AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA. Relatório intermédio"

Transcrição

1 AUTOAVALIAÇÃO DA ESCOLA Relatório intermédio Fevereiro de

2 I. Introdução A Escola prossegue, no corrente ano letivo, o seu processo de autoavaliação. Com ele, pretende se proporcionar uma reflexão sobre os seus resultados, métodos e sobre a melhoria da qualidade e do sucesso escolar a levar a cabo quer na Equipa de Autoavaliação, quer nos diferentes órgãos de gestão e de orientação educativa. Só assim será possível verificar o planeamento das ações e o seu desenvolvimento e avaliar a sua concretização no sentido de realizar com sucesso a sua missão. Este relatório surge para dar cumprimento ao ponto Fomento da autoavaliação que dê garantia de ser um processo sustentável, abrangente e gerador de planos de melhoria para as várias áreas de desenvolvimento da Escola, que faz parte do Plano de Melhoria apresentado pelo Diretor da Escola na sequência do Relatório da Avaliação Externa, realizada pela IGE em 7 e 8 de março e Baseou-se na recolha e análise de evidências escritas e registadas em horários, atas, relatórios e outros documentos ou transmitidas pela Direção. Procurou-se fazer um levantamento tão exaustivo quanto possível da aplicação das medidas previstas e do seu grau de consecução de forma a tornar possível ajustá-las e melhorá-las com vista a uma melhor prestação do serviço educativo que se pretende para a Escola, patente nos Princípios Orientadores do Projeto Educativo de Escola. 2

3 Resultados nos exames nacionais de Língua Portuguesa e Matemática do 9.º ano e de Português, Matemática A e História do ensino secundário Atribuir horas de apoio em todas as disciplinas com exame nacional com marcação no horário da turma. Foram atribuídos e constam dos horários das turmas: 9º ano- A- 1 t Port 9º ano -B e C 1 t Port e 1 t Mat 11º ano : A- 2t de FQ-A, 1 t de BG e 1t de GD-A B- 1t de FQ-A e 2t de BG C- 1t de FQ-A e 1t de BG D- 1t de Eco e 1 t de Geog E- 1t de Literatura e 1t de Geog F- 1t de Geog e 2t de MACS 12º ano: 12º A, B e C - Mat 2t e Port-2t 12º D- Hist 2t e Port-2t O balanço desta medida foi feito nas reuniões de CT do 1º período e registado nas respetivas atas: 9º A (15 alunos)- apenas um aluno frequenta o apoio; a percentagem de níveis inferiores a 3 foi de 7% a Português e 33% a Matemática. Foram definidos 5 planos de acompanhamento pedagógico (pap). 9º B (28 alunos) - são poucos os alunos que frequentam (3 a Português e 3 ou 4 a Matemática com assiduidade); a % de níveis inferiores a 3 foi de 37% a Português e 48% a Matemática; foram definidos 10 pap. 9º C (27 alunos)- poucos alunos frequentam, (3 a Português) mas estes têm melhorado o aproveitamento; a % de níveis inferiores a 3 foi de 11,5% a Português e 50% a Matemática; foram definidos 9 pap. 11º A (28 alunos) frequentam regularmente os apoios 6 alunos. Os professores declararam que os apoios são fundamentais para consolidar os trabalhos da aula e reforçar as aprendizagens. Nas disciplinas sujeitas a exame nacional, as percentagens de negativas foram: Geom. Descritiva -25%, Biologia e Geologia - 23,3 % e Física e Química A -23,3 %; 11º B ( 27 alunos, mais 16 que frequentam apenas Física e Química A, leccionada por dois professores) cerca de metade frequenta com regularidade. A percentagem de negativas foi 17 % a Biologia e Geologia e 30,2 % a Física e Química A. 11º C (25 alunos) um número significativo frequenta. 3

4 50 % dos alunos tiveram negativa a Física e Química e 17,4% a Biologia e Geologia. 11º D ( 22 alunos) 8 alunos comparece aos apoios mas de forma irregular. A percentagem de negativas foi de 20% a Geografia e 21% a Economia. 11º E ( 22 alunos) os alunos não comparecem. 25% dos alunos apresentam classificações negativas a Literatura, 14, 3 % a História e 14,3 % a Geografia. 11º F ( 28 alunos) 1 aluno frequenta o apoio a Geografia e um grupo comparece regularmente a MACS. A percentagem de negativas foi 36% a MACS e 33,3 % a Geografia. 12º A- (31 alunos); 1 aluno frequenta o apoio a Português (15,4% de classificações inferiores a 10) e 6 a Matemática (7,4% de classificações inferiores a 10) de forma regular. 12º B- (32 alunos); 2 alunos frequentam sempre o apoio a Português (7,4% de classificações inferiores a 10) e 5 fazemno apenas num dos dias; a Matemática, com 24% de classificações inferiores a 10, 14 são regulares na frequência. 12º C- (34alunos); 1 aluno frequenta o apoio a Português (26,3% de classificações inferiores a 10) e a Matemática (15,4% de classificações inferiores a 10) só os que estão a repetir comparecem regularmente; os restantes, fazem-no apenas na altura das avaliações. 12ºD- (27 alunos); são poucos os alunos que frequentam os apoios a Português (3,7% de classificações inferiores a 10) e a História (52,6% de classificações inferiores a 10). 4

5 Apesar de ter sido solicitado aos DT, em reunião, a recolha e análise destes dados, tal não se verificou ou foi feita de forma pouco objetiva. Verifica-se que, de uma forma geral, as atas são idênticas no que respeita a Informações de caráter geral, e pouco detalhadas na análise das situações concretas. É importante que seja quantificada a presença dos alunos e avaliada a medida, ainda que de forma qualitativa. Não parece verificar-se qualquer relação entre o aproveitamento no final do período e a frequência, ainda que reduzida, dos apoios. Aliás, é referido por alguns que os alunos que comparecem são os que menos precisam. A análise do aproveitamento no final do 1º período foi feita nas áreas disciplinares e no Conselho Pedagógico A análise dos sumários respeitantes a estas horas revela que os registos são muito variados, desde os mais completos, com descrição das atividades e presenças, aos que referem apenas Apoio ou Acompanhamento ao estudo, apesar de terem sido dadas indicações pela direção. Os resultados obtidos pelos alunos da turma D do 12º ano na disciplina de História deveriam ser detalhadamente analisados e contextualizados 5

6 pelas estruturas de orientação educativa. As informações/solicitações da Direção, ou outras, têm que chegar atempadamente a todos os professores (por mail, por exemplo) e não apenas aos DT. Efetuar coadjuvação em matemática e português no Ensino Básico. Foi atribuída e está a ser efetuada. Nas reuniões do final do 1º período foi feita a análise do funcionamento da coadjuvação em Matemática e Português do Ensino Básico e Física e Química A no 11º ano. Nas turmas do 9º ano em que há coadjuvação, 9º B e 9º C, foi feito o balanço do seu funcionamento e, na disciplina de Português, considerado positivo sobretudo em aulas orientadas para resolução de exercícios de gramática e de escrita, aquando da produção de pequenos textos decorrentes do exercício de interpretação e análise. No que diz respeito ao comportamento, a coadjuvação não veio alterar a forma como os alunos se comportam nas aulas. Em Matemática, os professores sentem que o ensino é mais individualizado pois os alunos podem solicitar o professor coadjuvante em qualquer momento para esclarecer as suas duvidas e têm a perceção que o rendimento dos alunos tem vindo a melhorar. Afirmam ainda que os alunos manifestam um comportamento mais adequado. No 11º ano, nas turmas A e B, foi analisado o funcionamento da coadjuvação em FQ_A, salientando que é eficaz e importante pois contribui para a melhoria das aprendizagens (11ºB). Na ata do 11º C não há referências. Porém, no relatório efetuado pelos professores, pode ler-se: 6

7 No que diz respeito aos alunos notou-se um maior envolvimento dos mesmos nas atividades propostas, levando a que não desistam tão facilmente, sobretudo os que evidenciam mais dificuldades. Esta prática tem-nos possibilitado efetuar um trabalho mais individualizado com os alunos, permitindo que mesmo aqueles que têm obtido resultados pouco satisfatórios nos momentos formais de avaliação continuem a procurar acompanhar o desenvolvimento das matérias lecionadas. Quanto ao trabalho dos professores, lê-se ainda no referido relatório que A planificação e organização destas atividades é uma tarefa exigente que requer uma boa articulação entre as professoras envolvidas, o que se traduz num aumento real da componente de trabalho individual dos mesmos. As análises efectuadas devem ser dadas a conhecer aos conselhos de turma e registadas em ata, bem como ser alvo de análise nas áreas disciplinares. Os alunos envolvidos deverão pronunciar-se sobre a medida, tal como aconteceu no 11º ano. Reforçar os apoios individuais ou em pequenos grupos por. Fizeram-se os testes diagnósticos e os respetivos relatórios, entregues Os mapas com os apoios existentes deveriam ser divulgados nas salas específicas de apoio, no átrio, na biblioteca e na página da Escola. Os Pais/Encarregados de Educação devem estar 7

8 Taxas de conclusão dos cursos profissionais proposta dos Conselhos de Turma. Encaminhamento dos alunos para apoios em função das dificuldades individuais detetadas nos testes diagnósticos realizados na entrada dos ciclos Alteração do Regulamento Interno para condicionar a transição de ano à concretização de 75% da totalidade dos módulos a realizar até ao momento da transição e a um mínimo de 50% de módulos em falta por disciplina. Preparação de candidatura ao programa Leonardo da Vinci. aos Coordenadores de departamento. Segundo informação da Direção, não foram atribuídos apoios para além dos já existentes (apoios à turma) em consequências dos resultados dos referidos testes. O Regulamento Interno foi alterado (aprovação em janeiro de 2013). Não foi efetuada. sempre informados. Os apoios atribuídos desde o início do ano não têm frequência regular, concentrando-se essencialmente nas épocas de avaliação e nem sempre são os alunos com mais dificuldades que os procuram. 8

9 Reuniões de área disciplinar de modo a adaptar os objectivos das disciplinas a cada curso. A informação foi transmitida no CP e debatida nas áreas disciplinares. Nas área de Eletrotecnia, Economia e Contabilidade, Espanhol, Inglês e Artes Visuais, considerou-se não haver necessidade de fazer adaptações, pois as matrizes curriculares estão adequadas aos cursos. As áreas disciplinares de Português, Física e Química e Matemática apresentaram propostas de planificação que contemplam essas adequações. As propostas apresentadas são da responsabilidade dos professores e entregues aos diretores de turma respetivos. Não foram alvo de análise. Melhoria e consolidação da articulação vertical e horizontal, tendo em vista o Marcação de tempos comuns por área disciplinar nos horários dos professores para favorecer o trabalho cooperativo. Os tempos estão marcados nos horários. Todas as áreas disciplinares cumprem o tempo destinado à articulação curricular. Há registo de presenças, feito pelo coordenador. A coordenação pedagógica processa-se regularmente e com evidentes vantagens, como se comprova pelas atas e documentos elaborados nas reuniões de articulação. planeamento conjunto na abordagem aos 9

10 conteúdos comuns, a partilha de estratégias integradas no processo de ensino e a sequencialidade das aprendizagens Realização de conselhos de turma de 7º e 10º ano antes do início das aulas. Apresentação de cada docente aos Conselhos de Turma dos conteúdos a lecionar durante o ano letivo Foram realizados todos os conselhos de turma. É generalizada a opinião quanto às vantagens da realização destes conselhos de turma, particularmente a nível da definição de regras de atuação dos docentes e de comportamento dos alunos. Segundo os dados constantes do relatório do GAA, dos 131 casos registados, 11 são do 7º ano (4 turmas) e 47 do 10º ano; destes, 33 são dos C. Profissionais (6 turmas) sendo 14 da mesma turma (10º D). Neste relatório lê-se: ( )No entanto, deve referir-se que se verificou, relativamente ao mesmo período do ano passado, uma redução substancial de casos de alunos do ensino básico encaminhados para o GAA e, ao contrario, um aumento significativo de casos protagonizados por alunos dos cursos profissionais. Lê-se ainda que a distribuição letiva por blocos de noventa minutos é uma das razões da indisciplina detetada em alguns cursos profissionais. Nas atas dos CT lê-se que foi feita a apresentação dos conteúdos das várias disciplinas com vista a uma melhor articulação. 10

11 Marcação de reuniões duas vezes por período dos conselhos de curso Ocorreram reuniões a 7 e 27 de setembro. Redefinição das estratégias de apoio aos alunos como forma de ultrapassar o elevado número de módulos por concluir, permitindo aumentar as taxas de conclusão dos cursos profissionais Marcação de tempos comuns aos professores e alunos com o objetivo de recuperar módulos em atraso. São poucos 1 os apoios que constam dos horários das turmas e não está referenciado se se destinam a recuperação de módulos em atraso de outros anos ou a apoio da disciplina no ano corrente. Porém, há muitas horas de apoio nos horários dos professores. Estão a decorrer apoios para recuperação dos módulos em atraso nas disciplinas de 100 horas dos cursos Multimédia e Apoio à Infância. Devia ser feito e divulgado um mapa em que constem as horas e as disciplinas/módulos em que há professores disponíveis para apoiar a recuperação de módulos. Não há registos que permitam contabilizar os módulos recuperados. Só os diretores de curso terão a informação atualizada. É de salientar que os horários semanais dos cursos profissionais são muito sobrecarregados, o que dificulta o acerto de disponibilidades. Os horários destes cursos deveriam ser estruturados com um período destinado a recuperação de módulos e com frequência obrigatória e o seu calendário escolar ajustado. A distribuição dos apoios nas diferentes turmas não é uniforme, o que não beneficia os alunos de igual modo. 1 No 10º ano, há 1 tempo de apoio a Matemática nas turmas A e C, 1 tempo a Português na turma F e 1 tempo a Psicologia no 10º A. No 11º ano, há 1 tempo de apoio a Português nos 11ºI e 11º G, 1 tempo de apoio a Matemática nos 11ºG, H, I e L, 1 tempo de apoio a Físico Química nos 11ºI e 11º G, 1 tempo a Área de Integração no 11ºJ e 2 tempos a Economia no 11ºL. No 12º ano, todos os apoios são destinados à preparação da PAP. 11

12 Observação de aulas, como meio de monitorização e supervisão da prática letiva, tendo em vista a identificação de problemas e o apoio à sua resolução, bem com a partilha de práticas científicopedagógicas relevantes Valorização da participação dos pais e encarregados de educação e do Observação de aulas pelos Coordenadores de Departamento, Coordenadores de área disciplinar ou diretor em situações que se afigurem necessárias para a melhoria das práticas. Reunião do Coordenador de Departamento com os professores que tiveram as aulas observadas. Solicitar a participação aos funcionários não docentes de sugestões para os documentos estruturantes da Escola. Não foi recebida pela EAA informação sobre o assunto. Aos funcionários administrativos e assistentes operacionais não foi solicitada qualquer colaboração. 12

13 pessoal não docente na definição e discussão de prioridades, nas iniciativas e na elaboração e revisão dos planos da Escola Elaboração e publicitação de um manual de procedimentos para os funcionários de todos os sectores Designação de um representante dos técnicos administrativos e de um representante dos assistentes operacionais para a equipa de autoavaliação. Promover a formação do pessoal não docente. Há um Manual de Procedimentos dos Serviços de Administração Escolar em vigor desde 2010 e um para os assistentes operacionais, de outubro de Uma funcionária dos Serviços de Administração Escolar faz parte da EAA. Todos os funcionários dos Serviços Administrativos frequentaram ações de formação sobre diversas temáticas e com diferentes durações quer promovida pela entidade patronal quer na modalidade auto - formação. Os assistentes operacionais tiveram uma ação de formação dinamizada pelos SPO (abril de 2012). 13

14 Fomento da autoavaliação que dê garantia de ser um processo sustentável, abrangente e gerador de planos de melhoria para as várias áreas de desenvolvimento da Escola Solicitar a participação dos Encarregados de educação na elaboração dos documentos estruturantes da escola. Promover formação para os elementos da equipa de autoavaliação. Monitorização prioritária dos processos de melhoria Elaboração de um relatório intermédio de monitorização do processo de melhoria no final de Janeiro Atribuição de um mínimo de 4 tempos para a equipa de autoavaliação.. Foi solicitada pela Direção da Escola a colaboração da Direção da Associação de Pais na revisão do regulamento Interno. Não foi efetuada qualquer formação externa. Em curso. Três dos elementos da equipa constituída tem quatro horas comuns de trabalho; um tem apenas três por ter atribuições noutras áreas. 14

15 II. Notas finais A autoavaliação das escolas tem provado ser uma das estratégias mais úteis para o desenvolvimento da organização escolar, pois permite regular o seu funcionamento, com o objetivo de melhorar a qualidade das aprendizagens dos alunos, o serviço educativo e o clima de escola. Leva-nos a questionar sistematicamente o desempenho escolar, pelo que o seu sucesso dependerá sempre do empenhamento de todos os intervenientes, num clima de diálogo, de pensar em conjunto, entendendo a avaliação como um processo de desenvolvimento pessoal e organizacional. É importante contar com o empenhamento incondicional da direção; é importante ter acesso a informação fiável, comunicar, ouvir, mobilizar e partilhar; é importante planear, replanear, avaliar. Só assim se fecharão ciclos de melhoria responsáveis. Só assim a Escola se torna aprendente e inteligente, como defende Santos Guerra, ou seja, aquela que, valorizando as aprendizagens, reflete criticamente sobre as suas práticas, muda, investe e melhora. O que foi implementado este ano constituirá um passo sólido no sentido de ultrapassar os pontos fracos explicitados no relatório da IGE e que deu origem ao Plano de Melhoria sobre o qual nos debruçamos. Poderá, no entanto, ser pouco face ao Projeto Educativo da Escola. Apesar de não haver tradição de autoavaliação, foram feitos na Escola em anos anteriores excelentes trabalhos de reflexão/avaliação cujas conclusões continuam atuais e pertinentes, como as apresentadas no Relatório síntese dos processos de monitorização e análise dos resultados escolares ano letivo , de Paulo Viegas, e Monitorização dos apoios à turma, julho de 2010, de Isabel Loureiro. Em ambos se leem propostas de ação, como, por exemplo: É urgente uma atuação sobre o sucesso no Ensino Profissional, ou análises sobre os apoios à turma: ( )foram apontados pontos fracos, traduzidos( ) na elevada taxa de não frequência dos apoios. Também os SPO tem apresentado reflexões sobre o contexto atual da Escola, como o documento de 2011, baseado em inquéritos aos alunos dos cursos profissionais, em que são apresentadas possíveis ações de melhoria, tais como: ( )Em função da evolução da taxa de transição/conclusão dos cursos profissionais no ano lectivo de 2009/2010 ( ), consideramos ser necessário equacionar o funcionamento destes cursos noutros moldes, nomeadamente os critérios de transição por progressão modular, promovendo a co-responsabilização dos alunos e a qualidade das aprendizagens e competências ( ) Na mesma linha, estes serviços apresentaram em 2011/2012 um outro relatório sobre a formação em contexto de trabalho, em que foram ouvidos alunos e empresas formadoras. Parece-nos que trabalhos como estes e outras reflexões produzidas, por exemplo, em reuniões de área disciplinar e conselhos de turma poderiam ter sido já postas em prática, objetivando medidas que, não sendo novas, foram já equacionadas. Sentimos que muito do trabalho feito se perde em cadeias burocratizadas, como aconteceu este ano com os relatórios dos testes 15

16 diagnóstico, que não foram apresentados nos conselhos de turma. Sentimos ainda que, ao não ter presente nas reuniões da equipa o elemento da direção designado para tal, acedemos à informação de forma incompleta e compartimentada, situação que, por vezes é minimizada pelo facto de um elemento da equipa ser, também, membro do Conselho Pedagógico. Também as situações de indisciplina nos preocupam pois, com elas, é muito difícil melhorar as aprendizagens e os resultados. É importante prevenir a indisciplina na Escola, estabelecendo normas e regras de conduta que sejam do conhecimento de todos e facilitem a integração e a convivência, com vista a promover a disciplina. Nesta matéria, é muito importante (re)definir o papel dos assistentes operacionais, pela relevância que o seu contato com os jovens tem na formação destes. Em suma, sentimos que, de novo como diz Santos Guerra, para a Escola realizar de forma sistemática e enriquecedora as aprendizagens que necessita ( ) carece de meios, pois ( ) quando todo o tempo é dedicado à ação, é impossível refletir sobre essa ação. Escola Secundária Emídio Navarro, 19 de fevereiro de 2013 A equipa de autoavaliação, Antónia Davim Eufémia Santos Eusila Pereira, Fernanda Castro Teresa Amado 16

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE

DEPARTAMENTO DA QUALIDADE DEPARTAMENTO DA QUALIDADE PLANO DE MELHORIA ESA 2013-2016 Objetivos gerais do Plano de Melhoria 1. Promover o sucesso educativo e melhorar a sua qualidade 2. Melhorar os processos e resultados pedagógicos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA

ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA ESCOLA SECUNDÁRIA MARIA AMÁLIA VAZ DE CARVALHO PLANO DE MELHORIA 2012-2015 PLANO DE MELHORIA (2012-2015) 1. CONTEXTUALIZAÇÃO DO PROCESSO Decorreu em finais de 2011 o novo processo de Avaliação Externa

Leia mais

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS.

DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. AÇÃO Nº 1 DESIGNAÇÃO DA AÇÃO: CONCEBER E APLICAR ESTRATÉGIAS/METODOLOGIAS CONDUCENTES À MELHORIA DOS RESULTADOS. BREVE DESCRIÇÃO DA AÇÃO: conceber, discutir e aplicar planificações, metodologias, práticas

Leia mais

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14

Agrupamento de Escolas da Moita. Plano de Melhoria. P r o v i s ó r i o P p P r o. Ano letivo 2013-14 Agrupamento de Escolas da Moita Plano de Melhoria P r o v i s ó r i o P p P r o Ano letivo 2013-14 Moita, 22 de abril de 2015 A COMISSÃO DE AUTOAVALIAÇÃO o Célia Romão o Hélder Fernandes o Ana Bela Rodrigues

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS Nº 2 DE ABRANTES Área Disciplinar de Biologia e Geologia ANÁLISE DOS RESULTADOS DOS ALUNOS (1º PERÍODO 2013/2014) (Anexo à ata nº 4, da reunião de 07-03-2014) A. LEITURA GLOBAL DOS

Leia mais

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017

Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 Melhorar o desempenho Promover o sucesso: Aprender mais Aprender melhor PLANO ESTRATÉGICO DE MELHORIA 2014/ 2017 um fruto não se colhe às pressas. Leva seu tempo, de verde-amargo até maduro-doce Mia Couto

Leia mais

Relatório de auto avaliação

Relatório de auto avaliação Relatório de auto avaliação 2011/2012 Relatório de autoavaliação 2011/2012 Página 1 Documento para reflexão Índice 1- Resultados escolares 2- Relatório de Indisciplina 3- Apoios Educativos 4- Atividades

Leia mais

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1

DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123. Plano de Melhoria Página 1 DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DO CENTRO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GARDUNHA E XISTO 161123 Plano de Melhoria Página 1 Introdução... 3 Identificação das áreas de melhoria... 3 Visão geral do Plano de Melhoria...

Leia mais

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO

PLANO DE AÇÃO E MELHORIA DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALPENDORADA 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Lei nº 31/2012, de 20 de Dezembro, veio aprovar o sistema de avaliação dos estabelecimentos de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário, definindo orientações para a autoavaliação

Leia mais

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia

Relatório Anual de Progresso. Contrato de Autonomia Relatório Anual de Progresso Contrato de Autonomia 1- INTRODUÇÃO Tendo em conta o artigo 8º da Portaria nº 265/2012 de 30 de agosto, a escola/agrupamento com contrato de autonomia deve produzir um relatório

Leia mais

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz

Plano de Ações de Melhoria. Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz Plano de Ações de Melhoria Agrupamento de Escolas do Bairro Padre Cruz 2012/2014 i INDICE INTRODUÇÃO... 1 2. PLANO DE AÇÕES DE MELHORIA... 3 2.1 IDENTIFICAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS... 3 2.2 IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Projeto de Ações de Melhoria

Projeto de Ações de Melhoria DIREÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALVES REDOL, VILA FRANCA DE XIRA- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL 400 014 Projeto de Ações de Melhoria 2012/2013

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS FERNANDO PESSOA Regulamento do Curso Vocacional Artes e Multimédia Ensino Básico 3º ciclo Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS Agrupamento de Escolas Gaia Nascente REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS ENSINO BÁSICO Escola Secundária Gaia Nascente Artigo 1.º Âmbito e Enquadramento O presente regulamento estabelece as diretrizes essenciais

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO

RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO RELATÓRIO SÍNTESE DE AUTO-AVALIAÇÃO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Nas escolas públicas portuguesas a procura da excelência é uma preocupação de longa data, uma vez que a estas compete a formação das mulheres

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015

Avaliação do Desempenho Docente Ano Letivo 2014/2015 Orientações da SADD 2014/15 Aprovadas no C.P. 14 janeiro 2015 Pág. 1 / 11 \FUNDAMENTAÇÃO Avaliação: Docentes em regime de contrato de trabalho a termo resolutivo Avaliação: Docentes integrados na carreira

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014

PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 Agrupamento de Escolas da Moita 171311 Sede Escola Secundária da Moita PROJETO PEDAGÓGICO MAIS SUCESSO ANO LETIVO DE 2013/2014 1-Introdução Atendendo ao estipulado no despacho normativo n.º7/2013 de 11

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos

ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA. Regulamento geral de avaliação dos alunos ESCOLA SECUNDÁRIA FRANCISCO DE HOLANDA Regulamento geral de avaliação dos alunos Outubro / 2014 Índice I PRINCÍPIOS... 3 II - CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO... 4 III- IMPLEMENTAÇÃO... 4 IV - COMPETÊNCIAS A AVALIAR

Leia mais

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO

PLANO DE MELHORIA CONSERVATÓRIO DE MÚSICA DO PORTO PLANO DE MELHORIA DO 2015-2017 Conservatório de Música do Porto, 30 de outubro de 2015 1. Introdução... 3 2. Relatório de Avaliação Externa... 5 Pontos Fortes... 5 Áreas de Melhoria... 6 3. Áreas Prioritárias...

Leia mais

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal

Plano de melhoria 2013/2014. Comissão de Autoavaliação. Escola Secundária com 3º ciclo. de Alcácer do Sal Plano de melhoria 13/14 Escola Secundária com 3º ciclo de Alcácer do Sal Comissão de Autoavaliação 9 de julho de 13 1 Índice 1. Introdução ----------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar...

ÍNDICE. Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2. Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2. Alunos por escalão da Ação Social Escolar... Anexos ÍNDICE Alunos matriculados nos Cursos Diurnos... 2 Alunos matriculados no Ensino Recorrente... 2 Alunos por escalão da Ação Social Escolar... 2 Alunos com Necessidades Educativas Especiais... 3

Leia mais

Critérios Gerais de Avaliação

Critérios Gerais de Avaliação Ensino Secundário 10º ano Cursos Científico Humanísticos Ano Letivo 2014/2015 Critérios Gerais de Avaliação O presente documento pretende materializar a execução dos princípios orientadores da avaliação

Leia mais

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA

PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA PROJECTO MAIS SUCESSO ESCOLAR A MATEMÁTICA 2010/2011 Coordenadora Elvira Maria Azevedo Mendes Projecto: Mais Sucesso Escolar Grupo de Matemática 500 1 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO 1.1 Nome do projecto:

Leia mais

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009)

Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) ESCOLA SECUNDÁRIA DE PEDRO ALEXANDRINO CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Aprovado em Conselho Pedagógico de 12 de Maio de 2009) I Legislação de Referência Portaria n.º 230/2008 de

Leia mais

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012

PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 PROPOSTA DE CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 2011/2012 1. INTRODUÇÃO: Na lógica do Decreto-Lei 6/2001, de 18 de janeiro, a avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar

Leia mais

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod.

Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA. Anos letivos 2014/2015 e 2015/2016. 00PDG Página 1 de 13. Mod. Escola Profissional de Desenvolvimento Rural do Rodo PLANO DE MELHORIA Anos letivos 2014/2015 e 2015/ Página 1 de 13 ÍNDICE Títulos Pág. 1. INTRODUÇÃO 3. 2. ESTRUTURA DO PLANO DE MELHORIA 4. 3. DESCRIÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO

RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MURALHAS DO MINHO, VALENÇA RELATÓRIO FINAL DE AUTOAVALIAÇÃO Ano Letivo 2013/2014 Equipa de auto-avaliação 10-07-2014 (Critério 9 Desempenho-Chave) INDÍCE INTRODUÇÃO... 3 EVOLUÇÃO

Leia mais

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO

CURSOS VOCACIONAIS PRÁTICA SIMULADA REGULAMENTO ESPECÍFICO REGULAMENTO ESPECÍFICO MARÇO DE 2014 ÍNDICE ENQUADRAMENTO NORMATIVO... 1 ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1 CONDIÇÕES DE ACESSO 1 OBJETIVOS 1 COMPETÊNCIAS A DESENVOLVER 2 ESTRUTURA E DESENVOLVIMENTO DE PS 2 AVALIAÇÃO

Leia mais

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido

Análise SWOT. julho 2014. Pontos fortes vs Pontos fracos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA. Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido julho 2014 Análise SWOT Pontos fortes vs Pontos fracos Diretor: João Pedro de Moura Carita Polido AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE FRONTEIRA Escola Básica Frei manuel Cardoso Escola Básica de Cabeço devide Visão:

Leia mais

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação

DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013. Critérios de avaliação DEPARTAMENTO DO 1º CICLO ANO LETIVO 2012-2013 Critérios de avaliação 0 MATRIZ CURRICULAR DO 1º CICLO COMPONENTES DO CURRÍCULO Áreas curriculares disciplinares de frequência obrigatória: Língua Portuguesa;

Leia mais

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013

Grupo Disciplinar. de Filosofia. Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina. Ano letivo de 2012/2013 Grupo Disciplinar de Filosofia Relatório de análise dos resultados da Avaliação Interna e Externa à disciplina de Filosofia Ano letivo de 2012/2013 A Coordenadora de Grupo Disciplinar: Maria João Pires

Leia mais

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15

Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Relatório das Aulas de Apoio 1º Período 14/15 Aulas de Apoio 1º Ciclo 2 Na generalidade, os alunos do 1º ciclo, revelaram maiores dificuldades a Português e a Matemática, nomeadamente no cálculo mental

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DAS ATIVIDADES PEDAGÓGICAS DA ESTBarreiro/IPS 1. INTRODUÇÃO Este documento tem por objetivo estabelecer o Sistema de Gestão da Qualidade das Atividades Pedagógicas da ESTBarreiro/IPS

Leia mais

Plano de Formação. do Agrupamento

Plano de Formação. do Agrupamento Plano de Formação do Agrupamento Ano letivo 2014/2015 1/8 ÍNDICE 1. Introdução... 2 2. Caracterização do Agrupamento... 3 3. Identificação das necessidades de 4 4. Objetivos gerais a atingir com o Plano

Leia mais

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18

PLANO DE MELHORIA 2014/15 <>2017/18 PLANO DE MELHORIA 2014/15 2017/18 1 - Introdução O Plano de Melhoria (PM) integra um conjunto de procedimentos e estratégias, planificadas e organizadas, a implementar com o objetivo de promover a melhoria

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL-

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALVES REDOL- 170 770 SEDE: ESCOLA SECUNDÁRIA DE ALVES REDOL PLANO DE MELHORIA

Leia mais

Relatório de atividades do Conselho Geral

Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Relatório de atividades do Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Uma Educação de Qualidade para Construir o Futuro 2009/2011 RELATÓRIO DE ATIVIDADES DO CONSELHO GERAL (2009-2011)

Leia mais

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES

C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 2º e 3º C.E.B. DR. MANUEL FERNANDES ABRANTES (401547) ANÁLISE DOS RESULTADOS ESCOLARES MATEMÁTICA 1º Período 2012/2013 Análise efectuada em reunião da Área Disciplinar de Matemática

Leia mais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais

ANEXO I. Regulamento. Cursos Vocacionais ANEXO I Regulamento Cursos Vocacionais Março de 2014 1 REGULAMENTO do ENSINO VOCACIONAL Conteúdo Âmbito e definição... 3 Artigo 2º... 3 Destinatários e acesso... 3 Artigo 3º... 3 Organização curricular...

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016

CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 CRITÉRIOS GERAIS DE AVALIAÇÃO 2015/2016 I INTRODUÇÃO De acordo com a legislação em vigor, a avaliação é um elemento integrante e regulador de todo o processo de ensino aprendizagem. A avaliação visa promover

Leia mais

Critérios de Avaliação

Critérios de Avaliação Critérios de Avaliação Ano letivo 2013/2014 Critérios de Avaliação 2013/2014 Introdução As principais orientações normativas relativas à avaliação na educação pré-escolar estão consagradas no Despacho

Leia mais

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular

ACORDO DE COLABORAÇÃO. Programa Atividades de Enriquecimento Curricular ACORDO DE COLABORAÇÃO Programa Atividades de Enriquecimento Curricular Primeiro: Município de Cascais titular do cartão de identificação de pessoa coletivo número 505187531, com sede na Praça 5 de Outubro,

Leia mais

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos

Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Análise dos resultados da informação relativa à aprendizagem dos alunos Avaliação do impacto das atividades desenvolvidas nos resultados escolares de 2014/2015 Plano estratégico para 2015/2016 (Conforme

Leia mais

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03

Índice. Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente. Índice 01. Introdução 02. Pressupostos 02. Dimensões da Avaliação 03 Quadro Referencial Avaliação do Desempenho Docente Índice Página Índice 01 Introdução 02 Pressupostos 02 Dimensões da Avaliação 03 Domínios e Indicadores da Avaliação 03 Níveis de Desempenho da Avaliação

Leia mais

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência

CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos. Regulamento CAPÍTULO I. Legislação de Referência CURSOS EFA Educação e Formação de Adultos Regulamento (Apreciado pelo Conselho Pedagógico, em reunião realizada no dia 10 de Fevereiro de 2010) CAPÍTULO I Legislação de Referência - Portaria n. 230/2008

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DO IMPACTO DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DO SUCESSO ESCOLAR 2012/2013 Julho de 2013 www.mosteiroecavado.net eb23@mosteiroecavado.net Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Durante o ano letivo 2012/2013,

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Documento orientador 1. ENQUADRAMENTO LEGAL Compete ao conselho pedagógico, enquanto órgão de gestão pedagógica da escola, definir, anualmente, os critérios gerais de avaliação e

Leia mais

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados

Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Auto-avaliação do Agrupamento - Principais resultados Equipa de autoavaliação Julieta Martins Adília Rodrigues (coords.) Conselho Geral, 17setembro 2013 Agrupamento Vertical de Escolas Ordem de Santiago

Leia mais

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves

Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves REGULAMENTO DOS CURSOS EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS NÍVEL SECUNDÁRIO Anexo ao Regulamento Interno Aprovado em Conselho Geral a 26 de março de 2014 1 de 10 Índice

Leia mais

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.

Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso. Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela. Projeto turma E+ Uma opção orientada para o sucesso Albino Martins Nogueira Pereira Agrupamento de Escolas de Vilela diretor@esvilela.pt Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação 15 de fevereiro de

Leia mais

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares

Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Agrupamento de escolas de Vila Nova de Poiares Departamento da Educação Pré Escolar Avaliação na educação pré-escolar -Competências -Critérios gerais de avaliação Ano letivo 2013-2014 1 INTRODUÇÃO Para

Leia mais

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.)

REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) REGIMENTO DO PROGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR (A.E.C.) A G R U P A M E N T O D E E S C O L A S D E B E N A V E N T E INTRODUÇÃO Tendo por base os normativos legais

Leia mais

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo.

Colaborar com as várias estruturas da escola nas tarefas inerentes ao cargo. Atualizar e divulgar a composição da equipa. Divulgar as atividades. Atualizar e divulgar diversos materiais. ano lectivo Informação/divulgação dos serviços especializados na página da escola /EE Representar

Leia mais

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012

Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita Ano Letivo 2011/2012 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE EIXO Escola Básica Integrada de Eixo Ano letivo 2011/2012 Regimento Interno Unidade de Apoio Especializado para a Educação de alunos com Multideficiência e Surdocegurira Congénita

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS SANTOS SIMÕES Plano de Monitorização para a Melhoria das Aprendizagens GUIMARÃES INDICE Introdução 03 Objetivos 05 Áreas/Domínios de Monitorização 06 1. Ocupação Plena dos Tempos

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA

ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA ESCOLA SECUNDÁRIA QUINTA DAS PALMEIRAS - COVILHÃ RELATÓRIO ANUAL DE PROGRESSO CONTRATO DE AUTONOMIA A Escola Secundária Quinta das Palmeiras Covilhã celebrou com o Ministério da Educação e Ciência (MEC)

Leia mais

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO

REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO PROGRAMA TEIP3 REFERENCIAL PARA A CONTRATUALIZAÇÃO DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Novembro de 2013 DGE / EPIPSE Programa TEIP3 Página 1 de 5 A Direção-Geral de Educação, através da EPIPSE, após análise de conteúdo

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas de Alfena VALONGO 8 a 10 janeiro 2013 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou o sistema

Leia mais

Secção I Educação Especial

Secção I Educação Especial Secção I Educação Especial Artigo 1.º Educação Especial e Apoios Educativos O conselho da Educação Especial e dos Apoios educativos é composto pelos professores dos grupos 910, 920 e 930 colocados em funções

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Relatório da avaliação do PE

Relatório da avaliação do PE A comissão ad-hoc do conselho geral do Agrupamento de Escolas D. Maria II, Sintra, constituída pelas professoras Aldina Lobo, Ana Isabel Araújo, Elisabete Rodrigues, Fátima Saraiva, Leonor Henriques e

Leia mais

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009

GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 GUIA DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS DOCENTES PARA O ANO LECTIVO DE 2008/2009 A avaliação é essencial em qualquer organização para garantir a qualidade do serviço prestado e a melhoria das práticas profissionais.

Leia mais

Escola Evaristo Nogueira

Escola Evaristo Nogueira Escola Evaristo Nogueira Grupo Disciplinar de Educação Física Ano Lectivo 2014 / 2015 Critérios de Avaliação Os critérios de avaliação constituem referenciais dos professores que lecionam as disciplinas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 PLANO ESTRATÉGICO 2015-2016 JULHO 2015 1. Enquadramento. O presente Plano Estratégico para o ano 2015-2016, dá cumprimento ao disposto no artigo 15.º do Despacho Normativo n.º6/2014, de 26 de maio. Apresentam-se

Leia mais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais

Regulamento Interno dos Cursos Profissionais ESCOLA SECUNDÁRIA RAINHA DONA LEONOR Proposta de Os cursos profissionais regem-se pela seguinte legislação: Decreto-Lei nº 74/2004, de 26 de Março, com as alterações introduzidas pelo Decreto-Lei nº 24/2006,

Leia mais

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS

QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS QUADRO DE REFERÊNCIA PARA A AVALIAÇÃO DE ESCOLAS E AGRUPAMENTOS I Os cinco domínios 1. Resultados 2. Prestação do serviço educativo 3. Organização e gestão escolar 4. Liderança 5. Capacidade de auto-regulação

Leia mais

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE

ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE ACEF/1112/20852 Relatório final da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Fundação Minerva - Cultura - Ensino E Investigação

Leia mais

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

QUADRO REFERENCIAL DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ROSA RAMALHO, BARCELINHOS BARCELOS - Cód. 150940 Tel. 253 831090 / 253 831971 Fax 253 821115 Rua Professor Celestino Costa 4755-058 Barcelinhos SECÇÃO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS

REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS REGIMENTO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO DE ADULTOS PREÂMBULO Os cursos de Educação e Formação de Adultos (EFA) e as formações modulares destinam-se a suprir os défices de qualificação da população,

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual

Educação Especial. 2. Procedimentos de Referenciação e Avaliação e Elaboração do Programa Educativo Individual Educação Especial O Grupo da Educação Especial tem como missão fundamental colaborar na gestão da diversidade, na procura de diferentes tipos de estratégias que permitam responder às necessidades educativas

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência

Ministério da Educação e Ciência Despacho O Despacho Normativo n.º 24/2000, de 11 de maio, com as alterações que lhe foram introduzidas pelo Despacho Normativo n.º 36/2002, de 4 de junho, estabelece as regras orientadoras para a organização

Leia mais

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE

ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE ACEF/1112/03877 Relatório preliminar da CAE Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.10 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade Da Beira Interior A.1.a. Identificação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MAFRA PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PLANO DE INTERVENÇÃO PRIORITÁRIA PIP 2 PREVENÇÃO E COMBATE DA INDISCIPLINA ANO LETIVO 2014 2015 PROJETO DE INTERVENÇÃO AO NÍVEL DA INDISCIPLINA 1- FUNDAMENTAÇÃO A Equipa Multidisciplinar foi constituída

Leia mais

Regulamento. Cursos Profissionais

Regulamento. Cursos Profissionais Regulamento Cursos Profissionais APROVAÇÃO: Aprovado em reunião de Conselho Pedagógico de 19 de junho de 2014. Aprovado em reunião de Conselho Geral de 24 de julho de 2014. ALTERAÇÕES: Revisto em reunião

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 ORGANIZAÇÃO DO ANO LETIVO 2015-2016 JULHO 2015 1 Preâmbulo O presente documento estabelece orientações para a organização do ano letivo 2015-2016 no que concerne a horários, constituição de turmas e distribuição

Leia mais

(Docentes, Não-Docentes, Alunos e Encarregados de Educação) NOTA IMPORTANTE Esta apresentação não dispensa e leitura do Relatório da Função Manuel Leão. Tendo como preocupação fundamental a procura da

Leia mais

SÍNTESE. Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina. DGEstE Direção de Serviços da Região Norte

SÍNTESE. Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina. DGEstE Direção de Serviços da Região Norte DGEstE Direção de Serviços da Região Norte Escola Secundária com 3 o Ciclo HENRIQUE MEDINA 401882 SÍNTESE Escola Secundária com 3.º Ciclo Henrique Medina Esposende Outubro, 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

2013/14 REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS

2013/14 REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS 2013/14 REGULAMENTO DOS CURSOS VOCACIONAIS PARTE I... 1 PREÂMBULO... 1 LEGISLAÇÃO DE REFERÊNCIA... 1 CAPÍTULO I... 1 FUNCIONAMENTO GERAL... 1 Artigo 1º... 1 Contextualização... 1 Artigo 2º... 1 Plano de

Leia mais

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria

Anexo 1. Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Aneo 1 Informação dos grupos disciplinares: Situação actual (1º Período) relativamente ao ano lectivo anterior Medidas/estratégias de melhoria Quadro 1 Área a avaliar: Resultados do 1º Período Sucesso

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES

ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES ESCOLA SECUNDÁRIA DE CAMÕES RELATÓRIO DA DIRECÇÃO 1º TRIMESTRE ANO LECTIVO 2010/2011 1. INTRODUÇÃO Para despertar o engenho e a arte O trabalho desenvolvido neste primeiro trimestre vem na continuidade

Leia mais

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO

PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO AE de maximinos EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO PLANO DE AUTOAVALIAÇÃO 2012/2013 Equipa de Autoavaliação Alcina Pires Ana Paula Couto Antonieta Silva António Rocha Beatriz Gonçalves José Pedrosa Paula Mesquita

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3)

Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) Diário da República, 2.ª série N.º 129 6 de Julho de 2010 36724-(3) 3.4 Compete ao director pedagógico, consultados os encarregados de educação, decidir sobre a data exacta do início das actividades lectivas

Leia mais

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito -

Visitas às Eco-Escolas. Auditorias de Qualidade do Programa. - Guião de preenchimento do inquérito - Visitas às Eco-Escolas Auditorias de Qualidade do Programa - Guião de preenchimento do inquérito - NOTAS PRÉVIAS O presente documento serve de guião à aplicação da ficha de visita às Eco-Escolas fornecendo

Leia mais

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa

Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola. Escola Secundária do Forte da Casa Avaliação Externa das Escolas Relatório de escola Escola Secundária do Forte da Casa Delegação Regional de Lisboa da IGE Datas da visita: 25 e 26 de Novembro de 2008 2 I INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de

Leia mais

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

REFORÇAR Objectivo 1. Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa CORECARD > MONITORIZAÇÃO Organização e Processos de Gestão Estratégica Liderar e criar uma cultura de escola Melhorar a divulgação da missão/visão para o agrupamento de escolas em toda a comunidade educativa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES

A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CABECEIRAS DE BASTO A INFLUÊNCIA DOS PROJETOS NO DOMÍNIO DOS RESULTADOS: O PONTO DE VISTA DOS COORDENADORES A EQUIPA DE AUTOAVALIAÇÃO: Albino Barroso Manuel Miranda Paula Morais

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO

PROJETO DE INTERVENÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AMARES CANDIDATURA A DIRETOR PROJETO DE INTERVENÇÃO (2013-2017) Pedro Paulo da Costa Cerqueira Amares, maio de 2013 As organizações, tal como os organismos vivos, têm os seus

Leia mais

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola

Escola Secundária de PAREDES. Plano Curricular de Escola Escola Secundária de PAREDES Plano Curricular de Escola O currículo nacional, como qualquer documento matriz, tem necessariamente de ser uma moldura complexa e circunscritiva, pois é construído em torno

Leia mais

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação

Ficha Técnica. Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Ficha Técnica Título: Educação Pré-Escolar e Avaliação Edição: Região Autónoma dos Açores Secretaria Regional da Educação e Ciência Direcção Regional da Educação Design e Ilustração: Gonçalo Cabaça Impressão:

Leia mais

Ex. ma Senhora Ministra da Educação

Ex. ma Senhora Ministra da Educação Ex. ma Senhora Ministra da Educação C/conhecimento: Presidente da Assembleia da República Primeiro Ministro Ministra da Educação Procurador Geral da República Provedor da Justiça O Conselho Pedagógico

Leia mais

Ministério d. Decreto-lei n.º

Ministério d. Decreto-lei n.º A melhoria da qualidade do ensino constitui um dos desafios centrais da política do XIX Governo Constitucional. A valorização profissional dos docentes, através de um investimento na formação contínua,

Leia mais

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4

d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o 1-2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o - 2 0 1 3 / 2 0 1 4 A v a l i a ç ã o d o S u c e s s o A c a d é m i c o

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA

AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA AGRUPAMENTO VERTICAL DE MURÇA EB 2,3/S DE MURÇA REGULAMENTO DO FUNCIONAMENTO DAS ACTIVIDADES DE ENRIQUECIMENTO CURRICULAR I. Introdução Nos termos do art.º 22º da Lei nº 30/2002, de 20 de Dezembro, alterada

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE PINHEIRO E ROSA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA a Luisa Maria Ferreira Garcia e Costa Madeira Diretora O Plano de Ação Estratégica foi aprovado pelo Conselho Pedagógico, em 11 de outubro de 2012, e recebeu parecer favorável

Leia mais

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento

Agrupamento de Escolas Alves Redol. Gabinete Do Aluno. Regulamento Gabinete Do Aluno Regulamento 2012-2013 Preâmbulo A disciplina, entendida como a interiorização de um conjunto de regras básicas do saber - estar e ser -, merece particular atenção por parte de todos os

Leia mais

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS

AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS AVALIAÇÃO EXTERNA DAS ESCOLAS Relatório Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar GUIMARÃES 2013 2014 Área Territorial de Inspeção do Norte 1 INTRODUÇÃO A Lei n.º 31/2002, de 20 de dezembro, aprovou

Leia mais