HIDROLOGIA. Capítulo 1. Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HIDROLOGIA. Capítulo 1. Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO."

Transcrição

1 HIDROLOGIA Antônio Marciano da Silva Carlos Rogério de Mello Capítulo 1 CONCEITUAÇÃO, APLICAÇÃO E CICLO HIDROLÓGICO Conceituação Hidrologia é uma ciência aplicada que estuda a água na natureza, abrangendo as suas propriedades e os processos que interferem na sua ocorrência e distribuição na atmosfera, na superfície terrestre e no subsolo. Dentro deste contexto, ela pode ser dividida em: - Hidrometeorologia: estudo da água na atmosfera; - Hidrologia de Superfície: estudo das águas superficiais, dividindo-se em: Limnologia: estudo d água em lagos e reservatórios; Potamologia: estudo água em arroios e rios; Glaciologia: estudo da água na forma de gelo e neve na natureza; - Hidrogeologia: estudo das águas subterrâneas; Com a incorporação da visão holística, incluindo os aspectos ambientais, a Hidrologia vem se aprofundando e se subdividindo em subáreas do conhecimento, como por exemplo: - Geomorfologia: avaliação do relevo de bacias hidrográficas de forma quantitativa; - Interceptação vegetal: análise da influência da cobertura vegetal na interceptação da chuva; - Infiltração: processo altamente influenciado pelo manejo do solo, determinante da intensidade de escorrimento superficial e por indiretamente da erosão hídrica; Evaporação e Evapotranspiração: avalia a transferência de água para atmosfera, desde a superfície do solo, vegetação ou dos espelhos de água; - Sedimentologia estudo da produção de sedimento e de seu transporte sobre as encostas e canais de drenagem: análise da influência da água no contexto da erosão em bacias hidrográficas; - Qualidade da água e meio ambiente: quantifica a qualidade da água por meio de parâmetros físicos, químicos e biológicos.

2 1.2 Importância da Hidrologia A água é um recurso natural reciclável que aparentemente encontra-se em grande disponibilidade, tanto qualitativamente como quantitativamente, por ocupar cerca de 70% da superfície do planeta. Sempre foi e continuará sendo, com maior intensidade, um fator preponderante e cada vez mais limitante para o desenvolvimento da sociedade humana. Essencial à vida, a água é um elemento necessário a diversas atividades humanas, além de constituir componente fundamental da paisagem e meio ambiente. Recurso de valor inestimável, apresenta utilidades múltiplas, como geração de energia elétrica, abastecimento doméstico e industrial, irrigação, navegação, recreação, turismo, aquicultura, piscicultura, pesca e ainda, assimilação de esgoto. A quantidade de água existente na natureza é finita e sua disponibilidade diminui gradativamente devido ao crescimento populacional, à expansão das fronteiras agrícolas, ao desperdício e à degradação do meio ambiente devido à poluição e contaminação. Sendo a água um recurso indispensável à vida, é de fundamental importância a discussão das relações entre o homem e a água, uma vez que a sobrevivência das gerações futuras depende diretamente das decisões que hoje estão sendo tomadas. No Brasil, depois da aprovação da Constituição de 1988 e da Lei 9433/97 que instituiu a Política Nacional de Recursos Hídricos, a água passou a ser um bem público, com valor econômico, cuja utilização requer que seja conferida a outorga do direito de uso da água, instrumento de apoio à gestão dos recursos hídricos. O Quadro 1 a seguir apresenta a distribuição de água no globo terrestre. Quadro 1. Distribuição da água no Globo Terrestre. Forma de Ocorrência Volume (10 6 km 3 ) % do total Água Salgada - oceanos 1,405 97,13 Água Doce: 2,87 - geleiras 32,41 2,24 - subterrânea (solo + aquíferos) 8,86 0,612 - lagos 0,13 0,009 - rios 0,014 0,001 - atmosfera 0,014 0,001 Fonte: Wolman citado por Chow (1964). 2

3 A Figura 1 mostra os percentuais de água doce de cada uma das fontes no planeta. Distribuição da Água Doce Subterrânea 21,32% Rios 0,03% Atm osfera 0,03% Geleira 78,05% Lagos 0,31% Figura 1. Distribuição da água doce no planeta. A análise dos dados, que refletem a distribuição da água no globo terrestre, permite que se conclua ser necessário estabelecer um uso racional dos recursos hídricos, uma vez que a maior parte da água consumível não está acessível ao homem. No Brasil, o fornecimento de água para as atividades econômicas é, na grande maioria, proveniente de rios e reservatórios e nas regiões mais habitadas já estão ocorrendo sérios problemas de fornecimento, como em São Paulo e no Rio de Janeiro, que já apresentam um quadro próximo de um colapso. Da água da atmosfera, 90% encontra-se nos primeiros 5 km e se toda ela precipitasse sobre a superfície terrestre, resultaria uma lâmina de 25 mm. A Figura 2 mostra outra informação relevante, sobre os diferentes usos da água no mundo. 3

4 Figura 2. Distribuição média do uso da água pelas diferentes atividades no mundo. No Quadro 2, pode-se analisar o consumo de água, das principais atividades econômicas no Estado de Minas Gerais, comparativamente ao uso, em nível mundial. É importante destacar que em Minas Gerais o uso da água para atividades de irrigação chega a 90% do total enquanto no Mundo, 72%. Esta diferença é considerável e basicamente está associada a uma das principais atividades econômicas do estado, a agropecuária, que tem apresentado demanda crescente por sistemas irrigados em especial na região do Triângulo Mineiro. Uma informação importante é que mais de 60% das derivações dos cursos d água brasileiros são para fins de irrigação. Atualmente, mais de 50% da população mundial depende de produtos irrigados. Quadro 2. Distribuição do consumo de água em Minas Gerais e no Mundo pelas principais atividades. Minas Gerais Mundo Natureza do uso % do Total % do Total Abastecimento Humano 8,92 6 Abastecimento Industrial 0,60 21 Sedentação Animal 0,62 1,4 Irrigação 89,96 71,6 Fonte: Freitas (1996). 4

5 Estas informações reafirmam a importância que a água assume para uma agricultura sustentável, que além de atender a uma demanda crescente de produção e produtividade, deve também, atentar para a conservação e preservação de um recurso que é finito e cada vez mais escasso, em termos qualitativos. Tanto a Agenda 21 (Capítulo 18), como a Política Nacional de Recursos Hídricos (Lei 9433/97), estabelecem princípios a serem praticados na gestão dos recursos hídricos: a) a adoção da bacia hidrográfica como unidade de planejamento; b) a água é um recurso que possui usos múltiplos; c) o reconhecimento da água como um bem finito e vulnerável; d) a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada, participativa. Possuem ainda, como diretrizes gerais de ação: a integração da gestão dos recursos hídricos com a gestão ambiental; a adequação às peculiaridades regionais de cada bacia; a articulação dos planejamentos regionais, o Estadual e o Federal; as articulações e parcerias entre o poder público, os usuários e as comunidades locais. Na Figura 3 apresenta-se um mapa com as principais bacias hidrográficas do Brasil, juntamente com informações adicionais de população, área e potencial hídrico. Figura 3. Principais bacias hidrográficas do Brasil. 5

6 Apesar de o Brasil possuir em seu território, 8% de toda a reserva de água doce do mundo, com 53% dos recursos hídricos da América do Sul, deve-se alertar que 80% dessa água encontramse na região Amazônica (Bacia Amazônica), ficando os restantes 20% circunscritos ao abastecimento das áreas do território onde se encontram 95% da população e a maioria das atividades econômicas do país. Por isso, mesmo com grande potencial hídrico, a água é objeto de conflitos, em várias partes do país. Para se entender a importância científica e prática da Hidrologia, deve-se atentar para a interação da água com as propriedades físicas, químicas e biológicas do meio, ou seja, é absolutamente necessária a interação com outras ciências uma vez que a água apresenta-se em 3 estados físicos da matéria e influencia a maioria dos processos naturais. Portanto, a Hidrologia é uma ciência que interage com outras áreas aplicadas como Hidráulica, Drenagem, Ciência do Solo, Meteorologia e Geologia, além de outras básicas tais como física, química, matemática e biologia, que são essenciais para atingir um dos principais objetivos da ciência hidrológica que é a modelagem do comportamento da água, visando a previsões. Isto tem grande importância para auxiliar estudos que envolvam a influência de atividades antrópicas (ações do homem) na natureza. Além disto, auxilia nos projetos de obras hidráulicas, fornecendo informações seguras e consistentes sobre chuvas intensas e vazões máximas. 1.3 Aplicações da Hidrologia As várias aplicações da hidrologia envolvem desde projetos de obras hidráulicas, até atividades associadas às questões ambientais, destacando-se: a) Fornecimento de subsídios técnicos para escolha adequada de fontes de abastecimento de água para uso doméstico e industrial, por meio de parâmetros associados à qualidade e quantidade de água disponível; b) Projeto e construção de obras hidráulicas (projetos de drenagem e barragens) e fixação de dimensões de obras de arte como pontes, bueiros e galerias pluviais, por meio da geração de informações com base na aplicação de modelos chuva-vazão às bacias de contribuição; c) Estudo das características químicas, biológicas e comportamentais, como condições de alimentação, escoamento natural e oscilação temporal da profundidade de lençol freático; d) Auxiliar nos projetos de irrigação na escolha do manancial e estudos de evaporação e infiltração de água no solo; e) Regularização de cursos d água e controle de inundações por meio de estudos de variação de vazão, previsão de vazões máximas e áreas de inundação; 6

7 f) Controle de poluição, por meio da análise da capacidade de recebimento de corpos receptores dos efluentes de sistemas de esgotos, gerando informações sobre vazões mínimas de cursos d água, capacidade de reaeração e velocidade do escoamento; g) Estudos de erosão, fornecendo subsídios para estimativa de perdas de solo como, intensidade de precipitação, escoamento em bacias hidrográficas e proteção por meio da implantação de vegetação e dimensionamento de canais divergentes, bacias de contenção em estradas e terraços de infiltração e escoamento; h) obtenção de dados e estudos sobre construção e manutenção de canais para navegação; i) Aproveitamento hidrelétrico por meio da geração de informações sobre vazões máximas, médias e mínimas de cursos d água visando às avaliações técnico-financeiras do projeto; j) Verificação da necessidade de reservatórios de acumulação e determinação dos elementos necessários à execução do projeto, como informações sobre bacias de contribuição, volumes armazenáveis e perdas por evaporação e infiltração; k) Recuperação e preservação do meio ambiente bem como preservação e desenvolvimento da vida aquática; l) Planejamento e gerenciamento de bacias de hidrográficas, fornecendo informações sobre os principais parâmetros hidrológicos. Observa-se que a Hidrologia é uma ciência de aplicação essencial para projetos de obras civis e também para estudos ambientais, por meio de monitoramento do ciclo hidrológico dos ecossistemas de interesse. É importante tanto para a Engenharia Agrícola e como Florestal, que além de obras hidráulicas e irrigação, que são campos de atuação da primeira, é fundamental para a ciência florestal, uma vez que estudos sobre o papel hidrológico de áreas de preservação ambiental, como matas ciliares e várzeas, e áreas de exploração vegetal, ocupadas por eucaliptos e pinus, típicas de empresas produtoras de papel e celulose, devem ser realizados e estimulados, já que, a disponibilidade hídrica é um dos parâmetros ambientais indicadores de degradação de áreas e essencial para recuperação de sistemas ecológicos degradados. 1.4 Métodos de Estudo Como já exposto, a Hidrologia estuda a ocorrência da água em suas diferentes fases e formas, tanto na atmosfera como na superfície da terra e no interior do solo. Mostrou-se ainda que, a ocorrência da água é uma conseqüência da interação de vários fatores meteorológicos. A maioria dos dados hidrológicos como precipitação e vazões dos cursos d água são elementos de natureza histórica, porque cada um deles constitui um evento que não pode ser 7

8 repetido na prática sob controle de um experimentador. Os dados experimentais podem ser verificados e comparados por meio da repetição de um dado experimento. Os dados históricos, ao contrário, não podem ser confirmados por repetição do fenômeno em laboratório, tornando-se necessária a observação e o registro contínuos, para possibilitar a comparação e verificação e análise dos mesmos. A observação e o registro dos eventos meteorológicos de interesse para a Hidrologia tornase possível devido a postos meteorológicos instalados e estações fluviométricas (hidrométricas), estas últimas instaladas em seções de cursos d água. É interessante observar que a existência de postos hidrométricos reflete, de certa forma, a extensão do aproveitamento dos recursos hídricos de um país e seu grau de desenvolvimento. Com relação a postos pluviométricos (estações meteorológicas), a recomendação para o Brasil é de 1 a cada 500 km 2, o que atualmente existe apenas em alguns regiões dentro dos estados, havendo uma carência acentuada de registros de chuvas. O principal problema verificado na observação e registro dos dados hidrológicos até pouco tempo era o homem, pois, devido às características do serviço, o retorno financeiro não é compensador, implicando em mão-de-obra sem a devida formação para atender a seriedade e a importância com que deve ser encarada a coleta dos dados. Isto resultava, inevitavelmente, em falhas no registro, preenchimento arbitrário dos dias sem observação, leituras equivocadas, etc. O problema se acentuava quando se tratava de dados de vazões em cursos d água, onde a rede de observações fluviométricas é bem inferior a de postos meteorológicos. Felizmente este quadro tem se alterado rapidamente em decorrente do avanço tecnológico, em particular no setor de automação e comunicação, existindo um número significativo de estações automatizadas, com sistema de armazenamento de dados ou mesmo em rede on line com a central de monitoramento. O monitoramento da erosão, por meio do aporte de sedimentos, ainda é relativamente raro no país. Tudo isto associado, faz com que ainda se apliquem modelos hidrológicos, desenvolvidos para as condições meteorológicas e pedológicas de fora do país, abrindo a perspectiva de imprecisão na previsão de fenômenos hidrológicos para as condições brasileiras. Portanto, para realizar os estudos hidrológicos, há necessidade de : - observar e registrar os eventos e parâmetros hidrológicos básicos; - disponibilizar e/ou publicar os dados obtidos; - analisar os dados e formular teorias; - aplicar teorias a problemas práticos. Neste sentido, pode-se dentro de uma visão acadêmica, a Hidrologia pode ser entendida como: 8

9 - Hidrologia Paramétrica: aquela que baseia-se na análise e no desenvolvimento das relações entre as características físicas em jogo nos acontecimentos hidrológicos e o uso destas relações para gerá-los ou sintetizá-los. - Hidrologia Estocástica: aquela que baseia-se nas características estatísticas das variáveis hidrológicas, para resolver problemas com base nas propriedades estocásticas daquelas variáveis. Variável estocástica é aquela cujo valor é determinado por uma função probabilística qualquer. Como exemplo, tem-se dados de precipitação e vazão. 1.5 Ciclo Hidrológico O ciclo da água no globo é acionado pela energia solar. Esse ciclo retira água dos oceanos através da evaporação da superfície do mar e da superfície terrestre. Anualmente cerca de 5,5 x 10 5 km 3 de água são evaporados, utilizando 36% de toda a energia solar absorvida pela Terra, cerca de 1,4 x Joules por ano (IGBP, 1993). Essa água entra no sistema de circulação geral da atm osfera que depende das diferenças de absorção de energia (transformação em calor) e da reflectância entre os trópicos e as regiões de maior latitude, como as áreas polares. Em média, cerca de MW são transportados dos trópicos, para as regiões polares em cada hemisfério. O sistema de circulação da atmosfera é extremamente dinâmico e não-linear, dificultando sua previsão quantitativa. Esse sistema cria condições de precipitação pelo resfriamento do ar úmido que formam as nuvens gerando precipitação na forma de chuva e neve (entre outros) sobre os mares e superfície terrestre. A água evaporada se mantém na atmosfera, em média apenas 10 dias. O fluxo sobre a superfície terrestre é positivo (precipitação menos evaporação), resultando nas vazões dos rios em direção aos oceanos. O fluxo vertical dos oceanos é negativo, com maior evaporação que precipitação. O volume evaporado adicional se desloca para os continentes através do sistema de circulação da atmosfera e precipita, fechando o ciclo. Em média, a água importada dos oceanos é reciclada cerca de 2,7 vezes sobre a terra através do processo precipitaçãoevaporação, antes de escoar de volta para os oceanos (IGBP,1993). Esse ciclo utiliza a dinâmica da atmosfera e os grandes reservatórios de água, que são os oceanos (1.350 x 10 5 m 3 ), as geleiras (25 x 10 5 m 3 ) e os aqüíferos (8,4 105 m 3 ). Os rios e lagos, biosfera e atmosfera possuem volumes insignificantes se comparados com os acima. Os processos hidrológicos na bacia hidrográfica possuem duas direções predominantes de 9

10 fluxo: vertical e o longitudinal. O vertical é representado pelos processos de precipitação, evapotranspiração e fluxo de água no solo, enquanto que o longitudinal pelo escoamento na direção dos gradientes da superfície (escoamento superficial e rios) e do subsolo (escoamento subterrâneo) O conceito de ciclo hidrológico é um bom ponto de partida útil, inclusive acadêmico, para se iniciar o estudo da Hidrologia. O mesmo se faz visível começando com a água existente na atmosfera, conseqüência da evaporação desta nas superfícies livres (oceano, rios, lagos, geleiras, etc.) e no solo. O vapor resultante da evaporação é transportado pelas massas de ar em movimento. Sob determinadas condições climáticas (pressão de vapor e temperatura) o vapor se condensa, formando nuvens que podem ocasionar precipitações. A precipitação que cai sobre o terreno dispersa-se de vários modos. A maior parte é retida temporariamente no solo, nas proximidades do local onde caiu e finalmente retorna à atmosfera por evaporação e por transpiração das plantas. Parte da água escoa superficialmente até os leitos dos rios, outra parte penetra no solo para constituir o armazenamento subterrâneo. Devido à ação da força gravitacional, tanto as águas superficiais como as subterrâneas descem até cotas mais baixas e podem, eventualmente, atingir o oceano. No entanto, grandes quantidades de águas superficiais e subterrâneas retornam à atmosfera por evaporação e transpiração antes de chegar aos oceanos. Todos os processos que fazem parte do ciclo hidrológico são regidos fundamentalmente pela radiação solar. Esta descrição do ciclo hidrológico é bastante simplificada. Por exemplo, parte da água que constitui as correntes superficiais pode infiltrar-se até a água subterrânea; em outros casos, ao contrário, a água subterrânea dá origem às correntes superficiais. Parte da precipitação pode ficar sobre o terreno como neve durante muitos meses até sofrer fusão com o fim do inverno e provocar escoamento, num fenômeno conhecido como snowmelt. O ciclo hidrológico é um meio apropriado para delimitar aproximadamente o campo da Hidrologia de Superfície, como a parte compreendida entre a precipitação sobre o terreno e o retorno de tal água para a atmosfera ou oceano. Serve também para ressaltar as cinco fases básicas de interesse para o hidrólogo: precipitação, infiltração, evapotranspiração, escoamento superficial e água subterrânea. A apresentação do ciclo hidrológico da forma presente pode deixar a impressão de um mecanismo contínuo no qual a água se desloca sob velocidade constante. Tal impressão deve ser desfeita. O movimento da água entre as diversas fases do ciclo é, principalmente, irregular, tanto em tempo como em lugar. Às vezes, a natureza parece trabalhar horas extras para proporcionar as chuvas torrenciais que podem provocar inundações. Em outras ocasiões, parece que a maquinaria do ciclo parou por completo e com ela, a precipitação e os escoamentos superficiais. Em áreas adjacentes, as variações do ciclo podem ser totalmente diferentes. São precisamente esses casos 10

11 extremos, de inundações e secas, que freqüentemente apresentam maior interesse ao hidrólogo, pois muitos dos projetos de Hidrologia têm o fim de proteger contra os seus efeitos prejudiciais. Da análise do Ciclo Hidrológico, observa-se os processos ou fases sobre os quais o técnico pode atuar, no sentido de utilizar e preservar de forma racional os recursos naturais solo, água e cobertura vegetal. Dentre as fases destacam-se: - redução da parcela que atinge diretamente a superfície do solo pela manutenção de uma cobertura vegetal adequada ao solo e relevo existentes; - redução do escoamento superficial direto (cobertura vegetal, práticas conservacionistas mecânicas e vegetativas); - aumento da parcela de água que se infiltra (pelo aumento do tempo de oportunidade para que a infiltração se processe). Com isto, consegue-se alterar de forma significativa, a ocorrência e distribuição temporal do escoamento superficial, reduzindo as vazões máximas (enchentes) e elevando as vazões mínimas, ou seja, atenuação das cheias e secas por meio de regularização natural das vazões do curso d água. Indiretamente, atua-se também no aspecto qualitativo da água pelo controle da poluição. Estas ações somente terão efeito pleno se planejadas e executadas sobre toda a unidade física natural que é a Bacia Hidrográfica, em sintonia com a unidade social que é a comunidade local. A Figura 4 ilustra os componentes principais do ciclo hidrológico. 11

12 Radiação Solar Lençol Freático (não confinado) Manto de Rochas 1 Evaporação e Evapotranspiração 2 Precipitação 3 Interceptação pela cobertura vegetal 4 Armazenamento nas depressões 5 Infiltração 6 Escoamento Superficial Direto 7 Recarga do Lençol Freático 8 Escoamento Subterrâneo (base) 9 Escoamento Superficial Lençol Artesiano (confinado) Figura 4 Representação qualitativa do ciclo hidrológico. O Ciclo Hidrológico também pode ser estudado por meio de um balanço hídrico global, como descrito na Figura 5, ou mesmo, em nível de continentes, onde o Quadro 3 a seguir, apresenta-o de forma resumida com os seus componentes principais mais atuantes em termos proporcionais. 12

13 Evaporação 361*10 12 m 3 /ano Precipitação 324*10 12 m 3 /ano Atmosfera 14*10 12 m 3 Precipitação Evaporação/ Transpiração 62*10 12 m 3 /ano 99*10 12 m 3 /ano Terra 41,42*10 15 m 3 (2,86%) Oceanos 1.405*10 15 m 3 (97,13 %) Escoamento 37*10 12 m 3 /ano Figura 5. Representação do balanço hídrico global. Quadro 3. Balanço Hídrico simplificado dos continentes. Continente Precipitação Evaporação Escoamento Escoamento/Precipitação Anual (mm) Anual (mm) (mm) África ,24 Ásia ,36 Oceania ,13 Europa ,40 Am. Norte ,40 Am. Sul ,36 O valor da relação escoamento/precipitação fornece uma idéia da proporção da precipitação que é transformada em escoamento. Ele é um reflexo do regime climático do respectivo continente e das características físicas das bacias hidrográficas, que são os agentes ativos no processo de transformação da chuva em vazão. Não se pode esquecer que as atividades antrópicas nas bacias interferem diretamente no ciclo hidrológico. Quando um dos componentes deste sofre alteração haverá mudanças nos outros, que podem afetar de maneira singular o comportamento e a produção de água nas bacias. Em 13

14 termos agrícolas, o manejo do solo é uma das principais atividades que pode promover alterações consideráveis no tocante ao regime hídrico. Atualmente, várias pesquisas têm sido conduzidas com o intuito de verificar possíveis diferenças em termos de infiltração e retenção de água no solo proporcionada pelos manejos convencional e alternativo, como plantio direto e escarificação. Os resultados mostram que o primeiro reduz consideravelmente a infiltração de água no solo e na mesma proporção, aumenta o escoamento superficial, devido à completa desestruturação do solo e à superfície desprotegida, uma vez que normalmente este manejo ou retira os restos culturais ou os queima. Já o plantio direto, por promover mínima movimentação do solo (apenas na linha de plantio) e manutenção de restos culturais em superfície, promove uma maior capacidade de infiltração e, principalmente, manutenção da água no solo, além de reduzir o escoamento superficial, por aumentar a rugosidade superficial (pela presença de restos de culturas) e reduzir a produção de erosão, haja vista, que a energia produzida pelo impacto de gotas também será reduzida. É necessário, no entanto, que estudos sejam realizados com o intuito de verificar a relação custo/benefício e a adaptação dos sistemas mínimos em algumas regiões brasileiras. A avaliação econômica é importante, pois, os custos com pesticidas aumenta nestes sistemas e normalmente, a produção cai nos primeiros anos devido à uma adaptação natural do solo ao processo, o que não se verifica com o passar do tempo. Uma outra ação do homem que altera sensivelmente o ciclo da água é o corte indiscriminado de coberturas vegetais, em especial, matas ciliares e vegetação nativa. Mentalmente, ao se avaliar a Figura 4, verifica-se que a retirada de árvores promoverá conseqüências marcantes no ciclo. Os componentes evaporação e evapotranspiração serão reduzidos. Haverá também, aumento considerável do escoamento superficial, pela redução da interceptação, o que, por conseqüência, reduzirá a infiltração de água no solo e automaticamente, a recarga de lençol freático, comprometendo o fluxo de água nas nascentes e rios. Desta forma, analisa-se o papel importantíssimo da Hidrologia no contexto ambiental, uma vez que qualquer atividade sobre os recursos naturais da bacia hidrográfica, promoverá alteração no ciclo hidrológico e cabe ao hidrólogo compreender a função destes para melhor predizer os impactos que as atividades agrícolas promovem ao meio ambiente. 14

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO HIDROLOGIA I RESUMO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1 - Introdução: Apresentação do Programa da Disciplina, Sistema de Avaliação; Conceito; Importância e Aplicação da Hidrologia (2h) 2 - Ciclo Hidrológico (2h);

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS EDUCANDO PARA UM AMBIENTE MELHOR Apresentação A Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos do Rio Grande do Norte SEMARH produziu esta

Leia mais

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015

Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456. Tema 1 Introdução ANO 2015 Processos Hidrológicos CST 318 / SER 456 Tema 1 Introdução ANO 2015 Camilo Daleles Rennó Laura De Simone Borma http://www.dpi.inpe.br/~camilo/prochidr/ Aulas 1 Introdução - Camilo 2 Precipitação/Interceptação

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo.

Ciclo hidrológico. Distribuição da água na Terra. Tipo Ocorrência Volumes (km 3 ) Água doce superficial. Rios. Lagos Umidade do solo. Ciclo hidrológico Quase toda a água do planeta está concentrada nos oceanos. Apenas uma pequena fração (menos de 3%) está em terra e a maior parte desta está sob a forma de gelo e neve ou abaixo da superfície

Leia mais

USOS MÚLTIPLOS DAS ÁGUAS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS

USOS MÚLTIPLOS DAS ÁGUAS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Universidade Federal de Viçosa UFV Departamento de Engenharia Agrícola DEA Grupo de Pesquisa em Recursos Hídricos GPRH USOS MÚLTIPLOS DAS ÁGUAS: DESAFIOS E PERSPECTIVAS Fortaleza Ceará 13/06/2008 Demetrius

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

A água nossa de cada dia

A água nossa de cada dia A água nossa de cada dia Marco Antonio Ferreira Gomes* Foto: Eliana Lima Considerações gerais A água é o constituinte mais característico e peculiar do Planeta Terra. Ingrediente essencial à vida, a água

Leia mais

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com

A Qualidade da Água nas Cidades de Campina Grande e Taperoá. *gicelia.moreira2009@gmail.com A Qualidade da Água nas Cidades de e Gicélia Moreira (ID) 1,AntonioJoão S. Filho(ID) 1 Nataline C. S. Barbosa (ID) 1 Antonio N. de Souza (PG) Departamento de Química CCT-UEPB *gicelia.moreira2009@gmail.com

Leia mais

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre

A dinâmica do relevo terrestre e A hidrografia terrestre 1 O relevo terrestre é formado e modelado pela ação de diversos agentes internos (movimentos tectônicos, vulcanismo, terremoto) e externos (ação das águas, do vento e do próprio homem). Explique de que

Leia mais

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG.

Sustentabilidade de Aqüíferos. José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos José do Patrocínio Tomaz Albuquerque Professor Aposentado UFPB/UFCG. Sustentabilidade de Aqüíferos A visão sistêmica do Ciclo Hidrológico e as relações inter e intra-sistemas:

Leia mais

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2

Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas: Água no cotidiano - Módulo 1. A oferta de água - Módulo 2 professor Este caderno contém exercícios de fixação e passatempos sobre os temas:. Mapa conceitual sobre Água: Água no cotidiano - Módulo que são em três estados físicos A oferta de água - Módulo 2 é encontrada

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA - HIDROLOGIA APLICADA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1. CONCEITUE HIDROLOGIA? Ciência que trata da água na terra, em relação a sua ocorrência, Circulação,

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes.

Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. HIDROGRAFIA CONCEITOS Hidrografia: área que estuda as águas. Bacia hidrográfica: Conjunto de terras drenadas por um rio principal e seus afluentes. Rede hidrográfica: Conjunto de rios. A HIDROSFERA É a

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA

USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA ASGAM Assessoria de Gestão Ambiental Companhia de Gestão dos Recursos Hídricos COGERH USO RACIONAL DA ÁGUA NA AGRICULTURA Marcos Dantas Gestão Ambiental Pós-graduando em Biodiversidade e Sustentabilidade

Leia mais

O maior manancial de água doce do mundo

O maior manancial de água doce do mundo O maior manancial de água doce do mundo O Aquífero Guarani é o maior manancial de água doce Subterrânea transfronteiriço do mundo. Está localizado na região centro-leste da América do Sul, entre 12º e

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA O ENSINO DE GEOGRAFIA E A DISTRIBUIÇÃO, DISPONIBILIDADE E USO DA ÁGUA: RELATO DE EXPERIÊNCIA Elaine Aparecida Ramos elaineramos89@gmail.com Taison Luiz de Paula Braghiroli taisonbrag@gmail.com Resumo:

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFH Departamento de Geociências Curso de Graduação de Geografia Impactos potenciais das alterações do Código Florestal

Leia mais

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1:

Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: IPH 111 Hidráulica e Hidrologia Aplicadas Exercícios de Hidrologia Exercício 1: Calcular a declividade média do curso d água principal da bacia abaixo, sendo fornecidos os dados da tabela 1: Tabela 1 Características

Leia mais

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS

TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS TECNOLOGIAS APROPRIADAS À REVITALIZAÇÃO DA CAPACIDADE DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE MANANCIAIS AUTORES: Marcos Antonio Gomes - Engenheiro Florestal; Coordenador Técnico do Programa de Gestão de Recursos Hídricos

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro

3º Congresso Científico do Projeto SWITCH. Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro 3º Congresso Científico do Projeto SWITCH Belo Horizonte, MG, Brasil 30 de novembro a 04 de dezembro Gestão Integrada de Águas Urbanas em Diferentes Escalas Territoriais: a Cidade e a Bacia Hidrográfica

Leia mais

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015

CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 CARTA DAS ÁGUAS DO ACRE 2015 A Carta das Águas do Acre 2015 é o documento resultado do Seminário Água e Desenvolvimento Sustentável realizado pelo Governo do Estado do Acre, através da Secretaria de Estado

Leia mais

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL

ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL ENQUADRAMENTO DE CORPOS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL REGIONAL EDMILSON COSTA TEIXEIRA LabGest GEARH / UFES (edmilson@npd.ufes.br) DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? [COMISSÃO

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA

QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA QUANTIFICAÇÃO E QUALIFICAÇÃO DA PRODUÇÃO DE ÁGUA NA BACIA HIDROGRAFICA DO PIRACICABA - MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DAS CARACTERÍSTICAS HIDROLÓGICAS DE UMA MICROBACIA HIDROGRÁFICA, EXTREMA, MINAS GERAIS -

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID ESCOLA ESTADUAL FLORIANO CAVALCANTI FLOCA DISCIPLINA: GEOGRAFIA DOCENTE: SERGIO VIDAL Bolsistas: Ilnara Juvêncio Josilene de Brito Você

Leia mais

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico

As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 02 As Águas Subterrâneas no Ciclo Hidrológico Prof. Milton Matta O CICLO HIDROLÓGICO A água na hidrosfera se encontra em seus três estados físicos básicos: sólido,

Leia mais

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA CURSO - ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA- HIDROLOGIA EXERCÍCIO DE REVISÃO 1ª PARTE (ÁGUA SUBTERRÂNEA) 1- Como pode ser classificado um manancial de abastecimento? 2- De que são constituídos

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

O movimento da água entre os continentes, oceanos e a atmosfera é chamado de ciclo hidrológico.

O movimento da água entre os continentes, oceanos e a atmosfera é chamado de ciclo hidrológico. CICLO HIDROLÓGICO 1. O QUE É O CICLO HIDROLÓGICO O movimento da água entre os continentes, oceanos e a atmosfera é chamado de ciclo hidrológico. Na atmosfera, o vapor da água em forma de nuvens pode ser

Leia mais

. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA

. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA Hidrologia Aplicada Capítulo 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA Não é a toa que o Planeta Terra é chamado de o Planeta Azul - dois terços de sua superfície são cobertos pela água de mares e oceanos (Figura 1.1).

Leia mais

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO

COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO COLÉGIO MARQUES RODRIGUES - SIMULADO Estrada da Água Branca, 2551 Realengo RJ Tel: (21) 3462-7520 www.colegiomr.com.br PROFESSOR ALUNO ANA CAROLINA DISCIPLINA GEOGRAFIA A TURMA SIMULADO: P3 501 Questão

Leia mais

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA

CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA CAPÍTULO 3. BACIA HIDROGRÁFICA 3.1. Introdução O Ciclo Hidrológico, como descrito anteriormente, tem um aspecto geral e pode ser visto como um sistema hidrológico fechado, já que a quantidade de água disponível

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA

PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA II Seminário Estadual de Saneamento Ambiental PLANO DIRETOR DE DRENAGEM URBANA Prof. Dr. Eng. Civil Adilson Pinheiro Programa de Pós-Graduação em Engenharia Ambiental Departamento de Engenharia Civil UNIVERSIDADE

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO

ÁGUA. USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO ÁGUA USOS, DISTRIBUIÇÃO e PRESERVAÇÃO Embora a água seja a substância mais abundante do nosso planeta, especialistas e autoridades internacionais alertam para um possível colapso das reservas de água doce,

Leia mais

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento.

Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ø As actividades humanas dependem da água para a agricultura, indústria, produção de energia, saúde, desporto e entretenimento. Ä A água é indispensável ao Homem, a sua falta ou o seu excesso, pode ser-lhe

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Rod. Campinas Mogi-Mirim, km 2,5 Campinas. SP. Brasil. 13088-900 cpfl@cpfl.com.br www.cpfl.com.br CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 053/2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CPFL GERAÇÃO AGÊNCIA NACIONAL

Leia mais

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB

RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB RESERVATÓRIOS DE DETENÇÃO HIDRICA: SOLUÇÃO PARA PROBLEMAS DE DRENAGEM URBANA NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE - PB Yuri Tomaz Neves 1 ; Laércio Leal dos Santos 2 ; Jonathan Nóbrega Gomes 3 ; Bruno Menezes

Leia mais

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA

PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA PROF. RICARDO TEIXEIRA A DINÂMICA DA HIDROSFERA A hidrosfera fonte para a vida A superfície do planeta Terra é constituída predominantemente de água. Os continentes e ilhas constituem cerca de 30% da superfície

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003

RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 RESOLUÇÃO Nº 131, DE 11 DE MARÇO DE 2003 Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de declaração de reserva de disponibilidade hídrica e de outorga de direito de uso de recursos hídricos, para uso

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares

Erosão e Voçorocas. Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares Erosão e Voçorocas Curso: Arquitetura e Urbanismo Disciplina: Estudos Ambientais Professor: João Paulo Nardin Tavares O que é erosão? A erosão caracteriza-se pela abertura de enormes buracos no chão pela

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Grandes Problemas Ambientais

Grandes Problemas Ambientais Grandes Problemas Ambientais O aumento do efeito de estufa; O aquecimento global; A Antárctica; A desflorestação; A Amazónia; A destruição da camada de ozono; As chuvas ácidas; O clima urbano; Os resíduos

Leia mais

HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA. 1.1. Introdução

HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA. 1.1. Introdução HIDROLOGIA CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À HIDROLOGIA 1.1. Introdução Hidrologia: é a ciência que trata da água na Terra, sua ocorrência, circulação e distribuição, suas propriedades físicas e químicas e sua

Leia mais

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias.

10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de frentes frias. Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Apoio Didático - Exercícios Silvia Jun/09 10. Não raro, a temperatura no Rio de Janeiro cai bruscamente em função da chegada de "frentes" frias. a) O que são "frentes"?

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 03 DE SETEMBRO DE 2008. Dispõe sobre procedimentos referentes à emissão de Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH) e de outorga de direito de uso de recursos

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios?

Por que o nível dos mares não sobe, mesmo recebendo continuamente as águas dos rios? CICLO DA ÁGUA 1. (ENEM-1998) O sol participa do ciclo da água, pois além de aquecer a superfície da Terra dando origem aos ventos, provoca a evaporação da água dos rios, lagos e mares. O vapor da água,

Leia mais

5ª série / 6º ano 1º bimestre

5ª série / 6º ano 1º bimestre 5ª série / 6º ano 1º bimestre Água e o planeta Terra Hidrosfera Distribuição e importância Hidrosfera é o conjunto de toda a água da Terra. Ela cobre 2/3 da superfície terrestre e forma oceanos, mares,

Leia mais

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS

- SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS - SEMINÁRIO SEGURANÇA HÍDRICA - CENÁRIO DO ESTADO DE MINAS GERAIS Eng. Mário Cicareli Pinheiro POTAMOS Engenharia e Hidrologia Ltda. mario.cicareli@potamos.com.br Belo Horizonte, 27 de março de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA FLORESTAL LABORATÓRIO DE HIDROLOGIA FLORESTAL Painel: Manejo da Paisagem para a Produção de Água: Conceitos e Aplicações

Leia mais

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO

SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO SÍNTESE DA COMPATIBILIZAÇÃO E ARTICULAÇÃO Esta síntese objetiva apresentar de forma resumida o que foi produzido na fase B do plano de bacia, permitindo uma rápida leitura das principais informações sobre

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor da prova: 2.0 Nota: Data: / /2015 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 6º 4º bimestre Trabalho de Recuperação de Geografia Orientações: - Leia atentamente

Leia mais

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS

TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS Julho 2004 TERRACEAMENTO EM SISTEMAS CONSERVACIONISTAS José Eloir Denardin Rainoldo Alberto Kochhann Neroli Pedro Cogo Ildegardis Bertol QUESTÃO São necessárias práticas complementares à Cobertura de Solo

Leia mais

Como os seres vivos modificam o ambiente?

Como os seres vivos modificam o ambiente? Como os seres vivos modificam o ambiente? O ar e a água possibilitam a integração dos seres vivos na dinâmica planetária. Por que a parede do copo com água fria fica molhada? Será? Toda matéria é constituída

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

MANEJO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS

MANEJO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL ERU 03977 MANEJO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS APOSTILA DIDÁTICA: MANEJO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS Prof. Roberto

Leia mais

Lei nº 10200 DE 08/01/2015

Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Lei nº 10200 DE 08/01/2015 Norma Estadual - Maranhão Publicado no DOE em 12 jan 2015 Dispõe sobre a Política Estadual de Gestão e Manejo Integrado de Águas Urbanas e dá outras providências. O Governador

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997

Universidade Estadual do Centro-Oeste Reconhecida pelo Decreto Estadual nº 3.444, de 8 de agosto de 1997 RESOLUÇÃO Nº 5-CEPE/UNICENTRO, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2010. Aprova o Curso de Especialização em Educação, Meio Ambiente e Desenvolvimento, modalidade modular, a ser ministrado no Campus CEDETEG, da UNICENTRO.

Leia mais

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0

Água, fonte de vida. Aula 1 Água para todos. Rio 2016 Versão 1.0 Água, fonte de vida Aula 1 Água para todos Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Analisar a quantidade de água potável disponível em nosso planeta 2 Identificar os diferentes estados da água 3 Conhecer o ciclo

Leia mais

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea

Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Exercícios de Alteração na Paisagem e Morfologia Litorânea Material de apoio do Extensivo 1. (UNIOESTE) O relevo apresenta grande diversidade de formas que se manifestam, ao longo do tempo e do espaço,

Leia mais

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC

REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC REDE DE MONITORAMENTO HIDROMETEOROLÓGICO PARA A BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIU SC FLORIANÓPOLIS SETEMBRO 2011 1 1. INTRODUÇÃO O Sistema de monitoramento hidrometeorológico é um dos principais instrumentos

Leia mais

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil

Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Curso: Panorama dos Recursos Hídricos no Mundo e no Brasil Aula: A água em números Alexandre Resende Tofeti Brasília - DF 23 de Agosto de 2013 CFI Dados sobre a Água no Mundo e na América do Sul Reservas

Leia mais

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal

ÁGUA NO SOLO. Geografia das Águas Continentais. Profª Rosângela Leal ÁGUA NO SOLO Geografia das Águas Continentais Profª Rosângela Leal A ÁGUA E O SOLO Os solos são constituídos de elementos figurados, água e ar. Os elementos figurados são contituídos partículas minerais

Leia mais

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca

TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca TÍTULO: Avaliação da Qualidade da Água de Poços Artesianos na Sede do Município de Itapipoca Autores: OLIVEIRA, Bruno Peixoto de ; MESQUITA, Charles Jefferson Ferreira; SOUZA, Petronio Augusto Simão. Curso

Leia mais

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO

INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO INFILTRAÇÃO DE ÁGUA NO SOLO Precipitação Radiação Solar Transpiração e Evaporação Infiltração Escoamento superficial direto Evaporação Lc Lp Escoamento Subterrâneo Rios e lagos Aqüífero Confinado Manto

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

Hidrografia Brasileira

Hidrografia Brasileira HIDROGRAFIA BRASILEIRA 1 O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água

Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água Aplicação da ferramenta Invest para identificação de Áreas de Risco de Contaminação no âmbito do Plano de Segurança da Água João Guimarães Dezembro/2012 60 anos Brasil 1988 32 países 3.500 funcionários

Leia mais

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA

3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3 ASPECTOS GERAIS DA ÁREA ESTUDADA 3.1. Localização O aproveitamento Hidrelétrico de Itumbiara, com potência instalada de 2080 MW, situa-se no rio Paranaíba, na divisa dos estados de Minas Gerais e Goiás,

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Suprimento (geração, transmissão e distribuição) de energia elétrica: aspectos socioambientais Lineu Belico dos Reis REQUISITOS BÁSICOS: Atendimento ao arcabouço legal ambiental

Leia mais

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta

Recursos Hídricos. Fig. 1 Distribuição da Água no Planeta Recursos Hídricos Recursos Hídricos Os recursos hídricos representam a água subterrânea e superficial disponível para qualquer tipo de uso dado pelo Homem numa determinada região. Estes recursos hídricos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A

O Q UE U É HIDRO R GRA R FIA? A HIDROGRAFIA BRASILEIRA O QUE É HIDROGRAFIA? A hidrografia é o ramo da geografia física que estuda as águas do planeta, abrangendo, rios, mares, oceanos, lagos, geleiras, água do subsolo e da atmosfera.

Leia mais

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR

EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI SUPERIOR EVOLUÇÃO DO TRANSPORTE DE SEDIMENTOS DO RIO PARAGUAI Grizio-orita, E.V. 1 ; Souza Filho, E.E. 2 ; 1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA Email:edineia_grizio@hotmail.com; 2 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

Leia mais

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA

USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA USO RACIONAL DA ÁGUA: RESULTADOS DE PRÁTICA PEDAGÓGICA ROCHA, Elza dos Santos S. da (UNEMAT) elzassr@yahoo.com.br SANTOS, Leandra Ines Seganfredo (UNEMAT) leandraines@hotmail.com Sabemos que a água é indispensável

Leia mais

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte

Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte Outorgas e Licenças de Obras Hidraúlicas no Estado do Rio Grande do Norte IGARN Natal maio/2014 BASE LEGAL PARA A GESTÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS Art. 1º Fundamentos: LEI 9.433/1997 a água é bem de domínio

Leia mais

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br

O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS. Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO E A ÁGUA NOS AMBIENTES RURAIS E URBANOS Profa. Nerilde Favaretto UFPR-DSEA nfavaretto@ufpr.br O SOLO É ESSENCIAL PARA A VIDA NA TERRA serve de fundação a todos os ecossistemas SERVE DE FUNDAMENTAL

Leia mais

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ

A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ A IMPLEMENTAÇÃO DA OUTORGA DE USO DOS RECURSOS HIDRICOS NO ESTADO DO PARÁ Verônica Jussara Costa Santos Engenheira Sanitarista, mestranda do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil (área Recursos

Leia mais

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento

Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS ESCOLA DE ENGENHARIA CIVIL Bacia Hidrográfica Precipitação Infiltração Escoamento Rávila Marques de Souza Mestranda em Engenharia do Meio Ambiente Setembro 2012 Bacia Hidrográfica

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais