INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) / 3268 Fax

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax"

Transcrição

1 REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E QUALIDADE - SASSMAQ

2 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO OBJETIVO DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS HISTÓRICO DAS REVISÕES GENERALIDADES DESCRIÇÃO DO PROCESSO SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO PROCESSO DE AVALIAÇÃO PELO SASSMAQ AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO DA AVALIAÇÃO CONCESSÃO DO CERTIFICADO SASSMAQ E USO DA MARCA TECPAR CERT RECERTIFICAÇÃO AUDITORIA ADICIONAL SUSPENSÃO, CANCELAMENTO OU REDUÇÃO DO ESCOPO DE AVALIAÇÃO APELAÇÕES RECLAMAÇÕES ALTERAÇÕES NO SASSMAQ NOTIFICAÇÕES DE ALTERAÇÕES USO DA MARCA SASSMAQ CONFIDENCIALIDADE RESPONSABILIDADE LEGAL COMPROMISSOS DAS ORGANIZAÇÕES RELAÇÃO DE CLIENTES AVALIADOS...14 página 2 de 14

3 APRESENTAÇÃO O Instituto de Tecnologia do Paraná TECPAR, empresa pública de direito privado, com sede e foro na cidade de Curitiba, Estado do Paraná, Brasil, foi fundado em 1940 e vem, ao longo dos anos, desenvolvendo ações no sentido de proporcionar melhores condições ao desenvolvimento e à capacitação empresarial e institucional. Com posição consolidada como pioneiro no apoio ao desenvolvimento tecnológico e industrial, o TECPAR atua em pesquisa, desenvolvimento e inovação, prestação de serviços tecnológicos às organizações e também no desenvolvimento e produção de imunobiológicos. A credibilidade e o reconhecimento que conquistou junto ao meio empresarial, fez com que o TECPAR ampliasse sua área de atuação estruturando o serviço de avaliação da conformidade para atender à demanda das organizações interessadas, operacionalizado pela Divisão de Certificação e que abrangem os seguintes programas acreditados pelo INMETRO: Certificação de sistema de gestão da qualidade, segundo a norma NBR ISO 9001; Certificação de sistema de gestão ambiental, segundo a norma NBR ISO 14001; Certificação de cadeia de custódia para produtos de base florestal, segundo a NBR 14790; Certificação no Sistema de Avaliação da Conformidade de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC - PBQP-H; Certificação de produtos elétricos (fios, interruptores, plugues, tomadas, cabos e cordões); Certificação da produção integrada de frutas PIF (maçã, pêssego, citrus, banana, mamão uva); Outros programas: Certificação de saúde e segurança ocupacional, segundo a OHSAS 18001; Certificação de produtos agroindustriais (soja e milho não transgênicos, orgânicos); Orgânicos IFOAM; Certificação de produtos de telecomunicações ANATEL; Sistemas de avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade SASSMAQ. página 3 de 14

4 1 OBJETIVO O objetivo do presente documento é de fornecer as organizações informações detalhadas sobre os procedimentos de avaliação pelo Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade SASSMAQ, módulo Rodoviário da Associação Brasileira da Indústria Química (ABIQUIM). O SASSMAQ possibilita uma avaliação do desempenho nas áreas de segurança, saúde, meio ambiente e qualidade das organizações que prestam serviços à indústria química. O módulo rodoviário, o primeiro a ser lançado, é dirigido a transportadoras e operadoras logísticas. O sistema está baseado em modelo aplicado com sucesso na Europa pelo CEFIC - Conselho Europeu das Federações das Indústrias Químicas. A avaliação das organizações é feita por organismos certificadores independentes credenciados pela ABIQUIM. São avaliados os elementos centrais, compostos pelos aspectos administrativos, financeiros e sociais da organização, e os elementos específicos, constituídos pelos serviços oferecidos e pela estrutura operacional. A avaliação pelo SASSMAQ não é obrigatória, mas sua aplicação gera um importante diferencial para as organizações certificadas pelo sistema, devido a comprovação de que oferecem serviços qualificados nas operações de transporte. Em março de 2005 entrou em vigor o compromisso das organizações associadas à ABIQUIM, todas signatárias do Programa Atuação Responsável, de somente contratar organizações avaliadas pelo SASSMAQ para o transporte rodoviário de produtos químicos. 2 DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS Para a utilização do presente regulamento se aplicam as seguintes definições e referências: Organização: denominação usada para clientes que solicitam a avaliação bem como para os clientes já avaliados. Matriz Entidade jurídica onde está localizada a direção administrativa da empresa e que centraliza o sistema de gestão de segurança, saúde, meio ambiente e qualidade. É aplicado obrigatoriamente o elemento central do SASSMAQ. O elemento específico deverá ser aplicado se houver atividades de manutenção, treinamento e operações que envolvam a atividade de transporte. Filial Entidade jurídica legalmente estabelecida como parte integrante da empresa e onde são desenvolvidas operações de transporte. A filial dispõe em uma estrutura física independente da matriz e realiza operações como limpeza, manutenção, abastecimento de combustíveis, treinamento, gerenciamento de atividades de carga e descargas, mantém EPI s e kits de emergências, entre outros. É aplicado obrigatoriamente o elemento específico do SASSMAQ. O elemento central deverá ser aplicado se houver atividades como as realizadas pela matriz. Base ou Ponto de Apoio entidade jurídica legalmente estabelecida como parte integrante da matriz ou da filial e onde são desenvolvidas apenas atividades abaixo descritas, não requerem inspeção física ou termo de avaliação do SASSMAQ. No entanto, as bases de apoio e suas página 4 de 14

5 atividades, quanto ao aspecto documental e de controles, devem fazer parte do processo de avaliação do SASSMAQ da matriz ou filial. - Gerenciamento de atividades de carga e descarga : emissão de conhecimento de transporte / inspeção veicular sem manutenção / recrutamento local de subcontratados seguindo diretrizes da matriz ou filial / manutenção corretiva de pequena monta (pneus, lanternas, etc); - Bases de apoio dentro da área da indústria para atividades de carga e descarga; - Bases de apoio ao longo da rota constituída basicamente para pernoite de motoristas, estacionamento de veículos, abastecimento e comunicação. ABIQUIM: Associação Brasileira da Indústria Química; SASSMAQ : Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade; 3 HISTÓRICO DAS REVISÕES Ver B Atualização da logo e da apresesntação do TECPAR, alteração da denominação termo de avaliação para certificado SASSMAQ, alterado itens 5.3 Ações de Acompanhamento, 5.4 Concessão do Certificado, Extensão de escopo e 15 Relação de clientes. 4 GENERALIDADES As disposições estabelecidas neste documento são partes integrantes do processo de avaliação da conformidade realizado pelo TECPAR para a verificação do Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, descrevendo os procedimentos, ações e compromissos para avaliação pelo SASSMAQ. Os serviços de avaliação são acessíveis a todas as organizações que o requeiram, independentemente do tipo, tamanho ou de sua vinculação a uma associação ou grupo. O TECPAR se compromete a manter a imparcialidade em todos os processos de solicitação de avaliação. Os critérios sob os quais o TECPAR fornece os serviços de avaliação são aqueles constantes de normas apropriadas para essa finalidade. O TECPAR limita os requisitos de avaliação aqueles especificamente relacionados aos aspectos do SASSMAQ e aos escopos considerados. 5 DESCRIÇÃO DO PROCESSO Processo de avaliação de SASSMAQ visualizado no fluxograma abaixo: página 5 de 14

6 Empresas prestadoras de serviços de logística Avaliação Relatório Organismo Certificador TECPAR CERT Certificado SASSMAQ Indústria Química Consulta ABIQUIM As principais etapas do processo de avaliação de SASSMAQ são : 1. Qualquer prestador de serviço de logística (por conta própria ou a pedido de uma empresa química) pode decidir passar por uma avaliação de SASSMAQ; 2. Contrata o TECPAR - órgão certificador credenciado pela ABIQUIM para o processo de avaliação do SASSMAQ Módulo Rodoviário. 3. O auditor TECPAR conduz a avaliação. 4. Após completar a avaliação e o prestador de serviço de logística atender aos critérios de qualificação, o TECPAR emite o certificado SASSMAQ e atualiza as informações constantes do canal SASSMAQ, no portal da ABIQUIM. 5. O prestador de serviços de logística recebe o certificado SASSMAQ e o relatório da avaliação. 6. O prestador de serviços de logística disponibiliza aos contratantes (indústria Química) uma cópia do relatório de avaliação. 7. Cabe ao contratante o processo de qualificação do prestador de serviço, com base no relatório apresentado. 8. Reavaliação após dois anos. 5.1 SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO As organizações prestadoras de serviços de logística, que desejam obter a avaliação SASSMAQ devem fornecer informações necessárias através do preenchimento do formulário denominado página 6 de 14

7 AVALIAÇÃO DE SASSMAQ PERFIL DA EMPRESA AVALIADA, disponibilizado no site ou encaminhado à organização por solicitação da mesma, por meio de contato com o TECPAR. A organização deve definir claramente o escopo da avaliação, levando em consideração os seguintes itens: Tipo da atividade avaliada (transporte rodoviário, ferroviário, estações de limpeza, etc.); Natureza dos materiais manuseados (embalados, granel líquido, sólido, classe de risco, etc.); Cobertura geográfica das operações de transporte (Nacional ou internacional); Plantas ou unidades que serão avaliadas. As informações fornecidas são avaliadas criticamente para verificar a viabilidade de atendimento. Sendo viável, encaminha-se uma proposta técnica e comercial contendo os preços das atividades a serem desenvolvidas. Nesta etapa também é encaminhado o contrato de prestação de serviços. Para confirmar a contratação dos serviços, a organização deve preencher todos os campos do formulário Aceite da proposta, anexo da proposta e devolver ao TECPAR, juntamente com o contrato de prestação de serviços, devidamente preenchidos e assinados pelo representante autorizado da organização, em duas vias e demais comprovantes solicitados. Com a confirmação do aceite, é encaminhado para a organização um documento contendo, as datas já acordadas para a realização da avaliação de SASSMAQ, os nomes dos componentes da equipe auditora e a solicitação do encaminhamento ao TECPAR, antecipadamente à realização da avaliação, dos seguintes documentos: Um exemplar, cópia não controlada, da última revisão dos documentos do SASSMAQ (Manual do SASSMAQ e Manual do Motorista); Cópias de todas as licenças e programas de acordo com o escopo e localização, protocolos de entrada de documentação não serão aceitos.. Havendo algum tipo de impedimento relacionado às datas ou aos componentes da equipe auditora, a organização deve manifestar-se formalmente ao TECPAR. 5.2 PROCESSO DE AVALIAÇÃO PELO SASSMAQ A avaliação de SASSMAQ é conduzida conforme requisitos estabelecidos no Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade: Transporte rodoviário. 2 edição, São Paulo: ABIQUM, Plano de Avaliação Em tempo hábil, antes da data da avaliação, é encaminhado para a organização o plano de avaliação contendo o cronograma das atividades a serem desenvolvidas nas instalações da organização. página 7 de 14

8 Qualquer ressalva em relação ao contido no plano de avaliação deve ser comunicada formalmente ao TECPAR, num prazo máximo de dois dias úteis, após o recebimento. Findo este prazo, o mesmo será considerado aceito. Estando de acordo com as condições estabelecidas a organização deve: Designar um responsável que irá acompanhar a equipe auditora durante toda a avaliação; Permitir o fácil acesso da equipe auditora às instalações, ao pessoal e aos registros para que se possa comprovar a efetiva operacionalização do SASSMAQ Realização da Avaliação de SASSMAQ O processo de avaliação de SASSMAQ desenvolvido pela ABIQUIM cobre seis áreas: 1. Gerenciamento: Aborda aspectos como responsabilidades de gerenciamento, treinamentos, relatórios e investigações de não-conformidades, pessoal, promoção de atitudes, auditoria e revisão de sistemas de gerenciamento, etc. 2. Saúde, segurança e meio ambiente: Verifica se estão sendo mantidos padrões elevados em segurança, saúde e cuidado ambiental e se há a devida preocupação pela proteção dos funcionários, do público e do ambiente. 3. Equipamentos: A preocupação com operações seguras e confiáveis levam ao interesse em projetos e na especificação de equipamentos, exigindo a existência de programas de inspeção e manutenção de rotina. 4. Planejamento das operações: As atividades operacionais e administrativas diárias são examinadas e o auditor busca confirmar a existência de sistemas e procedimentos adequados de controle, bem como de que esses sistemas estão sendo obedecidos. 5. Segurança patrimonial e confidencialidade: Espera-se que a devida atenção seja dada aos aspectos de segurança que afetam as informações e a propriedade dos clientes. O auditor examinará normas e procedimentos, controle de acesso e inspeções regulares de segurança. 6. Inspeção do local: Apesar de o SASSMAQ ter sido desenvolvido para examinar os sistemas de gerenciamento e não as instalações em si, há a necessidade de avaliação de alguns elementos físicos para que se obtenha uma noção das condições das instalações e dos aspectos de SSMA e Qualidade da operação. Divididos em módulos: Elementos Centrais C e Elementos específicos Rodoviários RO. Existem três tipos de questões, dependendo da importância relativa atribuída a cada uma delas: - As questões classificadas com M (mandatória) cobrem itens que são obrigatórios por lei ou por exigência da indústria. Elas representam exigências básicas que devem ser atendidas por todos os prestadores de serviços de logística, atendimento de 100%. - As questões I (indicado pela indústria) cobrem itens que a indústria química normalmente exige de seu prestadores de serviços de logística para ter um nível aceitável de controle. Questões não respondidas positivamente nesta categoria devem ser atendidas dentro de um página 8 de 14

9 prazo acertado entre a empresa química e o prestador de serviço. Atendimento de 70% das questões obrigatoriamente. - As questões D (desejável) cobrem itens em que melhorias no sistema de SSMA e Qualidade. Todas as questões devem ser respondidas, amostragens de perguntas não são permitidas. Cada questão deve ser respondida com 1 (Sim), 0 (Não), ou - (Não Aplicável), com base em evidências observadas pelo avaliador Reunião de abertura Uma reunião de abertura é conduzida pelo auditor-líder, com a participação da alta direção da organização ou representante designado. Quando necessário, é solicitada uma visita rápida às instalações da organização Coleta e verificação de informações As informações pertinentes são coletadas através de entrevistas, documentos e verificadas nos locais definidos no plano de avaliação. Para todas as evidências, ou seja, as informações verificáveis, são registradas as pontuações obtidas em cada questão do Check-list, sendo contabilizado a pontuação para verificar a adequação com o critério da ABIQUIM. Em caso de dúvida ou atendimento parcial deve-se atribuir não, incluindo comentários para explicar a situação. Itens não aplicáveis devem ser justificados. Observadores da indústria química poderão acompanhar a avaliação, sem interferir no andamento do processo, com a devida concordância do prestador de serviços Reunião de encerramento A reunião de encerramento, conduzida pelo auditor líder, com a participação da alta direção do prestador de serviços de logística, tem o objetivo de apresentar a pontuação obtida nas questões e conclusões da avaliação quanto ao atendimento dos critérios da ABIQUIM, de modo que elas sejam compreendidas e reconhecidas pelo auditado. 5.3 AÇÕES DE ACOMPANHAMENTO DA AVALIAÇÃO Caso a organização avaliada não atinja o percentual mínimo para a aprovação, o auditor líder entregará à organização na reunião de encerramento um relatório com os problemas identificados que impedem a concessão da certificação definindo prazos para sua regularização. Caso a organização necessite de um prazo maior, deverá solicitar ao TECPAR mediante justificativa. Após o prazo definido, em não havendo regularização por parte da organização, o TECPAR reserva-se o direito de repetir a avaliação. Os custos serão cobrados no valor do homem-dia vigente na data da avaliação. Uma avaliação adicional nas instalações da organização poderá ser solicitada para que sejam verificados somente os itens mandatórios e indicados que não foram atendidos. página 9 de 14

10 5.4 CONCESSÃO DO CERTIFICADO SASSMAQ E USO DA MARCA TECPAR CERT O processo é encaminhado para ABIQUIM, e após sua aprovação, o TECPAR emite o Certificado SASSMAQ para cada site da organização, com validade de 02 (dois) anos a partir da data da avaliação. Após a concessão, a organização para utilizar a marca TECPAR CERT, deverá atender às condições estabelecidas no documento Condições de uso do certificado e da marca TECPAR CERT disponibilizado no endereço 5.5 RECERTIFICAÇÃO Caso a organização tenha interesse em manter a certificação por mais um período de 02 (dois) anos, uma nova avaliação deve ser realizada. A sistemática de execução dessa avaliação segue a mesma da avaliação inicial. 5.6 AUDITORIA ADICIONAL Extensão de escopo Para a extensão do escopo a organização deve planejar e formalizar a intenção ao TECPAR, descrevendo as áreas envolvidas e/ou o novo escopo. A solicitação será analisada a fim de determinar as atividades necessárias, haverá a realização de auditoria a ser definida pelo Gerente de Certificação de Sistemas e comunicada a organização. Um termo aditivo ao contrato de avaliação é emitido, bem como uma nova revisão do Certificado SASSMAQ incluindo o novo escopo. 6 SUSPENSÃO, CANCELAMENTO OU REDUÇÃO DO ESCOPO DE AVALIAÇÃO A organização poderá solicitar a qualquer momento a suspensão ou cancelamento da avaliação de SASSMAQ, imediatamente informando ao TECPAR que, por sua vez informará à ABIQUIM. Caso a organização que obteve a avaliação, cesse definitivamente seu empreendimento, deverá informar imediatamente ao TECPAR. O cancelamento da certificação por iniciativa do TECPAR ou da organização, resulta na rescisão do contrato. O TECPAR reserva-se o direito de suspender temporariamente ou cancelar a certificação, a qualquer momento durante a validade do contrato. A suspensão pode ser aplicada, entre outras, nas seguintes situações: Descumprimento de cláusulas contratuais; Quando da constatação do uso indevido do certificado ou da marca e da não adoção dos passos necessários para a correção de problemas identificados na avaliação; página 10 de 14

11 Regulamento para Certificação de Não cumprimento dos prazos acordados com o TECPAR; Quando a organização, de alguma forma, acionar indevidamente o TECPAR ou colocá-lo em descrédito; Quando a organização não notificar prontamente reclamações, alterações ou mudanças nas condições do sistema, que possam causar impactos de extrema gravidade às partes interessadas ou comprometer a conformidade das operações no escopo avaliado inicialmente; Quando o sistema da organização falhar persistentemente ou seriamente em atender aos requisitos do ABIQUIM. A decisão da suspensão é do Gerente da Divisão de Certificação e o período da suspensão é geralmente de 3 (três) meses não podendo ultrapassar 6 (seis) meses. A organização é comunicada formalmente sobre a decisão, as condições e prazos para a retomada do processo. Em qualquer caso de suspensão da certificação, a organização continua com a posse do Certificado de Conformidade e do contrato de prestação de serviços, sendo que no período da suspensão, deve deixar de usar todo o material publicitário que contenha qualquer referência à avaliação. O cancelamento da suspensão depende exclusivamente da constatação de que a organização corrigiu todas as deficiências causadoras da suspensão. O não cumprimento da resolução dos problemas que ocasionaram a suspensão no prazo estabelecido pelo TECPAR, deve resultar na redução de escopo ou cancelamento da certificação. O cancelamento pode também ocorrer quando: Uma reclamação da ABIQUIM ou Indústria efetuada ao TECPAR contra a organização, for considerada comprovadamente procedente e de extrema gravidade afetando diretamente a credibilidade da avaliação; Ocasionado por um pedido formal da organização antes do término da validade da avaliação; Falha na resolução dos problemas que ocasionaram a suspensão, no prazo estabelecido. O TECPAR reserva o direito de publicar e divulgar, de maneira como julgar apropriado, a suspensão e o cancelamento da certificação. 7 APELAÇÕES Apelação é a solicitação por parte de uma organização, de reconsideração de qualquer decisão adversa tomada pelo TECPAR relacionada a situação da certificação. A organização poderá apelar das decisões do TECPAR em relação a: Recusa de aceitar uma solicitação para certificação; Recusa de prosseguir com uma auditoria; página 11 de 14

12 Solicitação de ações corretivas; Alterações no escopo de certificação; Regulamento para Certificação de Decisão de suspensão ou cancelamento da certificação. O processo de tratamento de apelações está descrita em instrução específica IT CERT G26 colocada à disposição no site ou poderá ser solicitada por meio de contato direto com o TECPAR. O apelante será informado do recebimento, andamento, resultado e término do processo de tratamento da apelação. 8 RECLAMAÇÕES As organizações podem formalizar reclamações, em relação aos serviços de avaliação do TECPAR, bem como todas as indústria químicas interessadas no processo de avaliação podem formalizar comentários e/ou reclamações, em relação à organização avaliada. Estas reclamações devem ser encaminhadas diretamente ao TECPAR, que dará o devido tratamento conforme Instrução específica IT CERT G26 colocada à disposição no site ou poderá ser solicitada por meio de contato direto com o TECPAR. O TECPAR deve determinar, junto com a organização e o reclamante, se ele deve tornar público o assunto da reclamação e sua solução e, se assim for, em que extensão. 9 ALTERAÇÕES NO SASSMAQ Durante o período de validade do Termo de avaliação caso a organização proceda modificações significativas no SASSMAQ, estas devem ser prontamente comunicadas ao TECPAR. Caberá ao TECPAR a avaliação se as mudanças efetuadas pela organização demandam da realização de uma auditoria adicional. 10 NOTIFICAÇÕES DE ALTERAÇÕES Quaisquer alterações que possam ocorrer nos requisitos de avaliação da ABIQUIM, decorrentes de legislação, manual de referência, requisitos da Indústria ou outros de controle externos, serão informadas às organizações e atualizadas nos documentos pertinentes pelo TECPAR. 11 USO DA MARCA SASSMAQ O SASSMAQ é marca registrada no Brasil pela ABIQUIM, que cede o direito de uso conforme os termos estabelecidos no documento disponibilizado no site da ABIQUIM, exclusivamente às empresas prestadoras de serviços de logística, que foram avaliadas através deste sistema e atenderam aos mínimos requisitos exigidos, bem como, aos organismos certificadores responsáveis pela condução desta avaliação. página 12 de 14

13 12 CONFIDENCIALIDADE Regulamento para Certificação de Visando proteger os direitos de propriedade da organização, o TECPAR trata as informações a que tem acesso durante e após as atividades de certificação como estritamente confidenciais e não as revela a terceiros, sem prévio consentimento por escrito da organização, exceto quando for requerido pela legislação do País ou pela ABIQUIM. Toda a equipe que participa direta ou indiretamente do processo de avaliação, firma com o TECPAR um termo de compromisso, intitulado Código de Ética, o qual contém questões de confidencialidade, conflito de interesses e regras de conduta. 13 RESPONSABILIDADE LEGAL Exceto no caso de negligência devidamente comprovada, o TECPAR não será responsável por quaisquer perdas ou danos causados na instalação da organização durante a execução das auditorias ou outros serviços. O TECPAR não pode ser responsabilizado pela organização ou por terceiros (consumidores), envolvidos com organização, quando do não cumprimento das cláusulas contratuais ou pela falta de informações prestadas sobre o objeto da avaliação, por parte da organização. 14 COMPROMISSOS DAS ORGANIZAÇÕES As organizações, além de cumprir com o estabelecido no contrato de certificação, se comprometem a: Fornecer as informações e documentos requeridos na solicitação da avaliação e realização das avaliações no processo do SASSMAQ; Prover evidências do atendimento aos requisitos estabelecidos pela ABIQUIM e indústria química no manual de referência e demais requisitos legais; Prover recursos necessários para permitir a condução de avaliações, assegurando a eficiência e eficácia dos processos; Acordar com o TECPAR o escopo abrangido pela avaliação e os objetivos e critérios das avaliações; Permitir a equipe de auditores do TECPAR acesso aos documentos, dados, assim como às instalações onde se realizam as operações estabelecidas no escopo objeto da avaliação; Cumprir com os prazos acordados nas avaliações e sanções acordadas; Cumprimento com os termos estabelecidos no contrato de certificação; Manter registros de todas as reclamações, comentários e demandas das partes interessadas envolvidas no escopo da avaliação, bem como seu tratamento e disponibilizá-las ao TECPAR sempre que solicitado. página 13 de 14

14 Comunicar ao TECPAR qualquer alteração relevante no SASSMAQ e atividades rodoviárias implementadas. 15 RELAÇÃO DE CLIENTES AVALIADOS O TECPAR disponibiliza em seu site (http://www.tecpar.br/cert/) uma relação atualizada das organizações que foram avaliadas e atendem aos critérios aplicáveis. página 14 de 14

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO... 4 2 SIGLAS... 4 3 DEFINIÇÕES... 4 4 GENERALIDADES... 4 REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE...

Leia mais

Certificação de Revenda de Gás GLP

Certificação de Revenda de Gás GLP Pág.: 1/14 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 15/06/2015 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ?

Quais são as organizações envolvidas no SASSMAQ? PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES AVALIAÇÃO SASSMAQ (P.COM.26.00) O SASSMAQ é um Sistema de Avaliação de Segurança, Saúde, Meio Ambiente e Qualidade, elaborado pela Comissão de Transportes da ABIQUIM, dirigido

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL

Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL Manual de Implantação e Roteiro para Auditoria do Critérios para Auditoria SISTEMA DE GESTÃO DO PROGRAMA ATUAÇÃO RESPONSÁVEL É proibida a reprodução total ou parcial deste documento por quaisquer meios

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS... 3 2. REGULAMENTOS DA

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA SUSTENTABILIDADE PARA MEIOS DE HOSPEDAGEM 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Doc.961-RC-003 Página: 1/8 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62.

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. Página: 1 de 14 HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Emissão 09/07/96 Várias Revisão Geral 06/10/99 ACO 3 Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. 24/11/99 ACO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO Página: 1 de 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO REQUERIDA PARA ANÁLISE CRÍTICA 5. AUDITORIA

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SiAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte. 2 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO Este regulamento fornece diretrizes

Leia mais

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5.

SUMÁRIO ÍNDICE. 1 Objetivo: 3. 2 Aplicação e Alcance: 3. 3 Referências: 3. 4 Definições e Abreviaturas: 4. 5 Responsabilidades: 5. OG Procedimento de Gestão PG.SMS.014 Denominação: Auditoria Interna do Sistema de Gestão de SMS SUMÁRIO Este procedimento estabelece premissas básicas sobre os critérios de planejamento e princípios a

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições:

Considerando que é dever do Estado instaurar condições para a existência de concorrência justa no País, resolve baixar as seguintes disposições: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria nº 109, de 13 de junho de 2005. O PRESIDENTE DO

Leia mais

GP 01E BR PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. Página Sumário das alterações Data Alterado por

GP 01E BR PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. Página Sumário das alterações Data Alterado por Página 1 de 17 HISTÓRICO DE MUDANÇAS Página Sumário das alterações Data Alterado por Geral 1a emissão da nova redação 20/09/2006 Wellington com alteração total, para Fonseca inclusão da NBR 16001, mas

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL

DIRETRIZ ORGANIZACIONAL TÍTULO: REQUISITOS DE MEIO AMBIENTE, SAÚDE OCUPACIONAL E SEGURANÇA DO TRABALHO PARA CONTRATADAS Área Responsável: Gerência Geral de Meio Ambiente Saúde e Segurança 1. OBJETIVO Este procedimento tem como

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL

PROCEDIMENTO GERENCIAL PÁGINA: 1/10 1. OBJETIVO Descrever o procedimento para a execução de auditorias internas a intervalos planejados para determinar se o sistema de gestão da qualidade é eficaz e está em conformidade com:

Leia mais

Selo de Eficiência Energética Industrial

Selo de Eficiência Energética Industrial Página: 1/9 Elaborado por: Sebastián del Valle Rosales Verificado por: Suzete Schipa Suzuki Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 15/07/2010 A Empresa abaixo identificada declara conhecer perfeitamente

Leia mais

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008

Portaria n.º 348, de 03 de outubro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 348, de 03 de outubro de

Leia mais

SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO. PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE

SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO. PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE SISTEMA BRASILEIRO DA QUALIDADE E CERTIFICAÇÃO PROCEDIMENTO GERAL PG - 03 Rev. 01 Data: 15/07/2014 CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO 4 2 OBJETIVO 4 3 SIGLAS 4 4 REFERÊNCIAS NORMATIVAS 4 5 DEFINIÇÕES

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NA-011 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 15 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 245, de 22 de maio de 2015. O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008

Portaria n.º 341, de 24 de setembro de 2008 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 341, de 24 de setembro de

Leia mais

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9

PR 2 PROCEDIMENTO. Auditoria Interna. Revisão - 2 Página: 1 de 9 Página: 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática de funcionamento e aplicação das Auditorias Internas da Qualidade, fornecendo diretrizes para instruir, planejar, executar e documentar as mesmas. Este

Leia mais

Certificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC

Certificação de Empresas de Serviços e Obras da Construção Civil SiAC Pág.: 1/27 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 16/10/2015 1 OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2

CERTIFICAÇÃO E REGISTRO DE AUDITORES DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL NA-013 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 Página: 1 de 14 1. OBJETIVO 2 2. SIGLAS 2 3. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 4. CLASSIFICAÇÃO EM NÍVEIS DE CERTIFICAÇÃO 2 4.1 Auditor Interno 2 4.2 Auditor Aspirante 2 4.3 Auditor 3 4.4 Auditor Líder 3 5. PROCESSO

Leia mais

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração

Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Modulo de Padronização e Qualidade Formação Técnica em Administração Competências a serem trabalhadas ENTENDER O PROCESSO DE PLANEJAMENTO E EXECUÇÃO DE AUDITORIA DE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE. Hoje

Leia mais

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO

AUDITORIA DE DIAGNÓSTICO 1.1 POLíTICA AMBIENTAL 1.1 - Política Ambiental - Como está estabelecida e documentada a política e os objetivos e metas ambientais dentro da organização? - A política é apropriada à natureza e impactos

Leia mais

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA

RM 12 DIRETRIZES PARA REALIZAÇÃO DE AVALIAÇÕES 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA SUMÁRIO 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 METODOLOGIA 1 OBJETIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO O presente documento tem como objetivo estabelecer diretrizes e orientações para realização

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC Execução de Obras REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte.

Leia mais

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES:

AUDITORIAS AUDITORIAS AUDITORIAS GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE OBJETIVO DA AUDITORIA GESTÃO AMBIENTAL E DA QUALIDADE DEFINIÇÕES: OBJETIVO DA AUDITORIA PROCEDIMENTOS VERIFICAR, ATESTAR SE AS ATIVIDADES E OS RESULTADOS A ELA RELACIONADOS, DE UM SISTEMA DE GESTÃO FORMAL, ESTÃO IMPLEMENTADOS EFICAZMENTE. DEFINIÇÕES: AUDITORIA: UM EXAME,

Leia mais

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias SQS REGULAMENTO GERAL REG.001

Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias SQS REGULAMENTO GERAL REG.001 Selo de Qualidade e Sustentabilidade para Lavanderias SQS REGULAMENTO GERAL REG.001 Versão Nov.2010 1. PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O Sindicato de Lavanderias e Similares do Município de São Paulo e Região SINDILAV

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 159, de 29 de junho de 2006.

Leia mais

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007.

Portaria n.º 387, de 23 de outubro de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 387, de 23 de outubro de

Leia mais

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica.

Artigo 1º - Aprovar revisão da Política de Segurança da PRODEB, que com esta se publica. Classificação: RESOLUÇÃO Código: RP.2007.077 Data de Emissão: 01/08/2007 O DIRETOR PRESIDENTE da Companhia de Processamento de Dados do Estado da Bahia - PRODEB, no uso de suas atribuições e considerando

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL

PROCEDIMENTO GERAL PARA ROTULAGEM AMBIENTAL FALCÃO BAUER ECOLABEL BRASIL 1. Introdução O Falcão Bauer Ecolabel é um programa de rotulagem ambiental voluntário que visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação da conformidade do produto com

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina:

1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: 1) Considerando os organismos de certificação acreditados pelo INMETRO defina: OCA OCS OCF 2- Considerando a sistemática de uma certificação de sistemas enumere de 1 à 6 a seqüência correta das etapas

Leia mais

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias

A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias A importância de se formar bons auditores de qualidade Oceano Zacharias Auditar conforme a norma ISO 9001 requer, dos auditores, obter um bom entendimento do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) das empresas

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS SEDE EMPREENDIMENTOS ONLINE LTDA., com sede na Rua Piauí, nº 477 - Uberaba/MG, inscrita no CNPJ sob o nº 08.601.154/0001-40, daqui por diante denominada "MERCANCIA BRASIL", prestará os serviços doravantes

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 7 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, exclusão e extensão da certificação de processo gráfico de acordo com a norma ABNT NBR 15936-1. 2. DEFINIÇÕES Para

Leia mais

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.

Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7. Módulo 5 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 7, 7.1, 7.2, 7.3, 7.3.1, 7.3.2, 7.3.3, 7.3.4, 7.4, 7.4.1, 7.4.2, 7.4.3, 7.4.4, 7.5, 7.5.1, 7.5.2, 7.6, 7.6.1, 7.6.2 Exercícios 7 Competência

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001

PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 PROCEDIMENTO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE DE ACORDO COM A NBR ISO 9001 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os requisitos para Avaliação da Conformidade para Sistemas

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA N.º 453, DE 20 DE NOVEMBRO DE 2014 (DOU de 1º/12/2014 Seção I Pág. 98) Estabelece procedimentos para o credenciamento de laboratórios pelo Ministério do Trabalho

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO. Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência

GUIA DO CANDIDATO. Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência GUIA DO CANDIDATO Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência Norma ABNT NBR 15843 Ocupação Instalador de Piso Laminados Melamínicos de Alta Resistência - Básico Instalador de Piso Laminados

Leia mais

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO

Processo de Certificação PGMQ -TV RSQM-DO-028-04-DECLARAÇÃO_DOCUMENTADA_PROCESSO_DE_CERTIFICAÇÃO Processo de Certificação PGMQ -TV O que é OCC? Organismos de Certificação Credenciado (Acreditado) pela CGCRE Conduzem e concedem a certificação de conformidade, com base em normas nacionais, regionais,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO

REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO REGULAMENTO DE TRABALHO AUDITORIAS DE CERTIFICAÇÃO ABMAPRO Fevereiro de 2012 1 SUMÁRIO 1. Dos Princípios e Objetivos 2. Dos Fundamentos do Programa 3. Da Estrutura do Programa 4. Da Documentação de Referência

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA

PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA PROTOCOLO DO 5º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: MASSA Revisão 00-11 de outubro 2011 Fol. 1 de 11 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE TRABALHO TEMPORÁRIO 1. A empresa prestadora de serviços de trabalho temporário pode ter mais de uma atividade econômica? Sim. Desde que a atividade de locação de mão-de-obra

Leia mais

Programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias PQMS L REGULAMENTO GERAL REG.001 Versão Ago.2010

Programa da Qualidade, Meio Ambiente e Segurança em Lavanderias PQMS L REGULAMENTO GERAL REG.001 Versão Ago.2010 ProgramadaQualidade,Meio AmbienteeSegurançaem Lavanderias PQMS L REGULAMENTOGERAL REG.001 VersãoAgo.2010 1. PRINCÍPIOS E OBJETIVOS O Sindicato de Lavanderias e Similares do Município de São Paulo e Região

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO PARA CERTIFICAÇÃO SELO ECOLÓGICO FALCÃO BAUER 1. Introdução A Certificação do Selo Ecológico Falcão Bauer possui caráter voluntário e visa demonstrar o desempenho ambiental de produtos e serviços através da avaliação do diferencial ecológico apresentado

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE PBQP-H / SiAC NORMA Nº: NIT-DICOR-007 APROVADA EM FEV/2010 01/07 SUMÁRIO 1 1 Objetivo 2 Campo de

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL 1 ICQ BRASIL OCA Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Ambiental, acreditado pelo INME- TRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 14000, a ser usada

Leia mais

SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio. 3.a Edição 2014

SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio. 3.a Edição 2014 SASSMAQ Sistema de Avaliação em Saúde, Segurança e Meio Ambiente e Qualidade 3.a Edição 2014 Apresentação : Eva Cancissu Moraes, especialista em logística de produtos químicos. Consultora ABIQUIM para

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Resoluções Nº 31/97 e 09/01 do Grupo Mercado Comum. MERCOSUL/XXXVI SGT Nº11/P. RES. N /11 PROCEDIMENTOS COMUNS PARA AS INSPEÇÕES NOS FABRICANTES DE PRODUTOS MÉDICOS E PRODUTOS PARA DIAGNÓSTICO DE USO IN VITRO NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DAS RES. GMC Nº

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada

Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Manual do SGI Sistema de Gestão Integrada Revisão 02 Manual MN-01.00.00 Requisito Norma ISO 14.001 / OHSAS 18001 / ISO 9001 4.4.4 Página 1 de 14 Índice 1. Objetivo e Abrangência 2. Documentos Referenciados

Leia mais

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954

Plano de Controle de Qualidade. Resolução 3.954 Plano de Controle de Qualidade Resolução 3.954 1. DA RESOLUÇÃO 3.954, DE 24 DE FEVEREIRO DE 2011 Com as alterações advindas pela Resolução 3.954/11, um dos objetivos do Conselho Monetário Nacional é que

Leia mais

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA

Auditoria Ambiental. Auditoria Ambiental. Auditoria de SGA. Auditoria de SGA. Ciclo da Auditoria de SGA Auditoria Ambiental Auditoria Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição

Leia mais

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 579, de 1º de novembro de 2012. CONSULTA

Leia mais

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES

PROCEDIMENTO DE AUDITORIA INTERNA DO PROGRAMA 5 S HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES Página 1 de 5 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2 CONDIÇÕES GERAIS 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS 4 REGISTROS E ANEXOS HISTÓRICO DAS ALTERAÇÕES DATA REVISÃO ITENS REVISADOS ELABORAÇÃO APROVAÇÃO 24/06/2011 10/12/2011 Emissão

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná.

MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE. Rua Acre, 291 - CEP 83.040-030 Bairro Boneca do Iguaçu - São José dos Pinhais - Paraná. ELABORADO POR: Carlos Eduardo Matias Enns MANUAL DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVADO POR: Edson Luis Schoen 28/1/5 1 de 11 1. FINALIDADE A Saint Blanc Metalmecânica Ltda visa estabelecer as diretrizes básicas

Leia mais

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER.

REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. REF.: POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO PARA CORRESPONDENTE BANCÁRIO DO SANTANDER. 1. SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO A informação é um dos principais patrimônios do mundo dos negócios. Um fluxo de informação

Leia mais

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 214, de 22 de junho de 2007.

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por

Enviado por sanson@tecpar.br. em 19/12/11. Recebido por Pedido nº.: Destinatário/ Addressee: PREFEITURA MUNICIPAL DE COLOMBO ((41) 3656-8161) Data/Date: 16 / 12 / 2011 Nome/Name: ISMAILIN SCHROTTER Fax N : Remetente/Sender: TECPAR CERTIFICAÇÃO Páginas/Pages:

Leia mais