PROJETO DE REDES LAN/WAN PARA REDE DE FARMÁCIAS MEDCARE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROJETO DE REDES LAN/WAN PARA REDE DE FARMÁCIAS MEDCARE"

Transcrição

1 Soluções em Tecnologia da Informação PROJETO DE REDES LAN/WAN PARA REDE DE FARMÁCIAS MEDCARE São Leopoldo, 02 de julho de Projetos de Redes de Computadores MedCare NETZWERK

2 ÍNDICE SUMÁRIO EXECUTIVO... 4 DESCRIÇÃO DAS TECNOLOGIAS E MODELOS GERAIS... 5 TOPOLOGIA FISICA MATRIZ PORTO ALEGRE Primeiro andar Segundo andar Terceiro andar Quarto andar DATA CENTER BACKUP Primeiro andar FILIAL 1 CAXIAS DO SUL Primeiro andar Segundo andar FILIAL 2 SANTA MARIA PRIMEIRO ANDAR FILIAL 3 SÃO LEOPOLDO Primeiro andar Segundo andar Terceiro andar TOPOLOGIA LÓGICA MAPA DA REDE ENDEREÇAMENTO IP Matriz Porto Alegre Matriz Backup Porto Alegre Filial 1 Caxias do Sul Filial 2 Santa Maria Filial 3 São Leopoldo PLANO DE GERENCIAMENTO DE ATIVOS DEFINIÇÃO ITENS DE CONFIGURAÇÃO A SEREM MONITORADOS PLANO DE SEGURANÇA ANEXO I ABERTURA DO PROJETO ANEXO II - DECLARAÇÃO DE ESCOPO CLIENTE NOME DO GERENTE DE PROJETO, SUAS RESPONSABILIDADES E SUA AUTORIDADE EQUIPE DO PROJETO DESCRIÇÃO DO PROJETO OBJETIVO DO PROJETO JUSTIFICATIVA DO PROJETO EXPECTATIVA DO CLIENTE FATORES DE SUCESSO DO PROJETO RESTRIÇÕES PREMISSAS EXCLUSÕES ESPECÍFICAS

3 12. PRINCIPAIS ATIVIDADES E ESTRATÉGIAS DO PROJETO Tecnologias e softwares Infraestrutura Demonstração Entregas do projeto Orçamento do projeto Plano de entregas e marco do projeto ANEXO III TERMO DE ACEITE DO PROJETO ANEXO IV - CRONOGRAMA ANEXO V ORÇAMENTO DO PROJETO CUSTOS DE HARDWARE ROTEADORES SWITCHES RACKS NOBREAKS CUSTOS DOS ACESSÓRIOS CUSTOS DE SOFTWARE CUSTOS DE MÃO DE OBRA ANEXO VI CONFIGURAÇÕES ROTEADOR DA FILIAL 01 CAXIAS DO SUL SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DA FILIAL 01 CAXIAS DO SUL ROTEADOR DA FILIAL 02 SANTA MARIA SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DA FILIAL 02 SANTA MARIA ROTEADOR DA FILIAL 03 SÃO LEOPOLDO SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DA FILIAL 03 SÃO LEOPOLDO ROTEADOR DA MATRIZ PORTO ALEGRE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DA MATRIZ PORTO ALEGRE ROTEADOR DO DATA CENTER DE BACKUP PORTO ALEGRE SWITCH DE DISTRIBUIÇÃO DO DATA CENTER BACKUP PORTO ALEGRE ROTEADOR ADICIONAL DA OPERADORA QUE PROVÊ ACESSO À INTERNET COM REDUNDÂNCIA DE LINKS 93 ANEXO VII NETZWERK S.A

4 SUMÁRIO EXECUTIVO A rede de farmácias MEDCARE criada em 2009, atualmente necessita ampliar a área de abrangência de atendimento, através de novas instalações que constituem três novas filiais e com isso, estima alcançar um crescimento em sua receita de 4% no ano de Este projeto visa proporcionar a interconexão entre os serviços e informações existentes em toda a rede de farmácias, automatizando tarefas, organizando a estrutura lógica da rede e contando com um processo de administração simplificada. Propiciando agilidade no atendimento, modernizando o parque tecnológico da empresa, reduzindo custos operacionais e otimizando a utilização dos recursos de TI. Pensando na continuidade do negócio, propomos que seja mantida redundância de Data Centers, com a implantação de um CPD de backup a 10kms de distância da matriz. Também se fará necessária a utilização de links de acesso redundantes, desta maneira a MedCare estará protegida contra qualquer problema que possa comprometer suas atividades comerciais, pois em caso de falha, seu CPD de backup assumirá automaticamente os trabalhos. Pensando na confidencialidade e segurança dos dados e sistemas, dividiremos os setores existentes em redes distintas. Desta forma, os funcionários de diferentes departamentos somente terão acesso aos sistemas e informações relevantes para a realização de seu trabalho. Para que isso seja possível, serão configuradas VLANs (redes virtuais) nos equipamentos de rede (switchs), possibilitando assim, que esta divisão de áreas seja realizada de uma maneira eficiente. Também serão configuradas ACL s (listas de acesso) nos dispositivos responsáveis pelas conexões entre as filiais (roteadores), estes filtros irão assegurar que cada um acesse somente aquilo que realmente precisa acessar, além de proteger as instalações da farmácia contra acessos indevidos por parte de terceiros. Após a conclusão do projeto, a área de TI da matriz ficaria responsável por administrar os serviços tecnológicos, servidores, sistemas, etc. Preocupando-se com este aspecto, projetamos um ambiente onde toda a infraestrutura de rede será monitorada em tempo real com a utilização das ferramentas Cacti e Nagios (ambas de código aberto, sem custos adicionais). Estes dois softwares fazem uso do protocolo SNMP Versão 2, amplamente utilizado para realizar monitoramento de grandes ambientes informatizados. Ainda pensando no controle e gerenciamento de tudo que será acessado dentro da rede da farmácia, sugerimos que todo o acesso web seja centralizado na matriz. Sendo assim, o acesso a paginas na internet, envio de s, downloads e troca de arquivos, poderá ser filtrado e controlado pela equipe de TI da empresa. Vale lembrar, que todos os equipamentos da rede, tais como: servidores, switchs, roteadores e desktops (computadores de mesa) serão protegidos com no-breaks, para casos de variações ou quedas de tensão no fornecimento de energia elétrica. Acreditamos que com estas medidas a MedCare terá um ambiente computacional sempre ativo, seguro e preparado para atender da melhor forma possível às demandas que possam surgir, contribuindo para a prestação de um ótimo nível de atendimento a seus clientes. Um vez aprovado, a consolidação do projeto deverá durar aproximadamente 4 meses e conta com uma equipe de cinco profissionais qualificados, composta por quatro técnicos e um gerente de projetos. 4

5 Descrição das tecnologias e modelos gerais Será apresentada aqui uma visão geral das tecnologias utilizadas neste projeto de redes, visando prover à rede de farmácias MedCare uma infraestrutura de TI (tecnologia da informação) que atenda às necessidades da empresa, tanto em suas redes locais (LANs), quanto em sua rede corporativa (WAN), assegurando conectividade entre o Data Center principal (situado na matriz) e seu Data Center de Backup, localizado a 10 quilômetros de distância do primeiro, porém ambos na cidade de Porto Alegre. Este projeto permitirá que suas três filiais localizadas nas cidades de Caxias do Sul, Santa Maria e São Leopoldo respectivamente, obtenham acesso aos sistemas e informações disponíveis em seu Data Center principal. Além disto, a implementação proposta neste projeto prevê a necessidade de troca de informações entre os setores de diferentes filiais, assim como garantir o acesso à internet para todas as instalações da rede de farmácias. A cliente possui duas fornecedoras de energia elétrica diferentes, tanto na matriz quanto em seu Data Center de backup, e portanto a estrutura de racks será montada com réguas duplicadas (em ambas as redes elétricas), recomendamos também que todos os servidores e dispositivos de rede tenham fontes redundantes. Desta maneira, caso um dos fornecedores de energia falhe, esta queda será transparente para os ativos de rede, pois uma de suas fontes estará ligada à outra operadora de energia. Em caso de desastre ou perda de fornecimento de ambas as companhias simultaneamente, indicamos a aquisição de No-Breaks do modelo APC SUA3000RMXL3U-BR, um para cada rack, com capacidade para manter os servidores rodando durante 5,4 minutos a toda a carga, e 15 min. a meia carga. Além disto, todos os desktops terão seus no-breaks de menor porte, modelo Nobreak Net va Bivolt Expert SMS. Os computadores, tanto estações de trabalho quanto servidores possuem apenas uma placa de rede, Fast Ethernet e Gigabit Ethernet respectivamente. O cabeamento utilizado para as interconexões de rede interna será do tipo UTP (Unshielded Twisted Pair ou Par Trançado sem Blindagem), atendendo às especificações do padrão EIA/TIA 606A. Todos os elementos dos sistemas de telecomunicações deverão ser identificados. Os cabos, as terminações, os eletrodutos, as eletrocalhas, as caixas de passagem, os racks, os painéis de manobra etc. Tudo deverá ser identificado de maneira que as informações tenham links entre si, com o propósito de registrá-las para tê-las em mãos, sempre que se fizer necessário promover uma mudança no ambiente ou realizar manutenções na infraestrutura de rede. A comunicação na rede de longa distância (WAN - Wide Area Network) será realizada através de circuitos dedicados contratados juntamente à operadora de telecomunicações que atende a farmácia atualmente. A tecnologia utilizada nesta rede é a MPLS (Multi Protocol Label Switching), padronizada pelo IETF - Internet Engineering Task Force através da RFC A comunicação dentro desta estrutura se dará da seguinte forma: Filiais: Terão rotas estáticas configuradas manualmente em seus roteadores de borda. Data Center Principal e de Backup: Utilizarão o protocolo de roteamento BGP (Border Gateway Protocol) configurados em seus roteadores de borda para se comunicar com o backbone da operadora. Além disto, este projeto visa oferecer alta disponibilidade e redundância a falhas entre os dois Data Centers existentes. Para que isto seja possível, determinamos que ambos estejam 5

6 física e logicamente organizados dentro de uma única LAN (Local Area Network ou Rede Local). Como há uma distância de 10 quilômetros entre os dois prédios, foi necessária a contratação de um link de fibra ótica e dois switchs de fibra (um para cada ponta da conexão). É importante ressaltar aqui, que esta conexão ponto-a-ponto é um contrato à parte que a rede de farmácias firmou com a operadora de Telecom, para prover conexão permanente e direta entre seus dois CPD s, esta ligação encontra-se fisicamente localizada atrás dos roteadores de borda, ou seja, dentro da rede interna, desta forma sua comunicação não utiliza a rede MPLS da operadora, nem protocolos de roteamento. Uma vantagem de se possuir este tipo de serviço contratado, é a garantia de quê, mesmo que os dois roteadores ou links dos Data Centers fiquem indisponíveis, ainda assim, haverá conexão permanente entre eles através desta ligação via fibra. Comunicação dentro do backbone da operadora: O protocolo de roteamento utilizado na nuvem da operadora é o OSPF. No entanto, esta informação consta nesse projeto apenas para fins de conhecimento, pois não faz parte de nosso escopo interferir na comunicação da rede pública da operadora de telecomunicações. O acesso à internet será realizado da seguinte maneira: Os dois CPD s terão links distintos (não pertencentes à estrutura de rede WAN da empresa) para acesso à internet. Cada um destes circuitos será contratado de uma operadora diferente (para que haja redundância inclusive no fornecimento de acesso à internet) e possuirão a mesma velocidade nominal, de 10 Mbps (10 Megabits por segundo). Existirão dois servidores Proxy compartilhando a navegação web para toda a rede da empresa, inclusive para as filiais. A solução encontrada por nossa empresa foi montar ambos os servidores utilizando o Squid, por se tratar de uma ferramenta de código aberto e sem custos relativos a licenças de software. O servidor localizado no Data Center1 ficará sempre ativo, enquanto o Proxy Server do Data Center2 ficará em stand-by. Caso a aplicação que roda nos clientes detecte um delay muito alto ou impossibilidade de acesso ao Proxy Server principal, ela automaticamente direcionará todo o acesso web para o Proxy Server de Backup. As velocidades dos canais de comunicação corporativos ficaram distribuídas desta forma: Filial 1 (Caxias do Sul): 1 Mbps (1 Megabit por segundo). Filial 2 (Santa Maria): 512 Kbps (512 Kilobits por segundo). Filial 3 (São Leopoldo): 1 Mbps (1 Megabit por segundo). Backbone da operadora: 10 Mbps (10 Megabits por segundo). Data Center1 (matriz) e Data Center Backup: 10 Mbps (10 Megabits por segundo). O endereçamento IP dos servidores, switchs, roteadores, impressoras e scanners de rede será realizado manualmente e de forma estática, ou seja, com IP s fixos. Já as estações de trabalho tanto das filiais quanto da matriz, receberão seus endereços de forma dinâmica, através da utilização de um DHCP Server centralizado no Data Center 1. Neste caso, os clientes DHCP da matriz terão seus endereços atribuídos diretamente, entretanto, nas filiais será necessária a configuração da funcionalidade de DHCP Relay em seus roteadores, para que estes possam repassar endereços IP s para as estações de trabalho locais. 6

7 Conforme solicitado na RFP, há a necessidade de segmentação entre os diversos departamentos existentes. Para isto, de acordo com a RFC 3069, sugerimos a utilização de VLANs (Virtual Local Area Network). Para obtermos um bom nível de segurança e garantirmos que pacotes do tipo broadcast (enviados para todos os computadores) só trafeguem dentro de cada departamento (diminuindo o tráfego de rede), definimos que serão utilizadas 10 VLANs, distribuídas da seguinte forma: VLAN1 Departamento de TI; VLAN2 Departamento de Vendas; VLAN3 Departamento de Marketing; VLAN4 Departamento Jurídico; VLAN5 Departamento Financeiro; VLAN6 Salas de Reuniões; VLAN7 Servidores; VLAN8 Impressoras e Scanners; VLAN9 Setor de Atendimento (balcão); VLAN10 Conectividade entre os ativos de rede. Para que esta segmentação seja possível, recomendamos a aquisição de switchs gerenciáveis da marca Cisco, no modelo CISCO Catalyst WS-C PC-L com e sem Fibra Óptica. O gerenciamento da rede será realizado utilizando-se o protocolo SNMP Versão 2, aconselhamos que todos os switchs, roteadores e servidores sejam monitorados desta maneira. Para isto, sugerimos a utilização das ferramentas de software livre Cacti para monitorar a utilização de banda, estados dos links, ativos de rede e servidores. A segurança é um fator que também deve ser levado em consideração neste momento, para isto, optamos pela configuração de ACL s (Listas de Acesso) em todos os roteadores de borda pertencentes à rede WAN da farmácia. Estas listas de acesso realizarão de certa forma o papel de firewalls, pois são elas que irão determinar quem acessa o quê dentro da rede. Por exemplo, será por meio da configuração de ACL s que asseguraremos que os setores de Vendas de todas as filiais consigam se comunicar apenas entre si e com o Data Center. O modelo de aplicação utilizado pelos sistemas já existentes é o cliente/servidor, deste modo, existirão apenas servidores auxiliares nas filiais, sendo que os principais estarão todos centralizados no Data Center da matriz. As estações de trabalhado (clientes) obterão acesso aos sistemas conectando-se a estes servidores. No caso dos funcionários da matriz, este acesso se dará dentro da própria rede local, porém nas filiais, se dará através da rede corporativa da empresa. Os sistemas utilizados pela farmácia possuem nível de inteligência suficiente para detectarem um grau elevado de delay ou falta de acesso aos servidores da matriz, comutando automaticamente suas conexões para o Data Center de Backup. 7

8 TOPOLOGIA FISICA 1. Matriz Porto Alegre 1.1. Primeiro andar O primeiro andar é composto pelo setor de TI, Salão de atendimento a clientes, Telecom e uma cozinha. O cabeamento elétrico e de rede devem estar fisicamente separados. A figura abaixo ilustra as posições dos pontos de rede para cada setor. TI: Este departamento terá 15 pontos de rede para as estações que seguirão da sala de Telecom através de dutos aéreos até dutos localizados no piso da sala, dispostos conforme a imagem. Balcão de atendimento ao cliente: terá 02 pontos de rede para as estações de atendimento. Telecom: Esta sala terá um duto principal, o qual será utilizado para a comunicação via fibra ótica entre andares. No total, serão necessários 313 metros de cabeamento UTP CAT 5, 52 metros de canaletas e 30 metros de eletrodutos 20x5cm. Figura 1. Pontos de rede do primeiro andar matriz Porto Alegre 8

9 Figura 2. Bayface primeiro andar Matriz Porto Alegre 9

10 OCUPADO POR PONTO (TOMADA)/PATCH PANEL PORTA SWITCH ID SWITCH VLAN ADM-SW-AC-1 1A-PA-1 FE-1 AC-1 10 PC-TI-MAT-1 1A-PA-2 FE-2 AC-1 1 PC-TI-MAT-2 1A-PA-3 FE-3 AC-1 1 PC-TI-MAT-3 1A-PA-4 FE-4 AC-1 1 PC-TI-MAT-4 1A-PA-5 FE-5 AC-1 1 PC-TI-MAT-5 1A-PA-6 FE-6 AC-1 1 PC-TI-MAT-6 1A-PA-7 FE-7 AC-1 1 PC-TI-MAT-7 1A-PA-8 FE-8 AC-1 1 PC-TI-MAT-8 1A-PA-9 FE-9 AC-1 1 PC-TI-MAT-9 1A-PA-10 FE-10 AC-1 1 PC-TI-MAT-10 1A-PA-11 FE-11 AC-1 1 PC-TI-MAT-11 1A-PA-12 FE-12 AC-1 1 PC-TI-MAT-12 1A-PA-13 FE-13 AC-1 1 PC-TI-MAT-13 1A-PA-14 FE-14 AC-1 1 PC-TI-MAT-14 1A-PA-15 FE-15 AC-1 1 PC-TI-MAT-15 1A-PA-16 FE-16 AC-1 1 PC-ATD-MAT-1 1A-PA-17 FE-17 AC-1 1 PC-ATD-MAT-2 1A-PA-18 FE-18 AC-1 1 TRK-SW-DISTR-1 - GE-1 AC-1 10 ADM-SW-DISTR-1 1A-PA-19 G2-4 DISTR-1 10 SR-TI-MAT-1 1A-PA-20 GE-1 DISTR-1 7 SR-TI-MAT-2 1A-PA-21 GE-2 DISTR-1 7 SR-TI-MAT-3 1A-PA-22 GE-3 DISTR-1 7 ROTEADOR 1A-PA-23 GE-4 DISTR-1 10 TRK-SW-AC-1 - GE-5 DISTR-1 10 TRK-FIB-SW-DISTR-2º-ANDAR - FIB-1 DISTRI-2 10 Legendas: FE Fast Ethernet, GE Gigabit Ethernet, SR Servidor, PC Desktop, TI Setor de TI, SW Switch, ADM-SW Porta administrativa do switch, TRK Portas de trunking dos switchs, FIB Porta com módulo adaptador para fibra ótica, AC-1 Switch de Acesso 1, Distr-1 Switch de Distribuição 1, TRK-SW-DISTR-1 Trunking com o Switch de Distribuição 1, TRK-SW-AC-1 Trunking com o Switch de Acesso 1, ATD Setor de Atendimento ao público, MAT Matriz. Tabela 1. Conexões primeiro andar Matriz Porto Alegre 10

11 1.2. Segundo andar O segundo andar é composto pelos setores de Vendas, Vendas/MKT e Telecom. O cabeamento elétrico e de rede devem estar fisicamente separados. A figura abaixo ilustra as posições dos pontos de rede para cada setor. Vendas: Terá 48 pontos de rede para as estações, que seguirão da sala de Telecom através de dutos aéreos até dutos localizados no piso da sala, dispostos conforme a imagem. Vendas/MKT: Terá 07 pontos de rede para as estações, que seguirão da sala de Telecom através de dutos aéreos até dutos localizados no piso da sala, dispostos conforme a imagem. Telecom: Esta sala terá possui um duto principal, o qual é utilizado para a comunicação via fibra ótica entre andares. No total serão necessários 2276 metros de cabeamento UTP CAT 5, 126 metros de canaletas e 65 metros de eletrodutos 30x10cm. Figura 3. Pontos de rede segundo andar Matriz Porto Alegre 11

12 Figura 4. Bayface do segundo andar da Matriz Porto Alegre 12

13 OCUPADO POR PONTO (TOMADA)/PATCH PANEL PORTA SWITCH ID SWITCH VLAN ADM-SW-DISTR-1 2A-PA-1 GE-1 DISTR-1 10 SR-VEN-MAT-1 2A-PA-2 GE-2 DISTR-1 7 SR-VEN-MAT-2 2A-PA-3 GE-3 DISTR-1 7 SR-VEN-MAT-3 2A-PA-4 GE-4 DISTR-1 7 SR-MKT-MAT-1 2A-PA-5 GE-5 DISTR-1 7 TRK-SW-AC-1 - GE-6 DISTR-1 10 TRK-SW-AC-2 - GE-7 DISTR-1 10 PC-MKT-MAT-1 2A-PA-14 GE-14 DISTR-1 3 PC-MKT-MAT-2 2A-PB-15 GE-15 DISTR-1 3 PC-MKT-MAT-3 2A-PB-16 GE-16 DISTR-1 3 PC-MKT-MAT-4 2A-PB-17 GE-17 DISTR-1 3 PC-MKT-MAT-5 2A-PB-18 GE-18 DISTR-1 3 PC-VEN-MAT-1 2A-PB-19 GE-19 DISTR-1 2 PC-VEN-MAT-2 2A-PB-20 GE-20 DISTR-1 2 TRK-FIB-SW-DISTR-1º-ANDAR - FIB-1 DISTR-1 10 TRK-FIB-SW-AC-3º-ANDAR - FIB-2 DISTR-1 10 PC-VEN-MAT-3 2A-PB-1 FE-1 AC-1 2 PC-VEN-MAT-4 2A-PB-2 FE-2 AC-1 2 PC-VEN-MAT-5 2A-PB-3 FE-3 AC-1 2 PC-VEN-MAT-6 2A-PB-4 FE-4 AC-1 2 PC-VEN-MAT-7 2A-PB-5 FE-5 AC-1 2 PC-VEN-MAT-8 2A-PB-6 FE-6 AC-1 2 PC-VEN-MAT-9 2A-PB-7 FE-7 AC-1 2 PC-VEN-MAT-10 2A-PB-8 FE-8 AC-1 2 PC-VEN-MAT-11 2A-PB-9 FE-9 AC-1 2 PC-VEN-MAT-12 2A-PB-10 FE-10 AC-1 2 PC-VEN-MAT-13 2A-PB-11 FE-11 AC-1 2 PC-VEN-MAT-14 2A-PB-12 FE-12 AC-1 2 PC-VEN-MAT-15 2A-PB-13 FE-13 AC-1 2 PC-VEN-MAT-16 2A-PB-14 FE-14 AC-1 2 PC-VEN-MAT-17 2A-PB-15 FE-15 AC-1 2 PC-VEN-MAT-18 2A-PB-16 FE-16 AC-1 2 PC-VEN-MAT-19 2A-PB-17 FE-17 AC-1 2 PC-VEN-MAT-20 2A-PB-18 FE-18 AC-1 2 PC-VEN-MAT-21 2A-PB-19 FE-19 AC

14 OCUPADO POR PONTO (TOMADA)/PATCH PANEL PORTA SWITCH ID SWITCH VLAN PC-VEN-MAT-22 2A-PB-20 FE-20 AC-1 2 PC-VEN-MAT-23 2A-PB-21 FE-21 AC-1 2 PC-VEN-MAT-24 2A-PB-22 FE-22 AC-1 2 PC-VEN-MAT-25 2A-PB-23 FE-23 AC-1 2 PC-VEN-MAT-26 2A-PB-24 FE-24 AC-1 2 TRK-SW-DISTR-1-2º-ANDAR - GE-1 AC-1 10 PC-VEN-MAT-27 2A-PB-25 FE-1 AC-2 2 PC-VEN-MAT-28 2A-PB-26 FE-2 AC-2 2 PC-VEN-MAT-29 2A-PB-27 FE-3 AC-2 2 PC-VEN-MAT-31 2A-PB-28 FE-4 AC-2 2 PC-VEN-MAT-32 2A-PB-29 FE-5 AC-2 2 PC-VEN-MAT-33 2A-PB-30 FE-6 AC-2 2 PC-VEN-MAT-34 2A-PB-31 FE-7 AC-2 2 PC-VEN-MAT-35 2A-PB-32 FE-8 AC-2 2 PC-VEN-MAT-36 2A-PB-33 FE-9 AC-2 2 PC-VEN-MAT-37 2A-PB-34 FE-10 AC-2 2 PC-VEN-MAT-38 2A-PB-35 FE-11 AC-2 2 PC-VEN-MAT-39 2A-PB-36 FE-12 AC-2 2 PC-VEN-MAT-40 2A-PB-37 FE-13 AC-2 2 PC-VEN-MAT-41 2A-PB-46 FE-14 AC-2 2 PC-VEN-MAT-42 2A-PB-47 FE-15 AC-2 2 PC-VEN-MAT-43 2A-PB-48 FE-16 AC-2 2 TRK-SW-DISTR-1-2º-ANDAR - GE-1 AC-2 10 Legendas: FE Fast Ethernet, GE Gigabit Ethernet, SR Servidor, PC Desktop, VEN Setor de Vendas, MAT Matriz, TI Setor de TI, SW Switch, ADM-SW Porta administrativa do switch, TRK Portas de trunking dos switchs, FIB Porta com módulo adaptador para fibra ótica, AC-1 Switch de Acesso 1, Distr-1 Switch de Distribuição 1, TRK-SW-DISTR-1 Trunking com o Switch de Distribuição 1, TRK-SW- AC-1 Trunking com o Switch de Acesso 1. Tabela 2. Conexões segundo andar Matriz Porto Alegre 14

15 1.3. Terceiro andar O terceiro andar é composto pelo setor Jurídico, Telecom e uma sala de reuniões. O cabeamento elétrico e de rede devem estar fisicamente separados. A figura abaixo ilustra as posições dos pontos de rede para cada setor. Jurídico: Este setor terá 18 pontos de rede para as estações de trabalho que seguirão da sala de Telecom através de dutos aéreos até dutos localizados no piso da sala, dispostos conforme a imagem. Sala de Reuniões: A sala terá 08 pontos de redes dispostos em um duto saliente no piso, conforme imagem. Telecom: Esta sala terá um duto principal, o qual será utilizado para a comunicação via fibra ótica entre andares. No total serão necessários 877 metros de cabeamento UTP CAT 5, 60 metros de canaletas e 55 metros de eletrodutos 20x5cm. Figura 5. Pontos de rede do terceiro andar Matriz Porto Alegre 15

16 Figura 6. Bayface do terceiro andar Matriz Porto Alegre 16

17 OCUPADO POR PONTO (TOMADA)/PATCH PANEL PORTA SWITCH ID SWITCH VLAN ADM-SW-DISTR-1 3A-PA-1 GE-1 DISTR-1 10 PC-JUR-MAT-1 3A-PA-2 GE-2 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-2 3A-PA-3 GE-3 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-3 3A-PA-4 GE-4 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-4 3A-PA-5 GE-5 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-5 3A-PA-6 GE-6 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-6 3A-PA-7 GE-7 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-7 3A-PA-8 GE-8 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-8 3A-PA-9 GE-9 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-9 3A-PA-10 GE-10 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-10 3A-PA-11 GE-11 DISTR-1 4 PC-JUR-MAT-11 3A-PA-12 GE-12 DISTR-1 4 TRK-SW-AC-1 - GE-13 DISTR-1 4 TRK-FIB-DISTR-2º ANDAR - FIB1 DISTR-1 10 TRK-FIB-DISTR-4º ANDAR - FIB2 DISTR-1 10 PC-JUR-MAT-12 3A-PA-16 FE-1 AC-1 4 PC-JUR-MAT-13 3A-PA-17 FE-2 AC-1 4 PC-JUR-MAT-14 3A-PA-18 FE-3 AC-1 4 PC-JUR-MAT-15 3A-PA-19 FE-4 AC-1 4 PC-JUR-MAT-16 3A-PA-20 FE-5 AC-1 4 PC-JUR-MAT-17 3A-PA-21 FE-6 AC-1 4 PC-JUR-MAT-18 3A-PA-22 FE-7 AC-1 4 PC-REU-MAT-1 3A-PA-23 FE-8 AC-1 6 PC-REU-MAT-2 3A-PA-24 FE-9 AC-1 6 PC-REU-MAT-3 3A-PA-25 FE-10 AC-1 6 PC-REU-MAT-4 3A-PA-26 FE-11 AC-1 6 PC-REU-MAT-5 3A-PA-27 FE-12 AC-1 6 PC-REU-MAT-6 3A-PA-28 FE-13 AC-1 6 PC-REU-MAT-7 3A-PA-29 FE-14 AC-1 6 PC-REU-MAT-8 3A-PA-30 FE-15 AC-1 6 ADM-SW-AC-1 3A-PA-31 FE-16 AC-1 6 TRK-SW-DISTR-1 - FE-17 AC-1 6 Legendas: FE Fast Ethernet, GE Gigabit Ethernet, SR Servidor, PC Desktop, JUR Setor Jurídico, REU Sala de Reuniões, MAT Matriz, SW Switch, ADM-SW Porta administrativa do switch, TRK Portas de trunking dos switchs, FIB Porta com módulo adaptador para fibra ótica, AC-1 Switch de Acesso 1, Distr-1 Switch de Distribuição 1, TRK-SW-DISTR-1 Trunking com o Switch de Distribuição 1, TRK-SW-AC-1 Trunking com o Switch de Acesso 1. Tabela 3. Conexões terceiro andar da Matriz Porto Alegre 17

18 1.4. Quarto andar O quarto andar é composto pelo setor de Finanças, Telecom e uma sala de reuniões. O cabeamento elétrico e de rede devem estar fisicamente separados. A figura abaixo ilustra as posições dos pontos de rede para cada setor. Finanças: Este setor terá 24 pontos de redes para as estações que seguirão da sala de Telecom através de dutos aéreos até dutos localizados no piso da sala, dispostos conforme a imagem. Sala de Reuniões: A sala terá 08 pontos de redes dispostos em um duto saliente no piso, conforme imagem. Telecom: Este setor terá um duto principal, o qual será utilizado para a comunicação via fibra ótica entre andares. No total serão necessitará de 976 metros de cabeamento UTP CAT 5, 54 metros de canaletas e 65 metros de eletrodutos 20x5cm. Figura 7. Pontos de rede do quarto andar Matriz Porto Alegre 18

19 Figura 8. Bayface do quarto andar Matriz Porto Alegre 19

20 OCUPADO POR PONTO (TOMADA)/PATCH PANEL PORTA SWITCH ID SWITCH VLAN ADM-SW-DISTR-1 4A-PA-1 GE-1 DISTR-1 10 PC-FIN-MAT-1 4A-PA-2 GE-2 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-2 4A-PA-3 GE-3 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-3 4A-PA-4 GE-4 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-4 4A-PA-5 GE-5 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-5 4A-PA-6 GE-6 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-6 4A-PA-7 GE-7 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-7 4A-PA-8 GE-8 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-8 4A-PA-9 GE-9 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-9 4A-PA-10 GE-10 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-10 4A-PA-11 GE-11 DISTR-1 5 PC-FIN-MAT-11 4A-PA-12 GE-12 DISTR-1 5 TRK-SW-AC-1 - GE-13 DISTR-1 5 TRK-FIB-DISTR-3º ANDAR - FIB1 DISTR-1 10 ADM-SW-AC-1 4A-PA-15 FE-1 AC-1 10 PC-FIN-MAT-12 4A-PA-16 FE-2 AC-1 5 PC-FIN-MAT-13 4A-PA-17 FE-3 AC-1 5 PC-FIN-MAT-14 4A-PA-18 FE-4 AC-1 5 PC-FIN-MAT-15 4A-PA-19 FE-5 AC-1 5 PC-FIN-MAT-16 4A-PA-20 FE-6 AC-1 5 PC-FIN-MAT-17 4A-PA-21 FE-7 AC-1 5 PC-FIN-MAT-18 4A-PA-22 FE-8 AC-1 5 PC-FIN-MAT-19 4A-PA-23 FE-9 AC-1 5 PC-FIN-MAT-20 4A-PA-24 FE-10 AC-1 5 PC-FIN-MAT-21 4A-PA-25 FE-11 AC-1 5 PC-FIN-MAT-22 4A-PA-26 FE-12 AC-1 5 PC-FIN-MAT-23 4A-PA-27 FE-13 AC-1 5 PC-FIN-MAT-24 4A-PA-28 FE-14 AC-1 5 PC-REU-MAT-1 4A-PA-29 FE-14 AC-1 5 PC-REU-MAT-2 4A-PA-30 FE-15 AC-1 5 PC-REU-MAT-3 4A-PA-31 FE-16 AC-1 5 PC-REU-MAT-4 4A-PA-32 FE-17 AC-1 5 PC-REU-MAT-5 4A-PA-33 FE-18 AC-1 5 PC-REU-MAT-6 4A-PA-31 FE-16 AC-1 5 PC-REU-MAT-7 4A-PA-32 FE-17 AC-1 5 PC-REU-MAT-8 4A-PA-33 FE-18 AC-1 5 TRK-SW-DISTR-1 - GE-1 AC-1 10 Legendas: FE Fast Ethernet, GE Gigabit Ethernet, SR Servidor, PC Desktop, FIN Setor Financeiro, REU Sala de Reuniões, MAT Matriz, SW Switch, ADM-SW Porta administrativa do switch, TRK Portas de trunking dos switchs, FIB Porta com módulo adaptador para fibra ótica, AC-1 Switch de Acesso 1, Distr-1 Switch de Distribuição 1, TRK-SW-DISTR-1 Trunking com o Switch de Distribuição 1, TRK-SW-AC-1 Trunking com o Switch de Acesso 1. Tabela 4. Conexões quarto andar Matriz Porto Alegre 20

21 2. Data Center Backup 2.1. Primeiro andar A Matriz Backup é composta por um Data Center secundário, sala com estações (vagas) e sala de reuniões e possui apenas um andar. O cabeamento elétrico e de rede devem estar fisicamente separados. A figura abaixo ilustra as posições dos pontos de rede para cada setor. Data Center secundário: Terá quatro Racks interligados através de dutos em piso falso até dutos aéreos, a partir dos quais são distribuídos. Posições Vagas: Sala com 09 pontos de redes para as estações que seguirão da sala de Telecom através de dutos aéreos até dutos localizados no piso da sala, dispostos conforme a imagem. Sala de Reuniões: A sala terá com 08 pontos de redes dispostos em um duto saliente no piso, conforme imagem. No total serão necessários 450 metros de cabeamento UTP CAT, 43 metros de canaletas e 35 metros de eletrodutos 20x5cm. Figura 9. Pontos de rede do primeiro andar Data Center Backup Porto Alegre 21

22 Figura 10. Bayface do Rack 1 Data Center backup Matriz Porto Alegre 22

23 Figura 11. Bayface do Rack 2 Data Center backup Matriz Porto Alegre 23

24 Figura 12. Bayface do Rack 3 Data Center backup Matriz Porto Alegre 24

25 Figura 13. Bayface do Rack 4 Data Center backup Matriz Porto Alegre 25

26 OCUPADO POR PONTO (TOMADA)/PATCH PANEL PORTA SWITCH ID SWITCH VLAN ADM-SW-DISTR-1 1A-PA-1 GE-1 DISTR-1 10 TRK-SW-AC-1 - GE-2 DISTR-1 10 TRK-SW-DISTR-2 - GE-3 DISTR-1 10 SR-TI-DCBKP-1 1A-PA-4 GE-4 DISTR-1 7 SR-TI-DCBKP-2 1A-PA-5 GE-5 DISTR-1 7 SR-TI-DCBKP-3 1A-PA-6 GE-6 DISTR-1 7 ROUTER 1A-PA-7 GE-7 DISTR-1 10 ADM-SW-AC-1 1A-PA-8 GE-1 AC-1 10 TRK-SW-DISTR-1 - GE-2 AC-1 10 PC-TI-DCBKP-1 1A-PA-10 FE-1 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-2 1A-PA-11 FE-2 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-3 1A-PA-12 FE-3 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-4 1A-PA-13 FE-4 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-5 1A-PA-14 FE-5 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-6 1A-PA-15 FE-6 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-7 1A-PA-16 FE-7 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-8 1A-PA-17 FE-8 AC-1 1 PC-TI-DCBKP-9 1A-PA-18 FE-9 AC-1 1 ADM-SW-DISTR-2 1A-PB-1 GE-1 DISTR-2 10 TRK-SW-DISTR-1 - GE-2 DISTR-2 10 TRK-SW-DISTR-3 - GE-3 DISTR-2 10 TRK-SW-AC-2 - GE-4 DISTR-2 10 SR-VEN-DCBKP-1 1A-PB-5 GE-5 DISTR-2 7 SR-VEN-DCBKP-2 1A-PB-6 GE-6 DISTR-2 7 SR-VEN-DCBKP-3 1A-PB-7 GE-6 DISTR-2 7 ADM-SW-AC-2 1A-PB-8 GE-1 AC-2 10 ADM-SW-DISTR-2 1A-PB-9 GE-2 AC-2 10 PC-REU-DCBKP-1 1A-PB-10 FE-1 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-2 1A-PB-11 FE-2 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-3 1A-PB-12 FE-3 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-4 1A-PB-13 FE-4 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-5 1A-PB-14 FE-5 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-6 1A-PB-15 FE-6 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-7 1A-PB-16 FE-7 AC-2 6 PC-REU-DCBKP-8 1A-PB-17 FE-8 AC-2 6 ADM-SW-DISTR-3 1A-PC-1 GE-1 DISTR-3 10 TRK-SW-DISTR-2 - GE-2 DISTR-3 10 TRK-SW-DISTR-4 - GE-3 DISTR-3 10 SR-MKT-CDBKP-1-1 1A-PC-4 GE-4 DISTR-3 7 SR-JUR-CDBKP-1 1A-PC-5 GE-5 DISTR-3 7 ADM-SW-DISTR-4 1A-PD-1 GE-1 DISTR-4 10 TRK-SW-DISTR-3 - GE-2 DISTR-4 10 SR-FIN-DCBKP-1 1A-PD-3 GE-3 DISTR-4 7 SR-FIN-DCBKP-2 1A-PD-2 GE-4 DISTR-4 7 Legendas: FE Fast Ethernet, GE Gigabit Ethernet, SR Servidor, PC Desktop, TI Setor de TI, VEN Setor de Vendas, FIN Setor de Finanças, JUR Setor Jurídico, REU Sala de Reuniões, DCBKP Data Center de Backup, ROUTER - Roteador, SW Switch, ADM-SW Porta administrativa do switch, TRK Portas de trunking dos switchs, FIB Porta com módulo adaptador para fibra ótica, AC-1 Switch de Acesso 1, Distr-1 Switch de Distribuição 1, TRK-SW-DISTR-1 Trunking com o Switch de Distribuição 1, TRK-SW-AC-1 Trunking com o Switch de Acesso 1. Tabela 5. Conexões do primeiro andar Data Center Backup Porto Alegre 26

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede

BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE. Documento de Projeto Lógico e Físico de Rede BELLA DONNA CENTRO DE ESTÉTICA Sistema de Gerenciamento de Serviços em Estética SisGSE Documento de Projeto Lógico e Físico Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 20/OUT/2010

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network)

Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) Anexo III: Solução de Rede Local - LAN (Local Area Network) 1. Objeto: 1.1. Contratação de uma Solução de rede de comunicação local (LAN) para interligar diferentes localidades físicas e os segmentos de

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios

Técnico em Redes de Computadores. Equipamentos e Acessórios Técnico em Redes de Computadores Equipamentos e Acessórios Componentes de uma Rede Uma rede é um sistema composto de um arranjo de componentes: Cabeamento Hardware Software Cabeamento Componentes de uma

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos

REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Administração de Empresas 2º Período Informática Aplicada REDES DE COMPUTADORES LAN e WAN: Topologias e Equipamentos Prof. Sérgio Rodrigues 1 INTRODUÇÃO Introdução Este trabalho tem como objetivos: definir

Leia mais

Equipamentos de Rede

Equipamentos de Rede Equipamentos de Rede Professor Carlos Gouvêa SENAIPR - Pinhais 2 Introdução Objetivos Finalidade dos equipamentos Equipamentos e descrição Nomenclatura de desenho técnico para redes Exercício de orientação

Leia mais

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7

OBJETIVOS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 PLANTA A 5 PLANTA B 6 DISTRIBUIÇÃO E CONFIGURAÇÃO DOS RACKS 7 ÍNDICES OBJETIVOS 1 JUSTIFICATIVAS 1 INFORMAÇÕES ADICIONAIS 1 SEGURANÇA - INTERNET 1 SISTEMA OPERACIONAL 2 PROTOCOLO TCP/IP 2 INTRANET 2 DISPOSIÇÃO ORGANIZACIONAL 2 ESTAÇÕES 2 MICROS 3 IMPRESSORAS 3 PLANTA

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF

REDES ESAF. leitejuniorbr@yahoo.com.br 1 Redes - ESAF REDES ESAF 01 - (ESAF - Auditor-Fiscal da Previdência Social - AFPS - 2002) Um protocolo é um conjunto de regras e convenções precisamente definidas que possibilitam a comunicação através de uma rede.

Leia mais

OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS

OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS OBJETIVOS DO PROJETO OILBRAS O objetivo deste projeto é de desenvolver uma rede lógica e estruturada para interconexão dos diversos setores da empresa através de comutadores. Dentro deste contexto procurou-se

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Físico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve considerar Seleção de tecnologias (conforme o projeto

Leia mais

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede

WebZine Manager. Documento de Projeto Lógico de Rede WebZine Manager Documento de Projeto Lógico de Rede Versão:1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: SoftSolut,

Leia mais

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas

5.2 MAN s (Metropolitan Area Network) Redes Metropolitanas MÓDULO 5 Tipos de Redes 5.1 LAN s (Local Area Network) Redes Locais As LAN s são pequenas redes, a maioria de uso privado, que interligam nós dentro de pequenas distâncias, variando entre 1 a 30 km. São

Leia mais

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados

Audiência Pública. Diretorias de Ensino da Rede Pública Estadual de Educação de São Paulo e demais órgãos vinculados Audiência Pública Aquisição de firewall, switch, licença de antivírus de estação, sistema de gerenciamento centralizado e serviços de instalação, configuração, manutenção e suporte técnico, objetivando

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO

SISGEP SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO FACSENAC SISTEMA GERENCIADOR PEDAGÓGICO Projeto Lógico de Rede Versão: 1.2 Data: 25/11/2011 Identificador do documento: Documento de Visão V. 1.7 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição 1.0 10/10/2011

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES LAN MAN WAN - Prof. Airton / airton.ribeiros@gmail.com - Prof. Altenir / altenir.francisco@gmail.com 1 REDE LOCAL LAN - Local Area Network

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

HP Router Advanced Implementation

HP Router Advanced Implementation HP Router Advanced Implementation Dados técnicos O HP Router Advanced Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto ao Cliente e na análise dos equipamentos existente,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

HP Router Basic Implementation

HP Router Basic Implementation HP Router Basic Implementation Dados técnicos O HP Router Basic Implementation tem como objetivo, baseado na entrevista para coleta de informações junto a equipe designada pelo cliente, realizar a instalação

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia

Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA. III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Administração de Redes e Conectividade ao PoP-BA III WTR do PoP-BA Luiz Barreto luiz@pop-ba.rnp.br PoP-BA: Ponto de Presença da RNP na Bahia Sumário Fundamentos Arquitetura OSI e TCP/IP Virtual LAN: Dispositivos

Leia mais

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX

ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX ANEXO 5 AO CONTRATO DE INTERCONEXÃO DE REDES CLASSE V ENTRE SAMM E XXX NºXXX PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS, PROCEDIMENTOS DE TESTES E PARÂMETROS DE QUALIDADE 1. PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS 1.1 As Partes observarão

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Lógico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve conter Topologia da Rede Modelo de nomenclatura

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS

SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS PARA A INTEGRAÇÃO DOS AGENTES AOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO ONS Jamil de Almeida Silva ONS Brasília-DF Jean Carlos Borges Brito ONS

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO)

UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) Par Trançado UTP ( PAR TRANÇADO SEM PROTEÇÃO) O cabo UTP é composto por pares de fios, sendo que cada par é isolado um do outro e todos são trançados juntos dentro de uma cobertura externa, que não possui

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE Aquisição de Solução de Criptografia para Backbone da Rede da Dataprev ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA 1. HARDWARE DO APPLIANCE 1.1 Cada appliance deverá ser instalado em rack de 19 (dezenove) polegadas

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC GOIÁS PROJETO INTEGRADOR GERENCIA DE REDES DE COMPUTADORES 4º PERÍODO Gestão da Tecnologia da Informação Alunos: Erik de Oliveira, Douglas Ferreira, Raphael Beghelli, João

Leia mais

HP Network Core Implementation

HP Network Core Implementation HP Network Core Implementation Dados técnicos O serviço HP Network Core Implementation tem como objetivo, através de uma análise técnica no ambiente de rede local, realizar a implementação de uma proposta

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Requisitos Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Requisitos do Cliente Ao coletar informações para um projeto podemos

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

2.1 Perímetro com a WAN

2.1 Perímetro com a WAN ANEXO I. Projeto Básico 1 ESCOPO O escopo desse projeto é implementar soluções de switch core, switch de borda, sistema de controle de acesso à rede, access points, sistemas de gerenciamento wireless,

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva

Tecnologia da Informação e Comunicação. Euber Chaia Cotta e Silva Tecnologia da Informação e Comunicação Euber Chaia Cotta e Silva Redes e a Internet Conceitos Básicos 01 Para que você possa entender o que é e como funciona a Internet é necessário primeiro compreender...

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação

REDE DE COMPUTADORES. Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) Redes de computadores. 1 Apresentação REDE DE COMPUTADORES Desenvolvimento Duração: 35 aulas (2 horas cada aula) 1 Apresentação Conhecendo os alunos Conceitos básicos de redes O que é uma rede local Porque usar uma rede local 2 Como surgiram

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Metro-Ethernet (Carrier Ethernet) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Ethernet na LAN www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique

Leia mais

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede

FACSENAC. WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede FACSENAC WebZine Manager Documento de Projeto Físico de Rede Versão: 1.0 Data: 10 de Setembro de 2012 Identificador do documento: WebZine Manager Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização:

Leia mais

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA

PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA PROJETO LÓGICO DA REDE LOCAL DE COMPUTADORES DA REITORIA COORDENAÇÃO DE TECNOLOGIA (COTEC) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: cotec@ifbaiano.edu.br

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Anéis Ópticos em Backbone www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em 1980 foi formado o grupo de trabalho ANSI X3T9.5 com a finalidade de desenvolver

Leia mais

A utilização das redes na disseminação das informações

A utilização das redes na disseminação das informações Internet, Internet2, Intranet e Extranet 17/03/15 PSI - Profº Wilker Bueno 1 Internet: A destruição as guerras trazem avanços tecnológicos em velocidade astronômica, foi assim também com nossa internet

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus

Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Uso de Virtual Lan (VLAN) para a disponibilidade em uma Rede de Campus Edson Rodrigues da Silva Júnior. Curso de Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Fevereiro

Leia mais

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva

24/03/2015. Prof. Marcel Santos Silva Prof. Marcel Santos Silva Embora os roteadores possam ser usados para segmentar os dispositivos de LAN, seu principal uso é como dispositivos de WAN. Os roteadores têm interfaces de LAN e WAN. As tecnologias

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA 1. OBJETO A presente licitação tem como objeto a contratação de empresa, especializada e devidamente autorizada pela ANATEL - Agência Nacional de Telecomunicações, prestadora

Leia mais

SYSLOG - Sistema de Logística

SYSLOG - Sistema de Logística Integrantes (Grupo 3) Douglas Antony (Gerente) Bruno Sout Erika Nascimento Horácio Grangeiro Isaque Jerônimo Paulo Roriz Rodrigo Lima Versão:01.00 Data:18/05/2011 Identificador do documento:lr Versão do

Leia mais

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com

Redes de Computadores. Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Redes de Computadores Professor MSc Wylliams Barbosa Santos wylliams.wordpress.com wylliamss@gmail.com Agenda Introdução a Rede de Computadores Classificação Tipos de Redes Componentes de Rede Internet,

Leia mais

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos:

Por ser uma funcionalidade comum a diversos switches de mercado, sugerimos adicionar os seguintes requisitos: ((TITULO))ATA DA CONSULTA PÚBLICA N.º 10/2014 (PERGUNTAS E RESPOSTAS) A ATA REGISTRO PREÇOS FUTURA E EVENTUAL AQUISIÇÃO SWITCH ÓPTICA E SWITCH BORDA A ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA DO MUNICÍPIO SÃO PAULO

Leia mais

Virtual Local Area Network VLAN

Virtual Local Area Network VLAN Virtual Local Area Network VLAN 1 Domínios de broadcast com VLANs e Roteadores Permite a criação de Redes Lógicas distintas e independentes em uma mesma rede física Configuração por software (Switch) Hosts

Leia mais

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas

Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Brasília, 19/09/2013. A Rede Nacional do Ministério Público Federal Ref.: Projeto Básico e Especificações Técnicas Prezados, A Telemar Norte Leste S/A, pessoa jurídica de direito privado, prestadora de

Leia mais

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1

LAN Design. LAN Switching and Wireless Capítulo 1. Version 4.0. 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 LAN Design LAN Switching and Wireless Capítulo 1 Version 4.0 2006 Cisco Systems, Inc. All rights reserved. Cisco Public 1 Objetivos do Módulo Compreender os benefícios e do uso de uma organização hierárquica

Leia mais

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO

SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL SPITZER RELATÓRIO FINAL DE PROJETO Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial E.E.P. Senac Pelotas Centro Histórico Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego Curso Técnico em Informática ANDRESSA SANTOS, BRUNA VIANA, ISMAEL

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede

Impressão digital Sistema de eleição SisElege. Projeto Lógico de Rede Sistema de eleição SisElege Projeto Lógico de Rede Brasilia DF 25/10/2014 Histórico de revisões Versão Data Autor Descrição Localização 1.0 27/SET/2010 Grupo 3 Versão Inicial www.siselege.com.br 1.1 28/SET/2010

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana

Placa de Rede. Tipos de Redes LAN (Local Area Network) Rede local. MAN (Metropolitan Area Network) Rede Metropolitana Rede de Computadores Parte 01 Prof. André Cardia Email: andre@andrecardia.pro.br MSN: andre.cardia@gmail.com Placa de Rede Uma placa de rede (NIC), ou adaptador de rede, oferece capacidades de comunicações

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Versão: 1.3 Data: 20 de novembro de 2012 Identificador do documento: GTI Soluções Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: www.gestaotisolucoes.com.br

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Instituto de Ciências Exatas Departamento de Ciência da Computação Lista de exercícios Gerência de Redes,Turma A, 01/2010 Marcelo Vale Asari 06/90708 Thiago Melo Stuckert do Amaral

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO ESTUDO TÉCNICO PRELIMINAR DA CONTRATAÇÃO 1. DESCRIÇÃO DA SOLUÇÃO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Aquisição de equipamentos para infraestrutura de redes de todo o IFRO 2. DEFINIÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE REQUISITOS

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL. Curso Técnico em Informática SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL Curso Técnico em Informática Estrutura de Endereçamento IP e Mascara de Subrede Endereçamento IP e Classes Autoridade para Atribuição de Números da Internet http://www.iana.org/

Leia mais

Relatorio do trabalho pratico 2

Relatorio do trabalho pratico 2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA INE5414 REDES I Aluno: Ramon Dutra Miranda Matricula: 07232120 Relatorio do trabalho pratico 2 O protocolo SNMP (do inglês Simple Network Management Protocol - Protocolo

Leia mais

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas

Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Gerenciamento de configuração: White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Fluxo de processo de alto nível para gerenciamento de configuração Criar padrões Controle e gerenciamento de versão

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes

Planejamento e Projeto de Redes Planejamento e Projeto de Redes Carlos Sampaio Identificação das Necessidades e Objetivos do Cliente Análise dos objetivos e restrições de negócio Análise dos objetivos e restrições técnicos Caracterização

Leia mais

DOCUMENTAÇAO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE

DOCUMENTAÇAO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE DOCUMENTAÇAO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE Autor: Silvio Henrique Mendes www.silvio.me Versão: 13/07/09 1 Sumário INTRODUÇÃO...3 ESTATÍSTICAS DA INFRA-ESTRUTURA...3 TOPOLOGIA DE REDE...4 Diagrama de Topologia

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10

Documento: Treinamentos pfsense Versão do documento: 2014. Treinamentos pfsense. Página 1 de 10 Treinamentos pfsense Página 1 de 10 Definições, Acrônimos e Abreviações Abreviação / Sigla WAN LAN UTM pfsense BGP Descrição Wide Area Network - Rede de longa distância (interface de rede para links de

Leia mais

DOCUMENTAÇAO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE

DOCUMENTAÇAO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE DOCUMENTAÇAO DA INFRA-ESTRUTURA DE REDE 1 Sumário INTRODUÇÃO... 3 ESTATÍSTICAS DA INFRA-ESTRUTURA... 3 TOPOLOGIA DE REDE... 4 Diagrama de Topologia Lógica... 4 Vlans... 5 Diagrama de Topologia Física...

Leia mais

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações

EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações Laboratório de Redes. Cabeamento Estruturado Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução EM 1991 a EIA (Eletronic Industries Association) publicou um padrão para cabeamento de telecomunicações de edifícios

Leia mais

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007

INTERNET Edital de Licitação. Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 INTERNET Edital de Licitação Anexo I Termo de Referência PREGÃO CONJUNTO Nº. 39/2007 PROCESSO N 14761/2007 Anexo I - página 1 Índice 1. OBJETIVO... 3 2. VISÃO GERAL DO ESCOPO DO SERVIÇO... 3 3. ENDEREÇOS

Leia mais

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral

RCO2. LANs, MANs e WANs Visão geral RCO2 LANs, MANs e WANs Visão geral 1 LAN, MAN e WAN Classificação quanto a alcance, aplicação e tecnologias Distâncias: WAN: : distâncias arbitrariamente longas MAN: : distâncias médias (urbanas) LAN:

Leia mais

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3

Redes de Computadores. Trabalho de Laboratório Nº3 Redes de Computadores Curso de Eng. Informática Curso de Eng. Electrotécnica e Computadores Trabalho de Laboratório Nº3 Rede Ponto-a-Ponto; Rede Cliente-Servidor; WAN básica com Routers 1 Objectivo Criar

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores

Capítulo 1: Introdução às redes de computadores ÍNDICE Capítulo 1: Introdução às redes de computadores Redes domésticas... 3 Redes corporativas... 5 Servidor... 5 Cliente... 7 Estação de trabalho... 8 As pequenas redes... 10 Redes ponto-a-ponto x redes

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes de Computadores. Introdução ao Gerenciamento de Redes Introdução ao Gerenciamento de Redes O que é Gerenciamento de Redes? O gerenciamento de rede inclui a disponibilização, a integração e a coordenação de elementos de hardware, software e humanos, para monitorar,

Leia mais

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br

Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI. www.lotic.com.br Tecnologias de rede O alicerce da Infraestrutura de TI Agenda Conceitos básicos sobre protocolos utilizados em redes de dados Entendimento entre topologia física e lógica Estudo de caso em ambientes Enterprise,

Leia mais