DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS"

Transcrição

1 REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade pela Coleta Interna (7) Local de Armazenamento (8) Transporte Externo (9) Destinação Final R 01 Água Contaminada com Óleo Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Caminhão /UTARP R 02 Borra de Óleo ou Xisto Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Caminhão /UTARP R 03 Borra de Tinta Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Caminhão /UTARP R 04 Brita Contaminada com Óleo Classe I Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Caminhão /UTARP Cartuchos de Impressoras e Embalagem do Próprio R Classe I Sólido Administrativo Administrativo Central de Resíduos Tonners Produto R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) NA NA Classe II R 07 Cinzas Leves NA NA Classe II Veiculo utiliario da Tractebel REC. Co Processamento REC. Co Processamento REC. Co Processamento REC. Co Processamento REC. Reciclagem Detectores de Fumaça TMSE/Segurança do R Classe I Sólido TMSE Embalagem Específica Central de Resíduos (Radioativos) Trabalho Caminhão ou veículo utilitário Tratamento / Descontaminação R 09 Driftwood (Resíduos de Madeira acumulados no Reservatório) NA NA Classe II Sólido R 10 Baterias Industriais Classe I Sólido TMSE Embalagem do Próprio Produto TMSE Central de Resíduos Caminhão ou veículo utilitário REC. Reciclagem R 11 Embalagens de Defensivos Vários 60 Classe I Sólido Administrativo Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir Embalagens Contaminadas R Classe I Sólido Administrativo Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos Caminhão/UTARP (Sólidos Contaminados) REC. Co Processamento R 13 Entulho de Construção NA NA Classe II Sólido Administrativo Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos Não aplicável R 14 Escória de Jateamento Classe II Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Não aplicável Filtro de Sistemas de Ar R 15 NA NA Classe II Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir Condicionado R 16 Gesso NA NA Classe II Sólido Administrativo Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos R 17 Graxa Residual Classe I Pastoso TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Caminhão /UTARP Veiculo utiliario R 18 Isopor NA NA Classe II Sólido Administrativo Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado Kombi/Caretinhal R 19 LãdeRocha NA NA Classe II REC. Reutilização REC. Reutilização REC. Co Processamento 2026/ R 20 Lâmpadas em Geral 60 Classe I Sólido Administrativo Caixa de Papelão Administrativo Central de Resíduos 2024 Caminhão/Brasil Recicle Tratamento / Descontaminação R 21 Lodo de Esgoto NA NA Classe I Pastoso ETE Tanque Administrativo Na própria ETE caminhão Limpa Fossa Tratamento / Descontaminação Lodo de Estação de Tratamento R 22 NA NA Classe II Pastoso ETA Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir de Água ETA R 23 Madeiras NA NA Classe II Sólido Administrativo Contêiner Administrativo Central de Resíduos Não Aplicável R 24 Mangas (FiltrodeMangas) NA NA Classe II REC. Reutilização Pag 1 / 41

2 REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade pela Coleta Interna (7) Local de Armazenamento (8) Transporte Externo (9) Destinação Final R 25 Manta de Isolação Acústica NA NA Classe II Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir R 26 Materiais com Mercúrio Classe I Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Classe I Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Químicos Materiais contendo Amianto ou R Classe I Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir LãdeVidro Embalagem do Próprio R 29 Óleo de Cozinha NA NA Classe II Pastoso Refeitório Refeitório Central de Resíduos Produto R 30 Óleos Isolantes Usados Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir R 31 Óleos Lubrificantes Usados Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Caminhão LWART R 32 Papel e Papelão NA NA Classe II Sólido Administrativo Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos 2795/ TMSE/Admini R 33 Pilhas e Baterias Comuns 80 Classe I Sólido Caixa de Madeira Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir 2794 strativo Veiculo utiliario R 34 Plásticos NA NA Classe II Sólido Administrativo Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado Kombi/Caretinhal TMS/Administ R 35 Produtos Químicos Classe I Sólido Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos Caminhão /UTARP rativo Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Classe I Líquido TMS Tambor Metálico TMS Central de Resíduos Caminhão /UTARP Peças) Resíduos Comuns (Embalagens Veiculo utiliario R 37 de Alimentos, Papel Higiênico, NA NA Classe II Sólido Administrativo Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado Kombi/Caretinhal Cigarros) Segurança do R 38 Resíduos de Serviços de Saúde Classe I Sólido Embalagem Específica Administrativo Central de Resíduos Veículo utilitário Incineração Trabalho Resíduos de Solda (Eletrodos, R Classe I Sólido TMSM/TMSE Tambor Metálico TMSM/TMSE Central de Resíduos A definir A Definir Arames, Varetas, Estanho) Veiculo utiliario R 40 Resíduos Orgânicos NA NA Classe II Sólido Administrativo Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado Kombi/Caretinhal R 41 Resinas em Geral Classe I Sólido TMS Tambor Metálico TMS Central de Resíduos Caminhão /UTARP Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar NA NA Classe II Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) TMSM/Admini R 43 Sucata de Borracha NA NA Classe II Sólido Tambor Metálico TMSM/Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir strativo R 44 Sucata EletroEletrônica Classe I Sólido TMSE Tambor Metálico TMSE Central de Resíduos R 45 Sucata Metálica Ferrosa NA NA Classe II Sólido TMSM/TMSE Tambor Metálico TMS Central de Resíduos Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço NA NA Classe II Sólido TMSM/TMSE Tambor Metálico TMS Central de Resíduos Inox, Prata, Bronze) Caminhão /Ecoblending Ambiental Veiculo utiliario Kombi/Caretinhal Caminhão Eletromuk Caminhão Eletromuk Caminhão Eletromuk REC. Co Processamento REC. Reciclagem REC. Reciclagem REC. Co Processamento REC. Co Processamento REC. Co Processamento REC. Reciclagem REC. Reciclagem REC. Reciclagem Pag 2 / 41

3 REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade pela Coleta Interna (7) Local de Armazenamento (8) Transporte Externo (9) Destinação Final R 47 Toalhas Industriais Retornáveis Classe I R 48 Transformadores Classe I R 49 Vidros NA NA Classe II Sólido Administrativo Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos Veículo utilitário REC. Reciclagem * e ** Informações utilizadas no Manifesto de Transporte de Resíduos MTR. Verificar siginificado dos códigos na planilha "Códigos". Pag 3 / 41

4 REVISÃO:12 Código (1) Identificação do Resíduo (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento INVENTÁRIO DE RESÍDUOS (6) Responsabilidade pela Coleta Interna (7) Local de Armazenamento (8) Transporte Externo (9) Destinação Final Caminhão REC. Co R 01 Água Contaminada com Óleo Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos 4,20 4,20 /UTARP Processamento Caminhão REC. Co R 02 Borra de Óleo ou Xisto Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos /UTARP Processamento Caminhão REC. Co R 03 Borra de Tinta Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos /UTARP Processamento Caminhão REC. Co R 04 Brita Contaminada com Óleo Classe I Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos /UTARP Processamento Cartuchos de Impressoras e Administrativ Embalagem do Próprio Veiculo utiliario R 05 Classe I Sólido Administrativo Central de Resíduos REC. Reciclagem Tonners o Produto da Tractebel R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) Classe II R 07 Cinzas Leves Classe II Detectores de Fumaça TMSE/Segurança do Caminhão ou Tratamento / R 08 Classe I Sólido TMSE Embalagem Específica Central de Resíduos 0,00 0,00 (Radioativos) Trabalho veículo utilitário Descontaminação Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Classe II Sólido Reservatório) Embalagem do Próprio Caminhão ou R 10 Baterias Industriais Classe I Sólido TMSE TMSE Central de Resíduos REC. Reciclagem Produto veículo utilitário Administrativ R 11 Embalagens de Defensivos Classe I Sólido Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir o Embalagens Contaminadas Administrativ Caminhão/UTAR REC. Co R 12 Classe I Sólido Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos 0,07 0,07 (Sólidos Contaminados) o P Processamento Administrativ R 13 Entulho de Construção Classe II Sólido Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos Não aplicável REC. Reutilização o R 14 Escória de Jateamento Classe II Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos Não aplicável REC. Reutilização Filtro de Sistemas de Ar R 15 Classe II Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir Condicionado Administrativ R 16 Gesso Classe II Sólido Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos o 0 0 Caminhão REC. Co R 17 Graxa Residual Classe I Pastoso TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos /UTARP Processamento Administrativ Veiculo utiliario R 18 Isopor Classe II Sólido Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado o Kombi/Caretinhal R 19 LãdeRocha Classe II Administrativ Caminhão/Brasil Tratamento / R 20 Lâmpadas em Geral Classe I Sólido Caixa de Papelão Administrativo Central de Resíduos 0,19 0,05 0,24 o Recicle Descontaminação caminhão Limpa Tratamento / R 21 Lodo de Esgoto Classe I Pastoso ETE Tanque Administrativo Na própria ETE Fossa Descontaminação Lodo de Estação de R 22 Classe II Pastoso ETA Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir Tratamento de Água ETA Administrativ R 23 Madeiras Classe II Sólido Contêiner Administrativo Central de Resíduos Não Aplicável REC. Reutilização o R 24 Mangas (FiltrodeMangas) Classe II R 25 Manta de Isolação Acústica Classe II Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir R 26 Materiais com Mercúrio Classe I Passivo Ano Anterior (Ton.) Quantidade Gerada (Ton.) Ano: 2013 Quantidade Destinada (Ton.) Passivo Atual (Ton.) Pag 4 / 41

5 REVISÃO:12 Código (1) Identificação do Resíduo (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento INVENTÁRIO DE RESÍDUOS (6) Responsabilidade pela Coleta Interna (7) Local de Armazenamento (8) Transporte Externo (9) Destinação Final Materiais Contaminados com Caminhão REC. Co R 27 Óleos, Graxas e Produtos Classe I Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos /Ecoblending 1,89 7,07 8,64 0,32 Processamento Químicos Ambiental Materiais contendo Amianto ou R 28 Classe I Sólido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir LãdeVidro Embalagem do Próprio R 29 Óleo de Cozinha Classe II Pastoso Refeitório Refeitório Central de Resíduos 0 0 0,08 0,08 Produto R 30 Óleos Isolantes Usados Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos A definir A Definir 0,60 0,60 Caminhão R 31 Óleos Lubrificantes Usados Classe I Líquido TMSM Tambor Metálico TMSM Central de Resíduos REC. Reciclagem LWART Administrativ Veiculo utiliario R 32 Papel e Papelão Classe II Sólido Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos REC. Reciclagem 0,01 0,01 0,06 o Kombi/Caretinhal (0,03) TMSE/Admin R 33 Pilhas e Baterias Comuns Classe I Sólido Caixa de Madeira Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir 0,06 0,06 istrativo Administrativ Veiculo utiliario R 34 Plásticos Classe II Sólido Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado 0,46 0,46 o Kombi/Caretinhal TMS/Adminis Caminhão REC. Co R 35 Produtos Químicos Classe I Sólido Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos 0,05 0,05 trativo /UTARP Processamento Querosene e Outros Solventes Caminhão REC. Co R 36 Contaminados (Lavagem de Classe I Líquido TMS Tambor Metálico TMS Central de Resíduos /UTARP Processamento #VALOR! #VALOR! Peças) Resíduos Comuns Administrativ Veiculo utiliario R 37 (Embalagens de Alimentos, Classe II Sólido Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado 0,62 0,62 o Kombi/Caretinhal Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de Segurança R 38 Classe I Sólido Embalagem Específica Administrativo Central de Resíduos Veículo utilitário Incineração Saúde do Trabalho Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Classe I Sólido TMSM/TMSE Tambor Metálico TMSM/TMSE Central de Resíduos A definir A Definir 0,05 0,05 Arames, Varetas, Estanho) Passivo Ano Anterior (Ton.) Quantidade Gerada (Ton.) Ano: 2013 Quantidade Destinada (Ton.) Passivo Atual (Ton.) Administrativ Veiculo utiliario R 40 Resíduos Orgânicos Classe II Sólido Saco Plástico Administrativo Central de Resíduos Aterro Controlado 2,16 2,16 o Kombi/Caretinhal Caminhão REC. Co R 41 Resinas em Geral Classe I Sólido TMS Tambor Metálico TMS Central de Resíduos /UTARP Processamento Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Classe II Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) TMSM/Admin R 43 Sucata de Borracha Classe II Sólido Tambor Metálico TMSM/Administrativo Central de Resíduos A definir A Definir istrativo Caminhão R 44 Sucata EletroEletrônica Classe I Sólido TMSE Tambor Metálico TMSE Central de Resíduos REC. Reciclagem 2,88 2,88 Eletromuk Caminhão R 45 Sucata Metálica Ferrosa Classe II Sólido TMSM/TMSE Tambor Metálico TMS Central de Resíduos REC. Reciclagem 1,19 0,17 1,36 Eletromuk Pag 5 / 41

6 REVISÃO:12 INVENTÁRIO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade pela Coleta Interna (7) Local de Armazenamento (8) Transporte Externo (9) Destinação Final Passivo Ano Anterior (Ton.) Quantidade Gerada (Ton.) Ano: 2013 Quantidade Destinada (Ton.) Passivo Atual (Ton.) R 46 Sucata Metálica Não Ferrosa Caminhão (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Classe II Sólido TMSM/TMSE Tambor Metálico TMS Central de Resíduos Eletromuk Inox, Prata, Bronze) REC. Reciclagem R 47 Toalhas Industriais Retornáveis Classe I R 48 Transformadores Classe I R 49 Vidros Classe II Sólido Administrativ o Tambor Metálico Administrativo Central de Resíduos Veículo utilitário REC. Reciclagem 0,18 0,00 0,18 Total 11,47 10,54 #VALOR! #VALOR! Pag 6 / 41

7 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JANEIRO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) Pag 7 / 41

8 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JANEIRO Total R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Kg. 88,6 168,2 79,8 96,4 32,5 89,7 48,6 32,8 97,5 76,2 89,4 84,2 71,5 78,6 87,5 77,9 99,5 81,3 90,6 95, ,90 Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão Kg. 13,2 13,20 58,30 R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos Kg. 4,5 2,6 9,1 3,2 4,7 2,7 15,9 2,3 2,8 3,0 8,0 3,1 3,1 3,9 3,7 2,6 5,3 2,3 2,0 2,3 4,6 91,70 R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Kg. 5,1 0,0 0,0 3,7 3,0 7,3 2,5 3,8 0,0 2,4 5,5 4,7 2,9 8,6 7,8 3,0 3,3 19,9 1,7 8,6 4,0 3,4 1,5 6,8 109,50 Papel Higiênico, Cigarros) R 38 Resíduos de Serviços de Saúde R 39 Resíduos de Solda (Eletrodos, Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos Kg. 28,0 8,0 28,7 16,9 12,0 19,4 10,6 19,7 8,8 7,6 20,9 5,6 23,3 1,0 17,4 14,3 4,9 20,3 8,1 16,9 16,4 308,80 R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Kg. 168,1 168,10 Pag 8 / 41

9 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JANEIRO Total Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Kg. 1,9 1,90 Pag 9 / 41

10 REVISÃO:12 Quantidade Diária Gerada FEVEREIRO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral Kg. 13,3 17,3 30,60 R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) Pag 10 / 41

11 REVISÃO:12 Quantidade Diária Gerada FEVEREIRO Total R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Kg. 20,5 24,8 10,3 45,9 56,7 45,9 65,1 69,8 67,1 12,8 80,9 32,7 65,1 23,9 621,50 Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos Kg. 1,6 1,2 5,1 4,8 7,2 3,9 1,5 3,8 7,4 2,9 1,4 1,7 2,4 2,9 1,1 1,2 3,0 1,8 6,1 61,00 R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Kg. 5,5 0,8 6,4 7,6 1,6 6,6 1,5 8,6 1,4 2,3 8,2 6,6 3,1 5,3 5,0 6,5 5,2 1,9 2,8 15,8 102,70 Papel Higiênico, Cigarros) R 38 Resíduos de Serviços de Saúde R 39 Resíduos de Solda (Eletrodos, Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos Kg. 13,8 13,2 11,1 18,0 19,6 7,7 18,3 5,3 13,6 19,2 8,1 22,3 9,9 15,9 17,7 6,3 23,9 14,2 6,4 73,0 337,50 R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Pag 11 / 41

12 REVISÃO:12 Quantidade Diária Gerada FEVEREIRO Total Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 12 / 41

13 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada MARÇO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Kg. 80,9 36,4 70,5 56,9 78,6 14,3 15,2 25,6 12,3 15,8 17,0 11,1 434,60 Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos Kg. 2,9 1,5 5,4 2,3 1,9 2,5 9,6 3,1 2,6 3,0 1,9 3,6 16,1 3,5 3,2 4,2 2,9 1,2 71,40 R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 13 / 41

14 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada MARÇO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Kg. 8,8 2,2 2,2 2,6 1,7 0,9 6,7 2,6 3,4 6,1 2,9 4,6 7,0 2,9 6,8 1,7 6,8 8,0 77,90 Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos Kg. 5,8 13,1 12,7 18,0 11,2 12,1 15,9 11,3 20,2 16,1 12,5 17,2 5,5 19,8 9,6 11,5 20,6 10,8 243,90 R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 14 / 41

15 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada ABRIL Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral Kg. 5,8 1,8 4,5 4,9 17,00 R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Kg. 80,3 21,3 18,9 35,3 118,0 149,0 101,0 56,0 85,1 72,1 95,0 79,1 54,0 49,7 79,5 41,5 216,9 223,3 228,4 229,1 224,3 226, ,25 Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos Kg. 2,5 3,3 2,8 2,8 1,2 9,0 2,6 3,1 5,7 5,0 4,8 3,2 5,1 2,7 4,4 2,8 5,5 4,4 5,8 5,7 8,2 6,6 97,20 R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 15 / 41

16 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada ABRIL Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Kg. 2,0 2,9 1,9 6,6 3,9 1,5 2,3 2,4 12,8 7,4 6,2 7,7 25,9 3,0 3,9 6,7 8,2 5,2 3,7 6,8 3,4 10,0 134,40 Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos Kg. 18,7 10,6 15,6 21,6 6,5 22,3 12,8 12,9 27,1 19,3 37,0 16,7 33,3 24,4 7,5 13,4 53,2 26,7 35,3 50,3 11,6 16,0 492,80 R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 16 / 41

17 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada MAIO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral Kg. 2,3 2,30 R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Kg. ### 226,7 220,4 226,1 197,1 223,3 221,8 48,6 77,5 73,1 51,8 70, , ,00 Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos Kg. 3,5 3,0 4,7 7,4 4,7 4,4 6,8 11,8 6,1 6,8 4,5 9,0 6,3 3,2 13,0 5,7 4,4 5,0 7,4 7,0 3,5 4,6 4,1 5,3 1,3 143,50 R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 17 / 41

18 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada MAIO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Kg. 2,1 5,3 4,7 11,9 12,7 9,3 7,4 13,2 6,4 5,4 6,8 5,3 7,1 8,3 14,2 4,0 9,0 8,4 11,2 15,3 10,8 7,4 5,9 3,8 1,6 197,50 Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos Kg. 25,2 32,5 16,9 14,8 39,8 32,5 30,0 63,8 14,3 35,2 50,6 31,1 24,4 52,2 24,1 48,5 27,7 18,0 48,5 31,1 36,2 26,7 15,5 29,1 4,8 773,50 R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 18 / 41

19 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JUNHO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 19 / 41

20 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JUNHO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 20 / 41

21 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JULHO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 21 / 41

22 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada JULHO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 22 / 41

23 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada AGOSTO Total no Mês R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) Pag 23 / 41

24 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada AGOSTO Total no Mês R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) R 38 Resíduos de Serviços de Saúde Kg. 0,0 R 39 Resíduos de Solda (Eletrodos, Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Pag 24 / 41

25 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada AGOSTO Total no Mês Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 25 / 41

26 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada SETEMBRO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 26 / 41

27 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada SETEMBRO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 27 / 41

28 REVISÃO:12 Quantidade Diária Gerada OUTUBRO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) Pag 28 / 41

29 REVISÃO:12 Quantidade Diária Gerada OUTUBRO Total R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) R 38 Resíduos de Serviços de Saúde R 39 Resíduos de Solda (Eletrodos, Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Pag 29 / 41

30 REVISÃO:12 Quantidade Diária Gerada OUTUBRO Total Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 30 / 41

31 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada NOVEMBRO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 31 / 41

32 REVISÃO: 12 Quantidade Diária Gerada NOVEMBRO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 32 / 41

33 REVISÃO: 11 Quantidade Diária Gerada DEZEMBRO Total R 01 Água Contaminada com Óleo R 02 Borra de Óleo ou Xisto R 03 Borra de Tinta R 04 Brita Contaminada com Óleo R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) R 07 Cinzas Leves R 08 Detectores de Fumaça (Radioativos) Driftwood (Resíduos de R 09 Madeira acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais R 11 Embalagens de Defensivos R 12 Embalagens Contaminadas (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção R 14 Escória de Jateamento R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado R 16 Gesso R 17 Graxa Residual R 18 Isopor R 19 LãdeRocha R 20 Lâmpadas em Geral R 21 Lodo de Esgoto R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA R 23 Madeiras R 24 Mangas (FiltrodeMangas) R 25 Manta de Isolação Acústica R 26 Materiais com Mercúrio Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro R 29 Óleo de Cozinha R 30 Óleos Isolantes Usados R 31 Óleos Lubrificantes Usados R 32 Papel e Papelão R 33 Pilhas e Baterias Comuns R 34 Plásticos R 35 Produtos Químicos Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Peças) Pag 33 / 41

34 REVISÃO: 11 Quantidade Diária Gerada DEZEMBRO Total Resíduos Comuns R 37 (Embalagens de Alimentos, Papel Higiênico, Cigarros) Resíduos de Serviços de R 38 Saúde Resíduos de Solda (Eletrodos, R 39 Arames, Varetas, Estanho) R 40 Resíduos Orgânicos R 41 Resinas em Geral Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha R 44 Sucata EletroEletrônica R 45 Sucata Metálica Ferrosa Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis R 48 Transformadores R 49 Vidros Pag 34 / 41

35 REVISÃO:12 CONSOLIDADO ANUAL Quantidade Gerada por Mês Passivo Ano: 2014 Ano Quantidade Quantidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Anterior Gerada Destinada R 01 Água Contaminada com Óleo Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,00 R 02 Borra de Óleo ou Xisto Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 03 Borra de Tinta Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 04 Brita Contaminada com Óleo Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 05 Cartuchos de Impressoras e Tonners Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 06 Cinzas Pesadas (Caldeiras) Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 07 Cinzas Leves Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Detectores de Fumaça R 08 Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,20 (Radioativos) Driftwood (Resíduos de Madeira R 09 Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 acumulados no Reservatório) R 10 Baterias Industriais Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 11 Embalagens de Defensivos Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Embalagens Contaminadas R 12 Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 71,00 (Sólidos Contaminados) R 13 Entulho de Construção Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 14 Escória de Jateamento Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 15 Filtro de Sistemas de Ar Condicionado Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 16 Gesso Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 17 Graxa Residual Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 18 Isopor Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Pag 35 / 41

36 REVISÃO:12 CONSOLIDADO ANUAL Quantidade Gerada por Mês Passivo Ano: 2014 Ano Quantidade Quantidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Anterior Gerada Destinada R 01 Água Contaminada com Óleo Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,00 R 19 LãdeRocha Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 20 Lâmpadas em Geral Kg. 0,0 30,6 0,0 17,0 2,3 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 191,60 49,90 R 21 Lodo de Esgoto Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 22 Lodo de Estação de Tratamento de Água ETA Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 23 Madeiras Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 24 Mangas (FiltrodeMangas) Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 25 Manta de Isolação Acústica Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 26 Materiais com Mercúrio Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Materiais Contaminados com R 27 Óleos, Graxas e Produtos Kg. 1665,9 621,5 434,6 2484,3 1861,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, , , ,00 Químicos R 28 Materiais contendo Amianto ou LãdeVidro Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 29 Óleo de Cozinha Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 82,90 R 30 Óleos Isolantes Usados Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 600,00 R 31 Óleos Lubrificantes Usados Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 32 Papel e Papelão Kg. 13,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 14,00 13,20 58,30 R 33 Pilhas e Baterias Comuns Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 55,00 R 34 Plásticos Kg. 91,7 61,0 71,4 97,2 143,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 464,80 R 35 Produtos Químicos Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 50,20 Pag 36 / 41

37 REVISÃO:12 CONSOLIDADO ANUAL Quantidade Gerada por Mês Passivo Ano: 2014 Ano Quantidade Quantidade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Anterior Gerada Destinada R 01 Água Contaminada com Óleo Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,00 Querosene e Outros Solventes R 36 Contaminados (Lavagem de Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 #VALOR! Peças) Resíduos Comuns (Embalagens R 37 de Alimentos, Papel Higiênico, Kg. 109,5 102,7 77,9 134,4 197,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 622,00 Cigarros) R 38 Resíduos de Serviços de Saúde Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 39 Resíduos de Solda (Eletrodos, Arames, Varetas, Estanho) Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 53,00 R 40 Resíduos Orgânicos Kg. 308,8 337,5 243,9 492,8 773,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,50 R 41 Resinas em Geral Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Sólidos Industriais NÃO Contaminados (Sílica Gel Não R 42 Contaminada, Filtros de Ar Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Condicionado, Lixas, Resíduos de PVC, Magueiras) R 43 Sucata de Borracha Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 44 Sucata EletroEletrônica Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,80 R 45 Sucata Metálica Ferrosa Kg. 168,1 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0, ,70 168,10 Sucata Metálica Não Ferrosa R 46 (Cobre, Alumínio, Latão, Aço Inox, Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 Prata, Bronze) R 47 Toalhas Industriais Retornáveis Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 48 Transformadores Kg. 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 R 49 Vidros Kg. 1,9 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 181,80 1,90 Pag 37 / 41

38 REVISÃO:12 O E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS CONSOLIDADO ANUAL Passivo Atual 4.200,00 0,20 71,00 Pag 38 / 41

39 REVISÃO:12 O E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS CONSOLIDADO ANUAL Passivo Atual 4.200,00 241,50 321,51 82,90 600,00 (31,10) 55,00 464,80 50,20 Pag 39 / 41

40 REVISÃO:12 O E DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS CONSOLIDADO ANUAL Passivo Atual 4.200,00 #VALOR! 622,00 53, , , ,80 183,70 Pag 40 / 41

41 Código ONU * Descrição Nº de Risco ** 2026 Fenilmercúrio Composto Bifenila Policloradas (PCB's) 30 Amianto Branco (Crisotila, actinólito, antofilita, tremolita) Descrição 2794 Baterias Elétricas Úmidas, Contendo Ácido. 50 Substância Oxidante (favorece incêndios) 2795 Baterias Elétricas Úmidas, Contendo Álcalis. 60 Substância Tóxica ou levemente Tóxica ou Nociva 2796 Ácido Sulfúrico, com até 51% de ácido, ou fluido ácido para Baterias 606 Substância Infectante 2809 Mercúrio 70 Material Radioativo Gás Asfixiante ou Gás sem risco subsidiário (Gás Inerte) Líquido Inflamável (PFg entre 23ºC e 60,5ºC), ou Líquido sujeito a AutoAquecimento Sólido Inflamável, ou Sólido sujeito a Auto Aquecimento 2814 Substância Infectante, que afeta seres humanos 80 Substância Corrosiva ou levemente Corrosiva 3077 Substância que apresenta risco ao Meio Ambiente, Substâncias que apresentam risco para o Meio 90 Sólida Ambiente; Substâncias Perigosas Diversas 3082 Substância que apresenta risco ao Meio Ambiente, Líquida X Reage perigosamente com Água 2912 Material Radioativo, Baixa Atividade Específica (BAE II), nãofíssil ou físsil exceptivo

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico

3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico 3º Encontro Sobre Sustentabilidade no Setor Elétrico Gestão de Resíduos AES Eletropaulo Vladimir Xavier Escopo Classificação do Resíduos; Procedimento de Gestão de Resíduos; Acondicionamento; Armazenamento;

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja

Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Estudo de caso: gerenciamento de resíduos sólidos industriais em uma indústria processadora de soja Sílvia Regina Machado Pukasiewicz (CEFET-PR) silviapuk@bol.com.br Prof. Dr. Ivanir Luiz de Oliveira (CEFET-PR)

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Diretoria de Licenciamento Ambiental Coordenação Geral de Transporte, Mineração

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

Unidade de Medida A0010

Unidade de Medida A0010 Código de Identificação de Resíduos Tipo de Resíduo Descrição Unidade de Medida A0010 RESIDUO DE RESTAURANTE (RESTOS mġ DE ALIMENTOS) A0020 RESIDUO GERADO FORA PROCESSO mġ INDUSTRIAL (EMBALAGENS, ESCRI)

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE MANEJO NATAL/RN OUT/2013 GERENCIAMENTO DOS RSS PROCEDIMENTOS PLANEJADOS E IMPLEMENTADOS minimizar a produção na fonte, destinar e dispor com segurança Planejamento

Leia mais

DIVISÃO AMBIENTAL. Nosso diferencial:

DIVISÃO AMBIENTAL. Nosso diferencial: A EMPRESA Apoiada em sólidas parcerias, a VIP Soluções é uma empresa de gerenciamento ambiental, provedora de soluções tecnológicas integradas. Nosso diferencial: Ética e segurança para nossos clientes,

Leia mais

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS

1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Página1 1. CLASSIFICAÇÃO DOS RESÍDUOS Diversos autores vêm utilizando metodologias próprias de classificação de resíduos sólidos, tendo como referência a fonte de geração, o local de produção, os aspectos

Leia mais

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos

o ojet Pr a Consciênci 1 Resíduos Projeto Consciência Resíduos 1 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? 2 Qual é a diferença entre resíduo e lixo? Resíduo pode ser considerado qualquer material que sobra após uma ação ou processo produtivo.

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Acondicionamento de s - Classe do - perigoso; 2- não-inerte; 3-inerte Instrução de manuseio / acondicionamento - Recipiente Cor da Embalage m Coleta na Intermediária Final Intermediária Recipiente Área

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área s 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Estação de tratamento de esgoto - ETE Tratamento

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS TIPOLOGIAS DE RESÍDUOS: Guideline 1 Transferências de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE)

CLASSIFICAÇÃO DE ALGUMAS TIPOLOGIAS DE RESÍDUOS: Guideline 1 Transferências de Resíduos de Equipamentos Elétricos e Eletrónicos (REEE) GUIDELINES No Portal da Comissão Europeia estão disponíveis Guidelines do Grupo de Correspondentes sobre o Movimento Transfronteiriço de Resíduos, as quais podem ser consultadas em http://ec.europa.eu/environment/waste/shipments/guidance.htm

Leia mais

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823

Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 LISTA DE OPERADORES DE GESTÃO DE RESÍDUOS LICENCIADOS EM SÃO JORGE ATUALIZADA A 31.07.2012 Agostinho Paim Cota NIF: 128 659 823 - Armazenagem dos seguintes resíduos: LER Alvará n.º 5/DRA/2012 (validade:

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l

C a m p a n h a I n s t I t u C I o n a l Viva Melhor! Campanha Institucional CAMPANHA VIVA MELHOR! Camisetas garrafa squeeze saco lixo para carro FOLHETO PROMOCIONAL CAMPANHA Viva Melhor! JUNTOS, PODEMOS CONSTRUIR UM CAMINHO MAIS SOLIDÁRIO E

Leia mais

Relatório Agregador do Banco de Dados

Relatório Agregador do Banco de Dados Relatório Agregador do Banco de Dados APL Moveleiro da Serra (Bento Gonçalves) N empresas visitadas: 60 Resíduos gerados: 495 Código FEPAM de Resíduos Acumuladores de energia (baterias, pilhas, assemelhados)

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS

DIRETORIA DE GESTÃO DEPARTAMENTO DE SUPRIMENTOS ANEXO III DO TERMO DE REFERENCIA ASPECTOS DE MEIO AMBIENTE 1 OBJETO 1.1 Este anexo discrimina o objeto de contratação de serviços sob os aspectos da legislação ambiental vigente, obrigações e deveres,

Leia mais

ROBERT BOSCH LIMITADA

ROBERT BOSCH LIMITADA F0LHA...: 1 de 5 1 _ Identificação do Produto e Fabricante Nome do Produto: Acumulador elétrico de energia Nome do Fabricante sob licença da Robert Bosch Ltda.: Enertec do Brasil Ltda. Endereço: Av. Independência,

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA 1 PROGRAMA DE COLETA SELETIVA CODEBA SALVADOR BA FEVEREIRO - 2012 1. INTRODUÇÃO 2 O presente Programa de Coleta Seletiva trata dos resíduos gerados pela Companhia, tendo sua elaboração e implementação

Leia mais

A identificação dos resíduos em uma indústria de alimentos e sua política ambiental

A identificação dos resíduos em uma indústria de alimentos e sua política ambiental A identificação dos resíduos em uma indústria de alimentos e sua política ambiental RESUMO Este artigo tem como objetivo apresentar um estudo relacionado à investigação dos impactos ambientais gerados

Leia mais

Parecer Técnico GEDIN 257 / 2008 Processo COPAM: 020/2000/036/2007 RESUMO

Parecer Técnico GEDIN 257 / 2008 Processo COPAM: 020/2000/036/2007 RESUMO FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE PARECER TÉCNICO Empreendedor: RECITEC RECICLAGEM TÉCNICA DO BRASIL LTDA. Empreendimento: Expansão da unidade de beneficiamento de resíduos. DN Código Classe Atividade:

Leia mais

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE. Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório TECNOLOGIAS PARA CARACTERIZAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE METAIS EM REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Tecnologias para Caracterização e recuperação de metais em REEE Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório

Leia mais

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A

Classificação e Rotulagem de Perigo dos Ingredientes que Contribuem para o Perigo: N. A Nome do Produto: VERCLEAN 900 FISQP N.º: 02 Página: 1/7 Última Revisão: 08/04/13 1. Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: DETERGENTE VERCLEAN 900 Código Interno de Identificação: 101 Nome

Leia mais

MANTRARES. MANTRARES Versão 2.7

MANTRARES. MANTRARES Versão 2.7 MANTRARES Versão 2.7 Sistema de Emissão e Controle de Manifesto de Transporte de Resíduos www.mantrares.com.br MANTRARES conteúdo apresentação... 1 instalação... 3 registro... 4 cadastro da empresa...

Leia mais

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011

Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP. Florianópolis, 03 setembro de 2011 Gestão dos Resíduos em Florianópolis - COMCAP Florianópolis, 03 setembro de 2011 Missão Prestar serviços públicos p de saneamento ambiental com eficiência, qualidade e responsabilidade social. COMCAP

Leia mais

Código LER Descrição (os mais utilizados estão sublinhados) Resíduos de minas 01 01 01 Resíduos metálicos 01 01 02 Resíduos não metálicos 01 03 06 Rejeitados de minério 01 03 08 Poeiras e pós de extracção

Leia mais

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo:

Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: TIPOS DE RESIDUOS Os resíduos sólidos podem ser classificados de acordo com a origem, tipo de resíduo, composição química e periculosidade conforme abaixo: Resíduo Hospitalar ou de Serviços de Saúde :

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005.

RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE - CONSEMA RESOLUÇÃO CONSEMA N 109, 22 de setembro de 2005. "Estabelece diretrizes para elaboração do Plano Integrado

Leia mais

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO

GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO GUIA DE RESÍDUOS - ELEKTRO APRESENTAÇÃO O presente guia visa fornecer aos colaboradores, parceiros e fornecedores da Elektro, informações e instruções básicas sobre os procedimentos para o descarte dos

Leia mais

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A.

Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Programa de Gestão de Resíduos da Amazonas Distribuidora de Energia S.A. Apresentação Thiago Flores dos Santos Gerente da Assessoria de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental EMENTA 1 2 3 Motivação

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 01/11/06

O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 01/11/06 O MEIO AMBIENTE E A IMPORTÂNCIA DA RECICLAGEM. 1 POR QUE A COLETA COLETIVA? Efeito estufa pela destruição da camada de ozônio, queimadas e derrubadas de florestas de forma desordenada, chuva ácida, produção

Leia mais

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas.

Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação do Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos PGRS nas Empresas. MANUAL DE GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gerência de Desenvolvimento Sustentável Núcleo de Saúde, Segurança e Meio Ambiente (NSSMA/SGI) Apresentação Esta cartilha tem o objetivo de orientar o processo de implantação

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos Hospital São Paulo HSP/SPDM HU da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Dr. João Luiz Grandi Gerente de Meio Ambiente Gerência Executiva de Engenharia e Infraestrutura Hospitalar

Leia mais

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor

POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : Responsabilidade de cada Setor Gestão de Resíduos Sólidos ( São Paulo ) Lei 997/76 e regulamento: Dec. 8468/76 Foco: Comando e Controle Resíduos Disposição Final

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil.

Conteúdo. Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. RESÍDUOS SÓLIDOSS 1 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do lixo domiciliar. Resíduos de Construção Civil. 2 Conteúdo Política Nacional de Resíduos Sólidos. Características do

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 001/2015 Regulamentação do descarte de resíduos comuns, recicláveis, pilhas e baterias e lâmpadas no Centro de Ciências da Saúde da UFRJ - CCS-UFRJ. 1 Objetivo e aplicação Com o

Leia mais

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. MANUSEIO, ACONDICIONAMENTO, ARMAZENAMENTO E TRANSPORTE DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS Profa. Margarita Maria Dueñas O. RESÍDUOS PERIGOSOS Ponto de geração Destino final FASE INTERNA COLETA ACONDICIONAMENTO FASE

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. RPT RPT RCA RPT 04/01/11

REVISÕES C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO. Rev. TE Descrição Por Ver. Apr. Aut. Data. 0 C Emissão inicial. RPT RPT RCA RPT 04/01/11 1/8 REVISÕES TE: TIPO EMISSÃO A - PRELIMINAR B - PARA APROVAÇÃO C - PARA CONHECIMENTO D - PARA COTAÇÃO E - PARA CONSTRUÇÃO F - CONFORME COMPRADO G - CONFORME CONSTRUÍDO H - CANCELADO Rev. TE Descrição

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COLETA SELETIVA

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COLETA SELETIVA SEJAM BEM VINDOS GRUPO MULTILIXO Coopercicla FLACIPEL Reciclados Cooperativa MULTILIXO Resíduos ATT PARI Entulho MADE VILA Bio Massa MULTIPALETS Palets Reciclados MULTIGLASS Vidro 3 TIPOS DE RESÍDUOS GERADOS

Leia mais

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009

1 Simpósio ECP de Meio Ambiente. Resíduos Sólidos. Novembro - 2009 1 Simpósio ECP de Meio Ambiente Resíduos Sólidos Novembro - 2009 Antes de mais nada, o que é LIXO? Segundo a NBR-10.004 (Resíduos Sólidos, Classificação de 1987) da ABNT (Associação Brasileira de Normas

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental

Responsabilidade Socioambiental Fernando Tabet Responsabilidade Socioambiental Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10.004:2004) Classe I - Perigosos Resíduos Classe II Não Perigosos Classe II-A - Não Inertes Classe II-B - Inertes Gerenciamento

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91

RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91 RESOLUÇÃO CONAMA nº 313, de 29 de outubro de 2002 Publicada no DOU n o 226, de 22 de novembro de 2002, Seção 1, páginas 85-91 Correlações: Revoga a Resolução CONAMA n o 6/88 Dispõe sobre o Inventário Nacional

Leia mais

II.6.3.3. Gerenciamento de Resíduos

II.6.3.3. Gerenciamento de Resíduos II.6.3.3. Gerenciamento de s Neste item, buscou-se caracterizar a disponibilidade e capacidade das empresas voltadas para os serviços de destinação de resíduos nos municípios incluídos na área de estudo

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES EAP - Estudo Ambiental de Perfuração Blocos PAMA-M-265 e PAMA-M-337 - Bacia do Pará-Maranhão ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Outubro/2015 Revisão 00

Leia mais

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr.

Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP. Welson Gonçalves Barbosa Jr. RECICLAGEM E VALORIZAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Gestão de Resíduos da Escola Politécnica da USP Welson Gonçalves Barbosa Jr. Dados sobre a Escola Politécnica 8 prédios. Mais de 500 professores Quase 500 funcionários

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO.

CARACTERIZAÇÃO DOS RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE POR UNIDADE GERADORA E A SEGREGAÇÃO DOS RESÍDUOS POR GRUPO. 1 Unidade ou serviço Descrição do Resíduo Grupo Estado -Secreções, excreções, e outros fluidos orgânicos. -Recipientes e materiais resultantes do processo de assistência à saúde, que não contenha sangue

Leia mais

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO

ESTUDO DE GESTÃO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO ÍNDICE 1.Antecedentes--------------------------------------------------------------------------------------3 1.1. Objecto do estudo... 3 1.2. Descrição da obra... 3 1.3. Autor do estudo... 4 2.Tipos de

Leia mais

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS

PROJETO VAGA-LUME EMPRESA BRASILEIRA DE CORREIOS E TELÉGRAFOS COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS PROJETO VAGA-LUME COLETA SELETIVA, DESCONTAMINAÇÃO E RECICLAGEM DE LÂMPADAS ELABORAÇÃO DO PROJETO: - ASSESSORIA DE QUALIDADE ASQUA/AC Neusa Maria Cúgola - ASSESSORIA TÉCNICA PARA A QUALIDADE ASTEC-Q/DR/BSB

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor

RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor RESÍDUOS SÓLIDOS : as responsabilidades de cada Setor Resíduos Domiciliares Resíduos da Construção Civil Resíduos de escritórios Pneus queimados Resíduos de madeira Resíduos de fibra de vidro Resíduos

Leia mais

METODOLOGIA RECEBIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS PELA DIVISÃO TÉCNICA DO CGTRQ

METODOLOGIA RECEBIMENTO DOS RESÍDUOS QUÍMICOS PELA DIVISÃO TÉCNICA DO CGTRQ COLETA E RECEBIMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS NO CENTRO DE GESTÃO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS QUÍMICOS DO INSTITUTO DE QUÍMICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL (BRASIL) Régis A. K. Heitling, Marco

Leia mais

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA

PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA PROGRAMA DE COLETA SELETIVA Usando Bem Ninguém Fica Sem. PROGRAMA DE COLETA SELETIVA 1. O QUE É COLETA SELETIVA 2. DESTINO FINAL DO LIXO DE SÃO PAULO 3. COMPOSIÇÃO DO LIXO SELETIVO

Leia mais

Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Perfuração Marítima no Bloco BM CAL 13, Bacia de Camamu Almada

Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Perfuração Marítima no Bloco BM CAL 13, Bacia de Camamu Almada Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores Perfuração Marítima no Bloco BM CAL 13, Bacia de Camamu Almada A realização do Projeto de Educação Ambiental dos Trabalhadores é uma medida de mitigação

Leia mais

Projeto Oficina Verde

Projeto Oficina Verde 2009 Projeto Oficina Verde PROJETO OFICINA VERDE Responsáveis: Daniel Filipe, Glauber Franco e Alexandre Xavier Centro de Experimentação e Segurança Viária CESVI BRASIL S/A I.Q.A Instituto de Qualidade

Leia mais

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO

CONDIÇÕES DE ENTREGA/RECEPÇÃO DO SERVIÇO EXTRA URBANO SERVIÇO EXTRA URBANO O Serviço extra Urbano corresponde ao serviço a ser prestado aos produtores de resíduos não urbanos de embalagens, de forma a garantir a esses produtores um destino final adequado

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

PLANO DIRETOR DE RESIDUOS E EFLUENTES INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS

PLANO DIRETOR DE RESIDUOS E EFLUENTES INDICE DE REVISÕES DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS Nº PE 4604.52-6270-948-SMS-004 CLIENTE: PROGRAMA: ÁREA: PETROBRAS MODERNIZAÇÃO DO PONTO DE ENTREGA DE ARAÇAS FOLHA 1/22 TÍTULO: ENGENHARIA/IENE /IETEG/CMIPE PLANO DIRETOR DE RESIDUOS E EFLUENTES ECMAN

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO PRODUTO: ESMALTE SINTÉTICO ALTO BRILHO METAIS/COMPLEMENTOS VERNIZ 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA 1.1) Nome do produto Esmalte Sintético Alto

Leia mais

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES

ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Estudo de Impacto Ambiental Atividade de Perfuração Marítima de Poços no Bloco FZA-M-90, Bacia da Foz do Amazonas ANEXO 1 CHECKLIST PARA AVALIAÇÃO DOS RECEPTORES FINAIS E TRANSPORTADORES TERRESTRES Junho/2015

Leia mais

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014.

MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014. MANUAL PARA PREENCHIMENTO DO INVENTÁRIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS E DE MINERAÇÃO GOIANIA, 2014. 1 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE GOIÁS Jacqueline Vieira da Silva

Leia mais

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI Equipamento De Proteção Individual - EPI Definição: EPI é todo dispositivo de uso individual, destinado a proteger a integridade física do trabalhador. EPI (s)

Leia mais

Anomalias Prazo para atendimento. Anomalias atendidas dentro do prazo. atendidas, fora do prazo de atendimento

Anomalias Prazo para atendimento. Anomalias atendidas dentro do prazo. atendidas, fora do prazo de atendimento do não, não que 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área A limpeza da área é realizda pela própria equipe de colaboradores do setor. 1.2 1.4 Bebedouro limpeza do filtro, área De acordo com o ET-A-EQ-04 a frequência

Leia mais

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha.

São mais de 80 os serviços que garantem o correcto acondicionamento e encaminhamento do papel/cartão para os respectivos pontos de recolha. A Câmara Municipal procura ser um exemplo de bom desempenho ambiental. A gestão ambiental da autarquia promove, através de um conjunto de projectos, a reciclagem junto dos munícipes e dos seus trabalhadores.

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A

Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS. Projeto de Implantação de Depósito de Celulose. Klabin S.A Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos - PGRS Projeto de Implantação de Depósito de Celulose Klabin S.A Ref.: condicionante para Licença de Instalação Telêmaco Borba, 12 de janeiro de 2015 0 Sumário

Leia mais

Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais. Alexssandro Sanches

Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais. Alexssandro Sanches Gestão de Resíduos em Terminais Ferroviários Experiências Empresariais Alexssandro Sanches DF 08/07/2010 Programa de Gestão de Resíduos - FCA Nossa localização estratégica e a interligação com a Estrada

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR

MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LUCAS DO RIO VERDE CONTROLE INTERNO ASSUNTO: RESÍDUOS SÓLIDOS DOS SERVIÇOS DE SAÚDE -LIXO HOSPITALAR 1/6 1) DOS OBJETIVOS: 1.1)Normatizar a classificação, segregação, acondicionamento, coleta, armazenamento interno, transporte interno, armazenamento externo e disposição final dos resíduos; 1.2) Elevar

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS PLANO MUNICIPAL DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS AUDIÊNCIA PÚBLICA Fabiano de Souza Eng. Ambiental Tecnólogo em Gestão Pública OBJETIVOS DO PLANO É um instrumento da Política Nacional de

Leia mais

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014

Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 Eloisa Maria Wistuba Dezembro/2014 1. Marcos legais no município 2. Resoluções Conselho Nacional do Meio Ambiente 3. Classificação dos resíduos de construção civil 4. Plano Integrado de Gerenciamento de

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana;

RESÍDUOS SÓLIDOS. Classificação dos Resíduos. 1. Quanto a categoria: Resíduos Urbanos residências e limpeza pública urbana; RESÍDUOS SÓLIDOS - são os resíduos que se apresentam nos estados sólidos, semi-sólidos e os líquidos não passíveis de tratamento convencional, que resultam de atividades de origem industrial, comercial,

Leia mais

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA

COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA COLETA SELETIVA PRATIQUE ESTA IDEIA O QUE É? Coleta seletiva é o processo de separação dos materiais recicláveis do restante dos resíduos sólidos. Como definição de resíduos sólidos, pelo Wikipédia, entende-se

Leia mais

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO

EMPRESA 1) DADOS CADASTRAIS ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO EMPRESA 1) ATIVIDADE: COMÉRCIO ATACADISTA DE DEFENSIVOS AGRÍCOLAS, ADUBOS, FERTILIZANTES E CORRETIVOS DO SOLO ENDEREÇO: RUA RIO GRANDE DO SUL, 1200, CENTRO, IVAIPORÃ- PR NUMERO DE FUNCIONÁRIOS: 6 AREA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE)

RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS ELETRO- ELETRÔNICOS (REEE) Prof. Dr. Jorge Alberto Soares Tenório Laboratório de Reciclagem, Tratamento de Resíduos e Metalurgia Extrativa Departamento de Engenharia

Leia mais

Relatório Anual de Geração de Resíduos Sólidos. Porto de Santos

Relatório Anual de Geração de Resíduos Sólidos. Porto de Santos 1 de 21 Relatório Anual de Geração de Resíduos Sólidos Porto de Santos 2013 Superintendência de Saúde, Segurança e Meio Ambiente SPM Gerência de Meio Ambiente GPM Agosto de 2015 Santos 2 de 21 Sumário

Leia mais

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares

Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP. Fórum de Extensão das IES Particulares Programa de Consumo Consciente nas Instituições de Ensino Superior Particulares FOREXP Fórum de Extensão das IES Particulares Consumir conscientemente significa atentar para os efeitos que este ato acarreta

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS : A RESPONSABILIDADE DE CADA SETOR Política Nacional de Resíduos Sólidos BASE LEGAL : Lei Federal nº 12305, de 02.08.2010 Decreto Federal nº 7404, de 23.12.2010 Princípio

Leia mais

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP:

SAÚDE. Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: SAÚDE 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail: Atividade: Localização do empreendimento (Endereço): Bairro: CEP: Contato: Cargo/Função: 2.Informações

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004

AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES. RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES TERRESTRES RESOLUÇÃO Nº 420, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2004 DOU de 31 DE MAIO DE 2004 Aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos

Leia mais

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo

Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo SECRETARIA MUNICIPAL DE SERVIÇOS Conscientização da Gestão dos Resíduos Sólidos no Município de São Paulo DEPARTAMENTO DE LIMPEZA URBANA LIMPURB ATRIBUIÇÕES DO LIMPURB LIMPURB E ATRIBUIÇÕES TÉCNICAS LEI

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE O LIXO?

VAMOS FALAR SOBRE O LIXO? VAMOS FALAR SOBRE O LIXO? RESÍDUOS SÓLIDOS: RELATO DA EXPERIÊNCIA DA CEASA/PR 2006 / 2007 Elaboração do PGRS: Curitiba Londrina Foz do Iguaçu Não houve implantação somente cumprimento legal 2008 Implantação

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro

Leia mais

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ

POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ JBRJ POLÍTICA E PLANO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS - RJ Victor Zveibil Superintendente de Políticas de Saneamento SUPS/SEA outubro de 2013 O PACTO PELO SANEAMENTO - decreto estadual 42.930/11 SUBPROGRAMA

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais / Desempenho Em, publicámos o nosso primeiro Relatório Ambiental, como forma de divulgar os nossos esforços e resultados na área da protecção ambiental. A presente publicação deve

Leia mais

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas

Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Subcoordenadoria de Vigilância Sanitária Rio Grande do Norte PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (PGRSS) Consultórios Médicos e Clínicas Médicas Modelo Simplificado 0 RIO GRANDE DO

Leia mais

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira

Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente Gestão e Administração de Resíduos da Madeira S.A. A Gestão dos Resíduos na Região Autónoma da Madeira Valor Ambiente 2008 1 A Região Autónoma da Madeira Área 42,5 km 2 População residente

Leia mais