FAMERP - FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Prof. Dr. Júlio César André

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAMERP - FACULDADE DE MEDICINA DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO Prof. Dr. Júlio César André"

Transcrição

1

2 COMPLEMENTO DE AULA

3 I. DEFINIÇÕES II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA A. Exames Citológicos ou Citopatologia;

4 Exames Citológicos ou Citopatologia: 6. Procedimento: o ESPALHAMENTO; o FIXAÇÃO; o COLORAÇÃO: PAPANICOLAOU; GIEMSA; SHORR; etc

5 A. Exames Citológicos ou Citopatologia 6. Procedimento: o ESPALHAMENTO; o FIXAÇÃO; o COLORAÇÃO; o DIAGNÓSTICO: vários critérios PAPANICOLAOU;

6 P A P A N I C O L A O U N O R M A L

7 PAPANICOLAOU: Atipia Coilocitótica

8 PAPANICOLAOU: Atipia Progressiva

9 PAPANICOLAOU: Carcinoma in situ

10 PAPANICOLAOU: Tricomoníase

11 A. Exames Citológicos ou Citopatologia 6. Procedimento: o ESPALHAMENTO; o FIXAÇÃO; o COLORAÇÃO; o DIAGNÓSTICO: vários critérios PAPANICOLAOU; BETHESDA SYSTEM; Etc

12 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION); Squamous cell abnormalities; Malignant cells.

13 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION): Normal findings (FASES HORMONAIS);

14

15 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION): Normal findings (FASES HORMONAIS); Non-specific reactive changes;

16

17 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION): Normal findings (FASES HORMONAIS); Non-specific reactive changes; Inflammatory changes: Yeasts; Bacteria; Thrychomonas Vaginalis; Actinomyces; Virus (Herpes, HPV,...).

18

19

20 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION); Squamous cell abnormalities: Atypical squamous cells of undetermined significance (ASCUS); Atypical squamous cells cannot exclude HSIL (ASCH); Atypical Glandular Cells not otherwise specified (AGUS); Low-grade squamous intraepithelial lesion (L-SIL); High-grade squamous intraepithelial lesion (H-SIL).

21 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION); Squamous cell abnormalities; Malignant cells: Squamous cell carcinoma;

22

23 BETHESDA SYSTEM: Negative for SIL (SQUAMOUS INTRAEPITHELIAL LESION); Squamous cell abnormalities; Malignant cells: Squamous cell carcinoma; Adenocarcinoma (if possible specify endocervical or endometrial origin).

24

25 CLASSE I CLASSE II CLASSIFICAÇÃO DE PAPANICOLAOU CLASSIFICAÇÃO DE BETHESDA FASES HORMONAIS PROCESSOS INFLAMATÓRIOS: - INESPECÍFICOS - ESPECÍFICOS CLASSE III (NIE I a III) LESÕES PRÉ NEOPLÁSICAS CLASSE IV e V TUMORES OU NEOPLASIAS: - BENIGNOS - MALIGNOS

26 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA Estudo MACRO e MICROSCÓPICO das doenças constitui a forma tradicional de análise em Patologia = ESTUDO MORFOLÓGICO; AMOSTRAS diversas podem ser analisadas por: A. Exames Citológicos ou Citopatologia; B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS; NECRÓPSIAS.

27 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS: DEFINIÇÃO: (do grego bios - vida, e opsis - aparência, visão) é um procedimento cirúrgico no qual se colhe uma amostra de tecidos ou células para posterior estudo em laboratório, tal como a evolução de determinada doença crônica.

28 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS: DEFINIÇÃO; INDICAÇÃO: Diagnóstico de doenças que provocam alterações morfológicas (neoplasia, hiperplasia). Diagnóstico diferencial por exclusão. Avaliar a extensão da lesão. Avaliar o resultado de um tratamento. Estabelecer o grau histológico de malignidade de neoplasia.

29 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS: DEFINIÇÃO; INDICAÇÃO; TIPOS:

30 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS; ENDOSCÓPICA POR SACADELA; RASPAGEM ou CURETAGEM; PUNÇÃO POR AGULHA FINA (PAAF); POR PUNCH ou VAZADOR; TREPANAÇÃO.

31 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL;

32 DIAGNÓSTICA / DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA

33 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS;

34 DIAGNÓSTICA

35 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS; ENDOSCÓPICA POR SACADELA;

36 DIAGNÓSTICA

37 DIAGNÓSTICA / DIAGNÓSTICA E TERAPÊUTICA

38 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS; ENDOSCÓPICA POR SACADELA; RASPAGEM ou CURETAGEM;

39 D I A G N Ó S T I C A E T E R A P Ê U T I C A D I A G N Ó S T I C A ASPECTOS PRÁTICOS DA ROTINA DE

40 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS; ENDOSCÓPICA POR SACADELA; RASPAGEM ou CURETAGEM; PUNÇÃO POR AGULHA FINA;

41 FÍGADO DIAGNÓSTICA

42 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS; ENDOSCÓPICA POR SACADELA; RASPAGEM ou CURETAGEM; PUNÇÃO POR AGULHA FINA; POR PUNCH ou VAZADOR;

43 D I A G N Ó S T I C A D I A G N Ó S T I C A E T E R A P Ê U T I C A ASPECTOS PRÁTICOS DA ROTINA DE

44 BIÓPSIAS: TIPOS: ABLATIVA ou EXCISIONAL; INCISIONAIS; ENDOSCÓPICA POR SACADELA; RASPAGEM ou CURETAGEM; PUNÇÃO POR AGULHA FINA; POR PUNCH ou VAZADOR; TREPANAÇÃO.

45 D I A G N Ó S T I C A D I A G N Ó S T I C A E T E R A P Ê U T I C A ASPECTOS PRÁTICOS DA ROTINA DE

46 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: ORIGEM; TIPOS: SIMPLES;

47

48

49

50

51

52

53

54 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: ORIGEM; TIPOS: SIMPLES; COMPOSTA ou RADICAL;

55

56 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: ORIGEM; TIPOS: SIMPLES; COMPOSTA ou RADICAL. PROCEDIMENTO DE ROTINA (CIRURGIA ELETIVA); PROCEDIMENTO DE URGÊNCIA (CIRURGIA EMERGÊNCIAL).

57 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: PROCEDIMENTO DE URGÊNCIA E/OU ACHADOS CIRÚRGICOS = CONGELAÇÃO TRANS ou PERI OPERATÓRIA (CONGELAMENTO)

58

59 CONGELAÇÃO TRANS OU PERI OPERATÓRIA (CONGELAMENTO) Indicação: diagnóstico de benignidade ou malignidade; OBS.: para colorações especiais (SUDAM) e histoenzimologia; Fixação: não há fixação (baixa qualidade de imagem, não há como manter o material a posteriori); Microtomia: micrótomo de congelação;

60 Micrótomo de Congelação = CRIOSTATO

61

62 PROCEDIMENTO DE URGÊNCIA = CONGELAÇÃO TRANS OU PERI OPERATÓRIA (CONGELAMENTO) Indicação: diagnóstico de benignidade ou malignidade; para colorações especiais (SUDAM); Fixação: não há fixação (baixa qualidade de imagem, não há como manter o material a posteriori); Microtomia: micrótomo de congelação; Coloração: azul de toluidina, HE rápido.

63

64 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS; NECRÓPSIAS ou AUTÓPSIAS.

65 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: NECRÓPSIAS ou AUTÓPSIAS: ORIGEM DO TERMO Do grego: AUTÓPSIA auto = próprio opsis = ver NECRÓPSIA nekros = morto opsis = ver

66 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: NECRÓPSIAS ou AUTÓPSIAS: Exame post mortem sistemático dos órgãos. OBJETIVOS: o Determinar a causa da morte; o Conhecer as lesões e doenças existentes no indivíduo; o Correlação clínica.

67

68

69 II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA B. Exames Anatomopatológicos: BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS; NECRÓPSIAS ou AUTÓPSIAS: ORIGEM DO TERMO; APLICAÇÃO: PATOLOGIA VETERINÁRIA: detectar mortes ocasionadas por doenças infecciosas, epidêmicas ou por envenenamento; PATOLOGIA HUMANA: duas grandes áreas de interesse.

70 NECRÓPSIAS ou AUTÓPSIAS: PATOLOGIA HUMANA AUTÓPSIAS MÉDICO-LEGAIS: realizadas em casos de mortes violentas ou em qualquer caso de interesse forense - MÉDICO LEGISTA - IML AUTÓPSIAS DE INTERESSE CLÍNICO- PATOLÓGICO: realizadas em pacientes previamente internados e que morrem no hospital no curso da doença ou em qualquer paciente com morte súbita -MÉDICO PATOLOGISTA -SVO

71 DIAGNÓSTICO DEFINITIVO DE UMA AUTÓPSIA Deve conter: CAUSA BÁSICA: doença principal responsável por todos os desdobramentos que culminaram com o óbito; CAUSAS CONSEQUÊNCIAIS: alterações secundárias e provocadas pela doença principal; CAUSA TERMINAL: responsável imediata pelo óbito; CAUSAS CONSTITUTIVAS: alterações que contribuem para o óbito, porém não relacionadas com o óbito; OUTRAS DOENÇAS.

72 DIAGNÓSTICO DEFINITIVO DE UMA AUTÓPSIA

73 I. DEFINIÇÕES II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO

74 III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO CITOLOGIA DE GRANDES VOLUMES DE LÍQUIDO: urina, derrames pleural ou pericárdico, líquido ascítico, etc... PROCEDIMENTO RECOMENDADO: enviar o material imediatamente após a sua colheita, para processamento no laboratório ou adicionar 1/2 do volume (50%) de álcool 95 o - 96 o ou ¼ do volume (25%) de formol à 10%.

75 III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO CITOLOGIA DE GRANDES VOLUMES DE LÍQUIDO; CITOLOGIA DE PEQUENOS VOLUMES DE LÍQUIDO: conteúdo líquido de cistos (mama, cavidade oral), etc... PROCEDIMENTO RECOMENDADO: fazer imediatamente o esfregaço e então, colocá-lo em fixador = Álcool 95 o - 96 o (imersão total da lâmina) ou Citofix (3 gotas sobre a lâmina).

76 III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO CITOLOGIA DE GRANDES VOLUMES DE LÍQUIDO; CITOLOGIA DE PEQUENOS VOLUMES DE LÍQUIDO; BIÓPSIAS: PROCEDIMENTO RECOMENDADO: formol neutro a 10%, líquido de Bouin (células germinativas do testículo), outros...

77 III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO CITOLOGIA DE GRANDES VOLUMES DE LÍQUIDO; CITOLOGIA DE PEQUENOS VOLUMES DE LÍQUIDO; BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: PROCEDIMENTO RECOMENDADO: formol neutro a 10%, tempo de fixação: horas a dias (Ex: linfonodo: 3 dias), volume do fixador = 20 a 30 x o volume da peça. OBS.: Fixação em formol neutro a 10% por mais de 3 dias = FALSO POSITIVO EM IMUNOCITOQUÍMICA/HISTOQUÍMICA.

78 III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO CITOLOGIA DE GRANDES VOLUMES DE LÍQUIDO; CITOLOGIA DE PEQUENOS VOLUMES DE LÍQUIDO; BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: PEÇAS QUE FLUTUAM

79 PEÇAS CIRÚRGICAS: PEÇAS QUE FLUTUAM INTESTINO PULMÃO EMBEBER GAZE OU PAPEL EM FIXADOR E COBRIR = AFUNDA

80 III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO CITOLOGIA DE GRANDES VOLUMES DE LÍQUIDO; CITOLOGIA DE PEQUENOS VOLUMES DE LÍQUIDO; BIÓPSIAS; PEÇAS CIRÚRGICAS: PEÇAS QUE FLUTUAM OSSO ou MATERIAL CALCIFICADO

81 PEÇAS CIRÚRGICAS: OSSO ou MATERIAL CALCIFICADO OSSO VÁLVULA CARDÍACA CALCIFICADA DESCALCIFICAR = Ácido nítrico (1-7 dias); Ácido fórmico (1-3 semanas); EDTA (1-3 semanas).

82 I. DEFINIÇÕES II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO IV. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE COLORAÇÕES ESPECIAIS

83 IV. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE COLORAÇÕES ESPECIAIS Von Kossa = identificação de depósitos de sais de cálcio nos tecidos;

84 Von Kossa: CARTILAGEM HIALINA CALCIFICADA

85 IV. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE COLORAÇÕES ESPECIAIS Von Kossa = identificação de depósitos de sais de cálcio nos tecidos; Vermelho Congo = identificação de amilóides em tecidos com amiloidoses;

86 Vermelho Congo: AMILOIDOSE EM NERVO PERIFÉRICO

87 IV. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE COLORAÇÕES ESPECIAIS Von Kossa = identificação de depósitos de sais de cálcio nos tecidos; Vermelho Congo = identificação de amilóides em tecidos com amiloidoses; Perls = identificação de ferros férricos e minerais como asbestos;

88 Perls: HEMOSSIDERINA EM CITOPLASMA DE ASTRÓCITO

89 IV. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE COLORAÇÕES ESPECIAIS Von Kossa = identificação de depósitos de sais de cálcio nos tecidos; Vermelho Congo = identificação de amilóides em tecidos com amiloidoses; Perls = identificação de ferros férricos e minerais como asbestos; Grocott = identificação de fungos, com visualização de hifas e micélios; ETC...

90 Grocott: CRIPTOESPORULAÇÃO (ASPECTO EM RODA DE LEME)

91 I. DEFINIÇÕES II. MÉTODOS DE OBTENÇÃO DA AMOSTRA III. ASPECTOS PRÁTICOS DA FIXAÇÃO IV. APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS DE COLORAÇÕES ESPECIAIS V. VIABILIDADE ECONÔMICA DA ROTINA DE DIAGNÓSTICO MACRO E MICROSCÓPICO

92 V. VIABILIDADE ECONÔMICA DA ROTINA DE DIAGNÓSTICO MACRO E MICROSCÓPICO Materiais colhidos de lugares diferentes do corpo, devem ser sempre acondicionados em recipientes diferentes (identificados em separado);

93 V. VIABILIDADE ECONÔMICA DA ROTINA DE DIAGNÓSTICO MACRO E MICROSCÓPICO Materiais colhidos de lugares diferentes do corpo, devem ser sempre acondicionados em recipientes diferentes (identificados em separado); Ao preencher o pedido para o convênio de saúde, não esquecer de colocar o número de fragmentos colhidos;

94 V. VIABILIDADE ECONÔMICA DA ROTINA DE DIAGNÓSTICO MACRO E MICROSCÓPICO TABELA PAGA PELOS CONVÊNIOS MÉDICOS PARA EXAME ANÁTOMO-PATOLÓGICO EM S.J.R.P., SP. Por órgão ou recipiente: BEN SAÚDE: R$ 31,20 UNIMED: R$ 33,60 a 51,80 (Variável na dependência do tipo de plano do segurado) Custo de 1 lâmina corada em H.E.: R$ 30,00

95 TEMPO DE ARQUIVAMENTO DE AMOSTRAS Peças cirúrgicas em formol 3 meses Blocos de parafina 5 anos Lâminas 5 anos

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida

INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida INTRODUÇÃO À PATOLOGIA Profª. Thais de A. Almeida DEFINIÇÃO: Pathos: doença Logos: estudo Estudo das alterações estruturais, bioquímicas e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar os mecanismos

Leia mais

BETHESDA 2001 Versão portuguesa

BETHESDA 2001 Versão portuguesa Citologia ginecológica em meio líquido BETHESDA 2001 Versão portuguesa Exemplos de Relatório Satisfatória, com representação da zona de transformação Anomalias de células epiteliais pavimentosas Interpretação

Leia mais

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT

Nomenclatura Brasileira. Norma Imperio DIPAT Nomenclatura Brasileira Norma Imperio DIPAT O momento mais eletrizante de minha carreira foi quando descobri que era capaz de observar células cancerosas num colo do útero através do esfregaço George Nicholas

Leia mais

Patologia. Pathos = sofrimento, doença.

Patologia. Pathos = sofrimento, doença. Patologia Pathos = sofrimento, doença. Especialidade médica que estuda as causas (etiologia), mecanismos de desenvolvimento (patogênese), alterações morfológicas nas células e órgãos e explica os sinais

Leia mais

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado.

Entende-se como boa amostra àquela obtida em quantidade suficiente, em recipiente adequado, bem identificado e corretamente transportado. INTRODUÇÃO Este manual tem por finalidade se adequar às exigências do Programa de Qualidade e às Normas de Biossegurança nos Serviços de Saúde. Desta forma procuramos sistematizar as orientações para coleta,

Leia mais

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite

Colaboradores Acadêmicos Selene Círio Leite Diego Lunelli Marcelle Círio Leite 3267-4303 Orientações para Colheita e Remessa de Material para Exames Laboratoriais VOLUME 1 Histopatologia Citologia Necropsia www.petimagem.com PET IMAGEM - Diagnósticos Veterinários foi criado em abril

Leia mais

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado

AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia O que fazer? Yara Furtado AGC sem especificação e AGC favorece neoplasia Yara Furtado Atipias de Células Glandulares Bethesda 1991 Bethesda 2001 Células Glandulares *Células endometriais, benignas, em mulheres na pós-menopausa

Leia mais

LABORATORIO DE CITOPATOLOGIA E ANATOMIA PATOLOGICA ANNALAB LTDA MANUAL DE EXAMES

LABORATORIO DE CITOPATOLOGIA E ANATOMIA PATOLOGICA ANNALAB LTDA MANUAL DE EXAMES 07 Página 1 de 20 LABORATORIO DE CITOPATOLOGIA E ANATOMIA PATOLOGICA ANNALAB LTDA CURITIBA JANEIRO/2011 07 Página 2 de 20 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE REVISÕES... 4 2. INTRODUÇÃO... 4 2.1 EMPRESA... 5 2.1.1

Leia mais

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO

ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO ATIPIAS DE SIGNIFICADO INDETERMINADO COMO CONDUZIR O SEU DIAGNÓSTICO RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNIFICADO INDETERMINADO O QUE SIGNIFICA? RODRIGUES M. ATIPIA DE SIGNICADO INDETERMINADO POR QUE? AS ALTERAÇÕES

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Anatomopatologista, o médico invisível

Anatomopatologista, o médico invisível Anatomopatologista, o médico invisível Não está diante dos doentes, não está patente ao público, é antes um médico de médicos, e, como tal, muitos desconhecem o valor real e a importância da anatomia patológica

Leia mais

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA.

COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. COMPROMETIMENTO COM OS ANIMAIS, RESPEITO POR QUEM OS AMA. CITOLOGIA CLÍNICA O exame citológico é uma das grandes ferramentas para auxiliar o médico veterinário no diagnóstico, prognóstico e na tomada de

Leia mais

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA DO HC/UNICAMP

MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA DO HC/UNICAMP 1 MANUAL PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DO LABORATÓRIO DE ANATOMIA PATOLÓGICA DO HC/UNICAMP APRESENTAÇÃO: O Laboratório de Anatomia Patológica é uma área de apoio diagnóstico, responsável pela elaboração

Leia mais

Programa Mínimo da Residência Médica em Patologia

Programa Mínimo da Residência Médica em Patologia Programa Mínimo da Residência Médica em Patologia Atitudes e Competências Gerais em Patologia 1. Respeito ao paciente e/ou às partes do mesmo. 2. Conhecimento médico atualizado. 3. Profissionalismo. 4.

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA, MANUSEIO, CONSERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE AMOSTRAS HISTOLÓGICAS E CITOLÓGICAS.

MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA, MANUSEIO, CONSERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE AMOSTRAS HISTOLÓGICAS E CITOLÓGICAS. MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA, MANUSEIO, CONSERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE AMOSTRAS HISTOLÓGICAS E CITOLÓGICAS. 1 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA COLETA, MANUSEIO, CONSERVAÇÃO E ENCAMINHAMENTO DE AMOSTRAS HISTOLÓGICAS

Leia mais

O perfil do Citotecnologista em Angola

O perfil do Citotecnologista em Angola HOSPITAL MILITAR PRINCIPAL/ INSTITUTO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE ANATOMIA PATOLÓGICA O perfil do Citotecnologista em Angola Elaborado pela Alice Soares da Silva, Chefe técnica de citologia do Departamento

Leia mais

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU

ABORDAGEM DO ADENOCARCINOMA IN SITU Yara Furtado Professora Assistente da UNIRIO Chefe Ambulatório de Patologia Vulvar e Cervical do HUGG Comissão de Título de Qualificação ABPTGIC Descrito em 1952 (Hepler) Laudos citológicos Sistema Bethesda

Leia mais

DRT: Professor(es): Eder de Carvalho Pincinato 1134997 Carga horária: 4 horas/aula (2 hs teóricas e 2 hs práticas

DRT: Professor(es): Eder de Carvalho Pincinato 1134997 Carga horária: 4 horas/aula (2 hs teóricas e 2 hs práticas Unidade Universitária: CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE Curso: FARMÁCIA Disciplina: CITOLOGIA CLÍNICA DRT: Professor(es): Eder de Carvalho Pincinato 1134997 Carga horária: 4 horas/aula (2 hs teóricas

Leia mais

Exames de anatomia patológica

Exames de anatomia patológica Responsáveis: Anatomia Patológica - Dr. Eduardo Alves Bambirra Prof. Titular de Anatomia a Patológica (Faculdade de Medicina - UFMG) Citologia - Dra. Juçara M. de Castro Sobrinho Mestre em Patologia (Faculdade

Leia mais

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now.

Easy PDF Creator is professional software to create PDF. If you wish to remove this line, buy it now. 1 Conteúdos e Práticas do Programa de Residência Médica em Patologia 1) Objetivos gerais do programa: Como médico, o patologista deverá exercer suas atividades segundo os preceitos éticos, com humanismo,

Leia mais

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER

CITOLOGIA ONCÓTICA CÂNCER CITOLOGIA ONCÓTICA Neoplasia: crescimento desordenado de células, originando um tumor (massa de células) Tumor benigno: massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu

Leia mais

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade

Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Relação entre as características ecográficas de um nódulo tiroideu e a sua benignidade/malignidade Análise de 203 nódulos tiroideus do Hospital Geral de Coimbra Oliveira, C.M.; Costa, R.A.; Estêvão, A.;

Leia mais

PAPANICOLAOU COLPOCITOLOGIA ONCOLÓGICA

PAPANICOLAOU COLPOCITOLOGIA ONCOLÓGICA PAPANICOLAOU COLPOCITOLOGIA ONCOLÓGICA CBHPM 4.06.01.13-7 AMB 21.01.005-6 Sinonímia: Colpocitologia oncológica. Citologia oncológica. Papanicolaou. Fisiologia: Obs.: o HPV causa DST em aproximadamente

Leia mais

25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV. Joaquim Neves

25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV. Joaquim Neves 2013 25 de Abril Quinta-feira RASTREIO DO CANCRO DO COLO DO ÚTERO E IMUNOPROFILAXIA PARA O HPV Joaquim Neves Material de colheita de amostras para colpocitologia JOAQUIM NEVES Exocervix - espátula; escova;

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XIV 27 a 29 de agosto de 2009 Centro de Convenções do Hotel Flórida Catete - Rio de Janeiro - RJ

TROCANDO IDÉIAS XIV 27 a 29 de agosto de 2009 Centro de Convenções do Hotel Flórida Catete - Rio de Janeiro - RJ TROCANDO IDÉIAS XIV 27 a 29 de agosto de 2009 Centro de Convenções do Hotel Flórida Catete - Rio de Janeiro - RJ AGC - sem especificação e AGC favorecendo neoplasia Dificuldades do diagnóstico citológico

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB

Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? SELMA DE PACE BAUAB Exames que geram dúvidas - o que fazer? Como ter certeza que é BI-RADS 3? Quando não confiar na biópsia percutânea? O que fazer com resultados

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Adenocarcinoma. Neoplasia do Colo do Útero. Qualidade de Assistência à Saúde.

PALAVRAS-CHAVE Adenocarcinoma. Neoplasia do Colo do Útero. Qualidade de Assistência à Saúde. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

Catálogo - 2014. Lista de insumo. OPatologista. O que você precisa está aqui.

Catálogo - 2014. Lista de insumo. OPatologista. O que você precisa está aqui. Catálogo - 2014 Lista de insumo O que você precisa está aqui. w w w. o p a t o l o g i s t a. c o m. b r Índice: Acido...Pag 1 Álcool / Xilol / Formol...Pag 1 Alcoômetro...Pag 1 Bandeja para microscopia...pag

Leia mais

RESUMO. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha 1 Daniel Gomes de Alvarenga 2 Gulnara Patrícia Borja Cabrera 3

RESUMO. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha 1 Daniel Gomes de Alvarenga 2 Gulnara Patrícia Borja Cabrera 3 Prevalência de diagnósticos microbiológicos e de anormalidades de células epiteliais em laboratório de referência do SUS em Governador Valadares - MG, período 9-. Marly Agripina Gonçalves Vieira Cunha

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Jorge Michalany considera a técnica histológica como a arte de tingir células e tecidos (Técnica Histológica em Anatomia Patológica: com Instruções para o Cirurgião, Enfermeira e Citotécnico. 3.ª ed. São

Leia mais

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES

RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES Fórum Unimed-Rio de Ginecologia RASTREIO COLOPOCITOLÓGICO: NOVAS RECOMENDAÇÕES VERA FONSECA Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Presidente

Leia mais

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P.

Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. Apresentação de Caso Clínico L.E.M.D.A.P. De Oliveira,J.V.C¹; SILVA, M.T.B¹; NEGRETTI, Fábio². ¹Acadêmicas do curso de Medicina da UNIOESTE. ²Professor de Anatomia e Fisiologia Patológica da UNIOESTE.

Leia mais

VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA

VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA VISITA DIRIGIDA AO LABORATÓRIO DE HISTOTECNOLOGIA MÉTODOS DE OBTENÇÃO DE PREPARAÇÕES HISTOLÓGICAS 01- COLHEITA DE MATERIAL Fragmentos de órgãos e tecidos a serem processados devem ser obtidos imediatamente

Leia mais

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Gaudencio Barbosa R3 CCP Hospital Universitário Walter Cantídio UFC Serviço de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Nódulos tiroideanos são comuns afetam 4- a 10% da população (EUA) Pesquisas de autópsias: 37

Leia mais

Vaginal cytology with suspicion of squamous intraepithelial lesion of undetermined grade: a case report

Vaginal cytology with suspicion of squamous intraepithelial lesion of undetermined grade: a case report Vaginal cytology with suspicion of squamous intraepithelial lesion of undetermined grade: a case report Almeida B 1, Mendonça P 1 and Fagulha R 2 1 Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa Instituto

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco

macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Patologia Cirúrgica macroscopia clivagem processamento inclusão - parafina coloração desparafinização microtomia bloco Exame Histopatológico Exame anatomopatológico é ATO MÉDICO! lâminas microscopia laudo

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados.

PALAVRAS-CHAVE Exame Papanicolaou. Câncer do Colo do Útero. Resultados. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015

Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015. Amélia Estevão 10.05.2015 Radiology: Volume 274: Number 2 February 2015 Amélia Estevão 10.05.2015 Objetivo: Investigar a vantagem da utilização da RM nos diferentes tipos de lesões diagnosticadas na mamografia e ecografia classificadas

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO

TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO TUMORES GIGANTES DE OVÁRIO Os autores apresentam três casos de Tumores Gigantes de Ovário, sendo um com alto grau de malignidade (Linfoma do tipo Burkitt), dois benignos (Cisto Seroso e Teratoma), porém

Leia mais

Simone Maia, CMIAC ANACITO / SLAC sevaristo@uol.com.br

Simone Maia, CMIAC ANACITO / SLAC sevaristo@uol.com.br Simone Maia, CMIAC ANACITO / SLAC sevaristo@uol.com.br Coleta do Canal Endocervical As células da endocérvice são um componente chave do esfregaço, o qual indica que a zona de transformação está representada.

Leia mais

ANEXO I (Resolução CFM nº 2074/2014) TERMO DE ESCLARECIMENTO, INFORMAÇÃO E CONSENTIMENTO PARA TRANSPORTE DE AMOSTRA DE MATERIAL BIOLÓGICO

ANEXO I (Resolução CFM nº 2074/2014) TERMO DE ESCLARECIMENTO, INFORMAÇÃO E CONSENTIMENTO PARA TRANSPORTE DE AMOSTRA DE MATERIAL BIOLÓGICO ANEXO I (Resolução CFM nº 2074/2014) IDENTIFICAÇÃO/LOGOTIPO DO ESTABELECIMENTO DE SAÚDE DADOS DO PACIENTE TERMO DE ESCLARECIMENTO, INFORMAÇÃO E CONSENTIMENTO PARA TRANSPORTE DE AMOSTRA DE MATERIAL BIOLÓGICO

Leia mais

RISCO DE LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE ALTO GRAU E CÂNCER CERVICAL NAS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO CITOLÓGICO DE CÉLULAS ESCAMOSAS

RISCO DE LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE ALTO GRAU E CÂNCER CERVICAL NAS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO CITOLÓGICO DE CÉLULAS ESCAMOSAS Fundação Oswaldo Cruz Instituto Fernandes Figueira Pós-graduação em Saúde da Criança e da Mulher RISCO DE LESÃO INTRA-EPITELIAL ESCAMOSA DE ALTO GRAU E CÂNCER CERVICAL NAS PACIENTES COM DIAGNÓSTICO CITOLÓGICO

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Alexandre de Lima Farah

Alexandre de Lima Farah Alexandre de Lima Farah Declaração de conflito de interesse Não recebi qualquer forma de pagamento ou auxílio financeiro de entidade pública ou privada para pesquisa ou desenvolvimento de método diagnóstico

Leia mais

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP SADTs

Grupo Hospitalar Conceição - GHC Hospital Nossa Senhora da Conceição Procedimento Operacional Padrão POP SADTs Unidade: Laboratório de Patologia - HNSC Tarefa: REGISTRO DE MATERIAIS Responsável: Tatiana Wittée Neetzow Nunes CRM 21694; CP 26814; Cláudio R. P. Lima CP 17916; Olíria B. Albuquerque CP 20649. Conceito:

Leia mais

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015

DIAGNÓSTICO MÉDICO DADOS EPIDEMIOLÓGICOS FATORES DE RISCO FATORES DE RISCO 01/05/2015 01/05/2015 CÂNCER UTERINO É o câncer que se forma no colo do útero. Nessa parte, há células que podem CÂNCER CERVICAL se modificar produzindo um câncer. Em geral, é um câncer de crescimento lento, e pode

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES

TUMORES DE GLÂNDULAS SALIVARES Dr. Marcio R. Studart da Fonseca Cirurgia de Cabeça e Pescoço-HUWC/UFC Sistema Salivar 3 pares de Glândulas Salivares Maiores Parótidas Submandibulares Sublinguais Centenas de Glândulas Salivares Menores

Leia mais

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Oral 4 e 5º períodos CÂNCER BUCAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde

Prevenção do Câncer do Colo do Útero. Profissionais de Saúde Prevenção do Câncer do Colo do Útero Manual Técnico Profissionais de Saúde Ministério da Saúde Brasília, 2002 Apresentação No Brasil existem cerca de seis milhões de mulheres entre 35 a 49 anos que nunca

Leia mais

Gradação Histológica de tumores

Gradação Histológica de tumores Gradação Histológica de tumores A gradação histológica é uma avaliação morfológica da diferenciação celular de cada tumor. Baseada geralmente em 03-04 níveis de acordo com o tecido específico do tumor.

Leia mais

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014

PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PARECER CREMEC N.º 19/2014 24/11/2014 PROCESSO-CONSULTA PROTOCOLO CREMEC nº 7331/2014 ASSUNTO: ATRIBUIÇÕES DO MÉDICO PERITO E DO AUXILIAR DE NECROPSIA. PARECERISTA: CONSELHEIRO JOSÉ AJAX NOGUEIRA QUEIROZ

Leia mais

Citologia oncótica pela Colpocitologia

Citologia oncótica pela Colpocitologia ALTERAÇÕES ESCAMOSAS NÃO-REATIVAS NILM = negativo p/ lesão intra-epitelial cervical ASCUS e ASCH = células escamosas atípicas de significado indeterminado SIL = lesão intra-epitelial escamosa LSIL e HSIL

Leia mais

Células glandulares atípicas em esfregaços cervicovaginais: significância e aspectos atuais

Células glandulares atípicas em esfregaços cervicovaginais: significância e aspectos atuais J Bras Patol Med Lab v. 43 n. 1 p. 37-43 fevereiro 2007 ARTIGO DE ATUALIZAÇÃO UPDATING ARTICLE Células glandulares atípicas em esfregaços cervicovaginais: significância e aspectos atuais Primeira submissão

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA. José Eleutério Junior 2008

ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA. José Eleutério Junior 2008 ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA José Eleutério Junior 2008 1 ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA 1ª Edição Todos direitos reservados ao autor Eleutério Jr J. ATLAS DE CITOLOGIA GINECOLÓGICA Assunto: Ciências

Leia mais

Patologia do colo uterino I-Citopatologia Profa. Sônia Maria Neumann Cupolilo Dra. em Patologia FIOCRUZ/RJ Especialista em Patologia SBP Especialista em Citopatologia SBC HPV Objetivos Conhecer o Programa

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.074/2014

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.074/2014 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.074/2014 (Publicada no D.O.U. de 28 de julho de 2014, Seção I, p. 91-2) Disciplina responsabilidades dos médicos e laboratórios de Patologia em relação aos procedimentos diagnósticos

Leia mais

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules.

Keratin plug. Squamous epithelium. Lactiferous sinus. Interlobular ducts. Lobule with acini. Terminal (intralobular) ducts. Lobules. Citologia Mamária Keratin plug Squamous epithelium Lactiferous sinus Interlobular ducts Lobule with acini Subsidiary duct Terminal (intralobular) ducts Lobules Main ducts 2ª Costela Músculo Grande Peitoral

Leia mais

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014

INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RS PORTARIA 13/2014 PORTARIA 13/2014 Dispõe sobre os parâmetros do exame PET-CT Dedicado Oncológico. O DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL-IPERGS, no uso de suas atribuições conferidas

Leia mais

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios

Análise e discussão: O câncer do colo uterino é uma doença de evolução lenta. Na grande maioria dos casos, esta neoplasia é precedida por estágios PREVENÇÃO DE LESÕES EPITELIAIS DE COLO UTERINO EM GESTANTES ATENDIDAS NO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE SANTA MARIA Área Temática: Saúde Thissiane de Lima Gonçalves 1 Leidiane de Lucca 2, Leiticia B. Jantsch³,

Leia mais

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS

NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS NEOPLASIAS DE ORIGEM MESENQUIMAL E NOMENCLATURA DAS NEOPLASIAS Curso: Graduação em Odontologia 4 º e 5 º Períodos Disciplina: Patologia Oral http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO:

INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: INSTRUÇÕES PARA O CANDIDATO: 1) Esta prova é composta por 20 (vinte) questões de múltipla escolha, cada uma valendo 0,5 (meio) ponto. 2) Cada questão apresenta apenas uma resposta correta. Questões rasuradas

Leia mais

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011

Agenda. Nódulo da Tireóide. Medicina Nuclear. Medicina Nuclear em Cardiologia 17/10/2011 Agenda Medicina Nuclear Endocrinologia Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com O objetivo desta aula é abordar a Medicina nuclear em endocrinologia (notadamente aplicações Câncer de Tireóide).

Leia mais

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos

PATOLOGIA DA MAMA. Ana Cristina Araújo Lemos PATOLOGIA DA MAMA Ana Cristina Araújo Lemos Freqüência das alterações mamárias em material de biópsia Alteração fibrocística 40% Normal 30% Alterações benignas diversas 13% Câncer 10% Fibroadenoma

Leia mais

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

CÂNCER DO COLO DO ÚTERO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro CÂNCER DO COLO DO ÚTERO Maria da Conceição Muniz Ribeiro O câncer do colo do útero, também chamado de cervical, demora muitos anos para se desenvolver. As alterações das células que podem desencadear o

Leia mais

Células glandulares endometriais: típicas e atípicas. Profª Marcia P. Paim Bióloga/Citotecnologista DIPAT - INCa

Células glandulares endometriais: típicas e atípicas. Profª Marcia P. Paim Bióloga/Citotecnologista DIPAT - INCa Células glandulares endometriais: típicas e atípicas Profª Marcia P. Paim Bióloga/Citotecnologista DIPAT - INCa ANATOMIA DO APARELHO REPRODUTOR FEMININO Endométrio Parte mais interna do útero. Recoberta

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Comissão de Residência Multiprofissional e em Área Profissional da Saúde COREMU Edital nº: 03/2015 ProPPG/UFERSA Programa: Residência em Área Profissional da Saúde em Patologia Animal PROVA ESCRITA 01.

Leia mais

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo

Cirurgia I. Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Exame Extemporâneo Cirurgia I Tema da Aula: Possibilidades e Vantagens do Docente: Profª Isabel Fonseca Data: 16/12/2010 Número da Aula Previsto: 14ª Desgravador: Corrector: Teresa Estevens Índice de Conteúdos EXAME EXTEMPORÂNEO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PATOLOGIA PERFIL DAS LESÕES ENCONTRADAS NOS HISTOPATOLÓGICOS DO COLO UTERINO EM PACIENTES COM ATIPIA DE CÉLULAS

Leia mais

Manual de Orientação Trato Genital Inferior

Manual de Orientação Trato Genital Inferior Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia Manual de Orientação Trato Genital Inferior CAPÍTULO 13 Condutas em exames colpocitológicos alterados 2010 Este Manual de Orientação foi

Leia mais

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV

UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV UNIC Universidade de Cuiabá NEOPLASIAS CMF IV Aspectos Morfológicos das Neoplasias DEFINIÇÕES Neoplasia Tumor Câncer Inflamação/Neoplasia Termo comum a todos tumores malignos. Derivado do grego Karkinos

Leia mais

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952.

O sistema TNM para a classificação dos tumores malignos foi desenvolvido por Pierre Denoix, na França, entre 1943 e 1952. 1 SPCC - Hospital São Marcos Clínica de Ginecologia e Mastologia UICC União Internacional Contra o Câncer - TNM 6ª edição ESTADIAMENTO DOS TUMORES DE MAMA HISTÓRIA DO TNM O sistema TNM para a classificação

Leia mais

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA.

Todas as pacientes com lesões NIC 2 e NIC 3 devem ser tratadas com crioterapia ou CA. Como proporcionar atenção contínua às mulheres Mulheres diagnosticadas com infecção dos órgãos reprodutores devem receber prontamente tratamento segundo as diretrizes da OMS. Embora seja preferível poder

Leia mais

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU-

OCÂNCER DE COLO UTERINO ÉOSEGUNDO TU- colo uterino Rastreamento do câncer de colo uterino: desafios e recomendações Arquivo pessoal Evandro Sobroza de Mello * Médico patologista, coordenador do Laboratório de Anatomia Patológica do Instituto

Leia mais

Benign lesion of the biliary ducts mimicking Kastskin tumor

Benign lesion of the biliary ducts mimicking Kastskin tumor Benign lesion of the biliary ducts mimicking Kastskin tumor Giordani, L. 1 ; Santo, G.F.E. 1, Sanches, M.C.O 1., Tenorio, L.E.M. 2 ; Morais, L.L.G 2 ; Gomes, F. G. 1 1 Department of General Surgery, University

Leia mais

Imuno-histoquímica - aplicações

Imuno-histoquímica - aplicações Imuno-histoquímica - aplicações diagnóstico diferencial entre neoplasias indiferenciadas pela histopatologia - casos nos quais a morfologia não permite conclusão da diferenciação do tumor Ex.: carcinoma

Leia mais

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07. Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago

Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07. Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago Faculdade de Medicina da Universidade do Porto Biopatologia 2006/2007 16º Seminário: 14/02/07 Cancro e lesões pré-cancerosas do esófago e do estômago O esófago junta-se ao estômago no cárdia, constituindo

Leia mais

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume:

ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: IF001 - Imunofenotipagem para Classificação de Leucemias Técnica: Material: Volume: Manual da Coleta ONCO-HEMATOLOGIA ATENÇÃO: É recomendável que as amostras de Imunofenotipagem por Citometria de Fluxo para Classificação de Leucemias e de Imunofenotipagem de Líquidos Biológicos venham

Leia mais

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA

INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA INTRODUÇÃO À RADIOLOGIA MUSCULO-ESQUELÉTICA Prof. Rodrigo Aguiar O sistema músculo-esquelético é formado por ossos, articulações, músculos, tendões, nervos periféricos e partes moles adjacentes. Em grande

Leia mais

Cancer de Colo do Útero

Cancer de Colo do Útero Cancer de Colo do Útero Câncer de colo do útero são alterações celulares que tem uma progressão gradativa e é por isto que esta é uma doença curável quando descoberta no início. Esta é a razão do exame

Leia mais

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS

GUIA DE COLETA DE AMOSTRAS Diretrizes para coleta da amostra As análises laboratoriais e seus resultados dependem da coleta adequada da amostra, como também, do armazenamento e transporte apropriados até o laboratório. A equipe

Leia mais

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira

Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL. http://lucinei.wikispaces.com. Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira Disciplina: Patologia Bucal 5º período CÂNCER ORAL http://lucinei.wikispaces.com Prof.Dr. Lucinei Roberto de Oliveira 2012 Sigmund Freud ( 1856-1939, 83 anos ) durante 59 anos, mais de 20 charutos/dia

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Escreva seu Número de Inscrição neste retângulo: 2 Este Caderno contém 40 questões de múltipla escolha. 3 4 5 6 7 8 9 Quando o Fiscal autorizar, confira se este Caderno está completo

Leia mais

Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology

Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology Vaginal Metastasis from Colorectal Adenocarcinoma: Diagnosis in Cervicovaginal Cytology Oliveira B 1 Ɨ, Cunha C 1 Ɨ, Mendes M 1 * Ɨ, Coimbra N 2, Duarte A 2, Babo A 2, Martins C 2, Monteiro P 2 1 School

Leia mais

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A

ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A ESTUDO DO PADRÃO DE PROLIFERAÇÃO CELULAR ENTRE OS CARCINOMAS ESPINOCELULAR E VERRUCOSO DE BOCA: UTILIZANDO COMO PARÂMETROS A IMUNOEXPRESSÃO DO PCNA, KI-67 E CICLINA B1 SPÍNDULA FILHO, José Vieira de ;

Leia mais

Rastreio do cancro anal por citologia e virologia: 3 anos de experiência

Rastreio do cancro anal por citologia e virologia: 3 anos de experiência Rastreio do cancro anal por citologia e virologia: 3 anos de experiência Carla Pinheiro Laboratório de Citopatologia, Serviço de Anatomia Patológica, Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco

Leia mais

Cirurgia poupadora de órgão no tratamento da massa testicular

Cirurgia poupadora de órgão no tratamento da massa testicular Cirurgia poupadora de órgão no tratamento da massa testicular TUMORES DO TESTÍCULO Nuno Louro nunorlouro@gmail.com 16 de Novembro de 2013 ORQUIDECTOMIA RADICAL Maioria das massas testiculares palpáveis

Leia mais

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO

LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EM CÃO RELATO DE CASO LUCIANE CAMILA HISCHING 1, FABIOLA DALMOLIN 2, JOELMA LUCIOLI 3, THIAGO NEVES BATISTA 3, JOSÉ EDUARDO BASILIO DE OLIVEIRA GNEIDING 3. 1 Discente Medicina

Leia mais

- Ambulatório: Termo usado geralmente em regime de tratamentos não obriga a estar acamado ou em observação;

- Ambulatório: Termo usado geralmente em regime de tratamentos não obriga a estar acamado ou em observação; A - Ambulatório: Termo usado geralmente em regime de tratamentos não obriga a estar acamado ou em observação; - Ajudas técnicas: segundo a ISO (Organização Internacional de Normalização entidade internacional

Leia mais

Processos Patológicos Gerais 3º ano/2012 Carga horária 144 horas

Processos Patológicos Gerais 3º ano/2012 Carga horária 144 horas Processos Patológicos Gerais 3º ano/2012 Carga horária 144 horas Diretor do Depto de Ciências Patológicas Prof.Dr. Dino Martini Filho Coordenadora do Curso: Profa. Dra. Geanete Pozzan OJETIVOS GERAIS:

Leia mais