CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA SA - ELFSM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA SA - ELFSM"

Transcrição

1 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 008/2008 NOME DA INSTITUIÇÃO: EMPRESA LUZ E FORÇA SANTA MARIA SA - ELFSM AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Minuta de resolução (revisão da Resolução 456/2000) EMENTA: Estabelece, de forma atualizada e consolidada, as Condições Gerais de Fornecimento de Energia Elétrica. IMPORTANTE: Os comentários e sugestões referentes às contribuições deverão ser fundamentados e justificados, mencionando-se os artigos, parágrafos e incisos a que se referem, devendo ser acompanhados de textos alternativos e substitutivos quando envolverem sugestões de inclusão ou alteração, parcial ou total, de qualquer dispositivo. TEXTO/ANEEL TEXTO/ELFSM JUSTIFICATIVA/ELFSM Art. 2º.... IX Contrato de adesão:... Art. 3º. Efetivado o pedido de fornecimento à distribuidora, esta cientificará ao interessado quanto à: I obrigatoriedade de: g) apresentação dos documentos relativos à sua constituição e registro, quando pessoa jurídica: e h) apresentação do Cadastro de Pessoa Física CPF e a Carteira de Identidade ou, na inexistência desta, de outro documento de identificação oficial. Art. 3º. Efetivado o pedido de fornecimento à distribuidora, esta cientificará ao interessado quanto à: I obrigatoriedade de: g) informar os dados relativos à sua constituição e registro, quando pessoa jurídica: e h) informar os números do Cadastro de Pessoa Física CPF e a Carteira de Identidade ou, na inexistência desta, de outro documento de identificação oficial. Pela definição da ANEEL, o contrato é blindado, não podendo ser alterado nem pelo consumidor, nem pela distribuidora. Contudo, no tocante ao prazo de vigência, não previsto no contrato em vigor, deverá haver flexibilização para atender às situações propostas (art. 17-ANEEL, 1º-ANEEL e 3º do Art. 62-ELFSM) Tornar obrigatória a apresentação de tais documentos implica na necessidade de o interessado ter de dirigir-se aos postos da distribuidora para fazer o pedido de ligação, inviabilizando o atendimento por telefone, como é feito hoje, que oferece maior rapidez, comodidade e praticidade. Além de congestionar os postos, tal medida poderá acarretar custos com a contratação de atendentes e, conseqüentemente, aumento de tarifas. Havendo necessidade de se guardar cópias de tais documentos, as mesmas deverão ser autenticadas, com ônus para o interessado, ou confrontadas com o documento original, provocando lentidão no atendimento. Mais: a distribuidora terá de dispor de espaço físico para a guarda dessas cópias. Art. 5º. A distribuidora deverá comunicar, por escrito, Art. 5º. A distribuidora deverá comunicar, por escrito, A distribuidora necessita de maior tempo para 1

2 em até 10 (dez) dias da solicitação ou da efetivação do pedido de fornecimento, as opções disponíveis para faturamento ou mudança de grupo tarifário e prestar as informações pertinentes, cabendo ao consumidor formular, por escrito, sua opção, cujo atendimento se dará em até 10 (dez) dias do recebimento. Art º Correrão por conta do consumidor as despesas com instalação e retirada de rede e ramais de caráter provisório, bem como as relativas aos respectivos serviços de ligação e desligamento, podendo a distribuidora exigir, a título de garantia, o pagamento antecipado desses serviços. Art. 17. A distribuidora poderá suspender o fornecimento quando encerrado o prazo estabelecido em contrato, nos termos definidos na Seção IV deste Capítulo. Parágrafo único. A comunicação deverá ser feita com antecedência mínima de 3 (três) dias, por escrita, específica e com entrega comprovada. Art IV serviço de bombeamento ou aeração de água destinada à atividade de irrigação agrícola. c) Agroindustrial Fornecimento para unidade consumidora, independente de sua localização, que se dedicar a em até 10 (dez) dias da solicitação ou da efetivação do pedido de fornecimento, as opções disponíveis para faturamento ou mudança de grupo tarifário e prestar as informações pertinentes, cabendo ao consumidor formular, por escrito, sua opção, cujo atendimento se dará no ciclo de faturamento que se iniciar após o recebimento. Art º Correrão por conta do consumidor as despesas com instalação e retirada de rede e ramais de caráter provisório, bem como as relativas aos respectivos serviços de ligação e desligamento, podendo a distribuidora exigir, a título de garantia, o pagamento antecipado desses serviços, bem como do consumo de energia elétrica e/ou da demanda de potência previstos, correspondentes a até 3 (três) ciclos completos de faturamento. Art. 17. A distribuidora poderá suspender o fornecimento quando encerrado o prazo estabelecido em contrato, nos termos definidos na Seção IV deste Capítulo. Parágrafo único. (EXCLUIR). Art IV serviço de bombeamento de água destinada à atividade de irrigação agrícola e o fornecimento para as estruturas relacionadas à atividade de aqüicultura definidas em ato da Secretaria Especial de Agüicultura e Pesca da Presidência da República. c) Indústria Rural Fornecimento para unidade consumidora localizada na área rural, que se dedicar a atividades proceder às alterações, principalmente quando se tratar de consumidor do Grupo A (elaboração de novo contrato ou aditivo, ajustes no sistema de faturamento etc.). Como o fornecimento é provisório, a exigência do pagamento antecipado do consumo e ou da demanda garante à distribuidora que não ocorrerá inadimplência ao final da prestação do serviço. O caput já prevê a suspensão do fornecimento quando encerrado o prazo estabelecido em contrato, portanto, o consumidor já sabe, de antemão, a data da suspensão, não se justificando a comunicação prévia. Propomos a eliminação do parágrafo único. A ANEEL deve deixar explícito, na nova resolução, que não é classificado como Rural o fornecimento para chácaras, sítios, casas de campo etc. destinados ao lazer. Alteração visando maior clareza do texto, contemplando o fornecimento para a atividade de aqüicultura. Consideramos temerária a classificação, como Rural Agroindustrial, também a unidade consumidora localizada em área urbana sem prévia avaliação do 2

3 atividades agroindustriais, ou seja, em que seja promovida a transformação, o beneficiamento, a armazenagem e a conservação de produtos advindos diretamente da agropecuária, desde que a potência posta à sua disposição não ultrapasse 112,5 kva. Art. 27 e Art. 56 Art º Havendo interesse do consumidor em ser atendido por ramal subterrâneo em local servido por rede aérea, deverá haver anuência da concessionária e que o consumidor assuma os investimentos. Art Parágrafo único. A distribuidora deverá aplicar o referido desconto de forma não cumulativa, no horário a que alude o art. 2º, 1º. Art. 57. A distribuidora deverá retornar à aplicação da tarifa convencional no ciclo de faturamento seguinte sempre que a demanda média medida dos 3 (três) últimos ciclos consecutivos e completos de faturamento for inferior a 300 kw. agroindustriais, ou seja, em que seja promovida a transformação, o beneficiamento, a armazenagem e a conservação de produtos advindos diretamente da agropecuária, oriundos da própria unidade consumidora e ou de terceiros, desde que a potência posta à sua disposição não ultrapasse 112,5 kva. Art º Havendo interesse do consumidor em ser atendido por ramal subterrâneo em local servido por rede aérea, deverá haver anuência da concessionária e que o consumidor assuma os investimentos, caso em que o ponto de entrega situar-se-á na conexão deste ramal com a rede aérea. Art Parágrafo único. A distribuidora deverá aplicar o referido desconto de forma não cumulativa, no horário a que alude o art. 37, 1º. Art. 57. A distribuidora, por opção do consumidor e mediante assinatura de novo contrato, deverá retornar à aplicação da tarifa convencional no ciclo de faturamento seguinte sempre que a demanda média medida nos 3 (três) últimos ciclos consecutivos e completos de faturamento for inferior a 300 kw. Art Art III mudança de faturamento do Grupo A para o Grupo B. 3º O prazo de fornecimento, quando provisório, impacto na receita da distribuidora, de vez que, neste caso, a tarifa será menor. Propomos seja mantida a localização da unidade consumidora apenas na área rural, até que a ANEEL efetue estudos sobre a redução de receita que a mudança poderá acarretar e forma de sua compensação. Deixar explícito ser indiferente, para efeito de classificação, que a matéria-prima utilizada no processo de industrialização seja produzida na própria unidade consumidora, adquirida de e ou pertencente a terceiros. Um é repetição do outro. Eliminar um deles. A responsabilidade pela manutenção e substituição, por defeito ou falha ou ainda por aumento de capacidade, dos condutores subterrâneos, é exclusiva do consumidor. O artigo correto é o 37, e não o 2º. Entendemos ser necessária a vontade do consumidor para retornar ao convencional mediante assinatura, em tempo hábil, de novo contrato de fornecimento, mesmo porque a própria resolução exige a celebração desse instrumento. É o consumidor quem conhece a carga e o regime de seu funcionamento, além de já estar adaptado à estrutura tarifária aplicada. Não se pode descartar a possibilidade de, no trimestre seguinte, a média superar os 300 kw. Neste caso, mantida a redação original, o faturamento deverá ser alterado novamente, com aplicação das THS sem anuência do consumidor. Entendemos que a opção exercida pelo consumidor do Grupo A para ser faturado pelas tarifas do Grupo B também se afigura como motivo para o envio do contrato de adesão. Trata-se de situação que justifica a flexibilização do 3

4 será livremente acordado entre a distribuidora e o interessado. prazo de vigência do contrato de adesão. Art X condições para inclusão na fatura da cobrança do Custeio de Iluminação Pública; e Art. 68. A fatura de energia elétrica deverá conter as seguintes informações: I -... g) data das leituras anterior e atual dos medidores, bem como da próxima leitura prevista; II -... f) percentual do reajuste tarifário, o número da Resolução que o autorizou e a data de início de sua vigência nas faturas em que o reajuste incidir. 5º Tratando-se de unidade consumidora Residencial Baixa Renda, as componentes relativas à energia elétrica consumida deverão apresentar a tarifa referente a cada bloco de consumo e constar o valor, em reais, do desconto referente à aplicação da tarifa social e nominar as isenções de pagamento do encargo de capacidade emergencial, do encargo de aquisição de energia emergencial e da recomposição tarifária extraordinária. Art º A distribuidora deverá oferecer pelo menos 6 (seis) datas de vencimento da fatura, para escolha do 4º Não será exigido o contrato de adesão quando o fornecimento for por prazo inferior a 30 (trinta) dias. Art X condições para inclusão nas faturas dos consumidores da cobrança da Contribuição para o Custeio de Iluminação Pública; e Art. 68. A fatura de energia elétrica deverá conter as seguintes informações: I -... g) leituras e data das leituras, anterior e atual, dos medidores, bem como data da próxima leitura prevista; II -... f) percentual médio do reajuste tarifário, o número da Resolução que o autorizou e a data de início de sua vigência na primeira fatura em que o reajuste incidir. 5º Tratando-se de unidade consumidora Residencial Baixa Renda, as componentes relativas à energia elétrica consumida deverão apresentar a tarifa referente a cada bloco de consumo e constar o valor, em reais, do desconto referente à aplicação da tarifa social e, quando for o caso, nominar as isenções de pagamento do encargo de capacidade emergencial, do encargo de aquisição de energia emergencial e a isenção do pagamento da recomposição tarifária extraordinária. Art º A distribuidora deverá oferecer pelo menos 6 (seis) datas de vencimento da fatura, para escolha do Refere-se, geralmente, a fornecimento realizado apenas no final de semana, como festividades religiosas, ligações de betoneiras para construção civil etc., em que a maioria dos direitos e obrigações do contrato não se aplica, já que é emitida apenas uma fatura. Tornar o texto mais claro. Incluir as leituras do medidor, como é feito atualmente. Deixar claro que o percentual de reajuste é o médio, divulgado na própria resolução homologatória, e que os dados pertinentes constarão apenas na primeira fatura em que o mesmo incidir e não em todas as seguintes até o próximo reajuste. Os encargos relativos à capacidade emergencial e aquisição de energia elétrica emergencial já foram extintos, e muitas distribuidoras também não cobram a recomposição tarifária extraordinária. Adequação do texto à realidade das distribuidoras que emitem faturas diariamente, e que definem as 6 datas de vencimento para escolha do consumidor a partir daí, e não necessariamente ao longo do mês. 4

5 consumidor, distribuídas uniformemente em intervalos regulares ao longo do mês, podendo ser modificada apenas com autorização prévia do consumidor. Art. 83. Em caso de retirada do medidor, para fins de aferição ou por motivo de deficiência atribuível à distribuidora, o faturamento relativo a esse período será efetuado com base na média aritmética dos 3 (três) últimos faturamentos. 1º Não será aplicada a cobrança de consumo de energia elétrica e demanda de potência reativas excedentes. Art O pagamento de débitos vencidos que motivaram a suspensão do fornecimento de energia elétrica significará a solicitação tácita do consumidor pela religação normal da unidade consumidora sob sua titularidade. Art No caso de unidades consumidoras classificadas na subclasse Residencial Baixa Renda, o faturamento deverá levar em consideração os seguintes procedimentos: I -... Art Parágrafo único. A distribuidora deverá facilitar o pagamento em número de parcelas igual ao dobro do período apurado. Art Constatada a duplicidade no pagamento de faturas, a devolução do valor pago indevidamente consumidor, distribuídas uniformemente em intervalos regulares ao longo do período de 30 (trinta) dias, podendo ser modificada apenas com autorização prévia do consumidor. Art. 83. Em caso de retirada do medidor, para fins de aferição ou por motivo de deficiência atribuível à distribuidora, o faturamento relativo a esse período será efetuado com base na média aritmética dos 3 (três) últimos faturamentos. 1º Não será aplicada a cobrança de consumo de energia elétrica e demanda de potência reativas excedentes quando a unidade consumidora permanecer por mais de 30 (trinta) dias sem o equipamento de medição. Art O pagamento de débitos vencidos que motivaram a suspensão do fornecimento de energia elétrica significará a solicitação tácita do consumidor pela religação normal da unidade consumidora.sob sua titularidade. Art No caso de unidades consumidoras classificadas na subclasse Residencial Baixa Renda, o faturamento deverá levar em consideração os seguintes procedimentos: I -... Art Parágrafo único. A distribuidora, quando solicitado pelo consumidor, deverá facilitar o pagamento em número de parcelas igual ao dobro do período apurado, com cobrança de juros e correção monetária. Art Constatada a duplicidade no pagamento de faturas, a devolução do valor pago indevidamente Assim, a distribuição regular dos dias de vencimento, ao longo de 30 dias implicará, conforme a data de emissão da fatura, em oferecer, para escolha do consumidor, datas de vencimento que iniciem em um mês e terminem no subseqüente, sem qualquer prejuízo para o consumidor e sem questionamentos que a expressão ao longo do mês possa acarretar. A alteração visa coibir que o consumidor, de má-fé, solicite a aferição apenas para não pagar a energia / demanda reativas excedentes que vem pagando regularmente. É comum o pagamento do débito ser efetuado pelo inquilino, que não é o titular da unidade consumidora. Daí, a supressão proposta. Com a edição das Resoluções ANEEL 246 e 485, que determinam a apuração do consumo por meio da média móvel, desnecessário manter os procedimentos criados pela Res. 456/2000, além da dificuldade de o consumidor entender a manipulação nas leituras quando num mês ele é faturado como baixa renda (consumo proporcionalizado), em outro mês ele é faturado como normal. Propomos a supressão do artigo. Facultar ao consumidor o parcelamento do débito, apurado com tarifa da época, porém, com o acréscimo de encargos. 5

6 deverá ser efetuada em moeda corrente com correção pelo Índice Geral de Preços do Mercado, IGP-M, da Fundação Getúlio Vargas, até o primeiro faturamento posterior à constatação, ou, por opção do consumidor, por meio de compensação nas faturas subseqüentes. Parágrafo único -... Art º A distribuidora deverá facilitar o pagamento em número de parcelas igual ao dobro do período apurado. Art A suspensão do fornecimento por inadimplemento será considerada indevida quando o pagamento da fatura for efetuado até a data limite previsto no aviso e houver comunicação da quitação do débito pelo consumidor por qualquer meio disponibilizado antes da data de suspensão do fornecimento. deverá ser efetuada de acordo com os seguintes procedimentos: a) por compensação no faturamento seguinte à constatação e, havendo saldo, nas faturas subseqüentes, até a devolução integral; b) em moeda corrente quando solicitada pelo consumidor. Parágrafo único - 1º... 2º Caso a devolução não seja feita por responsabilidade exclusiva da distribuidora, o valor será corrigido pela variação positiva do Índice Geral de Preços do Mercado, IGP-M, da Fundação Getúlio Vargas, até a data da compensação ou devolução ao consumidor. Art º A distribuidora, quando solicitado pelo consumidor, deverá facilitar o pagamento em número de parcelas igual ao dobro do período apurado, com cobrança de juros e correção monetária. Art A suspensão do fornecimento por inadimplemento será considerada indevida quando o pagamento da fatura for efetuado até a data limite previsto no aviso e o consumidor, antes da suspensão, comunicar, por qualquer meio disponibilizado pela distribuidora, a quitação do débito. Parágrafo único O pagamento do débito vencido obriga a distribuidora a efetuar a religação, exceto quando o responsável pela unidade consumidora solicitar, por escrito, que a mesma permaneça desligada. A alteração visa tornar prática a devolução do valor pago em duplicidade pelo consumidor, onerando a distribuidora, com a correção pelo IGP-M, quando esta, por sua culpa, atrasar a restituição Facultar ao consumidor o parcelamento do débito, apurado com tarifa da época, porém, com o acréscimo de encargos. Simples adequação do texto. A religação de imóvel sem uso, e sem registro posterior de consumo de energia elétrica, implica em faturar, no mínimo, o custo de disponibilidade, gerando atrito com o consumidor que alega não ter autorizado a religação. 6

7 Art A distribuidora poderá condicionar a continuidade do fornecimento de energia elétrica aos consumidores que estejam inadimplentes de mais de uma fatura dentro de um período de 12 (doze) meses ao oferecimento de depósito-caução, limitado ao valor total inadimplido, devendo o consumidor ser informado desta exigência, por escrito, com antecedência mínima de 15 (quinze) dias da data de vencimento da fatura de energia elétrica. Art I Ingresso: simulação das tarifas Convencional, Verde e Azul, com faturamento de menor valor; II - Acréscimo: o faturamento não poderá ser inferior aos valores originariamente contratados; III Redução: o faturamento deverá ser o valor medido; IV Migração da tarifa Verde para Azul: será concedido apenas para o período de ponta, com faturamento dos valores medidos; e V Migração da tarifa convencional para horosazonal: simulação de tarifa Verde ou Azul, com faturamento de menor valor. Art A distribuidora poderá condicionar a continuidade do fornecimento de energia elétrica aos consumidores que estejam inadimplentes de mais de uma fatura dentro de um período de 12 (doze) meses ao oferecimento de depósito-caução, limitado ao valor total inadimplido, devendo o consumidor ser informado desta exigência na forma e prazo previstos pelo 1º do art Art I Faturamento inicial: faturamento do valor medido. II Aumento de demanda: o faturamento não poderá ser inferior aos valores contratados imediatamente anteriores à solicitação do acréscimo. III Redução: o faturamento deverá ser pelo valor medido. IV Migração da tarifa Verde para Azul: será concedido apenas para o período de ponta, com faturamento dos valores medidos. V Migração da tarifa convencional para horosazonal: caso o consumidor opte pela tarifa azul, será concedido apenas para o período de ponta. Adequar o texto de forma a possibilitar a informação da exigência do depósito-caução quando da prévia comunicação da suspensão do fornecimento de que trata o art.110. Os dados para a simulação e faturamento com as tarifas horo-sazonais verde e azul não estão disponíveis em todos os medidores convencionais. Entendemos não caber à distribuidora a responsabilidade pela definição da estrutura tarifária, a qual deve ser imputada ao consumidor, que conhece a sua carga e o respectivo regime de funcionamento. A distribuidora deve, ao invés de simular a tarifa do consumidor, facultar a mudança para a melhor opção que o mesmo definir. 1º Caso o consumidor, ao final dos testes, não alterar os valores da demanda, a distribuidora deverá rever o faturamento. 1º A simulação da melhor tarifa deverá ser realizada pelo consumidor, o qual, ao final do período de testes, poderá optar por estrutura tarifária diferente da inicialmente contratada. 1 2º Caso o consumidor, ao final dos testes, não altere os valores da demanda e/ou a estrutura tarifária, prevalecerá as disposições inicialmene contratadas.a distribuidora deverá rever o faturamento. 3º Em qualquer das situações de que tratam os incisos I a IV, o valor mínimo faturável da demanda Deixar claro que, para os casos mencionados, o valor 7

8 Art Art V tabela informando e oferecendo no mínimo 6 (seis) datas de vencimento da fatura, distribuídas uniformemente em intervalos regulares ao longo do mês, para escolha do consumidor; e Art Parágrafo único. Cessado o motivo da suspensão a distribuidora restabelecerá o fornecimento no prazo estabelecido no art. 79 desta Resolução. Art Para a implementação dos respectivos procedimentos, a distribuidora disporá dos seguintes prazos, a contar da data de publicação desta Resolução. será de 30 kw. Art º É de responsabilidade do consumidor manter atualizados os dados cadastrais referidos nos incisos I, III, IV e VIII. Art V tabela informando e oferecendo no mínimo 6 (seis) datas de vencimento da fatura, distribuídas uniformemente em intervalos regulares ao longo do período de 30 (trinta) dias, para escolha do consumidor; e Art Parágrafo único. Após o consumidor comunicar a regularização da situação e a distribuidora constatar ter cessado o motivo da suspensão, o fornecimento será restabelecido no prazo estabelecido no art. 79 desta Resolução. Art Para a implementação dos respectivos procedimentos, a distribuidora disporá dos seguintes prazos, a contar da data de vigência desta Resolução. mínimo de demanda a ser faturado é o correspondente a 30 kw. Atribuir responsabilidades ao consumidor quanto às informações cadastrais a ele pertinentes. Mesma justificativa para alteração do 3º do art. 72. A distribuidora somente poderá restabelecer o fornecimento se o consumidor comunicar a normalização da irregularidade e o fato for por ela confirmado. Como são inúmeras as alterações a serem implementadas, propomos que os prazos sejam contados a partir da data de vigência da nova resolução. 8

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO N o 615, DE 6 NOVEMBRO DE 2002 (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Aprova o modelo do Contrato de Prestação de Serviço Público de Energia

Leia mais

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de

Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de Minuta de resolução alterando a Resolução nº 14, de 2011, que estabelece as condições da prestação e utilização dos serviços públicos de água e de esgoto no DF Ressarcimento de danos Nova Redação: Art.

Leia mais

Eficiência Energética. Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005

Eficiência Energética. Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005 Eficiência Energética Roberto Carlos da Silva - Técnico Comercial Agosto de 2005 Desafios para a Competitividade das Empresas Baixa Eficiência Energética; Necessidade de Novas Tecnologias e de Recursos

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: CONSULTA PÚBLICA Nº 15/2013 EMENTA (Caso exista):

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015 A (DISTRIBUIDORA), nos termos da Portaria do Ministério de Minas e Energia - MME, nº 44, de 10 de março

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 NOVA EDIÇÃO

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 NOVA EDIÇÃO DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Código de Ética NOVA EDIÇÃO RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Energia

Leia mais

NORMA. Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica.

NORMA. Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica. 1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes referente à concessão do benefício da tarifa social de energia elétrica. 2. ABRANGÊNCIA Esta norma se aplica ao Departamento de Atendimento ao Consumidor da Diretoria

Leia mais

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS

CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS CONTRATO DE FORNECIMENTO DE GÁS NATURAL CANALIZADO CONTENDO AS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE GÁS CANALIZADO REFERENTES AOS CLIENTES COMERCIAIS DA CEG 1.º PARTES a) CEG: COMPANHIA DISTRIBUIDORA DE

Leia mais

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015.

1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. EDITAL 1ª CHAMADA PÚBLICA PARA INCENTIVO DA GERAÇÃO, CONFORME PORTARIA MME Nº 44, DE 10 DE MARÇO DE 2015. A Companhia Energética de Alagoas CEAL, doravante chamada DISTRIBUIDORA, nos termos da Portaria

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC

CONDIÇÕES GERAIS DO PIC CONDIÇÕES GERAIS DO PIC I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CIA ITAÚ DE CAPITALIZAÇÃO CNPJ: 23.025.711/0001-16 PIC - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.005217/2012-63 WEB-SITE:

Leia mais

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo!

GUIA DO CLIENTE SEU CÓDIGO. Seja bem-vindo! GUIA DO CLIENTE Seja bem-vindo! É uma satisfação tê-lo como cliente. Aqui você encontrará informações importantes sobre os canais de atendimento, como usar a energia de forma adequada e segura, seus principais

Leia mais

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º

Não Aceita 4. Contribuições Recebidas Contribuição: ABRADEE Justificativa Avaliação ANEEL: Parcialmente Aceita Art. 1º COMPLEMENTO AO Anexo I da Nota Técnica n o Nota Técnica no 077/2015-SRM-SRD-SRG-SGT-SFF-SCG/ANEEL de 08/05/2015 (Análise de contribuições que não constaram do RAC Minuta de Resolução, Anexo I da NT 08/05/2015)

Leia mais

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica

Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Tarifas de Fornecimento de Energia Elétrica Conceitos Básicos: Os consumidores de energia elétrica pagam um valor correspondente à quantidade de energia elétrica consumida, no mês anterior, estabelecida

Leia mais

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido

Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido BANCO DO BRASIL S.A. Sumário Executivo do Contrato dos Cartões de Crédito Private Label Híbrido Conceito e Características do Cartão de Crédito O cartão de crédito Private Label Híbrido, de uso doméstico

Leia mais

INFORMAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA

INFORMAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA INFORMAÇÕES DAS CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA Este trabalho é baseado na Resolução ANEEL n 414/2 010 onde são reproduzidos alguns artigos de interesse geral e ainda outras informações

Leia mais

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013 LEGISLAÇÃO COMERCIAL Assunto: Homologa o resultado da sexta Revisão Tarifária Periódica RTP da Escelsa. Tipo/Nº do Documento: Data: Origem: Vigência: Resolução Homologatória nº1576 30/07/2013 ANEEL 07/08/2013

Leia mais

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO

BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO BB SEGURO CRÉDITO PROTEGIDO Condições Particulares Processo SUSEP Nº 15414.003063/2009-70 0 ÍNDICES CONDIÇÕES PARTICULARES 1. OBJETO DO SEGURO 2 2. ESTIPULANTE 2 3. GRUPO SEGURÁVEL 2 4. GRUPO SEGURADO

Leia mais

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA

SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA SERVIÇOS DE TV POR ASSINATURA Veja como funciona, como contratar, quais os seus direitos e como reclamar no caso de problemas. COMO FUNCIONA A transmissão pode ser via cabo, satélite ou microonda, sendo

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 12/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: INEE Instituto Nacional de Eficiência Energética AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL Portaria n o

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SORTE DIA&NOITE PLANO PM

Leia mais

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES

ASSEMBLEIA LEGISLATIVA ES Contrato de Fornecimento de Energia Elétrica - Poder Público Contrato nº: DCPP ES 271/2014 Estrutura Tarifária: Baixa Tensão DISTRIBUIDORA Razão Social: Espírito Santo Centrais Elétricas S/A - ESCELSA

Leia mais

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS

PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS PROGRAMA IMOBILIG - MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS Sumário 1. Objetivo... 3 2. Premissas básicas... 3 3. Compromissos da CEEE-D... 3 4. Compromissos da Imobiliária... 3 5. Serviços disponíveis através

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON SENNA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO INSTITUTO AYRTON

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 26/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: ITAIPU BINACIONAL ASSESSORIA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS

PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES GERAIS II - GLOSSÁRIO PP650V7 TRADICIONAL CONDIÇÕES GERAIS PROCESSO SUSEP Nº 15414.000663/2009-86 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ICATU HARTFORD CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 74.267.170/0001-73

Leia mais

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO PARA CONCESSÃO DE USO DE LINHA DE TELEFONIA MÓVEL

INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO PARA CONCESSÃO DE USO DE LINHA DE TELEFONIA MÓVEL Nº Do contrato: Fone: ( ) IMEI: * *A ser preenchido pela associação. INSTRUMENTO PARTICULAR DE CONTRATO PARA CONCESSÃO DE USO DE LINHA DE TELEFONIA MÓVEL Pelo presente instrumento particular, de um lado

Leia mais

Objetivo da Audiência

Objetivo da Audiência Audiência Pública n o. 033/2005 Contribuição da CPFL Energia Objetivo da Audiência Obter subsídios e informações adicionais para o aprimoramento de ato regulamentar a ser expedido pela ANEEL, que estabelece

Leia mais

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br)

INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) INFORMAÇÕES TÉCNICAS TERMINOLOGIA (parte integrante do site www.cocel.com.br) 1. Concessionária ou Permissionária - Agente titular de concessão ou permissão federal para explorar a prestação de serviços

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO SOS MATA ATLÂNTICA PLANO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011 COPEL DISTRIBUIÇÃO S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 068/2011: Contribuições de 30/11/2011 a 30/12/2011 EMENTA:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH

CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH CONDIÇÕES GERAIS DO PREMIUM CASH I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PREMIUM CASH PLANO PM 60/60 N - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.713, DE 15 DE ABRIL DE 2014. Homologa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição TUSDs referentes à Companhia

Leia mais

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000

Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento S/A ISO 9001:2000 CONTRATO ESPECIAL DE FIDELIDADE PARA FORNECIMENTO DE ÁGUA POTÁVEL, COLETA/ AFASTAMENTO E TRATAMENTO DE ESGOTO, QUE ENTRE SI CELEBRAM A SOCIEDADE DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E SANEAMENTO - SANASA CAMPINAS

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 42 / 2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: CHARTIS BRASIL SEGUROS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: LEILÃO Nº 06/2009,

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010.

RESOLUÇÃO N 3.518. Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. RESOLUÇÃO N 3.518 Documento normativo revogado pela Resolução 3.919, de 25/11/2010. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO PRIME I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO PRIME PLANO PM 48/48 P - MODALIDADE:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP MULTISORTE PM24P I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP MULTISORTE PM24P - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.815, DE 29 DE OUTUBRO DE 2014 Voto Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas de Energia TEs e as Tarifas

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES

CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES CONDIÇÕES GERAIS DO DIN DIN COPA SANTANDER LIBERTADORES I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 Din Din Copa Santander Libertadores MODALIDADE:

Leia mais

FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015

FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015 FACULDADE METODISTA GRANBERY GABINETE DA DIREÇÃO PORTARIA Nº 01/2015 Ementa: Altera e estabelece o Regulamento Financeiro para os cursos de graduação da Faculdade Metodista Granbery. O TESOUREIRO DO INSTITUTO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS

CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS CONDIÇÕES GERAIS DO IBICAPITALIZAÇÃO MAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 60/60 A - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO Art. 1º Este documento, doravante denominado Regulamento de Empréstimo, estabelece os direitos e as obrigações da Boticário Prev, dos Participantes e Assistidos, para a concessão

Leia mais

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica

Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais de Energia Elétrica Encontro do Conselho de Consumidores da AES Eletropaulo (Conselpa) e Conselho Coordenador das Associações Amigos de Bairros, Vilas e Cidades de SP (Consabesp). Direitos e Deveres dos Consumidores Residenciais

Leia mais

O CONGRESSO NACIONAL decreta:

O CONGRESSO NACIONAL decreta: REDAÇÃO FINAL MEDIDA PROVISÓRIA Nº 608-A, DE 2013 PROJETO DE LEI DE CONVERSÃO Nº 14 DE 2013 Dispõe sobre crédito presumido apurado com base em créditos decorrentes de diferenças temporárias oriundos de

Leia mais

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO

PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE REGULAMENTO PROGRAMA DE CRÉDITO EDUCATIVO - INVESTCREDE 1. DAS INFORMAÇÕES GERAIS REGULAMENTO 1.1 - O presente regulamento objetiva a concessão de Crédito Educativo para estudantes devidamente Matriculados nos cursos

Leia mais

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE:

CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25 WEB-SITE: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE FÁCIL I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.004260/2008-25

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução:

RESOLUÇÃO N 3518. Parágrafo único. Para efeito desta resolução: RESOLUÇÃO N 3518 Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. O BANCO CENTRAL

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO AYRTON SENNA 50 ANOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PM 48/48 D - MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 32/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36

CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 Página 1 de 7 CONDIÇÕES GERAIS DO TC CASH 36 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: HSBC Empresa de Capitalização (Brasil) S.A. CNPJ: 33.425.075/0001-73 TC CASH 36 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO:

CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: CONDIÇÕES GERAIS SANTANDER CAP SORTE UNIVERSITÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A CNPJ: 03.209.092/0001-02 MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.001039/2009-04

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS

REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS REGULAMENTO DO PROGRAMA ITAUCARD BUSINESS REWARDS 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) Este Regulamento faz parte integrante do Contrato de Cartão de Crédito ( Contrato ) e regula as condições aplicáveis ao Programa

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009.

CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009. NOME DA INSTITUIÇÃO: COPEL DISTRIBUIÇÃO S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 010/2009 : Contribuições de 12/03/2009

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 AGÊNCIA CIOL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.774, DE 12 DE AGOSTO DE 2014 Nota Técnica n 253/2014-SRE/ANEEL Homologa o resultado do Reajuste Tarifário Anual de 2014 e fixa as Tarifas

Leia mais

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO

REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO REGULAMENTO DO AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO O presente instrumento estabelece as normas regulamentares do AUTO-ATENDIMENTO SETOR PÚBLICO, destinado ao atendimento de Pessoas Jurídicas de direito público,

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO PESSOAL GERDAU PREVIDÊNCIA Capítulo I Da Finalidade Artigo 1 - O presente Regulamento de Empréstimo Pessoal, doravante denominado Regulamento, tem por finalidade definir normas

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 31 DE MARÇO DE 2008

PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 31 DE MARÇO DE 2008 PORTARIA NORMATIVA Nº 2, DE 31 DE MARÇO DE 2008 Dispõe sobre o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior - FIES. DA POLÍTICA DE OFERTA DE FINANCIAMENTO Art. 4º A concessão de financiamento

Leia mais

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS FORNECIMENTO

DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA. de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS FORNECIMENTO DIREITOS E DEVERES DO CONSUMIDOR DE ENERGIA ELÉTRICA Código de Ética RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 414 CONDIÇÕES GERAIS DE FORNECIMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA APRESENTAÇÃO A Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À CONSULTA PÚBLICA Nº 006/2015 NOME DA INSTITUIÇÃO: AES Brasil AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Consulta Pública 006/2015 de 15/06/2015.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009)

CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS. (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CONDIÇÕES GERAIS DO REALCAP MEGA SONHOS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: Santander Capitalização S/A (Empresa Incorporadora da Real Capitalização S.A. desde 30/09/2009) CNPJ: 03.209.092/0001-02

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DE FIAÇÃO INTERNA Pelo presente instrumento particular, a A.TELECOM S.A. inscrita no CNPJ/MF sob o nº 03.498.897/0001-13, com sede na Alameda Campinas, 1070

Leia mais

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição.

TARIFAS BANCÁRIAS. Para abrir uma conta, os bancos exigem um depósito inicial, que varia conforme a instituição. TARIFAS BANCÁRIAS A utilização de bancos é praticamente indispensável aos cidadãos. Contas e impostos, salários e seguros-desemprego são exemplos de transferência de dinheiro normalmente intermediada por

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola

CARTA-CIRCULAR N 17/2003. Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003. Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO. Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola CARTA-CIRCULAR N 17/2003 Rio de Janeiro, 20 de maio de 2003 Ref.: FINAME AGRÍCOLA BNDES AUTOMÁTICO Ass.: Linha Especial de Financiamento Agrícola O Superintendente da Área de Operações Indiretas, consoante

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.

CG DA MODALIDADE POPULAR PM CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076. CONDIÇÕES GERAIS DO APLUBCAP POPULAR 2262 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 226 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº:

Leia mais

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009.

DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. DECRETO Nº 30.090, DE 20 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta o Capítulo VII da Lei nº 4.257, de 02 de dezembro de 2008 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 386, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, fixa as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial

ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011. NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 004 /2011 NOME DA INSTITUIÇÃO: Excelência Energética Consultoria Empresarial AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: MINUTA DO

Leia mais

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO

NORMA RESSARCIMENTO POR DANO ELÉTRICO PÁGINA 1 de 7 ÍNDICE DO CONTEÚDO 1. Objetivo 1 2. Norma e Documentos Complementares 1 3. Definições 1/2 4. Condições Gerais 2 5. Procedimentos 3/4/5 6. Anexo 6 7. Ficha de Vida 7 1. Objetivo: Esta norma

Leia mais

Abrangência: Esse programa abrange:

Abrangência: Esse programa abrange: Condições a serem observadas para adesão ao programa de recuperação fiscal que concede condições especiais para o pagamento à vista e o parcelamento de débitos de qualquer natureza (Portaria Conjunta PGFN/RFB

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.050, DE 19 DE AGOSTO DE 2010. Homologa as tarifas de fornecimento de energia elétrica, as Tarifas de Uso dos Sistemas de Distribuição

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP)

CONDIÇÕES GERAIS DO (NOME FANTASIA DO PRODUTO) (NOME FANTASIA DO PRODUTO) - MODALIDADE: INCENTIVO PROCESSO SUSEP Nº: (nº processo SUSEP) - textos na cor azul serão adotados caso selecionados; - textos na cor vermelha deverão ser suprimidos no documento original e trata-se de informações para a elaboração do Título; - textos em negrito,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD;

RESOLUÇÃO Nº 2.747. II - endereços residencial e comercial completos; (NR) III - número do telefone e código DDD; RESOLUÇÃO Nº 2.747 Altera normas relativas à abertura e ao encerramento de contas de depósitos, a tarifas de serviços e ao cheque. O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9º da Lei nº 4.595, de 31

Leia mais

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV.

REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. REGULAMENTO DE EMPRÉSTIMO A PARTICIPANTE DO PLANO DE BENEFICIO CEBPREV. Sumário Capítulo I Da finalidade...1 Capítulo II - Dos contratantes...1 Capítulo III - Dos limites individuais...2 Capítulo IV -

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX

CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX CONDIÇÕES GERAIS DO OUROCAP EMPRESA FLEX I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRASILCAP CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 15.138.043/0001-05 OUROCAP EMPRESA FLEX - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO

Leia mais

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO

I INFORMAÇÕES INICIAIS II - GLOSSÁRIO I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: INVEST CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 93.202.448/0001-79 (NOME FANTASIA DO PRODUTO): INVESTCAP TRAD-PU 03 (12M) MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900283/2013-20

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 513 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 513 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO MENSAL CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 513 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900001/2014-75 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A.

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE POPULAR PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S. A. CNPJ: 88.076.302/0001-94 APLUBCAP POPULAR 636 MODALIDADE: POPULAR PROCESSO SUSEP Nº: 15414.901295/2014-52 II - GLOSSÁRIO Subscritor

Leia mais

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD

Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Permissões Especiais Projeto GSAN - IPAD Versão: 0.1 Local: Recife PE Data: 12/11/2012 Índice Histórico de Revisões... 6 1. Introdução... 7 1.1 Objetivo... 7 1.2 Escopo... 7 2. Permissões Especiais...

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO HOMOLOGATÓRIA Nº 1.512, DE 16 DE ABRIL DE 2013. Homologa o resultado da terceira Revisão Tarifária Periódica RTP da Companhia Energética do Rio Grande

Leia mais

8) Qual o papel da administradora?

8) Qual o papel da administradora? 1) Como funciona o consórcio? R= Consórcio é um sistema que reúne em grupo pessoas físicas e/ou jurídicas com interesse comum para compra de bens ou serviços, por meio de autofinanciamento, onde o valor

Leia mais

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011

ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011 CONTROLE DE VERSÃO EILD PADRÃO BRASIL TELECOM S.A. ALTERAÇÕES DA MINUTA REVISADA EM MARÇO/2011 1. Alterações realizadas no corpo do contrato: Alteradas as qualificações da CONTRATADA e CONTRATANTE O Anexo

Leia mais

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO

TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO - APLUBCAP TRADICIONAL 16 MODALIDADE TRADICIONAL - PAGAMENTO ÚNICO CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: APLUB CAPITALIZAÇÃO S/A CNPJ: 88.076.302/0001-94

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2.303. V - devolução de cheques pelo Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis - SCCOP, exceto por insuficiência de fundos;

RESOLUÇÃO Nº 2.303. V - devolução de cheques pelo Serviço de Compensação de Cheques e Outros Papéis - SCCOP, exceto por insuficiência de fundos; RESOLUÇÃO Nº 2.303 Documento normativo revogado, a partir de 30/4/2008, pela Resolução nº 3.518, de 6/12/2007. Disciplina a cobrança de tarifas pela prestação de serviços por parte das instituições financeiras

Leia mais

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética

Demanda e Fator de Potência. Qualidade e Eficiência Energética Demanda e Fator de Potência Qualidade e Eficiência Energética 4 Agenda Agenda Qualidade e Eficiência Energética 7 Legislação sobre Eficiência Energética Plano Nacional de Energia ISO 51000 Sistemas de

Leia mais

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01

CG DA MODALIDADE TRADICIONAL PU CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 CONDIÇÕES GERAIS DA ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: ZURICH BRASIL CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 17.266.009/0001-41 ZURICHCAP TRADICIONAL PU 01 MODALIDADE: TRADICIONAL

Leia mais

Telecomunicações: faça valer seus direitos

Telecomunicações: faça valer seus direitos Telecomunicações: faça valer seus direitos Exercer nosso direito à comunicação é uma questão de cidadania. Os serviços de telecomunicações estão entre os que mais geram dúvidas e reclamações. Veja aqui

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014

3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 3LEI Nº 438 DE 09 DE SETEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a consignação em folha de pagamento de agente político e servidor da administração municipal do executivo e do legislativo e dá outras providências. O

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO Nº 355, DE 17 DE MARÇO DE 2015. Dispõe sobre os procedimentos e as taxas de desconto dos fluxos de caixa marginais a serem adotados nos processos de Revisão Extraordinária nos Contratos de Concessão

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA SAF Nº 01, DE 19 DE JANEIRO DE 2011 Publicada no DOE de 25 de janeiro de 2011 Dispõe sobre a movimentação de recursos efetuados pelos Órgãos, Fundos e Entidades da Administração

Leia mais

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS

EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS EXTRATO DO CONTRATO DE REPRESENTANTE DE SEGUROS CUMULADO COM CORRESPONDENTE DE MICROSSEGUROS SEGUROS TOKIO MARINE SEGURADORA S.A., inscrita no CNPJ sob o número 33.164.021/0001-00 pessoa jurídica de direito

Leia mais

c) O Programa tem prazo para acúmulo de Pontos do Catálogo 03/2015 de Outubro de 2015, a 30 de Março de 2016.

c) O Programa tem prazo para acúmulo de Pontos do Catálogo 03/2015 de Outubro de 2015, a 30 de Março de 2016. Regulamento Clube do Desejo Miess 1. DISPOSIÇÕES GERAIS a) As presentes disposições regulam o programa de pontos * Clube do Desejo Miess * (Programa), por meio do qual são atribuídos (*Pontos *) os clientes

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos

Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria da Administração e dos Recursos Humanos SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DOS RECURSOS HUMANOS ESCOLA DE GOVERNO EDITAL Nº001/2010 Regulamenta o Processo Seletivo para ingresso no Curso de Pós-Graduação lato sensu em Educação a Distância

Leia mais

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo

SANTANDER CAP. Condições Gerais. I - Objetivo SANTANDER CAP Condições Gerais I - Objetivo Art. 1º - A SANTANDER CAPITALIZAÇÃO S.A., doravante denominada Sociedade de Capitalização, institui o Título de Capitalização ora descrito e devidamente aprovado

Leia mais

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. DECRETO Nº 2.525, DE 4 DE SETEMBRO DE 2014 - Institui o Programa de Recuperação de Créditos da Fazenda Estadual REFAZ e dá outras providências. EMENTA: Concede parcelamento de débitos fiscais com anistia

Leia mais

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA

ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA ANEXO XV DIRETRIZES PARA CONTRATAÇÃO DE SEGUROS DE RESPONSABILIDADE DA CONCESSIONÁRIA Durante o prazo da CONCESSÃO, a CONCESSIONÁRIA deverá contratar e manter em vigor no mínimo as apólices de seguro a

Leia mais

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015

CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC. Outubro / 2015 CARTILHA REGULAMENTO GERAL CONSUMIDOR RGC Outubro / 2015 CONHEÇA SEUS DIREITOS Principais normas aplicáveis aos consumidores: * Código de Defesa do Consumidor (Lei nº 8.078/90); * Regulamento Geral de

Leia mais