UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS E TECNOLÓGICAS BACHARELADO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA JÉSSICA FERNANDES BATISTA ESTUDO DO PAPEL COMO MATERIAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL REVISÃO DE LITERATURA MOSSORÓ - RN 2013

2 JÉSSICA FERNANDES BATISTA ESTUDO DO PAPEL COMO MATERIAL NA CONSTRUÇÃO CIVIL REVISÃO DE LITERATURA Monografia apresentada à Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências Ambientais e Tecnológicas como exigência final para obtenção do título de Bacharel em Ciência e Tecnologia. Orientador: Profª. Dra. Marineide Jussara Diniz MOSSORÓ - RN 2013

3 Ficha catalográfica preparada pelo setor de classificação e catalogação da Biblioteca Orlando Teixeira da UFERSA B333e Batista, Jéssica Fernandes. Estudo do papel como material na construção civil Revisão de literatura / Jéssica Fernandes Batista. Mossoró, RN: f. : il. Orientador: Profª. Dra. Marineide Jussara Diniz. Graduação (Monografia) Universidade Federal Rural do Semi-Árido, Graduação em Ciência e Tecnologia, Sustentabilidade (Construção). 2. Papel (Engenharia). 3. Material alternativo. I. Título. CDD: 624 Bibliotecária: Marilene Santos de Araújo CRB-5/1033

4

5 Dedico este trabalho especialmente aos meus pais, Francisca de Assis Fernandes e Cícero Romão Batista, que sempre acreditaram em mim e me apoiaram em todos os momentos de minha vida.

6 Primeiramente, quero agradecer ao meu Deus, que sempre está presente em minha vida, me dando forças para continuar, orientando-me em minhas decisões e sempre fornecendo a sabedoria necessária para alcançar os meus objetivos. Aos meus pais, Francisca de Assis Fernandes e Cícero Romão Batista que sempre contribuíram para minha formação pessoal e também profissional. Agradeço por toda a paciência, dedicação, ensinamentos e orações feitas à mim. Aos meus familiares, que sempre me apoiaram. Aos meus amigos, em especial Fernanda Queiroz e Alice Dantas. À todos os meus colegas do curso de Ciência e Tecnologia, em especial Débora Ellen, Kátia Priscila e Sheila Grazielle. À minha orientadora, a professora Dra. Marineide Jussara Diniz, pela orientação, dedicação, disponibilidade e sugestões para a execução deste trabalho. À todos os docentes do curso de Bacharelado em Ciência e Tecnologia. À todos que de alguma forma ou de outra contribuíram para a realização deste trabalho.

7 RESUMO Este trabalho foi realizado com o objetivo de apresentar o papel como um material alternativo para a construção civil. Devido ao aumento da quantidade de lixo e da demasiada utilização de recursos naturais a indústria da construção civil está à procura de novas medidas para a redução dos impactos ambientais. A construção sustentável faz uso de materiais alternativos e de tecnologias que se comprometem em equilibrar o meio ambiente visando o bom aproveitamento, a economia e o conforto. A metodologia aplicada foi baseada em um levantamento bibliográfico onde iniciou conceituando o termo mais discutido da atualidade que é sustentabilidade e a partir disto, como o papel passou a ser visto como um material alternativo além de sua função habitual de registrar informações por meio de livros, revistas, etc. O papel como componente construtivo (sendo ele reciclado ou não) é um assunto novo e gradativamente vem crescendo pesquisas à seu respeito, porém já pode-se constatar que é um elemento resistente, consideravelmente barato e economicamente viável. O intuito do referente trabalho é mostrar que pode ser feito elementos construtivos como telhas, tijolos, forros, drywall e estes podem proporcionar belíssimas construções. Esses elementos são considerados produtos alternativos onde proporcionam a redução dos custos, redução da quantidade de entulhos de papel nos aterros sanitários e redução da utilização de recursos naturais. Palavras-chave: Sustentabilidade nas construções; papel; material alternativo.

8 ABSTRACT This work was carried out with the aim of presenting the paper as an alternative material for construction. Due to the increasing amount of waste and excessive use of natural resources, the construction industry is looking for new measures to reduce environmental impacts. Sustainable construction makes use of alternative materials and technologies that are committed to balance the environment with a view to good use, economy and comfort. The methodology was based on a literature which began conceptualizing the term of the current most discussed what sustainability is and from this, as the role was seen as an alternative material in addition to its usual function of recording information from books, magazines etc. The role as a constructive component (it being recycled or not) is a new subject and gradually growing to research about him, but now it can be seen that an element is sturdy, pretty cheap and economically viable. The aim is to show the related work that can be done building elements such as roof tiles, bricks, ceilings, drywall and these can provide constructs beautiful. These elements are considered alternative products which provide cost reduction, reducing the amount of paper debris in landfills and reducing the use of natural resources. Keywords: Sustainability in construction; paper; alternative material.

9 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 - Papiro Figura 2 - Pergaminho Figura 3 - Processo de fabricação de papel na China século II Figura 4 - Processo de reciclagem Figura 5 Camadas de Papelão Figura 6 - Abrigo emergencial, Chicago Figura 7 - Construção com chapas de papelão elaboradas por Richard Fuller, Montreal Figura 8 - Tubos de papelão Figura 9 - Pontes feitas de tubos de papelão, EUA Figura 10 - Construção de Martin Pawley, EUA Figura 11 - Construção da Shared Ground Figura 12 - Clube de música pós-aula construído com tubos de papelão, Inglaterra Figura 13 - Shigeru Ban e suas obras Figura 14 - Tubos de papel utilizados pela professora Gerusa Salado em seu projeto Figura 15 - Fases da construção da casa de papelão Figura 16 - Casa feita de papelão elaborada pela professora Gerusa Salado Figura 17 Tijolos Krafterra Figura 18 - Comparativo da resistência do BTC e krafterra Figura 19 - Comparativo o BTC e karfterra com relação à flexibilidade Figura 20 - Processo de fabricação do tijolo (protótipo) Figura 21 - Tijolos feitos à base de papel Figura 22 - Sacos de cimento Figura 23 - Forreco Figura 24 - Telhas ecológicas Figura 25 - Galpão com a telha Tecolita Figura 26 - Telha Onduline Figura 27 - Inclinação da telha Onduline Figura 28 - Espaçamento da telha Onduline Figura 29 - Montagem da telha Onduline Figura 30 - Sobreposição da telha Onduline Figura 31 - Fixação das telhas Onduline Figura 32 - Componentes Drywall Figura 33 - Sistema de instalação Drywall

10 Figura 34 - Parede de Drywall Figura 35 - Forro Drywall Figura 36 - Revestimentos Drywall

11 LISTA DE ABREVIAÇÕES E SIGLAS ABMTENC ABRAF BRACELPA CNPq CO 2 EESC IDHEA ISO ONU PUC USP Associação Brasileira de Materiais e Tecnologias Não-Convencionais Associação Brasileira de Produtores de Florestas Plantadas Associação Brasileira de Celulose e Papel Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico Dióxido de carbono Escola de Engenharia de São Carlos Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica Organização Internacional para Padronização Organização das Nações Unidas Pontifícia Universidade Católica Universidade de São Paulo

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAL ESPECÍFICOS MATERIAIS E MÉTODOS REVISÃO DE LITERATURA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Construção sustentável Escolha dos materiais Tipos de construções sustentáveis Materiais alternativos O PAPEL Histórico Conceito Tipos de papéis Reciclagem O PAPEL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Construções com o papelão Tijolo de papel Forro feito de papel Telha feita de papel Drywall CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS... 55

13 13 1 INTRODUÇÃO A sociedade gradativamente está se dando conta de que a utilização demasiada e inadequada dos recursos naturais está acarretando sérias consequências quando se trata do meio ambiente e tudo que o envolve. Preservar o meio ambiente, utilizar os recursos naturais de maneira correta e mantêlos para as gerações futuras são práticas relacionadas ao desenvolvimento sustentável, desenvolvimento este que integra a questão social, econômica e ambiental de uma nação. A busca por soluções e/ou materiais que possam de alguma maneira substituir ou reduzir o consumo dos recursos naturais na construção civil é algo que vem crescendo, e em decorrência destes estudos muitas descobertas estão surpreendendo por possuírem características viáveis para ingressar ao setor construtivo. A construção sustentável trata-se de uma construção que visa atender as necessidades de edificação do homem sempre garantindo a preservação do meio ambiente. Novos materiais difundidos no mercado, materiais reciclados e materiais vernáculos são exemplos de materiais que este tipo de construção emprega. O papel é um material provindo dos elementos fibrosos de origem vegetal, as principais matérias-primas do papel são as árvores de eucalipto e pinus onde passam por diversos processos para formá-lo. O papel é um material que pode ser reciclado (mantendo suas propriedades) o que é muito importante quando se fala em sustentabilidade. Agregar o papel na construção civil é uma questão que vem crescendo gradativamente tanto no âmbito econômico como ambiental, por ele ser considerado um elemento resistente, consideravelmente barato e economicamente viável. A utilização do papel no setor da construção civil não é um assunto tão novo, pesquisas sobre o ingresso deste material começaram por volta de 1970 com o intuito de desenvolver outro material de construção, porém com crescimento do uso dos materiais convencionais, muitas pesquisas foram deixadas de lado. As construções com papel obtiveram um grande reconhecimento mundial a partir das obras do arquiteto Shigeru Ban, que projeta belas construções, desde 1990, tendo como material principal o papelão. O sistema construtivo de Drywall é constituído por um núcleo de gesso e em suas extremidades são colocadas placas de papel cartão; onde o gesso exerce uma resistência à compressão, e o papel resistência à tração. Paredes, forros e até revestimento são as finalidades deste sistema, que cada vez mais ganha à preferência na área da construção civil. Além disso, é um sistema considerado leve, de fácil aplicação e econômico.

14 14 Já existem no mercado, telhas feitas a base de papel que possuem características semelhantes às telhas convencionais e, além disso, são flexíveis, leves e versáteis. Atualmente no Brasil, existem pesquisas que tem como objetivo desenvolver tijolos, forros e até casas feitas de papel. Nestes projetos foram elaborados protótipos e trata-se apenas de uma questão de tempo para entrarem no mercado da construção civil.

15 15 2 OBJETIVOS 2.1 GERAL e no mundo. Estudo bibliográfico sobre a utilização do papel como material construtivo no Brasil 2.2 ESPECÍFICOS Trabalho de revisão bibliográfica sobre os tipos de materiais que podem ser feitos de papel e sua aplicação na construção civil, mostrando sua importância do ponto de vista ambiental, econômico e social.

16 16 3 MATERIAIS E MÉTODOS A pesquisa bibliográfica foi desenvolvida com base em material já elaborado, constituído principalmente de livros e artigos científicos. Embora em quase todos os estudos seja exigido algum tipo de trabalho dessa natureza, há pesquisas desenvolvidas exclusivamente a partir de fontes bibliográficas. Nos dias de hoje, outra ferramenta de vultosa importância é a internet. Portanto, neste trabalho foi realizada uma pesquisa bibliográfica, tendo como fontes principais livros, artigos científicos, monografias, teses de mestrado, publicações em revistas especializadas, arquivos virtuais, dentre outros recursos que se mostrem úteis. Primeiramente, foi feito um levantamento de livros especializados, tanto impressos quanto digitais. De posse das informações necessárias, foi realizada exposição escrita do estudo bibliográfico, mostrando os produtos existentes feitos de papel, bem como suas vantagens e desvantagens na construção civil.

17 17 4 REVISÃO DE LITERATURA 4.1 DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL A primeira definição de desenvolvimento sustentável foi elaborada pela Comissão de Mundial do Desenvolvimento e Meio Ambiente (CMMAD) por meio de um relatório apresentado em Fundada em 1984 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e coordenada pela norueguesa Gro Harlem Brundtland a comissão debatia assuntos relacionados aos problemas ambientais. A comissão desenvolveu um relatório titulado como Nosso Futuro Comum ou relatório Brundtland. O desenvolvimento que procura satisfazer as necessidades da geração atual, sem comprometer a capacidade das gerações futuras de satisfazerem as suas próprias necessidades, significa possibilitar que as pessoas, agora e no futuro, atinjam um nível satisfatório de desenvolvimento social e econômico e de realização humana e cultural, fazendo, ao mesmo tempo, um uso razoável dos recursos da terra e preservando as espécies e os habitats naturais. (WIKIPÉDIA, 2012). Conforme afirma Bellen (2003) o desenvolvimento sustentável é a capacidade que a empresa possui de aproveitar ao máximo os recursos naturais observando a sua capacidade de regeneração, também é integrar os sistemas econômicos, sociais e ecológicos para que seja possível um equilíbrio entre os três elementos, e de forma mais simples o desenvolvimento é a capacidade humana de se desenvolver em harmonia com o meio ambiente objetivando o desenvolvimento em conjunto. De acordo com Braga et al. (2005), o modelo de desenvolvimento sustentável deve funcionar como um sistema fechado e ter como base: Dependência do suprimento externo contínuo de energia (Sol); Uso racional da energia e da matéria com ênfase à conservação, em contraposição ao desperdício; Promoção da reciclagem e do reuso dos materiais; Controle da poluição, gerando menos resíduos para serem absorvidos pelo ambiente; e Controle do crescimento populacional em níveis aceitáveis, com perspectivas de estabilização da população.

18 Construção sustentável Segundo Mário Augusto Araújo (2012), consultor do Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica (IDHEA), a construção sustentável baseia-se no desenvolvimento de um modelo que enfrente e proponha soluções aos principais problemas ambientais de sua época, sem renunciar à moderna tecnologia e à criação de edificações que atendam as necessidades de seus usuários. Na busca de minimizar os impactos ambientais provocados pela construção, surge o paradigma da construção sustentável. No âmbito da Agenda 21 para a Construção Sustentável em Países em Desenvolvimento, a construção sustentável é definida como: "um processo holístico que aspira a restauração e manutenção da harmonia entre o ambiente natural e construído, e a criação de assentamentos que afirmem a dignidade humana e encorajem a equidade econômica (MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, 2012). Recentemente, a construção ganhou normas próprias no âmbito da sustentabilidade, por meio do sistema Organização Internacional para Padronização (ISO). São elas as normas ISO (2007) Sustentabilidade na construção civil Declaração ambiental de produtos para construção e ISO (2008) Sustentabilidade na construção civil Princípios gerais. É do Comitê Técnico da ISO, também, o seguinte conceito de obra sustentável: Edificação sustentável é aquela que pode manter moderadamente ou melhorar a qualidade de vida e harmonizar-se com o clima, a tradição, a cultura e o ambiente na região, ao mesmo tempo em que conserva a energia e os recursos, recicla materiais e reduz as substâncias perigosas dentro da capacidade dos ecossistemas locais e globais, ao longo do ciclo de vida do edifício (ISO/ TC 59/SC3 N 459). De acordo com Mário Augusto Araújo (2012), há nove passos principais para a obra seja considerada sustentável estes passos estão conformes ao que recomendam alguns dos principais sistemas de avaliação e certificação de obras no mundo e são: 1. Planejamento Sustentável da obra; 2. Aproveitamento passivo dos recursos naturais; 3. Eficiência energética; 4. Gestão e economia da água; 5. Gestão dos resíduos na edificação;

19 19 6. Qualidade do ar e do ambiente interior; 7. Conforto termo-acústico; 8. Uso racional de materiais; 9. Uso de produtos e tecnologias ambientalmente amigáveis Escolha dos materiais A escolha dos produtos e materiais para uma obra sustentável deve seguir alguns parâmetros como a matéria-prima, a sua extração, qualidade, durabilidade, emissão de poluentes, gastos de energia para transformação, etc. Deste modo verifica-se se o material é classificado como sustentável observando o conforto, aproveitamento e economia em seu uso (ARAÚJO, 2012). É importante evitar ou minimizar o uso de materiais sobre os quais pairem suspeitas ou que reconhecidamente acarretem problemas ambientais, tais como o PVC, que gera impactos em sua produção, uso e descarte (sua queima gera ácido clorídrico e dioxina) e alumínio (que provoca grandes impactos ambientais para a sua extração e requerem imensos gastos energéticos durante sua produção e mesmo reciclagem, se comparado a outros materiais). (ARAÚJO, 2012) Tipos de construções sustentáveis Mário Augusto Araújo (2012) afirma que há dois modelos de construção sustentável que são as construções coordenadas por profissionais da área e com o uso de ecoprodutos e tecnologias sustentáveis modernas dentro das normas e padrões vigentes para o mercado e as autoconstruções que são construções feitas pelo próprio usuário, sem contar diretamente com suporte de profissionais. Este tipo de construção ultrapassa mais de 60% das obras civis no Brasil e inclui dose de criatividade, vontade pessoal do proprietário e responsável pela obra. Construção com materiais sustentáveis industriais Construções edificadas com ecoprodutos fabricados industrialmente, adquiridos prontos, atendendo a normas, legislação e demanda do mercado.

20 20 Construção com resíduos não-reprocessados (Earthship) Consiste na utilização de resíduos de origem urbana com fins lucrativos, tais como garrafas PET, papéis, latas, etc. Um dos exemplos mais notórios de Earthship intuitivo e sem planejamento são as favelas dos grandes centros urbanos. No entanto, também pode ser um modelo criativo de autoconstrução, com o uso destes mesmos resíduos a partir de concepções de Ecodesign (projeto sustentável). Construção com material de reuso (demolição ou segunda mão) Esse tipo de construção incorpora produtos convencionais descartados e prolonga sua vida útil, evitando sua destinação para aterros sanitários ou destruição por processos perigosos. Construção alternativa Utiliza materiais convencionais disponíveis no mercado, com funções diferentes das originais. É um dos modelos principais adotados em comunidades carentes ou sistemas de autoconstrução. Construção natural É o sistema construtivo mais ecológico, portanto, mais próximo da própria natureza, uma vez que integra a edificação com o ambiente natural e o modifica ao mínimo. Respeita o entorno e usa materiais disponíveis no local da obra ou adjacências (Permacultura) Materiais alternativos Desde os primórdios o homem sempre utilizou para construir suas habitações materiais como pedra, palha, galhos, troncos de árvores, a própria terra entre outros. Com esses materiais o homem foi capaz de produzir obras belíssimas de engenharia. Obras estas elaboradas sem a existência do conhecimento do aço, alumínio, cimento Portland, etc. Com a revolução industrial (século XVII) começaram a aparecer os materiais de construção que hoje são conhecidos como materiais de construção convencionais. A partir disto, casas construídas com materiais industrializados eram símbolos de status e modernidade. Com a maciça propaganda e a difusão dos materiais convencionais ocasionou-se o desprezo, esquecimento e o abandono de técnicas e novas buscas por materiais não-convencionais, materiais estes que atualmente são associados à pobreza (PERAZZO, 2011)..

21 21 Normando Perazzo (2011) ressalta sobre o prejuízo ambiental que o uso demasiado de materiais industrializados trás, visto que, no processo de fabricação os materiais consomem oxigênio e liberam CO 2 e muitos outros poluentes responsáveis por chuvas ácidas que danificam severamente a natureza e também o efeito estufa que lentamente está aquecendo a Terra. Mesmo agredindo o meio ambiente em seu processo de fabricação há também grande preocupação com o enorme volume de entulhos, estes difíceis de serem reincorporados na natureza. De acordo com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) nas últimas décadas a necessidade de promover um desenvolvimento ecológico e sustentável tem motivado cientistas a desenvolver e utilizar materiais que despendam menor quantidade de energia e gerem menos resíduos e poluentes, sejam mais facilmente reincorporados pela natureza e mais acessíveis à população de baixo poder aquisitivo e estejam disponíveis localmente. No Brasil, um dos pioneiros no estudo de materiais nãoconvencionais é o pesquisador do CNPq, Khosrow Ghavami, também professor titular do departamento de Engenharia da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC- Rio), além de ser membro fundador e atualmente presidente da Associação Brasileira de Ciências em Materiais e Tecnologias não Convencionais (ABMTENC, 2010). Pode-se dizer que os materiais de construção não- convencionais são ecologicamente corretos, pois: Tratam-se de materiais tradicionais disponíveis na natureza, muitos dos quais renováveis, e como no caso do aproveitamento dos resíduos, contribuem para livrar o ambiente de seu incômodo; Envolvem menor energia que os industrializados; Em geral são não poluentes; Muitos incorporam-se novamente à Natureza sem maiores danos; Podem ser obtidos em processos não centralizados; Podem gerar tecnologias apropriadas; Podem levar a um menor custo construtivo; Podem fazer uso intensivo de mão de obra; Podem ajudar na redução do problema da casa nos países em desenvolvimento.

22 O PAPEL Histórico O homem sempre utilizou os mais distintos meios de registrar seu cotidiano, conhecimentos e experiências adquiridas. Cada civilização possuía um meio de guardar suas informações. Os sumérios utilizavam o tijolo de barro, os indianos faziam livros de folhas de palmeiras, os maias e os astecas usavam cascas das árvores, romanos em tábuas, etc. Em 2200 a.c surgiu o papiro (Figura 1), que desenvolvido pelos egípcios, era fabricado a partir de plantas encontradas na margem do rio Nilo cuja fibras eram bastante resistentes. Após isso surgiu o pergaminho (Figura 2) era feito geralmente da pele de carneiro, e para cada livro era necessária a morte de vários animais (CALDEIRA, 2002). Figura 1 - Papiro. Fonte: Figura 2 - Pergaminho Fonte:

23 23 O papel atual surgiu na China no inicio do século II, através de um oficial da corte chinesa, a partir do corte de plantas, tecidos velhos e fragmentos de rede de pesca. A técnica baseava-se no cozimento de fibras, estendidas por martelo até se formar uma camada fina; posteriormente as fibras eram misturadas com água formando uma pasta e esta era posta em fôrmas e levadas para secar formando a folha celulósica (Figura 3). Dados históricos mostram que o papel foi muito difundido entre os árabes, e que foram eles os responsáveis pela instalação da primeira fábrica de papel na cidade de Játiva, Espanha, em 1150 após a invasão da Península Ibérica (CALDEIRA, 2002). Figura 3 - Processo de fabricação de papel na China século II Fonte: A partir do século XIX, inovações tecnológicas na fabricação de papel acarretaram a um aumento da oferta de papel para impressão de livros e jornais. Em 1845, o papel passou a ser feito principalmente de pasta de madeira (CALDEIRA, 2002). No Brasil, o papel começou a ser fabricado em 1809, no Rio de Janeiro. E chegou a São Paulo com o desenvolvimento industrial proporcionado pela vinda de imigrantes europeus para trabalhar na cultura do café. Em sua bagagem, eles trouxeram conhecimento sobre o processo de produção de papel. Hoje, vários Estados brasileiros produzem diferentes tipos de papel: papel-cartão, de embalagens, de imprimir e escrever, de imprensa e para fins sanitários, além dos especiais (BRACELPA, 2012) Conceito O papel é um material constituído por elementos fibrosos de origem vegetal, geralmente distribuído sob a forma de folhas ou rolos. Tal material é feito a partir de uma

24 24 espécie de pasta desses elementos fibrosos, secada sob a forma de folhas, que por sua vez são frequentemente utilizadas para escrever, desenhar, imprimir, embalar etc. Do ponto de vista químico, o papel se constitui basicamente de ligações de hidrogênio. (WIKIPÉDIA, 2012). O papel é um produto renovável, reciclável e biodegradável cujo ciclo de vida está diretamente relacionado ao meio ambiente. (BRACELPA, 2010). A matéria-prima básica da indústria papeleira é a celulose, obtida pelo beneficiamento da madeira e, também, de aparas (sobras) de papel geradas durante o processo industrial ou recuperadas após o consumo de produtos, além de outros materiais fibrosos. (BRACELPA, 2012). Para a fabricação de papel, as fibras vegetais necessitam de propriedades específicas, como alto conteúdo de celulose, baixo custo e fácil obtenção. O material mais usado é a polpa de madeira de árvores, principalmente de eucaliptos (tempo de crescimento) e pinus (devido à resistência, preço e comprimento da fibra). Os eucaliptos levam cerca de sete anos até ser colhido e o pinus leva aproximadamente quatorze anos para ser colhido. (WIKIPÉDIA, BRACELPA, 2012). No Brasil, 100% da produção de celulose e papel são originadas de florestas plantadas de eucalipto e pinus. Nessas florestas, as árvores são cultivadas em áreas específicas, com insumos de alta qualidade, e depois, colhidas para uso industrial. Em seguida, uma nova floresta é plantada perpetuando o ciclo plantio/colheita (BRACELPA, 2012). Segundo o Anuário Estatístico da ABRAF (2012), o Brasil possui aproximadamente 7 milhões de hectares de plantio de eucaliptos e pinus, sendo 74,8% de eucaliptos e 25,2% de pinus. De acordo com o Relatório Florestal (2011) destes 7 milhões de hectares 2,2 milhões são destinados à indústria de papel e celulose Tipos de papéis Para atender a ampla variedade de aplicações, os papéis possuem propriedades que variam consideravelmente de um tipo para outro, como dureza, resistência, durabilidade e características ópticas. (SALADO, 2006). A classificação dos tipos de papel é feita através de critérios relacionados a sua aplicação. Alguns exemplos, entre outros, são:

25 25 Papéis para a impressão em máquina: apresentam superfície áspera e são impróprios para a escritura manual, sendo usados na produção de jornais e livros; Papéis acetinados: estes papéis se tornam lisos e brilhantes por serem submetidos previamente à operação de calandragem ou passagem por cilindros. São empregados para a escrita; Papéis cartolina: são mais espessos e podem ser usados tanto na escrita quanto para embrulhos especiais; Papel-moeda: feito de fibras têxteis e é destinado à produção de dinheiro; Papel carbono: utilizado para cópias diretas por pressionamento da folha; Papel pintado: mais conhecido como papel parede e é utilizado em decoração de ambientes; Papel-filtro: é um tipo de papel muito poroso, usado para filtrar líquidos e na fabricação de coadores de papel; Papel crepom: usado na confecção de arranjos e enfeites, possui um aspecto enrugado; Papel fotográfico: uma de suas faces é revestida com material fotossensível; Papel vegetal: papel transparente usado para desenhos e projetos arquitetônicos; Papel-bíblia: muito fino, geralmente é usado em publicações de luxo e grandes volumes; Papel Kraft: é um papel pardo, utilizado na produção de papel ondulado e papelão; Papel semikraft: papel Kraft de qualidade inferior, oriundo da reciclagem; Papelão: é como um papel cartão de alta gramatura e resistência, na maioria dos casos fabricado a partir de aparas, material este que dá a sua coloração. Existe o papelão madeira, ou Paraná, o papelão cinza e o papelão laminado. Cada tipo de papel ainda é dividido numa série de categoriais, ou seja, papéis do mesmo tipo com qualidades finais diferentes, superiores e inferiores. Além disso, há papéis que diferem na sua cor, gramatura e espessura Reciclagem De acordo com a Associação de Normas Técnicas (ABNT), para ser considerado reciclado, o papel deve conter pelo menos 50% de fibras recuperadas (pós-consumo ou préconsumo) e, no mínimo, 25% de material pós-consumo. (BRACELPA, 2010).

26 26 A reciclagem envolve uma cadeia que começa na separação dos resíduos sólidos pelos cidadãos, passando pela coleta, triagem e preparação do material recolhido que, em seguida, é encaminhado à indústria para que seja transformado em nova matéria-prima. (BRACELPA, 2012). O volume de aparas transformadas no Brasil, em 2010, atingiu a marca de 4 milhões de toneladas. A taxa de recuperação volume de papel reciclado sobre o total de papel entrou no mercado brasileiro em 2010 foi de 44% e vem se mantendo estabilizada em torno de 45%. (BRACELPA, 2010). Ao chegar à fábrica, os fardos de papel descartado são misturados à água em um equipamento chamado hidrapulper- uma espécie de grande liquidificador-, formando uma espécie de pasta de celulose. Em seguida, essa pasta passa por uma peneira para que sejam retiradas impurezas, como: pedaços de papel não desejáveis, fitas, plásticos, etc. Na etapa seguinte são aplicados compostos químicos (água e soda cáustica) para a retirada de tintas. Uma depuração mais fina separa a areia. Ao passar por refinadores, a pasta é processada para que as fibras se abram um pouco mais, garantindo maior resistência. E finalmente a pasta é branqueada e segue para as máquinas de fazer papel (Figura 4). (BRACELPA, 2012). Na fabricação de uma tonelada de papel, a partir de papel usado, o consumo de água é muitas vezes menor e o consumo de energia é cerca da metade. Economizam-se 2,5 barris de petróleo, 98 mil litros de água e 2500 kw/h de energia elétrica com uma tonelada de papel reciclado. (AMBIENTE, 2011).

27 27 Figura 4 - Processo de reciclagem. Fonte: 4.3 O PAPEL COMO MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Construções com o papelão A aplicação do papel no setor da construção civil é considerada uma técnica inovadora e ainda encontra-se em fases de testes para verificar os efeitos que o papel pode sofrer ficando exposto as oscilações do tempo. O intuito destas pesquisas é utilizar o papel como material alternativo nas construções futuras, porque este material é oriundo de reciclagem, podendo voltar a ser reciclado diversas vezes, além disso, é fácil de ser encontrado, evitando o desperdício no canteiro de obras e gerando o mínimo de resíduos, sendo técnica e ecologicamente mais viável que os materiais convencionais. (BAHIA et al, 2011) O papelão é um tipo mais grosso e resistente de papel, geralmente utilizado na fabricação de caixas, podendo ser liso ou enrugado. É produzido dos papéis compostos por

28 28 fibras da celulose, que são virgens ou reciclados. O papelão é um dos materiais mais procurados para o processo de reciclagem, gerando toda uma indústria deste processo, desde a sua coleta, até sua logística e reprocessamento na indústria de produção de papelão. O tipo mais comum de papelão é o papelão ondulado que é constituído por três elementos: camada externa, miolo e camada interna (Figura 5). São cortadas e moldadas em uma variedade infinita de formas e tamanhos para transformarem-se em caixas e outros. Estas três camadas básicas de papel são montadas em uma maneira que dê a estrutura total uma resistência melhor do que aquela de cada camada distinta. Esta construção engenhosa dá forma, fixa as dimensões de uma série dos arcos conectados levando a não só a geometria ter maior resistência a flexão, tenho rigidez a resistência consideráveis, mas até suporte de pesos sobre sua superfície. (BAHIA et al, 2011). Figura 5 Camadas de Papelão. Fonte: A partir da metade do século XIX, o papelão é visto como um possível material construtivo, tenta-se empregá-lo na construção de casas, abrigos e outras edificações. Estudantes, pesquisadores e profissionais passaram a buscar neste material algumas vantagens e a possibilidade de uma construção rápida, leve, barata e que atendesse às necessidades de cada ocasião. Como resultado, embora este não seja um material dos mais utilizados na construção civil, o papelão pode ser empregado na forma de chapas, painéis tipo colmeia e, finalmente, elementos tubulares. (SALADO, 2006). Segundo Minke (1980), os primeiros projetos a utilizarem o papelão em construções o fizeram na forma de chapas. Na maioria dos casos, estes eram pequenos protótipos de casas ou abrigos desenvolvidos para estudos ou construções temporárias. (SALADO, 2006). Dentre vários protótipos elaborados na época, alguns são citados.

29 29 A construção de um abrigo emergencial de planta circular que foi desenvolvido com painéis plastificados de papelão. A Container Corporation of America, sediada em Chicago (Figura 6), utilizou 24 painéis grampeados uns aos outros. (MINKE, 1980). Figura 6 - Abrigo emergencial, Chicago. Fonte: Minke, 1980, p.52. Richard Buckminster Fuller na universidade de McGill, em Montreal, junto com alguns estudantes construiu uma estrutura geodésica de 9,5 m de diâmetro, com chapas de papelão em formato de losangos (Figura 7). (MINKE, 1980). Figura 7 - Construção com chapas de papelão elaboradas por Richard Fuller, Montreal. Fonte: MINKE, 1980, p.52. Os tubos de papelão já são fabricados no Brasil há muitos anos e empregados como formas para pilares de concreto cilíndricos ou de outros formatos, como retangulares ou hexagonais. Estes tubos são feitos de papel kraft ou semi-kraft, de diversas gramaturas, enrolados no sistema espiral (Figura 8).

30 30 Figura 8 - Tubos de papelão. Fonte: A atratividade em se utilizar tubos de papelão na construção civil se dá por estes serem baratos, facilmente recolocados e substituídos quando danificados, de baixa tecnologia, para manterem sua cor natural e não gerarem desperdício. Além disso, podem ser reciclados ou reutilizados, caso estejam em perfeitas condições de uso. (McQUAID, 2003). O primeiro experimento feito com tubos de papelão surgiu em 1970 nos EUA, onde o engenheiro estrutural Led Zetlin construiu uma ponte para a International Paper Company (Figura 9). (MINKE, 1980). Figura 9 - Pontes feitas de tubos de papelão, EUA. Fonte: Minke, 1980, pág. 52. Em 1976, Rensselaer Polytechnic Institute, Nova Iorque, Martin Pawley fez uma construção de 60 m² utilizando tubos de papelão de 10 cm de diâmetro (Figura 10), preenchidos internamente com latas e garrafas. (MINKE, 1980).

31 31 Figura 10 - Construção de Martin Pawley, EUA. Fonte: Minke, 1980, pág. 56. No Reino Unido, em 2000, com o intuito de mostrarem às pessoas que era possível fazer uma arquitetura de boa qualidade com materiais não refinados, Philip Gumuchdjian e Stephen Spence, construíram um espaço de exposições de 1500 m² feito quase que inteiramente com tubos de papelão reciclados (Figura 11). (HART, 2000). Figura 11 - Construção da Shared Ground. Fonte: Hard, 2000, p Em 2002, na Inglaterra foi construído um anexo escolar que possui componentes de papelão em sua estrutura e vedação, esta obra foi considerada a primeira obra permanente em tubos de papelão da Europa (Figura 12). (SLESSOR, 2002).

32 32 Figura 12 - Clube de música pós-aula construído com tubos de papelão, Inglaterra. Fonte: Slessor, 2002, pág. 57. Há mais de duas décadas o arquiteto japonês chamado Shigeru Ban projeta e elabora obras tendo o papelão como principal material para as suas construções (Figura 13), ele já implantou suas obras em várias partes do mundo, como Japão, Índia, Turquia, França, EUA, Alemanha e Ruanda. Em algumas de obras o arquiteto utiliza tubos de papelão apenas para vedação ou estrutura e, em outras, para ambas as funções. Shigeru Ban não gosta de desperdício e defende e promove a reciclagem como uma solução pós-tecnologia e pósindustrial. E além de ser especialmente preocupado em usar os materiais com sensibilidade ecológica, ele gosta de fazê-lo para atender aos ricos e aos pobres. (BERET; PENWARDEN, 2000). Em suas obras, Ban mantém as características simples do tubo de papelão, utilizando-o oco e com tratamento contra a ação do fogo e umidade, e aumenta as suas qualidades básicas para gerar um material estrutural com resistência satisfatória. (SALADO, 2006). Para que o arquiteto pudesse gerar sistemas estruturais com tubos de papelão, foi necessário conhecer as características técnicas do material. Ban realizou alguns ensaios em laboratório e identificou que os tubos de papelão que ele utilizava resistem a cerca de 10MPa quando submetidos a esforços de compressão e a cerca de 15MPa quando submetidos à flexão. (McQUAID, 2003). Residências, escritórios, pavilhões e passarelas (pequenas pontes) são exemplos do que ele já fez com papel. Mas não só papel: ele também utiliza plástico reciclado, lona,

33 33 containers, bambu, laminados, etc. Shigeru Ban também é conhecido por seu trabalho social. Casa de papel de baixíssimo custo para abrigar as vitimas de furações e tendas emergenciais feitas de lona para campos de refugiados são alguns exemplos de sua arquitetura social e ecologicamente responsável. (MOURA, 2013). Figura 13 - Shigeru Ban e suas obras. Fonte: No Brasil, a pesquisadora do papelão como material alternativo na construção civil é a Dra. Gerusa Salado que é professora de arquitetura e urbanismo da USP de São Carlos (Figura 14). Em uma entrevista concedida ao programa Globo Ciência da emissora Rede Globo, a professora Gerusa diz que cerca de dez anos pesquisou sobre materiais alternativos para a construção civil e após tomar conhecimento das obras do arquiteto japonês Shigeru Ban resolveu fazer pesquisas relacionadas aos tubos de papelão para a construção de casas. Salado enfatiza que o Brasil é o quarto produtor de celulose e o décimo produtor mundial de papel e que o nosso país possui matéria abundante e que com a reciclagem do material, ele se torna bastante atrativo do ponto de vista da sustentabilidade ambiental. (GLOBO CIÊNCIA, 2013). O papelão, além do fato de poder ser reciclado várias vezes, não precisa de um grande processo de transformação para a reciclagem. Basta triturá-lo e misturar com água afirma a doutora da EESC Gerusa Salado. (SENA, 2011).

34 34 Figura 14 - Tubos de papel utilizados pela professora Gerusa Salado em seu projeto. Fonte: De acordo com Gerusa Salado, a casa de papelão é feita com papelão em formato tubular e este formato agrega extrema resistência a este material, este sistema construtivo que está sendo desenvolvido pode deixar tranquilo qualquer pessoa que quiser morar nela afirma a pesquisadora. A fundação da casa é superficial e sobre ela são aparafusadas peças de argamassa pré-fabricadas e reforçadas internamente com peças metálicas, nestas peças são encaixadas os painéis de papelão cada painel é composto de por um conjunto de tubos que apresenta 1,20 m de comprimento e 2,40 m de altura e é reforçado por um fio metálico que o percorre por inteiro, acima destes painéis são encaixadas peças de argamassa iguais as que prendem a estrutura da fundação (Figura 15). A casa de papelão por ser pré-fabricada e é de fácil montagem e pode ser erguida em poucos dias (Figura 16). Com relação às intempéries, Salado afirma que a casa é toda protegida com resinas impermeabilizantes adequadas e em ambientes internos não há a necessidade de se utilizá-los, porém em ambientes externos é fundamental a utilização da resina e que esta contenha filtro solar. Em relação ao fogo, ela alerta que o material ainda precisa ser avaliado em relação ao tempo que o papelão pode levar para ser incinerado, e também precisa verificar a possibilidade de o fogo pode se extinguir sozinho, os testes são realizados em laboratório e seguem normas técnicas nacionais e/ou internacionais. (SENA, 2011).

35 35 Figura 15 - Fases da construção da casa de papelão. 1-Tubos e os moldes de argamassa; 2- Peças metálicas; 3- Painel de papelão; 4-Painel encaixado no molde [Editado pelo autor]. Fonte: Figura 16 - Casa feita de papelão elaborada pela professora Gerusa Salado. Fonte: Dentre as vantagens de se utilizar este sistema construtivo é a rapidez de construção, leveza (dispensando a fundação complexa) e facilidade de transporte e manuseio, é possível desmontar este sistema para poder utilizá-lo em outros locais e com outras funções, questões estéticas, o tubo de papelão não entra em colapso quando é submetido à cargas (deformar-se).

36 36 Além disso, os tubos de papelão são ocos, facilitando a instalação dos sistemas hidráulicos e elétricos, não havendo necessidade de quebrar paredes e o processo construtivo é limpo e salubre (saudável) ressalva Salado. (SENA, 2011). Há algumas desvantagens neste sistema construtivo das quais podemos citar: o papelão possui baixa resistência mecânica (flexão) e por isso, as coberturas devem ser leves; para reforçar pontos de apoio e aliviar as tensões geradas por esforços de cisalhamento deve-se usar peças de ligação feita de outros materiais; a falta de normas técnicas específicas dificulta a realização de ensaios técnicos e estudos buscam um tratamento eficiente contra a absorção de umidade. (SALADO, 2006) Tijolo de papel Um dos materiais mais importantes nas construções, o tijolo, agora, pode ser feito de papel. É o que demonstra uma pesquisa realizada pelo professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília (FAU/UnB) Márcio Buson. O especialista criou um bloco compactado feito a partir da mistura de terra com as fibras das embalagens de cimento, o papel Kraft (Figura 17). Basicamente, eu pego o solo e incorporo essas fibras para formar o composto. Depois, estabilizo com um pouco de cimento para melhorar as propriedades finais do material explica o professor Buson. (ALEGRIA, 2010). Figura 17 Tijolos Krafterra. Fonte: Apelidado de krafterra, o tijolo é apontado por pesquisadores da UnB como alternativa viável para a construção civil e uma boa maneira de reaproveitar os sacos de cimento, considerados altamente poluentes. O saco de cimento é um resíduo que não é

37 37 absorvido em nenhum processo de produção. Agregado à fabricação do krafterra, ele é muito bem-vindo aponta Raquel Naves Blumenschein, professora da FAU/UnB e coordenadora do Laboratório do Ambiente Construído, Inclusão e Sustentabilidade (Lacis). (ALEGRIA, 2010). A fabricação do krafterra é composta por cinco etapas. Primeiro os sacos de cimento são limpos para que os resíduos não causem danos ao equipamento. O papel Kraft é posto então em água e agitado até formar uma polpa de celulose. Depois, o excesso de umidade é retirado, a celulose triturada e, em seguida, compactada com o cimento. (CORTEZ, 2010). A técnica utilizada pelo professor na criação do bloco é semelhante a do Bloco de Terra Compactada (BTC). Segundo o empresário do ramo da construção sustentável e revendedor de máquinas para a produção de BTC, Carlos Prata, o material é utilizado principalmente na construção de casas populares, por ser mais econômico. O BTC é criado a partir da compactação de uma porção de solo junto a outros aditivos. Sua forma mais popular é o solo-cimento, que consiste numa mistura de 88% de terra e 12% de cimento. A diferença entre o krafterra e o BTC é que parte do cimento, cerca de 6%, é substituída pela fibra de papel Kraft. Esta substituição já garante uma economia na fabricação do bloco, finaliza Buson. O experimento passou por testes de resistência à impactos e ao fogo e alguns resultados foram inesperados. Comparando o BTC com o krafterra com relação à resistência constatou-se que nos testes de resistência à impactos e ao fogo, o krafterra teve melhor desempenho que o BTC (Figura 18). Nos testes de compressão simples, em que uma força é aplicada sobre uma parede do material, e o de compressão diagonal, em que o impacto é colocado nas pontas, o krafterra apresentou resultado surpreendente em relação ao BTC, explica o professor. Com relação à flexibilidade, o krafterra mostrou-se superior ao BTC. Por contas das fibras, o tijolo krafterra deformou-se preservando sua estrutura e no BTC houve uma ruptura brusca (Figura 19). Com relação à resistência ao fogo, Devido à presença da fibra do papel, acreditávamos que o krafterra poderia não apresentar esta resistência ao calor. No entanto, os valores apresentados o qualificam inclusive como um material corta-fogo, comenta Buson. (CORTEZ, 2010).

38 38 Figura 18 - Comparativo da resistência do BTC e krafterra. Fonte: Apoena Pinheiro/UnB Agência. Figura 19 - Comparativo o BTC e karfterra com relação à flexibilidade. Fonte: Apoena Pinheiro/UnB Agência. Porém, nos testes de absorção de água, o produto apresentou cerca de 7,6% mais absorção que o tijolo comum. De acordo com Buson, esse aspecto torna a construção mais suscetível a infiltrações. A solução achada, então, foi a adição da seiva da babosa à composição. A seiva diminuiu a absorção de água pelo material em 6%, em comparação ao tijolo de solo-cimento. Isso demonstra que a técnica é versátil, pois permite a modificação das características do material por meio da adição de outras substâncias, observa. (ALEGRIA, 2010). Apesar dos testes com o krafterra, Buson ressalta que ainda é cedo para a utilização da tecnologia na construção. A próxima etapa agora é avaliar o comportamento do krafterra em canteiro experimental. Uma coisa é o teste de laboratório do material, outra coisa é você testar uma construção feita com este material, aponta Buson que pretende testar o material em um canteiro experimental. (CORTEZ, 2010). A maior vantagem do krafterra na opinião dos pesquisadores é o fato de ele ajudar na preservação do meio ambiente. Isso porque evita que a embalagem de cimento seja jogada no lixo. Não há um descarte correto para esses sacos, que acabam indo para aterros e lixões, comprometendo a qualidade do solo e da água e até obstruindo bueiros, explica Raquel Blumenschein. (ALEGRIA, 2010).

39 39 Os tradicionais tijolos de cerâmica enfrentam críticas ambientais porque seu processo de queima emite gases poluentes. Roberto Cláudio Pereira, diretor da empresa Tijol-Eco, explica que o diferencial desses tijolos está na produção e ressalta que o mercado dos produtos sustentáveis irá crescer em grande escala. Os tijolos ecológicos irão substituir a antiga alvenaria. São vantajosos porque não usam o processo de queima e ficam em torno de 40% a 50% mais baratos do que os tradicionais de cerâmica, diz. (JALOWITZKI, 2012). O próximo passo da pesquisa é analisar como o material se comporta em uma casa real. Os pesquisadores da UnB vão construir e analisar uma casa de 50 m² com o material. Recomendo que as pessoas usem o krafterra, mas sempre lembro que eu ainda não consegui fazer testes com um protótipo de uma construção em escala real, deixada ao sol, explica Buson. Em 2012, o tijolo recebeu menção honrosa na Bienal Ibero-Americana de Design de Curitiba, reconhecimento este que Márcio Buson comemora. (SILVA, 2013). A ideia de se criar um tijolo tendo o papel como constituinte também está sendo pesquisado na Espanha. Os pesquisadores da Universidad de Jaén, na Espanha, estão desenvolvendo um protótipo de tijolo composto por uma mistura de argila com resíduos de celulose. O resultado é um bloco resistente, de baixa condutividade térmica, com qualidades isolantes, econômico e de baixo impacto ao meio ambiente. Com o aumento e resíduos da indústria papeleira, os pesquisadores resolveram introduzi-lo no material cerâmico (Figura 20). (CABEZAS, 2013). Figura 20 - Processo de fabricação do tijolo (protótipo). Fonte:

40 40 Outra vantagem de se adicionar resíduos aos protótipos de tijolos é que eles fornecem energia devido à presença de matéria orgânica. Isto pode ajudar a reduzir o consumo de combustível e o tempo de cozimento necessário para sua produção. O método de fabricação consiste em criar uma massa composta por argila e os resíduos de celulose que, através do processo de pressão e extrusão mecânica, resultam no protótipo de 3x1x6cm (Figura 21). Foram feitos testes com tijolos maiores, obtendo resultados similares quanto às suas propriedades de resistência e isolamento. (CABEZAS, 2013). Figura 21 - Tijolos feitos à base de papel. Fonte: Apesar de possuírem menor resistência mecânica à compressão que os blocos cerâmicos tradicionais e ainda existirem algumas dificuldades no processo de fabrico quando utilizadas altas percentagens de incorporação de resíduos, estes novos blocos apresentam vantagens inegáveis a nível econômico e ambiental afirma Carmem Martínez, uma das investigadoras do Departamento de Engenharia Química, Ambiental e de Materiais da Universidade de Jaén. (TRINDADE, 2013) Forro feito de papel Os formandos no curso técnico em construção civil Edificações do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) João Martins Coube, de Bauru, desenvolveram um forro utilizando sacos de cimentos vazios. Esta inovação promete ser uma alternativa tanto no aproveitamento sustentável dos materiais quanto do impulso econômico para diferentes setores. (BELTRAMIN, 2010). A inovação batizada como Forreco (Forro+ecológico), baseia-se na produção de placas para forro concebidas a partir da reciclagem do papel dos sacos de cimentos vazios. O

41 41 material é um dos principais itens de lixo nas construções e é de reciclagem considerada praticamente inviável economicamente. (BELTRAMIN, 2010). Figura 22 - Sacos de cimento. Fonte: O saco de cimento é um material que se decompõe lentamente, e quando inserido de forma inadequada no meio ambiente, polui o ar e lençóis freáticos pela presença de resíduos do cimento em pó (Figura 22). A iniciativa deste projeto é de cunho socioeconômico, defendem os idealizadores, professores e direção da escola. Além do caráter ecológico, também há o foco social, destaca Ademir Redondo, diretor do Senai de Bauru. Proporcionaríamos material de custo menor, com a possibilidade da implantação do forro até mesmo dos empreendimentos mais populares, enaltece o aluno Cosme Cipriano, autor do projeto ao lado dos colegas Eliane Regina Ariosi Campos, Michel Lucas Medeiros e Gildo Bonfim da Silva. (BELTRAMIN, 2010). Para fazer a placa de forro, após a coleta, os sacos de cimento são picotados, a princípio, em uma máquina trituradora inventada pelos alunos do Senai de Bauru. Em seguida, as pequenas tiras são acomodadas em um recipiente onde são encharcadas com água. Após passar por centrifugação, o composto é acondicionado em formas retangulares, para moldagem de placas com espessura que varia de 10 e 13 centímetros. Depois da secagem, a placa de forro passa pelo processo de acabamento, que pode ser feito com tinta ou massa corrida (Figura 23). Com relação à resistência do forro, o professor do curso Luiz Antônio Branco afirma que as placas são duráveis e resistentes. Elas são reforçadas por fibras

42 42 formadas pela própria permanência de resto de cimento junto ao papel. (BELTRAMIN, 2010). Figura 23 - Forreco. Fonte: Senai Bauru. A ideia é que alguma indústria de grande porte no setor da construção civil incorpore essa ideia. Em escala industrial, a fabricação do forro será muito rápida e econômica. Muitas empresas têm encargos ambientais e somente essa iniciativa cobriria muitos deles, acredita o professor Luiz Antônio. (BELTRAMIN, 2010) Telha feita de papel As telhas, um produto tão emblemático da construção civil, começam a embarcar no reaproveitamento de materiais, o que poderá mudar seu conceito produtivo com o passar dos anos e a evolução da tecnologia. A telha ecológica surgiu na França em 1944, por conta das necessidades criadas pela Segunda Guerra Mundial, mas só apareceram no Brasil em 1997 e, mesmo assim, com peças importadas da Europa (Figura 24). Algumas empresas começaram a pôr em prática ideias e tecnologias para o seu desenvolvimento, e hoje já é possível encontrar peças produzidas a partir de materiais como papel, jornal, Tetra Pak, entre outros todos com potencial de reciclagem muito grande, depositados desordenadamente na natureza e que durariam anos para se decompor, o que gera uma poluição visual e ambiental gigantesca. (PAREDES, 2011).

43 43 Figura 24 - Telhas ecológicas. Fonte: A telha feita de fibra vegetal é uma grande aposta ecológica para o setor de construção. Ela é feita com papel. De cada nove telhas fabricadas, uma árvore deixa de ser cortada, estima a supervisora de Marketing e Aplicações, Ana Carolina, uma das empresas que comercializam o produto. (ROSA, 2012). A telha de fibra vegetal tem vida útil de aproximadamente 25 anos. Ela cobre cerca de 1,5 metros e aguenta 100 quilos, assegura a supervisora de Marketing e Aplicações da Onduline, Ana Carolina. Cada peça custa em média R$ 30. A representante da empresa diz que o grande diferencial da telha é a questão ecológica. Ela é feita de papel reciclado, isso lhe dá leveza e a torna fácil de manusear. Além disto, ela é termoacústica e impermeabilizada, diz. Apesar do crescimento e do desenvolvimento do produto, essas telhas representam apenas 1%, sendo a porcentagem dominada por modelos mais tradicionais, como os de alumínio ou barro, além dos de fibrocimento, enfatiza Ricardo Bressiani, diretor executivo da Onduline. (ROSA, 2012). O nordeste brasileiro se destaca como um de seus principais mercados consumidores. Por ser uma região extremamente quente, este produto é muito instalado em barracões para a criação avícola e suína (Figura 25). Além disso, o governo baiano está incentivando o uso de materiais ecologicamente corretos em suas obras, relata Renato Borra, técnico especializado no produto, da Tecolit, empresa que chega a produzir aproximadamente 40 mil telhas por

44 44 mês. Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul também utilizam bastante esse tipo de cobertura, afirma Rosana da Silva, do Projeto Vira Lata. Além de atender ao mercado interno, o Brasil também se tornou um exportador desse tipo de telha. Praticamente toda a produção da fábrica brasileira, situada em Juiz de Fora, é exportada para a Rússia e Ucrânia, relata Bressiani. Turquia e Venezuela também são consumidores do material. (PAREDES, 2011). Atualmente, mais de cinquenta países comercializam a telha de fibra vegetal, entre eles Rússia, Turquia, toda América Latina e EUA. A Rússia é sua maior consumidora. (ROSA, 2012). Figura 25 - Galpão com a telha Tecolita. Fonte: O processo de fabricação da telha é o seguinte: A matéria-prima (aparas de papel) é analisada pelo tipo e a partir de amostras são feitos testes laboratoriais para garantir a qualidade do produto final e, em seguida, é feito todo o processo de reciclagem (citado anteriormente na Figura 4). Posteriormente o material segue para uma mesa, onde toda a água é retirada e recuperada, seguindo somente as fibras vegetais para receber a resina e os pigmentos que darão cor às telhas. Neste ponto a manta é ondulada e segue para o secador. Então, a telha já colorida é cortada no tamanho final e depois segue para a etapa seguinte na qual é utilizado outro resíduo industrial: o betume. (ONDULINE, 2012). O betume é um subproduto do refino do petróleo, o asfalto, passa por um controle de qualidade e segue para a impregnação na telha. O asfalto impregnado confere à telha três características importantes: impermeabilidade permanente, resistência e isolamento acústico. Depois do produto finalizado é feito o teste de resistência mecânica (Figura 26). (ONDULINE, 2012).

45 45 As telhas tradicionais da Onduline possuem dimensões de 2,00 x 0,95 m e as telhas tradicionais da Tecolit possuem dimensões de 1,60 x 0,80 m. (ONDULINE; TECOLIT, 2012). No Brasil, a fábrica da Onduline segue o padrão de qualidade Europeu, certificado com o selo ISO 9001:2000 que garante a excelência no gerenciamento da produção de telhas e cumeeiras e também no processo de distribuição. A produção é certificada também pela ABNT por estar de acordo com a EM 534:2006, norma europeia de fabricação das telhas de fibras vegetais. (ONDULINE, 2012). Figura 26 - Telha Onduline. Fonte: O processo de instalação da telha ecológica Onduline consiste em: 1. Escolher a inclinação, a empresa recomenda a inclinação do telhado em 27%. Nunca instalar com inclinação inferior à 18% (Figura 27). Figura 27 - Inclinação da telha Onduline. Fonte: 2. Fazer o espaçamento, onde a distância entre os ripões deverá ser de 45 cm e de 1 m entre os caibros (Figura 28).

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc.

Papel. Etapa 6- Esta etapa trata-se do papel sendo utilizado por seus consumidores em diversas formas, como em livros, cartas, jornais, etc. Ciclo de Vida Papel Há divergência quanto ao período de surgimento do papel, pois foi um processo que foi sendo desenvolvido ao longo dos anos, porém há registros deste sendo utilizado primeiramente pelos

Leia mais

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO

SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO SISTEMAS CONSTRUTIVOS Professor:Regialdo BLOCOS DE CONCRETO CONCEITO A tipologia estrutural composta por bloco, argamassa, graute e eventualmente armações é responsável por um dos sistemas construtivos

Leia mais

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC.

Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Empresa jovem e 100 % nacional, a Bazze está sediada em PORTÃO RS e é referência na extrusão de perfis em PVC. Comprometida com a qualidade e o desenvolvimento dos nossos produtos investimos continuamente

Leia mais

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE

ALVENARIA ESTRUTURAL: DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE ALVENARIA ESTRUTURAL: BLOCOS DE CONCRETO DISCIPLINA: MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II PROF.: JAQUELINE PÉRTILE O uso de alvenaria como sistema estrutural já vem sendo usado a centenas de anos, desde as grandes

Leia mais

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil

Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a. sustentabilidade da construção civil Sistemas construtivos à base de cimento. Uma contribuição efetiva para a sustentabilidade da construção civil A CONSCIÊNCIA AMBIENTAL É TEMA DESTE SÉCULO, E PORQUE NÃO DIZER DESTE MILÊNIO REDUZA REUTILIZE

Leia mais

concreto É unir economia e sustentabilidade.

concreto É unir economia e sustentabilidade. concreto É unir economia e sustentabilidade. A INTERBLOCK Blocos e pisos de concreto: Garantia e confiabilidade na hora de construir. Indústria de artefatos de cimento, que já chega ao mercado trazendo

Leia mais

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK.

PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. PLACAS E TELHAS PRODUZIDAS A PARTIR DA RECICLAGEM DO POLIETILENO / ALUMÍNIO PRESENTES NAS EMBALAGENS TETRA PAK. Mario Henrique de Cerqueira Engenheiro de Desenvolvimento Ambiental - Tetra Pak 1. Introdução

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Sistemas da edificação Aplicação na prática

Sistemas da edificação Aplicação na prática 1 Vantagens Alta produtividade com equipes otimizadas; Redução de desperdícios e obra limpa; Facilidade de gerenciamento e padronização da obra; Elevada durabilidade; Facilidade de limpeza e conservação;

Leia mais

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO

BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO BLOCOS DE VEDAÇÃO COM ENTULHO 2 nd International Workshop on Advances in Cleaner Production Orientadora: Profª.Dra. Ana Elena Salvi Abreu, Ricardo M. a ; Lopes, Ricardo W. b ; Azrak, Roberto c a. Universidade

Leia mais

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO

ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO ESTRUTURAS MISTAS: AÇO - CONCRETO INTRODUÇÃO As estruturas mistas podem ser constituídas, de um modo geral, de concreto-madeira, concretoaço ou aço-madeira. Um sistema de ligação entre os dois materiais

Leia mais

Soluções sustentáveis para a vida.

Soluções sustentáveis para a vida. Soluções sustentáveis para a vida. A Ecoservice Uma empresa brasileira que está constantemente em busca de recursos e tecnologias sustentáveis para oferecer aos seus clientes, pessoas que têm como conceito

Leia mais

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME

PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME PADRONIZAÇÃO DE PAINÉIS EM LIGHT STEEL FRAME ANITA OLIVEIRA LACERDA - anitalic@terra.com.br PEDRO AUGUSTO CESAR DE OLIVEIRA SÁ - pedrosa@npd.ufes.br 1. INTRODUÇÃO O Light Steel Frame (LSF) é um sistema

Leia mais

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012

Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Projeto Aceleração de Negócios FACCAMP 2012 Objetivos e Metas Alavancar a empresa de uma forma sustentável, não apenas ambiental mas financeiramente. Introdução Histórico Tijolo Muralha da China construída

Leia mais

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I

Textos de apoio. Ciências. Ensino Fundamental I Textos de apoio Ciências Ensino Fundamental I 1 Latas de aço O mercado para reciclagem No Brasil, assim como no resto do mundo, o mercado de sucata de aço é bastante sólido, pois as indústrias siderúrgicas

Leia mais

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO

XXXV ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO COMPARAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO TIJOLO DE SOLO-CIMENTO INCORPORADO COM RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL PROVENIENTES DE CATAGUASES - MG E O RESÍDUO DE BORRA DE TINTA PROVENIENTE DAS INDÚSTRIAS PERTENCENTES

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca.

Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Não compreendo civilização sem papel. Ele se presta aos mais tristes e ignóbeis fins, mas isso não lhe macula a honra intrínseca. Carlos Drummond de Andrade ORIGENS SUPORTE Antes do papel, o suporte da

Leia mais

Guia de tendas sustentáveis

Guia de tendas sustentáveis Guia de tendas sustentáveis JUNHO 2014 1 2 3 4 5 6 Introdução... 4 Contextualização das tendas... 6 Composição da tenda... 8 3.1 Material estrutural... 8 3.1.1 Material estrutural convencional... 8 3.1.2

Leia mais

Parede de Garrafa Pet

Parede de Garrafa Pet CONCEITO As paredes feitas com garrafas pet são uma possibilidade de gerar casas pré fabricadas através da reciclagem e é uma solução barata e sustentável. As garrafas pet são utilizadas no lugar dos tijolos

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA

ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA ESTUDO PARA IMPERMEABILIZAÇÃO NA INTERFACE ESTRUTURA METÁLICA E ALVENARIA Joel Henrique Rohr 1 Resumo: Uma das patologias existentes na construção civil são as infiltrações. Um dos pontos críticos das

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO

INSTITUTO ALGE DE CAPACITAÇÃO PROFISSIONAL JANILSON CASSIANO CONSTRUINDO NO SISTEMA (CES) LIGHT STEEL FRAMING O sistema Light Steel Frame é caracterizado por um esqueleto estrutural leve composto por perfis de aço galvanizado que trabalham em conjunto para sustentação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água.

PALAVRAS CHAVE: Tijolos de solo-cimento, rochas ornamentais, absorção de água. ESTUDO DO FATOR ÁGUA/CIMENTO PARA A CONFECÇÃO DE TIJOLOS ECOLÓGICOS DE SOLO-CIMENTO INCORPORADOS COM RESÍDUOS GERADOS NO BENEFICIAMENTO DE ROCHAS ORNAMENTAIS Natália de Oliveira SANTIAGO 1, Djane de Fátima

Leia mais

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis

A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis Engenharia A Engenharia Civil e as Construções Sustentáveis A construção sustentável é um novo conceito que está surgindo dentro da engenharia civil. A construção sustentável além de tornar a obra ecológica,

Leia mais

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua

TIPOS DE ESTRUTURAS. Prof. Marco Pádua TIPOS DE ESTRUTURAS Prof. Marco Pádua A função da estrutura é transmitir para o solo a carga da edificação. Esta carga compõe-se de: peso próprio da estrutura, cobertura, paredes, esquadrias, revestimentos,

Leia mais

Elementos Estruturais de Concreto Armado

Elementos Estruturais de Concreto Armado UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Escola de Minas DECIV Técnicas Construtivas Elementos Estruturais de Concreto Armado Prof. Guilherme Brigolini Elementos Estruturais de Concreto Armado Produção de

Leia mais

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil

Conceito AULA 4. Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil Escola Politécnica Universidade Federal da Bahia Tecnologia da Construção Civil AULA 4 Gesso Acartonado Prof. Dr. Luiz Sergio Franco Escola Politécnica da USP Dep. de Engenharia de Construção Civil Construção

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL

ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL ENSINO DE QUÍMICA: VIVÊNCIA DOCENTE E ESTUDO DA RECICLAGEM COMO TEMA TRANSVERSAL MENDONÇA, Ana Maria Gonçalves Duarte. Universidade Federal de Campina Grande. E-mail: Ana.duartemendonca@gmail.com RESUMO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil

Materiais de Construção Civil. Aula 07. Gesso para Construção Civil Materiais de Construção Civil Aula 07 Gesso para Construção Civil Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Gesso para Construção Civil O gesso é um mineral aglomerante produzido a partir da calcinação da gipsita,

Leia mais

Técnicas da Construção Civil. Aula 02

Técnicas da Construção Civil. Aula 02 Técnicas da Construção Civil Aula 02 Necessidades do cliente e tipos de Estruturas Taciana Nunes Arquiteta e Urbanista Necessidades do Cliente Função ou tipo de edificação? Como e quanto o cliente quer

Leia mais

Embalagem Cartonada Longa Vida

Embalagem Cartonada Longa Vida Embalagem Cartonada Longa Vida 1) Objetivo Geral Saber mais sobre a embalagem cartonada e a conservação de alimentos. 2) Objetivo Específico Adquirir conhecimentos sobre a reciclagem da embalagem e seus

Leia mais

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental

Eco Houses / Casas ecológicas. Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental Eco Houses / Casas ecológicas Juliana Santos Rafaela Castilho Sandra Aparecida Reis Sislene Simões Curso:Tecnologia em Gestão Ambiental IDHEA - INSTITUTO PARA O DESENVOLVIMENTO DA HABITAÇÃO ECOLÓGICA Conceito:

Leia mais

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes

Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica - estudo de caso: a ampliação do Cenpes UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL - PROPEC Processo de seleção de materiais em uma construção sustentável em estrutura metálica

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Aço. o desafio da sustentabilidade

Aço. o desafio da sustentabilidade Aço o desafio da sustentabilidade Conteúdo extraído do Relatório de Sustentabilidade 2014 da ArcelorMittal, disponível em corporate.arcelormittal.com/sustainability/2014-report Editado pela Comunicação

Leia mais

Processo de fundição: Tixofundição

Processo de fundição: Tixofundição Processo de fundição: Tixofundição Disciplina: Processos de Fabricação. Professor Marcelo Carvalho. Aluno: Gabriel Morales 10/44940. Introdução O processo de fabricação conhecido como fundição pode ser

Leia mais

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém

ESTRUTURA L va v ntando o s s pain i éis i s que c ontém O PVC E O SISTEMA ROYAL É leve (1,4 g/cm3), o que facilita seu manuseio e aplicação; Resistente à ação de fungos, bactérias, insetos e roedores; Resistente à maioria dos reagentes químicos; Bom isolante

Leia mais

SUSTENTABILIDADE 2014

SUSTENTABILIDADE 2014 SUSTENTABILIDADE 2014 Rutivo de no CONSTRUIR, PLANTAR E TRANSFORMAR Nosso objetivo vai além de ser responsável pelo processo construtivo de nossas obras, procuramos estimular e disseminar o conceito de

Leia mais

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes

Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Estudo comparativo de tintas e vernizes na flexografia: curável por raios ultravioletas e à base de solventes Ana Paula Alves da Silva 1, a, Aline Resmini Melo 1,b, Carolina Resmini Melo 1,c. 1 Engenharia

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96

RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 RESOLUÇÃO N o 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 Publicada no DOU nº 136, de 17/07/2002, págs. 95-96 Correlações: Alterada pela Resolução nº 448/12 (altera os artigos 2º, 4º, 5º, 6º, 8º, 9º, 10 e 11 e revoga os

Leia mais

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES

SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES SOLUÇÕES FORTLEV PARA CUIDAR DA ÁGUA TANQUES MUITO MAIS TECNOLOGIA E VERSATILIDADE PARA CUIDAR DA ÁGUA A FORTLEV é a maior empresa produtora de soluções para armazenamento de água do Brasil. Campeã em

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

MADEIRAS MCC1001 AULA 12

MADEIRAS MCC1001 AULA 12 MADEIRAS MCC1001 AULA 12 Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil MADEIRAS É um material

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS CATÁLOGO DE PRODUTOS ISOPORTEC A ISOPORTEC é focada na produção de soluções em isopor de alta performance para a construção civil, valorizando produtos que fazem diferença nos projetos mais complexos.

Leia mais

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME

SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME Sistema de ds A SOLUÇÃO INTELIGENTE PARA A SUA OBRA SUPORTE TÉCNICO SOBRE LIGHT STEEL FRAME www.placlux.com.br VOCÊ CONHECE O SISTEMA CONSTRUTIVO LIGHT STEEL FRAME? VANTAGENS LIGHT STEEL FRAME MENOR CARGA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais

Mantas de PVC. Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas especiais para impermeabilização de estruturas e coberturas industriais Sistemas de Manta de PVC Soluções completas para impermeabilização A MC-BAUCHEMIE apresenta ao mercado da construção um

Leia mais

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL

RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL RESÍDUOS COMO ALTERNATIVA DE APRENDIZAGEM E DESENVOLVIMENTO SÓCIO-AMBIENTAL SOUZA,I.C. ;BUFAIÇAL,D.S.S;SANTOS,M.D.;ARANTES,S.S.;XAVIER,L.;FERREIRA,G.K.S; OLIVEIRA,B.A.;PAGOTTO,W.W.B.S.;SILVA,R.P.;SANTOS.L.G.;SANTOS.F.F.S.;FRANCO,R.

Leia mais

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10

a) 0:1:3; b) 1:0:4; c) 1:0,5:5; d) 1:1,5:7; e) 1:2:9; f) 1:2,5:10 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS I DEFINIÇÃO E DOSAGEM DE ARGAMASSAS PARA ASSENTAMENTO DE

Leia mais

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA

MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA MCMV-E CASA SUSTENTÁVEL PROPOSTA DE INTERVENÇÃO ARQUITETÔNICO URBANÍSTICA EM GRANDE ESCALA Arq. Mario Fundaro Seminário internacional arquitetura sustentável São Paulo 2014 A CASA SUSTENTÁVEL Conceitos

Leia mais

Estudo para o Reaproveitamento dos Resíduos Sólidos Produzidos nas Aulas do Laboratório de Alvenarias do Curso de Construção Civil do Cefet-rj

Estudo para o Reaproveitamento dos Resíduos Sólidos Produzidos nas Aulas do Laboratório de Alvenarias do Curso de Construção Civil do Cefet-rj Estudo para o Reaproveitamento dos Resíduos Sólidos Produzidos nas Aulas do Laboratório de Alvenarias do Curso de Construção Civil do Cefet-rj Pedro Aurélio Ferreira Rocha ankeo2@hotmail.com CEFET-RJ João

Leia mais

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor

Quanto aos esforços: compressão, tração e flexão; Flexibilidade de formas; Durabilidade; Transmissão de calor 1. CONCEITO: Produto resultante da associação íntima entre um aglomerante mais um agregado miúdo, mais um agregado graúdo e água (+ ferragens). 2. CARACTERÍSTICAS Quanto aos esforços: compressão, tração

Leia mais

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190

RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 186 RESUMOS DE PROJETOS... 187 ARTIGOS COMPLETOS (RESUMOS)... 190 RESUMOS DE PROJETOS 187 ANÁLISE DAS PROPRIEDADES E VIABILIDADE ECONÔMICA DA CERÂMICA VERMELHA UTILIZADA COMO AGREGADO RECICLADO MIÚDO PARA

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Informações sobre a construção de superadobe e pintura do reboco se for em terra crua.

RESPOSTA TÉCNICA. Informações sobre a construção de superadobe e pintura do reboco se for em terra crua. RESPOSTA TÉCNICA Título Sistema construtivo em superadobe Resumo Informações sobre o sistema construtivo Superadobe Palavras-chave Contrução; reboco; superadobe; tinta Assunto Preparação de massa de concreto

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 JUSTIFICATIVA Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os grandes e pequenos geradores

Leia mais

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O

MDF RINO. não é tudo igual. PROCURE O MDF não é tudo igual. PROCURE O RINO. Quer MDF assegurado, fabricado com a mais avançada tecnologia mundial, produzido pela empresa que é sinônimo de qualidade? PROCURE O RINO. Tecnologia, qualidade e

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil

Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil Curso - Materiais ecológicos e tecnologias sustentáveis para arquitetura e construção civil Materiais Ecológicos e Tecnologias Sustentáveis para Arquitetura e Construção Civil é o primeiro curso no Brasil

Leia mais

Cartilha de gestão de entulho de obra

Cartilha de gestão de entulho de obra Cartilha de gestão de entulho de obra Introdução O Sinduscon-CE anualmente investe na publicação de manuais de segurança e sustentabilidade para o setor, com forma de incentivar as boas-práticas na construção

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS GESTÃO INTEGRAL DE RESÍDUOS MUNICIPAIS INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS O Instituto Brasil Ambiente apresenta uma proposta de Gestão Integral de Resíduos Municipais desenvolvida pelo Prof. Dr.

Leia mais

A ARQUITETURA EM TUBOS DE PAPELÃO DE SHIGERU BAN Arq. Ms. Gerusa de Cássia Salado Profº. Assoc. Eduvaldo Paulo Sichieri

A ARQUITETURA EM TUBOS DE PAPELÃO DE SHIGERU BAN Arq. Ms. Gerusa de Cássia Salado Profº. Assoc. Eduvaldo Paulo Sichieri æ ensaios A ARQUITETURA EM TUBOS DE PAPELÃO DE SHIGERU BAN Arq. Ms. Gerusa de Cássia Salado Profº. Assoc. Eduvaldo Paulo Sichieri O objetivo deste artigo é apresentar como o arquiteto japonês Shigeru Ban

Leia mais

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL: USO DE ECOPRODUTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL EM MARINGÁ

ARQUITETURA SUSTENTÁVEL: USO DE ECOPRODUTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL EM MARINGÁ ARQUITETURA SUSTENTÁVEL: USO DE ECOPRODUTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL EM MARINGÁ Fanny Islana de Lima Carvalho 1 ; Cesar Henrique Godoy² RESUMO: Ecoprodutos são bens de consumo elaborados com o intuito de não

Leia mais

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço

2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço 23 2. Sistemas de Lajes 2.1. Considerações Gerais de Lajes Empregadas em Estruturas de Aço Neste capítulo são apresentados os tipos mais comuns de sistemas de lajes utilizadas na construção civil. 2.1.1.

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

A Empresa. Com mais de 20 anos de mercado,a RTC esta sempre atenta as inovações, e as necessidades dos clientes mais exigentes.

A Empresa. Com mais de 20 anos de mercado,a RTC esta sempre atenta as inovações, e as necessidades dos clientes mais exigentes. A Empresa Com mais de 20 anos de mercado,a RTC esta sempre atenta as inovações, e as necessidades dos clientes mais exigentes. Representamos e fabricamos os melhores produtos do mercado buscamos um continuo

Leia mais

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto

COBERTURAS. Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial. Concreto COBERTURAS Madeira Tirantes Treliças Estruturas: Metálica Telha Auto Portante Espacial Concreto Em telhas de barro/metálicas/fibrocimento Proteções: Em lajes Concreto Tijolos Domos, etc. Shed Terça Pestana

Leia mais

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar

Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Tecnologia Isto é sustentabilidade! Com expansão do mercado de aquecimento solar, setor vidreiro tem mais um nicho a explorar Divulgação Transsen iminente de que o pro- Dblema se repita, pode-se notar

Leia mais

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO

TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO TECNOLOGIA DA CONSTRUÇÃO Curso Técnico de Edificações Profª Engª Civil Alexandra Müller Barbosa EMENTA Estudos de procedimentos executivos: Estruturas portantes, Elementos vedantes, Coberturas, Impermeabilização,

Leia mais

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos

II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos II Jornadas do Curso do de Engenharia do Ambiente e Biológica Sustentabilidade, Recursos e Resíduos Humberto Marques e Humberto Gonçalves Tomar, 3 de Março 2012 INDUSTRIA DA CONSTRUÇÃO A indústria da construção

Leia mais

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO

REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO REVISÃO 2º BIMESTRE LIXO E SEU DESTINO 1) Analise as alternativas sobre aspectos relacionados ao lixo e marque (V) para as verdadeiras e (F) para as falsas. ( ) O lixo é caracterizado como tudo aquilo

Leia mais

cintiademarcosantos@gmail.com

cintiademarcosantos@gmail.com ECOEFICIÊNCIA NA CONSTRUÇÃO CIVIL: IMPLANTAÇÃO DE PROGRAMA DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA NA CONSTRUÇÃO DE UM CONJUNTO DE CASAS DE ALTO PADRÃO NA CIDADE DE PELOTAS/RS Cíntia de Marco Santos Instituto Federal Sul-rio-grandense,

Leia mais

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014

ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 ALTERNATIVAS DE DESTINAÇÃO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Apresentação: Ana Rosa Freneda Data: 17/10/2014 3 Elos Soluções Ambientais Alternativa para otimizar a destinação de resíduos: Crescente necessidade das

Leia mais

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM?

SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? SUSTENTABILIDADE? COMO ASSIM? 1. Matéria Bruta Representa a vontade de melhorar o 6. Reciclagem mundo e construir um futuro mais próspero. É o equilíbrio econômico, social e ambiental que garante a qualidade

Leia mais

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO.

COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. COMPORTAMENTO DAS MANTAS AUTOPROTEGIDAS AO IMPACTO NAS CHUVAS DE GRANIZO. Flávia Previatto Baldini; Anderson Mendes de Oliveira; José Leonel Alves dos Santos. Sika Química Ltda. Rodovia Marechal Rondon,

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA ORIENTAÇÕES PARA O USO SUSTENTÁVEL DO PAPEL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Articulação Institucional e Cidadania Ambiental SAIC Departamento de Cidadania e Responsabilidade

Leia mais

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO.

CHAPA DE FIBRA. não é tudo igual. PROCURE O RINO. CHAPA DE FIBRA não é tudo igual. PROCURE O RINO. Madeira Ecológica Duratex O manejo ambiental é um diferencial para a Duratex, que adota as melhores práticas para alcançar alta produtividade com o mínimo

Leia mais

Papel Reciclado Artesanal Branco

Papel Reciclado Artesanal Branco Papel Reciclado Artesanal Branco 1 Técnica utilizada: reciclagem de papel Materiais 2 Papel para reciclar (sulfite, formulário contínuo ou outros papéis que não contenham vernizes, plásticos ou laminados)

Leia mais

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos

COMPONENTES. Chapa de gesso: 3 tipos Paredes internas Estrutura leve GESSO ACARTONADO Fixado em perfis de chapa de aço galvanizado (esqueleto de guias e montantes) Parede: chapas de gesso em uma ou mais camadas Superfície pronta para o acabamento

Leia mais

O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO. Cláudia Nabarro Munhoz 1. A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um

O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO. Cláudia Nabarro Munhoz 1. A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um O MARKETING, A RESPONSABILIDADE SOCIAL E O LIXO Cláudia Nabarro Munhoz 1 A questão do lixo é cada vez mais premente e mostra-se como um problema de cada cidadão e algo que pede decisões e ações diárias,

Leia mais

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental

Programa de Gestão. Ambiental. Cartilha. Ambiental Programa de Gestão Ambiental Cartilha Ambiental Índice Responsabilidade Ambiental 1. Responsabilidade Ambiental 2. Organograma 4. Política Ambiental 6. Coleta Seletiva Interna 12. Dicas Importantes A preocupação

Leia mais

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL

SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL SÍSMICA 2007 7º CONGRESSO DE SISMOLOGIA E ENGENHARIA SÍSMICA 1 SISMO BUILDING TECHNOLOGY, TECNOLOGIA DE CONSTRUÇÃO ANTI-SISMICA: APLICAÇÕES EM PORTUGAL M.T. BRAZ CÉSAR Assistente IPBragança Bragança Portugal

Leia mais

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes

Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Comparação entre Telhado Verde e Convencional nas Temperaturas Internas de Ambientes Douglas Vaciliev Vacilikio 1 ; Luciano Fleischfresser 2 1 Aluno de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Tecnológica

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material.

Professora. Trabalhar com a reciclagem de materiais, além de valorizar as instalações escolares já feitas com esse tipo de material. Professora 1. Objetivos Gerais A partir do maior conhecimento do trabalho do professor, fazer com que os alunos percebam a importância de se trabalhar com papel e demais materiais reciclados. Outro assunto

Leia mais

Construção de Edícula

Construção de Edícula Guia para Construção de Edícula Guia do montador Mais resistência e conforto para sua vida. As paredes com Placas Cimentícias Impermeabilizadas e Perfis Estruturais de Aço Galvanizado para steel framing

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais