O PAPEL DA ESCOLA NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: AÇÕES E REFLEXÕES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O PAPEL DA ESCOLA NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: AÇÕES E REFLEXÕES"

Transcrição

1 O PAPEL DA ESCOLA NA CONSTRUÇÃO DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL: AÇÕES E REFLEXÕES Rayssa Aguiar Chaves, Marília Carla Mello Gaia CEUMIH - Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix RESUMO A Educação Ambiental (EA) é um assunto interdisciplinar, que deve ser trabalhado de forma contínua e permanente. Em muitos casos a escola atua repassando somente informações básicas. Este trabalho tem como objetivo discutir o papel da escola na construção da EA, suas possibilidades e dificuldades. Para tanto, foram realizadas oficinas práticas de Educação Ambiental em turmas de Ensino Médio: 1) Produção do sabão através do óleo de cozinha usado. 2) Implantação da coleta seletiva de papel. 3) Construção de um mural. Com o desenvolvimento desta pesquisa foi possível perceber que é difícil efetivar o papel da escola na construção da EA por meio de ações pontuais e que são necessárias mudanças desde a formação inicial e continuada dos professores, até a postura das escolas. Palavras-Chaves: Educação Ambiental, educação formal, interdisciplinaridade. 1 INTRODUÇÃO Há uma multiplicidade de conceitos e definições para o termo Sustentabilidade, por isso a dificuldade em se trabalhar com uma referência, e em muitas vezes se observa uma abordagem apenas no aspecto político, e esquecendo da parte da sobrevivência do planeta (EFFTING, 2007). Para Gadotti (2007), sustentabilidade é o equilíbrio dinâmico com o outro e com o meio ambiente, é harmonia entre os diferentes. Segundo o autor a sustentabilidade se divide em dois eixos: um relativo à natureza e outro relativo à sociedade. De acordo com Dias (1991), a evolução dos conceitos de Educação Ambiental (EA) esteve diretamente relacionada à evolução do conceito de meio ambiente e ao modo como este era percebido, além da relação com o conceito de sustentabilidade. Na Conferência Intergovernamental de Tbilisi sobre Educação Ambiental, em 1977, a EA foi definida como uma dimensão dada ao conteúdo e à prática da educação, orientada para a resolução dos problemas concretos do meio ambiente, por meio de enfoques interdisciplinares e de uma participação ativa e responsável de cada indivíduo e da coletividade (DIAS, 1991). Nesta abordagem, a escola deveria atuar como uma mediadora, entre o aluno, enquanto sociedade, e o meio ambiente, construindo valores sustentáveis e formando opiniões. E nada melhor que começar sensibilizando os alunos de que a natureza não é uma fonte inesgotável de recursos (EFFTING, 2007). 6356

2 Porém, em muitos casos, a escola se limita somente em fornecer informações básicas, sem levar em conta que se trata de um assunto interdisciplinar e que deveria envolver toda a comunidade (EFFTING, 2007), e também que ter a informação correta não significa ter atitudes ambientalmente desejáveis. Dentro desta discussão, então, este trabalho tem como objetivo principal discutir o papel da escola na construção da Educação Ambiental, suas possibilidades e dificuldades. Para tanto foram realizadas algumas oficinas práticas de Educação Ambiental em turmas de Ensino Médio, analisando sua execução e desdobramentos. 1.1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: HISTÓRICO E LEGISLAÇÃO O termo Educação Ambiental (EA) vem de 1965, na Conferência de Educação da Universidade de Keele, na Inglaterra. (EFFTING, 2007). Segundo Dias (1991), apenas no ano de 1972 que ocorreu um marco histórico-político internacional, pois a Conferência de Estocolmo 1, que além de chamar a atenção dos governantes para os problemas ambientais, destacou a Educação ambiental como campo de ação pedagógica, tendo relevância internacional. Mas, 1977 foi o ponto culminante do Programa Internacional de Educação Ambiental, em Tbilisi, na antiga URSS, onde se estabeleceu o quanto a EA é essencial para a educação global. Já em 1992 (Rio-92) 2 houve a "1ª Jornada Internacional de Educação Ambiental", com debates oficiais que resultaram em três documentos para se trabalhar Educação Ambiental, a saber: Agenda 21: Um plano de ações para o século XXI, e contém propostas que forçam a urgência de envolver todos os setores da sociedade, através da EA formal e não formal. 1 A ONU Organização das Nações Unidas realizou em 1972, em Estocolmo, na Suécia, o que viria ser o primeiro grande evento sobre Meio Ambiente Humano, a Conferência de Estocolmo, e que teve a participação de 113 países. O grande tema foi o de se estabelecer uma visão holística da realidade e princípios comuns que servissem como orientação para a conservação da humanidade (DIAS, 1991). 2 De 3 a 14 de junho de 1992, realizou-se na cidade do Rio de Janeiro a Conferência da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, mais conhecida como Rio-92, e teve como um dos grandes objetivos a verificação dos modelos de desenvolvimento e a sua ineficiência, sugerindo a mudança para um desenvolvimento sustentável (DIAS, 1991). 6357

3 Carta Brasileira para a Educação Ambiental: produzida pelo MEC e que destaca a participação das autoridades na implantação da EA em todos os níveis de ensino. Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global: fala do compromisso da sociedade civil, onde se reconhece os direitos humanos e a ética. Segundo Dias (1991), a EA na escola deve construir um processo contínuo e permanente, podendo começar a partir do pré-escolar, e continuar através de todo o ensino regular, ter uma abordagem interdisciplinar e deve aproveitar o conteúdo específico de cada disciplina. A EA é amparada por leis, nos mais diversos aspectos, e o Brasil é o único país da América Latina que tem uma política nacional específica para Educação Ambiental. Citaremos aqui somente alguns fragmentos legais que estão relacionados à Educação Ambiental Formal, cujo tema é base desta pesquisa. A Política Nacional de Educação Ambiental (PNEA) foi sancionada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, em 27 de abril de 1999, a Lei No 9795, em 25 de junho de 2002 foi assinado pelo Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva a Regulamentação da Lei nº 9795 pelo Decreto Esta reconhece que a Educação Ambiental é um componente urgente, essencial e permanente em todo processo educativo. Diferente de outras Leis, não estabelece regras ou sanções, mas estabelece responsabilidades e obrigações (BRASIL,1999). 1.2 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E O PAPEL DO EDUCADOR NA ESCOLA Segundo Dias (1991), a escola deve ser o lugar onde o aluno é sensibilizado por questões ambientais, para que fora dela o mesmo possa dar continuidade para as suas ações ambientais, e assim ir se formando um cidadão. Considerando toda essa importância da temática ambiental e a visão integrada de mundo, no tempo e no espaço, sobressaem-se as escolas como espaços privilegiados na implementação de atividades que propiciem essa reflexão. E tudo isso demanda atividades dentro e fora da sala de aula, além de atividades de campo, com ações orientadas em projetos e em processos de participação que levem à autoconfiança, 6358

4 atitudes positivas e ao comprometimento pessoal com a proteção ambiental, implementados de modo interdisciplinar (DIAS, 1991). O processo de EA deve ser contínuo e permanente; deve, principalmente, sensibilizar o professor, já que ele é o principal agente promotor na escola, através de projetos e cursos de capacitação desses profissionais (DIAS,1991). Na maioria dos casos, as escolas costumam trabalhar Educação ambiental na forma de uma feira de ciências ou até mesmo uma atividade extraclasse, e depois disso não continuam o assunto em sala de aula (BIZERRIL, 2000). E são vários os motivos da dificuldade de se trabalhar um assunto interdisciplinar, dentre eles: 1) O medo de atrasar o conteúdo regular, 2)Falta de envolvimento do grupo de professores, 3)Dificuldade em se trabalhar um tema considerado diferente da disciplina ministrada, 4)Os alunos estão acostumados somente com aulas tradicionais quadro e giz, quando o professor propõe algo diferente, eles dizem que o professor está com preguiça de dar aula, 5) Falta de incentivo financeiro, 6)Falta de planejamento e de recursos da escola. (BIZERRIL, 2000). Oliveira (2000) sugere alguns passos como alternativa para o planejamento escolar, como a formulação de um projeto político pedagógico, no qual faça um levantamento do ambiente físico escolar e de situações problema da mesma, além de seminários, encontros e debates a fim de preparar os professores para projetos interdisciplinares. 2 MATERIAL E MÉTODOS Este trabalho foi desenvolvido em uma Escola Estadual, localizada no município de Contagem, Minas Gerais. Escola no qual a primeira autora executou o Estágio Supervisionado Obrigatório do Curso de Ciências Biológicas no segmento do Ensino Médio. A escola atende apenas o Ensino médio. O turno da manhã funciona com 13 salas, atendendo 481 alunos. No turno da tarde são atendidos 273 alunos, em 10 turmas. O noturno trabalha com sete turmas, atendendo 191 alunos. Ao longo desta pesquisa foram executadas três oficinas práticas como forma de proporcionar atividades de Educação Ambiental na escola, sendo: 1) Produção do sabão através do óleo de cozinha usado produzido pela própria escola; 6359

5 2) Implantação da coleta seletiva de papel e doação para uma associação de catadores do município. 3) Construção de um mural em um local estratégico, com informações sobre o projeto e notícias da própria escola e de EA. 3 RESULTADOS A oficina de produção de sabão foi executada com alunos do 3º ano do turno da tarde, durante a aula de Biologia. O óleo utilizado veio da cantina da própria escola e ficava armazenado em garrafas PET no próprio laboratório, havia bastante óleo, pois não havia uma destinação para o mesmo. Durante a execução da oficina, os alunos em sua maioria se mostraram bastante interessados e participativos, fizeram parte de todas as etapas e se mostraram bastante curiosos. Ao final da oficina, o sabão na sua forma liquida foi armazenado em potes de plástico durante uma semana até endurecer. Após esse período, o sabão foi cortado e colocado sobre as bancadas para secar; 15 dias depois uma parte das barras de sabão foi dividida igualmente entre os alunos e a outra parte foi doada para a cantina da escola. Figura 01- Produção do sabão pelos próprios alunos- adição de soda caustica ao óleo. 6360

6 Produção de sabão através do óleo usado. Materiais: ½ litro de soda cáustica liquida. ½ litro de água. 2,5 litros de óleo. Corante Procedimento: Misturar todos os ingredientes em um balde de plástico grande com uma colher de madeira com bastante cuidado, pois a soda cáustica é um material corrosivo. Misturar por aproximadamente 30 minutos. Após isso despejar em vasilhas de plástico, pois a soda cáustica corroí vasilhas de alumínio. Esperar algumas horas até que o sabão comece a endurecer para dar o formato de corte. Após uma semana desenformar o sabão e deixar secar por mais duas semanas. 6361

7 Figura 02- Sabão pronto em sua forma líquida A implantação da coleta seletiva de papel teve como objetivo sensibilizar a escola com a quantidade de papel que é gerada pela mesma e mostrar um destino correto para esse papel. A execução da oficina foi feita com 2 alunos representantes de turma de cada sala, do turno da tarde (total de 20 alunos). Cada sala recebeu uma lixeira específica para o recolhimento de papel, além de lixeiras também colocadas na secretaria, sala da direção e biblioteca, Estas lixeiras eram feitas de caixa de papelão e pintadas com tinta guache pelos próprios alunos. Uma lixeira central, maior, foi disposta no pátio, a mesma foi maior, pois todo o papel recolhido nas salas será destinado para o local. Esta lixeira foi construída com sombrite e madeira para dar a estrutura. Além disso, foi posicionada em um local estratégico a fim de mostrar a quantidade de papel arrecadado. A oficina foi desenvolvida com 20 alunos, entretanto todos os alunos foram sensibilizados, assim como funcionários da limpeza, supervisores, professores e direção, mostrando a importância de colaborar com o objetivo da oficina. Próximo a cada lixeira pequena tinha o seguinte recado para orientar os alunos e funcionários a respeito da destinação correta do papel: FAVOR DESCARTAR NESSA LIXEIRA SOMENTE PAPEL De um modo geral houve um bom retorno de todas as partes, com a exceção de alguns funcionários da limpeza que não se mostraram receptivos. 6362

8 Após esse processo, que os funcionários da associação de catadores de papel do município iriam recolher o papel e destina-lo à reciclagem. Figura 03- produção da lixeira central com o sombrite e a madeira Figura 04- produção das lixeiras para cada sala- pintando as caixas de papelão com tinta guache. Dois dias após a implantação das lixeiras, a lixeira central estava quebrada, nas lixeiras menores que deveriam conter somente papel, tinha principalmente restos de lanches. Após o ocorrido, a lixeira maior foi concertada, ficamos uma semana sem visitar a escola, nesse tempo houve uma chuva forte que aparentemente destruiu a lixeira, quando retornamos na escola, a lixeira maior havia desaparecido, e ninguém sabia explicar o ocorrido. Conseguimos encontrar parte do papel recolhido nos fundos da escola. 6363

9 Inicialmente este papel seria destinado para a associação dos catadores de papel, com fins de reciclagem. Entretanto, a não continuidade de separação do papel impossibilitou esta ação. Figura 05- parte do papel recolhido encontrado nos fundos da escola A construção de um mural em um local estratégico ficou localizado próximo as escadas, pois era um lugar onde todos os alunos passam para irem às salas de aula. Neste havia informações sobre o projeto e notícias da própria escola, pois foi observado que a escola espalhava uma grande quantidade de papel com informativos aos alunos, e com a construção do mural buscou-se concentrar essas informações em um local somente. Além disso, o mural serviu para colocar as fotos das outras etapas do projeto, uma forma de todos os alunos terem acesso às atividades desenvolvidas, já que nem todos puderam participar ativamente das oficinas por questões logísticas. O mural foi a terceira oficina do projeto, foi executado em uma semana de prova, por isso só foi possível ser executado com duas alunas que foram destaque na oficina anterior e já haviam terminado a prova, foi bem rápida. 6364

10 Figura 06- construção do mural Dois dias após a construção do mural, quando seriam fixadas as fotos do projeto, parte deste já estava rasgada. Figura 07- parte do mural rasgado 4 DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Muitos alunos se mostraram interessados na parte prática das oficinas, principalmente, pelo fato de saírem da sala de aula e colocarem a mão na massa, porém foi possível perceber que foi uma empolgação de momento e que, por exemplo, a oficina de sabão, a questão principal que era o reaproveitamento do óleo não foi tão absorvida. 6365

11 Já imaginávamos que poderia haver dificuldades em chamar à atenção dos alunos do Ensino Médio, e talvez a falta de continuidade em trabalhar o assunto tenha contribuído com o resultado insatisfatório. Voltando à escola após algum tempo para a execução das outras oficinas e entrando em contato com os alunos, foi possível perceber que eles sentiam falta de algo diferente na escola, uma minoria infelizmente, mas já é um resultado positivo. Talvez atividades pontuais não seja a melhor forma de se trabalhar Educação Ambiental, as oficinas de certa forma podem até dar certo, porém atingem um público muito pequeno. Durante a execução da oficina do reaproveitamento de papel, os alunos selecionados se mostraram bastante participativos apesar da oficina não estar vinculada a nenhuma aula. Eles se mostraram bastante proativos, a direção e os demais funcionários da escola se mostraram otimistas para execução da atividade, porém não ofereceram nenhuma ajuda prática, com exceção de alguns professores que durante as conversas em sala de aula reafirmavam a importância de diminuir o consumo e de ter um destino correto do papel. Essa oficina foi a que demandou mais preparo, por envolver uma quantidade maior de alunos e um tempo maior na escola, por isso, foi considerada como ponto chave das oficinas. A partir dela, pode-se realmente perceber quais são os efeitos de ações pontuais relacionados à Educação Ambiental, elas têm um efeito momentâneo e talvez a mensagem chegue a alguns poucos alunos, não atingido seu objetivo central. Na fase atual do projeto, não obtivemos o mesmo apoio da escola, sendo possível perceber que as escolas não estão preparadas para se trabalhar a EA o ano todo, pois no início acataram a ideia, apoiaram, entretanto no final, o envolvimento foi bem mais limitado. Sabe-se que de uma forma ou de outra a educação pontual se tornou um ciclo, se faz uma feira de ciências ou um trabalho de campo e pronto, afim de cumprir o PCN (BIZERRIL, 2000). Os professores não estão capacitados ou abertos em construir algo diferente para a escola, sendo complicada a inserção de atividades sem sair da zona de conforto. Valente (1999) fala que o trabalho a partir de projeto, em muitas das vezes, fica somente na intencionalidade, já que os educadores não conseguem organizar o trabalho de forma clara e que beneficiem a aprendizagem. Andrade (2003) afirma que é importante ocorrer uma grande mobilização na comunidade escolar, a começar pelo projeto político pedagógico (PPP), de forma a 6366

12 alterar o currículo e abranger o funcionamento da escola e o seu relacionamento com a comunidade, para o desenvolvimento de projetos interdisciplinares. Andrade (2003) acredita que o envolvimento do professor é fundamental para mudanças na forma que alguns temas são concebidos na escola, sem os mesmos nenhum resultado será alcançado. Em um projeto interdisciplinar, o professor deve atuar como, uma espécie de consultor do aluno, dessa forma a informação não deverá ser passada diretamente, mas sim incentivar a autonomia, o pensamento crítico do aluno e ajudar a aplicar o conhecimento em atividades de seu cotidiano (VALENTE, 1999). Nos trabalhos com projetos, a escola deve sair do ensino tradicional, aquele onde os alunos têm horário de entrada e saída e recebe o conteúdo pela palavra oral e com a necessidade de um professor o tempo todo (VALENTE 1999). Os projetos envolvem atividades de médio e longo prazo e devem ser desenvolvidas com um público e espaço para além da sala de aula. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS De fato com o desenvolvimento desta pesquisa foi possível perceber que é difícil efetivar o papel da escola na construção da EA através de ações pontuais que não envolvam outros temas e profissionais. As atividades de EA precisam sair do formato de educação tradicional, para isso, deve-se também rever todo o processo de formação dos profissionais envolvidos. É necessário que desde a formação inicial dos professores, bem como na formação continuada destes, e na construção do PPP da escola e do cronograma das disciplinas, a EA seja algo mais concreto. Não se limitando a ações desconectadas das disciplinas escolares e do dia a dia da comunidade escolar. 6 REFERÊNCIAS ANDRADE, Pedro Ferreira. Aprender por projetos, formar educadores. Pedro Ferreira de Andrade, BIZERRIL, Marcelo Ximenes Aguiar; FARIA Dóris S. Percepção de professores sobre a Educação Ambiental no Ensino Fundamental. Revista Brasileira Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 82, n. 200/201/202, p , jan./dez BRASIL. Lei nº , de 27 de abril de Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário 6367

13 Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, Brasília, DF, 28 abr Seção 1, p.138 DIAS, G. F. Educação Ambiental: Princípios e Práticas. São Paulo, Gaia, EFFTING, Tânia Regina. Educação Ambiental nas escolas públicas: Realidade e desafios. Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, GADOTTI, Moacir. Educar para a sustentabilidade. Inclusão social 3.1 (2007). OLIVEIRA, E.M. O Que fazer Interdisciplinar. In: A Educação Ambiental uma possível abordagem. Brasília, Edições IBAMA, VALENTE, José Armando. Mudanças na sociedade, mudanças na educação: o fazer e o compreender. O computador na sociedade do conhecimento, v. 1, p ,

AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FCAP/UPE

AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FCAP/UPE AÇÕES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FCAP/UPE Mercês, P.F.F. das (1) ; Santos, R.S.(2); Cavalcanti, B.V.P. (3) ; Pedrosa, F.J.A. (4) nga_fcap@yahoo.com.br (1) Bióloga, Pós-graduanda em Planejamento e Gestão

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE

PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE CONSELHEIRO LAFAIETE MG 2012 PROJETO CIDADANIA E SUSTENTABILIDADE JUSTIFICATIVA O Centro de Ensino Superior de Conselheiro Lafaiete tem como princípio desempenhar seu

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE TOCANTINS-MINAS GERAIS Renata Soares Pinto (*), Washington Luiz Nunes Apolinário, Carlos Fernando Lemos, Denise

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO

A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO A CONTRIBUIÇÃO DO PROJETO MEIO AMBIENTE: CONSCIENTIZAR PARA PRESERVAR NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM NA ESCOLA EEEF ANTENOR NAVARRO Natália Oliveira de Lima; Adjeane Farias da Silva; Thainá Marques

Leia mais

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR

REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR REPRESENTAÇÃO SOCIAL DE MEIO AMBIENTE E EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO ENSINO SUPERIOR LUIZ, Cintya Fonseca; AMARAL, Anelize Queiroz & PAGNO, Sônia Fátima Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. cintya_fonseca@hotmail.com;

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar

SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar SUSTENTABILIDADE NO COTIDIANO ESCOLAR: Desafios da construção de uma proposta interdisciplinar Mariely Rodrigues Anger 1 Ana Carla Ferreira Nicola Gomes 2 Jussara Aparecida da Fonseca 3 Resumo: Apresentam-se

Leia mais

PETECO UM PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO PET RELATO DE EXPERIÊNCIA

PETECO UM PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO PET RELATO DE EXPERIÊNCIA PETECO UM PROJETO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DO PET RELATO DE EXPERIÊNCIA Maria Izabel Gallão (Departamento de Biologia Centro de Ciências/UFC) Victorya Vieira Gois (Bolsista do PET Biologia UFC MEC/ SESu)

Leia mais

CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: para onde vão os resíduos sólidos tóxicos?

CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: para onde vão os resíduos sólidos tóxicos? CONSCIÊNCIA AMBIENTAL NOS ANOS FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: para onde Jéssica Cristina Garcia Universidade Federal de Uberlândia Instituto de Geografia jessicacrisis@yahoo.com.br O destino dado aos resíduos

Leia mais

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos

Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos 147 Eixo Temático ET-03-016 - Gestão de Resíduos Sólidos VIABILIDADE DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA NO IFPB CAMPUS PRINCESA ISABEL: CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Queliane Alves da Silva 1 ; Ana Lígia

Leia mais

Mostra de Projetos 2011

Mostra de Projetos 2011 Mostra de Projetos 2011 ESTUDO DA VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DE UM PROJETO DE RECICLAGEM NA ÁREA DA INFORMÁTICA UMA DISCUSSÃO SOBRE O LIXO ELETRÔNICO NO MUNICÍPIO DE MARECHAL CÂNDIDO RONDON, PR. Mostra

Leia mais

9º Congresso de Pós-Graduação UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS RECICLÁVEIS NA CONSTRUÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA ALTERNATIVO

9º Congresso de Pós-Graduação UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS RECICLÁVEIS NA CONSTRUÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA ALTERNATIVO 9º Congresso de Pós-Graduação UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS RECICLÁVEIS NA CONSTRUÇÃO DE UM LABORATÓRIO DE QUÍMICA ALTERNATIVO Autor(es) SERGIO GIACOMASSI Orientador(es) SIDERLY DO CARMO DAHLE DE ALMEIDA 1. Introdução

Leia mais

AS POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS E SEUS TEMAS TRANSVERSAIS: UMA APOLOGIA À EA (EDUCAÇÃO AMBIENTAL) NO UNIVERSO ESCOLAR.

AS POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS E SEUS TEMAS TRANSVERSAIS: UMA APOLOGIA À EA (EDUCAÇÃO AMBIENTAL) NO UNIVERSO ESCOLAR. 1 AS POLÍTICAS GOVERNAMENTAIS E SEUS TEMAS TRANSVERSAIS: UMA APOLOGIA À EA (EDUCAÇÃO AMBIENTAL) NO UNIVERSO ESCOLAR. Vagner Limiro Coelho, Escola Estadual Joaquim Saraiva. vlimirio@hotmail.com Objeto de

Leia mais

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na escola

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na escola ESCOLA MUNICIPAL COSTA E SILVA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na escola MARECHAL CÂNDIDO RONDON, JULHO DE 2011. RESUMO: O presente

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA COMO MEDIADORA DE SABERES

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA COMO MEDIADORA DE SABERES RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PRÁTICA PEDAGÓGICA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA COMO MEDIADORA DE SABERES Nayane Camila Silva Cavalcanti * Roberta de Paula Sales ** Francisco Kennedy Silva dos Santos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. UFMT - andrea_penha@hotmail.com. Andréa dos Santos Penha. Prof.ª. Me. Giseli Dalla Nora UFMT giseli.nora@gmail.com

1. INTRODUÇÃO. UFMT - andrea_penha@hotmail.com. Andréa dos Santos Penha. Prof.ª. Me. Giseli Dalla Nora UFMT giseli.nora@gmail.com Educação Ambiental: uma análise das propostas presentes no Projeto Político Pedagógico da E. E. Leovegildo de Melo e nas Orientações Curriculares do Estado de Mato Grosso. 1. INTRODUÇÃO Andréa dos Santos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010

Formando o aluno para a responsabilidade social. Esther Carvalho Março 2010 Formando o aluno para a responsabilidade social Esther Carvalho Março 2010 Missão "Servir com excelência, por meio da educação, formando cidadãos éticos, solidários e competentes" Visão "Ser referência

Leia mais

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade

PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade ESCOLA MUNICIPAL COSTA E SILVA EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL PROJETO: Sustentabilidade e mudanças de hábitos no ambiente escolar e na comunidade Cursistas: Giana K. Mass, Irdes P. Kuhn, Rosane

Leia mais

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários

SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras. Eduarda Ramires Silveira. Evelyn Victória Cardoso Lopes. Mel Suzane Santos Marques. Voluntários SEPARAR PRA QUÊ? Idealizadoras Eduarda Ramires Silveira Evelyn Victória Cardoso Lopes Mel Suzane Santos Marques Voluntários Joyce Thaís Mendes Alves Sílvia Rocha Pena Rodrigues Luíza Almeida Dias de Carvalho

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL AS PRODUÇÕES LITERÁRIAS COMO INSTRUMENTOS DE APRENDIZAGEM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Ivone Aparecida Borges (1) Coordenadora de projetos, professora de Biologia e Educadora Ambiental no Centro Operacional de

Leia mais

RESUMO. Elaine Peres da Silva 1 Viviane Silva Nunes 2

RESUMO. Elaine Peres da Silva 1 Viviane Silva Nunes 2 Educação Ambiental sob a Perspectiva do trabalho coletivo dentro da Escola Elaine Peres da Silva 1 Viviane Silva Nunes 2 RESUMO A educação ambiental aplicada ao currículo escolar vem demonstrando resultados

Leia mais

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR.

O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. O ENSINO DA GEOGRAFIA NA INTERFACE DA PEDAGOGIA DE PROJETOS SOCIOAMBIENTAIS E DO MACROCAMPO INTEGRAÇÃO CURRICULAR. Wedell Jackson de Caldas Monteiro E.E.M.I. Auzanir Lacerda wedellprofessor@gmail.com Nadia

Leia mais

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS

IESB / PREVE. CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS IESB / PREVE CURSO DE DIREITO Núcleo de Prática Jurídica Escritório de Assistência Jurídica ORIENTAÇÕES GERAIS MISSÃO / IESB Proporcionar um espaço de contínua aprendizagem onde alunos, professores e colaboradores

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: LEI 9.795/99 E AGORA? EIXO TEMÁTICO: Estudos curriculares e discussões sobre conteúdos básicos

EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: LEI 9.795/99 E AGORA? EIXO TEMÁTICO: Estudos curriculares e discussões sobre conteúdos básicos EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA ESCOLA: LEI 9.795/99 E AGORA? Flavio Correia Nardy Tânia Mara De Bastiani 1 EIXO TEMÁTICO: Estudos curriculares e discussões sobre conteúdos básicos Introdução A lei 9.795 de 1999

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NORTE - RS PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS LICENCIATURA PLENA ESTRATÉGIAS PEDAGÓGICAS O Curso de Ciências Biológicas, através

Leia mais

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS

NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS NORMAS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO PARA OS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS DA PUCRS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS: Habilitações: Língua Portuguesa e respectivas Literaturas Língua Espanhola e respectivas

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2013 Pedagogia: Aut. Dec. nº 93110 de 13/08/86 / Reconhecido Port. Nº 717 de 21/12/89/ Renovação Rec. Port. nº 3.648 de 17/10/2005 Educação Física: Aut. Port. nº 766 de 31/05/00 / Rec. Port. nº 3.755 de 24/10/05

Leia mais

POR QUE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR?

POR QUE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR? EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO DAS AÇÕES DO SUBPROJETO PIBID. ED. DO CAMPO CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS: CONSTRUINDO CAMINHOS PARA CONSCIENTIZAÇÃO AMBIENTAL Auricelia de Melo Araujo (UFCG); Fabiano Custódio

Leia mais

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60

Um pouco da História da Educação Ambiental. Década de 60 Um pouco da História da Educação Ambiental Década de 60 1962 Livro Primavera Silenciosa de Rachel Carson - alertava sobre os efeitos danosos de inúmeras ações humanas sobre o ambiente, como por exemplo

Leia mais

Jovens cuidando do Brasil

Jovens cuidando do Brasil ação constitui uma parte da política dos três R reduzir, reutilizar e reciclar, depreende-se a necessidade de um trabalho com lixo que se inicie com uma revisão crítica dos hábitos e padrões de consumo.

Leia mais

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE

UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE UMA PROPOSTA INTERDISCIPLINAR DE CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE O LIXO INTEGRANDO: UNIVERSIDADE, ESCOLA E COMUNIDADE Resumo COSTA, Josiane da 1 - UNILA ONOFRIO, Alvaro Barcellos 2 - UNILA Grupo de Trabalho - Educação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO NO PIBID- GEO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO NO PIBID- GEO EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO NO PIBID- GEO EDLENE OLIVEIRA A. DE SANTANA Graduanda em Geografia na UNEMAT. Bolsista PIBID-GEO. Email: leneoliveiramt@gmail.com LAURA REGINA DA SILVA Graduanda

Leia mais

ADESÃO DA POPULAÇÃO.

ADESÃO DA POPULAÇÃO. A Comlurb desenvolve desde 1993 um programa de coleta seletiva, inicialmente baseado na implantação de cooperativas de bairro, muitas das quais em operação até hoje. Num passo seguinte foi implantada a

Leia mais

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE

A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE A Educação Ambiental no Ensino Fundamental de escolas municipais de Pesqueira-PE Autor(a): Josineide Braz de Miranda Coautor(es): Anderson Carlos Maia da Silva, Josefa Sandra de Almeida Silva, kelren Jane

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012

PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012 PROJETO DAS FACULDADES MAGSUL 2012 ( X ) ENSINO ( ) PESQUISA ( X ) EXTENSÃO 1. Título: Conscientização Ambiental - Coleta Seletiva no Ambiente Escolar das Faculdades FIP/Magsul e Magsul; Área temática:

Leia mais

Justificativa. Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas.

Justificativa. Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. Justificativa Meio ambiente conforme o Dicionário Aurélio é aquilo que cerca ou envolve os seres vivos ou as coisas. A Escola de Ensino Fundamental Mondrian, fundada em 2011, começou suas atividades em

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

REGULAMENTO ECOGINCANA DO PLÁSTICO 2014

REGULAMENTO ECOGINCANA DO PLÁSTICO 2014 REGULAMENTO ECOGINCANA DO PLÁSTICO 2014 O Conselho Comunitário Consultivo do Polo Petroquímico do Sul, dando continuidade ao Projeto Ação Sustentável, promove em 2014 mais uma campanha ambiental destinada

Leia mais

A INCORPORAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE MACEIÓ. Maria Izabel Almeida de Melo Araújo *

A INCORPORAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE MACEIÓ. Maria Izabel Almeida de Melo Araújo * A INCORPORAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NUMA ESCOLA PÚBLICA MUNICIPAL DE MACEIÓ Maria Izabel Almeida de Melo Araújo * Luis Paulo Leopoldo Mercado Resumo O presente trabalho consiste

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Convênio 76541/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 0001/2013

Convênio 76541/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 0001/2013 Convênio 76541/2011 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 0001/2013 Apresentação Dados disponibilizados pelo IBGE em 2002 estimaram a coleta de aproximadamente 125.281 toneladas de resíduos domiciliares por dia no Brasil

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

RECICLANDO COM ARTE. Discutir o problema ambiental trazido pelo excesso de lixo gerado em nosso planeta.

RECICLANDO COM ARTE. Discutir o problema ambiental trazido pelo excesso de lixo gerado em nosso planeta. RECICLANDO COM ARTE OBJETIVO Discutir o problema ambiental trazido pelo excesso de lixo gerado em nosso planeta. METODOLOGIA Montamos uma oficina de reutilização e reciclagem de lixo em nosso Clube de

Leia mais

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental

TRANSVERSALIDADE. 1 Educação Ambiental TRANSVERSALIDADE Os temas transversais contribuem para formação humanística, compreensão das relações sociais, através de situações de aprendizagens que envolvem a experiência do/a estudante, temas da

Leia mais

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI

Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI Relatório da Oficina sobre o Planejamento das Ações do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos PMGIRS AMAI ABELARDO LUZ - SC Agosto de 2014 1 SUMÁRIO 1. Identificação 3 2. Objetivo da Atividade

Leia mais

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ.

PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. PROPOSTA DO PLANO DE AÇÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RECURSOS HÍDRICOS PARA O ESTADO DO PARÁ. WALDELI ROZANE SILVA DE MESQUITA Secretaria Executiva de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente, Núcleo de Hidrometeorologia

Leia mais

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica

Sugestão de Planejamento da Semana Pedagógica GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DA EDUCAÇÃO E CULTURA DIRETORIA REGIONAL DE ENSINO DE ARAGUAINA SETOR REGIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO E ENSINO INTEGRAL Sugestão de Planejamento da Semana

Leia mais

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO

PROJETO DE INTERVEÇÃO: UM OLHAR DIFERENTE PARA O LIXO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO-UFERSA NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA CURSO :EDUCAÇÃO AMBIENTAL ALUNA:FRANCISCA IÊDA SILVEIRA DE SOUZA TUTORA: ANYELLE PAIVA ROCHA ELIAS PROFESSORA: DIANA GONSALVES

Leia mais

INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A MATEMÁTICA NA NATUREZA. Palavras-chave: Educação infantil; Matemática; Interdisciplinaridade.

INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A MATEMÁTICA NA NATUREZA. Palavras-chave: Educação infantil; Matemática; Interdisciplinaridade. INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: A MATEMÁTICA NA NATUREZA Cibelli Batista Belo- cibellibatistabelo@gmail.com Izabel Passos Bonete- ipbonete@irati.unicentro.br Joyce Jaqueline Caetano- joyce.tardo@yahoo.com.br

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL

DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL DICA PEDAGÓGICA EDUCAÇÃO INFANTIL 1. TÍTULO DO PROGRAMA Balinha e Dentinho 2. EPISÓDIO TRABALHADO Situação delicada 3. SINOPSE DO EPISÓDIO ESPECÍFICO O episódio Situação delicada faz parte da série Balinha

Leia mais

DA JUSTIFICATIVA DO OBJETIVO

DA JUSTIFICATIVA DO OBJETIVO CENTRO UNIVERSITÁRIO METODISTA IZABELA HENDRIX EDITAL DE SELEÇÃO A Pró-Reitoria Acadêmica do Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix, no uso de suas atribuições, torna público o PROCESSO SELETIVO

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DE OFICINAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO CAMPO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DE OFICINAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO CAMPO EDUCAÇÃO AMBIENTAL ATRAVÉS DE OFICINAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO CAMPO Fabiano Custodio de Oliveira 1 UFCG/CDSA - fabiano.geografia@gmail.com Fabiana Feitosa de Souza 2 UFCG/CDSA fabiana.luquinha@hotmail.com

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

PROJETO ÓLEO DE COZINHA

PROJETO ÓLEO DE COZINHA PROJETO ÓLEO DE COZINHA Orientador: Paulo Egydio Berkenbrock, CPF: 005.078.559-14 Alunos: Leonardo Demitti CPF: 054.818.109-80 Sergio Paulo Bordin de Mello CPF: 082.071.129-21 Vânia Couto CPF: 050.518.299-88

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Caro amigo: Sempre que quiser ou precisar de maiores orientações, pode procurar o GEA, que teremos prazer em ajudá-lo. Saudações ambientalistas,

Caro amigo: Sempre que quiser ou precisar de maiores orientações, pode procurar o GEA, que teremos prazer em ajudá-lo. Saudações ambientalistas, Caro amigo: Um Programa de Coleta Seletiva não é tarefa difícil de realizar, porém é trabalhoso e exige dedicação e empenho, pois engloba pelo menos três etapas: planejamento, implantação e manutenção,

Leia mais

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO

ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO ARTIGO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO EDUCAÇÃO AMBIENTAL E RECICLAGEM DO LIXO Resumo: O presente artigo pretende refletir sobre os problemas ambientais em nossa sociedade, em especial, sobre o

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL PROGRAMA MUNICIPAL DE VOLUNTARIADO INTERNACIONAL SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS SECRETARIA MUNICIPAL ADJUNTA DE RECURSOS HUMANOS O PROGRAMA O Programa Municipal de Voluntariado

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS ESPECÍFICAS DA EDUCAÇÃO BÁSICA SUBSÍDIOS PARA A REVISÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL TRABALHO ENCOMENDADO PELO MEC/SEB DIRETORIA DE CONCEPÇÕES

Leia mais

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Oficineiros: Gillian Pinto Gilberto Carvalho Fernanda Gallon

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS. Oficineiros: Gillian Pinto Gilberto Carvalho Fernanda Gallon CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Oficineiros: Gillian Pinto Gilberto Carvalho Fernanda Gallon ESTRUTURA DA OFICINA LEGISLAÇÃO: - porque temos a obrigação de trabalharmos temas ambientais com nossos alunos. Os 5 Rs

Leia mais

Reciclagem. Projetos temáticos

Reciclagem. Projetos temáticos Material elaborado pelo Ético Sistema de Ensino Educação infantil Publicado em 2011 Projetos temáticos Educação Infantil Data: / / Nível: Escola: Nome: Reciclagem Justificativa Este projeto tem como foco

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Comissão de Sustentabilidade Campus Verde UNIFAL-MG. Ações realizadas em 2014 SUBCOMISSÃO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas UNIFAL-MG Comissão de Sustentabilidade Campus Verde Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG - CEP 37.130-000 Fone (35) 3299-1062 http://www.unifal-mg.edu.br/sustentabilidade

Leia mais

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE

INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE INCLUSÃO DE PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: O CASO DO COLÉGIO ESTADUAL SATÉLITE Adrina Mendes Barbosa (UFBA) 1 Bárbara Vergas (UEFS) 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho aborda as políticas

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

UFRN, coordenadora do subprojeto PIBID-BIOLOGIA Orientadora³

UFRN, coordenadora do subprojeto PIBID-BIOLOGIA Orientadora³ PROPOSTA DE SUSTENTABILIDADE PARA RECRIAR O ESPAÇO ESCOLAR:REUTILIZANDO COM BISCUIT Angélica Sotero 1 ; Narjara Vitoriano²;Ivaneide Alves Soares da costa 3 Graduandas do Curso de Ciências Biológicas, Bolsistas

Leia mais

EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO

EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO EXPERIÊNCIAS E PRÁTICAS NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM GEOGRAFIA: MEIO AMBIENTE E LIXO URBANO Angela Maria de Lima da SILVA 1 Universidade Federal de Campina Grande- Cajazeiras angelacidinha@hotmail.com

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

O LÚDICO COMO UM RECURSO PARA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O LÚDICO COMO UM RECURSO PARA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL O LÚDICO COMO UM RECURSO PARA APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Joseliane Fernandes Miguel Santos¹; Carlos Eduardo Maia da Silva²; Verônica de Fatima Gomes de Moura¹ Universidade Federal da Paraíba, joseliane.santos@gmail.com¹;

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL PERCEPÇÃO AMBIENTAL DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA DO ENSINO FUNDAMENTAL Danilo Coutinho da Silva Bacharel e Licenciado em Geografia - UFPB danilogeog@hotmail.com INTRODUÇÃO A Educação Ambiental (EA) deve

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA NECESSÁRIA RELAÇÃO PARA A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA. Dayane

Leia mais

Planejamento Estratégico - Setor de Ciências Biológicas UFPR Gestão 2014/2016. Diretrizes específicas por unidade setorial. Curso de Graduação

Planejamento Estratégico - Setor de Ciências Biológicas UFPR Gestão 2014/2016. Diretrizes específicas por unidade setorial. Curso de Graduação Planejamento Estratégico - Setor de Ciências Biológicas UFPR Gestão 2014/2016 Diretrizes específicas por unidade setorial Curso de Graduação Fisioterapia Estudo Preliminar Apresentação Este planejamento

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO EM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS DE CIÊNCIAS VOLTADAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL.

A PROBLEMATIZAÇÃO EM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS DE CIÊNCIAS VOLTADAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. 1 A PROBLEMATIZAÇÃO EM SEQUÊNCIAS DIDÁTICAS DE CIÊNCIAS VOLTADAS PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Davi de Andrade Pacheco Diretoria de Ensino Região de Piracicaba Márlon Caetano Ramos Pessanha Faculdade de Educação

Leia mais

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO AMBIENTAL CONCEITOS E CORRENTES Talita Cristina de Oliveira Educação ato de educar; ensino; processo pelo qual uma função se desenvolve e se aperfeiçoa pelo próprio exercício (Ruth

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores JUNHO 2013 Módulo EDUCAÇÃO AMBIENTAL

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores JUNHO 2013 Módulo EDUCAÇÃO AMBIENTAL P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores JUNHO 2013 Módulo EDUCAÇÃO AMBIENTAL Curso Capacitação Professores Programa de Educação Ambiental nas Escolas Atendendo 03 escolas em Jacareacanga

Leia mais

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA)

Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Fragmentos da historia da educação ambiental (EA) Aldenice Alves Bezerra 1 Resumo Este trabalho é resultado de uma pesquisa exploratória onde foi utilizado como procedimento para coleta de dados um levantamento

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO

Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO 486 Eixo Temático ET-13-010 - Educação Ambiental CAPACITAÇÃO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: PROCESSO, AÇÃO, TRANSFORMAÇÃO Samuel Brito Ferreira Santos 1 ; Rebecca Ruhama Gomes Barbosa 2 ; Adeilton Padre de Paz

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ

PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO JACARÉ ESTADO DO PARANÁ A N E X O I E D I T A L D E C O N C U R S O P Ú B L I C O Nº 01/2015 D O S R E Q U I S I T O S E A T R I B U I Ç Õ E S D O S C A R G O S RETIFICAÇÃO

Leia mais

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO

AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO AS NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS E A INCLUSÃO Francelina Elena Oliveira Vasconcelos (france.vasconcelos@gmail.com) Rosilda Teixeira de Freitas (rosildafreitas@farrapo.com.br) Resumo Neste trabalho

Leia mais

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL

A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL A PRÁTICA DE ENSINO EM QUÍMICA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E SUSTENTABILIDADE COMO TEMA TRANSVERSAL Ana Maria G. D. MENDONÇA 1, Darling L. PEREIRA 2,,José J. MENDONÇA 3, Aluska M. C. RAMOS 4 Maria S. B. DUARTE

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM HISTÓRIA Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás Departamento de Áreas Acadêmicas I Coordenação de Ciências Humanas

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIA DA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2014/01 a 2014/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Análise dos resultados

Leia mais

Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos

Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos Campus São Roque Curso de Extensão Educação Ambiental e Parasitoses Módulo Educação Ambiental Prof. Fernando Santiago dos Santos Aula 1 06 de abril de 2011 1. Definições de Educação Ambiental 2. O paradigma

Leia mais

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior?

Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Trabalhos na área ambiental influenciam o comportamento dos alunos em Instituições de Ensino Superior? Patrícia P Gomes¹ Camilla M dos Santos 2 Erika M Ferreira 2 Resumo O presente artigo teve como objetivo

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA,

REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA INTERDISCIPLINAR DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO CONTEXTO ESCOLAR LIMA, Maria Jacqueline Girão Soares. jaclima@centroin.com.br GT: Educação Ambiental / n. 22 Introdução Entre professores

Leia mais

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR

APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR APOIO E REAÇÕES AOS EQUIPAMENTOS DE ENTREGA VOLUNTÁRIA EM TOLEDO - PR Tainara IankaMaas Acadêmica de Iniciação Científica do curso de Geografia da Unioeste, campus de Mal. C. Rondon-PR, Integrante do Laboratório

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - PIBID DETALHAMENTO DO SUBPROJETO 1. Unidade: 2. Área do Subprojeto: Dourados 3. Curso(s) envolvido(s) na proposta: Pedagogia Obs.: Para proposta

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

REFLEXÕES ACERCA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL 109 REFLEXÕES ACERCA DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Eloize de Angelis Huss 1 Beatriz de Jesus dos Anjos 2 RESUMO: Este artigo objetiva refletir sobre a temática Educação Ambiental na escola e sua inserção no projeto

Leia mais

Plano de Trabalho com Projetos

Plano de Trabalho com Projetos PREFEITURA DE JARAGUÁ DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO FUNDAMENTAL Plano de Trabalho com Projetos 1. Identificação: Escola Municipal de Ensino Fundamental Renato Pradi Professora:

Leia mais