MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais"

Transcrição

1 Benefícios para Micro Empresa e Empresas de Pequeno Porte em Compras Governamentais

2 I) Objetivo Tópicos II) Avaliação da experiência do Governo Federal III) Principais Pontos da LC nº 123/2006 e do Decreto nº IV) Desafios para melhoria

3 Objetivos Fortalecimento do mercado interno (competição). Isonomia tratar iguais como iguais e diferentes como diferentes. Função social da contratação (fomento). Atenuação do princípio da estrita eficiência econômica.

4 Instrumentos da Lei Complementar nº 123/2006 Habilitação diferenciada Critério de desempate Licitação exclusiva Subcontratação de MP/EPP Cotas

5 II) Avaliação de resultados

6 Impacto da Política de Compras com MPEs As MPE em 2005 participavam nas pregão eletrônico com R$ 1,3 bilhões; em 2009 correspondeu a R$ 11,1 bilhões As MPE em 2005 participavam em volume financeiro com R$ 2,8 bilhões; em 2009 correspondeu a R$ 14,6 bilhões Em 2009 as MPE responderam pela grande maioria dos fornecedores, independente do setor. Esses negócios representaram 64%, 76% e 65% do quantitativo total de fornecedores da indústria, comércio e serviços, respectivamente.

7 Participação do número de itens de compra, segundo porte do fornecedor e o ano 2002 a 2009 nos meses de Janeiro a Dezembro Ano Micro Pequena Empresa Empresa Outros Total Média do Período % Itens de Compra 90% 80% 43% 41% 39% 38% 33% 28% 20% 31% 70% 60% 50% 40% 32% 33% 36% 38% 41% 41% 37% 26% Outros Pequena Empresa Micro Empresa 30% 20% 10% 26% 25% 25% 24% 26% 31% 43% 43% 0% ¹

8 Participação do valor de compra¹, segundo porte do fornecedor e o ano 2002 a 2009 nos meses de Janeiro a Dezembro Ano Micro Empresa Pequena Empresa Outros Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,32 Média do Período , , , ,26 100% Valor de Compra 90% 80% 70% 60% 50% 40% 86% 84% 82% 85% 70% 72% 69% 71% Outros Pequena Empresa Micro Empresa 30% 20% 21% 16% 19% 11% 10% 0% 10% 11% 13% 10% 18% 12% 13% 9% 4% 5% 5% 4% ¹ ¹ Valores corrigidos pelo IPCA dessazonalizado (2009 = 100%).

9 Valor das aquisições, segundo o porte e modalidade de compra 2009¹ Modalidades Micro Empresa Pequena Empresa Outros Total Convite , , , ,07 Tomada de Preços , , , ,16 Concorrência , , , ,97 Concorrência Internacional , , , ,71 Pregão Eletrônico , , , ,42 Pregão Presencial , , , ,74 Dispensa de Licitação , , , ,25 Inexigibilidade de Licitação , , , ,18 Concurso ,00 0, , ,81 Total , , , ,32 100% 90% Valor de Compra: Porte x Modalidades 1% 2% 4% 4% 5% 7% 16% 80% 14% 70% 60% 50% 40% 30% 81% 68% 5% 27% 2,8% Concurso Inexigibilidade de Licitação Dispensa de Licitação Pregão Presencial Pregão Eletrônico Concorrência Internacional Concorrência Tomada de Preços Convite 20% 35% 10% 0% 14% 6% 3% 4% Micro Empresa Pequena Empresa Outros ¹Janeiro a Dezembro.

10 Evolução das compras¹ até R$ ,00, segundo o porte 2002 a 2009² Ano Micro Empresa Pequena Empresa Outros Total , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ² , , , ,07 Média do Período , , , ,78 100% Compras até R$ ,00: Ano x Porte (%) Bilhões 60,00 Compras até R$ ,00 (%) x Total das Compras¹ 200% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 59% 59% 25% 25% 56% 55% 27% 28% 52% 30% 16% 16% 17% 17% 18% ² Micro Empresa Pequena Empresa Outros 44% 32% 23% 40% 29% 31% 35% 23% 42% 50,00 40,00 30,00 20,00 10,00 0,00 (15%) R$ 19,8 0,0% (20%) R$ 14,1-8% (15%) 10% R$ 20,5 (13%) 19% R$ 25,1 (12%) R$ 29,8 36% (12%) R$ 35,2 (13%) R$ 27,1 R$ 49,7 ¹ Valores corrigidos pelo IPCA (2009 = 100%) ² Janeiro a Dezembro. 82% 78% (10%) ² Total das Compras (R$) Participação Compras até R$ no Total (%) Variação % Acumulada MPE (em relação ao ano de 2002) 149% 150% 100% 50% 0% -50%

11 Ano 2008¹ 2009² MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Evolução do empate ficto, segundo o porte 2002 a 2009¹ Porte Houve Desempate Não Houve Desempate Total Valor % Valor % Valor % MPE ,13 32% ,88 53% ,01 49% Outros ,86 68% ,55 47% ,41 51% Milhões Total ,99 100% ,43 100% ,42 100% MPE ,19 39% ,95 57% ,14 54% Outros ,97 61% ,32 43% ,28 46% Total ,16 100% ,27 100% ,42 100% 1.800, ,00 Desempate MPE (68%) (61%) 80% 70% 1.400,00 60% 1.200,00 (39%) 50% 1.000,00 800,00 600,00 400,00 (32%) R$ 731,66 R$ 1.534,02 R$ 1.057,45 R$ 1.624,14 40% 30% 20% 200,00 10% 0,00 MPE Outros MPE Outros 2008¹ 2009² Houve Desempate 0% ¹ Janeiro a Dezembro. ² Janeiro a Dezembro.

12 Participação do valor total das compras, segundo as Unidades da Federação e o porte Janeiro a Dezembro de % Valor: UF x Porte 90% 80% 70% 60% 25% 33% 32% 30% 69% 76% 90% 48% 64% 78% 64% 77% 77% 46% 16% 33% 41% 53% 74% 64% 57% 42% 54% 67% 58% 43% 85% 50% 40% 30% 20% 10% 75% 67% 68% 70% 31% 24% 10% 52% 36% 22% 36% 23% 23% 54% 84% 67% 59% 47% 26% 36% 43% 58% 46% 33% 42% 57% 15% 0% AC AL AM AP BA CE DF ES GO MA MG MS MPE MT PA PB Outros PE PI PR RJ RN RO RR RS SC SE SP TO

13 Valor de compra dos materiais mais fornecidos pelas MPE Janeiro a Dezembro de 2009 Material Valor MPE % Total das MPE Equipamento para processamento automático de dados, (incluindo firmware), software, acessórios e equipamento de suporte ,81 14% Materiais para construção ,90 13% Máquinas para indústrias especializadas ,64 7% Instrumentos e equipamentos de laboratório ,82 6% Mobiliários ,72 6% Outros Grupos de Materiais ,03 55% Total ,91 100% MPE: Materiais Mais Fornecidos 14% 13% Equipamento para processamento automático de dados, (incluindo firmware), software, acessórios e equipamento de suporte Materiais para construção Máquinas para indústrias especializadas 54% Instrumentos e equipamentos de laboratório 7% Mobiliários Outros Grupos de Materiais 6% 6%

14 Valor de compra dos serviços mais fornecidos pelas MPE Janeiro a Dezembro de 2009 Serviços Valor MPE % Total das MPE Tipos especiais de serviços de construção ,12 24% Serviços de manutenção e reparo de produtos fabricados de metal, maquinaria e equipamentos ,33 12% Serviços gerais de construção dos edifícios ,12 9% Serviços de engenharia ,24 6% Outros serviços de suporte ,73 5% Outros Grupos de Serviços ,04 43% Total ,57 100% MPE: Serviços Mais Fornecidos 24% Tipos especiais de serviços de construção 44% Serviços de manutenção e reparo de produtos fabricados de metal, maquinaria e equipamentos Serviços gerais de construção dos edifícios Serviços de engenharia 12% Outros serviços de suporte Outros Grupos de Serviços 5% 6% 9%

15 III) LC nº 123/2006 e Decreto 6.024/2007

16 LC 123/2006 Definição MP/EPP no art. 3º, I e II; Tributação; Inscrição e Baixa, Simplificação da Relações de Trabalho, Fiscalização; Associativismo, Crédito, Inovação, etc... Acesso a Mercados: benefícios se estendem à Cooperativas (11.488/07), EI (CC 970 e 971/02), MEI (LC128/08) e Produtor Rural (CC 970 e971/02);

17 Regularidade Fiscal Lei Complementar nº 123/2006 Art. 42 e 43 Decreto nº 6.204/2007 Art. 4º

18 LC 123/2006: Cap. V- Do Acesso a Mercados Arts. 42 e 43: Inversão das fases de habilitação e de julgamento (em todas as modalidades de licitação) para as MPE s, com prazo para saneamento fiscal (2 dias úteis);

19 Decreto nº 6.204/2007 Art. 4º - Regularidade Fiscal a) Exigida para efeito de assinatura do contrato e não como condição para a participação na licitação (caput) fornecedor é habilitado com restrição; b) Início do prazo de 2d úteis para regularização fiscal com o encerramento da habilitação (pregão) ou julgamento das propostas (demais modalidades) ( 2º); c) A prorrogação do prazo (+ 2d úteis) deverá sempre ser concedida pela Administração (exceto quando houver urgência na contratação ou não houver prazo suficiente para o empenho, justificadamente) ( 3º);

20 Empate Ficto Lei Complementar nº 123/2006 Art. 44 e 45 Decreto nº 6.204/2007 Art. 5º

21

22

23 LC 123/2006: Cap. V- Do Acesso a Mercados Arts. 44 e 45: Preferência para a contratação de MPE s, com a possibilidade de novo lance para cobrir o preço das médias e grandes empresas (diferença de até 10% e 5% no pregão);

24 Decreto nº 6.204/2007 Art. 5º - Preferência para desempate a) Prazo de 5 minutos por item no pregão eletrônico; b) Não se aplica o sorteio (Art. 5º, inciso III) na fase de lances do pregão (não admite empate real ordem de encaminhamento dos lances) ( 6º); c) Quando ocorrer a desclassificação ou inabilitação do fornecedor classificado em 1º lugar, deve ser feito novo desempate se o novo 1º colocado não for uma MPE.

25 Licitação Exclusiva Lei Complementar nº 123/2006 Art. 48, I Decreto nº 6.204/2007 Art. 6º

26 LC 123/2006: Cap. V- Do Acesso a Mercados Art. 47: Estabelece os princípios e a necessidade de regulamentação dos dispositivos previstos no artigo 48. Art. 48, I: Possibilita licitações exclusivas para as MPE s: até R$80.000,00 (limite do convite);

27 Decreto nº 6.204/2007 Art. 6º - Licitação Exclusiva A licitação exclusiva para MPE até R$ ,00 deverá ser preferencial (art. 6º) - o limite deve ser observado para itens da mesma família elemento e subelemento de despesa (ex. material de expediente); Não se aplica a licitação exclusiva nas seguintes situações (art.9º), justificadamente (p.u.): i) não houver um mínimo de 3 MPE s sediadas local ou regionalmente; ii) não for vantajosa para a Administração; iii) a licitação for dispensável ou inexigível; iv) ultrapassar 25% do orçamento disponível para contratações.

28 Decreto nº 6.204/2007 b) Definição de quando o tratamento diferenciado não será vantajoso para a Administração: I) Não for capaz de alcançar os objetivos previstos no artigo 1º desta Lei, justificadamente, ou resultar em preço superior ao valor estabelecido como referência. II) Objetivos previstos no art. 1º do Decreto (art. 47 da LC 123): Promoção do desenvolvimento econômico e social no âmbito municipal e regional; Ampliação da eficiência das políticas públicas; Incentivo à inovação tecnológica.

29

30 Subcontratação Lei Complementar nº 123/2006 Art. 48, II Decreto nº 6.204/2007 Art. 7º

31 LC 123/2006: Cap. V- Do Acesso a Mercados Art. 47: Estabelece os princípios e a necessidade de regulamentação dos dispositivos previstos no artigo 48. Art.. 48, II: Possibilita a exigência de subcontratação de MPE s (até 30% do objeto);

32 Decreto nº 6.204/2007 Art. 7º - Subcontratação d) A empresa contratada responsabiliza-se pela padronização, gerenciamento centralizado e qualidade da subcontratação; e) Responsabilidade da contratada de substituir a MPE subcontratada caso ocorra a extinção da subcontratação; f) O contratante poderá estabelecer limite máximo admitido de ser subcontratado (diferença entre a exigência e a possibilidade).

33 Cotas Lei Complementar nº 123/2006 Art. 48, III Decreto nº 6.204/2007 Art. 8º

34 LC 123/2006: Cap. V- Do Acesso a Mercados Art. 47: Estabelece os princípios e a necessidade de regulamentação dos dispositivos previstos no artigo 48. Art. 48 III: Possibilita a divisão do objeto licitado (até 25%), com cota exclusiva para disputa pelas MPE s;

35 Decreto nº 6.204/2007 Art. 8º - Licitação com cota reservada Somente será admitida para bens de natureza divisível; Se houver o mesmo vencedor para a cota principal e a cota reservada: prevalece o preço obtido na cota principal, caso este seja menor do que o obtido na cota reservada;

36 LC 123/2006: Cap. V- Do Acesso a Mercados Art. 46: Transformação das créditos vencidos (+ 30 dias) das MPE s para com a Administração Pública em títulos de créditos, passíveis de serem negociados com as instituições bancárias (regulamentação obrigatória em 180 dias art. 46, parágrafo único) obs: não será regulamentado pelo MP;

37 Instrumento Modalidade de licitação Tipo de julgamento Obrigatório para Gov. Federal Obrigatório para Estados e Municípios Regularidade Fiscal Todas Todos Sim Sim Empate Ficto Todas Menor preço Sim Sim Exclusiva Todas Todos Sim, exceto pelo art. 9º Não Subcontratação Todas Todos Não Não Cota Todas Todos Não Não

38 Outras Informações Fórum Permanente e Fóruns Regionais SEBRAE Comprasnet

39 Observação MPEs do setor de informática e automação que possuem certificado de Tecnologia no País ou Processo Produtivo Básico usufruem do beneficiamento adicional do Decreto 7.174/ % de empate ficto Licitação exclusiva

40 Observação O Goveno Federal estabeleceu novos critérios para compras sustentáveis por meio da Instrução Normativa de nº 01/2010, incluindo: Bens (Para TI, ver Portaria nº 02/2010) Serviços Obras

41 IV) Desafios

42 Desafios Propostas de modificação da Lei Complementar nº 123/06; Melhorias no sistema eletrônico; Implementar boas práticas de gestão de compras.

43 Propostas de Modificação 1 MPE s que ganham licitações de grande valor e continuam a usufruir dos benefícios, já que só deixam de ser MPE s no ano seguinte ( 9º do art. 3º da Lei Complementar nº 123/06); 2 Uso indevido dos benefícios por falsas MPE s criadas por grandes e médias empresas para usufruir dos benefícios (vedado pelo 4º do art. 3º da Lei Complementar nº 123/06); 3 Dificuldades de interpretação e aplicação de alguns dos dispositivos do capítulo V da Lei Complementar nº 123, de 2006.

44 MPE s que vencem licitações de grande valor 1 Exemplo: uma pequena empresa que ganha uma ou várias licitações que alcançam no ano o valor de R$ 100 milhões. 2 - Por que é um problema? Indício de ser uma falsa MPE, ou porque o tratamento favorecido já alcançou seu objetivo, proporcionando contratações de valor superior a 2.4 milhões ano. 3 Solução? Alterar a Lei Complementar nº 123, de 2006, estabelecendo limite, apenas para fins de uso dos dispositivos do capítulo V, de R$ 2.4 milhões ano em contratos públicos.

45 MPE s que vencem licitações de grande valor (continuação) 4 Como controlar? Criar um cadastro nacional informatizado de MPE s contratadas pela Administração Pública (Nome, CNPJ e valor do contrato no ano). 5 Observação: As MPE s que ultrapassarem o valor de R$ 2.4 milhões em contratos públicos não estarão impedidas de participar das licitações, mas apenas de usufruir dos benefícios do capítulo V, e continuarão a ser MPE s para quaisquer outros efeitos da Lei até ano fiscal seguinte.

46 Uso Indevido dos Benefícios do Cap. V 1 Exemplo: Uma grande empresa cria uma MPE apenas para usufruir dos benefícios do cap. V da Lei Complementar nº 123, de Por que é um problema? O 4º do art. 3º da Lei veda esse tipo de prática, já que a Lei é desviada para beneficiar médias e grandes empresas. S1 3 Solução? Alterar a Lei Complementar nº 123, de 2006, prevendo sanções para o uso indevido dos benefícios previstos no capítulo V sugestão: multa de 5% do valor do contrato e declaração de inidoneidade.

47 Slide 46 S1 Outra sugestão: os benefícios somente poderão ser utilizados por MPE's com mais de 6 meses de funcionamento, com a conferência da receita auferida. Sebrae; 20/3/2009

48 Dificuldades de Interpretação 1 Exemplo: O 1º do art. 48 é de difícil aplicação: 1 o O valor licitado por meio do disposto neste artigo não poderá exceder a 25% (vinte e cinco por cento) do total licitado em cada ano civil. 2 - Por que é um problema? Dificulta e restringe exageradamente a aplicação dos benefícios previstos na Lei. 3 Solução? Alterar a Lei Complementar nº 123, de 2006, revogando ou alterando os dispositivos que geram dificuldades de interpretação.

49 Fabrício Arthur Galupo Magalhães Departamento de Logística e Serviços Gerais Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão +55 (61)

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007

DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 DECRETO Nº. 6.204, DE 5 DE SETEMBRO DE 2007 DOU 06.09.2007 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas e empresas de pequeno porte nas contratações públicas de

Leia mais

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e

Fortalecimento do mercado interno. Isonomia tratar iguais como iguais e COMPRAS GOVERNAMENTAIS COMO POLÍTICA INDUTORA DO DESENVOLVIMENTO LOCAL José Lusmá (Poty) jsantos@tce.pb.gov.br br Fortalecimento do mercado interno (competição); Isonomia tratar iguais como iguais e diferentes

Leia mais

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

ESTADO DO ACRE DECRETO Nº 5.966 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado para as microempresas, empresas de pequeno porte e equiparadas nas contratações de bens, prestação de serviços e execução de obras, no âmbito

Leia mais

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional

AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE. Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional AS COMPRAS GOVERNAMENTAIS E O SEBRAE Denise Donati Coordenadora do Projeto Compras Governamentais Sebrae Nacional Desafio Fomentar o Uso do Poder de Compra do Governo Junto aos Pequenos Negócios para Induzir

Leia mais

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO. Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas janeiro a dezembro de 2014 Sumário Executivo As informações a seguir comparam o desempenho das Micro e Pequenas Empresas

Leia mais

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007

Decreto nº 8.538, de 6 de outubro de 2015 Decreto nº 6.204, de 5 de setembro de 2007 DECRETO 8.538/2015 COMPARATIVO COM DECRETO 6.204/2007 Outubro/2015 Importante: Pontos acrescidos estão destacados em verde. Pontos suprimidos estão destacados em vermelho. Decreto nº 8.538, de 6 de outubro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 7 07/10/2015 10:08 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.538, DE 6 DE OUTUBRO DE 2015 Vigência Regulamenta o tratamento favorecido, diferenciado e simplificado

Leia mais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais

Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Como aplicar os avanços da Lei Complementar 123/2006 na área de Compras Governamentais Tema: Compras Governamentais Análise realizada em 25/08/2014. Consultores: Maurício Zanin, Maria Aparecida e Mauro

Leia mais

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional

As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional As Compras Públicas, Simplificação, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional OBJETIVO DAS NORMAS (linhas da esquerda para a direita) 8.666/93 Lei Geral de

Leia mais

Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas

Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas janeiro a novembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Até novembro de 2012, foram gastos R$ 29,1 bilhões

Leia mais

As compras compartilhadas no Governo Federal

As compras compartilhadas no Governo Federal As compras compartilhadas no Governo Federal Delfino Natal de Souza Secretário de Logística e Tecnologia da Informação MAIS RÁPIDO DESENV. SUSTENTÁVEL MELHOR SEGMENTOS ESTRATÉGICOS CUSTO USO DO PODER DE

Leia mais

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas

Anteprojeto de Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas Avanços e Pontos para Reflexão Renato da Fonseca Secretário-Executivo do Conselho da Micro e Pequena Empresa da Confederação Nacional da Indústria Pontos para reflexão Por que devemos criar um regime especial

Leia mais

Como Fazer Negócios com o Governo Business to Government B2G

Como Fazer Negócios com o Governo Business to Government B2G Como Fazer Negócios com o Governo Business to Government B2G Porque fazer negócios com o Governo? Descubra a maneira mais eficiente de fazer negócios com o Governo. Como Fazer Negócios com o Governo Business

Leia mais

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1)

ANEXO I BICICLETA ESCOLAR. Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) ANEXO I BICICLETA ESCOLAR Modelo de ofício para adesão à ata de registro de preços (GRUPO 1) Assunto: Adesão à ata de registro de preços nº 70/2010 do pregão eletrônico nº 40/2010. 1 2 BICICLETA 20 - AC,

Leia mais

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009.

LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. LEI Nº 1.048, de 12 de novembro de 2009. Institui a Lei Geral Municipal da Microempresa, Empresa de Pequeno Porte e Microempreendedor Individual, e dá outras providências. CIRILDE MARIA BRACIAK, Prefeita

Leia mais

Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas

Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas Informações Gerenciais de Compras e Contratações Públicas: Micro e Pequenas Empresas janeiro a dezembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Em 2012, foram gastos R$ 72,6 bilhões na aquisição

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 09/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3207/2014: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS

Leia mais

As Compras Públicas, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional

As Compras Públicas, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas. Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional As Compras Públicas, Sustentabilidade e Micro e Pequenas Empresas Maurício Zanin Consultor SEBRAE Nacional 8.666/93 Lei Geral de Licitações 10.520/2002 Lei do Pregão 123/2006 Lei Geral de da MPE Modelo

Leia mais

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. LEI Nº. 842, DE 09 DE SETEMBRO DE 2010. Institui a lei geral municipal da microempresa, empresa de pequeno porte e microempreendedor individual, e dá outras providências. ORCELEI DALLA BARBA, Prefeito

Leia mais

O Uso do Poder Compra do Estado:

O Uso do Poder Compra do Estado: O Uso do Poder Compra do Estado: A Aplicação das Margens de Preferência para Produtos Manufaturados e Serviços Nacionais em conjunto com as demais preferências sobre o preço nas licitações: Fomento às

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação Informações Gerenciais de Contratações Públicas de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação janeiro a dezembro de 2014 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO As informações descritas a seguir

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação Informações Gerenciais de Contratações Públicas de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação janeiro a novembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Entre janeiro e novembro de 2012,

Leia mais

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP

RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP RESUMO DO DECRETO MUNICIPAL Nº 49.511/08 - SP O Decreto Municipal Nº 49.511/08 regulamenta, no âmbito do Município de São Paulo, as normas definidas na Lei Complementar nº 123/06, que criou o Estatuto

Leia mais

Audiência Pública CELICITA

Audiência Pública CELICITA Audiência Pública CELICITA Jeovani Ferreira Salomão Presidente ASSESPRO NACIONAL Federação das Associações das Empresas Brasileiras de Tecnologia da Informação A ASSESPRO Fundada em 1976 A mais antiga

Leia mais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais

Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Gestão e Controle nas Contratações Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Logística e Serviços Gerais Brasília

Leia mais

PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO. Regulamento da Edição 2015.

PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO. Regulamento da Edição 2015. PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO O PRÊMIO E PRAZO Regulamento da Edição 2015. 1.1 O PRÊMIO SEBRAE ATORES DO DESENVOLVIMENTO é uma iniciativa do SEBRAE Mato Grosso do Sul que visa à continuidade,

Leia mais

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas

CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS. Seção única. Das Aquisições Públicas CAPÍTULO V DO ACESSO AOS MERCADOS Seção única Das Aquisições Públicas Art. 42. Nas licitações públicas, a comprovação de regularidade fiscal das microempresas e empresas de pequeno porte somente será exigida

Leia mais

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2

DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 DE CONTROLE EXTERNO Projeto Qualidade e Agilidade dos TCs QATC2 Resolução Atricon 02/2014 Controle Externo Concomitante Coordenador: Cons. Valter Albano da Silva TCE/MT Resolução Atricon 09/2014 LC123/2006

Leia mais

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA.

Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA. Departamento de Engenharia de Saúde Pública/CGEAR LICENCIAMENTO AMBIENTAL NAS OBRAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA FUNASA Brasília 2005 O Licenciamento Ambiental nasceu de uma exigência social, fruto de uma

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas de Bens. e Serviços de Tecnologia da. Informação Informações Gerenciais de Contratações Públicas de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação janeiro a março de 2014 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO As informações descritas a seguir comparam

Leia mais

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO

NOTA JURÍDICA Nº03/2015 COSEMS GO Conselho de Secretarias Municipais de Saúde do Estado de Goiás Rua 26, nº521, Bairro Santo Antônio CEP: 74.853-070, Goiânia GO Site: http://www.cosemsgo.org.br E-mail: cosemsgoias@gmail.com Fone: (62)

Leia mais

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos

A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Lei Complementar LC 123/2006 Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas e seus impactos Fórum AbineeTec 2011 Políticas Públicas Compras Governamentais

Leia mais

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL

CONTAGEM DO PRAZO LEGAL Curso de Licitação. Pregão Presencial e Pregão Eletrônico Professor: Antônio Noronha Os 3 Caminhos Possíveis para Aquisição/ Serviços, etc... Licitação; Dispensa de Licitação; Inexigibilidade de Licitação.

Leia mais

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014

PRÁTICAS DE PREGÃO. Elaborado por Leonel Duarte Aranha. Atualizado em setembro/2014 PRÁTICAS DE PREGÃO Elaborado por Leonel Duarte Aranha Atualizado em setembro/2014 1 Tratamento favorecido Microempresas e Empresas de Pequeno Porte Constituição Federal: Art. 170:... IX - tratamento favorecido

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Práticas Necessárias para Contratação de Bens e Serviços de Tecnologia da Informação Renata Alves Campos - Analista de T. I. (CoInfo) André de Oliveira Eskenazi

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS

SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS SECRETARIA DE ESTADO DE ADMINISTRAÇÃO COMPRAS GOVERNAMENTAIS Alice Viana Soares Monteiro Secretária de Estado de Compras Governamentais sob o aspecto da Sustentabilidade Compra Pública Sustentável ou Licitação

Leia mais

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS

DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE COMPRAS ESTADUAIS DIAGNÓSTICO E ESTRATÉGIA DE FORTALECIMENTO DOS MODELOS DE COMPRAS ESTADUAIS Grupo de trabalho Metodologia BID ENAP Modelo colaborativo de construção e desenvolvimento do projeto com grupo multidisciplinar

Leia mais

DO ÓRGÃO DE PROPOSIÇÃO E ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE

DO ÓRGÃO DE PROPOSIÇÃO E ARTICULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE DESENVOLVIMENTO DA MICROEMPRESA E EMPRESA DE PEQUENO PORTE Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes, decretou e eu, em seu nome,

Leia mais

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI)

1.2. Obrigatoriedade de realização de licitação ( CF, art. 37, XXI) ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO PÚBLICO DISCIPLINA: DIREITO ADMINISTRATIVO PROFESSORA: CLARISSA SAMPAIO SILVA 1) LICITAÇÃO - Previsão constitucional: 1.1. Estabelecimento de normas gerais ( CF, art.22, XXVII)

Leia mais

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007.

EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. VA PUBLICADO NO DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO DE 4/10/2007, SEÇÃO 3, PÁG.. EDITAL SG/MPU N.º 27, DE 2 DE OUTUBRO DE 2007. Divulgar a distribuição de vagas do Concurso Público para provimento de cargos e formação

Leia mais

Certificado CERTICS para Software

Certificado CERTICS para Software Certificado CERTICS para Software Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (MCTI) ATIVOS: Equipe: 29 profissionais 2 (CTI), 18 (FACTI), 9 bolsistas Plataformas: CERTICSys, politicsys Metodologias:

Leia mais

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013.

FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME. Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DA UNDIME MINAS GERAIS Belo Horizonte, 3 de abril de 2013. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ALINHAMENTO DOS PLANOS MUNICIPAIS E ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO AO PNE SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO

Leia mais

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora.

SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO. Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. SEBRAE O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. PALESTRA: Os Novos Benefícios da Lei Geral da Micro e Pequena Empresa

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas. Sustentáveis

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas. Sustentáveis Informações Gerenciais de Contratações Públicas Sustentáveis janeiro a dezembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Em 2012, as compras governamentais dos órgãos da administração direta,

Leia mais

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL

Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL Programa Rede A PARCERIA CFC E SEBRAE: EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA EM RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL E SOCIAL JUSTIFICATIVA A experiência na implementação da primeira versão do Programa Contabilizando o Sucesso

Leia mais

2.3. Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1012, Rio de Janeiro - RJ. 2.7. Responsáveis: Jorge Luís da Silveira; Maria Teresa Outeiro de Azevedo Lima

2.3. Endereço: Avenida Presidente Vargas, 1012, Rio de Janeiro - RJ. 2.7. Responsáveis: Jorge Luís da Silveira; Maria Teresa Outeiro de Azevedo Lima ATA DE REGISTRO DE PREÇOS nº 10/2013 CGTI/DPF A UNIÃO FEDERAL, através da COORDENAÇÃO GERAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DO /MJ, localizada no SPO (Setor Policial), Lote 07, Edifício 23, CEP: 70.610-902,

Leia mais

Desvio de Finalidade Papel Imune

Desvio de Finalidade Papel Imune Desvio de Finalidade Papel Imune Compliance com as Leis de Defesa da Concorrência ALERTA: Evitar quaisquer discussões ou conversações sobre temas sensíveis à livre competição entre as empresas associadas,

Leia mais

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos

Compras Institucionais. Programa de Aquisição de Alimentos Compras Institucionais Programa de Aquisição de Alimentos Brasil Sem Miseria: Rota de Inclusao Produtiva Termo de compromisso ABRAS Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Compras Privadas Promoção Comercial

Leia mais

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br

http://www.consultorpublico.com.br falecom@consultorpublico.com.br LEI COMPLEMENTAR Nº 123, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2006. (ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE) O ESTATUTO NACIONAL DA MICROEMPRESA E DA EMPRESA DE PEQUENO PORTE E O ESTADO E MUNICÍPIOS

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE

FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE FÓRUM PERMANENTE DAS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE Santa Catarina - 20 de Novembro de 2010 IMPORTÂNCIA DA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS As MPEs correspondem à 98,81%* (CNE/IBGE 2009) das empresas

Leia mais

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO

MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO MINUTAS DE RESOLUÇÃO E DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO TEMÁTICA 11: OS TRIBUNAIS DE CONTAS E O DESENVOLVIMENTO LOCAL: CONTROLE DO TRATAMENTO DIFERENCIADO E FAVORECIDO ÀS MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09.

LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. LEI MUNICIPAL Nº 846/2009, de 28-10-09. INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LUÍS CARLOS MACHADO PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados

Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados III Workshop das Unidades de Pesquisa do MCT e a Inovação Tecnológica Marco Legal da Inovação Aprimoramento e Resultados Campinas, São Paulo, 30 e 31 de agosto de 2010 Subsecretaria de Coordenação das

Leia mais

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF

PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias. 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF PROCOMPI Programa de Apoio à Competitividade das Micro e Pequenas Indústrias 6ª Conferência Brasileira de APLs Brasília - DF Dezembro de 2013 OBJETIVO Promover a competitividade das micro e pequenas empresas

Leia mais

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS

Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos Hospitais Filantrópicos no SUS X Encontro de Provedores, Diretores e Administradores de Santas Casas e Hospitais Filantrópicos de Minas Gerais - FEDERASSANTAS Novas regras da Política de Atenção Hospitalar e da Contratualização dos

Leia mais

INOVAÇÕES Lei Complementar nº. 123/06 principais adequações no aplicativo SAPP versão 5.0

INOVAÇÕES Lei Complementar nº. 123/06 principais adequações no aplicativo SAPP versão 5.0 INOVAÇÕES Lei Complementar nº. 123/06 principais adequações no aplicativo SAPP versão 5.0 O Governo do Estado de São Paulo, objetivando fortalecer e fomentar as atividades das micros e pequenas empresas

Leia mais

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência)

Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) Unidade Tipo de Serviço Análise da proposta Análise da proposta (em 15/10/2014, após diligência) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SECRETARIA EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra

COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93. Viviane Moura Bezerra COMPARAÇÃO ENTRE O RDC E A LEI 8666/93 Viviane Moura Bezerra Índice de Apresentação 1.Considerações iniciais 2.Surgimento do RDC 3.Principais Inovações 4.Pontos Comuns 5.Contratação Integrada 6.Remuneração

Leia mais

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO

PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO PROMOÇÃO VIVO CONTROLE MÓVEL COM CARTÃO DE CRÉDITO DISPOSIÇÕES GERAIS DA PROMOÇÃO 1.1. A promoção Vivo Controle Móvel no Cartão de Crédito é realizada pela Telefônica Brasil S/A, que oferece os benefícios

Leia mais

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015

Circular CAIXA nº 684, de 07 de agosto de 2015 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Diretoria Executiva de Fundos de Governo Superintendência Nacional de Fundo de Garantia Gerência Nacional do Ativo do FGTS Circular

Leia mais

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C

Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Registro de Preços para Construção de Escolas do ProInfância B e C Construção Escolas ProInfância Desafio: Melhorar a eficiência do processo, e garantir: 1. Edifícios com

Leia mais

BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMIENTO DIAGNÓSTICO SOBRE COMPRAS PÚBLICAS ESTADUAIS RESULTADOS, ANÁLISE E PRÓXIMOS PASSOS

BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMIENTO DIAGNÓSTICO SOBRE COMPRAS PÚBLICAS ESTADUAIS RESULTADOS, ANÁLISE E PRÓXIMOS PASSOS BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMIENTO DIAGNÓSTICO SOBRE COMPRAS PÚBLICAS ESTADUAIS RESULTADOS, ANÁLISE E PRÓXIMOS PASSOS Apresentação: A pesquisa sobre os Sistemas Estaduais de Compras Públicas tomou

Leia mais

Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte.

Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. LEI 20826, DE 31/07/2013 - TEXTO ORIGINAL Institui o Estatuto Mineiro da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte. O GOVERNADOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS, O Povo do Estado de Minas Gerais, por seus representantes,

Leia mais

COMO VENDER PARA O GOVERNO

COMO VENDER PARA O GOVERNO 2 COMO VENDER PARA O GOVERNO Manual prático para as agências de viagens A NOVA LEI GERAL PARA MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (MPEs) O Congresso Nacional aprovou e a Presidência da República sancionou a Lei

Leia mais

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39

GRUPO. CEP: 57020-670 - Cel. 8830-6001. WAPPE PUBLICIDADE E EVENTOS LTDA Unidade de Cursos www.wap.com.br CNPJ: 05.823.069/0001-39 Curso de Licitações, Contratos e Sistema de Registro de Preços (SRP) - 20 e 21 de Março Módulo i- licitação Definição O dever de licitar Quem pode licitar Pressuposto Natureza jurídica e fundamentos Legislação

Leia mais

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010

ESTADO DE SERGIPE PREFEITURA MUNICIPAL DE ARACAJU Secretaria Municipal de Governo LEI COMPLEMENTAR Nº. 97 DE 1º DE JULHO DE 2010 Regulamenta o tratamento diferenciado e favorecido ao microempreendedor individual de que trata a Lei Complementar Federal nº 128, de 19 de dezembro de 2008, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia

Sublimites estaduais de enquadramento para. Nacional 2012/2013. Vamos acabar com essa ideia Sublimites estaduais de enquadramento para o ICMS no Simples Nacional 2012/2013 Vamos acabar com essa ideia 4 CNI APRESENTAÇÃO Os benefícios do Simples Nacional precisam alcançar todas as micro e pequenas

Leia mais

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP

Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP. UBS Elpidio Moreira Souza AC. UPA município de Ribeirão Pires SP Centro de Artes e Esportes Unificados, Sertãozinho SP UBS Elpidio Moreira Souza AC Quadra da Escola Municipal Érico de Souza, Águas Lindas GO UPA município de Ribeirão Pires SP UBS Clínica da Família,

Leia mais

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas. Sustentáveis

Informações Gerenciais de. Contratações Públicas. Sustentáveis Informações Gerenciais de Contratações Públicas Sustentáveis janeiro a novembro de 2012 Sumário Executivo MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO Entre janeiro e novembro de 2012, as licitações públicas movimentaram

Leia mais

Lei Complementar 123,

Lei Complementar 123, X Lei Complementar 123, de 14 de dezembro de 2006 [Estatuto das Micro e Pequenas Empresas Fragmentos] (*) DOU 31.01.2012 Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina PREGÃO N. 070/201 /2014 PAE N. 24.230 230/201 2014 A empresa MEPAS apresentou impugnação ao edital do Pregão n. 070/2014, cujo objeto consiste no Registro de Preços para eventual aquisição de materiais

Leia mais

LEI Nº 999, DE 03 DE JUNHO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE JARDIM DO SERIDÓ aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei Complementar:

LEI Nº 999, DE 03 DE JUNHO DE 2015. A CÂMARA MUNICIPAL DE JARDIM DO SERIDÓ aprovou e eu, PREFEITO MUNICIPAL, sanciono a seguinte Lei Complementar: LEI Nº 999, DE 03 DE JUNHO DE 2015 Institui a nova Lei Geral das micro e pequenas empresas do Município de Jardim do Seridó, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE JARDIM DO SERIDÓ aprovou e eu,

Leia mais

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil

Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Impactos da Lei Geral (LG) nas Micro e Pequenas Empresas no Brasil Observatório das MPEs SEBRAE-SP Março/2008 1 Características da pesquisa Objetivos: Identificar o grau de conhecimento e a opinião dos

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL (arquivo da Creche Carochinha) Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil é dever do Estado e direito de todos, sem qualquer

Leia mais

De forma geral serve como um elemento de apoio econômico, proporcionando segurança financeira ao investimento.

De forma geral serve como um elemento de apoio econômico, proporcionando segurança financeira ao investimento. MERCADO BRASILEIRO DE SEGUROS RISCOS DE ENGENHARIA 12 MESES ENCERRADOS EM ABRIL DE 2009 O seguro de Riscos de Engenharia garante ao construtor a cobertura para os prejuízos que venha a sofrer em decorrência

Leia mais

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS II Seminário Internacional sobre Contratações Públicas Sustentáveis Brasília, 28 de Agosto Desenvolvimento Sustentável Utilização de recursos para atender às necessidades

Leia mais

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL

GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL GRUPO 3 - TRABALHO e REABILITAÇÃO PROFISSIONAL Nº PROPOSTA UF e Nº Original da Proposta 01 Garantir os 20% das vagas, e a efetivação das condições de acesso e permanência AC/08 necessárias para pessoas

Leia mais

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília

Apresentação do IDConselho Municipal. Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília Apresentação do IDConselho Municipal Apresentação elaborada pela Coordenação Geral de Vigilância Socioassistencial CGVIS Brasília 5.366 Conselhos Municipais que preencheram o Censo SUAS 2014 Dinâmica de

Leia mais

A CÂMARA MUNICIPAL DE MACAÉ deliberou e eu sanciono a CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO

A CÂMARA MUNICIPAL DE MACAÉ deliberou e eu sanciono a CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO LEI N 3.915 /2012 Institui normas de tratamento diferenciado às Microempresas, Empresas de Pequeno Porte e Empreendedores Individuais, no âmbito do Município, e dá outras providências. seguinte Lei: A

Leia mais

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011

Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional. Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Guerra Fiscal e Desenvolvimento Regional Audiência Pública Senado Federal 18 de outubro de 2011 Quem ganha com a Guerra Fiscal? O país perde Porque grande parte dos incentivos é concedido a importações

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS

PERGUNTAS E RESPOSTAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O microempreendedor individual pode participar de compras públicas? Sim, o Microempreendedor (MEI), pode participar de licitações. A Administração deverá

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 68/2015, DE 26 DE AGOSTO DE 2015.

PROJETO DE LEI Nº 68/2015, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. PROJETO DE LEI Nº 68/2015, DE 26 DE AGOSTO DE 2015. REESTRUTURA A LEI Nº 3112/2010 QUE INSTITUI A LEI GERAL MUNICIPAL DA MICROEMPRESA, EMPRESA DE PEQUENO PORTE E MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL E DÁ OUTRAS

Leia mais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais

Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas. Projeto de Compras Governamentais Como comprar mais e melhor das Micro e Pequenas Empresas Projeto de Compras Governamentais 2º Seminário Internacional sobre Compras e Contratações Sustentáveis Agosto/2014 Maria Aparecida Rosa Vital Brasil

Leia mais

Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009

Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Publicado no DOM Nº 1711 de 29/12/2009 Prefeitura Municipal de Natal LEI Nº. 6.025 DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre normas de competência municipal objetivando a implantação no âmbito local do Estatuto

Leia mais

III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais

III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais Alterações na LEI DE LICITAÇÕES E CONTRATOS III Congresso Brasileiro de Licitações, Contratos e Compras Governamentais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão - MP Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

Compras Públicas Sustentáveis

Compras Públicas Sustentáveis Compras Públicas Sustentáveis Nina Gonçalves e Rosângela Neri Nereu Brasília, 20 de novembro de 2012 Fórum Governamental de Responsabilidade Social AGENDA Sustentabilidade Comissão Interministerial de

Leia mais

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015

Carga Tributária dos Combustíveis por Estado. Referência: Junho/2015 Carga Tributária dos Combustíveis por Estado Referência: Junho/2015 Pontos importantes da Lei 12.741/2012 para a revenda de combustíveis Art. 1º Emitidos por ocasião da venda ao consumidor de mercadorias

Leia mais

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS

PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS PEQUENOS NEGÓCIOS E COMPRAS PÚBLICAS II Seminário Internacional sobre Contratações Públicas Sustentáveis Brasília, 28 de Desenvolvimento Sustentável Utilização de recursos para atender às necessidades

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010.

MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS. RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 227, DE 2010. Dispõe sobre o capital mínimo requerido para autorização e funcionamento e sobre planos corretivo e de recuperação

Leia mais

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê?

O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? O profissional mais estratégico que a empresa precisa ter: O ECONOMISTA Fundamental em qualquer empresa por quê? Diagnostica. Avalia. Cria. Planeja. Resolve. O Economista é um profissional imprescindível

Leia mais

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF

AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF AVALIAÇÕES E PERSPECTIVAS ESTRATÉGIAS PARA OS PROJETOS IV SEMINÁRIO NACIONAL DO PNCF Crédito Fundiário no combate a pobreza rural: Sustentabilidade e qualidade de vida 2011 PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO

Leia mais

Regimes Próprios de Previdência Social dos Estados e Municípios: Profundidade da crise fiscal e instrumentos para enfrentá-la

Regimes Próprios de Previdência Social dos Estados e Municípios: Profundidade da crise fiscal e instrumentos para enfrentá-la Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira Regimes Próprios de Previdência Social dos Estados e Municípios: Profundidade da crise fiscal e instrumentos para enfrentá-la RPPS no Brasil União, incluidos

Leia mais

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308

4» Quadra escolar Maria Nascimento Paiva. 1» Centro de Artes e Esportes Unificados. 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 1 2 8 1» Centro de Artes e Esportes Unificados Rio Branco AC 2» Unidade Básica de Saúde, Clínica da Família Quadra 308 Recanto das Emas DF 3» Creche Ipê Rosa Samambaia DF 4» Quadra escolar Maria Nascimento

Leia mais

PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013

PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013 PALESTRANTE: MIRIAM FEUERHARMEL SILVA Secretaria Municipal de Finanças Prefeitura de Curitiba 2013 1. Auto de Infração e Notificação Fiscal 2. Descrição dos Fatos e enquadramento Legal 3. Demonstrativo

Leia mais

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL

FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO NO BRASIL PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS: Repartição das responsabilidades entre União, Estados e Municípios; Vinculação de impostos; Definição de Manutenção e Desenvolvimento do

Leia mais

O que você pode fazer para comprar mais das Micro e Pequenas Empresas (MPE s)

O que você pode fazer para comprar mais das Micro e Pequenas Empresas (MPE s) Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão O que você pode fazer para comprar mais das Micro e Pequenas Empresas (MPE s) Sumário Primeiramente Utilizar

Leia mais

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09

Concurso - EPPGG 2013. Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Concurso - EPPGG 2013 Prof. Leonardo Ferreira Turma EPPGG-2013 Aula 06,07,08,09 Ordem ao caos...(p4) Tema 4: 1. Práticas de gestão governamental no Brasil e seus resultados: Gestão de suprimentos e logística

Leia mais