcado com padrão e apenas clique no botão próximo. Numa outra oportunidade iremos falar mais destes módulos. Se você deixar o checkbox desmarcado ele trabalhará apenas localmente, e se você deixar o checkbox marcado ele trabalhará em rede. Sendo assim vamos deixá-lo marcado. Será também nesta tela que vamos escolher o principal usuário, o usuário master, do PostgreSQL. Será com esse usuário e com essa senha que você irá se conectar ao servidor PostgreSQL e também poder administrá-lo. Por isso preste muita atenção ao informar esse usuário e essa senha. Ao clicar no botão próximo você receberá uma mensagem lhe informando que você optou por trabalhar em rede. Apenas clique no botão OK. (figura 10) Agora vamos habilitar quais linguagens procedurais poderemos instalar. Neste nosso caso será liberada apenas PL/pgsql. E é esta que iremos utilizar em nossas aplicações em Delphi. Sendo assim, basta clicar apenas no botão próximo. Figura 12: Habilitação de módulos Agora como está sendo mostrado na figura 13, o PostgreSQL já está pronto para ser instalado. Apenas clique em próximo e aguarde o termino da instalação. Figura 11: Linguagens procedurais A próxima tela mostra quais módulos podemos habilitar. Esse módulos são módulos não oficiais que acompanham o PostgreSQL e que você pode optar por instalá-los. São utilitários e módulos para as mais diversas necessidades. Este não é o Figura 13: Pronto para a instalação 7

8 PostgreSQL A figura 14 mostra o termino da instalação. Clique apenas em Concluir. diretório D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable. Entre na pasta D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable\lib\postgresql e copie as três dlls encontradas (libpq65.dll, libpq72.dll, libpq73.dll) para a pasta C:\Windows\system32. Abra o Delphi 7, vá em File/Close all. Entre em Tools/ Environment Options e clique na aba Library de acordo com o que está sendo mostrado na figura 15: Figura 14. Instalação concluída. Agora que estamos com o banco de dados instalado, vamos ver como podemos fazer com que o Delphi acesse este banco de dados. Escolhendo a forma de acesso Existem drivers ODBC gratuitos, mas é um tipo de drive que não é interessante. Também existe um driver para ser utilizado no dbexpress, mas este drive é pago. A meu ver a saída mais viável é a utilização do componente Zeos. Nós já publicamos na revista de Janeiro de 2007 como utilizar o componente Zeos acessando o banco de dados MySQL. Agora vamos utilizar este mesmo componente para acessar o PostgreSQL. Vamos relembrar como instalar o componente Zeos. Para fazer o download do componente Zeos acesse o endereço downloading.php?group_id=35994&use_mirror=ufpr&filename=zeosdbo stable.zip& Neste link você vai fazer o download da versão stable, que é a mais estável. Instalando o componente de acesso Para instalar o componente é bem simples, faça o seguinte: Descompacte o arquivo em uma pasta qualquer. Aqui neste exemplo eu vou descompactar no diretório Componentes Delphi 7 no meu drive D:. Sendo assim o arquivo estará descompactado no Figura 15. Environment Options Clique no botão do lado direito em Library Path. Aparecerá uma janela chamada Directories, encontre um botão com (...) e adicione as seguintes pastas no botão Add: D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable\src D:\Componentes Delphi 7\ zeosdbo stable\src\component D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable\src\core D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable\src\dbc D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable\src\parsesql D:\Componentes Delphi 7\zeosdbo stable\src\plain Observe como fica na figura 16. Depois de seguir estes passos, clique em File/ Open Project... entre na pasta D:\Componentes Delphi 7\packages\delphi7\ e pegue o arquivo ZeosDbo.bpg. Feito isto será mostrada uma janela igual a figura 17. 8

9 PostgreSQL Conhecendo a ferramenta de administração do banco O PostgreSQL traz uma ferramenta chamada pgadmin III. Para acessar esta ferramenta clique no botão Iniciar do Windows, vá até Todos os Programas e depois em PostgreSQL 8.2 e clique em pgadmin III. Figura 16. Directories Figura 19: Ferramenta de administração. Figura 17. Project Manager Vá até o menu do Delphi e entre em Project/ Build All Projects e após este procedimento, clique com o botão direito no arquivo ZCore.bpl e depois em Install. Faça isso para os cinco arquivos.bpl. Salve as alterações clicando em File/Save all e o componente Zeos será instalado na sua paleta de componentes com o nome de Zeos Access, conforme está sendo mostrado na figura 18. Como você pode ver no painel a esquerda, temos o nosso servidor recém instalado. Aqui podemos adicionar conexões com outros servidores quando necessário. Vamos utilizar apenas este servidor que ele está mostrando. Dê um duplo clique sobre o PostgreSQL Data Server 8.2 para que ele seja ativado. Ao dar um duplo clique, ele lhe pedirá uma senha. A senha que você irá informar aqui é aquela senha do usuário postgre. Digite na caixa de texto a senha e marque o checkbox Store password para que a senha seja gravada e não seja mais solicitada. Figura 20: Senha de acesso Antes de montarmos a nossa aplicação vamos acessar o banco de dados e criar uma tabela. Figura 18. Paleta Zeos Access 9

10 PostgreSQL Veja na figura 21 as pastas que são apresentadas depois que a ferramenta está conectada com o banco de dados. Dentro da pasta Schemas é onde ficam todos os objetos do banco de dados. Agora nós vamos criar uma tabela para poder acessá-la em nosso programa em Delphi. Clique com o botão direito em Tables. E depois em New Table. Fazendo isto você terá uma tela igual a mostrada na figura 22 que é onde vamos criar a nossa tabela. Vale uma dica aqui. Sempre utilize letras minúsculas na criação das tabelas e nome das colunas. Na propriedade Name informe o nome da nossa tabela. Que neste exemplo é clientes. Depois clique na aba Columns. É neste local onde vamos criar as colunas da nossa tabela de clientes. O primeiro campo que vamos criar é o campo codigo como mostrado na figura 23: Figura 21: Banco de dados conectado. No primeiro painel à esquerda você vê a árvore de navegação. É por ela que podemos selecionar qualquer objeto do banco de dados e com o menu de contexto, ou seja o botão direito do mouse, podemos executar tarefas como criar, alterar e excluir objetos. No segundo painel a direita você vê as propriedades do objeto que estiver selecionado no painel à esquerda. No terceiro painel abaixo, você o código SQL utilizado para criar aquele objeto. Figura 22: Criando uma tabela 10

11 PostgreSQL Figura 23: Criando o campo codigo. Figura 24: Campos da tabela CLIENTES No campo Name você deve informar o nome do campo desejado. Neste nosso exemplo é codigo. O tipo do campo que será informado no Data type é serial. O Data type serial é o tipo de campo com auto-numeração do PostgreSQL. Os próximos campos que vamos criar serão: nome do tipo character varying com o tamanho 50, cidade do tipo character varying com o tamanho 30 e estado character varying com o tamanho 2. O tipo character varying é o mesmo do VARCHAR do Firebird ou SQL Server. Nos campos do tipo character varying você deverá informar o tamanho do campo na propriedade Length. Agora que os campos já estão criados, vamos definir a nossa chave primária. Um detalhe muito importante é que o campo que pertencerá a chave primária não pode ter informações repetidas e nem valores nulos. Agora clique na aba Constraints e depois no botão Add. Feito isso você terá acesso a uma tela Primary Key. No campo Name informe o campo pk_cliente_codigo. Na aba COLUMNS deveremos informar o nome do campo. No rodapé desta tela você verá um combobox onde aparecerão os nomes dos campos. Selecione o campo codigo e clique no botão Add e depois em OK. E depois clique em OK novamente. Figura 25: Criando a chave primária 11

12 PostgreSQL Componente ZQuery1 Propriedade Valor Connection ZConnection1 SQL select * from clientes Active True Figura 26:Tela de cadastro Agora que já temos a nossa tabela criada. Vamos montar o nosso exemplo em Delphi. Montando um exemplo no Delphi 7 Abra o Delphi 7, vá em File New Application. Feito isto acesse a palheta de componentes e vá até a aba Zeos Access e arraste para o seu formulário os seguintes componentes: ZConnection, ZQuery. Agora vá até a aba Data Access e arraste um componente DataSource e depois vá até a aba Data Controls e arraste um componente DBGrid e um componente DBNavigator. A tela ficará de acordo com a figura 26. Agora vamos configurar os componentes. Componente ZConnection1 Propriedade Valor Database postgres HostName localhost Password Aqui você deve informar a senha do banco de dados Port 5432 Protocol postgresql User postgres Connected True Componente DataSource1 Propriedade Valor DataSet ZQuery1 Componente DBGrid1 Propriedade Valor DataSource DataSource1 Componente DBNavigator Propriedade Valor DataSource DataSource1 Com esta configuração realizada, basta que você compile e rode a aplicação. Assim você verá a aplicação funcionando normalmente inclusive gerando o campo código automaticamente. Conclusão A intenção desta matéria foi mostrar um pouco do PostgreSQL sendo acessado pelo Delphi. É claro que existem muitos recursos do PostgreSQL que não abordamos aqui. Mas pretendemos nos aprofundar muito neste banco de dados. Portanto se você já é usuário deste banco de dados, fique a vontade para entrar em contato conosco e trocarmos informações a este respeito. Um grande abraço a todos e até a próxima. Figura 27: Tela do exemplo com dados Sobre o autor Claudinei Rodrigues, Consultor Técnico do The Club 12

13 .NET A Evolução do.net Framework por Mauro Sant Anna Com o aparecimento de novas versões do.net Framework, tem surgido algumas dúvidas quanto ao futuro tanto do Framework em si como do Visual Studio, as quais pretendo esclarecer neste artigo. A primeira versão oficial do.net Framework foi lançada em conjunto com o Visual Studio.NET em janeiro de Esta versão foi rapidamente seguida por um Service Pack (SP1) apenas dois meses depois. enorme Service Pack (SP1) em fevereiro de Esta é uma atualização altamente recomendada, mas sugiro que você a aplique de um dia para outro, pois ela pode levar horas para rodar. O par.net Framework 2.0+ VS 2005 traz muitos recursos novos: Biblioteca ADO.NET completamente reescrita e melhorada; Ainda em 2002 veio o SP2 e finalmente em 2004 veio o SP3. Antes mesmo do SP3 estar disponível, a Microsoft lançou o.net Framework 1.1 em conjunto com o Visual Studio.NET 2003 em abril de Além de pequenas mudanças nas classes, o principal recurso novo foi o suporte ao Compact Framework, uma versão do Framework para dispositivos móveis como PocketPC e Smartphone. O Framework 1.1 foi também a primeira versão a vir de fábrica em um sistema operacional da Microsoft, o Windows Server Em 2004, o Framework 1.1 foi alvo de um Service Pack (SP1). Biblioteca ASP.NET com muitos recursos novos, como componentes de acesso a banco de dados, páginas mestres que várias páginas herdem um visual comum, componentes para criar WebParts, várias bibliotecas novas para coisas como controle de usuários, personalização e navegação. Novos controles e componentes vinculados nos aplicativos Windows, bem como distribuição através da Web com ClickOnce; Visual Studio Team System: uma ferramenta para controle de ciclo de vida de desenvolvimento, incluindo uma nova ferramenta de controle de versão; Em novembro de 2005, a Microsoft lançou finalmente Visual Studio 2005 (note que o sufixo.net foi abandonado) em conjunto com o Framework 2.0. Esta versão sofreu muitos atrasos; os cínicos dizem que a única razão dela ter sido lançada em 2005 foi porque o seu nome já havia sido divulgado. O Visual Studio 2005 foi alvo de um Suporte a CPUs de 64 bits; Suporte a Generics (tipos parametrizados), o que exigiu mudanças tanto nas linguagens como na CLR (runtime básico); Compact Framework bem mais capaz, muito mais compatível com o Framework completo e com mais recursos 13

14 .NET para conexão com bancos de dados, MSMQUEUE e integração com telefone. Os emuladores foram também bastante melhorados, principalmente quanto à velocidade. Suporte ao Visual Studio Tools for Office, permitindo a criação de soluções bem integradas com os pacotes da família Office. Note que o Framework 3 não veio acompanhado de nova versão do Visual Studio. Isto significa que o suporte para desenvolvimento com os novos recursos embora exista, não é o melhor do mundo. Você pode baixar algumas extensões ao Visual Studio do site para Framework 3.0, mas a experiência de desenvolvimento deixa um pouco a desejar. Por exemplo, é comum ter que editar arquivos XML na unha. Pela lista acima, dá para ver que o Framwork 2 foi um upgrade bem significativo. E as versões futuras, serão tão radicalmente diferentes? A resposta curta é não. A versão mais nova é a 3.0, lançada em conjunto (e incluída) com o Windows Vista. Ela não substitui completamente a versão 2.0 e sim adiciona funcionalidade sobre a 2.0. Na verdade, se você for instalar a versão 3.0 em um computador sem o Framework, ele instala primeiro a versão 2.0 e depois a 3.0. Houve algum debate interno na Microsoft quanto a que número de versão dar, 3.0 ou 2 ponto alguma coisa, mas o 3.0 venceu. Pessoalmente, acho bom, pois deixa uma mensagem mais clara do que 2.1 ou 2.5. A versão 3.0 também roda sob Windows XP e Windows 2003 e inclui basicamente as seguintes funcionalidades: WPF ou Windows Presentation Foundation, uma biblioteca que utiliza a fundo as capacidades gráficas das placas de vídeo modernas para permitir uma interface com usuário com tantos recursos quanto os vídeo games; WCF ou Windows Communication Foundation: É essencialmente a nova versão dos WebServices, bastante melhorados; WF ou Workflow Foundation (o nome era WWF, mas parece que a organização ecológica homônima reclamou): É um componente novo que permite criar fluxos de trabalho de uma forma padronizada em nível de sistema operacional; WCF: O componente menos vistoso e conhecido; é um sistema de autenticação baseado em certificados digitais usando uma metáfora de cartão. E a próxima versão? Aparentemente a próxima versão do Framework em si terá o número 3.5, o que indica que não será uma versão revolucionária. A principal diferença é que as linguagens VB e C# trarão um recurso chamado LINQ, que é uma maneira de integrar consultas a banco de dados à linguagem. O LINQ por sua vez exige várias modificações nas linguagens, mas não no CLR. Já o Visual Studio tem o nome de código ORCAS e trás as seguintes novidades: VSTS nome de código Rosário, traz diversas melhorias na ferramenta de gerenciamento de ciclo de vida; Boa integração com os novos recursos do Framework (WPF, WCF, WF e WCF). A Microsoft anunciou um PDC para este ano. O PDC é um evento voltado a desenvolvedores e as plataformas futuras. Ele não é um evento regular; somente acontece quando existem novidades para anunciar. Tendo em vista a vinda do Orças e também da nova versão do Windows Server, correspondente ao Vista, será um evento com certeza repleto de novidades. Sobre o autor Mauro Sant Anna nunca trabalhou na Microsoft, mas conhece bastante a empresa, já que é MVP e Regional Director of the Year. Ele coordena os cursos na M. A. S. Informática (www.mas.com.br) e bloga em Português em blogs.vstsrocks.com.br e em inglês em maurosjungle.spaces.live.com. 14

15 VSTS Sobre o autor Iniciando VSTS Fabio Camara é MCP, MCSA, MCAD Charter, MCDBA, MCSE, MCSD.NET e MSF Practitioner Utiliza MSF em seus projetos há mais de 4 anos e sonha com uma ferramenta como esta desde que começou a coordenar projetos de software com grupo de pessoas. Em 1988 a COMPAQ apresenta o primeiro laptop do mundo. Ele tinha 6 kilos, parecia uma caixa de CPU que temos hoje com vídeo e teclado embutidos. Nesta época ninguém entendia a real utilidade para o laptop e por isso poucos investiram nele. Em 2005 a Microsoft apresenta o VSTS, quanto tempo os empreendedores do segmento de tecnologia vão demorar para compreeder a utilidade do VSTS? Mesmo correndo o risco de parecer propaganda, empenho-me em escrever um importante artigo para a correta conceituação do Visual Studio Team System. Minha principal preocupação é que VSTS é um nome pequeno demais para a grandiosidade do produto, ou talvez o produto seja grande demais para um nome. Em outras palavras, ao ler somente VSTS você não tem a menor idéia o que este aplicativo é capaz de fazer para os seus projetos. Se tentassémos definir em uma ciência, não seria possível pois o VSTS é um EPM Enterprise Project Management, é um SCM Software Configuration Management e é também uma ferramenta de SDLC Software Development Life Cycle. Como se não bastasse, o VSTS é uma ferramenta de comunicação para membros de um projeto, é uma ferramenta de empacotamento e é uma ferramenta de ajuste de processos. Mil faces, um propósito Quando a Microsoft lançou o Visual Basic, seu objetivo era reduzir a complexidade dos desenvolvedores de software em efetuar seu trabalho. Por mais que admita não ser fã do Visual Basic, eu tenho que concordar que o Visual Basic 6.0 facilitou gigantescamente o trabalho dos desenvolvedores para produzir aplicativos cliente servidor. Recentemente com o Visual Studio.NET, o foco de redução de complexidade foram os desenvolvimentos de aplicativos distribuídos e com a ferramenta ASP.NET os desenvolvedores puderam dizer adeus aos scripts e construir aplicativos profissionais para a web. Com o VSTS, a proposta é endereçar assuntos mais complexos, englobando características de projeto e processos pertencentes ao ciclo de vida de desenvolvimento. Pela primeira vez temos em uma única ferramenta uma abordagem completa, desde o design, passando pelo desenvolvimento, testes e implantação. O conjunto de ferramentas que compõe o VSTS serão um guia para resultados previsiveis, com sensivel incremento de produtividade e inovação. Do ponto de vista prático, tratando de questões que você mede imediatamente, o propósito do VSTS é proporcionar um incremento no ROI Return on Investment. Apesar de práticas para medição de ROI não serem populares no Brasil, consideremos pelo menos o descontentamento existente com os resultados de projetos de software apurados nestes últimos anos, aonde a grande maioria não é entregue e quando o é o produto não corresponde as expectativa dos contratantes e clientes do projeto. O VSTS proporciona um incremento no ROI porque é uma solução de gerenciamento de ciclo de vida de desenvolvimento completamente integrada que provê produtividade sem apresentar desnecessariamente conceitos complexos ou ferramentas inflexíveis. Integração de verdade Repetindo, produtividade baseado em integração com ferramentas de SDLC fáceis de utilizar porque possuem interfaces intuitivas. Esta é a visão VSTS sobre integração. Não basta funcionar interligado, tem que ser fácil de usar. Pensemos da seguinte forma: Informações sobre tudo o que acontece no projeto armazenadas e relacionadas. Gráficos e relatórios automatizados com estas informações. Itens de trabalho alimentando estes relatórios conforme acontecem, uma espécie de real time report. Testes e compilação como critérios de conclusão de tarefa. Um site mostrando a todos os interessados no projeto estas informações. Todos os artefatos armazenados e relacionados. Será tudo isso possível? 15

16 VSTS no próprio nome. Por isso, obviamente você deduz que o Visual Studio Team for Architect Edition destina-se para arquitetos de software e assim sucessivamente. O diferencial entre as edições são algumas ferramentas exclusivas conforme o papel, como você também pode perceber na figura 1. As únicas ferramentas comuns a todas as edições são o próprio Visual Studio 2005 do ponto de vista ferramenta para criação e compilação de códigos fontes, que neste caso é denominada Visual Studio Professional Edition e o Team Foundation Client que é uma camada de utilização amigável as funcionalidades e serviços do Team Foundation Server. Do ponto de vista prático, é um incrível sonho realizado possuir uma ferramenta adequada ao seu papel e integrada ao projeto. Naturalmente já tinhamos ferramentas específicas para arquitetos, mas eram uma ilha que no máximo permitiam uma comunicação através de papéis impressos ou códigos fontes mal gerados automaticamente. Antes de mudar de assunto, quero expressar um destaque que considerei muito positivo das edições Visual Studio Team Developer Edition e Visual Studio Team Test Edition. Este destaque chama-se Code Coverage. Figura 1 Gráfico com as ferramentas que compõe o Visual Studio Team System, denominadas Visual Studio Team Suite Agora pensemos nas ferramentas: SQL Server 2005, SharePoint Portal Services, SQL Server Reporting Services, MS Project, MS Excel, Visual Studio 2005 e VS Source Control. Repetimos a pergunta que estava sem resposta: _ Será tudo isso possível?. Relacione os itens que originaram a pergunta com as ferramentas listadas. A conclusão será SIM! O VSTS não é uma ferramenta, é uma conjunto de ferramentas Conforme você pode constatar na figura 1, o Visual Studio Team System na verdade é dividido em 4 menores conjunto de ferramentas, denominados Visual Studio Team Edition. Tratando-as separadamente, cada edição destina-se a um papel específico dentro do projeto, como explicitamente declarado Code Coverage, que podemos traduzir livremente como cobertura de código, é o teste do teste. Para entendê-lo será mais fácil simulando como nós o utilizaremos. Digamos que acabamos de escrever e compilar uma dll. Em seguida, conforme a orientação de nosso SDLC - Software Process Life Cycle, contruímos uma Unit Test para verificar o funcionamento de nossa dll. Neste ponto, as tarefas de trabalho são consideradas encerradas e acredita-se estar com um resultado com qualidade. Neste cenário, que pode realmente ser considerado de qualidade para a maioria das empresas de desenvolvimento do Brasil, acrescentamos a seguinte questão: _ Você testou sua dll via Unit Test, contudo você tem certeza que todas as linhas de código da dll foram executadas em seu teste? Eis o que o Code Coverage faz, ele verifica se todas as linhas de código foram testadas. Team Foundation Server O Visual Studio Team Foundation Server é um produto 16

17 VSTS separado com a finalidade de controlar o Work Item Tracking, Integration Services, Project Management, Change Management, Project Site e Reporting. Se audaciosamente fizermos uma analogia, o TFS seria o coração e o cérebro do VSTS. ofertadas nas linhas escritas anteriormente é o Team Foundation Server. Ele é calcado em 5 pilares, conforme demonstrado na figura 2. São eles: Work Item Tracking, Source Control, Build Automation, Project Site e Reporting. Através de informações controladas pelo TFS, considerando que você está desenvolvendo um projeto com base no template MSF Agile, você pode obter automaticamente os seguintes relatórios: Remaining Work Os itens que ainda serão desenvolvidos (backlog). Responde a pergunta: _ Quanto trabalho falta e quando está previsto de estar pronto? Velocity Uma média entre bugs encontrados e solucionados que responde a pergunta: _ Qual a produtividade de seu time? Unplanned Work Um interessante gráfico que expõe os itens inclusos durante o projeto que não faziam parte do baseline. Responde a pergunta: _ Quanto trabalho não planejado nós temos? Quality Indicators Importante relatório que demonstra a quantidade de bugs em aberto, a percentagem de código coberto por testes (code coverage), o número de testes aprovados, em conclusão e reprovados. Responde a pergunta: _ Qual a qualidade do seu projeto? Bug Rates Demonstra a taxa de bugs em backlog, bugs recentemente descobertos e bugs solucionados. Responde a pergunta: _ Como efetivamente estamos encontrando, resolvendo e fechando os bugs? Reactivations Um relatório objetivando medir o retrabalho, seja em bugs ou falsas tarefas. Responde a pergunta: _ Quanto re-trabalho nós temos neste projeto? Figura 2 Os pilares do TFS Começando pelo Source Control, a primeira importante informação é que ele não é uma evolução do Visual SourceSafe. O Visual SourceSafe 2005 é a evolução do VSS e continua existindo, sendo indicado para times de desenvolvimento até 5 participantes. O VSSC (Visual Studio Source Control) é uma ferramenta totalmente integrada com todas as outras ferramentas do VSTS que permite o armazenamento seguro e com relacionamento de artefatos para os documentos produzidos em um projeto utilizando o VSTS. Entre as novas funcionalidades, vale a pena conferir o Check In Experience que combina uma série de alterações, comentários, regras e s junto ao artefato em questão. Já ia me esquecendo, os artefatos agora ficam armazenados no SQL Server 2005, diferente da proposta de pastas e arquivos do VSS. Quando um projeto é criado com o VSTS, automaticamente um Project Site é disponibilizado e informações em tempo real são disponibilizadas conforme os eventos configurados. Por exemplo, é possível ao seu time e stakeholders do projeto acessarem gráficos como o demonstrado na figura 3. Bugs by Priority O título do relatório é intuitivo, demonstra se os bugs prioritários estão realmente sendo tratados com prioridade. Responde a pergunta: _ Estamos trabalhando corretamente os bugs? Actual Quality versus Planned Velocity Místico relatório que responde a pergunta: _ Quão rápido nós caminhamos sem comprometer a qualidade do projeto? Possui como informação base as interações nos cenários, bugs encontrados por cenários e resolvidos, total de trabalho estimado e eficiência. O responsável por administrar todas as funcionalidades Figura 3. Gráfico que demonstra a qualidade do projeto gerado pelos controles VSTS. 17

18 VSTS Tratando de Build Automation, a proposta é que esta seja uma tarefa trivial, afinal convenhamos que não devíamos dedicar uma pessoa inteligente para uma tarefa tão simples como esta. Com isto, estamos finalmente a caminho de alcançar boas práticas de compilação centralizada e versionamento para nossos projetos. O Work Item Tracking é o grande sonho de todo gerente de projetos. Ele é o link confiável entre o que está planejado para ser executado no MS Project com o que efetivamente está sendo realizado pelo desenvolvedor. Você pode escrever tarefas de trabalho no MS Excel ou MS Project, atribuir elas a algum membro do time e este indivíduo visualizará estas tarefas pelo Visual Studio. E finalmente o Reporting, que é o alimentador do Project Site. Baseado em SQL Reporting Services, são inúmeras queryes prontas possibilitando informações importantes do projeto disponíveis a todos, inclusive stakeholders, de forma simples. As ferramentas não são tudo! Pode até parecer irônico, mas é importante ratificar que não estou ganhando comissão por vendas de licenças VSTS. Por isso, responsabilizo-me em alertar que o VSTS não é ferramenta para projetos amadores ou baseados em procedimentos tácitos. Tentar utilizar VSTS em seus projetos sem um SDLC e sem que seu time entenda bem do SDLC e do funcionamento das ferramentas resultará em mais resultados decepcionantes do que positivos. Os pré-requisitos que, na minha leitura, são fundamentais para quem deseja implantar VSTS em um ambiente de desenvolvimento são: - Possuir conceitos práticos sobre Software Engineering Process; - Compreender o que é SDLC; - Ter simulado todas as iterações do SDLC antecipadamente, ratificando processos e artefatos; - Entender a função e as responsabilidades de todos os papéis sugeridos conforme a metodologia escolhida; - Capacitar todos os participantes do projeto na cultura do SDLC, na confecção dos artefatos e nas ferramentas do VSTS. Pessoalmente aconselho que a escolha e a simulação do SDLC sejam tratados separadamente e antecipadamente, pois o aprendizado nas funcionalidades das ferramentas ao mesmo tempo pode dificultar a compreensão e prorrogar exageradamente os resultados produtivos. Como usar? Muito provavelmente você já possui alguma espécie de ferramenta com seu time de desenvolvimento e migrar para uma nova opção pode ser uma tarefa árdua, ou no mínimo preocupante. Vamos tratar o assunto com uma visão totalmente prática. Se sua empresa utiliza o ClearQuest da Rational, por exemplo, você pode utilizar o aplicativo CQConverter.exe para migrar sua base de work items para o Visual Studio Issue Tracking. Este aplicativo além de analisar seu banco de dados do ClearQuest, permite você mapear os dados a serem migrados. Este utilitário vem conjuntamente com o Visual Studio Team Foundation. Obviamente que se estamos preparados para migrações de software de outros fornecedores, o Visual SourceSafe possui todo o suporte para integrar-se com o Team Foundation. O utilitário VSSConverter.exe faz todo o trabalho após algumas pequenas direções determinadas pelo administrador da migração. Adicionalmente é gerado um relatório sobre esta migração para certificar que os resultados serão os esperados. A partir destas migrações, as ferramentas integradas com o Team Foudation serão o Microsoft Project e o Microsoft Excel, que certamente são as mesmas ferramentas utilizadas hoje pelo seu time de projetos de software. Em outras palavras, será indolor a adaptação do seu time de desenvolvimento as novas ferramentas de controle, visto que serão utilizados o próprio Visual Studio 2005 e basicamente o Microsoft Project e o Microsoft Excel. Conclusão Comentamos sobre um conjunto de ferramentas que certamente irão evolucionar seu SDLC, tornando-o automatizado e profissional. Extremamente recomendado para times com mais de 5 pessoas, proporcionando a facilidade da comunicação e a previsibilidade do projeto. Para times pequenos, sugerimos utilizar o Visual Studio Professional em conjunto com o Visual SourceSafe As características que superficialmente citamos, quando corretamente aplicadas pelo seu time de projeto possibilitarão novas visões de como trabalhar seus processos, direcionando-os a especialização que maximizará os seus resultados. Por ser uma proposta de controle e gerenciamento de projetos, queremos cativar os coordenadores e gestores de projetos em geral a experimentar e avaliar os benefícios resultantes. Tememos que os desenvolvedores sejam os maiores críticos à implantação desta iniciativa, pois certamente serão acompanhados e mensurados com mais profissionalismo. Sucesso em seus projetos. 18

19 Delphi Trabalhando com Herança de Formulários O autor Thiago Cavalheiro Montebugnoli é tecnólogo, formado pela Faculdade de Tecnologia de Botucatu SP (FATEC) e consultor técnico do The Club. Nesta matéria abordarei como que se trabalha com herança de formulários e vocês poderão ver como facilita muito a vida de nós programadores tendo como foco principal o maior aproveitamento do tempo e da produtividade. Muitos programadores ainda perdem bastante tempo com criação de telas, desenvolvimento de layout e organização dos componentes. Mas para quem não conhece, nunca ouviu falar de herança, o que vem a ser isto? Uma resposta muito simples, diria que são cópias fiéis de um determinado formulário base que podem ser implementados novas características, e isto gera muitas vantagens. Imaginemos uma situação: um sistema com quarenta formulários idênticos, e o seu cliente pede para excluir ou incluir apenas um botão, consequentemente terá de ajustar em todos os formulários e isto gastaria um bom tempo que poderia estar fazendo outra coisa mais produtiva. Figura 01. Formulário Principal Trabalhar com Herança no Delphi fica tudo mais produtivo, alterando apenas o Formulário Pai, todos os formulários que herdarem desta classe Pai terão suas propriedades modificadas e o tempo que levaria para reestruturar o sistema para 40 formulários se reduziria em 40 vezes mais rápido. Viram como é interessante? Neste momento iremos criar um exemplo e ao longo do desenvolvimento estarei explicando e demonstrando como funciona a herança de formulários no Delphi. Clique em File/New/Application e coloque um componente MainMenu. Preencha a propriedade Caption como Cadastros e crie dois itens de menu, um chamado Clientes e outro Fornecedores, observe a figura 01. Crie mais um formulário e o nomeie como FmBase. Coloque 6 botões e os configure de acordo com a figura 02. Figura 02. Formulário Base Depois salve o projeto e todas as units. Neste momento iremos herdar todas as características deste formulário em dois novos formulários, vejam como é simples. Vá em File/New/Other, em Project1(no meu caso defini este nome para o meu projeto) e escolha FmBase, verifique logo abaixo um 19

20 Delphi checkbox escrito inherited que significa herdado, clique em Ok e veja que foi criado um formulário igualzinho ao nosso Formulário base, com as mesmas características. Dê um duplo clique e verifique que no formcreate tem a palavra inherited. Logo acima, em Type uma observação importante: typetfmbase1 = class(tfmbase) Significa que este formulário não vem da classe TForm e sim da TFmBase. Clique nos botões e verifique a existência da palavra inherited, ou seja todos os códigos que forem digitados nos botões do FmBase serão herdados pelos seus formulários Filhos, mas fique atento, pois sempre os filhos herdarão dos pais, mas nunca os pais herdarão as características dos Filhos. Crie mais um formulário filho e em suas propriedades Caption coloque como Cadastro de Clientes e no último criado Cadastro de Fornecedores e em Name FmCliente e FmFornecedor respectivamente. Dê um Save All em seu projeto. Nós temos agora um formulário principal com um menu, um formulário pai chamado FmBase e dois formulários filhos, um chamado FmCliente e outro FmFornecedor. Em tempo de design iremos realizar alguns testes interessantes para vocês poderem perceber como funciona na prática. Coloque na tela os três formulários: O FmBase, FmCliente e FmFornecedor (figura 03).Perceba que eles possuem exatamente a mesma característica. Pegue um label e coloque no formulário Fmbase, e vejam que nos filhos o label também foi criado, com as mesmas características. Entre no FmCliente e apague o label ou altere seu caption perceba que nada acontece com os outros dois Formulários. No momento que mexemos nos formulários filhos, seja nos botões herdados ou no label o Formulário Pai não comandará mais os Filhos. Para reverter esta situação clique com o botão direito sobre o objeto e escolha Revert to Inherited. Em nosso FmBase, iremos fazer uma codificação simples no botão com o nome Aplicar ao Banco e ver como funciona em tempo de execução. Veja a seguir: Figura 03. Tempo de Design. 20

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 4 O Componente Trabalhando com conexão ao banco de dados MySQL no Lazarus Ano: 03/2011

Leia mais

Acesso à Dados ZEOS x Delphi. Professor Anderson

Acesso à Dados ZEOS x Delphi. Professor Anderson Acesso à Dados ZEOS x Delphi Professor Anderson Introdução O ZEOS é uma biblioteca que provê o acesso à uma base de dados em MYSQL. Através dessa Library, podemos realizar operações de manipulação da base

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL.

Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Listando itens em ComboBox e gravando os dados no Banco de Dados MySQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2012 Edição 7 Listando e Gravando Listando itens em ComboBox e gravando os dados no

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI - UTILIZANDO OPENDIALOG PARA ARMAZENAR IMAGENS EM BANCO DE DADOS Criaremos uma solução simples para criar

Leia mais

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase.

Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Sistema básico de cadastro em Delphi com banco de dados InterBase. Nesta apostila vamos abordar o uso do banco de dados Interbase e o acesso nativo com os componentes da paleta InterBase do Delphi, eu

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 1 Em qualquer profissão é importante que se conheça bem as ferramentas que serão usadas para executar o trabalho proposto. No desenvolvimento de software não é

Leia mais

Banco de Dados. PostgreSQL

Banco de Dados. PostgreSQL Banco de Dados PostgreSQL 2010 Banco de Dados PostgreSQL Banco de Dados II Equipe: Equipe Postgre Líder: Alexandre Strauss... 01 Aline Cássia Lima dos Santos... 02 Erik Machado... 09 Fernando Gomes Brandão...

Leia mais

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Revisando sintaxes SQL e criando programa de pesquisa. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 5 SELECT * FROM Minha_memoria Revisando Sintaxes SQL e Criando programa de Pesquisa Ano:

Leia mais

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri

Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Professor Sérgio Furgeri OBJETIVOS DA AULA: Criação de uma base de dados em MS SQL Server e acesso com VB 6. Fazer uma breve introdução a respeito do MS SQL Server 7.0; Criar uma pequena base de dados no MS SQL Server 7.0; Elaborar

Leia mais

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 1 Levante e ande - Instalando o Lazarus e outros sistemas de suporte. Ano: 02/2011 Nesta Edição

Leia mais

Conexão nativa com banco de dados no Delphi

Conexão nativa com banco de dados no Delphi Conexão nativa com banco de dados no Delphi I N S T A L A N D O O Z E O S L I B Esta apresentação é parte da aula desenvolvida e ministrada pelo professor Leonardo Cabral larback aos alunos do 3º módulo

Leia mais

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo

Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Delphi 7 Aula 01 Área do Triângulo Prof. Gilbert Azevedo da Silva I. Objetivos Conhecer o Ambiente Integrado de Desenvolvimento (IDE) do Delphi 7, Desenvolver a primeira aplicação no Delphi 7, Aprender

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima

GUIA DE INSTALAÇÃO. Plataforma Windows. Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes da Silva, Tiago França Melo de Lima Laboratório de Engenharia e Desenvolvimento de Sistemas LEDS/UFOP Universidade Federal de Ouro Preto UFOP GUIA DE INSTALAÇÃO Plataforma Windows Relatório Técnico Versão 0.1 (201305032030) Leandro Gomes

Leia mais

Projeto Supermercado - Produtos

Projeto Supermercado - Produtos OBJETIVO: Este projeto possibilitará fazer a manutenção dos dados da tabela de Produtos. Didaticamente, ele permite ao programador iniciante ter os primeiros contatos com os objetos de visualização individual

Leia mais

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox.

Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. Inserindo Dados no Banco de Dados Paradox. - Construção do Banco de Dados: Para podermos inserir algo em um banco precisaremos de um Banco de Dados, para isto iremos montar um utilizando o Programa Database

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico

MANUAL DE INSTALAÇÃO. LSoft Ponto Eletrônico MANUAL DE INSTALAÇÃO LSoft Ponto Eletrônico SUPORTE TÉCNICO AO USUÁRIO: Atendimento On-line: www.lsoft.com.br E-Mail: suporte@lsoft.com.br (37) 3237-8900 Versão 1.0-2014. Todos os direitos reservados.

Leia mais

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar

ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar ETEC Dr. Emílio Hernandez Aguilar Grupo: Leonardo; Ronaldo; Lucas; Gustavo; Fabio. 2º Informática Tarde 2º Semestre de 2009 Introdução O PostgreSQL é um SGBD (Sistema Gerenciador de Banco de Dados) objeto-relacional

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express

Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Manual de Instalação e Configuração do SQL Express Data alteração: 19/07/11 Pré Requisitos: Acesse o seguinte endereço e faça o download gratuito do SQL SRVER EXPRESS, conforme a sua plataforma x32 ou

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI FORMULÁRIO COM ABAS E BUSCAS DE REGISTROS FORMULÁRIOS COM ABAS Trabalhar com abas (ou guias) é um recurso

Leia mais

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013)

Alternate Technologies Fevereiro/2013. FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 (Fevereiro/2013) FórmulaCerta Procedimentos para Atualização Versão 5.8 () 1 Sumário: PROCEDIMENTOS PARA ATUALIZAÇÃO VERSÃO 5.8... 4 ATUALIZAÇÃO DO SISTEMA VIA CD... 6 1º Passo Atualizações e Alterações da Versão 5.8...

Leia mais

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL

INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL INSTALANDO E CONFIGURANDO O MY SQL Este tutorial tem como objetivo mostrar como instalar o banco de dados My SQL em ambiente Windows e é destinado aqueles que ainda não tiveram um contato com a ferramenta.

Leia mais

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR - PROCON/SP MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SISTEMA

SECRETARIA DA JUSTIÇA E DEFESA DA CIDADANIA FUNDAÇÃO DE PROTEÇÃO E DEFESA DO CONSUMIDOR - PROCON/SP MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DO SISTEMA 1. INTRODUCÃO Este manual tem como objetivo orientar o usuário durante o processo de instalação do SIGA Sistema Global de Atendimento. 2 de 27 2. PRÉ-REQUISITOS DE INSTALAÇÃO

Leia mais

CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI

CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO CRIAÇÃO DE RELATÓRIOS EM DELPHI Relatórios são tão importantes quanto as consultas, com a vantagem de poder imprimir os valores armazenados nos Bancos

Leia mais

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características:

Para que o NSBASIC funcione corretamente em seu computador, você deve garantir que o mesmo tenha as seguintes características: Cerne Tecnologia www.cerne-tec.com.br Conhecendo o NSBASIC para Palm Vitor Amadeu Vitor@cerne-tec.com.br 1. Introdução Iremos neste artigo abordar a programação em BASIC para o Palm OS. Para isso, precisaremos

Leia mais

O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de recomendação).

O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de recomendação). Módulo Nota Fiscal Eletrônica Sispetro Roteiro de Instalação Módulo Autenticador NFE Pré-Requisitos O sistema operacional recomendado deve ser o Windows 2003, Windows 2000 ou Windows XP (nessa ordem de

Leia mais

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert...

Conteúdo O que é?... 4 Histórico... 4 Onde Baixar?... 4 Diferença entre Firebird e o Interbase... 4 Como instalar?... 4 Instalando o Ibexpert... Apostila FIREBIRD 1 Firebird Equipe: BARBARA CAROLINE SOUZA DE OLIVEIRA Nº 04 GUILHERME ROBERTO PINTO DE SOUZA Nº 16 JOSÉ ROSA MARTINS NETO Nº 22 RAFAEL ALVES DE SOUSA Nº 36 WELLINGTON COSTA SANTOS OLIVEIRA

Leia mais

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br

Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Moodle FTEC Versão 2.0 Manual do Usuário Acesse a área de LOGIN do site da FTEC www.ftec.com.br Índice Como acessar o Moodle Editando seu PERFIL Editando o curso / disciplina no Moodle Incluindo Recursos

Leia mais

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7

Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Guia de Atualização do Windows XP para Windows 7 Conteúdo Etapa 1: Saiba se o computador está pronto para o Windows 7... 3 Baixar e instalar o Windows 7 Upgrade Advisor... 3 Abra e execute o Windows 7

Leia mais

Instalação, configuração e manual

Instalação, configuração e manual Cardápio Moura Instalação, configuração e manual Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS no WINDOWS 8... 15 Windows 7...

Leia mais

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate

Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Criando uma aplicação Web em C# usando o NHibernate Apresento neste artigo como criar uma aplicação web totalmente orientada a objetos usando o framework NHibernate e a linguagem C#. Nossa meta é construir

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.2.2 18 de fevereiro de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é

Leia mais

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em

Utilizaremos a última versão estável do Joomla (Versão 2.5.4), lançada em 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de gestão de conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II)

AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) AULA 3 FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO, DE CORREIO ELETRÔNICO, DE GRUPOS DE DISCUSSÃO, DE BUSCA E PESQUISA (PARTE II) A seguir vamos ao estudo das ferramentas e aplicativos para utilização do correio

Leia mais

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho.

AMBIENTE. FORMULÁRIO: é a janela do aplicativo apresentada ao usuário. Considere o formulário como a sua prancheta de trabalho. DELPHI BÁSICO VANTAGENS Ambiente de desenvolvimento fácil de usar; 1. Grande Biblioteca de Componentes Visuais (VCL - Visual Component Library), que são botões, campos, gráficos, caixas de diálogo e acesso

Leia mais

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011

Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL. Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL Prof. Vitor H. Migoto de Gouvêa Colégio IDESA 2011 Edição 2 Pedreiros da Informação Criando Banco de Dados, Tabelas e Campos através do HeidiSQL

Leia mais

Atualizando do Windows XP para o Windows 7

Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizando do Windows XP para o Windows 7 Atualizar o seu PC do Windows XP para o Windows 7 requer uma instalação personalizada, que não preserva seus programas, arquivos ou configurações. Às vezes, ela

Leia mais

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato

Introdução ao X3. Exercício 1: Criando um registro de Contato Introdução ao X3 Exercício 1: Criando um registro de Contato Inicie por adicionar um novo registro de Contato. Navegue para a tabela de Contato clicando na aba de Contato no alto da página. Existem duas

Leia mais

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 )

SCPIWeb. SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) 2010 SCPIWebDespRec Aplicação Web para Consulta de Despesas e Receitas ( Lei Complementar nº 131 de 27 Maio de 2009 ) SCPIWebCotacao Aplicação Web para Cotação de Preços via Internet Resumo de Instruções

Leia mais

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR)

PROJECT 1 Delphi Project (Extensão. DPR) CAPÍTULO2 1. A ESTRUTURA DE UM APLICATIVO Quando iniciamos uma aplicação em Delphi ele interpreta que iremos desenvolver um projeto. Este gerencia um conjunto de recursos como Forms, Units, objetos, funções

Leia mais

Criação Visual de Consultas. Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.

Criação Visual de Consultas. Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu. Criação Visual de Consultas Curso: Técnico em Informática (Integrado) Disciplina: Banco de Dados Prof. Abrahão Lopes abrahao.lopes@ifrn.edu.br Introdução A complexidade dos sistemas informatizados atuais

Leia mais

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005

Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Nome Número: Série Aula Extra Conexão ODBC para aplicações Delphi 7 que usam SQL Server 2005 Proposta do projeto: Competências: Compreender a orientação a objetos e arquitetura cliente-servidor, aplicando-as

Leia mais

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android

Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Cadastro de Orçamento Utilizando Tablet Android Instalação, configuração e manual 1 Conteúdo Instalação... 4 Requisitos mínimos... 4 Windows 8... 5 Instalação do IIS no Windows 8... 5 Configuração do IIS

Leia mais

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO

ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO ETEC DR. EMÍLIO HENRNANDEZ AGUILAR PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES II PROFESSOR RAFAEL BARRETO DELPHI CRIANDO UMA AUTENTICAÇÃO DE USUÁRIO UTILIZANDO O COMPONENTE QUERY A autenticação de usuários serve para

Leia mais

Guia de Instalação. NSi AutoStore TM 6.0

Guia de Instalação. NSi AutoStore TM 6.0 Guia de Instalação NSi AutoStore TM 6.0 SUMÁRIO PREREQUISITES... 3 INSTALLATION: UPGRADING FROM AUTOSTORE 5.0... 4 INSTALLATION: NEW INSTALLATION... 8 LICENSING... 17 GETTING STARTED... 34 2012 Notable

Leia mais

ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO

ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO ANEXO 01 GUIA PASSO A PASSO Conteúdo 1 TELA DE ACESSO... 3 1.1 Enviar e-mail... 4 2 INTEGRANDO CONTAS COM OUTLOOK... 5 3 DREAMSPARK... 6 4 SKYDRIVE... 12 4.1 Organização do ambiente criar pastas... 13

Leia mais

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi

Índice. Tutorial para Desenvolvimento de Conduits em Delphi Índice Índice...1 Desenvolvendo Conduits...2 (Passo a Passo)...2 Criando um Arquivo.mdb... 2 Arquivos...6 Instalando os componentes... 7 Recompilando os Comonentes do Delphi...13 Configurando a Conexão

Leia mais

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1

Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 Manual do Teclado de Satisfação Local Versão 1.4.1 26 de agosto de 2015 Departamento de Engenharia de Produto (DENP) SEAT Sistemas Eletrônicos de Atendimento 1. Introdução O Teclado de Satisfação é uma

Leia mais

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA

Impressão e Fotolito Oficina Gráfica da EDITORA VIENA. Todos os direitos reservados pela EDITORA VIENA LTDA Autores Karina de Oliveira Wellington da Silva Rehder Consultores em Informática Editora Viena Rua Regente Feijó, 621 - Centro - Santa Cruz do Rio Pardo - SP CEP 18.900-000 Central de Atendimento (0XX14)

Leia mais

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server

Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Segurança de Acesso a Banco de Dados no MS SQL Server Para efetuar com sucesso os exemplos que serão mostrados a seguir é necessário que exista no SQL Server uma pessoa que se conecte como Administrador,

Leia mais

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1

Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Guia: Manual de instalação do Sophos SafeGuard Enterprise 6.00.1 Data do Documento: novembro de 2012 1 Conteúdo 1. Sobre este manual... 3 2. Requisitos de Sistema...

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Iniciando o MySQL Query Brower

Iniciando o MySQL Query Brower MySQL Query Brower O MySQL Query Browser é uma ferramenta gráfica fornecida pela MySQL AB para criar, executar e otimizar solicitações SQL em um ambiente gráfico. Assim como o MySQL Administrator foi criado

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. Guia de Instalação do SolidWorks 2009 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2009. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

PostgreSQL 9.4 Primeiros Passos no Microsoft Windows

PostgreSQL 9.4 Primeiros Passos no Microsoft Windows www.masiena.com.br marcio@masiena.com.br masiena@hotmail.com PostgreSQL 9.4 Primeiros Passos no Microsoft Windows Uma das maiores dificuldades quando se começa a trabalhar com qualquer software é dar os

Leia mais

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador.

O programa Mysql acompanha o pacote de instalação padrão e será instalado juntamente com a execução do instalador. - INTRODUÇÃO O Programa pode ser instalado em qualquer equipamento que utilize o sistema operacional Windows 95 ou superior, e seu banco de dados foi desenvolvido em MySQL, sendo necessário sua pré-instalação

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa

Manual do Usuário. Sistema Financeiro e Caixa Manual do Usuário Sistema Financeiro e Caixa - Lançamento de receitas, despesas, gastos, depósitos. - Contas a pagar e receber. - Emissão de cheque e Autorização de pagamentos/recibos. - Controla um ou

Leia mais

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães

ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães ASP.NET 2.0 - Visual Studio 2005 (Whidbey) Ramon Durães O ASP.NET que é a camada de desenvolvimento de aplicações web da plataforma.net vem agradando em muito os desenvolvedores de todo o mundo desde o

Leia mais

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010.

INTRODUÇÃO. A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. Guia de Instalação do SolidWorks 2010 INTRODUÇÃO A SKA preparou este documento técnico com o objetivo de auxiliar seus clientes a realizar a instalação do SolidWorks 2010. O SolidWorks pode ser instalado

Leia mais

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS

INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS INSTALAÇÃO DO SISTEMA CONTROLGÁS 1) Clique duas vezes no arquivo ControlGasSetup.exe. Será exibida a tela de boas vindas do instalador: 2) Clique em avançar e aparecerá a tela a seguir: Manual de Instalação

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Kerio Exchange Migration Tool

Kerio Exchange Migration Tool Kerio Exchange Migration Tool Versão: 7.3 2012 Kerio Technologies, Inc. Todos os direitos reservados. 1 Introdução Documento fornece orientações para a migração de contas de usuário e as pastas públicas

Leia mais

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes)

Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) Guia de Utilização do Microsoft Dynamics CRM (Gestão de Relacionamento com Clientes) 1. Sobre o Microsoft Dynamics CRM - O Microsoft Dynamics CRM permite criar e manter facilmente uma visão clara dos clientes,

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso Este Manual destina-se ao usuário do sistema Smart Manager. É proibida a duplicação ou reprodução, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou qualquer meio, sem

Leia mais

Manual. Pedido Eletrônico

Manual. Pedido Eletrônico Manual Pedido Eletrônico ÍNDICE 1. Download... 3 2. Instalação... 4 3. Sistema de Digitação SantaCruz... 8 3.1. Configuração... 8 4. Utilização do Sistema Digitação SantaCruz... 11 4.1. Atualizar cadastros...11

Leia mais

Instalação TotvsServiceSped

Instalação TotvsServiceSped Instalação TotvsServiceSped ÍNDICE INSTALAÇÃO PRODUTO TOTVSSERVICESSPED - NFE... 1 INSTALAÇÃO DO TOPCONNECT... 2 1. Configuração da conexão com o Banco de Dados... 7 1.1. SQL Server... 7 1.2. Informix...

Leia mais

Com criar relatório no Report Services do Microsoft SQL Server 2008 R2 integrado com o

Com criar relatório no Report Services do Microsoft SQL Server 2008 R2 integrado com o Com criar relatório no Report Services do Microsoft SQL Server 2008 R2 integrado com o SisMoura Objetivo Configurar o Reporting Services Como criar relatórios Como publicar relatórios Como acessar os relatórios

Leia mais

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral

Índice. Manual Backup Online. 03 Capítulo 1: Visão Geral Índice 03 Capítulo 1: Visão Geral 04 Capítulo 2: Conta de Usuário 04 Criação 08 Edição 09 Grupo de Usuários 10 Informações da Conta 12 Capítulo 3: Download do Backup Online Embratel 16 Capítulo 4: Cópia

Leia mais

Excel 2010 Modulo II

Excel 2010 Modulo II Excel 2010 Modulo II Sumário Nomeando intervalos de células... 1 Classificação e filtro de dados... 3 Subtotais... 6 Validação e auditoria de dados... 8 Validação e auditoria de dados... 9 Cenários...

Leia mais

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2

Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Preparando o Ambiente e Instalando o System Center Configuration Manager 2012 R2 Artigo escrito por Walter Teixeira wteixeira.wordpress.com Sumário Cenário Proposto... 3 Preparação do Servidor SQL Server

Leia mais

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql

Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Universidade Federal de Mato Grosso-UFMT Sistemas de Informação Laboratório de Programação Visual Prof. Clóvis Júnior Front-End Uso da Linguagem Turbo Delphi para Acesso ao Banco de Dados Mysql Estrutura

Leia mais

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO

Manual de Usuário do UnB Webmail Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Destinado aos usuários de e-mail da Universidade de Brasília MODO DINÂMICO Elaboração: Equipe de Suporte Avançado do CPD SA/SRS/CPD/UnB suporte@unb.br Universidade de Brasília Brasília / 2014 Resumo A

Leia mais

Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna

Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna Guia de informações sobre os pré-requisitos para implantação do sistema Varuna Varuna Tecnologia Ltda. Av. Antônio Olímpio de Morais, 545 - Sala 1305. Centro. Divinópolis, MG. suporte@varuna.com.br 37

Leia mais

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0

Índice. http://www.gosoft.com.br/atualiza/gosoftsigadmservico.pdf Versão 4.0 Índice I ENVIO DE BOLETOS POR E-MAIL... 2 APRESENTAÇÃO... 2 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO... 4 ALTERAÇÕES NO SIGADM IMÓVEIS... 6 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONCILIAÇÃO BANCÁRIA... 8 ALTERAÇÕES NO SIGADM CONDOMÍNIO

Leia mais

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados

Manual de Instalação do Facilite e Configuração do Banco de Dados Pagina 1 Titulo do Manual [Parâmetros Gerais] Elaboração [Ricardo Francisco Mizael] Versão 1.1 Data Elaboração 01/08/2011 Paginas 33 Data Revisão 25/11/2011 Pagina 2 Conteúdo do Manual Apresentação...3

Leia mais

5 O Joomla: Web Apache Banco de Dados MySQL http://www.joomla.org/ - 55 -

5 O Joomla: Web Apache Banco de Dados MySQL http://www.joomla.org/ - 55 - 5 O Joomla: O Joomla (pronuncia-se djumla ) é um Sistema de Gestão de Conteúdos (Content Management System - CMS) desenvolvido a partir do CMS Mambo. É desenvolvido em PHP e pode ser executado no servidor

Leia mais

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas

GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas GerNFe 1.0 Manual do usuário Página 1/13 GerNFe 1.0 Sistema de Gerenciador de Notas Fiscais Eletrônicas O programa GerNFe 1.0 tem como objetivo armazenar em local seguro e de maneira prática para pesquisa,

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

DRIVE CONTÁBIL NASAJON

DRIVE CONTÁBIL NASAJON DRIVE CONTÁBIL NASAJON Módulo Gestão de Documentos Versão 1.0 Manual do Usuário 1 Sumário Os Módulos do Gerenciador de NFe: Informações Básicas Primeiro Acesso: Requisitos Acesso ao Drive Contábil Nasajon

Leia mais

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos

Memória Flash. PdP. Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006. Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos TUTORIAL Memória Flash Autor: Tiago Lone Nível: Básico Criação: 11/12/2005 Última versão: 18/12/2006 PdP Pesquisa e Desenvolvimento de Produtos http://www.maxwellbohr.com.br contato@maxwellbohr.com.br

Leia mais

PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7

PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 PostgreSQL & PostGIS: Instalação do Banco de Dados Espacial no Windows 7 Sobre o PostGIS PostGIS é um Add-on (complemento, extensão)

Leia mais

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico

MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico MANUAL PARA USO DO SISTEMA GCO Gerenciador Clínico Odontológico O GCO é um sistema de controle de clínicas odontológicas, onde dentistas terão acesso a agendas, fichas de pacientes, controle de estoque,

Leia mais

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL

Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Programação Orientada a Objetos com PHP & MySQL Sistema Gerenciador de Banco de Dados: Introdução e configuração de bases de dados com Postgre e MySQL Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando nossas aulas sobre

Leia mais

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2

SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 SUMÁRIO 1. AULA 7 INTRODUÇÃO À REDES PONTO A PONTO = PARTE 1:... 2 1.1 Introdução... 2 1.2 Montando Redes Ponto-a-Ponto... 3 1.2.1 Parte lógica... 3 1.2.2 Escolhendo o sistema operacional... 3 1.2.3 Instalação

Leia mais

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II

Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Microsoft Visual Studio 2010 C# Volume II Apostila desenvolvida pelos Professores Ricardo Santos de Jesus e Rovilson de Freitas, para as Disciplinas de Desenvolvimento de Software I e II, nas Etecs de

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Compartilhamento de Arquivos no Google Drive Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução...

Leia mais

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3

Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 AULA Conhecendo o Visual FoxPro 8.0 Parte 3 Continuando nossa saga pelas ferramentas do Visual FoxPro 8.0, hoje vamos conhecer mais algumas. A Ferramenta Class Designer A Class Designer é a ferramenta

Leia mais

Este guia foi escrito para ajudar os administradores de sistema ou qualquer um que usa o Avast Small Office. 1.0 Requisitos do sistema...

Este guia foi escrito para ajudar os administradores de sistema ou qualquer um que usa o Avast Small Office. 1.0 Requisitos do sistema... Este guia foi escrito para ajudar os administradores de sistema ou qualquer um que usa o Avast Small Office. 1.0 Requisitos do sistema... 3 1.1 Console de Administração Small Office... 3 1.2 Gerenciamento

Leia mais

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010.

Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Manual de Configuração Este documento consiste em 48 páginas. Elaborado por: Innova Tecnologia de Soluções. Liberado em Janeiro de 2010. Impresso no Brasil. Sujeito a alterações técnicas. A reprodução

Leia mais

Manual de Instalação Versão 1.0

Manual de Instalação Versão 1.0 Análise de Custos Análise da Sinistralidade e Rentabilidade Estatísticas Cadastrais Meta Referencial Performance da Rede Credenciada Atenção à Saúde Manual de Instalação Versão 1.0 Centro Empresarial das

Leia mais

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B

Guia de administração. BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange. Versão: 4.1 Service pack: 4B BlackBerry Professional Software para Microsoft Exchange Versão: 4.1 Service pack: 4B SWD-313211-0911044452-012 Conteúdo 1 Gerenciando contas de usuários... 7 Adicionar uma conta de usuário... 7 Adicionar

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características...5 Configuração necessária para instalação...6 Conteúdo do CD de Instalação...7 Instruções para Instalação...8 Solicitação da Chave de Acesso...22 Funcionamento em Rede...26

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com.

A.S. Sistemas Rua Prof. Carlos Schlottfeldt, 10A Clélia Bernardes Viçosa MG CEP 36570-000 Telefax: (31) 3892 7700 dietpro@dietpro.com. Sumário Principais Características... 5 Configuração necessária para instalação... 6 Conteúdo do CD de Instalação... 7 Instruções para Instalação... 8 Solicitação da Chave de Acesso... 22 Funcionamento

Leia mais