FRANCISCO JOSÉ DE BARBA BIOMEDICINA, MEDICINA COMPLEMENTAR E PARTICIPAÇÃO DO PACIENTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER: UM RELATO DE CASO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRANCISCO JOSÉ DE BARBA BIOMEDICINA, MEDICINA COMPLEMENTAR E PARTICIPAÇÃO DO PACIENTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER: UM RELATO DE CASO"

Transcrição

1 FRANCISCO JOSÉ DE BARBA BIOMEDICINA, MEDICINA COMPLEMENTAR E PARTICIPAÇÃO DO PACIENTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER: UM RELATO DE CASO Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. Florianópolis Universidade Federal de Santa Catarina 2007

2 FRANCISCO JOSÉ DE BARBA BIOMEDICINA, MEDICINA COMPLEMENTAR E PARTICIPAÇÃO DO PACIENTE NO TRATAMENTO DO CÂNCER: UM RELATO DE CASO Trabalho apresentado à Universidade Federal de Santa Catarina, como requisito para a conclusão do Curso de Graduação em Medicina. Presidente do Colegiado: Prof. Dr. Maurício Lopes Pereima Professor Orientador: Prof. Dr. Charles Dalcanale Tesser Florianópolis Universidade Federal de Santa Catarina 2007

3 De Barba, Francisco José Biomedicina, medicina complementar e participação do paciente no tratamento do câncer: um relato de caso / Francisco José De Barba. -- Florianópolis: UFSC / Centro de Ciências da Saúde, viii, 40 f. Orientador: Charles Dalcanale Tesser Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) UFSC / Centro de Ciências da Saúde / SPB, Referências bibliográficas: f Câncer de mama metastático. 2. Medicina complementar. 3. Espiritualidade e saúde. 4. Relato de Caso. 5. Saúde Pública - Tese. I. Tesser, Charles Dalcanale. II. Universidade Federal de Santa Catarina, Centro de Ciências da Saúde, SPB. III. Título.

4 iii Dedico este trabalho à minha fantástica esposa Fabiana, à minha família, à Maria Ignez, à Rosane e ao Dr. Francisco de Paula Fajardo Júnior, grande e amado Mestre e Mentor.

5 iv AGRADECIMENTOS Agradeço a Deus, pai amoroso, que em sua bondade nos permite estar nessa jornada de crescimento e nos abençoa com todo seu amor. À Espiritualidade que nos acompanha a cada passo e nos mostra o caminho a seguir quando estamos perdidos. Ao Dr. Francisco Fajardo, amado mentor, por seu amor, suas orientações e seu exemplo de homem de bem. À minha amada esposa e Mentora Fabiana, com todo o meu amor, agradeço por todos os beijos e abraços, pela dedicação, pela companhia, pelas orientações, pela compreensão, pelo exemplo, por ela ser essa pessoa fantástica, o maior presente da minha vida. Te amo demais amor da minha vida! Esse trabalho é tão teu quanto meu! À Beatriz, minha mãe, José, meu pai, Franciane e Carolyne, minhas irmãs, à Júlia, minha sobrinha, Carmelina, minha avó, Fátima, minha tia, Mauri, meu tio, e toda sua família, enfim, à minha amada família, por todo apoio, suporte, amor, dedicação, por ter me aceitado em seu seio. Meu amor e gratidão à todos vocês! Amo muito todos vocês! À Maria Ignez, amada Mentora, sogra, amiga, conselheira, por ter me confiado sua filha e me aceitado como seu genro, por ter me adotado como seu filho, por todos os conselhos, orientações, pelo seu amor. Te amo muito! Esse trabalho também é teu! À toda a minha nova família, pela acolhida, pelo amor, pelo grande exemplo, pelo companheirismo, por serem meus irmão. Amo vocês! À Rosane, pelo seu maravilhoso exemplo de vida, pela sua força, determinação, fé e coragem. Que Deus a mantenha em suas mãos! Obrigado por tudo! E a sua família, obrigado pelo carinho e confiança! Aos Mentores e Mestres da Terra do Sol, pelo seu exemplo de dedicação e amor, pelo seu trabalho abnegado por uma causa tão nobre e bela, pelo companheirismo, pela força e apoio em todos os momentos. Que a paz e luz de Deus brilhe em seus corações! À família do CELE e da Terra do Sol, família reunida pelos laços da caridade e do amor. Obrigado por tudo! Ao meu orientador, Charles, pela orientação, pela paciência, pela confiança no meu trabalho. Muito obrigado! Obrigado a todos aqueles que contribuíram de alguma forma para que eu chegasse aqui, nesse ponto da minha vida!

6 v RESUMO Introdução: O câncer de mama é a neoplasia mais incidente no sexo feminino. O câncer de mama metastático (CMM) é considerado uma doença crônica, incurável, requerendo estratégias específicas para o seu controle, mas com sobrevida de 2 a 3 anos. As preocupações do paciente devem ser valorizadas e uma abordagem colaborativa pode maximizar os resultados do tratamento. Uma utilização crescente da medicina alternativa e complementar (MAC) em pacientes com câncer de mama (48% a 73%) tem sido documentada, mas os médicos raramente são fonte de informações sobre a MAC. Ignorar a dimensão espiritual pode resultar em falha ao tratar a pessoa integralmente. Buscar apoio na espiritualidade é comum em pacientes com doenças como o câncer. Objetivos: Descrever um caso clínico que envolveu vários tipos de tratamento para o cuidado do câncer de mama. Relato de caso: Paciente com história de câncer tratado em mama esquerda, câncer recidivante em mama direita, apresenta-se com rápida evolução metastática com lesões em pele, sistema nervoso central, pulmões, fígado, linfonodos e rins. Na evolução do caso, além do tratamento biomédico, utilizou a medicina complementar para buscar equilíbrio e alívio dos sintomas. Encontrou também na espiritualidade ferramenta que lhe fez ver com outros olhos a doença, lhe dando significado e fazendo-a ter uma postura ativa diante do seu tratamento, encontrando o bem estar. Discussão: O CMM é condição grave e envolve um grande desgaste para o paciente. A medicina complementar e a visão espiritual do paciente devem ser assuntos abordados pelo médico para um tratamento completo.

7 vi ABSTRACT Background: Breast cancer is the most incident in females. Metastatic breast cancer (MBC) is considered a chronic disease, incurable, requiring specific strategies for its control, but with survival of 2 to 3 years. Patient s concerns must be reclaimed and a collaborative approach can maximize treatment results. An increasing use of complementary and alternative medicine (CAM) in patients with breast cancer (48% to 73%) has been documented, but physicians are rarely a source of information about CAM. Ignore the spiritual dimension can result in failure to treat the whole person. Search for support in spirituality is common in patients with diseases as cancer. Purpose: Describing a clinical case that involved various types of treatment for the care of breast cancer. Case Report: Patient with a history of treated cancer in the left breast, relapsing breast cancer in the right, with fast evolving to metastatic lesions in skin, central nervous system, lungs, liver, lymph nodes, and kidneys. In case evolution, besides the biomedical treatment, complementary medicine was used to reach balance and symptoms relief. Spirituality makes her see your disease in another way, giving meaning and making her takes an active attitude front of your treatment, reaching well being. Conclusion: MBC is a serious condition and involves a great wear for the patient. Complementary medicine and patient s spirituality must be addressed by physicians for complete treatment.

8 vii LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS 5-FU 5-fluorouracil AJCC American Joint Committee on Cancer ALT Alanina Aminotransferase AST Aspartato Aminotransferase CA 15-3 Antígeno CA 15-3 CEA Antígeno Carcinoembrionário CMM Câncer de Mama Metastático DHL Desidrogenase Láctica ECOG Eastern Cooperative Oncology Group EV Endovenoso(a) FA Fosfatase Alcalina FAC 5-FU, 500 mg/m 2 EV + doxorrubicina, 50 mg/m 2 EV + ciclofosfamida, 500 mg/m 2 EV, todos no dia 1, a cada 21 dias GEMOX gencitabina, mg/m 2 EV no primeiro dia, durante 30 minutos + oxaliplatina, 100 mg/m 2 EV durante 2 horas no segundo dia, a cada 2 semanas HER-2 Human Epidermal Growth Factor Receptor 2 (Receptor 2 do Fator de Crescimento Epidérmico Humano) INR International Normalized Ratio (Relação Normalizada Internacional) OS Overall Survival (Sobrevida Global) RE Receptores de Estrogênio RG Resposta Global RP Receptores de Progesterona RNM Ressonância Nuclear Magnética SERM Selective Estrogen Receptor Modulator (Modulador Seletivo de Receptor de Estrogênio) TC Tomografia Computadorizada TGO Transaminase Glutâmico-Oxalacética TGP Transaminase Glutâmico-Pirúvica TTP Time to Progression (Tempo de Progressão) VO Via Oral

9 viii SUMÁRIO AGRADECIMENTOS... iv RESUMO... v ABSTRACT... vi LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS... vii SUMÁRIO...viii 1 INTRODUÇÃO REVISÃO DA LITERATURA Câncer de Mama Câncer de Mama Metastático Terapia Hormonal Quimioterapia Terapia Biológica Medicina Complementar Panorama Atual Medicina Complementar e Câncer Espiritualidade/Religião e Saúde Espiritualidade e Câncer OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA Delineamento Amostra RELATO DO CASO DISCUSSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS NORMAS ADOTADAS... 40

10 1 1 INTRODUÇÃO O número de casos novos de câncer de mama esperados para o Brasil em 2006 é de , com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres, permanecendo como o segundo tipo de câncer mais freqüente no mundo e o primeiro entre as mulheres 1. Apesar de ser considerado um câncer de relativamente bom prognóstico, se diagnosticado e tratado oportunamente, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas no Brasil 1. Enquanto a doença localizada é potencialmente curável, mesmo nos estágios I e II, é esperado que 30% dos pacientes tenham uma recidiva 2. O diagnóstico da recidiva do câncer de mama é um evento extremamente estressante e geralmente é acompanhado pela experimentação de sintomas de aflição e morbidade psicológica que podem ter um profundo efeito na habilidade de uma pessoa de se ajustar de uma fase curável para outra incurável da doença 3. A experiência de uma doença que ameaça a vida e os efeitos colaterais do tratamento tem um impacto severo na qualidade de vida 3. Após a quimioterapia adjuvante as mulheres com câncer de mama têm referido sintomas como fadiga, dor e depressão, sendo que esses sintomas são significantemente correlacionados um com o outro e com o estado total de saúde. Essas pacientes têm uma incidência aumentada de depressão e ansiedade após um diagnóstico de câncer de mama e foi demonstrado que a depressão no pré-operatório está associada com um risco aumentado de mortalidade para pacientes em estado mais avançado 3. Muitos dos pacientes com câncer procuram estar profundamente envolvidos emocionalmente e espiritualmente no seu processo de recuperação, eles desejam ser ouvidos, ter os seus medos respeitados, ter o poder de fazer escolhas e, acima de tudo, continuar a se sentir esperançoso durante o curso de sua doença 4. Nessa perspectiva a Medicina Complementar tem se tornado mais popular entre os pacientes com câncer, levados por uma necessidade de atenção e compaixão que muitos pacientes não têm experimentado nessa era de cuidados médicos biotecnológicos modernos e rápidos 4. Medicina Complementar define-se como intervenções médicas que não são amplamente ensinadas nas escolas médicas ou comumente disponíveis nos hospitais,

11 2 abrangendo várias modalidades como a medicina tradicional Chinesa (acupuntura), meditação, Reiki, massagem, estimulação neuromagnética e eletroacupuntura, entre outras 4. Há pelo menos 3 décadas cresce o interesse e o estudo no mundo das medicinas e práticas complementares, as quais têm sido progressivamente procuradas pelas populações dos países ricos, e sempre foram as maiores cuidadoras das populações dos países pobres, onde a biomedicina é escassa e ou cara 5,6. A procura nos países ricos deve-se tanto a insatisfações com o cuidado biomédico, quanto a méritos próprios dessas medicinas, tanto do ponto de vista da relação terapeuta-doente 6 quanto de eficácia sentida. Uma parte desta eficácia tem sido reconhecida, caso a caso, pelas pesquisas biomédicas 7. Além disso, temos que considerar que ignorar a dimensão espiritual é como ignorar o ambiente social de um paciente ou seu estado psicológico, e resulta em falha ao tratar a pessoa integralmente 8. Buscar apoio e conforto na religião é comum em pacientes com diversas doenças, entre elas o câncer 9. Quando se desenvolve um câncer de mama metastático é necessária uma escolha cuidadosa das estratégias terapêuticas para aumentar a sobrevida dos pacientes sem reduzir sua qualidade de vida 2. O câncer de mama metastático é considerado por alguns autores como uma doença incurável, freqüentemente tratada com quimioterapia, particularmente quando o tratamento hormonal falha ou não é indicado pela falta da expressão do receptor hormonal, principalmente de estrogênio, no tumor 10. O estudo de novas modalidades de tratamento quimioterápico tem demonstrado taxas de sobrevida livre de progressão variando de 7 a 12 meses e sobrevida total de 22 meses 10. Novas terapias, preferencialmente não quimioterápicas são, portanto, urgentemente requeridas, bem como novas abordagens no tratamento, de forma a tornar a experiência de passar por esta doença o menos traumática possível e buscar, através disso, uma melhor resposta aos tratamentos propostos. Mulheres com câncer de mama recorrente sofrem com múltiplos sintomas e algumas dessas mulheres sofrem mais do que as outras. O enfrentamento dessa variedade de sintomas que afetam a experiência de aflição e a percepção de ajustamento é um processo único e individual que influencia a qualidade de vida e o cuidado dessas mulheres deve abranger os fatores críticos que exacerbam a sua vulnerabilidade 3. A maioria das pacientes que utilizam a Medicina Complementar para o controle desses fatores não comunica os seus médicos por vergonha ou medo de rejeição, portanto os médicos que estiverem aptos a receber esse comunicado abertamente e sem julgamentos podem

12 3 prevenir uma quebra na relação médico-paciente, encorajando uma melhor adesão ao tratamento convencional 4. Frente a isso, o presente estudo visa contribuir como evidência científica que demonstra a validade e a eficácia de nova abordagem terapêutica.

13 4 2 REVISÃO DA LITERATURA 2.1 Câncer de Mama O câncer de mama é a neoplasia maligna mais incidente no sexo feminino, quando se exclui o câncer de pele não-melanoma, e a segunda causa de morte por câncer em mulheres nos Estados Unidos 11. A Sociedade Americana de Câncer estima que, para o ano de 2007, mulheres terão diagnóstico de câncer de mama e que mulheres morrerão de câncer de mama metastático 11. A terapia de reposição hormonal é vista como um dos motivos que vêm aumentando a incidência deste tipo de câncer, juntamente com o aumento da prevalência da obesidade 11. No Brasil o câncer de mama é o mais incidente no sexo feminino e o número de novos casos esperados para em 2006 era de , com um risco estimado de 52 casos a cada 100 mil mulheres 1. A maior parte das mortes causadas pelo câncer de mama é resultado de complicações de doença recorrente ou metastática. O câncer de mama metastático (CMM) como forma inicial de apresentação é incomum, acontecendo apenas em cerca de 6% dos casos diagnosticados. E mesmo com os avanços no tratamento, aproximadamente 30% das mulheres com diagnóstico em estágios iniciais do câncer de mama desenvolvem doença recorrente ou metastática Câncer de Mama Metastático O CMM é considerado uma doença crônica que requer estratégias específicas para o controle da progressão da doença e dos seus sintomas. O tratamento pode assegurar um prolongamento na sobrevida, controle dos sintomas e a manutenção da qualidade de vida 13. A escolha do tratamento deve levar em consideração diversos fatores envolvendo as características do tumor, as condições do paciente, as preferências do médico e do próprio paciente. Apesar dos avanços observados nos últimos anos nos métodos diagnósticos, na triagem, na cirurgia, na radioterapia, na terapia hormonal e na quimioterapia em estágios precoces, a doença metastática permanece sendo considerada uma condição incurável e a sobrevida mediana após a sua descoberta ainda é de dois a três anos 13. Mesmo com a introdução de novas opções terapêuticas, o seu impacto na sobrevida é geralmente pequeno.

14 5 Contudo, um aumento no tempo de progressão e na duração da resposta ao tratamento tem sido alcançado com novas combinações ou novos agentes quimioterápicos. O curso do CMM é variável e as opções de tratamento devem ser escolhidas para aumentar o tempo total sem ou com poucos sintomas relacionados à doença e com o menor número de efeitos colaterais. As principais sedes de metástases de câncer de mama são ossos, pele, linfonodos, pulmões, pleura, fígado e cérebro 13. É aceito que o tratamento deveria ser oferecido logo após o diagnóstico das metástases com o objetivo de deter o aparecimento dos sintomas. Porém não existe um padrão único de tratamento para esses pacientes, o processo de decisão de qual terapia deve ser usado é um processo complexo, individualizado e deve levar em conta várias características, como a extensão da doença, presença de sintomas relacionados ao tumor, comorbidades, estimativa inicial de sobrevida, o tempo esperado para início da resposta ao tratamento, a preferência do paciente e a qualidade de vida 12,14. Leva ainda em conta a presença de receptores hormonais para o estrogênio (RE) e/ou progesterona (RP) 15, presença de expressão do receptor HER-2 15, local da metástase, idade, estado do paciente 16 e exposição prévia à terapia sistêmica. Os objetivos principais do tratamento são o controle da doença, com regressão quando possível, melhorar a qualidade de vida e prolongar a vida 17, e o maior desafio é alcançar o equilíbrio entre a efetividade do tratamento e a sua toxicidade. Avanços nas pesquisas de novos tratamentos devem ser levados em conta no contexto do tratamento do paciente e da manutenção da sua qualidade de vida. Após o diagnóstico de uma recorrência do câncer de mama, muitas mulheres não estão preparadas para participar ativamente da tomada de decisão no que diz respeito ao seu tratamento médico, mas elas precisam ser informadas sobre as características do seu caso, bem como sobre os risco e benefícios da terapia. As preocupações do paciente devem ser levadas em conta e uma abordagem colaborativa com a equipe de saúde deve ser utilizada para maximizar os resultados do tratamento 18. O fato de o paciente experimentar uma melhora na qualidade de vida é influenciado pelos sintomas presentes antes do tratamento, o grau de resposta ao tratamento e a toxicidade do tratamento. Foi mostrado que a quimioterapia paliativa melhora os parâmetros de qualidade de vida, sendo que essa melhora é maior quando a resposta ao tratamento é melhor e menor naqueles em que a doença continua avançando 17. Num estudo com mais de mulheres pré ou pós-menopausa com câncer de mama com nódulos positivos que receberam quimioterapia adjuvante ou terapia hormonal, a qualidade de vida foi avaliada no fim do

15 6 tratamento inicial e na época da recorrência da doença 19. Num seguimento mediano de 7 anos, aqueles pacientes que tiveram os melhores escores de qualidade de vida após a recorrência tiveram taxas de sobrevida melhores, uma relação que não pode ser ignorada. Novos estudos devem permitir aos profissionais de saúde definir um tratamento mais individualizado, adequado às circunstâncias particulares de cada paciente, com o objetivo de alcançar um melhor controle da doença mantendo, ou melhorando, sua qualidade de vida. Abaixo, alguns aspectos importantes sobre as principais modalidades utilizadas no tratamento do CMM Terapia Hormonal A terapia hormonal pode ser utilizada como opção naqueles pacientes com tumores com a presença de RE, e deve ser considerada como primeira opção antes do tratamento com agentes citotóxicos 13, com uma resposta global (RG) variando de 30% a 60%, os mesmos resultados obtidos com o uso da quimioterapia no caso de doença RE-negativa. Ela pode ser usada também em pacientes com a presença de RP, ou ainda quando a presença tanto de RE quanto RP é desconhecida, sendo que aproximadamente um terço dos pacientes responde ao tratamento por um período de 8 a 14 meses 14. O tamoxifeno, um modulador seletivo de receptores de estrogênio (SERM), é a droga mais comumente utilizada nesse esquema 13, embora vários estudos venham ressaltando os benefícios de novas drogas em classes específicas de pacientes, principalmente naquelas pós-menopausa Quimioterapia Nos pacientes com doença visceral sintomática, RE e RP negativos ou doença resistente à terapia hormonal, ou ainda naquelas cuja doença requeira uma regressão mais rápida do tumor deve ser iniciado o tratamento quimioterápico, sendo que não existem dados objetivos ressaltando a superioridade de qualquer esquema particular de tratamento 14. O uso de taxanos como quimioterapia de primeira linha tem indicado impacto na RG e no tempo de progressão (TTP), porém não tem mostrado nenhum benefício claro na sobrevida. Levando em conta as características do tratamento com agentes citotóxicos, o principal desafio para o oncologista é decidir quando iniciar a quimioterapia. Vários regimes estão disponíveis e as evidências que recomendam a terapia combinada ao invés da terapia utilizando agente único ainda são poucas 13.

16 7 Um estudo cooperativo cujos pacientes receberam aleatoriamente paclitaxel e doxorrubicina, em combinação ou como mono terapia, demonstrou uma RG de 47% versus 36% versus 34% para o esquema combinado, paclitaxel como mono terapia e doxorrubicina como mono terapia, respectivamente. O TTP foi, também, melhor para a combinação (8 versus 6 versus 5.8 meses), contudo a sobrevida se mostrou similar nos três grupos (22 versus 22.2 versus 18.9 meses) 24. Porém, poucos ensaios clínicos com esquemas de quimioterapia têm mostrado benefício para um esquema específico comparado aos outros no que diz respeito à taxa de sobrevida global (OS) 25 e o debate no que tange a terapia combinada comparada aos agentes únicos continua. As terapias combinadas estão associadas com uma RG maior à custa de uma toxicidade também maior 12. Com respeito à qualidade de vida, os tratamentos para o CMM parecem não influenciar de forma definitiva a qualidade de vida global ao fim do tratamento, demonstrando algumas vezes até uma melhora 12. Finalmente, existe um número crescente de dados de estudos Fase III sobre o CMM demonstrando que a introdução de agentes quimioterápicos modernos, como os taxanos, antimetabólitos e agentes biológicos, têm ajudado a melhorar as taxas de sobrevida no CMM Terapia Biológica A terapia biológica utilizando o trastuzumab é utilizada para o tratamento do CMM e pode beneficiar os pacientes com doença metastática com a presença do receptor HER Esse anticorpo se liga ao receptor HER-2 nas células tumorais reduzindo, em última instância, a proliferação dessas células. Baseado nos resultados de vários estudos, a terapia biológica represente uma abordagem promissora para o tratamento do CMM, e a pesquisa continua para determinar como usar o trastuzumab de forma mais efetiva, sendo necessária uma avaliação correta da presença dos receptores HER-2 para determinar quais pacientes podem se beneficiar dessa modalidade de tratamento. Combinações do trastuzumab com quimioterápicos, terapia hormonal, radioterapia e outros agentes biológicos continuam sendo avaliadas, já que tem se demonstrado um efeito sinérgico entre o trastuzumab e certos agentes quimioterápicos, como cisplatina, docetaxel, entre outros 18.

17 8 2.2 Medicina Complementar Atualmente, centros de pesquisa, estudiosos e governos têm se dedicado a compreender e avaliar as práticas não biomédicas no campo da saúde. Tanto nos Estados Unidos como na Europa, um termo genérico tem ganhado força diante de um conjunto rico de serviços, terapeutas, medicamentos, clínicas e associações profissionais. Esse território de saberes e intervenções na área da saúde tem sido denominado Medicina Alternativa e Complementar (MAC, do inglês Complementary and alternative medicine CAM), iniciando um discussão sobre esta realidade rica do campo da saúde, com desdobramentos no âmbito médico, filosófico, político e econômico 26. O fenômeno ocorre em diversos países, mas manifesta as suas particularidades regionais e locais. Muitos autores apresentam classificações e termos distintos com relação a essas modalidades terapêuticas buscando situá-las diante da biomedicina. A Organização Mundial da Saúde OMS estabelece a definição de dois termos. O primeiro é o de medicina tradicional, conceituada como: Soma total de conhecimento, habilidades e práticas baseadas em teorias, crenças e experiências indígenas em diferentes culturas, explicáveis ou não, utilizadas na manutenção da saúde como também na prevenção, diagnóstico ou tratamento de enfermidades físicas e mentais. 27 O segundo termo é medicina alternativa e complementar: Os termos medicina complementar ou medicina alternativa são usados de modo intercambiável com a medicina tradicional em alguns países. Eles se referem a um amplo conjunto de práticas e cuidados de saúde os quais não fazem parte da tradição própria de certos países e não estão integrados ao sistema dominante de cuidados médicos. 27 Deste modo, segundo a OMS, a medicina chinesa, por exemplo, é tradicional na China e alternativa/complementar no Brasil. Há casos de tratamentos considerados complementares que nascem do interior da biomedicina, como é o caso da homeopatia de Samuel Hahnemann e da terapia floral do Dr. Edward Bach 26. Existe uma grande dificuldade para se encontrar um conceito que possa abranger todas essas abordagens, já que no Brasil publicações apresentam até sessenta diferentes tratamentos, entre os quais massagem terapêutica, naturopatia, fitoterapia, acupuntura, shiatsu, dentre inúmeras outras. Os autores tendem a aceitar com maior facilidade a classificação alternativa/complementar, contudo preferem o termo complementar, uma vez que

18 9 alternativo conserva uma posição político-ideológica decorrente de uma visão de mundo adversa à sociedade moderna, por decorrência, em oposição à medicina convencional. A idéia de alternativo supõe um sistema independente, o que não condiz com a realidade do campo da saúde 26. Podemos considerar esse um conceito provisório, sendo que por um lado essas práticas são alternativas por se basearem em sistemas doutrinários e racionalidades diferentes da biomedicina, porém são também complementares, uma vez que a cooperação com a medicina convencional vem ocorrendo com freqüência crescente. Há contradições e tensões no relacionamento entre a biomedicina e o campo das terapias complementares em vários aspectos. Neste sentido destaca-se a dificuldade da biomedicina para detectar e gerenciar a subjetividade dos pacientes os quais, presos a aparatos sofisticados, querem ser escutados e respeitados em sua individualidade 26. Contudo, há uma finalidade básica teórica e prática comum a todo sistema médico, que é restabelecer a saúde dos seres humanos, ou pelo menos combater as doenças que os afligem. Sob este objetivo básico é que se desenvolveram, em todas as culturas, há milênios, sistemas terapêuticos apoiados ora em saberes religiosos, ora em saberes acentuadamente racionais, cujo exercício foi confiado a agentes específicos, socializados e treinados para essa função 28. Porém, podemos definir duas abordagens diferentes, enquanto a medicina convencional ocidental tem por objeto a doença (patologias) e por objetivo o combate e a eliminação das doenças, as MACs têm por objeto, na sua grande maioria, o sujeito desequilibrado ( doente ) e por objetivo o restabelecimento de sua saúde ( equilíbrio ), ou mesmo sua ampliação. No primeiro caso, a categoria central é doença, no segundo é saúde, no primeiro tende a medicina tende a se caracterizar como ciência das doenças, no segundo, se caracterizam como arte de curar, restabelecer e expandir a saúde 28. Ainda podemos verificar uma tendência da biomedicina em incluir, em se u arsenal terapêutico, técnicas das medicinas orientais, consideradas MACs, como a moxabustão, a prática de exercícios de meditação, como o que ocorreu com a acupuntura, ligados tanto à medicina tradicional chinesa quanto à ayurvédica (indiana). Verifica-se, nesses casos, uma descontextualização das racionalidades médicas orientais, com um conseqüente desprezo pelo significado filosófico e médico dessas medicinas 28, assim como ocorre com outras tantas modalidades das MACs. O que deve ser salientado é que, apesar de tratarem de paradigmas médicos distintos, orientados por bases que conflitam nos seus aspectos principais, originando doutrinas médicas

19 10 opostas em vários pontos, as racionalidades médicas das medicinas complementares ou alternativas e da medicina convencional têm pontos de paralelismo e encontro nas dimensões do diagnóstico e da terapêutica. As medicinas complementares têm o mesmo objeto, o ser humano doente, e o mesmo objetivo, que é curar o indivíduo, restabelecendo-lhe a saúde, ou expandindo-a. Além disso, partilham uma base integradora da natureza e do homem, e, no interior do homem, seu aspecto natural e espiritual. O meio ambiente, natural e social, bem como as circunstâncias do adoecimento têm, para essas medicinas, grande importância no estabelecimento de diagnósticos. Outros elementos, de natureza qualitativa, como duração, intensidade, modalidade, lateralidade, ritmo etc. dos sintomas, vistos tanto nos planos orgânico quanto sensorial, emocional e espiritual (domínio da existência, da vontade, da liberdade), são considerados de grande importância nos sistemas diagnósticos dessas racionalidades médicas. O que dá origem a uma semiologia riquíssima e detalhada, bem como a diversas técnicas de exame e obtenção de diagnóstico 28. Os pontos de contato com a medicina convencional são poucos, mas existem, como no caso da palpação, da ausculta, do exame de pulso (ou pulsos), de olhos, língua, unhas etc., porém com objetivos diferentes: no caso da clínica convencional, trata-se de esclarecer a doença, no caso das MACs, geralmente, o desequilíbrio específico do doente frente à sua constituição Panorama Atual Segundo a OMS 29, a medicina tradicional está completamente integrada aos sistemas de saúde na China, Coréia do Norte e do Sul e Vietnam, acrescenta ndo-se o uso e reconhecimento milenar destas práticas em países como o Butão, China, Índia, Indonésia e Japão. Até 80% das populações do sul, incluindo a América Latina, têm recorrido à medicina tradicional e alternativa como cuidado primário de saúde. Em países ocidentais, um número crescente de pacientes recorre a estes tratamentos como estratégia preventiva. O mercado global das MACs tem movimentado cerca de sessenta bilhões de dólares por ano, e continua crescendo. No caso dos Estados Unidos, estima-se um gasto anual de 2,7 bilhões no uso da medicina alternativa. A OMS, em seu plano para o período , estabelece quatro objetivos principais no que diz respeito às medicinas tradicionais e alternativas/complementares: 1. integrá-las aos sistemas nacionais de saúde; 2. promover a segurança, qualidade e eficácia destes tratamentos; 3. garantir o acesso destas práticas às

Diretrizes Assistenciais

Diretrizes Assistenciais Diretrizes Assistenciais Protocolo de tratamento adjuvante e neoadjuvante do câncer de mama Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2009 Tratamento sistêmico adjuvante A seleção de tratamento sistêmico

Leia mais

O que é câncer de mama?

O que é câncer de mama? Câncer de Mama O que é câncer de mama? O câncer de mama é a doença em que as células normais da mama começam a se modificar, multiplicando-se sem controle e deixando de morrer, formando uma massa de células

Leia mais

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718

NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI. José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 NÚCLEO DE ASSISTÊNCIA VOLUNTÁRIA ESPIRITUAL MS / INCA / HCI José Adalberto F. Oliveira (ilhaterceira@hotmail.com) Secretaria do NAVE 32071718 COMO TUDO COMEÇOU: Demanda da Coordenadora do Voluntariado

Leia mais

Espiritualidade na Dependência Química

Espiritualidade na Dependência Química Espiritualidade na Dependência Química Alessandro Alves Profissionais da saúde, pesquisadores e a população em geral reconhecem, cada vez mais, a importância da dimensão religiosa e espiritual para a saúde.

Leia mais

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009

Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático. Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático Versão eletrônica atualizada em Dezembro 2009 Protocolo de Tratamento do Câncer de Mama Metastático O tratamento de pacientes com câncer de mama metastático

Leia mais

O que é o câncer de mama?

O que é o câncer de mama? O que é o câncer de mama? As células do corpo normalmente se dividem de forma controlada. Novas células são formadas para substituir células velhas ou que sofreram danos. No entanto, às vezes, quando células

Leia mais

Diagnóstico do câncer

Diagnóstico do câncer UNESC FACULDADES ENFERMAGEM - ONCOLOGIA FLÁVIA NUNES Diagnóstico do câncer Evidenciado: Investigação diagnóstica por suspeita de câncer e as intervenções de enfermagem no cuidado ao cliente _ investigação

Leia mais

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama

Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama Atuação da Acupuntura na dor articular decorrente do uso do inibidor de aromatase como parte do tratamento do câncer de mama O câncer de mama - 2º tipo de câncer mais freqüente no mundo e o mais comum

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares.

Isso marca o início de uma nova e importante era para os pacientes, cuidadores e seus familiares. 1 Manual do Paciente Você não está sozinho Qualquer pessoa pode vir a desenvolver algum tipo de câncer ao longo da vida. No ano passado de 2008, mais de 1,3 milhões de novos cânceres foram diagnosticados

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante.

CÂNCER DE MAMA. O controle das mamas de seis em seis meses, com exames clínicos, é também muito importante. CÂNCER DE MAMA Dr. José Bél Mastologista/Ginecologista - CRM 1558 Associação Médico Espírita de Santa Catarina AME/SC QUANDO PEDIR EXAMES DE PREVENÇÃO Anualmente, a mulher, após ter atingindo os 35 ou

Leia mais

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA

EMENTA: Câncer urológico - Critérios de alta para pacientes com câncer CONSULTA PARECER Nº 2422/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N.º 11/2013 PROTOCOLO N. º 10115/2013 ASSUNTO: CRITÉRIOS DE ALTA DE SERVIÇOS DE CANCEROLOGIA PARECERISTA: CONS. JOSÉ CLEMENTE LINHARES EMENTA: Câncer urológico

Leia mais

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA

13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 O PROJETO DE EXTENSÃO CEDTEC COMO GERADOR DE FERRAMENTAS PARA A PESQUISA EM CÂNCER DE MAMA 13. CONEX Pôster Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

Descobrindo o valor da

Descobrindo o valor da Descobrindo o valor da Ocâncer de mama, segundo em maior ocorrência no mundo, é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal.

Leia mais

I. Espiritualidade: um tema emergente

I. Espiritualidade: um tema emergente I. Espiritualidade: um tema emergente O Homem entra no século XX com grande otimismo nas suas capacidades! Em meados do século XX anunciava-se o fim da religião. Deus está morto! Deus continua morto! E

Leia mais

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS:

Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: Câncer de Mama COMO SÃO AS MAMAS: As mamas (ou seios) são glândulas e sua função principal é a produção de leite. Elas são compostas de lobos que se dividem em porções menores, os lóbulos, e ductos, que

Leia mais

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO

MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CIRURGIA DE CABEÇA E PESCOÇO MELANOMA EM CABEÇA E PESCOÇO COMPLICAÇÕES EM ESVAZIAMENTO CERVICAL UBIRANEI O. SILVA INTRODUÇÃO Incidência melanoma cutâneo: 10% a 25% Comportamento

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande,

Apesar de ser um tumor maligno, é uma doença curável se descoberta a tempo, o que nem sempre é possível, pois o medo do diagnóstico é muito grande, Cancêr de Mama: É a causa mais frequente de morte por câncer na mulher, embora existam meios de detecção precoce que apresentam boa eficiência (exame clínico e auto-exame, mamografia e ultrassonografia).

Leia mais

O que é câncer de estômago?

O que é câncer de estômago? Câncer de Estômago O que é câncer de estômago? O câncer de estômago, também denominado câncer gástrico, pode ter início em qualquer parte do estômago e se disseminar para os linfonodos da região e outras

Leia mais

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol

Arimide. Informações para pacientes com câncer de mama. Anastrozol Informações para pacientes com câncer de mama. AstraZeneca do Brasil Ltda. Rod. Raposo Tavares, km 26,9 CEP 06707-000 Cotia SP ACCESS net/sac 0800 14 55 78 www.astrazeneca.com.br AXL.02.M.314(1612991)

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama

Cancro da Mama. Estrutura normal das mamas. O que é o Cancro da Mama Cancro da Mama O Cancro da Mama é um tumor maligno que se desenvolve nas células do tecido mamário. Um tumor maligno consiste num grupo de células alteradas (neoplásicas) que pode invadir os tecidos vizinhos

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo?

É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? É possível omitir Radioterapia adjuvante em mulheres idosas com Receptor Hormonal positivo? Rosangela Correa Villar Radioterapia Beneficência Portuguesa- Hospital São Jose FMUSP villardias@uol.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

Sumário. Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17. Princípios e conceitos 19. Atenção ao corpo 39

Sumário. Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17. Princípios e conceitos 19. Atenção ao corpo 39 Sumário Prefácio 11 Apresentação 15 Introdução 17 1 Princípios e conceitos 19 Complementar ou alternativa? 26 Trazendo a medicina a suas origens 29 O direito à cura 35 Para saber mais 38 Atenção ao corpo

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva 2014 Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva/ Ministério da Saúde. Esta

Leia mais

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva

CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso. Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva CÂNCER DE MAMA: é preciso falar disso Ministério da Saúde Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva Cartilha_Outubro Rosa_Mitos_26-09-2014.indd 1 08/10/2014 14:24:37 2014 Instituto Nacional

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório.

É por isso que um exame clínico anual das mamas, através de um médico, é obrigatório. OUTUBRO ROSA 25 de outubro Mais detalhes sobre o câncer de mama no Brasil 1. Exames clínicos de mama são tão importantes quanto as mamografias. Mamografias a partir de 40 anos de idade são cruciais (Deve

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo

CÂnCER DE EnDOMéTRIO. Estados anovulatórios (ex: Síndrome dos ovários policísticos) Hiperadrenocortisolismo CAPÍTULO 3 CÂnCER DE EnDOMéTRIO O Câncer de endométrio, nos Estados Unidos, é o câncer pélvico feminino mais comum. No Brasil, o câncer de corpo de útero perde em número de casos apenas para o câncer de

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186

Câncer de Pulmão. Prof. Dr. Luis Carlos Losso Medicina Torácica Cremesp 18.186 Câncer de Pulmão Todos os tipos de câncer podem se desenvolver em nossas células, as unidades básicas da vida. E para entender o câncer, precisamos saber como as células normais tornam-se cancerosas. O

Leia mais

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH)

Depressão e Espiritualidade. Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Depressão e Espiritualidade Roberto Lúcio Vieira de Souza Médico Psiquiatra Diretor Técnico do Hospital Espírita André Luiz (BH) Conceitos Tristeza emoção natural. Resposta à frustração, decepção ou fracasso.

Leia mais

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 209/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 01/11/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 112.13.008257-4 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Objetivos do Curso: Público alvo:

Objetivos do Curso: Público alvo: Formação em Coaching Com Abordagem Neurocientífica, Psicofisiológica, Filosófica e Comportamental. Destinado aos Profissionais das Áreas de Saúde, Educação e Gestão de Pessoas Coaching é a palavra inglesa

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA.

OUTUBRO. um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA. prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. OUTUBRO ROSA ^ um mes PARA RELEMBRAR A IMPORTANCIA DA ~ prevencao. COMPARTILHE ESSA IDEIA. ~ ^ O movimento popular internacionalmente conhecido como Outubro Rosa é comemorado em todo o mundo. O nome remete

Leia mais

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal

TEMA: Sunitinibe (Sutent ) para o tratamento do cancer renal Nota Técnica 90/2013 Data: 18/05/2014 Solicitante: Dr. Daniel da Silva Ulhoa Juíz de Direito Comarca de Timóteo Medicamento Material Procedimento Cobertura x Número do processo: 0009774-08.2014.8.13.0667

Leia mais

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes

Pesquisa Clínica. Orientações aos pacientes Pesquisa Clínica Orientações aos pacientes 2009 Ministério da Saúde. É permitida a reprodução total ou parcial desta obra, desde que citada a fonte. Tiragem: 1000 exemplares Criação, Informação e Distribuição

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam

PROVA OBJETIVA. 17 O psicólogo que atua em uma instituição pode fazer. 18 O autocontrole e a disciplina são os elementos que determinam SESFUBMULT_P_06N8977 De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o

Leia mais

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO

ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO ATUALIZAÇÕES EM CÂNCER: TRATAMENTO Elaine Jacob da Silva Carmo 1 ; Cristiane Alves da Fonseca 2,3 Andréia Juliana Leite Rodrigues 2,3, 4. 1 Curso de Ciências Biológicas, Unidade Universitária de Ciências

Leia mais

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS

RELATÓRIO PARA A. SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE informações sobre recomendações de incorporação de medicamentos e outras tecnologias no SUS RELATÓRIO PARA A SOCIEDADE Este relatório é uma versão resumida do relatório técnico

Leia mais

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia

II Congresso Multidisciplinar em Oncologia II Congresso Multidisciplinar em Oncologia SOBREVIVENTES DO CÂNCER: DE QUAL DEMANDA EMOCIONAL ESTAMOS FALANDO? Vicente A. de Carvalho II Congresso Multidisciplinar em Oncologia A revolução na Medicina

Leia mais

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes

Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Desigualdades no Acesso à Tecnologia: Relevância para Grupos de Pacientes Capacitação ACS /FEMAMA 2012 Eduardo Cronemberger Oncologia em 120 anos Willian Halsted Aqui está minha sequencia! Mastectomia

Leia mais

ANAMNESE. Prof. Ivan da Costa Barros

ANAMNESE. Prof. Ivan da Costa Barros ANAMNESE Prof. Ivan da Costa Barros 1 A HISTÓRIA CLÍNICA ou ANAMNESE Figura pela qual recordamos de coisa esquecida. Reminiscência, recordação. Informação acerca do princípio e evolução de determinada

Leia mais

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo

Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo TRATAMENTO CIRÚRGICO DAS METÁSTASES HEPÁTICAS Carcinoma Metastático do Fígado METÁSTASES HEPÁTICAS Neoplasia primeira

Leia mais

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância

Câncer de Tireóide. O segredo da cura é a eterna vigilância Câncer de Tireóide Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira O câncer de tireóide é um tumor maligno de crescimento localizado dentro da glândula

Leia mais

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante.

Analisar a sobrevida em cinco anos de mulheres. que foram submetidas a tratamento cirúrgico, rgico, seguida de quimioterapia adjuvante. Estudo de sobrevida de mulheres com câncer de mama não metastático tico submetidas à quimioterapia adjuvante Maximiliano Ribeiro Guerra Jane Rocha Duarte Cintra Maria Teresa Bustamante Teixeira Vírgilio

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Bioestatística. Organização Pesquisa Médica. Variabilidade. Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação: Bioestatística Lupércio F. Bessegato & Marcel T. Vieira UFJF Departamento de Estatística 2010 Organização Pesquisa Médica Variabilidade Porque existe variabilidades nos fenômenos naturais? Fontes de variação:

Leia mais

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama

Diretrizes Assistenciais. Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Diretrizes Assistenciais Protocolo de Conduta da Assistência Médico- Hospitalar - Mama Versão eletrônica atualizada em Novembro 2008 Protocolo de Conduta da Assistência Médico-Hospitalar Objetivos: - manuseio

Leia mais

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA

Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO NO TRATAMENTO ADJUVANTE DO CANCER DE MAMA NT 38/2013 Solicitante: Dra. Renata Abranches Perdigão do JESP da Fazenda Pública de Campo Belo Data: 22/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Numeração Única: 0112.14.001131-6 TEMA: TAMOXIFENO

Leia mais

Câncer: mais 500 mil casos

Câncer: mais 500 mil casos Página 1 de 5 Quarta, 18 de Maio de 2011 ENTREVISTA Câncer: mais 500 mil casos O oncologista afirma que o Brasil não tem estrutura física e médica para tratar outro meio milhão de pessoas com câncer em

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos

CARTA DE PRAGA. Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos CARTA DE PRAGA Apela se aos governantes para aliviarem o sofrimento e assegurarem o direito e acesso aos cuidados paliativos A Associação Europeia de Cuidados Paliativos (EAPC), a Associação Internacional

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL

AULA: TERAPIA DE GRUPO PSICÓLOGA SIMONE HUMEL Surgimento da Psicoterapia de Grupo: Joseph H. Pratt foi o fundador da Psicoterapia de Grupo, que em 1905 pela primeira vez foi empregada com pacientes tuberculosos, no Massachussetts General Hospital

Leia mais

Panorama da Radioterapia no Brasil

Panorama da Radioterapia no Brasil Sociedade Brasileira de Radioterapia SBRT Filiada à Associação Médica Brasileira - AMB Panorama da Radioterapia no Brasil Robson Ferrigno Presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia A radioterapia

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Sexualidade e Câncer de Mama

Sexualidade e Câncer de Mama Sexualidade e Câncer de Mama LÚCIO FLAVO DALRI GINECOLOGIA MASTOLOGIA CIRURGIA PÉLVICA MÉDICO EM RIO DO SUL - SC PRESIDENTE DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE MASTOLOGIA REGIONAL DE SC CHEFE DO SERVIÇO DE MASTOLOGIA

Leia mais

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade?

Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Texto divulgado na forma de um caderno, editorado, para a comunidade, profissionais de saúde e mídia SBMFC - 2006 Você conhece a Medicina de Família e Comunidade? Não? Então, convidamos você a conhecer

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 2014 Solicitante Dr. Renato Martins Prates Juiz Federal da 8ª Vara Data: 19/02/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

Leia mais

LINHA DE CUIDADOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA

LINHA DE CUIDADOS DE SAÚDE EM ONCOLOGIA SAÚDE EM DIA O Programa Saúde em Dia consiste em linhas de cuidados integrais, com foco na patologia e na especialidade médica, direcionados a melhoria da saúde dos beneficiários de planos de saúde empresariais.

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Médico, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Capacitado a atuar, pautado

Leia mais

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento

BOAS PRÁTICAS. para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais. Boas práticas para humanizar o atendimento BOAS PRÁTICAS para humanizar o atendimento e gerar fidelização em Clínicas e Hospitais ÍNDICE Introdução 3 Explique e difunda a importância do termo 4 A humanização e o ambiente físico 6 Aperfeiçoamento

Leia mais

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO

CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO CANCER DE MAMA FERNANDO CAMILO MAGIONI ENFERMEIRO DO TRABALHO OS TIPOS DE CANCER DE MAMA O câncer de mama ocorre quando as células deste órgão passam a se dividir e se reproduzir muito rápido e de forma

Leia mais

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia.

TEMA: Abiraterona (Zytiga ) para tratamento de câncer de próstata avançado sem quimioterapia prévia. NTRR 158/2014 Solicitante: Juíz: Dra. Solange Maria de Lima Oliveira Juiza da 1ª Vara Cível de Itaúna. Data: 04/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Número do processo: 0338.14.006.873-9

Leia mais

PROVA OBJETIVA. relativamente duradoura, que leva o indivíduo a um comportamento orientado por um objetivo.

PROVA OBJETIVA. relativamente duradoura, que leva o indivíduo a um comportamento orientado por um objetivo. PROVA OBJETIVA CESPE/UnB SES-DF/FUB/MULT De acordo com o comando a que cada um dos itens a seguir se refira, marque, na folha de respostas da prova objetiva, para cada item: o campo designado com o código

Leia mais

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo

Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica. Dr. Leandro Minozzo Competências para o Cuidado do Idoso na Atenção Básica Dr. Leandro Minozzo Justificativa Desde a criação do SUS em 1988 a população idosa aumentou 2x; Hoje, aprox. 9 mil campobeneses são idosos (15%);

Leia mais

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R

Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R Lidando com o paciente oncológico C A M I L A M A N O S S O F U N E S J É S S I C A D E O L I V E I R A S T O R R E R As fases do câncer ANTERIOR AO DIAGNÓSTICO RECUPERAÇÃO OU MORTE DIAGNÓSTICO A FASE

Leia mais

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme

TEMA: Temozolomida para tratamento de glioblastoma multiforme NOTA TÉCNICA 256/2013 Solicitante Dr. Carlos Renato de Oliveira Corrêa Juiz de Direito São Domingos do Prata Data: 19/12/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Processo número: 0610.13.002372-0

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

III EGEPUB/COPPE/UFRJ

III EGEPUB/COPPE/UFRJ Luiz Otávio Zahar III EGEPUB/COPPE/UFRJ 27/11/2014 O que é a próstata? A próstata é uma glândula pequena que fica abaixo da bexiga e envolve o tubo (chamado uretra) pelo qual passam a urina e o sêmen.

Leia mais

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense

Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos. Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense Categoria Racionalidades Médicas: 20 anos Marilene Nascimento Madel Luz Instituto de Saúde da Comunidade Universidade Federal Fluminense A herança renascentista: controle da natureza Deslocamento do teocentrismo

Leia mais

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia

Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia L E I T u R A C R í T I C A D E A R T I G O S C I E N T í F I CO S 105 Capítulo 7 Estudos sobre Causalidade e Etiologia 7.1 Introdução Relembrando o que foi dito no capítulo 1 os estudos randomizados,

Leia mais

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA

AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA AJUSTE DO MODELO DE COX A DADOS DE CÂNCER DE MAMA Luciene Resende Gonçalves 1, Verônica kataoka 2, Mário Javier Ferrua Vivanco 3, Thelma Sáfadi 4 INTRODUÇÃO O câncer de mama é o tipo de câncer que se manifesta

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

1.1 Informações Básicas para os Treinadores

1.1 Informações Básicas para os Treinadores 1. INTRODUÇÃO Foi estimado, até o final de 2003, que mais de 38 milhões de homens, mulheres e crianças estão vivendo com HIV. Quase 25 milhões dessas pessoas vivem na África do subsaara, de acordo com

Leia mais

Chinese Medicine of Marlborough

Chinese Medicine of Marlborough Contents Histórico... 2 Informações básicas sobre O Senor Chaffee e o Marlborough clinic... 2 Como funciona a Medicina Chinesa... 3 As informações básicas sobre a doença é dignosed e tratados... 3 Fitoterapia

Leia mais

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão

Discussão de caso clínico Paciente Terminal. Lara Torreão Discussão de caso clínico Paciente Terminal Lara Torreão Caso clínico E.M.S, 3 anos, sexo masculino, natural e procedente de Salvador, foi admitido na enfermaria de Pediatria do Hospital Universitário

Leia mais

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável.

EQUILIBRIO ENTRE CORPO, MENTE E ESPÍRITO. Em busca da cura, por uma vida mais saudável. MENTE E ESPÍRITO EQUILIBRIO ENTRE CORPO, Em busca da cura, por uma vida mais saudável. Que a felicidade deve ser construída de dentro para fora e pode ser definida como um estado de espírito que não depende

Leia mais

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde

Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde Saúde Mental e trabalho: Contribuições da Psicologia da Saúde/reposicionamento do psicólogo nas equipes de saúde SILVIA CURY ISMAEL HOSPITAL DO CORAÇÃO DE SÃO PAULO III Congresso dos Servidores de Saúde

Leia mais

PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA

PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA PRA VIDA PROGRAMA DE APOIO A VIDA Definições Doença crônica: Persiste por períodos superiores a seis meses e não se resolve em um curto espaço de tempo e apresentam efeitos de longo prazo, difíceis de

Leia mais

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e

Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e Sexta Vida nova Jovens contam como superaram doenças graves. Depois de um câncer de mama aos 23 anos, Dolores Cardoso teve um filho, escreveu um livro e mudou o rumo da vida profissional FOLHA DA SEXTA

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa

04/06/2012. Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012. Tratamento da dor oncológica. Definição. Dr Guilherme Costa Curso Nacional de Atualização em Pneumologia SBPT 2012 Tratamento da dor oncológica Dr Guilherme Costa Mestre em Pneumologia - UNIFESP Especialista em Pneumologia SBPT Coordenador da Comissão de Câncer

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008

Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 R1 CIT Vinícius Journal of Thoracic Oncology Volume 3, Number 12, December 2008 Prolongamento na sobrevida em pacientes com Câncer avançado não-pequenas células (CPNPC) Recentemente, 2 estudos randomizados,

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico ETEC: DR. JOSÉ LUÍZ VIANA COUTINHO CÓDIGO: 073 EIXO TECNOLÓGICO: HABILITAÇÃO PROFISSIONAL: QUALIFICAÇÃO: MÓDULO: COMPONENTE CURRICULAR: C.H. SEMANAL: PROFESSOR:

Leia mais