Módulo. A.Apresentação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo. A.Apresentação"

Transcrição

1 1

2 Módul A A.Apresentaçã Este é um módul cnceitual, que apresenta s prduts e tecnlgias que serã empregads neste livr, intrduzind ainda a arquitetura e métds que servirã de base para as práticas ds móduls subsequentes. 2

3

4 A1Intrduçã a jcmpany Develper Suite Capítul 1 As prtunidades d ebusiness As empresas têm sid desafiadas cm nunca a cmpetirem em escala glbal e, para tal, dmíni das tecnlgias Web nã é mais alg d qual pssam prescindir. Saind da autmaçã das tarefas rtineiras das áreas de retaguarda para a vanguarda ds negócis, a Web ferece, ns dias de hje, muit mais prtunidades d que a mairia das empresas tem cnseguid cmpreender e assimilar. Neste cenári atual de aceleraçã da história, s negócis sã desafiads primariamente pela famsa previsã de Grdn Mre cnhecida cm a Lei de Mre : a capacidade d hardware cntinua a dbrar a cada dis ans, sem aument ds custs, e cm ela também espaç de invaçã d sftware. Enquant esta lei durar e irá pr, pel mens, mais 20 ans - as prtunidades criativas na área de sftware cntinuarã excepcinalmente anablizadas, um pders arsenal cmpetitiv para empresas ágeis e em aprendizad cnstante que saibam utilizá-l. E percebams bem: sftware se cnstrói cm utrs sftwares. Cm um prdut invisível e abstrat, um prgrama de cmputadr reúsa e é cnstruíd a partir de utras categrias de prgramas, tais cm ferramentas de cnstruçã, framewrks e biblitecas para reús. E cm própri ferramental à dispsiçã ds desenvlvedres se expandind juntamente cm s limites criativs de suas aplicações de negócis, deveríams estar em um cicl virtus, nã é mesm? Pr que, entã, cntinuam falhand tants prjets de TI? Pr que nã estams tds cmemrand resultads surpreendentes, ptencializads pel avançad estági d sftware? Fugind da extensã que uma respsta cmpleta exigiria, vams ns ater um ds fatres de cnsens, resumid pr Sctt Rsenberg, fundadr d fams Web-Site sftware é difícil prque nã se cnsegue atualizar s prfissinais de desenvlviment na mesma velcidade em que as pssibilidades se atualizam. (...) É pr iss que nã existe Lei de Mre para sftware. Chips pdem dbrar de capacidade a cada an u dis; nsss cérebrs nã. Ref. A1.1. Sctt Resenberg, em Dreaming in Cde [Rsenberg, Sctt 2007]. Pr mtivs cm este, empresas cuj fc nã seja desenvlviment de sftware têm partid para a terceirizaçã quase ttal desta expertise tecnlógica... O prblema é que este mdel de distanciament da tecnlgia lg expõe as suas falhas. O ritm de evluçã ds terceirs também é limitad; de qualquer md será precis de um bm nível de dmíni técnic, para se gerenciar terceirizações n nível adequad de detalhe; e pr aí vai... Em suma, lg se descbre que este mdel nã elimina risc - será precis gerenciá-l, enfrentand prblema cultural. Muits cmpradres de Fábricas de Sftware estã hje recebend verdadeiras aplicações bmba-relógi de seus frnecedres, cnstruídas rapidamente para um prjet só, mas difíceis u impssíveis de serem mantidas que nã pr seu criadr. Cm tal nível de variabilidade implementada pr cada desenvlvedr terceirizad, mais aprpriad seria chamarms estes mdels de Artesanats de Sftware. Arquiteturas pbres, falta de criatividade e de invaçã sinérgica entre tecnlgia e negócis, sã utrs fatres sempre presentes, quand a distância cultural entre as pessas de negóci e as de tecnlgia é muit grande. N fim, nã há cm ns furtarms à pergunta da Era d Cnheciment: Cm dmar nvas tecnlgias e cnvertê-las em invaçã para s negócis? Nasce daí a nssa grande mtivaçã cm este livr: prver infrmações de uma frma prática e atual, cntribuind cm infrmações, padrões e sluções de sftware que ajudem as arquitets e desenvlvedres de sftware a reslver prblemas crprativs na velcidade ds temps atuais. 4

5 Capítul A1 Tirand máxim d Java EE Open Surce As tecnlgias baseadas n Java EE, especialmente em seu ram Open Surce, representam hje uma fnte óbvia de invaçã pragmática que nã deve ser dispensada. N entant, em sua mairia esta fnte está dispnível em frma bruta, exigind cnheciment técnic nã smente para seu acess e us básic, mas principalmente para especializações que permitam sua aplicaçã cntextualizada e timizada. O desenvlviment de uma aplicaçã crprativa d mund real carrega cnsig muits prblemas que escapam a radar de um únic prdut Open Surce, e que, prtant, devem ser equacinads n escp da arquitetura crprativa. Felizmente, sã estas as lacunas que jcmpany Develper Suite prcura preencher. Seu us durante livr ns pssibilitará almejar resultads rápids e traçar uma estratégia de assimilaçã gradual, sem abrirms mã de resultads iniciais minimamente razáveis. Mas este é assunt central de td livr, sbre qual ns debruçarems na prática a partir d próxim módul. Pr hra, vltems as nsss pilares de sustentaçã. - Java EE cm mercad cmum e platafrma de flexibilidade O Java EE, cm arquitetura tecnlógica de base adtada pr praticamente tda a indústria (cm a ntável, mas insuficiente, exceçã da Micrsft), trnu-se fundamental para hmgeneizar a cmunicaçã, permitind intercâmbi de cmpnentes, framewrks, prcesss e padrões, em um mercad quase universal para frnecedres que antes cncrriam em nichs tecnlógics. Presente em mais de 70% d mercad crprativ n Brasil, Java EE permite uma cmunicaçã técnica entre áreas e prfissinais de TI tã necessária quant é idima inglês hje para mund. E que é melhr: n limite, esta hmgeneidade e estímul à cncrrência prveram cndições para surgiment d mviment Open Surce, este pr si um advent de valr inestimável para mercad cmpradr de sftware. - Tirand máxim d Java EE para s negócis Há uma imprtante diferença entre tirar máxim da tecnlgia pela tecnlgia, pr exempl, explrand tdas as APIs e framewrks Java EE pssíveis e existentes, e tirar máxim da tecnlgia para s negócis, que é sentid que querems explrar neste livr. Em nss cas, desejams maximizar retrn d Java EE para s negócis, selecinand e explrand a máxim aquela parcela de APIs e framewrks que prvê a mair taxa de retrn na mair parte ds cass, em um típic racicíni 20/80 de Parett. Vejams alguns extrems de pstura cm relaçã à internalizaçã de invaçã que encntrams atualmente: Pr um lad, existem departaments de Tecnlgia da Infrmaçã (TI) que absrvem invações tecnlógicas de frma lenta u mediana e sã até cnsiderads satisfatóris, tlerads pela gestã de suas empresas. Em parte iss se explica pels benefícis que a própria Lei de Mre, pr si, já prmve: a própria evluçã rgânica d hardware e a atualizaçã de versões de tecnlgias de base permitem às áreas de TI hje apresentarem algum resultad, que preserva em muitas a acmdaçã de jgar pel empate. Um bm exempl sã empresas que preservam gerações bsletas de aplicações, caras e defeitusas, para além de seu limite de vida razável (acredite, já ns deparams cm empresas rdand aplicações de mainframe mnusuárias, mantidas a preç de ur, smente pr inércia tecnlógica!). Mas n utr extrem, também muit perigs, estã s que chamams de cmpradres de tecnlgia fashin, que cstumam ser cadjuvantes ds verdadeirs prtagnistas, frnecedres de sftware que supervalrizam tecnlgias emergentes em prduts replets de excesss de engenharia (verenginnering). Defendems uma psiçã mediana. Nss bjetiv de tirar máxim d Java EE Open Surce nã deve ser cnfundid cm apreender tecnlgia pela tecnlgia, mas cm uma busca pr absrver aquelas frações de nvas tecnlgias de sftware que realmente sã um mei prtun para fim mair, de viabilizar resultads de negóci diferenciads e criativs. Mas cm pderems, neste livr, sugerir sluções de negóci criativas? É simples: nã pderems. Cm nã discutirems nenhuma vertical de negóci específica, esta é uma missã nbre que caberá única e exclusivamente a desenvlvedr nela cntextualizad. Mas farems que ns é pssível: trazer sluções que pupam ba parcela de temp de desenvlviment de uma frma geral para que prfissinais de TI pssam exercitar melhr sua criatividade cm fc em

6 Intrduçã a jcmpany Develper Suite negócis. Farems iss através de reús de sluções quase-cmpletas e altamente prdutivas, na frma de padrões de alt nível, u em nível de Cas de Us. Estas sluções nã chegam a adentrar em nenhuma vertical de negóci específica, mas reslvem uma ba parcela de prblemas cmuns a tdas elas, presentes em camadas que cmpõem a parte arquitetural cmmdity da sluçã. Cm a experiência, cmeça-se a distinguir mais claramente quais sã estas camadas que devem ser reutilizadas e quais sã as que devem ser criadas. Na mair parte ds cass, é cmpleta insensatez despender-se temp criativ em camadas básicas de arquitetura de sftware em busca de invaçã de negócis, a mens que seu negóci seja sftware *. A reutilizarms sluções que especializam e integram APIs Java EE e prduts Open Surce cm resultad cmprvad, através de diretrizes técnicas de mercad, eliminams temp de Pesquisa & Desenvlviment (P&D) em camadas arquiteturais que nã deveriam mesm cnter variações criativas. E pssibilitams que as precisas energia e criatividade ds departaments de TI sejam cncentradas nde deveriam: nas camadas de sftware que refletem Cre Business da crpraçã. - Open Surce cm estratégia de prjets Para mund crprativ, mviment Open Surce é hje cmpreendid principalmente cm uma estratégia de prjet, mais d que de reduçã de custs, cm fra em seu iníci. N estági atual d mviment, s técnics mais infrmads e inclusive muits CIOs - já recnhecem a imprtância decisiva que acess as códigs fntes reutilizads traz para seus bjetivs de prjet, viabilizand integraçã, adaptaçã e maximizaçã d reús em granularidade fina. Para quem uma vez experimenta a liberdade d Open Surce, as APIs prprietárias ds códigs fechads representam verdadeirs Firewalls de Prjet. Barram sluções que exigem adaptaçã e flexibilidade em níveis maires de detalhe, retardam a crreçã de bugs e reduzem a taxa de cmunicaçã entre técnics, entendiment e custmizaçã que pssam pretender. Além diss, mviment d Open Surce Sftware (OSS) já estabeleceu cm sucess uma verdadeira revluçã sóci-cultural na área de TI, cm seus fóruns de trca de cnheciments, padrões e técnicas de trabalh em níveis inédits. Neste aspect, é um de nsss principais aliads n desafi básic de minimizar déficit de cnheciment. jcmpany x JAGUAR Atualmente a Pwerlgic frnece atráves d Prtal de Sftware Públic Brasileir (http://www.sftwarepublic.gv.br) framewrk JAGUAR. Este framewrk é ttalmente basead n jcmpany Develper Suite e fi dad a cmunidade sb as licenças GPLv2 e GPLv3. Este livr tem cm bjetiv rientar us ds dis prduts, utilizand primariamente nme jcmpany. Obs.: capturas de telas pderã exibir lgtips tant d jcmpany quant d Jaguar, que nã tem efeit prátic n cnteúd. Mais detalhes d JAGUAR pdem ser btids na cmunidade JAGUAR d Prtal d Sftware Públic u em O jcmpany Develper Suite - Uma breve intrduçã a jcmpany Ds prduts Java EE Open Surce cm eles existem até seu estági de cntextualizaçã ideal, em qualquer empresa, há um lng caminh a ser percrrid. Quand nã se recnhece este fat, pr superestimaçã das tecnlgias u subestimaçã ds níveis de exigência crprativs de TI, resultad aparece na frma de arquiteturas medícres, insuficientes para se evitar mesm tragédias básicas. O surgiment, em 2003, d jcmpany Develper Suite fi uma respsta da Pwerlgic a clientes que ansiavam pr um transprte mais rápid que s ajudasse a crtar caminh nesta jrnada, internalizar e timizar Java EE Open Surce sem perda de Time-t-Market e d fc em seus negócis. * Ainda assim, muits prfissinais mal sintnizads cm s bjetivs de sua empresa e cm s rums ds negócis na atualidade, gstam de reinventar cmmdities, cm framewrks de base.

7 Capítul A1 O mdel de licenciament Open Surce 2.0 fi também um grande cadjuvante deste sucess pis, a permitir as grandes rganizações adquirirem prduts aberts de qualidade cmprvada, viabilizu uma terceirizaçã gerenciável da cmplexidade envlvida, sem perda ds benefícis culturais e da liberdade d Open Surce. Mas um err básic seria imaginar jcmpany cm um simples empactament ds prjets Open Surce que ele reutiliza. Tais prjets de base para reus sã instalads juntamente cm a suíte unicamente para cmdidade d cliente, que deste md passa a cntar cm um ambiente Open Surce imediatamente prnt para us, integrad e hmlgad. O jcmpany em si, cm verems, é cmpst pr uma quantidade razável de prjets Java EE específics, plugins Eclipse, métds e padrões, sluções de integraçã e gerência de cnfiguraçã extremamente trabalhsas, dentre váris utrs suplements de alt valr agregad, mantids pela equipe de desenvlviment dedicada da Pwerlgic. Esta equipe é frmada pr dezenas de desenvlvedres, prfissinais de QA, Web-Design e de Prdutaçã, trabalhand em um ambiente certificad em MPS.Br nível C (CMMI-3) cm base em práticas ágeis (SCRUM), cndizentes cm mund Open Surce. Neste mdel, s clientes sã cnvidads a participarem ativamente, de frma clabrativa. Qualquer prfissinal de clientes se engajar cm um desenvlvedr clabrativ (prsumer) através d Prtal d Sftware Públic. Neste patamar ele tem acess a repsitóri de fntes ficial d prdut, pdend acelerar questões de interesse de sua empresa (naturalmente, mediante aprvaçã d Prduct Owner), dentre utrs benefícis. Verifique, na cmunidade Jaguar, mais infrmações sbre estas facilidades. - A busca pela hiper-prdutividade O jcmpany Develper Suite é uma sluçã bastante eficaz para aprimrament ds resultads quand se trata de desenvlviment de aplicações de sftware para Web em escala crprativa. Trata-se de uma suíte de prduts multidimensinal que trabalha a prblemática da prdutividade e qualidade pr diverss ânguls. Muit embra seja algumas vezes, errneamente cmpreendid cm um framewrk, jcmpany é na verdade uma sluçã cmpleta, cuja cmpsiçã é ilustrada pel diagrama da Figura A1.1. Figura A1.1. Dimensões de atuaçã da suíte d jcmpany. O framewrk existe através d módul jcmpany Full Stack Framewrk, cm uma alta parcela de cntribuiçã, mas diverss utrs móduls imprtantes e integrads prprcinam a sinergia respnsável pel resultad final diferenciad da suíte jcmpany. Quand cmparad a desempenh de uma sluçã típica para desenvlviment Java EE, caracterizada pel aprveitament median de técnicas de Orientaçã a Objets, arquiteturas de sftware anêmicas, ausência de gerência de cnfiguraçã e us de IDEs agnósticas (que descnhecem prcess e nã pdem incentivar melhres práticas ), jcmpany pde apresentar níveis de hiperprdutividade. E esta nã é hje uma mera alegaçã. A Pwerlgic tem clhid estes resultads a lng de 8 (it) ans de experiência pineira tend a tecnlgia Java cm seu Cre Business. N que sã hje mais de centenas de prjets crprativs em prduçã, jcmpany vei reduzind prazs da rdem de grandeza de meses para semanas, e cm aument cnsiderável da qualidade: mais flexibilidade, escalabilidade, perfrmance, usabilidade e estabilidade. - Qualidade para prdutividade sustentável Sabe-se que a super ênfase em prdutividade e temp de respsta a mercad (time-t-market), sem as mínimas restrições de qualidade, cnduz à síndrme da primeira versã : Aplicações entregues n praz, apresentand prblemas de estabilidade, perfrmance, nã cnfrmidades e dificuldades sérias em sua manutençã, que terminam pr cbrar de vlta tds s ganhs imagináris de prdutividade,

8 Intrduçã a jcmpany Develper Suite cm jurs e crreçã mnetária. É que se termina pr recnhecer cm pressa, nã cm prdutividade. Pr este mtiv, muitas precupações d jcmpany sã inteiramente dedicadas à qualidade, mesm que a cust de uma reduçã de ganh inicial. É cas, pr exempl, da pçã pela arquitetura de base MVC (Mdel-View-Cntrller), imprtante para mair flexibilidade em evluções e para se manter a cmplexidade sb cntrle, mas nã necessariamente para se desenvlver mais rápid. Pr utr lad, quase tdas as precupações cm prdutividade d jcmpany também cnsideram aspect qualidade. Pr exempl, antes de usar técnicas de geraçã de artefats, jcmpany esgta priritariamente as pssibilidades mais sfisticadas da Orientaçã a Objets (OO). Deste md, apesar de aumentar a curva de aprendizad, resultad de prdutividade é cnsistente, preservad nas fases de manutençã. A eliminar códig, em lugar de prliferá-ls mais rapidamente (cm na geraçã de códig), a Orientaçã a Objets também diminui a prbabilidade de errs. - Prdutividade crprativa em escala industrial Para uma empresa que pssua técnics cm alta prficiência em Java EE, a maneira mais rápida para se cnstruir uma aplicaçã será, prvavelmente, deixand-s fazerem da frma que sabem. Deste md, elimina-se qualquer curva de aprendizad e evitam-se resistências à mudança de cultura. Prém, esta é uma visã simplista d prblema. Devid à imensa variabilidade de sluções pssíveis em Java EE, para um mesm prblema, esta liberdade terminará pr permitir a prliferaçã de diversas arquiteturas individuais, que dificultam desenvlviment em escala. Qualidade flutuante, prblemas em requisits de integraçã e dificuldades nas fases de manutençã (turn-vers cmplexs) cstumam ser suficientes para se justificar um padrã arquitetural únic para a rganizaçã. É inevitável que grandes rganizações evitem a rapidez artesanal, de alt risc, em prl de uma prdutividade industrial, sustentável. N médi praz, este é únic caminh. Neste sentid, jcmpany se trna um grande catalisadr, garantind uma pauta mínima de qualidade, prdutividade e padrnizaçã em um nível de prfundidade que, realmente, garante diminuiçã da variabilidade indesejável de sluções para prblemas similares e em camadas de arquitetura. Deste md, desenvlvedres criativs pdem usar a sua criatividade em camadas d negóci. - Pr que jcmpany funcina? Prque, cm qualquer sluçã para aument de qualidade e aceleraçã de prcesss industriais, jcmpany atua cm seus váris móduls sbre diverss flancs desta prblemática, sinergicamente, da seguinte frma: Autmaçã cmpleta (Rbôs) Rbôs eliminam pr cmplet a necessidade de trabalh human, send em geral ápice da timizaçã. Em sftware, generalizações de Orientaçã a Objets funcinam cm rbôs industriais, eliminand a necessidade de cdificaçã manual de partes de prgramas. Esta é a área de atuaçã d jcmpany FS Framewrk. Autmaçã indireta (Ferramentas) Quand nã é pssível rbtizar, a prvisã de ferramentas aprpriadas pde maximizar trabalh human. Em sftware, cm em qualquer prcess industrial, ferramentas de api para geraçã de artefats, cnstruçã e liberaçã de executáveis, edições etc., autmatizam tarefas intermediárias, acelerand a cdificaçã manual de prgramas. É a área de atuaçã d jcmpany IDE. Orientaçã Quand trabalh é meramente intelectual, e mesm us de ferramentas arrjadas nã prveja ganhs significativs, a rientaçã na frma de repasse de experiências e padrões histórics de sluçã (best-practices) é a frma de se maximizar resultads. Em sftware, cm em qualquer prcess industrial, a definiçã de padrões de sluçã para prblemas frequentes, dcumentaçã extensiva e rteirs pass a pass ativs e inteligentes, pdem rientar s prfissinais decisivamente na cdificaçã manual de prgramas. É a área de atuaçã d jcmpany Patterns & Methds. Cnferência (Cntrle de Qualidade) A dupla checagem da qualidade ds prduts intermediáris de um prcess evita desperdíci e inclusive a liberaçã de resultads indesejáveis a mercad. Em sftware, a cdificaçã de Testes de Unidade funcina cm uma área de cntrle de qualidade que permeia prcess,

9 Capítul A1 garantind cntinuamente que a cdificaçã manual de segments de prgramas esteja em cnfrmidade. É a área de atuaçã d jcmpany Test fr Develper. Infra-Estrutura (Manutençã e Preservaçã) Um ambiente de prduçã que envlva tecnlgia ns váris âmbits citads necessitará de uma cntínua mnitria para garantir a lubrificaçã, fluidez e estabilidade da bancada tecnlógica utilizada. Em sftware, cm em qualquer ambiente de prduçã industrial, para evitar quedas de rendiment, a infra-estrutura de suprte tecnlógic a prcess precisa se manter estável e íntegra a lng d temp. É a área de atuaçã d jcmpany Cnfiguratin Management. jcmpany FS Framewrk - Arquitetura de Sftware Crprativa A Arquitetura de Sftware é aquela parcela da sluçã que se encntra pré-definida, implementada e dispnível para s desenvlvedres, antes d iníci da cnstruçã de aplicações de negóci. Muit embra seja pssível se definir e cnstruir uma arquitetura de sftware para smente uma aplicaçã, s maires ganhs advém de seu reús em escala, em uma grande rganizaçã. Uma representaçã de arquitetura exigirá diverss ânguls u visões. A visã que enxerga jcmpany FS Framewrk, pr exempl, é a Visã de Cmpnentes (Cmpnent View), que fca nas camadas de cmpnentes que sã embalads junts n executável da aplicaçã. Para s melhres resultads, uma Arquitetura de Sftware Crprativa nã deve se restringir a apenas um esquema cnceitual u dcument de direcinaments, mas trazer implementações cncretas em seu nível de atuaçã. Em um ambiente receptiv a técnicas de Orientaçã a Objets (OO), cm Java EE, iss é pssível principalmente através de framewrks que prmvam e simplifiquem us da arquitetura e que também amplifiquem s resultads esperads. - Framewrk Um framewrk é um cnjunt de classes que clabram entre si de md a prver um reús abrangente de grandes blcs de cmprtament. Pr ser reutilizável e custmizável de frma refinada através de diferentes técnicas OO, um framewrk permite um ganh impssível, u muit difícil, de ser btid via chamadas de sub-rtinas, reús típic ds ambientes de desenvlviment de terceira geraçã. Quand cncebid cm a prfundidade e abrangência necessárias, um bm framewrk será principal representante da Arquitetura de Sftware Crprativa, uma manifestaçã cncreta de seus bjetivs, cntribuind n dia a dia d desenvlviment para: Definir frnteiras, evitand devaneis desnecessáris em blcs nã hmlgads de tecnlgias; Prmver melhres práticas, trazend atalhs que trnem natural esta pçã; Eliminar trabalh repetitiv, generalizand grande parcela das sluções; Diminuir a variabilidade indesejável de sluções diferentes para um mesm tip de prblema, trazend frmas prntas de sluçã, custmizáveis; Cm tud iss, um bm framewrk se transfrma n agente da arquitetura respnsável pr elevar patamar mínim de qualidade e prdutividade para tds s prjets em seu perfil de atuaçã. - Framewrk de Integraçã O jcmpany FS Framewrk nã é um framewrk cmum, mas um framewrk de integraçã. Este tip de framewrk funcina uma camada acima de utrs, chamads framewks de base, atuand cm um framewrk de framewrks. Esta rbustez arquitetural é hje necessária para fazer frente a grande aument de cmplexidade das tecnlgias da era d ebusiness, as chamadas tecnlgias Web. Uma das características frtes de um framewrk de integraçã cm jcmpany FS Framewrk é exatamente nã reinventar a rda praticand, em seu nível, a rientaçã de reús que prega. A incrprar framewrks de base de larga aceitaçã n mercad e se cncentrar smente em especializações hlísticas, de mais alt nível, ele agrega um tremend valr à arquitetura geral a mesm temp em que preserva a cultura de mercad. - Arquitetura de Sftware cm jcmpany FS Framewrk A Figura A1.2 exibe um diagrama em camadas que representa esquema básic da Visã de Cmpnentes da Arquitetura de Sftware Crprativa, cnfrme sugerida pel jcmpany. A arquitetura em si é representada pelas camadas marcadas cm s númers (2), (3) e (4).

10 Intrduçã a jcmpany Develper Suite Figura A1.2. Arquitetura em camadas de uma aplicaçã Java EE cm jcmpany Full Stack Framewrk. #1. Infra-Estrutura de Sftware: Camadas de sftwares de infra-estrutura, nrmalmente de dmíni da equipe de peraçã (prduçã). Camadas da Arquitetura de Sftware Crprativa #2. Framewrks e utilitáris de base d mund Open Surce: Reús essencial de prduts líderes em sua categria, em cada camada MVC, para se evitar a reinvençã da rda em um nível mais baix da arquitetura. Preserva, ainda, a cultura de mercad. #3. jcmpany Full Stack Framewrk Cre - Generalizaçã Cmmdity: Camada de sftware prvida pel jcmpany através de framewrk que realiza generalizações integradas de insums Open Surce da camada (2) e as dispnibiliza para reús em mais alt nível. Segue rientações arquiteturais e de implementaçã de mercad (MVC, Design Patterns, padrões de frmuláris, gerência de transações, etc.), prmvend melhres práticas de interesse cmum a diverss prjets de diversas verticais de negócis. Pr iss, é chamada de cmmdity. #4. jcmpany Full Stack Framewrk Bridge - Generalizaçã da Empresa: Camada de sftware cuja estrutura é prvida pel jcmpany através de framewrk de islament da camada de baix, que permite às empresas intrduzirem generalizações e custmizações próprias de seu cntext. Exempls típics sã web-design padrã, segurança crprativa, pré-cnfigurações de gateways para acesss cmuns (Ex.: mainframes) e ajustes gerais de quaisquer padrões d jcmpany. É chamada também de última milha pr ser a última camada da arquitetura. Camadas d Negóci (Cre Business) #5. Camada de Cre Business: Camada que cntém s móduls reutilizáveis de negóci e prtifóli de aplicações que se beneficiam d ganh de escala e padrnizaçã da arquitetura. Deve ser fc de cncentraçã de prfissinais rientads a negóci, incluind criatividade e diferenciações únicas de cada prjet. jcmpany IDE - Ambiente Integrad de Desenvlviment O módul jcmpany IDE atua n aprimrament d ambiente de trabalh d desenvlvedr para melhria de prdutividade nas atividades de seu dia a dia, incluind geraçã de artefats nã generalizáveis, tais cm XHTML de frmulári, mensagens e rótuls, XML etc. D pnt de vista de sua arquitetura interna, jcmpany IDE parte da mesma filsfia de reús e especializaçã d jcmpany FS Framewrk. Prém, bviamente, neste cas reutiliza uma pilha de utilitáris Open Surce em temp de desenvlviment, cm exibid na Figura A1.3.

11 Capítul A1 Figura A1.3. Arquitetura Visã de Desenvlviment. Estratégia similar à Visã de Cmpnentes. #1. Infra-Estrutura de Sftware: Camadas de sftwares de infra-estrutura, incluind neste cas tant Ambiente Integrad de Desenvlviment e de gerência de cnfiguraçã: a IDE Eclipse e Maven 3.x. Repare que s plugins JDT, apesar nã fazerem parte da platafrma básica Wrkbench, sã mantids pela cmunidade Eclipse e, pr iss, também cnsiderads infra-estrutura. #2. Utilitáris de Desenvlviment - Reús de Matéria-Prima Open Surce: Camada de sftwares reutilizads d mund Open Surce, cmpsta principalmente pr plug-ins da IDE Eclipse e utilitáris Maven de base. Sã cnsiderads recurss de api genéric, neutrs cm relaçã à arquitetura, padrões e métds d jcmpany. #3. Utilitáris de Desenvlviment Plug-ins de Prcess: Camada de sftware cmpsta pr plug-ins da IDE e utilitáris Maven que cnhecem a arquitetura d jcmpany FS Framewrk e ainda s padrões e métds d jcmpany Patterns & Methds. Pr este mtiv, geram artefats em cnfrmidade cm melhres práticas. #4. Utilitáris de Desenvlviment Custmizaçã da Empresa: Camada de templates que permitem a custmizaçã ds prjets e artefats gerads, de md a respeitarem eventuais especificidades intrduzidas na camada Bridge da arquitetura (númer (4) na Figura A1.2, entre utras). Os utilitáris d jcmpany IDE nã sã cmpnentes para reús a serem incluíds ns executáveis das aplicações. Pr utr lad, aumentam a prdutividade ds desenvlvedres nas atividades necessárias para prduzirem códigs e artefats específics da sua camada de negócis. Existem duas áreas chave para nde módul jcmpany IDE traz prdutividade diferenciada, ind além das facilidades genéricas prpiciadas pel Eclipse, pel Maven e pela camada de reús Open Surce: Plugins de Criaçã Orientads pel Prcess, capazes de prduzir uma primeira versã de prjets e artefats envlvids em Cass de Us Padrões, que seguem melhres práticas previstas na Arquitetura de Sftware, Padrões e Métds Crprativs. Pr exempl, s plug-ins de prcess d jcmpany IDE geram frmuláris JSF, menus, mapeament Objet-Relacinal, fluxs de navegaçã padrões etc., timizads e minimalistas em qualidade final de prduçã. Organizaçã de prjets e dependências segund padrã Maven, incluind repsitóri simplificad e rtinas de cnstruçã e liberaçã rápida via MOJOs (Maven Objects), para diverss Applicatin Servers, levand em cnta a Arquitetura de Sftware Crprativa. Cm ist, módul jcmpany IDE prvê um Ambiente Integrad de Desenvlviment inteligente, cnhecedr da arquitetura, padrões de alt nível e melhres práticas da rganizaçã. Trata-se de um avanç nítid cm relaçã a que se pderia extrair de IDEs n passad u d que se pde esperar d Eclipse u Netbeans cm seus plug-ins de ediçã genérics, incapazes de refrçar melhres práticas.

12 Intrduçã a jcmpany Develper Suite jcmpany Patterns & Methds - Padrões de Sluçã em Alt Nível Uma utra dimensã de atuaçã d jcmpany é api à etapa de especificaçã de aplicações, que precedem a implementaçã de códig em si. Além da generalizaçã da arquitetura de sftware e da aceleraçã da IDE, as rientações nesta área reduzem prazs de cncepçã de sluções, mdelagem e especificaçã para cnstruçã através de padrões de alt nível. Mesm para uma equipe de Analistas-Desenvlvedres que dispensam mdels frmais de especificaçã, s padrões em alt nível d jcmpany Patterns & Methds trarã mair clareza e rientaçã na elabraçã mental da sluçã. Este módul é cnstituíd pr dezenas de capítuls de dcumentaçã dispníveis n Ajuda On-Line da IDE Eclipse, e ainda pr rteirs baseads em Cheat-Sheets, verdadeirs assistentes de prcess integrads a ambiente de desenvlviment. Eles funcinam cm mentres virtuais, guiand desenvlvedres, pass a pass, pr caminhs de prdutividade e cnfrmidade para a sluçã de prblemas padrnizads. - Cass de Us Padrões O módul jcmpany Patterns & Methds intrduz práticas e traz dcumentações que facilitam a identificaçã e a especificaçã de Cass de Us Padrões, inclusive cm diversas variações ptenciais, expressas em UML na frma de Extensões e Inclusões padrões, cm exemplificad na Figura A1.4. Figura A1.4. Alguns Cass de Us, Inclusões e Extensões Padrões d jcmpany Patterns & Methds. Os Cass de Us Padrões d jcmpany partem das ideias de Alistair Cckburn [Cckburn, Alistair 2003], evluind radicalmente seus cnceits de Cas de Us CRUD e Cas de Us Parametrizad, tant cnceitualmente cm através de uma sluçã de implementaçã autmatizada. - Clabrações Padrões Os Cass de Us Padrões d jcmpany estã definids em nível lógic. Eles sã, pr exempl, úteis mesm em utrs paradigmas tecnlógics que nã Java EE. Mas jcmpany traz também padrões de realizaçã de Cass de Us cmplets vltads para especificaçã para Java EE especificamente, chamads Clabrações Padrões. As Clabrações sã estereótips de Cas de Us, representadas de frma pntilhada na UML, que simblizam especificações de prjet físic u realizações de um Cas de Us.

13 Capítul A1 O módul jcmpany FS Framewrk implementa diretamente estas Clabrações Padrões definidas através de generalizações OO de alt nível, para a parte Java envlvida. Em seguida módul jcmpany IDE gera s artefats nã generalizáveis, cm s numerads na Figura A1.5, prvend um grande índice de autmaçã final. Figura A1.5. Visã estrutural de uma Clabraçã, cm artefats Java EE envlvids. Esta sinergia entre prjets lógic, físic e implementaçã slucina de frma elegante um clássic prblema d desenvlviment de sftware: a transiçã da etapa de Elabraçã para Cnstruçã. - Padrões de Agregações de Entidades O jcmpany Patterns & Methds traz ainda padrões OO para mdel de Dmíni (Classes que representam Entidades d Negóci), partind das cnceituações de Eric Evans [Evans, Erick 2004] cnhecidas cm Dmain-Driven Design (DDD), intrduzind aprimraments e autmações, também neste âmbit. Através de estereótips para Agregações de Classes que ditam cmprtaments imprtantes, também generalizads n jcmpany FS Framewrk, jcmpany prmve us de cnceits imprtantes de Orientaçã a Objets nesta nbre camada da aplicaçã.

14 Intrduçã a jcmpany Develper Suite Figura A1.6. Agregaçã de Entidades cm estereótips que definem padrões da Arquitetura. - Padrões de Interfaces cm Usuári. O jcmpany Patterns & Methds traz ainda padrões de Interface cm Usuári, vltads para aplicações Web, baseads em padrões de usabilidade e ergnmia clássics de mercad, padrões W3C e preceits de Organizaçã & Métds especialmente timizads para viabilizar entradas de dads massivas, típicas d mund crprativ em Navegadres Web. Figura A1.7. Padrões de frmulári de entrada de dads. Além de implementações genéricas para padrões de frmulári e perações, padrões de leiaute também sã definids e implementads genericamente, trazend uma prpsta visual e de ergnmia para tda a aplicaçã.

15 Capítul A1 Figura A1.8. Leiautes altamente persnalizáveis, incluind pele e internacinalizaçã. jcmpany Test fr Develper - Testes de Unidade O módul jcmpany Test fr Develper traz um framewrk para api a desenvlviment de Testes de Unidade para arquitetura MVC2-P (Mdel-View-Cntrller type 2 with Persistence), basead principalmente ns framewrks de base JUnit e EasyMck. Ele também segue a mesma filsfia de reús de matéria-prima Open Surce d jcmpany FS Framewrk, prém em escala bem reduzida de cmplexidade, cm ilustrad na Figura A1.9. Figura A1.9. Arquitetura de Desenvlviment de Testes de Unidade. #1. Infra-Estrutura de Sftware: Camadas de sftwares de infra-estrutura para rdar Testes de Unidade. Inclui a IDE Eclipse para execuçã interativa e Maven para execuçã batch e cverage. #2. Arquitetura de Testes de Unidade - Reús de Matéria-Prima Open Surce: Camada de sftwares reutilizads d mund Open Surce, cmpsta principalmente pr JUnit, EasyMck e utilitári de mediçã de cbertura ds testes (Cverage). #3. Arquitetura de Testes de Unidade Framewrk de Integraçã: Framewrk prvend uma fina camada de especializaçã e melhres práticas de Testes de Unidade para camadas Cntrle, Mdel, Dmíni e Persistência. Traz também classes Stubs (Mcks cncrets) para simular bjets cmplexs de cntrle, tais cm HttpRequest.

16 Intrduçã a jcmpany Develper Suite Muit embra se trate d módul da suíte cm menr cntribuiçã quand cmparad as demais, seu bm us pde ser de grande valr para refrçar qualidade e práticas de refactring a lng das manutenções. jcmpany Cnfiguratin Management - Gerência de Cnfiguraçã Dificilmente um prfissinal iniciante na área de Desenvlviment de Aplicações de Sftware crprativ cmpreenderá prque módul jcmpany Cnfiguratin Management tem mesm pes em terms de cntribuiçã que módul jcmpany IDE, cm ilustrad na Figura A1.1. O fat é que, dentr da disciplina de Gerência de Cnfiguraçã, tã enfatizada em certificações de maturidade tais cm CMMI, estã questões chave para manutençã da integridade (e, cnsequentemente, da qualidade e prdutividade geral) de tds s utrs móduls da sluçã, a lng d temp, garantind: Integraçã ds Itens de Cnfiguraçã Cntrle de Versões (Integridade Cntinuada) Em uma suíte altamente integrada, cm vems na Figura A1.10, tds s cmpnentes envlvids, em tdas as camadas de cada módul da sluçã, precisam estar funcinand harmnicamente. Para tant, necessitam nã smente de estarem versões aprpriadas, hmlgadas juntamente cm as versões ds demais cmpnentes, mas ainda pré-cnfigurads para funcinament imediat cm puc esfrç. Figura A1.10. Itens de cnfiguraçã cntrlads n jcmpany Develper Suite. Manter uma instalaçã e cntrle de versã unificad para um univers de mais de quarenta prjets de rigem distinta, e mais de uma centena de itens de cnfiguraçã (prjets, cmpnentes, capítuls de dcumentaçã, rteir Cheat-Sheet, plug-ins etc.), cm é cas d jcmpany Develper Suite, é uma tarefa hercúlea. Especialmente quand se passa a cntar cm uma base instalada que exige manutenções de linhas de base em paralel. Em grandes rganizações, nde é de se esperar desenvlviment de dezenas u centenas de prjets sbre uma mesma Arquitetura de Sftware Crprativa, a simples terceirizaçã de ba parte deste trabalh de embalagem integrada de sftware Open Surce e d cntrle de sua Linha de Base, de frma unificada, pde cmpensar us d jcmpany e retrnar investiment. Open Surce Applicatin Lifecycle Management Em uma visã mais ampla de um Prcess de Desenvlviment de Sistemas (PDS), jcmpany Develper Suite está inserid na fase de Cnstruçã. Esta será, prtant, a fase d PDS enfatizada neste livr, muit embra venhams a analisar elements da fase de Elabraçã para cmpreender s padrões de especificaçã que irems implementar, tais cm Mdel de Classes, de Cass de Us e Clabrações.

17 Capítul A1 Mas esta é ainda uma cbertura pequena de ferramental para a autmaçã de um PDS cmplet. Uma visã hlística englbaria gerenciament de prjets, requisits, autmaçã e cntrle da qualidade, segurança, mnitria em prduçã, atendiment as usuáris (estatísticas de us, errs, sugestões) etc. etc. Figura A1.11. Cicl de vida de gerenciament de aplicações de sftware. Sluções para este tip de abrangência tp-de-linha sã cnhecidas n mercad cm prduts para Applicatin Lifecycle Management (ALM). Cm elas, se trna pssível uma gestã integrada via ferramentas que ferecem rastreament entre artefats diverss prduzids e cnsumids em cada fase, além de gerenciament de mudanças cm análise de impact, cálculs de ROI, dentre utrs benefícis. Apesar de serem bjets de desej, as pucas sluções de mercad na área de ALM sã ainda de códig fechad e incrrem facilmente em licenciaments milináris. Um utr agravante é excess de pes que estas suítes tradicinais cstumam trazer. Pr estes mtivs, custmizações refinadas lg se manifestam cm difíceis, senã impssíveis, de serem realizadas, culminand em implantações parciais (subutilizaçã) u fracasss cmplets. Cm alternativa a códig fechad, a Pwerlgic dispõe de mais prduts que se integram cm jcmpany para atendiment a utras fases e disciplinas de um PDS, tdas cm a mesma filsfia de integraçã e especializaçã de insums Open Surce, em códig abert. Nã é bjetiv deste livr uma discussã cm este nível de abrangência, mas vale à pena apresentarms este utrs prduts: - jcmpany QA Suite Integra e especializa framewrks e ferramentas líderes d mund Open Surce para a área de Garantia da Qualidade (Quality Assurance QA), ferecend prdutividade diferenciada na autmaçã da averiguaçã de qualidade, que inclui testes funcinais, de unidade e estátic para averiguaçã de padrões e cnvenções de códig. Além diss, prvê um ambiente de integraçã cntínua e de trabalh em equipe prnt para us, cm cntrle de versã de executáveis ultra-simplificad, incluind versinament a um clique ( ne-click versining ) e liberaçã a um clique ( ne-click deply ). O jcmpany QA Suite integra s prduts Hudsn/Jenkis, Snar, Maven, Sellenium e SVN em um ambiente suprtad e integrad de Gerência de Cnfiguraçã e Autmaçã. jcmpany Prductin Suite É cmpst pr dis prduts: jcmpany Security: Permite a definiçã d cntrle de acess da aplicaçã de frma ttalmente dinâmica, sem que desenvlvedres declarem u necessitem de prgramar plíticas básicas de acess. Ex: usuáris cm papel A nã pdem acessar a URL /ntafiscal, usuáris cm papel B nã pdem ver camp salari" na URL /funcinari, smente usuáris cm papel Presidente e certificad digital X pdem acessar a URL /demfinanceir. O jcmpany Security imprta autmaticamente tdas as URLs de arquivs executáveis (WAR e EAR), permite cadastr interativ de regras através de uma aplicaçã e, a partir destas regras, realiza simultaneamente cnfrt visual (escnder itens de menu, btões, camps dinamicamente) e a segurança efetiva n servidr (JAAS).

18 Intrduçã a jcmpany Develper Suite jcmpany Mnitr: Permite a cleta de cliques de navegaçã e transaçã d usuári (HTTP GETs e POSTs), cntabilizand acesss de frma assíncrna, via JMS, que garante máxima escalabilidade da sluçã, mesm para grandes clusters de Applicatin Servers, sem impact na perfrmance e dispnibilidade das aplicações. Além da auditria de história de navegaçã de tds s usuáris, em tdas as diversas sessões de us, mnitra ainda a dispnibilidade de serviçs diverss via agentes de mnitria, tais cm dispnibilidade d serviç d SGBD A, serviç de crrei B, serviç JMS C u da aplicaçã X ns Applicatin Servers D e E, dentre utras facilidades. - ecmpany Prtal Suite É uma sluçã de Enterprise Infrmatin Prtal Web 2.0 cm facilidades diversas de Gestã de Cnteúd, Clabraçã e Grupware em geral, que agregam infrmações de tda a suíte de ALM em um únic pnt. Além diss, inclui Prtlets que pdem exibir frmuláris desenvlvids cm jcmpany Develper Suite, integrand segurança e permitind rerganizaçã da dispsiçã de aplicações para usuáris de decisã (gerentes, crdenadres, diretres etc.). O ecmpany Prtal embute ainda uma sluçã de Cntact-Center para permitir a recepçã e triagem de incidências de errs, sugestões e pedid de melhrias pr parte de usuáris, mantend estas crrências rastreáveis até seus requisits riginais, prduts e cmpnentes de prdut. Trata-se de um sistema cmplet para identificaçã, triagem, atendiment e geraçã de base de cnheciment rastreável, para bugs, melhrias e quaisquer utrs feedbacks ds usuáris. - ecmpany Reprts É uma sluçã para cnstruçã, escalnament e dispnibilizaçã de relatóris para Web, baseada n Eclipse BIRT e escalnadr Quartz, que permite que sejam planejadas execuções de relatóris cm arguments pré-definids e lista de distribuiçã, de frma batch, de md a evitar sbrecargas em aplicações n-line. O ecmpany Reprts traz um instrument de flexibilidade para se criar e dispnibilizar relatóris custmizads externs à aplicaçã e que ainda assim se integram visualmente à aplicaçã - trazend grande prdutividade para a prduçã e manutençã destes artefats. O ecmpany Reprts utiliza Eclipse BIRT e serviç BIRT Viewer cm base. Relatóris BIRT pdem incluir gráfics, quebras e indicadres visuais sfisticads, em frmat PDF u HTML.

19 Capítul A1 Sumári Neste capítul, discutims brevemente s desafis que as rganizações vêm enfrentand para absrverem invações tecnlógicas em um ritm cmpetitiv. Caracterizams cm tentarems cntribuir nesta área e que querems dizer pr tirar máxim d Java EE OpenSurce. Apresentams jcmpany Develper Suite (assim cm JAGUAR) cm uma sluçã cmpleta para cnstruçã de aplicações Java EE, cm base em arquitetura Open Surce custmizável, em suas diversas dimensões de atuaçã. Prsseguims analisand a arquitetura de alt nível de tds s seus móduls: jcmpany FS Framewrk, jcmpany IDE, jcmpany Patterns & Methds, jcmpany Test Fr Develper e jcmpany Cnfiguratin Management. Pr fim, vims cm jcmpany se encaixa em uma estratégia mais ampla, de Open Surce Applicatin Lifecycle Management, cntextualizand prdut dentr d espectr mair da sluçã Pwerlgic jalm.

Developer Suite. Capítulo. As oportunidades do ebusiness

Developer Suite. Capítulo. As oportunidades do ebusiness A1Intrduçã a jcmpany Develper Suite Capítul 1 As prtunidades d ebusiness As empresas têm sid desafiadas cm nunca a cmpetirem em escala glbal e, para tal, dmíni das tecnlgias Web nã é mais alg d qual pssam

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis PCP. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis PCP Vensis PCP O PCP é módul de planejament e cntrle de prduçã da Vensis. Utilizad n segment industrial, módul PCP funcina de frma ttalmente integrada a Vensis ERP e permite às indústrias elabrar

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite

PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE. 3ª edição. com jcompany Developer Suite PAULO ALVIM TIRANDO O MÁXIMO DO JAVA EE 6 OPEN SOURCE cm jcmpany Develper Suite 3ª ediçã Bel Hriznte Paul César Alvim Ottni 2010 Tirand Máxim d Java EE 6 Open Surce cm jcmpany Develper Suite 2010 Pwerlgic

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager!

WEB MANAGER. Conhecendo o Web Manager! WEB MANAGER Cnhecend Web Manager! O Web Manager é uma pdersa ferramenta para gestã de Sites, prtais, intranets, extranets e htsites. Cm ela é pssível gerenciar ttalmente seus ambientes web. Integrad ttalmente

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita

Projeto de Arquitetura Objetivos. Tópicos abordados. Arquitetura de software. Vantagens da arquitetura explícita Prjet de Arquitetura Objetivs Apresentar prjet de arquitetura e discutir sua imprtância Explicar as decisões de prjet de arquitetura que têm de ser feitas Apresentar três estils cmplementares de arquitetura

Leia mais

De fato, o caminho mais eficiente para se construir uma solução é não construí-la, reutilizando uma existente.

De fato, o caminho mais eficiente para se construir uma solução é não construí-la, reutilizando uma existente. A6Instaland jcmpany Capítul 2 Gerência de Cnfiguraçã em Java EE Open Surce - Reús x Geraçã de Códig A mairia ds arquitets e desenvlvedres de sftware atualmente busca salts de prdutividade e qualidade através

Leia mais

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO

INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO INTRODUÇÃO A LOGICA DE PROGRAMAÇÃO A Lógica de Prgramaçã é necessária à tdas as pessas que ingressam u pretendem ingressar na área de Tecnlgia da Infrmaçã, send cm prgramadr, analista de sistemas u suprte.

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

Principais Informações

Principais Informações Principais Infrmações Quem é Benefix Sistemas? Frmada pr ex-executivs e equipe de tecnlgia da Xerx d Brasil, que desenvlvem e suprtam sluções e estratégias invadras para setr públic, especializada dcuments

Leia mais

de Desenvolvimento Capítulo Introdução - Alinhando Metodologia com Arquitetura

de Desenvolvimento Capítulo Introdução - Alinhando Metodologia com Arquitetura A6Entendend a Metdlgia de Desenvlviment Capítul 5 Intrduçã - Alinhand Metdlgia cm Arquitetura N capítul anterir vims cm a arquitetura de base prpsta pel jcmpany pde ser utilizada cm catalisadra para a

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro

Workflow. José Palazzo Moreira de Oliveira. Mirella Moura Moro Pdems definir Wrkflw cm: Wrkflw Jsé Palazz Mreira de Oliveira Mirella Mura Mr "Qualquer tarefa executada em série u em paralel pr dis u mais membrs de um grup de trabalh (wrkgrup) visand um bjetiv cmum".

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO R.M. Infrmática Cmérci e Serviç Ltda CNPJ: 04.831.742/0001-10 Av. Rdrig Otávi, 1866, Módul 22 Distrit Industrial - Manaus - AM Tel./Fax (92) 3216-3884 http://www.amaznit.cm.br e-mail: amaznit@amaznit.cm.br

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s)

Proposta. Projeto: VENSSO. Data 25/05/2005. Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes. Responsável. Autor (s) Prpsta Prjet: Data 25/05/2005 Respnsável Autr (s) Dc ID Andrade Lima Damires Fernandes Andrade Lima Damires Fernandes Lcalizaçã Versã d Template

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

Os Oito Principais de Sistemas de

Os Oito Principais de Sistemas de Infrme Especial Os Oit Principais in Yur DSD Mits Mbile de Sistemas de Security Strategy Gerenciament de Armazém para empresas de pequen e médi prte. Intrduçã A era das perações manuais em Armazéns está

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI

CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI CONSIDERAÇÕES DA CAPGEMINI 6.1 Requisits de Capacidade e Experiência d Prestadr A ANEEL deveria exigir um puc mais quant a estes requisits, de frma a garantir uma melhr qualificaçã da empresa a ser cntratada.

Leia mais

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro.

Universidade Luterana do Brasil Faculdade de Informática. Disciplina de Engenharia de Software Professor Luís Fernando Garcia www.garcia.pro. Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br EVOLUÇÃO EM ENGENHARIA DE SOFTWARE 10 Sistemas Legads O investiment

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Software Para Controle de Acesso e Ponto

Software Para Controle de Acesso e Ponto Sftware Para Cntrle de Acess e Pnt Características e Funcinalidades Versã 2.0 Inipass é marca registrada da Prjedata Infrmática Ltda. Tds s direits reservads à Prjedata Infrmática Ltda. Características

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA EIKON DOCUMENTS - ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Eikn Dcuments 2007 Service Pack 5 (2.9.5) Fevereir de 2010 DATA DE REFERÊNCIA DESCRIÇÃO Sftware para implantaçã de sistemas em GED / ECM (Gerenciament Eletrônic

Leia mais

de Desenvolvimento Capítulo Introdução Estudo de Evolução de Arquiteturas de Software Java EE - Reúso de Arquitetura de Software

de Desenvolvimento Capítulo Introdução Estudo de Evolução de Arquiteturas de Software Java EE - Reúso de Arquitetura de Software A6Entendend a Arquitetura de Desenvlviment Capítul 4 Intrduçã - Reús de Arquitetura de Sftware O jcmpany Develper Suite pde ser cmpreendid cm uma sluçã de reús em nível arquitetural. E nã apenas para reús

Leia mais

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30

^i * aesíqn e=> ~omunícc3ç:c30 ^i * aesíqn e=> ~munícc3ç:c30 CONTRATO DE LICENÇA DE USO DO SISTEMA - SUBMIT CMS Web Site da Prefeitura de Frei Martinh - Paraíba 1. IDENTIFICAÇÃO DAS PARTES CONTRATANTE Prefeitura Municipal de Frei Martinh

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO

CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Cnteúd prgramátic CURSO PREPARATÓRIO PARA CERTIFICAÇÃO Este é cnteúd prgramátic d curs preparatóri n nv prgrama CDO-0001 para a certificaçã CmpTIA CDIA+. CONCEITUAL ECM Apresentaçã ds cnceits envlvids

Leia mais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais

Diferenciais do QlikView Versus Tecnologias Tradicionais Diferenciais d QlikView Versus Tecnlgias Tradicinais Índice Tecnlgia MOLAP... 3 Demanda criaçã de Datawarehuse... 3 Númer limitad de dimensões... 3 Inflexível... 3 Cnsultas smente nline... 3 Tecnlgia ROLAP...

Leia mais

Gerenciamento do Escopo

Gerenciamento do Escopo Pós-graduaçã Gestã Empresarial Módul GPE Gestã de Prjets Empresariais Prf. MSc Jsé Alexandre Mren prf.mren@ul.cm.br agst_setembr/2009 1 Gerenciament d Escp 3 Declaraçã d escp Estrutura Analítica d Prjet

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versã 0.0 25/10/2010 Sumári 1 Objetivs... 3 2 Cnceits... 3 3 Referências... 3 4 Princípis... 3 5 Diretrizes d Prcess... 4 6 Respnsabilidades... 5 7

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS

GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS GUIA RÁPIDO DE CONFIGURAÇÃO PARA WINDOWS CONTEÚDO 1. Intrduçã... 3 2. Requisits de Sftware e Hardware:... 3 3. Usuári e Grups:... 3 3.1. Cnfigurand cm Micrsft AD:... 3 3.2. Cnfigurand s Grups e Usuáris:...

Leia mais

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE

SEGURANÇA NO TRABALHO CONTRATADOS E TERCEIROS DO CLIENTE Flha 1 de 8 Rev. Data Cnteúd Elabrad pr Aprvad pr 0 16/06/2004 Emissã inicial englband a parte técnica d GEN PSE 004 Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade 1 31/01/2006 Revisã geral Luiz C. Sants Cmitê da Qualidade

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

Sistema de Gestão de BPM

Sistema de Gestão de BPM 1/13 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL. FL. 01 X 26 02 X 27 03 X 28 04 X 29 05 X 30 06 X

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Acess Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos

Versão 14.0 Junho 2015 www.psr-inc.com Contato: sddp@psr-inc.com. Representação mais detalhada da operação em cada estágio: 21 blocos Versã 14.0 Junh 2015 www.psr-inc.cm Cntat: sddp@psr-inc.cm SDDP VERSÃO 14.0 Nvidades Representaçã mais detalhada da peraçã em cada estági: 21 blcs Tradicinalmente, a peraçã de cada estági (semana u mês)

Leia mais

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas,

Integração com coletores de ponto, catracas, dispositivos de abertura de portas, fechaduras eletromagnéticas, Vsft ids Pnt Web Cntrle de acess e pnt A Vsft desenvlveu uma sluçã baseada em sftware e hardware para cntrle de acess e u pnt que pde ser utilizada pr empresas de qualquer prte. Cm us da tecnlgia bimétrica

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução

Boletim Comercial. Tema: BC003 Plano de Disponibilidade Ilimitada de Recursos UV. Introdução Bletim Cmercial Tema: BC003 Plan de Dispnibilidade Ilimitada de Recurss UV Intrduçã Sistemas de cura UV sã cada vez mais presentes em indústrias que imprimem grandes vlumes de materiais, independente d

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade

1 Institucional. 1.1 Sobre a Vensis. 1.2 Missão, Políticas e Valores. 1.2.1 Missão. 1.2.2 Política da Qualidade Institucinal 1 Institucinal 1.1 Sbre a Vensis A Vensis é uma empresa especializada n desenvlviment de sluções integradas para gestã de empresas. Atuand n mercad de tecnlgia da infrmaçã desde 1998, a empresa

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração Manual de Instalaçã e Cnfiguraçã Prdut:n-ReleaserEmbedded fr Lexmark Versã 1.2.1 Versã d Dc.:1.0 Autr: Lucas Machad Santini Data: 14/04/2011 Dcument destinad a: Clientes e Revendas Alterad pr: Release

Leia mais

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas

SGCT - Sistema de Gerenciamento de Conferências Tecnológicas SGCT - Sistema de Gerenciament de Cnferências Tecnlógicas Versã 1.0 09 de Setembr de 2009 Institut de Cmputaçã - UNICAMP Grup 02 Andre Petris Esteve - 070168 Henrique Baggi - 071139 Rafael Ghussn Can -

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp Cmpressres de Ar de Parafuss Rtativs Lubrificad Série-R - kw/- hp A Ingersll Rand entru em seu segund sécul cnstruind seu legad cm líder glbal em cnfiabilidade, frnecend sluções invadras e a experiência

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este prcediment estabelece prcess para cncessã, manutençã, exclusã e extensã da certificaçã de sistema de segurança cnfrme ABNT NBR 15540. 2. DOCUMENTOS COMPLEMENTARES - ABNT NBR 15540:2013:

Leia mais

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida

REQUISITOS PRINCIPAIS: Regulamentação final sobre controles preventivos de alimentos para consumo humano Visão rápida O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Nascia um novo nicho de mercado: o dos Ambientes Integrados de Desenvolvimento, ou IDEs (Integrated Development Environment).

Nascia um novo nicho de mercado: o dos Ambientes Integrados de Desenvolvimento, ou IDEs (Integrated Development Environment). A6Entendend Ambiente de Desenvlviment Capítul 3 Intrduçã - A breve história d mercad de IDEs Até a década de 80, um desenvlvedr de sftware típic lidava cm uma diversidade de ferramentas para realizar seu

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO

Código: Data: Revisão: Página: SUMÁRIO UC_REQ-MK_ACF-001 27/01/2015 00 1 / 12 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Objetiv... 2 Públic Alv... 2 Escp... 2 Referências... 2 DESCRIÇÃO GERAL DO PRODUTO... 2 Características d Usuári... 2 Limites, Supsições e

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento

Por favor, considere a proteção ao meio ambiente antes de imprimir esse documento Interbrs Tecnlgia e Sluções de Internet Ltda. Rua Dr. Guilherme Bannitz, 126 2º andar Cnj. 21 /179 Itaim Bibi - Sã Paul- SP - 04532-060 Fne: 55 11 9209-3717 / 55 11 8162-0161 Pr favr, cnsidere a prteçã

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas

Metodologia de Desenvolvimento de Sistemas Guia d Prcess de Sftware d MAPA Metdlgia de Desenvlviment de Sistemas Versã 1.0 Dcument cnfidencial e prprietári Versã d mdel: 1.1 Históric das Revisões Data Versã Descriçã Autr 24/03/2008 1.0 Iníci da

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

Para você que procura o máximo em atendimento!

Para você que procura o máximo em atendimento! Para vcê que prcura máxim em atendiment! Sftware de Gestã Cnsultria em T.I. Manutençã de Equipaments Redes Hspedagem de Sistemas Web Design Distribuidra de Infrmática Nssa Empresa Para vcê que prcura máxim

Leia mais

Sistemas Baseados na Web (Web-based Systems) são também chamados aplicações Web (Web Applications), ou simplesmente WebApps. Exemplos de WebApps:

Sistemas Baseados na Web (Web-based Systems) são também chamados aplicações Web (Web Applications), ou simplesmente WebApps. Exemplos de WebApps: N e e w L L w w. /1032547698;:1< 4=>29?@A4B1@D4D2D@9E9894GF9@ HI19K! " # "%'#(*" +, - Engenharia de istemas de Infrmaçã Prfs. sé arls Maldnad e Elisa Yumi Nakagawa 2 semestre de 2002 istemas Baseads na

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística

A Importância de Sistemas de Informação para a Competitividade Logística A Imprtância de Sistemas de Infrmaçã para a Cmpetitividade Lgística Paul Nazári 1. Intrduçã O avanç da tecnlgia de infrmaçã (TI) ns últims ans vem permitind às empresas executarem perações que antes eram

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

Análise e Design: Visão Geral

Análise e Design: Visão Geral Análise e Design: Visã Geral As finalidades da disciplina Análise e Design sã: Transfrmar s requisits em um design d sistema a ser criad. Desenvlver uma arquitetura sfisticada para sistema. Adaptar design

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais