Tópico 012. AFO para os cargos de auditor da CGE/DF; de analista e auditor do TCDF; APO/MP. Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Turma IGEPP 2014

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tópico 012. AFO para os cargos de auditor da CGE/DF; de analista e auditor do TCDF; APO/MP. Prof. M. Sc. Giovanni Pacelli Turma IGEPP 2014"

Transcrição

1 AFO para os cargos de auditor da CGE/DF; de analista e auditor do TCDF; APO/MP. Tópico 012 Turma IGEPP 2014 Dúvidas 1

2 Objetivo do curso Preparar os concurseiros para o concurso da CGE/DF, do TCDF e de APO/MP. 2

3 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF 3

4 Tópico 1 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Itens do edital de AFO 2 Orçamento público: conceitos e princípios. 2.1 Evolução conceitual do orçamento público. 2.2 Orçamento- Programa: fundamentos e técnicas. Planejamento e Orçamento 9. Orçamento público: conceitos e elementos básicos do orçamento público, orçamento tradicional, orçamento de base zero, orçamento de desempenho, orçamentoprograma. Direito Financeiro 2. Orçamento: conceito e espécies. Natureza jurídica. Princípios e normas constitucionais orçamentários. AFO - TCDF 1. Orçamento público e sua evolução; o orçamento com o instrumento do planejamento governamental; princípios orçamentários. Quantidade de aulas 3 4

5 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Tópico Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento 2 3 Orçamento público no Brasil: Títulos I, IV, V e VI da Lei nº 4.320/ Orçamento na constituição de 1988: Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), Lei Orçamentária Anual (LOA). 3.2 Leis de Créditos Adicionais. 4 Plano Plurianual (PPA): estrutura, base legal, objetivos, conteúdo, tipos de programas. 4.1 Decreto nº 2.829/ Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO): objetivos, Anexos de Metas Fiscais, Anexos de Riscos Fiscais. 7. Lei Complementar Federal nº 101/2000: planejamento. 8. Orçamento na Constituição Federal: Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. 14. Integração planejamento e orçamento Decreto nº 2.829, de 29/10/98 e Portaria MPOG nº 42, de 14/04/99. Direito Financeiro AFO - TCDF 2.Orçamento público no Brasil; Plano Plurianual; diretrizes orçamentárias; orçamento anual. 7. Lei Complementar Federal nº 101/2000: planejamento. Quantidade de aulas 2 5

6 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Tópico Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento 3 8 Gestão organizacional das finanças públicas: sistema de planejamento e orçamento e de programação financeira constantes da Lei nº / Ciclo orçamentário: elaboração da proposta, discussão, votação e aprovação da lei de orçamento. 7.1 Execução orçamentária e financeira: estágios e execução da despesa pública e da receita pública. 7.2 Programação de desembolso e mecanismos retificadores do orçamento. 5. Critérios para limitação de empenho. 7. Lei Complementar Federal nº 101/2000: prestação de contas. Direito Financeiro AFO - TCDF 2. Sistema e processo de orçamentação 3 Programação e execução orçamentária e financeira; acompanhame nto da execução; sistemas de informações; alterações orçamentárias; créditos ordinários e adicionais. 7. Lei Complementar Federal nº 101/2000: prestação de contas. Quantidade de aulas 2 6

7 Tópico 4 5 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Itens do edital de AFO 6. Classificações orçamentárias. 6.1 Classificação da despesa pública: institucional, funcional, programática, pela natureza. 6. Classificações orçamentárias. 6.2 Classificação da receita pública: institucional, por categorias econômicas, por fontes. Planejamento e Orçamento 2. Classificação das Receitas e Despesas Públicas segundo a finalidade, natureza e agente. 11. Classificação e conceituação da receita orçamentária. 12. Classificação e conceituação da despesa orçamentária. 13. Manual Técnico do Orçamento 2014 Direito Financeiro 3. Despesa pública: conceito e classificação. Princípio da legalidade. Técnica de realização da despesa pública: empenho, liquidação e pagamento. Crédito suplementar, crédito extraordinário e crédito especial. Receita pública: conceito. Ingressos e receitas. Classificação: receitas originárias e receitas derivadas. Preço público e taxa. AFO - TCDF 2.classificações orçamentárias 4 Receita pública: categorias, fontes e estágios; dívida ativa. 5 Despesa pública: categorias e estágios; restos a pagar; despesas de exercícios anteriores; suprimento de fundos. Quantidade de aulas 4 7

8 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Tópico Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento 6 7.Tópicos selecionados da Lei Complementar nº 101/2000: princípios, conceitos, renúncia de receitas, geração de despesas, transferências voluntárias, destinação de recursos para o setor privado, transparência da gestão fiscal, e fiscalização da gestão fiscal. Direito Financeiro 8. Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000). AFO - TCDF 5.Dívida flutuante e fundada. Lei Complementar Fed eral nº 101/2000: princípios, conceitos, renúncia de receitas, geração de despesas, transferências voluntárias, destinação de recursos para o setor privado, transparência da gestão fiscal, fiscalização da gestão fiscal. Quantidade de aulas 2 8

9 Tópico 7 8 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Itens do edital de AFO 1 Funções do Governo. 1.1 Falhas de mercado e produção de bens públicos. 1.2 Políticas econômicas governamentais (alocativa, distributiva e estabilizadora). 1.3 Federalismo Fiscal Conta Única do Tesouro Distrital: conceito e previsão legal. Planejamento e Orçamento 6. Federalismo fiscal. 7. Processo e etapas de intervenção do Governo na economia brasileira. 10. Objetivos da política orçamentária. Direito Financeiro AFO - TCDF Quantidade de aulas 2 1 9

10 Tópico 9 10 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento 1. Objetivos, metas, abrangência e definição de Finanças Públicas. 10. Objetivos da política orçamentária. 3. Hipóteses teóricas do crescimento das despesas públicas. 4. O financiamento dos gastos públicos tributação e equidade. Incidência tributária. Direito Financeiro 1. Finanças públicas na Constituição de AFO - TCDF Quantidade de aulas Déficit Público

11 Projeto do curso: ACI-DF e TCDF Tópico 12 Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento Direito Financeiro AFO - TCDF Decreto Distrital nº /2010 (normas de planejament o, orçamento, finanças, patrimônio e contabilidade do Distrito Federal) Quantidade de aulas 1 11

12 Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF 12

13 Tópico 1 Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF Itens do edital de AFO 2 Orçamento público: conceitos e princípios. 2.1 Evolução conceitual do orçamento público. 2.2 Orçamento- Programa: fundamentos e técnicas. Planejamento e Orçamento 9. Orçamento público: conceitos e elementos básicos do orçamento público, orçamento tradicional, orçamento de base zero, orçamento de desempenho, orçamentoprograma. Direito Financeiro 2. Orçamento: conceito e espécies. Natureza jurídica. Princípios e normas constitucionais orçamentários. APO - ESAF 3. Orçamento público: conceitos e elementos básicos do orçamento público, orçamento tradicional, orçamento de base zero, orçamento de desempenho, orçamentoprograma. Quantidade de aulas 3 13

14 Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF Tópico Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento 2 3 Orçamento público no Brasil: Títulos I, IV, V e VI da Lei nº 4.320/ Orçamento na constituição de 1988: Plano Plurianual (PPA), Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), Lei Orçamentária Anual (LOA). 3.2 Leis de Créditos Adicionais. 4 Plano Plurianual (PPA): estrutura, base legal, objetivos, conteúdo, tipos de programas. 4.1 Decreto nº 2.829/ Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO): objetivos, Anexos de Metas Fiscais, Anexos de Riscos Fiscais. 7. Lei Complementar Federal nº 101/2000: planejamento. 8. Orçamento na Constituição Federal: Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. 14. Integração planejamento e orçamento Decreto nº 2.829, de 29/10/98 e Portaria MPOG nº 42, de 14/04/99. Direito Financeiro APO - ESAF 2. Planejamento e Orçamento na Constituição de 1988: Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. 8. Integração planejamento e orçamento Decreto nº 2.829, de 29/10/98 e Portaria nº 42, de 14/04/ Mensagem Presidencial do Plano Plurianual Modelo de gestão do PPA Lei / Decreto de Gestão do PPA: Decreto 7.866/2012. Quantidade de aulas 14 2

15 Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF Tópico Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento 3 8 Gestão organizacional das finanças públicas: sistema de planejamento e orçamento e de programação financeira constantes da Lei nº / Ciclo orçamentário: elaboração da proposta, discussão, votação e aprovação da lei de orçamento. 7.1 Execução orçamentária e financeira: estágios e execução da despesa pública e da receita pública. 7.2 Programação de desembolso e mecanismos retificadores do orçamento. 5. Critérios para limitação de empenho. 7. Lei Complementar Federal nº 101/2000: prestação de contas. Direito Financeiro APO- ESAF 13. O sistema de planejamento e orçamento federal (Lei /01), estrutura e competências do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (Decreto 6.929/09). 10. Ciclo orçamentário. Quantidade de aulas 2 15

16 Tópico 4 5 Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF Itens do edital de AFO 6. Classificações orçamentárias. 6.1 Classificação da despesa pública: institucional, funcional, programática, pela natureza. 6. Classificações orçamentárias. 6.2 Classificação da receita pública: institucional, por categorias econômicas, por fontes. Planejamento e Orçamento 2. Classificação das Receitas e Despesas Públicas segundo a finalidade, natureza e agente. 11. Classificação e conceituação da receita orçamentária. 12. Classificação e conceituação da despesa orçamentária. 13. Manual Técnico do Orçamento 2014 Direito Financeiro 3. Despesa pública: conceito e classificação. Princípio da legalidade. Técnica de realização da despesa pública: empenho, liquidação e pagamento. Crédito suplementar, crédito extraordinário e crédito especial. Receita pública: conceito. Ingressos e receitas. Classificação: receitas originárias e receitas derivadas. Preço público e taxa. APO- ESAF 5. Classificação e conceituação da receita orçamentária brasileira. 6. Classificação e conceituação da despesa orçamentária brasileira. 7. Manual Técnico do Orçamento Quantidade de aulas 4 16

17 Tópico 7 Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF Itens do edital de AFO 1 Funções do Governo. 1.1 Falhas de mercado e produção de bens públicos. 1.2 Políticas econômicas governamentais (alocativa, distributiva e estabilizadora). 1.3 Federalismo Fiscal. Planejamento e Orçamento 6. Federalismo fiscal. 7. Processo e etapas de intervenção do Governo na economia brasileira. 10. Objetivos da política orçamentária. Direito Financeiro APO -ESAF 1.Processo e etapas de intervenção do governo na economia brasileira Quantidade de aulas 2 17

18 Tópico Projeto do curso: ACI-DF e APO-ESAF Itens do edital de AFO Planejamento e Orçamento Direito Financeiro APO- ESAF 11. Orçamento e gestão das organizações do setor público; características básicas de sistemas orçamentários modernos: estrutura programática, econômica e organizacional para alocação de recursos (classificações orçamentárias); mensuração de desempenho e controle orçamentário. 14. Teorias de Planejamento Governamental. 15. O ciclo de gestão das políticas públicas: referencial teórico, conceitos básicos, e técnicas de elaboração, monitoramento e avaliação do PPA. Quantidade de aulas

19 Tronco Comum de aulas Tópico CGE-DF TCDF APO-ESAF Aulas 1 X X X 3 2 X X X 2 3 X X X 2 4 X X X 2 5 X X X 2 6 X X 2 7 X X 2 19

20 Tronco Específico por turma Tópico CGE-DF TCDF APO-ESAF Aulas 8 X 1 9 X 1 10 X 1 11 X 1 12 X 1 13 X 1 14 X 1 15 X 1 20

21 21

22 22

23 Fontes de Estudo Lei 4.320/1964; Decreto Lei 200/1967; Decreto /1986; Lei /2000 (Sistemas Organizacionais) CF/1988; LC 101/00 (LRF); Lei /2012 (LOA/2012); Lei /2012 (LDO 2012 para a LOA 2013); Lei /2012 (PPA ); MTO versão 2014; Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público: Parte I 5ª edição

24 Fontes de Estudo GIACOMONI, James. Orçamento público. 16 ed. São Paulo: Atlas, GIAMBIAGI, Fábio; ALÉM, Ana Cláudia. Finanças públicas: teoria e prática no Brasil. 3 ed. Rio de Janeiro: Campus editora, ALBUQUERQUE, Claudiano; MEDEIROS, Márcio; FEIJÓ, Paulo H. Gestão de Finanças Públicas. 3 ed. Vol. 1. Brasília: Gestão Pública, REZENDE; Fernando. Finanças públicas. 2 ed. São Paulo: Atlas,

25 Tópico 012 Decreto nº , de 15 de dezembro 2010: aprova as Normas de Planejamento, Orçamento, Finanças, Patrimônio e Contabilidade do Distrito Federal, e dá outras providências. 25

26 Receita Art. 2º Compete à Subsecretaria da Receita da Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal: I manter atualizada a receita arrecadada nas rubricas orçamentárias próprias, por intermédio do Sistema Integrado de Gestão Tributária SIGEST e do Demonstrativo Diário de Arrecadação DDAR, de forma que as informações estejam registradas no Sistema Integrado de Administração Contábil SIAC/ SIGGo (Sistema Integrado de Gestão Governamental do Distrito Federal) por meio de computação eletrônica no prazo máximo de 02 (dois) dias úteis, após o seu ingresso nos cofres do Tesouro do Distrito Federal; 26

27 Comparação do DF com a União: União Sistema organizacional Órgão central do sistema Sistema estruturante Ministério do Planejamento Planejamento e Orçamento e Gestão Orçamento (MPOG) SIOP Administração Financeira Secretaria do Tesouro Nacional (STN)/Ministério SIAFI da Fazenda Contabilidade Secretaria do Tesouro Nacional (STN)/Ministério SIAFI da Fazenda Controle Interno Controladoria Geral da União (CGU) Utiliza todos os sistemas 27

28 Comparação do DF com a União: DF Sistema organizacional Planejamento e Orçamento Administração Financeira Contabilidade Correição, auditoria e ouvidoria Órgão central do sistema Secretaria de Planejamento e Orçamento Secretaria da Fazenda Secretaria da Fazenda Secretaria de Transparência e Controle Sistema estruturante Sistema de PPA ; Sistema Acompanhamento Governamental SAG/SIGGo Sistema Integrado de Administração Contábil SIAC/SIGGo Sistema Integrado de Administração Contábil SIAC/SIGGo Utiliza todos os sistemas 28

29 Renúncia de Receita Art. 11. O período de alcance da renúncia de receita tributária não poderá ultrapassar a vigência da lei que aprovar o Plano Plurianual PPA. Art. 12. Os órgãos e entidades da Administração Pública Distrital que efetivam a concessão de incentivos, benefícios fiscais, creditícios ou financeiros que importem renúncia de receita remeterão à Corregedoria-Geral do Distrito Federal CGDF, até o dia 28 de fevereiro do exercício subsequente, o demonstrativo das renúncias formalizadas no exercício anterior, indicando os respectivos valores, os segmentos ou setores beneficiados e os fundamentos legais. 29

30 Renúncia de Receita Art. 14. Os fundos que administram recursos creditícios que, durante a vigência do PPA, não tenham realizado a execução orçamentário-financeira deverão ser reavaliados pelo titular da pasta a que estão vinculados, visando a sua extinção. 30

31 Peculiaridades do DF 1. A renúncia está limitada ao prazo do PPA; 2. A Corregedoria-Geral do Distrito Federal CGDF participa do processo. 31

32 Alterações Orçamentárias Art. 18. A abertura de créditos adicionais será processada por meio de proposta encaminhada pelos titulares dos órgãos, ou autoridades equivalentes, no que concerne às unidades integrantes dos respectivos órgãos, ao órgão central de planejamento e orçamento. 32

33 Alterações Orçamentárias Art. 20. As dotações orçamentárias consignadas para atendimento de despesa com Pessoal e Encargos Sociais não poderão ser indicadas como compensação de despesas de outra natureza, salvo no último trimestre do exercício financeiro. Parágrafo único. A exceção prevista no caput deste artigo somente será atendida por projeto de lei a ser encaminhado à apreciação da Câmara Legislativa do Distrito Federal, devendo a solicitação de créditos adicionais estar acompanhada de demonstrativos da última posição orçamentária e financeira, bem como de projeções da despesa de pessoal e encargos sociais para o exercício em curso. 33

34 Alterações Orçamentárias Art. 22. O ato de abertura de crédito adicional fará referência expressa a: I tipo de crédito; II esfera orçamentária; III unidade orçamentária; IV função, subfunção, programa, ação e subtítulo, natureza da despesa, identificador de uso IDUSO e fonte de recursos. Art. 24. A utilização de recursos de superávit financeiro apurado em balanço patrimonial dependerá de parecer prévio do órgão central de contabilidade. 34

35 Peculiaridades do DF 1.O DF utiliza a classificação por esfera, institucional, funcional, programática, IDUSO, por fonte, quanto à natureza; 2.Admite-se o uso de despesas com pessoal e encargos no último trimestre como compensação de outras despesas. 35

36 Contingenciamento Art. 26. Ficam a Secretaria de Estado de Planejamento, Orçamento e Gestão do Distrito Federal e a Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal, órgãos centrais de planejamento e orçamento e de administração financeira, respectivamente, autorizados, quando necessário, a procederem ao contingenciamento de dotação orçamentária, bem como a editarem normas e procedimentos específicos para cada exercício financeiro. 36

37 Contingenciamento Art. 27. O órgão central de planejamento e orçamento, com base nas informações do órgão central de administração financeira, assinará prazo para que as unidades orçamentárias efetuem o contingenciamento, por fonte de recurso e grupo de despesa, no montante determinado. Parágrafo único. O órgão central de planejamento e orçamento, constatando que a unidade orçamentária não efetuou o contingenciamento no prazo definido, adotará as providências necessárias para o contingenciamento do montante determinado. Art. 28. O descumprimento das determinações constantes dos atos editados pelos órgãos centrais de planejamento e orçamento e de administração financeira importará a imediata apuração de responsabilidade das autoridades ou agentes que lhe deram causa. 37

38 Empenho Art. 47. Nenhuma despesa poderá ser realizada sem prévia autorização dos ordenadores de despesa de que trata o artigo 29. 1º A autorização de que trata este artigo deverá ser precedida de informações das unidades setoriais de orçamento e finanças, ou órgão equivalente, sobre: I propriedade da imputação da despesa; II existência de crédito orçamentário suficiente para atendêla; III o limite da despesa na programação mensal e trimestral da unidade. 38

39 Empenho Art. 49. O empenho poderá ser: I ordinário, quando se conheça o montante da despesa, sem parcelamento, seja da entrega do material, do serviço ou do pagamento; II por estimativa, quando o valor total da despesa não puder ser determinado, podendo, contudo, haver parcelamento tanto da entrega do material ou serviço, como do pagamento; III global, quando se tratar de despesas contratuais e outras em que se conheça o montante, portanto sem reforço, sujeitas, porém, a parcelamento. Parágrafo único. A dedução da cota das despesas empenhadas farse-á por ocasião da emissão da nota de empenho, conforme estabelecido no cronograma de desembolso. 39

40 Empenho Art. 50. Para cada empenho será extraído um documento denominado Nota de Empenho NE, que conterá os seguintes dados: [...] Art. 51. A Nota de Empenho será emitida em duas vias que terão a seguinte destinação: I uma será entregue diretamente ao credor mediante recibo, ou a ele encaminhada por ofício; II a segunda, com o recibo do credor no verso, será juntada ao processo. 40

41 Empenho Art. 52. Os titulares dos órgãos, dos fundos e das entidades, e respectivos ordenadores de despesas, são responsáveis pela priorização dos empenhos das obrigações constitucionais e legais de execução, bem como das despesas previstas com água, luz, telefone, diário oficial, combustíveis, lubrificantes, franquia postal e outras de caráter continuado para o funcionamento normal e regular dos serviços públicos. Art. 55. Ficam os Secretários de Estado de Fazenda e de Planejamento, Orçamento e Gestão autorizados a editarem normas, visando ao encerramento do exercício financeiro. 41

42 Peculiaridades do DF 1.Há uma programação mensal e trimestral da despesa. 2.O empenho por estimativa admite o parcelamento. 3. O empenho global não admite reforço. 42

43 Liquidação Art. 56. Fica o órgão central de administração financeira responsável pela orientação normativa referente à liquidação da despesa. Parágrafo único. O controle e a liquidação da despesa serão exercidos pela unidade gestora responsável pela emissão da nota de empenho. Art. 59. A liquidação da despesa será previamente autorizada pelo ordenador de despesa e dará origem à Nota de Lançamento NL, que deverá ser emitida pela unidade responsável pela administração do crédito, por intermédio do SIAC/SIGGo. Art. 62. A NL deverá ser emitida após a regular liquidação da despesa. 43

44 Pagamento Art. 63. O pagamento de despesa somente será efetivado após sua regular liquidação e emissão de Previsão de Pagamento PP, observado o prazo de 3 (três) dias úteis antes da data do vencimento da obrigação, contado o dia da emissão, e será centralizado no órgão central de administração financeira para a Administração Direta. 1º Fica vedada a emissão de Previsão de Pagamento PP e de Ordem Bancária OB, quando verificado que o fornecedor ou contratante do serviço ou obra é devedor da Fazenda Pública do Distrito Federal, do Instituto Nacional de Seguridade Social INSS, do Fundo de Garantia por empo de Serviço FGTS e da Fazenda Pública Federal. 44

45 Art. 63. [...] Pagamento 3º As autarquias, as fundações e as empresas públicas integrantes do orçamento fiscal e seguridade social, exceto os fundos especiais, integrarão o regime de Conta Única, instituído para a movimentação dos recursos do Tesouro do Distrito Federal. 45

46 Pagamento Art. 64. É vedado efetuar pagamento antecipado de despesa. 1º O disposto neste artigo não se aplica às despesas: I com assinatura de jornais, periódicos e outras publicações; II quando, excepcionalmente, a peculiaridade da transação exigir pagamento antecipado, adotadas as devidas cautelas, pelo que responderá o ordenador da despesa. 2º Nos casos previstos no 1º deste artigo, a despesa será debitada em conta nominativa do credor e a baixa somente será feita após comprovação do cumprimento da obrigação assumida. 3º Incluem-se na hipótese do inciso II, do 1º deste artigo, as despesas destinadas às apresentações artísticas em eventos tradicionais da cultura popular, que necessitem de pagamento parcial antecipado relacionado à sua produção e realização, desde que a antecipação seja devidamente justificada e observada a legislação vigente. 46

47 Pagamento Art. 65. O repasse de recursos financeiros para pagamento de despesas, por órgãos e entidades descentralizados, será feita mediante emissão de ordem bancária. 47

48 Peculiaridades do DF 1.Documentos no SIAC/SIGGo: NE (empenho); NL (liquidação); OB (pagamento). 2. Não é realizado o pagamento para devedor da Fazenda Pública do Distrito Federal, do Instituto Nacional de Seguridade Social INSS, do Fundo de Garantia por empo de Serviço FGTS e da Fazenda Pública Federal. 3.Há casos de pagamento antecipado da despesa. 48

49 Empresas Estatais Art. 74. As empresas integrantes do orçamento de investimento e de dispêndio deverão registrar até o 15 (décimo quinto) dia do mês subsequente, no módulo INTEGRA/SIAC/SIGGo, os dados necessários à elaboração dos seguintes demonstrativos: I de execução orçamentária e financeira da despesa de investimento e de dispêndio; II de realização da receita por natureza e fonte de financiamento, conforme detalhamento constante do Manual de Planejamento e de Orçamento MPO. Art. 75. As empresas participantes dos orçamentos de investimento e de dispêndio deverão encaminhar seus balancetes ao órgão central de contabilidade, até o 15 (décimo quinto) dia do mês subsequente. Art. 76. As empresas estatais integrantes do orçamento fiscal e de seguridade social deverão registrar toda sua execução orçamentária, financeira, patrimonial e contábil no SIAC/SIGGo. 49

50 Restos a Pagar Art. 80. Serão inscritas em Restos a Pagar, desde que na vigência do prazo de cumprimento da obrigação, as notas de empenho relativas a: I obras ou estudos e projetos de obras, serviços de engenharia e serviços técnicos especializados, em fase de execução; II material adquirido cuja entrega já tenha sido efetuada; III material adquirido no exterior; IV material adquirido diretamente do fabricante, por intermédio de representante exclusivo, mas ainda em fase de produção; V serviços de manutenção de atividade administrativa, prestados inclusive por concessionários de serviços públicos, pelo valor correspondente à etapa física executada; VI despesas de pessoal e encargos sociais, pelo valor efetivamente realizado; 50

51 Restos a Pagar Art. 80. Serão inscritas em Restos a Pagar, desde que na vigência do prazo de cumprimento da obrigação, as notas de empenho relativas a: [...] VII indenizações e restituições ou outras notas de empenho não pagas, ainda que não previstas nos incisos precedentes, desde que liquidadas no exercício da vigência do crédito; VIII participação acionária no capital de empresas em que o Distrito Federal detenha maioria do capital social com direito a voto; IX a contribuição para o PASEP, competência dezembro e vencimento em janeiro. Parágrafo único. As notas de empenho que correm à conta de créditos com vigência plurianual que não tenham sido liquidados, só serão inscritos em Restos a Pagar no último ano de vigência do crédito. 51

52 Restos a Pagar Art. 81. As unidades gestoras deverão cancelar, em 31 (trinta e um) de dezembro de cada exercício, as notas de empenho que não se enquadrem nas disposições do artigo 80. Parágrafo único. As notas de empenho não canceladas serão obrigatoriamente inscritas em Restos a Pagar, sendo, a inscrição, de inteira responsabilidade do titular da unidade gestora e de seu respectivo ordenador de despesa. Art. 82 As notas de empenho serão inscritas em Restos a Pagar no encerramento do exercício de sua emissão e terão validade até 16 (dezesseis) de abril do exercício seguinte, em caráter improrrogável, sendo automaticamente canceladas, vedada a sua reinscrição. 52

53 Restos a Pagar Art. 83. As unidades gestoras elaborarão cronograma de pagamento das despesas inscritas em Restos a Pagar e o encaminharão ao órgão central de administração financeira até o dia 10 (dez) de janeiro de cada exercício. Parágrafo único. Para efeito do disposto no caput deste artigo, deverão ser observados os prazos dos compromissos assumidos, para as despesas relativas ao fornecimento de material e à prestação de serviços, e os prazos dos cronogramas físico-financeiros, para as despesas relativas à execução de obras. 53

54 Restos a Pagar Art. 85. Ao portador de notas de empenho canceladas por não ter ocorrido, no exercício de sua emissão, a entrega do material ou a execução do serviço, será assegurado o recebimento do valor a que tenha direito, mediante empenho à conta de dotação orçamentária, com a mesma classificação anterior, na mesma unidade orçamentária, obedecidas as condições estabelecidas na nota de empenho cancelada. 1º Será emitida nota de empenho no mês de janeiro, em substituição ao empenho cancelado no exercício anterior, observado o disposto neste artigo, desde que dentro do prazo de entrega do material ou da execução do serviço, fazendo referência, no campo especificado, ao número da nota de empenho cancelada no exercício anterior. 54

55 Peculiaridades do DF 1.Deve estar na vigência do prazo de cumprimento da obrigação; 2.Após a inscrição de RP em 31/12, ocorre o cancelamento em 16/01 com o respectivo empenho. 55

56 DEA Art. 86. As despesas de exercícios encerrados, de que trata o artigo 37 da Lei nº 4.320, de 1964, poderão ser pagas pela dotação no elemento de despesa 92 Despesas de Exercícios Anteriores, constante do Quadro de Detalhamento de Despesa QDD das unidades orçamentárias, desde que apurado o direito adquirido pelo credor e devidamente reconhecida a dívida. 1º É de responsabilidade exclusiva da autoridade ordenadora de despesas a adequada instrução do processo de reconhecimento de dívidas, devendo assegurar-se de que as informações nele contidas demonstrem a veracidade dos atos e fatos que ensejaram o reconhecimento, a legalidade e a moralidade dos procedimentos que lhe deram origem, a exatidão dos valores e a identificação dos credores, em face da natureza e das peculiaridades da despesa, certificando-se, ainda, de que os autos contenham informações expressas e pormenorizadas sobre o direito adquirido do credor, de modo que permitam o reconhecimento da dívida e evidenciem: [...] 56

57 DEA Art. 87. A execução de despesas de exercícios anteriores deverá ser precedida de apuração de responsabilidade de quem deu causa à realização de despesas sem cobertura contratual ou decorrente de contrato, posteriormente, declarado inválido, por meio de sindicância administrativa, no intuito de apurar, cabalmente, as circunstâncias que originaram a prestação de serviços, a realização de obra ou o fornecimento de bens de forma irregular. Parágrafo único. As despesas de exercícios anteriores somente poderão ser executadas após autorização por decreto específico com regras e critérios de pagamento e até o montante da divida reconhecida. 57

58 Peculiaridades do DF 1.A execução de despesas de exercícios anteriores deverá ser precedida de apuração de responsabilidade de quem deu causa à realização de despesas sem cobertura contratual ou decorrente de contrato, posteriormente, declarado inválido, por meio de sindicância administrativa. 58

59 Planejamento, Acompanhamento e Avaliação Art. 91. Cabe ao titular da unidade orçamentária ou ao ordenador de despesa, solicitar ao órgão central de planejamento e orçamento a concessão de senha de acesso ao sistema de PPA e ao Sistema Acompanhamento Governamental SAG/SIGGo, observado o contido no 1º do artigo

60 Apuração de Custos Art. 93. Compete às unidades orçamentárias apurar os resultados orçamentários, financeiros, patrimoniais, econômicos e o cálculo dos índices de desempenho das ações e programas finalísticos de governo. Art. 94. Fica o órgão central de contabilidade responsável por acompanhar e orientar as unidades orçamentárias sobre as informações e procedimentos a serem implementados na aplicação da metodologia de custos do Distrito Federal. 60

61 Apuração de Custos Art. 98. Fica o órgão central de contabilidade responsável por elaborar as normas para regulação da atividade de apuração de custos governamentais, no âmbito do Distrito Federal. Art Ficam as unidades orçamentárias responsáveis pela elaboração do relatório de avaliação e do boletim de gestão de custos, resultados e metas físicas, das ações e programas governamentais, do exercício, obrigadas a enviá-los ao órgão central de contabilidade, até o dia 15 (quinze) de janeiro do exercício subsequente, conforme orientações do órgão central de contabilidade. 61

62 Tomada de Contas Anual Art As tomadas de contas anuais dos ordenadores de despesas das unidades gestoras da Administração Direta e fundos especiais serão organizadas, anualmente, pelo órgão central de contabilidade, em consonância com o estabelecido na Resolução/TCDF nº 38, de 30 de outubro de 1990, e suas alterações, e encaminhadas ao órgão central do sistema de correição, auditoria e ouvidoria, até o dia 30 (trinta) de abril do ano seguinte àquele a que se referir. 1º As tomadas de contas anuais das unidades citadas no caput deste artigo abrangerão as dos ordenadores de despesas, dos agentes recebedores e pagadores a eles subordinados, dos agentes de material e de responsáveis por depósitos, bem como os que tenham delegação de competência, devendo seus nomes integrar o rol de responsáveis do órgão competente. 2º O responsável que não encaminhar sua tomada de contas anual, no prazo previsto no caput deste artigo, ficará sujeito a tomada de contas especial. 62

63 SICARJUR Art Cabe às unidades gestoras da Administração Pública do Distrito Federal registrar e manter atualizado o SICARJUR (Sistema de Cadastramento de Responsáveis por dinheiros, bens ou valores públicos das jurisdicionadas do Distrito Federal/Protoc/TCDF), integrante do PROTOC, o nome dos responsáveis por bens, valores e dinheiros públicos e respectivos substitutos legais, inclusive os que tenham delegação de competência, com as seguintes informações: I CPF, data de nascimento e nome da mãe; II endereços residenciais completos e telefones para contato, atualizados; III cargos ou funções públicas exercidas no âmbito do Governo do Distrito Federal, com indicação do início e fim dos períodos de gestão; IV indicação dos atos de nomeação, designação, dispensa ou exoneração e respectivas datas de publicação. 63

64 Prestação de Contas da Administração Indireta Art Os órgãos da Administração Indireta deverão encaminhar as contas anuais de seus dirigentes, ao órgão central do sistema de correição, auditoria e ouvidoria, até o dia 30 (trinta) de abril do ano seguinte àquele a que se referirem, para as medidas de sua competência. Art O responsável que não apresentar sua prestação de contas, no prazo previsto no artigo 112, ficará sujeito a tomada de contas especial. 64

65 Peculiaridades do DF Peculiaridades Prestação de Contas Tomada de Contas Abrangência Organizada pelo órgão central de Contabilidade? Administração Direta e Fundos Especiais Sim Administração Indireta Não Encaminhadas ao órgão central do sistema de correição, auditoria e ouvidoria Sim, até 30/04. 65

66 SICGO Art A Secretaria de Estado de Fazenda do Distrito Federal é responsável pela sustentação, produção, manutenção corretiva, adaptativa e evolutiva, pela modernização e segurança do Sistema Integrado de Gestão Governamental SIGGo. Parágrafo único. Compete ao órgão central de contabilidade, como gestor do SIGGo, em conjunto com os gestores dos subsistemas, orientar as unidades gestoras do Distrito Federal, sobre os atos de gestão contábil, financeira, orçamentária e patrimonial do Governo do Distrito Federal. 66

67 SICGO Art A senha de acesso ao SIGGo, no modo execução, será concedida, exclusivamente, a servidores efetivos do quadro de pessoal do Distrito Federal e, entre esses, dar-seá preferência aos integrantes da Carreira Auditoria de Controle Interno. Art Os deputados distritais no exercício do mandato, os membros e os servidores auditores do Tribunal de Contas do Distrito Federal e os servidores do órgão central do sistema de correição, auditoria e ouvidoria, que estejam no exercício da função de auditoria, terão acesso irrestrito ao modo CONSULTA do Sistema Integrado de Administração Financeira dos Estados e Municípios SIAFEM/DF e do SIGGo. 67

68 Disposições Finais Art Verificada qualquer irregularidade na execução orçamentária, financeira, patrimonial e contábil do Distrito Federal, o órgão central de contabilidade notificará, por meio de ofício e (ou) mensagem no SIGGo, o ordenador da despesa, que deverá, no prazo de 15 (quinze) dias a partir da notificação, promover junto ao referido órgão a regularização do ato ou fato apontado. Parágrafo único. Em caso de não atendimento da notificação, o órgão central de contabilidade comunicará o fato ao órgão central do sistema de correição, auditoria e ouvidoria para as providências pertinentes. 68

69 Peculiaridades do DF 1.Em caso de irregularidade, o órgão central de contabilidade primeiramente informa ao ordenador de despesa que deve agir e resolver a questão em 15 dias a contar na notificação. 2.Posteriormente, em caso de não atendimento, notificará o órgão central do sistema de correição, auditoria e ouvidoria. 69

70 Disposições Finais Art Para fiel e uniforme aplicação da presente norma, cabe ao Governo do Distrito Federal, por meio das Secretarias de Estado de Fazenda do Distrito Federal, de Planejamento, Orçamento e Gestão e da Corregedoria-Geral do Distrito Federal: I prover, sistematicamente, seu quadro funcional, por meio da realização de concursos públicos, para integrantes da Carreira Auditoria de Controle Interno; II realizar programa de capacitação para implementação sistemática, por meio de cursos de formação, reciclagens e treinamentos para os servidores lotados e em exercício nos órgãos que compõem o Sistema de Controle Interno no que concerne às funções de planejamento, orçamento e administração financeira, contábil e patrimonial, correição, auditoria pública e ouvidoria, respeitadas as características inerentes às atividades desenvolvidas pelos respectivos cargos; III para os fins previstos neste artigo, serão promovidas, quando necessário, conferências, reuniões técnicas, seminários ou outras formas de organização, com a participação de representantes das entidades locais abrangidas por estas Normas ou da área federal e internacional; IV dispor de programa de trabalho orçamentário para fazer jus ao que dispõe este artigo. 70

71 Excelente Prova. Cordialmente, Prof. Msc. Giovanni Pacelli 71