FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO, IMPRESSÃO E ENCADERNAÇÃO DA MONOGRAFIA DO CURSO DE BACHARELADO E LICENCIATURA EM INFORMÁTICA Elaborada pela Professora Silvia Rissino Aprovado no Departamento de Informática em 16/02/2007 Porto Velho 2008

2 Sumário INTRODUÇÃO DADOS GERAIS DA MONOGRAFIA Idioma Papel, Formato e Encadernação Impressão Paginação Margens Espaços Numeração das Seções Títulos Lombada ESTRUTURA DA MONOGRAFIA Pré-Texto Capa Folha de rosto Ficha catalográfica Folha de Aprovação Dedicatória Epígrafe Resumo em Língua Vernácula - Resumo Resumo em Língua Estrangeira - Abstract Listas Sumário Texto Introdução Desenvolvimento do Trabalho Conclusões e Recomendações de Trabalhos Futuros Referências Glossário Anexos Apêndice Complementos usados no texto Conclusões e Recomendações Obras Consultadas...24 APÊNCIDICE DICAS PARA FAZER CITAÇÃO E REFERÊNCIA...25 ANEXO MODELOS A SEREM SEGUIDOS...32

3 1 INTRODUÇÃO O Curso de Informática (Bacharelado e Licenciatura) da Universidade Federal de Rondônia, criado através da Resolução Nº 121 do CONSUN (Conselho Superior Universitário) de 13/07/1997, reconhecido pelo MEC (Ministério da Educação e Cultura) através da Portaria nº de 24/08/2005, iniciou suas atividades em março de 1998, com o ingresso da primeira turma através de vestibular, sendo que, atualmente, tem aproximadamente duzentos alunos. O Curso de Informática está organizado em módulos semestrais, onde os alunos cursam aproximadamente cinco (05) disciplinas, e ao final de cada ano os alunos fazem em média de dez (10) a doze (12) disciplinas. No último ano do curso, isto é, no sétimo semestre do curso, os alunos devem realizar a disciplina Projeto I (projeto da monografia, onde é desenvolvido um projeto de pesquisa sobre o tema que os mesmos desenvolverão a monografia) e no oitavo semestre, somente depois de aprovados na disciplina Projeto I, poderão se matricular na disciplina de Projeto II Monografia, onde desenvolverão a monografia de conclusão de curso. Este material apresenta as recomendações necessárias para a formatação, citação, referencias bibliográfica e elaboração da monografia (baseadas nas recomendações das NBR 10520/ Citação, NBR 6023/ Referência, NBR 14724/2006 Trabalhos Acadêmicos: Apresentação, NBR 12225/ Lombada e NBR 6028/ Resumo). Esta norma foi aprovada em reunião do Conselho do Departamento de Informática em 16/fev/2007, sendo obrigatória a sua utilização, tanto pelos alunos do Curso de Informática como pelos orientadores destes alunos.

4 2 1. DADOS GERAIS DA MONOGRAFIA 1.1 IDIOMA A monografia deverá ser redigida em português-brasil. 1.2 PAPEL, FORMATO E ENCADERNAÇÃO Papel branco padrão (21 cm X 29,7 cm Tipo A-4). Para digitação da monografia, utilizar fonte times new roman ou arial, tamanho 12, salvo quando for apresentar uma citação ou nota de rodapé que o texto deve ser digitado com a mesma fonte e tamanho 10. Para encadernação adotar os seguintes tipos: - Espiral: versão que será defendida em banca de trabalho, sendo que, deverá ser entregue em três vias a banca avaliadora; - Brochura (capa dura cor preta) última versão após a defesa do trabalho, apenas uma via, com as correções solicitadas pela banca avaliadora, se necessário. A capa da monografia deverá ter os seguintes dados: Identificação: FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA AUTOR DO TRABALHO TÍTULO DO TRABALHO CIDADE ANO Obs.: A formatação detalhada da capa será apresentada no modelo 0, ao final desta apostila. 1.3 IMPRESSÃO A monografia deve ser impressa em: - impressora para computador; - de um lado só da folha; - deve ser usada a cor preta para o texto e opção de cores para as figuras e gráficos; - não devem ser usados, para efeito de alinhamento, barras ou outros sinais, devendo todo o texto está formatado com o padrão justificado.

5 3 1.4 PAGINAÇÃO Todas as folhas da monografia devem conter numeração, excetuando-se apenas a folha de rosto, que é a primeira a ser contada, mas não deve exibir numeração. As folhas, após a de resto, são numeradas com algarismos romanos minúsculos até a última folha do sumário. As listas de figuras, quadros e tabelas devem estar antes do sumário. Deve ser usado algarismo arábico da Introdução (onde começa este tipo de numeração) até o final da monografia. A numeração das paginas devem estar localizadas no canto superior direito, isto é alinhado com a última letra digitada, padrão dos editores de texto. Não se deve usar hífen nos algarismos. A paginação deverá ser contínua, mesmo quando houver mais de um volume. 1.5 MARGENS O texto da monografia deve ser formatado, em relação às margens, da seguinte maneira: - margem esquerda: 3,0 cm da borda esquerda da folha; - margem direita: 2,0 cm da borda direita da folha; - superior: 3,0 cm da borda superior da folha; - inferior: 2,0 da borda inferior da folha. 1.6 ESPAÇOS Para a digitação do texto deve-se usar a espaçamento de 1,5 cm com seguinte configuração: - Título dos Capítulos: Ajustado a esquerda, respeitando as margens definidas no item 1.5; - Título de Seção Primária: Ajustado a esquerda, respeitando as margens definidas no item 1.5; - Espaçamento entre o título dos capítulos e a primeira seção do capitulo: usar apenas um <enter>. - Corpo do texto: Digitado logo após um título de capítulo ou seção: a 1,5 cm abaixo do texto (aproximadamente um <enter> de espaço 1 ½). O texto deve ser iniciado a

6 4 4,25 cm da margem esquerda, isto é, o equivalente a um <TAB> formatado a 1,25 cm; - As subdivisões, quando ocorrem, os textos iniciados logo após uma seção, ou subdivisão do título da seção secundária, devem ser iniciados a 1 ½ abaixo da divisão; - Espaços entre linhas dever ser 1 ½ ; - Espaço entre parágrafos: deve-se usar o espaçamento normal, isto é, basta dar um <enter>, que equivale a um espaço de 1 ½ ; - Resumo: Recomenda-se que se use de 150 a 500 palavras em resumos de monografias. Ditado em espaço simples, inclusive entre parágrafos. Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular; - Sumário: O espaçamento no sumário deverá ser simples com um espaço (linha em branco) separando os capítulos; - Referência Bibliográfica: O espaçamento da bibliografia deverá ser simples com um espaço (linha em branco) separando os elementos referenciados. - Formatar espaçamento 6 pontos (6 pt) antes e depois: Usar este tipo de formação quando precisar descrever itens, como exemplo a formação desta seção (1.6). Este item é opcional. 1.7 NUMERAÇÃO DAS SEÇÕES As seções são as partes em que se divide o texto da monografia, cada uma delas contendo temas considerados importantes na exposição do assunto do trabalho. As seções que resultam da primeira divisão do texto são a seções primárias e, geralmente, correspondem à divisão dos capítulos. As seções que resultam da divisão de texto de uma seção primária são chamadas de seção secundária e seção terciária. Recomendam-se no máximo três divisões, se necessárias mais subdivisões, usar alíneas: a, b, c,... Quando necessário, as alíneas podem ser subdivididas em subalíneas. As subalíneas devem começar por hífen colocado sob a primeira letra do texto da alínea. Cada seção é indicada por um grupo numérico denominado indicativo de seção. Na numeração de seções devem ser utilizados algarismos arábicos. As seções primárias são numeradas consecutivamente, segundo a série natural dos números inteiros a partir da 1, pela

7 5 ordem de sua seção na monografia. A seguir, é mostrado um exemplo com sugestão de numeração para as seções: CAPÍTULO 1 USABILIDADE 1.1 Visão Geral 1.2 Aplicações De Usabilidade 1.3 Usabilidade No Cotidiano 1.4 Usabilidade Nas Interfaces Computacionais Definição Da ISO Definição Da W3C 1.5 Considerações Finais 1.8 TÍTULOS Os títulos das seções são destacados gradativamente; as seções primárias sempre têm títulos, que são escritos em letras maiúsculas, fonte times new roman ou arial, tamanho 12, caixa alta em negrito e marginada à esquerda. Os títulos das seções secundárias, também em negrito, devem ser marginados à esquerda e escritos em letras minúsculas, excetuando-se a primeira letra de cada palavra. 1.9 LOMBADA A Lombada (NBR 12225:2204) é definida como a parte da capa que reúne as margens internas ou dobras das folhas, sejam elas costuradas, grampeadas, coladas ou mantidas juntas de outra maneira; também chamada de dorso. A lombada é o local onde aparece o título da obra, em posição vertical, com o objetivo de facilitar sua leitura, quando posicionada em estantes de bibliotecas. Sendo necessário, que as mesmas, possuam os seguintes elementos: a) título; b) Elementos alfanuméricos para indicar o volume, fascículo e data, quando houver; c) Logomarca ou sigla da instituição; d) Recomenda-se reservar um espaço, se possível de 30mm, na borda inferior da lombada, sem comprometer as informações ali contidas, para a colocação de elementos que facilitarão a identificação/localização da obra em uma biblioteca.

8 6 Na figura 1, a seguir, é apresentado o exemplo de uma lombada para monografias do Departamento de Informática. Figura 1- Exemplo de Lombada Sigla da Unir Título do Trabalho Cidade e Ano

9 7 2. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA A estrutura da monografia é composta, normalmente de três partes principais: prétexto, texto e pós-texto. 2.1 PRÉ-TEXTO O pré-texto ou páginas preliminares inclui capa, folha de rosto, folha de aprovação, dedicatória (opcional), agradecimentos (opcional), lista de figuras, listas de tabelas, lista de abreviaturas, siglas símbolos, resumo, abstract e sumário. As páginas, com exceção da folha de rosto recebem numeração própria em algarismos romanos minúsculos Capa A capa é um elemento externo do trabalho cuja função é proteger o conteúdo apresentado na monografia. A capa deve reproduzir as informações essenciais para a identificação do trabalho e que constam na página de rosto. A monografia elaborada para o curso de informática (licenciatura e/ou bacharelado) deve ser do tipo brochura (capa dura) na cor preta Folha de rosto A folha de rosto é a folha oficial do trabalho e, por isso, deve conter os elementos essenciais à sua identificação (modelo 1), são estes: nome da instituição, núcleo e curso ao qual está sendo apresentado, título da monografia, nome do autor, nome do orientador, texto do curso, local (cidade) e ano Ficha catalográfica A ficha catalográfica aparece na parte inferior do verso da página de rosto, deve constar o termo que descreve o conteúdo temático do trabalho, seguindo as especificações apresentadas no modelo 2 em anexo. Esta ficha é elaborada pelo serviço de biblioteca da instituição onde o trabalho será disponibilizado ao público. Para elaboração da ficha catalográfica o aluno deverá se dirigir à biblioteca da instituição com: - a capa do trabalho;

10 8 - folha de rosto; - resumo do trabalho e respectivas palavras chaves; - sumário completo Folha de Aprovação Esta folha deve constar dos elementos necessários para identificação e aprovação da monografia junto à banca avaliadora. O modelo da folha encontra-se no anexo deste material (modelo 3 folha de aprovação) Dedicatória Página opcional, onde o autor do trabalho presta uma homenagem ou dedica o seu trabalho (modelo 4, em anexo) Agradecimentos Página opcional, na qual o autor agradece as pessoas, as instituições que contribuíram para a realização do trabalho (modelo 5 em anexo) Epígrafe Página opcional na qual o autor registra um pensamento ou frase que serve de tema à abertura do trabalho (modelo 6 em anexo) Resumo em Língua Vernácula - Resumo O resumo é um elemento obrigatório e deve apresentar de forma breve e concisa os aspectos mais importantes, as idéias essenciais, na mesma progressão e encadeamento em que aparece no corpo de trabalho. Deve ser digitado com fonte times new roman ou arial, tamanho 11, em espaço simples, inclusive entre parágrafos e ser iniciado a 8 cm da borda superior da folha. O texto deve ser redigido em voz ativa e na terceira pessoa do singular, sempre ressaltando o Objetivo, o Método, os Resultados e as Conclusões do Trabalho. A Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT recomenda que use 150 a 500 palavras, nos resumos de trabalhos do tipo monografia. O resumo deve ser composto de uma seqüência de frases concisas, afirmativas e não de uma enumeração de tópicos, sendo recomendado o uso de parágrafo único (NBR 2028:2003). Logo abaixo do resumo (um enter), devem ser digitadas as palavras-chaves (modelo 7 em anexo), sendo que, as mesmas devem ser separadas entre si por pontos e finalizada também por ponto

11 Resumo em Língua Estrangeira - Abstract O resumo em Língua estrangeira, chamado de abstract, é um elemento obrigatório e deve apresentar a versão em inglês (nos trabalhos de informática) do resumo em língua vernácula. Deve ser digitado em espaço simples, inclusive entre parágrafos e ser iniciado a 8 cm da borda da folha, logo abaixo do abstract (um enter), devem ser digitadas as palavraschaves ou key-words (modelo 8 em anexo) Listas Em uma monografia há possibilidade de existirem pelo menos quatro tipos de listas (figuras e ilustrações, tabelas e quadros, abreviaturas e siglas e listas de símbolos). As listas devem ser apresentadas logo após o resumo e abstract, sendo que não fazem parte do sumário. A formatação deve seguir a do resumo, isto é, fonte deve ser times new roman, tamanho 12, espaçamento simples entre linhas. A seguir são apresentados em detalhes cada lista: a) Listas de Figuras ou Ilustrações Caso a monografia apresente figuras, estas deverão ser numeradas e apresentadas com a fonte (obra, site, etc.) de onde foram retiradas, caso tenham sido elaboradas pelo autor do trabalho, não precisa citar a fonte. A lista de figuras apresenta as figuras na ordem em que aparecem no texto, a identificação do elemento, título e paginação. A identificação, no texto, da figura e da fonte devem estar abaixo da figura, centralizada e em negrito. A lista de figuras deve ser digitada a 8cm da borda superior da folha, em letras maiúsculas, centralizadas em negrito, devendo ser observado a mesma fonte e tamanho da utilizada no texto. O modelo 9 (em anexo) apresenta a formatação da lista de figuras. b) Listas de Tabelas e Quadros Caso a monografia apresente tabelas ou Quadros, estas deverão ser numeradas e apresentadas na ordem em que aparecem no texto, a identificação do elemento, título e paginação. A lista de tabelas e quadros deve ser digitada a 8cm da borda superior da folha, em letras maiúsculas, centralizadas e negritado. O modelo 10 (em anexo) apresenta a formatação da lista de tabelas e quadros. c) Lista de Siglas e Abreviaturas

12 10 Esta lista apresenta, em ordem alfabética, as abreviaturas e siglas que foram utilizadas no texto da monografia, com seu significado por extenso ao lado. O modelo 11, apresentado em anexo, apresenta a forma como deve ser esta lista. d) Lista de Símbolos Esta lista traz a relação dos símbolos, que foram apresentados no texto do trabalho, com o seu significado por extenso ao lado. Modelo 12, apresentado em anexo, apresenta a forma como deve ser esta lista Sumário O sumário é responsável pela apresentação do trabalho ou pela visão geral da monografia, serve para facilitar a localização dos assuntos, sendo importante apresentação das seções primária, secundária e terciária. Devendo conter o indicativo numérico de cada seção, o título da seção e a paginação, separada por linha pontilhada, sendo que deve estar alinhado à esquerda. O sumário é o último elemento pré-textual e deve ser iniciado a 8cm da borda superior, estar centralizado e usar espaçamento simples ente linhas e para separar os capítulos deve-se usar um espaço em banco (linha em banco) entre cada capitulo. O modelo 13 (em anexo) apresenta um exemplo de sumário. 2.2 TEXTO A organização do texto da monografia pode variar dependendo do tipo de pesquisa que foi realizado, sendo que o mais comum e indicado é a utilização das seguintes partes: Introdução A introdução deve apresentar o tema através de uma idéia central, sendo sua função apresentar a monografia e despertar o interesse do leitor pelo trabalho. Deve apresentar pelo menos: a introdução do tema proposto; os objetivos; a estrutura do trabalho. A forma como a introdução dever ser estruturada, depende de cada orientador, mas apresentar os elementos acima propostos é de fundamental importância. A introdução deve estar centralizada, em negrito, iniciar a 8 cm da borda superior da página e deve possuir numeração no topo superior direito. O modelo 14 apresenta um exemplo de uma Introdução.

13 Desenvolvimento do Trabalho O desenvolvimento do trabalho se inicia no Capítulo 1, este deve ser ajustado à esquerda, estar em negrito, caixa alta, fonte times new roman ou arial e tamanho igual a 12. Abaixo é apresentado um modelo de capítulo: CAPÍTULO 1 REDES DE COMPUTADORES 1.1 Visão Geral 1.2 Protocolos 1.3 Topologia 1.4 Arquitetura 1.5 Modelo OSI e TCP/IP 1.6 Considerações Finais a) Ilustrações, Quadros e Tabelas no texto Ilustrações Qualquer que seja seu tipo (desenhos, esquemas, fluxogramas, fotografias, gráficos, mapas, organogramas, plantas, quadros, retratos e outros) sua identificação aparece na parte inferior, precedida da palavra designativa seguida de seu número de ordem de ocorrência no texto, em algarismos arábicos, do respectivo título e/ou legenda e justificativa de forma breve e clara, dispensando consulta ao texto, e da fonte. A ilustração deve ser inserida o mais próximo possível do trecho a que se refere, conforme o projeto gráfico e sua identificação ser digitada com a fonte igual ao resto do texto, sendo apenas de tamanho menor, preferencialmente tamanho 10, como exemplo tem-se a figuras 2. Figura 2: Postura no Computador Fonte: Guia Médico, 2002

14 12 Quadros Para a identificação dos quadros a formatação do tipo de fonte e tamanho é times new roman ou arial, tamanho 12, sendo que o espaçamento deverá ser simples entre linhas. Abaixo é apresenta o Quadro 1 com as características de qualidade de software, como exemplo de um quadro dentro do texto. Qualidade Descrição Funcionalidade Confiabilidade Usabilidade Eficiência Possibilidade de Manutenção Portabilidade Capacidade do software de prover funções que atendem a necessidades expressas e implícitas, quando usado nas condições especificadas. Capacidade do software de manter seu nível de desempenho quando usado nas condições especificadas. Capacidade do software de ser compreendido, aprendido, usado e apreciado pelo usuário, quando usado nas condições especificadas. Capacidade do software de operar no nível de desempenho requerido, em relação à quantidade de recursos empregados, quando usados nas condições especificadas. Capacidade do software de ser modificado. Modificações podem abranger correções, melhorias ou adaptações do software, mudanças de ambiente ou nas especificações funcionais e de requisitos. Capacidade do software de ser transferido de um ambiente a outro. Quadro 1 Características de Qualidade de Software Fonte: Cláudia Dias, Tabelas As tabelas apresentam informações tratadas estatisticamente, conforme IBGE (1993), para a identificação usa-se a mesma formatação do tipo, fonte e tamanho do texto, isto é, fonte times new roman ou arial, tamanho 12, sendo que o espaçamento deverá ser simples entre linhas. A seguir, a tabela 1 apresenta um exemplo de tabela formatada.

15 13 Exemplo: TABELA 1 - Distribuição, segundo a faixa etária, dos professores entrevistados de São Paulo-SP 2004 Faixa etária Professor n % 40 a ,7 50 a ,7 Não respondente 10 16,6 Total ,00 Fonte: Sheth (2001, p. 15). Obs.: as tabelas sempre apresentam informações tratadas estatisticamente. As tabelas são compostas pelos seguintes elementos: a) Legenda: Constitui-se do número de ordem da tabela e seu respectivo título; b) Cabeçalho: conjunto de títulos de cada coluna; c) Corpo da tabela: composto por linhas e colunas separadas por traços verticais, sendo que a tabela não é fechada nas laterais externas; d) Coluna Indicatória: a primeira coluna é a que indica o conteúdo de cada linha; e) Rodapé: está imediatamente após o fechamento da tabela contém a indicação da fonte de dados necessária para a explicação dos aspectos necessários ao entendimento da tabela. Na figura 3 apresenta-se um outro exemplo de tabela formata. Figura 3: Exemplo de tabela Fonte: Furasté, 2006

16 14 b) Palavras escritas em outro idioma No momento de escrever a monografia, o autor não deve esquecer que todas as palavras escritas, em idioma diferente do escolhido para a redação do texto, devem ser escritas no padrão itálico (com a mesma fonte e tamanho) para fazer o destaque necessário à palavra Conclusões e Recomendações de Trabalhos Futuros Nesta seção, o autor da monografia, descreve as conclusões do trabalho, as quais devem ser compatíveis com os objetivos apresentados na Introdução, além de apresentar possíveis recomendações e trabalhos a serem desenvolvidos por outras pesquisas Referências A finalidade da seção de referência é informar ao leitor, as fontes que serviram para a realização da pesquisa na elaboração da monografia. Essa referência deve conter a indicação de todos os documentos que foram citados para a realização do estudo, pois fornecerá ao leitor as coordenadas para uma eventual retomada e/ou aprofundamento do tema do trabalho. A norma utilizada neste trabalho está baseada na norma NBR 6023/2002, sendo que apenas a citação no texto adotará a metodologia de numeração por ordem alfabética do sobrenome do autor ou por ordem de aparecimento no texto da referência. Abaixo, são apresentadas as duas formas de citações das referências e no Apêndice do Trabalho são apresentadas às normas gerais para citação baseadas na norma NBR 10520:2003: Referência por ordem de aparecimento no texto A Usabilidade é uma metodologia científica aplicada na criação e remodelação de interfaces de produtos, websites, intranets, aplicativos e jogos de modo a torná-las fáceis de aprender e de usar. A Usabilidade é a Acessibilidade, tem como objetivo fazer com que o design do sítio permita que pessoas deficientes ou com necessidades especiais possam acessar os seus conteúdos [1]. Outro requisito para a web é que seja acessível a qualquer pessoa; qualquer um possa acessar seu conteúdo independente do dispositivo que se use (hardware ou software) [2]... Referências [1] TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A. Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e acessibilidade. Disponível em: <www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a16v33n2.pdf>. Acesso em: 12 set

17 15 [2] Dias, Claudia. Usabilidade na WEB: Criando Portais Acessíveis. Editora Alta Books Ltda Referência por ordem alfabética do sobrenome do autor. A Usabilidade é uma metodologia científica aplicada na criação e remodelação de interfaces de produtos, websites, intranets, aplicativos e jogos de modo a torná-las fáceis de aprender e de usar. A Usabilidade é a Acessibilidade, tem como objetivo fazer com que o design do sítio permita que pessoas deficientes ou com necessidades especiais possam acessar os seus conteúdos [1]. Outro requisito para a web é que seja acessível a qualquer pessoa; qualquer um possa acessar seu conteúdo independente do dispositivo que se use (hardware ou software) [2]... Referências [1] Dias, Claudia. Usabilidade na WEB: Criando Portais Acessíveis. Editora Alta Books Ltda [2] TORRES, E. F.; MAZZONI, A. A. Conteúdos digitais multimídia: o foco na usabilidade e acessibilidade. Disponível em: <www.scielo.br/pdf/ci/v33n2/a16v33n2.pdf>. Acesso em: 12 set Dica: Inserir uma tabela com duas colunas e as linhas necessárias, não esqueça de formatar a tabela sem bordas internas e externas Glossário É um elemento opcional em uma monografia,apenas usado quando se faz uso, no decorrer do trabalho, de palavras, expressões que são exclusivas da área em que o tema do trabalho é explorado, ou mesmo quando se usa expressão técnica de uso restrito. Neste caso, aconselha-se a criação de um glossário, isto é, uma lista de palavras e/ou expressões, em ordem alfabética, com os respectivos significados ou definições. Exemplo de glossário: ARPA ou Advanced Research Projects Agency - Agência de projeto de pesquisa avançado. Backbone ou espinha dorsal: é o conjunto de canais de transmissão de dados de alta capacidade que interligam as cidades e os países, aos quais os provedores de serviços de internet estão conectados. Fisicamente são enlaces de microondas, fibras ópticas, cabos telefônicos ou canais de satélites, associados a equipamentos específicos como modems, roteadores e outros. Boom: em inglês é o crescimento rápido.

18 16 CNDI: Conselho Nacional dos direitos do idoso. CDI: Comitê para a Democratização da Informática. CVS: Síndrome de Visão de Computador, ou CVS, (sigla em inglês) Anexos Elemento Opcional, constituindo-se em um suporte para fundamentação, comprovação, elucidação e ilustração do texto. São elementos não elaborados pelo autor. São destacados do texto para evitar a quebra da seqüência e continuidade. Sua paginação é progressiva e deve dar seguimento ao trabalho. A identificação dos anexos deve ser feita com letras maiúsculas e não com algarismos, seguida de travessão e o título. A identificação pode ser feita em uma folha anterior para não interferir na estrutura física do anexo, nesse caso centraliza-se o título do anexo na extensão da folha. Como exemplo tem: ANEXO A Estatuto do Idoso ANEXO B Constituição da República Federativa do Brasil ANEXO C Lei n Apêndice Elemento opcional, que trata de documentos, textos, código de programa, artigos ou outro tipo de material, elaborado pelo próprio autor da monografia, que se destina a complementar as idéias desenvolvidas durante o trabalho. Não se trata de uma parte do trabalho em si, mas apenas de elemento que vem ilustrar as idéias, acrescentar algum aspecto interessante mas não chega a alterar a unidade geral da monografia. A identificação segue o mesmo padrão do anexo, como exemplo tem: APÊNDICE A CÓDIGO FONTE DO PROGRAMA CAD ESCRITO EM JAVA APÊNDICE B EXPERÊNCIA DO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO EM JAVA Complementos usados no texto a) Citações (NBR 10520/2002) As citações são os elementos retirados dos documentos pesquisados durante a leitura das publicações/obras/documentos que são úteis para confirmar as idéias desenvolvidas pelo autor

19 17 durante o desenrolar do trabalho. As citações são transcritas a partir dos documentos, podendo ser transcrições literais ou apenas uma síntese do trecho que se quer citar. Mas, em ambos os caso, é necessário indicar fonte. Não é admissível a transcrição literal de uma passagem de outro autor sem se fazer à devida referência. Há dois tipos de citações: - citação direta ou textual (transcrição): também conhecida como transcrição, são as citações onde é transcrita exatamente a palavra do autor citada, podendo ser breve ou longa. As citações breves são aquelas cuja extensão não ultrapassa três linhas. Devem integrar o texto, devem vir entre aspas, digitadas na mesma fonte do restante do texto, com tamanho da fonte 12, sempre indicando a(s) página(s), volume(s), tomo(s) da obra consultada, logo após indicação da data, separados por virgula. Exemplo da citação breve: Nielsen, em seu livro Usability Engineering, descreve cinco atributos da usabilidade: facilidade de aprendizado, eficiência de uso, facilidade de memorização, baixa taxa de erros e satisfação subjetiva. Facilidade de aprendizagem é quando o sistema deve ser fácil de aprender de tal forma que o usuário consiga rapidamente explora-lo e realizar suas tarefas com ele (1993, p.26). Em geral, um sistema é considerado de fácil aprendizado quando usuários inexperientes conseguem atingir um certo grau de proficiência em um curto espaço de tempo. As citações com mais de três linhas recebem o nome de Citação Longa e devem receber destaque especial, com recuo de 4cm da margem esquerda e mais 1,5cm para marcar o início de parágrafos com espaçamento simples. A seguir temos um exemplo de uma citação longa: Todos os segmentos sociais, inclusive familiares, devem envolver-se e vislumbrar tal convívio do idoso frente às novas e avançadas tecnologias, diante do real e constatável crescimento demográfico dos idosos no mundo. Segundo Kachar, 2003 p.23. Algumas universidades abertas para a terceira idade oferecem curso de introdução sobre os recursos do computador dentro do seu leque de opções, porém, como as pesquisas sobre o impacto da aprendizagem e utilização do computador pela terceira idade são escassas no Brasil, acredita-se que os cursos ainda não apresentam uma metodologia de ensino e aprendizagem específica para o idoso. Observe recuo de 4cm, fonte 10 e espaço simples.

20 18 Nas citações diretas podem ser indicadas supressões, interpolações, comentários, ênfase ou destaques, do seguinte modo: Supressões: [...]. Elas podem surgir no início, meio ou fim da citação. "Alguns critérios são estabelecidos [...] esclarecendo que a avaliação deverá ser contínua e cumulativa do desempenho do aluno [...]" (SILVA, 2002, p. 65). Interpolações, acréscimos ou comentários: [ ]. A classificação da obesidade infantil, a qual está em aumento em grande parte do mundo, apresenta uma serie de dificuldades que relaciona a estatura com peso corporal [IMC - índice de massa corporal] já que estes dois fatores são flutuantes por processos de crescimento e desenvolvimento. (GUAJARDO, 2004, p. 33). Ênfase ou destaque: grifo, negrito ou itálico. "Caracterizada como formadora de pessoal para apoio ao progresso social, a universidade se objetiva [...]" (SOUZA, 1997, p. 9, grifo nosso). "Desse ponto em diante na marcha do material na biblioteca [...]" (MEADOWS, 1999, p. 89, grifo do autor). - Citação indireta ou livre (paráfrase): São as citações na qual é expressa o pensamento de outra pessoa com as próprias palavras do autor da monografia. Quando se faz uma citação indireta, deve-se indicar o nome do autor, em letras minúsculas, se estiver no corpo do texto (excetuando a primeira letra que deve ser maiúscula), ou com letras maiúsculas, se estiver dentro dos parênteses, juntamente com o ano da publicação da obra em que se encontra a referida idéia. Somente indicam-se as páginas da obra, quando for possível sua identificação, caso contrário não há necessidade. Veja os exemplos de uma citação livre: Exemplo1: Os mais velhos apresentam certa resistência a inovações, sendo os últimos a aceitá-las. Em virtude do declínio da suas capacidades físicas e mentais, tornam-se mais cautelosos em tomar decisões, porque a probabilidade de erro é maior. Entretanto, desde que identifiquem um benefício específico e significante, tornam-se mais propensos a experimentar um produto novo [1].

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

MANUAL PARA CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS

MANUAL PARA CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS MANUAL PARA CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS De acordo com a NBR 10520 da ABNT/set. 2002 Elaborado por Maria Regina Trevizan Baccarelli Bibliotecária CRB-8/7149 Jaguariúna 2009 SUMÁRIO 1 CITAÇÕES BIBLIOGRÁFICAS...

Leia mais

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e

Os trabalhos acadêmicos devem ser divididos em: elementos pré-textuais, textuais e NORMAS PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA SAÚDE FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor

Leia mais

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica

NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL) Apresentação Gráfica UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Faculdade de Educação UAB/UnB Curso de Especialização em Educação na Diversidade e Cidadania, com Ênfase em EJA Parceria MEC/SECAD NORMAS DE FORMATAÇÃO DO TRABALHO FINAL (PIL)

Leia mais

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos

Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011. São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico: de acordo com NBR 14724/2011 São Carlos Guia para Apresentação de Trabalho Acadêmico As orientações abaixo estão de acordo com NBR 14724/2011 da Associação

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIA ANEXO da Norma 004/2008 CCQ Rev 1, 28/09/2009 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA INSTITUTO DE QUÍMICA CURSO DE GRADUAÇÃO EM QUÍMICA Salvador 2009 2 1 Objetivo Estabelecer parâmetros para a apresentação gráfica

Leia mais

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS

MONOGRAFIA ESTRUTURA DE MONOGRAFIAS MONOGRAFIA Trata-se de uma construção intelectual do aluno-autor que revela sua leitura, reflexão e interpretação sobre o tema da realidade. Tem como base a escolha de uma unidade ou elemento social, sob

Leia mais

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008)

- TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto de 2008) Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Curso de Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso Prof. Dr. Luís Fernando Garcia - TCC A/B - ORIENTAÇÕES PARA ESTRUTURAÇÃO E FORMATAÇÃO (Versão 1.3 Agosto

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III

UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E COMUNICAÇÃO CURSOS DE GESTÃO TECNOLÓGICA PIM - III Projeto Integrado Multidisciplinar Cursos Superiores Tecnológicos G. SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Trabalho

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010

Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 1 Checklist da Estrutura de Monografia, Tese ou Dissertação na MDT UFSM 2010 Pré-textuais Textuais Pós-textuais Estrutura Elemento OK Capa (obrigatório) Anexo A (2.1.1) Lombada (obrigatório) Anexo H Folha

Leia mais

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA

DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA 1 DIRETRIZES PARA A REDAÇÃO DE TESES E DISSERTAÇÕES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOENGENHARIA O projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho, ou seja, o que não consta no texto destas

Leia mais

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS

DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS ACADÊMICOS DISCIPLINA: PRÁTICA PROFISSIONAL E ESTÁGIO SUPERVISIONADO I, II E III CIÊNCIAS CONTÁBEIS APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROF. DR. MARCOS FRANCISCO R. SOUSA PROF. Me. CELSO LUCAS COTRIM APRESENTAÇÃO

Leia mais

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos

Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Maria Bernardete Martins Alves Marili I. Lopes Procedimentos para apresentação e normalização de trabalhos acadêmicos Módulo 3 Apresentação

Leia mais

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO

REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO 1 REGRAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO Os seguintes padrões atendem às exigências da FTC Feira de Santana, em conformidade com a NBR 14724:2002/2005 da Associação Brasileira de Normas Técnicas

Leia mais

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT

Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Apresentação de Trabalhos Acadêmicos ABNT Editoração do Trabalho Acadêmico 1 Formato 1.1. Os trabalhos devem ser digitados em papel A-4 (210 X297 mm) apenas no anverso (frente) da folha. 2 Tipo e tamanho

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS INSTITUIÇÃO DE ENSINO SUPERIOR SANT ANA LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PONTA GROSSA 2011 LUCIO MAURO BRAGA MACHADO MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Leia mais

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA

SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA SISTEMA DE BIBLIOTECAS FMU/FIAM-FAAM/FISP NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA São Paulo 2014 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 1 ELEMENTOS EXTERNOS 1.1 CAPA 1.2 LOMBADA 2 ELEMENTOS INTERNOS PRÉ-TEXTUAIS

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC

Escola de Administração Biblioteca. Normas para elaboração do TCC Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Administração Biblioteca Normas para elaboração do TCC O que é um Trabalho de Conclusão de Curso? O TCC, é um trabalho acadêmico feito sob a coordenação

Leia mais

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo

NBR 14724/2011 ABNT NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 NBR 14724/2011 19/10/2011. Objetivo Objetivo ABNT Normas para elaboração de trabalhos científicos Esta Norma especifica os princípios gerais para a elaboração de trabalhos acadêmicos, visando sua apresentação à instituição Estrutura Parte

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 002/2009/PEQ-UFS ANEXO I NORMAS PARA A ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO A Dissertação é a apresentação escrita do trabalho de pesquisa desenvolvido no âmbito do Programa de

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA!

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO. REVISTA DiCA! CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DE AGUDOS - FAAG BIBLIOTECA MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS PARA O PERIÓDICO REVISTA DiCA! Biblioteca - FAAG Tel. (14) 3262-9400 Ramal: 417 Email: biblioteca@faag.com.br http://www.faag.com.br/faculdade/biblioteca.php

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE QUÍMICA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO -TCC 1 APRESENTAÇÃO As recomendações a seguir resumem os princípios para a elaboração

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE INGRESSO E VITALICIAMENTO DOS NOVOS MEMBROS DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO CEARÁ GESTÃO2010/2012 ESCOLASUPERIORDOMINISTÉRIOPÚBLICO(Art.1ºdaLei11.592/89) Credenciada pelo Parecer 559/2008, de 10/12/08, do CEC (Art. 10, IV da Lei Federal n.º 9.394, de 26/12/1996 - LDB) NORMAS PARA ELABORAÇÃO

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS Curso de Comunicação Social - Publicidade e Propaganda NORMAS PARA ELABORAÇÃO / APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS 1 ESTRUTURA A estrutura e a disposição dos elementos de um trabalho acadêmico são as

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA (ABNT - NBR 15287- válida a partir de 30.01.2006) 1 COMPONENTES DE UM PROJETO DE PESQUISA (itens em negrito são obrigatórios) ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS Capa

Leia mais

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.

5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5. 5 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE MONOGRAFIAS OU TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)... 478 5.1 Ordenamento dos elementos da monografia ou TCC... 48 5.2 Capa... 48 5.3 Folha de rosto... 51 5.4 Errata... 53

Leia mais

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA

ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA ANEXO II PROCEDIMENTOS PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia deve ter como referência a ABNT NBR 14724/ 2006, a qual destaca que um trabalho acadêmico compreende elementos pré-textuais,

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS 2013 Jaciara-MT COMPOSIÇÃO DA MONOGRAFIA MONOGRAFIA Recebe nº página CAPA FOLHA DE ROSTO FOLHA DE APROVAÇÃO DEDICATÓRIA (OPCIONAL) AGRADECIMENTO (OPCIONAL) EPIGRAFE

Leia mais

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM I. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I Projeto Integrado Multidisciplinar PIM I - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e Análise de Práticas de Gestão Organizacional em uma Empresa. OBJETIVOS: Favorecer aos alunos ingressantes

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS APRESENTAÇÃO O trabalho deve ser digitado e impresso em papel formato A4. O texto deve ser digitado, no anverso das folhas, em espaço 1,5, letra do tipo

Leia mais

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011]

ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] ABNT NBR 14724 [terceira edição atualizada em 2011] Professora Alcione Mazur 25/07/11 Cancela e substitui a edição anterior. ABNT NBR 14724: 2005 Não houve alterações na estrutura do trabalho, mas em uma

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO

FACULDADE DOM BOSCO. Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº 2.387, D.O.U. em 12/08/2004 Cornélio Procópio/Paraná MANUAL DE TRABALHO DE CURSO CORNÉLIO PROCÓPIO 2012 Como elaborar um TC 1 Introdução Objetiva-se

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA BIOMÉDICA Regulamento do TCC ANEXO A TERMO DE COMPROMISSO DE ORIENTAÇÃO DO TRABALHO DE Nome do Aluno: Matricula: Título do TCC CONCLUSAO DE CURSO (TCC) Solicito que seja designado como meu Orientador do Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS 0 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS MANUAL PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PIRENÓPOLIS PIRENÓPOLIS 2012 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 1

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório.

2- DETALHES SOBRE A ESTRUTURA DO RELATÓRIO A seguir estão orientações sobre como formatar as diversas partes que compõem o relatório. 1 - ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO O relatório do Estágio Supervisionado de todos os cursos do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Minas Gerais Campus Formiga - irá mostrar

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP

CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP CURSO DE PEDAGOGIA MANUAL DO TCC ARUJÁ SP 2011 ESTRUTURA 1 ELEMENTOS DE PRÉ-TEXTO 1.1 Capa 1.2 Lombada descendente 1.3 Folha de rosto 1.4 Folha de aprovação 1.5 Dedicatória 1.6 Agradecimentos 1.7 Epígrafe

Leia mais

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA

FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA FEMPAR Fundação Escola do Ministério Público do Paraná NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE MONOGRAFIA CURITIBA 2012 SUMÁRIO 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA...03 1.1. Elementos pré-textuais...03

Leia mais

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= *

OBRIGATÓRIO= + OPCIONAL= * Lombada* UFRGS FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS BIBLIOTECA GLÁDIS W. DO AMARAL ORIENTAÇÃO SOBRE A ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Elementos póstextuais INDICES * PARTE INTERNA ANEXOS * APENDICES * GLOSSARIO

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA - UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO-OESTE DONA LINDU CCO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOTECNOLOGIA GUIA PARA ELABORAÇÃO DISSERTAÇÃO DE MESTRADO (SEGUNDO ABNT-NBR 14724) PROGRAMA

Leia mais

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura

Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Trabalhos Científicos Usuais: Caracterização e Estrutura Iniciação à Pesquisa em Informática Profª MSc. Thelma E. C. Lopes e-mail: thelma@din.uem.br 2 Texto Científico: o que é? A elaboração do texto científico

Leia mais

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005)

ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Errata Folha de Rosto Capa ESTRUTURA DE UM TRABALHO MONOGRÁFICO (NBR 14724/2005) Epígrafe Resumo L. estrangeira Resumo Agradecimentos Dedicatória Folha de Aprovação Anexos Apêndices Glossário Referências

Leia mais

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) GUIA PARA CONFECÇÃO DE PROJETO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Mestrado Profissional em Metrologia e Qualidade Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial 2010 APRESENTAÇÃO

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT

METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT METODOLOGIA DO TRABALHO CIENTÍFICO MATERIAL DIDÁTICO DA ABNT www.abnt.org.br Objetivos da normalização Comunicação Simplificação Níveis de normalização Menos exigente (Genérica) INTERNACIONAL REGIONAL

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT. ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ - UESC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BOTÂNICA - PPGBOT ANEXO 1 Normas de editoração e estruturação de dissertações 1ª edição Ilhéus BA 2012 SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL

NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL NORMAS PARA REDAÇÃO E IMPRESSÃO DE DISSERTAÇÕES E TESES DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM PRODUÇÃO VEGETAL AQUIDAUANA MS 2009 1. PAPEL E PROCESSO DE MULTIPLICAÇÃO O papel

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica

TRABALHO ACADÊMICO. Apresentação gráfica 2012 2 Núcleo de Apoio à Pesquisa na Graduação- NAP/UNIMAR Projeto de Pesquisa; Apresentação gráfica TRABALHO ACADÊMICO Apresentação gráfica Segundo normas estabelecidas pela Associação Brasileira de Normas

Leia mais

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2

DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA TCC2 UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE CIÊNCIAS SÓCIO-ECONÔMICAS E HUMANAS COORDENAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA COORDENAÇÃO ADJUNTA DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DIRETRIZES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS

REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS F A C UL DA DE DE P R E S I DE N T E V E N C E S L A U REGRAS BÁSICAS PARA APRESENTAÇÃO FORMAL DE TRABALHOS APRESENTAÇÃO GRÁFICA - CONFIGURAÇÃO DAS MARGENS Ir ao menu Arquivo, escolher a opção Configurar

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO

FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO FEMPAR FUNDAÇÃO ESCOLA DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO PARANÁ NORMAS METODOLÓGICAS PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO FINAL DE ARTIGO LONDRINA 2009 SUMÁRIO 1 ESTRUTURA DO ARTIGO CIENTÍFICO...01 1.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS...01

Leia mais

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005

Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Manual para Elaboração Trabalhos Acadêmicos Conforme a NBR 14724:2005 Produzido pelos bibliotecários da Rede de Bibliotecas do Senac/RS com a finalidade de orientar os usuários na elaboração de seus trabalhos

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS

PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS 1. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA PADRÃO PARA FORMATAÇÃO DE TRABALHOS A estrutura de uma monografia compreende as seguintes partes: a) elementos pré-textuais; b) elementos textuais; c) elementos pós-textuais.

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA APRESENTAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS O trabalho deve ser digitado e impresso em papel

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 1 APRESENTAÇÃO Tanto o artigo quanto a monografia são trabalhos monográficos, ou seja, trabalhos que apresentam resultados de pesquisa sobre um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO UNIRIO Centro de Ciências Humanas e Sociais CCHS Programa de Pós-Graduação em Educação Mestrado MANUAL DE DEFESA Exame de Qualificação: banca examinadora

Leia mais

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT

Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT FACULDADE CRISTÃ DE CURITIBA Guia de Orientação para Apresentação de Projeto de Pesquisa para Alunos da FCC de acordo com as Normas da ABNT Elaborado pela bibliotecária Teresinha Teterycz - CRB 9 / 1171

Leia mais

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA

INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GOIÁS IESGO FACULDADES IESGO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MANUAL DE NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA FORMOSA/GO

Leia mais

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária

NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Por: Edirlane Carvalho de Souza Freitas - Bibliotecária NORMATIZAÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE TCC COM BASE NAS NBR S. Quem define a normatização técnica? Normas mais comuns utilizadas em trabalhos acadêmicos: NBR 6023 Referências; NBR 6024 Numeração progressiva

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - Unioeste PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS AMBIENTAIS - PPGCA Normas para elaboração de Dissertações do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais MODELO

Leia mais

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar

GESTÃO HOSPITALAR. PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar GESTÃO HOSPITALAR PIM VI Projeto Integrado Multidisciplinar 1 PIM PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Elaborar um estudo acerca Estrutura e Funcionamento do Sistema de Saúde Pública e Privada no Brasil.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa

PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011. Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa PROJETO DE PESQUISA ABNT NBR 15287:2011 Especifica os princípios gerais para a elaboração de projetos de pesquisa REFERÊNCIA NORMATIVA Documentos indispensáveis à aplicação deste documento ABNT NBR 6023

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto

TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5. Formatação do Texto TRABALHO ACADÊMICO: Guia fácil para diagramação: formato A5 Antes de iniciar a digitação de seu trabalho acadêmico configure seu documento com as especificações a seguir, facilitando a visualização e sua

Leia mais

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros

PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ. Prof. Marat Guedes Barreiros PROJETO MULDISCIPLINAR DO CURSO DE BACHAREL EM ADMINISTRAÇÃO DA UNIESP FACULDADE DO GUARUJÁ Prof. Marat Guedes Barreiros GUARUJÁ 2º semestre de 2013 PROJETO MULDISCIPLINAR Curso superior de BACHAREL em

Leia mais

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA

AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA AJES FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÀO DO VALE DO JURUENA E AJES - INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DO VALE DO JURUENA NORMAS DE APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS JUINA/MT JULHO/2009 SUMÁRIO Introdução...

Leia mais

Escola SENAI Jose Polizotto. Biblioteca - Escola SENAI Jose Polizotto. Manual para elaboração de trabalhos. acadêmicos

Escola SENAI Jose Polizotto. Biblioteca - Escola SENAI Jose Polizotto. Manual para elaboração de trabalhos. acadêmicos Escola SENAI Jose Polizotto Biblioteca - Escola SENAI Jose Polizotto Manual para elaboração de trabalhos acadêmicos Marília 2008 Biblioteca - Escola SENAI José Polizotto Manual para elaboração de trabalhos

Leia mais

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos

(Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO. Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos Revisto e atualizado de acordo com a NBR 15287/2011 Brasília 2011 1 APRESENTAÇÃO De acordo

Leia mais

Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos

Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos FACULDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS BIBLIOTECA Josiane Fonseca da Cunha Manual de normas para apresentação de trabalhos acadêmicos Porto Alegre 2008 Josiane Fonseca da Cunha Manual de normas para apresentação

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Centro de Excelência em Turismo MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIAS DO CET/UnB Por: Jakeline V. de Pádua APRESENTAÇÃO As páginas que se seguem especificam os princípios gerais

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO

INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 39 INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DA MONOGRAFIA OU DO TRABALHO CIENTIFICO 1. MONOGRAFIA Monografias são exposições de um problema ou assunto específico, investigado cientificamente, assim, não exige originalidade,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá. Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pós-Graduação Curso de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Segundo a NBR 15287:2011

Leia mais

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I

FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA. MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I FACULDADE PAN AMAZÔNICA CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA MANUAL ESPECÍFICO Projeto Integrado Multidisciplinar I PIM I Este manual atende todos os cursos de gestão 1º semestre, turmas ingressantes em fevereiro

Leia mais

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar

PIM III. Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III Projeto Integrado Multidisciplinar PIM III - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR TEMA: Descrição e análise de práticas de gestão em empresas hospitalares de médio porte. OBS: O Projeto deverá ser

Leia mais

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS

FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS FACULDADE ÚNICA DE CONTAGEM CLAUDIANE SANTANA MANUAL DE NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS CIENTÍFICOS Baseado nas obras de Júnia Lessa França e Ana Cristina de Vasconcellos; Rosy Mara Oliveira. Atualizado

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Faculdade de Jussara FAJ Curso de Direito Coordenação de Trabalho de Conclusão de Curso MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE PRÉ-PROJETOS DE MONOGRAFIA DO CURSO DE DIREITO/FAJ Jussara 2013 APRESENTAÇÃO Este manual

Leia mais

REVISTA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS / FAeCC / UFMT. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A RCiC

REVISTA DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS / FAeCC / UFMT. NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A RCiC NORMAS DE APRESENTAÇÃO DO ARTIGO CIENTÍFICO PARA A 1 ARTIGO É o trabalho acadêmico que apresenta resultado de uma pesquisa, submetido ao exame de um corpo Editorial, que analisa as informações, os métodos

Leia mais

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ

GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ CAMPUS CENTRO OESTE DONA LINDU GUIA PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA UFSJ DIVINÓPOLIS MG 2009 O Trabalho de

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras

Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO FACULDADE DE LETRAS DIREÇÃO ADJUNTA DE GRADUAÇÃO SEÇÃO DE ENSINO Normas técnicas para a monografia de graduação da Faculdade de Letras 2 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO DA III MOSTRA CIENTÍFICA DA FACULDADE ESTÁCIO VILA VELHA ANEXO I

REGULAMENTO DA III MOSTRA CIENTÍFICA DA FACULDADE ESTÁCIO VILA VELHA ANEXO I Diretrizes para Autores das áreas de GESTÃO E FINANÇAS / LICENCIATURAS/ ENGENHARIAS: Os trabalhos deverão seguir a seguinte extensão: - artigos: entre 10 (dez) e 25 (vinte e cinco) páginas, incluindo as

Leia mais

Manual TCC Administração

Manual TCC Administração 1 Manual TCC Administração 2013 2 Faculdade Marista Diretor Geral Ir. Ailton dos Santos Arruda Diretora Administrativo-Financeiro Sra. Rafaella Nóbrega Coordenador do Curso de Administração e Gestão de

Leia mais

Biblioteca Central Dr. Christiano Altenfelder Silva

Biblioteca Central Dr. Christiano Altenfelder Silva FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA MANTENEDORA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM Biblioteca Dr. Christiano Altenfelder Silva AV. HYGINO MUZZI FILHO, 529 MARÍLIA SP CEP 17525-901

Leia mais

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação

ABNT NBR 15287 NORMA BRASILEIRA. Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação NORMA BRASILEIRA ABNT NBR 15287 Primeira edição 30.12.2005 Válida a partir de 30.01.2006 Informação e documentação Projeto de pesquisa Apresentação Information and documentation Research project Presentation

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte Faculdade de Educação ORIENTAÇÕES GERAIS PARA NORMALIZAÇÃO DA MONOGRAFIA 2014 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS Campus de Belo Horizonte

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO SUDOESTE DA BAHIA (UESB) DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS (DCE) CURSO DE MATÉMATICA VANÊIDE ROCHA DIAS RIBEIRO FORMATAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS (FTA) VITÓRIA DA CONQUISTA BA 2009

Leia mais

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores

FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores FAJ FACULDADE DE JUSSARA COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (Artigo Científico) Instruções aos autores e orientadores ESTRUTURA DO ARTIGO 1. Recomenda-se a utilização do processador

Leia mais

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO 1 Modelo de Artigo de periódico baseado na NBR 6022, 2003. Título do artigo, centralizado. COMO ELABORAR UM ARTIGO CIENTÍFICO Maria Bernardete Martins Alves * Susana Margaret de Arruda ** Nome do (s) autor

Leia mais

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF)

MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) (Publicações da Biblioteca; 4) ORGANIZAÇÃO Weber Vasconcellos Gomes Maria Consuelene Marques Maurinete dos Santos MANUAL PARA A ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISAS (PADRÃO UDF) 3ª edição Revisto e atualizado

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003)

PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE ARTIGO EM PUBLICAÇÃO PERIÓDICA CIENTÍFICA (NBR 6022:2003) Maio de 2012. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Biblioteca Universitária. Programa de capacitação. 2 NORMAS

Leia mais

Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7

Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7 UNIDADE 7 Estrutura, redação e apresentação do relatório de pesquisa 7 Objetivos de aprendizagem Identificar os componentes que integram os elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais de um relatório

Leia mais