REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015"

Transcrição

1 REUNIÕES JNE_ESCOLAS 2015 PREPARAÇÃO DO PROCESSO DE REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES DOS ENSINOS BÁSICO E SECUNDÁRIO Abril de 2015 Júri Nacional de Exames

2 Ordem de Trabalhos 2 Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência do Ensino Básico Alunos com NEE Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário Alguns números do Relatório Anual do JNE 2014

3 Plataformas On-Line do JNE 3 Plataforma dos alunos com NEE Plataforma dos alunos com Incapacidades Físicas Temporárias Plataforma dos alunos praticantes desportivos Plataforma para registo diário de ocorrências

4 4 PROVAS FINAIS DE CICLO E DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO BÁSICO

5 Organização das provas 5 As provas finais de ciclo e de equivalência à frequência do ensino básico realizam-se em duas fases: Dos 1.º e 2.º ciclos em maio e julho Do 3.º ciclo em junho e julho [deixa de existir a fase de setembro]

6 6 Escolas que realizam provas dos 1.º e 2.º ciclos Para a realização das provas finais de ciclo na própria escola é exigido cumulativamente: Um número igual ou superior a 10 alunos no 1.º ou 2.º ciclo A lecionação de outros ciclos, para além do 1.º

7 7 Escolas que realizam provas dos 1.º e 2.º ciclos As escolas públicas que não cumpram os requisitos referidos devem deslocar os seus alunos para outra escola do agrupamento As escolas do ensino particular e cooperativo, apesar de terem autonomia pedagógica, se não cumprirem os requisitos atrás enunciados, têm de deslocar os seus alunos para uma escola pública ou privada, que cumpra as condições de realização das provas finais

8 Escolas de Acolhimento e Escolas de Origem 8 Constituir um secretariado de exames Instalar o programa PFEB Organizar a distribuição pelas salas dos seus próprios alunos e dos alunos das escolas de origem As pautas de chamada do 1.º ciclo são emitidas tendo em conta o grupo turma As pautas de chamada do 2.º ciclo podem ser emitidas tendo em conta o grupo turma ou, em alternativa, por ordem alfabética

9 Escolas de Acolhimento e Escolas de Origem 9 Solicitar às escolas de origem os dados dos seus alunos utilizando as folhas Excel disponibilizadas Assegurar a emissão de pautas de chamada e de classificação diferenciadas para cada escola de origem As pautas de classificação são da responsabilidade das escolas de origem, sendo assinadas pelo respetivo diretor Organizar o processo de reapreciação e reclamação de provas e exames relativos aos seus próprios alunos, bem como aos alunos acolhidos

10 Escolas de Acolhimento e Escolas de Origem 10 No caso do 1.º ciclo, as escolas de acolhimento devem solicitar a colaboração dos professores e assistentes operacionais das escolas de origem a fim de: Acompanharem e orientarem os alunos para as salas de realização das provas finais Acompanharem os alunos durante o intervalo das provas finais

11 Alterações 1.º e 2.º ciclos 11 Prova final de PLNM para o 1.º ciclo (nível de iniciação e intermédio) Inscrições obrigatórias para todas as provas finais ou de equivalência à frequência da 2.ª fase A prova final do 1.º ciclo de Português/PLNM da 2.ª fase, realizada por alunos ainda sem condições de aprovação, está sujeita a prova oral

12 12 Reuniões de Avaliação 1.º e 2.º ciclos As reuniões de avaliação sumativa do 3.º período realizam-se após as provas finais de ciclo As classificações internas finais devem ser afixadas em pauta antes de a escola receber os resultados das provas finais da 1.ª fase As pautas das classificações finais são afixadas a 16 de junho, as quais incorporam a ponderação com as provas finais de ciclo a Português e Matemática

13 Alunos de outras Vias Formativas 13 Para frequentar o ensino básico geral ou os cursos científico-humanísticos (excluindo recorrente), os alunos de outras vias formativas realizam provas finais de ciclo da seguinte forma: PCA: CEF: Realizam provas finais como internos (média ponderada 70%x30%) Seguem o regime geral de avaliação Realizam provas finais como internos (média ponderada 70%x30%) Têm de obter pelo menos nível 3 em ambas as disciplinas Ensino básico recorrente: Realizam provas finais como internos (média ponderada 70%x30%) Têm de obter pelo menos nível 3 em uma das disciplinas Vocacional: Realizam provas finais como autopropostos Têm de obter aproveitamento nas duas provas

14 Alunos de PLNM 14 Os alunos de PLNM inseridos no sistema educativo no ano de realização das provas encontram-se dispensados das provas finais de ciclo, podendo os do 1.º e 2.º ciclos prosseguir estudos no ensino básico geral Para poderem frequentar os cursos científico-humanísticos (excluindo o recorrente), os alunos de PLNM do 3.º ciclo realizam provas finais de ciclo de PLNM e Matemática, ficando sujeitos ao regime geral de avaliação Estes alunos, quando dispensados têm de cumprir os requisitos previstos para aprovação no ciclo

15 Provas de Equivalência à Frequência 15 As provas de equivalência à frequência destinam-se aos alunos autopropostos externos à escola: Do ensino individual e doméstico Retidos por faltas Que estejam fora da escolaridade obrigatória e não frequentem qualquer estabelecimento de ensino ou tenham anulado a matrícula

16 Provas de Equivalência à Frequência 16 Os alunos autopropostos do 1.º ciclo realizam: As provas finais de Português e Matemática [prova oral a Português] As PEF de Estudo do Meio e Expressões Artísticas Os alunos autopropostos do 2.º e 3.º ciclo realizam: As provas finais de Português e Matemática As PEF a todas as disciplinas, incluindo Educação Física no caso dos alunos retidos por faltas

17 Provas de Equivalência à Frequência 17 As provas de equivalência à frequência destinam-se ainda aos alunos autopropostos: Do 2.º ciclo que não se encontrem em condições de aprovação na avaliação sumativa final do 3.º período Do 3.º ciclo que não se encontrem em condições de admissão às provas como alunos internos

18 18 1.º e 2.º ciclos - 1.ª Fase das Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência Alunos internos realizam provas finais de ciclo sem condições de admissão [não realizam provas de equivalência à frequência] Alunos autopropostos referidos no slide 15, realizam as provas finais e as provas de equivalência à frequência a todas as disciplinas Alunos retidos por faltas até 4 de maio, realizam as provas de equivalência à frequência a todas as disciplinas, incluindo Educação Física, no 2.º ciclo

19 19 1.º e 2.º ciclos 2.ª Fase das Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência Alunos que realizaram provas finais na 1.ª fase como internos, que não tenham obtido aprovação na avaliação sumativa final do 3.º período: 1.º ciclo - só realizam provas finais de Português (com oral) e ou de Matemática 2.º ciclo realizam provas finais e de equivalência à frequência em todas as disciplinas em que obtiveram nível inferior a 3 Alunos autopropostos referidos no slide 15 que não obtiveram aprovação na 1.ª fase Realizam as provas finais e de equivalência à frequência nas disciplinas com nível inferior a 3

20 20 1.º e 2.º ciclos 2.ª Fase das Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência Alunos retidos por faltas Realizam as provas finais de ciclo de Português e de Matemática Realizam as provas de equivalência à frequência em todas as disciplinas (alunos retidos após 4 de maio) ou nas disciplinas em que obtiveram nível inferior a 3 (alunos retidos antes de 4 de maio) Alunos que faltam à 1.ª fase Realizam as provas finais de ciclo e ou provas de equivalência à frequência às disciplinas em que faltaram Alunos que já reúnem condições de aprovação no ciclo com nível inferior a 3 a Português ou a Matemática [não realizam prova oral]

21 3.º ciclo - 1.ª Fase das Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência 21 Alunos em condições de admissão às provas realizam as provas finais de ciclo Alunos sem condições de admissão como internos realizam as provas de equivalência à frequência às disciplinas com nível inferior a 3 Alunos autopropostos referidos no slide 15, realizam as provas finais e as provas de equivalência à frequência a todas as disciplinas Alunos retidos por faltas realizam as provas de equivalência à frequência a todas as disciplinas, incluindo Educação Física

22 3.º ciclo - 2.ª Fase das Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência 22 Alunos que realizaram provas finais na 1.ª fase como internos, que não tenham obtido aprovação Realizam as provas finais e de equivalência à frequência nas disciplinas com nível inferior a 3 Alunos autopropostos referidos no slide 15 que não obtiveram aprovação na 1.ª fase Realizam as provas finais e de equivalência à frequência nas disciplinas com nível inferior a 3

23 23 3.º ciclo - 2.ª Fase das Provas Finais de Ciclo e de Equivalência à Frequência Alunos sem condições de admissão como internos à 1.ª fase Realizam as provas finais de ciclo de Português e de Matemática Realizam as provas de equivalência à frequência em todas as disciplinas com nível inferior a 3 Alunos retidos por faltas Realizam as provas finais de ciclo de Português e de Matemática Realizam as provas de equivalência à frequência em todas as disciplinas com nível inferior a 3 Alunos que faltam à 1.ª fase Realizam as provas finais de ciclo e ou provas de equivalência à frequência às disciplinas em que faltaram Alunos que já reúnem condições de aprovação no ciclo com nível inferior a 3 a Português ou a Matemática [não realizam prova oral]

24 24 ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCATIVAS ESPECIAIS

25 Alunos deslocados do 4.º ano com NEE 25 Se tiver sido autorizada a realização de provas finais a nível de escola pelo Diretor da escola de origem: Os enunciados das provas finais a nível de escola e respetivos critérios de classificação devem ser entregues pelo coordenador/diretor pedagógico da escola de origem ao diretor da escola de acolhimento Devem ser entregues na escola de acolhimento até 24 horas antes da data calendarizada para a prova final de ciclo de âmbito nacional Estas provas são classificadas nos agrupamentos de exames

26 Provas a Nível de Escola 26 Alunos cegos, com baixa visão, surdos severos ou profundos, com limitações motoras severas, com perturbações do espetro do autismo, bem como limitações do domínio cognitivo podem realizar provas finais ou exames a nível de escola Estes alunos, no 9.º ano de escolaridade, quando realizam provas finais a nível de escola para conclusão do 3.º ciclo, podem prosseguir estudos em cursos de nível secundário, incluindo cursos científico-humanísticos

27 Alunos com Situações Clínicas Graves 27 Dispensa de realização das provas finais de ciclo: Alunos com necessidades especiais de saúde decorrentes de situações clinicamente muito graves (ex: doença oncológica, transplantes) Os alunos têm de ter avaliação sumativa interna em dois períodos letivos Os alunos têm de reunir as condições de transição com a avaliação interna A dispensa de realização das provas finais de ciclo tem de ser autorizada pelo Presidente do JNE, após análise de processo enviado pela escola

28 Alunos com Dislexia 28 Pode ser autorizada a aplicação da Ficha A para efeitos de não penalização na classificação das provas, desde que: a dislexia tenha sido diagnosticada e confirmada no 1.º ciclo ou até ao final do 2.º ciclo os alunos do 4.º ou 6.º ano estejam ao abrigo do Decreto-Lei n.º 3/2008 os alunos do 9.º ano que tenham usufruído, ao longo do 3.º ciclo ou do ensino secundário, de medidas educativas, ao abrigo do Decreto-Lei n.º 3/2008 tenham um programa educativo individual. Têm de realizar as provas finais de ciclo ou os exames finais nacionais de âmbito nacional Apenas podem usufruir da tolerância de 30min estipulada para todas as provas

29 Condições de Realização de Provas 29 ENSINO BÁSICO - Retificação das condições especiais autorizadas pelo Diretor da Escola na plataforma do JNE ADITAMENTO AO REQUERIMENTO/DESPACHO - acessível na página de abertura da plataforma online do JNE a partir do dia 4 de maio Este documento depois de impresso e devidamente assinado deve ser, obrigatoriamente, anexado e agrafado ao primeiro requerimento/despacho e enviado em formato pdf para o seguinte endereço: até 12 de maio

30 Provas Adaptadas 30 Provas de âmbito nacional em formato digital ou Daisy EMEC envia em saco separado um CD-ROM e três enunciados da prova com entrelinha 1,5 por cada prova requerida O formato digital apenas permite a leitura e a ampliação dos enunciados num monitor, não permite responder diretamente às questões no computador Os alunos respondem nas folhas de papel normalizado para cada prova, em papel mais adequado ou em computador Provas de âmbito nacional ampliadas em A3 (suporte de papel) EMEC envia em saco separado um CD-ROM, três enunciados e uma ampliação em tamanho A3 por cada prova Estas provas são requisitadas também na plataforma da EMEC

31 Leitura Orientada de Enunciados 31 Cada aluno tem de realizar a prova em sala à parte separado dos restantes examinandos Tem de ser efetuada por um dos professores vigilantes individualmente para cada aluno Ambiente tranquilo que contribua para uma maior concentração do aluno Não é permitido que um docente efetue a leitura da prova em voz alta para um conjunto de alunos da mesma sala Esta condição especial está reservada a alunos com limitações graves do domínio sensorial, motor, cognitivo e dislexia grave/severa.

32 Realização de Provas em Sala à Parte 32 Utilização de tecnologias de apoio (ex: realizar as provas em computador) Fácil acesso aos alunos com dificuldade de locomoção Necessidade de equipamento ergonómico Presença de Intérprete de Língua Gestual Portuguesa Acompanhamento por um docente de educação especial que auxilie o aluno no manuseamento de equipamento específico Leitura do enunciado das provas de exame por um professor vigilante Registo por um professor vigilante das respostas que um aluno ditar

33 33 Alunos com situações clínicas - diabetes ou outras Os alunos diabéticos ou com outras situações clínicas que não precisam de estar em sala à parte, mas necessitam de sair da sala durante a realização das provas e exames, podem: Sair da sala de exame sempre acompanhados por um assistente operacional Tomar algum alimento ou ingerir medicamentos Utilizar o medidor de glicémia Usufruir da compensação do tempo despendido, tendo de regressar à sala de exame antes de terminar a duração regulamentar das provas e exames.

34 Alunos com Incapacidades Físicas Temporárias 34 Alunos com incapacidades físicas temporárias que impossibilitam a escrita (ex: acidentes/ queimaduras; fratura de braços/dedos) Procedimentos estipulados no n.º 50 da Norma para Aplicação de Condições Especiais / JNE /2015 Ensino Básico - autorização de condições especiais pelo Diretor da Escola Ensino Secundário - autorização de condições especiais pelo Presidente do JNE Os requerimentos devem ser introduzidos a partir do dia 4 de maio na Plataforma do JNE, seguindo as instruções disponibilizadas na página inicial

35 Despacho de Autorização de Condições 35 Despacho de autorização de condições especiais para os alunos do ensino secundário Os diretores da escola apenas têm acesso à plataforma online do JNE a partir do dia 25 de maio de 2015 A partir desta data os despachos de autorização de condições especiais vão estando disponíveis até à data do início da realização dos exames finais nacionais

36 36 PROVAS E EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO

37 Inscrições em Provas e Exames 37 Inscrição obrigatória na 1.ª fase dos exames finais nacionais e das provas de equivalência à frequência do ensino secundário O diretor da escola pode autorizar inscrições sem a limitação que existia anteriormente, asseguradas as condições de realização das provas e exames Os alunos que anulam a matrícula após o 5.º dia útil do 3.º período não podem realizar provas nem exames no presente ano letivo Os alunos que solicitarem alterações à inscrição em provas ou exames têm de preencher um novo boletim de inscrição apenas com o registo das alterações

38 Inscrições em Provas e Exames 38 Casos de Inscrição direta na 2.ª fase das provas e exames: Alunos excluídos por faltas Melhorias de classificação de disciplinas concluídas no próprio ano letivo Exames com calendário coincidente na 1.ª fase Todos os alunos têm de se inscrever na 2.ª fase de provas e exames, à exceção dos alunos que realizam exames na 1.ª fase na qualidade de internos e que não tenham obtido aprovação na disciplina

39 Exame de Filosofia 39 Os alunos dos cursos científico-humanísticos apenas podem realizar exame, na qualidade de internos, a duas disciplinas bienais, para cumprir o seu currículo obrigatório A opção tomada não pode ser alterada se o aluno já concluiu alguma das disciplinas em causa

40 Ficha ENES 40 Os alunos podem solicitar a ficha ENES a partir do início do prazo normal de inscrições da 1.ª fase As Fichas ENES são disponibilizadas pelas escolas após a afixação dos resultados da 1.ª fase, até ao início do período de inscrições do ano letivo seguinte

41 Ficha ENES 41 A Ficha ENES de 2015 vai incluir as classificações finais de curso do ensino secundário com e sem a classificação da disciplina de Educação Física Para requerer a Ficha ENES, os alunos que concluem cursos profissionais, vocacionais e do ensino artístico especializado no presente ano letivo de 2014/2015, provenientes de escolas onde não se realizam exames nacionais, devem apresentar declaração que inclua a classificação final de curso do ensino secundário com e sem a classificação de Educação Física.

42 Cursos Profissionais 42 Os alunos dos cursos profissionais e dos cursos vocacionais de nível secundário com o curso concluído no ano letivo 2012/2013 e seguintes, que pretendam prosseguir estudos no ensino superior, realizam, como autopropostos: O exame final nacional de Português (639), da componente de formação geral dos cursos científico-humanísticos E um outro exame final nacional, escolhido de entre os que são oferecidos para os vários cursos científico-humanísticos.

43 Cursos Profissionais 43 Os alunos que concluíram o curso profissional em anos letivos anteriores a 2012/2013 e que pretendam prosseguir estudos no ensino superior apenas necessitam de realizar os exames finais nacionais nas disciplinas que elegerem como provas de ingresso no ensino superior Os alunos dos cursos profissionais podem realizar qualquer exame final nacional quer de disciplina bienal ou trienal, independentemente do ano do curso em que se encontram, pois não se trata de exames necessários para conclusão de plano de estudos

44 Ensino Artístico Especializado 44 Os alunos dos cursos do ensino artístico especializado de nível secundário com o curso concluído no ano letivo 2012/2013 e seguintes, que pretendam prosseguir estudos no ensino superior, realizam, como autopropostos: O exame final nacional de Português (639), da componente de formação geral dos cursos científico-humanísticos E um outro exame final nacional, escolhido de entre os que são oferecidos para os vários cursos científico-humanísticos.

45 Ensino Artístico Especializado 45 Os alunos que concluíram o curso artístico especializado em anos letivos anteriores a 2012/2013 e que pretendam prosseguir estudos no ensino superior apenas necessitam de realizar os exames finais nacionais nas disciplinas que elegerem como provas de ingresso no ensino superior Os alunos dos cursos do ensino artístico especializado só podem realizar os exames para prosseguimento de estudos no ano terminal das disciplinas e nos anos subsequentes

46 Cursos Tecnológicos 46 Mantém-se a possibilidade de os alunos dos cursos tecnológicos concluírem o seu curso através da realização de provas de equivalência à frequência e exames nacionais

47 Outros Cursos 47 Os alunos dos seguintes cursos, no presente ano letivo, apenas realizam provas de ingresso para acesso ao ensino superior: Cursos de aprendizagem do IEFP Cursos CEF Cursos EFA Cursos Tecnológicos Os alunos dos cursos extintos apenas realizam as provas de ingresso se pretenderem prosseguir estudos no ensino superior

48 Códigos de Cursos 48 Foi feita uma atualização dos códigos dos cursos da tabela C da Norma 01/JNE/2015 de modo a juntar códigos individuais de cursos antigos em códigos únicos Os códigos dos cursos profissionais criados no âmbito do DL n.º 74/2004, encontram-se indexados aos cursos do DL n.º 139/2012 A inscrição dos alunos com o código correspondente ao seu curso é fundamental para a correta emissão da ficha ENES

49 49 RELATÓRIO ANUAL DO JNE 2014 ALGUNS NÚMEROS

50 Ocorrências 50 Autos de identificação Calculadoras não autorizadas - 50 Provas anuladas por fraude 8 Provas anuladas por porte de telemóvel: Básico 16 Secundário - 29

51 Ocorrências 51 Provas escritas indevidamente a lápis 166 Indisposição física - 61 Não observância do tempo regulamentar: Básico 10 Secundário 0 Distribuição incorreta de versão - 185

52 Tolerâncias 52 Código Prova N Tolerância Nº alunos Tolerância % de alunos 623 História A % 635 Matemática A % 639 Português % 702 Biologia e Geologia % 706 Desenho A % 708 Geometria Descritiva A % 714 Filosofia % 715 Física e Química A % 719 Geografia A % 735 Matemática B % 835 MACS % Total %

53 Provas a Nível de Escola 53 Número de provas a nível de escola alunos com NEE Português 4º ano (31) 2633 Matemática 4º ano (32) 2656 Português - 6ºano (51) 3063 Matemática - 6º ano (52) 3213 Português - 9ºano (81) 1389 Matemática - 9ºano (82) 1395 TOTAL 14349

54 Provas a Nível de Escola º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo Secundário

55 Provas a Nível de Escola 55 Percentagem de provas a nível de escola por cada ciclo 2,6% 2,6% 1,4% 0,04% 1.º ciclo 2.º ciclo 3.º ciclo secundário

56 Alunos Autopropostos 56 Para aprovação Para melhoria de classificação Para prova de ingresso

57 57 Alunos Autopropostos

58 58 Alunos Autopropostos

59 59 Alunos Autopropostos

60 60 Alunos Autopropostos

61 61 Reapreciações

62 62 Reapreciações

63 Questões e Debate 63 Agradecemos a vossa atenção Júri Nacional de Exames

EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015

EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA -2014/2015 ESCLARECIMENTOS PARA DIRETORES DE TURMA E ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO (11º e 12º anos dos cursos científico-humanísticos e 12º ano dos

Leia mais

[ Para alunos de outros cursos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior]

[ Para alunos de outros cursos que pretendam prosseguir estudos no ensino superior] CONDIÇÕES e CALENDÁRIO de INSCRIÇÃO/ REALIZAÇÃO de EXAMES - 2014 ENSINO SECUNDÁRIO ( Decreto -Lei n.º 139/2012, de 05 de julho, estabelece os princípios orientadores da organização e da gestão dos currículos,

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIAGERALDE EXAMES2013 FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2013 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino Superior e Direção-Geral

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/

Exames Nacionais do Ensino Secundário. http://agrcanelas.edu.pt/ 2015 Exames Nacionais do Ensino Secundário http://agrcanelas.edu.pt/ PARA EFEITOS DE ADMISSÃO A EXAME, OS CANDIDATOS CONSIDERAM-SE: ALUNOS INTERNOS ALUNOS AUTOPROPOSTOS EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 2 FICHA TÉCNICA

Leia mais

INSCRIÇÕES - Ensino Secundário

INSCRIÇÕES - Ensino Secundário AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR.ª LAURA AYRES INSCRIÇÕES - Ensino Secundário EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2015 1. INFORMAÇÕES Os exames finais nacionais têm lugar em duas fases a ocorrerem

Leia mais

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2014 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral

Leia mais

Exames Finais Nacionais e Exames de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário

Exames Finais Nacionais e Exames de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário Exames Finais Nacionais e Exames de Equivalência à Frequência do Ensino Secundário EXAMES NA 1ª FASE - OS ALUNOS INTERNOS (alunos da Via Científica) e AUTOPROPOSTOS que faltarem à 1ª fase dos exames finais

Leia mais

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO 2012 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (11º E 12º ANOS) EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO 2012 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (11º E 12º ANOS) EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO 2012 Escola Básica e Secundária de Velas CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS (11º E 12º ANOS) EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Planos curriculares do

Leia mais

E X A M E S N A C I O N A I S D O E N S I N O S E C U N D Á R I O

E X A M E S N A C I O N A I S D O E N S I N O S E C U N D Á R I O 2012 DECRETO-LEI N.º 50/2011 [PLANO DE ESTUDOS] PORTARIA N.º 244/2011 [AVALIAÇÃO] DESPACHO N.º 1942/2012 [CALENDÁRIO DE EXAMES] NORMA 01/JNE/2012 [INSTRUÇÕES PARA A INSCRIÇÃO] E X A M E S N A C I O N A

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA 11476 Diário da República, 2.ª série N.º 68 8 de abril de 2013 3- As patologias e domínios da intervenção clinica visados poderão abarcar cuidados desenvolvidos nos níveis ambulatório, domiciliário e hospitalar.

Leia mais

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO

PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO PREENCHIMENTO DO BOLETIM DE INSCRIÇÃO O boletim de inscrição deve ser preenchido com esferográfica, azul ou preta, não conter rasuras e devem ser tidas em consideração as seguintes indicações: 1.1. Nome

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Luís Pereira dos Santos. Colaboração: Direção de Serviços de Educação Especial e Apoios Socioeducativos (DGE)

FICHA TÉCNICA. Coordenação: Luís Pereira dos Santos. Colaboração: Direção de Serviços de Educação Especial e Apoios Socioeducativos (DGE) 1 FICHA TÉCNICA Título: GUIA PARA APLICAÇÃO DE CONDIÇÕES ESPECIAIS NA REALIZAÇÃO DE PROVAS E EXAMES Autores Júri Nacional de Exames: Dina Bonina Pereira Egídia Rodrigues Coordenação: Luís Pereira dos Santos

Leia mais

AVALIAÇÃO SUMATIVA NO FINAL DO 9º ANO / 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO RESUMO. I AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA: classificação de frequência

AVALIAÇÃO SUMATIVA NO FINAL DO 9º ANO / 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO RESUMO. I AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA: classificação de frequência AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MIRAFLORES ESCOLA SECUNDÁRIA DE MIRAFLORES ANO LETIVO DE 2014-2015 AVALIAÇÃO SUMATIVA NO FINAL DO 9º ANO / 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO RESUMO I AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA: classificação

Leia mais

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1

NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 1 NORMA 01/JNE/2015 Instruções para a Inscrição nas Provas Finais de Ciclo e Exames Nacionais 2 FICHA TÉCNICA

Leia mais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais

http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais http://www3.esvilela.pt/exames-nacionais PROVAS FINAIS DO ENSINO BÁSICO (3º CICLO) 2014 QUAL O OBJETIVO E A QUEM SE DESTINAM AS PROVAS FINAIS? As provas finais de Língua Portuguesa e Matemática do 9º ano

Leia mais

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O

Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Exames nacionais E N S I N O S E C U N D Á R I O Afixação dos resultados da avaliação Afixação das pautas de avaliação final do 3.º período: 9 de junho Entrega de avaliações pelos diretores de turma: 9

Leia mais

NORMA e Orientações para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/2015

NORMA e Orientações para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/2015 NORMA e Orientações para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO NORMA para Aplicação de

Leia mais

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO

DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO DOCUMENTO DE AVALIAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 7 AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM 8 MODALIDADES DE AVALIAÇÃO 8 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR 10 SUPORTE LEGISLATIVO 10 AVALIAÇÃO NO ENSINO BÁSICO 11 EFEITOS DA AVALIAÇÃO

Leia mais

NORMA e Orientações para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/2015

NORMA e Orientações para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/2015 NORMA e Orientações para Aplicação de Condições Especiais na Realização de Provas e Exames JNE/2015 Alunos com Necessidades Educativas Especiais ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO NORMA para Aplicação de

Leia mais

Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014

Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014 Escola Secundária Filipa de Vilhena 2013/2014 Documentos reguladores Decretos-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho; (Princípios orientadores da organização, da gestão e do desenvolvimento dos currículos dos

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade NORMA NORMA para Aplicação 01/JNE/2014 de Condições Especiais Instruções na Realização para de a Provas inscrição e Exames Provas Finais JNE/2014 de Ciclo

Leia mais

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX

Ensino Superior EXAMES 2013. fevereiro de 2013 GAPEX Ensino Superior EXAMES 2013 fevereiro de 2013 GAPEX 5 de fevereiro Despacho nº 2162-A/2013 de 5 de Fevereirode INSCRIÇÕES EXAMES 34.Os prazos de inscrição para admissão aos exames finais nacionais do ensino

Leia mais

Antes de começar a preencher o seu boletim de inscrição, leia atentamente as seguintes instruções:

Antes de começar a preencher o seu boletim de inscrição, leia atentamente as seguintes instruções: Antes de começar a preencher o seu boletim de inscrição, leia atentamente as seguintes instruções: O boletim de inscrição deve ser preenchido com esferográfica, azul ou preta e não deve conter quaisquer

Leia mais

AE Lousada. úri Nacional de Exames Certificar com Equidade. NORMA NORMA para Aplicação 01/JNE/2014 de Condições

AE Lousada. úri Nacional de Exames Certificar com Equidade. NORMA NORMA para Aplicação 01/JNE/2014 de Condições úri Nacional de Exames Certificar com Equidade NORMA NORMA para Aplicação 01/JNE/2014 de Condições Especiais Instruções na Realização para de a Provas inscrição e Exames Provas Finais JNE/2014 de Ciclo

Leia mais

Exames 2012 - Ensino Secundário. Informações

Exames 2012 - Ensino Secundário. Informações Exames 2012 - Ensino Secundário Informações A. Exames nacionais a. Os exames nacionais são um elemento de avaliação externa com um peso de para a classificação final da disciplina (CFD), nas disciplinas

Leia mais

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO E ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Resumo de: Guia Geral de Exames 2014 13 de março de 2014 Rua Professor Veiga Simão 3700-355 Fajões Telefone: 256 850 450 Fax: 256 850 452 www.agrupamento-fajoes.pt

Leia mais

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR

ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR ExamesNacionaisdoensinosecundario EACESSOAOENSINOSUPERIOR FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2015 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 ESCOLA SECUNDÁRIA DR. JOAQUIM DE CARVALHO EXAMES NACIONAIS/ 2015 Reunião com Encarregados de Educação 28/05/2015 18,00 Horas Auditório Joaquim de Carvalho ENSINO SECUNDÁRIO Quais as disciplinas em que

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras Inglês

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO OBJETIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de caráter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração de 3 anos letivos correspondentes

Leia mais

Agrupamento de Escolas Raul Proença 12 de março de 2013 Informações

Agrupamento de Escolas Raul Proença 12 de março de 2013 Informações Os alunos devem ser alertados para a necessidade de confirmar o seu nome nas pautas de chamada, se possível dias antes dos exames, para a necessidade de trazerem identificação pessoal, de verificarem o

Leia mais

NORMA 02/JNE/2013 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 2

NORMA 02/JNE/2013 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 2 NORMA 02/JNE/2013 Instruções - Realização, classificação, reapreciação e reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário 1 NORMA 02/JNE/2012 Instruções Realização, classificação, reapreciação

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O calendário escolar constitui um elemento indispensável à planificação das atividades a desenvolver por cada agrupamento de escolas e escolas não agrupadas, tendo em vista a execução do seu projeto

Leia mais

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 1 FICHA TÉCNICA Título: NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação: Provas e Exames

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

SECÇÃO I Disposições Gerais. Artigo 1.º Objeto

SECÇÃO I Disposições Gerais. Artigo 1.º Objeto Despacho Normativo O Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho, estabelece os princípios orientadores da organização, da gestão e do desenvolvimento dos currículos dos ensinos básico e secundário, bem como

Leia mais

NORMA 02/JNE/2015 (Madeira)

NORMA 02/JNE/2015 (Madeira) NORMA 02/JNE/2015 (Madeira) Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação Provas e Exames do Ensino Básico e do Ensino Secundário VERSÃO para a Região Autónoma da Madeira 1 NORMA 02/JNE/2014

Leia mais

copyright DGES/DGE-JNE2012. Todos os direitos reservados.

copyright DGES/DGE-JNE2012. Todos os direitos reservados. FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2012 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino Superior e Direção-Geral de Educação Júri Nacional

Leia mais

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher?

Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? Vou entrar no Ensino Secundário. E agora? Que via escolher? A publicação da Lei n.º 85/2009, de 27 de Agosto, estabelece o regime de escolaridade obrigatória para as crianças e jovens em idade escolar,

Leia mais

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO

EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO EXAMES FINAIS NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ENSINO SECUNDÁRIO INFORMAÇÕES PARA ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO I - FIM DAS ATIVIDADES ESCOLARES As atividades escolares dos alunos do 11º e 12º

Leia mais

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação

NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação NORMA 02/JNE/2014 Instruções Realização, classificação, reapreciação e reclamação 1 FICHA TÉCNICA Título: NORMA 02/JNE/2015 Instruções para Realização Classificação Reapreciação Reclamação: Provas e Exames

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DR. VIEIRA DE CARVALHO SERVIÇO DE PSICOLOGIA E ORIENTAÇÃO PSICÓLOGA ÁUREA SANTOS OBJECTIVOS Os cursos científico-humanísticos estão vocacionados para o prosseguimento de estudos de nível superior, de carácter universitário ou politécnico. DURAÇÃO Têm a duração

Leia mais

Candidatura ao Ensino Superior

Candidatura ao Ensino Superior Candidatura ao Ensino Superior Para concluir o ensino secundário, os alunos têm que obter aprovação a todas as disciplinas do plano de estudos do respetivo curso. Nas disciplinas não sujeitas à realização

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade NORMA 01/JNE/2014 NORMA 02/JNE/2014 Instruções para a inscrição Instruções Provas para Realização Finais de Classificação Ciclo Exames Reapreciação Nacionais

Leia mais

deexames DIREÇÃO-GERAL DAEDUCAÇÃO

deexames DIREÇÃO-GERAL DAEDUCAÇÃO guiageral 2012 deexames DIREÇÃO-GERAL DAEDUCAÇÃO FICHA TÉCNICA Título: Guia Geral de Exames 2012 Exames Finais Nacionais do Ensino Secundário e Acesso ao Ensino Superior Composição: Direção-Geral do Ensino

Leia mais

Escolas João de Araújo Correia

Escolas João de Araújo Correia EXAMES-DÚVIDAS MAIS FREQUENTES E RESUMO DA NORMA 2/JNE/2014 INSTRUÇÕES PARA REALIZAÇÃO CLASSIFICAÇÃO REAPRECIAÇÃO RECLAMAÇÃO PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA E EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quinta-feira, 6 de junho de 2013. Série. Número 70 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quinta-feira, 6 de junho de 2013 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DA EDUCAÇÃO E RECURSOS HUMANOS Despacho normativo n.º 4/2013 Regulamenta a avaliação e certificação

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Critérios Gerais de Avaliação A elaboração do presente documento teve por referência os diferentes normativos legais que o enquadram no seu âmbito e objetivo, nomeadamente o que se encontra consignado

Leia mais

Instruções para os alunos

Instruções para os alunos Instruções para os alunos Resumo da norma 02/JNE/2015 e do Despacho Normativo n.º 6A/2015 de 5 de março Parte I - Instruções para a realização das provas Ensino Básico e Secundário Capítulo I Realização

Leia mais

REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO_2015 Secretariado de Provas Finais e Exames 2015

REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO_2015 Secretariado de Provas Finais e Exames 2015 2015 REUNIÃO DE ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO_2015 Secretariado de Provas Finais e Exames 2015 Quais são as disciplinas que obrigam à realização de Provas Finais? Português e Matemática Quem é admitido a Prova

Leia mais

Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Psicóloga Maria João Caria

Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Psicóloga Maria João Caria Serviço de Psicologia e Orientação (SPO) Psicóloga Maria João Caria Alunos 12º anos; Fevereiro de 2011 Para concluir um curso do ensino secundário os alunos, têm de obter aprovação em todas as disciplinas!

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade Relatório 2011 AVALIAÇÃO EXTERNA NORMA 02/JNE/2012 DA APRENDIZAGEM Instruções Exames - Realização, Nacionais classificação, reapreciação e Provas de e reclamação

Leia mais

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO

2ª FASE HORA 2ª FEIRA, 13 DE JULHO 3ª FEIRA, 14 DE JULHO 4ª FEIRA, 15 DE JULHO 5ª FEIRA, 16 DE JULHO 6ª FEIRA, 17 DE JULHO CALENDÁRIO DAS PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO 1º CICLO DO ENSINO BÁSICO Português (41) Português Matemática (42) Estudo do Meio (22) (Prova escrita 60 minutos) Expressões Artísticas (23) 90 minutos)

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL

ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL 9º ano: e depois? Sistema Educativo Português 2013/2014 ORIENTAÇÃO ESCOLAR E PROFISSIONAL Objetivos Promover a auto - exploração (interesses, capacidades, competências

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DE ALUNOS 2015-2016 1 INTRODUÇÃO No início do ano letivo, compete ao conselho pedagógico do agrupamento definir os critérios de avaliação para cada ciclo e

Leia mais

Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2014

Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2014 COLÉGIO DA RAINHA SANTA ISABEL Serviço de Psicologia e Orientação AA/2013-2014 Instruções para a inscrição EXAMES NACIONAIS 2014 Despacho n.o 3597- A/2014 de 6 de março e Despacho n.o 8248/2013 de 25 de

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ AGRUPAMENTO DE ESCOLAS CARLOS GARGATÉ Exmo. Sr. Encarregado de Educação Vimos, por este meio, informá-lo sobre algumas das normas das Provas Finais Nacionais de 6º e 9º ano de Português e Matemática e

Leia mais

Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10

Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10 Colégio Manuel Bernardes PLANO DE ESTUDOS ENSINO SECUNDÁRIO 2009/10 CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS CIÊNCIAS E TECNOLOGIAS CIÊNCIAS SOCIOECONÓMICAS LÍNGUAS E HUMANIDADES CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS A

Leia mais

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO

Agrupamento de Escolas Oliveira Júnior Cód. 152900 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO. EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR, ENSINOS BÁSICO e SECUNDÁRIO NOTA INTRODUTÓRIA Ano letivo 2015/2016 Sendo a avaliação um «processo regulador do ensino, orientador do percurso escolar

Leia mais

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes

Secretariado de exames. Normas para os Professores Vigilantes Secretariado de exames Normas para os Professores Vigilantes Nota: Nos termos do ponto 5.1 da norma 02/JNE/2013, o serviço de exames, nomeadamente, o exercício de funções no secretariado de exames, vigilância,

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

3.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 10 de abril de 2014 Número 71

3.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 10 de abril de 2014 Número 71 II SÉRIE Quinta-feira, 10 de abril de 2014 Número 71 ÍNDICE 3.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério das Finanças Gabinete do Secretário de Estado das Finanças: Declaração de retificação n.º 404-A/2014: Retifica

Leia mais

PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015

PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015 PROVAS FINAIS 2015 Ensino Básico Norma 02/EB/2015 Resumo das instruções 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO Relativamente às provas finais do 1.º ciclo, cada escola deve providenciar material para fornecer

Leia mais

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade

úri Nacional de Exames Certificar com Equidade úri Nacional de Exames Certificar com Equidade Relatório 2011 AVALIAÇÃO EXTERNA NORMA 02/JNE/2012 DA APRENDIZAGEM Instruções Exames - Realização, Nacionais classificação, reapreciação e Provas de e reclamação

Leia mais

Cursos Vocacionais Regulamento

Cursos Vocacionais Regulamento Cursos Vocacionais Regulamento Índice Capítulo I Funcionamento Geral... 1 Artigo 1º- Contextualização... 3 Artigo 2º -Matrícula e Renovação de Matrícula... 3 Artigo 3º- Constituição de Turmas... 3 Artigo

Leia mais

15704 Diário da República, 2.ª série N.º 67 5 de Abril de 2011

15704 Diário da República, 2.ª série N.º 67 5 de Abril de 2011 15704 Diário da República, 2.ª série N.º 67 5 de Abril de 2011 Direcção regional Escola Distrito Concelho Localidade DREN........... EBS Coelho e Castro............... Aveiro............ Santa Maria da

Leia mais

Exames Nacionais do Ensino Secundário - Informação Geral

Exames Nacionais do Ensino Secundário - Informação Geral Exames Nacionais do Ensino Secundário - Informação Geral 1. Quem deve inscrever-se para a realização de exames nacionais do ensino secundário? Devem inscrever-se para a realização de exames nacionais do

Leia mais

Calendarização das provas e exames

Calendarização das provas e exames do ensino básico, provas escola e provas de equivalência à frequência - 1.º Ciclo 1.º Ciclo 1.ª FASE 12 de maio 14 de maio 18 de maio 20 de maio Estudo do Meio (22) (23) (41) PLNM (43) (44) final escola)

Leia mais

Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade. Informação atualizada para 2013/2014

Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade. Informação atualizada para 2013/2014 Alternativas de formação escolar e profissional após o 9º ano de escolaridade Informação atualizada para 2013/2014 ENSINO BÁSICO ENSINO SECUNDÁRIO Mundo do Trabalho CET Cursos de Especialização Tecnológica

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 3476 Diário da República, 1.ª série N.º 129 5 de julho de 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. 3476 Diário da República, 1.ª série N.º 129 5 de julho de 2012 3476 Diário da República, 1.ª série N.º 129 5 de julho de 2012 Artigo 5.º Produção de efeitos A presente portaria aplica -se ao ano letivo 2011-2012. A Ministra da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro

EDUCAÇÃO ESPECIAL. Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro EDUCAÇÃO ESPECIAL Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro GRUPO ALVO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Alunos que apresentam limitações graves ao nível da Actividade e Participação, decorrentes de Execução de uma ação

Leia mais

Inscrições nos Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior. SPO AEVagos

Inscrições nos Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior. SPO AEVagos Inscrições nos Exames Nacionais e Acesso ao Ensino Superior 2015 SPO AEVagos Condições de Candidatura Ter aprovação num curso do Ensino Secundário Ter realizado, em 2013 e/ou 2014 e/ou 2015, as Provas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES. CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNÃO DE MAGALHÃES CHAVES CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO PARA OS 1.º, 2.º e 3.º CICLOS DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO 2015/2016 ÍNDICE I INTRODUÇÃO... 3 II ENQUADRAMENTO DA AVALIAÇÃO...

Leia mais

Mais de 40 anos de Progresso! Calendário de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior 2010/2011

Mais de 40 anos de Progresso! Calendário de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior 2010/2011 Mais de 40 anos de Progresso! Calendário de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior 2010/2011 1. Calendário Geral de Exames do Ensino Secundário e de Acesso ao Ensino Superior (2011)*

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d a G u i a

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s d a G u i a PROVAS DO ENSINO BÁSICO E EXAMES DO ENSINO SECUNDÁRIO O professor vigilante deve comparecer junto do Secretariado de Exames (Bloco A) 30 minutos antes do início da prova de exame. ATENÇÃO: Não há tolerância!

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Segunda-feira, 27 de julho de 2015. Série. Número 135 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Segunda-feira, 27 de julho de 2015 Série Sumário SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO Despacho n.º 352/2015 Determina que no ano letivo 2015/2016 fique suspensa a componente

Leia mais

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto

Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Regime de Frequência e Avaliação da Pós Graduação em Inteligência Competitiva e Comunicação no Desporto Artigo 1.º Criação 1.1. A Escola Superior de Comunicação Social inclui na sua oferta educativa, uma

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE PONTE DA BARCA Uma escola de todos Para todos Transformar Vidas, Alimentar Sonhos, Projetar Carreiras! SPO Serviço de Psicologia e Orientação 9.º ANO e agora? Cursos Científico

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DO ENTRONCAMENTO (401640) Ano Letivo 2011-2012 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DO ENSINO SECUNDÁRIO CURSOS CIENTIFICO-HUMANÍSTICOS E CURSO TECNOLÓGICO Índice Introdução... 3 Português...

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015

Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015 Agrupamento de Escolas de Pegões, Canha e Santo Isidro 170100 Escola Básica 2,3 de Pegões 345192 2014/2015 INFORMAÇÃO AOS ENCARREGADOS DE EDUCAÇÃO E ALUNOS ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS Curso de Ciências e Tecnologias Critérios de avaliação 2013/2014

CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS Curso de Ciências e Tecnologias Critérios de avaliação 2013/2014 CURSOS CIENTÍFICO HUMANÍSTICOS Curso de Ciências e Tecnologias Critérios de avaliação 2013/2014 Disciplinas: Biologia e Geologia - 10º ano Biologia e Geologia - 11º ano Biologia 12º ano A atividade de

Leia mais

PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES

PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES PROVAS FINAIS DO 2.º E 3.º CICLO EXAMES FINAIS NACIONAIS DO ES NORMA 01/JNE/2013 NORMA 02/JNE/2013 Reunião com aplicadores, 13 de Junho de 2013 1 RESUMO DA NORMA 02/JNE/2013 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO,

Leia mais

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes

REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes REALIZAÇÃO DAS PROVAS FINAIS 2015 Professores Vigilantes 4. MATERIAL ESPECÍFICO AUTORIZADO 4.1 Relativamente às provas finais do 1.º ciclo: a) Português canetas ou esferográficas de tinta indelével preta

Leia mais

S.R. DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Portaria n.º 29/2012 de 6 de Março de 2012

S.R. DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Portaria n.º 29/2012 de 6 de Março de 2012 S.R. DA EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO Portaria n.º 29/2012 de 6 de Março de 2012 Pelos Decretos Legislativos Regionais n.os 15/2001/A e 21/2010/A, de 4 de agosto e 24 de junho respetivamente, foram introduzidas

Leia mais

LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015

LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015 DGEstE - Direção de Serviços da Região Centro ATENÇÃO LOCAL DE REALIZAÇÃO DAS PROVAS: Escola Básica da Gafanha da Nazaré NORMA 02/JNE/2015 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, REAPRECIAÇÃO E RECLAMAÇÃO

Leia mais

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR

EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR GUIA GERAL DE EXAMES - 2010 EXAMES NACIONAIS DO ENSINO SECUNDÁRIO e ACESSO AO ENSINO SUPERIOR Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular -Júri Nacional de Exames Direcção-Geral do Ensino

Leia mais

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO

REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO REVISÃO - ANEXO XII REGULAMENTO INTERNO CURSOS VOCACIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO PREÂMBULO Este regulamento é um documento orientador, de cariz predominantemente pedagógico, que especifica as normas que

Leia mais

CARTA DE PROCEDIMENTOS DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO VI AO PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA

CARTA DE PROCEDIMENTOS DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO VI AO PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA CARTA DE PROCEDIMENTOS DO ENSINO SECUNDÁRIO ANEXO VI AO PROJETO EDUCATIVO DE ESCOLA CONSIDERACÕES INICIAIS 1 A avaliação deve ser entendida como uma prática e uma construção social que só faz real sentido

Leia mais

PROVAS FINAIS / EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

PROVAS FINAIS / EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVAS FINAIS / EXAMES NACIONAIS E PROVAS DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA *Despacho nº 8651/2014, de 3 de julho, com as alterações introduzidas pelo Despacho nº 12236/2014, de 3 de outubro *Despacho normativo

Leia mais

de ensino (modelo oficial).

de ensino (modelo oficial). INFORMAÇÕES SOBRE AS PROVAS FINAIS DO 3º CICLO Todas as instruções constantes desta Informação têm de ser lidas e esclarecidas pelo diretor de turma, na sala de aula, até à semana anterior à realização

Leia mais

OUTROS REGIMES 2015/2016 MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO

OUTROS REGIMES 2015/2016 MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO MUDANÇA DE PAR INSTITUIÇÃO/CURSO Ato pelo qual um estudante se matricula e ou inscreve em par instituição/ curso diferente daquele(s) em que, em anos letivos anteriores, realizou uma inscrição. A mudança

Leia mais

PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES

PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES PROVAS/EXAMES FINAIS 3º ciclo E. Básico e E. Secundário ATRIBUIÇÕES DOS PROFESSORES VIGILANTES MUITO IMPORTANTE: A função de vigilante de provas e exames é uma das mais importantes e de maior responsabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Diário da República, 1.ª série N.º 14 26 de Julho de 2007 4785 Artigo 2.º Entrada em vigor O presente decreto -lei entra em vigor no 1.º dia do mês seguinte ao da sua publicação. Visto e aprovado em Conselho

Leia mais

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS

REGULAMENTO DE CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS PREÂMBULO Nos termos do artigo 11.º do Decreto -Lei n.º 43/2014 de 18 de março, é aprovado o Regulamento das Condições de Ingresso nos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) do Instituto Politécnico

Leia mais

Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência

Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de Arronches 135197 EB 2, 3 Nª Srª da Luz 330437 Provas Finais de Ciclo Provas de Equivalência à Frequência Informação para docentes vigilantes e coadjuvantes 2015 Despacho nº 8651/2014

Leia mais