Função Motora, Fadiga e Dor em Adolescentes e Adultos com Paralisia Cerebral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Função Motora, Fadiga e Dor em Adolescentes e Adultos com Paralisia Cerebral"

Transcrição

1 Capítulo 6 Função Motora, Fadiga e Dor em Adolescentes e Adultos com Paralisia Cerebral Aline Duprat Ramos, Adriana Ferreira Dias, Rosane Luzia de Souza Morais, Ana Paula Santos Resumo: Neste capítulo investigou-se a percepção da fadiga e da dor cotidiana em vinte adolescentes e adultos com Paralisia Cerebral (PC), idade superior a 12 anos e cognição preservada. Os instrumentos instrumentos utilizados foram os questionários sociodemográfico, de fadiga e de dor, Medida de Função Motora Grossa (GMFM), Sistema de Classificação da Função Motora Grossa (GMFCS), Sistema de Classificação de Habilidade Manual (MACS), e Critério de Deambulação. Os dados obtidos foram relacionados com a função motora (FM). Todos os sujeitos da pesquisa relataram dor no corpo e fadiga mental ou física, porém de baixa intensidade para a maioria. Houve correlação significativa apenas entre fadiga mental e o MACS. Palavras-chave: Fadiga mental, Dor, Atividade motora, Paralisia cerebral. Abstract: This chapter investigated the daily fatigue and pain perception in twenty adolescents and adults with Cerebral Palsy (CP), with age 12 and above, and with preserved cognition. The instruments used were: Sociodemographic, fatigue and pain questionnaires, Gross Motor Function Measure (GMFM), Gross Motor Function Classification System (GMFCS), Manual Ability Classification System (MACS), and the Ambulation Criteria. Acquired data were correlated with the motor function (MF). All the individuals reported body pain as well as mental or physical fatigue, however of low intensity, for most of them. We found a positive correlation between mental fatigue and manual motor function. Keywords: Mental fatigue, Pain, Motor activity, Cerebral palsy. Autor para contato: Castilho-Weinert & Forti-Bellani (Eds.), Fisioterapia em Neuropediatria (2011) ISBN

2 108 Duprat Ramos et al. 1. Introdução A Paralisia Cerebral (PC) é um grupo de perturbações permanentes no desenvolvimento do movimento e da postura, que causa limitações nas atividades funcionais, atribuídas a distúrbios não progressivos que ocorrem no encéfalo imaturo (Rosenbaum et al., 2007). A PC é uma condição permanente e, embora a lesão neurológica possa ser estática, as sequelas musculoesqueléticas mudam significativamente ao longo da vida (Paterson, 2004). A expectativa de vida de indivíduos com PC tem aumentado (Jones, 2009), e junto a isto complicações como: deformidades ósseas (Paterson, 2004) degeneração articular (Carter & Tse, 2009), fraqueza e diminuição de força muscular (Moreau et al., 2009; Shortland, 2009) déficits de equilíbrio corporal (Opheim et al., 2009), fadiga (Jahnsen et al., 2003) e dor (Jahnsen et al., 2004a). As alterações musculoesqueléticas, como a fadiga e a dor, contribuem para a deterioração da função motora de indivíduos com PC e a marcha é a mais estudada (Jahnsen et al., 2004b; Moreau et al., 2008; Opheim et al., 2009; Maanum et al., 2010). Opheim et al. (2009) analisaram a marcha, a dor e a fadiga de 226 adultos com PC num período de sete anos. Os autores observaram que a deterioração da marcha estava associada à fadiga física e a relatos de aumento da frequência, da intensidade e do número de regiões do corpo com dor, além de um alto impacto causado pela dor nas atividades de vida diária. Segundo Jahnsen et al. (2004b), em um estudo com 406 adultos com PC, a fadiga e a dor influenciaam na deterioração da marcha. Embora estudos descritivos indiquem uma associação entre a fadiga, a dor e a função, apenas Moreau et al. (2008) investigaram a relação entre a função motora grossa e a fadiga em indivíduos adultos com PC. Estes autores estudaram a fadiga muscular induzida por um protocolo de atividades físicas realizado em um ambiente controlado com o uso de um dinamômetro isocinético. Como conclusão, observaram que a fadiga muscular mensurada poderia ou não estar relacionada a um relato subjetivo do sintoma. Deve-se considerar que as demandas fisiológicas requeridas para a deambulação e a realização de atividades de vida diária podem aumentar a percepção de esforço, pois ocorre maior geração de força muscular associada e contribuição do sistema cardiorrespiratório. Embora a literatura (Andersson & Mattsson, 2001; Jahnsen et al., 2003, 2004a,b; Moreau et al., 2008; Jones, 2009; Opheim et al., 2009) reporte a presença de dor e fadiga em adultos com PC e ressalte a interferência destas variáveis na função motora grossa, ainda não há evidências suficientes que sustentem tal proposição. A literatura sugere novos estudos com diferentes desenhos de pesquisa, nos quais se considere a influência destes fatores em contexto de vida real (Jahnsen et al., 2003, 2004b; Moreau et al., 2008; Opheim et al., 2009). A partir da compreensão dos fatores que interferem

3 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 109 na função motora de adultos com PC será possível desenvolver intervenções para as necessidades específicas desta população. Desta forma, o presente estudo teve como objetivo geral investigar a percepção da fadiga e a dor que adolescentes e adultos com PC apresentam em seu cotidiano e, como objetivo específico, verificar de que forma estas variáveis se correlacionam com função motora destes indivíduos. 1.1 Fundamentação Teórica A dor e a fadiga são sintomas de natureza subjetiva, comum na população em geral (Loge et al., 1998). Entretanto, em crianças com PC estes sintomas são mais frequentes e chegam a influenciar no convívio social e na função escolar das mesmas (Berrin et al., 2007). Entende-se por fadiga a sensação de exaustão, cansaço, fraqueza ou falta de energia (Kaasa et al., 1999). Por outro lado, a dor é um sintoma que pode variar com a experiência subjetiva do indivíduo a danos reais ao tecido, bem como com o seu limiar de tolerância (IASP Task Force on Taxonomy, 1994). Crianças com PC geralmente apresentam, ao longo de suas vidas, uma pobre capacidade aeróbia e padrões neuromusculares anormais que favorecem o aparecimento de alterações musculoesqueléticas como deformidades articulares, fraquezas musculares e instabilidade postural (Bottos & Gericke, 2003). Todas estas alterações favorecem a realização da função dentro de uma incongruência biomecânica. Isto aumenta os gastos energéticos durante a realização das tarefas e se torna importante fonte de dor e fadiga, que geralmente perduram e se agravam na fase adulta (Jahnsen et al., 2003, 2004a). Fowler et al. (2007) sugerem que abordagens com gesso seriado, toxina botulínica, cirurgias, treinamento aeróbio e de força muscular, são boas alternativas para o controle da fadiga e da dor. Tradicionalmente, o tratamento fisioterapêutico em crianças com PC tem como foco principal a aquisição da marcha independente, sem considerar quanto tempo poderá levar para se atingir tal objetivo, ou por quanto tempo esta capacidade poderá ser mantida pelo indivíduo. Ao se planejar uma intervenção em crianças com PC deve-se ter em vista uma perspectiva de uma vida inteira, não só da infância, para minimizar situações que podem ser futuras limitantes da função motora (Bottos et al., 2001). 2. Metodologia Este trabalho foi um estudo transversal, aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (protocolo n o 001/10). A amostra foi composta por vinte indivíduos que atendiam aos critérios de inclusão: possuir PC diagnosticada e registrada em prontuário de um dos centros de reabilitação de referência do município de Diamantina (MG), ter idade igual ou superior a doze anos e possuir cognição preservada

4 110 Duprat Ramos et al. conforme resultados obtidos no Mini-Exame do Estado Mental (MEEM) versão adaptada para a população brasileira (Brucky et al., 2003). Para caracterização da amostra, foram coletados dados econômicos e demográficos. Para a classificação econômica utilizou-se um questionário proposto pela Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa (Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa, 2009). Para a classificação da função motora grossa foi utilizado o Sistema de Classificação da Função Motora Grossa (Gross Motor Function Classification System GMFCS), que se baseia no movimento iniciado voluntariamente, enfatizando a posição sentada e a marcha. As distinções entre os níveis de função motora, I a V, são baseadas nas limitações funcionais e na necessidade de tecnologia assistiva (Palisano et al., 1997). Para classificar a função motora fina utilizou-se o Sistema de Classificação das Habilidades Manuais (Manual Ability Classification System MACS), que é um sistema para classificar o modo como indivíduos com PC manuseiam os objetos em atividades diárias, necessidades de assistência e adaptações. O MACS é composto pelos níveis I a V, crescentes quanto às limitações presentes (Eliasson et al., 2006). Para avaliar a função motora grossa utilizou-se o Gross Motor Function Measure GMFM (Russell et al., 2002) que avalia quantitativamente a função motora grossa em cinco dimensões: (1) deitar e rolar, (2) sentar, (3) engatinhar e ajoelhar, (4) de pé e andar e (5) correr e pular. Na avaliação da marcha, utilizou-se o Critério de Deambulação Funcional e Não Funcional (CDFNF) (Montgomery, 1998) que classifica a marcha baseando-se na necessidade do uso de dispositivo de auxílio, no nível de independência e na distância percorrida. A avaliação da percepção subjetiva da fadiga foi feita por meio do Questionário de Fadiga (Fatigue Questionnaire FQ) (Chalder et al., 1993) que avalia a gravidade da fadiga física e mental através de 11 perguntas. Também utilizou-se a Escala de Severidade da Fadiga (Fatigue Severity Scale FSS) (Krupp et al., 1989) que avalia a intensidade do sintoma por meio de uma escala visual analógica. Para avaliação da percepção da intensidade de dor no corpo, bem como do impacto que ela possa causar nas atividades do dia a dia, foram utilizadas as perguntas sete e oito do Medical Outcomes Study 36 Item Short-Form Health Survey (SF-36), conforme a metodologia utilizada nos estudos de Jahnsen et al. (2004a) e Opheim et al. (2009). Estas perguntas objetivam identificar quanta dor no corpo o indivíduo teve durante os últimos seis meses e quanto esta dor interferiu no trabalho normal, incluindo o trabalho dentro de casa, durante as últimas quatro semanas. Para avaliar a frequência de dor em diferentes seguimentos do corpo, utilizou-se o domínio problemas musculoesqueléticos do questionário desenvolvido por Andersson & Mattsson (2001). Quanto à avaliação da intensidade da dor nestes locais, utilizou-se como instrumento a Escala Visual

5 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 111 Analo gica (EVA) que variam de zero (ause ncia total de dor) a dez (dor ma xima suporta vel). Os questiona rios de fadiga e de dor foram respondidos pelos pro prios participantes. Os participantes que apresentaram dificuldades para se expressar verbalmente, foram orientados a utilizar gestos e movimentos com os olhos e com a cabec a. Foram feitas adaptac o es para os questiona rios FQ, SF-36 e questiona rio sobre seguimentos corporais dolorosos. Para tal, foram utilizados frascos contendo lı quidos coloridos a diferentes nı veis, cada qual representando uma opc a o de resposta (Figura 1). Com relac a o ao FSS e a intensidade da dor nos seguimentos corporais dolorosos, confeccionou-se uma EVA em maior dimensa o para facilitar a indicac a o da resposta pelo participante (Figura 2). Segundo Sabbadini et al. (2001) e Varni et al. (2005), tais estrate gias oferecem autonomia a queles que apresentam dificuldades de expressa o verbal e minimizam a chance do examinador influenciar a resposta do participante. As alterac o es musculoesquele ticas foram avaliadas atrave s de um breve exame postural e fı sico. Para ana lise dos dados, utilizou-se o software aplicativo SPSS (Statistical Package for the Social Sciences) versa o 17.0, e para a caracterizac a o da amostra da func a o motora, da dor e da fadiga realizou-se ana lise descritiva dos dados. Para avaliar a relac a o entre func a o motora e fadiga ou dor, efetuou-se a ana lise de correlac a o de Spearman, com nı vel de significa ncia de 0,05. Figura 1. Adaptac o es para opc o es de resposta aos questiona rios de dor e fadiga.

6 112 Duprat Ramos et al. Figura 2. EVA confeccionada em tamanho maior. 3. Resultados A Tabela 1 apresenta a caracterizac a o da amostra quanto aos dados demogra ficos, as informac o es sobre a PC, a realizac a o de atividade fı sica ou fisioterapia e a presenc a de alterac o es de linguagem. A Tabela 2 caracteriza a func a o motora dos vinte participantes do estudo. Quanto ao GMFM, as pontuac o es totais dos participantes se situaram, principalmente, nas faixas entre 0 e 25% (40% dos sujeitos) e entre 76 e 100% (45% dos sujeitos). Dos vinte participantes, apenas treze deambulavam, nove com deambulac a o do tipo funcional e quatro do tipo na o funcional. Dos sete (35%) participantes classificados como na o deambulantes, quatro (20%) nunca adquiriram a func a o da marcha e tre s (15%) perderam tal func a o ao longo da vida. Pode-se observar tambe m uma maior concentrac a o de pessoas no nı vel I do GMFCS (40%) seguida de maior concentrac a o no nı vel IV (35%). No que diz respeito ao MACS, uma grande proporc a o foi encontrada no nı vel I (60%). No FQ todos os participantes relataram possuir algum nı vel de intensidade de fadiga, de origem fı sica ou mental. A maioria dos indivı duos se encontrava na faixa de pontuac a o de ate 25% no que se refere a fadiga geral, fı sica e mental, seguida de maior concentrac a o na faixa de 26 a 50% e 51 a 75%, respectivamente, para os tre s tipos de fadiga citadas (Tabela 3). De acordo com os resultados da FSS, todos os participantes relataram que os sintomas de fadiga causaram alguma incapacidade em diferentes nı veis. Dentre as incapacidades geradas pelo sintoma de fadiga fı sica estavam a dificuldade em se manter em atividades ja iniciadas como o andar, o brincar com outros colegas e a auto higienizac a o. Dentre as relacionadas com a fadiga mental estavam a dificuldade em manter a concentrac a o,

7 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 113 Tabela 1. Caracterização sociodemográfica dos participantes. Idade Sexo NE Escolaridade Tipo Complicações A.F./ Linguagem (anos) PC Musculares Fisio 54 F E 1 a a 4 a série Quadriplegia 1, 2, 3, 4, 5 Fisio Afasia 12 F B2 5 a a 8 a série Quadriplegia 1, 2, 5 Fisio Afasia 20 F D Analfabeto Quadriplegia 1, 3, 5 Fisio Disartria 16 F C1 Médio inc. Discinético 1, 2, 5, 6 Não Disartria 38 M C2 Médio comp. Quadriplegia 1, 3, 5 A.F./Fisio Disartria 17 M D 5 a a 8 a série Quadriplegia 1, 5 A.F./Fisio Disartria 59 F D 1 a a 4 a série Ataxia 1, 3, 4 Não Disartria 20 M D 5 a a 8 a série Diplegia 1 A.F. Disartria 32 M C2 Analfabeto Diplegia 1, 3, 4, 5 A.F./Fisio Disartria 34 M C2 Analfabeto Quadriplegia 1, 2, 3, 5 Fisio Disartria 15 M C2 5 a a 8 a série Diplegia 1 Fisio Disartria 36 M C1 Médio comp. Hemiplegia 1 A.F./Fisio Disartria 12 F C1 5 a a 8 a série Hemiplegia 1, 5 A.F./Fisio Disartria 40 F B2 1 a a 4 a série Quadriplegia 1, 5 Fisio Disartria 15 M C2 Analfabeto Discinético 1, 2, 4, 5, 6 Fisio Afasia 17 M B2 Médio inc. Quadriplegia 1, 3, 5 A.F. Disartria 24 M C2 5 a a 8 a série Misto 1 Fisio Disartria 14 M E 5 a a 8 a série Hemiplegia 0 A.F./Fisio Disartria 17 M D 1 a a 4 a série Diplegia 1, 4 Fisio Disartria 20 M C1 Médio inc. Quadriplegia 1, 2, 5 Fisio Disartria M = Masculino, F = Feminino, NE = Nível Econômico, Médio inc. = Ensino Médio incompleto, Médio comp. = Ensino Médio completo, Complicações. Musc. = Complicações Musculoesqueléticas: (1) escoliose, (2) cifose, (3) alterações nos tornozelos/pés, (4) contraturas de joelho ou tornozelo ou punho ou cotovelo, (5) obliquidade pélvica, (6) luxação de quadril. A.F. = Atividade Física, Fisio = Fisioterapia em organizar os pensamentos e a memória. Tais relatos de incapacidade se concentraram na faixa de porcentagem compreendida entre 51 e 75% seguida de maior concentração na faixa de 26 a 50%, e de igual proporção nas faixas até 25% e entre 76 e 100% (Tabela 3). A Tabela 4 mostra a frequência e a intensidade da dor no corpo e em suas diferentes partes. Treze participantes (65%) relataram dor e todos os seguimentos corporais citados no questionário obtiveram relato de dor. Os seguimentos com maior frequência de relato de dor foram a cabeça com 80%, seguida das costas com 70% e o tornozelo ou o pé com 60%. Houve um predomínio das intensidades de dor leve e moderada no que se refere aos vários locais do corpo (Tabela 4). A Tabela 5 mostra a intensidade da influência da dor no corpo nas atividades do cotidiano. Dos treze participantes que relataram sentir dor no corpo, dez (76,92%) relataram que tal sintoma influenciou na realização de atividades do dia a dia. A Tabela 6 apresenta os coeficientes de correlação de Spearman obtidos entre as variáveis relacionadas à fadiga e a dor, com as relacionadas à função motora. A única correlação com significância estatística observada foi entre a fadiga mental e o MACS.

8 114 Duprat Ramos et al. Tabela 2. Caracterização da função motora grossa e do tipo de marcha. Classificação GMFM* Tipo de Marcha Motora 0-25% 26-50% 51-75% % F. N.F. N.D. GMFCS (n) Nível I (8) 8 8 Nível II (1) Nível III (3) Nível IV (7) Nível V (1) MACS (n) Nível I (12) Nível II (3) Nível III (1) Nível IV (2) Nível V (2) n = número de participantes; * = distribuição dos participantes por faixa de pontuação atingida em porcentagem, F. = Funcional, N.F. = Não Funcional, N.D. = Não Deambula. Tabela 3. Níveis de intensidade de fadiga e incapacidade gerados. Questionários Ausência de 25%* 26 50%* 51 75%* %* fadiga (n) (n) (n) (n) (n) Fadiga geral (FQ) Fadiga física (FQ) Fadiga mental (FQ) Incapacidade gerada por fadiga (FSS) n = número de participantes; * = faixa de pontuação atingida em porcentagem, FQ = Fatigue Questionnaire, FSS = Fatigue Severity Scale. 4. Discussão Segundo a literatura recente (Hirsh et al., 2010; Horsman et al., 2010), uma das maiores razões de procura pelos serviços de fisioterapia por adultos com PC são a dor e a fadiga, bem como as consequências que estes sintomas trazem para a função motora. A dor crônica é um sintoma bastante comum em adultos com PC e uma das causas de incapacidades (Engel et al., 2003; Jahnsen et al., 2004a; Vogtle, 2009; Riquelme et al., 2011). Engel et al. (2003) concluíram que 67% de sua amostra relatou dor crônica em um ou mais locais do corpo, e as costas e os membros inferiores foram os locais mais relatados. No presente estudo, todos os participantes relataram ter sentido dor no último

9 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 115 Tabela 4. Frequência de relatos e intensidades de dor em diferentes partes do corpo e a influência do sintoma nas atividades. Dor Número de Intensidade de dor participantes relatada segundo EVA (n) Leve Moderada Grave (1 a 3) (4 a 7) (8 a 10) Dor no corpo (SF36-7) Costas Pescoço Tornozelo/pé Ombro Joelho Quadril Braço Cabeça Tabela 5. Influência da dor no corpo nas atividades do cotidiano. Participantes que Intensidade de dor relatada relataram influência segundo EVA (n) da dor (SF36-8) Leve (1 a 3) Moderada (4 a 7) Grave (8 a 10) ano em um ou mais locais do corpo. No entanto, a cabeça apresentou maior frequência de relato de dor, seguida das costas, do tornozelo e pé, e do pescoço. Jahnsen et al. (2004a), em um estudo com 406 adultos com PC, observaram que os relatos de dor na cabeça eram mais prevalentes em indivíduos com PC do tipo discinética. No presente estudo, a quantidade de indivíduos com PC do tipo espástica foi maior do que a do tipo discinética. Embora ainda não haja uma compreensão mais aprofundada sobre as fontes de dor em adultos com PC (Vogtle, 2009) a literatura pesquisada aponta as alterações musculoesqueléticas como importantes causas (Paterson, 2004; Jones, 2009; Vogtle, 2009). Assim como nos resultados encontrados por Jahnsen et al. (2004a), no presente estudo, nem todos os participantes que referiram dor no corpo relataram que o sintoma influenciou as atividades de vida diária. Segundo Riquelme et al. (2011), a dor na PC parece ser um fenômeno relevante desde tenra idade, cuja intensidade não sofre alterações relacionadas com o avançar da idade, diferentemente do que se observa em indivíduos saudáveis. Apesar de todos os participantes relatarem dor em um ou mais locais do corpo, nem todos relataram sentir dor no corpo de acordo com as per-

10 116 Duprat Ramos et al. Tabela 6. Resultado das correlações de Spearman. Questionários GMFCS GMFM Tipo de MACS marcha Fadiga geral r = -0,339 r = -0,379 r = -0,335 r = -0,350 (FQ) ρ = 0,143 ρ = 0,099 ρ = 0,263 ρ = 0,131 Fadiga física r = -0,249 r = -0,277 r = -0,394 r = -0,108 (FQ) ρ = 0,289 ρ = 0,238 ρ = 0,183 ρ = 0,651 Fadiga mental r = -0,386 r = -0,377 r = -0,047 r = -0,617* (FQ) ρ = 0,093 ρ = 0,101 ρ = 0,879 ρ = 0,004 Incapacidade gera- r = -0,003 r = 0,070 r = -0,014 r = 0,346 da por fadiga (FSS) ρ = 0,989 ρ = 0,752 ρ = 0,963 ρ = 0,136 Dor no corpo r = 0,170 r = 0,039 r = 0,279 r = 0,271 (SF36-7) ρ = 0,472 ρ = 0,869 ρ = 0,356 ρ = 0,248 Influência da dor r = 0,102 r = -0,040 r = 0,394 r = 0,087 nas atividades (SF36-8) ρ = 0,667 ρ =0,867 ρ = 0,183 ρ = 0,714 Intensidade geral r = 0,095 r = 0,167 r = 0,073 r = 0,415 da dor (EVA) ρ = 0,691 ρ = 0,482 ρ = 0,761 ρ = 0,690 * Correlação estatisticamente significativa (ρ < 0, 05). guntas do SF-36. Durante a coleta dos dados observou-se que, ao fazer as perguntas padronizadas do referido questionário (a sete e a oito), a maioria dos participantes entendeu o termo dor no corpo como mialgia, artralgia, moleza e mal estar generalizados. Entende-se que isto ocorreu porque estes termos são bastante utilizados pelo Ministério da Saúde para descrever os sintomas de doenças comuns no país, como a dengue. Horsman et al. (2010) observaram em um estudo qualitativo, realizado com doze adultos com PC, que ao aceitarem que o sintoma é um crescente em suas vidas, os indivíduos buscam descansar mais e gerenciar melhor suas energias com atividades mais funcionais e práticas. Tais estratégias de enfrentamento foram percebidas pelos participantes do estudo como uma derrota, gerando uma angústia psicológica devido às limitações nas atividades e às restrições sociais causadas. Os resultados deste estudo mostram que todos os participantes relataram fadiga seja ela física ou mental, porém para a maioria, esta fadiga é de pequena intensidade. Porém, a faixa etária dos participantes era predominantemente abaixo de vinte e cinco anos e a maioria dos participantes

11 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 117 realizava fisioterapia há mais de um ano ou praticava atividades físicas livres. Há evidências sobre os efeitos benéficos do exercício físico, bem como da fisioterapia, nos sintomas de fadiga e também de dor em adolescentes e adultos com PC (Allen et al., 2004; Taylor et al., 2004; Slaman et al., 2010). Porém, um estudo recente de revisão sistemática sobre as evidências da intervenção fisioterapêutica em adolescentes e adultos com PC concluiu que as evidências sobre o assunto são escassas e que há uma necessidade urgente de estudos nesta população (Jeglinsky et al., 2010). Quanto à função motora grossa, os participantes dividiram-se principalmente em dois grupos: um grupo com maiores limitações (GMFCS IV e V, GMFM com pontuação baixa e ausência de marcha) e um grupo com melhor desempenho funcional (GMFCS I e II, GMFM com pontuação alta e presença de marcha funcional). Por outro lado, na função motora fina houve maior número de indivíduos com menores limitações (MACS I). Hanna et al. (2009) acompanharam o desenvolvimento motor grosso de 657 indivíduos com PC desde os dezesseis meses de vida até os vinte e um anos de idade. Observaram que, para cada nível do GMFCS, existia uma curva de pico e declínio da função motora grossa em relação à idade. Os níveis III, IV e V estavam sob maior risco de declínio nesta curva. Acreditase que a combinação entre o crescimento físico e a diminuição da função motora voluntária pode estar associada a uma tendência de aumento de custos energéticos, de contraturas e de rigidez muscular, que perduram nos anos seguintes. Há interesse na comunidade científica atual em compreender o que ocorre em termos de função motora em adultos com PC. Especula-se que há uma deterioração funcional ao longo dos anos, principalmente no que se refere à locomoção (Bottos et al., 2001; Day et al., 2007; Hanna et al., 2009). Neste estudo, dos sete participantes que não deambulavam, três perderam a função da marcha ao longo da fase adulta. O participante 1 iniciou a marcha aos 12 anos e perdeu aos 20. O participante 7 iniciou aos quatro anos e perdeu aos 39. O participante 10 iniciou com um ano e perdeu aos 28. As idades de perda de marcha dos participantes do estudo reforçam os resultados obtidos por Bottos & Gericke (2003) sobre a faixa etária mais comum de deterioração e perda da marcha, ou seja, entre 20 e 40 anos. Segundo Shortland (2009), em um estudo de revisão, o atraso na aquisição dos marcos motores, o comprometimento neurológico e o envelhecimento podem comprometer o aumento da reserva muscular e, consequentemente, a realização de tarefas motoras como a marcha em adultos com PC. Outros autores (Jahnsen et al., 2003, 2004a,b; Opheim et al., 2009; Vogtle, 2009; Palisano et al., 2010) associaram o achado também a fatores intrínsecos e extrínsecos ao indivíduo: o desequilíbrio entre a demanda energética da atividade e a capacidade física, as alterações musculoesqueléticas que se desenvolvem no decorrer da vida, a falta de atividades físicas

12 118 Duprat Ramos et al. que se adaptem às necessidades de adultos com PC, os relatos de fadiga, e o aumento da frequência e do impacto causado pela dor em vários locais do corpo. Embora vários estudos descritivos citem a fadiga e a dor como contribuintes para o declínio das funções motoras de adultos com PC, o presente estudo não verificou correlação entre a percepção subjetiva da fadiga e da dor com a função motora. A única correlação com significância estatística encontrada foi entre a fadiga mental e o MACS, a qual foi classificada como forte, e com poder estatístico de 85% ao considerar-se o tamanho da amostra (Cohen, 1988). A literatura pesquisada na área de adultos com PC é escassa ao descrever a função motora fina. Não houve registro de estudos publicados correlacionando função motora fina e a fadiga geral ou mental. Segundo Eliasson et al. (2006) a avaliação da função motora manual em indivíduos com PC através do MACS requer um controle motor fino associado a uma demanda cognitiva. Assim, a parte motora envolve o indivíduo fazer a tarefa corretamente, e a parte da cognição se refere a saber o que se deve fazer. Desta forma, é possível que a dificuldade no controle muscular seletivo em indivíduos com PC requeira maior esforço mental. Wittemberg (2009), em um estudo para mapeamento motor cortical da mão de hemiplégicos e diplégicos com PC, observou que havia uma reorganização da representação motora da mão afetada e que o hemisfério cerebral não afetado continha a representação motora da mão não afetada e da mão afetada. Estudos sobre fadiga mental em indivíduos com lesão nervosa central são mais frequentes em condições como a poliomielite (Bruno et al., 1995; Schanke & Stanghelle, 2001) e a esclerose múltipla (Tartaglia et al., 2008). Ao associar a realização de tarefas motoras manuais a uma demanda cognitiva Marcora et al. (2009) e Tartaglia et al. (2008) conseguiram induzir fadiga mental em indivíduos saudáveis e com esclerose múltipla, respectivamente. Em indivíduos saudáveis, a fadiga mental limita a tolerância ao exercício físico através do aumento da percepção de esforço (Marcora et al., 2009). 5. Conclusão O presente estudo indica que a fadiga e a dor, apesar de serem sintomas com baixa intensidade, foram relatos comuns entre os participantes. No entanto, a única correlação encontrada entre estas variáveis e a função motora, ocorreu entre a fadiga mental e o MACS. Apesar de a literatura relatar que a fadiga e a dor são sintomas associados à deterioração da função motora de adultos com PC, há uma escassez de estudos que mostrem a correlação destes sintomas com a função motora. Como a fadiga e a dor são sintomas de prevalência importante nesta população, sugere-se a realização de estudos controlados e com amostras

13 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 119 significativas, a fim de se entender como tais sintomas limitam as atividades e a participação social em adolescentes e adultos com PC. Além disto, as intervenções fisioterapêuticas em indivíduos com PC, desde tenra idade, devem focar estratégias preventivas ou de alívio destes sintomas. Agradecimentos As autoras agradecem ao Núcleo de Reabilitação Física Nossa Senhora da Saúde de Diamantina, MG, da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) e da Clínica-Escola de Fisioterapia da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM) pelo apoio fornecido. As autoras agradecem também à Revista Brasileira de Fisioterapia pelo apoio. Referências Allen, J.; Dodd, K.J.; Taylor, N.F.; McBurney, H. & Larkin, H., Strength training can be enjoyable and beneficial for adults with cerebral palsy. Disability and Rehabilitation, 26(19): , Andersson, C. & Mattsson, E., Adults with cerebral palsy: a survey describing problems, needs, and resources with special emphasis on locomotion. Developmental Medicine and Child Neurology, 43(2):76 82, Associação Brasileira de Empresas de Pesquisa,, Critério de Classificação Econômica Brasil base 2006 e Disponível na internet em: Acessado em: 05/04/2010. Berrin, S.J.; Malcarne, V.L.; Varni, J.W.; Burwinkle, T.M.; Sherman, S.A.; Artavia, K. & Chambers, H.G., Pain, fatigue and school functioning in children with cerebral palsy: a path-analytic model. Journal of Pediatric Psychology, 32(3): , Bottos, M.; Feliciangeli, A.; Sciuto, L.; Azienda, U.S.L.; Gericke, C.O.T. & Vianello, A., Functional status of adults with cerebral palsy and implications for treatment of children. Developmental Medicine and Child Neurology, 43(8): , Bottos, M. & Gericke, C., Ambulatory capacity in cerebral palsy: prognostic criteria and consequences for intervention. Developmental Medicine and Child Neurology, 45(11): , Brucky, S.M.D.; Nitrini, R.; Catramelli, P.; Bertolucci, P.H.F. & Okamoto, I.H., Sugestões para o uso do mini-exame do estado mental no Brasil. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 61(3B): , Bruno, R.L.; Sapolsky, R. & Frick, N.M., The pathophysiology of postpolio fatigue: a role for the basal ganglia in the generation of fatigue. Annals of the New York Academy of Science, 753(1): , 1995.

14 120 Duprat Ramos et al. Carter, D.R. & Tse, B., The pathogenesis of osteoarthritis in cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 51(S4):79 83, Chalder, T.; Grooten, W.; Hellsten, M.; Kaping, K. & Mattsson, E., Development of a fatigue scale. Journal of Psychosomatic Research, 37(2): , Cohen, J., Statistical Power Analysis for the Behavioral Sciences. 2a edição. New Jersey, USA: Lawrence Erlbaum Associates, Day, S.M.; Wu, Y.W.; Strauss, D.J.; Shavelle, R.M. & Reynolds, R.J., Change in ambulatory ability of adolescents and young adults with cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 49(9): , Eliasson, A.C.; Krumlinde, S.L.; Rosblad, B.; Beckung, E.; Arner, M.; Öhrvalll, A.M. & Rosenbaum., P., The manual ability classification system (MACS) for children with cerebral palsy: scale development and evidence of validity and reliability. Developmental Medicine and Child Neurology, 48(7): , Engel, J.M.; Jensen, M.P.; Hoffman, A.J. & Kartin, D., Pain in persons with cerebral palsy: extension and cross validation. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 84(8): , Fowler, E.G.; Kolobe, T.H.; Damiano, D.L.; Thorpe, D.E.; Morgan, D.W.; Brunstrom, J.E.; Coster, W.J.; Henderson, R.C.; Pitetti, K.H.; Rimmer, J.H.; Rose, J. & Stevenson, R.D., Promotion of physical fitness and prevention of secondary conditions for children with cerebral palsy: section on pediatrics research summit proceedings. Physical Therapy, 87(11): , Hanna, S.E.; Rosembaum, P.L.; Bartlett, D.J.; Palisano, R.J.; Walter, S.D.; Avery, L. & Russell, D.J., Stability and decline in gross motor function among children and youth with cerebral palsy aged 2 to 21 years. Developmental Medicine and Child Neurology, 51(4): , Hirsh, A.T.; Gallegos, J.C.; Gertz, K.J.; Engel, J.M. & Jensen, M.P., Symptom burden in individuals with cerebral palsy. Journal of Rehabilitation Research and Development, 47(9): , Horsman, M.; Melinda, S.; Dudgeon, B. & Harris, S.R., Growing older with cerebral palsy: insiders perspectives. Pediatric Physical Therapy, 22(3): , IASP Task Force on Taxonomy,, Part III: pain terms, a current list with definitions and notes on usage. In: Merskey, H. & Bogduk, N. (Eds.), Classification of Chronic Pain. Seattle, USA: IASP Press, 2a edição, p , 1994.

15 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 121 Jahnsen, R.; Villien, L.; Aamodt, G.; Stanghelle, J.K. & Holm, I., Musculoskeletal pain in adults with cerebral palsy compared with the general population. Journal of Rehabilitation Medicine, 36(2):78 84, 2004a. Jahnsen, R.; Villien, L.; Egeland, T.; Aamodt, G.; Stanghelle, J.K. & Holm, I., Locomotion skills in adults with cerebral palsy. Clinical Rehabilitation, 18(3): , 2004b. Jahnsen, R.; Villien, L.; Stanghelle, J.K. & Holm, I., Fatigue in adults with cerebral palsy in Norway compared with the general population. Developmental Medicine and Child Neurology, 45(5): , Jeglinsky, I.; Surakka, J.; Carlberg, E.B. & Autti-Rämö, I., Evidence on physiotherapeutic interventions for adults with cerebral palsy is sparse: a systematic review. Clinical Rehabilitation, 24(9): , Jones, G.C., Aging with cerebral palsy and other disabilities: personal reflections and recommendations. Developmental Medicine and Child Neurology, 51(S4):12 15, Kaasa, S.; Loge, J.H.; Knobel, H.; Jordhøy, M.S. & Brenne, E., Fatigue: measures and relation to pain. Acta Anaesthesiologica Scandinavica, 43(9): , Krupp, L.B.; Larocca, N.G.; Muir-Nash, J. & Steinber, A.D., The fatigue severity scale: application to patients with multiple sclerosis and systemic lupus erythematosus. Archives of Neurology, 46(10): , Loge, J.H.; Ekeberg, Ø. & Kaasa, S., Fatigue in the general norwegian population: normative data and associations. Journal of Psychosomatic Research, 45(1):53 65, Maanum, G.; Jahnsen, R.; Frøslie, K.F.; Larsen, K.L. & Keller, A., Walking ability and predictors of performance on the 6-minute walk test in adults with spastic cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 52(6): , Marcora, S.M.; Staiano, W. & Manning, V., Mental fatigue impairs physical performance in humans. Journal of Applied Physiology, 106(3): , Montgomery, P.C., Predicting potential for ambulation in children with cerebral palsy. Pediatric Physical Therapy, 10(4): , Moreau, N.G.; Li, L.; Geaghan, J.P. & Damiano, D.L., Fatigue resistance during a voluntary performance task is associated with lower levels of mobility in cerebral palsy. Archives of Physical Medicine and Rehabilitation, 89(10): , Moreau, N.G.; Li, L.; Geaghan, J.P. & Damiano, D.L., Contributor to fatigue resistance of the hamstrings and quadriceps in cerebral palsy. Clinical Biomechanics, 24(4): , 2009.

16 122 Duprat Ramos et al. Opheim, A.; Jahnsen, R.; Olsson, E. & Stanghelle, J.K., Walking function, pain, fatigue in adults with cerebral palsy: a 7-year follow-up study. Developmental Medicine and Child Neurology, 51(5): , Palisano, R.; Rosenbaum, P.; Walter, S.; Russell, D.; Wood, E. & Galuppi, B., Development and reliability of a system to classify gross motor function in children with cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 39(4): , Palisano, R.J.; Hanna, S.E.; Rosenbaum, P.L. & Tieman, B., Probability of walking, wheeled mobility, and assisted mobility in children and adolescents with cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 52(1):66 71, Paterson, M., Progression and correction of deformities in adults with cerebral palsy. Advances in Clinical Neuroscience & Rehabilitation, 4(3):27 31, Riquelme, I.; Cifre, I. & Montoya., P., Age-related changes of pain experience in cerebral palsy and healthy individuals. Pain Medicine, 12(4): , Rosenbaum, P.; Paneth, N.; Leviton, A.; Goldstein, M.; Bax, M.; Damiano, D.; Dan, B. & Jacobsson, B., A report: the definition and classification of cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 49(S2):8 14, Russell, D.J.; Rosembaum, P.L.; Avery, L.M. & Lane, M., Gross Motor Function Measure (GMFM-66 and GMFM-88) User s Manual. 2a edição. London, UK: Mac Keith Press, Sabbadini, M.; Bonanni, R.; Carlesimo, G.A. & Caltagirone, C., Neuropsychological assesment of patients with severe neuromotor and verbal disabilities. Journal of Intellectual Disability Research, 45(2): , Schanke, A.K. & Stanghelle, J.K., Fatigue in polio survivors. Spinal Cord, 39(5): , Shortland, A.M., Muscle deficits in cerebral palsy and early loss of mobility: can we learn something from our elders? Developmental Medicine and Child Neurology, 51(S4):59 63, Slaman, J.; Roebroeck, M.E.; van Meeteren, J.; van der Slot, W.M.; Reinders-Messelink, H.A.; Lindeman, E.; Stam, H.J. & van den Berg- Emons, R.J., Learn 2 move 16-24: effectiveness of an intervention to stimulate physical activity and improve physical fitness of adolescents and young adults with spastic cerebral palsy: a randomized controlled trial. BMC Pediatrics, 10(1):79, 2010.

17 Função motora, fadiga e dor em adolescentes e adultos com PC 123 Tartaglia, M.C.; Narayanan, S. & Arnold, D.L., Mental fatigue alters the pattern and increases the volume of cerebral activation required for a motor task in multiple sclerosis patients with fatigue. European Journal of Neurology, 15(4): , Taylor, N.F.; Dodd, K.J. & Larkin, H., Adults with cerebral palsy benefit from participating in a strength training programme at a community gymnasium. Disability and Rehabilitation, 26(19): , Varni, J.W.; Burwinkle, T.M.; Sherman, S.A.; Hanna, K.; Berrin, S.J.; Malcarne, V.L. & Chambers, H.G., Health-related quality of life of children and adolescents with cerebral palsy: hearing the voices of the children. Developmental Medicine and Child Neurology, 47(9): , Vogtle, L., Pain in adults with cerebral palsy: impact and solutions. Developmental Medicine and Child Neurology, 51(S4): , Wittemberg, G.F., Motor mapping in cerebral palsy. Developmental Medicine and Child Neurology, 51(S4): , 2009.

18 124 Duprat Ramos et al. Notas Biográficas Aline Duprat Ramos é Fisioterapeuta (UFVJM, 2010) e atua como fisioterapeuta no Hospital Pronto Socorro João XXIII - Rede FHEMIG de Belo Horizonte, MG. Adriana Ferreira Dias é Fisioterapeuta (UFVJM, 2010). Rosane Luzia de Souza Morais é Fisioterapeuta (UFMG, 1996), Especialista em Fisioterapia (USP, 1998) e Mestre em Ciências da Reabilitação (UFMG, 2005). Atualmente é doutoranda em Saúde da Criança e do Adolescente (UFMG) e Professor Assistente da UFVJM, Departamento de Fisioterapia. Ana Paula Santos é Fisioterapeuta (UEL, 1999), Especialista em Fisioterapia Neurológica (UEL, 2001), Mestre e Doutor em Ciências Médicas Neurociências (USP, 2004 e 2009, respectivamente). Atualmente é Professor Adjunto da UFVJM, Departamento de Fisioterapia.

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER

CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER CAPACIDADE FUNCIONAL E QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE COM DEMÊNCIA DE ALZHEIMER Clariany Soares Cardoso 1 ; Gustavo Christofoletti 2 ; Eberson da Silva Rodrigues do Nascimento 3 1 Bolsista PBIC/UEG, graduada

Leia mais

Caracterização de adultos com paralisia cerebral

Caracterização de adultos com paralisia cerebral Artigo Original ISSN 1413-3555 Rev Bras Fisioter, São Carlos, v. 14, n. 5, p. 417-25, set./out. 2010 Revista Brasileira de Fisioterapia Caracterização de adultos com paralisia cerebral Caracterization

Leia mais

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS)

SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) 1 SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DA FUNÇÃO MOTORA GROSSA PARA PARALISIA CEREBRAL (GMFCS) Robert Palisano; Peter Rosenbaum; Stephen Walter; Dianne Russell; Ellen Wood; Barbara Galuppi Traduzido por Erika Hiratuka

Leia mais

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE

TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE TÍTULO: CORRELAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E FUNCIONALIDADE EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES):

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

3 Método. 3.1 Sujeitos

3 Método. 3.1 Sujeitos 30 3 Método 3.1 Sujeitos A amostra deste estudo foi composta de idosos atendidos no ambulatório de geriatria de um hospital público do estado do Rio de Janeiro. Foram investigados 51 idosos com diagnóstico

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES

ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES ATIVIDADE FÍSICA, ESTADO NUTRICIONAL E PREOCUPAÇÕES COM A IMAGEM CORPORAL EM ADOLESCENTES Maria Fernanda Laus; Diana Cândida Lacerda Mota; Rita de Cássia Margarido Moreira;Telma Maria Braga Costa; Sebastião

Leia mais

GMFCS E & R Sistema de Classificação da Função Motora Grossa Ampliado e Revisto

GMFCS E & R Sistema de Classificação da Função Motora Grossa Ampliado e Revisto CanChild Centre for Childhood Disability Research Institute for Applied Health Sciences, McMaster University, 1400 Main Street West, Room 408, Hamilton, ON, Canada L8S 1C7 Tel: 905-525-9140 ext. 27850

Leia mais

Classificação no Ciclismo

Classificação no Ciclismo Classificação no Ciclismo A classificação é uma forma de estrutura criada para a organização das competições com atletas que possuem alguma deficiência. Antes de participar de qualquer competição, o atleta

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE

TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: A INFLUÊNCIA DA DANÇA DO VENTRE NOS SINTOMAS DEPRESSIVOS EM IDOSAS DA COMUNIDADE CATEGORIA:

Leia mais

Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal

Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal Seção Livre Inclusão social de um paciente com déficit intelectual moderado por meio de repertório verbal Desordens alimentares no desporto: situação atual e perspectivas futuras no estudo dos fatores

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR DE MÃES E SEUS FILHOS COM PARALISIA CEREBRAL

CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR DE MÃES E SEUS FILHOS COM PARALISIA CEREBRAL CONTRIBUIÇÃO DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE BEM-ESTAR DE MÃES E SEUS FILHOS COM PARALISIA CEREBRAL ÂNGELA MARIA SIRENA ALPINO; JENIFER SILVA DE SOUZA; MARIANA GONÇALVES KANASHIRO Universidade Estadual

Leia mais

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA

EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA EFEITOS IMEDIATOS DA ESCOLA DE POSTURAS DA UFPB NA DIMINUIÇAO DA DOR DE COLUNA, ESTRESSE E FADIGA CARDIA, Maria Cláudia Gatto 1 ; LIMA, Junio Alves 2 ; NÓBREGA JR, José Carlos Nogueira 3 ; OLIVEIRA, Rayssa

Leia mais

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES

TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES TREINAMENTO VOCAL PODE SER FATOR PROTETOR CONTRA DORES Autores: Thays Vaiano, Mara Behlau, Ana Cláudia Guerrieri Palavras Chave: Dor, Voz, canto Introdução: Dor pode ser definida como "experiência sensitiva

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha

EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS. Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha EFEITOS DO TREINAMENTO FUNCIONAL NA MELHORA DAS ATIVIDADES DA VIDA DÍARIA DE IDOSOS Renan Motta Cruz, Ms. Henrique Touguinha Resumo- O processo de envelhecimento humano causa modificações morfológicas

Leia mais

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL

O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL O USO DE SOFTWARE EDUCATIVO NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE CRIANÇA COM SEQUELAS DECORRENTES DE PARALISIA CEREBRAL Introdução Com frequência as tecnologias digitais estão sendo empregadas pelos educadores em

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Adultos com a Paralisia Cerebral: Implicações para Intervenção em Neuropediatria

Adultos com a Paralisia Cerebral: Implicações para Intervenção em Neuropediatria Capítulo 17 Adultos com a Paralisia Cerebral: Implicações para Intervenção em Neuropediatria Anna Luisa Macedo Margre, Maria Gabriela Lopes Reis, Rosane Luzia de Souza Morais, Aline Duprat Ramos Resumo:

Leia mais

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN

X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 65 Centro Universitário da Grande Dourados X JORNADA DE FISIOTERAPIA DE DOURADOS I ENCONTRO DE EGRESSOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIGRAN 66 ANÁLISE POSTURAL EM ADOLESCENTES DO SEXO FEMININO NA FASE

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL EM ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL

AVALIAÇÃO DE DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL EM ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL 370 371 SOCIEDADE PORTUGUESA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Rev Port Ortop Traum 22(3): 370-378, 2014 RESUMO ORGINAL AVALIAÇÃO DE DEFORMIDADES DA COLUNA VERTEBRAL EM ADOLESCENTES COM PARALISIA CEREBRAL Ana

Leia mais

AVALIAÇÃO DA MOTRICIDADE FINA E GLOBAL EM CRIANÇAS DE QUATRO A SEIS ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA

AVALIAÇÃO DA MOTRICIDADE FINA E GLOBAL EM CRIANÇAS DE QUATRO A SEIS ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA AVALIAÇÃO DA MOTRICIDADE FINA E GLOBAL EM CRIANÇAS DE QUATRO A SEIS ANOS DE UMA ESCOLA PÚBLICA Camila Rossato¹, Denise Redin¹, Naiane Imhoff¹, Pamela Marquezan¹, Paola de Almeida Mori¹, Andriele Gasparetto²,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA DE SUJEITOS PÓS-ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO

QUALIDADE DE VIDA DE SUJEITOS PÓS-ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO QUALIDADE DE VIDA DE SUJEITOS PÓS-ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO Larissa Gasparini da Rocha 1, Livia Rossato Dias 1, Nadiesca Taisa Filippin ² 1 Fisioterapeuta, Santa Maria - RS, Brasil 2 Fisioterapeuta,

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

Gait analysis contribuition to problem identification and surgical planning in CP patients: an agreement study

Gait analysis contribuition to problem identification and surgical planning in CP patients: an agreement study Gait analysis contribuition to problem identification and surgical planning in CP patients: an agreement study Análise da Marcha Vários estudos revelam a utilidade no plano cirúrgico de crianças com PC;

Leia mais

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS

CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS CARACTERÍSTICAS POSTURAIS DE IDOSOS 1INTRODUÇÃO A partir dos 40 anos, a estatura começa a se reduzir em torno de um centímetro por década¹.a capacidade de manter o equilíbrio corporal é um prérequisito

Leia mais

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho

Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho 6 Ginástica Laboral como Meio de Promoção da Qualidade de Vida no Trabalho José Cicero Mangabeira Da Silva Gestor Em Recursos Humanos - Anhanguera Educacional - Campinas-SP Especialista Em Gestão Da Qualidade

Leia mais

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ

DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ DESEMPENHO MOTOR DE IDOSOS PRATICANTES DE ATIVIDADES FÍSICAS EM ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE DA CIDADE DE MARINGÁ, PARANÁ Francieli Furlan de Souza 1, Sonia Maria Marques Gomes Bertolini 2 RESUMO: As Academias

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA

AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA 1 AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE DE EXERCÍCIO DE IDOSOS COM LOMBALGIA E SUA INTERFERÊNCIA NA QUALIDADE DE VIDA FEITOSA P. O. ; FELIPE D. M. Resumo: Entre os declínios fisiológicos relacionados ao envelhecimento

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA

ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO FISIOTERAPÊUTICO NO SOLO E NA ÁGUA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON SUBMETIDOS AO TRATAMENTO

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES DE ARTIGOS INTERNACIONAIS SOBRE A EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM IMPLANTE COCLEAR

UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES DE ARTIGOS INTERNACIONAIS SOBRE A EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM IMPLANTE COCLEAR Londrina de 05 a 07 novembro de 203 - ISSN 275-960X UMA ANÁLISE DAS PUBLICAÇÕES DE ARTIGOS INTERNACIONAIS SOBRE A EDUCAÇÃO DE PESSOAS COM IMPLANTE COCLEAR Nome dos Autores: REGIANE DA SILVA BARBOSA MARIA

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES

QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES QUALIDADE DE VIDA RELACIONADA À SAÚDE E SUA ASSOCIAÇÃO COM EXCESSO DE PESO EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Sandra Fiorelli de Almeida Penteado Simeão e-mail: ssimeao@usc.br; Márcia Aparecida Nuevo Gatti e-mail:

Leia mais

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA

PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA PERFIL BRASILEIRO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DA FISIOTERAPIA EM ACIDENTE VASCULAR ENCEFÁLICO: REVISÃO SISTEMÁTICA DE CARVALHO, P. E.; SALVADOR, C. A.; MIRANDA, T. T.; LOPES, J. Resumo: O acidente vascular

Leia mais

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies

Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1. Stimulus Equivalence and Autism: A Review of Empirical Studies Psicologia: Teoria e Pesquisa Out-Dez 2010, Vol. 26 n. 4, pp. 729-737 Equivalência de Estímulos e Autismo: Uma Revisão de Estudos Empíricos 1 Camila Graciella Santos Gomes André Augusto Borges Varella

Leia mais

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO

AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO AVALIAÇÃO DE SERVIÇOS DE SAÚDE AUDITIVA SOB A PERSPECTIVA DO USUÁRIO: PROPOSTA DE INSTRUMENTO Armigliato ME; Prado DAG; Melo TM; Lopes AC; Martinez MANS; Amantini RCB; Bevilacqua MC. Palavras-chaves: Avaliação

Leia mais

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos

Introdução: a população idosa está aumentando, e com ela existe a necessidade de estudarmos Fisioterapia TCC em Re-vista 2010 79 BURANELLO, Mariana Colombini 13. Equilíbrio corporal e risco de queda em idosas que praticam atividades físicas e idosas sedentárias. 2010. 19 f. Trabalho de Conclusão

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

Inclusão escolar de crianças e adolescentes com paralisia cerebral: esta é uma realidade possível para todas elas em nossos dias?

Inclusão escolar de crianças e adolescentes com paralisia cerebral: esta é uma realidade possível para todas elas em nossos dias? Artigo Original Inclusão escolar de crianças e adolescentes com paralisia cerebral: esta é uma realidade possível para todas elas em nossos dias? School inclusion of children and adolescents with cerebral

Leia mais

Paula Lumy da SILVA 1,2,3 ; Igor Esteban U. ORDENES 1,2 ; Ana Carolina T. BATISTELA 2 ; Daiana Vieira dos SANTOS 1 ; Letícia Basso BONFANTE 1.

Paula Lumy da SILVA 1,2,3 ; Igor Esteban U. ORDENES 1,2 ; Ana Carolina T. BATISTELA 2 ; Daiana Vieira dos SANTOS 1 ; Letícia Basso BONFANTE 1. DESEMPENHO FUNCIONAL DE CRIANÇAS COM PARALISIA CEREBRAL QUADRIPLE GICA HIPERTO NICA: ESTUDO DE CASOS PERFORMANCE OF CHILDREN DIAGNOSED WITH CEREBRAL PALSY-TYPE HYPERTONIC QUADRIPLEGIC: CASES STUDY Paula

Leia mais

AVALIAÇÃO DA HABILIDADE MANUAL DA MÃO SADIA DO HEMIPLÉGICO ATRAVÉS DO PURDUE PEGBOARD TEST COMPARANDO COM A MÃO NÃO DOMINANTE DO IDOSO SAUDÁVEL

AVALIAÇÃO DA HABILIDADE MANUAL DA MÃO SADIA DO HEMIPLÉGICO ATRAVÉS DO PURDUE PEGBOARD TEST COMPARANDO COM A MÃO NÃO DOMINANTE DO IDOSO SAUDÁVEL AVALIAÇÃO DA HABILIDADE MANUAL DA MÃO SADIA DO HEMIPLÉGICO ATRAVÉS DO PURDUE PEGBOARD TEST COMPARANDO COM A MÃO NÃO DOMINANTE DO IDOSO SAUDÁVEL Doralúcia Pedrosa de Araújo UEPB - doraluciapedrosa@hotmail.com

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola

EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola EXERCÍCIOS RESISTIDOS : Uma visão dentro da Escola Professora Mestre em Ciências Escola de Educação Física e Esporte Universidade de São Paulo CONTEÚDO Conceitos básicos. Princípios biológicos do treinamento.

Leia mais

Guia de Orientação a concussão para o público geral

Guia de Orientação a concussão para o público geral FATOS DE UMA CONCUSSÃO A concussão é uma lesão cerebral. Todas as concussões são graves. Os abalos podem ocorrer sem perda de consciência. Todo atleta com os sintomas de uma lesão na cabeça deve ser removido

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR

PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR PROTOCOLO FISIOTERAPÊUTICO DE PÓS-OPERATÓRIO INICIAL DE CIRURGIA LOMBAR 1- Considerações gerais As cirurgias de coluna têm indicação médica conforme exames de imagem e apresentação clínica. As cirurgias

Leia mais

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE

ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE ESTRESSE EM ENFERMEIROS DO SERVIÇO DE ATENDIMENTO MÓVEL DE URGÊNCIA (SAMU) DE RECIFE-PE Izabel Cristina Brito da Silva 1 Emanuela Batista Ferreira 2 Jael Maria de Aquino 3 Sílvia Elizabeth Gomes de Medeiros

Leia mais

Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida

Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) Promoção da saúde e qualidade de vida Estudo da confiabilidade do Questionário de Qualidade de Vida na Doença de Parkinson 39 (PDQ-39) SIEXBRASIL: 17737 ÁREA TEMÁTICA PRINCIPAL: Saúde ÁREA TEMÁTICA SECINDÁRIA: Promoção da saúde e qualidade

Leia mais

atividades de autocuidado em crianças com paralisia cerebral e a percepção dos cuidadores

atividades de autocuidado em crianças com paralisia cerebral e a percepção dos cuidadores Original Oliveira AKC, Alves ACJ. Atividades de autocuidado em crianças com paralisia cerebral e a percepção dos cuidadores. Temas sobre Desenvolvimento 2011; 18(103):149-53. Artigo recebido em 19/05/2011.

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

VI REUNIÃO DO IBNeC JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL. 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES

VI REUNIÃO DO IBNeC JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL. 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES VI REUNIÃO DO IBNeC 1st Brasilian Meeting of Human Behavior and Evolution Society - HBES JOGOS INTERATIVOS NA REABILITAÇÃO DA PARALISIA CEREBRAL Ft. Ms. Fabiana Rita Camara Machado REALIDADE VIRTUAL (RV)

Leia mais

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES

EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES EVOLUÇÃO DO NÍVEL DE DESENVOLVIMENTO NEUROPSICOMOTOR DE CRIANÇAS PRÉ ESCOLARES Ana Karolina Paiva Braga 1 ; Juliana Campos Rodovalho 1 ; Lílian Fernanda Pacheco 2 ; Cibelle Kayenne Martins Roberto Formiga

Leia mais

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto

Atividade Física e Esporte Adaptado. Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Atividade Física e Esporte Adaptado Profª. Carolina Ventura Fernandes Pasetto Introdução No mundo: 610 milhões de pessoas deficientes No Brasil: 14,5% algum tipo de deficiência (WHO, 2003) 27% física/motora

Leia mais

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar

A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e o desporto: um meio para melhorar a saúde e o bem-estar A actividade física e os desportos saudáveis são essenciais para a nossa saúde e bem-estar. Actividade física adequada e desporto

Leia mais

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública

Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Capítulo 3 Adultos Jovens no Trabalho em Micro e Pequenas Empresas e Política Pública Maria Inês Monteiro Mestre em Educação UNICAMP; Doutora em Enfermagem USP Professora Associada Depto. de Enfermagem

Leia mais

Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ; Pereira, K.L. 3 e Carvalho, E.M. 3

Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ; Pereira, K.L. 3 e Carvalho, E.M. 3 68 Artigo Original Comparação da propensão de quedas entre idosos que praticam atividade física e idosos sedentários Guimarães, L.H.C.T. 1 ; Galdino D.C.A. 1 ; Martins, F.L.M. 2 ; Vitorino, D.F.M. 2 ;

Leia mais

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL

O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL O SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PARA ATLETAS PORTADORES DE PARALISIA CEREBRAL Prof. MsC Cláudio Diehl Nogueira Professor Assistente do Curso de Educação Física da UCB Classificador Funcional Sênior

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE HABITANTE DO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS RESUMO ENVIRONMENTAL PERCEPTION FROM THE CITY OF SÃO GABRIEL-RS'S HABITANTS Ana Paula Fleig Saidelles,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral

Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral Fisioterapia Aquática Funcional na Paralisia Cerebral Estudo de Caso O caso clínico a seguir apresentado foi desenvolvido no período de 4 meses, setembro a dezembro de 2009, e teve como paciente uma menina

Leia mais

O que é Fisioterapia Vestibular?

O que é Fisioterapia Vestibular? O que é Fisioterapia Vestibular? Existem 02 tipos de tontura: rotatória ou vertigem, quando o paciente relata que tudo gira ao seu redor; e não-rotatória, equivalente à instabilidade postural ou desequilíbrio.

Leia mais

Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral

Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral Artigo Original Função motora e qualidade de vida de indivíduos com paralisia cerebral Motor function and life quality of individuals with cerebral palsy ABCS ABCS HEALTH SCIENCES Arquivos Brasileiros

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA PARA CADEIRANTES CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL EM TÊNIS DE MESA Esporte: Administração: individual equipe ITTF Federação Internacional de Tênis de Mesa Cartão de Classificação: Cartão Funcional de Tênis de Mesa Sessão de Regras

Leia mais

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON

PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON PERFIL MOTOR DE PACIENTES COM DOENÇA DE PARKINSON Thatyana Costa Brandão, Rodrigo da Rosa IOP**... * Acadêmica de Fisioterapia da UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina, Tubarão-SC, ** Professor

Leia mais

Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008

Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008 5 Qualidade de vida das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Artur Nogueira (SP) em 2008 avaliação de qualidade de vida (QV) de crianças visa detectar as A maiores satisfações ou alegrias e

Leia mais

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA)

Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Alterações de linguagem nos alcoolistas em atendimento nos Grupos dos Alcoólicos Anônimos (AA) Introdução: O álcool é um depressor do sistema neuronal, e o seu uso pode acarretar alterações cognitivas,

Leia mais

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011

Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Gastos com medicamentos para tratamento da Doença de Alzheimer pelo Ministério da Saúde, 2007-2011 Marina Guimarães Lima, Cristiane Olinda Coradi Departamento de Farmácia Social da Faculdade de Farmácia

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

JUIZ DE FORA, MG. Karla Aparecida de Carvalho Mônica Rodrigues Maia Rose Maria Carnout Rocha

JUIZ DE FORA, MG. Karla Aparecida de Carvalho Mônica Rodrigues Maia Rose Maria Carnout Rocha Artigo original Pós graduação Lato-Sensu em Natação e Hidroginástica - Universidade Gama Filho A PERCEPÇÃO DA DA CAPACIDADE FUNCIONAL EM INDIVÍDUOS DE TERCEIRA IDADE PRATICANTES DE HIDROGINÁSTICA DE UMA

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Resumo Estudo descritivo com abordagem quantitativa objetivou investigar as necessidades de cuidados de enfermagem de pacientes com transtornos

Leia mais

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I

EXERCÍCIOS RESISTIDOS. Parte I EXERCÍCIOS RESISTIDOS Parte I DESEMPENHO MUSCULAR Capacidade do músculo realizar trabalho. Elementos fundamentais: Força Potência muscular Resistência à fadiga FATORES QUE AFETAM O DESEMPENHO MUSCULAR

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10)

AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO. Versão 2 (15/12/10) AVALIAÇÃO CLÍNICA PRECOCE DO EQUILÍBRIO Versão 2 (15/12/10) Tradução Português/Brasil: Ana Paula Bensemann Gontijo, Priscilla R. Pereira Figueiredo, Juliana Starling, Marisa Cotta Mancini (UFMG-2015) Data

Leia mais

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia

A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos. auditivos. Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia A percepção do handicap em adultos candidatos ao uso de aparelhos auditivos Fabiane Acco Mattia Fonoaudióloga Especialização em Audiologia Karlin Fabianne Klagenberg Fonoaudióloga Doutorado em Distúrbios

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA FÍSICA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA FÍSICA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC Comprometimento do aparelho locomotor que compreende o sistema osteoarticular, o sistema muscular e o sistema nervoso. As doenças

Leia mais

DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA

DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA DOENÇA DE PARKINSON: AVALIAÇÃO DA SEVERIDADE E QUALIDADE DE VIDA LUCAS SILVA FRANCO DE OLIVEIRA GISELLE TEIXEIRA MAULER DO RIO FERNANDA DA COSTA OLIVEIRA MARIA ELISA CAPUTO FERREIRA Universidade Federal

Leia mais

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial

De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial De volta para vida: a inserção social e qualidade de vida de usuários de um Centro de Atenção Psicossocial Eliane Maria Monteiro da Fonte DCS / PPGS UFPE Recife PE - Brasil Pesquisa realizada pelo NUCEM,

Leia mais

ANÁLISE DA IMAGEM E ESQUEMA CORPORAL DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN

ANÁLISE DA IMAGEM E ESQUEMA CORPORAL DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ANÁLISE DA IMAGEM E ESQUEMA CORPORAL DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN Anecaroline Gomes Davina 1

Leia mais

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL

ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL ASPECTOS PSÍQUICOS E FUNCIONAIS DA DOENÇA DE PARKINSON: RESULTADOS PRELIMINARES DE UM ESTUDO LONGITUDINAL Clariany Soares Cardoso 1 ; Evandro Rocha Cândido 2 ; Rosana Freitas Tannus 2 ; Juliana Vasconcellos

Leia mais

Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms

Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms Influence of Stretching Program in Factory Workers, Prevalence of Musculoskeletal Symptoms Prevalência de Sintomatologia Músculoesquelética em Operários Fabris, Comparação da sua Capacidade para o Trabalho

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais

Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Audiometria Tonal de Alta-Frequência (AT-AF) em crianças ouvintes normais Palavras Chave: Audiometria, limiar auditivo, criança. Introdução: Além do exame audiométrico convencional, que testa as freqüências

Leia mais

DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS

DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS DISCREPÂNCIA DE MEMBROS INFERIORES E LESÕES MUSCULOESQUELÉTICAS EM CRIANÇAS PRATICANTES DE ATIVIDADES ESPORTIVAS Karine Franciele Toldo 1 ; Priscila Daniele de Oliveira 1 ; Sonia Maria Marques Gomes Bertolini

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

Resumo. Palavras-chave: Inclusão; Níveis de envolvimento; Níveis de empenhamento.

Resumo. Palavras-chave: Inclusão; Níveis de envolvimento; Níveis de empenhamento. Resumo Letícia Monteiro Esteves* Eduardo Chaves Cruz** Rosangela Bertelli*** benefícios tanto para as crianças regulares quanto para aquelas com NEE. O presente estudo avaliou a qualidade do envolvimento

Leia mais

Característica dos idosos com Alzheimer em programa assistencial na cidade do Recife: uma análise primária das possibilidades de comunicação.

Característica dos idosos com Alzheimer em programa assistencial na cidade do Recife: uma análise primária das possibilidades de comunicação. Característica dos idosos com Alzheimer em programa assistencial na cidade do Recife: uma análise primária das possibilidades de comunicação. Palavras-chave: Assistência integral à saúde do idoso. Doença

Leia mais

Sintomas da LER- DORT

Sintomas da LER- DORT LER-DORT A LER e DORT são as siglas para Lesões por Esforços Repetitivos e Distúrbios Osteo-musculares Relacionados ao Trabalho. Os termos LER/DORT são usados para determinar as afecções que podem lesar

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 UTILIZAÇÃO DO LÚDICO NO TRATAMENTO DA CRIANÇA COM PARALISIA CEREBRAL REALIZADO POR UMA EQUIPE MULTIDISCIPLINAR. Patrícia Cristina Nóbrega Contarini Fabiana da Silva Zuttin Lígia Maria Presumido Braccialli

Leia mais

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA PERFIL DE IDOSOS COM ALTERAÇÕES PODAIS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 1 Mayara Muniz Dias Rodrigues 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Fabiana

Leia mais

Valéria Neves Kroeff Mayer 1

Valéria Neves Kroeff Mayer 1 POSTURAS PATOLÓGICAS NAS LESÕES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL Valéria Neves Kroeff Mayer 1 Anormalidades sensório motoras, posturais e do tônus, são comuns após lesões do Sistema Nervoso, tanto Central quanto

Leia mais

Kércia Melo de Oliveira Fonseca. Escalas de comprometimento da paralisia facial: análise de concordância

Kércia Melo de Oliveira Fonseca. Escalas de comprometimento da paralisia facial: análise de concordância Kércia Melo de Oliveira Fonseca Escalas de comprometimento da paralisia facial: análise de concordância Trabalho apresentado à banca examinadora para conclusão do Curso de Fonoaudiologia da Faculdade de

Leia mais

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO

ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO ATENDIMENTO DOMICILIAR FISIOTERAPEUTICO PARA PORTADOR DE ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL NO ESTÁGIO AGUDO Ana Coely Araujo Vieira¹; Fernanda Naiene Rodrigues Valadares²; Rebecca Pessoa de Almeida Lima³; Joventina

Leia mais

ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA. APRESENTAÇÃO jul. 2008 ACEITO PARA PUBLICAÇÃO mar. 2009

ENDEREÇO PARA CORRESPONDÊNCIA. APRESENTAÇÃO jul. 2008 ACEITO PARA PUBLICAÇÃO mar. 2009 Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.16, n.1, p.40-5, jan./mar. 2009 ISSN 1809-2950 Efeito de um programa de fisioterapia funcional em crianças com paralisia cerebral associado a orientações aos cuidadores:

Leia mais

Monitoramento do Desenvolvimento Infantil em Creches Municipais Cariocas

Monitoramento do Desenvolvimento Infantil em Creches Municipais Cariocas Monitoramento do Desenvolvimento Infantil em Creches Municipais Cariocas Ricardo Barros (SAE/PR) Pedro Carneiro (UCL) David Evans (Banco Mundial) Samuel Franco (IETS) Lycia Lima (FGV) Rosane Mendonça (SAE/PR)

Leia mais

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS

ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS ANÁLISE DOS FATORES QUE CONDICIONAM A ORIGEM DOS PROBLEMAS DE PESQUISAS NA REGIÃO CAFEEIRA DO ALTO/MÉDIO JEQUITINHONHA E MUCURI DE MINAS GERAIS MARCELO MÁRCIO ROMANIELLO 1, EVANDRO SÉRGIO MARTINS LEITE

Leia mais

Impactos da Atividade Física na Imagem Corporal: uma revisão bibliográfica

Impactos da Atividade Física na Imagem Corporal: uma revisão bibliográfica Impactos da Atividade Física na Imagem Corporal: uma revisão bibliográfica Carolina de Oliveira Gonçalves; Angela Nogueira Neves Betanho Campana; Maria da Consolação Gomes Cunha Fernandes Tavares. Universidade

Leia mais

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária

Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Lesões Músculo-esqueléticas na Medicina Dentária Paula Carneiro, Mónica Barroso, Ana Cristina Braga Departamento de Produção e Sistemas Escola de Engenharia Universidade do Minho Workshop Atenção! Mais

Leia mais