Rio de Janeiro-2007 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS BRASILEIROS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Rio de Janeiro-2007 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO DE TODOS OS BRASILEIROS"

Transcrição

1 ç3 A RESTRIÇÃ *S D ^" EXTERNA E A PERDA DE DINAMISM DA ECNMIA BRASILEIRA: INVESTIGAND AS RELAÇÕES ENTRE ESTRUTURA PRDUTIVA E CRESCIMENT ECNÓMIC C Veridiana Ramos da Silva Carvalho u Dissertação apresentada ao Departamento de QJ Economia da Faculdade de Economia, " Administração e Contabilidade da y\ Universidade de São Paulo (USP), em 2005, i i i como requisito para a obtenção do título de Q mestre em Economia. ^ rientador ^^ Gilberto Tadeu Lima C Rio de Janeiro-2007 glj CN BNDES BANC D DESENVLVIMENT DE TDS S BRASILEIRS

2 Sumário Agradecimentos 7 9 Resumo 23 Introdução geral A economia brasileira nos anos 1990 e o "novo modelo económico" Introdução momento histórico: da década perdida à mudança na estratégia de desenvolvimento económico A base teórica do "novo modelo económico" As reformas económicas Abertura comercial Privatização Desregulamentação utras reformas Cenário macroeconômico das reformas As consequências das reformas e a reestruturação produtiva Reestrutu ração produtiva Propriedade do capital Produtividade Contas externas novo modelo e o crescimento sustentável Conclusão Crescimento e estrutura produtiva: a visão estruturalista e a experiência brasileira Introdução A base teórica do estruturalismo desenvolvimentismo e o estruturalismo Teoria estruturalista - conceitos fundamentais 59

3 2.2.3 A evolução do pensamento da Cepal e o novo estruturalismo dos anos A experiência brasileira de desenvolvimento entre as décadas de 1930 e A inspiração estruturalista-desenvolvimentista Aspectos centrais do processo de substituição de importações, : no Brasil Resultantes do processo de substituição de importações no Brasil Conclusão s modelos de crescimento com restrição externa Introdução A literatura de crescimento económico e as estratégias de desenvolvimento Modelo de dois hiatos Resenha da literatura - A Lei de Thirlwall e suas extensões modelo original - Lei de Thirlwall Introduzindo a conta capital no equilíbrio do balanço de pagamentos Introduzindo o problema do endividamento no equilíbrio do balanço de pagamentos Introduzindo o problema do endividamento no equilíbrio do balanço de pagamentos - Versão Moreno-Brid Introduzindo o problema do endividamento e explicitando o -Versão Alex Ferreira Introduzindo o problema do endividamento e explicitando o - Versão Moreno-Brid Introduzindo o problema do endividamento e explicitando o -Versão Barbosa-Filho A contracrítica neoclássica A crítica de McGregor e Swales A crítica de Krugman Conclusão Testes empíricos dos modelos de restrição externa - metodologia e evidências empíricas Introdução Metodologia geral do teste empírico As cinco grandes linhas de realização do teste empírico Técnicas econométricas para a estimação das elasticidades Procedimentos econométricos utilizados para captar aspectos específicos da Lei de Thirlwall Séries estatísticas 7 76

4 4.3 Evidências empíricas para países desenvolvidos Evidências empíricas para países em desenvolvimento Testes para Brasil e América Latina Considerações finais Experimentos empíricos sobre a manifestação da restrição externa para o caso brasileiro Introdução Experimento I - A manifestação da restrição externa e o papel do câmbio real e do componente financeiro no longo prazo Experimento II: Análise das variáveis de ajustamento Experimento III: A quebra estrutural Experimento IV: A endogeneidade das elasticidades Experimento V: A exogeneidade das elasticidades Conclusão - Dez proposições dos experimentos empíricos Considerações finais: a experiência brasileira de crescimento económico à luz dos resultados empíricos 759 Notas 765 Referências bibliográficas 767 Lista de anexos 7 73 Anexo 1 - Testes de raiz unitária Teste Dickey Pantula - Testar 2 raízes unitárias contra 1 raiz unitária Testes ADF - 1 raiz unitária contra 0 raízes unitárias Testes Phillips Perrón Teste KPSS - 0 raízes unitárias contra 1 raiz unitária 7 77 Anexo 2 - Estimação da função de importação - Co-integração Seleção da ordem VAR Escolha dos termos deterministas Vetor de co-integração e testes de co-integração Testes dos resíduos 782 Anexo 3 - Lei de Thirlwall - Co-integração Seleção da ordem VAR Escolha dos termos deterministas Vetor de co-integração e testes de co-integração Testes sobre as variáveis de ajuste e causalidade de Granger Testes dos resíduos 788 Anexo 4 - Condição de Marshall-Lerner Seleção da ordem VAR 797

5 2. Escolha dos termos deterministas Vetor de co-integração e testes de co-integração Testes dos resíduos 794 Anexo 5: Estimação por MQ em primeira diferença Com quebra estrutural na elasticidade-renda nos anos 1980 e Com quebra estrutural na elasticidade-preço nos anos 1980 e Com quebra estrutural na elasticidade-renda nos anos 1990 e na elasticidade-preço nos anos Anexo 6 - Endogeneidade das elasticidades Elasticidades VAR/VEC 202 Abstract 205

Crescimento econômico secular no Brasil, modelo de Thirlwall e termos de troca 1

Crescimento econômico secular no Brasil, modelo de Thirlwall e termos de troca 1 Crescimento econômico secular no Brasil, modelo de Thirlwall e termos de troca 1 Fabrício de Assis C. Vieira 2 Márcio Holland 3 Resumo Explicar o crescimento econômico brasileiro no século XX é realmente

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Economia I ADM 047. 72h 2º Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico

Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico Preços de Commodities e Nível de Atividade no Espírito Santo: Um Estudo Econométrico Matheus Albergaria de Magalhães Coordenador de Estudos Econômicos Rede de Estudos Macroeconômicos (MACRO) Instituto

Leia mais

Como os impostos afetam o crescimento econômico?

Como os impostos afetam o crescimento econômico? Como os impostos afetam o crescimento econômico? Adolfo Sachsida * (sachsida@hotmail.com www.bdadolfo.blogspot.com) I. Introdução Somente a morte e os impostos são inevitáveis (Benjamin Franklin) Os impostos

Leia mais

Structural Change and Economic Growth under External Constraint in Brazil: An Empirical Analysis

Structural Change and Economic Growth under External Constraint in Brazil: An Empirical Analysis Department of Economics- FEA/USP Structural Change and Economic Growth under External Constraint in Brazil: An Empirical Analysis RAPHAEL ROCHA GOUVÊA GILBERTO TADEU LIMA WORKING PAPER SERIES Nº 2011-04

Leia mais

The terms of trade for commodities. twentieth century

The terms of trade for commodities. twentieth century in the twentieth century José Antonio Ocampo e María Ángela Parra Apresentador: Marwil Dávila PET-Economia: Periódico 17 de Junho de 2013 José Antonio Ocampo Graduado em Economia e Sociologia pela Universidade

Leia mais

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE

SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE SÉRIES WORKING PAPER BNDES/ANPEC PROGRAMA DE FOMENTO À PESQUISA EM DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - PDE MUDANÇA ESTRUTURAL, SISTEMA NACIONAL DE INOVAÇÕES E RESTRIÇÃO DO BALANÇO DE PAGAMENTOS: TEORIA E IMPLICAÇÕES

Leia mais

6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno)

6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno) 6.1 Matriz Curricular Ciências Econômicas (turno noturno) Ministério da Educação Universidade Federal da Integração Latino-Americana Pró-Reitoria de Graduação (ESTRUTURA CURRICULAR 2010-2011) MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

Análise econômica e financeira do mercado brasileiro de combustíveis

Análise econômica e financeira do mercado brasileiro de combustíveis 143 Análise econômica e financeira do mercado brasileiro de combustíveis Recebimento dos originais: 27/08/2009 Aceitação para publicação: 18/11/2011 André Ribeiro de Oliveira Mestre em Administração pela

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA PADRÃO DE ESPECIALIZAÇÃO PRODUTIVA E CRESCIMENTO ECONÔMICO

Leia mais

A RESTRIÇÃO EXTERNA E A PERDA DE DINAMISMO DA ECONOMIA BRASILEIRA: INVESTIGANDO RELAÇÕES ENTRE ESTRUTURA PRODUTIVA E CRESCIMENTO ECONÔMICO *

A RESTRIÇÃO EXTERNA E A PERDA DE DINAMISMO DA ECONOMIA BRASILEIRA: INVESTIGANDO RELAÇÕES ENTRE ESTRUTURA PRODUTIVA E CRESCIMENTO ECONÔMICO * A RESTRIÇÃO EXTERNA E A PERDA DE DINAMISMO DA ECONOMIA BRASILEIRA: INVESTIGANDO RELAÇÕES ENTRE ESTRUTURA PRODUTIVA E CRESCIMENTO ECONÔMICO * Veridiana Ramos Carvalho Doutoranda em Teoria Econômica Departamento

Leia mais

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO

Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e. Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares PLANO DE ENSINO Faculdade de Direito Milton Campos Disciplina: Economia Curso: Direito Carga Horária: 64 Departamento: Disciplinas Básicas e Área: Disciplinas Básicas e Complementares Complementares EMENTA PLANO DE ENSINO

Leia mais

Mudança estrutural, Sistema Nacional de Inovações e restrição do balanço de pagamentos: análise teórica e empírica do caso brasileiro

Mudança estrutural, Sistema Nacional de Inovações e restrição do balanço de pagamentos: análise teórica e empírica do caso brasileiro Mudança estrutural, Sistema Nacional de Inovações e restrição do balanço de pagamentos: análise teórica e empírica do caso brasileiro Fabrício Silveira 1 João Prates Romero 2 Gustavo Britto 3 Área 5 -

Leia mais

Guilherme Irffi Ivan Castelar Marcelo Lettieri Siqueira Fabrício Carneiro Linhares

Guilherme Irffi Ivan Castelar Marcelo Lettieri Siqueira Fabrício Carneiro Linhares Pr ev isão da dem a n da por en ergi a elétr ica pa r a classes de consu mo na r egi ão Nor dest e, usa n do OLS di nâ m ico e mudança de regime Guilherme Irffi Ivan Castelar Marcelo Lettieri Siqueira

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE SOB DIVERSOS CONCEITOS DE SUPERÁVIT PRIMÁRIO E ENDIVIDAMENTO

SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE SOB DIVERSOS CONCEITOS DE SUPERÁVIT PRIMÁRIO E ENDIVIDAMENTO SUSTENTABILIDADE DA DÍVIDA PÚBLICA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE SOB DIVERSOS CONCEITOS DE SUPERÁVIT PRIMÁRIO E ENDIVIDAMENTO Raí da Silva Chicoli (Aluno de Mestrado) 1 Siegfried Bender (Professor do Departamento

Leia mais

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho

Economia Geral e Regional. Professora: Julianna Carvalho Economia Geral e Regional Professora: Julianna Carvalho 1 Introdução à Economia Conceito Segundo VASCONCELOS, 2011, p. 2) é: a ciência social que estuda de que maneira a sociedade decide (escolhe) empregar

Leia mais

O saldo da balança comercial entre Brasil e EUA: uma estimação das suas elasticidades preço e renda por meio do método VAR e VEC

O saldo da balança comercial entre Brasil e EUA: uma estimação das suas elasticidades preço e renda por meio do método VAR e VEC PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PUC-SP Lincoln Diogo Lima O saldo da balança comercial entre Brasil e EUA: uma estimação das suas elasticidades preço e renda por meio do método VAR e VEC

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS CURRÍCULO NOVO ORGANIZAÇÃO CURRICULAR Toda reforma implica um processo de readaptação da estrutura acadêmica vigente, composta principalmente

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES

MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito:

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01. Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Componente Curricular: Economia CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Autorizado pela Portaria no 1.393 de 04/07/01 DOU de 09/07/01 Código: CTB - 140 CH Total: 60 Pré-requisito: Período Letivo: 2015.2 Professor:

Leia mais

O Comércio Bilateral Brasil União Europeia de 1989-2009: mais ou menos do mesmo?

O Comércio Bilateral Brasil União Europeia de 1989-2009: mais ou menos do mesmo? Seminário Comércio Internacional e Desenvolvimento Sustentável: o comércio bilateral Brasil União Europeia em foco IEEI-UNESP/CBEAL - Memorial da AL/Comissão Europeia São Paulo, Memorial da América Latina,

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

Sérgio Rangel Fernandes Figueira (1) Adhemar Sanches (2) Ana Claudia Giannini Borges (1) David Ferreira Lopes Santos (1)

Sérgio Rangel Fernandes Figueira (1) Adhemar Sanches (2) Ana Claudia Giannini Borges (1) David Ferreira Lopes Santos (1) Técnicas de cointegração na análise dos impactos dos preços do etanol, da gasolina e da massa salarial sobre a demanda por gasolina no Brasil no período de 2005 até 2011. Sérgio Rangel Fernandes Figueira

Leia mais

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem.

Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. Microeconomia Também chamada Teoria de Preços, estuda o comportamento dos consumidores, produtores e o mercado onde estes interagem. A macroeconomia, por sua vez, estuda os fenômenos da economia em geral,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA MUNDIAL E COMÉRCIO EXTERNO Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular ECONOMIA MUNDIAL E COMÉRCIO EXTERNO Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular ECONOMIA MUNDIAL E COMÉRCIO EXTERNO Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Relações Internacionais 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Em Busca do Crescimento Perdido

Em Busca do Crescimento Perdido São Paulo - SP / CORECON-SP em 25 de abril de 2003 Em Busca do Crescimento Perdido Paulo Faveret Filho Chefe do Depto. de Planejamento BNDES (com agradecimentos a Fábio Giambiagi) 1. Retrospecto 2. O problema

Leia mais

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas

Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Relatório produzido em conjunto por três agências das Nações Unidas Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (CEPAL) Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) Organização Internacional

Leia mais

Sumário. Colaboradores... 9 Introdução... 19 César Mattos. Módulo 1 - Concentrações Horizontais

Sumário. Colaboradores... 9 Introdução... 19 César Mattos. Módulo 1 - Concentrações Horizontais Sumário Colaboradores... 9 Introdução... 19 Módulo 1 - Concentrações Horizontais Caso 1 - O caso Kolynos-Colgate e a introdução da economia antitruste na experiência brasileira... 29 Lucia Helena Salgado

Leia mais

CRESCIMENTO BALANCEADO E O EFEITO DOS CHOQUES PERMANENTES E TRANSITÓRIOS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA.

CRESCIMENTO BALANCEADO E O EFEITO DOS CHOQUES PERMANENTES E TRANSITÓRIOS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA. CRESCIMENTO BALANCEADO E O EFEITO DOS CHOQUES PERMANENTES E TRANSITÓRIOS SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA. Nicolino Trompieri Neto IPECE e UNIFOR João Paulo Martins Guedes CAEN/UFC Ivan Castelar CAEN/UFC Área

Leia mais

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras

Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras III Fórum Baiano de Economia Aplicada 2014 Evidências do processo de descoberta de preços de ADRs de empresas brasileiras R. Ballini, Rodrigo L. F. Silveira, L. Maciel Instituto de Economia, Universidade

Leia mais

CAUSALIDADE E COINTEGRAÇÃO DAS PRINCIPAIS BOLSAS DE VALORES DO MUNDO E DA AMÉRICA LATINA

CAUSALIDADE E COINTEGRAÇÃO DAS PRINCIPAIS BOLSAS DE VALORES DO MUNDO E DA AMÉRICA LATINA CAUSALIDADE E COINTEGRAÇÃO DAS PRINCIPAIS BOLSAS DE VALORES DO MUNDO E DA AMÉRICA LATINA Autoria: Antônio Fernando O. A. Pereira, Newton C. A. da Costa Júnior e Anderson de Barros Dantas Resumo: Este artigo

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA APRESENTAÇÃO EM FORMA DE TEMAS LIVRES

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA APRESENTAÇÃO EM FORMA DE TEMAS LIVRES ORIENTAÇÕES GERAIS PARA SUBMISSÃO DE TRABALHOS PARA APRESENTAÇÃO EM FORMA DE TEMAS LIVRES 1) Quem pode inscrever trabalhos - Profissionais e estudantes de graduação e pós-graduação interessados nas discussões

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa

PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES. Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa MESTRADO EM ECONOMIA PORTUGUESA E INTEGRAÇÃO INTERNACIONAL PROGRAMAS DAS UNIDADES CURRICULARES UNIDADES CURRICULARES OBRIGATÓRIAS Análise de Informação Económica para a Economia Portuguesa 1. Identificação

Leia mais

IMPACTO DA CHINA SOBRE AS ELASTICIDADES PREÇO E RENDA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS (1980-2012): UMA ABORDAGEM VIA ARDL

IMPACTO DA CHINA SOBRE AS ELASTICIDADES PREÇO E RENDA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS (1980-2012): UMA ABORDAGEM VIA ARDL IMPACTO DA CHINA SOBRE AS ELASTICIDADES PREÇO E RENDA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS (198-212): UMA ABORDAGEM VIA ARDL Edson Roberto Vieira Professor da Faculdade de Administração, Ciências Contábeis e Economia

Leia mais

Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor

Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor Estimação do Pass-Through Cambial no Brasil referente aos Índices de Preços ao Consumidor Luiz Armando dos Santos Aleixo - estudante do curso de Estatística - 3 o ano - Escola Nacional de Ciências Estatísticas

Leia mais

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I SISTEMA FINANCEIRO LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 9 EDITAL N o 04/2013 LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - O candidato recebeu do fiscal o seguinte material: a) este CADERNO DE QUESTÕES, com os enunciados das 8 (oito) questões discursivas, sem

Leia mais

Revista de Políticas Públicas ISSN: 0104-8740 revistapoliticaspublicasufma@gmail.com Universidade Federal do Maranhão Brasil

Revista de Políticas Públicas ISSN: 0104-8740 revistapoliticaspublicasufma@gmail.com Universidade Federal do Maranhão Brasil Revista de Políticas Públicas ISSN: 0104-8740 revistapoliticaspublicasufma@gmail.com Universidade Federal do Maranhão Brasil Costa da Silva, Guilherme Jonas; Costa, Paulo Henrique INFRAESTRUTURA PORTUÁRIA,

Leia mais

PREÇO DA CESTA BÁSICA NA REGIÃO SUL DO BRASIL: TESTANDO A INTEGRAÇÃO ESPACIAL

PREÇO DA CESTA BÁSICA NA REGIÃO SUL DO BRASIL: TESTANDO A INTEGRAÇÃO ESPACIAL PREÇO DA CESTA BÁSICA NA REGIÃO SUL DO BRASIL: TESTANDO A INTEGRAÇÃO ESPACIAL Área Temática: 10- Métodos quantitativos Airton Lopes Amorim Doutorando em Economia Aplicada pela Universidade Federal de Viçosa

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS

GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS GESTÃO DA PRODUÇÃO INDUSTRIAL EMENTAS CULTURA RELIGIOSA O fenômeno religioso, sua importância e implicações na formação do ser humano, da cultura e da sociedade. As principais religiões universais: história

Leia mais

Nova Grade Curricular de Relações Internacionais. Primeiro Período. Introdução às Relações Internacionais História das Relações Internacionais I

Nova Grade Curricular de Relações Internacionais. Primeiro Período. Introdução às Relações Internacionais História das Relações Internacionais I Nova Grade Curricular de Primeiro Período Introdução às História das Política I Teoria Macroeconômica I Antropologia I Introdução à Filosofia Segundo Período História das I Economia Política História do

Leia mais

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO

COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA PLANO DE CURSO COLEGIADO DO CURSO DE DIREITO Autorizado pela Portaria no 378 de 27/05/15-DOU de 28/05/15 Componente Curricular: ECONOMIA Código: DIR-141 Pré-requisito: ---- Período Letivo: 2015.2 Professor: Edilene de

Leia mais

QUEM DEVEMOS PRIORIZAR? A JUVENTUDE OU OS INDIVÍDUOS ADULTOS? UM ESTUDO DA INCIDÊNCIA DE NOVOS CASOS DE AIDS NO BRASIL NO PERÍODO DE 1997 A 2009

QUEM DEVEMOS PRIORIZAR? A JUVENTUDE OU OS INDIVÍDUOS ADULTOS? UM ESTUDO DA INCIDÊNCIA DE NOVOS CASOS DE AIDS NO BRASIL NO PERÍODO DE 1997 A 2009 QUEM DEVEMOS PRIORIZAR? A JUVENTUDE OU OS INDIVÍDUOS ADULTOS? UM ESTUDO DA INCIDÊNCIA DE NOVOS CASOS DE AIDS NO BRASIL NO PERÍODO DE 1997 A 2009 CAVALHEIRO, Daniela Persio 1 ; CARVALHO, Themis Goretti

Leia mais

UTILIZANDO MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DETERMINAÇÃO DE MERCADO

UTILIZANDO MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DETERMINAÇÃO DE MERCADO UTILIZANDO MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS PARA DETERMINAÇÃO DE MERCADO GEOGRÁFICO RELEVANTE: o caso da farinha de trigo na cidade de São Paulo Mario Antonio Margarido * Carlos Roberto Ferreira Bueno ** Vagner

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional.

PLANO DE ENSINO. Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional. EMENTA PLANO DE ENSINO Estrutura do balanço de pagamentos. Mercado de câmbio. Sistema Monetário Internacional.Teorias do Comércio Internacional. OBJETIVO Gerais: Habilitar o aluno a avaliar o comércio

Leia mais

THE EQUALITY OF PROFESSIONAL FORECASTS MEAN SQUARED ERRORS AND INFLATION UNCERTANTY IN BRAZIL

THE EQUALITY OF PROFESSIONAL FORECASTS MEAN SQUARED ERRORS AND INFLATION UNCERTANTY IN BRAZIL FACULDADE DE ECONOMIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA APLICADA THE EQUALITY OF PROFESSIONAL FORECASTS MEAN SQUARED ERRORS AND INFLATION UNCERTANTY IN BRAZIL Wilson Luiz Rotatori Corrêa TD. 014/2009

Leia mais

Autor: Beatrice Aline Zimmermann (EESP-FGV)* RESUMO

Autor: Beatrice Aline Zimmermann (EESP-FGV)* RESUMO O SETOR EXTERNO COMO UM LIMITANTE AO CRESCIMENTO ECONÔMICO BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1960 2008: UMA ANÁLISE DOS PERÍODOS DE DIVERGÊNCIA E CONVERGÊNCIA INSUSTENTÁVEL DE RENDA Autor: Beatrice Aline Zimmermann

Leia mais

Dinâmica de Transição e Sustentabilidade da Política Fiscal no Rio Grande do Sul

Dinâmica de Transição e Sustentabilidade da Política Fiscal no Rio Grande do Sul Dinâmica de Transição e Sustentabilidade da Política Fiscal no Rio Grande do Sul Cristiano Aguiar de Oliveira Professor da Fundação Universidade Federal do Rio Grande (FURG), Brasil Liderau dos Santos

Leia mais

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com

Ajuste externo induzido por política cambial. Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Ajuste externo induzido por política cambial Reinaldo Gonçalves reinaldogoncalves1@gmail.com Sumário 1. Mudança na composição dos gastos 1. Enfoque de elasticidade 2. Enfoque de absorção 2. Mudança no

Leia mais

UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS ESTIMATIVAS DA CURVA DE PHILLIPS NO BRASIL. Ricardo Summa 1

UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS ESTIMATIVAS DA CURVA DE PHILLIPS NO BRASIL. Ricardo Summa 1 UMA AVALIAÇÃO CRÍTICA DAS ESTIMATIVAS DA CURVA DE PHILLIPS NO BRASIL Ricardo Summa 1 Resumo: o presente artigo busca avaliar criticamente as estimativas da curva de Phillips para a economia brasileira

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

Definition of the relevant product market for gasoline fuel C, hydrated ethanol and natural gas

Definition of the relevant product market for gasoline fuel C, hydrated ethanol and natural gas DELIMITAÇÃO DO MERCADO RELEVANTE DE PRODUTO DOS COMBUSTÍVEIS GASOLINA C, ÁLCOOL HIDRATADO E GÁS NATURAL VEICULAR crikamarcia@hotmail.com APRESENTACAO ORAL-Comercialização, Mercados e Preços ROSANGELA APARECIDA

Leia mais

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES

6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES 6 O Papel do BNDES e o Crédito Externo 6.1. O BNDES Uma vez confiantes nos resultados encontrados em relação à influência dos juros sobre o investimento na economia, partimos para uma segunda fase do estudo.

Leia mais

Education and Economic Growth:

Education and Economic Growth: UNIVERSIDADE FEDRAL DO RIO GRANDE DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ECONOMIA Disciplina: Crescimento Econômico Prof.: Dr. Sabino da Silva Junior Agosto de 2005 Doutorando José Antonio Gonçalves dos Santos

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES

ANEXO 01. CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES ANEXO 01 CURSO: Ciências Contábeis - UFRJ SELEÇÃO DE DOCENTES DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES PERFIL DOS CANDIDATOS 1 2 3 4 de Custos Intermediária Introdução à Adm e Comp Organizacional Economia

Leia mais

INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO E DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO, UMA ANÁLISE EMPÍRICA

INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO E DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO, UMA ANÁLISE EMPÍRICA INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO E DESENVOLVIMENTO DO SISTEMA FINANCEIRO BRASILEIRO, UMA ANÁLISE EMPÍRICA Elaine Aparecida Fernandes CPF 027576066-97 Estudante de pós-graduação da Universidade Federal de

Leia mais

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL)

Seminários Extraordinários do Departamento de Economia. Edmund Phelps Prémio Nobel da Economia 2006. Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) Seminários Extraordinários do Departamento de Economia Edmund Phelps Miguel St. Aubyn (ISEG/UTL) ISEG, 11 de Outubro de 2006 Síntese Algumas considerações sobre o prémio Nobel As principais contribuições

Leia mais

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL UFRJ Lisboa 4 de Março de 2011 Sumário Cenário macroeconômico da América

Leia mais

Álvaro Rocha Albuquerque. Fluxo de Caixa em Risco: Uma Nova Abordagem para o Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Dissertação de Mestrado

Álvaro Rocha Albuquerque. Fluxo de Caixa em Risco: Uma Nova Abordagem para o Setor de Distribuição de Energia Elétrica. Dissertação de Mestrado Álvaro Rocha Albuquerque Fluxo de Caixa em Risco: Uma Nova Abordagem para o Setor de Distribuição de Energia Elétrica Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

Análise Crítica dos Modelos de Restrição Externa na Abordagem Kaldor-Thirlwall

Análise Crítica dos Modelos de Restrição Externa na Abordagem Kaldor-Thirlwall Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Economia Análise Crítica dos Modelos de Restrição Externa na Abordagem Kaldor-Thirlwall Gustavo R. F. Bhering Dissertação submetida ao corpo docente

Leia mais

Microempresas no Brasil: informalidade e contratos de trabalho

Microempresas no Brasil: informalidade e contratos de trabalho Joana da Costa Martins Monteiro Microempresas no Brasil: informalidade e contratos de trabalho Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre pelo

Leia mais

Como se Comporta a Relação Inflação, Juros e Câmbio em Diferentes Cenários da Economia no Brasil? Uma Análise Econométrica de 1994 a 2014

Como se Comporta a Relação Inflação, Juros e Câmbio em Diferentes Cenários da Economia no Brasil? Uma Análise Econométrica de 1994 a 2014 Como se Comporta a Relação Inflação, Juros e Câmbio em Diferentes Cenários da Economia no Brasil? Uma Análise Econométrica de 1994 a 2014 Área: Teoria Aplicada Como se Comporta a Relação Inflação, Juros

Leia mais

MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO;

MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO; MODELOS DE SÉRIES TEMPORAIS APLICADOS AO SETOR DE EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE FLORES DE CORTE LILIAN CRISTINA ANEFALOS; MARIO ANTONIO MARGARIDO; INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA SÃO PAULO - SP - BRASIL LCANEFAL@IEA.SP.GOV.BR

Leia mais

Séries de Tempo. José Fajardo. Setembro 2011. Fundação Getulio Vargas-EBAPE. José Fajardo (FGV-EBAPE) Processos Não Estacionários Setembro 2011 1 / 61

Séries de Tempo. José Fajardo. Setembro 2011. Fundação Getulio Vargas-EBAPE. José Fajardo (FGV-EBAPE) Processos Não Estacionários Setembro 2011 1 / 61 Séries de Tempo José Fajardo Fundação Getulio Vargas-EBAPE Setembro 2011 José Fajardo (FGV-EBAPE) Processos Não Estacionários Setembro 2011 1 / 61 Motivação A série temporal não estacionária não pode ser

Leia mais

A Estrutura de Prazo das Taxas Euribor

A Estrutura de Prazo das Taxas Euribor Mestrado em Economia Especialização em Economia Financeira Ana Raquel Pinto da Cruz A Estrutura de Prazo das Taxas Euribor Trabalho de projeto orientado por: Professor Doutor José Alberto Soares da Fonseca

Leia mais

ANEXO II DA RESOLUÇÃO N.º 018/2004 CONSEPE, DE 18/03/2004 01 - FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS FACEM 0102 - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DAD

ANEXO II DA RESOLUÇÃO N.º 018/2004 CONSEPE, DE 18/03/2004 01 - FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS FACEM 0102 - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - DAD ANEXO II DA RESOLUÇÃO N.º 018/2004 CONSEPE, DE 18/03/2004 01 - FACULE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS FACEM 0102 - DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO - AGLUTINAÇÃO DE DISCIPLINAS / ATIVIES CURRICULARES AFINS CÓDIGO.

Leia mais

TÍTULO: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INFLAÇÃO NO BRASIL DE 1995 A 2013

TÍTULO: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INFLAÇÃO NO BRASIL DE 1995 A 2013 TÍTULO: UMA ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DA TAXA DE CÂMBIO SOBRE A INFLAÇÃO NO BRASIL DE 1995 A 2013 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS ECONÔMICAS INSTITUIÇÃO: PONTIFÍCIA

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa

Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa Capítulo 1 Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa - Abordagem da localização da Gestão de Pessoas na estrutura organizacional da empresa A teoria clássica

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance EMENTAS DISCIPLINAS

MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance EMENTAS DISCIPLINAS MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance EMENTAS DISCIPLINAS ESTRUTURA DO PROGRAMA O MBA Gestão de Riscos Financeiros, Corporativos e Compliance é composto pelas seguintes disciplinas,

Leia mais

Título: Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2)

Título: Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2) Título: Exportações, crescimento econômico e causalidade: evidências empíricas para o Brasil (1975:1-2008:2) Área 6 - Crescimento econômico e desenvolvimento regional Felipe Mota Campos (PIMES/UFPE) Minicurrículos:

Leia mais

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque?

1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública. Cadeia de valor. Quando? Como? Porque? 1º Congresso Nacional de Gerenciamento de Processos na Gestão Pública Cadeia de valor Quando? Como? Porque? ABPMP Novembro-2012 1 QUANDO CONSTRUIR UMA CADEIA DE VALOR? - Gestão de processos - Gestão de

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO ESTRATÉGICA DE FINANÇAS 1 JUSTIFICATIVA A atividade empresarial requer a utilização de recursos financeiros, os quais são obtidos na forma de crédito e de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS NÚCLEO DE SELEÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS NÚCLEO DE SELEÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS NÚCLEO DE SELEÇÃO Concurso Público para provimento de vagas no cargo de Docente de Ensino Superior da Universidade Estadual de Goiás UEG Retificação n. 1 do Edital de Abertura

Leia mais

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA

UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA UNIJUI Universidade Regional do Noroeste do Estado do RS ECONOMIA II PROFESSOR AGENOR CASTOLDI APONTAMENTOS DE MACROECONOMIA MATERIAL DE AUXILIO PARA AULAS DE ECONOMIA II CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS ANO

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

AVALIAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO REAL DE EQUILÍBRIO DO BRASIL

AVALIAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO REAL DE EQUILÍBRIO DO BRASIL Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação - FACE. Departamento de Economia AVALIAÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO REAL DE EQUILÍBRIO DO BRASIL

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais

Avaliação econômica (quantitativa) de impacto de programas (de saúde) Prof. Gervásio F. Santos Departamento de Economia/UFBA

Avaliação econômica (quantitativa) de impacto de programas (de saúde) Prof. Gervásio F. Santos Departamento de Economia/UFBA Avaliação econômica (quantitativa) de impacto de programas (de saúde) Prof. Gervásio F. Santos Departamento de Economia/UFBA Problemas econômicos Impacto de um programa de treinamento sobre salário/hora

Leia mais

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física

P2CEM. Pesquisa 2015/1. Elaboração de trabalho escrito. Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física P2CEM Pesquisa 2015/1 Elaboração de trabalho escrito Profa. Dra. Zélia Soares Macedo Departamento de Física Tipos de trabalho escrito: - monografia (1º semestre); - projeto (1º ou 2º semestre); - relatório

Leia mais

ESTUDO SOBRE OS PREÇOS DO AÇÚCAR E ALCOÓIS E A SUA INFLUÊNCIA DE LONGO PRAZO NO VOLUME DOS ESTOQUES PÚBLICOS NO BRASIL

ESTUDO SOBRE OS PREÇOS DO AÇÚCAR E ALCOÓIS E A SUA INFLUÊNCIA DE LONGO PRAZO NO VOLUME DOS ESTOQUES PÚBLICOS NO BRASIL ESTUDO SOBRE OS PREÇOS DO AÇÚCAR E ALCOÓIS E A SUA INFLUÊNCIA DE LONGO PRAZO NO VOLUME DOS ESTOQUES PÚBLICOS NO BRASIL STUDY OF THE PRICES OF SUGAR AND ALCOHOL AND ITS INFLUENCE ON LONG-TERM PUBLIC STOCKS

Leia mais

CONSTRUÇÃO CIVIL ARTIGOS APROVADOS AUTORES TÍTULO RESUMO ANÁLISE MECÂNICA DE BLOCOS DE SOLO- CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL

CONSTRUÇÃO CIVIL ARTIGOS APROVADOS AUTORES TÍTULO RESUMO ANÁLISE MECÂNICA DE BLOCOS DE SOLO- CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL MARIA DA CONCEIÇÃO DOS SANTOS ALMEIDA SOFIA ARAÚJO LIMA CONSTRUÇÃO CIVIL ARTIGOS APROVADOS AUTORES TÍTULO RESUMO ANÁLISE MECÂNICA DE BLOCOS DE SOLO- CIMENTO PRODUZIDOS COM RESÍDUO DE CONSTRUÇÃO CIVIL Um

Leia mais

Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-90*

Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-90* Complementaridade versus substituição entre investimento público e privado na economia brasileira: 1965-90* Carlos Henrique Rocha** Joanílio Rodolpho Teixeira*** I. Introdução; 2. o modelo e algumas considerações

Leia mais

Crescimento e industrialização no Brasil: uma interpretação à luz das propostas de Kaldor

Crescimento e industrialização no Brasil: uma interpretação à luz das propostas de Kaldor Revista de Economia Política, vol. 31, nº 1 (121), pp. 118-138 janeiro-março/2011 Crescimento e industrialização no Brasil: uma interpretação à luz das propostas de Kaldor Marcos tostes lamonica* carmen

Leia mais

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO

DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. RESUMO DETERMINANTES DA POBREZA E DESIGUALDADE DE RENDA NO BRASIL: ANÁLISE DA ECONOMIA BRASILEIRA ENTRE 1994 E 2014. Cleber Yutaka Osaku 1 ; Alexandre de Souza Correa 2. UFGD/FACE - Caixa Postal - 364 - Dourados/MS,

Leia mais

ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO- INTEGRAÇÃO

ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO- INTEGRAÇÃO ESTRATÉGIAS COM CONTRATOS FUTUROS E PREVISÃO DOS PREÇOS DE CAFÉ ARÁBICA: UMA ABORDAGEM DE CO- INTEGRAÇÃO CARLOS ANDRÉ DA SILVA MÜLLER; FRANCISCO CARLOS CUNHA CASSUCE; ALTAIR DIAS DE MOURA; UNIVERSIDADE

Leia mais

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72

ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade Geral - 4 72 ADM004 Metodologia Científica - 2 36 ADM005 Métodos Quantitativos - 4 72 Matriz Curricular do Curso de Administração 2015.1 1ª Fase CÓDIGO DISCIPLINAS PRÉ- REQUISITOS CRED ADM001 Interpretação e Produção de Textos - ADM002 Filosofia e Ética Empresarial - 2 36 ADM003 Contabilidade

Leia mais

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima):

GRADE CURRICULAR. 2.2. Das linhas de pesquisa: 2.2.1. Linha de Pesquisa 1 (Geração e Caracterização de Matéria-Prima): 1. DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS GRADE CURRICULAR Energia e Bioenergia Combustíveis e Biocombustíveis Seminários I 2 30 Seminários II 2 30 Estágio em Docência 2 30 Total de créditos obrigatórios: 14 créditos,

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

POUPANÇA EXTERNA, VARIAÇÕES CAMBIAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA ABORDAGEM COM MECANISMO DE CORREÇÃO DE ERROS

POUPANÇA EXTERNA, VARIAÇÕES CAMBIAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA ABORDAGEM COM MECANISMO DE CORREÇÃO DE ERROS POUPANÇA EXTERNA, VARIAÇÕES CAMBIAIS E CRESCIMENTO ECONÔMICO NO BRASIL: UMA ABORDAGEM COM MECANISMO DE CORREÇÃO DE ERROS RESUMO Clayton Ribeiro Barreto 1 Gilberto de Oliveira Veloso 2 Adayr da Silva Ilha

Leia mais

Turma BNDES Básica Exercícios

Turma BNDES Básica Exercícios Turma BNDES Básica Exercícios Banca: CESGRANRIO Edital de referência: 01/2012 (data da publicação: 17/12/2012) Carga horária (aulas presenciais): 92,0 horas EMENTA DA PROVA 1 OBJETIVA Carga Horária e Pré-Requisitos.

Leia mais