PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU"

Transcrição

1 TS01(EC)v09pt PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO DE PRODUTOS ORGÂNICOS EM PAÍSES DE FORA DA UNIÃO EUROPÉIANON- EU 1

2 Conteúdo 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR DE ORGÂNICOS REGULAMENTOS DA PRODUÇÃO ORGÂNICA ETAPAS DO PROCESSO DE INSPEÇÃO E CERTIFICAÇÃO... 4 Verificar fluxograma detalhado do processo de certificação no Anexo I Solicitação / Revisão da Solicitação Contratação e descrição do sistema Revisão documental Inspeção Revisão do relatório Revisão das ações corretivas Decisão da certificação Monitoramento Solicitação para autorizações excepcionais PROCESSO DE INSPEÇÃO Renovação das inspeções Inspeções adicionais Metodologia especial para grupo de produtores PLANO DE AÇÃO CORRETIVA RECURSOS E RECLAMAÇÕES Recursos Reclamações ADIAMENTO TÉRMINO DO CONTRATO USO DA MARCA E REFERÊNCIAS A ECOCERT

3 1. ECOCERT: EXPERIÊNCIA EM SERVIÇOS PARA O SETOR ORGÂNICO A Ecocert foi criada em 1991, após a publicação do Regulamento europeu para a certificação de produtos agrícolas. A Ecocert está credenciada e acreditada por diversos Estados Membros da Comunidade Europeia e pela maioria de países fora da Comunidade Europeia que possuem sua própria legislação para produção orgânica. Com mais de 20 escritórios pelo mundo, a Ecocert possui uma rede de inspetores / auditores em diferentes países, dentre os quais vários engenheiros e técnicos agrícolas e da indústria de processamento, treinados nas técnicas da produção orgânica. 2. REGULAMENTOS DA PRODUÇÃO ORGÂNICA A venda de produtos orgânicos no mercado europeu é regulada pelo: - Regulamento Europeu no. 834/2007 e suas alterações implementadas (nos. 889/2008 e 1235/2008) nos métodos de produção orgânica (processados ou nãoprocessados) - Quando aplicável, quaisquer outros regulamentos equivalentes, incluindo o Regulamento Orgânico Ecocert (EOS) para países de fora da União Europeia A partir de agora chamados indistintamente como "Regulamento". A documentação de referência está disponível nos seguintes websites: Comissão Europeia: Regulamentos, logo Europeu e regras de uso, banco de sementes, etc. Organic Europe : Estatísticas, relatório da produção orgânica, informações sobre os países membros, contatos úteis, etc. EOS (Regulamento Orgânico Ecocert): Regulamento Orgânico Ecocert para países de fora da União Europeia Outros documentos: - Guias explicativos (especificamente TS29(EC) Exports to the EU) - Formulários de solicitação - Lista de operadores certificados pela Ecocert SA* ocert-organic-standard.pdf 3

4 3. ETAPAS DO PROCESSO DE INSPEÇÃO E CERTIFICAÇÃO O fluxograma abaixo detalha as etapas do processo que conduzirá, dependendo do caso, à atribuição ou à manutenção de um certificado que lhe autoriza a produzir e a colocar no mercado produtos que façam referência à certificação orgânica e à ECOCERT. Solicitação/ Revisão da solicitação Contratação do serviço e descrição do sistema Revisão documental Inspeção Revisão e decisão de certificação Monitoramento Um fluxograma detalhado do processo de certificação pode ser encontrado no Anexo I 3.1 Solicitação / Revisão da solicitação Se você tem interesse em obter a certificação orgânica de seus Produtos, leia atentamente a seguinte documentação: Este processo de certificação orgânica* As regras e notas explicativas relacionadas ao seu Setor A Ficha Cadastral A ficha cadastral deve ser preenchida e devolvida para a Ecocert. Assim que recebermos sua ficha analisaremos sua solicitação para verificar se o projeto é passível de certificação. Razões pelas quais uma solicitação de certificação pode ser suspensa e / ou rejeitada: Incapacidade em atender as regras do Regulamento Operações que não estão no escopo do Regulamento Participação comprovada em atividades e / ou operações ilegais Risco comprovado para o consumo humano Práticas de produção que não respeitem os direitos humanos e / ou o meio ambiente Dificuldades técnicas ou riscos para o inspetor devido à localização geográfica da área a ser visitada Operador com problemas financeiros graves. Baseados nas informações prestadas elaboraremos um orçamento considerando as suas atividades e o tempo estimado para realização do trabalho. Você receberá o orçamento juntamente com uma cópia das Condições Técnicas do serviço. 4

5 3.2 Contratação e descrição do sistema Assim que o orçamento for assinado, você se compromete a respeitar as condições técnicas bem como com o processo de certificação e o Regulamento. Caso a Ecocert receba o orçamento aprovado no final do ano em curso, a inspeção somente ocorrerá no mesmo ano, sob as seguintes condições: - Se o melhor período para realizar a inspeção (dependendo da atividade, ex. época da colheita, início do processamento, etc.) seja entre a data da aprovação do orçamento e o final do ano - Sua rápida resposta e disponibilização da descrição detalhada de suas atividades (veja parágrafo C), prévia à inspeção - Nosso inspetor tenha disponibilidade - O valor do orçamento seja totalmente quitado antes da inspeção. Se alguma destas condições não for atendida, a inspeção e certificação serão adiadas para o próximo ano. Assinado o orçamento, a Ecocert enviará um plano de manejo a ser preenchido no qual você descreverá suas atividades em detalhes. Você deverá fornecer as seguintes informações: - Uma descrição completa da unidade e/ou local e/ou atividades relacionadas - Todas as providências tomadas relacionadas ao manejo da produção, de modo a assegurar o atendimento das regras de produção orgânica - Detalhes das medidas de precaução tomadas para reduzir o risco de contaminação por produtos e/ou substâncias não-autorizadas e por métodos de limpeza na armazenagem e em toda a cadeia produtiva. NB: Se você não deseja utilizar o modelo da Ecocert, você poderá fornecer sua própria documentação, desde que ela atenda minimamente as exigências legais. 3.3 Revisão documental A Ecocert avaliará a descrição da sua atividade e conduzirá uma revisão formal da documentação, identificando qualquer problema ou pontos que não estejam em concordância com as regras da produção orgânica. 3.4 Inspeção Assim que a documentação estiver completa e todas as ações corretivas forem implementadas, a Ecocert designará um inspetor qualificado para auditar a sua operação. O objetivo de uma inspeção in loco é o de verificar o cumprimento das regras. 5

6 Amostras podem ser coletadas e serão enviadas, anonimamente, para um de nossos laboratórios habilitados para análise. Os custos com análises e respectivo tratamento deverão ser pagos separadamente. A inspeção e análises de amostras podem ser realizadas por um de nossos sub-contratados (veja lista em ). Ao final da inspeção, você receberá uma lista de eventuais não-conformidades observadas, a qual você deverá assinar. Você terá a oportunidade de sugerir medidas corretivas e/ou ações de melhorias e determinar um cronograma para implementação das mesmas. NB: A inspeção só será autorizada após o pagamento total ou parcial do valor do orçamento aprovado. 3.5 Revisão do relatório Uma cópia detalhada do relatório de inspeção será enviada ao Responsável de Certificação da Ecocert para revisão. Você receberá uma cópia das conclusões da revisão do relatório, juntamente com o próprio relatório de inspeção. A revisão do relatório deverá apontar todas as eventuais nãoconformidades que precisam ser sanadas antes da emissão do certificado de conformidade. Você deverá responder dentro de um cronograma estabelecido para tal, anexando as evidências das ações tomadas para sanar as não-conformidades. As ações deverão ser correções* e ações corretivas* e devem ser embasadas numa análise de causa e extensão das não-conformidades. NB: Você também receberá uma cópia do laudo de análise laboratorial, no caso em que uma amostra tiver sido coletada e analisada. 3.6 Revisão das ações corretivas A Ecocert analisará a pertinência das respostas recebidas, juntamente com as evidências e prazos propostos para a ação corretiva, para assegurar que sejam relevantes e conclusivas. 3.7 Decisão da certificação Em função das não-conformidades identificadas e ações corretivas propostas a Ecocert toma uma decisão de certificação que pode ser: - positiva: seu certificado ou documento da certificação será emitido - negativa: sua certificação será retirada, suspensa, etc. NB: apenas um certificado de conformidade não é suficiente para exportar seus produtos para a Europa. Qualquer mercadoria, para entrar na Europa, precisa ser acompanhada de um certificado de transação, obrigatoriamente emitido pela certificadora*. A emissão deste documento é feita sob demanda após verificações 6

7 descritas no documento "TS29(EOS) Exports to the EU, o qual está disponível em nosso website. 3.8 Monitoramento Para a renovação da certificação de seus produtos, você será solicitado a atualizar a descrição de suas atividades, no mínimo uma vez ao ano (mudanças de procedimentos, produtos, instalações; troca da equipe responsável, etc.) A Ecocert revisará a documentação atualizada e elaborará seu orçamento. De modo a avaliar se a conformidade das suas atividades orgânicas está mantida, elaboramos um plano anual de inspeções que contém diversas informações, tais como: - Inspeções anuais e complementares, quando necessário - Verificações documentais adicionais - Coleta de amostras para análises - Gestão de risco - etc. O conteúdo deste plano de monitoramento anual baseia-se nos resultados das inspeções anteriores, nos riscos identificados para sua atividade, nas alterações nas exigências de certificação, etc. NB 1: A Ecocert poderá suspender o processo de certificação a qualquer tempo, nos seguintes casos: o participação comprovada em atividades ilegais ou em casos recorrentes de não-conformidades identificadas o risco identificado para a saúde do consumidor o práticas produtivas que não respeitem os direitos humanos e/ou o meio ambiente o dificuldades técnicas ou riscos impostos ao inspetor devido a localização geográfica da área a ser visitada o inadimplência. NB 2: Em caso de dúvidas sobre a conformidade de seus produtos ou atividades, a Ecocert poderá solicitar a suspensão da comercialização dos produtos orgânicos por um determinado período até que o risco seja descartado. NB 3: Você tem o direito de recusar um inspetor designado pela Ecocert a qualquer tempo durante o processo de certificação, com base em razões justificáveis (ex. conflito de interesses). 3.9 Solicitação de derrogação Se você enfrenta problemas circunstanciais para atender ao termo de compromisso/orçamento assinado, você pode submeter uma solicitação de derrogação* para a Ecocert. Ela será acatada ou rejeitada, após análise das circunstâncias apresentadas. 7

8 4. PROCESSO DE INSPEÇÃO 4.1 Renovação das inspeções Qualquer operador que solicite a certificação orgânica e que seja passível de certificação deve ser inspecionado ao menos uma vez por ano, de forma aprofundada e abrangendo todas as suas atividades, visando manter a sua certificação. Para estimar o tempo necessário de inspeção, a Ecocert avaliará a sua atividade e os riscos associados. Esta avaliação baseia-se nos seguintes critérios: - Tipo de atividade - Número de locais a visitar - Tipo de sistema interno - Escala da atividade (área de produção vegetal, número de animais, etc.) - Número de produtos a serem certificados - Histórico da área - Riscos técnicos. 4.2 Inspeções adicionais Visitas adicionais podem ser feitas além das inspeções aprofundadas. Não necessariamente serão anunciadas (visitas surpresa), e normalmente serão focadas em pontos específicos de sua atividade. Você receberá um relatório de inspeção escrito para este tipo de inspeção, destacando as conclusões do inspetor, uma lista de eventuais não-conformidade observadas durante a inspeção e os resultados de quaisquer análises realizadas. 4.3 Metodologia especial para grupo de produtores Uma inspeção parcial (abrangendo apenas alguns produtores do grupo) pode ser realizada, desde que um Sistema de Controle Interno (SCI) esteja funcionando. A Ecocert auditará o SCI durante a inspeção. Para maiores informações, favor ler nosso guia sobre certificação em grupo, "TS01(EC-NOP) Regras Mínimas para Grupos". 5. PLANO DE AÇÃO CORRETIVA Durante todo o processo de certificação, a Ecocert avaliará o grau de gravidade dos casos de não-conformidades, utilizando-se de um plano de ação corretivo associado ao Regulamento. Isto permite o tratamento imparcial dos processos de certificação. O grau de gravidade dos casos de não-conformidades é baseado no seu impacto na integridade do produto como orgânico. O caráter fraudulento e a recorrência também são levados em consideração na determinação dos próximos passos do processo de certificação. 8

9 Abaixo segue uma lista dos tipos de não-conformidades adotados pela Ecocert, em ordem ascendente de severidade: - Ação corretiva solicitada: Melhorias precisam ser feitas no sistema, mas essas melhorias não afetam a certificação dos produtos. A implementação das ações corretivas ajudarão a reduzir o risco de futuras não-conformidades. O cumprimento das ações corretivas será verificado na próxima inspeção. - Certificação pendente: Você precisa tomar as ações corretivas dentro de um prazo determinado para obter ou manter sua certificação. Verificações adicionais podem ser solicitadas neste caso, tais como realização de análises ou uma inspeção mais detalhada ou ainda uma revisão documental. - Desqualificação de produto ou de lote: O produto ou lote é condenado e retirado do certificado e não pode ser vendido contendo qualquer referência à certificação e/ou a Ecocert. Esta proibição também se aplica a todos os materiais publicitários e de comunicação. - Produto e parcela desqualificados: A parcela deverá iniciar um novo período de conversão e todos os produtos dela provenientes deverão ser retirados do certificado e não poderão ser vendidos como orgânicos e/ou fazer qualquer menção a certificação e/ou a Ecocert. - Suspensão da certificação: A Ecocert suspende o atual certificado e não emite um novo certificado por um período pré-determinado. Esta suspensão abrange parte ou toda a operação. Os produtos não podem ser vendidos como orgânicos ou fazerem nenhuma referência a Ecocert por um período pré-determinado. - Retirada da Certificação: equivalente à suspensão permanente. Quando a certificação for retirada, o contrato será cancelado e as autoridades competentes informadas. 6. RECURSOS E RECLAMAÇÕES 6.1 Recursos 1. Você pode submeter um recurso por escrito à apreciação da Ecocert (primeira instância) com relação a qualquer decisão sobre sua certificação, seus produtos (certificados, ações corretivas solicitadas e sanções) ou decisão informada a você dentro de 30 dias a contar do recebimento da decisão. A decisão emitida estará em vigor durante o processo de apelação. 9

10 2. Na ocorrência de uma decisão desfavorável a sua apelação de primeira instância, você poderá entrar com recurso em segunda instância, que será submetido ao Comitê de Supervisão da Certificação da Ecocert* para suas considerações prévias à decisão a ser tomada. Este comitê é composto inteiramente por membros não-pertencentes à Ecocert, representando os vários setores da certificação (produção, processamento e distribuição/exportação), visando assegurar que todas as decisões sejam tomadas de maneira independente e imparcial. O recurso em segunda instância deve ser submetido, por escrito, no prazo de 30 dias do recebimento do resultado do recurso em primeira instância. Como na primeira instância, a decisão emitida permanecerá em vigor durante o processo de recurso em segunda instância. 6.2 Reclamações A Ecocert registrará e analisará todas as reclamações por escrito feitas por terceiros (clientes, concorrentes, consumidores finais, etc) relacionadas a sua atividade de certificação. O denunciante receberá uma resposta apropriada. Enquanto produtor orgânico, é sua responsabilidade registrar as reclamações de terceiros relacionadas aos seus produtos certificados e responder a todas estas reclamações. 7. ADIAMENTO Caso você deseje adiar a certificação de sua operação (encerramento), ou eventos externos ou internos impossibilitem a realização do processo de certificação (problemas temporários de segurança nas áreas, etc), a Ecocert poderá concordar em suspender o serviço por um período pré-determinado, caso a caso. O contrato entre as partes permanecerá em vigor durante todo o período, mas o processo será suspenso. Todos os documentos da certificação emitidos pela Ecocert anteriormente ao adiamento tornar-se-ão inválidos durante o período. O operador não estará mais autorizado a produzir ou comercializar os produtos certificados pela Ecocert. Nenhuma referência à certificação e/ou a Ecocert poderá ser feita em nenhum material de comunicação. Após o término do período de adiamento, o processo de certificação começará de novo do estágio 1 (revisão da solicitação seguida de inspeção inicial) como no caso de novos clientes. 8. TÉRMINO DO CONTRATO Se você não deseja mais certificar seus produtos, deverá informar a Ecocert por escrito conforme o período de notificação estipulado nas condições técnicas. O término do contrato tornará os certificados atuais nulos e sem efeito. 10

11 Como resultado, você não estará mais autorizado a produzir ou vender produtos fazendo referência à certificação e/ou a Ecocert. Caso ainda possua estoques de produtos conformes e pretenda comercializá-los, você deverá informar a Ecocert as quantidades e tempo estimado para o seu escoamento total. Após a análise da solicitação, a Ecocert pode decidir pela extensão do contrato para permitir a comercialização do seu estoque de produtos certificados, sujeita a certas condições. Dependendo das circunstâncias, estas condições podem incluir uma inspeção adicional ou uma verificação documental mais detalhada. Qualquer trabalho adicional decorrente dessas condições será cobrado. O contrato e o certificado permanecerão válidos até a data prevista para que o estoque tenha sido comercializado. Entretanto, durante este período, você não estará autorizado a produzir novos produtos que façam referência à certificação orgânica ou a Ecocert. Em qualquer caso, você deve entrar em contato com a Ecocert para determinar os termos exatos para o término do contrato. 9. USO DA MARCA E REFERÊNCIA A ECOCERT Todos os documentos ou material de comunicação que façam referência a Ecocert devem estar de acordo com as regras de uso (TS18(EC-NOP)) e devem ser submetidos para a Ecocert para aprovação previamente à sua publicação. Toda a comunicação relacionada aos produtos certificados deve refletir de maneira precisa o status da certificação. 11

12 Anexo I: Fluxograma detalhado do processo de certificação 12

13 Anexo II: Definições OPERADOR: pessoa física ou pessoa jurídica responsável por assegurar o cumprimento do Regulamento pela operação orgânica sob seu controle. PROCESSO: conjunto de atividades correlacionadas ou interativas que transformam os elementos de entrada nos elementos de saída. CERTIFICADORA: organização independente responsável por verificar a conformidade com os Regulamentos de orgânico. CORREÇÃO: uma ação que permite corrigir as consequências de um problema. AÇÃO CORRETIVA: uma ação que assegura que um problema identificado não ocorrerá novamente. DERROGAÇÃO: uma exceção prevista na aplicação de uma regra de origem contratual, legal ou administrativa. COMITÊ DE SUPERVISÃO DA CERTIFICAÇÃO: um comitê (organismo de monitoramento independente) que consiste de membros representantes de vários setores (ex.: clientes, produtores, distribuidores, processadores, consumidores...). O comitê é responsável por assegurar que o processo de certificação seja apropriadamente aplicado e que a Ecocert opere de maneira imparcial. Ele pode ser solicitado a apreciar casos submetidos ao departamento de certificação. A Ecocert permanece responsável por todas as decisões e aplicação de sanções. 13

Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03

Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03 Processo de Certificação BR ECOCERT BRASIL Lei 10.831/03 Este documento descreve os principais passos do processo de certificação realizado pela Ecocert Brasil conforme o Regulamento Orgânico Brasileiro

Leia mais

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA

Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Guia nº 1: Sistema de Certificação NOP ECOCERT SA Segundo o regulamento NOP do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) Este guia não substitui o regulamento em vigor. Para conhecer as exigências

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 12 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11

Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Identificação: R.01 Revisão: 04 Folha: 1 / 11 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma empresa no Selo Excelência ABCEM.

Leia mais

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica

REFERENCIAL TÉCNICO. Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica na produção orgânica Aprovação: C. Página: 1/10 REFERENCIAL TÉCNICO Insumos Uso Apropriado na Produção Orgânica Este documento é de propriedade da ECOCERT. Toda reprodução integral ou parcial feita sem

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços:

CONSULTA PÚBLICA. Art. 3º Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta de texto deverão ser encaminhadas para os seguintes endereços: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 031, de 24 de fevereiro de 2006. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Doc.961-RC-003 Página: 1/8 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen C. Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão

CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE E/OU AMBIENTAL (ISO 9001 / 14001) Palavra chave: certificação, qualidade, meio ambiente, ISO, gestão 1 de 8 1. OBJETIVO Estabelecer o processo para concessão, manutenção, extensão, suspensão e cancelamento de certificações de Sistema de Gestão da Qualidade, conforme a Norma NBR ISO 9001 e Sistema de Gestão

Leia mais

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão

Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Regulamento geral para a certificação dos Sistemas de Gestão Em vigor a partir de 01/04/2016 RINA Via Corsica 12 16128 Genova - Itália tel. +39 010 53851 fax +39 010 5351000 website : www.rina.org Normas

Leia mais

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO

PROCESSO EXTERNO DE CERTIFICAÇÃO 1 de 9 1. OBJETIVO: Este procedimento estabelece o processo para concessão, manutenção, extensão e exclusão da certificação de Sistema de Gestão de Segurança da Informação, em conformidade com norma ABNT

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA

CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL TIPOS DE AUDITORIA CARACTERÍSTICAS DOS PROCESSOS DE AUDITORIA AMBIENTAL A auditoria ambiental pode ser restrita a um determinado campo de trabalho ou pode ser ampla, inclusive, abrangendo aspectos operacionais, de decisão

Leia mais

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade

Procedimento Geral para Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade Pág. 1 de 15 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é o de estabelecer os critérios de certificação da ABRACE, para prestação de serviços de avaliação da conformidade e certificação de Sistemas de Gestão.

Leia mais

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos.

comparações interlaboratoriais propostos pelo MAPA e avaliação do desempenho dos técnicos do laboratório em treinamentos. ANEXO CRITÉRIOS PARA CREDENCIAMENTO, RECONHECIMENTO, EXTENSÃO DE ESCOPO E MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS NO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA Art. 1º Os critérios constantes deste

Leia mais

Certificação de Revenda de Gás GLP

Certificação de Revenda de Gás GLP Pág.: 1/14 Elaboração / Revisão Análise Crítica e Aprovação Data Priscilla Marques Representante da Direção Fabio Eduardo Barbosa Executivo Sênior 15/06/2015 1. OBJETIVO E ESCOPO DE APLICAÇÃO Estabelecer

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064

PROCEDIMENTO PARA VALIDAÇÃO E VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NBR ISO 14064 1 de 10 GP01 INVENTÁRIO DE EMISSÕES Descrição do Processo de Validação e Verificação Bureau Veritas Certification Avenida do Café, 277, 5 andar, Torre B Tel.: +55 (11) 2655-9000 São Paulo/SP - CEP: 04311-000

Leia mais

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção

PROCESSO DE CERTIFICAÇÃO Palavra chave: certificacao, auditoria, organizacao, extensao, manutenção 1 de 16 1. OBJETIVO: Estabelecer a metodologia para a solicitação, extensão, manutenção e revalidação de certificados de conformidade. 2. APLICAÇÃO: Aplicável a todo processo de certificação, extensão

Leia mais

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos;

Considerando a elaboração da norma brasileira ABNT NBR 16001 Responsabilidade Social Requisitos; Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior MDIC Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial- Inmetro Portaria n.º 027, de 09 de fevereiro de 2006. O PRESIDENTE

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo

ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO. Documento de caráter orientativo Coordenação Geral de Acreditação ORIENTAÇÃO PARA A REALIZAÇÃO DE AUDITORIA INTERNA E ANÁLISE CRÍTICA EM LABORATÓRIOS DE CALIBRAÇÃO E DE ENSAIO Documento de caráter orientativo DOQ-CGCRE-002 Revisão 03

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3162 / 3166 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1 OBJETIVO... 4 2 SIGLAS... 4 3 DEFINIÇÕES... 4 4 GENERALIDADES... 4 REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE...

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL SUMÁRIO Página: 1 de 13 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. AUDITORIA DA ORGANIZAÇÃO 5. AÇÕES CORRETIVAS IDENTIFICADAS DURANTE AS AUDITORIAS 6. CERTIFICAÇÃO E USO DO LOGOTIPO

Leia mais

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS

LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS Dossier informativo - Cimentos LNEC - ORGANISMO NOTIFICADO 0856 CERTIFICAÇÃO DE CIMENTOS INTRODUÇÃO Qualquer entidade legalmente estabelecida, nacional ou estrangeira, pode solicitar ao LNEC a certificação

Leia mais

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES

CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES CADEIA DE CUSTÓDIA GLOSSÁRIO DE TERMOS E DEFINIÇÕES Março de 2014 Rede de Agricultura Sustentável e Rainforest Alliance, 2012-2014. Este documento está disponível nos seguintes sites: www.sanstandards.org

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62.

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE HISTÓRICO DE MUDANÇAS. Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. Página: 1 de 14 HISTÓRICO DE MUDANÇAS PÁGINA SUMÁRIO DE MUDANÇA DATA ELABORADO APROVADO Emissão 09/07/96 Várias Revisão Geral 06/10/99 ACO 3 Introdução Retirada a cláusula do ISO Guia 62. 24/11/99 ACO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO EM SISTEMAS EVOLUTIVOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL PBQP-H SUMÁRIO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS Página: 1 de 15 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO 5. ESCOPO E DEFINIÇÃO DE MATERIAIS E SERVIÇOS CRÍTICOS

Leia mais

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos

IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos IV Regulamento do DICQ para Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade de Laboratórios Clínicos e seus anexos 1 - Objetivo Estabelecer o Regulamento para a Acreditação do Sistema de Gestão da Qualidade

Leia mais

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax

INSTITUTO DE TECNOLOGIA DO PARANÁ Rua Professor Algacyr Munhoz Mader, 3775 CIC CEP 81350-010 Curitiba Paraná Brasil Fone (0XX41) 3316-3070 / 3268 Fax REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO SISTEMAS DE AVALIAÇÃO DE SEGURANÇA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE E QUALIDADE - SASSMAQ SUMÁRIO APRESENTAÇÃO...3 1 OBJETIVO...4 2 DEFINIÇÕES E REFERÊNCIAS...4 3 HISTÓRICO DAS REVISÕES...5

Leia mais

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT

NORMA FSC. Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site. FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT FOREST STEWARDSHIP COUNCIL INTERNATIONAL CENTER NORMA FSC Norma para a certificação de operações da cadeia de custódia Multi-site FSC-STD-40-003 (Versão 1-0) PT 2007 Forest Stewardship Council A.C. Todos

Leia mais

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE

CÓPIA NÃO CONTROLADA. DOCUMENTO CONTROLADO APENAS EM FORMATO ELETRÔNICO. PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE PSQ 290.0339 - PROCEDIMENTO DO SISTEMA DA QUALIDADE APROVAÇÃO CARLOS ROBERTO KNIPPSCHILD Gerente da Qualidade e Assuntos Regulatórios Data: / / ELABORAÇÃO REVISÃO

Leia mais

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE

INOR - A EXPERIÊNCIA A SERVIÇO DA QUALIDADE ESTRUTURA DESTE DOCUMENTO: 1-Objetivo: 2-Campo de Aplicação: 3-Documento de Referência: 4-Definições e Siglas: 5- Descrição do Procedimento: Nº da Revisão Histórico das Alterações 0 Emissão inicial aprovada.

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA

PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA PROCEDIMENTOS DE REALIZAÇÃO DO PROCESSO DE HOMOLOGAÇÃO DE MATERIAIS DE FORNECEDORES NA COPASA 1 Solicitação de Abertura do Processo de Homologação 1.1 Os fornecedores interessados em ter seus materiais

Leia mais

GP 01E BR PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. Página Sumário das alterações Data Alterado por

GP 01E BR PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DE RESPONSABILIDADE SOCIAL. Página Sumário das alterações Data Alterado por Página 1 de 17 HISTÓRICO DE MUDANÇAS Página Sumário das alterações Data Alterado por Geral 1a emissão da nova redação 20/09/2006 Wellington com alteração total, para Fonseca inclusão da NBR 16001, mas

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Experiência do Brasil e proposta de uso para IG/DO 2º Taller Regional TCP/RLA/3211 Calidad de los alimentos vinculada al origen y las tradiciones

Leia mais

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU

NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU NORMA DE PRÉ-QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NOS PORTOS DE SALVADOR E ARATU SALVADOR BA APROVADA NA REUNIÃO DE 16/02/2006 S U M Á R I O 1 - Objetivo 2 - Âmbito de aplicação 3 - Competências 4 - Definições

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, acreditado pelo INMETRO para certificação de terceira parte, em conformidade com a norma da Série NBR ISO 9000, a ser usada

Leia mais

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC

REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC Execução de Obras REGULAMENTO PARA CERTIFICAÇÃO PBQP-H SIAC 1 ICQ BRASIL OCS Organismo de Certificação de Sistema de Gestão da Qualidade, credenciado pelo INME- TRO para certificações de terceira parte.

Leia mais

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST

Regulamento Técnico - Selo de Qualidade ABRAVEST SUMÁRIO Histórico das Alterações... 2 1 Condições Gerais... 3 2 Condições de Admissão e Visão Geral do Processo... 4 3 Abertura de Processo do Selo de... 6 4 Processo Técnico Certificação... 6 5 Processo

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997.

IV - somente tiverem registro de importação em data anterior a 12 de agosto de 1997. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE MAIO DE 2005 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004

Sistemas de Gestão Ambiental O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004 Sistemas de Gestão O QUE MUDOU COM A NOVA ISO 14001:2004 Material especialmente preparado para os Associados ao QSP. QSP Informe Reservado Nº 41 Dezembro/2004

Leia mais

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL

NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL NBR ISO 14011 - DIRETRIZES PARA AUDITORIA AMBIENTAL - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA - AUDITORIA DE SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL Sumário 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências normativas...2 3.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO

PROCEDIMENTO PARA CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GERENCIAMENTO DA QUALIDADE DA MEDIÇÃO SUMÁRIO Página: 1 de 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 1. ACREDITAÇÃO E CERTIFICAÇÃO 2. GERAL 3. SOLICITAÇÃO DE CERTIFICAÇÃO 4. DOCUMENTAÇÃO DO SISTEMA DA QUALIDADE DA ORGANIZAÇÃO REQUERIDA PARA ANÁLISE CRÍTICA 5. AUDITORIA

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES

SUPRIMENTOS - FORNECEDORES SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. ÂMBITO... 2 3. CONCEITOS... 2 4. NORMAS E LEGISLAÇÕES APLICÁVEIS... 3 5. INSTRUÇÕES GERAIS... 3 6. PROCEDIMENTOS... 4 7. NATUREZA DAS ALTERAÇÕES... 7 8. ANEXOS... 7 Elaboração:

Leia mais

Ministério da Justiça

Ministério da Justiça Ministério da Justiça Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO Portaria nº 47, de 13 de março de 1992 O Presidente do Instituto Nacional de Metrologia, Normalização

Leia mais

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL

GUIA DO CANDIDATO INSPETORES DE PINTURA INDUSTRIAL 1 de 9 1 OBJETIVO Fornecer as informações necessárias para a qualificação e certificação de Inspetores de Pintura Industrial níveis 1 e 2, segundo os critérios estabelecidos na norma ABNT NBR 15218 e demais

Leia mais

Diretrizes para obtenção do Selo Solar

Diretrizes para obtenção do Selo Solar Diretrizes para obtenção do Selo Solar Outorgado por em Parceria com Dezembro de 2014 2 Índice 1. Contextualização...4 2. Objetivo...4 3. Público-Alvo...4 4. Entidade promotora...5 5. Entidade parceira...5

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 86, de 26 de maio de 2003. O PRESIDENTE

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR

AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO DO FORNECEDOR Prezado Fornecedor, A Innova S/A, empresa certificada nas normas ISO 9001:2000, ISO 14001:1996, OHSAS 18001, avalia seus fornecedores no atendimento de requisitos relativos a Qualidade, Meio Ambiente,

Leia mais

Módulo de Gestão Proposta de Seguro

Módulo de Gestão Proposta de Seguro Esta proposta de seguro é válida para Sociedades com faturação superior a 50 Milhões Euros. Excluem-se também desta proposta qualquer entidade seguradora e/ou financeira regulada pelos organismos competentes.

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013.

RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. MINISTÉRIO DA FAZENDA CONSELHO NACIONAL DE SEGUROS PRIVADOS RESOLUÇÃO CNSP N o 296, DE 2013. Dispõe sobre as regras e os critérios para operação do seguro de garantia estendida, quando da aquisição de

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM NOV/2009 Nº 01/05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.323/11 Aprova a NBC PA 03 Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento no disposto

Leia mais

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO

Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Resumo das Interpretações Oficiais do TC 176 / ISO Referência RFI 011 Pergunta NBR ISO 9001:2000 cláusula: 2 Apenas os termos e definições da NBR ISO 9000:2000 constituem prescrições da NBR ISO 9001:2000,

Leia mais

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS

NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS NORMA DE PRÉ - QUALIFICAÇÃO PARA OPERADOR PORTUÁRIO NO PORTO DE ILHÉUS APROVADA NA REUNIÃO REALIZADA EM 18/02/2011, DO CONSELHO DE AUTORIDADE PORTUÁRIA DO PORTO DE ILHÉUS. SUMÁRIO 1. Objetivo... 3 2. Âmbito

Leia mais

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA

OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO - CGTEE Nº 002/2014 OFERTA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA DE ENERGIA ELÉTRICA EDITAL DE LEILÃO CGTEE Nº 002/2014 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção...

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA CONFORMIDADE DO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE ABGD. 1. Histórico de mudanças... 2. 2. Escopo... 3. 3. Manutenção... Página 1 de 8 SUMÁRIO 1. Histórico de mudanças... 2 2. Escopo... 3 3. Manutenção... 3 4. Referências... 3 5. Definições... 3 6. Qualificação da equipe de auditores... 3 7. Condições gerais... 3 7.1 Selo

Leia mais

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES

ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO EM ORGANIZAÇÕES V CONGRESSO BRASILEIRO DE METROLOGIA Metrologia para a competitividade em áreas estratégicas 9 a 13 de novembro de 2009. Salvador, Bahia Brasil. ANÁLISE DOS REQUISITOS NORMATIVOS PARA A GESTÃO DE MEDIÇÃO

Leia mais

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Mecanismos de controle para a Garantia da Qualidade Orgânica Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados.

Leia mais

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares.

Dia útil: significa um dia de trabalho, conforme definido pelo Provedor nas respectivas Normas suplementares. Normas do RRDRP Estas Normas estão em vigor para todos os processos de RRDRP. Os processos administrativos referentes a resolução de disputas nos termos do Procedimento de resolução de disputas de restrições

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6

PR-111 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 Página: 1 de 12 1. OBJETIVO 2 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 2 3. SIGLAS E DEFINIÇÕES 2 4. PRÉ-REQUISITOS 2 5. CONTEÚDO DO CURSO 4 6. AVALIAÇÃO DOS ESTUDANTES 6 7. ADMINISTRAÇÃO DO ORGANISMO DE TREINAMENTO

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Rafael D. Ribeiro, M.Sc. rafaeldiasribeiro@gmail.com http://www.rafaeldiasribeiro.com.br A expressão ISO 9000 (International Organization for Standardization) designa um grupo de normas técnicas que estabelecem

Leia mais

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program)

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program) Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados 6A-6.03313 Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados. Informar os pais sobre os seus direitos

Leia mais

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEÇÃO VII PRODUTOS VEGETAIS, SEUS SUBPRODUTOS E RESÍDUOS DE VALOR ECONÔMICO, PADRONIZADOS PELO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Os produtos vegetais, seus subprodutos

Leia mais

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ

MUNICÍPIO DE SENGÉS CNPJ/MF 76.911.676/0001-07 TRAVESSA SENADOR SOUZA NAVES N. 95 SENGÉS PARANÁ DECRETO Nº 600/2014 Súmula:- Regulamenta a aquisição de Bens Permanentes, de Consumo e Serviços destinados a Administração Direta, Indireta e Fundacional do Município de Sengés, através de Pregão, tendo

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas da Gestão Ambiental SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Inclusão de notas do item 2.1."b" quanto a documentação necessária

Leia mais

Tarifas Certificação Orgânica segundo Regulamentos Oficiais 2016

Tarifas Certificação Orgânica segundo Regulamentos Oficiais 2016 Página: 1/5 ÍNDICE 1 BASE DE CÁLCULO PARA A DETERMINAÇÃO DE PREÇOS DOS SERVIÇOS... 2 2 OUTROS CUSTOS APLICÁVEIS AOS PROJETOS DE CERTIFICAÇÃO ORGÂNICA... 3 2.1 Certificações orgânicas para outros mercados

Leia mais

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO

REGRA DE CERTIFICAÇÃO GERAL DE SISTEMAS DE GESTÃO Pagina 1 de 16 1. OBJETIVO O objetivo deste documento é apresentar a Regra de Certificação Geral utilizada pela A ENOR Serviços de Certificação Brasil Ltda., ( AENOR Brasil), para realizar a prestação

Leia mais

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS

POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS Página 1 de 9 POP 010: MONITORAMENTO DE LABORATÓRIOS DA REDE NACIONAL DE LABORATÓRIOS AGROPECUÁRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 27/01/2014 Revisado por: Rominik M. Fontenele 03/10/2014

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004)

PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) PERGUNTAS MAIS FREQÜENTES SOBRE A TRANSIÇÃO (NBR ISO 14001: 2004) Ao longo dos últimos anos, a Fundação Carlos Alberto Vanzolini vem trabalhando com a Certificação ISO 14000 e, com o atual processo de

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Qualidade SAS é um certificado de conformidade com a norma brasileira: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. * Revisão geral para atendimento à NBR ISO/IEC 17021-1:2015. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação 1 - Objetivo

Leia mais

Manual de Treinamento. Área do Membro

Manual de Treinamento. Área do Membro Manual de Treinamento Área do Membro 0 Contents Geral... 2 Transações... 3 Negociação e Estoque... 10 Licenças... 15 Mercado... 19 Finanças... 22 Fazer uma Declaração de Venda... 27 Fazer uma Declaração

Leia mais

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS

POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS Página 1 de 9 POP 009: AUDITORIA DE CREDENCIAMENTO E DE EXTENSÃO DE ESCOPO DE LABORATÓRIOS ELABORAÇÃO E APROVAÇÃO Nome Data Assinatura 29/01/2014 Revisado por: Fernanda G. Brandão 26/03/2014 28/03/2014

Leia mais

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes

ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Latest update New and revised ISO 9001:2015 Revisão Perguntas Frequentes Introdução A ISO 9001, a norma líder mundial em qualidade internacional, ajudou milhões de organizações a melhorar sua qualidade

Leia mais

Promover a Saúde Pública Produtos Cosméticos

Promover a Saúde Pública Produtos Cosméticos Produtos Cosméticos O que é um Produto Cosmético? É qualquer substância ou mistura, destinada a ser posta em contato com as diversas partes superficiais do corpo humano (pele, cabelo, unhas, lábios, etc.)

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC Nº 31, DE 23 DE MAIO DE 2013

Leia mais

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa

2 NBR ISO 10005:1997. 1 Objetivo. 3 Definições. 2 Referência normativa 2 NBR ISO 10005:1997 1 Objetivo 1.1 Esta Norma fornece diretrizes para auxiliar os fornecedores na preparação, análise crítica, aprovação e revisão de planos da qualidade. Ela pode ser utilizada em duas

Leia mais

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade

Hemobrás. ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade Programa da Qualidade Página 1/20 ELABORADO POR RUBRICA DATA Nome: José Eduardo S. Martins / / Função: Gerente de Garantia da Qualidade REVISADO POR RUBRICA DATA Nome: Renato César Vieira de sousa / /

Leia mais

ISO 14064:2006 Gases de Efeito Estufa

ISO 14064:2006 Gases de Efeito Estufa Página: 1/9 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen Martins Aprovado por: Arnaldo Barbulio Filho Data Aprovação: 24/04/2014 A Empresa abaixo identificada declara conhecer perfeitamente

Leia mais

CARTILHA PARA O USO DA MARCA

CARTILHA PARA O USO DA MARCA Página 1 de 11 PROCEDIMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO Este procedimento é parte integrante do Sistema de Gestão da Qualidade da BRICS. Quando disponível em domínio público, está sujeito a alterações sem aviso

Leia mais

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12

MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 MERCOSUL/XXXIX SGT Nº 11/COPROSAL/ P. RES. Nº /12 PROCEDIMENTOS COMUNS E CONTEÚDO MÍNIMO DE RELATÓRIOS DE INSPEÇÃO NOS ESTABELECIMENTOS FARMACÊUTICOS NOS ESTADOS PARTES (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 16/09)

Leia mais

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE

TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE TERMO DE USO TERMOS DE USO DO CLIENTE A) APLICABILIDADE 1. Os presentes termos de uso são aplicáveis aos Usuários da INTERNET POOL COMÉRCIO ELETRONICO LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 09.491.113/0001-01,

Leia mais

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar

Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Aviso de Renovação de Licença de Cuidado Infantil Familiar Sua Licença de Cuidado Infantil Familiar deve ser renovada e o EEC facilitou este processo para você. Basta seguir os passos abaixo: Preencha

Leia mais

NBR ISO 14064:2007 Gases de Efeito Estufa

NBR ISO 14064:2007 Gases de Efeito Estufa 961-RC-002 Página: 1/11 Elaborado por: Vanessa Ferraz Hernandes Verificado por: Karen Carolina Martins Aprovado por: Plínio Pereira Data Aprovação: 19/08/2014 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é o

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

Histórico das Revisões

Histórico das Revisões PSQM-DO-007 05 Regulamento para Uso de Certificado e Logomarca 1/15 Histórico das Revisões Revisão Itens Alterados Elaboração Análise Critica/Aprovação Data 01 Emissão Inicial Assessora da Qualidade Executivo

Leia mais

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma:

1.1 O Certificado de Sistemas de Gestão da Saúde e Segurança Ocupacional SAS é um certificado de conformidade com a norma: Documento analisado criticamente e aprovado quanto à sua adequação. Responsável: Carlos Henrique R. Figueiredo Diretor de Certificação * Revisão da documentação SAS conforme ABNT NBR ISO/IEC 17021:2011

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR

REGULAMENTO TÉCNICO Selo de Excelência FLYTOUR SUMÁRIO 1 CONDIÇÕES GERAIS... 2 2 CONDIÇÕES DE CERTIFICAÇÃO E VISÃO GERAL DO PROCESSO... 3 3 PROCESSO TÉCNICO PARA CONCESSÃO DO SELO... 5 4 PROCESSO TÉCNICO AUDITORIA DOS RESULTADOS... 7 5 RECONHECIMENTO

Leia mais

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria? Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem

Leia mais

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 08 de março de 2013 [Página 75-77]

Diário Oficial da União Seção 1 DOU 08 de março de 2013 [Página 75-77] *Este texto não substitui o publicado do Diário Oficial da União* Diário Oficial da União Seção 1 DOU 08 de março de 2013 [Página 75-77] RESOLUÇÃO - RDC Nº 11, DE 6 DE MARÇO DE 2013 Dispõe sobre a importação

Leia mais

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública

CERT Certification SOP 30 pt. Certificação. Procedimento Operacional Padrão. Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública 30 pt Certificação Procedimento Operacional Padrão Válido a partir de: 15/01/2016 Distribuição: Pública Índice 1 Propósito deste documento... 3 2 Área de candidatura... 3 3 Idiomas e Traduções... 3 4 Sistema

Leia mais

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf.

Sipaf; IX - Proponente: pessoa física ou jurídica que solicita a permissão de uso do Sipaf. PORTARIA Nº 7, DE 13 DE JANEIRO DE 2012 Institui o selo de identificação da participação da agricultura familiar e dispõe sobre os critérios e procedimentos relativos à permissão, manutenção, cancelamento

Leia mais

Manual de Fornecedores

Manual de Fornecedores Manual de Fornecedores Fornecedores (Responsável pela Qualidade) Carimbo, Assinatura e data. 00 2 de 10 Índice 1. MANUAL DO FORNECEDOR... 3 1.1 INTRODUÇÃO... 3 1.2 OBJETIVO... 3 2. RELAÇÃO DE FORNECEDORES...

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE

RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE RESOLUÇÃO Nº 86/11-CEPE Cria as Comissões de Ética no Uso de Animais da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, órgão normativo, consultivo e deliberativo da administração

Leia mais

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos

Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos Cartilha do novo Serviço de Rastreabilidade da Cadeia Produtiva de Bovinos e Bubalinos SISBOV Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil COORDENAÇÃO:

Leia mais