Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007"

Transcrição

1 Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização em 2007 Todos os serviços dependentes do Serviço Nacional de Saúde Divisão de Saúde Escolar Dr.ª Gregória Paixão von Amann Nº: 05/DSE DATA: 15/02/07 1. Introdução O Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral (PNPSO) traça uma estratégia de intervenção assente na promoção da saúde e na prevenção das doenças orais. Tendo como grupo alvo as grávidas e as crianças e os jovens até aos 16 anos, a prioridade passa por intervir em saúde materno-infantil e reforçar o desempenho da saúde em meio escolar, para que, conhecimentos e comportamentos relacionados com a saúde sejam precocemente interiorizados e progressivamente assumidos ao longo do ciclo de vida. Os ganhos em saúde oral serão efectivos quando as crianças e os jovens, para além da informação sobre alimentação e higiene oral, tiverem práticas de escovagem dos dentes e cuidados de saúde oral, diários e sustentados. No quadro conceptual do Programa, uma intervenção curativa só se justifica quando for antecedida e sucessiva por uma intervenção preventiva solidamente implementada, isto é, as crianças e os jovens enviadas para tratamento através da contratualização deverão, preferencialmente, frequentar jardins-deinfância e escolas onde a escovagem dos dentes e/ou o bochecho fluoretado esteja implementada e, em casa seja executada, pelo menos, uma escovagem dos dentes ao deitar. Melhorar, de forma sustentada, a saúde oral das crianças e dos jovens passa pela divulgação do Programa na comunidade, por um maior envolvimento dos pais, da autarquia e dos parceiros institucionais que possam apoiar a escovagem na escola e a deslocação das crianças para tratamentos dentários. Quando não existem respostas no Serviço Nacional de Saúde, a acessibilidade a cuidados de saúde oral, de crianças e jovens abrangidos pelo Programa é garantida através de contratualização. Para o ano de 2007, o Ministério da Saúde decidiu aprovar a contratualização e a respectiva dotação financeira, conforme o Despacho n.º 787/2007 do Gabinete do Secretário de Estado da Saúde, publicado no Diário da Republica, 2.ª série, n.º 11 de 16 de Janeiro.

2 Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Em conformidade com o disposto nos números 2 e 3 o valor máximo dos serviços contratualizados por criança tratada, do grupo etário dos 3 aos 16 anos é de 75,... e da avaliação externa é de 20 por criança. Os actuais Termos de Referência para a Contratualização visam normalizar os procedimentos, de acordo com a alínea d) do ponto 4 do referido Despacho, que atribui à Direcção-Geral da Saúde a responsabilidade da emissão de orientações técnicas para o desenvolvimento da contratualização. 2. Objecto e âmbito de aplicação da contratualização 2.1. As verbas disponibilizadas para a contratualização, em 2007, permitem tratar, pelo menos, crianças e jovens e realizar a avaliação dos cuidados médico-dentários contratualizados; 2.2. O financiamento destina-se ao tratamento e à aplicação de medidas de prevenção em crianças com lesões de cárie dentária e de alto risco; No grupo etário dos 3 aos 16 anos de idade, o que em 2007 corresponde aos nascidos entre 1990 e 2003, deverão ser tratadas as lesões de cárie dentária em dentes permanentes e protegidos os dentes das crianças de alto risco; No grupo etário dos 3 aos 7 anos, isto é, que em 2007 corresponde aos nascidos entre 1999 e 2003 (inclusive) o tratamento das lesões de cárie dentária incluirá, obrigatoriamente, os dentes temporários; 2.3. A prioridade de encaminhamento para contratualização deve ser dada às crianças e jovens já abrangidos pelo Programa em anos anteriores e às do grupo etário dos 3 aos 7 anos, dada a necessidade de intervir precocemente na prevenção e no tratamento das doenças orais; 2.4. Após entrarem em Programa, as crianças e os jovens que necessitarem de cuidados médicodentários, deverão ser encaminhadas sempre para o mesmo profissional, se essa for a opção dos pais e não houver rescisão de contrato por nenhuma das partes. 2

3 Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa 3. Cuidados médico-dentários contratualizados Os cuidados médico-dentários a prestar às crianças enviadas para contratualização incluem, obrigatoriamente, os três níveis de intervenção: 3.1. Diagnóstico médico-dentário, nomeadamente, registo do estado dentário de cada criança, na «Ficha Individual de Saúde Oral - Contratualização» fornecida pelo Centro de Saúde (Anexo 1), com eventual recurso a meios complementares de diagnóstico; 3.2. Actividades preventivas, nomeadamente, reforço das mensagens de higiene oral e motivação para a saúde oral, educação alimentar, aplicação de selantes de fissura e/ou verniz de flúor ou de clorhexidina às crianças encaminhadas para tratamento; 3.3. Tratamento de lesões de cárie, nomeadamente, tratamentos restauradores, endodôncicos e extracções dentárias de acordo com as competências específicas dos profissionais de saúde oral. Os materiais restauradores passíveis de ser utilizados nos tratamentos dentários são: amálgamas, ionómeros de vidro, compósitos e compómeros, sem prejuízo de outros considerados adequados e necessários à prestação dos cuidados médico-dentários contratualizados. 4. Concurso público A contratualização inclui um conjunto de procedimentos prévios ao processo de contratação, contidos nos princípios da legalidade, prossecução do interesse público, transparência, igualdade, concorrência, imparcialidade, proporcionalidade, boa-fé, estabilidade e responsabilidade A contratualização será aberta a estomatologistas e médicos dentistas inscritos nas respectivas Ordens Profissionais, a exercer em clínicas ou consultórios e que possuam: Licença de utilização emitida pela Câmara Municipal competente; Certificado emitido pela Autoridade de Saúde competente que ateste as condições higiosanitárias da unidade. 3

4 Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Certificado que ateste que a unidade cumpre as regras de segurança vigentes para o exercício da actividade a que se destina; Situação regular perante o fisco e a segurança social A contratação dos serviços a prestar deve obedecer aos procedimentos impostos legalmente, nomeadamente as regras da contratação pública definidas no Decreto-Lei 197/99, de 8 de Junho; designadamente: Publicitação da intenção de celebrar contrato de tarefa individual, com médico dentista, estomatologista ou unidade de saúde, com definição prévia das condições; Definição dos critérios de admissão à contratualização, nomeadamente: Formação académica; Formação complementar em odontopediatria ou áreas afins; 4.3. Considera-se critério de preferência, já ter trabalhado anteriormente no regime da contratualização, no âmbito do Programa e ter demonstrado motivação e empenho para a execução integral dos contratos; 4.4. Os estomatologistas e médicos dentistas serão remunerados de acordo com o valor per capita, aprovado em Despacho Ministerial, após a entrega das «Fichas Individuais de Saúde Oral Contratualização» devidamente preenchidas, junto do serviço contratante. 5. Gestão dos recursos financeiros À Administração Central do Sistema de Saúde, I.P., criada pelo art. 16 do Decreto-lei n.º 212/2006 e publicado no Diário da Republica, 1.ª série, n.º 208 de 27 de Outubro, compete coordenar as actividades no âmbito do Ministério da Saúde para a gestão dos recursos financeiros afectos ao Serviço Nacional de Saúde, designadamente as actividades e programas. É pois com este organismo da administração indirecta do estado que as Administrações Regionais de Saúde se deverão articular para a efectivação dos pagamentos resultantes da contratualização. 4

5 Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa 6. Procedimentos regionais Caberá aos responsáveis regionais do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral, designados pelas Administrações Regionais de Saúde, em articulação com os parceiros da Comissão Paritária Regional operacionalizar a contratualização. Os procedimentos para divulgação do processo e selecção dos candidatos serão feitos de acordo com os critérios gerais definidos na presente norma, mas terão igualmente em conta as necessidades e disponibilidades locais e regionais. Na sequência do concurso e da selecção de candidatos, os contratos de prestação de serviços serão celebrados por um período de tempo que se inicia e termina no mesmo ano civil. As situações especiais, tais como, interrupções da vigilância, faltas às consultas, não colaboração da criança, reclamações dos pais ou dos profissionais contratualizados serão decididas em sede de Comissão Paritária. Anualmente, deverá ser enviado para a Direcção-Geral da Saúde o «Mapa Anual de Execução da Contratualização», que corresponde ao agrupamento dos dados da Ficha Individual. (Anexo 2) 7. Avaliação externa A avaliação dos cuidados médico-dentários contratualizados, prestados pelos profissionais de saúde oral, deverá ser realizada a partir de uma amostra aleatória de crianças. O número de prestadores a avaliar e a distribuição das crianças, em cada Região de Saúde, será definido pela Comissão Paritária. Podem concorrer ao processo de avaliação externa: 7.1. Estomatologistas e médicos dentistas, desde que não pretendam avaliar crianças contratualizadas pelos próprios ou por unidades de saúde onde trabalham, no concelho ou no distrito em que têm residência profissional; 7.2. Hospitais ou Centros de Saúde com serviços de estomatologia e/ou medicina dentária, salvaguardando sempre, quais são o/os profissionais que realizam a avaliação Faculdades e/ou Institutos de Medicina Dentária salvaguardando sempre, quais são o/os profissionais que realizam a avaliação. Os avaliadores serão seleccionados de entre os que se candidatarem ao concurso público, aberto de acordo com a legislação que serve de suporte à contratualização. 5

6 Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa A selecção dos avaliadores é feita em sede de Comissão Paritária e a calibragem com suporte dos representantes das Ordens respectivas. Todos os avaliadores deverão ser previamente informados dos critérios técnicos subjacentes à contratualização. Os critérios de selecção dos avaliadores são: A formação académica, participação em estudos epidemiológicos e formação complementar relevante para a área da saúde oral, envolvimento em programas de saúde oral com intervenção comunitária, tempo de exercício e actividade de docência e /ou científica. A não participação na calibragem é motivo de exclusão da avaliação externa. Em sede de Comissão Paritária poderão ser aprovados outros critérios, que possam ser considerados relevantes para a região. O valor máximo a pagar aos avaliadores pode ir até aos 20 por criança e contempla o diagnóstico dentário e o preenchimento de uma «Ficha Individual de Saúde Oral Avaliação Externa» a fornecer pelos serviços de saúde. (Anexo 3). Ao avaliador contratualizado compete observar um grupo de crianças tratadas por Médico Dentista /Estomatologista e registar o resultado da sua observação numa Ficha Individual de Saúde Oral, utilizando para isso os critérios de diagnósticos definidos pela Organização Mundial da Saúde e os códigos de registo constantes na mesma, a qual será devolvida ao serviço contratante no final da avaliação. O material para a observação dentária (luvas, máscaras, espelhos planos n.º 4 e sondas CPI) deve ser utilizado em perfeitas condições de assepsia e é da responsabilidade do avaliador, assim como a deslocação aos locais de rastreio. Ao serviço de saúde contratante compete celebrar o contrato e proceder ao respectivo pagamento, seleccionar a amostra e fornecer a respectiva lista de crianças seleccionadas bem como a Ficha de Avaliação Externa. O Director-Geral da Saúde Francisco George Nota: É revogada a Circular Normativa n.º 11/DSE de da Direcção-Geral da Saúde. A Direcção-Geral da Saúde agradece as críticas e sugestões dos elementos da Comissão Técnico-Científica de Acompanhamento do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. 6

7 Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Administração Regional de Saúde de Sub-região de Saúde de Centro de Saúde de PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Contratualização Nome da criança Morada: Telefone de contacto Escola _ Data de nascimento / /20 Sexo: M F Ano Turma CÓDIGOS de REGISTO Dentição Temporária Dentição Permanente Dente são A 0 Dente cariado B 1 Dente obturado c/ carie C 2 Dente obturado s/carie D 3 Dente perdido devido a carie E 4 Dente perdido outros motivos 5 Dente selado F 6 Dente c/ implante ou prótese G 7 Dente não erupcionado 8 Dente excluído 9 Dente fracturado T T Número de Dentes Cariados Perdidos Obturados Selados No Inicio do Programa No Final do Programa Temporários Permanentes Temporários Permanentes O Médico Dentista/ Estomatologista Data / / Destacável para os serviços de saúde PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Conclusão da Vigilância: data / / 20 Nome da criança Escola O Médico Dentista/ Estomatologista Assinatura legível Destacável para o médico dentista/estomatologista contratualizado PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Conclusão da Vigilância: data / /20 Nome da criança Escola O Médico Dentista/ Estomatologista Assinatura legível

8 Data Dentes intervencionados 1 Tipo de intervenção 2 Observações 3 Preenchimento: 1 - Registar o número do dente que está a ser intervencionado. Usar uma linha por dente. 2 - Registar os actos executados em cada dente: endodontia, restauração, extracção, aplicação de selantes, verniz de flúor, verniz de clorexidina, exame radiográfico, etc. 3 - Registar as crianças que não cooperaram, as que faltaram e que as que concluíram os tratamentos. Observações: (no caso da criança não ter concluído o tratamentos, explicitar os motivos) Destacável para o médico dentista/estomatologista contratualizado PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Recebido: Data _ _ / _ _ /20 _ _ Os Serviços de Saúde Assinatura e carimbo Destacável para os serviços de saúde PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Recebido: Data _ _ / _ _ /20 _ _ Os Serviços de Saúde Assinatura e carimbo

9 Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Administração Regional de Saúde de PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL N.º de Centros de Saúde com contratualização N.º de Profissionais de Saúde Oral contratualizados: Estomatologistas Médicos Dentistas Grupo Etário 3-5 Anos 6-8 Anos 9-13 Anos Anos N.º de crianças contratualizadas N.º de crianças que concluíram a contratualização N.º de consultas realizadas Valor da facturação Diagnóstico Dentário do Grupo Temporários Temporários Permanentes Permanentes Permanentes N.º de dentes cariados Inicio do Final do Programa Programa N.º de dentes perdidos N.º de dentes obturados N.º de dentes selados N.º de dentes cariados N.º de dentes perdidos N.º de dentes obturados N.º de dentes selados Observações: O Responsável Regional do Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Data / / 20

10 Ministério da Saúde Administração Regional de Saúde de Sub-região de Saúde de Direcção-Geral da Saúde Centro de Saúde de PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Contratualização - Avaliação externa Nome da criança Morada: Telefone de contacto Escola Data de nascimento / /20 Sexo: M F Ano Turma CÓDIGOS de REGISTO Dentição Temporária Dentição Permanente Dente são A 0 Dente cariado B 1 Dente obturado c/ carie C 2 Dente obturado s/carie D 3 Dente perdido devido a carie E 4 Dente perdido outros motivos 5 Dente selado F 6 Dente c/ implante ou prótese G 7 Dente não erupcionado 8 Dente excluído 9 Dente fracturado T T Selante não íntegro FNI FNI Nº de Dentes Temporários Permanentes Cariados Perdidos Obturados cpo/cpo O Médico Dentista/ Estomatologista Data / / 20 Destacável para os serviços de saúde PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Conclusão da Avaliação: data / / 20 Nome da criança Local O Médico Dentista/ Estomatologista Destacável para o médico dentista/estomatologista avaliador PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Avaliação: data / /20 Nome da criança Local O Médico Dentista/ Estomatologista Assinatura legível Assinatura legível

11 Observações: Destacável para o médico dentista/estomatologista avaliador PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Recebido: Data _ _ / _ _ /20 _ _ O Serviço de Saúde Assinatura e carimbo Destacável para o serviço de saúde PROGRAMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA SAÚDE ORAL Recebido: Data _ _ / _ _ /20 _ _ O Serviço de Saúde Assinatura e carimbo

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Saúde Oral Normalização de procedimentos para a emissão de cheques-dentista e documentos de referenciação para higienista oral Divulgação Externa Nº:07/DSPPS/DCVAE DATA:26/03/09 Contacto

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa

Direcção-Geral da Saúde Circular Informativa Assunto: Para: Organização de Serviços de Segurança e Saúde do Trabalho/Saúde Ocupacional (SST/SO) nos Cuidados Primários de Saúde - ACES e Sede de ARS(s) Todos os serviços do Ministério da Saúde Nº: 05/DSPPS/DCVAE

Leia mais

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro)

Portaria n.º 605/99, de 5 de Agosto Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) Regulamento do Sistema Nacional de Farmacovigilância (Revogado pela Decreto-Lei n.º 242/2002, de 5 de Novembro) O sistema de avaliação e autorização de introdução no mercado de medicamentos, que tem vindo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO

ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO ADMINISTRAÇÃO REGIONAL de SAÚDE de LISBOA e VALE do TEJO PROGRAMA NACIONAL de PROMOÇÃO da SAÚDE ORAL RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2007 Grupo Regional da Saúde Oral Lisboa Julho 2008 Grupo Regional da Saúde

Leia mais

PNPSO - Saúde Oral para Grávidas e Saúde Oral para Idosos

PNPSO - Saúde Oral para Grávidas e Saúde Oral para Idosos PNPSO - Saúde Oral para Grávidas e Saúde Oral para Idosos Informação à Classe ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS Obtenha as respostas às seguintes questões: Como funciona o Programa do Cheque-dentista? Como funciona

Leia mais

Direcção-Geral da Saúde

Direcção-Geral da Saúde Assunto: Para: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Crianças e Jovens que frequentam escolas públicas e IPSS: Normalização de procedimentos Divulgação Externa Nº: 02/DSPPS/DCVAE DATA: 09/01/09 Contacto

Leia mais

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012

Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 澳 門 衛 特 別 生 行 政 局 區 政 府 Governo da Região Administrativa de Macau Serviços de Saúde Proposta de adesão ao Programa de Comparticipação nos Cuidados de Saúde 2012 (1.ª Parte) Unidades Privadas de Saúde que

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA. Preâmbulo REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MIRANDELA Preâmbulo O voluntariado é definido como um conjunto de acções e interesses sociais e comunitários, realizadas de forma desinteressada no âmbito

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO

HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO HISTÓRICO DE REVISÕES REVISÃO DATA SÍNTESE DA REVISÃO ELABORAÇÃO ASSINATURA APROVAÇÃO ASSINATURA ÍNDICE CAPÍTULO 1. POLÍTICA E ESTRATÉGIA/ÂMBITO... 3 1.1 POLÍTICA E ESTRATÉGIA DA ENTIDADE... 3 1.2 OBJECTIVO

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO

REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO REGULAMENTO DO PROGRAMA INOV-ART NOS TERMOS DA PORTARIA N.º 1103/2008 DE 2 DE OUTUBRO CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º- Âmbito de aplicação O presente Regulamento aplica -se à medida INOV-Art -

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização. Todos os serviços dependentes do Serviço Nacional de Saúde

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização. Todos os serviços dependentes do Serviço Nacional de Saúde Ministério da Saúde Direcção-Geral da Saúde Circular Normativa Assunto: Para: Contacto na DGS: Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Termos de Referência para a Contratualização Todos os serviços

Leia mais

Regulamento Interno IP

Regulamento Interno IP Regulamento Interno IP EQUIPA LOCAL DE INTERVENÇÃO DE ESTREMOZ DO SISTEMA NACIONAL DE INTERVENÇÃO PRECOCE NA INFÂNCIA (SNIPI) REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º Natureza 1 - A

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Eixo Prioritário IV Protecção e Valorização Ambiental ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS ÁGUAS INTERIORES Aviso nº : CENTRO-VQA-2009-14-PIN-07

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto

PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT. Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto PROPOSTA DE CARREIRA PARA OS TÉCNICOS SUPERIORES DA ÁREA DA SAÚDE EM REGIME DE CIT Capítulo I Objecto e Âmbito Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Decreto-Lei estabelece o regime jurídico da carreira dos

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através do Departamento

Leia mais

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 -

Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano. Promoção da Mobilidade Urbana. Aviso para apresentação de candidaturas CIMC/MT/02/2010 - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário IV Qualificação do Sistema Urbano Promoção da Mobilidade Urbana

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social

Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo. Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social Serviços de Acção Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo Regulamento de Atribuição de Bolsa de Apoio Social O Conselho de Ação Social do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, atento à

Leia mais

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura

Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura Iniciativa Formação para Empresários Programa de Candidatura No âmbito do Contrato de Delegação de Competências do POPH na CCP 1. Enquadramento da Iniciativa A Iniciativa Formação para Empresários tem

Leia mais

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS

ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS RESPOSTAS SOCIAIS 1. bjectivo presente documento tem como objectivo definir o esquema de acreditação para a Certificação do Serviço proporcionado pelas várias Respostas Sociais, tendo em conta os Modelos de Avaliação da

Leia mais

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02

Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental. Acções de Valorização e Qualificação Ambiental. Aviso - ALG-31-2010-02 Eixo Prioritário 2 Protecção e Qualificação Ambiental Acções de Valorização e Qualificação Ambiental Aviso - ALG-31-2010-02 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS ACÇÕES DE VALORIZAÇÃO E QUALIFICAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento Municipal do Banco Local de Voluntariado de Lagoa As bases do enquadramento jurídico do voluntariado, bem como, os princípios que enquadram o trabalho de voluntário constam na Lei n.º 71/98,

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde

DECRETO N.º 418/XII. Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde DECRETO N.º 418/XII Cria o Inventário Nacional dos Profissionais de Saúde A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.º Objeto 1 - A

Leia mais

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO REGULAMENTO DE PROCEDIMENTOS DO PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO INDICE 1. OBJETIVO 2. DESTINATÁRIOS 3. REQUISITOS GERAIS DE ACESSO À TIPOLOGIA MICROINVEST 4. MODELO ESPECÍFICO DE APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO

Leia mais

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007

Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Saúde Aviso de Abertura de Concurso para Apresentação de Candidaturas S/1/2007 Nos termos do Regulamento Específico Saúde

Leia mais

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS

GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS Manual de GUIA PRÁTICO APADRINHAMENTO CIVIL CRIANÇAS E JOVENS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/7 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Apadrinhamento Civil Crianças

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo

Regulamento de Transportes Escolares. Preâmbulo Regulamento de Transportes Escolares Preâmbulo O presente regulamento tem por objectivo definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente, no que concerne aos apoios

Leia mais

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SANTA MARTA DE PENAGUIÃO CÂMARA MUNICIPAL REGULAMENTO MUNICIPAL PARA ATRIBUIÇÃO DE DE BOLSAS DE ESTUDOS AOS ALUNOS QUE FREQUENTAM O ENSINO SUPERIOR Órgão APROVAÇÃO Data Entrada em vigor Câmara Municipal 30/05/2014 Assembleia Municipal 06/06/2014

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Despacho Sob proposta do Gestor do Programa Operacional Sociedade do Conhecimento e nos termos da alínea a) do n.º 1 do artigo 29º do Decreto-Lei n.º 54-A/2000, de

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM MARKETING Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira Interior, através

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE -

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO CUIDADOS PALIATIVOS - REGIÃO DE SAÚDE DO NORTE - Considerando que o aumento da sobrevida e o inerente acréscimo de doenças crónicas e progressivas, bem como, as alterações na rede

Leia mais

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros

Regulamento do. Programa de Estágios Curriculares. no Ministério dos Negócios Estrangeiros Regulamento do Programa de Estágios Curriculares no Ministério dos Negócios Estrangeiros Preâmbulo Na sequência do acordo tripartido celebrado entre o Governo e os parceiros sociais em junho de 2008 e

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL

REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL REGULAMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE VOLUNTARIADO NA FCUL GAPsi- Gabinete de Apoio Psicopedagógico Artigo 1º Objecto O Programa de Voluntariado na FCUL visa: a) Estimular a formação e educação dos estudantes

Leia mais

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS

OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS OCUPAÇÃO CIENTÍFICA DE JOVENS NAS FÉRIAS 2015 REGULAMENTO Artigo 1º Âmbito e Enquadramento A Ciência Viva Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica promove o programa Ocupação Científica

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES

REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES REGULAMENTO DOS TRANSPORTES ESCOLARES A Câmara Municipal de Alpiarça, com a criação do presente Regulamento, pretende definir e clarificar procedimentos no âmbito dos Transportes Escolares, nomeadamente

Leia mais

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde

Partido Popular. CDS-PP Grupo Parlamentar. Projecto de Lei nº 195/X. Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde Partido Popular CDS-PP Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 195/X Inclusão dos Médicos Dentistas na carreira dos Técnicos Superiores de Saúde A situação da saúde oral em Portugal é preocupante, encontrando-se

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º. Âmbito e objeto. Artigo 2.º. Candidatos REGULAMENTO DO PROGRAMA COMUNICAÇÃO E GESTÃO DE CIÊNCIA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito e objeto 1. O presente regulamento define as normas e os procedimentos de concurso para contratação

Leia mais

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR

REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO A ESTUDANTES CARENCIADOS INSCRITOS EM ESTABELECIMENTOS DO ENSINO SUPERIOR O direito a uma justa e efectiva igualdade de oportunidades no acesso e sucesso

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR

REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR REGULAMENTO INTERNO DOS CAMPOS DE FÉRIAS DA LIPOR 1 1. Considerações Gerais A Lipor, Serviço Intermunicipalizado de Gestão de Resíduos do Grande Porto, com sede em Baguim do Monte, concelho de Gondomar,

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo

ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES. Preâmbulo ACORDO DE COOPERAÇÃO PROGRAMA DA REDE NACIONAL DE BIBLIOTECAS ESCOLARES Preâmbulo Considerando a criação e o desenvolvimento de uma Rede de Bibliotecas Escolares, assumida como política articulada entre

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA

SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA SISTEMA DE CERTIFICAÇÃO DE ENTIDADES FORMADORAS ASPECTOS PRINCIPAIS DA MUDANÇA O Sistema de Certificação de Entidades Formadoras, consagrado na Resolução do Conselho de Ministros nº 173/2007, que aprova

Leia mais

Divisão de Assuntos Sociais

Divisão de Assuntos Sociais Divisão de Assuntos Sociais Programa de Apoio às Entidades Sociais de Odivelas (PAESO) Índice Pág. Preâmbulo 1 1. Objectivos 2 2. Destinatários 2 3. Modalidades de Apoio 2 3.1. Subprograma A - Apoio à

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

RECOMENDAÇÃO N.º 6/ B / 2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 6/B/2004 Data: 25-03-2004 Entidade visada: Secretária de Estado da Administração Pública Assunto: Curso de Estudos Avançados em Gestão Pública. Promoção a técnico superior de 1.ª classe. Processo:

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010

ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 ORIENTAÇÃO DE GESTÃO N.º 1/2010 APROVADA POR DELIBERAÇÃO DA COMISSÃO DIRECTIVA DE 19-03-2010 Altera o nº 4 da Orientação de Gestão nº 7/2008 e cria o ANEXO III a preencher pelos Beneficiários para registo

Leia mais

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS

REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO DE OCUPAÇÃO MUNICIPAL TEMPORÁRIA DE JOVENS REGULAMENTO Artigo 1.º Objecto 1 O programa de ocupação municipal temporária de jovens, adiante abreviadamente designado por OMTJ, visa a ocupação

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO

COMISSÃO MINISTERIAL DE COORDENAÇÃO DO PROGRAMA OPERACIONAL POTENCIAL HUMANO Despacho Considerando que os regulamentos específicos do Programa Operacional Potencial Humano (POPH) são aprovados pela respectiva Comissão Ministerial de Coordenação, nos termos do n.º 5 do artigo 30º

Leia mais

Agrupamento Vertical de Mondim de Basto -152754 Escola EB 2,3/S de Mondim de Basto-346196 AVISO

Agrupamento Vertical de Mondim de Basto -152754 Escola EB 2,3/S de Mondim de Basto-346196 AVISO AVISO CONTRATAÇÃO DE UM TÉCNICO ESPECIALIZADO - PSICÓLOGO (ano letivo 2015/2016) Horário DGAE n.º 17 Nos termos do Decreto-Lei nº 132/2012, de 27 de junho na redação dada pelo Decreto-Lei nº 83- A/2014,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS

REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS REGULAMENTO DE APOIO AOS PROJETOS SOCIOEDUCATIVOS CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1º Objeto O presente regulamento tem como objetivo a definição dos tipos de apoio e res- petivas condições de acesso

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede

INSTITUCIONAL. Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO. Operações no Domínio da Administração em Rede Eixo Prioritário 5 GOVERNAÇÃO E CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL Operações no Domínio da Administração em Rede Aviso para apresentação de candidaturas - Eixo Prioritário V Governação e Capacitação Institucional

Leia mais

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes

Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes Carta dos Direitos e Deveres dos Doentes INTRODUÇÃO O direito à protecção da saúde está consagrado na Constituição da República Portuguesa, e assenta num conjunto de valores fundamentais como a dignidade

Leia mais

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche

Modelo de Acordo de Cooperação. Creche Modelo de Acordo de Cooperação Creche Entre os outorgantes a seguir identificados: Primeiro outorgante: Instituto de Solidariedade e Segurança Social/Centro Distrital de Solidariedade e Segurança Social

Leia mais

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar

Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral. Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Programa Nacional de Promoção da Saúde Oral Direcção-Geral da Saúde Divisão de Saúde Escolar Para apoio às acções de promoção e educação para a saúde em Saúde Oral Produzido pela: Divisão de Saúde Escolar

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril

Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril Decreto-Lei n.º 146/93 de 26 de Abril (Rectificado, nos termos da Declaração de Rectificação n.º 134/93, publicada no DR, I-A, supl, n.º 178, de 31.07.93) Objecto... 2 Obrigatoriedade do seguro... 2 Seguro

Leia mais

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO

Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO Bolsa de Gestão de Ciência e Tecnologia (BGCT) (M/F) AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO O Centro Ciência Viva de Constância torna pública a abertura de concurso para a atribuição de uma Bolsa de Gestão de Ciência

Leia mais

I Prémio Jovens Talentos. Regulamento

I Prémio Jovens Talentos. Regulamento 1 I Prémio Jovens Talentos Regulamento 1. Introdução O presente concurso tem como objectivo estimular o aparecimento e divulgação de novos talentos, no domínio cultural e artístico, dos jovens Bracarenses

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONDIM DE BASTO Preâmbulo O Decreto-Lei nº 389/99, de 30 de Setembro, no artigo 21º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE ALENQUER Preâmbulo A Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, regulamentada pelo Decreto Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, define as bases do enquadramento

Leia mais

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES

Página 765 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DOS ASSUNTOS SOCIAIS Despacho Normativo n.º 22/2008: Estabelece as regras da cooperação, no âmbito da toxicodependência, luta contra o HIV-Sida, comportamentos de risco e igualdade

Leia mais

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO

REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS AO EXTERIOR DA UNIVERSIDADE DO PORTO A prestação de serviços ao exterior por docentes com contrato em funções públicas, em regime de dedicação exclusiva,

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015

PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 PROGRAMA NORMAS DE PARTICIPAÇÃO 2015 I DESTINATÁRIOS O Programa de Ocupação de Jovens, promovido pela Câmara Municipal de Cascais, através da Divisão de Promoção de Emprego (DPRE), destina-se a jovens

Leia mais

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO

PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO CONSIDERANDO QUE: PROTOCOLO SIMPLEX AUTÁRQUICO A simplificação administrativa e a administração electrónica são hoje reconhecidas como instrumentos fundamentais para a melhoria da competitividade e da

Leia mais

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação

Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação Regulamento de Funcionamento das Acções de Formação A Ciência Viva tem como missão a difusão da Cultura Científica e Tecnológica apoiando acções dirigidas à promoção da Educação Científica e Tecnológica

Leia mais

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação

Saúde Escolar. Secretaria Regional da Educação e Formação Saúde Escolar Secretaria Regional da Educação e Formação «Um programa de saúde escolar efectivo é o investimento de custo-benefício mais eficaz que um País pode fazer para melhorar, simultaneamente, a

Leia mais

Um Olhar sobre a Saúde Oral

Um Olhar sobre a Saúde Oral Um Olhar sobre a Saúde Oral Agrupamento de Centros de Saúde de Almada (Almada, Costa de Caparica, Cova da Piedade) Unidade de Saúde Pública / Saúde Oral Célia Moreira HO Março/2012 O programa de Saúde

Leia mais

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde

Regras gerais. Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Entidades Utilizadoras de produto de software de prescrição electrónica de medicamentos no Sistema de Saúde Unidade Operacional de Normalização e Certificação de Sistemas e Tecnologias da Informação Os

Leia mais

CIRCULAR INFORMATIVA

CIRCULAR INFORMATIVA CIRCULAR INFORMATIVA Nº. 46 Data: 2011/11/04 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: Regulamento para Atribuição de Bolsa de Doutoramento ESTeSL/IPL Caixa Geral de Depósitos

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento

Área Metropolitana do. Porto 2007-2013. Programa Territorial de Desenvolvimento Área Metropolitana do Porto 2007-2013 Programa Territorial de Desenvolvimento Modernização do Governo Electrónico e melhoria da relação das empresas e dos cidadãos com a Administração Desconcentrada e

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE

PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE PRÉMIO BOAS PRÁTICAS EM SAÚDE REGULAMENTO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS Edição de 2013 1 Introdução: PBPS 2013 A edição do ano de 2013 do Prémio de Boas Práticas em Saúde- Qualidade e Inovação (PBPS)

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo

CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE. Preâmbulo CÂMARA MUNICIPAL MONCHIQUE REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE MONCHIQUE Preâmbulo Considerando que a participação solidária em acções de voluntariado, definido como conjunto de acções de interesse

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO

ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO ESCOLA DE VERÃO REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO 1) Objectivos a) A Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra (ESTeSC) realiza a 1ª Edição da Escola de Verão com uma semana de ocupação para jovens

Leia mais

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL

III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL III PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE VERÃO AEFFUL 1 Enquadramento O Gabinete de Estágios e Saídas Profissionais (GESP) tem o objectivo de estabelecer uma plataforma de comunicação entre estagiários e recém-mestres

Leia mais

Regulamento PAPSummer 2015

Regulamento PAPSummer 2015 Regulamento PAPSummer 2015 Artigo 1º Objectivos do programa, montante e designação das bolsas 1. O programa PAPSummer pretende dar a oportunidade a estudantes portugueses (Estudante) de desenvolver um

Leia mais

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem:

TÍTULO I DAS DISPOSIÇOES INICIAIS. Art. 3º O projeto mencionado nos artigos 1º e 2º desta Lei é destinado, prioritariamente, nesta ordem: LEI Nº 2.511, de 17 de setembro de 2015. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO PARA O CONTROLE POPULACIONAL DE ANIMAIS DOMÉSTICOS DO MUNICÍPIO DE CATANDUVAS/SC QUE ESPECIFICA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS Gisa Aparecida

Leia mais

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES

REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES REGULAMENTO DO PROCESSO ESPECIAL DE ACREDITAÇÃO/RENOVAÇÃO DA ACREDITAÇÃO DE ENTIDADES CANDIDATAS À AVALIAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DOS MANUAIS ESCOLARES CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Objeto e âmbito

Leia mais

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013

Procedimento de Contratação. (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Procedimento de Contratação (artº 5º do CCP Contratação Excluída) Procedimento 5/2013 Aquisição de Serviços de Consultores-formadores de Ligação e Especialistas para a execução do Projecto nº 084749/2012/831

Leia mais

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho

Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho Decreto-Lei n.º 144/2008 de 28 de Julho O Programa do XVII Governo prevê o lançamento de uma nova geração de políticas locais e de políticas sociais de proximidade, assentes em passos decisivos e estruturados

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PREÂMBULO Nos termos do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 43/2014 de 18 de março, é aprovado o Regulamento das Condições de Ingresso nos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) do Instituto Politécnico

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE

MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE MINISTÉRIOS DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Despacho Conjunto n.º 891/99 No domínio da intervenção precoce para crianças com deficiência ou em risco de atraso grave de desenvolvimento,

Leia mais