Papel Higiénico Renova:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Papel Higiénico Renova:"

Transcrição

1 Papel Higiénico Renova: Marketing de Vanguarda numa Categoria Comercializada 11/ Este caso foi escrito por Raquel Seabra de Sousa, MBA INSEAD 2009 e consultora da BCG, sob a supervisão de Yakov Bart, Professor Assistente de Marketing, Pierre Chandon, Professor Adjunto de Marketing e Steven Sweldens, Professor Assistente de Marketing, todos da INSEAD. O material de vídeo foi produzido por Shellie Karabell e Julian Boudier, da INSEAD. Este material é destinado para ser usado como base para debates em sala de aula, e não para ilustrar se uma situação administrativa foi conduzida de maneira eficaz ou não. Traduzido na íntegra com a permissão da INSEAD. O tradutor é o único responsável pela exactidão da presente tradução. This translation, Copyright 2010 INSEAD. The original case is entitled Renova Toilet Paper - Avant-garde Marketing in a Commoditized Category, Copyright 2010 INSEAD.

2 Las Vegas, Nova York - Hotel e Casino Nova York: Paulo Pereira da Silva, físico formado na Suíça e CEO da Renova, uma empresa portuguesa privada de papel, assistia a uma apresentação da Zumanity, produção do Cirque du Soleil para adultos, com Luis Saramago, director de marketing da empresa. Ao observar os trapezistas segurando-se em tiras de tecido preto, Paulo Pereira da Silva teve a ideia para as campanhas publicitárias com um tom artístico da própria Renova, que mostram homens nus e tiras do papel higiénico Renova. Foi assim que ele teve a ideia do papel higiénico preto. Papel higiénico preto? Para ver o quão inusitada é a ideia, tenha em mente que papel higiénico é uma categoria altamente comercializada, com crescimento lento e pouca inovação. Embora a Renova seja uma marca relativamente forte em Portugal (seu país de origem), trata-se apenas de uma empresa familiar de médio porte que enfrenta uma concorrência acirrada com gigantes desse mercado de bens de consumo, como a Procter & Gamble, além de fabricantes multinacionais de papel, como a Kimberly-Clark e a Georgia-Pacific. Além disso, numa categoria onde marcas próprias estão a começar a superar as marcar nacionais, a Renova também tem de lidar com potências do retalho que são tanto clientes como concorrentes. Embora os desafios estratégicos diante de Paulo Pereira da Silva sejam comuns a todas as empresas de médio porte que estejam enfrentando os gigantes do mercado, isso não os torna nem um pouco mais fácil de resolver. Sem uma vantagem de custos clara, um posicionamento de marca distinto ou qualidades exclusivas do produto, como a Renova poderia aumentar os negócios nos seus actuais mercados de actuação ou expandir para novos mercados? A Indústria do Papel Absorvente Panorama da Indústria Europa Ocidental Em 2005, o papel absorvente descartável e a higiene correspondem a uma categoria de $26 bilhões na Europa Ocidental, igualmente dividida entre papel absorvente descartável e artigos de higiene (fraldas, protecções sanitárias etc.). A categoria de papel absorvente descartável, de $13 bilhões, inclui papel higiénico ($7,6 bilhões), papel toalha e toalha de cozinha ($2,6 bilhões), lenços faciais e de bolso ($1,6 bilhão) e guardanapos ($1,3 bilhão). Entre 2002 e 2005, o mercado cresceu apenas 2,4% ao ano devido à estagnação da população consumidora e à saturação do mercado. Conforme demonstrado na Apresentação 1, a participação da Renova no mercado da Europa Ocidental em 2005 é inferior a 1%. Os seus principais concorrentes na indústria do papel absorvente são a Procter & Gamble (que entrou no mercado em 1994, com o papel higiénico Charmin e o papel toalha Bounty), de $57 bilhões, e a Kimberly-Clark (proprietária do lenço facial Kleenex, do papel higiénico e papel toalha Scott, e do papel higiénico Cottonelle), de $16 bilhões. A concorrência também conta com empresas gigantes do papel como a Georgia- Pacific (proprietária da Angel Soft, Lotus etc.), de $21 bilhões, e a SCA (Svenska Cellulosa Aktiebolaget, proprietária da Velvet, Tempo etc.), de 13 bilhões. Os retalhistas compõem o terceiro grupo de concorrentes, com a vantagem adicional de serem praticamente os únicos clientes da Renova. Entre os principais retalhistas europeus estão o Carrefour (com vendas de 64 bilhões na Europa), o Lidl ( 40 bilhões) e a Tesco ( 37 bilhões). Ainda existem vários Copyright 2010 INSEAD 1 11/

3 outros produtores de papel de médio porte na Europa que provavelmente poderiam ingressar no mercado português. Entre esses produtores, destaca-se a empresa Sofidel, de 800 milhões, sendo a quarta maior empresa de papel absorvente na Europa e proprietária das marcas Nicky e Regina. Embora a empresa tenha presença mais forte no seu mercado nacional, na Itália, ela encontra-se em rápida expansão na Espanha e noutros países. Outro concorrente em potencial é a empresa de 200 milhões Tronchetti (também italiana), responsável pela produção do papel higiénico Foxy. A rentabilidade do sector de papel absorvente está em baixa e bastante afectada pelos preços de energia, que dobraram entre 2003 e 2005, e pelo custo da polpa para papel, que se manteve estável após oscilações significativas em Portugal Em 2005, as vendas totais da categoria de papel absorvente descartável (excluindo-se fraldas e outros artigos de higiene) estão em cerca de 220 milhões, dos quais 135 milhões são provenientes de papel higiénico, 37,2 milhões de guardanapo, 35 milhões de papel toalha, e 12,8 milhões de lenços faciais. A participação da Renova em valores na categoria de papel absorvente descartável é de 35% (17%, se levarmos em consideração os artigos de higiene exibidos na Apresentação 1). A sua participação no mercado em cada subcategoria é de 34% para papel higiénico, 37,6% para guardanapo, 29% para papel toalha e 29,5% para lenço facial. Devido à penetração no mercado quase universal (acima de 90%) e ao crescimento restrito da população, a categoria de papel higiénico cresceu apenas 1,5% ao ano durante os três anos anteriores e espera-se um crescimento no mesmo ritmo para o futuro próximo. Os concorrentes nessa categoria são os mesmos que no restante da Europa, à excepção dos retalhistas, que são basicamente locais. O principal retalhista de FMCG (Bens de Consumo de Alta Rotatividade) em Portugal é a Sonae Distribuição (com vendas de 2,2 bilhões, proprietária da Modelo Continente, de 2,9 bilhões), seguida do Grupo Jerónimo Martins (vendas de 1,7 bilhão com os supermercados Pingo Doce e Feira Nova), de Os Mosqueteiros (Intermarché), de 2 bilhões, e do grupo Auchan, de 1,8 bilhão (Jumbo). Embora não sejam tão fortes em outras regiões da Europa (por exemplo, na Alemanha), as lojas de descontos (hard discounters) (como o Lidl, de 1,4 bilhão) estão presentes e conquistando a sua participação no mercado. Conforme demonstrado na Apresentação 2, as marcas próprias e Renova têm, cada uma, cerca de um terço do mercado. As vendas da Renova são predominantemente do Renova Super, a marca mais antiga e com maior número de vendas, com uma participação no mercado de 25%. Renova Progress possui uma participação no mercado de 5%, mas as participações de todas as outras marcas da Renova (Renova Fraîcheur, Renova Fragrance e Renova Húmido) estão abaixo de 2%. Para mais informações, consulte a Apresentação 2, que traz a participação no mercado em valores das principais marcas de papel higiénico em Portugal, e a Apresentação 3, que mostra os tamanhos e preços comuns de pacote para as marcas da Renova em Portugal. De acordo com os dados do Euromonitor, a segunda principal empresa no mercado de papel higiénico em Portugal é a Kimberly-Clark, com uma participação no mercado de 22%, graças às suas duas principais marcas, Scottex e Kleenex (com uma participação no mercado de 10-11% cada). Georgia-Pacific está em terceiro lugar, com a Colhogar (participação no mercado Copyright 2010 INSEAD 2 11/

4 de 7%). A empresa portuguesa Pampi-Lar é a quarta, com presença de 2% no mercado. A Apresentação 4 mostra os principais produtos concorrentes e uma amostra de propagandas. Os preços do papel higiénico em Portugal estão relativamente altos em comparação a outros países europeus, o que se dá, em parte, pela participação no mercado relativamente baixa das marcas próprias (resultado de uma concorrência menos acirrada no retalho e da quantidade menor de lojas de descontos) e, em parte, devido ao grande poder das marcas nacionais (inclusive a Renova). Tendências na Indústria A história do papel higiénico é rica e interessante (veja os detalhes na Apresentação 5). A actual segmentação do mercado na Europa Ocidental tem a sua origem na qualidade e no preço. Em Portugal, os preços do papel higiénico variam de 0,10 a 0,70 por rolo (veja a Apresentação 6). Também existe uma grande variedade nos tamanhos dos pacotes. Embora o papel higiénico seja vendido, em grande parte, em pacotes com 12 ou 24 rolos, os pacotes com 6 também são comuns, e alguns pacotes gigantes e promocionais podem chegar a ter 48 rolos (veja a Apresentação 6). Essa variedade no tamanho ajuda as empresas a mascararem uma diferença de até sete vertentes no preço unitário, permitindo-lhes tarifar os seus produtos de acordo com a sensibilidade do cliente quanto ao valor e à quantidade. Quando questionados sobre os atributos mais importantes do papel higiénico, 60% dos consumidores portugueses mencionaram o preço, 30% a qualidade, 8% a marca, e 2% o formato. Em termos de qualidade, os três atributos mais importantes são a maciez, a resistência e a absorção. Uma parcela de 55% dos consumidores portugueses relata que confere o preço do papel higiénico nas prateleiras antes de fazer a sua escolha, enquanto 35% informaram que não conferem o preço de antemão. Uma parcela de 46% dos consumidores portugueses afirma levar de 15 a 30 segundos para escolher o seu papel higiénico, 28% levam menos de 15 segundos, e 24% levam de 30 segundos a um minuto. Marcas Próprias O mercado de papel higiénico da Europa Continental está passando por um fenómeno clássico de polarização, com forte crescimento das marcas premium, estagnação do papel higiénico comum e económico, e rápido crescimento das marcas próprias. Na Espanha, por exemplo, as marcas premium tiveram um aumento no valor de 16% entre 2003 e 2005, as marcas próprias de 12%, enquanto as marcas comuns e económicas subiram apenas 3%. O crescimento das marcas próprias na Europa é orientado não apenas por melhorias na qualidade e no marketing dos seus produtos, mas também pelo crescente poder dos retalhistas europeus, que estão solidamente consolidados, sendo portanto capazes de pressionar impiedosamente todos os fornecedores. Em Portugal, as marcas próprias representam a categoria com crescimento mais rápido, ganhando participação no mercado graças à sua razão superior de qualidade/preço. Embora tenham começado oferecendo um papel higiénico básico, a previsão é de expandir para uma gama mais ampla, com mais produtos premium, conforme fizeram noutras categorias de produto. O papel higiénico Floralys da Lidl, por exemplo, já possui reputação de qualidade superior. A maioria dos compradores (principalmente os mais novos) acredita piamente que as marcas próprias têm o mesmo desempenho das marcas nacionais. Copyright 2010 INSEAD 3 11/

5 Os retalhistas costumam oferecer apenas três ou quatro marcas de papel higiénico: a sua marca própria, a marca líder e mais uma ou duas marcas nacionais. Isso dificulta o facto de que as empresas de segunda classe (e inferiores) actuando no mercado garantem uma distribuição consistente e uma posição de destaque nas prateleiras, principalmente se não oferecerem qualidades exclusivas. Nesse contexto, os retalhistas detêm um enorme poder e usam-no para extrair margens comerciais mais elevadas das marcas nacionais, aumentando assim a disparidade entre os preços das marcas nacionais e das marcas próprias. Mesmo quando a distribuição é consistente, o ambiente do retalho apresenta outros obstáculos. Os corredores de papéis descartáveis costumam ser as áreas mais insípidas e homogéneas de uma loja, levando os consumidores a concentrar-se mais no preço (veja a Apresentação 7). Por isso, os preços e as promoções de vendas (oferecendo normalmente pacotes maiores, mas empregando também ofertas do tipo "pague um e leve dois", descontos de preço e cupões) são usados intensamente para aquecer as vendas. Desta forma, grande parte do orçamento de marketing na categoria papel higiénico é dedicada a promoções comerciais, reduções temporárias de preço, inserção de abatimentos e outras acções de marketing dentro das lojas. O resultado final é que um grande segmento da população acostumou-se a comprar papel higiénico em diferentes lojas. Produtos Premium Para reagir à popularidade crescente das marcas próprias, as marcas nacionais de papel higiénico passaram por diversos avanços tecnológicos durante os últimos anos. A maioria das inovações é concebida para melhorar os atributos físicos mais importantes do papel higiénico: absorção, resistência e maciez. Em 1981, a Georgia Pacific lançou-se no segmento premium com o papel higiénico volumoso, resistente e macio Moltonel na França. Durante as duas últimas décadas, o segmento premium passou a ser responsável por um quarto do crescimento total da categoria, representando hoje 15% de todos os rolos consumidos na França e propiciando uma participação nos valores do segmento de 20%. Essa inovação bem sucedida deu-se em grande parte em função de um forte apoio dado pelos retalhistas, que adoptaram rapidamente o produto e lhe deram grande visibilidade nas lojas. A apresentação dos papéis de 3 e 4 folhas também obteve sucesso, por ter melhorado comprovadamente a resistência e a absorção do papel. A apreensão inicial de que os consumidores seriam levados a consumir menos papel a cada utilização (prejudicando os volumes de vendas) não foi confirmada pelos registos de vendas. Aparentemente, os consumidores não contabilizam a quantidade de papel usada regularmente. A quantidade de papel usada parece estar mais ligada aos hábitos de consumo. Logo, os consumidores tendiam a usar a mesma quantidade de papel de 4 folhas que usavam do papel de 3 folhas, contribuindo assim de forma positiva para o volume de vendas. Outras marcas inovaram melhorando a conveniência na hora da compra e do uso. Na Itália, a Regina Rotoloni ("rolos grandes") da Sofidel lançou rolos com um comprimento de papel muito maior do que o de seus concorrentes. Esse produto com "10 rolos em 4" forneceu aos consumidores a segurança de uma maior durabilidade do rolo e a vantagem de ter a mesma quantidade de papel absorvente num espaço menor. Além disso, facilitou o armazenamento, acelerou a entrega e reduziu as saídas de estoque, resultando numa maior rentabilidade por espaço na prateleira dos retalhistas. O segmento do "rolo que nunca acaba" representa 35% do mercado italiano e continua a crescer (não estando actualmente à disposição em Portugal). Ironicamente, os "rolos grandes" que parecem tão inovadores hoje, não são maiores do que os Copyright 2010 INSEAD 4 11/

6 rolos que eram vendidos 40 anos atrás. Os rolos encolheram com o passar dos anos devido aos preços unitários em Portugal serem computados "por rolo" (ao invés de, talvez, por quilo, metro linear ou metro quadrado), o que claramente incentiva as empresas a reduzirem o tamanho dos rolos. O mesmo problema ocorreu em países como os integrantes do Reino Unido, onde os preços unitários são computados por folha, já que o comprimento das folhas de papel higiénico diminuiu consideravelmente ao longo dos anos. Uma das inovações mais significativas na categoria papel higiénico na Europa foi o lançamento do papel higiénico húmido. O lançamento desse tipo de papel foi induzido por pesquisas que demonstraram que uma parcela significativa de consumidores molhava o papel higiénico antes do uso. O papel higiénico húmido fez sucesso particularmente na Alemanha e na Suíça, onde foi responsável por 8% e 10% da receita gerada, respectivamente. A Renova foi a primeira a lançar o papel higiénico húmido nos mercados da Península Ibérica. Ainda assim, em Portugal, o papel higiénico húmido conquistou menos de 0,1% do mercado. Outra inovação que fez sucesso foi o desenvolvimento dos rolos de papel higiénico impregnados com loções e perfumes, novamente impulsionando a Renova no que diz respeito à inovação. Em Setembro de 1998, a Renova foi o primeiro fabricante do mundo a lançar esse tipo de papel impregnado. Esse produto, o Renova Fraîcheur, foi muito útil para a entrada da marca da Renova no mercado francês em No mesmo ano, a Kimberly-Clark lançou no mercado do Reino Unido o Andrex Aloe Vera com "ondulações macias enriquecidas com extractos de Aloe Vera e vitamina E". O sucesso imediato desse produto desencadeou reacções por parte da concorrência e, no ano de 2005, a Georgia-Pacific lançou o papel higiénico luxuoso Lotus Freshness, destinado a mulheres. O produto alegava usar uma nova tecnologia para incorporar um bálsamo de limpeza num papel absorvente com três folhas, e foi baseado em resultados de pesquisas indicando que as mulheres achavam inconveniente usar lenços humedecidos e papel higiénico. Nem todas as inovações funcionais obtiveram sucesso. Por exemplo, a Cottonelle Fresh Rollwipes da Kimberly-Clark vinha com um suporte de plástico bege recarregável que era acoplado ao suporte de papel higiénico padrão e mantinha um rolo de papel higiénico seco e o rolo húmido Fresh Rollwipes. A concepção era a de que os consumidores usariam um lenço humedecido com o seu papel normal. Contudo, em parte, devido ao atraso nas remessas, mas principalmente porque os comerciantes não divulgaram os benefícios do produto com eficácia, acabou por ser um fracasso. Por fim, alguns fabricantes e retalhistas tentaram aprimorar a estética do papel higiénico. "Edições limitadas" de rolos de papel higiénico decorado, com temas de Natal ou Dia dos Namorados impressos, costumam ser oferecidas em lojas de presente, mas nunca tiveram uma venda significativa. Foram tentadas várias outras edições especiais atractivas, mas nunca com sucesso significativo (Apresentação 8). Uma excepção importante foi os papéis higiénicos coloridos, bastante disseminados na década de 1970, disponíveis em várias cores de tom pastel, como rosa, azul, lilás e amarelo. Entretanto, essa tendência teve um período curto de duração em função de preocupações com o meio ambiente (a tinta nos rolos de papel higiénico colorido eram vistas como nocivas para o meio ambiente) e de questões de saúde (algumas pessoas receavam ter algum tipo de irritação na pele). Hoje em dia, papéis higiénicos coloridos desapareceram quase totalmente das prateleiras dos supermercados. Copyright 2010 INSEAD 5 11/

7 Renova FPA, SA A História e a Administração A marca Renova nasceu em 1818, usada como marca de água para papéis, mas a empresa Renova, em si, foi fundada no ano de 1939, em Torres Novas, a 120 km ao Norte de Lisboa. A empresa de capital fechado mudou o seu foco de papel de escritório para artigos de papel descartáveis em 1961 e garantiu rapidamente uma posição de liderança no mercado português. No ano de 2005, as vendas da Renova são de 104 milhões (mais altas do que os 80 milhões em 1990) e emprega cerca de 600 pessoas em duas unidades industriais em Portugal e nas suas filiais comerciais em Portugal, Espanha, França, Bélgica e Luxemburgo. A sua capacidade de produção é de cerca de toneladas de papel por ano. Conforme demonstrado na Apresentação 9, o papel higiénico é responsável por metade das vendas da Renova, o papel toalha por 20%, o guardanapo por 17%, e o lenço de papel por 10%. Depois da adesão de Portugal à União Europeia em 1986, a Renova começou a expandir-se internacionalmente: primeiro para a Espanha, em 1990 e depois para a França, em A Renova não dá ênfase à sua origem portuguesa e é vista como portuguesa em Portugal, espanhola na Espanha e francesa na França. Se pressionados a dar uma resposta, a maioria dos consumidores acha que a Renova é espanhola. Mas ainda assim, a maioria das vendas é realizada em Portugal. Paulo Pereira da Silva juntou-se à Renova em 1984, logo após ter recebido o seu título de Engenheiro Físico da Ecole Polytechnique Fédérale de Lausanne, na Suíça. Embora o seu avô tenha sido um dos fundadores da empresa, os seus pais não se envolveram na empresa e ele é apenas um dos 200 accionistas da empresa. Depois de ter ingressado na Renova, no cargo de gerente de produção, em 1984, Paulo Pereira da Silva foi galgando na hierarquia, sendo nomeado ao conselho em 1991, tornando-se CEO em Como alguém que acredita piamente na importância da gestão de marcas e da inovação, ele implantou uma estrutura organizacional horizontal e flexível para fomentar a criatividade e a assunção de riscos. A arquitectura da sede da empresa conta com espaços amplos e móveis modernos, sendo que alguns deles foram projectados pelo próprio Paulo Pereira da Silva. Livros de arte e revistas de design preenchem o espaço. A sua sala é repleta de obras de arte e tem um quadro-negro tomado de equações de Schrödinger e Maxwell, que para ele são "incrivelmente magníficas". Gestão de Marcas e Marketing Desde que se tornou CEO, a ambição de Paulo Pereira da Silva passou a ser transformar a Renova de uma marca de papéis descartáveis numa marca de bem-estar. Para atingir esse objectivo, a Renova gastou cerca de 1,5 milhão por campanha a cada ano e trabalhou com alguns dos fotógrafos mais conhecidos para criar imagens belas e inusitadas que associam a Renova ao bem-estar. Essas imagens são exibidas num website criado especificamente para esse fim. Conforme pode ser comprovado nas Apresentações 10 a 14, a publicidade torna-se gradualmente menos funcional e mais alegórica. A campanha de 1997 do fotógrafo francês Jean-François Jonvelle foi sobre o cuidado pessoal, retratando apenas mulheres e crianças, exibindo os produtos com proeminência. A campanha de 1999 do fotógrafo alemão Peter Lindbergh contou com a actriz Rachel Roberts para obter um visual mais sensual, mas ainda assim, concentrou-se em closes de rostos femininos. Copyright 2010 INSEAD 6 11/

8 A campanha de 2002 do fotógrafo português Pedro Claudio marcou uma clara ruptura com as antecessoras, contando com modelos masculinos nus cercados por tiras e rolos de papel higiénico. A campanha de 2003 do fotógrafo francês François Rousseau ("o prazer de se estar limpo") elevou a marca a um status além da higiene e do cuidado pessoal para transmitir que a Renova tratava-se de se sentir limpo, um pré-requisito para a proximidade. O uso de modelos nus e de casais despindo-se fazendo jogos sensuais chocou alguns espectadores e diversas imagens foram censuradas na Espanha e na França. Por outro lado, a campanha foi passada numa apresentação especial no Museum of Advertising em Paris. As propagandas de 2005 (novamente concebidas por Rousseau) marcaram outra revolução radical. Feitas na Rocinha, a maior favela do Rio de Janeiro, consistiam numa reinterpretação contemporânea das Graças 1. Em vez de mostrar o produto, as propagandas concentraram-se no amor e na compaixão. Essas propagandas tiveram a sua exibição em outdoors proibida na França. Devido a essas campanhas e à sua presença de longa data em Portugal, a Renova possui uma forte consciência e imagem da marca no mercado do seu país de origem. De acordo com um estudo do FoneBus, a sua consciência assistida em 2005 é de 87%, bem à frente da L'Oréal (78%) e próxima de marcas como a Sony (88%) e a Danone (92%). A consciência da marca é especialmente alta entre consumidores mais jovens das classes sociais mais altas. A Renova também é vista como uma marca de prestígio e a sua classificação é de 7,5 numa escala de prestígio que vai de 1 a 10, no mesmo nível que a L'Oréal (7,21) e não muito atrás da Danone (8,10). Outros estudos mostram que os compradores da Renova gastam mais tempo escolhendo o papel higiénico e dão mais importância à qualidade do que ao preço. A Decisão Paulo Pereira da Silva analisa cinco vastas orientações estratégicas: A primeira pretende combater directamente as marcas próprias, reduzindo o preço do seu papel inicial. Mas até que ponto poderão reduzir o preço e quais seriam os lucros resultantes? 2 A segunda seria de estabelecer uma parceria com alguns dos retalhistas com vista a criar marcas próprias. Mas o que a Renova poderia oferecer e como a organização e os proprietários da empresa iriam reagir a esta nova estratégia? A terceira opção é a de acelerar os recentes esforços da Renova quanto à distinção do seu papel higiénico, através da inovação funcional, melhorando assim as características existentes ou acrescentando novas características. A quarta opção prende-se com a exploração da ideia do papel higiénico preto, mas como um golpe súbito de relações públicas, para elevar a consciência e a imagem da marca Renova. 1 No Cristianismo, as Graças (do latim beatus, que quer dizer "abençoado" ou "feliz") são bênçãos de Jesus registadas na Bíblia, destinadas a chocar a audiência como uma inversão deliberada dos valores geralmente aceites. Cada bênção designa um grupo de pessoas normalmente vistas como desgraçadas e as pronuncia como abençoadas devido à presença e disponibilidade de vida abundante para todos no reino de Deus, independentemente da situação, circunstância ou condição (fonte: Wikipedia). 2 No âmbito do debate do caso, assumir que a margem do retalhista é de 20% e de que o custo de venda (COGS) é 70% do preço por grosso. Copyright 2010 INSEAD 7 11/

9 A quinta opção é a de lançar o papel higiénico preto como uma nova linha de produto e tentar disponibilizá-lo imediatamente para ser vendido ao maior número. Independentemente da decisão estratégica que venham a tomar, Paulo Pereira da Silva e Luis Saramago terão de desenvolver toda uma estratégia de marketing e tomar decisões referentes ao preço, embalagem, divulgação e distribuição. Paulo Pereira da Silva olhou para o carrinho de compras que deixa na sua sala para lembrar-se de nunca perder o consumidor de vista ou o cidadão, como prefere chamá-lo e para o globo de vidro que conserva na sua mesa como um incentivo para tomar acções ousadas. O que devemos fazer? Copyright 2010 INSEAD 8 11/

10 Apresentação 1 Indústria de Artigos de Papel Descartável (Inclusive Produtos de Higiene): Participações no Mercado e Principais Marcas no ano de 2005 Fonte: Euromonitor (Dados de 2005). Observe que entre os artigos de papel descartável estão os artigos de protecção sanitária, guardanapos/fraldas/calças, produtos para incontinência, lenços, papel toalha, bolas de algodão, cotonetes, chumaços de algodão, lenços de seda, toalha de cozinha, artigos de papel para mesa. Copyright 2010 INSEAD 9 11/

11 Apresentação 2 Mercado Português de Papel Higiénico: Participações no Mercado em Valores e Principais Marcas em 2005 Fonte: Euromonitor (Dados de 2005). Apresentação 3 Linha de Produtos de Papel Higiénico da Renova em Portugal no Ano de 2005 Super (1958) com fibra extra 5,04 (18+6 rolos) 4 Ply (2003) 4 folhas, com decoração impressa e perfume 3,99 (9 rolos) Progress (década de 1990) Hipoalergênico 6,90 (18+6 rolos) Fraîcheur (1998) com micro gotículas de creme amaciante 3,74 (12 rolos) Fragrance (2003) 3 folhas, com fragrância 7,48 (18+6 rolos) Húmido (2003) 2,56 (40 unidades) Fonte: Informações de preço e quantidade obtidas no Continente Online, em Fevereiro de Copyright 2010 INSEAD 10 11/

12 Apresentação 4 Produtos e Comunicações Seleccionados da Concorrência (Itália e Espanha) Macio e confiável 20% a mais, para não ficar na mão (A Colhogar traz para você esse prático porta-revista) Copyright 2010 INSEAD 11 11/

13 Apresentação 5 Um Breve Histórico Cultural do Papel Higiénico 3 Hoje em dia, os americanos de classe média consomem mais de 100 rolos unitários de papel higiénico por ano (mais de folhas por ano), ou 69 folhas de papel higiénico por dia. Um rolo médio dura cinco dias. Durante o tempo de vida, as mulheres americanas passam 32 meses no banheiro, enquanto os homens passam 25 meses. No Ocidente, não valorizamos o papel higiénico, mas esse comportamento é errado. De acordo com Jamie Wilson: Só prestamos atenção ao papel higiénico quando ele acaba e temos que gritar para que alguém nos traga mais, ou temos que caminhar desengonçados até o armário para pegar outro rolo, ou a pior das situações temos de ir até a cozinha e apelar para o pavoroso papel toalha. Antes da invenção do papel, bastante recente na história da humanidade, as pessoas tinham que se virar com uma variedade de artifícios que não o papel higiénico. Os pobres costumavam usar apenas água, sendo esse o recurso ainda usado por muitas das pessoas mais pobres ainda nos dias de hoje. Os mais abastados recorriam a várias outras soluções, sendo a maioria destinada a remover o grosso e deixar um odor agradável, comummente com pouca consideração pela saúde. Na Roma Antiga, as pessoas usavam banheiros públicos e a sua solução era uma vara com uma esponja na ponta embebida em água salgada. Os romanos abastados usavam lã mais macia encharcada com água de rosas, que tinha um aroma muito mais refinado, mas provavelmente era menos eficaz no combate aos vermes. Na Idade Média, dava-se preferência a bolas de feno ou cascas deitadas fora, enquanto as pessoas com recursos limpavam-se com lã, renda ou cânhamo. No período Elisabetano, o papel já estava muito mais em uso, e a classe abastada começou a lançar mão de papel e trapos. Os marinheiros usavam uma corda pendurada a uma coluna suspensa. Depois de os primeiros americanos terem descoberto que a famosa solução do sabugo só servia em determinadas situações, começaram a usar almanaques velhos para dar conta do recado. Na realidade, o Almanaque do agricultor era fabricado com um furo num dos cantos de forma a facilitar a sua suspensão na parede da latrina. Noutros lugares, os havaianos usavam fibra de coco e os esquimós, musgo de tundra e neve. Os chineses foram os inventores do papel comum e do papel higiénico. Um viajante muçulmano, em 851 d.c., comentou que os chineses tinham o hábito repugnante de se limparem com papel em vez de se lavar com água, conforme era seu costume. Em 1391 d.c., o Departamento de Provisões Imperiais registou um nível de produção de folhas por ano apenas para a Corte Imperial. O papel enrolado foi inventado pelo francês Nicolas-Louis Robert em 1798, mas foi o americano Joseph C. Gayetty que recebeu os créditos pela invenção do papel higiénico comercial. Gayetty comercializou o papel higiénico pela primeira vez no ano de 1857, que começou a ser vendido a US$ 0,50 em pacotes com 500 unidades e uma marca de água com o seu nome. O produto original era lubrificado com babosa e comercializado como produto medicinal anti-hemorroidal. O produto de Gayetty foi licenciado para outros fabricantes e vendido apenas na década de Hoje, o papel higiénico é considerado como um artigo que não pode faltar em todo o mundo ocidental e em hotéis e restaurantes de luxo em todo o mundo. Na realidade, a própria condição do banheiro foi gradativamente elevada, passando de um apertado compartimento funcional que era dividido com outros habitantes do mesmo complexo ou localizado secretamente atrás do quintal, para um espaço pessoal muito maior e requintado. Agora, os banheiros estão entre os cómodos reformados com maior frequência em qualquer lar e, por conseguinte, atraem muito a atenção dos decoradores e designers de casas. Contudo, fora do mundo ocidental, muitas pessoas consideram o uso de água uma prática muito mais asseada e higiénica do que usar papel (por exemplo, na Índia). O Japão, em particular, é famoso pelos seus métodos de limpeza altamente tecnológicos sem o uso de papel. Por fim, o papel higiénico que temos hoje em dia certamente não é usado nas regiões do mundo que não possuem ou não podem dar-se ao luxo de ter o encanamento necessário para o descarte do papel. 3 Fonte: Jamie K. Wilson (2007) The History of Toilet Paper: Weird Facts of an Important Innovation," (acesso em 25/02/2010), e Wikipedia. Copyright 2010 INSEAD 12 11/

14 Apresentação 6 Preços Unitários e Tamanhos de Pacotes de Marcas de Papel Higiénico (Portugal 2005) Preço/rolo ( ) Marca Própria Tamanho do pacote Fonte: Loja Continente Online, Fevereiro de Análise do autor do caso. Copyright 2010 INSEAD 13 11/

15 Apresentação 7 O Ambiente do Retalho Copyright 2010 INSEAD 14 11/

16 Apresentação 8 Tipos Inusitados de Papel Higiénico Copyright 2010 INSEAD 15 11/

17 Apresentação 9 Portfólio de Produtos da Renova (% aproximada do total de vendas) Copyright 2010 INSEAD 16 11/

18 Apresentação 10 Campanha de 1997 Para um Novo Bem-Estar (Fotógrafo: Jean-François Jonvelle) Pode se ver que Renova cuida do seu corpo. Pode se ver que Renova cuida da pele dela. Pode se ver que Renova cuida dela. Pode se ver que Renova cuida de seu nariz. Copyright 2010 INSEAD 17 11/

19 Apresentação 11 Campanha de 1998 Para um Novo Bem-Estar (Fotógrafo: Peter Lindbergh) Copyright 2010 INSEAD 18 11/

20 Apresentação 12 Campanha de 2002 Para um Novo Bem-Estar (Fotógrafo: Pedro Claudio) Mais fresco e mais limpo Copyright 2010 INSEAD 19 11/

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores

PLANO DE MARKETING. Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20. TAG 4/2010 17 Valores 0366 PLANO DE MARKETING Trabalho realizado por: Vera Valadeiro, nº20 TAG 4/2010 17 Valores Índice Introdução Diagnóstico Análise do Mercado Análise da Concorrência Análise da Empresa Análise SWOT Objectivos

Leia mais

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina

O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Informação 8 de Fevereiro de 2011 Campanha institucional do grupo Portucel Soporcel arranca hoje O papel de Portugal no mundo é mais importante do que imagina Arranca hoje a nova campanha institucional

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto

PROJETO EXEMPLO. Os aparelhos de som compactos da Sonic. Situação do mercado. Situação do produto PROJETO EXEMPLO Os aparelhos de som compactos da Sonic Jane Melody é a gerente de produto da linha de aparelhos de som compactos da Sonic. Cada sistema consiste em um amplificador/rádio AM-FM, um aparelho

Leia mais

O desafio: A vantagem da Videojet:

O desafio: A vantagem da Videojet: Nota de aplicação Tinta Tintas coloridas para embalagens de ponto de venda O desafio: O ambiente de varejo é um mercado em constante evolução, com maior ênfase na embalagem, que não só protege os produtos

Leia mais

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen

Klako Group. Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária. Otimização e Controle de Qualidade. Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Klako Group Incorporação, Contabilidade e Assessoria Tributária Otimização e Controle de Qualidade Beijing Hong Kong Shanghai Shenzhen Visite nossa site http://www.klakogroup.com Nossa Empresa Klako Group

Leia mais

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço

Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa. PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Bolsa do Empreendedorismo Dia da Europa PROPRIEDADE INDUSTRIAL O que é? Para que serve? Teresa Colaço Departamento de Informação e Promoção da Inovação Lisboa 9 Maio 2012 O que é a Propriedade Industrial?

Leia mais

Módulo 12. Estratégias para formação de preços

Módulo 12. Estratégias para formação de preços Módulo 12. Estratégias para formação de preços As decisões de preços estão sujeitas a um conjunto inacreditavelmente complexo de forças ambientais e competitivas. Não existe como uma empresa, simplesmente,

Leia mais

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL

A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL www.espm.br/centraldecases A ENTRADA DA RECKITT BENCKISER NO MERCADO DE OTC NO BRASIL Preparado pelos Professores Antonio Carlos Bonassa e Paulo

Leia mais

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP

THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP Soluções integradas para a Indústria do turismo empresarial THE NEXT GENERATION IS NOW MANAGEMENT & CONSULTING GROUP A equipa da XYM Hospitality e os seus parceiros possuem vastos conhecimentos sobre a

Leia mais

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1

O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O dentista que virou dono de restaurante chinês 1 O cirurgião dentista Robinson Shiba, proprietário da rede China In Box, em 1992 deixava de exercer sua profissão como dentista para inaugurar a primeira

Leia mais

Professor: Tiago Tripodi

Professor: Tiago Tripodi Professor: Tiago Tripodi Quando temos uma situação em que acontece o processo de troca, envolvendo desejo e necessidade de se obter um bem ou serviço, neste momento se realiza uma ação de marketing As

Leia mais

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal?

José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição. Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? José António Rousseau, professor de Marketing e Distribuição Que balanço faz destes 19 anos da moderna distribuição em Portugal? A realidade comercial que podemos designar por Distribuição Moderna começou

Leia mais

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são:

VAREJO. Os principais setores varejistas brasileiros são: O que é? São todas as atividades envolvidas na venda de bens ou serviços diretamente a consumidores finais para seu uso pessoal, e não empresarial. (Philip Kotler) Não importa como os produtos são vendidos

Leia mais

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado

Departamento Comercial e Marketing. Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010. Técnicas de Secretariado Escola Secundaria de Paços de Ferreira 2009/2010 Técnicas de Secretariado Departamento Comercial e Marketing Módulo 23- Departamento Comercial e Marketing Trabalho realizado por: Tânia Leão Departamento

Leia mais

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo

Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 Sumário Executivo Economia Móvel América Latina 2013 A GSMA representa os interesses da indústria mundial de comunicações móveis. Presente em mais de 220 países, a GSMA

Leia mais

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação?

A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Nota técnica Principais fatores a se considerar ao selecionar uma codificadora a laser A codificação a laser é a solução correta para necessidades simples de codificação? Equipamento Fluidos Treinamento

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

Plano de Marketing Renova

Plano de Marketing Renova Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Gestão de Santarém Marketing e Publicidade 1ºano Diurno Marketing II Parte II Trabalho final Plano de Marketing Renova Docente: Fernando Gaspar Discentes:

Leia mais

Resolver os principais desafios de engenharia do mundo.

Resolver os principais desafios de engenharia do mundo. 10% Sede global Parker Hannifin Corporation 6035 Parkland Boulevard Cleveland, Ohio 44124-4141 216 896 3000 Sede na EMEA Parker Hannifin Europe Sàrl La Tuilière 6 - CH-1163 Etoy, Suíça 41 0 21 821 85 00

Leia mais

Estudo de caso relativo ao projecto

Estudo de caso relativo ao projecto Comissão Europeia Estudo de caso relativo ao projecto Comercialização de novos produtos à base de percebes FLAG: Ria de Vigo A Guarda Galiza, Espanha Apresentação do projecto Na Galiza os percebes são

Leia mais

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA

A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA A GESTÃO DAS VENDAS COMO UMA FONTE DE VANTAGEM COMPETITIVA DE QUE FORMA OS GESTORES DE VENDAS ADICIONAM VALOR À SUA ORGANIZAÇÃO? Desenvolver Gestores de Vendas eficazes tem sido uma das grandes preocupações

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Gestão e tecnologia para PME s

Gestão e tecnologia para PME s www.sage.pt Gestão e tecnologia para PME s Sage Porto Sage Lisboa Sage Portugal A longa experiência que temos vindo a acumular no desenvolvimento de soluções integradas de software de gestão para as pequenas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano

INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS. Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano INSTITUTO SUPERIOR DE CIENCIAS ECONOMICAS E EMPRESARIAIS Curso de Marketing, Gestão Comercial e Empreendedorismo 3º ano Disciplina Jogos de Marketing RELATÓRIO FINAL DA INFORNET Página 1 Conteúdo 1-Análise

Leia mais

RESULTADOS ANUAIS 2011

RESULTADOS ANUAIS 2011 RESULTADOS ANUAIS 2011 15 de Fevereiro de 2011 VAA - Vista Alegre Atlantis, SGPS, SA sociedade aberta com sede no Lugar da Vista Alegre em Ílhavo, com o número de contribuinte 500 978 654, matriculada

Leia mais

Setor de Panificação e Confeitaria

Setor de Panificação e Confeitaria Setor de Panificação e Confeitaria Em 2014 o setor de Panificação e Confeitaria brasileiro cresceu 8,02%e faturou R$ 82,5 bilhões. Desde 2010, o mercado vem registrando uma desaceleração. Setor de Panificação

Leia mais

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA

3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA 3º ENCONTRO DA ORIZICULTURA PORTUGUESA ASSOCIAÇÃO DE ORIZICULTORES DE PORTUGAL FIGUEIRA DA FOZ 16 DE FEVEREIRO DE 2012 1. A Centromarca 2. A distribuição moderna 3. As relações produção / distribuição

Leia mais

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL

Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont. Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Melhor desempenho. Maior produtividade. DuPont Sontara FS PANOS DE LIMPEZA PROFISSIONAL Maior qualidade, segurança e eficiência nos processos de limpeza profissional. Quem olha para o futuro com vontade

Leia mais

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA

1. THE GROUP TODAY INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 1 INDEX 1. O GRUPO HOJE 2. VISÃO ESTRATÉGICA 3. PRIORIDADES ESTRATÉGICAS 3.1 Concretizar o Potencial da Biedronka 3.2 Assegurar o Crescimento de Longo Prazo 1. THE GROUP TODAY 4. EXPLORAR TODO O POTENCIAL

Leia mais

Limpeza de superfícies

Limpeza de superfícies Limpeza de superfícies A gama mais profissional de panos de limpeza Out 13 Que necessita? uma grande capacidade de absorção? Uma limpeza sem marcas? Eliminar a gordura de uma só vez e sem produtos químicos?

Leia mais

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3

Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Gestão de Mercados e Estratégia de Marketing Administrando o Composto de Marketing: Os 4P s Aula 3 Prof. Me. Dennys Eduardo Rossetto. Objetivos da Aula 1. O composto de marketing. 2. Administração do P

Leia mais

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia

A Igualdade dos Géneros como Boa Economia A Igualdade dos Géneros como Boa Economia Um Plano de Acção do Grupo Banco Mundial Banco Mundial o acesso à terra, ao trabalho, aos mercados financeiros e de produtos é crucial para se aumentar o rendimento

Leia mais

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço

BENCHMARKING 2014. Estudo dos niveis de serviço BENCHMARKING 2014 Estudo dos niveis de serviço Objetivo do estudo BENCHMARKING 2014 O objectivo deste estudo é conhecer o nível de serviço oferecido pelos fabricantes do grande consumo aos distribuidores,

Leia mais

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL

CONFERÊNCIA PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Parceiros Estratégicos: Hospital Particular do Algarve CONFERÊNCIA TURISMO 2020 PLANO DE ACÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO TURISMO EM PORTUGAL Turismo e Fundos Comunitários. Que futuro? O caso do Algarve

Leia mais

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR

AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR KOTLER, 2006 AS DECISÕES REFERENTES AOS CANAIS DE MARKETING ESTÃO ENTRE AS MAIS CRÍTICAS COM QUE AS GERÊNCIAS PRECISAM LIDAR. OS CANAIS AFETAM TODAS AS OUTRAS DECISÕES DE MARKETING Desenhando a estratégia

Leia mais

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA.

O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. O PAPEL DE PORTUGAL NO MUNDO É MAIS IMPORTANTE DO QUE IMAGINA. Mensagem da Administração Bem-vindos ao Complexo Industrial da Figueira da Foz do grupo Portucel Soporcel. É com muita satisfação que Vos

Leia mais

Breve Apresentação do Negócio

Breve Apresentação do Negócio CELEIRO-DIETA Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Celeiro Dieta N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos 25 Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010 Facturação

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos.

2015 Manual de Parceiro de Varejo. Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. 2015 Manual de Parceiro de Varejo Suas soluções. Nossa tecnologia. Mais inteligentes juntos. Prêmios reais, a partir de agora Bem-vindo ao Intel Technology Provider O Intel Technology Provider é um programa

Leia mais

Novos rumos para os produtos ibéricos.

Novos rumos para os produtos ibéricos. Novos rumos para os produtos ibéricos. 28 a 30 de Novembro Centro de Convenções -Ceará-Brasil A sua grande oportunidade de exportar para a região que mais cresce no Brasil. A IBERIA EXPO 2012 é uma iniciativa

Leia mais

Da marcação de conformidade à codificação de valor agregado

Da marcação de conformidade à codificação de valor agregado Nota técnica Da marcação de conformidade à codificação de valor agregado Tecnologia de jato de tinta contínuo Ultra High Speed cria novas oportunidades para a melhoria das embalagens A inovação no setor

Leia mais

O ataque dos consumidores emergentes

O ataque dos consumidores emergentes O ataque dos consumidores emergentes As marcas dos produtos de consumo das empresas multinacionais mantiveram-se na liderança de seus mercados e na mente dos consumidores brasileiros durante décadas. Algumas

Leia mais

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix)

Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Módulo 5. Composto de Marketing (Marketing Mix) Dentro do processo de administração de marketing foi enfatizado como os profissionais dessa área identificam e definem os mercados alvo e planejam as estratégias

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

A DISTRIBUIÇÃO ALIMENTAR NOS EMIRADOS ARABES UNIDOS

A DISTRIBUIÇÃO ALIMENTAR NOS EMIRADOS ARABES UNIDOS A DISTRIBUIÇÃO ALIMENTAR NOS EMIRADOS ARABES UNIDOS Os mercados árabes oferecem excelentes oportunidades para o sector alimentar nacional. Para ampliar as possibilidades de sucesso, os produtos devem se

Leia mais

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011

Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Janeiro 2011 Exclusivamente para empresas de médio porte Por dentro do mercado de médio porte: Uma perspectiva para 2011 Relatório para o Brasil Panorama global: Pesquisa com 2.112 líderes do mercado de

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

1. Liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. Nós sempre lembramos do primeiro que fez alguma coisa.

1. Liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. Nós sempre lembramos do primeiro que fez alguma coisa. Autor: Al Ries 1. Liderança: é melhor ser o primeiro do que ser o melhor. Nós sempre lembramos do primeiro que fez alguma coisa. - Se uma marca for líder em qualquer categoria, sempre será líder na mente

Leia mais

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade II GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI Sistemas de gestão A Gestão dos Sistemas Integrados é uma forma organizada e sistemática de buscar a melhoria de resultados.

Leia mais

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo

7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO. 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo 7. POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO 7.1- Comunicação 7.2- Publicidade 7.3- Promoção 7.4- Marketing directo A COMUNICAÇÃO Comunicar Comunicar no marketing emitir mensagem para alguém emitir mensagem para o mercado

Leia mais

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica

Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica Fundamentos de Marketing Global Parte 02 Decisão sobre o programa de Marketing Global Alternativas estratégicas de expansão geográfica As empresas podem crescer de três maneiras diferentes. Os métodos

Leia mais

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens

PREÇO VS. SERVIÇO. Imagem das Agências de Viagens Análise Imagem das Agências de Viagens PREÇO VS. SERVIÇO Os portugueses que já recorreram aos serviços de uma Agência de Viagens fizeram-no por considerar que esta é a forma de reservar viagens mais fácil

Leia mais

Módulo 17 Estratégias mercadológicas

Módulo 17 Estratégias mercadológicas Módulo 17 Estratégias mercadológicas Todas as empresas para terem sucesso no mercado a longo prazo precisam de uma estratégia. Segundo Peter Druker, as estratégias são os planos de vôos das empresas. Analisando

Leia mais

MARKETING DE PERMISSÃO

MARKETING DE PERMISSÃO Programa de Pós Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento MARKETING DE PERMISSÃO Transformando desconhecidos em amigos e amigos em clientes Seth Godin Disciplina: Sociedade da Informação Alunos:

Leia mais

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey

O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey O Valor estratégico da sustentabilidade: resultados do Relatório Global da McKinsey Executivos em todos os níveis consideram que a sustentabilidade tem um papel comercial importante. Porém, quando se trata

Leia mais

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente?

Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? Revista da ESPM -101 Varejo: será que o foco está mesmo no cliente? FÁTIMA MOTTA Graduada em Administração de Empresas (FMU) e Comunicação (ECA/USP) Pós -Graduada em Administração de Empresas (PUC/SP)

Leia mais

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011

C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Comunicado de Imprensa Abril 2012 Empresa cresce e continua a investir C&A aumenta quota de mercado na Europa em 2011 Investimentos em atuais e novas lojas Aposta nas lojas on-line Aumento nas vendas de

Leia mais

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil

IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI. Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil IBRI e FIPECAFI divulgam resultado de Pesquisa do Profissional e Área de RI Levantamento traça atual estágio das Relações com Investidores no Brasil A 6ª Pesquisa sobre a área e os profissionais de Relações

Leia mais

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL?

QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? QUAL O POTENCIAL DE PHARMAFOODS EM PORTUGAL? SUMÁRIO EXECUTIVO PORTUGALFOODS AGENDA 1. O Shopper e as suas Motivações Como e onde compra?... 3 2. Como está a Saúde em Portugal? Um Retrato sobre a Saúde

Leia mais

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades

#ElesPorElas. Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades #ElesPorElas Movimento ElesPorElas (HeForShe) de Solidariedade da ONU Mulheres pela Igualdade de Gênero Impactando Universidades ElesPorElas Criado pela ONU Mulheres, a Entidade das Nações Unidas para

Leia mais

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL

Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL 2011 Pesquisa Virtualização e Evolução para a Nuvem RESULTADOS BRASIL ÍNDICE Evolução de TI... 4 Metodologia... 6 Foco... 8 Conclusão 1: As diferenças entre expectativas e realidade revelam a evolução

Leia mais

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista

Entrevista com Tetrafarma. Nelson Henriques. Director Gerente. Luísa Teixeira. Directora. Com quality media press para Expresso & El Economista Entrevista com Tetrafarma Nelson Henriques Director Gerente Luísa Teixeira Directora Com quality media press para Expresso & El Economista Esta transcrição reproduz fiel e integralmente a entrevista. As

Leia mais

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden

in light eletro house supri shop linea domus outdoor living & garden utility house in domus eletro house in light linea domus supri shop outdoor living & garden FEIRA PROFISSIONAL Reunir em um mesmo local e momento investidores e mercado-alvo, formando um ambiente de negócios

Leia mais

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005

Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 Como competir com produtos inovadores no Brasil até 2010? Patrice Zagamé Presidente Novartis Brasil 18 de agosto, 2005 O que é um produto inovador? Dois caminhos para oferecer melhores medicamentos aos

Leia mais

Aula 3 Contextualização

Aula 3 Contextualização Gestão de Marketing Aula 3 Contextualização Profa. Me. Karin Sell Schneider Canais de Distribuição Comunicação Produto é um conjunto de atributos tangíveis e intangíveis, que proporciona benefícios reais

Leia mais

Criando Oportunidades

Criando Oportunidades Criando Oportunidades Clima, Energia & Recursos Naturais Agricultura & Desenvolvimento Rural Mercados de Trabalho & Sector Privado e Desenvolvimento Sistemas Financeiros Comércio & Integração Regional

Leia mais

Cadernos IVP nº4. Março 2003. Serviço de Estudos

Cadernos IVP nº4. Março 2003. Serviço de Estudos Cadernos IVP nº4 Março 2003 Serviço de Estudos O Vinho do Porto sempre foi maioritariamente exportado, com o mercado nacional a ganhar dimensão apenas na época mais recente da vida de um produto que entrou

Leia mais

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1

Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva. Resposta do Exercício 1 Respostas da Lista de Exercícios do Módulo 2: Vantagem Competitiva 1 Resposta do Exercício 1 Uma organização usa algumas ações para fazer frente às forças competitivas existentes no mercado, empregando

Leia mais

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto

Estratégia Empresarial. Capítulo 4 Missão e Objectivos. João Pedro Couto Estratégia Empresarial Capítulo 4 Missão e Objectivos João Pedro Couto ESTRATÉGIA EMPRESARIAL Pensamento Estratégico Análise do Meio Envolvente Análise da Empresa Análise Estratégica Missão, Objectivos

Leia mais

O SECTOR A SOLUÇÃO Y.make Num mundo cada vez mais exigente, cada vez mais rápido e cada vez mais competitivo, o papel dos sistemas de informação deixa de ser de obrigação para passar a ser de prioridade.

Leia mais

Como cultivar leads do Comitê de TI

Como cultivar leads do Comitê de TI BRASIL Como cultivar leads do Comitê de TI O marketing está ajudando ou atrapalhando? Confiança + Credibilidade devem ser CONQUISTADAS O profissional de marketing moderno conhece a importância de cultivar

Leia mais

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global

Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Copersucar completa 50 anos de liderança em açúcar e etanol com planos para aumentar ainda mais sua atuação global Exportações de açúcar da empresa devem aumentar 86% na safra 2009/2010 A Copersucar completa

Leia mais

O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE. Abril/ 2014

O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE. Abril/ 2014 O POTENCIAL DE MERCADO PARA O CHOCOLATE Abril/ 2014 Brasil Dados do Mercado de Chocolates -3º maior mercado de chocolates do mundo (Fonte: Caobisco) Geração de empregos - 33 mil empregos diretos anuais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» ADMINISTRAÇÃO (MARKETING) «21. É falacioso falar que o marketing é filho do capitalismo e, portanto, apenas ajudaria a concentrar a renda satisfazendo necessidades supérfluas

Leia mais

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce

GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce GUIa Prático para enfrentar a concorrência no e-commerce Você é do tipo que quer arrancar os cabelos toda vez que um concorrente diminui o preço? Então você precisa ler este guia rápido agora mesmo. Aqui

Leia mais

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS

BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS 4º TRIMESTRE 2013 DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS DIVULGAÇÃO DE RESULTADOS 14 DE ABRIL 2014 BARÓMETRO PME COMÉRCIO E SERVIÇOS PRINCIPAIS RESULTADOS 1.1 - EVOLUÇÃO DO VOLUME DE NEGÓCIOS Volume de Negócios no 4º Trimestre de 2013 (t.v.h.) Aumentou em 42,5%

Leia mais

Título do Case: Desafio de obter a confiança na EJ: Análise de Custos para Grande Empresa. Categoria: Projeto Externo

Título do Case: Desafio de obter a confiança na EJ: Análise de Custos para Grande Empresa. Categoria: Projeto Externo Título do Case: Desafio de obter a confiança na EJ: Análise de Custos para Grande Empresa. Categoria: Projeto Externo Resumo: Uma detalhada análise dos custos incorridos num processo produtivo é de fundamental

Leia mais

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO

3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO 3 DICAS QUE VÃO AJUDAR A POUPAR DINHEIRO EM SEU PRÓXIMO PROJETO DE VÍDEO Fazer vídeos hoje em dia já não é o bicho de 7 cabeças que realmente foi a pouco tempo atrás. Nesse e-book você vai começar a aprender

Leia mais

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A.

Visão de Futuro 2010. F3M Information Systems, S.A. 1 Reunir várias entidades do sector óptico nacional e discutir o futuro do sector bem como os temas cruciais para os empresários e intervenientes da área foram os objectivos do evento Visão de Futuro 2010,

Leia mais

Instituto Superior de Línguas e Administração GAIA. APPLE X Microsoft

Instituto Superior de Línguas e Administração GAIA. APPLE X Microsoft Instituto Superior de Línguas e Administração GAIA APPLE X Microsoft Carlos Magno 256 Carlos Moreira 259 Licenciatura Sistemas de Informação e Multimédia Projecto de Concepção Fevereiro 2008 Este trabalho

Leia mais

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência. PROCESSO AC-I-Ccent/52/2003-Colgate-Palmolive/Gaba

Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência. PROCESSO AC-I-Ccent/52/2003-Colgate-Palmolive/Gaba Decisão do Conselho da Autoridade da Concorrência PROCESSO AC-I-Ccent/52/2003-Colgate-Palmolive/Gaba 1. INTRODUÇÃO Em 26 de Dezembro de 2003, a Colgate-Palmolive notificou a Autoridade da Concorrência,

Leia mais

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização

4/2/2008. 2) Tomar grandes decisões = 1)Analisar a situação externa e interna. Leitura do mercado e das condições internas da organização PLANO DE MARKETING Ferramenta importante do plano estratégico de uma empresa. Deve estar em perfeita sintonia com os objetivos estabelecidos pela empresa. É um passo para a elaboração do PLANO DE NEGÓCIOS

Leia mais

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino

Unidade II MARKETING DE VAREJO E. Profa. Cláudia Palladino Unidade II MARKETING DE VAREJO E NEGOCIAÇÃO Profa. Cláudia Palladino Preço em varejo Preço Uma das variáveis mais impactantes em: Competitividade; Volume de vendas; Margens e Lucro; Muitas vezes é o mote

Leia mais

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico;

Administração de Preços. Administração de Preços. Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; Panorama para o tema Vamos definir preço e sua relação com o composto mercadológico; O escopo da precificação e os métodos mais comuns, incluindo as principais táticas; Uma sugestão: amplie seu nível de

Leia mais

Como lutar em uma guerra de preços

Como lutar em uma guerra de preços Como lutar em uma guerra de preços Juliana Kircher Macroplan Prospectiva, Estratégia e Gestão Julho de 2006 Guerras de preços já são fatos concretos que ocorrem frequentemente em todos os mercados, seja

Leia mais

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing

E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing E - Simulado 02 Questões de Tecnologia em Marketing Questão 01: (ENADE 2009): Um fabricante de sapatos pode usar a mesma marca em duas ou mais linhas de produtos com o objetivo de reduzir os custos de

Leia mais

Soluções Customizadas em Receitas

Soluções Customizadas em Receitas Soluções Customizadas em Receitas Com a IDeaS, o atendimento é de qualidade superior. Eles são muito atentos às nossas necessidades e dispostos a trabalhar conosco, seja para melhorias específicas ou simplesmente

Leia mais

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger

Módulo 2 Planeamento de Marketing. Capítulo 4. Atribuição de Preço. Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger Módulo 2 Planeamento de Marketing Capítulo 4 Atribuição de Preço Dr. Andrea Grimm Dr. Astin Malschinger CONTEÚDOS 2 MÓDULO 2 PLANEAMENTO DE MARKETING Capítulo 4: Atribuição de preços Autores: Dr. Andrea

Leia mais

A proposta apresentada é propriedade intelectual da BBZ. Qualquer u6lização das ideias, imagens, estratégia e planeamento constantes nesta

A proposta apresentada é propriedade intelectual da BBZ. Qualquer u6lização das ideias, imagens, estratégia e planeamento constantes nesta A proposta apresentada é propriedade intelectual da BBZ. Qualquer u6lização das ideias, imagens, estratégia e planeamento constantes nesta apresentação será alvo de acordo prévio a estabelecer entre ambas

Leia mais

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade.

Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA. Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora. www.omnitrade. Entrevista com Omnitrade, Revestimentos Metálicos, SA Diogo Osório Administrador Patrícia Carvalho Administradora www.omnitrade.pt Quality Media Press O que representa a empresa o mercado português? R.

Leia mais

AULA 4 Marketing de Serviços

AULA 4 Marketing de Serviços AULA 4 Marketing de Serviços Mercado Conjunto de todos os compradores reais e potenciais de um produto ou serviço. Trata-se de um sistema amplo e complexo, que envolve: FORNECEDORES CONCORRENTES CLIENTES

Leia mais

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC

PHC Mensagens SMS. Desenvolva o potencial das comunicações imediatas com mensagens SMS PHC PHCMensagens SMS DESCRITIVO O módulo PHC Mensagens SMS permite o envio de mensagens a múltiplos destinatários em simultâneo, sem ser necessário criar e enviar uma a uma. Comunique com mais sucesso: ganhe

Leia mais

Condições do Franchising

Condições do Franchising Condições do Franchising ÍNDICE Introdução 1. Vantagens em entrar num negócio de franchising 2. O que nos distingue como sistema de franchising 2.1. vantagens para o franchisado face a outras redes 2.2.

Leia mais

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson.

EXPLORE SEUS POTENCIAIS. Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros da FG Wilson. Expanda seu portfólio de produtos e aumente o seu negócio com a marca líder GLOBAL na indústria. EXPLORE SEUS NEGÓCIOS POTENCIAIS Junte-se aos 128 concessionários mundiais que escolheram ser parceiros

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Cidadania Global na HP

Cidadania Global na HP Cidadania Global na HP Mensagem abrangente Com o alcance global da HP, vem sua responsabilidade global. Levamos a sério nossa função como ativo econômico, intelectual e social para as Comunidades em que

Leia mais

Lojas Marisa aumenta a agilidade dos negócios e diminui riscos com CA IdentityMinder

Lojas Marisa aumenta a agilidade dos negócios e diminui riscos com CA IdentityMinder CUSTOMER SUCCESS STORY Lojas Marisa aumenta a agilidade dos negócios e diminui riscos com CA IdentityMinder PERFIL DO CLIENTE Indústria: Varejo Empresa: Lojas Marisa Funcionários: 14,000 Receita da rede:

Leia mais