Propostas de Resolução

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Propostas de Resolução"

Transcrição

1 Propostas de Resolução Eercícios de MATEMÁTICA A. ao Como utilizar este ficheiro e localizar rapidamete a resolução pretedida? Verifique se a Barra de Ferrametas deste documeto eiste a caia de pesquisa do seu Adobe Reader. Se tal ão suceder, active-a, clicado com o botão direito do rato e seleccioado a opção pretedida. Na caia de pesquisa (Fid), digite Pág., com o P maiúsculo e sem esquecer o poto fial, seguido de um espaço e do úmero de págia ode se ecotra o eercício ou problema do qual pretede cohecer a resolução. Depois de validar a iformação, teclado em Eter, surgirá o ecrã a págia do documeto PDF com todas as resoluções dos eercícios da págia seleccioada do livro. CEXMA Porto Editora Depededo da sua etesão, a resolução poderá estar a colua ou até a págia seguite do PDF.

2 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Capítulo. si a + si (908 - a) si a + [si (908 - a)] Pág.... cos Pág. 0. (si 08 + si 608) * tg 08 A [ABC] AB AC A [ABC] 0 * œ 0œ h, - h ) 8,6 EA 00 tg a Área do triâgulo: A [ABE] AB * AC cos a AB cos a si a AC si a h, - 0œ EA 00 tg a Área restate: Resposta: (C) cos a * si a A [ABC] si a cos a 00 * EA 000 tg a A tg a A tg a A 000 ( - tg a) si a + cos a + œ * œ + œ * œ œ * 00 tg a. AC Pág. AC 0 œ 6 +. si (608) * si (8) + cos (8) * tg (608).. tg 08 + si (608)..... tg cos 08 œ + œ + tg œ - œ ( + œ) ( - œ) - œ - œ - - cos a tg a * si a cos a.8 membro cos a - cos a - cos a si a cos a cos a cos (908 - a) * si (908 - a) tg a.8 membro si a + cos a - cos a cos a œ œ * œ + œ * œ œ6 + œ6 œ6 œ + œ œ œ œ + œ si a * si a tg a * cos a.8 membro, c. q. m. cos a cos (908 - a) * si (908 - a) tg a si a * cos a si a cos a cos a.8 membro, c. q. m. si a.8 membro + cos a - cos a ( + cos a) ( - cos a) + cos a + cos a - cos a.8 membro, c. q. m. si a - cos a - œ - Como é agudo, temos que si a Œ a œ. si a * cos a si a cos a si a 8 0 CEXMA Porto Editora cos a 6 0 tg a 8 6

3 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. tg a + tg a cos a + cos a cos a Como é agudo, temos que, cos a Œ a si a - cos a œ œ. 9. Área 7 * A [ABO] 7 * 7 * * AB * OM 7 * ) 6,9 cm tg (80 : 7)8 0 * tg a tg a, ± a tg, tg b, ± b tg, a tg -, ) 6,08 si a - si a Œ ou, como tg œ œ œ6, a si a cos a vem: 0. b tg -, ),998 si a * daí que, si, a œ6. si a + œ cos a œ6 œ + œ * œ6 + œ6 œ6 6. Pág. AB 8,6 cm AB : 06,8 AĈB 6, AĈB : 8, 0. Os triâgulos [AHC] e [CHB] são semelhates porque são rectâgulos e têm os âgulos agudos respectivamete iguais (CˆBH ACH ˆ e HĈB HÂC). Logo, Etão, AH CH CH HB. 0. AC + (œ) CH CH CH * CH œ CH œ cm BC + (œ) CEXMA Porto Editora ,8 tg 8, 06,8 CH * tg (8,8) CH 06,8 CH CH ),6 cm tg (8,8) A [ABC] 608 : : 68 OP 0 OP 0 cos (68) ) 8,09 cm DP 0 AB * HC cos (68) si (68) DP 0 si (68) DC DP 0 si (68) ),76 cm DC * OP A petágoo A [CDO] * * 0 si (68) * 0 cos (68) 00 si (68) cos (68) ) 7,76 cm Perímetro 7AB 70 cm ) 8,6 *,606 a : AB 0 cm OM tg a OM tg a ) 06 0,8 cm A [ABC ]. CH CB + HB Pág. 6. AC + AC œ80 AC œ cm tg (BÂC) œ BÂC ) 6,08 CBˆA BÂC ) 908-6,08 CBˆA ),998 CH - 6 CH œ08 CH 6œ cm AÔB 608 : 08 HÔB 08 : œ si (608) 6 OB * OB OB œ OB œ OB œ OC OB œ cm. A [ABC] AB * CH AB * CH A [ABC] 6œ cm BC œ cm œ ± BÂC tg ( + ) * œ * 6œ BC + BC œ76 8œ cm

4 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora. 608 : y a tg (78) 60 : 0 d b AB : 6 7 d y tg (8) c + 6 MB 7 :,. 608 : 8 8 ; 8 :,8. Seja a medida do lado do triâgulo, em cetímetros œ +.., si (08) r, r si (08) r, r 7 A círculo pr p * 7 9p A círculo 9p cm : 8 AB BM : 7 7 si (,8) r 7 r si (,8) A círculo p * r p * 7 si (,8) A círculo ) 0, cm + + Como 0, vem que Œ > œ * œ A triâgulo h tg (608) 6 h 6 * œ h 6œ m ) 0,9 m b cos (08) 00 b 00 * œ b 00œ m h si (08) 00 * œ h 00 tg a tg 08 a a tg 08 a + b 00 tg œ AC a + b ) 7, m œ cm œ œ œ * œ h 00 * h tg (68) tg (68) Pág. 7 ),6 m 7. Se os pombos partem de A e B, ao mesmo tempo e à mesma velocidade e chegam ao mesmo tempo a C, tem-se que AC BC. 7. As torres e, distam do lago 8 pés e pés, respectivamete. 8. AC AB + BC Pág y tg (78) tg (78) tg (8) + 6 tg (8) y tg (78) (tg 78 - tg 8) 6 tg (8) y tg (78) 6 tg (8) tg 78 - tg (8) y ) 8,9 m œ0 + a œ0 + (0 - a) a a + a 00a 800 a tg b 0 8 ± b tg 0 8 ± b ) 6,77 tg a 0 ± a tg 0 ± a ), a ),8 e b ) 6,778 AC + AC œ tg q CG AC tg q œ ± ± q ),8 CÂG ),8 cos EG cos EG EG cos Área da face lateral: A [BCE] Área total A base + * A [BCE] A() + * A() + BC * EG cos q tg œ - * cos y ) 8,878 m ) 8,68 m cos cos cos + A(), c. q. m. cos

5 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 9. A(08) 9. EF cos (08) + cos (08) œ + 8 œ tg EF tg * œ + œ (œ + 8) œ œ * œ œ + œ + 8œ. 608 : :,8, h h tg (,8), tg, CEXMA Porto Editora V pirâmide A base * altura V() * * tg V() tg 6 + cos a cos a 6 cos a œ pois a é agudo., si a si a + cos a tg a si a cos a 8 cos a + tg a 8 * 6 + œ + œ + œ 0 tg a * cos a si a œ * 6 œ * œ 6 cos a - tg a + si a 6 - œ œ - œ - œ 0. œ (cos a - tg a) œ œ - - œ..8 membro (si - cos ) si + cos - si cos - si cos.8 membro, c. q. m...8 membro si cos + cos si + cos cos œ V() si, c. q. m. cos œ œ si * tg + cos si * si cos + cos.8 membro, c. q. m. cos. Pág. 9 A ) 0,0 m jardim * si (8) h si (8) h si (8). A jardim - A lago ) 0,0 -,6.. a tg 8 a tg 8 Pág. 0 b cos 8 b cos 8.. * A lago 8 * EA 8 ), 6 m tg 88 EA 8 tg 88 BC 6 si 08 BC 6 * AE + BC 8 tg 88 + ),88 m a + b tg 8 + a cos (8) a cos (8) h si h si (8) h h tg (8) b b tg (8) a + b cos 8 + h tg 8 h tg (8) + 0 h tg 8 tg 8 - tg 8 0 tg 8 h tg 8 (tg 8 - tg 8) 0 tg 8 h tg 8 0 tg 8 tg 8 - tg 8 h ) 9,67 ) 0,7, tg (,8) ) 86, m cos 8 si 8 tg 8 ) 0,7 m e h ) 9,67 m 8 tg (,8) BC ), m b ) 8,9 m si (8) tg (8) h tg 8 h tg tg 8

6 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Capítulo. -, rad -, p rad )-,0p rad O âgulo pertece ao.8 quadrate. Pág. Para que o sector correspodete a 70 caia juto à seta terá que rodar, para além das voltas iteiras um âgulo de amplitude u com p - p 8 < q < p + p I. AC AB A [ABC] Resposta: (C) II si q AC si q cos q AB cos q Logo, -068 é a amplitude de um âgulo do.8 quadrate. I é falsa II é verdadeira Resposta: (C) p f 6 0 œ AC * AB si q * cos q si (p - a) - si a - cos - p + a - cos p + a * 608 si cos å ]-p, p[ - p p f() -œ + si() p f 6 -œ + si 6 p -œ + si p -œ + œ 0 p f - œ + si p -œ + œ 0 p é um zero de f. 9 cos q si q si a Ora, p p,, < p - p > p + p 8 8 Resposta: (C) 0. cos a - cos (-a) cos a - cos a 0. P(, y) cos p 6 cos p - 6 p -cos p 6 -œ p y si 6 si p - 6 p si p 6 P - œ, f() + cos D f R år - cos - cos D9 f [-, ] si - p 6 - cos 0p - si p 6 - cos p + p - si p 6 + cos p - * + * - Resposta: (C) AB r - + cos tg a AB r tg a p 6 < p - p 8 + e p - p 8 < p 6 < p + p 8. - f() - si p - p 6 - cos p + p Pág. CEXMA Porto Editora 6. 9p p 6p + p 77p 6 79p 6 8p + p p + p 6 p + p 6 Pág. A [ABC ] AB * AC. p rad 808 rad 80 p ) 7,8 r tg a * r r tg a radiao correspode, aproimadamete a 7,8. Esta amplitude apeas se ajusta à opção (C). Resposta: (C)

7 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. OM cos a Uma equação que traduz o problema é: AM si a A [OAB ] OM * AB A APD A trapézio 0 tg 00 si a cos a cos a * si a 9. Trata-se de determiar o valor máimo de h sedo h() 0 - cos (). Deste modo, temos que: - cos (). AB AC cos a AB cos a si a AC si a Pág. - - cos () cos () h() O valor máimo de h é.. A [ABC] si a cos a si a * cos a Resposta: (C) 0. Dado que - si e - cos, ; år, Pág. 6 si + cos <, ; år. Logo, a equação é impossível.. si si Os valores d(0) e d( p) 0 apeas se verificam, etre as hipóteses apresetadas, em d(a) + cos a. 6. BC si a 7. OB Pág. 8. OC cos a A [ABCD] OC * BC cos a si a AB tg a A A quarto de círculo + A triâgulo p * AP 0 tg + AP 0 tg OB * AB p + tg a. Em cada itervalo de amplitude p a equação admite duas soluções. Logo, em [0, 0 p] a equação admite 0 soluções. p 9 - p 9 p 9 p. PQ si a OQ cos a A [OPR] OR * PQ cos a * si a si a cos a. Se cos a < 0 e tg a > 0 etão si a < 0 (a å.8 Q) Pág. 7 si a + cos a si a - cos a si a œ - cos a Como si a < 0, si a -œ - cos a. b é uma solução da equação si. CEXMA Porto Editora A trapézio A [APD] AD * AP * * 0 tg 0 tg Etão, si b. si b -cos p + b cos p + b - p Logo, é uma solução da equação + b cos -. 6

8 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 6. + cos 6 å [0, p]. cos å [0, p] p p 7. a + b p p - b a cos (p - b) cos (a) - cos b cos (a) cos b -cos (a) p 8. Se q å, tem-se cos q < 0, si q > 0 e tg q < 0., p Logo: cos q - si q cos q + (-si q) < 0 si q * cos q < 0 si q * tg q < 0 si q - tg q si q + (-tg q) > 0 Período positivo míimo: p. Pág. 9 0 p 0 p p p p si ( p) si ( p) CEXMA Porto Editora. D9 f R; g(0) 0; h(0) Pág. 8. Por eemplo: a) ]- p, 0[ b) c) d) e) f) g) [0, p] h). si 0 kp, k åz tg 0 Se a fução seo é zero, a tagete também é zero.. si 0 cos - cos Se a fução seo é zero, a fução co-seo é máima ou é míima.. Nos potos ode a fução co-seo é zero, a fução tagete ão está defiida.. f() tg, g() si e h() cos. - p, p - p, 0 - p, p [0, p] - p, p 0, p p p p p p 7p 0 p p p p p 7p 0 p p p p cos () cos cos p p Em ]0, p[, tem-se: p -p + p S p, p 6 si si - 7p 6-7p 6-7p 6 Em ]0, p[, tem-se: - 7p 6 S p 6, p 6 6 Período positivo míimo: + kp -p + kp p + 7p 6 + kp p 6 p + p 6 - p + kp, k åz + kp, k åz + kp, k åz p 6 p 6 7

9 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora.... Em ]0, p[, tem-se: Em ]-p, p[, tem-se:. cos å ]-p, p[ 0 6. f() + cos ; D f R 6. tg tg p p p + p S p, 7p 6. si å ]0, p[ p p S 6 cos cos - p Em ]-p, p[ tem se - p p. S - p, p 6 si si p p p p S - p, - p 6 tg -tg p - p + kp, k åz Em ]- p, p[, tem se: - p -p + p S - p, p 6 S 06 - cos - + cos + - f() D9 f -, g() + si ; D g R - si - si - + si + - g() D9 g [-, ] 6. h() si ; D h R 8 - si p + kp p - p + kp - p - p -p + kp, k åz - p + kp p + kp, k åz - p -p tg tg - p p 7p + kp, k åz + kp, k åz - p p 6. i() - cos ; D i R k () - cos ; D k R - cos 7. 0 si D h [0, ] - cos 0 cos - - cos cos i() D i 9 [-, ] j() + tg p ; D + kp, k åz j R \ 6 tg år tg 0 + tg j() D9 j [, +?[ 0 cos - - cos cos cos - k() D9 k -, si - p - a - a å p, p - cos a - a å p, p cos a si a + cos a si a + si a Œ si a - œ7 a å. Q œ7 tg a si a - cos a - œ7 si(p + a) - tg a -si a - tg a œ7 + œ7 7œ7 Pág. 0

10 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 7. tg a a å p, p + tg a cos a + 9 cos a cos a 0 a å. Q cos a - œ0 7. cos a - œ0 0 si a + cos a si a - 0 si a Œ 9 0 si a - œ0 0 p cos (8p + a) - si - a - si (-a) cos a - si p - a + si a cos a - cos a + si a cos a + si a - œ0 0 - œ0 0 cos( - p) - å.8 Q cos(p - ) - å.8 Q cos(p - ) - å.8 Q -cos - å.8 Q cos å.8 Q + tg cos a å. Q - œ0 0 + tg tg tg - œ tg (-) + si - p + cos - -tg - si p - + cos -tg - cos + cos œ - + * œ0 å. Q si - D9 f -, Em [-p, p] 9. V 0 cm ; Trata-se de resolver graficamete esta equação, o itervalo 0, p. p 6 V A base * h V p (r9) * h f() 0 8 si - f () 8 si - h cos q ± h cos q V p ( si q) * cos q V p si q cos q 0 p * si q cos q 90 p si q cos q 0 8 si - 0 si 8 si - 8 si 8 si p + kp, k åz r9 si q ± r9 si q + kp p 6 p 6 - p p 6 p 6 Zeros: - p 6, - 7p 6, p 6 e p 6 + kp, k åz - p p 6 Recorredo à calculadora gráfica foram obtidos os seguites resultados: y p si q cos q y 90 CEXMA Porto Editora f() 8 si - D f R - si si 8 œ si œ - 7 BˆVA q ; BVA ˆ ) * 0, ou BˆVA ) *, BVˆA ),09 rad ou BVˆA ),6 rad 9

11 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO p 6 Pág.. 08 é o comprimeto do arco AB. 0p cm 0. Área lateral de um coe prg 0. 0 * p * 6 60 (r raio da base; g geratriz) g 6 cm pr 0p r 0 cm A p * 0 * 6 A 0p cm V A base * h V * pr * h h h Œ si - p œ si - p si p - p p + kp - p p - p + kp, k åz p si - 0 si si() 6 6 Temos que e - si(), A år. > Deste modo, a equação é impossível. si + si 0 si ( si + ) 0 + kp p + kp, k åz p + kp p + kp, k åz si - si p + kp p + kp, k åz p + kp, k åz CEXMA Porto Editora V * p * 0 * œ90 V ) 676,9 cm si () si () si p 6 p 6 + kp p - p + kp, k åz 6 p 8 + kp si œ si œ si si p p + kp p - p + kp, k åz p si() + œ 0 si () - œ si () -si p si () si - p - p + kp p - - p + kp, k åz - p 9 + kp - si 0 si 0 + kp p kp, k åz kp, k åz h œ90 p 8 + kp, k åz + kp, k åz p 9 + kp, k åz.9 si - si si() - si 0 si() si. si 0 si - kp si si - p 6, k åz kp - p 6 si œ9 - * si si p + kp åo, k åz p + kp, k åz kp p + kp, k åz kp p + kp, k åz p si + si 0 si -si p si si - p - p > + kp p - + kp, k åz - p + kp p - - p + kp, k åz. si() + si() 0 si() -si() si() si(-) - + kp p + + kp, k åz 7 kp - p + kp, k åz kp 7 + kp p + kp 7p 6 + kp, k åz - p + kp, k åz + kp, k åz

12 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. cos cos p p + kp -p + kp, k åz k - : -p - p C.S. - p, 0, 6 p k 0: p -p.7 cos () -cos cos () cos (p - ). C.S. - p, p 6 cos () -cos p 6 cos () cos p - p 6 cos() cos p 6 p 6 + kp -p 6 + kp, k åz p - + kp -p + + kp, k åz p + kp -p + kp, k åz p + kp -p + kp, k åz k 0 : p -p k : p p p 8 + kp k 0 : p 8 - p 8 k : 7p 8 7p 8 k - : - 7p 8-7p 8 - p 8 + kp, k åz C.S. - 7p 8, - 7p 8, - p 8, p 8, 7p 8, 7p k - : - p -p k - : - p -p C.S. - p, - p, - p, p, p, p 6 - cos + cos 0 cos - cos 0 cos (cos - ) 0 cos 0 cos. cos + p 6 -œ cos + p 6 -cos p 6 p + kp å O, k åz cos + p 6 cos p - p 6 + p 6 p 6 + kp + p 6 -p + kp, k åz 6 p 6 + kp -p + kp, k åz cos + 6 p p cos 6 p + kp, k åz k 0 : p k - : - p C.S. - p, 6 p p + kp -p + kp, k åz k 0 : p -p. si - p cos() Pág. k : p p k - : - p -p C.S. - p, - p, p, p 6 p -si - cos() -cos cos() cos(p - ) cos() p - + kp p kp, k åz. cos + p cos + p + p kp, k åz - p + kp, k åz p + kp -p + kp, k åz p + kp -p + kp, k åz CEXMA Porto Editora..6 k 0 : - p C.S. - p 6 - cos 0 cos cos - cos p + kp kp, k åz kp, k åz k 0 : 0 C.S. 06 cos() cos + kp - + kp, k åz kp kp, k åz kp kp, k åz k 0 : 0 0 k : p p. cos() -si cos cos p + p + + kp -p - + kp, k åz p + kp -p + kp, k åz p + kp -p 8 + kp, k åz. - cos si si - si 0 si (si - ) 0 si 0 si kp å O, k åz kp, k åz cos p + -si

13 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO.. cos () - cos() - cos () - cos() + 0 cos œ9 - * * cos cos kp p + kp -p p tg() -œ tg() -tg tg() tg - p - p + kp, kåz + kp, k åz kp y p + y + kp - p kp - p + kp, k åz kp - p + kp, k åz 0 p p. cos () cos() Œ cos() -Œ - + kp, k åz em] - p, p [ CEXMA Porto Editora.. tg () tg () - tg ().. si tg si - si cos 0 si cos - si 0 cos si cos - si 0 cos p 9 + kp, k åz tg (-) - œ -tg -tg p 6 tg tg p p + kp, k åz 6 6 tg () tg - p tg () tg p - p + kp p + kp, k åz - p + kp p + kp, k åz œ tg - tg - 6 p 6 p tg - p 6 œ - p 6 p + kp, k åz 6 p 6 + kp, k åz p 6 + kp, k åz si (cos - ) 0 cos 0 0 (si 0 cos ) cos 0 0 Soluções pertecetes ao itervalo ]-p, p[: 0 tg œ tg tg - œ tg 0 tg tg - œ 0 kp p + kp, k åz kp p + kp, k åz 0 si 0 si + cos 0 si 0 cos -si tg - p 6 tg p 6 si 0 cos cos p + œ tg 0 tg tg p em ]-p, p[. si + si cos 0 si (si + cos ) 0 6. si - å [- p, p] 6. cos + œ > 0 å [0, p] 6. cos() Œ cos() -Œ p 6 + kp -p 6 p p p + kp - + kp + kp p - p - p p - p -7p -p - p p å - p 6, - p 6 cos >- œ å 0, p 6 7p 6, p si() > œ p < < p p 8 < < p 8 - p + p 6 -p 6 å p 8, p 8 7p 6 7p + kp, k åz p -7p 7p -p p 7p p å [0, p] å [0, p] å [0, p] + kp p 6 + kp + kp, k åz em ] - p, p [

14 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 6. + si * ( + cos ) - cos * si ( + si ) ( + cos ) - si cos + cos + si + si cos - si cos 8. A() ( + si + cos ), c. q. m. A(0) ( + si 0 + cos 0) ( ) ; 7. cos > œ si k - å [0, p] œ cos <-œ cos > å 0, p p, p 7p, p Como - si, temos que: - k - k - - k - k - 0 k - 0 k å -,- œ œ, å 0, p Para 0, o polígoo a cor correspode ao triâgulo [ADG] cuja área é Para AD * AG p, o polígoo a cor correspode ao quadrado [ABFG] cuja área é. 8. Trata-se de resolver graficamete a equação A(),. Itroduzido a calculadora gráfica as fuções y A() e y, ; o domíio dos dois gráficos: * 0, p. p A + si p + cos p ( + + 0), obtiveram-se os potos de itersecção A área do polígoo [ABEG] é, para ) 0, ou ),. 7. si k - cos k + - k - - k + 0 k - k 0 k 0 Para k 0, tem-se si - cos. (codição impossível, pois se si -, cos 0.) A codição é impossível para todo k [ R. 8. Pág CE si CE si EB tg EB tg AE - EB - tg AF AE e FC CE Perímetro AE + CE f () - tg + * si f() - tg + si, p f - tg p + si p c. q. m. - œ + œ CEXMA Porto Editora BC EC cos BC cos si EC si A() A [ABEG] A trapézio[aceg] - A triâgulo[bce] AG + CE * AC - BC * EC - + œ œ Iterpretação: Quado p o perímetro do quadrilátero [CEAF] é igual a, 6 + œ. + œ + œ 6 + œ

15 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO BC tg BC tg AC cos AC cos Perímetro AB + BC + AC f() + tg + f () cos f() + si (cos ) cos + cos + si + cos, cos c. q. m. cos p + a - a å 0, p -si a - a å 0, p si a a å 0, p Pág.. f() si - si cos Pág.. A [ABC] AE BE AC * BI AD - BE - cos a tg + ( + tg ) si a AE si a cos a BE cos a tg + * ( + tg ) + tg +, c. q. m. tg tg tg cos a + si a cos a + cos a - 9 cos a Œ 6 cos a a å. Q Área do trapézio BC + AD * AE + ( - cos a) * si a - cos a * si a ( - cos a) si a si a - si a cos a f (a), c. q. m si a + cos a f (a) cos a g() si + si cos g() 0 si + si cos 0 si ( + cos ) 0 si 0 + cos 0... p f si p - si p cos p Para a p o trapézio é um quadrado de lado e cuja área é,, portato,. f () - si cos AH si AH si si 0 cos - 0 p p å [0, p] HB cos HB cos A - * Área do [AHB].. HC HB A [ABC] AD cos HC cos si HB si AC * HB ( + cos ) si si + si cos g(), c. q. m. tg AD tg AC AD + DG + GC ( + HC) * si... - * - * AH * HB si * cos p f - si p cos p - * œ * œ 0 Para p obtém-se a figura. A superfície sombreada reduz-se a um poto. A sua área é zero. d() si, åa[0, p] d() AB para p - si cos f(), c. q. m. CEXMA Porto Editora BH AD + + AD AD + tg + tg BH tg BI + BH + tg d(p) si p * Sedo AB, a semicircuferêcia tem raio.

16 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. O âgulo BCA está iscrito uma semicircuferêcia. Logo, BCA é um âgulo recto e, portato, o triâgulo [ABC] é rectâgulo em C.. BC + AC BA BC + si BC - si BC - si BC * cos å 0, p ± BC cos, c. q. m. A ABC 6. Para a eb -, tem-se f () - si. Pág. 6 Etão, f (u) - si u. tem-se BC * CA Como + tg q cos q e tg q, + - si q si q - si q Logo, f(q) - si q - *. p 6. Como 0 é um maimizate e é um miimizate de f, temos: a + b * si 0 p a a + b * si - a + b - f (0) p f - Logo, a e b -. cos * si si cos, c. q. v. cos q cos q cos q a + b - a b - å 0, p ± cos > 0 7. O triâgulo [APM] é rectâgulo em M e AM. 7. Quado a amplitude de é zero a caalização tem a forma da figura abaio. Neste caso, o comprimeto da caalização é de km, pois 8. a cos a cos Pág. 7 b si b si 9. g(0) si 0 cos 0 FM + AB + 8. Área do círculo: A círculo p * p Área do rectâgulo: Área do relvado: d r T 678 km 00 cos si ,07 cos A rectâgulo AB * BC a * b 0 cos * 0 si A A círculo - A rectâgulo p - 00 cos si, c. q. m. 9. O apogeu correspode a uma amplitude de igual a 808. CEXMA Porto Editora Assim: PA cos PA * cos PA cos PM tg PM tg FP + PM FP + tg FP - tg Como PA PB, o comprimeto da caalização é dado por: FP + * PA ( - tg ) + * cos - si cos + 8 cos si g(), c. q. m. cos 9. d(808) A altitude a do satélite o apogeu é dada por a d(80) - raio da Terra km d() ,07 cos 800 Como 808 < < cos - (0,66) ) 809 km + 0,07 cos ,07 cos ,07 cos - 9 cos )-0, d(0) 7 + si 0 7 Pág. 8 Ecotra-se a 7 metros do solo.

17 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO 0. Cotradomíio 0 t 7 0 pt 0 p ±- si pt 0 Miimizates Maimizates - si pt si pt 0 d(t) 7 + si pt 0 si pt 0 - pt 0 p + kp, k åz t + 60k, k åz t pt 0 p + kp, k åz t + 60k, k åz t t 7 t å 0, 7 d(t) 7 + si pt 0 si pt 0 t å 0, 7. f(), +,6 si. I. Jaeiro: dias Fevereiro: 9 dias Março: dias Total de dias: 8 O dia de Março foi o 8.8 dia do ao. Tem-se, assim, 8. f(8), +,6 * si p( - 8), å {,,,...,66} Pág. 9 8 p(8-8) 8 ),6,6 h h 0,6 * 60 mi ) h 0 mi No dia de Março o Sol asceu às 6 h 0 mi e o tempo que decorreu etre o ascer e o pôr-do-sol foi de h 0 mi. Como 6 h 0 mi + h 0 mi 8 h 0 mi, o dia de Março o pôr-do-sol ocorreu às 8 h 0 mi.. Trata-se de resolver graficamete a iequação f() >,7, com å {,,,..., 66}. Recorredo à calculadora gráfica determiaram-se as abcissas dos potos de itersecção do gráfico de f com a recta de equação y,7. Foi obtido o gráfico seguite: d(t) si 0 pt 7 si 0 pt 0 pt kp, k åz 0 t 0k, k åz t 0 t 0 t 60 t å 0, 7 Podemos cocluir que: f() >,7, < < 9,6 å {,,...,90, 9} Como , o tempo que decorreu etre o ascer e o pôr-do-sol foi superior a,7 horas durate 8 dias. CEXMA Porto Editora 0. 6 No istate t s o Mauel ecotrava-se o poto mais elevado da roda. Como o Mauel voltou a esta posição o istate t 7 s, podemos cocluir que levou 60 segudos (7-60) a dar uma volta completa. d(t) 9, t å 0, si 0 pt 9, t å 0, 7 pt si 0 t å 0, 7 pt 0 p 6 + kp pt 0 p t + 60k t + 60k, k åz t å 0, 7 t t t 6 k åz t å 0, kp, A cadeira úmero ecotra-se a uma distâcia de 9, metros do solo os istates t s, t s e t 6 s. Assim, o Mauel demora segudos a ecotrar-se pela primeira vez a 9, metros do solo. 0. Já se verificou que a distâcia máima ao solo atigida pela cadeira é de metros e a distâcia míima é de metros. Podemos etão cocluir que o diâmetro da roda é de - 0 metros e, cosequetemete, o raio tem metros de comprimeto.. V() 80 ( - si ), å 0, p Pág. 0. A capacidade total do depósito é dada por V( p). V(p) 80 (p - si (p)) 60 p ) 0 A capacidade total do depósito é de 0 m, aproimadamete.. Trata-se de resolver a equação V() 00. Recorredo à calculadora gráfica determiou-se a itersecção do gráfico da fução V com a recta de equação y 00. Foi obtido o seguite gráfico: Podemos etão cocluir que para que eistam 00 m de combustível o depósito, a amplitude do arco ABC terá de ser de, radiaos, aproimadamete.

18 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora. Para determiar o volume de combustível o mometo em que a sua altura é da altura máima é ecessário calcular o valor da amplitude de correspodete a essa altura. Atededo à figura ao lado tem-se: Etão a p e, cosequetemete, No mometo em que a altura do combustível eistete o depósito é da altura máima, o seu volume é de aproimadamete 98 m.. O gráfico correcto é o (B). Pág. O gráfico (C) ão se ajusta à situação descrita uma vez que a altura do combustível o depósito é crescete. Atededo à forma do depósito podemos cocluir que a taa de variação da altura ão é costate. Logo, o gráfico (D) também ão traduz a situação apresetada. O gráfico (A) também ão é adequado pois, atededo ovamete à forma do depósito, a taa de variação da altura do combustível o depósito é maior a parte iicial e a parte fial do echimeto, ao cotrário do que aí se apreseta.. Observado a figura verifica-se que tg a œ8... a) cos a a p p V 80 * p p - si ) 98 si p + a Pretedemos, portato, calcular o valor de cos a sabedo que tg a œ8. Assim temos que: + tg a + (œ8) Como a é um âgulo do.8 quadrate, tem-se cos a - b) r r cos a T(t) si cos a + 8 cos a cos a 9 e cos a -. T(0) si -8p + cos (p - a ) cos a + cos (p - a ) 8-8 * œ p(t - 8) A temperatura do ar às zero horas foi de C. T(0) si p * si p * 8-8 si p 8 - œ ) cos a - cos a cos a A temperatura do ar às 0 horas foi de C. Pág..... T(t) si si Como t å 0,, vem t 6 t. A temperatura foi de C às 6 horas e às horas desse dia. - 8p Portato, p (t - 8) p(t - 8) si Desta forma, temos que D9 T 0, 6. si t k, k åz t + k, k åz Como t å 0,, vem que t. A temperatura máima foi de 6 C e ocorreu às horas. T(t) si si t k, k åz t 6 + k, k åz Como t å 0,, t 6 -. A temperatura míima foi de 0 C e ocorreu às horas. T(t) si si - T(t) si p(t - 8) p(t - 8) p(t - 8) 6p p (t - 8) p(t - 8) p(t - 8) p(t - 8) p + kp, k åz p(t - 8) p p (t - 8) p (t - 8) - si, pelo que - - p + kp, k åz p(t - 8) 0 si p (t - 8) p (t - 8) - p p (t - 8) + kp p + p + kp, k åz 6 6 t k t k, k åz 6 t k t k, k åz t 6 + k t + k, k åz 0 t < -8 t - 8 < 6-8p p(t - 8) 6p t - 8 k, k åz t 8 + k, k åz Como t å 0,, vem t 8 t T t 6 p(t - 8) si - p 6 p(t - 8) kp, k åz A temperatura foi de 8 C às 8 horas e às 0 horas. p 7

19 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO.6. Para q 908, P (908) œ cos 8 œ œ 8. P 8. Trata-se de um quadrado de lado. CEXMA Porto Editora.7. 8 A temperatura foi superior a 8 C etre as 8 horas e as 0 horas. p(t - 0) I(t) 0 + si a) - si p(t - 0) si 7 I(t) I(t) 0 + si p(t - 0) p(t - 0) si p + kp, k åz t k, k åz t 6 + k, k åz Como t å 0,, vem t 6. A temperatura o iterior foi máima às 6 horas. Atededo a que o eterior foi máima às horas temos um desfasameto térmico de horas. b) Recorredo à calculadora gráfica determiou-se a itersecção dos gráficos de T e I. Foram obtidos os seguites resultados: 7,7-8,9 9, 9, h ) 9 h mi p(t - 0) p(t - 0) 0 + A temperatura eterior foi superior à temperatura o iterior durate 9 h mi. œ AB cos q œ AB * cos q AB P(q) * œ cos q P(q) œ cos q œ cos q, c. q. m. Pág.. a) P(q) 8œ œ cos q 8œ b) Como 0 < q < 808, tem-se q, logo, q P(q) 8œ6 œ cos q œ cos q 8 œ6 Œ 8 * 6 cos q * œ cos q * œ cos q œ Como 0 < q, dode q 60. < 90, q 0 q œ. a) Sabedo que tg pretede-se calcular, cos q Tem-se + + tg q cos q Como 0 < q, tem-se cos q < 90 > 0 Portato, q cos Logo, P(q) œ * cos q œ * 0œ. b) Atededo à figura, tem-se: OB œ tg q OB œ tg q Área do losago cos q œ cos q 8œ cos q cos q cos q A(q) * 8œ6 9 AC * OB A(q) œ * œ tg q A(q) tg q Logo, se tg q, A(q) * 6.

20 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. AÔB 60 (o triâgulo AOB é equilátero) Pág... h + 6 h 6-9. h œ7 h œ9 * h œ h œ m ),0 m A BCP CB * GP A(a) 6 cos a cos a 9 * 6 cos a A(a) 0 6 cos a 0 cos a 0 6. Raio da roda + altura do triâgulo ( + œ) m ) 9,0 m. 60 : * 0 O Pedro avaçou um arco de amplitude 0, relativamete à posição iicial, ocupado a posição P' :.6.7 a cos 9 ) 6, a a 8 60 * p * 6 * p a < < cos a p 6 p 6 m ),76 m 0 < 6 cos a 6.6 miutos 0 segudos 0 s 60 0 s 86 * * O Pedro avaçou um arco de circuferêcia de amplitude 7 * 0 +, relativamete à posição P. Logo, o Pedro está um pouco ates de [OA].. a) a 0 Pág. A BCP b) a CP 6 GP GP si 8 CP 6 œ GP œ A BCP 6 * PC * CB CB * GP * œ 6 m 8œ A BCP 8œ m ),6 m.8 A(a) 6 cos a cos a 6 a cos - 6 ; a ) 6,0 08 a < 908 (6, 0 ; ), Para a ) 6 obtém-se um triâgulo de área igual a m.. O gráfico faz lembrar o perfil da motaha. Pág. 6. Recorredo à calculadora gráfica foram obtidos os valores máimo e míimo de f : CEXMA Porto Editora. GPˆC a (são iguais dado que são âgulos agudos de lados paralelos). GP CP cos a GP CP * cos a GP 6 cos a a) P(9,;,6) b),66-8,6 ),7 A difereça etre as altitudes dos potos mais alto e mais baio do perfil da motaha é,7 hm. 9

21 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. Calcularam-se as coordeadas dos potos de itersecção do gráfico de f com a recta de equação y. Obtiveram-se os seguites valores: O Nuo pode ocupar qualquer poto P(, y) da liha do perfil da motaha, tal que 0,, 7, ou,88,, 9,7, pois só assim poderá observar uma asa-delta a voar por cima de si a uma altura costate de hm. 6. a(t) p Pág. 7 - p cos (œ9,8t) a(0) p - p 6 cos (0) p - p 6 p No mometo iicial, a distâcia do cetro da esfera à recta OS é dada por PC sedo C o poto da recta OS tal que o triâgulo [OPC] é rectâgulo em C com CÔP a(0) p. PC OP si p PC œ PC œ a(t) p p - p 6 cos (œ9,8t) p p cos (œ9,8t) A difereça etre os comprimetos dos poteiros é igual Pág. 8 à difereça etre as distâcias das etremidades dos poteiros à barra quado forem eactamete zero horas. Logo, o valor pedido é igual a m(0) - h(0). m(0) cos p 800 * * 7 0,7 h(0) + 0 cos p 600 * * 0, m(0) - h(0),7 -, 0, Como 0, m 0 cm, o poteiro dos miutos tem mais 0 cm do que o poteiro das horas. m(0) - h(0) 0, m 0 cm 7. Pretede-se mostrar que: m(t + 600) m(t) m(t + 600) cos p 800 (t + 600) cos p 800 t + 600p cos p 800 t + p cos p 800 t m(t) Iterpretação: hora 60 * 60 segudos 600 segudos. De hora a hora repete-se a distâcia da etremidade do poteiro dos miutos à barra. 7. A recta AB é paralela à barra os istates em que a distâcia da etremidade do poteiro dos miutos à barra é igual à distâcia da etremidade do poteiro das horas à barra. Trata-se portato de determiar as soluções da equação m(t) h(t) com t å 0, 600. Recorredo à calculadora gráfica obtiveram-se os potos de itersecção dos gráficos de h e m. Foram obtidos os seguites valores: cos (œ9,8t) 0 œ9,8t p + kp, k åz p + kp t œ9,8, k åz O istate em que o cetro da esfera passa pela primeira vez a recta r correspode à solução da equação aterior que se obtém para k 0. p + 0 * p p t œ9,8 * ) 0, œ9,8 Etão, t ) 0, s. Podemos etão cofirmar que, a primeira hora do dia, eistiram dois istates em que h(t) m(t), ou seja, em que a recta AB é paralela à barra. O istate pedido ocorre para t 00 s, ou seja, às 0 h mi 0 s. CEXMA Porto Editora 0

22 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO. Pág u. v i u i * i v i * cos u W v * * cos (808) 6 * (-) -6 u. v i u i * i v i * cos u W v * * cos(08) 6 cos(808-08) -6 cos 08-6 * œ -œ Resposta: (C) 60 : 6 60 * 60 0 DˆFB 08 : 608 O heágoo regular pode ser decomposto em seis triâgulos equiláteros cuja altura é igual à medida do apótema, ou seja œ. i FB i i FD i œ FB. FD i FB i * i FD i * cos FB W FD œ * œ * cos 60 * * 6 a. b i a i * i b i * cos(a W b ) -0 * i b i * cos p - -i b i * cos p PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO -0 * i b i * cos p - p - -i b i * i b i Capítulo u. v - i v i 0 - * -8 i BC i * i BD i * cos BC BC. BD W BD 6 * 6 * cos 60 i p i i q i p. i p i * i q i * cos(p W q q -9 ) -9 * * cos(p, q ) -9 cos( p, q ) - (p W q ) 808 Os vectors p e q têm a mesma orma, a mesma direcção e setidos cotrários. Logo, são simétricos. Etão p + q UQ ' TX UQ. TX 0.. v. u - v v. u - v. v 6 * 8 AB. BA AB. -AB -AB. AB -i AB i - - cos(câb) AC AB Pág. 6 Resposta: (C) cos(câb) CEXMA Porto Editora. 6. i u i k ; i v i k, k år + u. (u - v ) + v. (u + v ). (u - v ) (u - v ) u. u - u. v + v. u - v. v u. i u i - i v u - v. v i Resposta: (C) A(, -); B(, ); C(k, ) AB B - A ( -, + ) (, ) BC C - B (k -, - ) (k -, ) AB ' BC AB. BC 0 7. u ' v u. v 0 Pág. 6 i v i k - (k) k - k -k (, ). (k -, ) 0 k k k.. cos AD W AE cos(câb) AD. AE i AD i * i AE i * cos AD W AE * * u. v œ ; i u i ; i v i cos (u W v u. v ) i u i * i v i cos (u W v ) œ * cos (u W v ) œ i a a i i ' b b i a. b 0 (a + b ). (a - b ) i a i + a. b - i b i * * - (u W v ) p rad a. a - a. b + b. a - b. b

23 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. a (, ); b (, k). u. v i u i * i v i * (-) Pág. 67 a. b (, ). (, k) 6 + k a ' b a. b 0 Resposta: (C) 6. AC. CD (AD + DC ). CD -i CD i AB. AC k 0 k - AD. CD + DC. CD 0 - CD. CD i AB i * 8 i AB i 6 i AB i Resposta: (C) i AB i * i AB i * cos Perímetro i AB i * AC AD + DC AD ' CD i AB i * i AC i * cos AB W AC 8 i AB i i AC i u. v -i u i * i v i u. v < 0 u. v i u i * i v i * cos(u W v ) i u i * i v i i u i * i v i * cos(u W v ) cos u W v Logo, u W v 0. Deste modo, u e v têm a mesma direcção e o mesmo setido. u. v i u i * i v i * cos(u W v ) u. v * * cos(u W v ) u. v cos(u W v ) - cos(u W v ) - cos(u W v ) - u. v cos(u W v ) (u W v ) cos u. v i u i * i v i œ * œ - œ ),78 CEXMA Porto Editora. u (0, ) Pág. 66. v (0, -). a (-, œ). z (-, -). w AB, A (, -), B (, ).6 c u - v (, 0) - (0, -). a ' b a. b 0. i c i 6. e. f * * cos p * (-) -... u. -i u v u. (-u) -u. u i - * - i u i œ0 + i v i œ0 + (-) i a i œ(-) + (œ) œ9 + œ i z i œ(-) + (-) œ + 9 œ AB B - A (, 6) i w i œ + 6 œ0 œ * 0 œ0 (, 0) + (0, 6) (, 6) i c i œ + 6 œ7 i d i œ + œ * œ c W d p ; cos(c W d ) œ c. d 6 * œ * œ u. p œ v * 6 * cos 8 * 6 9œ u. p œ v * œ * cos œ * œ6 9. i u i ; i v i ; u. v Pág u. v + v. w + w. u AC. CB + CB. AB + AB. AC -CA. CB + (-BC ). (-BA ) + AB. AC - CA. CB + BC. BA + AB. AC -0 * 0 * cos * 0 cos * 0 * cos * 0 v. (u + v ) v. u + v. v + i v i + u. (-v + u ) -u. v + 6u. u - * + 6i u i * 8 (u + v ). (u - v ) u. u - u. v + v. u - v. v * + - (u - v ). (u + v ) u. u + u. v - v. u - v. v * u. (u + v ) - v. (u - v ) u. u + u. v - v. u + v. v i u i + i v i + 9 i u + v i - i u - v i (u + v ). (u + v ) - (u - v ). (u - v ) u. u + 6u. v + 6v. u + 9v. v - - u. u + 6u. v + 6v. u - 9v. v u. v * 7 i u i + u. v - i v i i u i - i v i 0. i v i ; (u + v ). (u - v )

24 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora 0. (u + v ). (u - v ) C(, y) com + y r, pois C é um poto da circuferêcia. 0. u. v i u i * i v i * cos(u W v ). (u + v ) 0 i u i + i v i 0 i u i - i v i 0 i u i + i v i 0 i u i 0 + i v i 0 + i v i + i v i 0. A(-, ); B(, -); C(, 0). AB B - A (, -). u. u - u. v + v. u - v. v i u i - i v i i u i - i u i 6 i u i 6 6 * * cos p 0 * (u + v ). (u - v ) 0 u. u - u. v + v. u - v. v 0 i u i - i v i 0 (u + v ). (u + v ) 0 u. u + u. v + v. u + v. v 0 i u i + u. v + i v i 0 i u i - * 0 + i v i 0 ± i v i 0 i v i 0 i v i œ0 AC C - A (6, -) AB. AC cos(ab W AC ) AB. AC AB W AC cos -œ0 8 ) 7,98. ABC W BA W BC BA -AB (-, ) BC C - B (, ) i AB i * i AC 8 i œ + 9 * œ6 + 8 œ * œ0 8 œ0 BA. BC cos(ba W BC ) BA. BC i BA i * i BC - i œ + 9 * œ6 + BA W BC cos -œ - ) 08 u. v -0 - œ. Cosideremos um refe- Pág. 69 recial o.. Oy sedo O o cetro da circuferêcia tal que O cotém o diâmetro [AB] da mesma circuferêcia. Seja r o raio da circuferêcia. Tem-se que: A(- r, 0) e B(r, 0)... Logo, AC AB + BC, c. q. d. Logo, AB. AC a, c. q. m. o âgulo ACB é recto. AC AB + BC, logo, AB AB ' BC. BC 0 6. Pág CA A - C (- - r, -y) CB B - C (- + r, -y) CA. CB (- -r)(- + r) + (-y)(-y) - r + y ( + y ) - r r - r 0 CA. CB 0 CA ' CB ± AC AC i AC i. AC (AB + BC ). (AB + BC ) AB. AB + AB. BC + BC. AB + BC. BC i AB i i BC i AB + BC AB. AC AB. (AB + BC ) AB. AB + AB. BC i AB i + 0 a UV. VA (UH + HV ). VA UH. VA + HV. VA 0 + HV. VA HV. VA, c. q. m. UV. SA SA. SA \\SA SA VA. SU VA. (-US ) -VA. VA (VA US ) -\\VA -VA, c. q. p. 7. A(-,, 0); B(-,, ); C(-, 0, 7) AB B - A (0, -, ) ; BA (0,, -) AC C - A (-, -, 7) BC C - B (-, -, ) (SA UV ) i AB i œ œ0 i AC i œ œ6 i BC i œ œ -VA. US O triâgulo [ABC] é escaleo. + y r

25 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora œ0 * œ œ0 A ˆBC - cos œ0 - O triâgulo [ABC] é obtusâgulo. MN e AB são colieares, sedo AB MN. a - 7 (, -, 6) ou a (, -, 6) 7 a - 6 7, Como a 7, ou a 6 7, - 7, 7 7 tem a terceira coordeada egativa, 0. a (,, 0); b (0, œ, ) 0. a. b * 0 + œ + 0 * œ 0. cos(a W a. b b ) i a i * i b i œ œ œ9 + * œ + œ * œ6 0. cos(câb) cos(ac W AB ) AC. AB CÂB cos cos(a ˆBC) cos( BA W BC ) BA. BC A(,, 0); B(, -, ); C(-, -, 0) - M, -, 0 ; M(-, -, 0) - N, - - AB B - A (, -, ) MN N - M, -, b (, -, 6) - a k b e i a i a k (, -, 6) a (k, -k, 6k) œ6 * œ0 œ60 œ60 ),8 i a i œ(k) + (-k) + (6k) œ9k + k + 6k œ9k 7œk 7 \k \ i a i 7 \k \ \k \ 7 k - 7 k 7 a - 6 7, 7, (a W b ) cos - œ œ78 ) 608, + 0 ; N 0, -, i a - b i \\ (,, 0) - (0, œ, ) \\ \\ (, -œ, -) \\ œ + ( - œ) + (-) œ œ œ. A(, ); B(, -) Pág. 7 M +, - ; M 9, - i AC i * i AB i i BA i * i BC i P(, y) é um poto geérico da mediatriz de [AB]. œ œ78 MP - 9, y + AB (, -) MP. AB 0. A(-, -); B(-, ) P(, y) é um poto geérico da mediatriz de [AB]. y A(, ); B(0, ) P(, y) é um poto geérico da circuferêcia de diâmetro [AB]. AP. BP 0 ( -, y - ). (, y - ) 0 ( - ) + (y - ) (y - ) y - y - y y - - 9y A(-, ); B(, -) P(, y) é um poto geérico da circuferêcia de diâmetro [AB]. AP. BP 0 ( +, y - ). ( -, y + ) 0 ( + ) ( - ) + (y - ) (y + ) y + y - y y + + y - 0. ( - ) + (y - ) 0. T(-, ) (- - ) + ( - ) Cetro da circuferêcia: C(, ) T(-, ) y y - 0 y - 7 y M, MP +, y - AB (-, 7) MP. AB 0 CT (-, ) P(, y) é um poto geérico da recta tagete à circuferêcia o poto T. TP ( +, y - ) TP. CT 0 ( +, y - ). (-, ) y y + y ; M -, y y y +

26 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. AB. AC AB. (AB + BC ) AB. AB + AB. BC i ABi + 0 AB, c. q. m.. Tem-se P(r, s) Q (, 0); Q é um poto de O OP (r, s) PQ ( - r, -s) Como a recta t é tagete à circuferêcia o poto P tem-se que, pelo que OP OP ' PQ. PQ 0 (r, s). ( - r, -s) 0 Como P(r, s) pertece à circuferêcia de cetro a origem e raio, tem-se r + s. Logo, r, c. q. p. r. R(, 0), U(, ) Pág. 7 Como [RS] está cotido o eio O, V tem a abcissa igual à de R e a ordeada igual à de U. Logo, V(, ). M +, 0 + ; M, Recta UM m y - ( - ) y - + y r - r - s 0 r r + s - - (U pertece a UM)... MU, ; i MU i Œ + Œ œ MN, - ; i MN i Œ 6 + œ A MNU NÛM cos- œ * œ 6 UN N - U, 0 - (, ) -, - UM M - U, - (, ) -, - UN. UM + i UN i Œ Œ 6 i UM i Œ + Œ œ cos (NÛM) cos ( UN W UN. UM UM ) + - œ * œ œ ) 6,68 T, - ; C: + y 6 proposição verdadeira, logo o poto T + 9, pertece à circuferêcia..6 P (, y) é um poto geérico da recta t. OT. TP 0, -. -, y y y - i UN i * i UM i CEXMA Porto Editora. Logo, a recta UM, passa a origem, ou seja, passa o cetro da circuferêcia. MU U - M, Como N é um poto de O, N tem coordeadas (, 0) MN N - M -, - MU ' MN MU. MN 0 ( - ) + * Deste modo, temos que N c. q. m., 0, N, 0 ; 0 * - 0 0; N å t U(, ); * - ; U å t Como e, t é a recta NU..7 a) VP U å t N å t. SP 0 defie a circuferêcia de diâmetro [VS]; P(, y) é um poto geérico dessa circuferêcia. V(, ), S(, 0) y - VP. SP 0 ( -, y - ). ( -, y) 0 ( - ) ( - ) + (y - ) y y - y 0 + y - - y + 0

27 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO b) VR. MP 0 defie a mediatriz do segmeto de recta [VR]. P(, y) é um poto geérico dessa mediatriz. V(, ); R(, 0); M, VR. MP 0 (0, -). -, y ( - ) - y - 0 y c) OR. RP 0 defie a recta tagete à circuferêcia C o poto R. R(, 0); P(, y) é um poto dessa recta tagete. OR. RP 0 (, 0). ( -, y) A Outro processo: O triâgulo [BOD] é isósceles (OB OD) BÔD a DˆBO O ˆDB Se Logo, DˆBC * 8 08 BĈD BˆDC ED cos a EO si a CD * EB 80 - (90 + a ) - a a 608, OˆBD ED * (OB * EO). a) Se [OAD] é equilátero tem-se a 60. Pág. 7 b) c) Como D é um poto do círculo trigoométrico, as suas coordeadas são (cos a, si a). Dado que e si 608 tem-se D œ., œ cos 60, B(0, -), C -, œ DB B - D - œ, - - DC C - D (-, 0) DB. DC + 0 DB Œ - + i DC i œ + 0 cos(db W DC ) DB. DC C ˆDB cos - BĈD C ˆDB 78 DˆBC * œ - - ŒŒ + i DB i * i DC i ŒŒ + * ŒŒ + ŒŒ + 78 A cos a ( + si a), c. q. m.. Sedo o triâgulo [DEO] isósceles tem-se ED EO e, cosequetemete a 8. A cos 8 ( + si 8) œ + œ œ +. a) DN si a NA - ON - cos a DA DN + NA d si a + ( - cos a) d si a + + cos a - cos a d (si a + cos a) + - cos a d + - cosa d - cos a, + c. q. m. b) + tg a cos a ; tg a Como 08 a < 908, cos a d - cos a d - * d d Œ œ0 cos a 6 cos a cos a 6 CEXMA Porto Editora 6

28 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO Capítulo CEXMA Porto Editora.... r : y - + y - + Uma recta perpedicular a r tem declive. a : - - y + z - 0 ; a (-, -, ) a é um vector ormal a a. b : - y + z + y - z - 0 ; b (,, -) b é um vector ormal a b. a - b Como a e b são colieares, a b. - z y - y - - z t (-, 0, ) é um vector director de t. Resposta: (C) - z Poto geérico de s : P y (-, y, ) Um vector director de s é da forma s (0, a, 0), com a 0 0. a Sedo y 0 e a -, vem P(-, 0, ) e s (0, -, 0). Pág. 90. Pág. 9 y - z y + z - z - y - z - ( + z) y + z - z - - z y - z + -z yz y - z + - z Logo, a recta r passa o poto A(-,, 0) e tem a direcção do vector r (,, ). Deste modo, tem-se que: Resposta: (C) 6. Observado a figura tem-se P(0,, ) e Q(,, 0). PQ Q - P (,, 0) - (0,, ) (, 0, -) Logo, uma equação vectorial da recta PQ é: 7. P(0, 0, ); Q(0,, 0) r : (, y, z) (-,, 0) + k (-,, ), k år. PQ Q - P (0,, -) - - z y y - z (, y, z) (,, 0) + k (, 0, ), k år. Poto médio de [PQ] : M(0,, ) Seja a o plao mediador de [PQ]. Etão PQ ' a e M å a, logo: a : 0 + y - z + d 0 M å a : * - * + d 0 d 0 a : y - z 0 y z O úico poto que satisfaz a codição y z é o poto A(, 0, 0). 8. Oz: y 0 Pág. 9 + y 0 Logo, (, 0, 6) são as coordeadas do poto de itersecção da recta r com o plao Oz. Outro processo: r : + A(-,, 0) å r e r (, -, ) é um vector director de r. Uma equação vectorial de r é: Seja R um poto geérico de r: Substituido a equação do plao Oz cuja equação é y 0, vem que: Substituido k por em R tem-se: (- + *, -, * ) (, 0, 6) que são as coordeadas do poto pedido. 9. Seja a a medida da aresta do cubo. As coordeadas do poto D são (a, 0, a). Como D pertece ao plao defiido pela equação + y 0 tem-se a a U(,, ) r : (, y, z) (, 0, ) + k (0, 0, ), k år (, 0, ) são as coordeadas do poto T r é a recta que passa em T e tem a direcção do vector r (0, 0, ), ou seja, do eio Oz. A recta r é, assim, a recta PT. Como P é um poto do plao OUV, P é a itersecção da recta PT com aquele plao.. A recta r é defiida por Pág. 9 Logo, (,, 0) é um poto de r, é um vector director dessa recta e r r (0, 0, ) (0, 0, ) é um vector coliear com r. Deste modo, uma equação vectorial de r é: y - - z y - - z yz + z y 0 y 0 z 6 r : (, y, z) (-,, 0) + k (, -, ), k å R R(- + k, - k, k) - k 0 k y z 6 y 0 (, y, z) (,, 0) + k (0, 0, ), k år. 7

29 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora. a : - y + z ; b : + y - 7z 7. A(,, 0); A a pois - + * 0 0 B(, 0, 0); B b pois * C (0, 0, -); C a pois * (-) 0 D(,, 0); D å a pois - + * 0 e D å b dado que * 0 7 se e só se. A codição 0 defie a recta de itersecção dos plaos de equações 0 (plao yoz) e z. z Resposta: (C). defie uma recta com a direcção do vector u z (0, a, 0), com a 0 0, ou seja, paralela ao eio Oy.. A codição y defie uma recta com a direcção Pág. 9 do vector u (0, 0, a), com a 0 0, portato paralela ao eio Oz. 6. r : - y - z - ; r (,, ) s : (, y, z) (,, ) + k (, 0, ), k å R; s (, 0, ) r e s ão são colieares ( 0 0). Logo, r e s ão são paralelas. r. s Logo, r e s ão são perpediculares. r e s são cocorretes porque o poto de coordeadas (,, ) pertece às duas rectas. 7. AB (-, m, ) r : 8. r : Um poto pertece à recta de itersecção de a com b é um poto que pertece a a e a b. r (,, -) Se AB e r são rectas paralelas etão colieares, ou seja, o AB kr AB e r, k år. (-, m, ) k (,, -) - k m k -k Logo, m -. são vectores Se r e s são rectas coicidetes, todo o poto de r é poto de s. Em particular o poto A(,, 0) que pertece a r terá que pertecer a s: y - - Resposta: (C) y - z - z ; s : k y z k 9. a : - y + z + Pág. 9 0; a (, -, ) ' a b : + y + z + 0; b (,, ) ' b 0 -. y - k - m - z - k k a e b ão são colieares Logo, a e b ão são paralelos.. a b * - * + * 0 0. Logo, a e b ão são perpediculares. Os plaos a e b são cocorretes ão perpediculares. Resposta: (C) 0. a : + y ; u (,, 0) ' a. a : + y 0; u (,, 0) ' a a a b : - + y - z ; v (-,, -) ' b b : + y + z ; v (,, ) ' b v. v ± b ão é perpedicular a b c : - y 0; w (, -, 0) ' c c : z 0; w (0, 0, ) ' c w. w 0 ± c ' c Resposta: (C) a : + y - z - 0 Se b é paralelo a a etão b : + y - z + d 0. Como (0,, ) å b, vem que: 0 + * - + d 0 d 0 b : + y - z y + z 0 Resposta: (C). r : (, y, z) (0,, ) + k (, 0, -), k år r (, 0, -) é um vector director de r Oy : z 0; k é ormal a Oy Oz : y 0; j (0, 0, ); k é ormal a Oz yoz : 0; i (0,, 0); j (, 0, 0); i é ormal a yoz r. j (, 0, -). (0,, 0) 0 r. j 0 ± r Oz. Se a e b são estritamete paralelos, Pág. 96 dada uma recta cotida em a, eistem em b uma ifiidade de rectas que lhe são paralelas.. a : + y + z ; a (,, ) é um vector ormal a a r : y z; r (,, ) é um vector director de r é coliear com a r ± r a Logo, a recta r é perpedicular a a.. a : - z ; a (, 0, -) é ormal a a r : y tem a direcção da recta r z ; r (,, ) P(0,, ) Substituido as coordeadas de P a equação de a (0-0 ) verifica-se que P a. Substituido as coordeadas de P as equações de r 0 0 verifica-se que P r.. a r (, 0, -). (,, ) a r 0, a ' r Como pelo que a recta r é paralela a a. Resposta: (C) 8

30 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora 6. r : y - z Pág. 97. P(, 0, 0) r (,, 0) é um vector director de r k (0, 0, ) é um vector director do eio Oz r. k 0 ± r é perpedicular ao eio Oz ± r é paralela ao plao Oy 7. a : + y ; a (,, 0) é ormal a a Oy : z 0; k (0, 0, ) é ormal a Oy. a k 0 ± a ' k ± a ' Oy 8. a : + y + z 0; a (,, ) é um vector ormal a a r : y - z é um vector director de r m ; r (,, m) a r a ' r a. r 0 9. a : EAD b : ABC a ' b (,, ). (,, m) m 0 m - BG é paralela a a e ão é paralela a b (a opção (A) é falsa). FE é perpedicular a a e FE ão é perpedicular a b (a opção (C) é falsa). FA é perpedicular à itersecção de a com b e ão é perpedicular a b (a opção (D) é falsa). 0. Todos as rectas passam o poto de Pág. 98 coordeadas (,, ) do.8 octate (, y, z) (,, ) + k (, 0, 0), k år Recta paralela ao eio O. Itersecta apeas o plao yoz. (, y, z) (,, ) + k (0,, 0), k år Recta paralela ao eio Oy. Itersecta apeas o plao Oz. (, y, z) (,, ) + k (,, 0), k år Recta perpedicular ao eio Oz. Não itersecta o plao Oy. Q(0,, 0) R(0, 0, ) Vector ormal ao plao PQR : (a, b, c) QP (, -, 0) QR (0, -, ). QP 0. QR 0 (a, b, c). (, -, 0) 0 (a, b, c). (0, -, ) 0 Todo o vector da família (b, b, b), com b 0 0 é ormal ao plao PQR. Em particular, para b, obtém-se o vector (,, ) ormal ao plao PQR. - y - z - defie uma recta r sedo r (,, ) um vector director. Logo, r Y PQR. Resposta: (C). O eio O é perpedicular ao plao yoz. Toda a recta perpedicular ao plao yoz é paralela ao eio O.. Se r e s são perpediculares a um mesmo plao a, etão r s. Resposta: (C). Oz : y 0; j (0,, 0) é um vector ormal Pág. 99 ao plao Oz. Para que a seja perpedicular a Oz terá que ser, sedo. a j 0 a um vector ormal a a. a : z + - z + 0; a (, 0, -) Logo, a é perpedicular a Oz.. O sistema a. j (, 0, -). (0,, 0) 0 defie a itersecção de uma recta com um plao. Como a recta é perpedicular ao plao (o vector director da recta r (,, ) é ormal ao plao) a itersecção é um poto. 6. Uma superfície esférica de cetro em C(, 0, 0) é tagete ao plao yoz se tiver raio igual à abcissa do cetro, ou seja, r. Logo, ( - ) + y + z, defie uma superfície esférica tagete ao plao yoz. Resposta: (C) 7. Uma esfera de cetro o poto C(,, ) é tagete ao plao Oy se o seu raio r for igual à cota de C, ou seja, r. Logo, uma codição que defie a esfera é ( - ) + (y - ) + (z - ) a b c b + y + z y z a - b 0 -b + c 0 9

31 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO CEXMA Porto Editora 8. Para que a superfície esférica seja tagete aos plaos de equações z e z, a cota do cetro da superfície esférica terá que ser z 0 + ; - o raio terá que ser. Logo + y + (z - ) é uma possível solução. Resposta: (C) 9. Se a superfície esférica é tagete ao plao de equação Pág. 00 y 0, o seu raio terá que ser igual ao valor absoluto da ordeada do cetro, o que só se verifica a opção (A): ( - ) + (y - ) + z com C(,, 0) e r. Como a distâcia do cetro C ao plao de equação é igual a \ - \ r, esta superfície esférica é tagete ao plao de equação. 0. O cetro da superfície esférica E : + (y - ) + z é o poto C(0,, 0) e o raio é. Como a distâcia de C ao plao de equação y é \ - \ raio, a superfície esférica é tagete ao plao a. Logo, a itersecção de E com a é um poto. Outro processo: + (y - ) + z y + (y - ) + z y (Este sistema defie a itersecção de E com o plao a) + + z y + y 0 y (, y, z) (0, 0, ) (0, 0, ) são as coordeadas do poto de itersecção da superfície esférica E com o plao a.. ( - ) + (y - ) + (z - ) y defie a itersecção da superfície esférica de cetro C(,, ) e raio com o plao de equação y que passa o cetro de C (este poto tem-se y). Logo, a itersecção é uma circuferêcia de raio.. ( - ) + (y - ) + (z - ) defie uma superfície esférica S de cetro C(,, ) e raio œ. Um plao de equação a itersecta esta superfície esférica se - œ a + œ. Das hipóteses apresetadas apeas - œ + œ. Resposta: (C). Raio da circuferêcia de perímetro 8 p: pr 8p r 8p r p Atededo a que o triâgulo [OBC] é rectâgulo em C tem-se OB +, ou seja, r. Podemos cocluir que a equação da superfície esférica é + y + z. Resposta: (C) 0 y 0 y. A itersecção da esfera defiida pela codição Pág. 0 + y + z (cetro a origem e raio ) com o plao de equação z é um círculo de raio r. Tem-se que:. As superfícies esféricas têm o mesmo cetro e raios diferetes pelo que ão se itersectam. 6. Trata-se de duas superfícies esféricas de cetros C (0,, 0) e C (0,, 0) com o mesmo raio igual a œ. Como a distâcia etre os cetros é iferior à soma dos raios, pois C C e < œ, a itersecção das duas superfícies esféricas é uma circuferêcia. 7. E : ( - ) + (y - ) + (z - ) 6 defie a esfera de cetro C(,, ) e raio 6. Dado que a recta r passa o cetro da esfera, a itersecção é um segmeto de recta cujo comprimeto é igual ao diâmetro da esfera, ou seja,. Resposta: (C) 8. ( - ) + (y - ) + (z - ) Pág. 0 Cetro da esfera : C (,, ) A(,, ) 9. E : + (y - 7) + z 9 0. r + r A círculo p * r p * 9p r : (, y, z) (,, ) + k (-, 0, ), k år AC C - A (,, ) B C + AC (,, ) + (,, ) (,, 7) A esfera tem raio e cetro sobre o eio Oy o poto C (0, 7, 0). Logo, E itersecta Oy em dois potos: A(0,, 0) e B(0, 0, 0) pois 7 - e a : + y - z b : + y - z Os plaos a e b são estritamete paralelos. A itersecção de a com b é o cojuto vazio. 0

32 EXERCÍCIOS DE MATEMÁTICA A. ANO PROPOSTAS DE RESOLUÇÃO CAPÍTULO. A(, 0); B(, ); AB é a recta paralela a Oy de equação. CD D - C (0, ) - (, ) (-, -) CB B - C (, ) - (, ) (, -) cos (CD W CD. CB CB ) i CD i * i CD i œ + * œ + DĈB cos- - ) 78 OB (, ) Declive de OB : OC (, ) Declive de OC: Sedo a a icliação de OC, tem-se a tg - ) 6, 8. tg a, dode. Pág y - + y -0 Logo B(, -0).. A codição BP. BC 0 defie a recta perpedicular à recta BC que passa o poto B. Como a recta BC é paralela ao eio O (é a recta de equação y ) e o triâgulo [ABC] é equilátero, vem que: m AB tg 608 œ m AC tg ( ) Recta AB Recta AC -tg (608) -œ m AB œ; B (, ) y - œ ( - ) y œ - œ + m AC -œ; C(-, ) y - -œ ( + ) y -œ - œ + O poto A é a itersecção das rectas AC e AB. Logo, as suas coordeadas são a solução do sistema: y œ - œ + y - œ - œ - CEXMA Porto Editora C ˆBA 0 (âgulo itero do heágoo) Icliação da recta BC :608 Icliação da recta FB : Icliaç ~ ao da recta EC : 08 ( EC FB). O poto B é a itersecção da recta AB com a recta BC. Recta AB AC C - A (0, ) - (-, 0) (, ) m AC Como AB ' AC, m AB - A(-, 0) é um poto da recta AB. AB : y ( + ) y - - Recta BC m BC tg ( ) - C(0, ); é a ordeada a origem. BC : y - + Itersecçao das rectas AB e BC : y - - y y - +. A(, 0, 0); B(0,, ) Pág. 0 p : + y - z + * 0-0 proposição verdadeira; A å p 0 + * - proposição verdadeira; B å p Como A å p e B å p, a recta AB está cotida o plao p.. C(0, 0, z), z > 0 AC C - A (-, 0, z) BC C - B (0, -, z - ) AC ' BC AC. BC 0 z Logo, C(0, 0, ). (-, 0, z). (0, -, z - ) z (z - ) 0 z 0 z. Raio da base: R b OB Altura do coe: h OA œ + œ0 Volume do coe: V * p œ0 * 0p Logo, o volume do coe é 0p z > 0 u.v.

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

COLÉGIO ANCHIETA-BA. ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. RESOLUÇÃO: PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Questão 0. (UDESC) A AVALIAÇÃO DE MATEMÁTICA DA UNIDADE I-0 COLÉGIO ANCHIETA-BA ELABORAÇÃO: PROF. ADRIANO CARIBÉ e WALTER PORTO. PROFA, MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Um professor de matemática, após corrigir

Leia mais

somente um valor da variável y para cada valor de variável x.

somente um valor da variável y para cada valor de variável x. Notas de Aula: Revisão de fuções e geometria aalítica REVISÃO DE FUNÇÕES Fução como regra ou correspodêcia Defiição : Uma fução f é uma regra ou uma correspodêcia que faz associar um e somete um valor

Leia mais

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

+... + a k. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : cojuto dos úmeros aturais; = {,,, } : cojuto dos úmeros iteiros : cojuto dos úmeros racioais : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i: uidade imagiária, i = z: módulo

Leia mais

( ) 4. Novo Espaço Matemática A 12.º ano Proposta de Teste de Avaliação [maio 2015] GRUPO I. f x

( ) 4. Novo Espaço Matemática A 12.º ano Proposta de Teste de Avaliação [maio 2015] GRUPO I. f x Novo Espaço Matemática A º ao Proposta de Teste de Avaliação [maio 05] Nome: Ao / Turma: Nº: Data: - - GRUPO I Os sete ites deste grupo são de escolha múltipla Em cada um deles, são idicadas quatro opções,

Leia mais

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt:

1.1 Comecemos por determinar a distribuição de representantes por aplicação do método de Hondt: Proposta de Resolução do Exame de Matemática Aplicada às Ciêcias Sociais Cód. 835-2ª 1ª Fase 2014 1.1 Comecemos por determiar a distribuição de represetates por aplicação do método de Hodt: Divisores PARTIDOS

Leia mais

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries

Departamento de Matemática - Universidade de Coimbra. Mestrado Integrado em Engenharia Civil. Capítulo 1: Sucessões e séries Departameto de Matemática - Uiversidade de Coimbra Mestrado Itegrado em Egeharia Civil Exercícios Teórico-Práticos 200/20 Capítulo : Sucessões e séries. Liste os primeiros cico termos de cada uma das sucessões

Leia mais

CPV seu Pé Direito no INSPER

CPV seu Pé Direito no INSPER CPV seu Pé Direito o INSPE INSPE esolvida /ovembro/0 Prova A (Marrom) MATEMÁTICA 7. Cosidere o quadrilátero coveo ABCD mostrado a figura, em que AB = cm, AD = cm e m(^a) = 90º. 8. No plao cartesiao da

Leia mais

Duração: 90 minutos 5º Teste, Junho Nome Nº T:

Duração: 90 minutos 5º Teste, Junho Nome Nº T: Escola Secudária Dr. Âgelo Augusto da Silva Teste de MATEMÁTICA A 11º Ao Duração: 90 miutos 5º Teste, Juho 006 Nome Nº T: Classificação O Prof. (Luís Abreu) 1ª PARTE Para cada uma das seguites questões

Leia mais

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A

Questão 11. Questão 13. Questão 12. Questão 14. alternativa B. alternativa E. alternativa A Questão Em uma pesquisa, foram cosultados 00 cosumidores sobre sua satisfação em relação a uma certa marca de sabão em pó. Cada cosumidor deu uma ota de 0 a 0 para o produto, e a média fial das otas foi

Leia mais

Aula 10 Triângulo Retângulo

Aula 10 Triângulo Retângulo Aula 10 Triângulo Retângulo Projeção ortogonal Em um plano, consideremos um ponto e uma reta. Chama-se projeção ortogonal desse ponto sobre essa reta o pé da perpendicular traçada do ponto à reta. Na figura,

Leia mais

Matemática A. Versão 1. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A.

Matemática A. Versão 1. Na sua folha de respostas, indique de forma legível a versão do teste. Teste Intermédio de Matemática A. Teste Itermédio de Matemática A Versão Teste Itermédio Matemática A Versão Duração do Teste: 90 miutos 6.05.0.º Ao de Escolaridade Decreto-Lei.º 74/004, de 6 de Março Na sua folha de respostas, idique

Leia mais

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas

Aula 12 Áreas de Superfícies Planas MODULO 1 - AULA 1 Aula 1 Áreas de Superfícies Planas Superfície de um polígono é a reunião do polígono com o seu interior. A figura mostra uma superfície retangular. Área de uma superfície é um número

Leia mais

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab.

Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito. Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso a medida ab. MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL Avaliação 1 - MA13-2015.2 - Gabarito Questão 01 [ 2,00 pts ] Sendo dados os segmentos de medidas a e b, descreva como construir com régua e compasso

Leia mais

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO:

Prova 3 Matemática ... GABARITO 1 NOME DO CANDIDATO: Prova 3 QUESTÕES OBJETIIVAS N ọ DE ORDEM: NOME DO CANDIDATO: N ọ DE INSCRIÇÃO: IINSTRUÇÕES PARA A REALIIZAÇÃO DA PROVA. Cofira os campos N ọ DE ORDEM, N ọ DE INSCRIÇÃO e NOME, que costam da etiqueta fixada

Leia mais

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO

37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 (Ensino Médio) GABARITO 37ª OLIMPÍADA BRASILEIRA DE MATEMÁTICA PRIMEIRA FASE NÍVEL 3 Esio Médio) GABARITO GABARITO NÍVEL 3 ) B ) A ) B ) D ) C ) B 7) C ) C 7) B ) C 3) D 8) E 3) A 8) E 3) A ) C 9) B ) B 9) B ) C ) E 0) D ) A

Leia mais

Problema de Fluxo de Custo Mínimo

Problema de Fluxo de Custo Mínimo Problema de Fluo de Custo Míimo The Miimum Cost Flow Problem Ferado Nogueira Fluo de Custo Míimo O Problema de Fluo de Custo Míimo (The Miimum Cost Flow Problem) Este problema possui papel pricipal etre

Leia mais

(Exames Nacionais 2000)

(Exames Nacionais 2000) (Eames Nacionais 000) 1.a) Seja [ABC] um triângulo O ângulo, assinalado na figura, tem o seu vértice no centro isósceles em que BA = BC. Seja α da Terra; o seu lado origem passa no perigeu, o seu lado

Leia mais

MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III

MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III MATEMÁTICA II LISTA DE GEOMETRIA PLANA - III 0 Dois círculos de centros A e B são tangentes exteriormente e tangenciam interiormente um círculo de centro C. Se AB = cm, AC = 7 cm e BC = 3 cm, então o raio

Leia mais

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x.

Definição 1.1: Uma equação diferencial ordinária é uma. y ) = 0, envolvendo uma função incógnita y = y( x) e algumas das suas derivadas em ordem a x. 4. EQUAÇÕES DIFERENCIAIS 4.: Defiição e coceitos básicos Defiição.: Uma equação diferecial ordiária é uma dy d y equação da forma f,,,, y = 0 ou d d ( ) f (, y, y,, y ) = 0, evolvedo uma fução icógita

Leia mais

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia.

26/11/2000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR PROVA 2 MATEMÁTICA. Prova resolvida pela Profª Maria Antônia Conceição Gouveia. 6//000 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO VESTIBULAR 00- PROVA MATEMÁTICA Prova resolvida pela Profª Maria Atôia Coceição Gouveia RESPONDA ÀS QUESTÕES A SEGUIR, JUSTIFICANDO SUAS SOLUÇÕES QUESTÃO A

Leia mais

01 Um triângulo isósceles tem os lados congruentes medindo 5 cm, a base medindo 8 cm. A distância entre o seu baricentro é, aproximadamente, igual a:

01 Um triângulo isósceles tem os lados congruentes medindo 5 cm, a base medindo 8 cm. A distância entre o seu baricentro é, aproximadamente, igual a: 01 Um triâgulo isósceles tem os lados cogruetes medido 5 cm, a base medido 8 cm. A distâcia etre o seu baricetro é, aproximadamete, igual a: (A) 0,1cm (B) 0,3cm (C) 0,5cm (D) 0,7cm (E) 0,9cm 02 2 2 5 3

Leia mais

QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. Prova 3 Matemática QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 4

QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. Prova 3 Matemática QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 4 Prova QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA UEM Comissão Cetral do Vestibular Uificado MATEMÁTICA 0 Seja f ( ) log ( ) + log uma fução

Leia mais

QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. Prova 3 Matemática QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2

QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA. Prova 3 Matemática QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 2 Prova QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE MATEMÁTICA UEM Comissão Cetral do Vestibular Uificado GABARITO MATEMÁTICA 0 Na figura a seguir, esboçamos

Leia mais

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%)

94 (8,97%) 69 (6,58%) 104 (9,92%) 101 (9,64%) 22 (2,10%) 36 (3,44%) 115 (10,97%) 77 (7,35%) 39 (3,72%) 78 (7,44%) 103 (9,83%) Probabilidade 10 (0,95%) Distribuição das.08 Questões do I T A 9 (8,97%) 0 (9,9%) 69 (6,58%) Equações Irracionais 09 (0,86%) Equações Exponenciais (, 0 (9,6%) Geo. Analítica Conjuntos (,96%) Geo. Espacial Funções Binômio de Newton

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTIA A º Ao Dração: 9 mitos Dezembro/ lassificação Nome Nº T: O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos

Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Universidade Federal do Rio de Janeiro INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Métodos Matemáticos Gabarito da a Prova de Geometria I - Matemática - Monica 9/05/015 1 a Questão: (4,5 pontos) (solução na

Leia mais

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2014 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA

RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 2014 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA RESOLUÇÃO DA PROVA DE MATEMÁTICA DO VESTIBULAR 014 DA FUVEST-FASE 1. POR PROFA. MARIA ANTÔNIA C. GOUVEIA Q ) Um apostador ganhou um premio de R$ 1.000.000,00 na loteria e decidiu investir parte do valor

Leia mais

Capitulo 6 Resolução de Exercícios

Capitulo 6 Resolução de Exercícios FORMULÁRIO Cojutos Equivaletes o Regime de Juros Simples./Vecimeto Comum. Descoto Racioal ou Por Detro C1 C2 Cm C1 C2 C...... 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 i 1 2 m 1 2 m C Ck 1 i 1 i k1 Descoto Por Fora ou Comercial

Leia mais

UNIVERSIDADE DA MADEIRA

UNIVERSIDADE DA MADEIRA Biofísica UNIVERSIDADE DA MADEIRA P9:Lei de Sell. Objetivos Verificar o deslocameto lateral de um feixe de luz LASER uma lâmia de faces paralelas. Verificação do âgulo critico e reflexão total. Determiação

Leia mais

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu

Faculdade de Engenharia Investigação Operacional. Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu Programação Diâmica Aula 3: Programação Diâmica Programação Diâmica Determiística; e Programação Diâmica Probabilística. Programação Diâmica O que é a Programação Diâmica? A Programação Diâmica é uma técica

Leia mais

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA

APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA APONTAMENTOS DE ÁLGEBRA LINEAR E GEOMETRIA ANALÍTICA (III ) ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL Ídice Itrodução Aplicação do cálculo matricial aos

Leia mais

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas.

onde d, u, v são inteiros não nulos, com u v, mdc(u, v) = 1 e u e v de paridades distintas. !"$# &%$" ')( * +-,$. /-0 3$4 5 6$7 8:9)$;$< =8:< > Deomiaremos equação diofatia (em homeagem ao matemático grego Diofato de Aleadria) uma equação em úmeros iteiros. Nosso objetivo será estudar dois tipos

Leia mais

Prof. Luiz Carlos Moreira Santos. Questão 01)

Prof. Luiz Carlos Moreira Santos. Questão 01) Questão 01) A figura abaixo representa o perfil de uma escada cujos degraus têm todos a mesma extensão (vide figura), além de mesma altura. Se AB = m e BCA mede 0º, então a medida da extensão de cada degrau

Leia mais

Exercícios de Matemática Polinômios

Exercícios de Matemática Polinômios Exercícios de Matemática Poliômios ) (ITA-977) Se P(x) é um poliômio do 5º grau que satisfaz as codições = P() = P() = P(3) = P(4) = P(5) e P(6) = 0, etão temos: a) P(0) = 4 b) P(0) = 3 c) P(0) = 9 d)

Leia mais

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II

MOMENTOS DE INÉRCIA. Física Aplicada à Engenharia Civil II Física Aplicada à Egeharia Civil MOMENTOS DE NÉRCA Neste capítulo pretede-se itroduzir o coceito de mometo de iércia, em especial quado aplicado para o caso de superfícies plaas. Este documeto, costitui

Leia mais

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva. Teste de MATEMÁTICA A 12º Ano. Duração: 90 minutos Março/ Nome Nº T:

Escola Básica e Secundária Dr. Ângelo Augusto da Silva. Teste de MATEMÁTICA A 12º Ano. Duração: 90 minutos Março/ Nome Nº T: Escola Básica e Secdária Dr. Âgelo Agsto da Silva Teste de MATEMÁTICA A º Ao Dração: 9 mitos Março/ Nome Nº T: Classificação O Prof. (Lís Abre) ª PARTE Para cada ma das segites qestões de escolha múltipla,

Leia mais

NOTAÇÕES. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são os cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são os cartesianos retangulares. R C : cojuto dos úmeros reais : cojuto dos úmeros complexos i : uidade imagiária: i2 = 1 z Re(z) Im(z) det A : módulo do úmero z E C : parte real do úmero z E C : parte imagiária do úmero z E C : determiate

Leia mais

CM127 - Lista 3. Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis. 1. Faça todos os exercícios dados em aula.

CM127 - Lista 3. Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis. 1. Faça todos os exercícios dados em aula. CM127 - Lista 3 Axioma da Paralelas e Quadriláteros Notáveis 1. Faça todos os exercícios dados em aula. 2. Determine as medidas x e y dos ângulos dos triângulos nos itens abaixo 3. Dizemos que um triângulo

Leia mais

Aula 5 Quadriláteros Notáveis

Aula 5 Quadriláteros Notáveis Aula 5 Quadriláteros Notáveis Paralelogramo Definição: É o quadrilátero convexo que possui os lados opostos paralelos. A figura mostra um paralelogramo ABCD. Teorema 1: Se ABCD é um paralelogramo, então:

Leia mais

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN

Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Soluções das Questões de Matemática do Processo Seletivo de Admissão ao Colégio Naval PSACN Questão Concurso 00 Seja ABC um triângulo com lados AB 5, AC e BC 8. Seja P um ponto sobre o lado AC, tal que

Leia mais

DIDÁTIKA - RESOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS EXTRAS

DIDÁTIKA - RESOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS EXTRAS DIDÁTIKA - RESOLUÇÕES DOS EXERCÍCIOS EXTRAS 01. Na figura, ABCD é um quadrado e ADE é um triângulo retângulo em E. Se P é o centro do quadrado, prove que a semirreta EP é a bissetriz do ângulo AED. Resolução.

Leia mais

r a t (I), ht rs (II) e (III) r s t r a

r a t (I), ht rs (II) e (III) r s t r a 01 De T 1 e T 3, temos: a h r s h r a t (I), ht rs (II) e (III) r s t r a De T e T 3, temos: h b s s b s b t (IV) e (V) r s t r h De (III) e (V): b h h a b (VI) h a Somando (I) e (IV) temos: r s at bt

Leia mais

Demonstrações especiais

Demonstrações especiais Os fudametos da Física Volume 3 Meu Demostrações especiais a ) RLAÇÃO NTR próx. e sup. osidere um codutor eletrizado e em equilíbrio eletrostático. Seja P sup. um poto da superfície e P próx. um poto extero

Leia mais

MATEMÁTICA CADERNO 3 CURSO E. FRENTE 1 Álgebra. n Módulo 11 Módulo de um Número Real. 5) I) x + 1 = 0 x = 1 II) 2x 7 + x + 1 0

MATEMÁTICA CADERNO 3 CURSO E. FRENTE 1 Álgebra. n Módulo 11 Módulo de um Número Real. 5) I) x + 1 = 0 x = 1 II) 2x 7 + x + 1 0 MATEMÁTICA CADERNO CURSO E ) I) + 0 II) 7 + + 0 FRENTE Álgebra n Módulo Módulo de um Número Real ) 6 + < não tem solução, pois a 0, a ) A igualdade +, com + 0, é verificada para: ọ ) + 0 ou ọ ) + + + +

Leia mais

TC DE MATEMÁTICA (REVISÃO) / 3ª SÉRIE E EXTENSIVO. PROFESSOR Fabrício Maia ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO:

TC DE MATEMÁTICA (REVISÃO) / 3ª SÉRIE E EXTENSIVO. PROFESSOR Fabrício Maia ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGIO: TC DE MATEMÁTCA (REVSÃO) / ª SÉRE E EXTENSVO PROESSOR abrício Maia ALUNO(A): Nº TURMA: TURNO: DATA: / / COLÉGO: OSG 98/0. Os valores de b para os quais a parábola y + b tem um úico poto em comum com a

Leia mais

Resposta: L π 4 L π 8

Resposta: L π 4 L π 8 . A figura a seguir ilustra as três primeiras etapas da divisão de um quadrado de lado L em quadrados meores, com um círculo iscrito em cada um deles. Sabedo-se que o úmero de círculos em cada etapa cresce

Leia mais

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan

Aula 2 - POT - Teoria dos Números - Fabio E. Brochero Martinez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldanha Eduardo Tengan Aula - POT - Teoria dos Números - Nível III - Pricípios Fabio E. Brochero Martiez Carlos Gustavo T. de A. Moreira Nicolau C. Saldaha Eduardo Tega de Julho de 01 Pricípios Nesta aula apresetaremos algus

Leia mais

GEOMETRIA BÁSICA GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 18/11/2010

GEOMETRIA BÁSICA GGM00161-TURMA M2. Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 18/11/2010 GEOMETRIA BÁSICA 200-2 GGM006-TURMA M2 Dirce Uesu Pesco Geometria Espacial 8//200 Defiição : PRISMA Cosidere dois plaos paralelos α e β e um segmeto de reta PQ, cuja reta suporte r itercepta o plao α.

Leia mais

TEOREMA DE CEVA E MENELAUS. Teorema 1 (Teorema de Ceva). Sejam AD, BE e CF três cevianas do triângulo ABC, conforme a figura abaixo.

TEOREMA DE CEVA E MENELAUS. Teorema 1 (Teorema de Ceva). Sejam AD, BE e CF três cevianas do triângulo ABC, conforme a figura abaixo. TEOREMA DE CEVA E MENELAUS Definição 1. A ceviana de um triângulo é qualquer segmento de reta que une um dos vértices do triângulo a um ponto pertencente à reta suporte do lado oposto a este vértice. Teorema

Leia mais

QUESTÕES ÁREAS DE POLÍGONOS

QUESTÕES ÁREAS DE POLÍGONOS QUESTÕES ÁREAS DE POLÍGONOS 1. (Unicamp 014) O perímetro de um triângulo retângulo é igual a 6,0 m e as medidas dos lados estão em progressão aritmética (PA). A área desse triângulo é igual a a),0 m. b),0

Leia mais

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é:

Matemática. Resolução das atividades complementares. M10 Progressões. 1 (UFBA) A soma dos 3 o e 4 o termos da seqüência abaixo é: Resolução das atividades complemetares Matemática M0 Progressões p. 46 (UFBA) A soma dos o e 4 o termos da seqüêcia abaio é: a 8 * a 8 ( )? a, IN a) 6 c) 0 e) 6 b) 8 d) 8 a 8 * a 8 ( )? a, IN a 8 ()? a

Leia mais

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01

Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 Atividade 01 Ponto, reta e segmento 01 1. Crie dois pontos livres. Movimente-os. 2. Construa uma reta passando por estes dois pontos. 3. Construa mais dois pontos livres em qualquer lugar da tela, e o

Leia mais

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA

5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.1- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA 5- CÁLCULO APROXIMADO DE INTEGRAIS 5.- INTEGRAÇÃO NUMÉRICA Itegrar umericamete uma fução y f() um dado itervalo [a, b] é itegrar um poliômio P () que aproime f() o dado itervalo. Em particular, se y f()

Leia mais

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA

MÓDULO 25. Geometria Plana I. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias MATEMÁTICA MÓDULO 5 Geometria Plana I. Mostre que o ângulo inscrito em uma circunferência é a metade do ângulo central correspondente. 1. (MAM-Mathematical

Leia mais

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo.

a taxa de juros i está expressa na forma unitária; o período de tempo n e a taxa de juros i devem estar na mesma unidade de tempo. UFSC CFM DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA MTM 5151 MATEMÁTICA FINACEIRA I PROF. FERNANDO GUERRA. UNIDADE 3 JUROS COMPOSTOS Capitalização composta. É aquela em que a taxa de juros icide sempre sobre o capital

Leia mais

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES

CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES B3 CIRCUNFERÊNCIA E POLÍGONOS. ROTAÇÕES Circunferência Circunferência é um conjunto de pontos do plano situados à mesma distância de um ponto fixo (centro). Corda é um segmento de recta cujos extremos

Leia mais

NOME :... NÚMERO :... TURMA :...

NOME :... NÚMERO :... TURMA :... 1 TERCEIRA SÉRIE ENSINO MÉDIO INTEGRADO Relações métricas envolvendo a circunferência Prof. Rogério Rodrigues NOME :... NÚMERO :... TURMA :... X - RELAÇÕES MÉTRICAS NO DISCO (Potência de Ponto) X.1) Relação

Leia mais

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2

Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciência da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2 Faculdade Campo Limpo Paulista Mestrado em Ciêcia da Computação Complexidade de Algoritmos Avaliação 2. (2,0): Resolva a seguite relação de recorrêcia. T() = T( ) + 3 T() = 3 Pelo método iterativo progressivo.

Leia mais

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos

Análise de Projectos ESAPL / IPVC. Critérios de Valorização e Selecção de Investimentos. Métodos Estáticos Aálise de Projectos ESAPL / IPVC Critérios de Valorização e Selecção de Ivestimetos. Métodos Estáticos Como escolher ivestimetos? Desde sempre que o homem teve ecessidade de ecotrar métodos racioais para

Leia mais

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a

1 B 1 Dado z = ( 1 + 3 i), então z n é igual a MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números naturais : conjunto dos números inteiros : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária:

Leia mais

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E

Lista 1. Sistema cartesiano ortogonal. 1. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E Sistema cartesiano ortogonal Lista. Observe a figura e determine os pontos, ou seja, dê suas coordenadas: a) A b) B c) C d) D e) E. Marque num sistema de coordenadas cartesianas ortogonais os pontos: a)

Leia mais

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples.

1. Objetivo: determinar as tensões normais nas seções transversais de uma viga sujeita a flexão pura e flexão simples. FACULDADES NTEGRADAS ENSTEN DE LMERA Curso de Graduação em Egeharia Civil Resistêcia dos Materiais - 0 Prof. José Atoio Schiavo, MSc. NOTAS DE AULA Aula : Flexão Pura e Flexão Simples. Objetivo: determiar

Leia mais

NOTAÇÕES. denota o segmento que une os pontos A e B. In x denota o logarítmo natural de x. A t denota a matriz transposta da matriz A.

NOTAÇÕES. denota o segmento que une os pontos A e B. In x denota o logarítmo natural de x. A t denota a matriz transposta da matriz A. MATEMÁTICA NOTAÇÕES é o cojuto dos úmeros compleos. é o cojuto dos úmeros reais. = {,,, } i deota a uidade imagiária, ou seja, i =. Z é o cojugado do úmero compleo Z Se X é um cojuto, PX) deota o cojuto

Leia mais

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 2 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista - Itrodução à Probabilidade e Estatística Modelo Probabilístico experimeto. Que eveto represeta ( =1 E )? 1 Uma ura cotém 3 bolas, uma vermelha, uma verde e uma azul.

Leia mais

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C

TIPO DE PROVA: A. Questão 1. Questão 4. Questão 2. Questão 3. alternativa D. alternativa A. alternativa D. alternativa C Questão TIPO DE PROVA: A Se a circunferência de um círculo tiver o seu comprimento aumentado de 00%, a área do círculo ficará aumentada de: a) 00% d) 00% b) 400% e) 00% c) 50% Aumentando o comprimento

Leia mais

CM127 - Lista Mostre que os pontos médios de um triângulo isósceles formam um triângulo também isósceles.

CM127 - Lista Mostre que os pontos médios de um triângulo isósceles formam um triângulo também isósceles. CM127 - Lista 2 Congruência de Triângulos e Desigualdade Triangular 1. Faça todos os exercícios dados em aula. 2. Em um triângulo ABC a altura do vértice A é perpendicular ao lado BC e divide BC em dois

Leia mais

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros.

Os juros compostos são conhecidos, popularmente, como juros sobre juros. Módulo 4 JUROS COMPOSTOS Os juros compostos são cohecidos, popularmete, como juros sobre juros. 1. Itrodução Etedemos por juros compostos quado o fial de cada período de capitalização, os redimetos são

Leia mais

5) [log 5 (25 log 2 32)] 3 = [log 5 (5 2 log )] 3 = = [log 5 (5 2 5)] 3 = [log ] 3 = 3 3 = 27

5) [log 5 (25 log 2 32)] 3 = [log 5 (5 2 log )] 3 = = [log 5 (5 2 5)] 3 = [log ] 3 = 3 3 = 27 MATEMÁTICA CADERNO CURSO E ) [log ( log )] = [log ( log )] = = [log ( )] = [log ] = = 7 FRENTE ÁLGEBRA n Módulo 7 Logaritmos: Definição e Existência ) a) log 8 = = 8 = = b) log 8 = = 8 = = c) log = = (

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Matemática A.º Ao de Escolaridade Decreto-Lei.º 39/0, de 5 de julho Prova 635/.ª Fase 4 Págias Duração da Prova: 50 miutos. Tolerâcia: 30 miutos.

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica

Exercícios de Aprofundamento Matemática Progressão Aritmética e Geométrica Exercícios de Aprofudameto Matemática Progressão Aritmética e b. (Fuvest 05) Dadas as sequêcias a 4 4, b, c a a e d, b defiidas para valores iteiros positivos de, cosidere as seguites afirmações: I. a

Leia mais

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N

EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N EQUAÇÕES DIFERENCIAIS LINEARES DE ORDEM N Estudaremos este capítulo as equações diereciais lieares de ordem, que são de suma importâcia como suporte matemático para vários ramos da egeharia e das ciêcias.

Leia mais

6. S d 2 = 80 ( ) 2 S d 2 = S d 2 = (constante de proporcionalidade) 6.1. Se d = , então d 2 = e S = 20

6. S d 2 = 80 ( ) 2 S d 2 = S d 2 = (constante de proporcionalidade) 6.1. Se d = , então d 2 = e S = 20 Matemática.º Ano 41 Praticar + para a prova final páginas 1 a 4 1. 1.1. Número de casos favoráveis: 1 Número de casos possíveis: 5 Logo, P( ser o criminoso ) = 1 5 1.. Número de casos favoráveis: 1 Número

Leia mais

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães

PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães PONTO MÉDIO LEMBRA? OUTRO PONTO MÉDIO! DOIS PONTOS MÉDIOS LEMBRAM? BASE MÉDIA! Cícero Thiago Magalhães Nível Iniciante Propriedade 1 Num triângulo retângulo ABC, a mediana BM relativa à hipotenusa mede

Leia mais

AVF - MA Gabarito

AVF - MA Gabarito MESTRADO PROFISSIONAL EM MATEMÁTICA EM REDE NACIONAL AVF - MA13-016.1 - Gabarito Questão 01 [,00 pts ] Em um triângulo ABC de perímetro 9, o lado BC mede 3 e a distância entre os pés das bissetrizes interna

Leia mais

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase

Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 12o Ano a Fase Prova Escrita de MATEMÁTICA A - 1o Ao 00 - a Fase Proposta de resolução GRUPO I 1. Como a probabilidade do João acertar em cada tetativa é 0,, a probabilidade do João acertar as tetativas é 0, 0, 0, 0,

Leia mais

Escola Secundária/2,3 da Sé-Lamego Proposta de Resolução da Ficha de Trabalho de Matemática 23/01/2012 Circunferência e polígonos; Rotações. 9.

Escola Secundária/2,3 da Sé-Lamego Proposta de Resolução da Ficha de Trabalho de Matemática 23/01/2012 Circunferência e polígonos; Rotações. 9. Escola Secundária/,3 da Sé-Lamego Proposta de Resolução da Ficha de Trabalho de Matemática 3/01/01 Circunferência e polígonos; Rotações. 9.º Ano Nome: N.º: Turma: 1. Coloca, na figura, pela letra conveniente,

Leia mais

Exercícios de testes intermédios

Exercícios de testes intermédios Exercícios de testes intermédios 1. Na figura abaixo, está representado um triângulo equilátero [ABC]. Seja a o comprimento de cada um dos lados do triângulo. Seja M o ponto médio do lado [BC]. Mostre

Leia mais

Módulo de Semelhança de Triângulos e Teorema de Tales. Semelhanças entre Figuras e Poĺıgonos. 8 o ano/9 a série E.F.

Módulo de Semelhança de Triângulos e Teorema de Tales. Semelhanças entre Figuras e Poĺıgonos. 8 o ano/9 a série E.F. Módulo de Semelhança de Triângulos e Teorema de Tales Semelhanças entre Figuras e Poĺıgonos. 8 o ano/9 a série E.F. Semelhança de Triângulos e Teorema de Tales Semelhanças entre Figuras e Polígonos. 1

Leia mais

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização

Curso MIX. Matemática Financeira. Juros compostos com testes resolvidos. 1.1 Conceito. 1.2 Período de Capitalização Curso MI Matemática Fiaceira Professor: Pacífico Referêcia: 07//00 Juros compostos com testes resolvidos. Coceito Como vimos, o regime de capitalização composta o juro de cada período é calculado tomado

Leia mais

PG Progressão Geométrica

PG Progressão Geométrica PG Progressão Geométrica 1. (Uel 014) Amalio Shchams é o ome cietífico de uma espécie rara de plata, típica do oroeste do cotiete africao. O caule dessa plata é composto por colmos, cujas características

Leia mais

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br

A seguir, uma demonstração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagina10.com.br A seguir, uma demostração do livro. Para adquirir a versão completa em papel, acesse: www.pagia10.com.br Matemática comercial & fiaceira - 2 4 Juros Compostos Iiciamos o capítulo discorredo sobre como

Leia mais

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística

Lista 9 - Introdução à Probabilidade e Estatística UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Lista 9 - Itrodução à Probabilidade e Estatística Desigualdades e Teoremas Limites 1 Um ariro apota a um alvo de 20 cm de raio. Seus disparos atigem o alvo, em média, a 5 cm

Leia mais

MATEMÁTICA - 3o ciclo Trigonometria (9 o ano) Propostas de resolução

MATEMÁTICA - 3o ciclo Trigonometria (9 o ano) Propostas de resolução MATEMÁTICA - 3o ciclo Trigonometria (9 o ano) Propostas de resolução Exercícios de provas nacionais e testes intermédios 1. Como M é o ponto médio da corda [], temos que AM = MB, e assim Logo, substituindo

Leia mais

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA B 10.º ANO RESOLUÇÃO

TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA B 10.º ANO RESOLUÇÃO TESTE INTERMÉDIO DE MATEMÁTICA B 10.º ANO RESOLUÇÃO GRUPO I 1. Apresentamos dois exemplos de resposta. 1.º Exemplo: O hexágono regular [ABCDEF] está dividido em seis triângulos equiláteros, geometricamente

Leia mais

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA

UFRGS 2007 - MATEMÁTICA - MATEMÁTICA 01) Em 2006, segudo otícias veiculadas a impresa, a dívida itera brasileira superou um trilhão de reais. Em otas de R$ 50, um trilhão de reais tem massa de 20.000 toeladas. Com base essas

Leia mais

INSTRUÇÕES. Esta prova é individual e sem consulta à qualquer material.

INSTRUÇÕES. Esta prova é individual e sem consulta à qualquer material. OPRM 016 Nível 3 Seguda Fase /09/16 Duração: Horas e 30 miutos Nome: Escola: Aplicador(a): INSTRUÇÕES Escreva seu ome, o ome da sua escola e ome do APLICADOR(A) os campos acima. Esta prova cotém 7 págias

Leia mais

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 2. Resposta. Resposta Questão Um tapete deve ser bordado sobre uma tela de m por m, com as cores marrom, mostarda, verde e laranja, da seguinte forma: o padrão quadrado de 8 cm por 8 cm, mostrado abaio, será repetido tanto

Leia mais

3 Geometria analítica no plano

3 Geometria analítica no plano Geometria analítica no plano.. Referencial ortonormado. Distâncias no plano Atividade de diagnóstico Pág... A(, ), B(, ), C(, ), D(, ), E(, ), F(, ), G(, ).. Não pertencem a qualquer quadrante os pontos

Leia mais

Lista 1 com respostas

Lista 1 com respostas Lista 1 com respostas Professora Nataliia Goloshchapova MAT0105/MAT0112-1 semestre de 2015 Exercício 1. Verifique se é verdadeira ou falsa cada afirmação e justifique sua resposta: (a) (A, B) (C, D) AB

Leia mais

Controle do Professor

Controle do Professor Controle do Professor Compensou as faltas CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: GEOMETRIA ANALÍTICA VETORIAL E INTRODUÇÃO À ÁLGEBRA LINEAR SÉRIE: 2º ANO TRABALHO DE COMPENSAÇÃO DE FALTAS DOS ALUNOS

Leia mais

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares.

NOTAÇÕES. +... + a n. , sendo n inteiro não negativo k =1. Observação: Os sistemas de coordenadas considerados são cartesianos retangulares. MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números reais : conjunto dos números complexos i: unidade imaginária, i = z: módulo do número z Re(z): parte real do número z Im(z): parte imaginária do número z det

Leia mais

Séries de Potências AULA LIVRO

Séries de Potências AULA LIVRO LIVRO Séries de Potêcias META Apresetar os coceitos e as pricipais propriedades de Séries de Potêcias. Além disso, itroduziremos as primeiras maeiras de escrever uma fução dada como uma série de potêcias.

Leia mais

Módulo de Áreas de Figuras Planas. Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados. Nono Ano

Módulo de Áreas de Figuras Planas. Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados. Nono Ano Módulo de Áreas de Figuras Planas Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados Nono Ano Áreas de Figuras Planas: Mais alguns Resultados 1 Exercícios Introdutórios Exercício 1. No desenho abaixo, as

Leia mais

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior.

de uma PA é justamente o valor da DIFERENÇA entre qualquer termo e o anterior. 0. PROGRESSÃO ARITMÉTICA: É toda sequêcia em que é SEMPRE costate a DIFERENÇA etre um termo qualquer da sequêcia (a partir do segudo, claro!) e seu aterior, logo dada a sequêcia a a a a a a R. A razão

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia.

PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 2011 RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia Gouveia. PROVA DE MATEMÁTICA DA UNIFESP VESTIBULAR 0 Profa Maria Atôia Gouveia 6 A figura represeta um cabo de aço preso as etremidades de duas hastes de mesma altura h em relação a uma plataforma horizotal A represetação

Leia mais

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas

Obs.: São cartesianos ortogonais os sistemas de coordenadas MATEMÁTICA NOTAÇÕES : conjunto dos números complexos : conjunto dos números racionais : conjunto dos números reais : conjunto dos números inteiros = {0,,, 3,...} * = {,, 3,...} Ø: conjunto vazio A\B =

Leia mais

1. (Unesp 2003) Cinco cidades, A, B, C, D e E, são interligadas por rodovias, conforme mostra

1. (Unesp 2003) Cinco cidades, A, B, C, D e E, são interligadas por rodovias, conforme mostra GEOMETRIA PLANA: SEMELHANÇA DE TRIÂNGULOS 2 1. (Unesp 2003) Cinco cidades, A, B, C, D e E, são interligadas por rodovias, conforme mostra a figura. A rodovia AC tem 40km, a rodovia AB tem 50km, os ângulos

Leia mais

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21

A soma dos perímetros dos triângulos dessa sequência infinita é a) 9 b) 12 c) 15 d) 18 e) 21 Nome: ºANO / CURSO TURMA: DATA: 0 / 0 / 05 Professor: Paulo. (Pucrj 0) Vamos empilhar 5 caixas em ordem crescete de altura. A primeira caixa tem m de altura, cada caixa seguite tem o triplo da altura da

Leia mais

Prova-Modelo de Matemática

Prova-Modelo de Matemática Prova-Modelo de Matemática PROVA Págias Esio Secudário DURAÇÃO DA PROVA: miutos TOLERÂNCIA: miutos Cotações GRUPO I O quarto úmero de uma certa liha do triâgulo de Pascal é. A soma dos quatro primeiros

Leia mais

MATEMÁTICA CADERNO 1 CURSO E FRENTE 1 ÁLGEBRA. Módulo 1 Equações do 1 ọ Grau e

MATEMÁTICA CADERNO 1 CURSO E FRENTE 1 ÁLGEBRA. Módulo 1 Equações do 1 ọ Grau e MATEMÁTICA CADERNO CURSO E FRENTE ÁLGEBRA Módulo Equações do ọ Grau e do ọ Grau ) [ ( )] = [ + ] = + = + = + = = Resposta: V = { } 9) Na equação 6 = 0, tem-se a = 6, b = e c =, etão: I) = b ac = + = b

Leia mais