Esta apresentação está, dividida em 3 partes: Saúde Trabalho Revolução Disciplina Legal Relato Histórico

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Esta apresentação está, dividida em 3 partes: Saúde Trabalho Revolução Disciplina Legal Relato Histórico"

Transcrição

1 SAÚDE NO TRABALHO: UMA REVOLUÇÃO EM ANDAMENTO EVOLUÇÃO NO BRASIL A história é como um facho de luz que se projeta do passado para iluminar os caminhos do futuro. Arnold Toynbee Esta apresentação está, dividida em 3 partes: Saúde Trabalho Revolução Disciplina Legal Relato Histórico

2 SAÚDE NO TRABALHO: UMA REVOLUÇÃO EM ANDAMENTO Saúde do Trabalhador Uma Revoluçã ção o em Andamento é uma visão o panorâmica sobre um ideário que nos fala de mudanças as e de esperanças, as, e também m de iniciativas malogradas e de sacrifícios cios como um apelo de incentivo a uma luta em permanente andamento, por uma idéia ia concebida pela razão, que as geraçõ ções passadas nos enviam para criaçã ção o do amanhã.

3 SAÚDE NO TRABALHO: UMA REVOLUÇÃO EM ANDAMENTO Eu sou eu e as minhas circunstâncias. Se não as salvo, como me salvo eu?. Ortega y Gasset

4 A SAÚDE Interesse do Homem O homem sempre se interessou por sua saúde, os registros revelam que ao longo de toda a história, já mesmo milhares de anos antes de Cristo. Dizer por exemplo que o trabalhador é fatalista e indiferente à saúde é uma idéia preconcebida que não pode ser aceita, a menos que as pessoas que assim o fazem sejam desatualizadas ou defendam algum tipo de interesse excuso. Muitas pessoas ainda acreditam que a maneira de manter a saúde e evitar ou curar doenças é usando algumas formas de magia, feitiçaria, amuletos e substâncias mágicas que sejam capazes de afugentar ou aplacar os espíritos daninhos.

5 A SAÚDE Conceito Global de Saúde Conceitos de saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS) Como um estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade. O gozo do melhor estado de saúde que seja possível atingir constitui um dos interesses fundamentais de todo ser humano, sem distinção de raça, religião, opinião política, condição econômica e social. A saúde de todos os povos é condição fundamental para a consecução da paz e da segurança e depende da mais estreita cooperação de indivíduos e de Estados.

6 A SAÚDE Conceito Estratégico e Ecológico O estado de saúde pode ser entendido como o resultado de um contínuo e bem sucedido equilíbrio entre o indivíduo e o meio que o cerca. Os fatores que influenciam a saúde podem ser esquematizados, por quatro grupos de elementos condicionantes da saúde: a) a Biologia Humana; b) o Meio-Ambiente; c) os Hábitos de Vida; e d) a Organização dos Cuidados de Saúde.

7 A SAÚDE Doença Doença é considerada por todos como um evento indesejável que pode levar à morte, provoca dor, sofrimento e, freqüentemente, acarreta incapacidade, que pode ser temporária ou permanente, total ou parcial. O fato é que não é possível falar em prevenção com um paciente que sofre, sem aliviar a sua doença e torna-se infrutífero fazer o discurso da promoção de saúde sem atender, razoavelmente, às necessidades sentidas de uma população.

8 A SAÚDE Saúde e Produtividade É antieconômico permitir que indivíduos que tenham alcançado a fase produtiva se tornem improdutivos devido à doença ou aos acidentes em especial os do trabalho, ou tenham seus anos de produtividade limitados por uma expectativa de vida curta. Será lógico e econômico, então empregar o máximo de esforço em relação àqueles que nascem e aos que estão na fase de produção e nela permanecem o maior tempo possível uma vez que é nesta fase que terão a possibilidade de fazer um verdadeiro reembolso das despesas feitas na fase inicial.

9 A SAÚDE Ciclo Econômico da Saúde Círculo Virtuoso da Saúde PRODUÇÃO ALTA Círculo Vicioso da Doença PRODUÇÃO BAIXA MAIOR ENERGIA E CAPACIDADE MAIOR SOBREVIDA MAIS SAÚDE SALÁRIOS ALTOS MENOR ENERGIA E CAPACIDADE INCAPACIDADE E MENOR SOBREVIDA MAIS DOENÇA SALÁRIOS BAIXOS GRANDE INVERSÃO EM SANEAMENTO E PREVENÇÃO BAIXA INVERSÃO EM SANEAMENTO E PREVENÇÃO RIQUEZA BAIXOS GASTOS EM TRATAMENTO ALIMENTAÇÃO E EDUCAÇÃO ADEQUADAS POBREZA ALTOS GASTOS EM TRATAMENTO E HABITAÇÃO POBRE ALIMENTAÇÃO E EDUCAÇÃO INSUFICIENTES SAÚDE DOENÇA

10 A SAÚDE Conquistas e Paradoxos As ciências médicas vêm progredindo de maneira notável nestes últimos decênios, colocando a serviço da saúde uma variedade e quantidade enorme de poderosas armas que visam não somente sua proteção, como sua reabilitação. Educação para a Saúde A educação para a saúde surge como um instrumento capaz de valorizar o homem e colocá-lo em condições de produzir e de trabalhar para um futuro mais esperançoso e de maior compreensão humana.

11 A SAÚDE Realidade Brasil Resultado da pesquisa do MS e IBGE, pela PNAD, em 1998, para geração de informações populacionais atualizadas sobre o consumo dos serviços de saúde no país: 1/3 da população não tem sistema de saúde; A porta de entrada varia de acordo com a idade, sexo e principalmente renda; Cerca de 5% não tem recursos; Cerca de 1 em 5 brasileiros nunca foram ao dentista; 1/2 da população usa o SUS e 1/3 Plano de Saúde; 7 em 100 pessoas foram hospitalizadas; As internações decrescem como aumento da renda.

12 TRABALHO Trabalho é entendido como todo o esforço pelo qual o homem, no exercício de sua capacidade física e mental, age para atingir seus objetivos em consonância com princípios éticos.

13 TRABALHO Aspecto Individual O trabalho é uma maneira de engrandecer a vida e não deve se transformar pelo modo como é realizado e pelas condições do ambiente em que é executado, num caminho para a invalidez ou para o encurtamento da vida. Aspecto Social Socialmente considerado, é um dos imperativos da vida coletiva, cuja subsistência exige o esforço comum para o seu desenvolvimento, e, por conseguinte, reclama da atividade humana um labor eficiente para o aumento das fontes de riqueza expressa pela produção. Aspecto Jurídico A Constituição de 1988 consagrou a saúde como direito de todos e dever do estado criando princípios que devem ser respeitados pela legislação trabalhista garantindo aos trabalhadores condições seguras e salubres nos ambientes de trabalho. Até o momento não houve a adaptação da CLT aos postulados constitucionais. Por isso a CLT deve ser corrigida e atualizada.

14 TRABALHO Competição Global Em meados do século XX imaginou-se que no final dele as pessoas trabalhariam menos e disporiam de um tempo maior para lazer, as artes, a natureza e a família. A competição global levou a adoção da prática do melhor resultado ao menor custo possível: instalou-se o downsizing, a terceirização, a reengenharia, just-in-time processos que levaram à redução de pessoal. Quem ficou teve suas obrigações aumentadas e passou a trabalhar muito mais.

15 TRABALHO Valorização do Trabalhador O desenvolvimento empresarial e social precisa de pessoas competentes em todas as atividades. Vivemos uma era na qual o conhecimento é valorizado e investir no próprio capital intelectual é tão ou mais importante que investir no mercado financeiro. Reformulação do Comportamento Tendo-se colocado a si mesmo como centro exclusivo e único da vida, perdeu o homem padrões superiores de referência, desenvolvendo, dessa forma, uma atitude egoísta e destrutiva do seu meio ambiente e de seus semelhantes. Assim, vivemos não somente uma crise econômica, política ou social, mas fundamentalmente uma crise moral e ética.

16 TRABALHO Participação A participação é considerada como um processo que oferece àqueles que a ela se entregam um papel decisivo na elaboração das decisões e na execução dos programas de prevenção dos infortúnios do trabalho. Ela é encarada como um elemento essencial no relacionamento interpessoal da organização, não só como um meio, mas também como um fim como um instrumento de tomada de consciência para a preservação da saúde e da vida. Desafios Globais Os desafios impostos ao nosso País, em decorrência de seu próprio processo de evolução e, conseqüente, maior interdependência com a economia mundial, estão a exigir um número cada vez maior de profissionais e trabalhadores convenientemente qualificados e ajustados para o desempenho do trabalho.

17 REVOLUÇÃO? PORQUÊ? A Temporalidade e o Homem Quem não conhece a história, não faz a história. Uma afirmação do Engº André Lopes Netto, companheiro de muitas jornadas. A história só não será uma sucessão de acontecimentos sem ordenação e desprovidos de sentido, se não for a expressão de uma determinação, do conjunto de vontades e da defesa da liberdade, isto é, quando há evidente possibilidade da razão, ser a condutora do lento progresso da humanidade.

18 REVOLUÇÃO? PORQUÊ? Marco Definidor A Revolução de que estou falando é o marco que define a disposição moral para o progresso por parte da comunidade de trabalho no Brasil. Ela tem sua razão de ser no combate às condições adversas do trabalho em sua ação agressiva sobre os trabalhadores.

19 A NOVA ORDEM MUNDIAL O Mundo em Crise A situação que se viveu no mundo por cerca de 50 anos, manteve em segundo plano uma série de problemas vitais para a sobrevivência da humanidade, pelo menos nos padrões que o ocidente desenvolveu e nos quais estamos inseridos e habituados. Com o fim do conflito, tais problemas: acesso a bens essenciais ao desenvolvimento, crescimento demográfico e seus reflexos no meio ambiente, rebeliões étnicas, fronteiras políticas, graves epidemias, desemprego e, mais que todos, as desigualdades sociais afloraram no primeiro plano das preocupações também daqueles que se interessam pela saúde dos trabalhadores.

20 A NOVA ORDEM MUNDIAL A Globalização A globalização hoje dominante parece irreversível, foi facilitada pela capacidade de pesquisa das universidades subsidiadas por elas, o enorme desenvolvimento dos meios de transporte e, sobretudo dos meios de comunicação. A produção em massa de bens de consumo, beneficiando-se das vantagens de escala, não teria sido possível sem os atuais meios e custos de transporte e sem a padronização de gostos, costumes e a moda que a disseminação universal da informação e da propaganda propicia. Não nos esqueçamos das padronizações estabelecidas pelas ISO.

21 A NOVA ORDEM MUNDIAL Resumo de uma situação complicada Vejamos a posição do Brasil no mundo atual e o seu avanço social. Status Social No ano 2000 Brasil México China Índia População (milhões) População urbana (%) Índice de desenvolvimento humano (1999) PIB per capita, PPP (%) Mortalidade Infantil (a cada nascidos) Escolarização (%) Progresso social no Brasil Ano Pobreza (%) Pobreza extrema (%) Mortalidade Infantil (a cada 1000 nascidos) Expectativa de vida (anos) Escolarzação Fonte: Banco Mundial e IPEA/IBGE

22 DISCIPLINA LEGAL Princípios O ajustamento e a organização social foram os processos de recuperação da qualificação do trabalhador, em que os Governos e o Estado tiveram que abandonar a sua cômoda posição política liberal e tomar firme diretriz na questão trabalhista e social, quando as correntes socialistas, principalmente as do socialismo científico, ameaçaram solapar as bases do capitalismo.

23 DISCIPLINA LEGAL Esforços que objetivaram encontrar soluções para a questão operária - O Capital _ Karl Marx/ Rerum Novarum - Papa Leão XIII/ Declaração Universal dos Direitos do Homem - ONU/48 - A OIT e OMS se reunem em Genebra/57 - estabelecem conceitos básicos

24 DISCIPLINA LEGAL Situação no Brasil O quadro de cobertura da prevenção dos riscos do trabalho veio modesta e gradativamente se completando no Brasil, não em nível de uma real efetividade, mas no que respeita a sua disciplinação legal, com lacunas em termos de conceituação e de aplicação. Desse modo, o movimento em prol da saúde das pessoas em suas ocupações e de melhores condições de trabalho começou a se corporificar como um movimento social depois da Primeira Grande Guerra, quando a comunidade política e trabalhista assim o consideraram como um direito natural.

25 DISCIPLINA LEGAL Situação no Brasil Constituição Federal A Consolidação das Leis do Trabalho e as Normas Regulamentadoras ( criada e aprovada na época de Getúlio Vargas/1943) Decreto de 25/07/1972 que tratava do Programa Nacional de Valorização do Trabalhador Portaria 3237 de 17/07/1972 do Ministério do Trabalho Portaria nº 3214 de 8/06/1978 que aprovou as Normas Regulamentadoras (NR), Portaria nº 3067 de 12/04/1988 que aprovou as Normas Regulamentadoras sobre trabalho rural Legislação Previdenciária e Acidentária Lei Orgânica da Saúde/1990 Conselho Federal de Medicina

26 Brasil Colonial Povoado inicialmente por um número de aproximadamente dois milhões de indígenas, o Brasil assiste a chegada dos portugueses em Abandonando a terra aos especuladores particulares, que a princípio eram atraídos pelo Pau-Brasil (ibirapitanga, arabutã dos indígenas), a região começou a ser conhecida pelo nome dessa madeira vermelha dada pelos portugueses, assim como aqueles que lidavam com tráfico do produto, passaram a ser conhecidos como brasileiros.

27 Brasil Colonial - A chegada dos escravos negros A convivência dessas três etnias foi marcada por graves e sangrentos conflitos, devido as grandes divergências e preconceitos existentes naquela época. Os negros estavam desenraizados de sua cultura e escravizados. Os indígenas assistiam ao deplorável espetáculo que consistia no desmoronamento de seus hábitos e costumes. Juntando-se a isso, os colonizadores de caráter voluntarioso, o resultado era um número constante de mortes devido aos conflitos.

28 Brasil Colonial Os escravos nos canaviais e Engenhos Olhando para o passado remoto - o Brasil Colonial - vamos encontrar, principalmente, a figura do negro escravo trabalhando nos canaviais e engenhos. Os escravos se amontoavam nas senzalas em péssimas condições de higiene e salubridade. Portugal era visto no mercado mundial como principal produtor de açúcar e os engenhos brasileiros produziam acima de arrobas (1 arroba = 15 quilos) anuais desse produto. E existe o relato de casos em que, se inadvertidamente, algum deles deixava entrar a mão na boca da moenda, o feitor lhe decepava o braço, com um machado, de modo a evitar que a máquina o engolisse.

29 Brasil Colonial - Primeiras manifestações trabalhistas Contudo, já nesta época podem ser identificados, os primeiros movimentos de cunho trabalhista, sem o sentido moderno de reivindicar direitos amparados em lei, mas, somente, no de se instituir algumas vantagens ou melhorias de condições de vida, fosse ocupacional ou social Em 1713, no Piauí, liderado por um índio batizado de Manuel; Durante a ocupação holandesa e por volta de 1640; Em 1720, reivindicações, protestos e insubordinação ocorridos em Minas Gerais, liderados por Felipe dos Santos (executado e esquartejado por ordem do Conde de Assumar); Em 1791, a paralisação dos trabalhadores da Casa de Armas do RJ.

30 A Monarquia no Brasil Primeiro Grande acidente de Trabalho Por volta de 1765, no Distrito Diamantino, um dique erguido para extração de diamantes do leito do rio, arrebentou e matou sessenta negros que trabalhavam no local. Foi o primeiro grande acidente do trabalho registrado na história da mineração em Minas Gerais e no Brasil.

31 A Monarquia no Brasil Revolução Industrial e Ramazzini Mas vale prevenir do que remediar Coincidentemente é a época da publicação do livro de Adam Smith O Inquérito sobre a Natureza e Causa da Riqueza das Nações (1.776). Trazemos esse fato para mencionar que ao criticar os problemas de salário e produção, esse célebre economista e escritor, ocupa uma página inteira de seu livro sobre economia, com considerações relativas a influência dos problemas de saúde dos trabalhadores sobre a produção. Ele refere especificamente a obra de interesse médico-social De Morbis Artificum Diatriba de Bernardino Ramazzini (Modena 1.700).

32 A Monarquia no Brasil Com o estímulo de D. João VI o trabalho de naturalistas, artistas, cientistas foi, grandemente favorecido, eles percorriam o Brasil revelando seus segredos ao mundo. Foi dessa época (1808) a criação da Escola Superior de Matemática, Ciências, Física e Engenharia; a Escola Médico-Cirúrgica; A Imprensa Régia; o Jardim Botânico e o Real Hospital Militar. A seguir veio a Real Biblioteca e a Escola Real de Ciências, Artes e Ofícios (1816). Em dez anos a população do Rio de Janeiro que era de habitantes passou para mais de

33 A Monarquia no Brasil Derrotado Napoleão e com a normalidade que voltou a Europa, não havia mais justificativa para permanência da corte no Brasil. Com o apoio das províncias que não desejavam a recolonização D. Pedro I proclama a independência do Brasil em 7 de setembro de 1822 e a organização do estado Monarquista brasileiro. A maioridade de D.Pedro II foi declarada em 23 de julho de 1840 quando tinha quatorze anos.

34 A Monarquia no Brasil A primeira norma sobre Acidente de Trabalho Código Comercial de 1850, sob a influência européia: Os acidentes imprevistos e inculpados, que impedirem aos prepostos o exercício de suas funções, não interromperão o vencimento de seu salário, contanto que a inabilitação não exceda três meses contínuos. Lançava-se no Brasil, a primeira semente de proteção social ao trabalhador brasileiro.

35 A Monarquia no Brasil Governo D. Pedro II Em 28/09/1871 veio a chamada Lei do Ventre-Livre. Surgiram várias organizações de caráter assistencial aos trabalhadores, como a Caixa de Pensão dos Carpinteiros, com vistas a proteger e amparar os trabalhadores incapacitados. Fundava-se no Rio de Janeiro a Liga Operária e a União Operária dos Trabalhadores do Arsenal de Marinha, como tímidas manifestações do espírito associacionista urbano e reivindicador de certos trabalhadores livres. Há notícia de que nesta mesma época foi fundada uma União Operária congregando trabalhadores de várias categorias, com o propósito de promover trabalho livre e digno. Essas foram manifestações iniciais do posterior surgimento do movimento sindical.

36 A Monarquia no Brasil Influência das Migrações Entretanto a ampla utilização de mão-de-obra e a corrente imigratória iniciada por volta de 1850 e que se prolongaria até meados do século seguinte, constituída principalmente de europeus (portugueses, espanhóis, italianos e alemães), de sírios e libaneses, aliada aos interesses agro-exportadores, permitiu que a empresa brasileira tivesse um relativo crescimento e se iniciasse alguma preocupação com o combate e a prevenção de umas poucas doenças endêmicas

37 República Trabalhos Médicos de Destaque São desta época alguns trabalhos médicos que advertiam sobre os perigos para a Saúde Pública de determinados procedimentos, que eram levados a efeito nas pequenas fábricas que se espalhavam pelas cidades. Algumas teses: Em 1850, autor Dr. José do Nascimento Garcia de Mendonça, com o título: Das fabricas de charuto e de rapé, da Capital e dos arrebaldes Em 1852, o Dr. Antônio do Nascimento Silva tratou do seguinte tema: Que moléstias predominarão naqueles que se empregam nas fábricas de tabaco e charutos? Teve várias outras, todas oriundas da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

38 República Com a República opera-se a primeira grande transformação no Estado brasileiro. No plano social, amplia-se a classe média urbana, compondo a burocracia e as forças armadas. No plano político, intensifica-se o discurso de protesto regional e ganham voz as idéias republicanas e federalistas. A abolição do trabalho escravo afeta gravemente os interesses agro exportadores e o patriarcado rural se desinteressa pelo Império, aspirando mesmo sua substituição. O Estado Imperial, cumprida sua missão, dissocia-se das forças sociais em que se apoiara, perdendo sentido histórico e capacidade de decisão.

39 República Incipiente estrutura industrial Havia, na época, 636 fábricas empregando 54 mil operários. Destas, 60% eram indústrias têxteis, 15% indústrias alimentícias, 10% indústrias químicas, 4% de madeiras, 3,5% de vestuário, 3% metalúrgicas. As condições de trabalho nas fábricas eram duríssimas; muitas das estruturas, que abrigavam as máquinas, não haviam sido originalmente destinadas a essa finalidade; além de mal iluminadas e mal ventiladas, não dispunham de instalações sanitárias. As máquinas se amontoavam uma ao lado das outras, e suas correias e engrenagens giravam sem proteção alguma.... (A industrialização de São Paulo, de W. Dean).

40 República Interesse pelos Trabalhadores O Chefe do Governo Provisório, Marechal Deodoro da Fonseca, criou em 17 de Janeiro de 1891, pelo Decreto nº. 1313, a chamada Inspeção do Trabalho com a finalidade de verificar unicamente as condições de trabalho das crianças nas fábricas, mas a questão mais abrangente da proteção à saúde no trabalho só viria a ganhar atenção por meio do Decreto nº , de 31 de Dezembro de 1923.

41 República Antonio Neves da Rocha Nesse período, cabe destacar a figura do médico oftalmologista Antônio Neves da Rocha, ( ) precursor dos estudos sobre Medicina do Trabalho e da Medicina Social que, no Rio de Janeiro a partir de 1905 e por muito tempo, bateu-se pela implantação de uma lei acidentária e pelos cuidados com a visão no trabalho e que recebeu, merecidamente, o cognome de Ramazzini Brasileiro. Título esse que, por direito e tradição, lhe pertence e que é um dever de nossa parte aqui relembrar, para que nunca lhe seja indevidamente usurpado pela vaidade de exploradores da boa-fé de alguns poucos colegas, desconhecedores da História.

42 República Saúde Pública A relação entre o trabalho e a saúde no Brasil, tem sido disciplinada pelo Estado através de políticas sociais, que conformam um quadro institucional e uma legislação específica, cuja configuração começa a se definir no começo de 1900.

43 República Sanitaristas Oswaldo Cruz a oportunidade de combater a febre amarela/1902 Emílio Marcondes Ribas em São Paulo.

44 República A luta pelo direito trabalhista Movimentos arrasados ferozmente pelas forças policiais a soldo das oligarquias dominantes, ainda de origem agrária, e ainda fechadas às novas idéias que surgiam principalmente na Europa. Eram movimentos paredistas envolvendo reivindicações trabalhistas específicas como fixação de jornada de 8 horas de trabalho, repouso semanal remunerado, proibição de trabalho de menores de 14 anos, pagamento de salário mínimo e reconhecimento das associações de trabalhadores.

45 República A gripe espanhola Em 1918 acontece a grande epidemia da gripe espanhola que só no Rio de Janeiro fez cerca de mortos. Voluntários e presidiários faziam nos cemitérios às vezes dos coveiros, em número insuficientes ou então, eles próprios, vítimas da epidemia para enterrar tanta gente. Grandes valas de cerca de 300 metros foram abertas para receber os cadáveres que eram transportados amontoados, em caminhões e bondes da Light, após serem recolhidos no meio-fio das ruas.

46 República Com o final da Primeira Grande Guerra em 1918, o Estado começa a intervir nas relações de trabalho. A partir de 1919, a saúde do trabalhador aparece como questão social e passa a despertar interesse e preocupações nas diversas áreas que compõem o Governo. A indústria evoluía, novos processos perigosos eram introduzidos nas fábricas, novas máquinas traiçoeiras eram instaladas. Em 15 de janeiro de 1919 foi aprovado o Decreto Legislativo nº 3.724, sancionado pelo Presidente Delfim Moreira, tornando compulsório o seguro dentro da chamada Teoria do Risco Profissional.

47 República Surge em Genebra (1918), dentro da Liga das Nações ao final da 1ª Grande Guerra, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) como um produto do Tratado de Versalhes, mas também como resultado do movimento organizado internacionalmente pelos trabalhadores para defesa de seus direitos.

48 República Carlos Chagas Marco importante na evolução sanitária brasileira foi a reforma promovida por Carlos Chagas na estrutura da Saúde Pública brasileira, pois ao reorganizar os seus serviços pelo Decreto Legislativo nº 3.987, de 2 de janeiro de 1920, criou o Departamento Nacional de Saúde Pública através do qual se integrou, no conceito oficial da saúde, as atividades de medicina do trabalho e salubridade ambiental. Ampliava-se, assim, o campo de proteção à saúde do trabalhador brasileiro.

49 República Primeiro livro - Patologia no Trabalho Eu ignorava que eras assim, meu caro Jeca, por motivo de doenças tremendas. Está provado que tens no sangue e nas tripas todo um jardim zoológico da pior espécie. Jeca Tatu - Monteiro Lobato

50 República Prof. João de Barros Barreto Em 1925, começou a funcionar a disciplina de Higiene Industrial no Curso de Saúde Pública da Faculdade Nacional de Medicina, no Rio de Janeiro, ministrada pelo Prof. João de Barros Barreto, pioneiro do ensino da Medicina do Trabalho e da Salubridade Ambiental no Brasil.

51 República Era Vargas Nas mudanças efetuadas pela Revolução de 1930 são criados, pelo Decreto n.º de 23/11/30, o Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, e, pelo Decreto de 14/11/30, o da Educação e Saúde. Cria-se pelo Decreto n.º , de 4/2/1931, o Departamento Nacional do Trabalho. Lei da Sindicalização de 1931 (Decreto ).

52 República - Era Vargas Conquistas trabalhistas O movimento grevista, ao contrário do que diz a história oficial, foi intenso durante esse período e, como conseqüência, os trabalhadores conquistaram inúmeras vantagens trabalhistas, como a lei das férias, descanso semanal remunerado, jornada de 8 horas, regulamentação do trabalho da mulher e do menor etc. Frise-se que algumas dessas leis já existiam mesmo antes de 1930, porém limitadas a algumas categorias como ferroviários e portuários.

53 República - Era Vargas Inspetores Médicos do Trabalho Foi criado, então em 1934, o cargo de Inspetor Médico do Trabalho no Ministério do Trabalho com atribuições de administrar os problemas de saúde de uma razoável parcela da população, os trabalhadores

54 República - Era Vargas O Estado Novo e a Ditadura Prevalece, no ciclo fechado que vai de 1937 a 1945, visão orgânica do Estado e da Sociedade comandados ambos por um presidente soberano. É a época de Lindolfo Collor e da criação das bases da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que se consolidaria em 1943.

55 República - Era Vargas Prof. Dr. Benjamin Alves Ribeiro Em 1934 começa a funcionar, no Instituto de Higiene da Universidade de São Paulo, a cadeira de Higiene Industrial, da qual é titular o médico Prof. Dr. Benjamim Alves Ribeiro.

56 República - Era Vargas Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes -ABPA Em 1941 começa a funcionar, no Rio de Janeiro, a Associação Brasileira de Prevenção de Acidentes (ABPA), formada por um grupo de indústrias capitaneadas pela Light and Power. Tinha como objetivo principal difundir as práticas da prevenção de acidentes, principalmente os do trabalho. Médico do Trabalho O decreto-lei nº de 9 de maio de 1944 criou a carreira de Médico do Trabalho no Quadro Único do Ministério do Trabalho Indústria e Comércio, era o começo do reconhecimento oficial da atividade.

57 República - Era Vargas Associação Brasileira de Medicina do Trabalho - ABMT No dia 14 de dezembro de 1944 compareceram ao auditório do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio na cidade do Rio de Janeiro, na época capital da República, cerca de 34 médicos e engenheiros, para discussão dos estatutos e eleição da Diretoria da Associação Brasileira de Medicina do Trabalho - ABMT - idealizada pelo sanitarista Décio Parreiras.

58 República - Era Vargas 2a. Guerra Durante a 2ª Grande Guerra acentuaram-se as contradições da ditadura Vargas, pois se, por um lado, apoiava as nações aliadas nas ações de guerra, por outro mantinha um governo com características fascistas.

59 República SESI Em 1946, começou a funcionar em São Paulo, através de legislação própria, o Serviço Social da Indústria (SESI), organização destinada a prestar assistência social e a saúde para os trabalhadores da indústria, particularmente da média e pequena empresa.

60 República Industrialização Vive o país um segundo surto de industrialização, com indústrias de base e, posteriormente, indústrias de bens de consumo - o automóvel, como marca desse período.

61 República A volta de Getúlio Eleito para a Presidência da República em 1950 e empossado em 31 de Janeiro de Reforçam-se revigorados pelo voto, o populismo e o nacionalismo e, à sua frondosa sombra floresce o estatismo. Surge a Petrobras com a Lei 2004 em outubro de Na mesma época propõe-se a criação da Eletrobrás.

62 República O fim de Getúlio Eu era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo não será mais escravo de ninguém Eu vos dei minha vida. Agora ofereço a minha morte. Nada receio. Serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História. (Getúlio Vargas)

63 República Atividades médicas nas empresas A prática da Medicina do Trabalho, no seu aspecto propriamente médico, pode se avaliar nessa época pelos serviços que se desenvolviam nas empresas. O inquérito preliminar do Estado do Rio verificou que em 90% das indústrias que desenvolviam algum tipo de atividade médica, a Medicina do Trabalho lhes era estranha ou ignorada em seus objetivos.

64 República Década de 50 Na década de 1950, o país já contava com um razoável parque industrial e com uma sociedade estruturada diferentemente da década de Já estava socialmente mais definida uma classe média e os trabalhadores urbanos começaram a reivindicar maior participação política e melhores condições de trabalho.

65 República Governo Juscelino Com o slogan cinqüenta anos de progresso em cinco anos de governo, Juscelino dirigiu a política econômica incentivando a entrada de capital estrangeiro e de novas tecnologias no país. Sua mensagem é o otimismo e a confiança, e seu símbolo: Brasília.

66 República Governo Juscelino Para as massas trabalhadoras urbanas mantém-se a tutela - por intermédio do Vice-Presidente João Goulart, herdeiro de Vargas e de suas organizações sindicais - associada à política salarial generosa, mas sem nenhum cuidado ou planejamento com a infraestrutura social. Proliferam as favelas e a marginalização por falta de estrutura nas cidades para receber as migrações internas estimuladas pela industrialização e pelo surto crescente da construção civil. Muitos dos problemas que ainda hoje preocupam os profissionais de medicina do trabalho e salubridade ambiental começaram a ser pesquisados nesta década: absenteísmo, doenças profissionais; silicose, asbestose, intoxicações por produtos químicos; exames periódicos; limites de exposição a agentes insalubres; alcoolismo; reabilitação profissional, etc.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS. UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DAS CRIANÇAS UNICEF 20 de Novembro de 1959 AS CRIANÇAS TÊM DIREITOS DIREITO À IGUALDADE, SEM DISTINÇÃO DE RAÇA RELIGIÃO OU NACIONALIDADE Princípio I - A criança desfrutará

Leia mais

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO

SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO SÉCULO XIX NOVOS ARES NOVAS IDEIAS Aula: 43 e 44 Pág. 8 PROFª: CLEIDIVAINE 8º ANO 1 - INTRODUÇÃO Séc. XIX consolidação da burguesia: ascensão do proletariado urbano (classe operária) avanço do liberalismo.

Leia mais

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA Proclamada pela Resolução da Assembleia Geral 1386 (XIV), de 20 de Novembro de 1959 PREÂMBULO CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, a sua

Leia mais

Getúlio Vargas e a Era Vargas

Getúlio Vargas e a Era Vargas Getúlio Vargas e a Era Vargas http://www.suapesquisa.com/vargas/ AGOSTO RUBEM FONSECA Getúlio Vargas e a Era Vargas: ASPECTOS A RESSALTAR Vida de Getúlio Vargas; Revolução

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA CELSO SUCKOW DA FONSECA ENSINO MÉDIO ÁREA CURRICULAR: CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS DISCIPLINA: HISTÓRIA SÉRIE 1.ª CH 68 ANO 2012 COMPETÊNCIAS:. Compreender

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA

Entrevista com Clínica Maló. Paulo Maló CEO. www.clinicamalo.pt. Com quality media press para LA VANGUARDIA Entrevista com Clínica Maló Paulo Maló CEO www.clinicamalo.pt Com quality media press para LA VANGUARDIA Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As respostas que aqui figuram em linguagem

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 285, DE 2006 Autoriza o Poder Executivo a criar o Programa Cantando as Diferenças, destinado a promover a inclusão social de grupos discriminados e dá outras providências. O

Leia mais

Declaração dos Direitos da Criança (1959)

Declaração dos Direitos da Criança (1959) Declaração dos Direitos da Criança (1959) Preâmbulo Visto que os povos das Nações Unidas, na Carta, reafirmaram a sua fé nos direitos humanos fundamentais, na dignidade e no valor do ser humano, e resolveram

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Tratado do Paris contra o câncer

Tratado do Paris contra o câncer Tratado do Paris contra o câncer portugais portuguese 71 72 Profundamente pertubados pelas repercussões importantes e universais do câncer sobre a vida humana, o sofrimento humano, e sobre a produtividade

Leia mais

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública

Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Artigo Especial Reforma gerencial do Estado, teoria política e ensino da administração pública Luiz Carlos Bresser-Pereira 1 1 Fundação Getúlio Vargas. Ministro da Fazenda (1987). Ministro da Administração

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Código de Ética e Conduta Introdução A Eucatex, através deste Código de Ética e Conduta, coloca à disposição de seus colaboradores, fornecedores e comunidade, um guia de orientação para tomada de decisões

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VIII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO II DA SEGURIDADE SOCIAL Seção II Da Saúde Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições.

Revolução de 1930. Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Revolução de 1930 Fatores: Crise de 1929. Movimento Tenentista. Resultado das eleições. Revolução de 1930 Responsável pelo fim da chamada Política café com leite Política café com leite

Leia mais

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS

http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS http://www.allemar.prof.ufu.br DIREITO & RELAÇÕES INTERNACIONAIS DECLARAÇÃO DE ESTOCOLMO "A Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente reuniu-se em Estocolmo entre os dia 05 e 16 de junho de 1972

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político

O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político O maior desafio do Sistema Único de Saúde hoje, no Brasil, é político Jairnilson Paim - define o SUS como um sistema que tem como característica básica o fato de ter sido criado a partir de um movimento

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós

Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós Alimentação e Saúde a responsabilidade de cada um e de todos nós Elisabetta Recine Observatório de Políticas de Segurança Alimentar e Nutrição OPSAN/UnB Ação Brasileira pela Nutrição e Direitos Humanos

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL. PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERÍODO DA ENFERMAGEM NO BRASIL PROFª Mestre Maria da Conceição Muniz Ribeiro PRIMÓRDIOS DA ENFERMAGEM NO BRASIL No Brasil, a organização da enfermagem iniciou-se no período colonial, quando os cuidados

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1 Art. 196: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Michael Haradom - www.shalomsalampaz.org - ssp@shalomsalampaz.org tel (11) 3031.0944 - fax (11)

Leia mais

Evolução do Pensamento

Evolução do Pensamento Unidade I Evolução do Pensamento Administrativo Prof. José Benedito Regina Conteúdo da disciplina EPA Parte 1 - Conceitos gerais da administração Parte 2 - Evolução histórica: Abordagens administrativas

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha

CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA. Os últimos anos da República Velha CRISE E RUPTURA NA REPÚBLICA VELHA Os últimos anos da República Velha Década de 1920 Brasil - as cidades cresciam e desenvolviam * Nos grandes centros urbanos, as ruas eram bem movimentadas, as pessoas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012.

PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. PROJETO DE LEI Nº., DE DE DE 2012. Cria a Central de Atendimento Telefônico ao Idoso e Portador de Necessidades Especiais, no âmbito do Estado de Goiás. A Assembléia Legislativa do Estado de Goiás, nos

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Bom dia. Muito Obrigado. Felicito hoje o significativo dia desta conferência na nossa cooperação de saúde.

Bom dia. Muito Obrigado. Felicito hoje o significativo dia desta conferência na nossa cooperação de saúde. Desenvolvimento Económico e Cuidados de Saúde da Coreia Bom dia. Muito Obrigado. Felicito hoje o significativo dia desta conferência na nossa cooperação de saúde. A Coreia agora ocupa o (décimo terceiro

Leia mais

- Estudo técnico - Art. 67...

- Estudo técnico - Art. 67... Aposentadoria especial para diretores, coordenadores e assessores pedagógicos - Estudo técnico - A Lei nº 11.301, de 10 de maio de 2006, publicada no Diário 0ficial da União de 11 de maio do mesmo ano,

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho

Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1 - Surgimento e Evolução do Direito do Trabalho 1.1 Introdução 1.2 - Os Escravos 1.3 - Os Servos 1.4 - As corporações de ofício 1.5 - A revolução industrial

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade.

Simon Schwartzman. A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. A educação de nível superior superior no Censo de 2010 Simon Schwartzman (julho de 2012) A evolução da educação superior no Brasil diferenças de nível, gênero e idade. Segundo os dados mais recentes, o

Leia mais

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA E ENVELHECIMENTO ATIVO: CONQUISTAS E DESAFIOS Cristiane Cinat Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Franca cricriblue@hotmail.com Introdução

Leia mais

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas

O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Desafios de uma cultura de compromisso social O direito humano ao envelhecimento e o impacto nas políticas públicas Interage Consultoria em Gerontologia 1978... 1988... Psicanálise e velhice: resistência

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DE LINHARES EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH NADIA OLIVEIRA LIBERDADE ANTIGA E LIBERADE MODERNA LINHARES 2011 EDIMIR DOS SANTOS LUCAS GIUBERTI FORNACIARI SARAH

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964.

ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. ACORDO BÁSICO DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA Assinado no Rio de Janeiro, a 29 de dezembro de 1964. Aprovado pelo Decreto Legislativo nº 11, de 1966. Entrada em vigor (art. 6º, 1º) a 2 de maio de 1966. Promulgado

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

Dados sobre Tabaco e Pobreza: um círculo vicioso

Dados sobre Tabaco e Pobreza: um círculo vicioso Dados sobre Tabaco e Pobreza: um círculo vicioso O cenário mundial mostra que embora o consumo de cigarros venha caindo na maioria dos países desenvolvidos, o seu consumo global aumentou em torno de 50%

Leia mais

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR

SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR SETOR PÚBLICO, SETOR PRIVADO E TERCEIRO SETOR Consiste na forma como as diferentes Pessoas Jurídicas atuam no desenvolvimento de atividades econômicas e sociais no âmbito da sociedade. De acordo com o

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

Provão. História 5 o ano

Provão. História 5 o ano Provão História 5 o ano 61 Os reis portugueses governaram o Brasil à distância, até o século XIX, porém alguns acontecimentos na Europa mudaram essa situação. Em que ano a família real portuguesa veio

Leia mais

do Idoso Portaria 104/2011

do Idoso Portaria 104/2011 DEVER DE NOTIFICAR- do Idoso Portaria 104/2011 Lei 6.259/75l Lei 10.778/03, ECA, Estatuto n Médicos n Enfermeiros n Odontólogos n Biólogos n Biomédicos n Farmacêuticos n Responsáveis por organizações e

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) PROJETO DE LEI Nº, DE 2008 (Do Sr. Antonio Carlos Mendes Thame) Regulamenta o inciso XVI do art. 22 da Constituição Federal que trata da organização do sistema nacional de emprego, para a adoção de políticas

Leia mais

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04

MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 MÓDULO II Introdução ao Estatuto da Criança e do Adolescente AULA 04 Por Leonardo Rodrigues Rezende 1 1. Apresentação O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) completa 24 anos este ano, mas sua história

Leia mais

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade.

país. Ele quer educação, saúde e lazer. Surge então o sindicato cidadão que pensa o trabalhador como um ser integrado à sociedade. Olá, sou Rita Berlofa dirigente do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Brasil, filiado à Contraf e à CUT. Quero saudar a todos os trabalhadores presentes e também àqueles que, por algum motivo, não puderam

Leia mais

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil

A experiência da Engenharia Clínica no Brasil Página 1 de 5 Sobre a Revista Ed 24 - fev 04 Home Medical Infocenter Med Atual Edição Atual Serviços Global Home Brasil Home Busca Mapa do Site Fale Conosco Edição Atual Edição Atual Matéria de Capa Artigo

Leia mais

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS

TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS TÍTULO: NEUROMARKETING: UMA NOVA FORMA DE FAZER PROPAGANDA. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO PRETO AUTOR(ES): FELIPE

Leia mais

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente

A CARTA DE BELGRADO. Colecção Educação Ambiental Textos Básicos. Editor Instituto Nacional do Ambiente A CARTA DE BELGRADO Colecção Educação Ambiental Textos Básicos Editor Instituto Nacional do Ambiente INTRODUÇÃO Texto adoptado, por unanimidade, no Colóquio sobre Educação Ambiental", organizado pela UNESCO

Leia mais

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA

MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA MINISTÉRIO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL ATENDIMENTO À PESSOA IDOSA BRASIL Ü 2025 32 milhões de idosos 6º LUGAR NO MUNDO 2002 15 milhões de Idosos LEGISLAÇÃO DE PROTEÇÃO SOCIAL PARA O IDOSO Lei Orgânica da Assistência

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750

BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR. Colégio Anglo de Sete Lagoas Prof.: Ronaldo Tel.: (31) 2106 1750 BRASIL EXCLUDENTE E CONCENTRADOR As crises econômicas que se sucederam no Brasil interromperam a política desenvolvimentista. Ocorre que o modelo de desenvolvimento aqui implantado (modernização conservadora

Leia mais

Trabalho e educação. Vamos aos fatos

Trabalho e educação. Vamos aos fatos Trabalho e educação Vamos aos fatos O maior problema da educação brasileira é o povo brasileiro. Sinto muito, mas esta é a conclusão a que muitos de nossos educadores chegaram. Somos uma nação materialista,

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012

CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO. Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 CURSO E COLÉGIO ESPECÍFICO Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Disciplina: Sociologia Professor: Waldenir 2012 Sociologia Darcy Ribeiro e O povo brasileiro Antropologia Literatura Atuação política Propostas

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE. CAPÍTULO I Da Finalidade. CAPÍTULO II Dos Princípios, Objetivos e Metas Seção I Dos Princípios LEI N. 1.343, DE 21 DE JULHO DE 2000 Institui a Política Estadual do Idoso - PEI e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE seguinte Lei: FAÇO SABER que a Assembléia Legislativa do Estado

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.350, DE 5 DE OUTUBRO DE 2006. Regulamenta o 5 o do art. 198 da Constituição, dispõe sobre o aproveitamento de pessoal amparado

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre

Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre Lista de exercícios Sociologia- 1 ano- 1 trimestre 01-O homo sapiens moderno espécie que pertencemos se constitui por meio do grupo, ou seja, sociedade. Qual das características abaixo é essencial para

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS

A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS A MULHER E OS TRATADOS INTERNACIONAIS DE DIREITOS HUMANOS Os Direitos Humanos surgiram na Revolução Francesa? Olympe de Gouges (1748-1793) foi uma revolucionária e escritora francesa. Abraçou com destemor

Leia mais

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h

CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL. Módulo I Sociologia da saúde 30 h. Módulo IV Epidemiologia e Estatística vital 30 h CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO MBA ADMINISTRAÇÃO EM SAÚDE PROGRAMA GERAL Módulos Disciplinas Carga Horária Módulo I Sociologia da saúde 30 h Módulo II Economia da saúde 30 h Módulo III Legislação em saúde 30 h

Leia mais

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar

Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Projeto de Lei nº 213/2015 - O Ingresso das Mulheres no Serviço Militar Lívia Aragão de Melo 1 O Projeto de Lei nº 213/2015, de autoria da senadora Vanessa Grazziotin, pretende alterar a Lei do Serviço

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL

OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL OU SOBRE A EXPLORAÇÃO DE MÃO-DE-OBRA INFANTIL 2 OBrasil tem uma legislação ampla sobre a proteção da criança e do adolescente e a proibição do trabalho infantil. Vamos conhecê-la? A Constituição Federal

Leia mais

História da cidadania europeia

História da cidadania europeia História da cidadania europeia Introdução A cidadania da União conferida aos nacionais de todos os Estados Membros pelo Tratado da União Europeia (TUE), destina se a tornar o processo de integração europeia

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 82 Desemprego 22 de maio de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através da cultura e da arte, desperta

Leia mais

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL

3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL 3.4 DELINEAMENTO ÉTICO JURÍDICO DA NOVA ORGANIZAÇÃO SOCIAL Os fundamentos propostos para a nova organização social, a desconcentração e a cooperação, devem inspirar mecanismos e instrumentos que conduzam

Leia mais

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS

PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS PL 64 BOLSA COMPLEMENTAR PARA O PROGRAMA MAIS MÉDICOS Tendo como argumento aperfeiçoar ainda mais a prestação de serviços de saúde à população, o Executivo traz a esta Casa o Projeto de Lei 64/2014, que

Leia mais