PROJETO EDUCATIVO Escola de Qualidade é Sucesso para a Vida

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO EDUCATIVO Escola de Qualidade é Sucesso para a Vida"

Transcrição

1 Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria PROJETO EDUCATIVO Escola de Qualidade é Sucesso para a Vida 2 de julho de 2013

2 INTRODUÇÃO O projeto educativo de um agrupamento é um instrumento fundamental para a sua autonomia e um elemento estruturante da sua identidade, enquanto comunidade educativa. Neste sentido, é um dos mais importantes instrumentos de orientação da ação educativa, exigindo, por conseguinte, a mobilização de todos os intervenientes. Resulta de um processo dinâmico capaz de melhorar a eficiência e eficácia do agrupamento e capaz de gerar soluções inovadoras. Tem de ser encarado como um desígnio coletivo para implementar uma verdadeira cultura de participação só assim pode consolidar a autonomia da escola e garantir que se cumpram todos os grandes objetivos da Educação. O projeto educativo deve ser a ponte entre o que o agrupamento é realmente e aquilo que se deseja que ele venha a ser. O Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria surge da necessidade de mudança e adaptação aos novos desafios da Educação em Portugal e à constante evolução da sociedade em que o Agrupamento está inserido. Trata-se de um documento que pretende orientar todas as atividades educativas e explicitar os princípios, os valores, as metas e as estratégias, segundo os quais, este Agrupamento se propõe cumprir a sua função de Educar. Este projeto compromete e vincula todos os membros da comunidade educativa em torno de uma finalidade comum, durante os próximos quatro anos. Cabe-lhes desenvolver as prioridades agora definidas. Como o agrupamento se formou recentemente, tornando-se uma unidade educativa de grande dimensão, seria difícil comprometer e vincular todos os seus membros no alcance de metas mais concretas (aqui designadas por objetivos operacionais ), sem serem dados a conhecer os valores de partida dos indicadores que servirão de base à avaliação do seu Projeto Educativo. Para a elaboração deste projeto foram fundamentais os relatórios de avaliação externa das duas unidades que se agregaram para formar este novo agrupamento. Projeto Educativo do Agrupamento Página 2/20

3 1. A identidade do Agrupamento 1.1 Contextualização Quem entra na cidade de Tomar, vindo do Sul, encontra uma paisagem que alterna zonas de floresta, áreas despidas e campos destinados a monocultura. As hortas familiares, em comunhão com as culturas tradicionais da vinha e oliveira encontram-se mais para o Centro/Norte do concelho, junto às margens do rio Nabão, das ribeiras e zonas da serra. Esta é uma zona ainda verde que serve de moldura ideal a uma cidade plena de vestígios históricos. A cidade tem uma longa história e comemora o seu dia a 1 de março, em memória à data em que foi fundado o Castelo Templário de Tomar - 1 de março de Dois anos mais tarde, em novembro de 1162, os futuros povoadores de Tomar receberiam a carta de foral dada por D. Gualdim Pais. No ano de 1312, a Ordem do Templo seria extinta por Clemente V e, sete anos mais tarde, suceder-lhe-ia a Ordem Militar de Cristo, sediada ainda em Castro Marim. Mas em 1357, a sede da Ordem de Cristo seria transferida para Tomar, o que traria um grande impulso à povoação. Será posteriormente e já no século XV que o Infante D. Henrique promoverá o fomento económico, tanto da vila, como da região. Em 1844, no reinado de D. Maria II, Tomar será finalmente elevada à categoria de cidade. Fruto da sua história, a cidade reúne múltiplos valores patrimoniais. Podemos aqui encontrar o célebre Convento de Cristo, conjunto arquitetónico com elementos desde o românico ao barroco, classificado como "Património Mundial" pela UNESCO. Mas podemos ainda observar o Fórum Romano, a Sinagoga do Séc. XV, as Igrejas de S. João Baptista, de Santa Iria, de Santa Maria do Olival e de Nossa Senhora da Conceição, a Capela de S. Gregório e a Igreja de S. Francisco, os vários museus, a Mata Nacional dos Sete Montes, os Jardins, o Parque Arqueológico e Natural do Agroal, as fontes, moinhos, azenhas, lagares e represas, rodas e açudes das margens do rio Nabão e toda a diversidade de espécies da flora e da fauna que, no seu conjunto, fazem desta cidade um Museu Vivo. Sendo uma terra de fraco tecido empresarial, a sua riqueza constitui-se no património natural e histórico. A nível cultural, existem diversos e variados clubes, associações culturais e desportivas, com relevância para as escolas de música, que dinamizam o concelho e permitem aos jovens alternativas para ocupar os seus tempos livres. Para esta dinamização contribuem também a Biblioteca Municipal, o cine-teatro e vários museus (entre os quais, o Museu Fernando Lopes-Graça e o Núcleo de Arte Contemporânea). Com uma superfície de 349,51Km 2, o concelho de Tomar surge, de entre os integrantes da sub-região do Médio Tejo, numa posição privilegiada quanto à densidade populacional, dado apresentar a quarta maior densidade (123,7 hab/km 2 ) e constituir o segundo foco de concentração populacional. O seu último recenseamento reflete a diminuição da população no concelho e ajuda a atestar a profunda crise económica que o mesmo atravessa, provocada fundamentalmente pelo declínio do setor industrial. Projeto Educativo do Agrupamento Página 3/20

4 1.2 Caracterização O Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria foi criado no final do ano letivo de 2011/2012, fruto da agregação do Agrupamento de Escolas D. Nuno Álvares Pereira e da Escola Secundária com 3º Ciclo Santa Maria do Olival, onde fica sediado. Apesar de recente, é portador de muitos anos de história: se o primeiro agrupamento foi constituído em 2003, tendo a escola sede (Escola Básica com 2º e 3º Ciclos D. Nuno Álvares Pereira) sido alojada no Colégio Nun Álvares (estabelecimento de referência da cidade, criado em 1932 pelo Dr. Raul Lopes), também a Escola Santa Maria do Olival, que existe como tal desde 1978, é herdeira do Liceu Nacional de Tomar, criado em Trata-se de um agrupamento vertical que oferece desde a educação pré-escolar ao ensino secundário. É constituído por vinte estabelecimentos de ensino ou de educação: Jardim de Infância de Carregueiros; Jardim de Infância de Cem Soldos; Jardim de Infância de Marmeleiro; Jardim de Infância de Pedreira; Jardim de Infância de Porto da Lage; Jardim de Infância de S. Miguel; Jardim de Infância de Serra de Cima; Jardim de Infância de Vale Calvo; Jardim de Infância/Escola Básica 1 Raul Lopes; Escola Básica 1 de Carregueiros; Escola Básica 1 de Cem Soldos; Escola Básica 1 de Marmeleiro; Escola Básica 1 de Pedreira; Escola Básica 1 de Porto da Lage; Escola Básica 1 de S. Miguel; Escola Básica 1 de Serra de Cima; Escola Básica 1 de Vale Calvo; Escola Básica 1 S. António; Escola Básica com 2º e 3º ciclo D. Nuno Álvares Pereira; Escola Secundária com 3º ciclo Santa Maria do Olival. Estas unidades educativas distribuem-se por cinco freguesias do concelho, localizando-se apenas quatro delas, nomeadamente a escola-sede, na freguesia urbana «União das Freguesias de (são João Batista) e Santa Maria dos Olivais, Tomar. Os restantes estabelecimentos de ensino estão situados em freguesias predominantemente rurais e distam da escola-sede entre 0,5 e 12 Km. A agregação das duas grandes unidades organizacionais supra-citadas pôs face a face duas realidades diferentes, decorrentes quer da organização específica dos estabelecimentos de ensino e educação (muito diferente no ensino secundário), quer da própria constituição do corpo discente. Das cerca de crianças e jovens que frequentam o agrupamento, aproximadamente 300 pertencem à educação pré-escolar, 450 ao 1ºciclo do ensino básico, 300 ao 2º ciclo, 650 ao 3º ciclo e 500 ao ensino secundário. O agrupamento tem cerca de 220 docentes distribuídos do seguinte modo: 20 na educação pré-escolar; 32 no 1º ciclo do ensino básico; 25, no 2º ciclo do ensino básico e 140, no 3º ciclo do ensino básico/ ensino secundário. O corpo docente pertence maioritariamente ao quadro do agrupamento, sendo, na sua totalidade, profissionalizado, com elevado nível de estabilidade e ajustado às necessidades do agrupamento. O quadro do pessoal não docente também é estável. É constituído por 80 funcionários, dos quais 65 são assistentes operacionais, 15 são assistentes técnicos e 1 é chefe dos serviços de administração escolar. O agrupamento dispõe de 2 psicólogas. Com exceção do pessoal não docente afeto à escola-sede, os restantes funcionários foram transferidos para a Câmara Municipal de Tomar em 23/09/09, na sequência de celebração de contrato entre o Município e o Ministério de Educação. Observando alguns indicadores, constata-se que os alunos da escola-sede têm um nível socioeconómico superior ao dos restantes alunos do agrupamento: na escola-sede, 73,7% dos alunos não beneficia de auxílios económicos, enquanto que 68% dos restantes alunos do agrupamento recorre aos serviços de ação social escolar; 94,4% possui computador e internet, contra os 60% do restante agrupamento; 32,4% dos seus pais e encarregados de educação tem habilitação superior e 30% tem habilitação de nível secundário, contra 31% de pais e encarregados de educação com habilitações de nível secundário e superior dos restantes alunos; 62,4% dos seus pais e encarregados de educação exerce atividades profissionais de nível superior e intermédio, enquanto que, nos restantes alunos, apenas 18% dos pais e encarregados de educação exerce essas mesma atividades. Nos vários níveis e ciclos de ensino/educação do agrupamento, os horários dos alunos e professores, bem como a distribuição de serviço docente, são feitos atendendo a critérios pedagógicos que visam proporcionar um ensino/educação de qualidade. Nos níveis com polidocência, procura-se fazer uma distribuição equilibrada das disciplinas ou áreas disciplinares pelos tempos letivos do horário semanal, de modo a evitar quer o cansaço, quer a dispersão dos alunos. O trabalho é dividido entre o período da manhã e o da tarde, por forma a deixar espaços físicos disponíveis para atividades extracurriculares e a haver maior equilíbrio no tempo de trabalho. Os alunos com provas finais ou exames nacionais têm ainda períodos livres para poderem organizar o seu tempo de estudo. Projeto Educativo do Agrupamento Página 4/20

5 De modo a desenvolver nos jovens determinadas competências mais abrangentes, as escolas com 2º e 3º ciclos e ensino secundário oferecem vários clubes e projetos, nos quais todos os alunos podem participar, visando o seu enriquecimento cultural, científico, social e físico. 2. VISÃO A escola tem de caminhar para a excelência. Há que transmitir às crianças e jovens valores como a importância do trabalho e do esforço, transmitir-lhes o valor da responsabilidade, da criatividade, da ousadia, do prazer em pensar e do prazer em fazer. Há que apoiar o prazer em comunicar, em partilhar e trocar ideias. A escola tem de abandonar, em definitivo, o caminho do facilitismo, do sucesso imediato e fictício, mostrando-se capaz de alargar o horizonte dos seus alunos e de promover a cultura do esforço e do mérito pelo prazer do saber mais, do enriquecimento cultural e da consolidação de aprendizagens académicas. Aprender para a vida exige uma consciencialização crescente por parte de todos e uma interiorização profunda da importância da ligação constante entre a escola e o meio envolvente. O contexto em que se vive e se aprende determina uma visão mais ou menos estreita do mundo que nos rodeia. Se a escola ampliar essa visão do mundo, formará cidadãos interventivos, criativos, empreendedores e capazes de tomar decisões para a vida. Estes são os imperativos a que se propõe o Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria, norteados pelo lema escola de qualidade é sucesso para a vida. 3. MISSÃO DO AGRUPAMENTO Perante as exigências da sociedade atual, torna-se necessário criar na comunidade educativa uma consciência de mudança que acompanhe os novos desafios da Educação. A escola é o lugar privilegiado para promover essa alteração de atitudes, desenvolvendo capacidades e competências, promovendo a comunicação entre todos e lutando por valores de humanismo e solidariedade, sempre com vista a acompanhar o avanço dos tempos e das mentalidades. Para levar a cabo esta missão, o Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria tem de seguir estratégias bem delineadas que passam, essencialmente, por criar condições para que os alunos aprendam com qualidade, para que os professores ensinem com qualidade e para que os restantes elementos cooperem com qualidade. Assim, é preciso que a escola esteja bem equipada, bem organizada, que os seus professores se sintam motivados para ensinar, que os seus alunos se sintam motivados para aprender e que se estabeleçam boas relações afetivas, essenciais a um clima propício à aprendizagem. É preciso que os pais e encarregados de educação se sintam motivados para colaborar na educação dos seus filhos/ educandos e que os restantes agentes educativos consciencializem a importância do seu papel na educação das crianças e alunos. Os desígnios desta missão exigem cumprimento de regras, disciplina, valorização do papel de cada um e autoridade responsável, no decorrer de um processo que requer trabalho, cooperação, envolvimento e empreendedorismo. A missão do Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria consiste em ensinar às suas crianças e jovens uma forma de vida que os leve ao sucesso. Consiste em fazê-los crescer livres, solidários e responsáveis, tolerantes e críticos, para o pleno exercício de uma cidadania democrática, através de uma educação e de um ensino de qualidade e de aprendizagens bem sucedidas, no verdadeiro sentido do desejo de aprender. Projeto Educativo do Agrupamento Página 5/20

6 4. OFERTA EDUCATIVA Funcionam no agrupamento todos os ciclos e níveis de ensino, da educação pré-escolar ao 12º ano. Para além do ensino regular, o agrupamento tem tido turmas de Percursos Alternativos e turmas de Cursos de Educação e Formação. No ensino secundário, embora predominem os cursos essencialmente orientados para o prosseguimento de estudos, integrados nos agrupamentos de Científico-Humanísticos, Artes Visuais, Ciências Sociais e Humanas e Ciências Socioeconómicas, funcionam também os Cursos Profissionais: Técnico de Multimédia, Técnico de Banca e Seguros, Técnico de Análise Laboratorial, Técnico de Design, Técnico de Animador Sociocultural, Técnico de Gestão do Ambiente, Técnico de Saúde, Técnico de Museologia e Gestão do Património e Vitrinismo, que possibilitam ao aluno, em alternativa, a inserção na vida ativa ou o prosseguimento de estudos. Estes cursos funcionam ciclicamente, em função das necessidades da comunidade. O Agrupamento possui duas unidades de ensino estruturado para a educação de alunos com perturbação do espectro do autismo (UEEEPEA) que dão uma resposta educativa especializada e que concentram grupos de alunos de qualquer nível de ensino, que manifestem esta problemática, oriundos de todo o concelho. Estas unidades estão sediadas uma, na Escola EB 2,3 D. Nuno Álvares Pereira e outra, no JI e EB 1 Raul Lopes. Estas unidades promovem a participação dos alunos com perturbação do espectro do autismo nas atividades curriculares e de enriquecimento curricular junto dos pares da turma a que pertencem, intervindo ao nível da articulação da Escola com a comunidade e com os pais e organizam, eventualmente, o seu processo de transição para a vida pós-escolar. O Agrupamento funciona também como agrupamento de referência para a colocação de docentes no âmbito da intervenção precoce das crianças dos concelhos de Tomar e de Ferreira do Zêzere, assegurando a articulação com os serviços de saúde e da segurança social e reforçando a equipa técnica que presta serviços no âmbito da intervenção precoce na infância designada por Equipa de Intervenção Precoce de Tomar e Ferreira do Zêzere. 5. PRIORIDADES Para cumprir a missão deste agrupamento foram definidas três grandes prioridades: Prioridade A Melhorar os resultados escolares; Prioridade B Melhorar a qualidade do serviço prestado à comunidade educativa; Prioridade C Fomentar práticas de formação contínua. Projeto Educativo do Agrupamento Página 6/20

7 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Diversificar/divulgar a oferta curricular, adequada às necessidades dos alunos, reajustando anualmente as ofertas Criar condições para continuar a erradicar o abandono escolar Manter a taxa de abandono escolar ao valor de 0% formativas para o 2º e 3º ciclos e ensino secundário; Apoiar os alunos mais carenciados: - Divulgação e apoio às candidaturas aos auxílios económicos; - Adoção de mecanismos de empréstimos de manuais e de outros materiais reutilizáveis; Taxa de abandono escolar referenciada aos dados da MISI; Taxa de abandono escolar de 0% nos 1º, 2º,3º ciclos e ensino secundário; Atuar junto dos encarregados de educação através de campanhas de sensibilização e prevenção de comportamentos de risco. Projeto Educativo do Agrupamento Página 7/20

8 9ºano Agrupamento de Escolas Nuno de Santa Maria PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Realizar a avaliação diagnóstica sempre que as dificuldades dos alunos Frequência da avaliação diagnóstica; comprometam as aprendizagens futuras; Elaborar o plano de trabalho de cada turma, decorrente do Realização das atividades de recuperação, acompanhamento e Taxa de sucesso escolar (Interna) diagnóstico realizado; Consolidar a articulação vertical entre todos os ciclos de ensino, desde a educação pré-escolar ao ensino secundário; Desenvolver práticas de avaliação formativa, valorizando a auto- desenvolvimento dos planos de turma; Definição de perfis de saída de ciclo (pré-escolar; 1º, 2º e 3º ciclos); Português Matemática 4º ano a) 97,97% 95,95% 6º ano 75,8% 66,7% regulação e a interação crítica, para assegurar que os processos de DNAP 58,6% 65,2% Melhorar os resultados da avaliação interna Aumentar a taxa de sucesso escolar nas disciplinas de Português e de Matemática no 4º, 6º e 9º anos entre 2% e 5%; ensino-aprendizagem se vão adequando às características dos alunos: Ampliar a interação e a comunicação entre professores e alunos para estabelecer pontes entre o que se considera ser importante aprender e as experiências pessoais dos alunos; Propor tarefas diversificadas que representem domínios estruturantes do currículo e ativem processos complexos do ESSMO 96,34% 81,71% a) Os valores, do 1º ciclo, reportam-se ao ano letivo 12/13 pensamento (analisar, sintetizar, avaliar, relacionar, integrar, selecionar), estabelecendo uma estreita relação entre a didática e a avaliação com um papel relevante na regulação dos processos de aprendizagem; Elaborar instrumentos de avaliação que visem um feedback Não há perfis para a saída dos diferentes ciclos. adequado, diversificado, bem distribuído, frequente e de elevada qualidade, indispensável para ativar os processos cognitivos e metacognitivos dos alunos, reguladores e controladores dos processos de aprendizagem, para melhorar a sua motivação e auto-estima; Projeto Educativo do Agrupamento Página 8/20

9 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Ensino Secundário: Melhorar os resultados da avaliação interna Aumentar a taxa de sucesso escolar nas disciplinas de Físicoquímica, de Biologia/Geologia, de Geometria Descritiva, de Filosofia de História A, de Matemática A, de Matemática B, de História e Cultura das Artes, de Desenho A, de Geografia A, de Literatura Portuguesa e de Português no ensino secundário entre 2% e 5%; Manter aproximadamente em 100%, a taxa de sucesso, na disciplina de Matemática Aplicada às Ciências Sociais (MACS); Responsabilizar progressivamente os alunos pelas suas aprendizagens, partilhando o que compreenderam e como compreenderam, induzindo uma cultura positiva de sucesso baseada no princípio de que todos os alunos aprendem; Diversificar estratégias /metodologias de trabalho facilitadoras das aprendizagens dos alunos: Promover a aplicação de modelos organizacionais dinâmicos e flexíveis que visem a eficácia das aprendizagens de todos os alunos, como por exemplo a criação de grupos de homogeneidade relativa nas disciplinas estruturantes; Promover a autonomização da aprendizagem; Adquirir e desenvolver competências digitais para um bom uso das tecnologias da informação; Adotar normas próprias na elaboração de horários letivos; Intensificar o apoio ao estudo orientado; Promover a entreajuda entre alunos; Promover o apoio tutorial. Uma atividade interdiciplinar, por ano de escolaridade, para todas as turmas; Taxas de sucesso escolar referenciadas na MISI; 11º ano: Biologia e Geologia: 99,33% Física e Química A: 95,60% Geometria Descritiva: 92,31% Geografia A: 91,11% Filosofia:87,20% MACS : 100% Matemática B: 95,83% História e Cultura das Artes: 93,33% Literatura Portuguesa: 93,75% 12º ano Português: 89,61% Matemática A:78,34% História A: 90% Desenho A:96,67% Projeto Educativo do Agrupamento Página 9/20

10 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Manter a taxa global de sucesso Reorganizar os apoios pedagógicos aos alunos com dificuldades; Taxa global de sucesso no: no 1º ciclo acima de 95%; Dinamizar a sala de estudo; 1º Ciclo: 95,04% Aumentar o sucesso escolar no 2º Taxas de sucesso referenciadas na MISI; (este valor reporta-se ao ano letivo 12/13) e 3º ciclos e ensino secundário entre 3% e 5%; Promover a entreajuda entre alunos; 2º Ciclo: 88,25% Melhorar os resultados da avaliação interna Aumentar a taxa de conclusão dos Cursos Profissionais entre 3% e 5%; Manter aproximadamente em 100% a taxa de conclusão dos Intervir junto dos Pais e Encarregados de Educação de forma a alertá-los para o importante papel da família na melhoria do rendimento escolar dos alunos, nomeadamente ao nível do acompanhamento diário do estudo, do incentivo ao esforço e ao trabalho, da organização e método, da disciplina, etc. 3º Ciclo: DNAP-79,80% ESSMO- 95,1% Secundário: 84% Cursos de Educação Formação; Taxa de conclusão dos Cursos Profissionais - 95,45% Taxa de conclusão dos CEF 100% Projeto Educativo do Agrupamento Página 10/20

11 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES identificar e avaliar as necessidades educativas especiais das crianças/ jovens/ alunos, atribuindo aos que se revelarem diferenciados um pleno acompanhamento pessoal e material, bem como rigorosas adequações no seu processo educativo, de modo a promover a sua integração física, funcional, social e Desenvolver a inclusão educativa, comunitária e o seu sucesso escolar; N.ºde alunos com NEE na turma; aumentando entre 2% e 5% a taxa elencar objetivamente a área de intervenção/a atuação de sucesso escolar dos alunos esperada dos professores do ensino regular e dos professores da N.º de alunos com NEE em atividades beneficiários de Educação educação especial junto dos alunos com necessidades educativas de natureza diversificada promovidas Especial, em cada ciclo de ensino especiais, assim como as metas a atingir em determinados pela escola Percentagem de alunos com NEE, com espaços de tempo curtos e previamente definidos; sucesso: Melhorar os resultados da avaliação interna estreitar a comunicação, articulação e cooperação entre os professores do ensino regular e os da educação especial, através da realização de reuniões/encontros periódicos, unidisciplinares ou pluridisciplinares, para programar todo o trabalho a realizar Progressos verificados em termos da sua autonomia pessoal/social/ préprofissional 1º Ciclo 92,6% 2º Ciclo 75% 3º Ciclo 88% com os alunos com necessidades educativas especiais, efetuar balanços e (re)formular planos, estratégias, modalidades de avaliação; Estabelecer protocolos que visem dar uma resposta adequada e N.º de protocolos estabelecidos de qualidade a este público específico. Aperfeiçoar as estratégias de operacionalização na intervenção em turmas com alunos com necessidades educativas especiais, desenvolvendo ações, entre docentes de educação especial, docentes do ensino regular e alunos das turmas que envolvam crianças com necessidades educativas especiais Projeto Educativo do Agrupamento Página 11/20

12 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Percentagens de alunos que transitaram Aumentar em 5% a percentagem sem níveis inferiores a três: de alunos que transitam sem Percentagem de alunos que transitam 2º Ciclo: níveis/classificações negativas no Promover a qualidade das aprendizagens; sem níveis inferiores a 3/ classificações 5º ano- 60.6% 2º e 3º ciclos e ensino secundário; inferiores a 10 valores; 6º ano- 66.1% 3º Ciclo DNAP 7º ano -48,9% Alunos com médias de final de ano 8º ano 16,4% letivo iguais ou superiores a 4,5 no 4º 9º ano 46,2% ano do 1º ciclo, no 2º e 3º ciclos, e com 3º Ciclo ESSMO médias finais iguais ou superiores a 17 7º ano -83,1% valores no ensino secundário. 8º ano 80% Melhorar os 9º ano 73,2% resultados da avaliação interna Percentagens de alunos que transitaram sem classificações inferiores a dez: 10º ano- 63,80% Aumentar entre 3% e 5% o número 11º ano- 71,20% de alunos do agrupamento Promover a qualidade das aprendizagens; 12º ano- 77,1% integrados no quadro de mérito académico; Percentagens de alunos com mérito académico: 1º Ciclo:19,8% 2º Ciclo:14,15% 3º Ciclo: DNAP-9,9% ESSMO- 20% Secundário: 24,19% Projeto Educativo do Agrupamento Página 12/20

13 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Media dos Resultados das Provas Finais/Exames Nacionais -1ª fase Incrementar os resultados das provas Ano Disciplina Escola (%) Nacional (%) finais obtidos do 4º, 6º e 9º anos de escolaridade entre 1,5% e 3%; Reorganizar os apoios pedagógicos aos alunos com Resultados das provas finais de ciclo; 4º ano a) 6º ano Português 51.16% 48,7% Matemática 56.25% 56,9% Português 61% 59% Matemática 58% 54% Melhorar os resultados da avaliação externa Situar os resultados das provas finais do 4º, 6º e 9º anos acima dos resultados nacionais. Aumentar os resultados dos exames nacionais nas disciplinas de Físicoquímica, de Biologia/Geologia, de Geometria Descritiva, de História A, de Matemática A, de Matemática aplicada às Ciências Sociais (MACS), de Matemática B, de História e Cultura das Artes, de Desenho A, de Geografia A, de Literatura Portuguesa e de Português no dificuldades; Dinamizar a sala de estudo; Promover a entreajuda entre alunos; Organizar, ao longo do ano letivo, aulas de "Preparação para exame"; Resultados dos exames nacionais do ensino secundário; 9º ano DNAP ESSMO Português 49% 54% Matemática 49% 54% Português 58,22% 54% Matemática 64,83% 54% a) Os valores do 1º Ciclo reportam-se ao ano letivo 12/13. Media dos Resultados das Provas Finais/Exames Nacionais 1ª fase Disciplina Escola Nacional 702- Biologia e Geologia 10,24 9, Físico e química A 8,08 8, Geometria Descritiva 12,88 10,7 835 MACS 13,53 10, Geografia 10,07 10,7 735 Matemática B 6,03 10, Hist. Cul das Artes - 10, Literatura Portuguesa - 10,9 ensino secundário entre 1,5% e 3%; 639 Português 11 10,4 635 Matemática A 11,64 10,4 Situar os resultados dos exames, do ensino secundário acima da média 623 História A 10,79 11, Desenho A 13,22 12,3 a) Não houve alunos internos na 1ª fase nacional. Projeto Educativo do Agrupamento Página 13/20

14 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Aplicar o Plano Nacional de Leitura nos Adquirir/atualizar os equipamentos / fundo documental N.º requisições de utilizadores das BEs Biblioteca Santo António: Ensinos Básico e secundário; das BEs do Agrupamento; do Agrupamento; Biblioteca DNAP: Promover a articulação do trabalho desenvolvido nas BEs Biblioteca ESSMO: Motivar os alunos para a utilização dos com os departamentos curriculares; recursos existentes nas BEs do N.º de horas de crédito horário e da Agrupamento; componente não letiva a distribuir Aperfeiçoar o programa de orientação vocacional e escolar para os alunos do 9º ano; Estender a experiência do "Gabinete de Mediação Escolar" já existente numa escola às restantes escolas do agrupamento; pelos docentes para o funcionamento do Gabinete de Mediação Escolar e Gabinete de Apoio ao aluno e à família; Há um Gabinete de Mediação Escolar; Não há nenhum Gabinete de Apoio ao Aluno e N.º de atividades dinamizadas pelo à Família; Implementar o "Gabinete de Mediação Projeto de Educação para a Saúde; Promover o apoio à melhoria das aprendizagens Escolar" em todas as escolas do Agrupamento; Criar um Gabinete de apoio ao aluno e à família destinado à resolução de problemas/ dificuldades dos alunos; Articular o Projeto de Educação para a Saúde com o Gabinete de Apoio ao Aluno e à Família; Afetar horas do crédito horário e distribuí-las de acordo com o perfil dos docentes para o gabinete de apoio ao aluno/família e ao "Gabinete de Mediação Escolar"; N.º de atividades dinamizadas pelo Projeto de Educação para a Saúde; N.º de alunos que participam no Gabinete de Mediação Escolar e Há dois programas de orientação escolar e vocacional; Gabinete de Apoio ao aluno e à família; Implementar ações promotoras de saúde; Criar condições, na elaboração de horários, que permitam aos alunos a frequência do Desporto Escolar; N.º de alunos envolvidos no Desporto Escolar; Motivar os alunos para a participação no Desporto Escolar; Desenvolver atividades correspondentes às áreas temáticas consideradas prioritárias- Educação Alimentar e Atividade Física, Educação Sexual, Prevenção do Consumo de Nº de alunos envolvidos nas diversas iniciativas no âmbito do PES e outros. Sem dados Substâncias Psicoativas, Prevenção da Violência em Recinto Escolar/Bullying, Saúde Mental, em todos os níveis de ensino. Projeto Educativo do Agrupamento Página 14/20

15 PRIORIDADE A - MELHORAR OS RESULTADOS ESCOLARES Elaborar um conjunto de regras de conduta e estabelecer as devidas Criar no agrupamento um ambiente propício ao desenvolvimento das aprendizagens dentro e fora da sala de aula penalizações quando existem incumprimentos, com os alunos, professores e encarregados de educação, a figurar no Contrato de Turma; Cumprir as regras de conduta definidas no Regulamento Interno do agrupamento; Incrementar e valorizar os contactos com os encarregados de educação; Favorecer a autorreflexão sobre os comportamentos inadequados; N.º de contactos com os encarregados de educação; N.º de alunos ajudados pelos Gabinetes de Mediação; Ensino Taxa das medidas sancionatórias 1º Ciclo 0% 2º Ciclo 1,14% 3º Ciclo DNAP 3ºCiclo ESSMO 2,79% 1,20% Secundário 1,86% Incentivar a realização de assembleias de turma de modo a promover uma reflexão conjunta e encontra N.º de assembleias de turma; Reduzir entre 2% a 5% a taxa de medidas soluções para os problemas de comportamento; sancionatórias; Projeto Educativo do Agrupamento Página 15/20

16 PRIORIDADE B - MELHORAR A QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO À COMUNIDADE EDUCATIVA Promover sessões de trabalho para articular procedimentos entre os diferentes serviços; Desenvolver diferentes formas de cooperação entre os serviços das Elaborar manuais de procedimentos dos diferentes setores/serviços; escolas do agrupamento; Criar em todos os serviços sistemas de recolha /encaminhamento/ tratamento e divulgação das Atingir um grau de satisfação de 80% opiniões/ sugestões/ reclamações dos utentes; relativamente à melhoria da prestação de serviço; Fomentar a participação dos docentes na gestão dos objetivos do departamento curricular e demais estruturas intermédias específicas, em particular, e na N.º de ações/ reuniões realizadas entre os diversos setores/ serviços; Promover o trabalho colaborativo Executar um plano estratégico e operacional por departamento organização-escola, em geral, através do trabalho em equipa; Frequência de recolha; Sem dados de partida. curricular/ano letivo; Acompanhar/avaliar/reformular Promover a articulação curricular intra e interdepartamentos; N.º de planos estratégicos por departamento curricular/ ano letivo; áreas/documentos (Projeto Educativo, Regulamento Interno, Projeto Turma, Projeto Curricular de Agrupamento, Sucesso, /Insucesso Elaborar os regimentos das estruturas pedagógicas intermédias; Escolar, indisciplina, autoavaliação, comunicação, monitorização...); Reforçar o papel e as responsabilidades dos coordenadores de departamento, ao nível administrativo, funcional e pedagógico; Criar equipas de trabalho de docentes para proceder à discussão/ avaliação/ das áreas definidas; Projeto Educativo do Agrupamento Página 16/20

17 PRIORIDADE B - MELHORAR A QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO À COMUNIDADE EDUCATIVA Manter a página web do agrupamento permanentemente atualizada com informações úteis Desenvolver o Plano Tecnológico do Agrupamento Utilizar a página web do Agrupamento e a plataforma Moodle na comunicação e organização dos materiais para alunos/ professores/ aos alunos, pais e professores; Dinamizar e explorar as plataformas Moodle, GIAE ONLINE por forma a aumentar e rentabilizar as suas potencialidades; pais e encarregados de educação; Reforçar o recurso a meios de comunicação mais simples e céleres entre diretores de turma e N.º de utilizadores das novas tecnologias de educação; Sem dados de partida encarregados de educação (correio eletrónico e Reduzir assimetrias entre as várias escolas do Agrupamento Rentabilizar os recursos existentes; telefone), permitindo a otimização dos processos e a maior prontidão na ação educativa; Distribuir os recursos/equipamentos disponíveis pelas várias escolas do agrupamento, inclusive jardins de infância e escolas do 1º ciclo; Propor uma cultura participativa e aberta à comunidade envolvente, alicerçada nos valores humanistas e na educação para a cidadania Promover atividades que promovam os valores da tolerância, cooperação, solidariedade e voluntariado; Realizar pelo menos uma visita de estudo por ano/ turma; Executar pelo menos 80% das atividades propostas no plano anual; Organizar atividades que permitam a promoção do voluntariado, solidariedade, cooperação e tolerância com os alunos de todas as escolas do Agrupamento; Dinamizar atividades no âmbito da educação para a saúde, desporto escolar e educação para o empreendedorismo e preservação ambiental (respeito pela natureza, desenvolvimento sustentável e energias renováveis); N.º de atividades desenvolvidas; N.º de alunos envolvidos nas atividades; Grau de satisfação dos alunos/ professores/ pais e encarregados de educação das atividades desenvolvidas; Sem dados de partida Projeto Educativo do Agrupamento Página 17/20

18 PRIORIDADE B - MELHORAR A QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO À COMUNIDADE EDUCATIVA Realizar reuniões trimestrais com delegados e subdelegados de turma e associação de estudantes para análise do comportamento, aproveitamento e N.º de reuniões realizadas; balanço de projetos de alunos; Realizar reuniões com associação de pais e Solicitar a intervenção dos alunos na análise de situações e na procura de representantes de pais da turma para análise e resolução de dificuldades/ problemas detetados; Sem dados de partida Promover a participação dos pais/ encarregados de educação e dos alunos na vida do agrupamento soluções; Dotar os pais/ encarregados de educação de meios que lhes permitam Solicitar a vinda dos pais à escola para análise do aproveitamento dos seus educandos; Definir estratégias, após os resultados do 1º período, para os alunos com mais de três níveis/ classificações negativas, com pais e encarregados de educação/ o acompanhamento do percurso escolar dos seus educandos; alunos/ diretor de turma e direção do agrupamento; Promover ciclicamente seminários, palestras, Sem dados de partida workshop, atividades artísticas/ culturais que N.º de atividades/ ações dinamizadas; permitam aos pais adquirir competências para lidar melhor com os filhos; N.º de participantes envolvidos; Abrir a escola aos pais/encarregados de educação durante um dia. Projeto Educativo do Agrupamento Página 18/20

19 PRIORIDADE B - MELHORAR A QUALIDADE DO SERVIÇO PRESTADO À COMUNIDADE EDUCATIVA Valorizar/ disponibilizar a escola, enquanto pólo de desenvolvimento social e cultural em cooperação com Promover a participação da comunidade na vida do agrupamento Partilhar com a comunidade, instituições e empresas projetos realizados na escola; as instituições da comunidade participando nos seus projetos; Melhorar a comunicação entre o agrupamento e a comunidade; Organizar/ publicar trimestralmente a revista do agrupamento; N.º de protocolos estabelecidos; N.º de revistas publicadas por ano; N.º de participações nos jornais locais; Sem dados de partida Participar com regularidade nos jornais locais com divulgação de atividades realizadas no agrupamento; Manter, em boas condições, os espaços verdes e recreios Zelar pela manutenção e modernização dos espaços e equipamentos das escolas do agrupamento Realizar a manutenção e reparação dos espaços físicos das escolas do agrupamento; das escolas do agrupamento; Fazer a aquisição de materiais; Sensibilizar as Associações de Pais, Juntas de Freguesia, Câmara Municipal para a manutenção/recuperação das condições dos espaços. N.º de equipamentos/materiais; N.º de manutenções/ reparações; Sem dados de partida Projeto Educativo do Agrupamento Página 19/20

20 PRIORIDADE C - FOMENTAR PRÁTICAS DE FORMAÇÃO CONTÍNUA Fazer o diagnóstico das necessidades no âmbito da formação, para o pessoal docente e não docente; Elaborar um plano de formação para assistentes Promover a formação contínua do pessoal docente e não docente Desenvolver ações de formação, seminários e workshops, que visem dar resposta às necessidades do pessoal docente e não docente técnicos e assistentes operacionais, tendo em conta os diferentes desempenhos/ serviços; Elaborar um plano de formação para educadores e professores, a partir das necessidades diagnosticadas pelas diferentes estruturas intermédias; N.º de ações diagnosticadas; N.º de ações realizadas para o pessoal não docente; N.º de ações realizadas para o pessoal Sem dados de partida Constituir uma bolsa de formadores internos; docente; Transformar as estruturas pedagógicas intermédias em contextos de formação; Realizar ações de curta duração; Projeto Educativo do Agrupamento Página 20/20

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GUIA-POMBAL PROJETO EDUCATIVO Esta escola também é minha 2013/14 2015/16 I - INTRODUÇÃO Uma das missões da escola, que consiste em dotar todos e cada um dos cidadãos das competências

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO

PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO Agrupamento Vertical de Escolas São Vicente/Telheiras (171931) PROJECTO EDUCATIVO DE AGRUPAMENTO 2009 2012 Sede: ESCOLA BÁSICA 2, 3 DE TELHEIRAS Nª 2 Rua Fernando Namora 1600-454 LISBOA Telef.: 217121260

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO HENRIQUE MEDINA PROJETO PROMOÇÃO E EDUCAÇÃO PARA A SAÚDE Ano letivo 2014/2015 1. Enquadramento Entre os objetivos prioritários da atual política educativa encontram-se os

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013

Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar. email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação (adenda). domínio em avaliação: gestão da biblioteca escolar email: becre.esfhp@gmail.com Ano letivo 2012/2013 Plano de ação 2012/2013 (adenda) A. Apoio ao desenvolvimento curricular Responsável

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura.

PEA PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. PROJETO EDUCATIVO -2012/2015- Para formar mais e melhor numa escola participada e participativa, agradável e segura. 1. Nota Introdutória Este documento agora apresentado, resulta da avaliação efetuada

Leia mais

CONTRATO DE AUTONOMIA

CONTRATO DE AUTONOMIA CONTRATO DE AUTONOMIA PREÂMBULO O Decreto-Lei N.º 75/2008, alterado pelo Decreto-Lei N.º 137/2012, define autonomia como: ( ) a faculdade reconhecida ao agrupamento de escolas ou à escola não agrupada

Leia mais

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018

PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2018 Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas de Mira, a vigorar no quadriénio de 2014 a 2018. O projeto não é um futuro qualquer mas um futuro a construir, o que exige, à partida,

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil

2013/4. Plano de melhoria da biblioteca escolar. Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil 2013/4 Plano de melhoria da biblioteca escolar Biblioteca do Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil Índice A. Currículo literacias e aprendizagem... 5 Problemas identificados... 5 Resultados esperados...

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013

Candidato: ANTÓNIO PEREIRA PINTO Professor do Quadro do Agrupamento de Escolas D. Sancho I. Vila Nova de Famalicão, 9 de abril de 2013 PROJETO DE INTERVENÇÃO: Por uma escola centrada na aprendizagem que se repensa e se reconstrói. CANDIDATURA AO CARGO DE DIRETOR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS D. SANCHO I Aviso de abertura: 4531/2013 de 3 de

Leia mais

Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, de Rio Maior Projeto Educativo de Escola 2012/2015

Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, de Rio Maior Projeto Educativo de Escola 2012/2015 Escola Secundária Dr. Augusto César da Silva Ferreira, de Rio Maior Projeto Educativo de Escola 2012/2015 A equipa nomeada pelo Conselho Pedagógico elaborou a presente proposta de Projeto Educativo que

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015

Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular. Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 Plano de Estudos e de Desenvolvimento Curricular Agrupamento de Escolas de Castelo de Paiva 2014-2015 O presente documento é um instrumento que define as estratégias de desenvolvimento do currículo nacional,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PROJETO EDUCATIVO 2013-2017 ÍNDICE Introdução 1 Caracterização 2 Diagnóstico 4 Plano Estratégico 6 Avaliação do Projeto Educativo 12 Divulgação 14 Siglas

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto

Agrupamento Vertical de Escolas de Mondim de Basto. Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto Agrupamento de Escolas de Mondim de Basto A educação é aquilo que permanece depois de esquecermos tudo o que nos foi ensinado Halifax Índice 1 Introdução... 1 2 - Enquadramento legal... 1 I - Perfil...

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

Plano de Desenvolvimento de Autonomia

Plano de Desenvolvimento de Autonomia Plano de Desenvolvimento de Autonomia O presente Plano de Desenvolvimento de Autonomia, produzido no âmbito do Contrato de Autonomia desta escola, celebrado com o Ministério da Educação em 10/9/2007, constitui-se

Leia mais

CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS

CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARATERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS O Agrupamento de Escolas de Salvaterra de Magos, disponibiliza o ensino público para a União de Freguesias dos Foros de Salvaterra e Salvaterra de Magos a nível

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Alfena. Plano de Melhoria. 2013/2014 a 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Alfena Plano de Melhoria a 2014/2015 outubro 2013 Índice Introdução...3 Resultados da Avaliação Externa...4 Principais Áreas de Melhoria...6 Plano de Ação...7 Considerações Finais...14

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS

EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS INSPEÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA PROGRAMA ACOMPANHAMENTO EDUCAÇÃO ESPECIAL RESPOSTAS EDUCATIVAS RELATÓRIO Agrupamento de Escolas Levante da Maia 2014-2015 RELATÓRIO DE ESCOLA Agrupamento de Escolas

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR ENQUADRAMENTO E DISPOSIÇÕES COMUNS AOS JARDINS-DE-INFANCIA DO AGRUPAMENTO JOSÉ MARIA DOS SANTOS EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A educação pré-escolar destina-se às crianças com idades compreendidas entre os três

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social

Disciplina de Oferta Complementar. Formação Pessoal e Social Disciplina de Oferta Complementar Formação Pessoal e Social Promover a cidadania Aprender a viver no mundo que nos rodeia Mod. AEVPA - Conselho Pedagógico Página 1 de 11 Disciplina de Oferta Complementar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Lousada. Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril. AE Lousada. Projeto de Intervenção no Agrupamento

Agrupamento de Escolas de Lousada. Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril. AE Lousada. Projeto de Intervenção no Agrupamento Agrupamento de Concurso para Diretor Aviso n.º 4533/2013 de 3 de abril Projeto de Intervenção no Agrupamento De acordo com o estabelecido no ponto 3 do artigo 22º do Decreto Lei n.º 75/2008, de 22 de Abril

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL

PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL MUNICÍPIO DE VOUZELA PLANO EDUCATIVO MUNICIPAL 2014/2015 Designação da Formação Toxicodependências Programa de Respostas Integradas As Crianças Marcam a Diferença! Natação 1º Ciclo Prolongamento de Horário

Leia mais

Plano de ação da biblioteca escolar

Plano de ação da biblioteca escolar AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA GAFANHA DA ENCARNÇÃO Plano de ação da biblioteca escolar 2013-2017 O plano de ação constitui-se como um documento orientador de linhas de ação estratégicas, a desenvolver num

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE GRÂNDOLA PROJETO EDUCATIVO PARECER FAVORÁVEL DO CONSELHO PEDAGÓGICO AVE/ESAIC, EM 3.SETEMBRO.2015 APROVADO EM CONSELHO GERAL, EM 29. SETEMBRO. 2015 I - Enquadramento O concelho

Leia mais

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Professor Óscar Lopes Matosinhos

Plano de Melhoria. Agrupamento de Escolas Professor Óscar Lopes Matosinhos 2014 2017 Plano de Melhoria Agrupamento de Escolas Professor Óscar Lopes Matosinhos 2014 2017 Índice Introdução... 3 Resultados da Avaliação externa... 4 EIXO 1: Apoio à melhoria das aprendizagens... 6

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015

Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco. Plano de Atividades 2015 Associação de Apoio a Crianças e Jovens em Risco Plano de Atividades 2015 INTRODUÇÃO Depois de escalar uma montanha muito alta, descobrimos que há muitas mais montanhas por escalar. (Nelson Mandela) A

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes

Agrupamento de Escolas nº4 de Évora - 135562 Escola Sede: Escola Secundária André de Gouveia. Plano de Ação dos Projetos e Clubes Consciencializar toda a Comunidade Escolar para a Preservação do Meio Envolvente; Sensibilizar a comunidade para a poupança de recursos, promovendo a reutilização e a reciclagem. Valorizar a Educação para

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação

EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação PLANO DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL de ODEMIRA 2014-2015 EIXO 1 - Empreendedorismo, Empregabilidade e Educação Promover o conhecimento e o acesso dos empresários aos apoios e incentivos no âmbito do empreendedorismo

Leia mais

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento

Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento Informações Gerais Educação pré-escolar e 1.º ciclo Índice do Documento 1. Educação pré escolar Objetivos da educação pré escolar Oferta educativa: *Componente letiva *Componente não letiva (CAF) Ocupação

Leia mais

Ação de Formação OFERTAS CURRICULARES DIVERSIFICADAS: UMA NOVA REALIDADE ESCOLAR PARA TODOS OS DOCENTES

Ação de Formação OFERTAS CURRICULARES DIVERSIFICADAS: UMA NOVA REALIDADE ESCOLAR PARA TODOS OS DOCENTES Ação de Formação OFERTAS CURRICULARES DIVERSIFICADAS: UMA NOVA REALIDADE ESCOLAR PARA TODOS OS DOCENTES Programa para a disciplina de oferta complementar do AER (ensino básico): Educação para a Cidadania

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Director... 3 Professor bibliotecário... 5 Docentes... 10

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós 2013-2017

Candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós 2013-2017 Célia Maria Bernardo Pereira Simões 15 de julho de 2013 No caminho percorrido e nos desafios futuros encontro a motivação para a apresentação da candidatura a Diretora do Agrupamento de Escolas de Celeirós.

Leia mais

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M

Projeto Educativo 02 02-V R 01-P D O M Projeto Educativo Colégio do Sagrado Coração de Maria - Lisboa Projeto Educativo V02 i ÍNDICE I. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA...1 1. O meio envolvente...1 2. O Colégio...2 3. Organização Estrutural...2 3.1. Órgãos

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJETO EDUCATIVO 2013/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANSELMO DE ANDRADE PROJETO EDUCATIVO 2013/2016 PROJETO EDUCATIVO 2013/2016 INDICE Página Introdução 4 Caracterização do agrupamento 5 1. Inserção na Comunidade Local 5 2. O agrupamento 7 Valores e princípios do Projeto Educativo 10 Diagnóstico 11 Objetivos:

Leia mais

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia

1. Apresentação. 2. Características Principais do Colégio Heliântia I. O COLÉGIO HELIÂNTIA 1. Apresentação O Colégio Heliântia é um projeto de ensino privado que desenvolve a estratégia de Escola Total. Este conceito pretende a construção de um projeto educativo coeso

Leia mais