IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA"

Transcrição

1 IX SEPOPE 23 a 27 de maio de 2004 May, 23 th to 27 rd 2004 Rio de Janeiro (RJ) Brasil IX SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA IX SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING SP 151 Interligações de Sistemas Elétricos através de Elos HVDC John Graham* Geir Biledt Jan Johansson ABB Brasil ABB Brasil ABB Suécia Abstrato: São várias as razões para se fazer interligação de sistemas elétricos assíncronos. O presente estudo discute estas razões e como elas influenciam na escolha da tecnologia para a interligação. Os motivos para interligações de sistemas elétricos incluem as diferenças da demanda (diária ou sazonal), desequilíbrio entre geração e carga, otimização das reservas de capacidade de geração, créditos de CO2 e as diferenças de preço de energia. Apresentamos aqui exemplos de projetos, desde a década de 1970 até o presente, que demonstram estas razões. A escolha de corrente continua (HVDC) para manter os sistemas assíncronos é aqui discutida, bem como a escolha do tipo de tecnologia. Vale notar que são as interligações de sistemas elétricos que estão sob discussão e não a conexão de geração remota. Dentre as considerações estão a dimensão da interligação e a escolha da tecnologia HVDC. A escolha da tecnologia abrange a transmissão HVDC clássica, conversores comutados a capacitores (CCC), conversores de fonte de tensão, em combinação com opções de linhas aéreas, cabos e back-to-back com linhas ac. Os méritos técnicos das várias soluções são comparados e discutidos com relação a cada tipo de aplicação. Palavras-chave: interligações, transmissão de energia, HVDC, CCC, conversores comutados a capacitores, VSC, PWM, Assíncrono, HVDC Light, corrente continua 1. Introdução São várias as razões para se fazer interligações de sistemas elétricos, inclusive as diferenças da demanda (diária ou sazonal), desequilíbrio entre geração e carga, otimização das reservas de capacidade de geração, créditos de CO2 e as diferenças de preço de energia. Antigamente, as pequenas concessionárias, geralmente integradas verticalmente, eram conectadas com seus vizinhos por meio de extensão dos sistemas ac, para um melhor aproveitamento de seus recursos. Estas interconexões eram de extensão geográfica limitada e seguiam oportunidades locais. Entretanto, ao final da década de 1950 e nos anos 1960, as tecnologias de transmissão já haviam sido desenvolvidas de forma a permitir interligações entre maiores distâncias e com maior potência. Estas tecnologias, na maioria tensões HVAC mais altas, acopladas a compensação série e HVDC, foram, em grande parte, desenvolvidas para a conexão de geradoras hidrelétricas remotas, mas serviam também para a interconexão de sistemas elétricos, incluindo o uso de cabos submarinos. Naquela época, os avanços concentravam-se mais na América do Norte e Europa, mas logo alcançaram outras áreas do globo. É interessante notar que as fronteiras síncronas destes sistemas elétricos, se tal definição for válida, não seguiram necessariamente as fronteiras políticas. Na América do Norte, estes sistemas síncronos tendem a ser no sentido Norte - Sul, freqüentemente motivados pelas geradoras hidrelétricas existentes. Já na Europa, onde se desenvolveu uma área síncrona mais emaranhada, as interligações foram feitas ou através de cabos submarinos HDVC para travessias marítimas ou de conversores back-to-back para a rede da Europa Oriental. Durante a década de 1990, tanto a América do Norte como a Europa, e também outras partes do mundo, iniciaram um processo para desmembrar as concessionárias integradas verticalmente em companhias separadas de geração, transmissão e distribuição, bem como introduzir novos agentes, tais como corretores, profissionais de marketing de energia, etc. Este processo teve como objetivo aumentar a concorrência, reduzindo assim o preço ao consumidor, o que, porém, tem colocado maior carga nos sistemas de

2 transmissão. O comércio de eletricidade começou a atingir maiores distâncias e percorrer rotas não consideradas à época do planejamento das redes. Isto acarretou congestionamento no fluxo de energia e fluxos de paralelas através de caminhos indesejáveis, muitas vezes não envolvendo as partes comerciais. Embora congestionamento na transmissão e fluxos indesejáveis de energia não sejam um problema novo, eles certamente tornam-se mais aparentes com o livre acesso e o comércio. Além disso, podemos dizer que na América do Norte e Europa, a implantação de novas interconexões não acompanhou o ritmo de tais desenvolvimentos. Enquanto isto, em outras partes do mundo, em regiões com um maior desenvolvimento de carga, as interligações estavam se desenvolvendo tanto em ambientes liberais, quanto em ambientes planejados centralmente. Destacamos aqui a Argentina, Austrália, Brasil, China e Índia, que serão mencionados posteriormente. Este estudo discute as razões para o uso de HVDC para interligações de sistemas elétricas, porém é importante lembrar que estas interligações operam em um ambiente predominantemente de transmissão ac. Interligações HVDC são utilizadas tanto dentro dos limites das áreas síncronas, como também para integrálas, competindo, portanto, com EHVAC, que dispõe de vários dispositivos modernos que asseguram seu desempenho satisfatório. Uma das notáveis interligações ac é o elo brasileiro Norte Sul, que conecta duas grandes áreas e usa um alto nível de compensação série, inclusive capacitores séries, controlados por tiristores [1]. 2. Por quê HVDC? Tendo apontado acima que a maioria dos sistemas de transmissão de energia está utilizando com incontestável sucesso EHVAC, cabe-nos perguntar em quais as circunstâncias deveríamos então usar HVDC. Nos casos de longas distâncias, sejam terrestres ou submarinas, uma das questões é de ordem econômica, a questão de economizar em linhas ou cabos a fim de cobrir os aumentos dos custos das estações. Entretanto, isto é, muitas vezes, um problema secundário, com relação a outras considerações, tais como impacto no meio ambiente ou a controlabilidade de HVDC. Quando se trata de distâncias mais curtas, inclusive zero, como no caso de conversores back-to-back (BtB), é a controlabilidade que confere a vantagem decisiva para o uso de HVDC. Esta vantagem pode ser usada para a solução de qualquer um dos inúmeros desafios encontrados com a utilização de HVDC: 2.1 Permite interligação de sistemas, utilizando características de ajustes de potência/freqüência não compatíveis com conexão síncrona. 2.2 Impede fluxos indesejáveis em linhas de transmissão ac paralelas. 2.3 Controla intercâmbios, possivelmente com sinais adicionais, para garantir que as margens de estabilidade do sistema sejam mantidas. 2.4 Controla o fluxo de energia e evita a sobrecarga, prevenindo disparos em cascata, restringindo assim falhas do sistema em condições de contingência multipla. 2.5 Restringe a potência de curto-circuito. 2.6 Faz a conversão de freqüência. 2.7 Fornece suporte de potência reativa para linhas ac longas, nos casos de emprego de CCC (Capacitor Commutated Converters) ou VSC (Voltage Source Converters ou HVDC Light). 2.8 Evita colapso de tensão, através de suporte reativo dinâmico, que aumenta as margens de estabilidade, nos casos de HVDC Light. 2.9 Oferece capacidade de Black Start ou alimentação de carga passiva, nos casos de HVDC Light As vantagens técnicas acima, quando somadas às vantagens de ordem econômica e ambiental oferecidas por linhas ou cabos de custos mais baixos, redução de faixas de servidão e níveis mais baixos de campos eletromagnéticos, induziram aos sistemas examinados abaixo. A América do Norte, dividida em várias áreas síncronas, pode ser considerada como interligada principalmente por elos back-to-back, com linhas de transmissão HVDC dentro das áreas síncronas. A principal exceção é o elo entre a Hydro Quebec e a Nova Inglaterra, descrito abaixo. Fig. 1 Interligações HVDC na América do Norte É interessante notar que a o elevado número de elos HVDC na região nordeste permaneceu em serviço durante o enorme blecaute de agosto 2003, mantendo o fornecimento contínuo para a região [2]. Outras grandes áreas geográficas com o mesmo padrão de desenvolvimento, mas sob regimes regulamentares

3 bastante diferentes, também são de interesse. Podemos olhar para a China com a sua acelerada exigência de energia e verificar que existe ainda uma tendência a manter áreas síncronas, interligadas por HVDC [3]. NWG CG SG NCG ECG Fig.2 Estrutura de Grade Proposta na China Atualmente, interligações HVDC de linhas longas são usadas para a transmissão de energia em regiões com grande capacidade hidrelétrica, com uma proposta de conexões back-to-back para necessidades comerciais futuras. Enquanto a China parece ter optado por cinco estruturas de grade síncronas, a Índia, por sua vez, possui quatro e está no processo de avaliação de como aumentar a capacidade de transmissão entre estas áreas. 3. Longa Distância 3.1 Clássica, durável Uma interligação HVDC de longa distância, particularmente significativa, é a Pacific Intertie, construída na década de 1960 usando válvulas a arco de mercúrio, mas, atualmente, passando por uma série de upgrades e aumentos de capacidade. A mais recente é o projeto Sylmar Replacement, que visa reduzir os custos de operação e manutenção, melhorar a segurança de desempenho e a capacidade de suportabilidade sísmica, desafogar propriedades rurais e substituir equipamentos obsoletos com tecnologia de menor impacto ambiental [4]. A tensão atual é de 3100 MW em linha simples bipolar ± 500 kv. Esta interligação está dentro de uma área síncrona e a escolha foi de HVDC, tanto por razões econômicas como técnicas. A distância, cerca de 1360 km, fica bem acima daquela necessária à economia de linhas, porém, o uso de HVDC oferece vantagens adicionais, por impedir fluxos paralelas e aumentar estabilidade do sistema. 3.2 Multi-terminal Na América do Norte, é também de especial interesse a transmissão multi-terminal da Hydro Quebec para a Nova Inglaterra. Ela utiliza HVDC devido à economia em transmissão de longa distância, além da travessia da fronteira assíncrona da Província de Quebec, no Canadá, para o Nordeste dos EUA. Fig. 4 HQ Interligação HVDC na Nova Inglaterra Com dois terminais no Canadá e um nos EUA, nas proximidades de Boston, pode-se comprovar, na prática, o uso de transmissão multi-terminal, a fim de conferir uso flexível da capacidade de conversão [5]. Fig. 3 Interligações HVDC na Índia 3.3 Clássico Moderno Para dar um exemplo de uma grande transmissão, que faz uso dos últimos desenvolvimentos em tecnologia de alta potência, precisamos recorrer à China. O Projeto de Transmissão DC de 3000 MW Three Gorges - Changzhou ± 500 kv, uma transmissão bipolar que possui um conversor por polo, está agora em operação [6]. O elo HVDC está projetado para potencia contínua de 2x1500 MW. Ele possui capacidade de

4 sobrecarga para temperaturas abaixo dos valores máximos especificados, com equipamento de resfriamento redundante em serviço. O elo bipolar tem uma capacidade de sobrecarga contínua de 3480 MW e capacidade de sobrecarga de 5 segundos de 4500 MW. Um conversor de doze pulsos por polo é usado com transformadores conversores de tipo monofásico de dois enrolamentos, proporcionando um esquema de válvula dupla para o projeto otimizado. Fig (5): Estação Conversora Longquan (Three Gorges). O elo bipolar HVDC possui três módulos para possíveis conexões, bipolar, retorno-terra monopolar, e retorno-metálico monopolar. Com o propósito de minimizar blecautes bipolares, o sistema HVDC pode operar com correntes bipolares balanceadas, utilizando as malhas de terra das estações conversoras como aterramento temporário, enquanto os eletrodos de terra ou suas linhas estiverem inoperantes. Uma transmissão de 3000 MW semelhante, para Guangdong, no Sul da China, deverá entrar em operação comercial no decorrer do presente ano. 3.4 ± 600 kv ou mais É interessante notar que todos os projetos mencionados acima utilizam tensão de linha de ± 500 kv, ao passo que a transmissão HVDC de Itaipu, em operação desde 1984, usa ± 600 kv para transmitir 3150 MW por bipolo. [7]. O desempenho deste projeto tem sido excelente e, portanto, a eficiência do uso de ± 600 kv agora já está comprovada. Dadas as tendências atuais dos projetos de conversores, associadas aos custos de linha de transmissão e o valor econômico das perdas resistivas, parece razoável esperar que ± 600 kv sejam usados novamente para projetos de linhas de transmissão aéreas. Além disso, aumentando-se a tensão para ± 750 kv, torna-se possível transmitir 5000 MW em uma linha monofásica bipolar. As aplicações para o uso de tensão tão alta estão em estudo na Índia, China e outros países, para transmissões de longa distância, km. 4. Back-to-Back 4.1 Clássico Conversores HVDC back-to-back (BtB) estão sendo utilizados, desde a década de 1960, para conectar sistemas assíncronos. O mais antigo conversor de freqüência é Sakuma, no Japão, de 300 MW que foi construído com válvulas de arco de mercúrio e, posteriormente reconstruído com tiristores. Com o largo uso de válvulas tiristores na década de 1970, os conversores BtB passaram a ser amplamente utilizados para conectar sistemas, nos quais uma ligação síncrona não era tecnicamente possível, principalmente na América do Norte. Figura 1 mostra estes conversores, a maioria dos quais tem uma potência inferior a 500 MW. Estes conversores foram construídos para permitir a travessia de fronteiras assíncronas e com o decorrer do tempo, passaram a ser mais desenvolvidos. 4.2 O Conceito CCC / ConTune Embora os conversores BtB clássicos continuem a ser usados em interligações, questões técnicas mais exigentes têm levado a um número considerável de novos desenvolvimentos. Para conversores comutados a linhas, o uso de capacitores de comutação (CCC) garante desempenho seguro, com nível de potência de curto-circuito muito baixo nos pontos de conexão. A tecnologia CCC, que emprega capacitores séries, localizados entre os transformadores e as válvulas, pode ser empregada para qualquer conversor comutado a linhas e, ela poderia vir a ser muito útil também para cabos longos. Entretanto, até o presente, esta tecnologia só tem sido aplicada em BtBs, mais recentemente em Rapid City, South Dakota, EUA [8]. Conversores BtB tendem a ser usados nas extremidades mais remotas de sistemas síncronos, pois é aí que as distâncias da interligação são mais curtas, porém com baixos níveis de curto-circuito. Também linhas ac longas fazem exigências severas de desempenho do conversor. Como os capacitores de comutação atendem às exigências de potência reativa do conversor, ou até mesmo fornecem potência reativa ao sistema ac, os filtros de harmônicos só podem ter sua capacidade mínima definida pelas exigências do desempenho. Isto reduz exigências de freqüência fundamental, tais como rejeição de carga e sobretensões de carga ou flutuações de tensão. O ConTune emprega filtros de harmônicos ativamente ajustados, permitindo uma capacidade de freqüência fundamental muito baixa e, e em conjunto com CCC, evita chaveamento de filtros ao longo de toda a faixa de operação do conversor.

5 Fig. (6): Condições de potência reativa para um conversor convencional típico e para um CCC. Com o intuito de demonstrar estas vantagens, tomamos o exemplo da Estação Conversora Garabi de 2200 MW, a Interligação Argentina Brasil. Embora estes conversores atendam a tarefa de conversão de freqüência, eles operam em condições de potência baixa de curto-circuito e têm linhas de transmissão ac de 500 kv de radial longo, especialmente no lado brasileiro de 60 Hz. A primeira fase do Projeto Garabi entrou em operação em junho 2000 e a segunda em agosto 2002, atingindo uma capacidade de conversão total de 2200 MW. Ambas as fases são semelhantes, empregando os conversores modulares back-to-back com Conversores Comutados a Capacitores (CCC) e filtros ConTune. São em total quatro blocos conversores, cada um deles de 550 MW. Entretanto, o capacidade de freqüência fundamental dos filtros shunt associados a cada bloco é de apenas 85 Mvar. Ambas as fases ligam as redes de 500 kv do Brasil e Argentina através de linhas de transmissão de 500 kv, com quase 500 km de extensão cada, indo da subestação de Rincón de Santa Maria, próxima a Yacyretá, na Argentina, até a subestação de Itá, no Brasil. Fig. (7): Válvulas Modulares e Capacitores CCC A Estação Garabi fica no Brasil, próxima à fronteira com a Argentina [9]. Os dois sistemas elétricos são bastante grandes e, no entanto, estão conectados em pontos relativamente fracos de suas redes. O Sistema Integrado (SADI) da Argentina tem uma capacidade instalada de aproximadamente MW. Entretanto, a subestação Rincón de Santa Maria fica no extremo nordeste e, embora junte-se à estação geradora Yaciretá, ela pode ter uma capacidade de curto-circuito relativamente baixa. Isto pode variar entre 9000 e 3000 MVA, dependendo do número de geradores conectados em Yaciretá. Esta situação tem sido mantida inalterada entre as duas fases da interligação. O ponto de alimentação para o sistema integrado S/SE do Brasil foi definido na subestação Itá de 500 kv para a compra de energia. O sistema integrado brasileiro tem uma capacidade instalada de MW, mas a subestação Itá fica na extensão sul, bastante distante de qualquer grande geradora, embora uma usina de 1450 MW esteja agora online, com um gerador de 290 MW operando desde a entrada em operação da fase dois. Na época programada para operação comercial da fase um, a capacidade de curto-circuito em Itá estava calculada em aproximadamente 6000 MVA, caindo para 3500 MVA sob condições de contingência. Porém, com a entrada em operação da fase dois, o nível agora é de 1200 MVA, caindo para 5000 MVA sob as piores condições de contingência. 5. HVDC Light HVDC Light é uma tecnologia recente, que utiliza VSC (Voltage Source Converters) ao invés de conversores comutados de linha, como exposto acima. A transmissão HVDC convencional emprega conversores corrente-fonte comutados de linha, que exigem uma fonte de tensão síncrona para poder operar. O processo de conversão exige potência reativa de filtros, bancos de shunt ou capacitores CCC, que fazem parte da estação conversora. Qualquer excesso ou escassez de potência reativa terá que ser acomodada pelo sistema ac. HVDC Light evita a ocorrência de tais exigências, além de oferecer outras vantagens, devido a sua possibilidade de controlar independentemente tanto a potência ativa, como a reativa A teoria de conversores de fonte de tensão é bem conhecida, mas somente com o desenvolvimento de semi-condutores de custo relativamente efetivo, com capacidade de desligar a corrente (current turn off) é que passou a ser possível utilizá-los em sistemas de transmissão. HVDC Light emprega transistores IGBTs (Insulated Gate Bipolar transistors), além de outros importantes desenvolvimentos tecnológicos: Válvulas de alta tensão com IGBTs em série. Capacitores de alta tensão, compacto, seco. Sistema de controle de alta capacidade Cabo DC de dielétrico sólido.

6 Nos esquemas de transmissão HVDC Light descritos abaixo, a comutação das válvulas IGBT segue o padrão PWM (pulse width modulation). Esta capacidade de controle de comutação permite ajustes simultâneos em toda a amplitude e ângulo de fase da tensão AC de saída do conversor com DC constante [10]. 176 km de cabo terrestre, considerado o sistema de transmissão subterrânea mais longo do mundo. Após o enorme blecaute de agosto 2003, uma resolução federal autorizou, pela primeira vez, o uso do Cross Sound Cable Interconnector. A interligação foi em grande parte responsável pelo sucesso de reabastecimento de energia para centenas de milhares de usuários em toda Long Island [11]. E, boa parte deste sucesso vem da capacidade de controle independente de potência reativa, ao mesmo tempo fornecendo potência ativa para uma rede muito fraca. Fig (8): PWM e tensão de freqüência fundamental em um Conversor de Fonte de Tensão. Com estas duas variáveis de controle independentes, potências ativa e reativa podem ser controladas separadamente, reativo sendo independente também em cada estação. Isto permite as Características P-Q mostradas na Fig (9) abaixo. Fig (10): Cross Sound, Shoreham station Em ambas as interligações, as vantagens para o meio ambiente e a facilidade de obter permissões desempenharam um importante papel na escolha de HVDC Light, tornando os projetos comercialmente viáveis. 6. Conclusões U = 1,1 pu U = 1,0 pu U = 0,9 pu Fig (9): HVDC Light Características P-Q Dois projetos HVDC Light recentes são os Cross Sound Cable Interconnector, Connecticut - Long Island, EUA e o Murraylink Interconnection, Victoria - Sul da Austrália. Ambos empregam tecnologia de modulação de pulsos com IGBT a ± 150 kv, acoplados a cabos dielétricos sólidos, mas possuem características diferentes, dependendo da localização e de diferentes ambientes. O Cross Sound Cable Interconnector é um cabo submarino de 40 km, ligando a parte continental dos EU a Long Island, com uma potência de 330 MW, que o torna o maior projeto VSC jamais existente. O projeto Murraylink Interconnection, 220 MW, tem Pelo exposto, podemos concluir que HVDC oferece inúmeras vantagens para interligações de sistemas elétricas, quer em áreas síncronas ou travessia de suas fronteiras assíncronas. Estas vantagens podem ser de ordem econômica, ambiental ou técnica. Nos dias de hoje, é particularmente importante a capacidade de controlar fluxo de energia para impedir a propagação de distúrbios graves, restringindo assim a extensão de blecautes. Esta capacidade de manter-se independente das redes interligadas pode ser de suma importância quando os dois sistemas têm procedimentos regulamentares diferentes, principalmente em caso de dois países diferentes e também em termos técnicos, se os regimes de controle de freqüência de carga não forem compatíveis. Estas propriedades são potencializadas com a utilização de HVDC Light, que oferece controle independente da potência reativa em ambas as estações, além do controle de fluxo de potência ativa. Juntamente com cabos enterrados a custos mais baixos, esta solução torna-se altamente atraente para muitos situações desafiadoras.

7 7. Bibliografia [1] C. Gama, L. Ängquist, G. Ingeström, M. Noroozian, Commissioning and Operative Experience of TCSC for Damping Power Oscillations in the Brazilian North-South Interconnection, CIGRÉ Biennial, Paris, [2] US Department of Energy, Blackout Summary - Draft 6b.doc, August 14, 2003 Outage Sequence of Events. [3] Z. Xiaoqian, D. Gongyang, G. Ricai: The Three Gorges power grid and its development, CIGRÉ Bienniel, 1998, Paris. [4] Michael P. Bahrman, HVDC Technologies The Right Fit for the Application, 2002 ABB Electric Utility Conference, Paper IV 3. [5] Y. Allard, D. Soulier, J. Cochrane, B. Railing, Multiterminal Operations Experience Hydro- Quebec-Nepool Phase-II HVDC, CIGRÉ SC14, International Colloquium on HVDC and FACTS, September 1995, Montreal, Canada. [7] A. Praça, H. Arakaki, S. R. Alves, K. Eriksson, J. Graham G. Biledt, Itaipu HVDC Transmission System, 10 Years Operational Experience, V SEPOPE, Recife, Brasil, May [8] Mike Bahrman, Ole Vestergaard, Bernt Abrahamsson, Rapid City Reliability, PEi Magazine, January, [9] John Graham, Don Menzies, Geir Biledt, Antônio Ricardo Carvalho, Wo Wei Ping, Acacio Wey, Electrical System Considerations for the Argentina- Brazil 1000 MW Interconnection, CIGRÉ Biennial, Paris, [10] Michael P. Bahrman, Jan G. Johansson, Bo A. Nilsson, Voltage Source Converter Transmission Technologies, The Right Fit for the Application, IEEE PES General Meeting, Toronto, Canada, July, 2003 [11] Blackout: public power utilities recount what happened, Public Power Weekly Aug. 25 and Sept. 1, [6] Abhay Kumar, Mats Lagerkvist, Mårten Eklund, Yuan QingYun, Three Gorges - Changzhou HVDC : Ready to Bring Bulk Power to East, The 4 th International Conference on Power Transmission & Distribution; October 2003, Changsha, China.

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO

ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO ESTUDO DE TOPOLOGIAS APLICADAS NA CONVERSÃO DE FREQÜÊNCIA EM SISTEMAS DE MÉDIA TENSÃO Guilherme Sebastião da Silva, Cassiano Rech Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul UNIJUI

Leia mais

André Balzi Abril de 2014 Desafios da Expansão da Transmissão do SIN com o Aumento de Fontes Renováveis Intermitentes Conectando Parques Eólicos

André Balzi Abril de 2014 Desafios da Expansão da Transmissão do SIN com o Aumento de Fontes Renováveis Intermitentes Conectando Parques Eólicos André Balzi Abril de 2014 Desafios da Expansão da Transmissão do SIN com o Aumento de Fontes Renováveis Intermitentes Conectando Parques Eólicos Aplicação e Projetos de Sistemas HVDC Light Aplicação e

Leia mais

ABINEE TEC 2007. O uso de Elos de HVDC para Usinas Hidroelétricas Remotas ANHEMBI - SÃO PAULO - SP. John Graham

ABINEE TEC 2007. O uso de Elos de HVDC para Usinas Hidroelétricas Remotas ANHEMBI - SÃO PAULO - SP. John Graham ABINEE TEC 2007 ANHEMBI - SÃO PAULO - SP O uso de Elos de HVDC para Usinas Hidroelétricas Remotas John Graham 1. Introdução 2. Sistema Brasileiro Longa distancia Flexibilidade 3. Economia no Nível de Tensão

Leia mais

Alexandre Arcon, M.Sc. ABINEE TEC 2007 Abril, 2007. Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia

Alexandre Arcon, M.Sc. ABINEE TEC 2007 Abril, 2007. Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia Alexandre Arcon, M.Sc. Gerente Eng. Subest. ABB PSS - Subestações Soluções para Qualidade e Eficiência em Transmissão de Energia ABINEE TEC 2007 Abril, 2007 Sumário Introdução: Qualidade e eficiência em

Leia mais

3 Aspectos gerais da transmissão em CC e CA

3 Aspectos gerais da transmissão em CC e CA 3 Aspectos gerais da transmissão em CC e CA Tanto a ciência envolvendo a eletricidade como as suas aplicações práticas iniciaram em corrente contínua (CC). A corrente alternada (CA) foi sua sucessora.

Leia mais

Teoria Princípio do Capacitor

Teoria Princípio do Capacitor Teoria Princípio do Capacitor Um capacitor consiste de dois pratos eletrodos isolados de cada lado por um dielétrico médio. As características de um capacitor são dependentes da capacitância e da tensão.

Leia mais

HVDC LIGHT PARA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NUM MERCADO DESREGULAMENTADO

HVDC LIGHT PARA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NUM MERCADO DESREGULAMENTADO GPL/18 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VII PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS (GLP) HVDC LIGHT PARA TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NUM MERCADO DESREGULAMENTADO Sergio Bittencourt*

Leia mais

XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT

XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC OPERATIONAL AND EXPANSION PLANNING AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO HARMÔNICO DE SISTEMAS COM MÚLTIPLOS ELOS CCAT SP166 XII SIMPÓSIO DE ESPECIALISTAS EM PLANEJAMENTO DA OPERAÇÃO E EXPANSÃO ELÉTRICA XII SEPOPE 2 a 23 de Maio 212 May 2 th to 23 rd 212 RIO DE JANEIRO (RJ) - BRASIL XII SYMPOSIUM OF SPECIALISTS IN ELECTRIC

Leia mais

Transmissão em Corrente Contínua

Transmissão em Corrente Contínua Transmissão em Corrente Contínua Panorama Atual e Perspectivas Futuras no Brasil Ultra-High Voltage Transmission Systems Brazilian SC B4 Transmissão em CCAT - Aspectos Conceituais E. H. Watanabe 1 B. Chuco

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los

Imprimir. Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los 1/ 9 Imprimir PROJETOS / Energia 20/08/2012 10:20:00 Influência das Harmônicas na Alimentação de Dispositivos Eletrônicos: Efeitos, e como eliminá-los Na primeira parte deste artigo vimos que a energia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM CENTRO DE TECNOLOGIA CT GRUPO DE ELETRÔNICA DE POTÊNCIA E CONTROLE - GEPOC SEPOC 2010 FILTRO ATIVO DE POTÊNCIA SÉRIE PARALELO APRESENTADOR: MÁRCIO STEFANELLO,

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução.

Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Análise Técnico/Financeira para Correção de Fator de Potência em Planta Industrial com Fornos de Indução. Jeremias Wolff e Guilherme Schallenberger Electric Consultoria e Serviços Resumo Este trabalho

Leia mais

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica

Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Condicionamento da Energia Solar Fotovoltaica para Sistemas Interligados à Rede Elétrica Autor: Pedro Machado de Almeida O aproveitamento da energia gerada pelo sol, considerada inesgotável na escala de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GPL

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GPL SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPL 14 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO VII GRUPO DE ESTUDO DE PLANEJAMENTO DE SISTEMAS ELÉTRICOS GPL CONSIDERACOES

Leia mais

Transmissão Subterrânea no Brasil. Julio Cesar Ramos Lopes

Transmissão Subterrânea no Brasil. Julio Cesar Ramos Lopes Transmissão Subterrânea no Brasil Julio Cesar Ramos Lopes 1. Introdução 2. Linhas de Transmissão com Cabos Isolados 3. Cabos Isolados no Brasil X Outros Países 4. Principais Linhas de Transmissão Construídas

Leia mais

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48)

Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores CA-CC Monofásicos Controlados Prof.: Eduardo Simas eduardo.simas@ufba.br

Leia mais

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores) Universidade Federal da Bahia Escola Politécnica Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina Eletrônica de Potência (ENGC48) Tema: Conversores de Corrente Contínua para Corrente Alternada (Inversores)

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Avaliação do Sistema de Transformação em Subestações e Painéis de Média Tensão - Operação, Manutenção e Ensaios Eng. Marcelo Paulino Subestações

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Qualidade e Eficiência Energética

Qualidade e Eficiência Energética Fabio Balesteros, Engenharia de Aplicação, 2010 Qualidade e Eficiência Energética September 2, 2010 Slide 1 Introdução A cada dia aumenta-se a preocupação com a produtividade dos sistemas elétricos. Economia

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS

UMA COMPARAÇÃO TÉCNICA E ECONÔMICA SOBRE A APLICAÇÃO DE BANCOS DE CAPACITORES SHUNT COM FUSÍVEIS EXTERNOS, FUSÍVEIS INTERNOS E FUSELESS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 19 a 24 Outubro de 2003 Uberlândia - Minas Gerais GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS

Leia mais

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética

Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil. Dourival de Souza Carvalho Junior. EPE Empresa de Pesquisa Energética Desafios da incorporação de novas tecnologias no planejamento, caso Brasil Dourival de Souza Carvalho Junior EPE Empresa de Pesquisa Energética dourival.carvalho@epe.gov.br Desafios da incorporação de

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

Capacitores de Potência para Alta Tensão

Capacitores de Potência para Alta Tensão Capacitores de Potência para Alta Tensão Answers for energy. O mercado de capacitores de potência vem crescendo constantemente graças aos novos investimentos em sistemas de transmissão, que visam a atender

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor

dv dt Fig.19 Pulso de tensão típico nos terminais do motor INFLUÊNCIA DO INVERSOR NO SISTEMA DE ISOLAMENTO DO MOTOR Os inversores de freqüência modernos utilizam transistores (atualmente IGBTs) de potência cujos os chaveamentos (khz) são muito elevados. Para atingirem

Leia mais

Aula 5 Infraestrutura Elétrica

Aula 5 Infraestrutura Elétrica Aula 5 Infraestrutura Elétrica Prof. José Maurício S. Pinheiro 2010 1 Ruído Elétrico Os problemas de energia elétrica são as maiores causas de defeitos no hardware das redes de computadores e conseqüente

Leia mais

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V.

AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. AUTORES: WOONG JIN LEE ALOISIO JOSÉ DE OLIVEIRA LIMA JORGE FERNANDO DUTRA JOSÉ M. PINHEIRO FRANKLIM FABRÍCIO LAGO CARLOS AUGUSTO V. GRANATA 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO GENERALIDADES PROJETO CABOS E ACESSÓRIOS

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 016/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: Siemens Ltda. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Processo: 48500.000560/2015-44 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

CONGRESSO LATINO AMERICANO DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CLAGTEE

CONGRESSO LATINO AMERICANO DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CLAGTEE CONGRESSO LATINO AMERICANO DE GERAÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CLAGTEE AREA TEMÁTICA Nº 10 SISTEMAS DE TRANSMISIÓN DE ALTA TENSIÓN A UTILIZAÇÃO DA COMPENSAÇÃO SÉRIE PASSIVA: ECONOMIA, SIMPLICIDADE

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT

CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT CAPACITORES IMPREGNADOS X CAPACITORES IMERSOS (PPM) EM BT 1 - Objetivos: Este trabalho tem por objetivo apresentar as principais características técnicas dos capacitores convencionais do tipo imerso em

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil RENATO OLIVEIRA GUIMARÃES Empresa Energética do Mato Grosso do Sul S.A. ANTONIO DE PADUA

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Os Diferentes tipos de No-Breaks

Os Diferentes tipos de No-Breaks Os Diferentes tipos de No-Breaks White Paper # 1 Revisão 4 Resumo Executivo Existe muita confusão no mercado a respeito dos diferentes tipos de No-Breaks e suas características. Cada um desses tipos será

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PETRÓPOLIS CENTRO DE ENGENHARIA E COMPUTAÇÃO Amanda 5ª Atividade: Codificador e codificação de linha e seu uso em transmissão digital Petrópolis, RJ 2012 Codificador: Um codoficador

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS DA SE PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA COMPONENTES SUBESTAÇÕES OBJETIVOS Apresentar os principais equipamentos

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário

Nway Switch 8 Portas Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE

Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Eletrônica Aula 07 CIN-UPPE Amplificador básico Amplificador básico É um circuito eletrônico, baseado em um componente ativo, como o transistor ou a válvula, que tem como função amplificar um sinal de

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS COM TRANSFORMADORES DE DIFERENTES GRUPOS DE LIGAÇÃO ANGULAR. Flavio Vicente de Miranda Schmidt COPEL TRANSMISSÃO

INTERLIGAÇÃO DE SISTEMAS COM TRANSFORMADORES DE DIFERENTES GRUPOS DE LIGAÇÃO ANGULAR. Flavio Vicente de Miranda Schmidt COPEL TRANSMISSÃO SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSE - 07 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO VIII GRUPO DE ESTUDOS DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS GSE INTERLIGAÇÃO

Leia mais

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica

III Seminário da Pós-graduação em Engenharia Elétrica ESTUDO SOBRE A EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO DE ENERGIA NO BRASIL Tiago Forti da Silva Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Elétrica Unesp Bauru Prof. Dr. André Nunes de Souza Orientador

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis

Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis Capítulo 2 Sistemas Rádio Móveis 2.1. Histórico e Evolução dos Sistemas Sem Fio A comunicação rádio móvel teve início no final do século XIX [2], quando o cientista alemão H. G. Hertz demonstrou que as

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição. Eng. Elves Fernandes da Silva

Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição. Eng. Elves Fernandes da Silva 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição Eng. Dilson Andrade de Sousa Eng. Elves Fernandes da Silva Eng. Ricardo Cordeiro de Oliveira

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 9. Sistema de Aterramento 02 9.1. Geral 02 9.2. Normas 02 9.3. Escopo de Fornecimento 02 T-9.1. Tabela 02 9.4. Características Elétricas 03 9.4.1. Gerais 03 9.4.2. Concepção Geral

Leia mais

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP:91040-600 - Porto Alegre RS - Brasil Fone: (51)21312407

Leia mais

ESTUDO DE UM TAP HVDC BIDIRECIONAL EM FLUXO DE ENERGIA. Felipo Corrêa Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS

ESTUDO DE UM TAP HVDC BIDIRECIONAL EM FLUXO DE ENERGIA. Felipo Corrêa Machado UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO COMO PARTE DOS ESTUDO DE UM TAP HVDC BIDIRECIONAL EM FLUXO DE ENERGIA Felipo Corrêa Machado DISSERTAÇÃO SUBMETIDA AO CORPO DOCENTE DA COORDENAÇÃO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO DE ENGENHARIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

AM@DEUS Manual do Usuário

AM@DEUS Manual do Usuário 80 P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network, que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade. Este manual descreve, objetivamente, como instalar

Leia mais

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor

Aplicações com OpAmp. 1) Amplificadores básicos. Amplificador Inversor 225 Aplicações com OpAmp A quantidade de circuitos que podem ser implementados com opamps é ilimitada. Selecionamos aqueles circuitos mais comuns na prática e agrupamos por categorias. A A seguir passaremos

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática

Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Curso Técnico Integrado em Manutenção e Suporte em Informática Disciplina: Infraestrutura de Redes de Computadores 1. Conceitos básicos, Classificação e Topologias de Redes Prof. Ronaldo

Leia mais

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro

Capítulo IV. Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração. Aterramento do neutro 60 Capítulo IV Aterramento de sistemas elétricos industriais de média tensão com a presença de cogeração Paulo Fernandes Costa* Nos três capítulos anteriores, foram discutidos os aspectos da escolha e

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki

Instalações Elétricas Prediais. Aterramento. Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Prof. Msc. Getúlio Teruo Tateoki Conceito Instalações Elétricas Prediais -É a Ligação intencional de um condutor à terra. -Significa colocar instalações de estruturas metálicas e equipamentos elétricos

Leia mais

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem

Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem Um dos grandes receios de qualquer radioamador é ter sua estação atingida por uma descarga atmosférica. Os estragos em geral não são pequenos e nem sempre temos proteção suficiente. O Brasil é o país com

Leia mais

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva

TRANSFORMADOR A SECO Geafol de 75 a 25.000 kva Com a linha Geafol, obteve-se um transformador com excelentes características elétricas, mecânicas e térmicas que, adicionalmente, ainda é ecológico. São produzidos sob certificação DQS, ISO 9001 e ISO

Leia mais

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA

SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA SERVIÇO DE ANÁLISE DE REDES DE TELECOMUNICAÇÕES APLICABILIDADE PARA CALL-CENTERS VISÃO DA EMPRESA Muitas organizações terceirizam o transporte das chamadas em seus call-centers, dependendo inteiramente

Leia mais

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva

Esquemas de Aterramento. Sérgio Ferreira de Paula Silva Esquemas de Aterramento 1 Aterramento O aterramento é a ligação de um equipamento ou de um sistema à terra, por motivos de proteção ou por exigência quanto ao funcionamento do mesmo. Aterramento de proteção:

Leia mais

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org

Eletrônica de Potência II Capítulo 1. Prof. Cassiano Rech cassiano@ieee.org Eletrônica de Potência II Capítulo 1 cassiano@ieee.org 1 Componentes semicondutores em Eletrônica de Potência Diodo MOSFET IGBT GTO 2 Introdução Eletrônica de Potência é uma ciência aplicada que aborda

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial

Workshop. Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Workshop Proteção em redes de serviços via cabo coaxial Distúrbios em sistemas elétricos Surto Surtos elétricos Incidência de Descargas Atmosféricas na região sudeste, sul, Mato Grosso e Goiás (em milhões)

Leia mais

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II

PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II PREGÃO SESC-AN N.º 15/0051-PG ADENDO II ESCLARECIMENTO A QUESTIONAMENTOS Referente à tensão de entrada e saída: O documento ANEXO+I+-+15-0051-PG+-+Especificação+Técnica solicita fornecimento de nobreak

Leia mais

Keor t. trifásico ups 10 a 60 kva

Keor t. trifásico ups 10 a 60 kva Keor t trifásico ups 10 a Keor t UPS TRIFÁSICO KEOR T foi projetado com tecnologia avançada e com componentes de última geração, para garantir um ótimo desempenho, alta eficiência, alta disponibilidade

Leia mais

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor

A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor 1 A Solução de Problemas com Harmônicos em um Cliente Industrial: Uma Cooperação entre Concessionária e Consumidor Flávio R. Garcia(*), Tércio dos Santos e Alexandre C. Naves SADEFEM S/A Ernesto A. Mertens,

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br

Driver - DRM100D80A. Principais características. DRM100D80A - Driver Isolado Duplo. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1

RECEPTOR AM DSB. Transmissor. Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 RECEPTOR AM DSB Transmissor Circuito Receptor AM DSB - Profº Vitorino 1 O receptor super-heteródino O circuito demodulador que vimos anteriormente é apenas parte de um circuito mais sofisticado capaz de

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE E3 PARA AUTOMATIZAR O CENTRO DE OPERAÇÃO DA GERAÇÃO (COG) QUE CONTROLA 17 USINAS HIDRELÉTRICAS DO GRUPO CPFL ENERGIA Este case apresenta a aplicação do Elipse E3 para controlar

Leia mais

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA

INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA INTERLIGAÇÃO DAS BARRAS DE GARABI 1 E GARABI 2, TESTES REAIS E CONSEQUÊNCIAS PARA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DO SISTEMA Equipe de Proteção e Controle - Garabi DIEGO ROBERTO MORAIS, DR. ENG. CONHECENDO O GRUPO

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9

MÁQUINAS 1 CAPÍTULO 9 MÁQUA 1 CAÍTULO 9 TRAFORMADOR O transformador é um componente utilizado para converter o valor da amplitude da tensão de uma corrente alternada. O transformador é uma máquina elétrica que transfere energia

Leia mais

Soluções de Controlo para Redes HVDC Multi- Terminal

Soluções de Controlo para Redes HVDC Multi- Terminal Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Soluções de Controlo para Redes HVDC Multi- Terminal Sérgio Manuel de Araújo Luís VERSÃO PROVISÓRIA Dissertação realizada no âmbito do Mestrado Integrado

Leia mais

Seja um Profissional em Energia Solar

Seja um Profissional em Energia Solar Seja um Profissional em Energia Solar Nós, da Blue Sol, acreditamos no empoderamento de todos os consumidores de energia elétrica no Brasil através da possibilidade de geração própria da energia consumida.

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores

(1) Slide 1. Osciladores e temporizadores (1) Slide 1 Osciladores e temporizadores A maioria dos equipamentos eletrônicos inclui alguma forma de oscilador ou temporizador, que podem ser com formatos de onda pulsada, senoidal, quadrada, em dente-de-serra

Leia mais

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário

Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário Switch 8 portas GTS Network 73.2108K Manual do Usuário P R E F Á C I O Este é um produto da marca GTS Network que está sempre comprometida com o desenvolvimento de soluções inovadoras e de alta qualidade.

Leia mais

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA

REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA REDES FÍSICAS DE ACESSO EM BANDA LARGA Foi inventada em 1989 por um engenheiro da Bell Labs. O seu uso começou no final da década de 1990 como forma de acesso à internet de banda larga. TECNOLOGIAS DSL

Leia mais

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas SYNCHROTACT 5 Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas Aplicação SYNCHROTACT 5 é a quinta geração dos equipamentos para sincronização produzidos pela ABB Switzerland

Leia mais

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA TÍTULO: PROPOSTA DE METODOLOGIA BASEADA EM REDES NEURAIS ARTIFICIAIS MLP PARA A PROTEÇÃO DIFERENCIAL DE TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS

SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS GSI Nº: ART061-09 - CD 382-09 SISTEMA DE DISPARO DE TIRISTORES (SCR) EM REDES TRIFÁSICAS Carlos Alberto Murari Pinheiro João Roberto Cogo Artigo publicado na Revista Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico,

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios

COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios COMISSÃO TÉCNICA DE NORMALIZAÇÃO ELETROTÉCNICA CTE 64 Instalações Elétricas em Edifícios ESQUEMAS TIPO DE UNIDADES DE PRODUÇÃO PARA AUTOCONSUMO (UPAC) março 2015 A secção 712: Instalações Solares Fotovoltaicas

Leia mais

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO

Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 INTRODUÇÃO Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM página 1 de 6 Curso Técnico em Eletrônica Eletrônica Industrial Apostila sobre Modulação PWM Prof. Ariovaldo Ghirardello INTRODUÇÃO Os controles de potência,

Leia mais

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação

Multiplexador. Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Multiplexadores Permitem que vários equipamentos compartilhem um único canal de comunicação Transmissor 1 Receptor 1 Transmissor 2 Multiplexador Multiplexador Receptor 2 Transmissor 3 Receptor 3 Economia

Leia mais