ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE VIANA DO CASTELO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE VIANA DO CASTELO"

Transcrição

1 Índice Ensino Regular 13 10º Ano 13 Inglês 13 Literatura Portuguesa 14 Português 15 Espanhol 15 Formação Cívica 17 Geometria Descritiva A 17 Filosofia 19 Biologia e Geologia 19 Matemática A 20 Matemática B 21 MACS 22 Economia A 23 Física e Química A, Química e Física 23 Geografia A e Geografia C 24 Educação Física 27 Educação Moral Religiosa Católica 28 Desenho A 28 11º Ano 28 Inglês 28 Literatura Portuguesa 29 Português 30 Espanhol 31 Geometria Descritiva A 32 Filosofia 34 Biologia e Geologia 34 Matemática A 34 Matemática B 36 MACS 37 Economia A 38 Pág. 1 de

2 Física e Química A 38 Geografia A 39 Educação Moral Religiosa Católica 42 Desenho A 43 12º Ano 43 Inglês 43 Português 44 Aplicações Informáticas 45 Psicologia B 45 Biologia 46 Matemática A 46 Sociologia 48 Economia C 48 Química e Física 48 Geografia C 49 Oficina de Artes 53 Desenho A 53 Ensino Profissional 55 Animação Sócio Cultural 55 10º Ano 55 Inglês 55 Português 56 Francês 57 TIC 57 Área de Integração 58 Matemática 58 Educação Física 59 Área de Estudos da Comunidade 59 Animação Sociocultural 59 Sociologia 60 11º Ano 60 Inglês 60 Português 61 Francês 62 TIC 63 Pág. 2 de

3 Área de Integração 63 Matemática 64 Educação Física 64 Área de Estudos da Comunidade 64 Animação Sociocultural 65 Sociologia 65 12º Ano 66 Português 66 Matemática 67 Educação Física 67 Área de Estudos da Comunidade 67 Animação Sociocultural 67 Técnico de Apoio Psicossocial 68 10º Ano 68 Inglês 68 Português 69 Francês 70 TIC 71 Área de Integração 71 Matemática 72 Educação Física 72 Área de Estudos da Comunidade 72 Animação Sociocultural 73 Psicopatologia Geral 73 11º Ano 74 Inglês 74 Português 75 Francês 76 TIC 76 Área de Integração 77 Matemática 77 Educação Física 78 Área de Estudos da Comunidade 78 Animação Sociocultural 78 Comunidade e Intervenção Social 79 Psicopatologia Geral 80 12º Ano 80 Português 80 Matemática 81 Pág. 3 de

4 Educação Física 81 Área de Estudos da Comunidade 81 Animação Sociocultural 82 Psicopatologia Geral 82 Turismo Ambiental 83 10º Ano 83 Inglês 83 Francês 84 Português 85 TIC 85 Área de Integração 86 Matemática 86 Educação Física 87 Turismo e Técnicas de Gestão 87 11º Ano 88 Inglês 88 Francês 89 Português 90 TIC 90 Área de Integração 91 Matemática 91 Educação Física 92 12º Ano 92 Português 92 Matemática 93 Educação Física 93 Técnico de Multimédia 93 10º Ano 93 Inglês 93 Francês 94 Português 95 Área de Integração 96 Matemática 96 Educação Física 97 TIC, Sistemas de Informação, Design Comunicação e Audiovisuais e Técnicas de Multimédia 97 Física 98 11º Ano 98 Inglês 98 Francês 99 Pág. 4 de

5 Português 100 Área de Integração 100 Matemática 101 Educação Física 101 Física º Ano 103 Inglês 103 Francês 104 Português 105 Matemática 105 Educação Física 106 Física 106 Gestão Desportiva º Ano 106 Inglês 106 Francês 107 Português 108 TIC 109 Área de Integração 109 Matemática 110 Educação Física º Ano 110 Inglês 110 Francês 111 Português 112 TIC 113 Área de Integração 113 Matemática 114 Educação Física º Ano 114 Português 114 Matemática 115 Educação Física 116 Gestão º Ano 116 Inglês 116 Francês 117 Português 118 TIC 118 Pág. 5 de

6 Área de Integração 119 Matemática 119 Educação Física 120 Direito das Organizações 120 Economia 120 Contabilidade e Fiscalidade 121 Gestão º Ano 121 Inglês 121 Francês 122 Português 123 TIC 124 Área de Integração 124 Matemática 125 Educação Física 125 Direito das Organizações 125 Economia 126 Contabilidade e Fiscalidade 126 Gestão 126 Gestão 127 Cálculo Financeiro º Ano 128 Português 128 Matemática 129 Educação Física 129 Contabilidade e Fiscalidade 129 Gestão 129 Cálculo Financeiro 130 Gestão de Equipamentos Informáticos º Ano 131 Inglês 131 Francês 132 Português 133 Área de Integração 134 Matemática 135 Educação Física 135 Físico-Químicas 135 TIC, SDAC, IMEI e Electrónica Fundamental º Ano 137 Pág. 6 de

7 Inglês 137 Francês 138 Português 139 Área de Integração 139 Matemática 140 Educação Física 140 Físico-Químicas 140 TIC, SDAC, IMEI e Electrónica Fundamental º Ano 142 Inglês 142 Francês 143 Português 144 Matemática 144 Educação Física 145 Físico-Químicas 145 TIC, SDAC, IMEI e Electrónica Fundamental 145 Instalações Eléctricas º Ano 146 Inglês 146 Francês 147 Português 148 TIC 149 Área de Integração 149 Matemática 150 Educação Física 150 Físico-Químicas 150 Electricidade e Electrónica, Tecnologias Aplicadas, Práticas Oficinais Electro e Desenho Esquemático º Ano 152 Inglês 152 Francês 153 Português 154 TIC 154 Área de Integração 155 Matemática 155 Educação Física 156 Físico-Químicas 156 Electricidade e Electrónica, Tecnologias Aplicadas, Práticas Oficinais Electro e Desenho Esquemático º Ano 157 Português 157 Pág. 7 de

8 Matemática 158 Educação Física 159 Electricidade e Electrónica, Tecnologias Aplicadas, Práticas Oficinais Electro e Desenho Esquemático 159 Técnico de Mecatrónica º Ano 160 Inglês 160 Francês 161 Português 162 TIC 162 Área de Integração 163 Matemática 163 Educação Física 164 Físico-Químicas 164 Electricidade e Electrónica e Aplicações de Mecatrónica (Instalações Eléctricas) º Ano 165 Inglês 165 Francês 166 Português 167 TIC 168 Área de Integração 168 Matemática 169 Educação Física 169 Físico-Químicas º Ano 170 Português 170 Matemática 171 Físico-Químicas 171 Manutenção Industrial Electromecânica º Ano 172 Inglês 172 Francês 173 Português 174 TIC 174 Área de Integração 175 Matemática 175 Educação Física 176 Físico-Químicas º Ano 176 Inglês 176 Pág. 8 de

9 Francês 177 Português 178 Tecnologias e Processos B e Práticas Oficinais de Electromecânica B 179 TIC 180 Área de Integração 180 Matemática 181 Educação Física 181 Físico-Químicas º Ano 182 Português 182 Matemática 183 Educação Física 183 Físico-Químicas 183 Tecnologias e Processos B e Práticas Oficinais de Electromecânica B 184 Desenho de Construção Civil º Ano 185 Inglês 185 Francês 186 Português 187 TIC 187 Área de Integração 188 Matemática 188 Educação Física 189 Físico-Químicas 189 Desenho Técnico de Construção, Tecnologia de Construção, Oficina Tecnológica e Técnicas Específicas de Desenho de Construção 189 Geometria Descritiva º Ano 192 Inglês 192 Francês 193 Português 194 TIC 194 Área de Integração 195 Matemática 196 Educação Física 196 Físico-Químicas 196 Desenho Técnico de Construção, Tecnologia de Construção, Oficina Tecnológica e Técnicas Específicas de Desenho de Construção 196 Geometria Descritiva º Ano 199 Pág. 9 de

10 Português 199 Matemática 200 Educação Física 200 Físico-Químicas 201 Desenho Técnico de Construção, Tecnologia de Construção, Oficina Tecnológica e Técnicas Específicas de Desenho de Construção 201 Geometria Descritiva 202 Técnico de Design de Equipamentos º Ano 204 Inglês 204 Francês 205 Português 206 TIC 206 Área de Integração 207 Matemática 207 Educação Física 208 CAD e Materiais e Tecnologias 208 Geometria Descritiva 209 Design 211 Desenho de Comunicação º Ano 211 Inglês 211 Francês 212 Português 213 Área de Integração 214 Matemática 214 Educação Física 214 TIC 215 CAD e Materiais e Tecnologias 215 Geometria Descritiva 216 Design º Ano 218 Português 218 Matemática 219 CAD e Materiais e Tecnologias 219 Geometria Descritiva 221 Técnico de Análise Laboratorial º Ano 222 Inglês 222 Pág. 10 de

11 Francês 223 Português 224 TIC 224 Área de Integração 225 Matemática 225 Educação Física 226 Físico-Químicas 226 Análises Químicas, Química Aplicada e Tecnologia Química º Ano 227 Inglês 227 Francês 228 Português 229 TIC 229 Área de Integração 230 Matemática 230 Educação Física 231 Análises Químicas, Química Aplicada e Tecnologia Química º Ano 231 Português 232 Matemática 232 Educação Física 233 Análises Químicas, Química Aplicada e Tecnologia Química 233 Energias Renováveis º Ano 233 Inglês 233 Francês 234 Português 235 TIC 236 Área de Integração 236 Matemática 237 Educação Física 237 Físico-Químicas º Ano 238 Inglês 238 Francês 239 Português 240 TIC 240 Área de Integração 241 Matemática 241 Pág. 11 de

12 Educação Física 242 Físico-Químicas º Ano 242 Português 242 Matemática 243 Educação Física 243 Físico-Químicas 243 Pág. 12 de

13 COMPETÊNCIAS DE: uso de língua, sociocultural e de aprendizagem A avaliação sumativa final corresponderá à classificação obtida no 3º período, depois de considerada a evolução do aluno nos períodos anteriores. ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE VIANA DO CASTELO Ensino Regular 10º Ano Inglês DOMÍNIOS, COMPETÊNCIAS, INSTRUMENTOS, PONDERAÇÃO: Interpreta (ouve, lê) e produz (fala, escreve) diferentes tipos de textos, demonstrando autonomia no uso das competências de comunicação Instrumentos de Avaliação Coeficientes de Ponderação Usa apropriada e fluentemente a língua inglesa/alemã, revelando interiorização das suas regras e do seu funcionamento Conhece as culturas de expressão inglesa/alemã no mundo Revela espírito crítico perante a informação, demonstrando capacidade de a seleccionar, avaliar e adequar aos fins a que se destina Escrita: Testes (com data marcada) Fichas (com ou sem pré-aviso) Outras actividades possíveis: ditado no quadro, composições, trabalhos de pesquisa, trabalhos grupo/pares, Oralidade: 55% Demonstra capacidade na busca e na partilha de informação Desenvolve autonomia face ao professor para superação de dificuldades de aprendizagem Actividades: diálogos, debates, compreensão de textos áudio, leitura para um público, dramatizações, apresentações de trabalhos individuais ou de grupo/pares 30% Pág. 13 de

14 DOMÍNIO DAS ATITUDES / VALORES Competências scioculturais e de aprendizagem ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE VIANA DO CASTELO Autonomia Realização da maioria das tarefas sem a ajuda contínua de outrem Persistência na realização das tarefas/ capacidade para ultrapassar as dificuldades Cooperação e Participação Empenho e realização das tarefas propostas Cooperação em trabalhos de grupo Intervenção adequada (oportuna e pertinente) Responsabilidade Apresentação e organização do material indispensável às actividades lectivas Cumprimento de prazos Assiduidade Pontualidade Auto e heteroavaliação Observação na aula + Análise do caderno diário / portefólio 15% Sociabilidade Cumprimento das regras estabelecidas Respeito pelas ideias e opiniões dos outros Estabelecimento de relações interpessoais Solidariedade com os outros Literatura Portuguesa TOTAL: 90% (0/18 valores) 1. Testes / outros instrumentos de avaliação sumativa, presenciais. 60% (0/12 valores) DOMÍNIO SÓCIO- AFETIVO TOTAL: (0/2 valores) Observação de atitudes do aluno: 1. Coopera / participa no processo de ensino aprendizagem (0/2 valores): 2. Projecto individual de leitura 30% (0/6 valores) Observações: gere adequadamente o tempo de execução das tarefas. revela autonomia nas suas aprendizagens. revela espírito crítico; Cumpre as regras de funcionamento na sala de aula. Pág. 14 de

15 Português TOTAL: 90% (0/18 valores) DOMÍNIO SÓCIO- AFETIVO TOTAL: (0/2 valores) Testes sumativos/outros instrumentos de avaliação sumativa, presenciais (no mínimo 2). 65% (0/13 valores) Trabalhos presenciais orais 25% (0/5 valores) Observação de atitudes do aluno: Coopera / participa no processo de ensino aprendizagem (0/2 valores): gere adequadamente o tempo de execução das tarefas; revela autonomia nas suas aprendizagens; revela espírito crítico; cumpre as regras de funcionamento na sala de aula Observações: A avaliação do domínio sócio-afectivo realiza-se através de registos de observação qualitativos que serão convertidos numa escala numérica de acordo com os itens referidos. A avaliação sumativa final (do ano) corresponderá à média aritmética simples dos três períodos e à ponderação da evolução do aluno. Dois instrumentos de avaliação sumativa presenciais corresponderão a um teste sumativo. Espanhol Objectivos: Interagir em situações de comunicação reais; Adquirir competências de comunicação na língua espanhola, para: Compreender textos orais e escritos, sobre temas de seu interesse, temas socioculturais familiares, informações, artigos de opinião e mesmo textos literários contemporâneos, de acessibilidade adequada ao seu desenvolvimento cognitivo, linguístico, psicológico e social. Produzir, oralmente e por escrito, mensagens relacionadas com os seus interesses de comunicação e com temas socioculturais. Pág. 15 de

16 Domínio Socio- Afetivo ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE VIANA DO CASTELO Desenvolver a competência discursiva a fim de favorecer a compreensão e produção de mensagens, adequada ao seu nível. Fomentar estratégias pessoais de comunicação e de aprendizagem, utilizando e dominando, progressivamente, estratégias de superação de dificuldades e de resolução de problemas. Desenvolver a capacidade de iniciativa, o poder de decisão, o sentido de responsabilidade e de autonomia. Progredir na construção da sua identidade pessoal e social, desenvolvendo o espírito crítico, a confiança em si próprio e nos outros, e atitudes de sociabilidade, de tolerância e de cooperação. Aprofundar o conhecimento dos aspectos socioculturais dos povos de expressão espanhola, através do confronto com a sua própria realidade. Reconhecer as vantagens que o conhecimento da língua espanhola proporciona. Para verificar o grau de consecução destes objectivos, os alunos serão avaliados a partir de um conjunto diversificado de processos e instrumentos avaliativos, que cada professor terá de adaptar à realidade da turma, ao nível de ensino e às condições de trabalho. Os elementos recolhidos serão agrupados e ponderados de acordo com a tabela abaixo: Competências Atitudinais Compreensão do Oral Produção Oral Comportamentos/Atitudes a observar -É pontual; -Traz o material necessário; -Cumpre as regras; -Apresenta o TPC; -Coopera com os outros. Macrocapacidades Ouvir - Falar 30% Instrumentos / Objectos de Avaliação Observação directa Grelhas de observação Avaliação formal da oralidade Testes de compreensão oral Actividades de simulação Debates Apresentação de trabalhos de pesquisa Pág. 16 de

17 Domínio Cognitivo ESCOLA SECUNDÁRIA DE MONSERRATE VIANA DO CASTELO Compreensão da escrita Produção escrita Macrocapacidades: Ler - Escrever 60% - Testes escritos - Verificação das tarefas propostas relativas a: interpretação de textos exercícios escritos intervenção com base no trabalho de casa Reflexão sobre as aprendizagens Nota: Dada a importância da progressão da aprendizagem, é atribuído o peso 2 ao 2º e 3ºperíodos. Formação Cívica Critérios/ Indicadores Avaliação Qualitativa Instrumentos de avaliação Assiduidade Pontualidade Responsabilidade Interesse/ Empenho Cooperação com os colegas e o professor Participação ativa e positiva nos trabalhos Respeito pela opinião dos outros e pelo direito à diferença Capacidade de aceitar as críticas dos colegas e do professor Autonomia Criatividade Estruturação e apresentação cuidada (oral e escrita) dos trabalhos Satisfaz Bem 1,5 a 2 Satisfaz 0,75 a 1,4 Não satisfaz 0 a 0,74 Grelha de observação Trabalhos individuais e/ ou em grupo Apresentação oral Geometria Descritiva A Pág. 17 de

18 A avaliação é contínua e integra a componente diagnóstica, a formativa e a sumativa. Tem como referência os objectivos estabelecidos nos programas oficiais, referidos nas planificações, e a aferição das competências adquiridas pelos alunos. As componentes a avaliar são: o domínio dos conceitos, das técnicas de execução, da realização e das atitudes. O docente terá em consideração os parâmetros de avaliação indicados pelo Ministério da Educação: Conhecimento dos princípios teóricos, dos princípios construtivos e das normas do Desenho Técnico e da Geometria Descritiva; Utilização dos instrumentos e execução dos traçados; Utilização do Desenho Técnico e da Geometria Descritiva como meio de comunicação, capacidade de percepção dos espaços e de representação mental; Autonomia no desenvolvimento de actividades individuais, cooperação em projectos colectivos e capacidade de organização. Nota: A didáctica sugerida para a disciplina de Geometria Descritiva no Ensino Secundário pressupõe a possibilidade de uso, na sala de aula, de materiais e equipamentos diversificados: Material de desenho para o quadro e para o trabalho individual (régua, esquadro, compasso, transferidor); Modelos tridimensionais; Vídeo didáctico de manipulação dos modelos; Sólidos geométricos construídos em diversos materiais (placas, arames, palhinhas, acetatos, acrílico, vinil com líquido colorido, madeira); Meios audiovisuais (retroprojector, acetatos e canetas, projectores de diapositivos e de vídeo); Computadores com software de geometria dinâmica e/ou de CAD; Projector de luz; Fita métrica de 10m. Seria conveniente que a escola dispusesse de uma sala específica da disciplina de Geometria Descritiva com os materiais referidos instalados e devidamente salvaguardados, assim como de armários e/ou cacifos para guardar o material individual dos alunos. Esta sala deverá permitir a colocação de mesas com as características de uma sala padronizada para aulas teóricas e a circulação fácil do docente através do espaço. A obtenção de dados para avaliação formativa e sumativa poderá realizar-se através: da observação directa dos trabalhos realizados nas actividades lectivas; da observação dos registos das aulas em suporte físico (portfólio ou caderno diário); de intervenções orais ou no quadro; de atitudes reveladas durante as actividades lectivas; da responsabilidade em trazer material adequado para a aula; da avaliação de provas sumativas; de outras situações constatadas em contexto lectivo dependentes do docente e da turma. Serão ainda seguidos os seguintes critérios gerais adequados à metodologia de trabalho do docente: As provas sumativas serão globais e avaliadas com diferentes pesos de acordo com os conteúdos a avaliar e a progressão na aprendizagem dos alunos; A evolução dos alunos ao longo do seu percurso lectivo patente nos resultados das provas sumativas será levada em consideração de acordo com critérios específicos a definir com a turma; Serão marcadas duas provas sumativas no 1º período, duas no 2º período e uma no terceiro nas turmas de prosseguimento de estudos; Será marcada uma prova por módulo nas turmas de cursos profissionais e uma segunda antes da avaliação do módulo seguinte caso o aluno não capitalize o módulo que está a ser avaliado, a qual pode assumir a forma de um teste, de um trabalho ou de uma pesquisa de acordo com o que for determinado entre o professor e o aluno; As provas contêm questões práticas de representação gráfica; A avaliação destas provas, em termos de peso relativo para a classificação final, ficará estabelecida e acordada com os alunos no início do ano lectivo. Só serão considerados na classificação final conhecimentos alvo de avaliação mensurável; Pág. 18 de

19 Os alunos serão avisados dos critérios específicos de avaliação adoptados pelo respectivo docente e devem registar esse momento em documento escrito; O docente, de acordo com a sua metodologia de ensino/aprendizagem, terá de considerar na avaliação a resolução de exercícios em aula, os registos em suporte de papel, a postura do aluno e quaisquer outra situação observável e mensurável; O docente partilhará com os alunos os pesos relativos de cada elemento de avaliação na respectiva classificação interna final; As provas de avaliação sumativa representam 85% da classificação interna final nas turmas de Geometria Descritiva A e de 80% nas turmas de Geometria Descritiva dos cursos profissionais; A observação directa dos trabalhos realizados nas actividades lectivas e a observação dos registos das aulas em suporte físico representam 9% da classificação interna final; As intervenções orais ou no quadro e atitudes reveladas durante as actividades lectivas representam 6% da classificação interna final. Filosofia TOTAL: 90% (0/18 valores) DOMÍNIO SÓCIO- AFECTIVO TOTAL: (0/2 valores) Factores: Testes Trabalho de grupo Fichas de pesquisa Trabalho individual Oralidade Outros Observações: Pontualidade: Atenção/interesse Cooperação Respeito pelos outros Responsabilidade A não indicação de percentagens indexadas a cada um dos instrumentos de avaliação decorre do facto de a opção pela utilização de cada um deles não ser idêntica em todas as turmas. A especificidade de cada grupo-turma implica que haja instrumentos de avaliação que são pertinentes e utilizados numa turma e que não o são noutras. A mesma opção relativamente aos factores do domínio sócio-afectivo decorre de considerarmos que esta avaliação é integrada Biologia e Geologia TOTAL: 85% (17 valores) Testes: 65% Relatórios das actividades experimentais, minitestes e trabalhos de pesquisa: 20% DOMÍNIO SÓCIO- AFECTIVO TOTAL: 15% (3 valores) Interesse e responsabilidade nas actividades práticas: 10 % Participação e comportamento na sala de aulas: 5 % Pág. 19 de

20 Observações: Para a classificação final em cada período serão consideradas todas as classificações obtidas pelo aluno nos diversos instrumentos de avaliação desde o início do ano lectivo até esse momento. Os testes de avaliação são globais. Matemática A Domínio Cognitivo (capacidades, aptidões, conhecimentos) 90% Testes escritos 75% da média aritmética das classificações de todos os testes realizados pelo aluno até ao momento da avaliação. Outros elementos de avaliação escrita (Mini-Testes, Composições, Fichas no Laboratório de Matemática, Trabalhos realizados com a calculadora gráfica) 15% da média aritmética das classificações de todos os registos realizados pelo aluno até ao momento da avaliação. Domínio Sócio - Cultural Assiduidade, pontualidade, comportamento, respeito e cooperação, autonomia, interesse, empenho, hábitos de trabalho. Avaliação Sumativa Realizar-se-ão pelo menos dois testes no 1º e 2º Período e pelo menos um teste no 3º Período. Serão testes globais - todos os conteúdos programáticos são testáveis; O teste contém 2 partes, sendo a 1ª parte constituída por 5 questões de escolha múltipla e a 2ª parte por questões de desenvolvimento. Nas questões de escolha múltipla não deve apresentar cálculos nem justificações. Nestas questões cada resposta certa tem cotação de 10 pontos e cada questão errada ou não respondida zero pontos. Os professores que lecionam determinado ano vão fazendo permuta dos testes entre si, fornecendo aos seus alunos como material de trabalho os exercícios que considerem importantes para uniformização de critérios. Em cada período realizar-se-á, pelo menos, um momento de avaliação sob a forma de resolução de problemas, demonstração, composição/reflexão, mini-teste, trabalho de pesquisa, etc., o momento de avaliação pode ser proveniente de um trabalho individual, de grupo, de um trabalho de projeto ou outro julgado adequado. Pág. 20 de

21 Na avaliação final de cada período o professor, após ter aplicado os critérios de avaliação definidos, poderá ponderar a alteração da classificação, até o máximo de um valor, em função da progressão do aluno ou de outros fatores relevantes para a avaliação. Critérios de correção Critérios Gerais A cotação a atribuir a cada alínea deverá ser sempre um número inteiro. O professor deverá valorizar o raciocínio e a criatividade do aluno em todas as questões. Algumas questões dos testes podem ser corretamente resolvidas por mais que um processo. Pode acontecer que um aluno, ao resolver uma questão, não explicite todos os passos previstos, mas cuja utilização e/ou conhecimentos estejam implícitos na sua resolução, devem receber a cotação indicada. Erros ocasionais de contas que não afetem a estrutura ou o grau de dificuldade não devem ser penalizados em mais de da cotação indicada. Matemática B Domínio Cognitivo (capacidades, aptidões, conhecimentos) 90% Domínio Sócio - Cultural Testes escritos 75% da média aritmética das classificações de todos os testes realizados pelo aluno até ao momento da avaliação. Outros elementos de avaliação escrita (Mini-Testes, Composições, Fichas no Laboratório de Matemática, Trabalhos realizados com a calculadora gráfica) 15% da média aritmética das classificações de todos os registos realizados pelo aluno até ao momento da avaliação. Assiduidade, pontualidade, comportamento, respeito e cooperação, autonomia, interesse, empenho, hábitos de trabalho. Avaliação Sumativa Realizar-se-ão pelo menos dois testes no 1º e 2º Período e pelo menos um teste no 3º Período. Os professores que lecionam determinado ano vão fazendo permuta dos testes entre si, fornecendo aos seus alunos como material de trabalho os exercícios que considerem importantes para uniformização de critérios. Em cada período realizar-se-á, pelo menos, um momento de avaliação sob a forma de resolução de problemas, demonstração, composição/reflexão, mini-teste, trabalho de pesquisa, etc., o momento de avaliação pode ser proveniente de um trabalho individual, de grupo, de um trabalho de projeto ou outro julgado adequado. Pág. 21 de

22 Na avaliação final de cada período o professor, após ter aplicado os critérios de avaliação definidos, poderá ponderar a alteração da classificação, até o máximo de um valor, em função da progressão do aluno ou de outros fatores relevantes para a avaliação. Critérios de correção Critérios Gerais A cotação a atribuir a cada alínea deverá ser sempre um número inteiro. O professor deverá valorizar o raciocínio e a criatividade do aluno em todas as questões. Algumas questões dos testes podem ser corretamente resolvidas por mais que um processo. Pode acontecer que um aluno, ao resolver uma questão, não explicite todos os passos previstos, mas cuja utilização e/ou conhecimentos estejam implícitos na sua resolução, devem receber a cotação indicada. Erros ocasionais de contas que não afetem a estrutura ou o grau de dificuldade não devem ser penalizados em mais de da cotação indicada. MACS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO: MACS (10º e 11º Anos) Domínio Cognitivo (capacidades, aptidões, conhecimentos) 90% Domínio Sócio - Cultural Testes escritos 75% da média aritmética das classificações de todos os testes realizados pelo aluno até ao momento da avaliação. Outros elementos de avaliação escrita (Mini-Testes, Composições, Fichas no Laboratório de Matemática, Trabalhos realizados com a calculadora gráfica) 15% da média aritmética das classificações de todos os registos realizados pelo aluno até ao momento da avaliação. Assiduidade, pontualidade, comportamento, respeito e cooperação, autonomia, interesse, empenho, hábitos de trabalho. Avaliação Sumativa Realizar-se-ão pelo menos dois testes no 1º e 2º Período e pelo menos um teste no 3º Período. Estrutura dos testes: Todos os testes são globais apenas com questões de desenvolvimento. As condições de realização e cotação de cada uma das questões respeitarão, criteriosamente, as exigidas nos Exames Nacionais de MACS. Em cada período realizar-se-á, pelo menos, um momento de avaliação sob a forma de resolução de problemas, demonstração, composição/reflexão, mini-teste, trabalho de pesquisa, etc., o momento Pág. 22 de

23 de avaliação pode ser proveniente de um trabalho individual, de grupo, de um trabalho de projeto ou outro julgado adequado. Na avaliação final de cada período o professor, após ter aplicado os critérios de avaliação definidos, poderá ponderar a alteração da classificação, até o máximo de um valor, em função da progressão do aluno ou de outros fatores relevantes para a avaliação. Critérios de correção Critérios Gerais A cotação a atribuir a cada alínea deverá ser sempre um número inteiro. O professor deverá valorizar o raciocínio e a criatividade do aluno em todas as questões. Algumas questões dos testes podem ser corretamente resolvidas por mais que um processo. Pode acontecer que um aluno, ao resolver uma questão, não explicite todos os passos previstos, mas cuja utilização e/ou conhecimentos estejam implícitos na sua resolução, devem receber a cotação indicada. Erros ocasionais de contas que não afetem a estrutura ou o grau de dificuldade não devem ser penalizados em mais de da cotação indicada. Economia A TOTAL: 85% (17 Valores) INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO: 1. Testes sumativos.. 65% 2. Trabalhos 20% Observações: DOMÍNIO SOCIOAFETIVO TOTAL: 15% (3 Valores) FACTORES: 1. Atitudes e comportamentos 5% 2. Participação crítica... 5% 3. Progressão 5% Em cada período será considerada a média aritmética simples de todas as classificações dos testes e de outros trabalhos individuais e / ou em grupo, realizados ao longo do ano letivo. Física e Química A, Química e Física DOMÍNIO SÓCIO- AFECTIVO TOTAL: 90% (18 valores) TOTAL: (2 valores) Pág. 23 de

24 1. Testes: 65% 2. Trabalho prático/experimental (relatórios, trabalhos de pesquisa e testes teórico-práticos) 25%* * Nesta componente de avaliação os professores utilizarão os instrumentos de avaliação que considerarem mais adequado a cada momento. Factores: 1. Respeita colegas e professor 2. É pontual 3. Leva para a aula o material necessário 4. Faz o trabalho de casa 5% Trabalho prático/experimental 1. É empenhado 2. É metódico 3. Colabora com os colegas Observações: 5% Para a classificação final em cada período serão consideradas todas as classificações obtidas pelo aluno nos diversos instrumentos de avaliação desde o início do ano lectivo até esse momento. Geografia A e Geografia C FICHAS DE AVALIAÇÃO Número mínimo de fichas : 1.º Período - 3 fichas (1 formativa e 2 sumativas ) 2.º Período - 3 fichas (1 formativa e 2 sumativas ) 3.º Período - 2 fichas (1 formativa e 1 sumativa ) (com uma média de 5 folhas por ficha) As fichas sumativas poderão ser substituídas por trabalhos escritos sumativos. Têm a avaliação quantitativa de 0 a 20 valores. Os conteúdos a testar nas fichas de avaliação sumativa, deverão corresponder às planificações aprovadas no conselho do grupo disciplinar, que estão de acordo com as orientações de gestão de Programas enviadas pelo ME. Deverão ser estruturadas com questões do tipo: - Resposta curta - Verdadeiro / Falso - Escolha múltipla - Legendar imagens/ gráficos/mapas/esquemas - Justificar processos - Desenvolvimento Pág. 24 de

25 - Outras Os domínios a avaliar serão de acordo com os referidos e sublinhados na tabela "A Aprendizagem da Geografia". Na correcção das fichas são tidos em consideração os seguintes critérios: Clareza da resposta Objectividade da resposta Capacidade de síntese Utilização de terminologia adequada Correcção/fundamentação científica da argumentação Estrutura coerente das respostas INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO Fichas formativas Fichas sumativas" Trabalhos de investigação / projecto com elaboração de relatórios (incluindo a utilização da plataforma de e-learning Moodlle) Construção de gráficos, mapas e outros Produção de pequenos relatórios de análise/síntese Registos de observação na aula Fichas de trabalho na aula em grupo e/ou individual Fichas de trabalho de casa Registos de observação de saídas de campo e visitas de estudo Registos de observação na aula (qualidade e frequência na participação e atitudes de cooperação nos trabalhos e outras, etc.) Registos da assiduidade e pontualidade Caderno diário Portfólio / dossiê de notícias Outros (por exemplo, participação em projectos da escola) A APRENDIZAGEM NA GEOGRAFIA Trabalhar em Geografia Conhecer (o saber) Definir Referir Indicar Actividades Localizar Descrever Caracterizar Pág. 25 de

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA)

GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) GRUPO DE RECRUTAMENTO 620 (ED. FÍSICA) CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO (10º, 11º e 12º anos) ENSINO SECUNDÁRIO ATITUDES E VALORES Assiduidade e Pontualidade 3% Fichas de registo de observação Responsabilidade e

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Índice Introdução... 3 Língua Portuguesa... 3 Inglês I... 3 Francês II... 3 Espanhol... 3 Matemática...

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 3º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos PORTUGUÊS 2 2 2 1 Oralidade Leitura Escrita Funcionamento da Língua LITERATURA PORTUGUESA 90% Domínio do Conhecimento 3 3 Leitura Escrita Oralidade

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Agrupamento de Escolas Serra da Gardunha - Fundão Ano Lectivo 2010/2011 Ensino Básico A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos

AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO Cursos Cientifico-Humanísticos PORTUGUÊS 10º ano 2015-16 5% Oralidade e Educação Literária Leitura e Educação Literária Escrita e Educação Literária Educação Literária Gramática

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Avaliação da Aprendizagem

Avaliação da Aprendizagem Avaliação da Aprendizagem A avaliação constitui um processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar e certificador dos conhecimentos adquiridos e capacidades desenvolvidas pelo aluno. A avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS JOSÉ CARDOSO PIRES CÓDIGO 170719 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Ensino Básico PARÂMETROS GERAIS 1. MODALIDADES DA AVALIAÇÃO 1.1 Avaliação diagnóstica 1.2 Avaliação formativa 1.3 Avaliação

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

2014 / 2015. Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro

2014 / 2015. Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 2014 / 2015 O projecto Metas de Aprendizagem insere-se na Estratégia Global de Desenvolvimento do Currículo Nacional que visa assegurar uma educação de qualidade e melhores resultados escolares nos diferentes

Leia mais

Agrupamento de Escolas Gardunha e Xisto - Fundão

Agrupamento de Escolas Gardunha e Xisto - Fundão Agrupamento de Escolas Gardunha e Xisto - Fundão Ensino Básico Ano Lectivo 2012/2013 A avaliação escolar tem como finalidade essencial informar o aluno, o encarregado de educação e o próprio professor,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRANDELA Critérios de Avaliação Matemática A 10º Ano Matemática Ano Letivo 2014/2015 A avaliação deve reflectir a Matemática que todos os alunos devem saber e ser capazes de

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CAROLINA MICHAËLIS Conhecimentos e Competências Saber, Saber Fazer Atitudes e Comportamentos Saber Estar 2º e 3º Ciclos do Ensino Básico Ano Letivo 2013/2014 Os professores dos grupos disciplinares de línguas estrangeiras

Leia mais

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos

Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014. Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínio das atitudes e valores Domínio Cognitivo Português 2º ciclo Ano letivo 2013/ 2014 Docente: Graça Silva Turma: 6.º A Critérios de avaliação 1.º 2.º e 3.º Períodos Domínios de Avaliação Instrumentos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO D. MANUEL I BEJA CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO FÍSICA 7º Ano actividades - mas apenas de algumas modalidades). EDUCAÇÃO FÍSICA 8º Ano actividades - mas apenas de algumas modalidades). EDUCAÇÃO FÍSICA 9º Ano actividades - mas apenas de algumas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º Ciclo 2015/16 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3º CICLO Quadro de síntese 3º Ciclo Domínios da Avaliação 0 Saber 70% Português 0 Saber Fazer 20% "0 Ser / Saber Ser" " O Saber 75% Inglês

Leia mais

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016

GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330. Critérios de Avaliação. Ano letivo 2015/2016 GRUPO DISCIPLINAR DE INGLÊS - 330 Critérios de Avaliação Ano letivo 2015/2016 Em conformidade com os programas e respectivas orientações e processos de operacionalização da disciplina de Inglês procurou-se

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 4 DE ÉVORA SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA ANDRÉ DE GOUVEIA CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS INGLÊS ESPANHOL FRANCÊS ENSINO BÁSICO (2.º e 3.º CICLOS) ENSINO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2015/2016 MN.FIJ.02.00 1/10 ANO LETIVO 2015/2016 Proposta da Direção Pedagógica Homologação pelo Conselho Pedagógico I- ENQUADRAMENTO

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ANO LETIVO 2014/2015

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ANO LETIVO 2014/2015 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA O ANO LETIVO 2014/2015 (ESTE DOCUMENTO É PARTE INTEGRANTE DO PROJETO CURRICULAR DE ESCOLA QUE SE ENCONTRA EM PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO) ÍNDICE 2. Avaliação 3 2.1. Princípios orientadores

Leia mais

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO

ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO ESCOLA BÁSICA INTEGRADA DE ANGRA DO HEROÍSMO ANO LECTIVO 2008/2009 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1 Os critérios de avaliação definidos têm por base aquilo que cada professor deve valorizar nos seus alunos ao

Leia mais

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB

Agrupamento de Escolas Martim de Freitas. Ano letivo 2012/2013. Critérios de Avaliação do 1º CEB Agrupamento de Escolas Martim de Freitas Ano letivo 2012/2013 Critérios de Avaliação do 1º CEB 1- Introdução Tal como o disposto no nº 1 do art. 23º do Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho, a avaliação

Leia mais

Departamento de Matemática e Informática. Grupo de Recrutamento 550 - Informática. Critérios de Avaliação

Departamento de Matemática e Informática. Grupo de Recrutamento 550 - Informática. Critérios de Avaliação Grupo de Recrutamento 550 - Informática Critérios de Avaliação Ano Lectivo 2014/2015 Os critérios de avaliação definidos para as disciplinas de Tecnologias de Informação e Comunicação do 3º ciclo do Ensino

Leia mais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Matemática Aplicada às Ciências Sociais DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA Matemática Aplicada às Ciências Sociais Ensino Regular Curso Geral de Ciências Sociais e Humanas 10º Ano Planificação 2014/2015 Índice Finalidades... 2 Objectivos e competências

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2014/2015 Página 2 1.º Ciclo.. 05 2.º Ciclo. 09 Língua Portuguesa. Língua Inglesa.. História e Geografia de Portugal 23 Matemática... 24 Ciências da Natureza.. 25 Educação Musical...

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS E ESPECÍFICOS

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS E ESPECÍFICOS ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO GERAIS E ESPECÍFICOS Aprovados pela Direção após ouvir o Conselho Coordenação Pedagógico para vigorarem no: ANO LETIVO de 2014/2015 ÍNDICE I - Enquadramento 3 II

Leia mais

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO

AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO. Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO AERT - ESCOLA EB 2,3 DE RIO TINTO Ano Letivo de 2015/2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO NA DISCIPLINA DE HISTÓRIA -3ºCICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Os critérios definidos pelas docentes da disciplina de História

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação DGEstE Direção-Geral dos Estabelecimentos Escolares Direção de Serviços Região Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Critérios de Avaliação 1º Ciclo Ano Letivo 14/ Terminologia a utilizar na classificação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR. Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Áreas Critérios de avaliação Instrumentos de avaliação Área de Formação Pessoal e social Revelar autonomia na higiene e alimentação. Demonstrar controlo de emoções, reações e atitudes.

Leia mais

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 1º Ciclo Critérios de Avaliação 1º Ciclo 2015/2016 Critérios de Avaliação do 1º ciclo Os conhecimentos e capacidades a adquirir e a desenvolver pelos alunos de cada ciclo de ensino têm como referência os conteúdos

Leia mais

Critérios de avaliação da disciplina de Educação Tecnológica 2º Ciclo. Metas/Domínios Ano Parâmetros de Avaliação

Critérios de avaliação da disciplina de Educação Tecnológica 2º Ciclo. Metas/Domínios Ano Parâmetros de Avaliação Sócio-Afetivo Interesse e empenho Comportamento (respeito e sociabilidade) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS Ano Letivo de 2012/2013 Critérios de avaliação

Leia mais

Critérios de avaliação 2015-2016

Critérios de avaliação 2015-2016 Agrupamento de Escolas de Amareleja 3.º ciclo Critérios de avaliação 2015-2016 Nomenclatura Co dos instrumentos de avaliação Classificação Nomenclatura 0% a 19% Fraco 20% a 49% Insuficiente 50% a 69 %

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014

ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 ENSINO SECUNDÁRIO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO DE INGLÊS ANO LETIVO DE 2013/2014 A avaliação é feita através da observação direta e sistemática de acordo com as Metas de aprendizagem. A avaliação

Leia mais

2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE

2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE Página 1 de 5 TEMÁTICAS: 1- Educação para a sexualidade 2-Educação para o desenvolvimento sustentável e para o consumo CURRÍCULO OFERTA COMPLEMENTAR -8º ANO DE ESCOLARIDADE EDUCAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Escola Secundária de Cantanhede 2013-2014 Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Critérios de Avaliação 1 Critérios de Avaliação ESC 2013-2014 LÍNGUAS 300 CURSO Profissionais DISCIPLINA

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO DISCIPLINA. TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano. Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES PLANIFICAÇÃO da DISCIPLINA de TECNOLOGIAS da INFORMAÇÃO e COMUNICAÇÃO (TIC) 8º Ano Ano letivo 2014-2015 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FRANCISCO SANCHES Desenvolvimento

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia e Geologia CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS- 3ºCICLO - DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

Critérios de Avaliação. Departamento de Ciências Geoeconómicas

Critérios de Avaliação. Departamento de Ciências Geoeconómicas Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Geoeconómicas 2015/2016 7.º ano Geografia Testes de avaliação sumativa (70%); Trabalhos escritos e/ou orais dentro da sala de aula (); I Pontualidade 4%

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Instituto dos Pupilos do Exército

Instituto dos Pupilos do Exército Instituto dos Pupilos do Exército Critérios de Avaliação 015-016 Página 1 de 5 1. Introdução A aplicação de critérios de avaliação pretende refletir o resultado da apreciação clara, coerente e objetiva

Leia mais

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Aneo 1 Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Quadro 1 Área a avaliar: Resultados do 1º Período Sucesso

Leia mais

PLANOS de ESTUDO. Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012. Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580

PLANOS de ESTUDO. Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012. Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 PLANOS de ESTUDO Ensino Diurno ANO LECTIVO 2011/2012 Rua Doutor Manuel de Arriaga 8000-334 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 tomascabreira@mail.telepac.pt www.tomascabreira.net CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo - 60% Domínio Sócio afectivo- 40% Oralidade (Compreensão do Oral e Expressão Oral) - 5%

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Domínio Cognitivo - 60% Domínio Sócio afectivo- 40% Oralidade (Compreensão do Oral e Expressão Oral) - 5% Domínio Cognitivo - Domínio Sócio afectivo- Componente geral Português Oralidade (Compreensão do Oral e Expressão Oral) - 5% Testes de (30%) Gramática - 5% Leitura e Escrita - 20% Organização do material

Leia mais

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES

AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES ESCOLA BÁSICA LUÍS DE STTAU MONTEIRO - AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº1 DE LOURES AVALIAÇÃO NAS DISCIPLINAS CURRICULARES DOMÍNIOS / CRITÉRIOS 2º Ciclo DISCIPLINA COGNITIVO / OPERATIVO E INSTRUMENTAL CONHECIMENTOS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALANDROAL Ano letivo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALANDROAL Ano letivo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALANDROAL Ano letivo 2014/15 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento Curricular de Matemática e Ciências Experimentais Área /Disciplina de Ciências Experimentais 2º e 3º Ciclo Indicadores/Parâmetros

Leia mais

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015

INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 Direção Regional de Educação do Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PÓVOA DE LANHOSO - 150915 PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS cont. Código 367 abril 2015 11º Ano de escolaridade (Decreto Lei 139/

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. FLÁVIO GONÇALVES PÓVOA DE VARZIM Critérios Específicos de Avaliação DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ANO LETIVO 2014/15 Critérios de avaliação específicos da disciplina de

Leia mais

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A

AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO. A - Preparação e organização das actividades N A AVALIAÇÃO EFECTUADA PELO COORDENADOR DE DEPARTAMENTO Nome do Docente: Período de Avaliação:200 / 2009 Grupo de Recrutamento: Departamento: A - Preparação e organização das actividades N A A.1 Correcção

Leia mais

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe

PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe PROGRAMA DE METODOLOGIA DO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA 11ª Classe Formação de Professores para o Pré-Escolar e para o Ensino Primário Opção: Ensino Primário Ficha Técnica Título Programa de Metodologia

Leia mais

Critérios de Avaliação. 3º Ano. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães 1º Ciclo

Critérios de Avaliação. 3º Ano. Agrupamento de Escolas Pedro Jacques de Magalhães 1º Ciclo Critérios de Avaliação 3º Ano 1º Ciclo Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de avaliação Ponderação Oralidade Assimilar e expressar as ideias essenciais e as intenções de

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia

Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia Departamento de Matemática e Ciências Experimentais CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS Grupo de Recrutamento de Biologia-Geologia CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ALUNOS- 3ºCICLO - DISCIPLINA DE CIÊNCIAS NATURAIS

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO

Guião de Avaliação do Agrupamento de Escolas Gomes Teixeira, Armamar GUIÃO DE AVALIAÇÃO GUIÃO DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR De acordo com as Orientações Curriculares para a Educação Pré-Escolar (Despacho N.º 220/97, de 4 de Agosto), avaliar o processo e os efeitos, implica tomar consciência

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA E. B. 2,3 DE PORTO ALTO 2013-2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SAMORA CORREIA ESCOLA E. B. 2,3 PROF. JOÃO FERNANDES PRATAS ESCOLA E. B. 2,3 DE PORTO ALTO 2013-2014 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2013-2014 D E P A R T A M E N TO DAS L Í N G U A S PORTUGUÊS 2º CICLO Português Saber Fazer 2º Ciclo Testes 50% Leitura 9% Oralidade: Compreensão 12% Expressão Trabalhos escritos

Leia mais

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS

1- CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS 2- CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS 3- LÍNGUAS E HUMANIDADES 4- ARTES VISUAIS OFERTA DO COLÉGIO (2010/2011) CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior. Têm a duração de 3 anos de escolaridade. Conferem um diploma de conclusão do

Leia mais

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida

DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA. Formadora: Patrícia Almeida DIFERENCIAÇÃO PEDAGÓGICA Formadora: Patrícia Almeida CONTEÚDOS Diferenciar Porquê? Teoria das Inteligências Múltiplas. Estilos de Aprendizagem. Hierarquia das Necessidades de Maslow. Modelo Ecológico.

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul. Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul Escola sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Critérios de Avaliação 1º Ciclo do Ensino Básico 1. Enquadramento legal da avaliação - Decreto-Lei 138/2012,

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Sede na Escola Secundária/ José Cardoso Pires Santo António dos Cavaleiros CURSO PROFISSIONAL NÍVEL SECUNDÁRIO Planificação Anual 201-2014 COMUNICAÇÃO E

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO ANO LECTIVO 2008/2009 A avaliação é um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certifica as aquisições realizadas pelos/as alunos/as. Na avaliação

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO FÍSICA 2º e 3º Ciclos

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO FÍSICA 2º e 3º Ciclos EDUCAÇÃO FÍSICA 2º e 3º Ciclos A avaliação dos alunos nas aulas de Educação Física terá de respeitar os seguintes 1. AQUISIÇÃO DE COMPETÊNCIAS DO DOMÍNIO PSICO-MOTOR...60% a. Comportamentos motores adquiridos

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE LOUSADA Escola Sede Escola Secundária de Lousada Código de Agrupamento - 151518 CALENDÁRIO - 2013/2014 1º CICLO 1º CICLO PROVAS FINAIS - 1ª FASE 19/05/2014 21/05/2014 Português (Código 41) Português (Código 31) Prova Oral - 12h* Matemática (Código 42) Matemática (Código 32) PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 1ª

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 2º Ano

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO. Critérios de Avaliação. 2º Ano AGRUPAMENTO DE ESCOLAS PEDRO JACQUES MAGALHÃES 1º CICLO Critérios de Avaliação 2º Ano Atitudes e Valores Conhecimentos e Capacidades Disciplina: PORTUGUÊS Domínio Parâmetros de Avaliação Instrumentos de

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Ano letivo 2014/2015 Ensino Secundário - 1ª e 2ª Fase Disciplina de ESPANHOL (INICIAÇÃO BIENAL) - 375 Informação Prova de Equivalência à Frequência 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA

ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA ESCOLA SECUNDÁRIA 3 E.B. DR. JORGE CORREIA - TAVIRA Cursos Científico-Humanísticos OFERTA EDUCATIVA 2012/2013 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS Vocacionados para o prosseguimento de estudos a nível superior.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação da Área Disciplinar de Informática Ano Lectivo 2014/2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PORTELA E MOSCAVIDE. Critérios de Avaliação da Área Disciplinar de Informática Ano Lectivo 2014/2015 Escola EB1/JI Quinta da Alegria Critérios de Avaliação da Área Disciplinar de Informática Ano Lectivo 2014/2015 Programação e Multimédia Curso Vocacional 3.º Ciclo Avaliação A metodologia a adoptar na

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Departamento de Línguas Grupos: 220; 300; 320; 330; 350 ESCOLA BÁSICA DO 2º CICLO DE PINHEL Critérios de Avaliação de Língua Portuguesa- 2º Ciclo O R A L I D A D E Componente Cognitiva

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA DE AMORA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2013/2014 ECONOMIA A (10º ANO) Página 1 de 10 Finalidades da disciplina de Economia A, no conjunto dos dois anos da sua leccionação: Perspectivar a Economia

Leia mais

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico

ANO LETIVO 2013/2014. 10º ano nível VI - Inglês Planificação a Longo Prazo. Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico Conteúdos Procedimentos Blocos previstos MÓDULO O trabalho diagnóstico - Leitura de textos MÓDULO 1 - Um mundo de muitas línguas: contacto com outras línguas, experiências e culturas Línguas e culturas

Leia mais

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias

Níveis de desempenho. Perguntar e fornecer opiniões. Perguntar e responder sobre os diferentes tipos de férias Competências.Adquirir conhecimentos sobre a cultura e civilização Anglo- Americana numa perspectiva intercultural. - Aprofundar o conhecimento da realidade Portuguesa através do confronto com aspectos

Leia mais

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER

COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS GRUPO DE DOCÊNCIA 330 INGLÊS E ALEMÃO 2008/2009 Na aprendizagem de uma língua é fundamental dar ênfase ao desenvolvimento equilibrado das capacidades Ouvir-Falar-Ler-Escrever e

Leia mais

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física

CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS. 1 - Currículo Nacional do Ensino Básico Competências Essenciais de Educação Física CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO DOS ALUNOS Os Critérios de Avaliação de Educação Física têm como base de referência os seguintes documentos: 1. Decreto-Lei nº 139 de 5 de julho de 2012 2. Currículo Nacional

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios em Domínios/Competências Fatores de ponderação Instrumentos de Domínio Cognitivo Compreensão oral 20% Registos e grelhas de observação

Leia mais

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Português (41) Português Matemática (42) Estudo do Meio (22) (Prova escrita 60 minutos) Expressões Artísticas (23) 90 minutos)

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PSICÓLOGA ÁUREA SANTOS OBJECTIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objectivos proporcionar formação artística, preparando profissionais para diferentes ramos artísticos e fomentar práticas

Leia mais

PERCURSO CURRICULAR ALTERNATIVO 7º F

PERCURSO CURRICULAR ALTERNATIVO 7º F AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO- ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO- MEDAS PLANIFICAÇÃO ANUAL E SEMESTRAL DA TURMA DE PERCURSO CURRICULAR ALTERNATIVO 7º F ANO LECTIVO 2010 / 2011 1º PERÍODO

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BÁSICA E SECUNDÁRIA DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos artísticos especializados têm como objectivos proporcionar formação artística, preparando profissionais para diferentes ramos artísticos e fomentar práticas artísticas individuais e

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1º CICLO Critérios de Avaliação, 1º Ciclo - Ano Letivo 2014-15 Página 1 de 10 1. Domínios de avaliação: AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

Critérios de Avaliação Departamento de Línguas. 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores

Critérios de Avaliação Departamento de Línguas. 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores Critérios de Avaliação Departamento de Línguas 2015/2016 Agrupamento de Escolas de Miraflores Aprovado em reunião de Conselho Pedagógico a 10 de Setembro de 2015 Cálculo da classificação interna a atribuir

Leia mais

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14

Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 Critérios de avaliação dos alunos para o ano letivo 2013/14 (Aprovados após o parecer favorável do Conselho Pedagógico, de acordo com o Decreto-Lei nº 75/2008, de 22 de abril) Pré-escolar As principais

Leia mais