ASPECTOS NORMATIVOS - LABORATÓRIO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS NORMATIVOS - LABORATÓRIO"

Transcrição

1 XIX CONGRESSO BRASILEIRO DE SEMENTES II SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS Padrões de identidade e qualidade para sementes de forrageiras: alguns aspectos relevantes. ASPECTOS NORMATIVOS - LABORATÓRIO Luiz Artur Costa do Valle Fiscal Federal Agropecuário Engº. Agrônomo, M.Sc. e D.Sc. em Fitopatologia

2 LASO/LANAGRO/MG Laboratório Oficial de Análise de Sementes Supervisor do MAPA em MG situado em BH, dentro da SFA/MG. Faz parte do LANAGRO/MG Laboratório Nacional Agropecuário de Minas Gerais, cuja sede é em Pedro Leopoldo MG. Os LANAGROs são vinculados à Coordenação Geral de Laboratórios Agropecuários CGAL/MAPA, Brasília.

3 Acreditado na ISTA desde outubro/2009

4 PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS: IN 30/2008 E SUAS MODIFICAÇÕES IN 30/2008 Normas e padrões para produção e comercialização de sementes de espécies forrageiras de clima tropical. IN30/2010 Alterou a IN 30/2008 (incluiu Brachiaria ruziziensis entre as espécies que podem ser comercializadas com teste de tetrazólio).

5 PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS: IN 30/2008 E SUAS MODIFICAÇÕES IN 30/2011 Acrescentou à IN 30/2008 o peso mínimo em gramas das amostras de trabalho para análise de pureza e para determinação de outras sementes por número (DOSN). Estabeleceu também que as sementes de outras espécies cultivadas e as sementes silvestres seriam determinadas apenas no peso da amostra de trabalho para análise de pureza.

6 PADRÕES DE IDENTIDADE E QUALIDADE PARA SEMENTES DE FORRAGEIRAS FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO: IN 33/2010 IN 33/2010 Normas de produção de sementes de espécies forrageiras de clima temperado, bem como seus padrões de identidade e qualidade. Atenção: 1- A DOSN para as espécies da IN 33/2010 é feita no peso total para DOSN inclusive para outras espécies cultivadas e para sementes silvestres, e não no peso da análise de pureza como para as espécies da IN 30/ A relação de sementes nocivas toleradas e proibidas a ser utilizada é a da IN 46/2013, que só não é válida para as espécies da IN 30/2008 (forrageiras de clima tropical).

7 O QUE OS PADRÕES DEFINEM PARA O LABORATÓRIO? 1 Quais são as análises obrigatórias para a espécie; Todas as determinações para as quais os padrões trazem limites devem ser obrigatoriamente executadas pelo laboratório. Para forrageiras tropicais isso inclui análise de pureza, determinação de outras sementes por número (para outras espécies cultivadas, sementes silvestres, sementes nocivas toleradas e proibidas) e teste de germinação ou de viabilidade pelo teste de tetrazólio (este último só pode ser usado em substituição à germinação para Brachiaria spp. e Panicum maximum).

8 O QUE OS PADRÕES DEFINEM PARA O LABORATÓRIO? 2 O peso máximo do lote; 3 O peso mínimo da amostra média; 4 O peso mínimo das amostras de trabalho para a análise de pureza e para a DOSN; 5 COMO FAZER A DOSN (IN 30/2011: outras espécies cultivadas e sementes silvestres apenas na amostra de trabalho para análise de pureza; IN 33/2010: todos os tipos de outras sementes em toda a amostra de trabalho para DOSN); 6 Relação das espécies nocivas e os limites máximos por espécie e por categoria (Básica, C1, C2, S1 e S2) para as espécies classificadas como nocivas toleradas (IN 30/2008, mas não na IN 33/2010);

9 O QUE OS PADRÕES DEFINEM PARA O LABORATÓRIO? 7 Valores mínimos exigidos para % de sementes puras por categoria; 8 Valores mínimos exigidos para % de germinação (% de plântulas normais) ou % de sementes viáveis pelo teste de tetrazólio por categoria; 9 Para quais espécies o teste de tetrazólio pode ser utilizado em substituição ao teste de germinação; 10 Os limites máximos globais para outras espécies cultivadas, sementes silvestres e sementes nocivas toleradas por categoria.

10 MUDANÇAS ESPERADAS NAS PRÓXIMAS VERSÕES DAS INs: Reunir em um único documento as informações das IN 30/2008, IN 30/2010 e IN 30/2011; PARÊNTESES: Revisar as RAS para que nela constem os mesmos pesos da IN; (CGAL) IN 33/2010: Estabelecer a DOSN para outras espécies cultivadas e para sementes silvestres no peso da amostra de trabalho para análise de pureza e, é claro, reduzir os limites máximos globais permitidos para essas duas categorias. IN 33/2010: Retirar da IN a relação de nocivas que foi revogada pela IN 46/2013. Incluir na IN 33/2010 as espécies que estão na IN 25/2005 (azevém, trevo).

11 MUDANÇAS ESPERADAS NAS PRÓXIMAS VERSÕES DAS INs: Elevação dos valores mínimos de pureza de sementes não-revestidas, com destaque para Brachiaria spp. (90 e 80%) e Panicum maximum (70%); Padrão para viabilidade pelo teste de tetrazólio diferente e mais alto que o padrão de germinação para Brachiaria brizantha, Brachiaria decumbens, híbridos de Brachiaria e Panicum maximum (germinação = 60%, TZ = 70 ou 75%).

12 MUDANÇAS ESPERADAS NAS PRÓXIMAS VERSÕES DAS INs: Ajustes na relação de espécies nocivas da IN 30/2008: Atualização de nomes: em lugar de Polygonum spp., incluir Polygonum spp., Fallopia spp. e Persicaria spp.; Gênero x espécie: em lugar da nociva tolerada Cyperus esculentus, incluir, como na IN 46/2013, Cyperus spp., exceto Cyperus rotundus, que é nociva proibida (tol. = zero); Excluir a espécie Oryza sativa (arroz preto) já não consta na IN 46/2013; Em lugar de Raphanus raphanistrum, incluir Raphanus raphanistrum e Raphanus sativus na lista para Brachiaria spp., Panicum maximum e Paspalum spp. (Anexo IV); Limites máximos: leve redução ou manter os da IN 30/2008.

13 MUDANÇAS ESPERADAS NAS PRÓXIMAS VERSÕES DAS INs: Regulamentação mais apropriada e específica para sementes revestidas: Limite mínimo de pureza mais elevado (90 ou 95% para braquiária, 85 ou 90% para Panicum maximum); Obrigatoriedade da DOSN deixar claro na IN que a DOSN é obrigatória para sementes revestidas, a forma de fazer (cultivadas e silvestres no peso da pureza) e os limites aplicáveis;

14 MUDANÇAS ESPERADAS NAS PRÓXIMAS VERSÕES DAS INs: Regulamentação mais apropriada e específica para sementes revestidas. Tornar obrigatória a identificação de sementes revestidas com teste de germinação OU permitir a fiscalização do atendimento ao padrão de germinação com o teste de germinação.

15 Obrigado

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011.

Art. 2º Esta Instrução Normativa entra em vigor em 1º de janeiro de 2011. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 40, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido

CONSUMIDOR. Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar. Tendências: Como foi produzido Tendências: Como foi produzido CONSUMIDOR Onde foi produzido Rastreado Light / Diet Menos Sal / 0% Trans Livre de Transgênicos Segurança alimentar Carne Não Transgênica Milhões Tons. 80,0 75,0 70,0 65,0

Leia mais

Notícias Notícias Notícias

Notícias Notícias Notícias 9 homenageia o pesquisador Charles Baskin Londrina, 29/11/13 - O pesquisador norte americano Dr. Charles C. Baskin faleceu em 12 de setembro de 2013 em sua casa, no Alabama, Estados Unidos (EUA). Ele tinha

Leia mais

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS

EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS 50 EFEITO DO ARMAZENAMENTO NA SUPERAÇÃO DA DORMÊNCIA DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ¹Maycon Amim Vieira, ²Neimar Rotta Nagano, ¹Fernando Donha Bianchi, ¹Ronis Pereira da Silva ¹ Discente em Agronomia da Universidade

Leia mais

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC -

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC - Tópicos Especiais em Proteção de Cultivares e Regulação de Plantas Transgênicas no Brasil REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC - Virgínia Arantes Ferreira Carpi Fiscal Federal Agropecuário Chefe do SCSM/CSM/DFIA/SDA

Leia mais

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução

SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO. 1. Introdução 1 SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES SILVIO MOURE CICERO 1. Introdução A Lei n 10.711, sancionada em 05/08/2003 e regulamentada pelo Decreto n 5.153 de 23 de julho de 2004, instituiu o Sistema Nacional de

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 42, DE 31 DE DEZEMBRO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

Ministério da Agricultura

Ministério da Agricultura Ministério da Agricultura CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º (Objecto) A presente lei estabelece o controlo e fiscalização da produção, do comércio e da importação e exportação de sementes e mudas

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a

Leia mais

Acreditação de Ensaios do Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Milho e Sorgo pela ISO/IEC 17025:2005

Acreditação de Ensaios do Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Milho e Sorgo pela ISO/IEC 17025:2005 Acreditação de Ensaios do Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Milho e Sorgo pela ISO/IEC 17025:2005 Netto, Déa Alécia Martins, pesquisador A, RT/GQ do LAS, Embrapa Milho e Sorgo Mendes, Mara

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Milho e Sorgo

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Milho e Sorgo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Milho e Sorgo Rodovia MG 424 km 45, CP 151, 35702-098. Sete Lagoas, MG Telefone: (31) 3027 1236.

Leia mais

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES RNC MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA SDA DEPARTAMENTO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS DFIA COORDENAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS REGISTRO NACIONAL DE

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 6.036, DE 2013 Dispõe sobre a restrição do uso de agentes aromatizantes ou flavorizantes em bebidas alcoólicas e da outras providências. Autora:

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta Alternativa para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia. Paulo Campos Christo Fernandes Pesquisador

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta Alternativa para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia. Paulo Campos Christo Fernandes Pesquisador Integração Lavoura-Pecuária-Floresta Alternativa para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Paulo Campos Christo Fernandes Pesquisador Rede Brasileira de Transferência de Tecnologia TO DF BA RR AM

Leia mais

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor

Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Sementes em Modo de Produção Biológico Legislação em Vigor Porto, 29 de novembro de 2014 Divisão de Variedades e Sementes PRINCÍPIOS BASE DO COMÉRCIO DE SEMENTE Inscrição de variedades Certificação de

Leia mais

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio

MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS. rio MATERIAL DE MULTIPLICAÇÃO E DE REPRODUÇÃO SEMENTES E MUDAS Rosangele Balloni R. Gomes Engª Agrª Fiscal Federal Agropecuário rio Sup. Fed. Agric. Pec.. e Abastecimento em São Paulo SFA/SP LEGISLAÇÃO LEI

Leia mais

Prof a Dr a Núbia Maria Correia correianm@fcav.unesp.br www.fcav.unesp.br/nubiacorreia

Prof a Dr a Núbia Maria Correia correianm@fcav.unesp.br www.fcav.unesp.br/nubiacorreia Prof a Dr a Núbia Maria Correia correianm@fcav.unesp.br www.fcav.unesp.br/nubiacorreia SÃO PLANTAS QUE NAQUELE DETERMINADO MOMENTO ESTÃO INDO CONTRA OS INTERESSES DO HOMEM, DE FORMA DIRETA OU INDIRETA.

Leia mais

L 40/26 Jornal Oficial da União Europeia 11.2.2009 DECISÕES COMISSÃO

L 40/26 Jornal Oficial da União Europeia 11.2.2009 DECISÕES COMISSÃO L 40/26 Jornal Oficial da União Europeia 11.2.2009 II (Actos aprovados ao abrigo dos Tratados CE/Euratom cuja publicação não é obrigatória) DECISÕES COMISSÃO DECISÃO DA COMISSÃO de 9 de Fevereiro de 2009

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa n 45, de 17 de setembro de 2013. Publicação: D.O.U. do dia 20/09/13, Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS).

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). I - PARA EFEITOS DESTAS INSTRUÇÕES ENTENDE-SE POR: 1. Amostra:

Leia mais

REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil

REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil Búzios/RJ, julho/2011 REGISTRO E PROTEÇÃO DE CULTIVARES Panorama atual no Brasil Daniela de Moraes Aviani Coordenadora do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares SNPC/DEPTA/SDC/MAPA PROTEÇÃO X REGISTRO

Leia mais

Grandes mudanças ocorreram na forma de fazer agricultura depois da utilização de tratores e o uso intensivo de adubos químicos e agrotóxicos. Muitos agricultores mudaram seus sistemas e técnicas e passaram

Leia mais

Sementes. de Alta Pureza. Catálogo de Sementes Linha BRSEEDS

Sementes. de Alta Pureza. Catálogo de Sementes Linha BRSEEDS Sementes de Alta Pureza Catálogo de Sementes Linha BRSEEDS 1 Índice A BRSEEDS 05 Gramas 08 Leguminosas 12 Óleo Vegetal 20 2 Pastagens 24 A BRSEEDS chegou para facilitar o seu jeito de fazer compras pela

Leia mais

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610

EFEITO DA ADUBAÇÃO FOSFATADA SOBRE O RENDIMENTO DE FORRAGEM E COMPOSIÇÃO QUÍMICA DE PASPALUM ATRATUM BRA-009610 REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE AGRONOMIA - ISSN 1677-0293 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO 08, DEZEMBRO DE 2005. PERIODICIDADE:

Leia mais

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite.

CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. CONVERT* HD364. Acelere seus resultados com a pecuária de corte e de leite. Origem O CONVERT* HD364 foi obtido pelo Projeto de Forragens Tropicais do CIAT (Centro Internacional de Agricultura Tropical),

Leia mais

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico;

b) preparado contendo laranja (fruta) e banana (fruta) corresponde a um ingrediente característico; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 17, DE 19 DE JUNHO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

AVANÇOS NOS PADRÕES DE FORRAGEIRAS TEMPERADAS E O IMPASSE NA EVOLUÇÃO DOS PADRÕES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS

AVANÇOS NOS PADRÕES DE FORRAGEIRAS TEMPERADAS E O IMPASSE NA EVOLUÇÃO DOS PADRÕES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS III SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS Desafios e Inovações AVANÇOS NOS PADRÕES DE FORRAGEIRAS TEMPERADAS E O IMPASSE NA EVOLUÇÃO DOS PADRÕES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS 10 de agosto

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia Universidade Federal de Uberlândia Júlio Cézar Pessanha Rangel Júnior Relatório de Viagem ao estado do Mato Grosso do Sul Relatório de visitas à Embrapa Gado de Corte e propriedades da região Uberlândia

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário CULTIVARES LOCAIS, TRADICIONAIS OU CRIOULAS LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE CULTIVARES, SEMENTES E MUDAS POLÍTICAS PARA AGRICULTURA FAMILIAR E O CADASTRO CRIADO PELA PORTARIA MDA 51/2007 J.C. Zukowski Coordenador

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES DO IRGA

MANUAL DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES DO IRGA INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ SEÇÃO DE PRODUÇÃO DE SEMENTES MANUAL DE PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO DO PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES DO IRGA 1 MANUAL DE PROCEDIMENTO

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS

ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS ASPECTOS LEGAIS DA PRODUÇÃO, COMERCIALIZAÇÃO E FISCALIZAÇÃO DE SEMENTES E MUDAS CURSO SOBRE PROTEÇÃO E REGISTRO DE CULTIVARES 27 A 28 DE MAIO 2010 LONDRINA-PR SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA COLODEL FISCAL

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 54, DE 4 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO I NORMA TÉCNICA PARA A UTILIZAÇÃO DA PERMISSÃO DE TRÂNSITO DE VEGETAIS - PTV CAPÍTULO I DA UTILIZAÇÃO DA PTV Seção I Da Exigência e do Uso da PTV Art. 1 o A Permissão de Trânsito de Vegetais - PTV

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

COMPOSIÇÃO: CLASSE: GRUPO QUÍMICO: TIPO DE FORMULAÇÃO:

COMPOSIÇÃO: CLASSE: GRUPO QUÍMICO: TIPO DE FORMULAÇÃO: COMPOSIÇÃO: Glifosato 480 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Glicina Substituída TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Solúvel CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: CULTURA:

Leia mais

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE

LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE Código de Trânsito Brasileiro LEI Nº 9.503, DE 23 DE SETEMBRO DE 1997 e LEGISLAÇÃO COMPLEMENTAR Atualizado até a LEI Nº 12.865, DE 9 DE OUTUBRO DE 2013 A UFIR foi extinta, sendo congelada no valor de R$

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2009 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia

Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia Eng º Agr. Marcelo Volf.. Dalcin Consultoria Mestrando UniRV Engº Agr. MSc. Flávio J. Wruck EMBRAPA Agrossilvipastoril Presidente

Leia mais

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV

CAPÍTULO I Seção I Da Exigência e do Uso da PTV INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 37, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2006 (Revogada pela IN 54, de 04/Dez/2007) O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE

XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE XLIII PLENÁRIA NACIONAL DO FÓRUM DOS CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO - FNCE O Futuro da Educação a Distância na Educação Básica Francisco Aparecido Cordão facordao@uol.com.br Dispositivos da LDB e DECRETOS

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO SERVIDOR

ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO SERVIDOR ESTADO DE RONDÔNIA PODER JUDICIÁRIO MANUAL DO SERVIDOR Manual de normas que regulamentam os direitos funcionais dos servidores do Poder Judiciário do Estado de Rondônia. 4ª edição revisada e atualizada

Leia mais

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems)

Adubaçã. ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens. (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Adubaçã ção o potássica em sistemas intensivos de manejo de pastagens (Potash Fertilization in Intensive Pastures Management Systems) Alberto C. de Campos Bernardi Pecuária brasileira: 220 milhões de hectares

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza)

PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) PROJETO DE LEI Nº,DE 2009. (Do Sr. Cândido Vaccarezza) Altera a Lei Nº 11.105, de 24 de março de 2005, que regulamenta os incisos II, IV e V do 1 o do art. 225 da Constituição Federal, estabelece normas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANTIO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANTIO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS CONSIDERAÇÕES SOBRE O PLANTIO E ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS Claudio Ramalho Townsend 1 Newton de Lucena Costa 2 Ricardo Gomes de Araujo Pereira 1 Na tomada de decisão sobre a formação e/ou reforma de

Leia mais

I. Apresentação. Relatório de análise de contribuições CP n. 93/09 Pag 1 de 10

I. Apresentação. Relatório de análise de contribuições CP n. 93/09 Pag 1 de 10 Consulta Pública n. 93/2009 - Dispõe sobre o regulamento técnico de compostos de nutrientes para alimentos destinados a lactentes e a crianças de primeira infância I. Apresentação Este relatório tem como

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 MAPEAMENTO DE ÁREAS COM BAIXO RISCO CLIMÁTICO PARA IMPLANTAÇÃO DO CONSÓRCIO MILHO COM BRACHIÁRIA NO ESTADO DE GOIÁS Fernando Antônio Macena da Silva¹, Natalha de Faria Costa², Thaise Sussane de Souza Lopes³,

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.026, DE 2013 (Do Sr. Leopoldo Meyer)

PROJETO DE LEI N.º 5.026, DE 2013 (Do Sr. Leopoldo Meyer) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.026, DE 2013 (Do Sr. Leopoldo Meyer) Acrescenta inciso ao art. 105 da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997, que institui o Código de Trânsito Brasileiro, para

Leia mais

Passaporte para Trânsito de Cães e. Márcio Henrique Micheletti Coordenação Geral do Vigiagro

Passaporte para Trânsito de Cães e. Márcio Henrique Micheletti Coordenação Geral do Vigiagro Trânsito de Cães e Gatos Márcio Henrique Micheletti Coordenação Geral do Vigiagro Trânsito Internacional de Cães e Gatos A movimentação de passageiros internacionais no Brasil vem crescendo cerca de 10%

Leia mais

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS

RDC 60. Perguntas e Respostas. RDC nº 60, RDC 60 - PERGUNTAS E RESPOSTAS Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS DE MEDICAMENTOS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de 26 de NOVEmbro de 2009 1 Regulamentação SOBRE AMOSTRAS GRÁTIS RDC 60 Perguntas e Respostas RDC nº 60, de

Leia mais

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil

Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Seminário Legislação de Agrotóxicos, Receituário Agronomico, Comercialização e Uso - Aspectos Técnicos e Legais Legislação Federal e o Sistema de Registro de Agrotóxicos no Brasil Engº Agrº Júlio Sérgio

Leia mais

LEVANTAMENTO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE AZEVÉM COMERCIALIZADAS NO ESTADO DO PARANÁ

LEVANTAMENTO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE AZEVÉM COMERCIALIZADAS NO ESTADO DO PARANÁ 18 LEVANTAMENTO DA QUALIDADE DE SEMENTES DE AZEVÉM COMERCIALIZADAS NO ESTADO DO PARANÁ Osvaldo de castro Ohlson ¹ Camila Ribeiro de Souza 2 Maristela Panobianco 3 RESUMO - O azevém é uma forrageira de

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 12, de 28 de março de 2008

Leia mais

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ

AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ AGÊNCIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO PARANÁ DIRETORIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA GERÊNCIA DE SANIDADE VEGETAL CURSO PARA HABILITAÇÃO DE RESPONSÁVEIS TÉCNICOS CERTIFICAÇÃO FITOSSANITÁRIA DE ORIGEM Pragas da Cultura

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes (42) 8816-3452 ou Fernando Barreto (DDR 3234-8135) Nº01 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 I Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda I Fevereiro, 4-2011 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Diógenes

Leia mais

Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR

Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR Eng. Agr. Dr. Roberto Estêvão Bragion de Toledo Presidente HRAC-BR www.hrac-br.com.br roberto.e.toledo@bra.dupont.com

Leia mais

Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal

Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal Laboratório de Análise de Sementes Florestais (LASF) Universidade Federal de Viçosa Departamento de Engenharia Florestal Eduardo Euclydes de Lima e Borges O LASF Criado em 1967 - Professor José Flávio

Leia mais

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA No, DE DE DE 2013.

PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA No, DE DE DE 2013. PROJETO DE INSTRUÇÃO NORMATIVA No, DE DE DE 2013. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição,

Leia mais

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com

Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto. Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Suplementação de Bovinos de Corte a Pasto Carlos Eduardo Santos Médico Veterinário CRMV SP 4082 carlos-e.santos@dsm.com Sistema brasileiro de produção de carne PASTO 95% da dieta ~200 milhões de cabeças

Leia mais

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO

INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO INSTITUTO AGRONÔMICO DE PERNAMBUCO ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO CLIPPING ELETRÔNICO De 30 de janeiro de 2014 Simpósio Riquezas e Problemas do Semiárido chega ao fim Na próxima sexta-feira, dia 31, chega ao

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998. O CONGRESSO NACIONAL decreta: COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO REDAÇÃO FINAL PROJETO DE LEI Nº 4.828-B, DE 1998 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

Leia mais

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003

LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 TEMÁRIO: 1 Lei n. 10.711, de 05 de agosto de 2003. Seção 1. LEI N 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PORÇÕES DE ALIMENTOS EMBALADOS PARA FINS DE ROTULAGEM NUTRICIONAL

REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PORÇÕES DE ALIMENTOS EMBALADOS PARA FINS DE ROTULAGEM NUTRICIONAL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 47/03 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE PORÇÕES DE ALIMENTOS EMBALADOS PARA FINS DE ROTULAGEM NUTRICIONAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, a Decisão

Leia mais

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil,

Considerando que em 14 de janeiro de 1982, foram depositados os Instrumentos de Ratificação, pelo Brasil, Página 1 DECRETO Nº 93.413, de 15 de outubro de 1986 Promulga a Convenção nº 148 sobre a Proteção dos Trabalhadores Contra os Riscos Profissionais Devidos à Contaminação do Ar, ao Ruído e às Vibrações

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Sugestões para a regulamentação da lei de sementes e mudas. ISA, 1º de setembro de 2010

Sugestões para a regulamentação da lei de sementes e mudas. ISA, 1º de setembro de 2010 Sugestões para a regulamentação da lei de sementes e mudas ISA, 1º de setembro de 2010 O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) colocou em consulta pública, por meio da Portaria nº

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO no uso das atribuições

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 I SÉRIE Terça-feira, 24 de janeiro de 2012 Número 17 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 22-A/2012: Altera a Portaria n.º 363/2010, de 23 de junho, que regulamenta a certificação prévia

Leia mais

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS

Sementes. Forrageiras. nature SEEDS Sementes Forrageiras nature SEEDS GRAMÍNEAS AZEVÉM ANUAL (Lolium multiflorum) Gramíneas Espécie anual ou bianual de excelente qualidade forrageira e palatabilidade. De muito rápida implantação e grande

Leia mais

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 1 Hugo Fernandes dos Santos; 1 Lamartine Eduardo de Assis ; 2 Rosilene Agra da Silva] 1 Graduandos em Agronomia CCTA/UFCG

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO

PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO PRODUTIVIDADE DO CONSÓRCIO MILHO-BRAQUIÁRIA EM INTEGRAÇÃO COM PECUÁRIA E FLORESTA DE EUCALIPTO Valdecir Batista Alves (1), Gessí Ceccon (2), Júlio Cesar Salton (3), Antonio Luiz Neto Neto (4), Leonardo

Leia mais

Perguntas Frequentes Pneus Usados

Perguntas Frequentes Pneus Usados Perguntas Frequentes Pneus Usados 1. Qual a legislação em vigor em matéria de gestão de pneus usados? O Decreto-Lei n.º 111/2001, de 6 de Abril, estabelece os princípios e as normas aplicáveis à gestão

Leia mais

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004.

CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. CIRCULAR SUSEP N o 265, de 16 de agosto de 2004. Disciplina os procedimentos relativos à adoção, pelas sociedades seguradoras, das condições contratuais e das respectivas disposições tarifárias e notas

Leia mais

Os seguintes conceitos devem ser conhecidos antes da realização do teste:

Os seguintes conceitos devem ser conhecidos antes da realização do teste: Teste de pureza Tem o objetivo de avaliar a qualidade física da amostra em exame e consequentemente a do lote de sementes. Entende-se por lote de sementes como sendo uma quantidade definida e limitada

Leia mais

Frequência de fungos em lotes de sementes comercializadas de Brachiaria e Panicum

Frequência de fungos em lotes de sementes comercializadas de Brachiaria e Panicum ISSN 1983-134X Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Agricultura e Abastecimento Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios Instituto Biológico Documento Técnico 007 Maio de 2010 p.1-11 Frequência

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES

RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES RESOLUÇÃO Nº 01/2013 CONCECERES Dispõe sobre o Regimento Interno do Laboratório de Cultivo e Biotecnologia de Algas LCBA, do Centro de Educação Superior da Região Sul - CERES. O Presidente do Conselho

Leia mais

O HERBICIDA PARAQUATE

O HERBICIDA PARAQUATE O HERBICIDA PARAQUATE Girabis Envangelista Ramos Brasília/DF, 04 de novembro de 2015 HISTÓRICO E USO Primeiro registro:1962 na Inglaterra (ICI) Nos Estados Unidos da América: 1964 No Brasil: década de

Leia mais

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO

REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO REGULAMENTO DE PESCA DESPORTIVA NA ALBUFEIRA DE VASCOVEIRO Julho 2013 PREÂMBULO A Barragem de Vascoveiro foi construída com o objetivo de fornecer água à cidade de Pinhel e a algumas freguesias do Concelho.

Leia mais

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e

SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e SEÇÃO IV BEBIDAS EM GERAL, VINHOS E DERIVADOS DA UVA E DO VINHO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS a) Para a importação de bebida, fermentado acético, vinho e derivados da uva e do vinho, o estabelecimento deve possuir

Leia mais

SISTEMA ORGANIZACIONAL DA EMPRESA DE SEMENTES

SISTEMA ORGANIZACIONAL DA EMPRESA DE SEMENTES 1 SISTEMA ORGANIZACIONAL DA EMPRESA DE SEMENTES Existem várias sugestões para a estruturação da empresa de produção e comercialização de sementes de plantas forrageiras. Na Figura 1 encontra-se uma sugestão

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL

ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL ANEXO I REGULAMENTO TÉCNICO ACERCA DA EMBALAGEM, ROTULAGEM E PROPAGANDA DE PRODUTOS DESTINADOS À ALIMENTAÇÃO ANIMAL CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este Regulamento estabelece normas específicas

Leia mais

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO

CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO MERCOSUL/GMC/RES. N 27/03 CRITÉRIOS E DIRETRIZES PARA A AVALIAÇÃO E RECONHECIMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE MATERIAIS DE PROPAGAÇÃO TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as

Leia mais

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT

POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) Forest Stewardship Council FSC-POL-20-005 V2-0 PT Forest Stewardship Council POLÍTICA FSC TAXA DE ADMINISTRAÇÃO ANUAL (AAF) FSC-POL-20-005 V2-0 PT 2013 Forest Stewardship Council, A.C. Todos os direitos reservados. Título: Código de referência do documento:

Leia mais

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás

Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Rainforest Alliance Certified TM Resumo Público de Auditoria Anual Fazenda Capetinga e Sassafrás Cultivo(s): Café (Coffea arabica L.) Data do Resumo Público: 04 de janeiro de 2012 Data de Entrega do Relatório:

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA VENDA DIRETA AO CONSUMIDOR DE PRODUTOS ORGÂNICOS SEM CERTIFICAÇÃO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

CONTROLE SOCIAL NA VENDA DIRETA AO CONSUMIDOR DE PRODUTOS ORGÂNICOS SEM CERTIFICAÇÃO. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MA-0011-08_180x180_controle_social.indd 28-29 28 CAPA 01 02.02.09 09:50:10 Data: 02/02/2009 PIT: MA-0011/08 Formato (F): 360x180 Formato (A): 180x180mm

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal,

O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe confere a Lei Orgânica Municipal, DECRETO N.º 060 /2013. REGULAMENTA A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NO MUNICÍPIO DE ARACATI E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL DE ARACATI, no uso de suas atribuições legais, conforme lhe

Leia mais

PANORAMA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE FERTILIZANTES

PANORAMA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE FERTILIZANTES PANORAMA DA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA DE FERTILIZANTES FORUM ABISOLO 2011 Piracicaba/SP 11 a 13 de abril de 2011 Izabel Cristina Cardoso Giovannini Engenheiro Agrônomo UOP-Piracicaba/UTRA-Campinas/ SFA-SP

Leia mais

Lei nº 9.933, de 20 de Dezembro de 1999

Lei nº 9.933, de 20 de Dezembro de 1999 Lei nº 9.933, de 2 de Dezembro de 1999 O Presidente da República Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º - Todos os bens comercializados no Brasil, insumos, produtos

Leia mais

Vegetable Seed Myopia e os impactos nos requerimentos para a importação e exportação de sementes e outros aspectos regulatórios SAKATA SEED

Vegetable Seed Myopia e os impactos nos requerimentos para a importação e exportação de sementes e outros aspectos regulatórios SAKATA SEED VEGETABLE SEED MYOPIA Vegetable Seed Myopia e os impactos nos requerimentos para a importação e exportação de sementes e outros aspectos regulatórios SAKATA SEED SUDAMERICA Marcos Botelho MSC/MBA Diretor

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem de Produto de Origem Animal Embalado

VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem de Produto de Origem Animal Embalado MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SUPERINTENDÊNCIA FEDERAL DE AGRICULTURA NA PARAÍBA SERVIÇO DE INSPEÇÃO DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS VI ENEL CAMPINA GRANDE Regulamento Técnico de Rotulagem

Leia mais

POP 011: PLANEJAMENTO DE VIAGENS PARA AUDITORIAS

POP 011: PLANEJAMENTO DE VIAGENS PARA AUDITORIAS Página 1 de 6 POP 011: PLANEJAMENTO DE VIAGENS PARA AUDITORIAS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 25/02/2014 Revisado por: Rominik Fontenele 27/02/2014 Aprovado por: Rodrigo Barbosa Nazareno 27/02/2014

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Brasília / DF 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais