III JORNADA DOS MÉDICOS RESIDENTES DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO PIAUÍ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III JORNADA DOS MÉDICOS RESIDENTES DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO PIAUÍ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE RESIDÊNCIA MÉDICA III JORNADA DOS MÉDICOS RESIDENTES DA COMISSÃO ESTADUAL DE RESIDÊNCIA MÉDICA DO PIAUÍ 15 À 17 DE DEZEMBRO 2009 AUDITÓRIO DO CCS TERESINA - PIAUÍ

2 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Reitor Prof. Dr. Luiz de Sousa Santos Júnior Pró-Reitora da Pós-Graduação Prof. Dr. Saulo Cunha da Serpa Brandão Diretor do CCS Prof. Ms. Antônio dos Santos Rocha Filho Coordenador Executivo da Residência Médica Prof. Ms. Edilson Carvalho de Sousa Júnior

3 ÌNDICE Mensagem...04 Comissão Estadual de Residência Médica...05 Professores Convidados...07 Médicos Residentes...08 Programação Científica...09 Resumo dos Trabalhos...15 Agradecimentos...40

4 MENSAGEM Caros colegas, Em sua terceira edição, a Jornada dos Médicos Residentes do Estado do Piauí traz ao público a produção científica dos médicos residentes concludentes em janeiro de 2010, que foram desenvolvidas nos hospitais de nosso estado. A Residência Médica é uma pós-graduação médica de excelência que visa principalmente o treinamento em serviço em hospitais de ensino sob a supervisão de profissionais médicos de elevada qualificação e ética. A Comissão Estadual de Residência Médica do Estado do Piauí (CEREM) tem se preocupado com a descentralização das funções executivas e com isso fortalecendo as Comissões de Residências Médicas dos hospitais (COREME), que são as verdadeiras gestoras dos Programas de Residência Médica. Os nossos Programas de Residência Médica tem sido sedimentados, melhorados e ampliados, agora com a participação de novos programas veiculados as Secretarias Estadual e Municipal de Saúde. Por isso conclamamos todos a participarem das atividades desta jornada, oportunidade de integração e discussão da Residência Médica do Estado do Piauí. Prof. Edilson Carvalho de Sousa Júnior Presidente da CERM-PI 4

5 COMISSÃO ESTADUAL DA RESIDÊNCIA MÉDICA DO PIAUÍ Presidente Edilson Carvalho de Sousa Junior Vice-Presidente Zenon Rocha Filho 1 Secretária Marta Alves Rosal 2 Secretário Antônio da Silva Nascimento Tesoureiro Benedito Borges da Silva Representante do CRM-PI Luiz Airton Santos Júnior Representante da APM Maria Castelo Branco de Rocha de Deus Representante do Sindicato dos Médicos Lúcia Maria de Sousa A. dos Santos Representante da SESAPI Eucário Leite M. Alves Presidente da Assoc. dos Médicos Residentes do Estado do Piauí Henderson da Silva Retrão 5

6 HOSPITAIS DE ENSINO DO ESTADO DO PIAUÍ Hospital Getúlio Vargas Diretor Noé de Cerqueira Fortes Coord. Coreme: Marta Alves Rosal Hospital Infantil Lucídio Portela Diretor Marcelo Madeira Pinheiro Silva Coord. Coreme: Catarina Fernandes Pires Hospital Areolino de Abreu Diretor Márcia Astres Fernandes Coord. Coreme: Alexandre Castelo Branco Vaz Parente Hospital Santa Maria Diretor Antônio Dib Tajra Coord. Coreme: Luis Carlos Feitosa Tajra Inst. de Doenças Tropicais Natan Portela Diretor: Carlos Henrique Nery Costa Coord. Coreme: Pedro Leopoldino Ferreira Filho Maternidade Dona Evangelina Rosa Diretor Francisco Passos Costa Coord. Coreme: Antônio Silva do Nascimento 6

7 PROFESSORES CONVIDADOS Álvaro Regino Chaves Melo Alesse Ribeiro dos Santos Avelar Alves da Silva Antônio da Silva Macedo Antônio de Deus Filho Antônio de Pádua Fortes Filho Antônio dos Santos Rocha Filho Benedito Borges da Silva Carlos Henrique Nery Costa Carlos Iglésias Brandão de Oliveira Catarina Fernandes Pires Dorcas Lamonier Costa Ednaldo Aten Gonçalves Elio Rodrigues da Silva Erbert Portela Martins Francisco Passos Costa Gerardo Vasconcelos de Mesquita Ione Maria R. S. Lopes José Tupinambá Sousa Vasconcelos Jefesson Lemos Soares Jerri Alexandre Costa Joana Zélia Arcoverde de Castro João Batista Lopes Filho João de Deus Valadares Neto Joaquim Vaz Parente José Miguel Luz Parente José Salomão Budaruiche Kátia Marabuco de Sousa Luís Carlos Feitosa Tajra Luiz Edson dos Santos Costa Maria do Socorro Teixeira Moreira Almeida Marta Alves Rosal Oneide Angélica Monteiro Santos Rocha Osvaldo Mendes de Oliveira Filho Pedro Vitor Lopes Costa Raimundo José Araújo Júnior Sonia Maria dos Santos Carvalho Zenon Rocha Filho 7

8 HOSPITAL/ RESIDENTES APRESENTADORES/ PRM INST. DE DOENÇAS TROPICAIS NATAN PORTELA Antônio Pessoa de Carvalho Júnior (infectologia) Viviany Gonçalves de Vasconcelos Batista (infectologia) Walfrido Salmito de Almeida Neto (infectologia) HOSPITAL AREOLINO DE ABREU Krieger Rhelyni de Sousa Olinda (psiquiatria) Daniela Maria Mourão de Carvalho Castelo Branco (psiquiatria) HOSPITAL GETÚLIO VARGAS Álvaro José de Moraes Araújo (mastologia) Andreya Alves Gonçalves Macedo (gastroenterologia) Carlos Rogério Nogueira dos Santos (cirurgia geral) Conceição de Maria de Sousa Coelho (clínica médica) Fábio Marcos de Sousa (oftalmologia) Fernando Silveira Marques (clínica médica) Heráclito Barbosa Leal de Freitas (cirurgia geral) Joana Cecília Silva Ribeiro (clínica médica) Luciano Lima Carvalho (reumatologia) Marcelo de Assunção Cordeiro (cirurgia geral) Mariana Ayremoraes Barbosa (oftalmologia) Paulo Henrique Lopes Pessoa Filho (ortopedia/traumatologia) Paulo Vinícius Gomes de Oliveira (clínica médica) Priscilla Mendes Vieira de Oliveira (oftalmologia) Rafael Paiva Arruda (cirurgia geral) Roceldo Antônio Neves do Rego (ortopedia/traumatologia) Thânia Teixeira Lima (clínica médica) Ulysses Vieira Cabral (clínica médica) HOSPITAL INFANTIL LUCÍDIO PORTELA Christiane Melo Silva (pediatria) Emanuella Machado Costa (pediatria) Marcel Giovanne M. Andrade (pediatria) HOSPITAL SANTA MARIA Daniel Moura Parente (cirurgia geral) Francisco Sergio P. Regadas Filho (cirurgia geral) Ivo Lima Viana (cirurgia geral) Leonardo Ferreira Amorim (clínica médica) Marcos Danilo Vieira Dourado (cirurgia geral) MATERNIDADE DONA EVANGELINA ROSA Aíla Teixeira Graciano de Almeida (obstetrícia e ginecologia) Esley José Raulino Amaral (obstetrícia e ginecologia) Francisco de Castro Feitosa Neto (obstetrícia e ginecologia) Márcia Priscila Silva de Sousa (obstetrícia e ginecologia) Morgana Eulálio Barreto Soares (obstetrícia e ginecologia) Washington Vasconcelos Belchior Filho (obstetrícia e ginecologia) 8

9 PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA III JORNADA DOS MÉDICOS RESIDENTES DO PIAÚI DIA 15/12/09 (TERÇA-FEIRA) 19:30 H SOLENIDADE DE ABERTURA LOCAL: AUDITÓRIO DO CCS Coquetel Conferência: Educação, Excelência e Mercado de Trabalho Dr. José Tupinambá S. Vasconcelos DIA 16/12/09 (QUARTA-FEIRA) 08:00 as 09:45 - TCC DE CLÍNICA MÉDICA Coordenador: Antônio de Deus Filho Mesa: Catarina Fernandes Pires José Salomão Budaruiche Joana Zélia A. de Castro (TCC 01) Lúpus Eritematoso Sistêmico: Relação entre níveis séricos de vitamina D e atividade da doença Residente: Conceição de Maria de Sousa Coelho Orientadora: Maria do Socorro Teixeira Moreira Almeida (TCC 02) Efeito do Método de Tassin adaptado, no controle da hipertensão arterial em pacientes renais crônicos em programa de hemodiálise em uma clínica nefrológica de Teresina-PI Residente: Ulysses Vieira Cabral Orientador: José Tibúrcio do Monte Neto (TCC 03) Média do lactato à admissão na UTI em pacientes que evoluíram ao óbito Residente: Paulo Vinícius Gomes de Oliveira Orientador: José Tibúrcio do Monte Neto (TCC 04) Características demográficas e clínicas da pancreatite aguda em hospital público de Teresina-PI Residente: Fernando Silveira Marques Orientador: José Miguel Luz Parente (TCC 05) Medicina alternativa e complementar no lúpus eritematoso sistêmico Residente: Thânia Teixeira Lima Orientadora: Maria do Socorro Teixeira M. Almeida (TCC 06) Prevalência de síndrome metabólica em pacientes portadores lúpus eritematoso sistêmico acompanhados no serviço de Clínica Médica do Hospital Getúlio Vargas Residente: Joana Cecília Silva Ribeiro Orientadora: Maria do Socorro Teixeira M. Almeida 09:45 as 10:00 Intervalo 9

10 10:00 as 12:00 - TCC DE PSIQUIATRIA Coordenador: Alexandre Castelo B. Vaz Parente Mesa: Francisco de Assis Santos Rocha Francisco Passos Costa José Miguel Luz Parente (TCC 07) Psicose secundária a condições clínicas e farmacológicas: Uma revisão bibliográfica Residente: Krieger Rhelyni de Sousa Olinda Orientadora: Alexandre Castelo B. Vaz Parente (TCC 08) Mania secundária a substâncias ou condições médicas gerais Residente: Daniela Maria Mourão de Carvalho Castelo Branco Orientadora: Adriano Carvalho Tupinambá Rodrigues TCC DE ORTOPEDIA/TRAUMATOLOGIA Coordenador: Gerardo Vasconcelos de Mesquita Mesa: Osvaldo Mendes de Oliveira Filho Ione Maria R. S. Lopes Maria do Socorro Teixeira M. Almeida (TCC 10) Reprodutibilidade da classificação de Neer para fraturas do úmero proximal Residente: Paulo Henrique Lopes Pessoa Filho Orientador: Marcelo Barbosa Ribeiro (TCC 11) Fratura complexa do antebraço Residente: Roceldo Antônio Neves do Rego Orientador: Themistocles Sampaio 12:00 as 14:00 Almoço 14:00 as 15:15HS - TCC DE OBSTETRÍCIA-GINECOLOGIA Coordenador: Joaquim Vaz Parente Mesa: Antônio Silva do Nascimento Marta Alves Rosal João de Deus Valadares Neto (TCC 12) Análise do tratamento de 30 casos de fístulas vesico-vaginais operadas na Clínica Ginecológica do Hospital Getúlio Vargas Residente: Esley José Raulino Amaral Orientador: Alesse Ribeiro dos Santos (TCC 13) Estudo da prevalência e de fatores associados a síndrome pré-menstrual em estudas de medicina do Piauí Residente: Aíla Teixeira Graciano de Almeida Orientadora: Ione Maria R. S. Lopes (TCC 14) Perfil epidemiológico das pacientes submetidas a correção cirúrgica de incontinência urinária de esforço internadas na Clínica Ginecológica do Hospital Getúlio Vargas 10

11 Residente: Francisco de Castro Feitosa Neto Orientadora: Benedito Borges da Silva (TCC 15) Perfil epidemiológico das pacientes com prolapso genital internadas na Clínica Ginecológica do Hospital Getúlio Vargas Residente: Washington Vasconcelos Belchior Filho Orientador: Pedro Vitor Lopes Costa (TCC 16) Prevalência das doenças mais freqüentes do trato genital inferior em mulheres soropositivas para HIV em Teresina-PI Residente: Morgana Eulálio Barreto Soares Orientadora: Ione Maria R. S. Lopes (TCC 17) Prevalência da colonização bacteriana e sua sensibilidade a antimicrobianos em gestantes internadas na Maternidade Dona Evangelina Rosa Residente: Márcia Priscila Silva de Sousa Orientadora: Joaquim Vaz Parente 15:15 as 15:30 Intervalo 15:30 as 16:20 - TCC DE INFECTOLOGIA Coordenador: Carlos Henrique Nery Costa Mesa: Alesse Ribeiro dos Santos Antônio de Deus Filho Pedro Leopoldino Ferreira Filho (TCC 18) Influenza A (H1N1): Perfil clínico e epidemiológico dos casos confirmados em hospital de referência em Teresina-PI Residente: Antônio Pessoa de Carvalho Júnior Orientador: Carlos Henrique Nery Costa (TCC 19) Manifestações respiratórias em pacientes com leishmaniose visceral internados em hospital de referência em infectologia no Estado do Piauí no período de janeiro de 2008 a dezembro de 2008 Residente: Viviany Gonçalves de Vasconcelos Batista Orientador: Dorcas Lamounier Nery Costa (TCC 20) Co-infecção leishmaniose visceral e HIV: estudo clínico e parasitológico Residente: Walfrido Salmito de Almeida Neto Orientador: Carlos Henrique Nery Costa 16:30 as 16:45 - TCC DE MASTOLOGIA Coordenador: Benedito Borges da Silva Mesa: Antônio de Pádua Fortes Filho Luiz Airton Santos Júnior Zenon Rocha Filho (TCC 21) Promoção do diagnóstico precoce do câncer de mama na cidade de Teresina- PI com apoio do Instituto Avon Residente: Álvaro José de Moraes Araújo Orientador: Benedito Borges da Silva 11

12 16:45 as 17:00- TCC DE REUMATOLOGIA Coordenadora: Maria do Socorro Teixeira M. Almeida Mesa: Antônio de Pádua Fortes Filho Avelar Alves da Silva Celina Castelo Branco (TCC 22) Avaliação do nível sérico de prolactina em pacientes com lupus eritematoso sistêmico e possível correlação com índice de atividade da doença Residente: Luciano Lima Carvalho Orientador: Maria do Socorro Teixeira M. Almeida DIA 17/12/09 (QUINTA-FEIRA) 08:00 as 09:15 - TCC DE PEDIATRIA Coordenadora: Catarina Fernandes Pires Mesa: Dorcas Lamonier Costa José Miguel Luz Parente Luiz Edson dos Santos Costa (TCC 23) Ocorrência de lesão cerebral em prematuros e fatores de risco associados em Unidade Neonatal da MDER em Teresina-PI Residente: Christiane Melo Silva Orientadora: Oneide Angélica M. dos Santos Rocha (TCC 24) Perfil do estado nutricional de crianças internadas em um Hospital de Ensino Residente: Marcel Giovanne M. Andrade Orientador: Antônio da Silva Macedo (TCC 25) Perfil clínico-epidemiológico de pacientes internados por pneumonia no Hospital Infantil Lucídio Portela Residente: Emanuella Machado Costa Orientadora: Leiva de Souza Moura 09:15 as 09:30 HS intervalo 09:30 as 09:45 - TCC DE UROLOGIA/CIRURGIA (Hosp.Santa Maria) Coordenador: Luiz Carlos Feitosa Tajra Mesa: Elio Rodrigues da Silva Alesse Ribeiro dos Santos Raimundo José de Araújo Junior (TCC 27) Colostomia úmida em dupla boca: opção de reconstrução do trato urinário e fecal após exenteração pélvica total Residente: Daniel Moura Parente Orientadora: Eid Gonçalves Coelho (TCC 28) Perfil clínico, preditores da mortalidade e tratamento dos pacientes após infarto agudo do miocárdio no Hospital Santa Maria no ano de Residente: Leonardo Ferreira Amorim Orientador: 12

13 (TCC 29) Avaliação do acometimento venoso por eco-dopller em pacientes com úlcera varicosa Residente: Ivo Lima Viana Orientadora: Jesus Antônio de Carvalho Abreu (TCC 30) Correlação cito-histológica e ultrassonográfica em nódulos tireoideanos - Estudo de 25 casos Residente: Marcos Danilo Vieira Dourado Orientador: Jéferson Lemos Soares (TCC 31) APEX technique no tratamento de hemorróidas com prolapso mucoso circular do reto utilizando o EEA Residente: Francisco Sergio P. Regadas Filho. Orientador: Jerri Alexandre da Costa 12:00 as 14:00 Almoço 14:00 as 15:15 - TCC DE CIRURGIA GERAL (HGV) Coordenador: Zenon Rocha Filho Mesa: Eucário Leite M. Alves Jerri Alexandre Costa Raimundo José de Araújo Junior (TCC 32) Perfil clínico e epidemiológico de pacientes com nódulo(s) tireoideano(s), submetidos a Tireoidectomia no Hospital Getúlio Vargas Teresina-PI, entre janeiro e junho de 2009 Residente: Heráclito Barbosa Leal de Freitas Orientador: Carlos Iglesias Brandão de Oliveira (TCC 33) Comparação dos resultados da punção aspirativa com agulha fina (PAAF) com exame histopatológico de pacientes submetidos a tireoidectomia no Hospital Getúlio Vargas (HGV), Teresina-PI Residente: Marcelo de Assunção Cordeiro Orientador: Elio Rodrigues (TCC 34) Perfil epidemiológico de pacientes com tumor de glândula salivar operados no Hospital Getúlio Vargas: análise de 60 casos Residente: Carlos Rogério Nogueira dos Santos Orientador: Kátia Marabuco dos Santos (TCC 35) Análise inicial do perfil do paciente com hérnia recidivada no Hospital Getúlio Vargas Residente: Rafael Paiva Arruda Orientador: Francisco José Cavalcante Andrade 15:15 as 15:30 HS intervalo 13

14 15:30 as 15:45 - TCC DE GASTROENTEROLOGIA Coordenador: José Miguel Luz Parente Mesa: Antonio de Deus Filho Jeferson Lemos Soares José Salomão Budaruiche (TCC 36) Terapia biológica na Doença de Crohn: avaliação da resposta terapêutica no Serviço de Gastroenterologia da Universidade Federal do Piauí Residente: Andreya Alves Gonçalves Macêdo Orientador: José Miguel Luz Parente 15:45 as 17:00 - TCC DE OFTALMOLOGIA (HGV) Coordenador: João Batista Lopes Filho Mesa: Alexandre Castelo Branco V.Parente Antônio dos Santos Rocha Filho Erbert Portela Martins (TCC 37) Persistência dos vasos fetais Estudo retrospectivo Residente: Fábio Marcos de Sousa Orientador: Ednaldo Atém Gonçalves (TCC 38) Recuperação visual em pacientes submetidos a técnica de retinopexia com introflexão escleral no descolamento regmatogênico da retina (DRR) Residente: Priscilla Mendes Vieira de Oliveira Orientador: Ednaldo Atém Gonçalves (TCC 39) Prevalência das degenerações periféricas retinianas relacionadas ao grau de miopia e comprimento axial do olho Residente: Mariana Ayremoraes Barbosa Orientador: Ednaldo Atém Gonçalves 17:30 - ENCERRAMENTO 14

15 TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO RESIDÊNCIA MÉDICA RESUMO DOS TRABALHOS CIENTÍFICOS TCC 01 - RESUMO: LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO: RELAÇÃO ENTRE NÍVEIS SÉRICOS DE VITAMINA D E ATIVIDADE DA DOENÇA Autora: Conceição de Maria de Sousa Coelho. Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientadora: Maria do Socorro Teixeira Moreira Almeida. INTRODUÇÃO: O lúpus eritematoso sistêmico (LES) é uma doença auto-imune cujas manifestações clínicas decorrem da ação de complexos antígeno-anticorpo em capilares de estruturas viscerais ou da destruição de células do hospedeiro mediadas por autoanticorpos. O risco de deficiência de vitamina D é mais elevado em pessoas com baixa exposição a luz solar. Nesse ponto se encaixam os pacientes com LES. Os raios ultravioletas, essenciais para o metabolismo da vitamina D, são nocivos, aumentando a incidência da doença e de morbidades em pacientes lúpicos (acometendo preferencialmente a pele). OBJETIVOS: Verificar a prevalência de alterações clínico-laboratoriais e a atividade da doença relacionadas aos níveis séricos de vitamina D em população de pacientes com diagnóstico de Lupus Eritematoso Sistêmico. MÉTODOS: Foi desenvolvido um estudo transversal prospectivo, sendo avaliados 29 pacientes com LES,após preencherem os critérios para lupus eritematoso sistêmico da American Rheumatism Association. Foram quantificandos os níveis séricos de 25(OH) Vitamina D e relacionando-se o índice de atividade da doença. RESULTADOS: Foram avaliados 29 pacientes portadores de LES, com média de idade de 31,03 anos DP (±10,1) e duração média de doença de 4,06 anos DP (±5,18). 96,55% eram pacientes do sexo feminino, sendo a maioria de raça parda (70%). A deficiência de vitamina D foi de 65,51% na população estudada. A atividade de doença lúpica, medida pelo SLEDAI, não foi estatisticamente diferente entre os pacientes com e sem deficiência de vitamina D.CONCLUSÃO: Conclui-se que na população de pacientes estudados o achado da deficiência de vitamina D foi considerável, não havendo correlação com atividade de doença. TCC 02 - EFEITO DO MÉTODO DE TASSIN ADAPTADO, NO CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM PROGRAMA DE HEMODIÁLISE DE UMA CLÍNICA NEFROLÓGICA DE TERESINA-PI AUTOR: ULYSSES VIEIRA CABRAL Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientador:José Tibúrcio do Monte Neto Introdução: a hipertensão arterial (HA) é comum e em geral de difícil manejo no paciente renal crônico em terapia dialítica. Ilustrativo da importância clínica da HA na população de renais crônicos reflete-se nos altos índices de eventos cardiovasculares que ocorrem nestes indivíduos. A causa da hipertensão nestes pacientes é multifatorial, mas a relação entre estado volêmico e pressão arterial (PA) tem sido bem documentada. O método aplicado na clínica de Tassin, França obteve bons resultados no controle pressórico e na retirada de drogas anti-hipertensivas destes pacientes utilizando-se de redução supervisionada de sódio na dieta e dialisato, e prolongamento das sessões de diálise. Objetivos: comparar o controle de pressão arterial nos pacientes renais crônicos atendidos na Clinefro em Teresina-PI em hemodiálise 6 meses antes e 6 meses após a 15

16 aplicação do método de Tassin adaptado. Verificar a necessidade e o uso de antihipertensivos durante este período. Métodos: foi selecionado um grupo de pacientes renais crônicos (n=25) em programa de diálise da Clinefro em Teresina-PI no turno da manhã, as segundas, quartas e sextas-feiras. Destes foram verificadas as médias mensais das pressões arteriais pré-diálise no período entre março e fevereiro de A partir de agosto de 2008 foi adotado o método de Tassin adaptado pela clínica e observado o comportamento da pressão arterial e a variação no uso de medicamentos anti-hipertensivos nesta população. O grupo foi, então, subdividido em 4 subgrupos: hipertensos (PA maior ou igual a 140/90 mmhg) com ou sem drogas hipotensoras e normotensos com ou sem drogas, reclassificados mensalmente. Resultados: do mês de março a agosto de 2008 o número de normotensos variou de 14 a 10 (56 40%) e o de pacientes com anti-hipertensivos 15 a 12 (60 48%). Após a implantação do método de Tassin adaptado, de setembro de 2008 a fevereiro de 2009, os normotensos foram de 15 a 17 (60 68%) e os pacientes em uso de anti-hipertensivos 5 a 1 (20 4%). Em relação ao número total de hipertensos variou 11 a 15 (44 60%) entre março e agosto de 2008 e 15 a 1 (60 4%) nos seis meses posteriores. O número de hipertensos com drogas variou de 8 a 11 (32 44%) entre março e agosto de 2008 e de 2 a 0 (8% 0) entre setembro de 2008 e fevereiro de 2009, já o número de normotensos com drogas variou de 7 a 3 (28-12%) de março a agosto de 2008 e de 3 a 0 (12% - 0) na segunda metade do estudo. Não houve significância estatística nesta análise. Conclusão: Este trabalho mostra uma tendência de diminuição no uso de anti-hipertensivos em pacientes renais crônicos dialíticos quando se adota o método de Tassin adaptado em acordo com a literatura e também uma tendência de menor número de hipertensos após os primeiros meses do início do programa. TCC 03 - MÉDIA DO LACTATO À ADMISSÃO NA UTI EM PACIENTES QUE EVOLUÍRAM AO ÓBITO Autor: PAULO VINÍCIUS GOMES DE OLIVEIRA Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientador: JOSÉ TIBÚRCIO MONTE NETO Introdução: o lactato é produto do metabolismo anaeróbico onde ocorre conversão de piruvato em lactato pela catalisação da enzima lactato desidrogenase e quando encontrado em altas concentrações séricas, torna-se um preditor de mortalidade e morbidade relacionado com disfunções múltiplas de órgãos. Atualmente, além dos sinais vitais, como a pressão arterial sistêmica, o débito urinário e a freqüência cardíaca, a dosagem do lactato sérico também está estabelecida como meta de reanimação.objetivos: calcular a média do lactato arterial colhido na primeira hora de internação (LACi) em Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) de pacientes que evoluíram ao óbito e estratificar a média nos 3 principais grupos de causas básicas de óbito. Métodos: estudo de coorte retrospectivo observacional realizado nos prontuários dos pacientes que evoluíram a óbito entre 01/05/09 e 28/07/09 nas UTIs de hospital privado terciário de Teresina/PI, num total de 28 leitos. Foram coletados dados demográficos, LACi, duração da internação na UTI e causa básica do óbito. Resultados: foram incluídos 34 pacientes, sendo 61,8% do sexo feminino, com média de idade de 67,5 ± 30,5 anos. A média de tempo até o óbito foi de 5,5 dias. O LACi entre todos os pacientes foi de 2,87mmol/L. Entre os pacientes cuja causa básica do óbito foi choque séptico (35,3%), o LACi foi de 2,10mmol/L. Naqueles cuja causa foi choque neurogênico secundário à acidente vascular cerebral hemorrágico (26,5%), o LACi foi de 2,24mmol/L. No choque cardiogênico secundário à miocardiopatia chagásica ou infarto agudo do miocárdio (14,7%), o LACi foi de 4,52mmol/L. Conclusão: o lactato arterial à admissão na UTI está consolidado como preditor de morbidade e mortalidade na evolução de pacientes com 16

17 sepse, trauma ou choque. O ponto de corte para determinar pior prognóstico varia entre 2,0mmol/L na sepse e 3,2mmol/L em pacientes cirúrgicos não-cardíacos de alto risco. As médias obtidas neste estudo estão de acordo com os valores de referência para hiperlactatemia na literatura médica. TCC 04 - CARACTERÍSTICAS DEMOGRÁFICAS E CLÍNICAS DA PANCREATITE AGUDA EM HOSPITAL PÚBLICO DE TERESINA-PI Autor: Fernando Silveira Marques Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientador: José Miguel Luz Parente INTRODUÇÃO: A pancreatite é uma doença que tem como substrato um processo inflamatório da glândula pancreática, decorrente da ação de enzimas inadequadamente ativadas, que se traduz por edema, hemorragia e até necrose pancreática e peripancreática acompanhado de repercussão sistêmica que vai da hipovolemia ao comprometimento de múltiplos órgãos e sistemas e, finalmente, ao óbito. OBJETIVO: Determinar as características demográficas e clínicas de um grupo de pacientes internados com pancreatite aguda atendidos no serviço de Clínica Médica da Universidade Federal do Piauí. PACIENTES E MÉTODOS: Foram avaliados todos os prontuários de pacientes que estiveram internados no Serviço de Clínica Médica da Universidade Federal do Piauí com diagnóstico de Pancreatite Aguda no período de fevereiro de 2008 a outubro de 2009 (n=25). Estes foram analisados quanto ao seu perfil demográfico e clínico, envolvendo as seguintes variáveis: sexo, idade, raça, local de residência, fatores etiológico, fatores de risco, gravidade, terapêutica utilizada, fatores prognósticos e desfecho clínico. RESULTADOS: Quanto ao gênero, 76% eram homens e 24% mulheres. A idade média foi de 41,2 anos, variando de 21 a 77 anos. A raça parda correspondeu a 56%, enquanto que a branca e a negra a 36% e 8% respectivamente. A respeito da origem 68%, provinham da zona urbana, ao passo que 32% da zona rural. Dentre as etiologias observadas, 44% foram de causa alcoólica, 32% biliar, 16% medicamentosa, 4% traumática e 4% idiopática. Em relação aos aspectos clínicos, a dor esteve presente em 100% dos pacientes, sendo a região epigástrica, o sítio mais prevalente, 44% dos casos. Náuseas e vômitos estiveram presentes em 80% da amostra. A história pessoal identificou fatores de risco para a doença em 80% dos casos. Entre os pacientes, 40% apresentaram febre, 52% taquicardia, 72% taquipnéia e 80% elevação pressórica nos dias observados. Segundo a Classificação de Atlanta, 68% dos casos apresentavam critérios de gravidade. Os exames mais solicitados durante o acompanhamento foram: hemograma, função renal, eletrólitos e amilase sérica. A radiologia convencional foi utilizada em 80 % dos casos, mostrando alterações em 90% dos casos. A ultrassonografia foi realizada em 100% dos pacientes estando normal em apenas um caso. A tomografia solicitada em 92% casos esteve alterada em 100% das vezes. A realimentação precoce só foi possível em 12% da amostra. Dos nossos pacientes, 24% fizeram uso de nutrição parenteral e 80% de alimentação nasoenteral. Todos os pacientes fizeram uso de antibioticoterapia, com uso médio de 27,8 dias, com destaque para o uso de quinolonas em 80% dos casos. Na casuística observada, 40% dos pacientes necessitaram de algum tipo de tratamento cirúrgico. A mortalidade global do estudo foi de 16%. A média de internação foi de 39,08 dias, com variação de 2 a 11 semanas. CONCLUSÃO: Os aspectos clínicos e demográficos observados nos pacientes estudados são semelhantes aos achados da literatura nacional e internacional destacase, porém, a importância do consumo de álcool etílico na amostra especialmente em homens; e também a proporção de casos em idade produtiva e economicamente ativa. O grande percentual de casos graves observados, provavelmente resultou em maior tempo 17

18 de internação, realimentação tardia, maior uso de antibióticos de largo espectro, aumento dos custos de internação e mortalidade. TCC 05 - MEDICINA ALTERNATIVA E COMPLEMENTAR NO LUPUS ERITEMATOSO SISTEMICO Autora: Thânia Teixeira Lima Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientadora: Maria do Socorro Teixeira Moreira Almeida INTRODUÇÃO: O lúpus eritematoso sistêmico (LES), doença inflamatória crônica multisistêmica de etiologia desconhecida e de natureza auto-imune, é caracterizada pela produção de diversos auto-anticorpos, envolvendo fatores genéticos, ambientais, hormonais e/ou emocionais. A evolução clínica caracteriza-se por períodos de exacerbações intercalados por períodos de remissões ou mesmo de inatividade. A terapêutica convencional é constituída por anti-inflamatórios não-hormonais, antimaláricos, corticosteróides e drogas citotóxicas. Por ser doença crônica e, muitas vezes imprevisível, o uso da terapia médica tradicional não consegue proporcionar o máximo benefício em muitos casos. Assim, o paciente lúpico pode recorrer à Medicina Alternativa e Complementar (MAC) em busca de ajuda para tratar a sua doença. No Brasil, algumas das práticas correspondentes às MACs seriam: fitoterapia, quiropraxia, homeopatia, acupuntura, dieta, oração, meditação, entre outras. Sabe-se que aproximadamente dois terços da população mundial utilizam algum método complementar ou alternativo no tratamento de doenças. Pelo fato de a maioria desses métodos não apresentarem comprovação científica, existe uma grande insegurança no meio médico sobre seu uso. OBJETIVO: Verificar a prevalência do uso de MACs entre pacientes com diagnóstico de LES internados no serviço de Clínica Médica do Hospital Getúlio Vargas (HGV). MATERIAIS E MÉTODOS: Foram realizadas entrevistas dirigidas a uma amostra de 33 pacientes sabidamente lúpicos admitidos no HGV, no período de maio à setembro de O questionário padrão utilizado na pesquisa continha as seguintes variáveis: identificação, história clínica da doença, tratamento em uso e já utilizado, e prática de medicina não convencional (época do início de MAC/ se o paciente informou a seu médico quanto a sua utilização). RESULTADOS: Dos entrevistados, 32 eram do sexo feminino (96,9%) e apenas 1 do sexo masculino (3,03%). A idade variou de 16 a 50 anos, predominando a faixa etária de anos (51,5%). A etnia prevalente foi a branca (42,4%), seguida da parda (36,36%) e da negra (21,2%), sendo os pacientes provenientes do Maranhão (45,45%), do Piauí 42,4%) e do Pará (12,12%). Em relação à escolaridade, a maioria tinha o ensino fundamental incompleto. A maioria era de religião católica, sendo a oração uma prática significativamente mencionada. Do total, 18,18% dos pacientes fazem uso de MAC, onde a fitoterapia (ervas) foi a modalidade mais referida (12,12%), seguida da homeopatia (6,06%). Os pacientes esperavam que as MACs funcionassem como tratamento adjuvante da doença e dos efeitos colaterais trazidos pela medicação convencional e não como curativas, e não declararam o uso aos seus médicos reumatologistas. CONCLUSÃO: Do total de pacientes estudados, 18,18% fazem uso de MAC. CONSIDERAÇÕES FINAIS: O uso da medicina não-convencional é um fenômeno universal, de elevada prevalência em países desenvolvidos. Seus usuários a utilizam mais de forma a complementar o tratamento ortodoxo do que para substituílo. Ressalta-se a importância da formação dos profissionais de saúde quanto ao uso de MACs e a escassez de informações existentes sobre esta temática no Brasil. TCC 06 - PREVALÊNCIA DE SÍNDROME METABÓLICA EM PACIENTES PORTADORES DE LÚPUS ERITEMATOSO SISTÊMICO ACOMPANHADOS NO SERVIÇO DE CLÍNICA MÉDICA DO HOSPITAL GETÚLIO VARGAS 18

19 Autora: Joanna Cecília Silva Ribeiro Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientadora: Maria do Socorro Teixeira Moreira Almeida INTRODUÇÃO: A Síndrome Metabólica (SM) é definida como um conjunto de fatores de risco cardiovascular, caracterizada por obesidade central, intolerância à glicose, hipertensão e dislipidemia com importância do ponto de vista epidemiológico, sendo responsável pelo aumento da mortalidade geral e cardiovascular. Quando comparados à população geral, os pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) apresentam maior número de fatores de risco clássicos para doença arterial coronariana (DAC) com menores níveis de colesterol HDL e maiores da fração LDL e triglicerídeos. Esses pacientes exibem também, com maior freqüência, diabetes mellitus (DM) e hipertensão arterial sistêmica (HAS). Alguns estudos mostram ainda uma associação entre LES e aterosclerose precoce, embora o exato mecanismo desse processo não esteja elucidado. Pesquisas recentes sugerem que o estado inflamatório crônico, presente em doenças auto-imunes como o LES, tenha efeito sobre o endotélio vascular, o que pode promover a aceleração do processo aterosclerótico. Logo, quando pareados para gênero e idade com indivíduos da população geral, os portadores de LES apresentam elevada prevalência de SM e também maior mortalidade, sendo que a DAC representa a maior causa de morte desses pacientes. OBJETIVO: Determinar a prevalência da Síndrome Metabólica nos pacientes portadores de LES acompanhados no Serviço de Clínica Médica/ Reumatologia do HGV. PACIENTES E MÉTODOS: Foram avaliados 36 prontuários de pacientes com diagnóstico prévio de LES internados no período de maio a setembro de Aplicou-se um questionário padronizado que abordava aspectos sócio-demográficos, antropométricos e clínico-laboratoriais. Para a classificação de SM, foi utilizada a definição adotada pela I Diretriz Brasileira de Síndrome Metabólica, a qual se fundamenta na definição do National Cholesterol Education Program- Adult Treatment Panel III (NCEP-ATP III). RESULTADOS: Foram analisados 36 pacientes. A idade variou de 16 a 39 anos. Desses pacientes, 97,22% eram do sexo feminino e apenas 2,77% do sexo masculino. Os critérios para o diagnóstico de SM foram preenchidos por 33,33% dos pacientes da amostra. Os fatores de risco cardiovascular mais prevalentes entre os pacientes foram dislipidemia e hipertensão. CONCLUSÃO: O presente estudo verificou alta prevalência de SM (33,33%) nesta população. Mostrou também que na amostra estudada os principais fatores de risco cardiovascular foram hipertensão e dislipidemia. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Os achados encontrados têm implicância prática, pois mostram a importância que os fatores de risco cardiovascular têm nesses pacientes bem como estimula maior atenção sobre as medidas preventivas a serem instituídas e justifica um controle mais agressivo desses fatores de risco. TCC 07 - PSICOSE SECUNDÁRIA A CONDIÇÕES CLÍNICAS E FARMACOLÓGICAS: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Autor: Krieger Rhelyni de Sousa Olinda Instituição: Hospital Areolino de Abreu - UFPI Orientador: Alexandre Castelo Branco Vaz Parente Introdução: A relação entre transtornos psicóticos e condições médicas gerais traz implicações diagnósticas e terapêuticas importantes. Objetivo: Estudar e analisar, mediante uma revisão sistemática da literatura científica, a relação entre psicose aguda e condições clínica e/ou farmacológicas. Método: Realizou-se uma busca eletrônica através das bases de dados Pubmed, Lilacs, Scielo e Cochrane, nos últimos 5 anos, considerando artigos de língua inglesa e portuguesa. Resultados: Dentre os artigos encontrados que reforçam a relação entre psicose e causas orgânicas e/farmacológicas 19

20 foi possível estabelecer as principais condições envolvidas nessa gênese. São elas: epilepsia, lúpus eritematoso sistêmico, síndrome da imunodeficiência adquirida, neoplasias, doença cerebrovascular ou trauma, porfiria intermitente aguda, doença de Wilson, neurossífilis, hidrocefalia de pressão normal, deficiência de 12 e uso de substâncias psicoativas, sobretudo anfetaminas, cocaína, álcool, alucinógenos e fenciclidina (PCP). Conclusões: Há uma relação clara entres psicose e condições clínicas e farmacológicas, o que trona relevante o diagnóstico diferencial na abordagem de um paciente com quadros psicóticos agudos visando enfoque terapêutico adequado e melhora no prognóstico. Reforça, ainda, a necessidade do papel da interconsulta psiquiatria nos programas de formação dos profissionais médicos de saúde mental, como forma de ampliar e aprimorar o conhecimento técnico e o manejo dos pacientes TCC 08 - MANIA SECUNDÁRIA A SUBSTÂNCIAS OU CONDIÇÕES MÉDICAS GERAIS: UMA REVISÃO DA LITERATURA Autor: Daniela Maria Mourão de Carvalho Castelo Branco Instituição: Hospital Areolino de Abreu - UFPI Orientador: Adriano Carvalho Tupinambá Rodrigues Introdução: O adequado diagnóstico dos transtornos psiquiátricos exige atenção a condições médicas gerais e substâncias possivelmente relacionadas à produção dos quadros observados. Além de uma anamnese e exame físico cuidadosos, conhecer estes potenciais promotores de manifestações psiquiátricas é de suma importância. Objetivo: O presente trabalho se propõe a revisar as evidências existentes sobre condições médicas gerais e substâncias promovendo ou deflagrando quadros maníacos e e hipomaníacos. Método: O levantamento bibliográfico foi realizado através das bases de dados Pubmed e Scielo, utilizando as seguintes palavras-chaves (e seus entrecruzamentos): transtorno bipolar; mania; mania secundária; condições médicas gerais; substâncias. Não foi imposto limite à antiguidade aos artigos buscados e revisados. O julgamento sobre as evidências de associação entre as variáveis consideradas levou em consideração a natureza dos trabalhos revisados (se relatos, séries de coorte, controlados, randomizados, etc.) Resultados e conclusões: Dentre as causas clínicas em geral, as associações mais prevalentes são aquelas relacionadas a traumas cerebrais e a doenças endocrinológicas, enquanto nas relacionadas aos medicamentos sobressaíram-se o uso de Antidepressivos e Sibutramina. O estudo permite concluir que condições médicas gerais e substâncias podem estar na origem de vários sintomas de humor, conhecimento relevante para prática clínica do psiquiatra e do clínico. TCC 10 - REPRODUTIBILIDADE DA CLASSIFICAÇÃO DE NEER PARA FRATURAS DO ÚMERO PROXIMAL Autor: Paulo Henrique Lopes Pessoa Filho Instituição: Hospital Getúlio Vargas - UFPI Orientador: Marcelo Barbosa Ribeiro Objetivo: Avaliar a reprodutibilidade interobservador da classificação de Neer para fraturas de úmero proximal. Metodos: Foi realizado um estudo prospectivo no período de julho e agosto de 2009 no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Getúlio Vargas em Teresina PI. Utilizou-se um formulário com radiografias impressas na série trauma (ântero-posterior corrigido, perfil da escápula e axilar) de três casos clínicos numerados como caso 1, caso 2 e caso 3. A seguir foram encaminhados para 25 ortopedistas e 25 alunos do quarto ano do curso de Medicina de UFPI sendo que esses últimos tiveram aula sobre fraturas do úmero proximal na mesma semana. Na avaliação estatística dos resultados, foi utilizado o índice de concordância Kappa e a proporção simples de acertos 20

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA

ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA ASSISTÊNCIA EM MASTOLOGIA I - Ações da Unidade Básica: 1) Estímulo ao auto-exame de mamas 2) Exame clínico das mamas como parte integrante e obrigatória das consultas ginecológicas e de pré natal 3) Solicitação

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA

CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA CENTRO UNIVERSITARIO SERRA DOS ÓRGÃOS UNIFESO CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CCS CURSO DE MEDICINA PROGRAMA DE INTERNATO EM GINECOLOGIA/OBSTETRÍCIA - 10º Período Corpo docente: Coordenação Obstetrícia: Glaucio

Leia mais

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014

10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Projetos de pesquisa no Saúde Instituto de Ciências da 10 projetos de pesquisa aprovados no edital BICT/FUNCAP 12/2014 Título: Avaliação da autoeficácia materna para prevenir diarreia infantil em Redenção-CE

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Manuseio da Meningite Bacteriana Aguda Introdução A meningite bacteriana aguda é um processo

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR

COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR COMPLICAÇÕES APRESENTADAS NOS PACIENTES IDOSOS ACOMETIDOS POR FRATURA DE FEMUR Maria de Fátima Leandro Marques¹; Suely Aragão Azevêdo Viana² ¹ Bióloga do Centro de Assistência Toxicológico do Hospital

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 01- CLÍNICA MÉDICA Insuficiência

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO)

PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) DADOS DO PACIENTE PROTOCOLO GERENCIADO DE SEPSE PACIENTE COM CONDUTA PARA SEPSE (OPÇÃO 2 E 3 - COLETA DE EXAMES/ANTIBIÓTICO) Iniciais: Registro: Sexo: ( ) Feminino ( ) Masculino Data de nascimento: / /

Leia mais

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER 1. Riscos e causas de contaminação na Central de Material de Juliana Santos Andrade Esterilização: uma análise teórico-reflexiva 2. Biossegurança e Higienização das mãos:

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

OBSTETRÍCIA. Questão 1

OBSTETRÍCIA. Questão 1 OBSTETRÍCIA Questão 1 Paciente com 22 semanas de gestação é atendida com diagnóstico de carcinoma ductal infiltrante de mama. Ao exame físico apresenta nódulo irregular, pétreo, com 2cm localizado no quadrante

Leia mais

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004.

Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Artigo comentado por: Dr. Carlos Alberto Machado Prevalência, Conhecimento, Tratamento e Controle da Hipertensão em Adultos dos Estados Unidos, 1999 a 2004. Kwok Leung Ong, Bernard M. Y. Cheung, Yu Bun

Leia mais

LEVANTAMENTO DE FATORES DE RISCO E PREMATURIDADE: ESTUDO COMPARATIVO

LEVANTAMENTO DE FATORES DE RISCO E PREMATURIDADE: ESTUDO COMPARATIVO LEVANTAMENTO DE FATORES DE RISCO E PREMATURIDADE: ESTUDO COMPARATIVO Joelma Cardoso (ICV/UNICENTRO), Ana Greici Schönhalz (ICV/UNICENTRO), Aline Poliana Schmatz (BIC/UNICENTRO), Cristina Ide Fujinaga (Orientadora),

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA Código: ENFAEN2 Disciplina: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM II (Enfermagem ao adulto e ao idoso em doenças tropicais) E ENFAENF (Administração em enfermagem I) Teoria: 60h Prática: 60h Teoria: 3 Prática: 3

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA

A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA A MULHER E A ATIVIDADE FÍSICA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA DEFICIENTE DIFICULDADES METODOLÓGICAS SEXO FRÁGIL (????) PARTICIPAÇÃO REDUZIDA EQUIPARAÇÃO DE RENDIMENTO CARACTERÍSTICAS GERAIS DO SEXO FEMININO

Leia mais

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama

EPIDEMIOLÓGICO BOLETIM ELETRÔNICO. Câncer de Mama BOLETIM ELETRÔNICO EPIDEMIOLÓGICO G E R E N C I A E X E C U T I V A D E V I G I L Â N C I A E M S A Ú D E ANO 1, Nº 1 EXPEDIENTE: Novembro de 27 GOVERNADOR DO ESTADO Cássio Cunha Lima SECRETÁRIO DE ESTADO

Leia mais

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes.

Pâncreas. Pancreatite aguda. Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pâncreas Escolha uma das opções abaixo para ler mais detalhes. Pancreatite aguda Pancreatite crônica Cistos pancreáticos Câncer de Pancrêas Pancreatite aguda O pâncreas é um órgão com duas funções básicas:

Leia mais

TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ENFERMAGEM 1ª TURMA - 2005/2009 DIURNO

TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ENFERMAGEM 1ª TURMA - 2005/2009 DIURNO TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DE ENFERMAGEM 1ª TURMA - 2005/2009 DIURNO CASSIO CRISTIANNO PEREIRA LIMA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM A PACIENTES IDOSOS COM ENFISEMA PULMONAR DEBORA GUIMARÃES SILVA O DESAFIO

Leia mais

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999.

Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Frequência de internação nos hospitais do SUS-BH, por causa básica, em menores de 1 ano, residentes em Belo Horizonte, 1996-1999. Broncopneumonia não especificada 3388 2564 1637 1734 Diarréia e gastroenterite

Leia mais

ORIENTADOR(A): ANTÔNIO AUGUSTO MOURA DA SILVA BOLSISTA: POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSÊCA

ORIENTADOR(A): ANTÔNIO AUGUSTO MOURA DA SILVA BOLSISTA: POLIANA CRISTINA DE ALMEIDA FONSÊCA LOCAL: HALL PAULO FREIRE ÁREA: MEDICINA SESSÃO DE PÔSTER Dia 06/11/2012 Tarde Horário 14:30 às 18:00 M01 - DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DOS CASOS NOVOS DE TUBERCULOSE PULMONAR NO ESTADO DO MARANHÃO ENTRE 2001

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA

COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA COMÉRCIO INTERNACIONAL CURSO DE ECONOMIA CLASSIFICAÇÕES DO SEGUNDO TESTE E DA AVALIAÇÃO CONTINUA Classificações Classificação Final Alex Santos Teixeira 13 13 Alexandre Prata da Cruz 10 11 Aleydita Barreto

Leia mais

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015

Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 Edital Para Ingresso nos Programas de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas - 2015 A COREME- Comissão de Residência Médica da Santa Casa de Misericórdia de Pelotas comunica que estarão

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA

INSTITUTO DE PERINATOLOGIA DA BAHIA - IPERBA PROTOCOLO - OBS 032 DATA: 24/09/2005 PÁG: 1 / 5 1. CONCEITOS - Infecção do trato urinário inferior: colonização bacteriana na bexiga e/ou uretra acompanhada de resposta inflamatória CISTITES, URETRITES.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais

V CONGRESSO CIENTÍFICO E ÉTICO DO CREMEC SECCIONAL DO CARIRI 12, 13 e 14 de agosto de 2010 JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ

V CONGRESSO CIENTÍFICO E ÉTICO DO CREMEC SECCIONAL DO CARIRI 12, 13 e 14 de agosto de 2010 JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ V CONGRESSO CIENTÍFICO E ÉTICO DO CREMEC SECCIONAL DO CARIRI 12, 13 e 14 de agosto de 2010 JUAZEIRO DO NORTE/CEARÁ 12 DE AGOSTO DE 2010- QUINTA FEIRA 10h 12h - Mesa-Redonda: CICLO DE VIDA SAÚDE DO IDOSO

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES TRATADOS NA CLÍNICA ESCOLA DE FISIOTERAPIA DA UEG Anais do IX Seminário de Iniciação Científica, VI Jornada de Pesquisa e Pós-Graduação e Semana Nacional de Ciência e Tecnologia UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS 19 a 21 de outubro de 2011 PERFIL EPIDEMIOLÓGICO

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

lii CONGRESSO ÉTICO E CIENTÍFICO DA SECCIONAL DA ZONA NORTE DO CREMEC

lii CONGRESSO ÉTICO E CIENTÍFICO DA SECCIONAL DA ZONA NORTE DO CREMEC lii CONGRESSO ÉTICO E CIENTÍFICO DA SECCIONAL DA ZONA NORTE DO CREMEC SOBRAL/CEARÁ MÓDULO DE GINECOLOGIA /OBSTETRÍCIA E PEDIATRIA 14 DE AGOSTO DE 2008 08h30 às 10h30 Mesa-Redonda: Como me Conduzir I Presidente:

Leia mais

Elevação dos custos do setor saúde

Elevação dos custos do setor saúde Elevação dos custos do setor saúde Envelhecimento da população: Diminuição da taxa de fecundidade Aumento da expectativa de vida Aumento da demanda por serviços de saúde. Transição epidemiológica: Aumento

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac

DENGUE. Médico. Treinamento Rápido em Serviços de Saúde. Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac DENGUE Treinamento Rápido em Serviços de Saúde Médico 2015 Centro de Vigilância Epidemiológica Prof. Alexandre Vranjac O Brasil e o estado de São Paulo têm registrado grandes epidemias de dengue nos últimos

Leia mais

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas

Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Declaração da OMS sobre Taxas de Cesáreas Os esforços devem se concentrar em garantir que cesáreas sejam feitas nos casos em que são necessárias, em vez de buscar atingir uma taxa específica de cesáreas.

Leia mais

Assistência ao parto

Assistência ao parto Assistência ao parto FATORES DE RISCO NA GESTAÇÃO Características individuais e condições sociodemográficas desfavoráveis: Idade menor que 15 e maior que 35 anos; Ocupação: esforço físico excessivo, carga

Leia mais

03- GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

03- GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA 01- CLÍNICA MÉDICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ONOFRE LOPES COMISSÃO DE RESIDÊNCIA MÉDICA PROGRAMA DA PROVA GERAL DO CONCURSO DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2010 - Edema Agudo

Leia mais

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM

PRURIDO VULVAR DIFÍCIL ABORDAGEM PRURIDO VULVAR DE DE DIFÍCIL DIFÍCIL ABORDAGEM ABORDAGEM Diretora Administrativa da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (FEBRASGO) Conselheira do Conselho Regional de Medicina

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010

UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 UNILUS CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA PLANO ANUAL DE ENSINO ANO 2010 CURSO: Fisioterapia DEPARTAMENTO: Fisioterapia DISCIPLINA: Uroginecologia e Obstetrícia SÉRIE: 3º. Ano PROFESSOR RESPONSÁVEL: Prof. Esp.

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO RESIDÊNCIA MÉDICA EM OBSTETRÍCIA E GINECOLOGIA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. OBJETIVOS Geral Capacitar o médico residente em Obstetrícia e Ginecologia a promover a saúde e prevenir, diagnosticar e tratar as

Leia mais

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007.

ALTERAÇÕES RENAIS. Texto extraído do Editorial do Endocrinologia&Diabetes clínica e experimental vol. 7 número 3, julho/2007. ALTERAÇÕES RENAIS E.D. teve seu diabetes diagnosticado em 1985, nessa época tinha 45 anos e não deu muita importância para os cuidados que seu médico lhe havia recomendado, sua pressão nesta época era

Leia mais

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE PORTO VELHO Requisitos: Graduação em Medicina e Registro no Conselho de Classe. Grupo da Saúde 1. Realizar diagnósticos, estudos, pesquisas e levantamentos que forneçam subsídios a formulação de políticas, diretrizes

Leia mais

Indicadores hospitalares

Indicadores hospitalares Indicadores hospitalares Núcleo de Informação em Saúde de- NIS Hospital das Clínicas - FMUSP Departamento de Medicina Preventiva Faculdade de Medicina USP Hospital das Clinicas - FMUSP Complexo hospitalar

Leia mais

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES.

8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:30 8:45 INTERVALO VISITA AOS EXPOSITORES E PATROCINADORES. MAPA AUDITÓRIO ÓPERA DE ARAME (200 LUGARES) DOMINGO 02 DE AGOSTO DE 2015. 8:00 Horas Sessão de Temas Livres concorrendo a Premiação. 8:00 8:15 TEMA LIVRE SELECIONADO. 8:15 8:30 TEMA LIVRE SELECIONADO.

Leia mais

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS

DOENÇAS DA PRÓSTATA. Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS DOENÇAS DA PRÓSTATA Prof. João Batista de Cerqueira Adjunto DSAU - UEFS O QUE É A PRÓSTATA? A próstata é uma glândula que tem o tamanho de uma noz, e se localiza abaixo da bexiga, envolvendo a uretra masculina.

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Osteomielite. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Osteomielite Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 15/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização: 1.

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Pesquisa Nacional de Saúde

Pesquisa Nacional de Saúde Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Nacional de Saúde 21/08/15 Histórico INVESTIGAÇÃO DO TEMA SAÚDE... 1998 2003 2008 2013 PNAD Características da PNS Pesquisa Domiciliar

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15. CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável

PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15. CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável PROJETOS APROVADOS PELO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA (CEP-IMIP) EM REUNIÃO ORDINÁRIA DE 28.01.15 CAAE Título do Projeto Pesquisador Responsável 38889314.1.0000.5201 Estudo comparativo das representações

Leia mais

EXCLUSIVO ACUPUNTURA. AMANDA DAMASCENO SOARES Rua Barão de Maceió, 313 Centro Maceió 9988-6554 / 8854-1675

EXCLUSIVO ACUPUNTURA. AMANDA DAMASCENO SOARES Rua Barão de Maceió, 313 Centro Maceió 9988-6554 / 8854-1675 EXCLUSIVO ACUPUNTURA AMANDA DAMASCENO SOARES Rua Barão de Maceió, 313 9988-6554 / 8854-1675 FISIOTERAVIDA CLINICA DE FISIOTERAPIA LTDA EPP Rua Antonio Procópio, 330 3338-4585 Farol Maceió ALERGOLOGIA JOSE

Leia mais

SIP Sistema de Informação de Produtos Histórico de Versões

SIP Sistema de Informação de Produtos Histórico de Versões SIP Sistema de Informação de Produtos Histórico de Versões Versão 3.2.3 de 02/03/2009 Versão 3.2.2 de 04/07/2008 Versão 3.2.1 de 14/09/2007 Versão 3.2.0 de 06/08/2007 Versão 3.1.1 de 24/01/2007 Versão

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Fisioterapia 2010-1 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Fisioterapia 2010-1 O USO DA OXIGENIOTERAPIA DOMICILIAR NO PACIENTE DPOC Autora: ROSA, Ana Carolina

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

CAMPUS: MINISTRO PETRONIO PORTELLA - TERESINA HOMOLOGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES

CAMPUS: MINISTRO PETRONIO PORTELLA - TERESINA HOMOLOGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES EDITAL 02/2014/PIBID-UFPI, de 14 de fevereiro de 2014. SELEÇÃO DE SUPERVISORES PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO CAMPUS: MINISTRO PETRONIO PORTELLA - TERESINA HOMOLOGAÇÃO DAS INSCRIÇÕES

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51

Agrupamento de Escolas Professor Agostinho da Silva Nº Escola: 171888 Nº Horário: 51 Nº Horário: 51 4625160693 Sofia Margarida Santos Ferreira Admitido 7197226139 Mónica Sofia Jesus Mateus Admitido 6392341730 Gonçalo Jorge Fernandes Rodrigues Fiúza Admitido 7816555741 Dora Maria Gonçalves

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB

RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB RASTREAMENTO DO CÂNCER DE COLO UTERINO EM MULHERES IDOSAS NO MUNICÍPIO DE LAGOA SECA/PB Fernanda Laísy Pereira de Sousa Graduanda do curso de Enfermagem; Bolsista do Programa de Educação pelo Trabalho

Leia mais

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica

Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica Temas para o Concurso de Residência Médica do Hospital Regional de Presidente Prudente I - Clínica Médica 01 Demências; 02 Depressão; 03 Hipertensão Arterial Sistêmica Primária e Secundária; 04 Infecções

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

CURSO: 42 - TERESINA - GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

CURSO: 42 - TERESINA - GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CURSO: 42 - TERESINA - GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS INSC NOME DOC. IDENT. NASCIMENTO MAT HIS L. POR L. EST REDA ESCORE COLOC SITUAÇÃO 71769 ILMARA CECILIA PINHEIRO DA SILVA MORAIS 50318624 27/08/1990 9 22

Leia mais

I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA

I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA I JORNADA DE FISIOTERAPIA HGWA 1. OBJETIVO Fomentar o conhecimento científico e investir no crescimento técnico científico da Fisioterapia sob o tema Segurança e Qualidade na Assistência Fisioterapêutica.

Leia mais

SERVIDORES DO CCA. Alberto Luis da Silva Pinto Cargo: Assistente em Administração e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa

SERVIDORES DO CCA. Alberto Luis da Silva Pinto Cargo: Assistente em Administração e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa SERVIDORES DO CCA Alberto Luis da Silva Pinto e-mail: alspinto@ufpi.edu.br Setor: Secretaria Administrativa Amilton Gonçalves da Silva Cargo: Auxiliar Operacional Aminthas Floriano Filho Cargo: Técnico

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas

Modelo de Atenção às Condições Crônicas. Seminário II. Laboratório de Atenção às Condições Crônicas Modelo de Atenção às Condições Crônicas Seminário II Laboratório de Atenção às Condições Crônicas A Estratificação de Risco na SMS de Curitiba HAS Diabete melito + Laboratório de Inovações na Atenção às

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA.

A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. A IMPORTÂNCIA DA ESCOLHA DO PRÉ-NATAL E DO PRÉ- NATALISTA. Um atendimento pré-natal de qualidade é fundamental para a saúde da gestante e de seu bebê. Logo que você constatar que está grávida, deve procurar

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO

ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO Universidade Federal do Maranhão - UFMA Hospital Universitário Presidente Dutra - HUPD Liga Acadêmica de Hipertensão Arterial Sistêmica - LAHAS ATENDIMENTO AMBULATORIAL AO PACIENTE HIPERTENSO São Luís

Leia mais

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF

PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 R1, R2, R3 HSF PROGRAMAÇÃO RESIDÊNCIA MEDICINA INTENSIVA 2016 (CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA) R1, R2, R3 HSF Residência em Medicina Intensiva Introdução: A Residência em Medicina Intensiva foi criada nesta instituição

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal

PESQUISA NASCER NO BRASIL Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento. Coordenação Maria do Carmo Leal Inquérito Nacional sobre Parto e Nascimento Coordenação Maria do Carmo Leal Financiamento: CNPq -Chamada/Edital MCT/CNPq/CT-Saúde/MS/SCTIE/DECIT nº 57/2009 -Parto Cesáreo Processo: 557366/2009-7 MS-SCTIES

Leia mais

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora

CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora CRS Leste/ST Guaianases UBS Jd. Aurora Estudo do Controle da HA Hipertensão Arterial e Perfil Farmacológico pacientes cadastrados no PRC Programa Remédio em Casa UBS Jd. Aurora Subprefeitura de Guaianases

Leia mais

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer

NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS. Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer NOTA TÉCNICA 40 2013 REDE DE ATENÇÃO À SAÙDE DAS PESSOAS COM DOENÇAS CRONICAS Política Nacional para a Prevenção e Controle do Câncer Cria o Serviço de Referência para Diagnostico e Tratamento de Lesões

Leia mais

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO

TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO TERMO DE ESCLARECIMENTO E CONSENTIMENTO LIVRE E INFORMADO PARA PARTO O objetivo deste Termo de Esclarecimento e Consentimento Informado, utilizado pelo HOSPITAL E MATERNIDADE SANTA JOANA, é esclarecer

Leia mais

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL

NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 NEOPLASIA DE CÓLON: UMA ANÁLISE DA PREVALÊNCIA E TAXA DE MORTALIDADE NO PERÍODO DE 1998 A 2010 NO BRASIL Camila Forestiero 1 ;Jaqueline Tanaka 2 ; Ivan

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus

PALAVRAS-CHAVE Hiperdia. PET-SAÚDE. Hipertensão arterial. Diabetes mellitus 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro

Saúde Brasil 2007. Uma Análise da Situação de Saúde. Perfil de Mortalidade do Brasileiro Saúde Brasil 2007 Uma Análise da Situação de Saúde Perfil de Mortalidade do Brasileiro Brasília, 6 de novembro de 2008 Editor-Geral Gerson Oliveira Penna Secretário de Vigilância em Saúde/MS Editor-Executivo

Leia mais

-Avaliação/Apresentação dos painéis será no dia 25/08/2015 de 20h ás 21h20min. É obrigatória a presença do aluno apresentador para a avaliação.

-Avaliação/Apresentação dos painéis será no dia 25/08/2015 de 20h ás 21h20min. É obrigatória a presença do aluno apresentador para a avaliação. Prezado aluno, Atenção aos horários!!! -Exposição dos painéis nos suportes, de acordo com a numeração do seu trabalho, será dia 25/08/2015 de17h ás 18h no hall do auditório do 2º andar. -Avaliação/Apresentação

Leia mais

Resoluções, conquistas e desafios

Resoluções, conquistas e desafios Eventos pré-congresso Cuidados Paliativos Conselhos e Associações de Classe Demências - diagnóstico diferencial TNT Geriatria - Abbott GeriatRio2013 - Programação Preliminar Como responder às demandas

Leia mais

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO PLANO DE CURSO 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Curso: Bacharelado em Enfermagem Disciplina: Assistência de Enfermagem à Saúde da Mulher Professor: Renata Fernandes do Nascimento Pré-requisito(s): ------ Carga

Leia mais

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO

CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Programa de Educação Tutorial PET Medicina CONDUTAS: EDEMA AGUDO DE PULMÃO Paulo Marcelo Pontes Gomes de Matos OBJETIVOS Conhecer o que é Edema Agudo

Leia mais

Estudos de Coorte: Definição

Estudos de Coorte: Definição Estudos de Coorte: Definição São estudos observacionais onde os indivíduos são classificados (ou selecionados) segundo o status de exposição, sendo seguidos para avaliar a incidência de doença. São conduzidos

Leia mais

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral

Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Complicações Metabólicas da Terapia Anti-retroviral Dra. Daisy Maria Machado Universidade Federal de São Paulo Centro de Referência e Treinamento em DST-AIDS 2004 Terapia Anti-retroviral HAART: Redução

Leia mais

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater

Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014. Fabio Kater Atualização do Congresso Americano de Oncologia 2014 Fabio Kater Multivitaminas na prevenção do câncer de mama, próstata e pulmão: caso fechado! Revisão da literatura para tipos específicos de câncer

Leia mais