A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida."

Transcrição

1

2 A educação é um processo social, é desenvolvimento. Não é a preparação para a vida, é a própria vida. John Dewey John Projeto educativo Documento objetivo, conciso e rigoroso, tendo em vista a clarificação e comunicação da missão e das metas da escola no quadro da sua autonomia pedagógica, curricular, cultural, administrativa e patrimonial, assim como a sua apropriação individual e coletiva. Decreto-Lei n.º 137/2012 Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra

3 Sumário Preâmbulo... 1 Quem somos?... 4 Como nos avaliamos? O que pretendemos? Os princípios que nos orientam Os valores que defendemos Opções prioritárias/metas/estratégias Qualidade da Educação Dinâmica da Comunidade Educativa Organização da Escola Projeção da Escola na Comunidade Avaliação do Projeto Educativo ANEXOS ANEXO I ANEXO II ANEXO III ANEXO IV ANEXO V ANEXO VI Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra

4 Preâ mbulo A relação de parceria da Escola Básica e Secundária da Quinta das Flores (EBSQF) com a Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra (CMC) constituiu, nos últimos anos, a linha estratégica fundamental do desenvolvimento do nosso Projeto Educativo. A aproximação da então Escola Secundária com 3º Ciclo Quinta das Flores com o CMC começou com o nosso compromisso de receção dos alunos do 3º. Ciclo do Ensino Básico que iriam frequentar o futuro CMC projetado para os terrenos contíguos ao quartel dos Bombeiros Sapadores de Coimbra. Inviabilizado este projeto, aceitámos acolher no espaço da nossa escola o CMC, prevendo-se inicialmente a sua implantação nos terrenos livres da escola, os terrenos próximos do charco ou do pomar. Posteriormente aceitámos partilhar instalações com o CMC, iniciando um processo de aproximação em torno de um projeto comum. Deste modo, foi necessário demolir todo o bloco administrativo da antiga escola, onde funcionavam os serviços administrativos e de direção, a sala de professores, uma sala de conferências, o salão polivalente, a cozinha, o refeitório, dois bufetes, a papelaria, a reprografia, o gabinete do aluno e os SASE, sendo, por isso, necessário destruir os amplos e belíssimos espaços verdes que constituíam a sua imagem de marca. Ultrapassados os quase dois anos de obras, no que passou a ser o campus das duas escolas, foram construídas novas instalações e renovadas as já existentes, tendo em vista a sua missão comum, a formação integral das crianças e jovens da região de Coimbra que iriam frequentar os cursos do ensino artístico especializado da música e da dança, desenvolvendo, simultaneamente, as competências relativas aos planos de estudo do currículo nacional. Para além das instalações específicas construídas para o CMC, passámos a dispor de melhores e mais bem equipadas salas de aula, de melhores e mais bem equipados laboratórios, de muito melhores meios informáticos, de muito melhores meios para o ensino das artes visuais e para a prática do desporto, de melhores gabinetes de trabalho para os professores, de uma melhor biblioteca, de melhores cozinha e refeitório, de melhores espaços para pausa e lazer Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 1

5 Em regime articulado Projeto Educativo 2014/2017 Da intervenção resultou um estabelecimento de ensino onde coabitam irremediavelmente as duas escolas, que partilham a maioria dos espaços, como as entradas e saídas, os corredores, os blocos de aulas, os espaços onde funcionam as direções dos dois estabelecimentos, os serviços administrativos, o refeitório, os bufetes, a biblioteca, a papelaria, a reprografia, os SASE, as instalações das associações de estudantes, das associações de pais, a sala dos professores, os espaços dos gabinetes de trabalho dos professores, a sala de reuniões, os auditórios, os espaços desportivos, os espaços ao ar livre e todas as instalações técnicas. Ficámos com a certeza de que o projeto que iniciámos com o CMC contribuirá para valorizar o nosso trabalho futuro, reforçando o papel educativo que a EBSQF sempre reconheceu às artes. As duas escolas reúnem as melhores condições para cumprirem as finalidades da agregação das escolas, uma vez que, compartilhando o mesmo espaço, constroem percursos escolares coerentes e integrados, promovem a articulação entre ciclos e níveis numa ótica de verticalização e garantem uma maior eficácia e eficiência na gestão dos recursos humanos, pedagógicos e materiais. No que respeita à relação de parceria, ao iniciarmos o ano letivo de , frequentam o ensino básico os seguintes alunos: Ensino básico Ano de escolaridade N.º de alunos 2.º ciclo 5.º 52 6.º 25 Música 7.º 26 3.º ciclo 8.º 26 9.º 25 5.º 26 2.º ciclo Dança 6.º 24 3.º ciclo 7.º 18 Em regime supletivo Do 5.º ao 9.º 12 No ensino secundário, ambos os estabelecimentos, asseguram a frequência dos seguintes cursos: Ensino secundário Tipo de ensino N.º de alunos Curso profissional de jazz 40 Ensino articulado da música 10 Em regime supletivo 49 Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 2

6 A relação de parceria entre a EBSQF e o CMC acabou com o conhecido sacrifício de inúmeros pais de Coimbra que necessitavam de transportar diariamente os seus filhos das escolas em que frequentavam as disciplinas gerais para o CMC. Agora, os alunos da cidade interessados no ensino especializado da música ou da dança podem concluir nas nossas duas escolas os seus estudos, entre o 5º e o 12º anos de escolaridade. Esta nova realidade tem tido e continuará a ter reflexos na definição das áreas prioritárias de orientação da escola, bem como dos seus objetivos e metas. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 3

7 Quem somos? A Escola Básica e Secundária Quinta das Flores localiza-se no interior do tecido urbano de Coimbra, na freguesia de Sto. António dos Olivais. Conta com 30 anos de funcionamento e inicialmente foi, devido à sua localização, considerada uma escola de periferia. Situa-se hoje, no entanto, numa das zonas citadinas de maior desenvolvimento e crescimento demográfico, sendo servida por uma boa rede de acessos. A partir de 2010/2011, a escola foi sujeita a obras de ampliação e a uma reorganização global do seu espaço, de modo a permitir a integração da, agora designada, Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra. Esta comunhão de espaços físicos possibilitou o aumento da oferta educativa de ensino artístico, o que constitui, em si mesmo, uma marca diferenciadora da Escola Básica e Secundária Quinta das Flores. O programa de modernização levado a cabo pela Parque Escolar, ao requalificar o edifício, criou condições para a prática de um ensino inovador, adequado à sociedade da informação. Deste modo, a escola passou a dispor de melhores instalações e de modernos equipamentos. As salas de aulas distribuem-se por quatro blocos, A, B, C, D, estando todas equipadas com material adequado, computador e projetor. Dispõe, ainda, das seguintes salas específicas: Laboratórios Salas 4 de Física e Química 4 de Biologia e Geologia 1 de Informática 1 de Instalações Elétricas 2 de Eletrónica 1 de Matemática 1 de Sistemas Digitais 5 de Artes Visuais 1 de Educação Tecnológica 1 de Geografia 1 de História 2 de TIC 4 Salas de Informática Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 4

8 É de destacar, também, um conjunto de instalações que são uma mais-valia para a cidade de Coimbra e contribuem para a imagem de marca da escola: Instalações da EBSQF e CMC 1 Sala de Teatro 1 Sala de grandes grupos, (lotação de 80 lugares) 1 Pequeno auditório, (lotação de 120 lugares) 1 Grande auditório (lotação de 380 lugares) 1 Biblioteca Escolar (integrada na RBE) Para a prática desportiva, a escola dispõe de: Instalações desportivas Cobertas Descobertas 1Pavilhão 1 Campo 1 Sala de ginástica 1 Campo desportivo 1 Pista de atletismo Para além do referido, possui: 1 refeitório 2 bares de alunos 1 loja do aluno (papelaria e reprografia) 2 secretarias 1 SASE 2 salas de professores 2 salas de Diretores de Turma 4 Salas dos Departamentos Curriculares. No bloco central existem três elevadores para a deslocação de deficientes motores ou pessoas com mobilidade reduzida. Pode concluir-se que o facto de o edifício ter sido projetado para acolher a Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra, constitui uma mais valia em termos de acesso e utilização, pelos alunos da Escola, das instalações e equipamentos específicos ligados às Artes ( por exemplo, salas de dança, orquestra e música). Com vista à prossecução dos seus objetivos de natureza pedagógica, cultural, curricular, de desenvolvimento e social, a Escola Básica e Secundária Quinta das Flores estabelece protocolos e parcerias com diversas entidades e instituições: Universidade de Coimbra, no âmbito dos estágios pedagógicos de Matemática, Física e Química, Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 5

9 Educação Física e curricular de Psicologia; Faculdade de Ciências e Tecnologias Projeto Softciências; Museu da Ciência - Projeto Socientize; cerca de 30 empresas do concelho de Coimbra e limítrofes no âmbito dos estágios dos Cursos Profissionais; Câmara Municipal de Coimbra - Projeto In Motions e Projeto de Empreendedorismo; Teatrão; Centro de Neurociências de Coimbra Projeto Pergunta-me Ciência ; Associação de Professores de Matemática, Associação Portuguesa de Professores de Francês - Projeto La chanson en scène ; APPACDM, Rede de Bibliotecas Escolares, Rede de Bibliotecas de Coimbra e Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. Mantém, também, uma relação de cooperação institucional com o Centro de Saúde Norton de Matos. No Ensino Secundário a escola tem uma oferta diversificada de Cursos Científico- Humanísticos: Ciências e Tecnologias (CT); Artes Visuais (AV); Ciências Socioeconómicas (CSE); Línguas e Humanidades ( LH). Oferece, ainda, os seguintes Cursos Profissionais: Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos (TGEI); Técnico de Apoio à Gestão Desportiva (TAGD); Técnico Auxiliar de Saúde (TAS); Profissional de Instrumentista de Jazz (PI Jazz). Neste ano letivo, frequentam a escola 1167 alunos, em regime diurno, repartidos do seguinte modo: 2.º ciclo 3.º ciclo Cursos do Ensino Básico Geral e do Ensino Artístico Especializado Cursos em regime articulado em regime articulado em regime geral Anos de escolaridade N.º de turmas 5.º 2 de Música 1 de Dança 6.º 1 de Música 1 de Dança 7.º 1 de Música 1 de Dança 8.º 1 de Música 1 de Teatro 9.º 1 de Música 7.º 1 turma 8.º 1 turma 9.º 2 turmas N.º de alunos Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 6

10 Cursos do Ensino Secundário - Científico-Humanísticos Ensino secundário Cursos Científico- Humanísticos 10º ano 11º ano 12º ano 3 de Ciências e Tecnologias 1 de Artes Visuais 1 de Ciências Socioeconómicas 2 de Línguas e Humanidades 3 de Ciências e Tecnologias 1 de Artes Visuais 1 de Ciências Socioeconómicas 2 de Línguas e Humanidades 3 de Ciências e Tecnologias 1 de Artes Visuais 1 de Ciências Socioeconómicas 2 de Línguas e Humanidades 622 Cursos do Ensino Secundário - Profissionais Ensino secundário Cursos Profissionais 10º ano 11º ano 12.º ano 1 de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos 1 de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 1 de Técnico Auxiliar de Saúde 1 de Instrumentista de Jazz 1 de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos 2 de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva 1 de Instrumentista de Jazz 1 de Técnico de Gestão de Equipamentos Informáticos 2 de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva de Instrumentista de Jazz Visando o enriquecimento curricular, a escola dinamiza um conjunto de clubes e projetos diversificados, como o Clube Europeu, o Parlamento dos Jovens, intercâmbios bilaterais no âmbito do Projeto Comenius, Grupo de Teatro Hybris, Clube de Cinema, Clube de Encadernação, Desporto Escolar, Projetos Charcos com Vida, Plantar Ciência, Pergunta-me Ciência, onde os alunos se envolvem e completam a sua formação, de acordo com as suas motivações. Para melhorar o desempenho escolar, a escola possui estruturas de apoio ao estudo de caráter regular e permanente: Sala de Estudo que conta com a colaboração de professores de diferentes grupos disciplinares; Salas de Apoio de Português, Inglês, Física e Química ( Vence a Inércia ) e Matemática ( Salta Barreiras ). Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 7

11 Complementarmente, e integrando a cultura desta escola, são calendarizados, ao longo do ano, apoios educativos para a recuperação dos alunos com dificuldades de aprendizagem e/ou recuperação de atrasos de aprendizagem por faltas justificadas, bem como para a melhoria do seu desempenho escolar ou preparação para os exames nacionais. Por outro lado, para prevenir e controlar situações de indisciplina e aumentar a motivação dos alunos, a Escola dispõe dos Gabinetes de Mediação Disciplinar e de Apoio ao Aluno, bem como do apoio dos serviços de Psicologia e Orientação. Neste ano letivo a escola é frequentada por 32 alunos estrangeiros e por 22 alunos que têm outra língua como herança. A escola, como espaço de formação, tem em atenção o acolhimento desses alunos e cria projetos que promovem a interculturalidade. Esta partilha de culturas permite aos jovens estrangeiros uma melhor integração na comunidade escolar, sem perderem as suas origens e, aos cidadãos nacionais, formarem a sua personalidade com base na aceitação de elementos culturais diferentes. Desta forma, todos estarão melhor preparados para o exercício da cidadania global. A escola integra também 32 alunos com necessidades educativas especiais, 4 do 2º ciclo, 8 do 3º ciclo e 20 do ensino secundário abrangidos pelo Decreto-Lei nº 3/2008, de 7 de janeiro. Estes alunos são adequadamente acompanhados pelas professoras de Educação Especial e pelos Serviços de Psicologia e Orientação. Do ponto de vista socioeconómico, a escola integra alunos de estratos diferenciados. No presente ano letivo de 2013/2014, o número de alunos apoiados pelos Serviços de Ação Social Escolar é de 167: 66 do escalão A e 101 do escalão B. Face à grave crise económica e social que estamos a viver, às reduções nos salários, aos cortes e suspensões de atualizações de apoios sociais, pensões e outras prestações sociais previstos no Orçamento de Estado de 2014, a escola assume como prioridade, em matéria de gestão financeira, a continuação do investimento em recursos fundamentais de apoio às aprendizagens dos alunos (materiais de apoio, Projetos, Consultórios e Salas de Estudo), de modo a garantir as condições de igualdade de oportunidades de aprendizagem e de sucesso educativo. O corpo docente é constituído por 122 professores, sendo 68 do quadro da Escola Básica e Secundária Quinta das Flores, 2 dos quais estão destacados, 17 de quadros de outras escolas, 2 dos quais, professores do ensino especial, 14 de quadros Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 8

12 de zona pedagógica e 9 contratados. Encontram-se a exercer funções nesta escola na situação de mobilidade por doença 14 professores. O pessoal não docente engloba diversas categorias: 26 assistentes operacionais e 10 assistentes técnicos com contrato de trabalho por tempo indeterminado e 1 técnica superior. Há ainda a referir o projeto As Flores da Quinta, grupo constituído por professores aposentados que colaboram na dinamização da escola, participando em múltiplas estruturas (Direção, Biblioteca, Departamentos e Grupos Disciplinares ) e em diferentes áreas (Pintura, Teatro, Ginástica ). Esta oficina de saberes e de partilha está a ser aprofundada no sentido de alargar as suas fronteiras de ação às múltiplas necessidades que a Escola de hoje enfrenta, na dinamização de projetos e atividades enriquecedores da formação dos alunos e restante comunidade escolar. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 9

13 Como nos âvâliâmos? A análise da informação sistematicamente recolhida pela equipa de autoavaliação da escola nos últimos três anos letivos, os planos de melhoria e os relatórios regularmente elaborados pelas estruturas de coordenação permitem-nos fazer o diagnóstico que se apresenta. PONTOS FORTES EQUIPAMENTO RECURSOS HUMANOS OFERTA EDUCATIVA BOAS PRÁTICAS PARCERIAS Bons espaços verdes envolventes; Uma escola requalificada e bem dotada de Tecnologias da Informação e Comunicação; Boas condições para a prática do ensino experimental das Ciências; Boas condições para a aprendizagem das Artes; Boas condições para a prática desportiva; Uma Biblioteca Escolar bem equipada e dinâmica; Um Grande Auditório. Uma identidade própria e uma cultura de escola construídas ao longo de três décadas; Um corpo docente e não docente estável, assíduo e empenhado; Muito baixo nível de absentismo do pessoal docente. Oferta educativa diversificada e adequada às expetativas dos alunos, numa perspetiva de inclusão comunitária; Atividades de enriquecimento curricular variadas, Clube Europeu, Grupo de Teatro Hábeis, Clube de Cinema, Desporto Escolar, Projeto de Charcos com Vida, Clube de Encadernação, Parlamento dos Jovens ; Possibilidade de reforçar o papel das Artes na formação integral do aluno, devido à integração da Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra no mesmo espaço físico; Elevada procura devido à articulação com a Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra. Práticas de trabalho colaborativo de alguns grupos disciplinares, potenciadoras da articulação interdisciplinar e da sequencialidade das aprendizagens; Tradição de ação articulada entre a Biblioteca Escolar e grupos disciplinares; Atenção prestada à formação cívica dos alunos expressa em inúmeros projetos e atividades, que contribuem para o bom ambiente na Escola e para a aquisição de novas competências e saberes; Dinâmica cultural existente na Escola, com impacto na imagem positiva projetada para a comunidade; Planeamento cuidado do ano letivo, o que assegura o bom desenvolvimento das atividades escolares; Tradição de atenção ao aluno e de apoio nas suas dificuldades; Salas de Estudo e Projetos de apoio às aprendizagens dos alunos; Reserva de períodos da componente não letiva que estimula e promove o trabalho colaborativo de pares. Rede de parcerias com empresas, instituições científicas e educativas e o Centro de Saúde Norton de Matos. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 10

14 PONTOS CRÍTICOS E CONSTRANGIMENTOS PRÁTICAS A CORRIGIR ARTICULAÇÃO COM O CONSERVA- TÓRIO RESULTADOS EQUIPAMEN- TOS RECURSOS HUMANOS OFERTA EDUCATIVA COMUNICA- ÇÃO SEGURANÇA Dificuldade em avaliar os resultados académicos devido a uma definição pouco rigorosa das metas estabelecidas no Projeto Educativo; Sobrecarga de tarefas incidentes sobre a componente não letiva, o que reduz o tempo de trabalho individual dos professores; Insuficiente solicitação dos professores na tomada de decisões; Insuficiente envolvimento dos alunos na elaboração e discussão dos documentos estruturantes da escola; Insuficiente acompanhamento de alguns alunos pelos seus Pais e Encarregados de Educação; Pouco envolvimento dos Pais na vida da escola e na própria Associação que os representa; Insuficiente divulgação das atividades não disciplinares na comunidade/cidade. Dificuldades na articulação com a Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra, na perspetiva dos Assistentes Operacionais. Problemas de assiduidade e de pontualidade, falta de hábitos de trabalho, atitudes menos corretas e colaborantes na sala de aula por parte de alguns alunos; Uma taxa de retenção no 3º Ciclo de 9,3% e no Ensino Secundário de, aproximadamente, 23% no ensino regular e 20 % no ensino profissional; Taxas de sucesso do 12º ano inferiores às metas do Projeto Educativo; Taxa de abandono pouco significativa mas não sistematicamente monitorizada. Falta de uma Sala de Convívio dos alunos; Disposição do mobiliário da biblioteca impeditiva de um controlo eficaz; Deficiências no funcionamento do ar condicionado; Desatualização e falta de manutenção de algum equipamento informático. Ausência de disponibilidade, nos horários dos professores com menos tempo de serviço, para o apoio dos alunos com mais dificuldades de aprendizagem; Oferta de formação contínua insuficiente e desajustada às necessidades dos docentes, dos não docentes e da escola; Corpo não docente insuficiente com repercussão direta na qualidade dos serviços fornecidos e das relações interpessoais. Elevado número de alunos por turma. Dificuldade em corresponder às opções de formação específica pretendidas pelos alunos do 10º e 12º anos. Demasiada compartimentação dos saberes e pouca articulação curricular, a qual cria dificuldades na operacionalização dos Projetos Curriculares de Turma e do Plano Anual de Atividades; Dificuldade em harmonizar a educação para a saúde com os programas disciplinares, no âmbito do Projeto de Turma. Pouca exploração, do ponto de vista pedagógico e didático, da página Web da Escola; Falhas na circulação da informação nas estruturas intermédias. Insuficiente vigilância e segurança na escola; Ausência de exercícios de simulação, nos últimos anos, que coloca problemas de segurança em caso de emergência. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 11

15 OPORTUNIDADES Parceria entre a Escola e a Escola Artística do Conservatório de Música de Coimbra, pelas possibilidades que representa para o crescimento e afirmação das duas instituições na cidade de Coimbra; Possibilidade de alargar as parcerias com instituições científicas, económicas e culturais da cidade e da região. RISCOS A situação socioeconómica do país e das famílias gera fenómenos que passaram a ter reflexo direto no trabalho a desenvolver na sala de aula e no ambiente da escola. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 12

16 O que pretendemos? Perante este diagnóstico estratégico, forçoso é concluir que a escola deve continuar a melhorar nas quatro áreas consideradas prioritárias nos últimos triénios: A qualidade da educação; A dinâmica da Comunidade Educativa; A organização da Escola; A projeção da Escola na Comunidade. Missão Prestar à comunidade um serviço educativo de qualidade contribuindo para a formação de cidadãos críticos e conscientes dos seus deveres e direitos, numa Escola regida pelo princípio da igualdade de oportunidades de sucesso e por padrões de exigência e responsabilidade. Valorizar a curiosidade, a vontade de aprender, o conhecimento enquanto requisitos para o prosseguimento de estudos e para a integração no mundo do trabalho. Realizar o ideal de uma escola inclusiva, solidária, equitativa, que proporcione as condições para a realização pessoal dos alunos e de todos os seus profissionais. Visão Ser uma Escola de referência a nível local e nacional pelo sucesso académico e profissional dos seus alunos, pela qualidade do seu ambiente interno e relações externas e pelo elevado grau de satisfação de toda a comunidade educativa. Afirmar gradualmente a especificidade da Escola enquanto escola de artes, valorizando a formação humanista, científica e artística numa perspetiva de educação global. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 13

17 Os princí pios que nos orientâm Promover o sucesso educativo na sua plenitude ( aprender a conhecer, aprender a fazer, aprender a estar, aprender a ser ); Integrar a escola na comunidade e articular o ensino com as atividades culturais, científicas, económicas e sociais; Contribuir para desenvolver o espírito e a prática democráticos educando para a cidadania; Assegurar a participação de todos os intervenientes no processo educativo, nomeadamente dos alunos, das famílias, dos docentes e não docentes, da autarquia e de entidades representativas das atividades e instituições económicas, sociais, culturais e científicas, tendo em conta as caraterísticas específicas dos vários níveis e tipologias de educação e de formação; Valorizar a cidadania europeia; Preservar o património natural e cultural; Promover a consciencialização da poupança dos recursos, numa perspetiva ecológica e económico-financeira; Estimular a inovação; Promover hábitos de vida saudável e prevenir o risco; Promover a equidade, criando condições para a concretização da igualdade de oportunidades e de sucesso numa perspetiva de inclusão; Valorizar o papel das artes na formação integral do aluno. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 14

18 Os vâlores que defendemos Trabalho, responsabilidade, criatividade, diálogo, liberdade, cooperação, solidariedade, equidade, compromisso, inovação, confiança, felicidade. educativo O nosso lema é: Todos diferentes com iguais oportunidades de sucesso Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 15

19 Opço es prioritâ riâs/metâs/estrâte giâs Qualidade da Educação 1.1. Melhorar as taxas de sucesso educativo. Melhorar a taxa de transição/progressão no ensino básico, por ano e ciclo, de acordo com as metas do Anexo I. Reduzir as taxas de retenção/anulação no ensino secundário, de acordo com as metas do Anexo I. Melhorar a taxa de progressão por disciplina, de acordo com as metas estabelecidas no Anexo II. Reduzir o desvio negativo entre a Classificação Final da Disciplina (CFD) e a Classificação Interna Final (CIF), de acordo com as metas do Anexo III. Reduzir a taxa de desistência* por disciplina e ano, de acordo com as metas do Anexo IV. O Grupo é ainda de opinião que deve ser ponderada a inclusão de Metas para a anulação de matrícula / desistências, atendendo sobretudo à extensão da Escolaridade Obrigatória para doze anos. (*Desistência: anulação de matrícula ou exclusão por faltas. Não inclui as transferências na escola ou para outras instituições educativas.) ESTRATÉGIAS Valorizar o empenho, assiduidade, pontualidade, disciplina, hábitos de trabalho e métodos de estudo nos referenciais comuns de avaliação. Reforçar a articulação interdisciplinar no Plano Anual de Atividades e no Projeto de Turma. Valorizar a função de Direção de Turma, atribuindo o cargo a docentes com capacidade de liderança e aptos a planificar, decidir, gerir conflitos e tensões. Privilegiar uma cultura de projeto, métodos ativos e trabalho colaborativo. Desenvolver a pedagogia diferenciada dentro e fora da sala de aula. Desenvolver mais projetos pedagógicos e metodologias de investigação em articulação com a Biblioteca Escolar. Promover uma interdisciplinaridade mais consequente e atempadamente planificada. Criar grupos de nível no ensino das línguas. Melhorar a eficácia da Sala de Estudo. Reforçar e diversificar os apoios educativos de modo a responder às necessidades dos alunos. Desenvolver nos alunos a literacia no uso das Tecnologias de Informação e Comunicação. Elaborar horários de alunos, professores e pessoal não docente, tendo em conta critérios pedagógicos, rentabilizando os recursos humanos e privilegiando o período da manhã para disciplinas com exame nacional. Enquadrar e apoiar todos os alunos, tendo em conta as suas realidades culturais e sociais e dando especial atenção aos alunos com Necessidades Educativas Especiais e aos alunos estrangeiros. Desenvolver o gosto pela leitura e as competências que esse gosto envolve, melhorando os níveis de literacia na Comunidade Escolar, em articulação com a Biblioteca Escolar. Proporcionar aos alunos com carências económicas os apoios necessários a uma efetiva igualdade de oportunidades de sucesso. Corresponsabilizar os Encarregados de Educação pelo acompanhamento dos seus educandos. Monitorizar o tempo médio para a conclusão do 3º Ciclo e do Ensino Secundário. Manter a integração da Escola no Projeto OTES. Monitorizar a taxa de desistência. Incluir nos relatórios anuais dos Diretores de Turma uma identificação rigorosa dos casos de desistência e de exclusão por faltas e respetivos motivos. Sinalizar e encaminhar para o Gabinete de Apoio ao Aluno os casos de eventual risco de desistência. Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 16

20 1.2. Promover a qualidade das aprendizagens e a formação integral do aluno como pessoa e cidadão. Eliminar o problema da falta de pontualidade. Controlar o problema da falta de assiduidade. Promover atitudes e comportamentos adequados às aprendizagens. Reduzir o número de procedimentos disciplinares. Reduzir a frequência do envio de alunos para o Gabinete de Mediação Disciplinar, assim como as reincidências, de acordo com as metas do Anexo E. Fomentar os valores da cidadania e da democracia. Dominar metodologias e técnicas de trabalho intelectual que potenciem a qualidade das aquisições cognitivas e assegurem a autoformação e a educação permanente. Aperfeiçoar as diferentes formas de comunicação verbal e não verbal. Desenvolver capacidades de descodificação, análise e de leitura crítica das múltiplas linguagens dos media. Planificar, executar e avaliar, anualmente, o Projeto de Educação Física e Desportiva, segundo o princípio mens sana in corpore sano. Desenvolver capacidades técnicas que permitam uma adequada integração no mundo do trabalho. Programar, executar e avaliar, anualmente, o Projeto de Educação para a Saúde e, nesse âmbito, de educação sexual. ESTRATÉGIAS Aplicar uniformemente o conceito de pontualidade. Continuar a valorizar a pontualidade e a assiduidade nos referenciais comuns de avaliação. Aplicar uniformemente os critérios para o registo de falta. Aplicar uniformemente os critérios de justificação de faltas. Valorizar o papel do Diretor de Turma. Continuar a valorizar a as atitudes e valores nos referenciais comuns de avaliação. Criar uma disciplina de Formação Cívica/Cidadania. Privilegiar estratégias que suponham uma ação conjugada de Diretores de Turma, professores e encarregados de educação. Desenvolver programas de formação para professores, Diretores de Turma, pessoal não docente e encarregados de educação. Corresponsabilizar os Encarregados de Educação pelo comportamento dos seus educandos. Aplicar as medidas disciplinares corretivas e sancionatórias previstas no Estatuto do Aluno e Ética Escolar, da competência do professor, de forma a dissuadir os alunos de terem comportamentos irregulares, designadamente na sala de aula, prevenindo situações que resultem em procedimentos disciplinares. Manter a diversidade de atividades que constituem o Plano Anual de Atividades (componentes culturais, sociais, artísticas e desportivas). Continuar a desenvolver as atividades que se enquadram no âmbito da educação para a cidadania. Privilegiar metodologias ativas. Explorar a transversalidade da língua portuguesa. Integrar nas estratégias didáticas a utilização dos media. Explorar as potencialidades formativas da disciplina de Educação Física, do Desporto Escolar e do desporto, em geral. Promover a transversalidade disciplinar do Projeto de Educação para a Saúde em articulação com as famílias. Articular os meios da escola com o contributo dos diferentes parceiros para construir um programa de educação para a saúde ajustado, consistente e eficaz. Melhorar a dinâmica do Gabinete de Apoio ao Aluno. Reforçar o intercâmbio com as empresas formadoras em contexto de trabalho (cursos profissionais) Escola Básica e Secundária Quinta das Flores- Coimbra 17

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017

PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ AFONSO SEIXAL CÓDIGO 401481 Av. José Afonso Cavaquinhas Arrentela 2840 268 Seixal -- Tel. 212276600 Fax. 212224355 PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA 2014-2017 ABRIL DE 2014 Índice 1. Introdução

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015/2016 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO 2015-2016 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB 2,3 Prof. José Buísel E.S. Manuel Teixeira Gomes

Leia mais

9ºANO E AGORA? SPO. Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama

9ºANO E AGORA? SPO. Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama 9ºANO E AGORA? SPO Agrupamento de Escolas Sebastião da Gama Cursos Vocacionais CET TESP Escolha consciente Orientação Escolar Interesses Aptidões Percurso Escolar Papel dos Pais no processo de DECISÃO

Leia mais

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014

Processo de melhoria. Informação escolar. Processo de avaliação. Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Processo de melhoria Relatório de execução do plano de melhoria 2013-2014 Recomendações do conselho pedagógico Não houve recomendações emanadas do Conselho Pedagógico. Data de apresentação à direção/ conselho

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011

CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Colocados CONCURSO NACIONAL DE ACESSO E INGRESSO NO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO CONTINGENTE ESPECIAL PARA PORTADORES DE DEFICIÊNCIA FÍSICA OU SENSORIAL: 2007-2011 Etapa 1: colocação dos candidatos às vagas

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA Uma escola de todos Para todos Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras! SPO Serviço de Psicologia e Orientação 9.º ANO e agora? Cursos Científico

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Ensino Básico 2º e 3º Ciclo e Cursos Secundários Científico-Tecnológicos Resultados Escolares Ano Letivo 211/212 1. Introdução Cada jovem, rapaz ou rapariga, que escolhe

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

EDITAL Nº 21/10. Regulamento

EDITAL Nº 21/10. Regulamento MUNICÍPIO DO BARREIRO ASSEMBLEIA MUNICIPAL EDITAL Nº 21/10 Regulamento - - - Frederico Fernandes Pereira, Presidente da Assembleia Municipal do Barreiro, torna público que, por deliberação deste órgão

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade)

Escola Secundária da Ramada. Plano Plurianual de Atividades. Pro Qualitate (Pela Qualidade) Escola Secundária da Ramada Plano Plurianual de Atividades Pro Qualitate (Pela Qualidade) 2014 A Escola está ao serviço de um Projeto de aprendizagem (Nóvoa, 2006). ii ÍNDICE GERAL Pág. Introdução 1 Dimensões

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2014: 1.ª FASE da Nome da Nome Grau 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 10 134,0 5 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

Cursos Científico-Humanísticos Natureza e Organização

Cursos Científico-Humanísticos Natureza e Organização Cursos Científico-Humanísticos Natureza e Organização O que são? Os cursos cientifico-humanísticos constituem uma oferta educativa vocacionada para o prosseguimento de estudos de nível superior (universitário

Leia mais

Cursos Científico- humanísticos do Ensino Secundário. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde, 2014

Cursos Científico- humanísticos do Ensino Secundário. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde, 2014 Cursos Científico- humanísticos do Ensino Secundário Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde, 2014 Alunos colocados na 1ª opção de candidatura ao ensino superior

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre

Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim 2014/2017. Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim. Portalegre Projeto Educativo do Agrupamento de Escolas do Bonfim Portalegre 2014/2017 1 Índice 1. Caracterização do agrupamento 2 1.1. Caracterização do concelho 2 1.2. Composição do agrupamento 3 2. Missão/visão

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 215-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instit. Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Ministério da Educação e Ciência - Direcção Geral do Ensino Superior

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3. PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES DO PRÉ-ESCOLAR E 1.º, 2.º E 3.º CICLOS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2017 O Projeto Plurianual de Atividades do Agrupamento de Escolas Sophia de Mello

Leia mais

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA

VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA Setembro 2014 VISEU PRIMEIRO, VISEU EDUCA O lançamento de um programa pedagógico e de desenvolvimento educativo de crianças e jovens, partilhado por todos os agentes do sistema escolar e educativo local,

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Plano de Atividades 2015

Plano de Atividades 2015 Plano de Atividades 2015 ÍNDICE Introdução 1. Princípios orientadores do Plano Plurianual. Desempenho e qualidade da Educação. Aprendizagens, equidade e coesão social. Conhecimento, inovação e cultura

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

SAÍDAS PROFISSIONAIS

SAÍDAS PROFISSIONAIS SAÍDAS PROFISSIONAIS Telf: 234 340 220 * Fax: 234 343 272 * info@aesbernardo.pt * www.aesbernardo.pt Página 1 de 6 CURSO CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS ÁREA DAS CIÊNCIAS ÁREA DA ANIMAÇÃO ÁREA DA SAÚDE AREA DO

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Instituição Grau (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) 3122 9670 Instituto Politécnico de Portalegre - Escola Superior de Tecnologia e GestãoAdministração de Publicidade e Marketing L1 27 18 111,3 9 3102

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 151427 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 2013/2014 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 PLANO DE ESTUDOS DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER 0/0 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SOPHIA DE MELLO BREYNER - Código 7 ÍNDICE - Introdução...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR

PLANO DE AÇÃO DEPARTAMENTO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR PLANO DE AÇÃO DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Ano letivo 2012 / 2013 ÍNDICE Nº Pág. 1 Introdução 3 2 Constituição 3 3 Ações e Objetivos 4 4 Identificação das necessidades de formação dos docentes

Leia mais

Orientação Escolar e Profissional. 9.º ano! Escola Secundária Inês de Castro 2011/2012

Orientação Escolar e Profissional. 9.º ano! Escola Secundária Inês de Castro 2011/2012 Orientação Escolar e Profissional 9.º ano! E AGORA? Escola Secundária Inês de Castro 2011/2012 Antes de fazer uma escolha é fundamental saber o que se quer e para isso há que recordar e avaliar tudo o

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. PAE: Programa Aproximar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico A3. Relação escola/comunidade 1 Definição geral de políticas educativas nacionais Informado Informado 2 Definição

Leia mais

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário

EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário 2014 / 2015 Ano Letivo EXTERNATO COOPERATIVO DA BENEDITA * Oferta Educativa Ensino Secundário * Estabelecimento de ensino integrado na rede pública. Financiado pelo Ministério da Educação ao abrigo do

Leia mais

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4

ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 ÍNDICE ENQUADRAMENTO... 3 1- CARACTERIZAÇÃO DO AGRUPAMENTO... 4 1.1- DOCENTES:... 4 1.2- NÃO DOCENTES:... 5 1.2.1- TÉCNICAS SUPERIORES EM EXERCÍCIO DE FUNÇÕES... 5 1.2.2- ASSISTENTES OPERACIONAIS EM EXERCÍCIO

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2012/10 CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE GABINETES E GRUPOS A ESEP tem, estatutariamente, como missão nuclear, a oferta formativa no domínio da Enfermagem

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS

ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS ENCONTRO DA COMISSÃO SECTORIAL PARA A EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO CS/11 ANÁLISE SWOT DO ENSINO SUPERIOR PORTUGUÊS OPORTUNIDADES, DESAFIOS E ESTRATÉGIAS DE QUALIDADE APRESENTAÇÃO DO TRABALHO GT2 - Ensino Superior

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados ACESSO AO ENSINO SUPERIOR 2015-1ª FASE DO CONCURSO NACIONAL DE ACESSO Resultados Código Instit. Código Curso Instituição Curso Grau Vagas Iniciais Colocados Nota do últ. colocado (cont. geral) (1) (2)

Leia mais

Cursos Cientifico- Humanisticos do Ensino Secundario. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação

Cursos Cientifico- Humanisticos do Ensino Secundario. Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Cursos Cientifico- Humanisticos do Ensino Secundario Colégio da Rainha Santa Isabel Serviço de Psicologia e Orientação Ana Isabel Athayde 2012-2013 Natureza dos Cursos Cientifico-humanísticos Cursos vocacionados

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR)

Nota Introdutória. Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Nota Introdutória Objetivos da Biblioteca Escolar (de acordo com o MANIFESTO IFLA/UNESCO PARA BIBLIOTECA ESCOLAR) Apoiar e promover os objetivos educativos definidos de acordo com as finalidades e currículo

Leia mais

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo

Creche Pré-Escolar 1º Ciclo Creche Pré-Escolar 1º Ciclo A NOSSA MISSÃO É O NOSSO COMPROMISSO... Contribuir para o desenvolvimento integral dos nossos Alunos. Ser uma escola que marca a diferença fazendo melhor. Ensinar com amor.

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM

PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM PLANO TIC PLANO DE AÇÃO ANUAL PARA A UTILIZAÇÃO DAS TIC COMO APOIO AO ENSINO E À APRENDIZAGEM Ano Letivo 2011/2012 Marinha Grande, Setembro de 2011 1. Índice: Índice 2 1. Introdução 3 2. Caracterização

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES Agrupamento de Escolas Elias Garcia 2013/2016 1 PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES 2013/2016 O Plano Plurianual de Atividades (PPA) constitui um dos documentos de autonomia,

Leia mais

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAS PROVAS DE INGRESSO ALTERAÇÕES PARA 2016, 2017, 2018 PÚBLICO PRIVADO COMISSÃO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR DIREÇÃO GERAL DO ENSINO SUPERIOR Direção de Serviços de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES Inovação e Qualidade Plano de Ação Estratégico - 2012/2013 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL TEIXEIRA GOMES PROJECTO DE INTERVENÇÃO PLANO DE ACÇÃO ESTRATÉGICO 2012/2013 Escola de Oportunidades e de Futuro Telmo

Leia mais

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago

Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Seminário Ensino Vocacional e Profissional Centro de Formação Ordem de Santiago Isabel Hormigo (Ministério da Educação e Ciência, Lisboa) Setúbal, 7 de fevereiro de 2014 Ciclos de estudos e duração Idade

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 (Atualizado a 17.04.2013) Universidade dos Açores Universidade do Algarve Ciências Biológicas e da Saúde

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE

CONCURSO NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO DE 2013: 1.ª FASE Nome da Nome do Grau Coloca 0110 8031 Universidade dos Açor - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 15 11 130,8 4 0110 8085 Universidade dos Açor - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição

Leia mais

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico

ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LECTIVO 2011 / 2012 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico Introdução O objetivo principal deste projeto é promover e estimular

Leia mais

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES

2013/2014 PLANO DE ATIVIDADES. Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES , 0 2013/2014 Conselho Geral AGUPAMENTO DE ESCOLAS DE VALADARES PLANO DE ATIVIDADES O AGRUPAMENTO... 3 IDENTIFICAÇÃO E CARATERIZAÇÃO DAS ESCOLAS... 3 Freguesia de Gulpilhares / Valadares... 3 Freguesia

Leia mais

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA

DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA Projeto de Intervenção 2015/2019 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS MANUEL TEIXEIRA GOMES PORTIMÃO PROJETO DE INTERVENÇÃO 2015-2019 POR UM AGRUPAMENTO DE QUALIDADE E EXCELÊNCIA JI Fojo EB 1/JI Major David Neto EB

Leia mais

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016

PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Plano Anual de Atividades 2015/ 2016 Ser,Intervir e Aprender PLANO ANUAL DE ATIVIDADES 2015/2016 Sede: ES de Mem Martins EB23 Maria Alberta Menéres; EB1 de Mem Martins n.º2; EB1 com JI da Serra das Minas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA - FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS PLANO DE ARTICULAÇÃO CURRICULAR DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA LIXA, FELGUEIRAS 1 Índice

Leia mais

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR:

REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: REDESENHAR, REORIENTAR, REAJUSTAR: Ponto de partida 2006/ 2007 Convite para integrar o Programa TEIP Territórios Educativos de Intervenção Prioritária Insucesso Escolar Violência e indisciplina Agrupamento

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL

CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Programa de Apoio à Avaliação do Sucesso Académico DIMENSÃO DE CONSTRUÍDO (Avaliação Formativa) MATRIZ DE CONSTRUÇÃO DO REFERENCIAL Página 1 IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO ESCOLAR Agrupamento de Escolas

Leia mais

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL 9º ano: e depois? Sistema Educativo Português 2013/2014 ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL Objetivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades, competências

Leia mais

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057.

ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA. Proposta de planos anuais. 1.º Ciclo do Ensino Básico IM-DE-057. ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR ANO LETIVO 2012/2013 TIC@CIDADANIA Proposta de planos anuais 1.º Ciclo do Ensino Básico AEC TIC@CIDADANA Proposta de Plano Anual 2012/2013 1. Introdução A Divisão

Leia mais

PES Promoção e Educação para a Saúde

PES Promoção e Educação para a Saúde (A PREENCHER PELA COMISSÃO DO PAA) Atividade Nº AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto PES Promoção e Educação para a Saúde Equipa Dinamizadora: Alice Gonçalves e Rosa Rêgo Ano letivo 2014/2015

Leia mais

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal

Matriz de Responsabilidades. Descentralizar Educação Página 1 de 6 Contrato de Educação e Formação Municipal A3. Relação escola/comunidade A - Políticas Educativas A2. Políticas de avaliação institucional A1. Planeamento Estratégico 1 Definição geral de políticas educativas nacionais 2 Definição do Plano Estratégico

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES

PLANO PLURIANUAL DE ATIVIDADES O Plano Plurianual de Atividades é um documento de planeamento que define, em função do Projeto Educativo, os objetivos, as formas de organização e de programação das atividades e que procede à identificação

Leia mais

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda PROJETO EDUCATIVO 2014-2017

Agrupamento de Escolas Francisco de Holanda PROJETO EDUCATIVO 2014-2017 Guimarães, fevereiro de 2014 Guimarães, 24 fevereiro de 2014 1. O Projeto Educativo O projeto educativo, a seguir enunciado, apresenta-se como o documento vértice e ponto de referência, orientador de toda

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO. 1. Nota Introdutória

PROJETO EDUCATIVO. 1. Nota Introdutória 1. Nota Introdutória PROJETO EDUCATIVO A Constituição da República Portuguesa consagra a liberdade de aprender e ensinar, cabendo aos pais o direito de escolha e a orientação do processo educativo dos

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

Direção-Geral do Ensino Superior Página 1 de 21

Direção-Geral do Ensino Superior Página 1 de 21 0110 8031 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências Farmacêuticas (Preparatórios) PM 8 1 0 9 0110 8085 Universidade dos Açores - Angra do Heroísmo Ciências da Nutrição (Preparatórios) PL 14

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED

DESPACHO. ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED DESPACHO Nº. 17/2015 Data: 2015/05/22 Para conhecimento de: Pessoal docente, discente e não docente ASSUNTO: - Regulamento do Gabinete de Apoio ao Estudante e ao Diplomado- GAED Com o intuito de normalizar

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013

PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 PROJETO EDUCATIVO Ano letivo 2012 2013 É pela vivência diária que cada um de nós aprende a conhecer-se e a respeitar-se, conhecendo e respeitando os outros, intervindo, transformando e tentando melhorar

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

Projeto de Intervenção

Projeto de Intervenção Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Projeto de Intervenção 2014/2018 Hortense Lopes dos Santos candidatura a diretora do Agrupamento de Escolas Carlos Amarante, Braga Braga, 17 abril de 2014

Leia mais

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores

PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO. Princípios orientadores PLANO CURRICULAR DO ENSINO SECUNDÁRIO Princípios orientadores O Ensino Secundário no Colégio Pedro Arrupe orienta-se de forma coerente para o desenvolvimento integral do aluno, promovendo um crescimento

Leia mais

PLANOS de ESTUDO. Ensino Secundário Diurno Ano Letivo 2015/2016

PLANOS de ESTUDO. Ensino Secundário Diurno Ano Letivo 2015/2016 PLANOS de ESTUDO Ensino Secundário Diurno Ano Letivo 2015/2016 Rua Doutor Manuel de Arriaga 8004-070 Faro Telefone: 289889570; Fax: 289889580 direcao.agrupamento@agr-tc.pt www.agr-tc.pt CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14

Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 Programa Ciência sem Fronteiras (Portugal) Ofertas formativas de Graduação para o ano letivo 2013/14 (Atualizado a 1.03.2013) Universidade dos Açores Universidade do Algarve Ciências Biológicas e da Saúde

Leia mais

FREIXO MARCO DE CANAVESES

FREIXO MARCO DE CANAVESES PROJETO EDUCATIVO FREIXO MARCO DE CANAVESES TRIÉNIO 2012-2015 Conteúdo 1. Caracterização da Escola Profissional de Arqueologia... 2 1.1. Origem e meio envolvente... 2 1.2. População escolar... 2 1.3. Oferta

Leia mais

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento

Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento Para uma gestão integrada da biblioteca escolar do agrupamento orientações [setembro de 2011] Rede Bibliotecas Escolares Sumário Nota introdutória... 2 Orientações Diretor... 3 Professor bibliotecário...

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais