PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO"

Transcrição

1 PROPRIEDADES FUNDAMENTAIS DOS AÇOS FERRAMENTA PARA MATRIZES DE FORJAMENTO Rafael Agnelli Mesquita 1) Paulo de Tarso Haddad 2) Os aços ferramenta empregados em forjamento a quente possuem várias propriedades importantes, que, analisadas em conjunto, definem o melhor aço ferramenta para uma dada aplicação. No presente trabalho, as propriedades de tenacidade e resistência a quente e ao revenido são apontadas como principais. Tais propriedades são discutidas e vários exemplos de falha são descritos em termos de ambas, justificando sua relevância. Para melhoria de vida útil, diversos aspectos relativos à resistência a quente e à tenacidade são apontados, em relação ao tipo de aço empregado, ao seu tratamento térmico e, também, em relação ao projeto e às condições de uso da ferramenta. Desta forma, possibilidades de melhoria de vida útil são apontadas, com abordagens que dependem do tipo de falha em questão. Palavras-chave: Aço ferramenta para trabalho a quente, forjamento, análise de falhas, tenacidade, resistência a quente, resistência ao revenido. Contribuição técnica a ser apresentada na XIII Conferência Internacional em Forjamento, Porto Alegre, RS, 14 a 16 de Outubro de ) Engenheiro de Materiais, Doutor em Ciência e Engenharia de Materiais, Professor da Universidade Nove de Julho. São Paulo, SP, Brasil, 2) Engenheiro Metalurgista, Mestre em Engenharia Metalúrgica, Supervisor de Assessoria Técnica da Villares Metals S. A., Sumaré - SP, Brasil,

2 1. INTRODUÇÃO Apesar de presentes na maioria das aplicações industriais, os aços ferramenta não são tão bem definidos como os aços comuns ao carbono ou baixa liga. Mesmo assim, existem referências interessantes que reúnem os conhecimentos destes materiais, como o livro de Roberts [1]. Uma definição interessante de aços ferramenta é apresentada pela seção específica do manual da Iron and Steel Society [2], sendo definidos os aços ferramenta como: aços ao carbono, aços liga ou aços rápido, capazes de serem temperados e revenidos. Geralmente são fundidos em fornos elétricos e produzidos sob certas práticas para corresponder a especificações especiais. Podem ser usados em certas ferramentas manuais ou de fixação mecânica em corte e conformação de materiais na temperatura ambiente ou em elevadas temperaturas. Aços ferramenta são também empregados numa vasta variedade de outras aplicações onde a resistência ao desgaste, tenacidade, resistência mecânica e outras propriedades são selecionadas para ótimo desempenho. Por esta definição, três características principais estão presentes: i) a aplicação em processos de corte e conformação; ii) as características especiais de fabricação e iii) os aspectos de tratamento térmico. Apesar de não constar nesta definição, um aspecto interessante dos aços ferramenta, que também os difere dos materiais estruturais, é que normalmente tais materiais são empregados até que ocorram falhas que levem a suspensão de uso da ferramenta [3]. Portanto, torna-se importante avaliar as principais solicitações e propriedades desses materiais. No presente trabalho, as várias formas de solicitação e como estas promovem a falha da ferramenta são discutidas. O foco principal é mantido nas aplicação de conformação a quente, em processos de forjamento de ligas ferrosas. Assim, são discutidos vários exemplos de falha e sua relação com as propriedades dos aços ferramenta. Em especial, são destacadas as possibilidades para retardamento das falhas, em termos dos aços empregados, tratamentos térmicos e do próprio processo de forjamento, no qual as ferramentas são empregadas. 2. SOLICITAÇÕES EM FORJAMENTO A QUENTE Várias propriedades dos aços ferramenta são conhecidamente importantes para suportar as diversas solicitações envolvidas no forjamento a quente. Destacamse as propriedades de resistência a quente, resistência ao revenido (ou perda em dureza), tenacidade, condutividade térmica, expansão térmica, soldabilidlade, temperabilildade, usinabilildade e resposta à nitretação. Mesmo não sendo propriedades, também são importantes características dos aços ferramenta as sua facilidade de tratamento térmico e o custo de fabricação, composto pelos elementos de liga e processo empregado na sua manufatura, que refletem no preço de mercado de cada tipo de aço. Apesar destes diversos aspectos serem importantes, a maioria das falhas (prematuras ou esperadas) podem ser entendidas baseadas em duas propriedades principais: 1) relativas à resistência a quente e ao revenido; 2) relativas à tenacidade do aço ferramenta. Obviamente, a falha da ferramenta possui como fator fundamental, também, as questões de projeto, tratamento térmico e utilização das ferramentas. Porém, por diversas maneiras, estas outras variáveis acabam exigindo do aço ferramenta uma resposta em termos de tenacidade ou resistência

3 a quente, que pode ou não ser suficiente. E, quando excedida a capacidade do material a este esforço, a falha ocorrerá. 2.1 Resistência a Quente e Resistência à Perda em Dureza Nas aplicações em forjamento [4], destaca-se o forjamento a quente de aços, especialmente de aços para construção mecânica aplicados em peças automobilísticas. Devido às altas temperaturas de trabalho (com a superfície das ferramentas atingindo mais de 500ºC [5]), a resistência a quente é primeiramente considerada nas aplicações de forjamento a quente. Quanto maior a temperatura de trabalho, menor a resistência mecânica dos aços ferramenta, dada a maior facilidade do movimento das linhas de discordância [6]. Além da temperatura atingida em forjamento a quente, o efeito do tempo de contato e dos diversos números de operações deve ser considerado. Primeiramente, deve-se considerar a elevada temperatura do tarugo forjado, normalmente acima de 1100ºC. Durante a conformação, a superfície da ferramenta é aquecida, sendo a temperatura atingida tanto maior quanto maior a temperatura do tarugo e o tempo de contato entre a ferramenta e a peça. Em relação ao tempo de contato, este é maior em forjamento em prensa e menor no caso de forjamento em martelo. As regiões da superfície podem atingir, por exemplo, mais de 550 ºC, e assim os mecanismos de revenimento voltam a ocorrer no aço ferramenta. Em termos práticos, isto significa que diminui a dureza superficial (que indica a resistência mecânica dessas regiões), facilitando vários mecanismos de fim de vida das ferramentas. Desta forma, a resistência do aço ferramenta à perda em dureza torna-se fundamental. Também importante são as questões de projeto da ferramenta e variáveis do processo, sendo desejável que o aquecimento superficial da ferramenta seja aliviado. 2.2 Tenacidade em Forjamento a Quente A tenacidade também é uma propriedade importante. Em locais de concentração de tensão, a falta de tenacidade pode gerar trincas grosseiras, que dependendo do tamanho implicam na suspensão da utilização da matriz. Em forjamento, tais trincas podem ser catastróficas, suspendendo imediatamente a operação, ou ter origem por fadiga mecânica. A tenacidade também é importante em operações de extrusão, nas partes das ferramentas auxiliares à matriz, que recebem o impacto do tarugo ou possuem as regiões de maior concentração de tensão. Um outro modo de falha em que tipicamente a tenacidade é importante são as trincas de fadiga térmica. Geradas pelo repetitivo aquecimento e resfriamento da superfície da ferramenta, uma malha de trincas finas e distribuídas pode ser observada em ferramentas. A profundidade de propagação das trincas é tipicamente dependente da tenacidade, porém a iniciação destas depende da resistência a quente e ao revenido, pois quanto maior a dureza superficial, menor a tendência ao início das trincas por fadiga.

4 3. EXEMPLOS DE FALHAS RELACIONADAS À RESISTÊNCIA A QUENTE 3.1 Desgaste em Punção de Forjamento a Morno Um interessante estudo de caso foi realizado em forjamento a quente, mostrando o efeito da perda em dureza na falha por desgaste a quente (detalhes podem ser obtidos na referência [7]). A ferramenta em questão é mostrada na Figura 1a, sendo observadas falhas por desgaste e trincas. Na realidade, o retardamento da falha por desgaste foi tentado via aumento da dureza, que incorreu nas trincas mecânicas observadas. A análise do caso em questão, a partir de medidas de microdureza, mostrou que o retardamento da falha não deveria ser via aumento da dureza inicial, mas a redução da perda em dureza (observe a redução da dureza nas regiões próximas da superfície). Portanto, as opções, neste caso, devem ser relativas à utilização de aços ferramenta com maior capacidade de retenção de dureza após aquecimento (resistência ao revenido). Um comparativo deste efeito, para diversos materiais, é mostrado na Figura 2 (quanto mais deslocadas para direita as curvas, maior a resistência ao revenido do aço em questão). Destaca-se o comportamento do aço de nomenclatura comercial VHSUPER *, que foi aplicado nesta ferramenta com sucesso, como mostra a referência [7]. a) b) Figura 1: Exemplo de perda em dureza em uma ferramenta de trabalho a quente (forjamento de precisão) após fim de vida. Fonte: ref. [7]. * O aço DIN também se destaca neste sentido, porém sua aplicação é mais limitada que o VHSUPER, devido à menor tenacidade e temperabilidade, inviabilizando as aplicações em matrizes de uso geral

5 47 Temperatura = 600ºC 45 Dureza (HRC) TENAX 300 DIN VHSUPER H11 H , Tempo (h) Figura 2: Curvas típicas de perda em dureza, para varios aços ferramenta de trabalho a quente, obtida da referência [8]. Para entender um pouco melhor o caso em questão, a curva da Figura 3 é interessante. Ela mostra a mesma análise de perda em dureza após solicitação em fadiga. O mesmo fenômeno é observado e o comparativo desta curva com os ensaios estáticos, mostra que a aplicação de deformações severas na superfície acelera o efeito de perda em dureza (a razão seria a introdução de diversos defeitos microestruturais, como linhas de discordâncias e lacunas, que facilitam a difusão e o coalescimento dos carbonetos secundários). Figura 3: Corpos de prova submetidos à fadiga térmica [9], em repetidos aquecimentos a 700ºC. Observar a redução de dureza nas regiões da superfície. 3.2 Aquecimento Excessivo em Forjamento Progressivo Um exemplo similar ao anterior foi observado em ferramentas de forjamento progressivo, em equipamentos tipo Hatebur. A elevada temperatura de processo e a alta velocidade de forjamento (mais de uma peça por segundo) conduzem a um expressivo aquecimento nestas ferramentas, mesmo sendo elevada a refrigeração. Para tentar elevar a resistência ao revenido, as ferramentas utilizadas empregaram o aço rápido ligado ao Co, tipo M35 (0,9%C, 5%Mo, 6%W, 2%V, 5%Co). Mesmo

6 assim, a análise da falha em questão (Figura 4), mostra que a perda em dureza era muito expressiva (redução de 53 para 24 HRC). Neste caso, diferentemente que no anterior, a solução de melhoria de vida útil dificilmente seria efetiva apenas com a mudança do aço em questão (pois o aço M35, já possui altíssima resistência ao revenido). A opção mais viável seria observar o processo de forjamento e o projeto do conjunto de ferramentas, de modo a promover melhor refrigeração e, assim, inibir o aquecimento das ferramentas. DANO 570 HV (~ 53 HRC) 460 HV (~ 46 HRC) 260 HV (~ 24 HRC) Figura 4: Punção empregado em forjamento progressivo (Hatebur), com dano por desgaste nas regiões de trabalho devido ao elevado aquecimento. Fonte: ref. [3]. 4. EXEMPLOS DE FALHAS RELACIONADAS À TENACIDADE 4.1 Fragilização de Contornos de Grão Austeníticos Os aços ferramenta de alta liga empregados em matrizes de forjamento, como o aço H13, possuem elevada temperabilidade. Por isso, nas décadas de 1930 a 60, acreditava-se que estes materiais poderiam ser temperados com a utilização de baixas velocidades de resfriamento durante a têmpera, pois a obtenção da dureza final era entendida como o fator principal. Porém, desde os primeiros estudos na década de 60 até os dias atuais, diversos resultados da literatura mostram que este conceito incorre em erros. Em termo de dureza, o aço H13 pode sim ser temperado mesmo com taxas de resfriamento lentas (como têmpera ao ar, por exemplo). Porém, este procedimento promove excessiva fragilização dos contornos de grão, pela precipitação de carbonetos. Este efeito é normalmente indicado por uma linha tracejada na curva TRC do material (Figura 5) e, microestruturalmente, aparece como uma marcação expressiva dos contornos de grão após ataque metalográfico. Hoje é de tal modo importante, que a recomendação da associação americana de função sob pressão

7 estabelece níveis aceitáveis de marcação em contornos de grão para aços de trabalho a quente aplicados em matrizes de alto desempenho (NADCA 2006, [10]). Figura 5: Curva TRC (transformação em resfriamento contínuo) do aço H13, mostrando a precipitação de carbonetos, para 2 temperaturas de austenitização. Quanto maior a temperatura de austenitização empregada, mais deslocadas para a esquerda as linhas de precipitação de carbonetos, sendo mais intenso o efeito de fragilização. Fonte: ref. [11]. Apesar de metalurgicamente ser clara esta necessidade, ainda podem ser observados casos de excessiva precipitação em contornos de grão, devido à baixa taxa de resfriamento na têmpera. Isto ocorre porque, em termos de tratamento térmico, a têmpera lenta é muito mais simples de ser realizada, evitando distorções e trincas. Porém, como mostram as Figuras 6, falhas podem facilmente ocorrer, devido à expressiva redução da tenacidade. A fragilização, além do efeito do resfriamento, também foi causada pela provável elevada temperatura de austenitização nos dois casos que, como mostra a Figura 5, acelera a precipitação de carbonetos.

8 A fragilização em contornos de grão, na maioria das situações, pode ser revelada por uma fratura intergranular (neste caso, é indicado observar a fratura de um corpo de prova de impacto, não apenas a fratura da ferramenta, pois o estado de tensão no ensaio de impacto é mais conhecido). Um exemplo é mostrado na Figura 7a, que mostra o expressivo aumento na tenacidade do mesmo material, após retratamento com têmpera acelerada. E, na Figura 7b, a fratura intergranular do corpo de prova de impacto, antes do retratamento, denotando a fratura intergranular e a fragilização dos contornos de grão austeníticos pela têmpera com baixa taxa de resfriamento. Antes de finalizar este item, uma ressalva importante deve ser feita. Apesar de indesejável, um certo limite de precipitação em contornos de grão deve ser aceitado. Isto ocorre porque, em matrizes de dimensões consideráveis (acima de 100 mm), não é possível estabelecer velocidades de resfriamento maiores que a crítica para a precipitação dos carbonetos. A limitação é física, pela transferência de calor no estado sólido pelo material, que depende de sua condutividade térmica (quanto maior a matriz, menor será a taxa de resfriamento). E, também, pela imposição do processo de têmpera, que não deve ser demasiadamente acelerado, para não levar a trincas ou distorções excessivas das ferramentas. O ponto de equilíbrio da velocidade de resfriamento deve, portanto, ser definido para cada aplicação. Uma forma interessante de controle é proposta pela NADCA, por meio do ensaio de impacto em corpos de prova padrão (detalhes, ver referência [10). 4.2 Trincas de Fadiga Térmica em Matriz de Forjamento de Válvulas Um exemplo interessante da combinação de vários aspectos na falha em forjamento a quente pode ser observado neste item, que analisa uma ferramenta pequena de forjamento de válvulas. Após trabalho, a ferramenta apresenta elevada incidência de trincas térmicas, que de tal modo severas chegam a inviabilizar a utilização da ferramenta (ver Figura 8a). A análise das regiões afetadas mostrou que, assim como no item 3.1, o efeito do aquecimento de processo foi o principal fator relacionado à falha. Porém, neste caso, o efeito não foi relativo à perda em dureza, mas a fragilização do material. Devido às elevadas temperaturas atingidas na superfície, a ferramenta em questão apresentou uma grande mudança no seu perfil de dureza nitretada (Figura 9b). E, em alguns pontos da microestrutura, foram observados sinais de reaustenitização (regiões brancas na superfície, Figura 9a). A redução da tenacidade promovida por ambos aspectos, especialmente o segundo, pode explicar as trincas e o fim de vida da ferramenta. A causa de tal fragilização mostra-se ligada ao excessivo aquecimento em trabalho. Desta forma, a melhoria da vida útil deve envolver, preferencialmente, mudanças que promovam a retirada do calor introduzido na ferramenta, como alterações de projeto e de refrigeração (similar ao sugerido no item 3.1).

9 a) b) Figura 6: Exemplos de ferramentas com falha prematura por fragilização dos contornos de grão austeníticos, após a têmpera. As micrestruturas com contornos de grão marcados é mostrada junto às fotos das ferramentas. Fonte: ref. [3].. Energia de Impacto sem entalhe, Unnotched NADCA Impact Energy 1990 (J) J, HeatAntes Treated do Tool (as-received) Retratamento 360 J Sample, Após after annealing and new retratamento heat treating a) b) Figura 7: a) estudo de tenacidade em impacto, da matriz mostrada na Figura 6a, antes e após retratamento. b) análise da fratura antes do retratamento, por microscopia eletrônica de varredura, mostrando o aspecto intergranular, resultante da fragilização dos contornos de grão. Fonte: ref. [3].

10 a) b) Perfil de dureza inicial Região de Trabalho Região de trabalho Região não aquecida Dureza (HV 0.2) ,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 Distäncia da Superfícies (mm) c) Figura 8: a) matriz para forjamento de válvulas de motores, após a falha. b) análise microestrutural das regiões da trincas. c) perfil de dureza das regiões aquecidas (região de trabalho) e não aquecidas (perfil inicial). Fonte: ref. [3].

11 5. CONCLUSÕES - Dentre as várias propriedades dos aços ferramenta, a tenacidade e a resistência a quente são as mais importantes, relacionadas à maioria das análises de falha observadas no presente trabalho. - Apesar de serem propriedades conhecidas como do aço ferramenta, a tenacidade e a resistência a quente são consideravelmente influenciadas pelas condições de uso e tratamento térmico das ferramentas. - O aquecimento em trabalho mostra efeito importante para a vida útil de muitas ferramentas de forjamento a quente. Em algumas dessas situações, o emprego de aços de superior resistência ao revenido pode promover melhorias de vida útil. Em outras, a mudança de processo é necessária, para reduzir o aquecimento das regiões de trabalho. - Falhas também podem ocorrer por menor tenacidade, promovida por alterações microestruturais durante o uso ou tratamento térmico da ferramenta. Nestes casos, a análise dos fatores causadores é essencial para melhoria da tenacidade e aumento da vida útil. 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS [1] ROBERTS, G.; KRAUSS, G.; KENNEDY, R. Tool Steels. 5. ed. Materials Park, Ohio: ASM International, p e p [2] Tool Steels, Steel Products Manual, Iron and Steel Society, Apr p. [3] MESQUITA, R. A. ; BARBOSA, C. A.. Failure Analysis in Tool Steels, p In: CANALE, L. C. F. ; MESQUITA, R. A. ; TOTTEN, G. E. Failure Analysis of Heat Treated Steel Components. Ohio: American Society for Metals, v. 1 [4] BYRER, T. G.; SEMIATIN, A. L.; VOLLMER, D. C. Forging Handbook. Cleveland, Ohio: ASM, p [5] BERNS, H. Strength and Toughness of Hot Working Tool Steels. In: KRAUSS, G.; NORDBERG, H.; Tool Materials for Molds and Dies: Application and Performance. Ilinois, EUA: The Colorado School of Mines Press, p [6] DIETER, G. E. Metalurgia Mecânica. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara Dois, p e p [7] MESQUITA, R. A. ; HADDAD, P. T. ; BARBOSA, C. A.. A Aplicação do Aço VHSUPER em Matrizes de Forjamento. Anais do 28 Senafor e 12 Conferência Internacional de Forjamento, 2008, p [8] MESQUITA, R. A.; BARBOSA, C. A. Novo aço ferramenta de alta resistência a quente. Tecnologia em Metalurgia e Materiais, São Paulo, v. 3, p , [9] SJÖSTRÖM, J; BERGSTRÖM, J. Thermal fatigue testing of chromium martensitic hot-work tool steel after different austenitizing treatments. Journal of Materials Processing Technology, v , p [10] NADCA no 229/2006 Special Quality Die Steel & Heat Treatment Acceptance Criteria for Die Casting Dies, Ed. North American Die Casting Association, Holbrook Wheeling, Ilinois, 2006, 33p. [11] K. E. Thelning, Steel and Its Heat Treating, 2nd ed. Butterworths, London, 1984.

ANÁLISE DE CASOS E APLICAÇÕES DOS AÇOS TENAX 300 E VHSUPER

ANÁLISE DE CASOS E APLICAÇÕES DOS AÇOS TENAX 300 E VHSUPER ANÁLISE DE CASOS E APLICAÇÕES DOS AÇOS TENAX 300 E VHSUPER Rafael Agnelli Mesquita 1) Luiz Cesar França 2) Celso Antonio Barbosa 3) A vida útil de ferramentas para trabalho a quente depende de uma série

Leia mais

EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA

EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA EFEITO DAS CONDIÇÕES DE TRATAMENTO TÉRMICO NA MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE AÇOS FERRAMENTA Rafael Agnelli Mesquita (1) Daniel Rodrigo Leiva (2) Celso Antonio Barbosa (3) Os aços ferramenta

Leia mais

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel.

Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Influence of Austenitizing Temperature On the Microstructure and Mechanical Properties of AISI H13 Tool Steel. Lauralice de C. F. Canale 1 George Edward Totten 2 João Carmo Vendramim 3 Leandro Correa dos

Leia mais

ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES

ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES ANÁLISE DE FALHAS COMO FERRAMENTA PARA MELHORIA DE QUALIDADE EM MOLDES E MATRIZES Prof. Dr. Rafael A. Mesquita Universidade Nove de Julho Mestrado em Engenharia de Produção Linha de Pesquisa em Qualidade

Leia mais

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS

TECNOLOGIA DOS MATERIAIS TECNOLOGIA DOS MATERIAIS Aula 7: Tratamentos em Metais Térmicos Termoquímicos CEPEP - Escola Técnica Prof.: Transformações - Curva C Curva TTT Tempo Temperatura Transformação Bainita Quando um aço carbono

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Tratamentos térmicos dos aços 1 TRATAMENTOS TÉRMICOS DOS AÇOS Os tratamentos térmicos empregados em metais ou ligas metálicas, são definidos como qualquer conjunto de operações de aquecimento e resfriamento,

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE NOVO AÇO FERRAMENTA PARA MATRIZES DE EXTRUSÃO DE ALUMÍNIO*

CARACTERIZAÇÃO DE NOVO AÇO FERRAMENTA PARA MATRIZES DE EXTRUSÃO DE ALUMÍNIO* http://dx.doi.org/10.4322/tmm.2014.017 CARACTERIZAÇÃO DE NOVO AÇO FERRAMENTA PARA MATRIZES DE EXTRUSÃO DE ALUMÍNIO* José Britti Bacalhau 1 Fernanda Moreno Rodrigues 2 Rafael Agnelli Mesquita 3 Resumo Matrizes

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 Forjamento Ferreiro - Uma das profissões mais antigas do mundo. Hoje em dia, o martelo e a bigorna foram substituídos por máquinas e matrizes

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci

DESENVOLVIMENTO DE RODA MICROLIGADA COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL. Eng. (MSc) Domingos José Minicucci COM NIÓBIO PARA TRANSPORTE HEAVY HAUL Eng. (MSc) Domingos José Minicucci CONTEÚDO: Evolução da carga por eixo na Austrália Contato roda trilho Especificação AAR para rodas classe D microligadas Nióbio

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045

TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 TRATAMENTOS TÉRMICOS: EFEITO DA VELOCIDADE DE RESFRIAMENTO SOBRE AS MICROESTRUTURAS DOS AÇOS ABNT 1045 Daniel Favalessa, Edésio Anunciação Santos Filho, Gilberto Prevital, Heriberto Guisso, João Paulo

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP. Tecnologia Mecânica CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SÃO PAULO CEFET-SP Tecnologia Mecânica Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos

Leia mais

EFEITO DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO H13

EFEITO DO TRATAMENTO CRIOGÊNICO NA RESISTÊNCIA AO DESGASTE DO AÇO H13 6Ä CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÅÇO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Forjamento: O forjamento, um processo de conformação mecânica em que o material é deformado por martelamentoou prensagem, é empregado para a fabricação

Leia mais

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE...

ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3. ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... ÍNDICE CORROSÃO E MEDIDAS DE PROTEÇÃO... 3 ESPECIFICAÇÃO DE AÇOS, LIGAS ESPECIAIS E FERROS FUNDIDOS (Módulo I)... 4 ACABAMENTO DE SUPERFÍCIE... 5 FUNDAMENTOS DOS TRATAMENTOS TÉRMICOS DAS LIGAS FERROSAS

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos

Disciplina CIÊNCIA DOS MATERIAIS A. Marinho Jr. Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Tópico 7E Materiais polifásicos - Processamentos térmicos Introdução Já vimos que a deformação plástica de um metal decorre da movimentação interna de discordâncias, fazendo com que planos cristalinos

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM

EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA FREIRE EFEITO DA ESTRUTURA BAINÍTICA EM AÇOS PARA ESTAMPAGEM OSASCO 2011 2 MARCOS HUSEK COELHO RUBENS DA SILVA

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8

ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 ANÁLISE DE FALHA EM VIRABREQUIM DE MOTOR V8 Telmo Roberto Strohaecker UFRGS, PROFESSOR DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Sandro Griza UFRGS, DOUTORANDO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM Rodrigo André Hoppe

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE

USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE USO DA INDUÇÃO ELETROMAGNÉTICA NO TRATAMENTO TÉRMICO DE FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLOS: AUMENTO DO DESEMPENHO OPERACIONAL E DA DE DURABILIDADE Ramos, Daniela Magalhães 1 Ferreira, Carlos Roberto 2

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga

Ensaio de fadiga. Em condições normais de uso, os produtos. Nossa aula. Quando começa a fadiga A U A UL LA Ensaio de fadiga Introdução Nossa aula Em condições normais de uso, os produtos devem sofrer esforços abaixo do limite de proporcionalidade, ou limite elástico, que corresponde à tensão máxima

Leia mais

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007

8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 8º CONGRESSO IBEROAMERICANO DE ENGENHARIA MECANICA Cusco, 23 a 25 de Outubro de 2007 FRAGILIZAÇÃO DA MARTENSITA REVENIDA EM PARAFUSOS: ANÁLISE DE DOIS CASOS Marcelo A. L.*, Tokimatso R. C., Júnior P. Z.**,

Leia mais

Tratamentos Térmicos [7]

Tratamentos Térmicos [7] [7] Finalidade dos tratamentos térmicos: ajuste das propriedades mecânicas através de alterações da microestrutura do material. alívio de tensões controle da dureza e resistência mecânica usinabilidade

Leia mais

NOVOS AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE

NOVOS AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE NOVOS AÇOS PARA TRABALHO A QUENTE Rafael Agnelli Mesquita (1) Celso Antonio Barbosa (2) O aumento da vida útil de ferramentas e matrizes utilizadas em trabalho a quente tem como motivação a redução dos

Leia mais

ESTUDO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS APLICADOS ÀS FERRAMENTAS FABRICADAS COM O AÇO AISI H13 VISANDO O AUMENTO DE SUA VIDA ÚTIL

ESTUDO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS APLICADOS ÀS FERRAMENTAS FABRICADAS COM O AÇO AISI H13 VISANDO O AUMENTO DE SUA VIDA ÚTIL 6º CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE FABRICAÇÃO 6 th BRAZILIAN CONFERENCE ON MANUFACTURING ENGINEERING 11 a 15 de abril de 2011 Caxias do Sul RS - Brasil April 11 th to 15 th, 2011 Caxias do Sul RS

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento

Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento Prof. Msc. Marcos Dorigão Manfrinato prof.dorigao@gmail.com Introdução Vantagens e Desvantagens A Quente A Frio Carga Mecânica Matriz Aberta Matriz Fechada Defeitos de Forjamento 1 Introdução: O forjamento

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA

REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO LAIZ OLIVEIRA DOS REIS REFINO DE GRÃO ATRAVÉS DE TRATAMENTO TÉRMICO SEM MOVIMENTAÇÃO DE MASSA OSASCO 2011 2 LAIZ OLIVEIRA DOS REIS REFINO DE GRÃO

Leia mais

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO

DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL ENDURECIDO POR PRECIPITAÇÃO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO Alexandre Afonso Alves de Moura Marcos Paulo Pereira de Toledo Ricardo Breviglieri Alves Castilho DISSOLUÇÃO DA FERRITA DELTA EM AÇO INOXIDÁVEL

Leia mais

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA

Escola Politécnica de Pernambuco Departamento de Ensino Básico PROGRAMA PROGRAMA Disciplina: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA Código: MECN0039 Carga Horária Semestral: 45 HORAS Número de Créditos: TEÓRICOS: 00; PRÁTICOS: 03; TOTAL: 03 Pré-Requisito: MECN0004 CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com

BR 280 - KM 47 - GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com TÉCNICA DA NITRETAÇÃO A PLASMA BR 280 KM 47 GUARAMIRIM SC Fone 47 3373 8444 Fax 47 3373 8191 nitriondobrasil@terra.com.br www.nitrion.com A Nitrion do Brasil, presente no mercado brasileiro desde 2002,

Leia mais

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio

Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Tratamentos Térmicos dos Aços Ferramenta Um Ensaio Dr. Carlos Eduardo Pinedo Diretor Técnico 1. Considerações Iniciais Aços Ferramenta Dentre os diferentes materiais utilizados pelo homem em seu cotidiano,

Leia mais

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale

Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale ARTIGO Rodas Microligadas: Estudo e aplicação nas ferrovias da Vale Isaias Moreira de Freitas 1, Bruno Teieira Barros 2, Francisco Nascimento Chagas 3 1 Ger. de Engenharia Ferroviária, Av. Dante Micheline,

Leia mais

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr

UERJ CRR FAT Disciplina ENSAIOS DE MATERIAIS A. Marinho Jr Tópico 05 ENSAIOS MECÂNICOS - DUREZA Parte A - Dureza Brinell Introdução A dureza de um material é uma propriedade difícil de definir, que tem diversos significados dependendo da experiência da pessoa

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução

AISI 420 Tratamento Térmico e Propriedades. InTec 012. 1. Introdução 1. Introdução Este texto tem por objetivo discutir importantes aspectos da seleção de temperaturas de têmpera e revenimento das diferentes marcas para o aço AISI 420 em função das propriedades mecânicas

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

AÇOS. Construção Mecânica

AÇOS. Construção Mecânica AÇOS Construção Mecânica SÃO CERCA DE 10.000 TONELADAS EM AÇOS E METAIS A PRONTA ENTREGA GGD 10 Composição Química C Mn Si Cr Al P S 0,17 0,24 0,18 0,23 0, 0,60 0,60 0,90 0, máx 0,15 0, ----- --- 0, 0,

Leia mais

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda

Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda 1 Estudo Da Potencialidade De Redução Do Teor De Cromo Em Moinhos Do Tipo Rolo Sobre Pista Da Termoelétrica Jorge Lacerda P. Ortega, UFSC; P. Bernardini, UFSC e L.A, Torres, TRACTEBEL Resumo- O presente

Leia mais

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO

INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO NA OBTENÇÃO DO FERRO FUNDIDO CINZENTO OSASCO 2012 2 ANDRÉ JOSÉ ALBERTINI INFLUÊNCIA DA INOCULAÇÃO

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DE MATERIAIS HUGO SUSIN INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA MARTENSITICA PRÉVIA NO TRATAMENTO DE ESFEROIDIZAÇÃO DO AÇO 4137 Florianópolis

Leia mais

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77

5 DISCUSSÃO. 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. Capítulo 5 77 Capítulo 5 77 5 DISCUSSÃO 5.1 Influência dos resfriadores no fundido. A finalidade do uso dos resfriadores no molde antes da fundição das amostras Y block foi provocar uma maior velocidade de resfriamento

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 82 CAPÍTULO 11 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM 83 TENSÕES E DEFORMAÇÕES EM SOLDAGEM Nas operações de soldagem, principalmente as que envolvem a fusão dos materiais, temos uma variação não uniforme e

Leia mais

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid

Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Propriedades Mecânicas dos Aços DEMEC TM175 Prof Adriano Scheid Tensão Propriedades Mecânicas: Tensão e Deformação Deformação Elástica Comportamento tensão-deformação O grau com o qual a estrutura cristalina

Leia mais

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA

MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA AS VÁRIAS V MANEIRAS DE SE OBTER UMA DETERMINADA FORMA Forjado Sinterizado Usinado Fundido A diferença estará apenas nos custos e tempos de fabricação? 1 EVOLUÇÃO DAS PROPRIEDADES COM O TRATAMENTO TERMOMECÂNICO

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

NOVO AÇO FERRAMENTA DE ALTA RESISTÊNCIA A QUENTE

NOVO AÇO FERRAMENTA DE ALTA RESISTÊNCIA A QUENTE NOVO AÇO FERRAMENTA DE ALTA RESISTÊNCIA A QUENTE doi: 1.4322/tmm.3312 Rafael Agnelli Mesquita 1 Celso Antonio Barbosa 2 Resumo Os aços ferramenta para trabalho a quente são principalmente empregados em

Leia mais

Soldagem de manutenção II

Soldagem de manutenção II A UU L AL A Soldagem de manutenção II A recuperação de falhas por soldagem inclui o conhecimento dos materiais a serem recuperados e o conhecimento dos materiais e equipamentos de soldagem, bem como o

Leia mais

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS

TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMO - QUÍMICOS Tratamentos térmicos e termo-químicos Recozimento Normalização Têmpera Revenimento Cementação Nitretação Tratamentos Térmicos Operações de aquecimento de um material

Leia mais

endurecíveis por precipitação.

endurecíveis por precipitação. Introdução Tipos de Aços Inoxidáveis Aço inoxidável é o nome dado à família de aços resistentes à corrosão e ao calor contendo no mínimo 10,5% de cromo. Enquanto há uma variedade de aços carbono estrutural

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA

INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE AUSTENITA RETIDA 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI NADIR DIAS DE FIGUEIREDO ALEXANDRE PASCHOALIN ANDERSON LUÍS JACINTHO INFLUÊNCIA DA TEMPERATURA FINAL DE TÊMPERA DO AÇO SAE 52100 TEMPERADO EM BANHO DE SAL NA FORMAÇÃO DE

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 1 1. PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA Os processos de conformação mecânica são processos de fabricação que empregam a deformação plástica de um corpo metálico, mantendo sua massa e integridade. Alguns

Leia mais

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros)

Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Novas Tendências do Mercado de Laminação de Tiras a Frio (cilindros) Out - 2009 1 Sumário Objetivo; Introdução; Demanda dos produtos laminados; Evolução dos processos de fabricação e produtos; Produtos

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil

TTT 2012 - VI Conferência Brasileira sobre Temas de Tratamento Térmico 17 a 20 de Junho de 2012, Atibaia, SP, Brasil ESTUDO COMPARATIVO ENTRE O TRATAMENTO TÉRMICO A VÁCUO E O TRATAMENTO TÉRMICO POR BRASAGEM REALIZADO EM AÇO INOXIDÁVEL M340 APLICADO A INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS R. L. Ciuccio 1, V. Pastoukhov 2, M.D.D. NEVES

Leia mais

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA

INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA, DE APLICAÇAO AERONÁUTICA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 703-710 INFLUÊNCIA DA MICROESTRUTURA ANISOTRÓPICA NO COMPORTAMENTO EM FADIGA DA LIGA DE ALUMÍNIO 7010-T74 FORJADA,

Leia mais

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA

ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA ESTUDO DAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DE UM AÇO SAE 4140 COM ESTRUTURA BIFÁSICA Marcos Antônio de Carvalho Rocha Sérgio Souto Maior Tavares Maria da Penha Cindra Fonseca Juan Manuel Pardal Viviane Florido

Leia mais

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Tratamento Térmico e Materiais

Tratamento Térmico e Materiais Tratamento Térmico e Materiais ISOFLAMA Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda João Carmo Vendramim João Carmo Vendramim Engenheiro Metalurgista, MSc Mestrado Fem-Unicamp Depto.Enga.Materiais Projeto

Leia mais

Propriedades dos Materiais CAP 3

Propriedades dos Materiais CAP 3 Universidade Federal do Ceará Resistência dos Materiais I Propriedades dos Materiais CAP 3 Profa. Tereza Denyse de Araújo Março/2010 Roteiro de aula Ensaio de Cisalhamento Ensaio de Torção Falhas de Materiais

Leia mais

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM

REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM REVESTIMENTOS DUROS RESISTENTES AO DESGASTES DEPOSITADOS POR SOLDAGEM Para maior facilidade de análise e prevenção, procura-se geralmente identificar o(s) mecanismo(s) predominante(s) de remoção de material.

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá

INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá INFLUÊNCIA DO TEMPO DE SOLUBILIZAÇÃO NA RESISTÊNCIA A TRAÇÃO DE UM AÇO INOXIDÁVEL DUPLEX G. S. Machado 1, M. L. N. M. Melo 1, C. A. Rodrigues 1. 1 UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá gustavosouza_unifei@yahoo.com.br

Leia mais

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA

ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA Jornadas SAM 2000 - IV Coloquio Latinoamericano de Fractura y Fatiga, Agosto de 2000, 799-806 ANÁLISE DE FALHA E CARACTERIZAÇÃO METALÚRGICA DE UM SEGMENTO DE TRILHO SOLDADO POR ALUMINOTERMIA A.A.M. da

Leia mais

Os tratamentos termoquímicos. micos

Os tratamentos termoquímicos. micos Os tratamentos termoquímicos micos Os tratamentos termoquímicos micos Turma 6821 Arthur Galvão, Fábio F Borges, Israel Lima e Vitor Alex Tratamentos Termoquímicos? micos? são os tratamentos que visam o

Leia mais

REDUÇÃO NO CONSUMO DE HIDROGÊNIO EM FORNOS DE RECOZIMENTO TIPO SINO UTILIZANDO A CURVA DE DESTILAÇÃO DO ÓLEO DE LAMINAÇÃO.

REDUÇÃO NO CONSUMO DE HIDROGÊNIO EM FORNOS DE RECOZIMENTO TIPO SINO UTILIZANDO A CURVA DE DESTILAÇÃO DO ÓLEO DE LAMINAÇÃO. REDUÇÃO NO CONSUMO DE HIDROGÊNIO EM FORNOS DE RECOZIMENTO TIPO SINO UTILIZANDO A CURVA DE DESTILAÇÃO DO ÓLEO DE LAMINAÇÃO. Fernando Kawata Julia Ferrari Pompeo Ricardo Alves Almeida Carlos Roberto Gianini

Leia mais

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA.

AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. AVALIAÇÃO DA RESISTÊNCIA À CORROSÃO DE AÇOS INOXIDÁVEIS SUBMETIDAS A CICLOS DE FADIGA TÉRMICA. Rodrigo Freitas Guimarães 1, José Airton Lima Torres 2, George Luiz Gomes de Oliveira 3, Hélio Cordeiro de

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO

IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO PARA ALÍVIO DE TENSÕES DE COMPONENTES DE COLUNA DE DIREÇÃO ILHA SOLTEIRA XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica - 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Paper CRE05-TC08 IMPLEMENTAÇÃO DE MELHORIAS NO PROCESSO DE TRATAMENTO TÉRMICO

Leia mais

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC

TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC TM 704 - Metalurgia Fisica PIPE e PG-MEC Ana Sofia C. M. d Oliveira, Ph.D. Profa Titular/DEMEC Principais estruturas cristalinas dos metais Estruturas cristalinas Sistema cristalino Triclinico Monoclinico

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO

UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO UM ENSAIO DO PROCESSO DE RECOZIMENTO PLENO Anderson Fanchiotti da Silva, Deyvson Martins Fanti, Diego Serra, Everton Moreira Chaves, Fabiano Botassoli, Hedylani N. F. Corsini, Patrik Mantovani de Oliveira,

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram

COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO. Prof. Rubens Caram COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS SOB TENSÃO Prof. Rubens Caram 1 TENSÃO X DEFORMAÇÃO O EFEITO DE TENSÕES NA ESTRUTURA DE METAIS PODE SER OBSERVADO NA FORMA DE DEFORMAÇÕES: EM ESTRUTURAS DE ENGENHARIA, ONDE

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C

DIAGRAMA Fe-C. DIAGRAMA Fe-Fe 3 C 1 DIAGRAMA Fe-C DIAGRAMA Fe-Fe 3 C ALOTROPIA DO FERRO PURO Na temperatura ambiente, o ferro puro apresenta estrutura cristalina cúbica de corpo centrado (CCC), denominada ferrita alfa (α). A estrutura

Leia mais

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base).

METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). METALURGIA DO PÓ (SINTERIZAÇÃO) 1. Introdução Transformação de pó de metais em peças pela aplicação de pressão e calor (sem fusão do metal base). Etapas do processo: - obtenção dos pós metálicos - mistura

Leia mais

SELEÇÃO DE AÇOS E TRATAMENTOS TÉRMICOS PARA FERRAMENTAS DE CONFORMAÇÃO A FRIO ESTAMPARIA

SELEÇÃO DE AÇOS E TRATAMENTOS TÉRMICOS PARA FERRAMENTAS DE CONFORMAÇÃO A FRIO ESTAMPARIA SELEÇÃO DE AÇOS E TRATAMENTOS TÉRMICOS PARA FERRAMENTAS DE CONFORMAÇÃO A FRIO ESTAMPARIA Eng. Shun Yoshida Engenheiro de Aplicação da Brasimet Comércio e Indústria S.A. CONTEÚDO 1. Introdução 2. Mecanismos

Leia mais

Acesse: http://fuvestibular.com.br/

Acesse: http://fuvestibular.com.br/ Esse molde é (quase) para sempre Manuais ou mecanizados, de precisão, não importa qual o processo de fundição que tenhamos estudado até agora, todos tinham em comum duas coisas: o fato de que o material

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS

PROPRIEDADES MECÂNICAS Elementos de Máquinas Elementos de Fixação Revisão sobre esforços mecânicos Prof. Geraldo Sales dos Reis Curso Técnico em Mecânica Módulo VI PROPRIEDADES MECÂNICAS POR QUÊ ESTUDAR? A determinação e/ou

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais

Relatório Final. Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND. Aluno: Luciano Antonio de Morais Relatório Final Estudo das Condições de Tempera e Revenido nas Propriedades Mecânicas de Aço VND Aluno: Luciano Antonio de Morais Orientadora: Profª. Dra. Luciana Sgarbi Rossino Co Orientador: Profº. Msc.

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr.

INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS. Prof. Carlos Falcão Jr. INTRODUÇÃO AOS PROCESSOS METALÚRGICOS Prof. Carlos Falcão Jr. Conformação de Materiais Metálicos Estampagem É um processo de conformação mecânica, que compreende um conjunto de operações por intermédio

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Aula 11 Ensaio de Fadiga. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 11 Ensaio de Fadiga Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Fadiga. Propriedades Avaliadas do Ensaio. Tipos de Corpos de Prova. Introdução Quando são aplicados esforços

Leia mais

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Tecnologia Isto é sustentabilidade! Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Divulgação Transsen iminente de que o pro- Dblema se repita, pode-se notar

Leia mais

Tratamentos térmicos de ferros fundidos

Tratamentos térmicos de ferros fundidos FERROS FUNDIDOS Usados em geral para: Resistência ao desgaste Isolamento de vibrações Componentes de grandes dimensões Peças de geometria complicada Peças onde a deformação plástica é inadmissível FERROS

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E ENGENHARIA DE MATERIAIS - PGCEM CMA CIÊNCIA DOS MATERIAIS

Leia mais