UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA FACULDADE DE VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS TATYANE BANDEIRA BARROS QUALIDADE ESPERMÁTICA DO SÊMEN SUÍNO CONSERVADO A BAIXAS TEMPERATURAS EM DILUENTES ALTERNATIVOS FORTALEZA CE 2010

2 TATYANE BANDEIRA BARROS QUALIDADE ESPERMÁTICA DO SÊMEN SUÍNO CONSERVADO A BAIXAS TEMPERATURAS EM DILUENTES ALTERNATIVOS Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Ciências Veterinárias. Área de Concentração: Reprodução e Sanidade Animal. Linha de Pesquisa: Reprodução e sanidade de carnívoros, onívoros, herbívoros e aves. Orientador: Prof. Dr. Ricardo Toniolli FORTALEZA 2010

3 B277q Barros, Tatyane Bandeira Qualidade espermática do sêmen suíno conservado a baixas temperaturas em diluentes alternativos / Tatyane Bandeira Barros. Fortaleza, p. Orientador: Profº. Drº. Ricardo Toniolli. Dissertação (Mestrado em Ciências Veterinárias) Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Veterinária. 1. Conservação espermática. 2. Água de coco em pó. 3. Gema de ovo. I. Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Veterinária. CDD:

4 TAYANE BANDEIRA BARROS QUALIDADE ESPERMÁTICA DO SÊMEN SUÍNO CONSERVADO A BAIXAS TEMPERATURAS EM DILUIDORES ALTERNATIVOS Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias da Faculdade de Veterinária da Universidade Estadual do Ceará, como requisito parcial para a obtenção do grau de Mestre em Ciências Veterinárias. Aprovada em: / / BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Ricardo Toniolli FAVET / Universidade Estadual do Ceará Orientador Prof. Dr. Airton Alencar de Araújo Universidade Estadual do Ceará Co-Orientador Dra. Maria Gorete Flores Salles Lar Antônio de Pádua Examinadora Profa. Dra. Lúcia Daniel Machado da Silva Universidade Estadual do Ceará Examinadora

5 À minha mãe por me permitir sonhar.

6 AGRADECIMENTOS À Deus, por me permitir realizar mais um sonho e não me deixar desistir dele. ÀUniversidade Estadual do Ceará pelo conteúdo técnico-científico adquirido ao longo do curso de pós graduação em Ciências Veterinárias. Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) pelo apoio financeiro. À minha família, por todo apoio, força e dedicação. Ao professor Dr. Ricardo Toniolli, pela orientação no mestrado, por todas as conversas e lições de vida, e principalmente pela confiança depositada em mim e na minha forma de trabalhar desde o início, obrigada! Ao sr. Carlos Braga, pela gentileza de abrir as portas da Granja Regina sempre com um café da manhã e me permitir realizar meu trabalho lá. À Elizete e Nonato pela ajuda e paciência nos dias de coleta. Ao sr. Tabosa, por facilitar minhas e por me atender sempre com um sorriso no rosto. À técnica Rocilda pelo auxílio no projeto. Ao Núcleo Integrado de Biotecnologia, dirigido pelo professor José Ferreira Nunes da UECE, por me permitir utilizar o Sistema de Análise Computadorizado e a Dr a Cristiane Clemente de Mello Salgueiro da ACP Biotecnologia pelo fornecimento da ACP-103. Ao grupo maravilhoso formado no laboratório. Luciana Toniolli, Daianny Barbosa, Thalles Gotardo, Eduardo Nunes, e os recém chegados Inti Salles, vocês são pessoas maravilhosas e com muita competência, só me tiraram um pouco a paciência, mas vocês tornaram tudo mais divertido. À minha turma de mestrado por todos os momentos de alegria compartilhados. Aos pra sempre amigos Lívia Mendes, Leonardo Peres e Darlete Matos, por todos os momentos mágicos que vivemos, por todas as conversas que tivemos e me fizeram uma pessoa melhor, pelos projetos realizados juntos, sonhos e angústias divididos. Vocês são meu apoio! À todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente para a realização deste trabalho. A todos vocês o meu muito obrigada! 1

7 RESUMO A estocagem de sêmen por um longo período permitindo o seu posterior uso representa uma importante ferramenta para criadores que desejam resguardar o potencial genético de seus reprodutores. Com o intuito de melhorar a conservação do sêmen do varrão durante o resfriamento, diversos componentes de meios diluidores têm sido testados, incluindo a gema de ovo, sendo a sua maior função a minimização de danos à célula espermática durante processos de resfriamento Assim esse trabalho objetivou testar diferentes concentrações de gema de ovo adicionada ao diluente água de coco em pó (ACP-103 ) na mantido em três diferentes temperaturas (17, 10 e 5 C) na conservação do sêmen suíno e verificar qual concentração e temperatura mantém a viabilidade espermática por um maior período de tempo. Para tanto, 36 ejaculados foram obtidos a partir da técnica da mão enluvada, levados ao laboratório, onde foram analisados quanto as características de vigor, motilidade total e morfologia. Após as análises foi realizada a diluição do sêmen à 30 C, com a formação dos seguintes tratamentos: T0 (ACP + 0% de gema de ovo), T1 (ACP + 1% de gema de ovo), T2 (ACP + 3% de gema de ovo), T3 (ACP + 5% de gema de ovo) e T4 (ACP + 7% de gema de ovo). Cada tratamento foi mantido nas três temperaturas e analisado quanto às características de vigor, motilidade total, morfologia e integridade de membrana, por até cinco dias (D0, D1, D2, D3 e D4). Quando comparado os resultados de vigor e motilidade do sêmen diluído para cada temperatura, pode-se verificar que os tratamentos T2, T3 e T4 foram os que apresentaram melhores resultados, não diferindo estatisticamente entre si. As análises de vitalidade, morfologia e hiposmótico não apresentaram diferença significativa. Já quando o diluente ACP-103 acrescido de 7% de gema de ovo foi testado nas três temperaturas (17, 10 e 5 C), a melhor curva de temperatura foi a de 10 C com sêmen diluído, previamente mantido a 17 C, por manter por um período maior a viabilidade da célula espermática em suínos. Assim pode-se concluir que o diluente ACP- 103 acrescido de 7% de gema de ovo pode ser utilizado para a conservação do sêmen suíno, sendo uma alternativa de baixo custo e por principalmente poder ser utilizado em temperatura inferior a de conservação já padronizada para esta espécie. 2

8 ABSTRACT The storage of semen for a longer period allowing for its subsequent use is an important tool for breeders who wish to preserve the genetic potential of its breedrs. Aiming to improve the conservation of boar semen during cooling, several components of extenders have been tested, including egg yolk, and its main role is to minimize the damage to sperm cells during cooling processes. So this work aimed testing different concentrations of egg yolk added to the coconut milk powder extender (ACP-103 ) at three different temperatures (17, 10 and 5 C) in the conservation of boar semen and to verify what concentration and temperature maintains the viability sperm for a longer period of time. For this purpose, 36 ejaculates were obtained from the gloved hand technique, brought to the laboratory where they were analyzed for the characteristics of vigor, total motility and morphology. The analysis was performed by diluting semen to 30 C, with the formation of the following treatments: T0 (ACP + 0% egg yolk), T1 (ACP + 1% egg yolk), T2 (ACP + 3 % egg yolk), T3 (ACP + 5% egg yolk) and T4 (ACP + 7% egg yolk). Each treatment was maintained at three temperatures and analyzed the characteristics of vigor, total motility, morphology and membrane integrity for up to five days (D0, D1, D2, D3 and D4). When comparing the results of vigor and motility of diluted semen for each temperature, one can verify that the treatments T2, T3 and T4 showed the best results were not statistically different from each other. Analyses of vitality, morphology, and hypoosmotic showed no significant difference. But when the ACP-103 extender added of 7% egg yolk was tested at three temperatures (17, 10 and 5 C), the best temperature curve was 10 C with diluted semen, previously kept at 17 C, keeping for a longer period, the viability of sperm cells in boars. Thus we can conclude that the ACP-103 extender added of 7% of egg yolk can be used for boar semen preservation, become a low cost alternative and can be used at a temperature below conservation already standardized for this species. 3

9 LISTA DE FIGURAS Capítulo 2 Figura 1 Células espermáticas de suíno, corados em Azul de Bromofenol, visualizados em microscópio óptico com aumento de 100x. (M espermatozóide morto e V espermatozóide vivo

10 LISTA DE TABELAS Capítulo 2 Tabela 1 Vigor espermático do sêmen suíno após diluição em ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo e conservado a 17 C durante cinco dias. Tabela 2 Porcentagem de células móveis do sêmen suíno após diluição em ACP- 103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo e conservado a 17 C durante cinco dias. Tabela 3 Análise da porcentagem de espermatozóides vivos (vitalidade) do sêmen suíno conservado a 17 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Tabela 4 Análise de porcentagem de células morfologicamente normais do sêmen suíno conservado a 17 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo Tabela 5 Análise de resistência osmótica do sêmen suíno conservado a 17 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo Capítulo 3 Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Capítulo 4 Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Análise do vigor espermático do sêmen suíno conservado em três diferentes temperaturas (17, 10 e 5 C) no diluente ACP-103 adicionado de 7% de gema de ovo. Análise de motilidade espermática do sêmen suíno conservado em três diferentes temperaturas (17, 10 e 5 C) no diluente ACP-103 adicionado de 7% de gema de ovo. Análise de vitalidade espermática do sêmen suíno conservado em três diferentes temperaturas (17, 10 e 5 C) no diluente ACP-103 adicionado de 7% de gema de ovo. Análise de porcentagem de células normais do sêmen suíno conservado em três diferentes temperaturas (17, 10 e 5 C) no diluente ACP-103 adicionado de 7% de gema de ovo. Análise de resistência osmótica do sêmen suíno conservado em três diferentes temperaturas (17, 10 e 5 C) no diluente ACP-103 adicionado de 7% de gema de ovo. Análise do vigor espermático do sêmen suíno conservado a 10 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise da porcentagem de espermatozóides móveis no sêmen suíno conservado a 10 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise de vitalidade do sêmen suíno conservado a 10 C no diluente ACP- 103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise de porcentagem de células normais do sêmen suíno conservado a 10 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo

11 Tabela 5 Capítulo 5 Tabela 1 Tabela 2 Tabela 3 Tabela 4 Tabela 5 Análise de resistência osmótica do sêmen suíno conservado a 10 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise do vigor espermático do sêmen suíno conservado a 5 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise de motilidade do sêmen suíno conservado a 5 C no diluente ACP- 103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise de vitalidade do sêmen suíno conservado a 5 C no diluente ACP- 103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise de porcentagem de células normais do sêmen suíno conservado a 5 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo. Análise de resistência osmótica do sêmen suíno conservado a 5 C no diluente ACP-103 adicionado de diferentes concentrações de gema de ovo

12 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ACE ACG ACL ACN ACP ACP BTS CFMV ml IAA FAVET UECE Água de coco estabilizada Água de coco em gel Água de coco liofilizada Água de coco in natura Água de coco em pó para suínos Água de coco em pó para cães Betesville Conselho Federal de Medicina Veterinária Mililitros Ácido 3- indol acético Faculdade de veterinária Universidade Estadual do Ceará 7

13 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 9 2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CARACTERÍSTICAS DO EJACULADO SUÍNO AVALIAÇÃO SEMINAL PROBLEMAS ESPERMÁTICOS CONSERVAÇÃO DO SÊMEN DILUENTES ÁGUA DE COCO 15 3 JUSTIFICATIVA 18 4 HIPOTESE CIENTÍFICA 20 5 OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos 21 6 CAPITULO 1 - Uso potencial da água de coco em processos biológicos CAPITULO 2 - Diferentes concentrações de gema de ovo adicionada ao diluente ACP-103 na conservação do sêmen suíno. 8 CAPITULO 3 - Diferentes curvas de resfriamento do sêmen do varrão diluído em ACP-103 adicionado de gema de ovo em concentração fixa. 9 CAPITULO 4 - Qualidade espermática do ejaculado suíno conservado a 10 o C no diluente ACP-103 adicionado de gema de ovo CAPITULO 5 - Qualidade espermática do ejaculado suíno conservado a 5 o C no diluente ACP-103 adicionado de gema de ovo CONCLUSÕES PERSPECTIVAS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 72 8

14 1 INTRODUÇÃO Os primeiros suínos chegados ao Brasil vieram com Martim Afonso de Souza em 1532, entretanto, somente a partir do início deste século começaram a aparecer os efeitos melhoradores de animais zootecnicamente mais avançados, com a importação de diferentes exemplares (CAVALCANTI, 1998). O suíno como fonte protéica, responde por cerca de 50% do consumo global de carnes (CFMV, 2007). No Brasil esse mercado representa um importante setor entre as atividades pecuárias, situando-se entre um dos maiores criadores do mundo, ficando atrás apenas da China, Rússia e Estados Unidos (CAVALCANTI, 1998). O processamento do sêmen, utilizando diluentes adequados, é um dos pontos importantes para o sucesso de um programa de inseminação (CORRÊA et al., 2001). Eles são meios formados por uma ampla variedade de substâncias quimicamente diferentes. Sua utilização no preparo das doses inseminantes tem como finalidade aumentar o volume do sêmen, estabilizar seu ph, inibir o crescimento bacteriano e manter a célula espermática viável até o momento de ser introduzida no genital da fêmea. Atualmente no mercado existem duas categorias de diluentes: os de longa duração, que prolongam a vida do espermatozóide por cinco ou mais dias; e os de curta duração, que preservam a viabilidade espermática por até três dias (BORTOLOZZO et al., 2005). A escolha do diluente deve considerar as condições específicas em que a inseminação artificial ocorre, particularmente o tempo que decorre entre o processamento e a utilização das doses, ou seja, se o sêmen se destina ao uso imediato ou armazenamento durante alguns dias (BORTOLOZZO et al., 2005). Vários estudos têm sido realizados com a finalidade de se conhecer a capacidade de conservação da célula espermática na água de coco para o sêmen de diversas espécies. Segundo LAGUNA (1996) ela é uma solução estéril, ligeiramente ácida, contendo proteínas, sais, açúcares, vitaminas, fatores de crescimento (fitohormônios) e muito pouco fosfolipídios. Pode ser utilizada em diferentes formas, ou seja, in natura, estabilizada, gel e liofilizada, onde após a correção da osmolaridade e do ph, pode se apresentar como um diluente eficiente para o sêmen de diferentes espécies, com uma relação custo/benefício favorável aos programas de inseminação artificial, quando comparada aos diluentes importados (NUNES & COMBARNOUS, 1995, SALGUEIRO, et al., 2002, BARBOSA et al.,2007). Na busca por novos componentes para os meios diluentes, que possibilitem uma maior estabilização da membrana espermática, diferentes trabalhos têm testado o potencial 9

15 da gema de ovo (WATSON, 1990; FERNÁNDES-SANTOS et al., 2006; BARBOSA et al., 2007). Suas propriedades crioprotetoras para o sêmen foram descobertas em 1939 (PHILIPS, 1939) mas ainda sem resultados consistentes no processo de conservação/congelação do sêmen para o suíno, além disso, não se sabe como a gema de ovo age quando esta é adicionada ao diluente água de coco. Desta forma, o estabelecimento de novos protocolos de refrigeração e congelação para o sêmen suíno utilizando o meio diluente à base de água de coco em pó (ACP-103 ), bem como da concentração ideal de gema de ovo a ser acrescida ao mesmo, são de fundamental importância. 10

16 2 REVISÃO DE LITERATURA 2.1 Características do ejaculado suíno Dentre as diversas espécies domésticas, o suíno é o que produz maior volume de sêmen por ejaculado, com valores médios em animais adultos que oscilam entre 150 a 500 ml. Esta característica pode ser influenciada pela idade do animal, estação do ano, intervalo entre coletas, estado nutricional e raça (CAVALCANTI, 1998). O ejaculado do suíno é constituído de três porções: a primeira é a chamada fase pobre de espermatozóides, a fase intermediária é a mais rica em células espermáticas e a última porção forma o tampão vaginal e é constituída de material gelatinoso, que para a inseminação se separa do restante da amostra por filtrado, com gaze ou algodão (CAVALCANTI, 1998). Através da análise visual do ejaculado é possível estimar subjetivamente a concentração de células espermáticas. Sua coloração pode variar entre aquoso, seroso, seroleitoso, leitoso e leitoso denso. Quanto mais leitoso e denso for um ejaculado, maior será a sua concentração (CORRÊA et al., 2001). Os varrões utilizados como doadores de sêmen para inseminação artificial devem cumprir as exigências mínimas de volume superior a 100 ml, motilidade espermática total mínima de 70%, morfologia espermática com menos de 20% de formas anormais e número total de espermatozóides do ejaculado superior a 10 bilhões (FERREIRA, 1995). 2.2 Avaliação Seminal O processamento de sêmen é um dos pontos que requer maior cuidado para a obtenção de bons resultados em um programa de inseminação artificial, tendo por finalidade principal produzir doses inseminantes de alta qualidade (CORRÊA et al.,2001), desta forma, o controle e a avaliação seminal tem grande importância. As características do ejaculado (sêmen in natura) constituem o passo inicial no controle de qualidade da matéria prima, garantindo o nível das características espermáticas que irão definir a adequação do ejaculado visando a produção de doses inseminantes com sêmen de alta qualidade (SILVEIRA & SCHEID, 2003). A avaliação do ejaculado é dividida nas etapas macroscópicas (análise de volume, aspecto, cor e odor) e microscópicas (concentração, vigor, motilidade e morfologia). A análise do ejaculado também pode ser dividida em exame quantitativo e qualitativo. O exame quantitativo é realizado com o objetivo de determinar o número de doses inseminantes a serem produzidas. Já a segunda etapa é realizada com objetivo de predizer a 11

17 capacidade fecundante de uma amostra de sêmen ou o potencial reprodutivo de um animal, não informando de maneira definitiva se um determinado macho é fértil ou não. (BORTOLOZZO et al., 2005). A análise da concentração é definida como sendo o número de células espermáticas presentes em um ejaculado, por sua unidade de volume. Esta medida pode ser determinada de três maneiras: espectofotômetro, espermiodensímetro e câmara de Neubauer. O espectofotômetro é um aparelho que mede a concentração através da densidade ótica, permitindo uma análise prática, rápida e precisa. O espermiodensímetro determina a concentração através da observação do grau de turvação de uma suspensão de espermatozóides. Esta avaliação pode ser laboriosa quando há necessidade de fazer uma pré-diluição em caso de sêmen muito denso. Já a câmara de Newbauer é o método de contagem mais demorado, não sendo indicado para ejaculados com grande volume (CORRÊA et al., 2001). Vigor e motilidade são análises subjetivas. O primeiro, representa a força do movimento do espermatozóide, podendo ser classificado com uma nota de 0 a 5, onde 0 representa a ausência de movimento progressivo com deslocamento de cauda lateral fraco e inexpressivo, e 5 representa um movimento vigoroso e veloz dos espermatozóides. Apesar desta análise subjetiva, seguindo-se as características pré-determinadas pela tabela de análise de vigor espermático (TONIOLLI, 1996), os resultados obtidos para esta característica, por pessoas bem treinadas, são bastante homogêneos. Já a motilidade consiste em estimar o percentual de células vivas com movimentos progressivos (BORTOLOZZO et al., 2005). A análise morfológica permite a determinação da freqüência de cada uma das anormalidades espermáticas e do percentual total de alterações na amostra de sêmen. Um alto percentual de defeitos pode representar alterações durante a espermatogênese ou no trânsito e maturação no epidídimo, ou mesmo, manipulação inadequada do ejaculado (UFRS, 2007). A avaliação do sêmen deve ser conduzida de forma disciplinada, respeitando alguns conceitos básicos de higiene e controle de temperatura. Os métodos empregados para avaliação, na medida do possível, devem ser eficientes, econômicos e práticos, de modo a se preservar a qualidade inicial do ejaculado. Apesar de não ser possível predizer com absoluta exatidão a fertilidade de um ejaculado, os resultados obtidos através dessas análises permitem selecionar um ejaculado quanto a sua provável capacidade fertilizante (CORRÊA et al., 2001). 12

18 2.3 Problemas espermáticos A qualidade espermática dos ejaculados (concentração, motilidade, vigor e anomalias morfológicas) é um dos principais itens considerados para a seleção de reprodutores dentro de uma criação, podendo ser influenciada por vários fatores: idade, luminosidade, temperatura, nutrição, e diluente utilizado (BONET et al., 1993) Além disso, condições inadequadas durante o transporte e o armazenamento afetam negativamente a qualidade do sêmen, e podem ter impacto significativo nos resultados reprodutivos das matrizes inseminadas (SCHEID, 2003). Os principais problemas encontrados no sêmen do cachaço são: a) Degradação espermática devido à contaminação do sêmen, que pode levar a uma possível infecção das porcas. A fração inicial do ejaculado e a coleta são grandes fontes de contaminação. A primeira por carrear um grande número de bactérias que estão presentes na porção final da uretra e a segunda pode ocorrer por falhas de higienização do local onde o procedimento é realizado, do animal e do próprio coletador (SILVEIRA & SCHEID, 2003). b) Motilidade espermática. Entre as causas de anomalia na motilidade estão a temperatura muito baixa ou muito elevada quando do exame microscópico, e a falta de oxigenação dos espermatozóides na gota de sêmen entre a lâmina e a lamínula (SILVEIRA & SCHEID, 2003). c) A aglutinação representa o aglomerado de células espermáticas no ejaculado. Ela pode ser ocasionada por falhas no processo de coleta, choque térmico, alterações de ph, alterações do equilíbrio osmótico e contaminação por bactérias (CORRÊA et al., 2001). d) Formas anormais de espermatozóides. Estas alterações podem ter origem na fase de gênese dos espermatozóides no testículo, durante seu trânsito, maturação e armazenamento no epidídimo ou resultar da ação de fatores deletérios à célula após a ejaculação, relacionados com a manipulação do ejaculado (SILVEIRA & SCHEID, 2003). 2.4 Conservação do sêmen A estocagem de sêmen por um longo período permitindo o seu posterior uso representa uma importante ferramenta para criadores que desejam resguardar o potencial genético de seus reprodutores (CARDOSO et al., 2002). Além disso, a conservação do 13

19 sêmen permite o transporte de material genético e a preservação de genes de alto valor comercial mesmo após a morte do animal. Para conservar os espermatozóides durante períodos prolongados é necessário manter a integridade celular, reduzir a atividade metabólica e manter sob controle o desenvolvimento de microorganismos, para tanto é realizada a diluição em meio adequado além do abaixamento da temperatura (SÁNCHEZ, 2003). Há duas formas de conservação seminal já amplamente utilizadas: o resfriamento e a congelação. A redução da temperatura tem sido um método utilizado para prolongar a viabilidade dos espermatozóides ejaculados, devido a seu efeito de desaceleração dos processos metabólicos celulares (ALMOND et al., 1994). Isso ocorre em virtude da característica da membrana dos espermatozóides, que quanto menor for a temperatura do meio, menor será a mobilidade de seus lipídios na dupla membrana, os quais se solidificam, impedindo seu movimento e também o movimento das proteínas, mantendo desta forma a estrutura da membrana celular (SÁNCHEZ, 2003). Apesar dos benefícios do processo de conservação citados acima, este pode provocar danos irreversíveis à célula espermática em virtude do choque térmico, que podem levar a uma redução da sua motilidade, resultando em inchaço na membrana acrossomal, aumento da permeabilidade da membrana plasmática (FERNÁNDEZ-SANTOS et al., 2006), rompimento da integridade de suas membranas, interferindo assim na sua sobrevivência e capacidade fecundante (MAXWELL & WATSON, 1996). O sêmen suíno, dentre outras espécies de mamíferos é o mais sensível a flutuações de temperatura (CORRÊA et al., 2001). A temperatura ideal para a manutenção das doses inseminantes situa-se entre 15 e 18 C. Queda de temperatura abaixo de 15 C é causa de choque térmico, que resulta em perda irreversível da motilidade espermática e lesões na estrutura das células. Temperatura acima dos 18 C, por outro lado, são negativas por não reduzirem de forma eficiente o metabolismo dos espermatozóides e facilitam a multiplicação de bactérias, que agem negativamente sobre a qualidade do sêmen (SCHEID, 2003). A adição de crioprotetores, como a gema de ovo, tem como finalidade proteger as células espermáticas dos choques térmicos e osmóticos que podem ocorrer durante o processo de resfriamento e congelação (ALBERTI, 2006). Mas pouco se sabe sobre o efeito deste crioprotetor, em específico, na conservação da célula espermática em temperaturas acima de 0 C, principalmente para a espécie suína, fazendo-se necessário pesquisas que demonstrem sua ação. 14

20 2.5 Diluentes A inseminação artificial na espécie suína obteve êxito em virtude da inovação na técnica e melhoria dos materiais utilizados, entre esses, desempenhou papel fundamental o desenvolvimento de diluentes para a conservação do sêmen por refrigeração (SÁNCHEZ, 2003). O diluente utilizado na inseminação é uma composição bioquímica para dar equilíbrio fisiológico, bioquímico e biofísico aos espermatozóides e ao ambiente que o rodeia, assim ele é composto por uma ampla variedade de substâncias quimicamente diferentes entre si como glicose, antibiótico, sais, dentre outras, que tem como finalidade aumentar o volume do sêmen, proteger o espermatozóide contra choque térmico, fornecer substratos necessários ao metabolismo espermático, manter o ph e inibir o crescimento bacteriano, mantendo assim a viabilidade dos espermatozóides até o momento de serem introduzidos no trato reprodutivo da fêmea (CORRÊA et al., 2001). De acordo com VISHWANATH & SHANNON (2000), além de todas essas substâncias citadas acima, para um meio diluente ser eficiente é necessário a presença de lipoproteínas ou material de alto peso molecular, com a finalidade de prevenir o choque térmico, como por exemplo, a gema de ovo ou o leite. Os diluentes podem ser classificados quanto ao seu tempo de armazenamento como de longa duração, que prolongam a vida dos espermatozóides por cinco dias ou mais e podem ser usados quando o sêmen é armazenado por períodos maiores ou transportado por longas distâncias, tendo como exemplos para a espécie suína os diluentes Androhep e Reading. Já os de curta duração preservam a viabilidade da célula espermática por até três dias, como os diluentes BTS e KIEV. Assim, a escolha do meio diluente deve considerar as condições em que a inseminação artificial irá ocorrer, o tempo que normalmente decorre entre o processamento das doses e a inseminação artificial, ou seja, se o sêmen se destina ao uso imediato ou armazenamento durante alguns dias (BORTOLOZZO et al.,2005). Os atuais meios de conservação representam a soma de conhecimentos de diferentes grupos de pesquisa, que se aprofundaram nas necessidades das células espermáticas e nas suas condições de conservação por refrigeração (SÁNCHEZ, 2003). Apesar disso, ainda é desconhecido o diluente e a temperatura ideal capaz de oferecer maior longevidade aos espermatozóides suínos (VYT et al., 2004). 2.6 Água de coco A água de coco é uma solução estéril, ligeiramente ácida, contendo proteínas, sais, açúcares, vitaminas, fatores de crescimento (fitohormônios) e muito pouco fosfolipídeo (LAGUNA, 1996). Em virtude da presença dessas características, a água de coco passou a 15

21 ser testada como meio diluente de sêmen para diversas espécies animais, como suínos (AIRES & TONIOLLI, 2005), caprinos (AZEVEDO et al., 1999), ovinos (BRAZ et al., 2003), caninos (SILVA et al., 2000) e felinos (SILVA et al., 2007). Após correção da sua osmolaridade e ph, ela vem apresentando, através de experimentos in vitro e in vivo,resultados positivos na manutenção da viabilidade e poder fecundante dos espermatozóides, sendo possível sua utilização em processos biotecnológicos como a inseminação artificial, sem os custos elevados com diluentes importados (NUNES, 1998). Em virtude dessa potencialidade a água de coco foi testada como diluente em diferentes formas: in natura (ACN) constituída por 50% de água de coco filtrada + 25% de água destilada + 25% de uma solução de citrato de sódio a 5% (SALLES, 1989); estabilizada (ACE) esterilizada, envazada, e passada por um processo de ultrafiltração através de uma membrana microporosa e mantida (SALLES, 1989)ob refrigeração; liofilizada (ACL), processo de desidratação, onde o produto é congelado e a água é retirada por sublimação; em gel (ACG) e em pó (ACP), obtida através da técnica de spray dry, método de produzir um pó seco a partir de um líquido através da rápida secagem, com um gás quente. Para a espécie suína a água de coco como diluente de sêmen tem sido utilizada com freqüência na região Nordeste do Brasil e os resultados mostram efeitos benéficos, evidenciados in vitro sobre as características de motilidade espermática, e in vivo sobre os parâmetros de fertilidade (TONIOLLI et al., 1997 e 1998). A água de coco sob as formas, in natura e estabilizada, foi utilizada como diluentes para o sêmen suíno e avaliadas quanto sua ação sobre a viabilidade espermática e comparadas ao diluente tradicional BTS. A ACN e ACE não apresentaram diferença estatística para a característica motilidade progressiva durante todo o período de conservação, contudo ela foi superior ao diluente BTS aos 30, 60, 90 e 120 minutos de incubação, podendo ser esta uma alternativa tecnológica para o seu emprego na conservação do sêmen da referida espécie (TONIOLLI et al., 1998). Entretanto, o uso da água de coco in natura apresenta limitações como a inabilidade de estocar a água de coco por longos períodos, a utilização dos frutos que é limitada as regiões onde ele é encontrado (CARDOSO et al., 2005), além da dificuldade de encontrar frutos com características ideais, ou seja, com seis meses de maturação (BRAZ et al., 2003). Assim estudos foram conduzidos para desenvolver uma água de coco em pó (ACP- ) que permitisse sua estocagem e utilização por longos períodos (CARDOSO et al., 2005). 16

22 A ACP foi desenvolvida com o intuito de simplificar a utilização da água de coco como diluente (SALGUEIRO et al., 2002), apresentando após reidratação características bioquímicas muito similares aquelas da água de coco in natura. Além disso, a ACP pode ser facilmente armazenada e enviada para regiões onde o fruto não é encontrado (CARDOSO et al., 2005). As formas em pó e in natura foram comparadas no processo de congelação do sêmen canino (CARDOSO et al., 2005) e para a verificação das taxas de prenhez em ovelhas da raça Santa Inês (FIGUEIRÊDO et al., 2007). Em ambos os trabalhos a ACP e ACN apresentaram resultados satisfatórios favoráveis similares nos estágios analisados (Vigor e motilidade durante as fases de diluição, resfriamento, congelação-descongelação, no primeiro trabalho e taxa de prenhez no segundo trabalho). Sua ação como diluente de sêmen foi avaliada para a espécie de capote Numida meleagris submetido a diferentes temperaturas (4 e 15 C) e comparada a um diluente comercial já utilizado para esta espécie. Para todos os parâmetros avaliados, o diluente ACP a 4 C apresentou melhor desempenho em todos os tempos de conservação. No entanto, na temperatura de 15 C os resultados permaneceram acima dos valores mínimos recomendados para a inseminação artificial, resultado também observado para o diluente controle, o que indicou que a ACP pode ser utilizado para a conservação do sêmen de capotes (RONDON et al., 2008). 17

23 3 JUSTIFICATIVA Pela crescente utilização da inseminação artificial em suínos, cada vez mais se fazem necessários o aprimoramento e o desenvolvimento de tecnologias que visem incrementar a produtividade e a rentabilidade nas unidades de produção. Desta forma, biotécnicas reprodutivas podem ser utilizadas como ferramentas para a otimização desse processo (CORRÊA et al., 2001). A expansão da inseminação artificial suína está alicerçada na utilização do sêmen resfriado, que possui tempo de armazenamento limitado. Este fator, aliado às dificuldades existentes no transporte e comunicação, muitas vezes tem limitado o seu uso. Além disso, os diluentes de longa duração, que permitem a viabilidade espermática por cinco dias, são de preparação complexa e de custo elevado, enquanto que os de curta duração só prolongam a vida dos espermatozóides por três dias (CORRÊA et al., 2001), o que justifica a busca por novos diluentes que preservem a viabilidade das células espermáticas por mais tempo e que sejam de fácil preparo e de baixo custo. Diluentes como o TRIS e o BTS (CORRÊA et al., 2001), além do líquido prostático autólogo (UCHOA et al., 2003), já foram utilizados para a conservação de sêmen em diferentes espécies domésticas. No entanto, nem todos possuem os pré-requisitos para serem considerados como bom diluente (FOOTE, 1964), tais como, nutrientes para as células espermáticas, antibióticos, tampões para prevenir alterações de ph (CORRÊA et al., 2001). Recentemente foram desenvolvidos trabalhos relacionados ao uso de diluente a base de água de coco. Os resultados apresentados, em ovinos (CRUZ, 1994), suínos (TONIOLLI et al., 1998), caninos (UCHOA et al., 2003), primatas (ARAÚJO et al., 2007), inclusive humanos (NUNES, 1998), demonstraram avanços positivos na utilização deste meio à base de água de coco na diluição e refrigeração do sêmen. Devido aos bons resultados com o sêmen de diferentes espécies, traduzida pelo estímulo da sobrevivência dos espermatozóides e da sua fertilidade, este diluente pode se tornar uma alternativa para a difusão dos programas de inseminação artificial nas espécies de interesse econômico com uma relação custo benefício positiva, quando comparado aos outros diluentes disponíveis no mercado (NUNES & COMBARNOUS, 1995). Para permitir a sobrevivência in vitro prolongada da célula espermática é necessário reduzir sua atividade metabólica através da adição de elementos químicos (CORRÊA et al., 2001). A gema de ovo é um importante componente de meios de resfriamento e congelação 18

24 do sêmen de várias espécies. Suas propriedades protetoras dos espermatozóides foram descobertas em 1939 (PHILLIPS, 1939). Concentrações de 10 e 20% de gema de ovo adicionada aos diluentes à base de água de coco são eficientes para a conservação da qualidade espermática do sêmen canino (SILVA et al., 2000), mas há ainda poucos trabalhos que relatem essa mesma eficiência para outras espécies de importância econômica, como os suínos. Em uma comparação entre três concentrações de gema de ovo adicionadas ao diluente ACP-106 observou-se que as avaliações da motilidade e vigor foram facilitadas à medida que se diminuiu a concentração da gema de ovo, em virtude dos grumos produzidos por este crioprotetor (BARBOSA et al., 2007). A água de coco em pó é uma alternativa de fácil preparo de baixo custo e padronizada, oriunda de frutos tipicamente tropicais (CARDOSO et al., 2005). Aliado a isso há necessidade de desenvolvimento de técnicas e soluções que permitam a utilização do sêmen suíno resfriado com melhores resultados de fertilidade. Assim, fazem-se necessários estudos adicionais que demonstrem o efeito do diluente ACP-103 acrescido de diferentes concentrações de gema de ovo na manutenção da viabilidade espermática. 19

25 4 HIPÓTESE CIENTÍFICA A conservação do sêmen suíno em meio à base de água de coco em pó (ACP-103 ), acrescido de diferentes concentrações de gema de ovo em temperaturas abaixo de 17 C mantém a viabilidade da célula espermática por um período de tempo maior. 20

26 5 OBJETIVOS Geral - Avaliar in vitro o comportamento do sêmen suíno em temperaturas abaixo de 17 C. Específicos - Verificar os efeitos da desidratação/reidratação da água de coco, sobre a qualidade espermática; - Fornecer melhores condições de sobrevivência ao espermatozóide suíno quando conservado em temperaturas abaixo de 17 o C; - Testar a adição de diferentes concentrações da gema de ovo adicionada ao diluente água de coco em pó (ACP-103 ); - Testar o efeito protetor da gema de ovo sobre a célula espermática. 21

27 CAPÍTULO 1 Uso potencial da água de coco em processos biológicos (Potential use of coconut water in biological processes) Tatyane Bandeira Barros, Ricardo Toniolli 22

28 6 CAPÍTULO 1 Uso potencial da água de coco em processos biológicos (Potential use of coconut water in biological processes) Tatyane Bandeira Barros¹, Ricardo Toniolli 2 1 Programa de Pós-Graduação em Ciências Veterinárias FAVET/UECE 2 Laboratório de Reprodução Suína e Tecnologia de Sêmen FAVET/UECE, Av. Paranjana, 1700 Campus Itaperi, Fortaleza-Ce, CEP: Resumo O presente estudo objetiva apresentar o potencial da água de coco em diversos processos biológicos, enfatizando sua atuação como diluente seminal de várias espécies de animais. Diversos são os trabalhos que demonstram a eficácia da água de coco preservando a célula espermática. Sua utilização como diluente é uma importante alternativa para o transporte de sêmen a curta distância e extensão do volume seminal para a realização da inseminação artificial. Assim, conclui-se que a água de coco poderá tornar-se um diluente alternativo para a difusão dos programas de inseminação artificial em espécies animais de interesse econômico. Palavras-chave: água de coco; diluente; sêmen. Abstract This study aims to present the potential of coconut water in various areas of science, emphasizing his role as a semen extender of various species of animals. There are several studies that demonstrate the efficacy of coconut water preserving the sperm cell. Its use as a extender is an important alternative for the transport of semen within walking distance and extension of seminal volume to perform artificial insemination. Thus, it is concluded that coconut water could become an alternative solvent for the diffusion of artificial insemination programs in animal species of economic interest. Keywords: cocconut water; extender; semen. INTRODUÇÃO A água de coco é o líquido do endosperma encontrado dentro da cavidade do fruto, que começa a se formar em torno de dois meses após a abertura natural da inflorescência. De acordo com pesquisas ela corresponde a 25% do peso do fruto, e sua composição básica é de 95,5% de água, 4% de carboidratos, 0,1% de gordura, 0,02% de cálcio, 0,01% de fósforo, 0,5% de ferro, além de aminoácidos, vitamina C, vitaminas do complexo B e sais minerais (Aragão, 2000) e possui diversas propriedades funcionais como: solução de hidratação oral, suplemento protéico onde o déficit nutricional é alto, e em casos graves, pode ser utilizada como solução de hidratação intravenosa (Campbell-Falck et al., 2000). Durante a segunda guerra mundial, a água de coco foi utilizada inclusive como soro fisiológico durante cirurgias de emergência (Aragão, 2000). Ela ainda se destaca por sua capacidade diurética, seu poder antioxidante e ainda tem apresentado ação protetora em relação ao aparecimento de tumores malignos (Lim-Sylianco et al., 1992). Na área da biotecnologia ela apresenta características que a classifica como um bom diluente seminal, já tendo sido utilizada com sucesso em várias espécies como suínos (Aires 23

29 & Toniolli, 2005), humanos (Nunes, 1998), caprinos (Azevedo & Toniolli,1999; Nunes & Salgueiro, 1999), ovinos (Braz et al., 2003), bovino (Alberti, 2004), caninos(cardoso et al., 2005), felinos (Silva et al., 2007) e primatas (Araújo et al., 2007). O processamento do sêmen utilizando diluentes adequados é um dos pontos críticos para o sucesso de um programa de inseminação artificial (Corrêa et al., 2001). Sua utilização tem como objetivos evitar a acidificação do meio e o choque térmico da célula, ocasionados pela ação de resfriamento e congelação (Cavalcanti, 1998). Para tanto os diluentes são compostos por substâncias quimicamente diferentes entre si, que tem por objetivo aumentar o volume do sêmen, manter seu ph, inibir o crescimento bacteriano e manter a viabilidade da célula espermática até o momento da inseminação artificial (Bortolozzo et al., 2005). Processos como refrigeração e congelação são essenciais para os programas de inseminação artificial, mas provocam sérios danos aos espermatozóides como a ruptura das membranas plasmáticas, principalmente do acrossoma (Pickett et al., 1987). Esses danos levam a uma diminuição da motilidade e do tempo de sobrevivência do espermatozóide no trato reprodutivo da fêmea, afetando seu potencial fecundante. Assim, o desenvolvimento de um diluente que mantenha a viabilidade da célula espermática por um período maior de tempo é uma alternativa importante para a tecnologia da conservação do sêmen de diversas espécies. Esse trabalho teve por objetivo realizar um breve relato sobre a água de coco, avaliar seu potencial em diferentes processos biológicos e sua atuação como diluente sobre a qualidade seminal em diferentes espécies domésticas. REVISÃO Coco: cultura, classificação e perecibilidade Por seu potencial de dispersão, o coqueiro apresenta divergências quanto a sua origem, dentre as quais, a África e a América, são as mais prováveis. Sua introdução no Brasil ocorreu na Bahia em 1553 pelos portugueses (Gomes, 1992). A cultura do coqueiro constitui-se uma importante fonte geradora de divisas e também uma farta fonte de proteínas e calorias para a população. No contexto mundial, a produção brasileira de coco, mesmo sendo pequena, pelo fato do Brasil não produzir óleos, sempre foi de fundamental importância na vida e economia das populações do Nordeste do país (Ferreira & Filho, 2002). É esta região que concentra as maiores plantações de coco, contribuindo com 96% da produção nacional. A produção brasileira está concentrada em uma área de 300 mil hectares, sendo os estados de Sergipe, Bahia e Alagoas os maiores produtores, respondendo por 75% do total do país (Laguna, 1996). O coqueiro é constituído de uma só espécie (Cocos nucífera L.) e duas variedades principais: a gigante e a anã (Siqueira et al., 1991). O coco é classificado como uma drupa, sendo dividido, de fora para dentro, nas porções do epicarpo, região constituída por uma fina película, lisa e que envolve todo o exterior do fruto; do mesocarpo, camada mais grossa, caracterizada por ser fibrosa, de coloração castanha quando seca; do endocarpo, estrutura mais lenhosa e dura, de coloração escura; e do endosperma, também chamado de albúmen, porção branca, carnosa e comestível. Na camada oca do fruto é encontrado um líquido denominado de água de coco (Laguna, 1996). A água de coco é uma solução estéril, ligeiramente ácida, contendo proteínas, sais, açúcares, vitaminas, fatores de crescimento (fitohormônios) e muito pouco fosfolipídeo. Os frutos imaturos contêm substâncias que induzem a diferenciação celular em estado de dormência (Laguna, 1996). A água de coco é extremamente perecível e esta característica está diretamente relacionada às condições as quais os frutos ficam expostos durante a 24

30 colheita, pós-colheita e comercialização. Temperaturas elevadas, danos mecânicos, manuseio e condições inadequadas de armazenamento aceleram o processo de deterioração da água diminuindo sua vida útil (Resende et al., 2008). Diferentes utilizações da água de coco Além da sua utilização na própria alimentação da população, a água de coco tem apresentado importância significativa com uma ampla utilização em diferentes áreas do conhecimento. Na área médica as propriedades desse líquido destacam-se por sua capacidade diurética e vem sendo testada no tratamento de cálculos renais (Magat & Agustin 1997), além do poder antioxidante, podendo estar associada à presença da vitamina C, mas também se estuda a interação com outros possíveis compostos ativos. Infelizmente, esta propriedade ocorre principalmente na água do coco in natura e se reduz representativamente com o tratamento visando o envase do líquido (Carvalho et al., 2006). Na área biomédica, a água de coco há anos vem sendo utilizada pela cultura popular como bebida capaz de combater a desidratação. Estudos recentes comprovaram este conceito considerando a bebida um importante repositor de eletrólitos. Assim, tem-se levantado a possibilidade do seu uso para a reidratação, em casos de diarréia crônica, pois além da grande quantidade de potássio possui também glicose (Kuberski et al., 1979). Em virtude disso, ela tem sido recomendada para substituir a perda de fluido do trato gastrointestinal (Khan et al., 2003). Sua utilização como solução no tratamento da desidratação grave ou desnutrição protéica de crianças e idosos, ocorre em virtude da sua composição semelhante ao soro glicosado isotônico (Laguna, 1996). A água de coco por apresentar uma grande quantidade de sais minerais como o sódio, potássio, cálcio, magnésio manganês, ferro, zinco e cobre e por conter vitaminas do complexo B e C, vem sendo utilizada em produtos cosméticos como hidratantes para o corpo e cabelos (Carvalho et al., 2006). Em virtude da presença de açúcares na água de coco, ela foi testada na área biotecnológica como meio de cultivo in vitro para embriões de pinhão-manso. Sua presença proporcionou um melhor crescimento das plântulas (Nunes et al., 2008). Ainda nesta área, uma solução a base de água de coco foi comparada à solução salina quanto a sua eficiência na preservação de folículos pré-antrais inclusos em tecido ovariano. Ambas soluções apresentaram igual eficiência na conservação dos folículos a 4 C. No entanto, para conservar folículos pré-antrais caprinos em altas temperaturas, somente a solução a base de água de coco é recomendada (Costa et al., 2002). Em processos tecnológicos de inseminação artificial o desenvolvimento de um diluente que mantenha a viabilidade da célula espermática por um período maior de tempo é uma alternativa importante para a tecnologia da conservação do sêmen de diversas espécies. Em virtude das características da água de coco ditas acima, ela vem demonstrando um grande potencial na conservação da célula espermática em diversas espécies de animais domésticos. O ácido-3 Indol Acético (IAA) O princípio ativo dos fatores de crescimento presentes na água de coco é uma substância com propriedades semelhantes às auxinas e citocininas, que agem regulando o crescimento e provocando divisão celular nos vegetais, fungos e alguns protozoários (Nunes & Salgueiro, 1999). O isolamento da citocinina na água de coco foi realizado por Letham (1974). Após isso, observou-se a presença do ácido 3-indol-acético (IAA), uma auxina de origem vegetal inicialmente chamada de JYP (iniciais dos nomes dos pesquisadores) e atualmente chamada de IAA. Essa auxina já foi vista ser responsável por estimular a motilidade e manter uma maior porcentagem de espermatozóides móveis de caprinos e ovinos (Nunes & Salgueiro, 1999) e quando adicionada a diluentes tradicionais, como o BTS para a espécie suína, o 25

31 IAA é responsável pelo aumento na proporção de espermatozóides vivos com acrossoma intacto (Toniolli et al., 1996). Pesquisas têm demonstrado que o IAA apresenta uma ação protetora sobre a célula espermática, proporcionando a viabilidade de um maior número de espermatozóides com morfologia normal. A melhoria dessa característica favorece seu deslocamento e a conseqüente penetração da zona pelúcida dos ovócitos (Toniolli et al., 1999). Diferentes formas e seu uso como diluente de sêmen Dentre os diversos diluentes alternativos de sêmen já testados, a água de coco, após correção da osmolaridade e do ph, vem demonstrando através de experimentos in vitro e in vivo, resultados positivos na manutenção da viabilidade e poder fecundante dos espermatozóides, sendo possível sua utilização em processos biotecnológicos como a inseminação artificial, sem os custos elevados com diluentes importados (Nunes, 1998). Em virtude dessa potencialidade a água de coco foi testada como diluente em diferentes formas: A in natura (ACN) constituída por 50% de água de coco filtrada + 25% de água destilada + 25% de uma solução de citrato de sódio a 5%; A estabilizada (ACE), que é a ACN esterilizada, envazada, e passada por um processo de esterilização por ultrafiltração, através de membranas com microporos (Aragão, 2002) e mantida sob refrigeração; A liofilizada (ACL), onde o produto é congelado e a água é retirada por sublimação; A em gel (ACG); E a em pó (ACP), obtida através da técnica de spray dry, método de produzir um pó seco a partir de um líquido através da rápida secagem, com um gás quente. Neste estudo serão abordadas as formas in natura, estabilizada e em pó. Água de coco in natura (ACN) e estabilizada (ACE) A ACN foi testada como diluente alternativo e comparada ao leite desnatado na avaliação da porcentagem de espermatozóides móveis e motilidade progressiva do sêmen ovino em diferentes períodos de incubação. Embora ambos os diluentes tenham demonstrado resultados satisfatórios na conservação da célula espermática, a ACN se apresentou mais eficiente na manutenção dessas características avaliadas (Nunes, 1997). Trabalho semelhante foi realizado anteriormente para o sêmen caprino (Nunes e Combarnous, 1995), e mais uma vez os testes in vitro realizados demonstraram resultados favoráveis na conservação da motilidade progressiva e da porcentagem de espermatozóides móveis quando o sêmen estava diluído em ACN comparado ao leite. A água de coco estabilizada (ACE), suplementada com antibióticos, foi comparada ao leite, diluente alternativo já amplamente utilizado para a espécie caprina, nas condições: desnatado adicionado de 100ng/ml de IAA e leite desnatado puro (controle). O diluente ACE e leite desnatado não apresentaram diferença estatística nos parâmetros de vigor e motilidade espermática no período de 48 horas, mas ambos foram inferiores ao diluente leite desnatado suplementado com IAA, no mesmo período, colocando assim em evidência o papel desta auxina na conservação da célula espermática por mais tempo (Azevedo & Toniolli, 1999). A ACN também foi testada como meio de conservação para o sêmen canino, com a manutenção de taxas de motilidade e vigor espermático, em níveis favoráveis a sua utilização em inseminação artificial com o sêmen conservado por até 180 minutos (Uchoa et al., 2002). Um estudo sobre o índice de prenhez na inseminação de cadelas com sêmen diluído em ACN e leite desnatado foi realizado, obtendo taxas de prenhez de 90% quando em meio à base de água de coco, contra 50% quando em meio à base de leite em pó desnatado (Betini et al., 2001). Com o objetivo de elaborar um método de expansão do ejaculado da espécie Cebus apella (macaco-prego), uma solução a base de água de coco foi testada e os resultados obtidos demonstram que a ACN também foi capaz de manter a viabilidade espermática nesta espécie por até 7 horas após a coleta (Araújo et al., 2007), sendo então seu uso 26

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN

TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN TECNOLOGIA DO SÊMEN ANÁLISE DO SÊMEN Características físicas c) Motilidade (progressiva) % de sptz viáveis uma gota de sêmen em aumento de 100 a 400x na propriedade: 50% para doação de sêmen: 70% para

Leia mais

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS

SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS SELEÇÃO DE REPRODUTORES PARA A UTILIZAÇÃO DA PRODUÇÃO IN VITRO DE EMBRIÕES VITRIFICADOS Orivaldo Rodrigues de Oliveira 1 ; Francisca Elda Ferreira Dias 2 ; Andréa Azevedo Pires de Castro 3. 1 Aluno do

Leia mais

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial

Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial Manual Técnico de Processamento de Sêmen para Inseminação Artificial 1 Introdução A Inseminação Artificial (IA) é hoje em dia o método utilizado pela generalidade dos suinicultores, pois, permite fazer

Leia mais

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA

QUÍMICA CELULAR NUTRIÇÃO TIPOS DE NUTRIENTES NUTRIENTES ENERGÉTICOS 4/3/2011 FUNDAMENTOS QUÍMICOS DA VIDA NUTRIÇÃO QUÍMICA CELULAR PROFESSOR CLERSON CLERSONC@HOTMAIL.COM CIESC MADRE CLÉLIA CONCEITO CONJUNTO DE PROCESSOS INGESTÃO, DIGESTÃO E ABSORÇÃO SUBSTÂNCIAS ÚTEIS AO ORGANISMO ESPÉCIE HUMANA: DIGESTÃO ONÍVORA

Leia mais

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão?

2. Como devo manusear o sêmen durante a sua retirada do botijão? CUIDADOS NO MANUSEIO DO SÊMEN CONGELADO O manuseio adequado do sêmen congelado é essencial para manter ótimos resultados nos programas de inseminação artificial, tanto no sêmen sexado como no sêmen convencional.

Leia mais

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil

Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Programa Alta Gestação promove democratização da inseminação artificial em ovinos no Brasil Parceria entre Alta Genetics, Pfizer e Sérgio Nadal promete acelerar os rebanhos comerciais do país. A carne

Leia mais

Prof. José Antonio Ribas

Prof. José Antonio Ribas 1 CRIOPRESERVAÇÃO DE SÊMEN E INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM EQUINOS Prof. José Antonio Ribas 2 INTRODUÇÃO Viabilidade da criação de cavalos = sucesso na reprodução Industria do cavalo - movimenta cerca de R$

Leia mais

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL

CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL CONHECENDO UMA CENTRAL DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL Entrevistado: Marcelo Brandi Vieira Mestre em Reprodução Animal Diretor Técnico da Progen Inseminação Artificial BI: Qual a importância da Inseminação Artificial

Leia mais

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras

MEIOS DE CULTURA DESENVOLVIMENTO OU PRODUÇÃO DE MEIOS DE CULTURA. Necessidade Bactérias Leveduras MEIOS DE CULTURA Associação equilibrada de agentes químicos (nutrientes, ph, etc.) e físicos (temperatura, viscosidade, atmosfera, etc) que permitem o cultivo de microorganismos fora de seu habitat natural.

Leia mais

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO

FECUNDAÇÃO FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO FECUNDAÇÃO Prof. Dr. Wellerson Rodrigo Scarano Departamento de Morfologia 1 FECUNDAÇÃO OU FERTILIZAÇÃO Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta feminino (ovócito) para formar

Leia mais

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES

TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES TECNOLOGIAS NA MENSURAÇÃO DO BEM-ESTAR EM AVES Metodologias aplicadas na avaliação de problemas locomotores em frangos de corte e poedeiras têm uma importância cada vez maior dentro da cadeia produtiva.

Leia mais

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS

UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS UNIDADE 4 PRODUÇÃO, CONSUMO, EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO. PROCESSAMENTO TECNOLÓGICO DE OVOS 1 CONSUMO DE OVOS Dados da FAO (2010) para a América Latina apontam que o Brasil se encontra na oitava posição em

Leia mais

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física

A Importância dos Alimentos. Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física A Importância dos Alimentos Prof.: Andrey Oliveira Colégio Sete de Setembro Disciplina: Educação Física saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UFRJ 2007 www.planetabio.com 1-O gráfico a seguir mostra como variou o percentual de cepas produtoras de penicilinase da bactéria Neisseria gonorrhoeae obtidas de indivíduos com gonorréia no período de 1980 a 1990. A penicilinase

Leia mais

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL

TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS AO MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL TECNICAS DE AMPLIFICAÇÃO REPRODUTIVA E DE BIOTECNOLOGIA APLICADAS

Leia mais

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos

Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos ebook Avanza Cuidados essenciais para maior produtividade na criação de bovinos Sumário 01 02 03 04 05 Introdução - Aumente a produtividade da sua criação Fertilização In Vitro Transferência de Embriões

Leia mais

Profa. Joyce Silva Moraes

Profa. Joyce Silva Moraes Alimentação e Saúde Profa. Joyce Silva Moraes saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estarestar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar

Leia mais

Características e informação nutricional do ovo

Características e informação nutricional do ovo Características e informação nutricional do ovo Há muito tempo foi confirmada a eficácia e grande importância do ovo na alimentação das pessoas. De fácil preparação e digestão não foi difícil incorporar

Leia mais

Criopreservação de sêmen. Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta

Criopreservação de sêmen. Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta Criopreservação de sêmen Dr: Ribrio Ivan T.P. Ba1sta Sumário 1. Introdução 2. Criopreservação de sêmen 3. Efeito da criopreservação 1. No metabolismo dos espermatozoides 2. Na ultra- estrutura dos espermatozoides

Leia mais

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA

EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA EFEITO INDIVIDUAL DE FERTILIDADE DE TOUROS DA RAÇA HOLANDESA ZANATTA, Guilherme Machado 1 ; SCHEEREN, Verônica Flores da Cunha 2 ; ARAUJO, Laurence Boligon de 3; PESSOA, Gilson Antônio 4 ; RUBIN, Mara

Leia mais

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino

Função orgânica nossa de cada dia. Profa. Kátia Aquino Função orgânica nossa de cada dia Profa. Kátia Aquino Vamos analisar! Funções Carboidratros (ou Glicídios) Energética: eles são os maiores fornecedores de energia para os seres vivos, principalmente a

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAIBA - UFPB VIRTUAL LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS A DISTÂNCIA DISCIPLINA BIOQUÍMICA ESTRUTURAL Ministrante: Prof. Dr. Carlos Alberto de Almeida

Leia mais

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE

ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA e BANCO DE SÊMEN BS-HIAE ESPERMOGRAMA! COLETA DO SÊMEN! ANÁLISE MACROSCÓPICA! ANÁLISE MICROSCÓPICA! ANÁLISE DA VITALIDADE! ANÁLISE MORFOLÓGICA! ANÁLISE DAS CÉLULAS REDONDAS! ANÁLISE BIOQUÍMICA!

Leia mais

Uso potencial da água de coco na tecnologia de sêmen Potential use of coconut water in the semen technology

Uso potencial da água de coco na tecnologia de sêmen Potential use of coconut water in the semen technology Rev. Bras. Reprod. Anim., Belo Horizonte, v.35, n.4, p.400-407, out./dez. 2011. Disponível em www.cbra.org.br Uso potencial da água de coco na tecnologia de sêmen Potential use of coconut water in the

Leia mais

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM

FISIOLOGIA RENAL EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM EXERCÍCIOS DE APRENDIZAGEM FISIOLOGIA RENAL 01. A sudorese (produção de suor) é um processo fisiológico que ajuda a baixar a temperatura do corpo quando está muito calor ou quando realizamos uma atividade

Leia mais

Características dos Ovos

Características dos Ovos Características dos Ovos Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Para que serve o alimento?

Para que serve o alimento? Alimentação e Saúde saciar a fome Para que serve o alimento? combustível para viver, proporcionando o bem-estar e a disposição para realizar todas as atividades. demonstrar afeto, carinho e aceitação Uma

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

MELHORAMENTO GENÉTICO

MELHORAMENTO GENÉTICO MELHORAMENTO GENÉTICO Mudança do material hereditário do rebanho de forma a capacitá-lo para produzir leite, mais economicamente em um determinado ambiente. Genética é a ciência que estuda a variação e

Leia mais

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50

NEWS BRASIL SEM FRONTEIRAS ABC & ANO IV N o 04 R$ 19,50 ASSOCIAÇÃO 1 DORPER BRASIL SEM FRONTEIRAS NEWS ANO IV N o 04 R$ 19,50 9 771414 620009 0 2 ORGÃO OFICIAL DA ASSOCIAÇÃO ABC & DORPER B R A S I L BRASILEIRA DOS CRIADORES DE DORPER BIOTECNOLOGIAS REPRODUTIVAS

Leia mais

Características do Leite

Características do Leite Características do Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Você tem ninho de ovos de ouro?

Você tem ninho de ovos de ouro? Você tem ninho de ovos de ouro? Promotor L, o reforço que suas aves precisam... E seu bolso também! Benefícios com o uso do Promotor L : Diminui efeitos do estresse (calor, debicagem, etc.); Aumenta a

Leia mais

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO

UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO UM NOVO FOCO NA GESTÃO DAS CENTRAIS DE INSEMINAÇÃO No inicio da inseminação artificial (IA) no Brasil, em meados da década de 1970, os principais argumentos gerenciais dos técnicos e produtores para a

Leia mais

A descoberta da célula

A descoberta da célula A descoberta da célula O que são células? As células são a unidade fundamental da vida CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula)

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO:

NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: NORMAS TÉCNICAS REDEBLH-BR PARA BANCOS DE LEITE HUMANO: TRANSPORTE BLH-IFF/NT- 19.04 - Transporte do Leite Humano Ordenhado BLH-IFF/NT- 20.04 - Controle de Temperatura das Caixas Isotérmicas FEV 2004 BLH-IFF/NT-

Leia mais

Prova Experimental Física, Química, Biologia

Prova Experimental Física, Química, Biologia Prova Experimental Física, Química, Biologia Complete os espaços: Nomes dos estudantes: Número do Grupo: País: BRAZIL Assinaturas: A proposta deste experimento é extrair DNA de trigo germinado e, posteriormente,

Leia mais

Crescimento Microbiano

Crescimento Microbiano Crescimento Microbiano Fatores que influem no crescimento Temperatura ph Oxigênio Agitação Pressão osmótica Temperatura Para todos os microrganismos existem três temperaturas cardeais: Temperatura mínima

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA SE ADQUIRIR HÁBITOS SAUDÁVEIS Sumário Introdução... 3 1 - A importância da Água... 4 2 - Organizando a sua alimentação diária... 6 3 A eliminação... 7 4 Sugestões de óleos... 8

Leia mais

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL

ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL ALIMENTOS PARA CÃES E GATOS VISÃO GERAL Prof. Roberto de Andrade Bordin DMV, M.Sc. Setor de Nutrição e Metabolismo Animal Medicina Veterinária Universidade Anhembi Morumbi São Paulo, Brasil. Várias são

Leia mais

Características do Curso: Ementa do Curso e Conteúdo Programático: Objetivos do Curso: Recursos didáticos:

Características do Curso: Ementa do Curso e Conteúdo Programático: Objetivos do Curso: Recursos didáticos: Características do Curso: Denominação: Andrologia e Inseminação Artificial Suína Nível: Curso de Extensão Universitária Carga Horária: 80 horas (2 módulos de 40h cada) Taxa (por módulo): R$ 300,00 (estudantes)

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

treinofutebol.net treinofutebol.net

treinofutebol.net treinofutebol.net Alimentação do Desportista A alimentação pode influenciar positiva ou negativamente o rendimento dum atleta, devendo consequentemente ser orientada no sentido de não só melhorar a sua capacidade desportiva,

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE. Profª Sandra Carvalho COMPOSIÇÃO QUÍMICA DA CARNE Profª Sandra Carvalho A carne magra: 75% de água 21 a 22% de proteína 1 a 2% de gordura 1% de minerais menos de 1% de carboidratos A carne magra dos diferentes animais de abate

Leia mais

Exercícios de Reprodução Comparada

Exercícios de Reprodução Comparada Exercícios de Reprodução Comparada Material de apoio do Extensivo 1. (PUC) Os seres vivos podem reproduzir-se sexuada ou assexuadamente. Sobre este assunto, destaque a afirmativa correta: a) A reprodução

Leia mais

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima

CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima CURSO DE GASTRONOMIA Disciplina : matérias primas Conceito e Tipo de Matéria Prima Profª. Nensmorena Preza ALIMENTO Toda substância ou mistura de substâncias, no estado sólido, líquido, pastoso ou qualquer

Leia mais

Ácido Cítrico Líquido Seminal. Análise Seminal Computadorizada

Ácido Cítrico Líquido Seminal. Análise Seminal Computadorizada Ácido Cítrico Líquido Seminal O ácido cítrico é produzido pela próstata. Tem sua produção dependente da atividade hormonal e está ligado ao processo de coagulação e liquefação do esperma. Colorimétrico

Leia mais

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas

CALORIMETRIA, MUDANÇA DE FASE E TROCA DE CALOR Lista de Exercícios com Gabarito e Soluções Comentadas COLÉGIO PEDRO II PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA PROGRAMA DE RESIDÊNCIA DOCENTE RESIDENTE DOCENTE: Marcia Cristina de Souza Meneguite Lopes MATRÍCULA: P4112515 INSCRIÇÃO: PRD.FIS.0006/15

Leia mais

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas.

1.1 Revisão de tópicos da morfologia e fisiologia do sistema genital feminino, sob o aspecto clínico nas diferentes espécies domésticas. PROGRAMA PARA O CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DAS VAGAS PARA O CARGO DE PROFESSOR ADJUNTO, EDITAL Nº 764, DE 23 DE NOVEMBRO DE 2015, NA ÁREA DE REPRODUÇÃO ANIMAL 1) FÊMEA - PARTE TEÓRICA: 1.1 Revisão

Leia mais

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal

fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal fmvz-unesp FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - BOTUCATU Curso de Pós-Graduação em Zootecnia Nutrição e Produção Animal SISTEMA DE PRODUÇÃO X QUALIDADE DA CARNE OVINA Raquel Abdallah da Rocha

Leia mais

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista

Nutrição. tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º. Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista A Enfermagem e o Serviço de Nutrição e Dietética tica (SND) Disciplina:Nutrição para Enfermagem Curso: Enfermagem Semestre: 4º Profa. Dra. Andréia Madruga de Oliveira Nutricionista 1 A enfermagem e o Serviço

Leia mais

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca

2011 Evialis. Todos os direitos reservados uma marca Comprometida com a busca constante por soluções e inovações tecnológicas em nutrição animal que melhorem produção e rentabilidade nas produções rurais, a Socil anuncia uma grande novidade. uma marca A

Leia mais

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS

ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS ASPECTOS PECULIARES DA INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL EM OVINOS Bicudo, S.D.*; Azevedo, H.C.; Silva Maia, M.S.; Sousa, D.B.; Rodello, L. DRARV - FMVZ UNESP Botucatu - *sony@fmvz.unesp.br Características reprodutivas

Leia mais

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano

Rota de Aprendizagem 2015/16 5.º Ano Projeto 1 Onde existe Vida? Tempo Previsto: 4 quinzenas (do 1ºPeríodo) Ciências Naturais A ÁGUA, O AR, AS ROCHAS E O SOLO MATERIAIS TERRESTRES 1.ª Fase: Terra um planeta com vida 2.ª Fase: A importância

Leia mais

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica

Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Obtenção de extrato de tomate em pó por diferentes processos: trocador de calor e concentrador a vácuo por coluna barométrica Maria Silveira COSTA 1 ; Lourayne de Paula Faria MACHADO 2 ; Rogério Amaro

Leia mais

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. "Seu resultado é o nosso compromisso." EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com.

PROGRAMA NUTRICIONAL PARA SUÍNOS. Seu resultado é o nosso compromisso. EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL. www.guabi.com. PROGRAMA NUTRICIONAL "Seu resultado é o nosso compromisso." PARA SUÍNOS EXCELÊNCIA EM NUTRIÇÃO ANIMAL www.guabi.com.br 0800 16 90 90 s para as fases de Maternidade e Creche A linha Nutriserviços para nutrição

Leia mais

O impacto do touro no rebanho de cria

O impacto do touro no rebanho de cria Algumas contas simples podem constatar que o touro de cria é um fator de produção de extrema relevância A realidade de mercado atual exige do pecuarista competência para se manter no negócio, e visão estratégica

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

VITRIFICAÇÃO DE SÊMEN SUÍNO

VITRIFICAÇÃO DE SÊMEN SUÍNO I Mostra de Iniciação Científica I MIC 30/09 e 01/10 de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA MEDICINA VETERINÁRIA VITRIFICAÇÃO

Leia mais

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por

RESUMO O iogurte propriamente dito só foi conhecido na Europa em meados do século XVI, por ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA CURSO DE FABRICAÇÃO DE IOGURTE Apresentador 1 Rodis, Caroline Inglês Apresentador 2 Gadens, Andressa Autor 3 Tedrus, Guilherme de Almeida Souza Autor 4 Ameida, Flávia Caroline

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA.

APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. APLICAÇÃO DE EXTRATO DE AÇAÍ NO ENSINO DE QUÍMICA. Deangelis Damasceno 1,3 ; Juliana Correa de Oliveira 1;3 ; Pollyana Godoy Pinto 1;3 ; Geralda G. Lemes 2,3 ; Vanessa Carneiro Leite 2,3 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer:

Confira a lista dos 25 melhores alimentos para emagrecer: Emagrecer nem sempre é uma das tarefas mais simples. A fórmula parece simples (dieta + exercício + descanso) porém diferentes pessoas precisam de diferentes soluções. Uma coisa é certa: qualquer ajuda

Leia mais

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF

ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 1 ZAP Zambezia Agro Pecuaria Lda - Mozambique DESENVOLVIMENTO DE GADO LEITEIRO GIROLANDA FERTILIZACAO IN VITRO IVF 2 Capitulo 1 - Parceiros e Principal Fornecedor. Parceiros do projeto In Vitro Brasil

Leia mais

PORTARIA N.º 228, DE 25 DE OUTUBRO DE 1988

PORTARIA N.º 228, DE 25 DE OUTUBRO DE 1988 PORTARIA N.º 228, DE 25 DE OUTUBRO DE 1988 O Ministro de Estado de Agricultura, no uso de suas atribuições, considerando proposições da Secretaria Nacional de Defesa Agropecuária, RESOLVE: I Aprovar as

Leia mais

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES

PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES PROCESSO DE CRIAÇÃO DAS AVES DE POSTURA EMBRAPA SUÍNOS E AVES Pablo Zotti AMADOR 1 ; Maribel Barbosa da CUNHA 2 1 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC; 2 Instituto Federal Catarinense, Concórdia/SC

Leia mais

Exame Andrológico em Cães

Exame Andrológico em Cães Exame Andrológico em Cães ProfªIsabel Candia Nunes da Cunha UENF Indicações Compra ou venda de reprodutores Seleção de doadores para o uso em IA Diagnóstico de patologias do sistema genital masculino Histórico

Leia mais

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS

TECNOLOGIA DE ALIMENTOS TECNOLOGIA DE ALIMENTOS NUTRIÇÃO UNIC Profª Andressa Menegaz Conservação por irradiação A irradiação pode servir para: -destruir os microrganismos; -retardar a germinação de certos legumes; -destruir os

Leia mais

A PRODUCAO LEITEIRA NOS

A PRODUCAO LEITEIRA NOS A PRODUCAO LEITEIRA NOS ESTADOS UNIDOS Estatisticas A produção leiteira durante Janeiro de 2012 superou os 7 bilhões de kg, 3.7% acima de Janeiro de 2011. A produção por vaca foi em media 842 kg em Janeiro,

Leia mais

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS

MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS MANEJO REPRODUTIVO DE CAPRINOS E OVINOS Prof. Dr. Jurandir Ferreira da Cruz Eng. Agr. Rita de Cássia Nunes Ferraz Introdução A eficiência da produção de um rebanho está diretamente relacionada com o número

Leia mais

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H +

Sistema tampão. Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Sistema tampão Um sistema tampão é constituído por um ácido fraco e sua base conjugada HA A - + H + Quando se adiciona um ácido forte na solução de ácido fraco HX X - + H + HA A - H + X - H + H + HA A

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS ROLIM DE MOURA CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA PLANO DE AULA 01. DADOS PROFESSOR: EVELYN RABELO ANDRADE ÁREA / DISCIPLINA: BIOTECNOLOGIA DA REPRODUÇÃO (VET30066) UNIDADE: ROLIM DE MOURA CARGA HORÁRIA SEMESTRAL: 80 HORAS CARGA HORÁRIA SEMANAL: 4 HORAS

Leia mais

ESPERMOGRAMA. Ângela Maria A. Silva Madureira

ESPERMOGRAMA. Ângela Maria A. Silva Madureira ESPERMOGRAMA Ângela Maria A. Silva Madureira 85 ESPERMOGRAMA Fundamenta-se na analise qualito-quantitativa de um plasma seminal, a fim de que seja possível elucidar se um caso de esterilidade ocorre ou

Leia mais

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes.

1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Membrana Plasmática 1- Considere as características das células A, B e C da tabela: ela indica a presença (+) ou ausência (- ) de alguns componentes. Componentes celulares Célula A Célula B Célula C Membrana

Leia mais

Nesse sistema de aquecimento,

Nesse sistema de aquecimento, Enem 2007 1- Ao beber uma solução de glicose (C 6 H 12 O 6 ), um corta-cana ingere uma substância: (A) que, ao ser degradada pelo organismo, produz energia que pode ser usada para movimentar o corpo. (B)

Leia mais

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM

AMOSTRAGEM AMOSTRAGEM Procedimento pré-estabelecido para seleção, retirada, preservação, transporte e preparação das porções a serem removidas do lote como amostras, de uma maneira tal que o tratamento matemático dos testes

Leia mais

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado

Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado IP/03/1022 Bruxelas, 16 de Julho de 2003 Comissão apresenta proposta sobre alegações nutricionais e de saúde para informar melhor os consumidores e harmonizar o mercado A Comissão Europeia adoptou hoje

Leia mais

Curso superior em Agronomia GESA- Grupo de estudo em solos agrícolas Absorção de nutrientes e Fotossíntese Bambuí-MG 2009 Alunas: Erica Marques Júlia Maluf É o processo pelo qual a planta sintetiza compostos

Leia mais

MICROSCOPIA. 1665 Robert Hooke, obra: Micrographia; Denominação células.

MICROSCOPIA. 1665 Robert Hooke, obra: Micrographia; Denominação células. CITOLOGIA Instituto Dom Fernando Gomes Professora: Cristiane Fontes Santos Graduação: Ciências Biológicas Lic. pela Universidade Federal de Sergipe Pós-graduação: Gestão em Saúde UFS E-mail: cfsfontes@hotmail.com

Leia mais

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br

INCUBAÇÃO ARTIFICIAL. Alexandre Pires Rosa. alexandreprosa@smail.ufsm.br. Elenice Zucuni Franco. elenicefranco@mail.ufsm.br INCUBAÇÃO ARTIFICIAL alexandreprosa@smail.ufsm.br Elenice Zucuni Franco elenicefranco@mail.ufsm.br QUALIDADE DA CASCA Segurança Considerações iniciais CUIDADOS NA INCUBAÇÃO ARTIFICIAL NA ARMAZENAGEM Posição:

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde.

SABOR. NUMEROSem. Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. SABOR Fonte: Tabela Brasileira de Composição de Alimentos do Ministério da Saúde. Conteúdo produzido pela equipe de Comunicação e Marketing do Portal Unimed e aprovado pelo coordenador técnico-científico:

Leia mais

ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS. Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de

ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS. Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de ERVAS AROMATIZANTES: BRINCANDO COM OS SENTIDOS Paula Fernanda da Silva¹; Evanoel Fernandes Nunes 2 ; Giulianna Paiva Viana de Andrade Souza 3. 1,2 Licenciandos em Ciências Biológicas e Bolsistas do PIBID/BIOLOGIA/UFRN;

Leia mais

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET.

A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. A1-206 Avaliação da qualidade fisiológica de sementes de milho variedade (Zea mays) armazenadas em garrafas PET. Previero, Conceição Aparecida, CEULP/ULBRA, conceicaopreviero@gmail.com, Moraes, Eriel Dantas

Leia mais

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006.

Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. Aspectos do biomonitoramento da toxicidade perinatal pelos agroquímicos Vera Lúcia de Castro Jaguariúna, 2006. A contaminação ambiental por agroquímicos pode causar efeitos negativos aos recursos naturais

Leia mais

VALOR NUTRITIVO DA CARNE

VALOR NUTRITIVO DA CARNE VALOR NUTRITIVO DA CARNE Os alimentos são consumidos não só por saciarem a fome e proporcionarem momentos agradáveis à mesa de refeição mas, sobretudo, por fornecerem os nutrientes necessários à manutenção

Leia mais

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses

Exercícios de Monera e Principais Bacterioses Exercícios de Monera e Principais Bacterioses 1. (Fuvest) O organismo A é um parasita intracelular constituído por uma cápsula protéica que envolve a molécula de ácido nucléico. O organismo B tem uma membrana

Leia mais

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante.

Palavras-chave: Beterraba, Betalaínas, Atividade antioxidante. Cultivando o Saber 195 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 Avaliação do potencial antioxidante do extrato obtido a partir da beterraba

Leia mais

Ácido cítrico, líquido seminal. Análise seminal computadorizada. Instituto Hermes Pardini - Líquido Seminal 1

Ácido cítrico, líquido seminal. Análise seminal computadorizada. Instituto Hermes Pardini - Líquido Seminal 1 Ácido cítrico, líquido seminal O ácido cítrico é produzido pela próstata. Tem sua produção dependente da atividade hormonal e está ligado ao processo de coagulação e liquefação do esperma. Níveis baixos

Leia mais

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I

Qualidade e valor nutricional da carne de coelho. Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Qualidade e valor nutricional da carne de coelho Óscar Cerqueira Nutricionista ACES Douro I Vila Real, 25 de Novembro de 2011 Proteínas Funções das proteínas. Aminoácidos; aminoácidos essenciais. Valor

Leia mais

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação

Qualidade de Vegetais Congelados. Novas Técnicas de Avaliação . Novas Técnicas de Avaliação Elsa Gonçalves Ano 2003 Objectivos Revisão crítica do estado de conhecimento sobre: A influência do processo de congelação na qualidade dos produtos vegetais; Novas técnicas

Leia mais

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa)

Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Escola Secundária Francisco Franco Técnicas Laboratoriais de Biologia Bloco I Observação de células da epiderme do bolbo da cebola (allium cepa) Relatório elaborado: Eduardo Freitas Nº5 12º6 Funchal, 29

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Água e Solução Tampão

Água e Solução Tampão União de Ensino Superior de Campina Grande Faculdade de Campina Grande FAC-CG Curso de Fisioterapia Água e Solução Tampão Prof. Dra. Narlize Silva Lira Cavalcante Fevereiro /2015 Água A água é a substância

Leia mais

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores;

* Substituir o animal vertebrado por um invertebrado ou outra forma de vida inferior, culturas de tecidos/células a simulações em computadores; PESQUISAS COM ANIMAIS VERTEBRADOS As regras a seguir foram desenvolvidas baseadas em regulamentações internacionais para ajudar aos alunos pesquisadores a proteger o bem-estar de ambos, o animal pesquisado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Data: Agosto/2003 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE E VALOR NUTRICIONAL DE ÓLEOS E GORDURAS Óleos e gorduras são constituintes naturais dos ingredientes grãos usados nas formulações de rações para animais. Podem

Leia mais

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS

CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS MICRORGANISMOS Características fisiológicas das bactérias Oxigênio Temperatura Água Concentração hidrogênionica do meio (ph) Oxigênio Temperatura ambiental Grupo Temp. Temp.

Leia mais

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa

Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa. Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Comitê de Ética no Uso de Animais (CEUA) Protocolo de Pesquisa Protocolo nº: (uso da CEUA) Data de Entrega / / (uso da CEUA) Título do Projeto Pesquisador-chefe Departamento Unidade Acadêmica - - - - -

Leia mais