AS ATIVIDADES DA LOGÍSTICA REVERSA E A CADEIA DE SUPRIMENTOS DO PAPEL PARA EMBALAGEM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS ATIVIDADES DA LOGÍSTICA REVERSA E A CADEIA DE SUPRIMENTOS DO PAPEL PARA EMBALAGEM"

Transcrição

1 AS ATIVIDADES DA LOGÍSTICA REVERSA E A CADEIA DE SUPRIMENTOS DO PAPEL PARA EMBALAGEM HENRIQUE NASCIMENTO PEREIRA Universidade Federal de Santa Catarina MÔNICA MARIA MENDES LUNA Universidade Federal de Santa Catarina IGOR MATEUS DE LIMA NUNES Universidade Federal de Santa Catarina ANDRÉ VINICIUS LIA FOOK Universidade Federal de Santa Catarina

2 AS ATIVIDADES DA LOGÍSTICA REVERSA E A CADEIA DE SUPRIMENTOS DO PAPEL PARA EMBALAGEM REVERSE LOGISTICS ACTIVITIES AND PAPER PACKAGING SUPPLY CHAIN RESUMO Questões sociais, ambientais, econômicas e políticas, com destaque para a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos, em agosto de 2010, vêm fazendo com que o percentual de materiais reciclados venha aumentando ao longo dos últimos anos no Brasil. Como resultado, a logística passa a ter papel de destaque nos canais reversos principalmente porque é necessário viabilizar o retorno dos bens após o consumo, os quais tem baixo valor agregado como é o caso do papel para embalagem. O presente artigo aborda este tema, apresentando a estrutura da cadeia de suprimentos e cadeia reversa do papel para embalagem. Além disso, identifica as organizações que fazem parte dos canais de distribuição e canais reversos realizando as atividades relacionadas aos fluxos do papel para embalagem. Entrevistas com proprietário de empresa aparista de médio porte, localizada em Santa Catarina, e pesquisa em bases de dados secundárias apoiaram o estudo. Os resultados sugerem ações que poderiam contribuir para a eficiência das atividades da logística reversa do papel para embalagem, tais como difusão de práticas de coleta seletiva, com apoio efetivo do poder público. Palavras chave: Logística reversa. Papel para embalagem. Aparista. Canais reversos. ABSTRACT Economic and political issues, such as the approval of the National Solid Waste Policy in August 2010, are contributing to raise the recycled materials percentage over the recent years. As a result, logistics now plays an important role in reverse channels because it is necessary to make possible the return of goods after consumption, which are low value - such as packaging paper case. This article addresses this matter presenting the supply chain and reverse chain of packaging paper. We also identify the distribution channels and reverse channels organizations, which participate in the activities related to flows of packaging paper. Interviews with a medium-sized wastepaper wholesaler owner, located in Santa Catarina, and secondary databases have supported the study. The results suggest practices which could contribute to the efficiency of reverse logistics activities of the packaging paper, such as selective waste collection programs sponsored by government. Key-words: Reverse Logistics. Packing paper. Wastepaper wholesaler. Reverse channels 1. INTRODUÇÃO Pressões sociais, econômicas, legais e ambientais vêm fazendo com que a reciclagem de materiais, ao longo dos últimos anos, torne-se uma necessidade. A configuração das cadeias de suprimentos e cadeias reversas, bem como a função dos seus vários membros, vem se alterando, visando viabilizar a logística reversa dos produtos após o consumo. O sistema tradicional de extrair, produzir, consumir e descartar os produtos passa a ser substituído por um sistema que considere o retorno dos produtos ao ciclo produtivo, tanto em decorrência da elevação dos preços de commodities quanto dos custos associados à disposição

3 final dos resíduos. Na verdade, o impacto ambiental decorrente do modelo econômico linear aumenta em decorrência do aumento da população e, consequente, aumento do volume de materiais processados e resíduos gerados. A Fundação Ellen Macarthur estima que cerca de 65 bilhões de toneladas de matérias-primas foram transformadas pela indústria no ano de 2010, e esse número deve crescer para cerca de 82 bilhões de toneladas em 2020 (ELLEN MACARTHUR FOUNDATION, 2014). Há cada vez menos áreas disponíveis para aterros e, em muitos países, o custo da disposição final do produto tem se elevado significativamente. Ao mesmo tempo, os avanços tecnológicos nos processos de reciclagem e nos projetos de produtos, assim como a melhoria dos processos de logística reversa, têm contribuído para tornar viável a reciclagem de diversos produtos. O caso do papel não é diferente, como afirma Cardoso et al. (2014), as pressões levam à expectativa de aumento das taxas de recuperação de papel pós-consumo, o que demanda, além de avanços tecnológicos nos processos de reciclagem, melhorias nos processos de logística reversa. A indústria do papel para embalagem já utiliza papel recuperado como alternativa à celulose virgem, mas a otimização dos processos logísticos ao longo dos canais reversos ainda é necessária. O presente artigo aborda este tema e apresenta a estrutura da cadeia de suprimentos e cadeia reversa do papel para embalagem, identificando os membros dos canais de distribuição, e canais reversos, que participam das atividades relacionadas aos fluxos do papel para embalagem. A identificação, descrição e análise das várias atividades logísticas executadas nos canais reversos deste material são apresentadas neste trabalho, buscando identificar as melhorias que poderiam tornar o processo de retorno dos resíduos do papel mais eficiente. Estruturado em cinco seções, o artigo apresenta, além desta Introdução: i) uma revisão bibliográfica sobre a indústria do papel e a logística reversa do papel para embalagem, considerando aspectos legais que afetam a logística reversa deste produto; ii) os procedimentos metodológicos onde, com base nos dados obtidos por meio de pesquisas em bases de dados secundárias, entrevistas e visitas a empresa de reciclagem, é apresentada a estrutura da cadeia de suprimentos e da cadeia reversa do papel e são descritas as atividades logísticas executadas pelos vários membros dos canais reversos; iii) a análise e discussão dos resultados com base na revisão teórica, na quarta seção; e iv) conclusões e sugestões para trabalhos futuros. 2. O PAPEL PARA EMBALAGEM E A INDÚSTRIA DE PAPEL E CELULOSE Papéis para embalagens é o nome genérico dado a uma categoria de papel usado para proteção e acondicionamento de produtos. De acordo com a Bracelpa (2014), os papéis para embalagens são moldados principalmente como caixas ou sacos e apresentam grande diversidade tanto para embalagens leves como pesadas. O papel é largamente usado para a embalagem devido às características de leveza, resistência, facilidade de fabricação, armazenamento e montagem, bem como à elevada capacidade de proteção e amortecimento de impactos. Os papéis têm um amplo espectro de utilização e são, geralmente, agrupados nas seguintes categorias: i) papel imprensa, destinado majoritariamente à impressão de jornais, mas também inclui periódicos, revistas, listas telefônicas, suplementos e encartes promocionais; ii) imprimir e escrever, divididos em quatro subgrupos, dependendo de duas características:

4 revestimento e fabricação; iii) papelão ondulado, majoritariamente dirigido para a produção de embalagens para transporte das mais variadas mercadorias; iv) papel-cartão, especialmente utilizado na produção de embalagens de bens de consumo imediato, como remédios, alimentos industrializados, cosméticos e brinquedos, entre outros; v) sanitários, também chamados de tissue, cujo principal produto é o papel higiênico, mas também engloba a produção de toalhas, guardanapos e lenços, entre outros produtos; e vi) outros papéis para embalagens e os papéis especiais (VIDAL; HORA, 2012). A indústria do papel faz parte de um dos setores mais importantes da economia nacional, formado pelas indústrias de celulose, de papéis e de artefatos de papéis. Essas três indústrias em conjunto e mais as florestas, a indústria de editoração e gráfica e ainda os segmentos distribuidores vinculados àquelas indústrias, constituem a cadeia produtiva da celulose e papel (MONTEBELLO; BACHA, 2011). O Brasil se destaca em todos estes setores, é um dos maiores produtores mundiais de papel e celulose, e a indústria de papel e celulose é um dos principais consumidores da madeira proveniente da silvicultura. Segundo a EPAGRI (2009), dos 162 milhões de m³ de madeira de florestas plantadas, o segmento de papel e celulose absorveu, aproximadamente 60 milhões de m³, com grandes empresas atuando no setor. Dentre os tipos de papel com maior representatividade na produção brasileira estão os usados para embalagens e os papéis para imprimir e escrever (BIAZUS; HORA; LEITE, 2013) Há uma grande concentração das empresas produtoras de papel nos estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina, em especial as empresas líderes, as quais, como destacam Montebello e Bacha (2011) são totalmente verticalizadas (desde a etapa de reflorestamento até a de fabricação de papéis e seus artefatos) enquanto as empresas de pequena escala de operação compram a celulose no mercado para produzir papéis ou compram papéis para produzir artefatos. Dentre as empresas produtoras de papel para embalagem estão: Adami S/A. Madeiras, Cartonifício Valinhos, Celulose Irani, Facepa - Fábrica de Papel da Amazônia, Iguaçu Celulose, Klabin, MD Papéis, MWV Rigesa e Primo Tedesco. Os vários tipos de papéis usados em embalagens, em especial o papel ondulado e papel kraft, permitem o uso de fibra reciclada na sua produção. Assim, estas empresas utilizam como insumo, além da celulose, o papel recuperado oriundo de vários canais reversos. 3. A LOGÍSTICA REVERSA E O PAPEL PARA EMBALAGEM A logística reversa pode ser entendida como a parte da cadeia de suprimentos que planeja, opera e controla o fluxo e as informações relativas ao retorno de bens de pós-venda e pósconsumo. Este fluxo de bens na direção consumidor final-indústria é realizado pelas várias organizações que formam os canais reversos. De acordo com Leite (2009) há três subsistemas reversos: reuso, remanufatura e reciclagem, além da parcela de produtos pós-consumo que é encaminhada a sistemas de destinação final. Na reciclagem, os produtos podem ser utilizados no processo de produção de produtos originais ou podem servir de matéria-prima para outras indústrias. Mas, como ressaltam Meade e Sarkis (2002), a cadeia logística reversa deve estar preparada para oferecer o serviço adequado às necessidades dos clientes neste caso, aqueles que usarão o material recuperado. No que se refere ao papel para embalagem, o uso de resíduos, seja proveniente do processo de produção do papel ou os coletados após o consumo, é frequente. O papel reciclado, pronto para ser reintroduzido na cadeia produtiva, é chamado de apara. Os aparistas coletam, classificam e distribuem o material onde quer que ele seja demandado, o que exige uma

5 logística complexa, pois o consumo nem sempre se encontra próximo às áreas produtoras (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL, 2012). O Brasil reciclou toneladas de papel em 2013, o que representou 45,55% do total de papéis consumidos (BRACELPA, 2014). Cardoso et al. (2014) lembram que do total de papéis consumidos no país alguns não são recicláveis caso do papel sanitário usado - e outros não estão disponíveis para reciclagem, como documentos e registros. O papel para embalagem, por sua vez, é um dos materiais mais reciclados no país; na composição das embalagens, estima-se que 70% da matéria prima seja oriunda de material reciclado (BRACELPA, 2014). Esta porcentagem considerável de aparas na fabricação de papel para embalagem pode constituir um diferencial competitivo para as empresas. Um dos principais motivos que tem levado às empresas a usarem este material é o baixo custo do papel reciclado quando comparado ao custo da celulose virgem. Indicadores de preços publicados na revista O Papel, de março de 2014 (BACHA, 2014), permitem comparar os preços médios da celulose e das aparas de papel: enquanto uma tonelada de celulose custava, em média, 1.700,00 reais, uma tonelada de aparas custa cerca de um quarto do valor, R$ 400,00. Além do valor mais baixo do papel recuperado como insumo alternativo, há também reduções significativas no custo de produção devido ao menor consumo de energia elétrica e água, conforme destaca Fachin (2004): 3,51 MWh e 29,2 m 3 de água são economizados por cada tonelada de papel produzido a partir do papel reciclado A Logística Reversa do papel em outros países Segundo o relatório do European Recovered Paper Council (ERPC, 2015), a Europa atingiu, em 2013, uma taxa de reciclagem de papel de 71,7% do consumo total de papel, o que equivale a 57,7 milhões de toneladas. Além do crescimento da taxa de reciclagem, é interessante ressaltar que não tem havido um crescimento significativo no consumo de papel, na Europa, ao longo das últimas décadas. O consumo atual de papel é o mesmo que o do ano 1998, com um aumento da taxa de reciclagem de 45% em relação aquele ano. Esta tendência da queda na taxa de consumo do papel é resultado das mudanças no padrão de consumo por exemplo, o papel jornal, um dos mais reciclados atualmente, está cada vez sendo menos utilizado. Por outro lado, papéis sanitários, que representam cerca de 21% do papel consumido na Europa, não pode ser reciclado. A taxa de reciclagem do papel nos EUA é um pouco inferior àquela da Europa, cerca de 63% (BRACELPA, 2011). Nos EUA a reciclagem de papel é estimulada incentivando a instalação de usinas depuradoras, capazes de iniciar o processamento e fornecer fardos de celulose secundária para serem usados em qualquer fábrica de papel, sem que estas necessitem de equipamentos para preparação de polpa de aparas, sendo todo o processo automático. A Tabela 1 apresenta dados da taxa de recuperação de papel, calculada pela relação entre o volume de aparas recuperadas no país e o consumo aparente de papel, onde se observa o destaque para a Coréia do Sul e Alemanha, com taxas de recuperação de 91,6 e 84,8 %, respectivamente.

6 Tabela 1. Taxa de recuperação do papel em diferentes países. Países Taxa de recuperação Coréia do Sul 91,60% Alemanha 84,80% Japão 79,30% Reino Unido 78,70% Espanha 73,80% Estados Unidos 63,60% Itália 62,80% Indonésia 53,40% Finlândia 48,90% México 48,80% Argentina 45,80% Brasil 45,50% China 40,00% Rússia 36,40% Índia 25,90% Fonte: (BRACELPA, 2014) A Logística Reversa do Papel e a legislação Não há uma legislação que trate especificamente dos resíduos de papel. Apesar disso, uma das metas da Política Nacional de Resíduos Sólidos, instituída pela Lei nº /10 (BRASIL, 2010), é incentivar o uso de materiais recicláveis, dentre os quais se inclui o papel. No caso do papel, deve-se considerar que um dos principais desafios para recicla-lo é viabilizar a coleta do material pós-consumo para reintroduzi-lo no ciclo produtivo. A coleta do material a ser reciclado é a primeira e, talvez, uma das atividades mais importantes da logística reversa, dado que o produto pós-consumo se encontra disperso e só será reintroduzido na cadeia produtiva se sua coleta, tratamento e recuperação for viável economicamente. Tanto na Europa quanto nos EUA a coleta seletiva é uma prática altamente difundida nas residências, indústria e comércio, o que contribui para a redução do custo do material reciclado. No Brasil, ao contrário, o sistema de coleta seletiva ainda é precário e inexiste dele na maior parte do país. Apesar de regulamentada em Dezembro de 2010, a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), que prevê a implantação pelo titular do serviço público de limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, ainda não é uma realidade no país. Dados de 2012 da Cempre (Compromisso Empresarial para Reciclagem) apontam que somente 766, ou 12%, dos munícipios do país contavam com coleta seletiva. Dentre as cidades com coleta seletiva, muitas não atendem todos os domicílios, estando abaixo de 50% o percentual de residências atendidas. Além do destaque dado pela legislação, a literatura reforça a necessidade da intervenção do Governo para incentivar e apoiar as organizações envolvidas com as atividades de logística reversa, inclusive divulgando programas que incentivem a separação do material. Em relação às cooperativas, por exemplo, vários estudos destacam o papel das organizações não governamentais (ONGs) e do poder público no fomento e no apoio às cooperativas de catadores (SOUZA; PAULA; SOUZA-PINTO, 2012). Para Wright e Richey (2011) cabe as entidades governamentais, inclusive, se for preciso, financiar atividades relativas à reciclagem de materiais. Os autores citam um estudo realizado pela Gestão de Resíduos de North America, Inc., o qual identificou que as empresas recebiam uma média de US$ 40 por tonelada de materiais recicláveis coletados nos programas de governos, mas gastavam cerca de US$ 175 por tonelada para coletar e classificar os materiais e,

7 destacam que, quando os custos superam o valor dos bens recebidos, os subsídios devem ser fornecidos por entidades governamentais. A legislação que trata da coleta seletiva em alguns países europeus responsabilizam também os fabricantes e comerciantes pela coleta e reciclagem de embalagens, jornais, revistas e outros produtos de papel pós-consumo. A PNRS, na mesma linha, instituiu a responsabilidade compartilhada entre todos os que fazem parte da cadeia do papel: os fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes, consumidores e titulares dos serviços públicos de limpeza urbana e de manejo de resíduos sólidos são responsáveis pelo ciclo de vida dos produtos. Ainda vale ressaltar que a qualidade do material reciclado constitui aspecto importante quando se busca recuperar resíduos, pois como destaca (VIDAL, 2012), apesar do incentivo às maiores taxas de reciclagem do papel, a legislação brasileira e a internacional são rigorosas quanto à utilização de papeis reciclados que possam estar contaminados (o que é comum pela forma como o papel é descartado, coletado e manuseado) para embalagem e transporte de alguns tipos de alimentos, ou seja, nestes casos é necessário o uso de fibra virgem. 4. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Este trabalho busca identificar as organizações que fazem parte da cadeia de suprimentos do papel para embalagem, tanto aquelas envolvidas na produção e distribuição dos produtos de papel quanto nas atividades voltadas à reciclagem destes. Além disso, é feita uma análise das atividades executadas pelos vários membros que formam o canal reverso, com vistas a identificar possibilidades de melhorias nos processos logísticos. Visando atingir este objetivo, algumas etapas foram definidas, quais sejam: i) caracterização da cadeia de suprimentos do papel para embalagem, identificando os elos à montante e à jusante da indústria de papel, bem como os canais reversos do produto; ii) identificação e descrição das organizações ou entidades envolvidas e das atividades logísticas realizadas nos canais reversos; iii) identificação de aspectos, relacionados à estrutura da cadeia e à legislação, que influenciam o desempenho das atividades realizadas nos canais reversos Além dos dados disponíveis em diversas fontes secundárias tais como, artigos em periódicos nacionais e internacionais, relatórios setoriais, dados de entidades de classe e associações dados primários também foram utilizados para caracterizar a cadeia de suprimentos do papel e a cadeia logística reversa. Visitas e entrevistas com o proprietário da empresa aparista Almeida Serviços Ambientais, empresa de médio porte localizada no município de São José, Santa Catarina, contribuíram para a consecução dos objetivos em especial, para a compreensão da configuração da cadeia logística reversa do papel e as atividades realizadas pelas organizações que fazem parte dos canais reversos. A referida empresa processa cerca de t de papel por mês, sendo classificada como de médio porte, segundo (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL, 2012) Caracterização da cadeia de suprimentos e cadeia reversa do papel Para identificar como os produtos retornam ao ciclo produtivo após o consumo, é preciso entender como a cadeia de distribuição deste produto está configurada e identificar quais organizações estão envolvidas com o fluxo físico dos produtos. O primeiro elo considerado na cadeia do papel é a silvicultura; a indústria do papel e celulose utiliza madeira de floresta plantada. O papel para embalagem é um dos vários tipos de papel fabricados por esta indústria, o qual é distribuído tanto para a indústria em geral quanto para

8 empresas varejistas. As embalagens são, então, usadas para facilitar o manuseio dos produtos ao longo dos canais de distribuição, podendo ser descartadas tanto no varejo quanto nas unidades domiciliares. Embalagens usadas são coletadas e retornam à indústria para ser utilizada como insumo na produção de papel para embalagem. Dentre os elementos que fazem parte da cadeia reversa do papel para embalagem se destacam os próprios fabricantes de embalagem, os varejistas e os consumidores finais. O processo de produção de caixas e outros itens de embalagens gera refiles (sobras) que são comercializados pelas empresas de produção de embalagens diretamente com a indústria de papel. Estas empresas são consideradas fornecedores de material de pré-consumo, juntamente com as gráficas que fornecem refiles de papel cartão e papel branco. Com base nos dados do setor e segundo o dono da empresa aparista consultada, o volume de papel pré-consumo é significativo, ou seja, o maior fornecedor de papel reciclado para as indústrias fabricantes é a própria indústria de produtos de papel, dado que as sobras retornam para a produção. Por outro lado, setores como os de impressão, não fornecem diretamente para as indústrias fabricantes de papel, agindo o aparista como intermediário neste processo. Uma das razões que torna necessário este intermediário é destacada pela (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL, 2012): Mas, talvez a principal função seja transformar o papel velho em matéria-prima para um novo ciclo industrial, legalizando o produto que é comprado de fornecedores quase sempre informais e vendido para consumidores sempre formalizados. Para isso, o aparista emite notas fiscais de entrada do produto transformando-o em matéria-prima e inserindo-o no sistema econômico, onde, de forma não muito justa, volta a pagar impostos que já foram pagos em seu primeiro ciclo de vida, gerando dupla receita para o governo (grifo nosso). Os aparistas, por sua vez adquirem os papéis pós-consumo tanto diretamente dos consumidores quanto das cooperativas de reciclagem. Como destaca o diretor da empresa aparista consultada: Há uma relação de compra e venda, onde o aparista firma um contrato de compra mensal com a cooperativa de catadores, ou seja, o aparista compra todo material que é recolhido pela cooperativa. Assim, por exemplo, a Almeida mantém acordo com a ACMR (Associação de Catadores de Material Reciclável de Florianópolis). Para Souza,Paula e Souza-Pinto (2012), estas associações ou cooperativas de catadores são apoiadas pela própria indústria do papel, de modo a garantir a disponibilidade de quantidade e qualidade do material para reciclagem, além disso a formação de cooperativa constitui uma das maneiras de evitar a exploração dos mesmos pelos intermediários e alcançar melhoria de renda e das condições de trabalho. A identificação e caracterização dos vários elementos que fazem parte da cadeia de suprimentos do papel para embalagem, bem como dos canais de distribuição e reversos destes produtos, permite identificar quais produtos são comercializados por quais membros, bem como identificar as funções destes. Uma representação da cadeia do papel, elaborada com base em dados secundários e na estrutura da cadeia proposta por (LUNA et al., 2013) é mostrada na Figura 1.

9 Figura 1. Representação esquemática da cadeia de suprimentos do papel para embalagem. Fonte: os autores.

10 Pode-se observar que outros tipos de papéis recicláveis são usados como insumo para a fabricação de papel para embalagem. Além disso, este material também é usado na indústria da construção civil, na fabricação de telhas. Com a representação da cadeia, a etapa seguinte consistiu na descrição das atividades executadas pelos vários membros que fazem parte da cadeia reversa As atividades na logística reversa do papel para embalagem O papel pós-consumo chamado aparas após recuperação pode retornar à cadeia produtiva a partir de várias fontes os fornecedores de aparas de pós-consumo são os supermercados, cooperativas, sucateiros, catadores, etc. (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL, 2012). Ao longo do canal reverso, diversas atividades logísticas devem ser realizadas, visando permitir a reintrodução destes resíduos no processo produtivo, e incluem: a coleta, tratamento e recuperação dos papeis usados, as quais podem ser executadas por catadores, empresas de coleta de resíduos, empresas especializadas na recuperação de papéis, cooperativas de reciclagem ou pela própria indústria. Atualmente, há no Brasil um grande número de intermediários que participam das atividades logísticas nos canais reversos. Após consumido, a coleta do papel pode ser realizada por catadores de material reciclável, por empresas de coleta seletiva ou por cooperativas de reciclagem. As cooperativas, em geral, se ocupam de realizar uma primeira triagem destes materiais, os quais serão destinados aos intermediários. No caso dos papéis, estes são encaminhados aos aparistas. A coleta do material nas cooperativas, tanto na empresa Almeida quanto na maioria dos casos, é realizada pelo aparista. Os aparistas adquirem o papel por cerca de 20 a 25 centavos o quilo e uma dificuldade, relatada pelo dono da empresa, está relacionada à quantidade de papel coletado. Dado que muitos locais não dispõe de espaço para armazenar o material reciclável, é preciso que a empresa a realize coletas frequentes de pequenos volume, elevando os custos de transporte. As atividades de transporte são as maiores geradoras de custo na empresa, estas respondem por cerca de 33% dos custos totais. Após a coleta do material, é feito o descarregamento na empresa, onde os papéis passam por uma nova triagem com o objetivo de separar os vários tipos de papel e, se for o caso, retirar outros tipos de materiais recicláveis. Vale ressaltar que, de acordo com a ANAP (2012), as aparas podem ser classificadas segundo 25 diferentes tipos, o que torna a separação um processo mais demorado. A triagem do resíduo é uma atividade intensiva em uso de mão-deobra, a qual também representa uma significativa parcela de custos da recuperação do material. Na empresa visitada, esta atividade é realizada por funcionários que separam, manualmente, os vários tipos de papéis dentro do galpão, conforme ilustrado na foto da Figura 2. Assim como o transporte, a separação do material representa 33% dos custos totais. De todo o material processado, aproximadamente 1% é rejeito, sendo enviado para aterros.

11 Figura 2. Triagem dos papéis na empresa Almeida Serviços Ambientais. Fonte: Dados primários Alguns materiais ainda sofrem outro tipo de processamento, como é o caso de papéis provenientes de instituições bancárias, os quais são triturados antes de serem enfardados, visando destruir as informações contidas nestes papéis. A atividade seguinte consiste no chamado enfardamento, ou empacotamento do papel com uso de prensas e arames. Esta atividade responde por 20% dos custos totais. A máquina de enfardamento usada na empresa é mostrada na foto da Figura 3. Figura 3. Enfardamento do papel na empresa Almeida Serviços Ambientais. Por fim, 14% dos custos totais são relativos aos custos de instalação e atividades administrativas. Os fardos de papel reciclado estão, assim, prontos para serem vendidos aos fabricantes de papel, os quais, no caso da empresa visitada, são responsáveis por coletar o

12 papel nos aparistas. Estes fardos são comercializados por 40 ou 45 centavos o quilo, segundo o proprietário da empresa aparista. O transporte dos fardos de aparas da empresa até a indústria de papel é de responsabilidade desta última. As várias atividades realizadas na logística reversa e os responsáveis por desempenhá-las estão representadas no fluxograma da Figura 4. Figura 4. Fluxograma das atividades na logística reversa. 5. ANÁLISE E DISCUSSÃO DOS RESULTADOS O papel para embalagem se destaca, dentre os vários tipos de papéis, quando se analisa a logística reversa porque cerca de 73% deste é reciclado enquanto que os demais tipos de papéis tem taxa de reciclagem bem inferior como é o caso do papel para imprimir e escrever, que gira em torno de 33%. O presente trabalho permitiu observar que a cadeia logística reversa do papel está bem estruturada, o que é consequência, principalmente, do valor econômico e do interesse da indústria nas aparas de papel, produto que pode ser utilizado em substituição à matéria prima virgem permitindo redução de custos no processo de produção. Apesar do interesse da indústria e da existência de intermediários especializados nas atividades de logística reversa deste produto, é preciso tornar os processos mais eficientes para que se possa elevar as taxas de reciclagem e a qualidade do material, tendo em vista que o Brasil importa aparas para serem usadas na produção de papel para embalagem. Segundo a (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL, 2012), enquanto exportamos basicamente aparas de papel com pasta mecânica, ou seja, jornais e revistas, o país importa aparas brancas e de papelão ondulado.

13 As organizações envolvidas na logística reversa do papel precisam ainda desenvolver relações colaborativas nesta cadeia em especial, com o maior envolvimento dos consumidores de forma a permitir a redução de custos logísticos, como os custos de transporte e triagem. O poder público tem uma importante função neste sentido, tendo em vista que a disseminação da coleta seletiva e a instalação de contentores exclusivos para papel nos municípios contribuiria para reduzir custos de separação de material. O papel pós-consumo é, na maioria dos domicílios do país, descartado no lixo comum. Neste caso, politicas que incentivem os consumidores finais a devolver este material certamente contribuiriam para a melhoria da qualidade do material reciclado e o fechamento do ciclo produtivo. A implementação da PNRS deverá contribuir neste sentido. Em relação às atividades logísticas realizadas ao longo dos canais reversos, pode-se observar que o custo da recuperação do papel é elevado, principalmente por conta do transporte e da necessidade de mão-de-obra intensiva para seleção do material. Hoje, a separação dos papéis, dos demais materiais recicláveis, é feita nas cooperativas e, em seguida, os papéis são encaminhados aos aparistas que, novamente, separam os papéis segundo os vários tipos. Além da necessidade da triagem do material, a movimentação destas cargas, de baixo valor agregado, entre as cooperativas e os aparistas, em geral localizados próximos às zonas urbanas, elevam o custo do processo e geram problemas de tráfego, visto que os veículos que movimentam estas cargas são em geral de grande porte de acordo com a (ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL, 2012), o veículo padrão usado pelos aparistas tem capacidade de 25 t de porte bruto. O proprietário da empresa visitada ressaltou que um dos pontos contemplados na PNRS pode contribuir para reduzir os custos associados à coleta do material: a definição de local para armazenamento do material reciclável por parte de grandes atacadistas, condomínios e outros consumidores para viabilizar a coleta por parte do aparista. Supermercados, comércio em geral e consumidores finais são fornecedores deste material e a participação destes visando melhorar o processo é fundamental para que se possa reduzir custos de transporte, por meio da consolidação destas cargas em local adequado, e de triagem, com a disposição do material em local adequado. Iniciativas neste sentido já podem ser observadas, como é o caso do programa de descarte pré-consumo do Grupo Pão de Açucar, chamado de Caixa Verde, o busca envolver consumidores finais. O programa possibilita aos clientes destinarem para reciclagem, em urnas instaladas ao lado dos caixas, embalagens de produtos que não precisam levar para casa, como as caixas de pasta de dente. Além disso, o Grupo também disponibiliza estações de reciclagem, onde os consumidores fazem a entrega voluntária de material. Estas ações e programas permitirão obter maior eficiência no transporte e manuseio dos produtos recicláveis nos canais reversos do papel. Além das ações listadas acima e que podem ser desempenhadas pelos vários membros da cadeia, novas soluções têm surgido para tornar mais eficiente a atividade de triagem, como é o caso da primeira central de triagem mecanizada na América Latina instalada no município de São Paulo. Com o novo equipamento, os caminhões de coleta seletiva depositam os resíduos sólidos em uma área da central e, por meio de processos mecanizados, os produtos são automaticamente separados, prensados e enfardados. A instalação tem capacidade para processar cerca de 80 mil toneladas de material reciclável por ano (250 toneladas/dia).

14 6. CONCLUSÃO Este trabalho apresentou uma análise da cadeia de suprimentos e cadeia logística reversa do papel para embalagem, destacando os canais reversos e as atividades logísticas realizadas pelos vários membros envolvidos na recuperação do papel e seu retorno à indústria. A PNRS instituiu a responsabilidade compartilhada pela reciclagem entre todos os fazem parte da cadeia do produto, o que torna clara a necessidade da identificação dos vários membros da cadeia de suprimentos, bem como da cadeia logística reversa deste produto. Com a descrição da cadeia, torna-se possível avaliar os fluxos e atividades logísticas realizadas pelos vários membros, identificando possibilidades de cooperação e melhorias nos processos. Pode-se observar que vários outros tipos de papéis podem ser usados na produção do papel para embalagem, bem como os papéis recuperados são usados por outras indústrias, como é o caso da construção civil. Como destacado nos resultados, para que a taxa de reutilização de papelão seja incrementada no Brasil é necessário, sobretudo, que a coleta do papel pós-consumo seja mais eficiente, dado que os custos de reciclagem ainda são elevados, em especial, pela necessidade de separação do material em vários estágios da cadeia logística reversa. Vale salientar que na Europa o papel reciclado em escala industrial custa mais barato graças, principalmente, à eficiência na coleta seletiva. É importante que o poder público promova campanhas para que os consumidores se envolvam como parte responsável neste processo, e elemento da cadeia que pode contribuir para melhoria da eficiência do processo logístico. Programas promovidos por empresas varejistas também se destacam por estimular a coleta papel com politicas de incentivo e recolhimento deste material, como o caso dos programas de descarte pré-consumo, o busca envolver consumidores finais. O programa possibilita aos clientes destinarem para reciclagem, em A recuperação dos materiais recicláveis gera impacto ao ambiente e custos para todos os envolvidos na cadeia de suprimentos do papel, principalmente devido às emissões associada à movimentação das cargas. A adoção de uma abordagem da cadeia de suprimentos, com a cooperação dos membros que realizam as várias atividades logísticas pode permitir a identificação da possibilidade de obter ganhos de escala, em especial no transporte do material a ser reciclado, para que se torne possível elevar a taxa de recuperação dos materiais, ao mesmo tempo em que se minimiza os impactos ambientais associados à logística reversa. Embora contribua para o melhor entendimento dos processos da cadeia logística reversa do papel para embalagem, o foco da análise deste artigo foi dado às atividades realizadas pelo aparista. Assim, sugere-se que trabalhos futuros complementem esta análise, incluindo dados detalhados também sobre as atividades logísticas nas cooperativas e na indústria. Agradecimentos Os autores agradecem ao proprietário da empresa Almeida Serviços Ambientais, senhor Milton Almeida pelas informações disponibilizadas para a realização deste trabalho. REFERÊNCIAS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS APARISTAS DE PAPEL. Relatório Anual ANAP. São Paulo: [s.n.]. Disponível em: <file:///c:/users/usuario/desktop/relat%c3%b3rio-anual- ANAP-v2.pdf>. BACHA, C. J. C. Indicadores de Preços. Revista O Papel, n. May, p , 2014.

15 BIAZUS, A.; HORA, A. B. DA; LEITE, B. G. P. Papel e Celulose: O potencial de investimento nos setores florestal, de celulose e de papel. Perspectivas do Investimento , BRACELPA. Estatísticas Bracelpa: Relatório Estatístico 2010/2011. [s.l: s.n.]. BRACELPA. Conjuntura. v. 793, n. 1, p. 1 5, BRASIL. Política Nacional de Resíduos Solidos. Lei N o 2010Brasil, , de 2 de agosto de CARDOSO, M. B. et al. A Influência da Homogeneidade das Aparas na Reciclagem do Papel. O Papel, v. 75, n. March, p , ELLEN MACARTHUR FOUNDATION. Towards a Circular EconomyGreener Management International. [s.l: s.n.]. Disponível em: <http://www.ingentaconnect.com/content/glbj/gmi/2005/ / /art00004>. Acesso em: 30 ago ERPC. Paper Recycling: Monitoring report [s.l: s.n.]. FACHIN, L. E. O. C. A Reciclagem de resíduos sólidos como meio de geração de emprego e renda: Análise dos problemas sócio-ambientais e do custo de oportunidade. [s.l.] Universidade Federal de Santa Catarina, LEITE, P. R. Logística Reversa: meio ambiente e e competitivdade. 2a. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, LUNA, M. M. M. et al. Plano Estadual de Logística e Transporte. 1a. ed. Florinaópolis: Postmix, p. 133p MEADE, L.; SARKIS, J. A conceptual model for selecting and evaluating third-party reverse logistics providers. Supply Chain Management: An International Journal, v. 7, n. 5, p , MONTEBELLO, A. E. S.; BACHA, C. J. C. O setor de celulose e papel na economia brasileira. O Papel, v. 72, n. 4, p , SOUZA, M. T. S. DE; PAULA, M. B. DE; SOUZA-PINTO, H. DE. O Papel das cooperativas de reciclagem nos canais reversos pós-consumo. RAE, v. 52, n. 2, p , VIDAL, A. C. F. O mercado de papelão ondulado e os desafios da competitividade da indústria brasileira. Papel e Celulose, v. 35, p. 5 46, VIDAL, A. C. F.; HORA, A. B. DA. A Indústria de Papel e Celulose. [s.l: s.n.]. Disponível em: <http://www.bndes.gov.br/sitebndes/export/sites/default/bndes_pt/galerias/arquivos/conhe cimento/livro60anos_perspectivas_setoriais/setorial60anos_vol1papelecelulose.pdf>. WRIGHT, R.; RICHEY, R. Recycling and Reverse Logistics. Journal of Applied Business and Economics, v. 12, n. 5, p. 9 20, 2011.

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013

Reunião MDIC. 07 de maio de 2013 Reunião MDIC 07 de maio de 2013 1 Características Indústria brasileira de papel nasceu recicladora. A reciclagem permite a existência de 60 empresas de porte médio e pequeno espalhadas pelo país, próximas

Leia mais

A reciclagem de papel no Brasil 2014

A reciclagem de papel no Brasil 2014 1 A reciclagem de papel no Brasil 2014 II Encontro Nacional dos Aparistas de Papel São Paulo, 22 outubro 2015 Associação Nacional dos Aparistas de Papel 2 Aparas definidas na Norma Refile de papelão ondulado

Leia mais

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil

As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil As dificuldades da logística Reversa do Material Plástico no Brasil A ABIPLAST representa as empresas de transformação de material plástico ( 3ª geração ) e as Industrias de Reciclagem de Material Plástico.

Leia mais

ATENÇÃO. Apresentação

ATENÇÃO. Apresentação Apresentação O tema logística reversa vem crescendo em importância entre as empresas desde a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos. Com as novas exigências, as empresas precisam buscar

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade Carla Fernanda Mueller, carla@deps.ufsc.br 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores,

Leia mais

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL Associação Nacional dos Fabricantes de Papel e Celulose BNDES - Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social A Questão Florestal e o Desenvolvimento A ATIVIDADE DE RECICLAGEM DE PAPEL NO BRASIL

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos A lei na prática Ago-12 Sonho: ser a melhor empresa de bebidas do mundo, em um mundo melhor. MEIO AMBIENTE CONSUMO RESPONSÁVEL COMUNIDADE Gente e Cultura Resíduos:

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

n abi Kl Logística Re vers r a Aparas de paras de apel

n abi Kl Logística Re vers r a Aparas de paras de apel Klabin Logística Reversa Aparas de Papel A Klabin Logística Klabin Mercado de Aparas de Papel Logística Reversa - Aparas A Klabin A Klabin é a maior produtora e exportadora de papéis do Brasil*. Líder

Leia mais

A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico. Estrutura e desafios

A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico. Estrutura e desafios A Transformação e a Reciclagem de Material Plástico Estrutura e desafios 14 - Estados representados 21 - Sindicatos Associados Representa : 100% dos Estados do Sul e Sudeste e 65% dos Estados do Nordeste

Leia mais

Dados do Setor. Março - 2014

Dados do Setor. Março - 2014 Dados do Setor Março - 2014 Índice Dados do Setor 3 Maiores Produtores Mundiais de Celulose e Papel 2012 4 Distribuição Geográfica das Florestas Plantadas Brasileiras 5 Área de Florestas Plantadas no Mundo

Leia mais

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10

Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 A EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10

Leia mais

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades

Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Coleta Seletiva : Desafios e Oportunidades Experiências e estratégias para coleta e reciclagem de embalagens longa vida ABSTRACT O gerenciamento dos resíduos sólidos urbanos é uma das questões ambientais

Leia mais

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO

O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO O BNDES E SUA PARTICIPAÇÃO NO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL ESTRUTURAS DE FINANCIAMENTO CÂMARA DOS DEPUTADOS Daniela Arantes Alves Lima Eduardo Carvalho Departamento de Economia Solidária Brasília,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS

LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS LOGÍSTICA REVERSA E OS IMPACTOS DA PNRS Autora: PATRICIA GUARNIERI i para o Portal Direito Ambiental 1. Introdução A extração desenfreada dos recursos naturais, o pensamento errôneo de que os mesmos são

Leia mais

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico

1.2 Papel e Celulose. Diagnóstico 1.2 Papel e Celulose Diagnóstico A indústria de papel e celulose é caracterizada pelo alto grau de investimento e pela longa maturação. A escala de produção das fábricas de pastas celulósicas é, em geral,

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL Reciclagem e Valorizaçã ção o de Resíduos Sólidos S - Meio Ambiente UNIVERSIDADE DE SÃO S O PAULO "PANORAMA DA COLETA SELETIVA DE LIXO NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, o CEMPRE se dedica à promoção

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado do lixo.

Leia mais

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011

Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e. Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Políticas Públicas de Resíduos Sólidos e logística reversa Alexandre Magrineli dos Reis Fundação Estadual do Meio Ambiente Belo Horizonte, outubro de 2011 Relatório da Pesquisa Pagamento por Serviços Ambientais

Leia mais

ABNT/CB29 Comitê Brasileiro de Celulose e Papel

ABNT/CB29 Comitê Brasileiro de Celulose e Papel ABNT/CB29 Comitê Brasileiro de Celulose e Papel de Papéis Reciclados CB29-0575/2008rev1 1 CE Papéis Reciclados Sugestão de roteiro para a reunião de 11/9/2008 Considera os dados, textos internacionais

Leia mais

Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama

Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama Cadeia produtiva dos materiais recicláveis no Brasil: um panorama DSc. Engª Jacqueline Rutkowski Instituto SUSTENTAR interdisciplinar de Estudos e Pesquisas em Sustentabilidade OBSERVATÓRIO DA RECICLAGEM

Leia mais

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos

Importância da Logística. O lugar da Logística nas Empresas. Custos Logísticos são significativos IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Importância da Logística O lugar da Logística nas Empresas A logística diz respeito à criação de valor; O valor em logística é expresso em termos de tempo e lugar. Produtos e serviços

Leia mais

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini

Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini Políticas Públicas Resíduos e Reciclagem. Sérgio Henrique Forini O lixo é conhecido como os restos das atividades humanas considerados inúteis, indesejáveis e descartáveis. No entanto, separado nos seus

Leia mais

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa

13/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila. Objetivos da aula. Características das empresas da cadeia produtiva reversa Logística Reversa Meio Ambiente 5ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Avaliar as diferenças entre as empresas da cadeia direta e da cadeia reversa; 2. Compreender o papel

Leia mais

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011

VII Recicle CEMPRE. Ricardo Rolim. Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 VII Recicle CEMPRE Ricardo Rolim Diretor de Relações Sociambientais 08/Nov/2011 Quem somos Ambev 4ª maior cervejaria no mundo 3ª marca mais consumida no mundo (Skol) Líder absoluto no segmento guaraná

Leia mais

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura.

PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. 1 PÓS-CONSUMO: a logística reversa - fragmentos de leitura. É do conhecimento de todos que o consumo é uma constante na contemporaneidade. Em decorrência, os gestores das organizações planejam e operacionalizam

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

Logística Reversa. Guia rápido

Logística Reversa. Guia rápido Logística Reversa Guia rápido 1 Apresentação Em 2010 foi sancionada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual, dentre outros temas, constam exigências às empresas quanto à

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS

LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS LOGÍSTICA REVERSA E OS RESÍDUOS ELETRÔNICOS Mineração Urbana no Brasil Lúcia Helena Xavier São José dos Campos SP Junho de 2015 REGULAMENTAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL LEI Nº 6.938 DE 1981 PNMA CONSTITUIÇÃO

Leia mais

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA

TÍTULO AUTORES ÁREA TEMÁTICA Objetivo: DEDICATÓRIA TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO DOS CATADORES DE PAPEL NO COMÉRCIO DE FEIRA DE SANTANA -BA AUTORES: Celso Luiz P. da Silva, Clairton Batista Vieira, Gilmar Matias P. Júnior, Wilson Dourado Lima, Maria de Fátima

Leia mais

Aspectos Empresariais e Sociais da Reciclagem. abirp@abirp.org.br (11) 4021-2859. www.abirp.org.br

Aspectos Empresariais e Sociais da Reciclagem. abirp@abirp.org.br (11) 4021-2859. www.abirp.org.br ASPECTOS EMPRESARIAIS E SOCIAIS DA RECICLAGEM Verdade inconveniente... Geração de Resíduos Processo de Urbanização e Industrialização Multiplicação dos problemas em relação ao crescimento de geração de

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

O COMÉRCIO ATACADISTA DE APARAS DE PAPEL. MDIC dezembro de 2013

O COMÉRCIO ATACADISTA DE APARAS DE PAPEL. MDIC dezembro de 2013 O COMÉRCIO ATACADISTA DE APARAS DE PAPEL. MDIC dezembro de 2013 Consumo e geração de aparas Podemos dizer que toda a adequação entre oferta e demanda por aparas de papel é feita pelas empresas do comércio

Leia mais

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente

EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano EXPO 2010 2a. Feira Internacional de Equipamentos e Soluções para Meio Ambiente A Lei e Políticas Públicas de de Resíduos Sólidos

Leia mais

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores

A lei na prática. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo. Cooperativas de catadores Política Nacional de Resíduos Sólidos Cooperativas de catadores A lei na prática Chegou a hora de assumir o importante papel na gestão do lixo Em vigor desde agosto de 2010, a nova lei sobre resíduos urbanos

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

REMANUFATURADOS, A VEZ DO BRASIL

REMANUFATURADOS, A VEZ DO BRASIL REMANUFATURADOS, A VEZ DO BRASIL Agenda ANRAP Remanufaturados no Mundo Remanufaturados no Brasil Conceito: O que é um Produto Remanufaturado? Vantagens do Produto Remanufaturado Ajudando a Preservar o

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS

LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS LOGÍSTICA REVERSA A INICIATIVA DO SETOR DE HIGIENE PESSOAL, PERFUMARIA E COSMÉTICOS POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei 12.305/10 Decreto 7.404/10 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Uma Mudança

Leia mais

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL

AUTOR: PAULO ROBERTO LEITE REVISTA TECNOLOGÍSTICA MAIO / 2002. SÃO PAULO, EDIT. PUBLICARE LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL LOGÍSTICA REVERSA NOVA ÁREA DA LOGÍSTICA EMPRESARIAL Introdução : Conceitos, Definições e Áreas de atuação A Logística Reversa tem sido citada com freqüência e de forma crescente em livros modernos de

Leia mais

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere.

DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR. Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. DIAGNÓSTICO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA EM SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PR Coleta Seletiva, nem tudo é lixo, pense, separe, recicle e coopere. Março de 2015 DESCRIÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA HISTÓRICO

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MARCO LEGAL Diálogo do Governo Federal com Sociedade Civil (Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis MNCR). Código Brasileiro de Ocupações - 2002 Reconhecimento a Categoria profissional

Leia mais

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. LEI Nº 1.223/2013 DE 16 DE ABRIL DE 2013. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA DE COLETA SELETIVA NO MUNICÍPIO DE CACHOEIRA ALTA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A CÂMARA MUNICIPAL DE CACHOEIRA ALTA, Estado de Goiás, por

Leia mais

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES

FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES FUNDO DE COLETA SELETIVA E LOGÍSTICA REVERSA COM INCLUSÃO DE CATADORES PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DA CIDADE DE SÃO PAULO Decreto 54.991/2014 (leis 12.305/2010, 11.445/2007 e 12.187/2009)

Leia mais

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis

06/10/2011. Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila. Objetivos da aula. Canais de distribuição de pós-consumo de bens duráveis e semiduráveis Logística Reversa Meio Ambiente 4ª Apostila Prof. Ph.D. Cláudio Farias Rossoni Objetivos da aula 1. Entender a importância dos fluxos logísticos reversos dos produtos e materiais de pós-consumo; 2. Perceber

Leia mais

Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e

Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e Instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial,

Leia mais

Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil

Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil Reciclagem de Resíduos Sólidos no Brasil Gestão de Resíduos Sólidos Ordem de Prioridade 1. Não geração 2. Redução 3. Reutilização 4. Reciclagem 5. Tratamento dos resíduos sólidos 6. Disposição final ambientalmente

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Setembro de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Setembro de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo,

Leia mais

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa

Do lixo ao valor. O caminho da Logística Reversa Do lixo ao valor O caminho da Logística Reversa O problema do lixo A sociedade, hoje, vive com um grande desafio: o lixo. Calcula-se que, por dia, no Brasil, são gerados 1 Kg de resíduos por habitante.

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos

4/10/2013. Sorocaba SP Parque Tecnológico. Sorocaba SP - Ciclovias. Sumário. Seminário Brasil-Japão Reciclagem de Resíduos Eletroeletrônicos Sumário -SP Coleta Seletiva de Seminário Brasil-Japão Reciclagem de - Parceria Gislaine Vilas Boas PREFEITURA DE SOROCABA - SP Brasília, março 2013 - SP - SP Localizada a 100 km da capital paulista, com

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR

ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR ANÁLISE DO PERFIL E DAS DIFICULDADES DE ALGUMAS EMPRESAS DE RECICLAGEM DE PLÁSTICOS DA CIDADE DE PONTA GROSSA PR Armando Madalosso Vieira Filho (UEPG/UTFPR) armandovieiraf@gmail.com Ivanir Luiz de Oliveira

Leia mais

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença*

O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM. René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* O SEGMENTO DE CARTÕES PARA EMBALAGEM René Luiz Grion Mattos Antônio Carlos de Vasconcelos Valença* *Respectivamente, engenheiro e gerente da Gerência Setorial de Produtos Florestais do BNDES. Os autores

Leia mais

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem

Papel com Reflorestamento. e Reciclagem Papel com Reflorestamento e Reciclagem 49 O setor brasileiro de celulose e papel prima pela utilização de madeiras florestais plantadas exclusivamente para fins industriais. O emprego de técnicas de manejo

Leia mais

"PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL"

PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL "PANORAMA DA COLETA SELETIVA E RECICLAGEM NO BRASIL" Quem somos: Associação sem fins lucrativos, fundado em 1992, o CEMPRE se dedica à promoção da reciclagem dentro do conceito de gerenciamento integrado

Leia mais

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente

Logística Reversa. Conceito de Logística. Reversa 15/09/2011. Objetivos da aula. e o Meio Ambiente Logística Reversa e o Meio Ambiente Objetivos da aula 1. Estabelecer as relações entre os canais de distribuição diretos e os canais reversos; 2. Identificar as diferentes categorias de canais de distribuição

Leia mais

Logística empresarial

Logística empresarial 1 Logística empresarial 2 Logística é um conceito relativamente novo, apesar de que todas as empresas sempre desenvolveram atividades de suprimento, transporte, estocagem e distribuição de produtos. melhor

Leia mais

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores.

O sucesso da política depende do forte comprometimento de cada um dos envolvidos no processo, de governo e empresas até consumidores. ECONOMIA - 19/08/14 BRIEFING DE POSICIONAMENTO SOBRE A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS 1. CONTEXTO Posicionamento geral para quaisquer entrevistas realizadas no âmbito da terceira edição do projeto

Leia mais

O Setor de Reciclagem de Material Plástico

O Setor de Reciclagem de Material Plástico O Setor de Reciclagem de Material Plástico Características da indústria de reciclagem: Quantas recicladoras existem para Alumínio? Aço? Vidro? Tetrapack? Papelão? Os produtores são quem adquirem a sucata

Leia mais

33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica

33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica 33º Forum de Análise do Mercado de Celulose, Papel e Indústria Gráfica Crise Econômica Mundial Quais os impactos no setor de papel e celulose O Efeito do Câmbio no Mercado Doméstico de Papelcartão Túlio

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL INFLUÊNCIA DO TEOR DE FIBRAS RECICLADAS NAS PROPRIEDADES FÍSICO- MECÂNICAS DO PAPEL Ana Carolina Nascimento, Jean Vinícius Moreira, Rubiane Ganascim Marques, Kelly C. Iarosz Discente do curso de Engenharia

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

Trabalho de catadores de materiais recicláveis recebe apoios do governo brasileiro

Trabalho de catadores de materiais recicláveis recebe apoios do governo brasileiro Trabalho de catadores de materiais recicláveis recebe apoios do governo brasileiro Há mais de 60 milhões de catadores de materiais recicláveis no mundo, segundo cálculos do Banco Mundial. Em termos econômicos,

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS

LOGÍSTICA REVERSA DE SUCATAS E S C O L A P O L I T É C N I C A DA U N I V E R S I D A D E DE S ÃO P A U L O - D E P A R T A M E N T O DE E N G E N H A R I A M E T A L Ú R G I C A E DE M A T E R I A I S - - L A B O R A T Ó R I O DE

Leia mais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais

Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Mercado da reciclagem: a qualidade dos materiais Cinthia Versiani Scott Varella Ms. Engenheira de Produção Pesquisadora do Núcleo Alternativas de Produção Consultora INSEA Objetivo Qualidade da matéria

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

COLETA SELETIVA VIDRO

COLETA SELETIVA VIDRO PROJETO COLETA SELETIVA VIDRO Florianópolis, 29 de abril de 2013 Assessoria Técnica - ASTE Departamento Técnico DPTE 2 1. CONTEXTUALIZAÇÃO As obrigações impostas pela Política Nacional de Resíduos Sólidos

Leia mais

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h

Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos sólidos 19 de maio de 2015, às 9h PALESTRA: Desafios da Responsabilidade Compartilhada pela Gestão de Resíduos PALESTRANTE: ANNELISE MONTEIRO STEIGLEDER PAINEL: DATA : Instrumentos da PNRS: licenças ambientais, licitações e planos de resíduos

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE SIMÃO DIAS Gabinete do Prefeito LEI Nº. 632 /2014 03 de dezembro de 2.014 Dispõe sobre a criação do Programa de Coleta Seletiva com inclusão Social e Econômica dos Catadores de Material Reciclável e o Sistema de Logística Reversa e seu

Leia mais

Tetra Pak e a Sustentabilidade CIESP - Campinas

Tetra Pak e a Sustentabilidade CIESP - Campinas Tetra Pak e a Sustentabilidade CIESP - Campinas Abril, 2014 Sociedade e Meio Ambiente A voz do consumidor Crescimento da preocupação ambiental Aumento do risco de legislações equivocadas 1 Consumidores

Leia mais

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO.

RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. RESÍDUO SÓLIDO: UM PROBLEMA SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO. POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI Nº 12.305/2010 DECRETO Nº 7.404/2010 O QUE MUDA COM A LEI 12.305/2010? Lixões a céu aberto e aterros

Leia mais

Plastivida lança campanha de reciclagem na Brasilplast 2007

Plastivida lança campanha de reciclagem na Brasilplast 2007 Plastivida lança campanha de reciclagem na Brasilplast 2007 O objetivo é promover o conceito de reciclagem e ampliar cada vez mais a atividade no Brasil, que hoje já recicla cerca de 520 mil toneladas

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer?

Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Palestrante: Alessandra Panizi Evento: Resíduos Sólidos: O que fazer? Marco Histórico sobre Resíduos Sólidos Lei 12.305/2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) Decreto 7.404/2012 regulamento

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SECOS A BAIXO CUSTO CONDUZ À UNIVERSALIZAÇÃO

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SECOS A BAIXO CUSTO CONDUZ À UNIVERSALIZAÇÃO COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SECOS A BAIXO CUSTO CONDUZ À UNIVERSALIZAÇÃO Tarcísio de Paula Pinto (1) Urbanista, Doutor em Engenharia Urbana e Mestre em Arquitetura e Planejamento pela USP. Diretor da I&T

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos. Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos Diagnóstico Regional Resíduos Sólidos Urbanos 1 Diagnóstico regional Geração média resíduos na região: 1,0 kg/hab/dia Média nacional: 1,1 kg/hab/dia Alta temporada: acréscimo estimado em 54% do total gerado

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos

A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE A Estratégia na Gestão de Resíduos Sólidos no Estado de São Paulo e sua Interface com a Política Nacional de Resíduos Sólidos São Paulo, 17 de

Leia mais

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para

é lei Agora Política Nacional de Resíduos Sólidos poder público, empresas, catadores e população Novos desafios para Política Nacional de Resíduos Sólidos Agora é lei Novos desafios para poder público, empresas, catadores e população Marco histórico da gestão ambiental no Brasil, a lei que estabelece a Política Nacional

Leia mais

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista 1 Única entidade sindical reconhecida pelo Governo Federal que representa a categoria econômica dos

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com

TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS (RSU) Profa. Margarita María Dueñas Orozco margarita.unir@gmail.com TRATAMENTO Série de procedimentos destinados a reduzir a quantidade ou o potencial poluidor dos

Leia mais

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO

JOSÉ LUCIANO RODRIGUES ALVES NETO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE MESTRADO EM POLITICAS E GESTÃO AMBIENTAL LOGISTICA REVERSA AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE ATUAÇÃO RESPONSAVEL QUANTO A GERAÇÃO DO LIXO DESCARTAVEL

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA Política Nacional de Resíduos Sólidos Instituída pela Lei 12.305/2010 e regulamentada pelo Decreto 7.404/2010, após 21 anos de tramitação no Congresso nacional Tem interação

Leia mais

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS

CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REVERSOS A COLETA SELETIVA A Coleta Seletiva como Fonte Primária Temos analisado as diversas formas de desembaraço dos bens após o seu uso original, os quais darão origem aos chamados

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA

A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA A POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS instrumentos, avanços e oportunidades A VISÃO DA INDÚSTRIA DESAFIOS Estabelecer a logística reversa Regulamentar planos de gerenciamento de resíduos Implantação

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DA P.N.R.S.? Engo. Eleusis Di Creddo Gerente de Meio Ambiente e Destinação Final SOLVI PARTICIPAÇÕES S.A. ecreddo@solvi.com Realização:

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Agosto de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE

CLRB. clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br PAULO ROBERTO LEITE. http://meusite.mackenzie.br/leitepr PAULO ROBERTO LEITE CLRB PAULO ROBERTO LEITE clrb@clrb.com.br www.clrb.com.br http://meusite.mackenzie.br/leitepr MISSÃO DO CLRB Oferecer ganhos de competitividade empresarial através da Logística Reversa. SERVIÇOS OFERECIDOS

Leia mais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais

Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Logística Reversa Uma visão sobre os conceitos básicos e as práticas operacionais Introdução Leonardo Lacerda Usualmente pensamos em logística como o gerenciamento do fluxo de materiais do seu ponto de

Leia mais

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA COLETA SELETIVA NA FAP SILVA V. L. da 1 ; SOUZA T. R. 1 ; RIBEIRO J. S. G. 1 ; CARDOSO C. F. 1 ; SILVA, C. V. da 2. 1 Discentes do Curso de Ciências Biológicas FAP 2

Leia mais

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014

Apresentação Os desafios da PNRS. Agosto de 2014 Apresentação Os desafios da PNRS Agosto de 2014 Vidro, material naturalmente sustentável Vantagens Ambientais da Embalagem de Vidro 100% reciclável ciclo infinito 1kg de caco gera 1kg de vidro novo, sem

Leia mais

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH

SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH SITUAÇÃO DAS ASSOCIAÇÕES DE CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS EM ALGUNS MUNICÍPIOS DA RMBH Júlio Eymard Werneck Costa Graduando em Engenharia Civil pela UFMG. Bolsista de iniciação científica. Tainá Ulhoa

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina SERVIÇOS DE LIMPEZA URBANA E AS COOPERATIVAS DE CATADORES

Leia mais

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios.

Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Aplicabilidade da ferramenta MILK RUN na cadeia de suprimentos da coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos em pequenos munícipios. Wanilene Sabará Cassiano Afiliação: Faculdade de Tecnologia de Cruzeiro.

Leia mais