Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural"

Transcrição

1 17nov 2015 Diálogo Brasil Estados Unidos: o caso do seguro rural Por Fernanda Schwantes* 1. Apresentação O setor agropecuário está exposto a diferentes elementos de risco, provenientes de fatores climáticos, biológicos e de variações de preços dos produtos, dos insumos e da taxa de câmbio. A mitigação desses riscos torna evidente a necessidade de políticas específicas para o setor e a adoção de mecanismos de gerenciamento de riscos nas propriedades rurais. É nesse contexto que se inserem a política de sustentação de preços e a política de seguro agrícola. *Fernanda Schwantes é Assessora Técnica do Núcleo Econômico/ Superintendência Técnica da CNA. Doutora em Economia Aplicada pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz/Universidade de São Paulo O seguro agrícola contribui para a estabilização financeira dos produtores rurais, pois, em caso de redução de produtividade em uma safra, o produtor não compromete o seu patrimônio para fazer o pagamento dos recursos tomados para o custeio da safra. O seguro minimiza também a pressão por socorro governamental após a ocorrência do sinistro e permite ao produtor rural não reduzir seu pacote tecnológico nas safras subsequentes, em decorrência de sua descapitalização. O gerenciamento de riscos na agropecuária tem sido discutido como o pilar principal de uma nova lei agrícola no Brasil. Como as maiores economias agrícolas do mundo construíram (ao longo de décadas) uma estrutura de seguro abrangente, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) tem procurado conhecer a fundo essas experiências, com o objetivo de aprimorar os mecanismos já existentes e demandar novos produtos de seguros, capazes de garantir a estabilidade das propriedades rurais e da produção agropecuária de uma das maiores economias agrícolas do mundo. Assim, no dia 15 de outubro de 2015, a CNA promoveu, em conjunto com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), o evento Diálogo Brasil-Estados Unidos, cujo objetivo foi apresentar aos agentes do mercado de seguros agropecuários do Brasil (produtores, associações representantes do setor e companhias seguradoras) o modelo de seguro agrícola norte-americano. A partir dessa referência de experiência bem-sucedida de proteção aos produtores, discutiu-se com os agentes internos desse mercado refinamentos no modelo brasileiro que permitam ampliar a utilização desse instrumento de gerenciamento de riscos pelos produtores. Este artigo tem como escopo estabelecer um paralelo entre a experiência de seguros agropecuários no Brasil e a experiência norte-americana, com base no evento realizado na CNA no dia 15 de outubro de 2015 e em estudos diretamente relacionados ao tema. Durante o evento, a experiência norte-americana foi relatada pelo diretor da Agência de Gestão de Risco dos Estados Unidos (Risk Management Agency RMA/USDA), Brandon Willis, e pelo atuário da RMA, Thomas Worth. A apresentação do modelo de seguro adotado no Brasil e da evolução histórica do seguro agrícola no país foi feita pelo Secretário

2 de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), André Nassar, e pelo Diretor do Departamento de Crédito, Recursos e Riscos do Mapa, Vitor Ozaki. 2. O mercado de seguros agropecuários no Brasil A temática que envolve o seguro rural no Brasil começou a ser debatida em 1948, quando tramitou no Senado Federal um projeto de lei, que, em parte, viria a se transformar na Lei 2.168/1954. Este diploma legal estabeleceu as bases para a implantação do seguro agrícola no Brasil (OZAKI, 2005, p. 54), autorizando a criação da Companhia Nacional de Seguro Agrícola (CNSA) e instituindo o Fundo de Estabilidade de Seguro Agrário. A CNSA foi designada a desenvolver progressivamente operações de seguros agropecuários, ao passo que o fundo tinha a fi nalidade de garantir a estabilidade das operações, atender à cobertura suplementar dos riscos de catástrofe e permitir o gradual ajustamento das tarifas de prêmios. A administração dos recursos fi cava a cargo do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB). O Decreto /1954 regulamentou as operações de seguro rural no Brasil e conferiu à CNSA a responsabilidade pela sua execução. A CNSA realizou operações por 13 anos, interrompendo suas atividades em 1966, pelo Decreto-Lei 73, art A experiência pouco exitosa do seguro rural no Brasil nesse período deveu-se à centralização das decisões da CNSA na cidade do Rio de Janeiro e ausência de um programa de seguro agrícola que considerasse as particularidades regionais (OZAKI, 2005, p ). Por meio do Decreto-Lei 73/1966, foi instituído o Sistema Nacional de Seguros Privados, constituído pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP), pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), pelo Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), pelas sociedades autorizadas a operar em seguros privados e pelos corretores habilitados. O Decreto-Lei 73/1966 criou, ainda, o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural (FESR), com a fi nalidade de garantir a estabilidade das operações e atender à cobertura suplementar dos riscos de catástrofe, e atrelou o seguro rural às operações de fi nanciamento das instituições ligadas ao Sistema Nacional de Crédito Rural (SNCR). Em 1973, por meio da Lei 5.969, foi criado o Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro), mas as operações só foram iniciadas em janeiro de Esse programa surgiu como um seguro de crédito, pois a sua contratação limitava-se aos benefi ciários do crédito rural. A contratação do seguro tornou-se obrigatória para os mutuários das operações de crédito agrícola ou pecuário pela Resolução 548, de 1979, permanecendo facultativa no caso do crédito de investimento. A administração do Proagro fi cou a cargo do Banco Central do Brasil, que tinha como principais atribuições a formulação e o aperfeiçoamento das normas, a fi scalização, a movimentação dos recursos e a análise dos pedidos de reconsideração. As instituições fi nanceiras autorizadas a operar com crédito rural intermediavam a transação entre o Banco Central e os mutuários (produtores e suas cooperativas). Os órgãos de fi scalização fi liados à Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural (Embrater) eram responsáveis pela realização dos laudos de inspeção (OZAKI, 2005, p. 73). Entre as receitas do Proagro, estavam as dotações do Orçamento da União, para cobertura de défi cits que eventualmente viessem a ocorrer. Até 1988, as dívidas do programa eram quitadas pelo Banco Central, que era ressarcido pelo Tesouro Nacional ao fi nal de cada exercício fi nanceiro, e, posteriormente, os adicionais recolhidos eram revertidos à conta do Tesouro. Com a Constituição de 1988, o Banco Central foi impedido de conceder empréstimos ao Tesouro Nacional e a qualquer órgão ou entidade que não fosse instituição fi nanceira (art. 164). Em 1989, o Banco Central parou de efetuar os ressarcimentos 2

3 das indenizações requeridas e, em 1990, o Banco do Brasil suspendeu as indenizações aos benefi ciados. Do início das suas operações até 1993, o Proagro acumulou défi cit de US$ 1,6 bilhão, tendo sido marcado, nessa primeira fase, pelos atrasos e pelo não pagamento dos débitos pendentes, por defi ciências técnico-operacionais e pela ocorrência de fraudes (OZAKI, 2005). A Lei 8.171/1991, conhecida como Lei Agrícola, introduziu mudanças importantes no Proagro, tratadas no Capítulo 16. O Banco Central foi mantido como responsável pela administração do programa e elaboração de normas, com a participação do Conselho Nacional de Política Agrícola (CNPA). Essas normas estavam sujeitas à aprovação do Conselho Monetário Nacional. Pela mesma lei, as instituições fi nanceiras foram consideradas agentes do programa e responsáveis pela apuração das perdas e pagamento das indenizações. O acompanhamento e avaliação do programa nos anos subsequentes fi caram a cargo do Comitê Permanente e a análise dos recursos relativos à apuração de danos foi atribuída à Comissão Especial de Recursos (CER). Entre 1995 e 1996, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em parceria com instituições de ensino e pesquisa, implantou o Projeto de Redução de Riscos Climáticos na Agricultura, que culminou no zoneamento agrícola. O zoneamento baseia-se no estabelecimento, por município, de períodos adequados de plantio por espécie, tipo de solo e ciclo da cultivar, que devem ser seguidos pelo agricultor visando minimizar as perdas decorrentes de adversidades climáticas (BUAINAIN; VIEIRA, 2011, p. 47). O Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) recebe revisão anual e é publicado por meio de portarias no Diário Ofi cial da União e no portal do MAPA. Atualmente, o Zarc contempla 40 culturas, 15 de ciclo anual e 24 culturas permanentes, e os estudos estão disponíveis para 24 unidades federativas. Em 1997, o Proagro passou a diferenciar os produtores segundo o fato de estarem ou não enquadrados no zoneamento agrícola, cobrando adicionais (prêmio pago pelo produtor, incidente sobre o valor nominal do orçamento do empreendimento enquadrado) diferenciados dos produtores que respeitassem o cronograma de plantio por município e cultura. Atualmente, a contratação do Proagro é obrigatória apenas para tomadores de crédito rural amparados pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), conforme previsto no Manual de Crédito Rural (MCR). As principais diferenças entre o Proagro e o seguro agrícola estão apresentadas no Quadro 1. Características Seguro Agrícola Proagro Regulação e operação Valor Segurado Riscos Cobertos Comprovação de sinistro Indenização Pagamento É regulamentado pela Superintendência de Seguros Privados (Susep), o órgão responsável pelo controle e fi scalização dos mercados de seguro e resseguro, e operado por companhias seguradoras. Pode ser o valor fi nanciado ou valores acima do recurso de custeio, incluindo recursos próprios. Excesso de chuvas, geada, granizo, incêndio, raio, seca, tromba d água, ventos fortes e frios, variação excessiva de temperatura. São realizadas vistorias juntamente com o segurado, que assina o laudo se aprová-lo. O produtor é indenizado de acordo com o percentual contratado na apólice. Realizado após o recebimento da documentação completa. Quadro 1 Principais diferenças entre o seguro agrícola e o Proagro Fonte: Adaptado de Ozaki (2005). É administrado pelo Banco Central e operado por instituições fi nanceiras autorizadas a operar em crédito rural. Valor segurado constitui-se do valor fi nanciado e de recursos próprios do benefi ciário, utilizados em custeio rural. Chuva excessiva, geada, granizo, seca, variação excessiva de temperatura, ventos fortes, ventos frios, doença ou praga sem método difundido de combate, dependendo da cultura e do zoneamento agrícola. O benefi ciário comunica o sinistro ao agente do programa, responsável pela solicitação de perícia e posterior análise do pedido. O produtor é indenizado em até 100% do limite de cobertura do programa. O pagamento é realizado somente no fi nal da colheita, após a liberação do Banco Central. 3

4 2.1. O Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) A Lei /2003 criou o Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) 1, autorizando o Poder Executivo a conceder subvenção econômica em percentual ou valor do prêmio do seguro rural, desde que o seguro seja contratado com sociedades autorizadas a operar em seguros pela Susep. Segundo Almeida (2007) e Ramos (2009), essa medida estabeleceu as bases para o início da massifi cação do seguro rural, pois reduziu o preço do seguro pago pelos produtores rurais. Nesse programa, o Mapa divulga, por meio do Plano Agrícola e Pecuário, os percentuais de subvenção por tipo de cultura e por regiões (prioritárias ou não) e o limite de subvenção por benefi ciário. Esses valores são defi nidos no âmbito do Comitê Gestor do Seguro Rural (CGSR), que é composto por um representante do Mapa, que o preside, um representante da Secretaria de Política Agrícola do Mapa, um representante do Ministério da Fazenda, um representante da Secretaria do Tesouro Nacional, um representante do Ministério do Desenvolvimento Agrário, um representante do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, um representante da Superintendência de Seguros Privados. Para concorrer à subvenção, o produtor rural negocia a apólice com uma seguradora habilitada pelo Mapa e recebe desconto no valor do prêmio em montante igual à subvenção. A seguradora submete a apólice ao Sistema de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural do Mapa (SISSER) e a proposta, sendo classifi cada, recebe a subvenção do Mapa. Os resultados do PSR estão apresentados na Tabela 1. Tabela 1 Evolução do Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural (PSR) Ano Importância segurada (R$) Área segurada (hectares) Apólices contratadas (unidades) Produtores atendidos Prêmio de seguro (R$) Subvenção (R$) nd Fonte: Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2015) Modelo de Negociação Coletiva do Seguro Rural Em 2015, um modelo de negociação coletiva foi utilizado de forma experimental pelo Mapa para a cultura da soja. Foram disponibilizados R$ 30 milhões de subvenção ao prêmio de seguro rural, distribuídos para o atendimento de até doze listas (carteiras) de produtores, geridas por entidades representativas de classe, no valor de R$ 2,5 milhões cada. Para concorrer à subvenção no modelo de negociação coletiva do seguro rural, as entidades representativas de classes encaminharam ao Mapa listas de produtores candidatos 1 A Lei /2003 foi regulamentada pelo Decreto 5.121/2004, defi nindo os benefi ciários do PSR, as competências do Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural (CGSR), entre outras providências. 4

5 à subvenção ao prêmio do seguro rural (carteira de produtores), atendendo, pelo menos, um dos critérios abaixo: a. Contemplar 500 registros de benefi ciários (CPF/CNPJ, sem repeti-los); b. Amparar hectares. A ordem de classifi cação das listas considerou os seguintes aspectos: a. Número de benefi ciários da lista em relação a todos os potenciais benefi ciários; b. Área da lista a ser amparada em relação a área total recebida para potencial subvenção; c. Coefi ciente de variação da produtividade ao longo dos últimos cinco anos em relação ao coefi ciente de produtividade do universo de listas; d. Número de anos em que a produtividade foi informada, sendo necessário que cada potencial benefi ciário informasse no mínimo dois anos de produtividade. Esses fatores foram ponderados, compondo um índice de classifi cação. Foram classifi - cadas nove listas e as demais automaticamente eliminadas do processo seletivo. Após o envio das apólices pelas seguradoras, seis listas tiveram as apólices validadas pelo Mapa, totalizando apólices aprovadas para o recebimento da subvenção no modelo de negociação coletiva 2. Produtores que já haviam contratado uma apólice de seguro para o ano-safra 2015/2016 puderam concorrer no modelo de negociação coletiva, desde que a seguradora com a qual o seguro foi contrato abrisse a possibilidade de estornar parte do prêmio caso o produtor fosse contemplado pela subvenção. 3. O mercado de seguros agropecuários nos Estados Unidos Em 1938, a Companhia Federal de Seguro Agrícola (Federal Crop Insurance Corporation FCIC), ligada ao Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) foi criada, oferecendo cobertura de seguro a poucos produtos. Nos primeiros anos de operação da Companhia, o índice de sinistralidade (relação entre o montante de indenizações pagas e o total de prêmios arrecadados) foi elevado e a área coberta pelo seguro, bastante reduzida. Em 1974, apenas 7,5% da área colhida e 2,9% do valor total da produção norte-americana estavam seguradas (OZAKI, 2005, p. 14). Em 1980, a Lei Federal do Seguro Agrícola (Federal Crop Insurance Act) garantiu que o Programa de Seguro Agrícola de Riscos Múltiplos (Multiple Peril Crop Insurance MPCI) seria a principal forma de proteção contra desastres. Para incentivar a participação do setor produtivo agropecuário foi elevado o subsídio ao prêmio do seguro para, no mínimo, 30% do valor do prêmio para os níveis de cobertura de produtividade de 50% e 65% (OZAKI, 2005, p. 15). Houve, porém, baixa adesão dos produtores e o desempenho do MPCI foi pouco satisfatório. Segundo Ozaki (2005, p ), de 1981 a 1994, o programa apresentou défi cits consideráveis. O índice médio de sinistralidade do período fi cou em 1,41 e, apenas em 1994, foi menor que um. As indenizações pagas superaram o total de prêmios arrecadados em US$ 3,3 bilhões. [...] A taxa de participação aumentou lentamente: de 10%, em 1980, para 38% em Havia a obrigatoriedade de adesão ao MPCI para os benefi ciários do programa de assistência desastre, um programa governamental de ajuda aos produtores que fossem atingidos por um evento climático generalizado (OZAKI, 2005, p. 18). Em 1994, a Lei de Reforma do Seguro Agrícola (Federal Crop Insurance Reform Act) trouxe novas mudanças: 2 5

6 a. Permitiu que o nível de cobertura variasse entre 50% e 75%, em múltiplos de 5%; b. Criou um programa de apoio para culturas não cobertas pelo seguro (Non-Insured Assistance Program NAP); c. Tornou obrigatória a participação no MPCI dos produtores interessados em se benefi ciar de outros programas agrícolas governamentais; d. Introduziu a cobertura catastrófi ca (Catastrophic Coverage Level CAT) como o nível de cobertura mínima do MPCI; e. Elevou o percentual de subsídio ao prêmio do seguro agrícola. Em 2000, uma nova reforma foi conduzida, elevando ainda mais o percentual de subsídio ao prêmio de seguro e incentivando o desenvolvimento de produtos de seguro privado. Atualmente, o programa de seguro norte-americano está disponível para aproximadamente 130 culturas, principalmente commodities e culturas especiais e é bastante limitado para a pecuária. Os níveis de cobertura variam de 50% a 85%. Os produtos de seguro cobrem produtividade, faturamento, toda a fazenda e há o seguro de índice, sendo que o seguro de faturamento é o preferido pelos produtores norte-americanos (cobertura para perdas individuais e proteção para o risco de oscilações desfavoráveis de preços). Em 2014, aproximadamente 75% do montante arrecadado em prêmio de seguro agrícola era proveniente do seguro de faturamento. Os eventos cobertos pelo seguro são condições climáticas adversas, fogo, insetos, doenças, terremoto, erupção vulcânica e falhas na oferta de água para irrigação. A estrutura organizacional do mercado de seguros agropecuários nos Estados Unidos está representado na Figura 1. Figura 1 Estrutura do programa de seguro agrícola norte-americano Fonte: United States Department of Agriculture USDA (2015). A Agência de Gerenciamento de Risco (RMA/USDA) é responsável pela criação de políticas de seguro, pela defi nição das taxas de prêmio do seguro e pela supervisão das companhias seguradoras privadas. As companhias seguradoras privadas são os ofertadores dos produtos de seguro aprovados pela RMA (para 2016, estão aprovadas 17 seguradoras nos Estados Unidos). As companhias seguradoras aprovadas são obrigadas 6

7 a cumprir o acordo de resseguro, que trata das despesas administrativas e operacionais, dos termos de resseguro e da observância e controle dos requisitos de qualidade. 4. Conclusões Embora o seguro agrícola seja um dos principais instrumentos para a redução dos riscos inerentes à atividade agropecuária e para os possíveis efeitos alocativos e distributivos 3 caso esses riscos se concretizem em perdas efetivas, existem poucos sistemas de seguro utilizados em larga escala no mundo. Os Estados Unidos tem hoje uma política de seguros bastante abrangente (cerca de 90% da área coberta por seguro), resultado de demorado processo de aprimoramento. No Brasil, o seguro cobre aproximadamente 10% da área utilizada com agricultura e as 119 mil apólices contratadas em 2014 cobriram o equivalente a 4,1% do valor bruto da produção agropecuária. Nos países em que o seguro rural é utilizado de forma massifi cada, como nos Estados Unidos, o setor público tem papel fundamental no desenvolvimento do mercado. No Brasil, o Programa de Subvenção ao Prêmio de Seguro Rural (PSR), iniciado em 2003, permitiu o aumento da utilização desse instrumento de política agrícola, ao reduzir o preço pago pelos produtores rurais. No entanto, a liberação dos recursos previstos para a subvenção tem apresentado problemas desde Em 2015, do montante previsto de R$ 700 milhões para a subvenção ao prêmio de seguro rural, restaram R$ 316,7 milhões, após a liquidação de dívidas com as seguradoras de 2014 e de cortes orçamentários. Nos Estados Unidos, está previsto na Farm Bill , recursos da ordem de US$ 39 bilhões para o seguro agrícola; em média, US$ 7,8 bilhões por ano. A despeito das diferenças signifi cativas no volume alocado de recursos no Brasil e nos Estados Unidos para o seguro agrícola, o conhecimento do funcionamento do mercado de seguros americano e as difi culdades enfrentadas para a construção desse modelo pode acelerar o processo de ampliação e consolidação dessa política no Brasil, em especial em um momento em que os mecanismos de gerenciamento de riscos da produção tem sido o foco da construção de uma nova lei agrícola no país. Referências Almeida, S. W. Massifi cação das operações do seguro rural: o grande desafi o brasileiro. Revista de Política Agrícola, n. 4, p , BUAINAIN, A. M.; VIEIRA, P. A. Seguro agrícola no Brasil: desafi os e potencialidades. Revista Brasileira de Risco e Seguro, v. 7, n. 13, p , Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. OZAKI, V. A. Métodos atuariais aplicados à determinação da taxa de prêmio de contratos de seguro agrícola: um estudo de caso f. Tese (Doutorado em Ciências, Área de Concentração: Economia Aplicada) Universidade de São Paulo, Piracicaba, São Paulo, RAMOS, R. C. O seguro rural no Brasil: origem, evolução e proposições para aperfeiçoamento. Informações Econômicas, v. 39, n. 3, Efeitos alocativos e distributivos: impactos sobre o endividamento do setor, variações no emprego, reduções no nível de atividade do setor e de setores correlatos, nos quais o setor agropecuário é consumidor ou fornecedor. 7

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008

P R O A G R O. Programa de Garantia da Atividade Agropecuária. Deoclécio Pereira de Souza. Rio Branco (AC) 22-07-2008 P R O A G R O Programa de Garantia da Atividade Agropecuária Deoclécio Pereira de Souza Rio Branco (AC) 22-07-2008 1 1.a S E G U R O A - M U N D O ANO > 1347 LOCAL > GÊNOVA - Itália FATO > 1º CONTRATO

Leia mais

Mesa Redonda Agrícola

Mesa Redonda Agrícola Mesa Redonda Agrícola Dia 14/04 das 14 às 16h Wady J. M. Cury 14 e 15 de Abril de 2015 ÍNDICE Princípios do Seguro MUTUALISMO... É um dos princípios fundamentais que constitui a base de todas as operações

Leia mais

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural

Fundo de Catástrofe do Seguro Rural Fundo de Catástrofe do Seguro Rural O Presidente da República submete hoje à apreciação do Congresso Nacional Projeto de Lei Complementar autorizando a constituição do Fundo de Catástrofe do Seguro Rural.

Leia mais

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos. Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Síntese dos desafios do seguro rural no Brasil: onde falhamos e até onde avançamos Vitor Ozaki Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz ONDE FALHAMOS? SÍNTESE HISTÓRICA - Criação da Federal Crop

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS ORIENTAÇÕES SOBRE SEGURO, PROAGRO E RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS Por: Maria Silvia C. Digiovani, engenheira agrônoma do DTE/FAEP,Tânia Moreira, economista do DTR/FAEP e Pedro Loyola, economista e Coordenador

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA

SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE SEGURO DE EMERGÊNCIA E SEGURO AGRÍCOLA Porto Alegre - Brasil 29 de junho a 2 de julho de 2005 O IRB-BRASIL RE COMO RESSEGURADOR E GESTOR DO FUNDO DE ESTABILIDADE DO SEGURO

Leia mais

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb

RESSEGURO DO PROAGRO. Eng Agr Angelo Gemignani Sb RESSEGURO DO PROAGRO Eng Agr Angelo Gemignani Sb CRÉDITO RURAL Institucionalizado em 1965 através da Lei n 4.829, de 5-11-65 SEGURO RURAL Institucionalizado em 1966 através do Decreto-Lei n 73, de 21-11-66

Leia mais

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia

Política Agrícola e Comércio Internacional. Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Política Agrícola e Comércio Internacional Acadêmicos: Aline Clarice Celmar Marcos Micheli Virginia Introdução O seguro agrícola é um dos instrumentos da política agrícola mais eficaz utilizado para minimizar

Leia mais

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10

CAPÍTULO : Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO : Proagro Mais - A partir de 1º/1/2015-10 TÍTULO : CRÉDITO RURAL TÍTULO : CRÉDITO RURAL 1 CAPÍTULO: Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) - 16 SEÇÃO: Proagro Mais - Safras a partir de 1º/7/2011-10 CAPÍTULO : Programa de Garantia

Leia mais

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10

Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz - 10/09/10 Reunião Câmara Setorial Cadeia Produtiva do Arroz Brasília/DF - 10/09/10 Dados da Seguradora Aliança a do Brasil Seguro Agrícola Riscos Cobertos Tromba d água Ventos fortes e ventos frios Granizo Geada

Leia mais

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado

SEGURO RURAL PSR. Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado SEGURO RURAL PSR Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Privado O QUE É O PSR Apoio do Governo Federal ao produtor rural para contratação de apólice de seguro rural, por meio de subvenção econômica.

Leia mais

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil

Seminário Riscos e Gestão do Seguro Rural no Brasil Seminário Riscos e Gestão do Regulamentação para gestão do seguro rural em eventos catastróficos Otávio Ribeiro Damaso Secretário Adjunto de Política Econômica / otavio.damaso@fazenda.gov.br Campinas,

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - MERCADO SEGURADOR BRASILEIRO E SITUAÇÃO ATUAL DO SEGURO AGRÍCOLA Vera Melo - Diretora César Neves - Coordenador Sistema Nacional de Seguros Privados: Conselho Nacional

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Camara Temática de Seguros Rurais

Camara Temática de Seguros Rurais Camara Temática de Seguros Rurais Ministério da Agricultura,Pecuária e Abastecimento 07.06.2011 Camara Temática Seguro Rural Agenda 1 - Legislação O seguro rural: setor, abrangência e legislação 2 - Modelo

Leia mais

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL

OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL OS DESAFIOS PARA O DESENVOLVIMENTO DO SEGURO RURAL PRIVADO NO BRASIL S E G U R O S E G U R O Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro Aqüícola; Seguro de Florestas; Modalidades

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC)

Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Auditorias no Programa de Garantia da Atividade Agropecuária (Proagro) e no Zoneamento Agrícola de Risco Climático (ZARC) Brasília, 15/10/2015 Mitigadores de Risco Visão Geral Agricultura de Subsistência

Leia mais

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA

Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA Pedro Loyola Federação da Agriculturas do Estado do Paraná (FAEP) - Brasil ALASA 2012 - QUEBEC - CANADA SEGURO RURAL EVOLUÇÃO PSR 2005-2014 SITUAÇÃO 2015 ORÇAMENTO PSR 2016 NOVAS REGRAS 2016-2018 CONCLUSÕES

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER

Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe. Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER Gestão de risco rural, Proagro, seguro rural e Fundo de Catástrofe Eustáquio Mesquita de Sant Ana Coordenador-Geral de Seguro Rural SPA/DEGER RR AP AM PA MA CE RN AC 90 s RO MT TO PI BA PB PE AL SE 80

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio

SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio SEGURO RURAL NO BRASIL: da concepção ao Programa de Subvenção ao Prêmio Igor Jose da Silva Consultor do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento PNUD e do Ministério do Desenvolvimento Agrário

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL

AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL AGRONEGÓCIO PANORAMA ATUAL IMPORTÂNCIA ECONOMICA 1- Exportações em 2014: Mais de US$ 100 bilhões de dólares; 2- Contribui com aproximadamente 23% do PIB brasileiro; 3- São mais de 1 trilhão de Reais e

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Page 1 of 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.823, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 261, de 9 de julho de 2004. Dispõe sobre o seguro de cédula de produto rural - CPR e dá outras providências. O SUPERINTENDENTE SUBSTITUTO DA SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP,

Leia mais

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09

SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS. PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL: ASPECTOS GERAIS E PRINCIPAIS TENDÊNCIAS PROCAD UFMG Novembro/09 SEGURO RURAL Modalidades Seguro Rural Modalidades Seguro Agrícola; Seguro Pecuário; Seguro de Benfeitorias e Produtos Agropecuários;

Leia mais

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo)

Mecanismo de Ressarcimento de Prejuízos (anteriormente denominado Fundo de Garantia da Bolsa de Valores de São Paulo) 1. Contexto operacional A Bolsa de Valores de São Paulo (BOVESPA), por força do disposto no regulamento anexo à Resolução no. 2.690, de 28 de janeiro de 2000, do Conselho Monetário Nacional, mantinha um

Leia mais

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a subvenção econômica ao prêmio do Seguro Rural e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO Nº do Processo SUSEP: 15414.001178/2005-04 CONDIÇÕES ESPECIAIS - ALGODÃO HERBÁCEO SEGURO AGRÍCOLA 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro

Leia mais

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF

Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF PGPAF Programa de Garantia de Preços para a Agricultura Familiar PGPAF O QUE É O PGPAF Programa do Governo Federal que garante aos agricultores familiares que tem financiamento no âmbito do Pronaf a indexação

Leia mais

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA

MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA MANUAL DE VENDAS SEGURO COLHEITA GARANTIDA 1 Finalidade O setor Agropecuário é, e sempre foi, fundamental para a economia Brasileira, porém está sujeito aos riscos de produção por intempéries da Natureza

Leia mais

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008

Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil. Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Análise a Respeito do Seguro Agrícola no Brasil Benedito S. Ferreira Diretor Titular Departamento do Agronegócio FIESP Junho de 2008 Escopo da Análise Com base nas experiências internacionais e brasileiras

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro

PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS. Colóquio - Debate. Pedro Ribeiro PERSPETIVA FUTURA DO SEGURO DE COLHEITAS SEGUROS AGRÍCOLAS Colóquio - Debate Pedro Ribeiro 1 ENQUADRAMENTO Importância crescente da gestão de risco, no âmbito da atividade agrícola, face ao contexto de

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO DO FUNDO MÚTUO AGRÍCOLA E GRUPO MÚTUO DE GRANIZO 1 COMITÊ GESTOR: 1.1 DA COMPOSIÇÃO: o Comitê Gestor do Fundo Mútuo Agrícola será composto pelos seguintes membros: - 01 (um) Representante do Conselho de Administração; - 01 (um) Representante do Conselho

Leia mais

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP

GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP GRUPO GESER - GESTÃO EM SEGUROS E RISCOS DA ESALQ/USP Terceira edição outubro 2013 Na terceira edição do Boletim do Seguro Rural (BSR), o Grupo GESER Gestão em Seguros e Riscos abordará em sua Matéria

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO

CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 2. OBJETO DO SEGURO CONDIÇÕES ESPECIAIS SOJA E SOJA IRRIGADA SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Soja

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga

TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS-MON 04-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para aprimoramento das estratégias e metodologias

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB SEC N.º 002/04

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB SEC N.º 002/04 REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DO SISTEMA ELETRÔNICO DE COMERCIALIZAÇÃO DA CONAB SEC N.º 002/04 A Companhia Nacional de Abastecimento Conab, empresa pública federal vinculada ao Ministério da Agricultura,

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - CANA DE AÇÚCAR SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de Cana de

Leia mais

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO

PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO PLANO SAFRA 2010/2010 PLANO DE TRABALHO NORMAS E PROCEDIMENTOS 1. Política de Crédito; 2. Limites em contas produção; 3. Seguro de Produção; 4. Comentários gerais. 1. POLÍTICA DE CRÉDITO 1.1 Comentários

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira

Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária Brasileira Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 ROSEMEIRE SANTOS Superintendente Técnica Plano Agrícola e Pecuário PAP 2013/2014 Ações estruturantes para a Agropecuária

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 374, de 2008 SUBSTITUTIVO DO RELATOR Dispõe sobre o aperfeiçoamento dos instrumentos de seguro rural

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEAF EVOLUÇÃO NO BRASIL E EM PERNAMBUCO SEAF Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 585.427 Distribuição Espacial de Agricultores Segurados no SEAF GARANTIA SAFRA Segurados 2008/2009 Segurados/ km2 553.387

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL. Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto Para Usos Múltiplos SEGURO FLORESTAL Gabriel Prata MSc. Eng. Florestal Piracicaba, 20/08/2014 Florestas no Brasil Cerca de 520 milhões de hectares

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

EDITAL CHAMADA PÚBLICA PSR MAPA/SPA Nº 01/2015 NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO SEGURO RURAL PARA A CULTURA DE SOJA

EDITAL CHAMADA PÚBLICA PSR MAPA/SPA Nº 01/2015 NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO SEGURO RURAL PARA A CULTURA DE SOJA EDITAL CHAMADA PÚBLICA PSR MAPA/SPA Nº 01/2015 NEGOCIAÇÃO COLETIVA DO SEGURO RURAL PARA A CULTURA DE SOJA A Secretaria-Executiva do Comitê Gestor Interministerial do Seguro Rural CGSR do Ministério da

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL TEMAS VOLUME DE RECURSOS Do aporte nacional, garantir para o RS no mínimo 20% (vinte por cento) dos recursos para financiamento agropecuário de forma oportuna, tempestiva e suficiente. Aumentar os limites

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário Jose Carlos Zukowski Coordenador Geral do SEAF POLÍTICAS DA SAF/MDA COM AÇÕES A EM SEMENTES Agroecologia Desenvolvimento sustentável Diversificação Seguro da da Agricultura

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 1.845 Documento normativo revogado pela Circular 1.536/89.

CARTA CIRCULAR Nº 1.845 Documento normativo revogado pela Circular 1.536/89. CARTA CIRCULAR Nº 1.845 Documento normativo revogado pela Circular 1.536/89. De conformidade com o disposto nos itens II e III da Resolução nº 1.507, de 04.08.88, comunicamos que as operações amparadas

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos

Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Subsídios para uma nova política agropecuária com gestão de riscos Evandro Gonçalves Brito Diretoria de Agronegócios / Banco do Brasil Uberlândia (MG), 18 de novembro de 2010. Desafios Globais Os dez maiores

Leia mais

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999

DELPHOS INFORMA DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 DELPHOS INFORMA ANO 6 - Nº 23 DEZEMBRO / 99 DIVULGAÇÃO DA DECISÃO COSIT Nº 17, DE 09 DE DEZEMBRO DE 1999 Ementa: As sociedades seguradoras estão obrigadas a incluir na apuração da base de cálculo mensal

Leia mais

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013

PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL. novembro de 2013 PRONAMP PROGRAMA NACIONAL DE APOIO AO MÉDIO PRODUTOR RURAL novembro de 2013 EVOLUÇÃO DO FINANCIAMENTO RURAL 160,0 1200% 140,0 1100% 1000% 120,0 900% BILHÕES 100,0 80,0 60,0 40,0 424% 349% 800% 700% 600%

Leia mais

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade

INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015. Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural. Sem Reciprocidade INFORME APROSOJA Nº 87/2015 30 de Julho de 2015 Venda casada de produtos bancários atrelados ao crédito rural Produtor, a, atenta a diversos relatos de produtores quanto a insistência de agentes bancários

Leia mais

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização

Programa 2014 Agropecuária Sustentável, Abastecimento e Comercialização 0299 - Equalização de Preços nas Aquisições do Governo Federal e na Formação de Estoques Reguladores e Estratégicos AGF 1. Descrição: O AGF (Aquisições do Governo Federal) é o instrumento tradicional da

Leia mais

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo.

Procon, Fiscalizadores, Reguladores e a transparência na relação consumo. Classificação das Sociedades - Existem 2 categorias : Conglomerados financeiros Concentram se em público-alvo, que são os clientes do próprio conglomerado, pertence a uma sociedade participativa liderada

Leia mais

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para

Este termo de referência visa à contratação de consultoria especializada para TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO RBR-02/2014 Produto 2014 FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151, de 22/7/2004, e Portaria MDA nº 48/2012, de 19/07/2012. O Ministério

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967 Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros

DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros DECRETO Nº 61.867, DE 07 DE DEZEMBRO DE 1967: Regulamenta os seguros obrigatórios previstos no artigo 20 do Decreto-lei nº 73, de 21.11.66, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da

Leia mais

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM

Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM CUSTOMER SUCCESS STORY Dataprev aumenta a eficiência na entrega de projetos em 40% com CA Clarity PPM PERFIL DO CLIENTE Indústria: Setor público Companhia: Dataprev Empregados: 3.000+ Faturamento: R$ 1

Leia mais

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007

ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL. Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ANÁLISE A RESPEITO DO AGRÍCOLA NO BRASIL Benedito S. Ferreira Cosag, 05 de fevereiro de 2007 2007 ESCOPO DA ANÁLISE Com base nas experiências internacionais e brasileiras sobre Seguro Agrícola, procurou-se

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil

Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Política de Gerenciamento de Riscos Financeiros Endesa Brasil Objeto Estabelecer uma política adequada de gerenciamento de riscos financeiros, de modo a resguardar as empresas do grupo Endesa Brasil de

Leia mais

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL

LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL *PRONAF* Legislação LEGISLAÇÃO DO CRÉDITO RURAL Art. 187. A política agrícola será planejada e executada na forma da lei, com a participação efetiva do setor de produção, envolvendo produtores e trabalhadores

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente

projetos com alto grau de geração de emprego e renda projetos voltados para a preservação e a recuperação do meio ambiente O QUE É O FCO? O Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO) foi criado pela Lei n.º 7.827, de 27.09.1989, que regulamentou o art. 159, inciso I, alínea c, da Constituição Federal, com

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 RESOLUÇÃO Nº 4.339, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Dispõe sobre ajustes nas normas do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), de que trata o Capítulo 10 do Manual de Crédito Rural

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Cartilha do Contrato de Opção de Venda

Cartilha do Contrato de Opção de Venda Cartilha do Contrato de Opção de Venda CONAB - COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO 01 O QUE É O CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA? É uma modalidade de seguro de preços que dá ao produtor rural e/ou sua cooperativa

Leia mais

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar

As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar As Políticas Públicas e a Agricultura Familiar Lei da Agricultura Familiar LEI Nº 11.326, DE 24 DE JULHO DE 2006. Art. 3 Para os efeitos desta Lei, considera-se agricultor familiar e empreendedor familiar

Leia mais

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO

PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO PRÊMIO FINEP DE INOVAÇÃO Objetivo: O Prêmio FINEP de Inovação foi criado para reconhecer e divulgar esforços inovadores realizados por empresas, Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs e inventores

Leia mais

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA OFERTA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL-SPSR N.º 006/04

REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA OFERTA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL-SPSR N.º 006/04 REGULAMENTO PARA OPERACIONALIZAÇÃO DA OFERTA DE SUBVENÇÃO AO PRÊMIO DO SEGURO RURAL-SPSR N.º 006/04 A Companhia Nacional de Abastecimento Conab, empresa pública federal vinculada ao Ministério da Agricultura,

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 2504 de 2619 ESPELHO DE S DE 1 Apoio à pesquisa e preservação de recursos genéticos e biotecnologia Custos financeiros: Despesas de custeio - 3

Leia mais

Entenda o seguro rural

Entenda o seguro rural HOME PERGUNTAS FREQUENTES MAPA DO SIT ça, 29 de Maio de 2012 HO ME INDIVÍDUO EMPRESA MERCADO GLOSSÁRIO FALE CONOSCO os de coberturas mprando uma apólice e poupando Entenda o seguro rural Comprando uma

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 752, DE 26 DE AGOSTO DE 2015 Regulamenta as linhas de crédito dos Programas de Geração de Emprego e Renda na área Urbana - PROGER Urbano Investimento. O Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA

CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA CONDIÇÕES ESPECIAIS - TRIGO E TRIGO IRRIGADO SEGURO AGRÍCOLA 1. APLICAÇÃO 1.1. As presentes Condições Especiais complementam as Condições Gerais da apólice de Seguro Agrícola e se aplicam ao seguro de

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PNCF PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A SUCESSÃO NA AGRICULTURA FAMILIAR MELHORIAS NAS CONDIÇÕES DE FINANCIAMENTO Resolução CMN nº 4.177, de 07 de Janeiro

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA (PESSOA FÍSICA) Contrato por Produto Nacional Número e Título do Projeto: BRA/09/004 Fortalecimento da CAIXA no seu processo de internacionalização

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020

Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Programa de Desenvolvimento Rural do Continente para 2014-2020 Medida 6 GESTÃO DO RISCO E RESTABELECIMENTO DO POTENCIAL PRODUTIVO Ação 6.1 SEGUROS Enquadramento Regulamentar Artigos do Regulamento (UE)

Leia mais

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA

PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária PROPOSTA DE MÓDULO DE FINANCIAMENTO, CONTRATOS, COMERCIALIZAÇÃO E ASSOCIATIVISMO PARA O SNPA (Coordenação de Agropecuária) E DA GEPAD (Gerência de Planejamento,

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS

POLÍTICA DE INVESTIMENTOS POLÍTICA DE INVESTIMENTOS Segurança nos investimentos Gestão dos recursos financeiros Equilíbrio dos planos a escolha ÍNDICE INTRODUÇÃO...3 A POLÍTICA DE INVESTIMENTOS...4 SEGMENTOS DE APLICAÇÃO...7 CONTROLE

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Gerenciamento do Risco de Crédito

Gerenciamento do Risco de Crédito Gerenciamento do Risco de Crédito Documento TESTE INTRODUÇÃO O Conselho Monetário Nacional (CMN), por intermédio da Resolução no. 3.721 do Banco Central do Brasil (BACEN), determinou às instituições financeiras

Leia mais

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro,

Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, MINUTA DE RESOLUÇÃO CNSP Disciplina a corretagem de seguros, resseguros, previdência complementar aberta e capitalização e estabelece aplicáveis às operações de seguro, resseguro, previdência complementar

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Secretaria da Agricultura Familiar. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO Secretaria da Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf Agricultura Familiar 06/07- renegociação dos custeios - Resolução

Leia mais

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul

Relatório. Gestão de Riscos. Conglomerado Cruzeiro do Sul Relatório de Gestão de Riscos Conglomerado Cruzeiro do Sul Data-Base 31/12/2010 Superintendência de Riscos Índice 1. Introdução 3 2. Perímetro 3 3. Estrutura de Gestão de Riscos 3 3.1 Risco de Crédito

Leia mais

Gerenciamento de Riscos Pilar 3

Gerenciamento de Riscos Pilar 3 Gerenciamento de Riscos Pilar 3 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO 3 II OBJETIVO 3 III PERFIL CORPORATIVO 3 IV GOVERNANÇA CORPORATIVA 4 V RISCO DE CRÉDITO 4 VI RISCO DE MERCADO 5 VII RISCO DE LIQUIDEZ

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002

PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 PROJETO DE LEI N.º, DE 2002 (Do Sr. Augusto Nardes) Institui o Fundo de Desenvolvimento da Empresa de Micro e de Pequeno Porte - Banco do Pequeno Empresário, e dá outras providências. O Congresso Nacional

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS RESOLUÇÃO No- 260, DE 7 DE JANEIRO DE 2010 O Presidente do CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS - CCFCVS, com

Leia mais