Ricardo Maia Pestana

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ricardo Maia Pestana"

Transcrição

1

2

3 Ricardo Maia Pestana r. imprensa à estrela, 1, 3º dto lisboa 8 de janeiro de 1976 lisboa portugal Com formação em Gestão da Informação e a Licenciatura em Design, trabalho desde os 20 anos em áreas ligadas às tecnologias da informação e ao design visual, tendo adquirido experiência em várias linguagens de programação e em gestão de projectos e equipas. Numa aposta constante em desenvolver competências e novos conhecimentos, estou neste momento a fazer um mestrado na área da Comunicação Visual. DADOS PESSOAIS 3

4 Ferramentas de Design Illustrator CS3/CS4 ( ) Photoshop CS3/CS4 ( ) InDesign CS3 ( ) Sketchup 7.x ( ) AutoCad 2007 ( ) 3D StudioMax ( ) Ferramentas de Desenvolvimento Dreamweaver CS3/CS4 ( ) Adobe Flash CS3/CS4 ( ) Visual Studio 6 ( ) Visual Studio.NET ( ) Visual Web Developer ( ) Linguagens de Programação HTML ( ) XHTML, DOM e CSS ( ) ASP ( ) VB 6 ( ) AS 2.0/3.0 ( ) SQL MsAccess, MS SQL Server 2000 e MySql 5x e OBDC ( ) ASPX VB.NET ( ) JavaScript ( ) PHP ( ) Sistemas Operativos Windows (até XP) ( ) Windows Server 2003 ( ) Apple Macitosh (Os X 10.5.x) ( ) Redes Ethernet ( ) legenda: completamente à vontade bastante à vontade possuo conhecimentos mas não tenho prática COMPETÊNCIAS TÉCNICAS 4

5 desde Novembro de 2008 MUDE Museu do Design e da Moda Lisboa Manutenção e actualização do site, no âmbito de estágio profissional. desde Fevereiro de 2006 projectos como freelancer MUDE Museu do Design e da Moda Lisboa concepção e construção de site (em parceria com Catarina Raio de Carvalho) - em fase de testes TimesTen execução FLASH de design existente BlueTurtle execução FLASH de design existente Mark & Link execução HTML e Javascript de CD Mardis execução FLASH de design existente Mardis criação de catálogo de veículos com back office em ASP/MDB Publiteno execução FLASH de design existente EHS execução FLASH de design existente Brinde Storm, Publicidade e Comunicação Lda. execução em FLASH e ASP de design existente Atitudes, Gabinete de Psicologia design de logótipo e estacionário EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 5

6 Setembro 2004 a Fevereiro de 2006 Brinde Storm, Publicidade e Comunicação Lda. Gestão de Equipa e de Projectos: Responsável pela gestão/manutenção/criação de - Sites do Grupo Storm: Projectos de comércio electrónico: - Sites institucionais: Web Developer Principal de Plataformas de Comércio Electrónico B2B: Gestão de Redes: Configuração e manutenção de rede Ethernet de 50 PC da Empresa (sites entretanto desactivados por encerramento da empresa) Fevereiro de 2001 a Dezembro de 2004 A Oliveira, Lda. Desenvolvimento de Aplicação de Contabilidade (CONTIX V5.0) em VB 6.0 e MsAccess 2001 DINÂMIA, Centro de Estudos sobre a Mudança Socioeconómica ISCTE Logótipo e site para projecto Normec: The normative dimensions of action and order - the economics of an inclusive europe EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 6

7 Outubro de 2000 a Dezembro de 2000 Setembro 1997 a Setembro 1998 de 1996 a IPA - Inovação e Projectos em Ambiente, Lda. Desenvolvimento de Base de Dados MSAccess para gestão de contactos. Criação de Template para Newsletter Coreiro Construções, S.A. Secretariado e gestão documental CICTSUL Centro Interdisciplinar de Ciência Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa Consultor Gráfico, onde se incluem trabalhos de desenho de flyers, dípticos e trípticos, web design, desenho de logótipo e material estacionário. Colaboração em Comunicações a Congressos científicos. CICTSUL Centro Interdisciplinar de Ciência Tecnologia e Sociedade da Universidade de Lisboa Capa e composição gráfica do livro O Laboratório de Química Mineral da Escola Politécnica de Lisboa ( ) - edição de Livraria Escolar Editora (em parceria com Afonso Tainha) EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL 7

8 IADE - Escola Superior de Design Licenciatura em Design com média final de 15 valores Cadeiras a destacar: Projecto de Design Multimédia Design Bidimensional Design de Comunicação Projecto de Design Visual Projecto de Design Industrial Análise Cromática Narrativa Visual Métodos Digitais de Representação Desenho Digital Ciência Aplicada ao Design Filosofia da Arte e do Design História da Arte e da Técnica Cultura e Arte Contemporânea Modernismo e Vanguardas Artísticas História do Design em Portugal Design Contemporâneo ISEGI - Instituto Superior de Estatística e Gestão da Informação (UNL) 21 cadeiras da Licenciatura em Estatística e Gestão da Informação Cadeiras a destacar: Introdução à Informática Linguagens de Programação Bases de Dados Redes de Computadores Análise de Sistemas IADE - Escola Superior de Design 1º Ano da Licenciatura em Design Liceu Pedro Nunes Ensino Secundário na Área de Estudos E Média Final: 15 valores EDUCAÇÃO 8

9 Outros Estudos Macromedia Flash Rich Content Creation (frequência) MCAD.NET Microsoft Certified Application Developper (frequência) Línguas Estrangeiras Inglês fluente (falado e escrito) Francês bons conhecimentos (falado e escrito) Italiano conhecimentos básicos Outros Carta de condução de ligeiros desde 1996 Carta de navegador de recreio desde 1997 OUTRAS INFORMAÇÕES 9

10

11 Neste portfólio está uma selecção exemplificativa dos meus trabalhos. Aqui encontram-se trabalhos de design gráfico, design industrial, design de ambientes e de multimédia (onde se incluem sites e vídeos), estando representados exemplos tanto de exercícios académicos como de resultados de actividade profissional como programador. No caso de trabalhos de multimédia, apresenta-se apenas um ecrã dos mesmos, estando em a sua versão animada. 11

12 DESIGN GRÁFICO \ EXERCÍCIO ACADÉMICO DESIGN GRÁFICO MULTIMÉDIA \ EXERCÍCIO ACADÉMICO MULTIMÉDIA & PROGRAMAÇÃO DESIGN INDUSTRIAL \ EXERCÍCIO ACADÉMICO DESIGN AMBIENTES \ EXERCÍCIO ACADÉMICO 12

13 MUDE \ Site PROJ. DESIGN INDUSTRIAL \ Proposta para concurso PROJ. DESIGN VISUAL \ Marca para Casino PROJ. DESIGN VISUAL \ Baralho de cartas PROJ. DESIGN VISUAL \ Publicidade para evento cultural PROJ. DESIGN VISUAL \ Programa cultural MUDE \ Banner animado para site - exposição Ombro A Ombro MUDE \ Video e site para inauguração PROJ. DESIGN INDUSTRIAL \ Cartazes dos anos 50 e 60 FOTOGRAFIA \ CD e caixa para CD PROJ. DESIGN INDUSTRIAL \ Gama de Mobiliário CICTSUL \ Capa para tese de Doutoramento PROJ. DESIGN MULTIMÉDIA \ Video História do Cinema ÍNDICE 13

14 PROJ. DESIGN DE AMBIENTES \ Casa com piscina MARKETING E EMPRESA \ Proposta de re-design de logótipos TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO \ Manipulação fotográfica ESPAÇO E DESIGN \ Stand para feira DESIGN BIDIMENSIONAL \ Imagem gráfica de conferência DESIGN BIDIMENSIONAL \ CD quádruplo e bilhete para concerto DESIGN BIDIMENSIONAL \ Re-design de logótipo DESIGN BIDIMENSIONAL \ Layout para colecção de livros DESIGN DE COMUNICAÇÃO \ Cartazes para exposição DESIGN DE COMUNICAÇÃO \ Folheto e rótulo para vinho DESIGN DE COMUNICAÇÃO \ Brandbook para estação de rádio ATITUDES, GABINETE DE PSICOLOGIA \ Logótipo e estacionário VÁRIOS \ Logótipos OUTRAS INFORMAÇÕES 14

15 em parceria com Catarina Raio exposições e eventos programa educativo sobre o museu informações gerais imprensa antestreia exposição permanente destaque da colecção Irmãos Campana cadeira banquete acompanhe o projecto do novo edifício home contactos links mapa do site destaques Velit esse molestie consequat vel illum dolore eu feugiat nulla facilisis at. Et quinta decima eodem modo typi qui nunc nobis videntur parum clari fiant sollemnes. Est etiam processus dynamicus qui litterarum formas humanitatis per? Habent claritatem insitam est usus legentis in iis qui facit; eorum claritatem Investigationes demonstraverunt lectores. Nibh euismod tincidunt ut laoreet dolore magna aliquam erat volutpat. Nonummy ut wisi enim ad minim veniam quis nostrud exerci tation. Consuetudium lectorum mirum est notare quam littera gothica quam nunc putamus parum claram anteposuerit. Ipsum dolor sit amet consectetuer adipiscing elit sed diam nonummy nibh euismod tincidunt ut. Velit esse molestie consequat vel illum newsletter registo PT EN Todos os direitos reservados MUDE, 2009 Ficha Técnica SITE \ MUDE 15

16 PROPOSTA PARA CONCURSO \ PROJ. DESIGN INDUSTRIAL 16

17 MARCA PARA CASINO \ PROJ. DESIGN VISUAL 17

18 BARALHO DE CARTAS \ PROJ. DESIGN VISUAL 18 7

19 PUBLICIDADE PARA EVENTO CULTURAL \ PROJ. DESIGN VISUAL 19

20 tony bennet \ 20 de julho mais informação em: Programação Cultural julho a setembro 2009 programa cultural de: av. d. carlos I, nº lisboa Tel: Fax: casino mil & um sociedade portuguesa de jogos, s.a. mais informação em: Este verão A história do Estado Português começa com a assumpção do título de Rei por D. Afonso Henriques, conde de Portucale, em Esta ruptura política com o Reino de Leão é provocada por uma aliança entre os grandes senhores a sul do Rio Minho, com o apoio de algumas ordens religiosas e militares. Os seus grandes centros são Braga (a mais antiga capital dos reinos pós-romanos e que disputava a primazia cristã das Espanhas com Santiago de Compostela), o Porto e Coimbra. As primeiras escolhas que se colocam ao reino são entre a expansão para Norte (a Galiza, com quem o irmana a cultura e a religião), e para Sul (com quem também o irmana a cultura, mas, na época, dominado pelos muçulmanos). A escolha, ditada pela força de Leão, acaba por ser o Sul, conquistando o primeiro Rei quase todo o Alentejo. A expansão para Sul com avanços e recuos geográficos, alianças e guerras com os Estados muçulmanos do Alentejo e Algarve, continuará a ser uma constante até meados do século XIII. As fronteiras actuais de Portugal Continental datam dessa época, sendo as mais antigas da Europa. Os conflitos com Leão (impedindo as tentativas de expansão para Leste) e com Castela (quando este Reino absorveu o de Leão) prosseguiram, interferindo os 2 PROGRAMAÇÃO CONCERTOS Diana Krall 31 de Setembro, 21h30 Sala Maior duração: 1h30 mesas: de 120 / pessoa a 300 /pessoa Bernardo Sassetti Quinta-Feiras de Agosto, 21h30 Lounge duração: 1h30 entrada gratuíta Camané 31 de Julho, 21h30 5 de Agosto, 22h00 Sala Menor duração: 1h30 1ª Plateia: 150 2ª Plateia: 100 Diana Krall 31 de Setembro, 21h30 Sala Maior duração: 1h30 mesas: de 120 / pessoa a 300 /pessoa Diana Krall 31 de Setembro, 21h30 Sala Maior duração: 1h30 mesas: de 120 / pessoa a 300 /pessoa EXPOSIÇÕES Júlio Pomar de 1 de Julho a 10 de Outubro Sala de Exposições entrada: 5 Camané 31 de Julho, 21h30 5 de Agosto, 22h00 Sala Menor duração: 1h30 1ª Plateia: 150 2ª Plateia: 100 Júlio Pomar de 1 de Julho a 10 de Outubro Sala de Exposições entrada: 5 CONFERÊNCIAS Paula Scher 31 de Setembro, 10h30 Centro de Conferências entrada gratuíta. necessário reserva de lugar. Steve Wosniak 31 de Setembro, 16h30 Centro de Conferências entrada gratuíta. necessário reserva de lugar. António Damásio 31 de Setembro, 16h30 Centro de Conferências entrada gratuíta. necessário reserva de lugar. TEATRO O Vigarista de Rodrigo Deus com Miguel Guilherme e Maria Ruef de 31 de Julho, 21h30 a 5 de Agosto, 22h00 Anfiteatro duração: 1h EM AGOSTO PROGRAMA CULTURAL \ PROJ. DESIGN VISUAL 20

21 A história do Estado Português começa com a assumpção do título de Rei por D. Afonso Henriques, conde de Portucale, em Esta ruptura política com o Reino de Leão é provocada por uma aliança entre os grandes senhores a sul do Rio Minho, com o apoio de algumas ordens religiosas e militares. Os seus grandes centros são Braga (a mais antiga capital dos reinos pós-romanos e que disputava a primazia cristã das Espanhas com Santiago de Compostela), o Porto e Coimbra. As primeiras escolhas que se colocam ao reino são entre a expansão para Norte (a Galiza, com quem o irmana a cultura e a religião), e para Sul (com quem também o irmana a cultura, mas, na época, dominado pelos muçulmanos). A escolha, ditada pela força de Leão, acaba por ser o Sul, conquistando o primeiro Rei quase todo o Alentejo. A expansão para Sul, com avanços e recuos geográficos, alianças e guerras com os Estados muçulmanos do Alentejo e Algarve, continuará a ser uma constante até meados do século XIII. As fronteiras actuais de Portugal Continental datam dessa época, sendo as mais antigas da Europa. O Vigarista de Rodrigo Deus com Miguel Guilherme e Maria Ruef de 31 de Julho, 21h30 a 5 de Agosto, 22h00 Anfiteatro duração: 1h30 1ª Plateia: 50 2ª Plateia: TEATRO 71 Quinta-Feiras de Agosto, 21h30 Lounge duração: 1h30 entrada gratuíta Bernardo Sassetti A história do Estado Português começa com a assumpção do título de Rei por D. Afonso Henriques, conde de Portucale, em Esta ruptura política com o Reino de Leão é provocada por uma aliança entre os grandes senhores a sul do Rio Minho, com o apoio de algumas ordens religiosas e militares. Os seus grandes centros são Braga (a mais antiga capital dos reinos pós-romanos e que disputava a primazia cristã das Espanhas com Santiago de Compostela), o Porto e Coimbra. As primeiras escolhas que se colocam ao reino são entre a expansão para Norte (a Galiza, com quem o irmana a cultura e a religião), e para Sul (com quem também o irmana a cultura, mas, na época, dominado pelos muçulmanos). A escolha, ditada pela força de Leão, acaba por ser o Sul, conquistando o primeiro Rei quase todo o Alentejo. Camané A história do Estado Português começa com a assumpção do título de Rei por D. Afonso Henriques, conde de Portucale, em Esta ruptura política com o Reino de Leão é provocada por uma aliança entre os grandes senhores a sul do Rio Minho, com o apoio de algumas ordens religiosas e militares. Os seus grandes centros são Braga (a mais antiga capital dos reinos pós-romanos e que disputava a primazia cristã das Espanhas com Santiago de Compostela), o Porto e Coimbra. As primeiras escolhas que se colocam ao reino são entre a expansão para Norte (a Galiza, com quem o irmana a cultura e a religião), e para Sul (com quem também o irmana a cultura, mas, na época, dominado pelos muçulmanos). A escolha, ditada pela força de Leão, acaba por ser o Sul, conquistando o primeiro Rei quase todo o Alentejo. 31 de Julho, 21h30 5 de Agosto, 22h00 Sala Menor duração: 1h30 1ª Plateia: 150 2ª Plateia: 100 CONCERTOS ciclo o nosso tempo Paula Scher A história do Estado Português começa com a assumpção do título de Rei por D. Afonso Henriques, conde de Portucale, em Esta ruptura política com o Reino de Leão é provocada por uma aliança entre os grandes senhores a sul do Rio Minho, com o apoio de algumas ordens religiosas e militares. Os seus grandes centros são Braga (a mais antiga capital dos reinos pós-romanos e que disputava a primazia cristã das Espanhas com Santiago de Compostela), o Porto e Coimbra. As primeiras escolhas que se colocam ao reino são entre a expansão para Norte (a Galiza, com quem o irmana a cultura e a religião), e para Sul (com quem também o irmana a cultura, mas, na época, dominado pelos muçulmanos). A escolha, ditada pela força de Leão, acaba por ser o Sul, conquistando o primeiro Rei quase todo o Alentejo. 31 de Setembro, 21h30 Centro de Conferências entrada gratuíta. necessário reserva de lugar CONFERÊNCIAS PROGRAMA CULTURAL \ PROJ. DESIGN VISUAL 21

22 em parceria com Catarina Raio BANNER ANIMADO PARA SITE - EXPOSIÇÃO OMBRO A OMBRO \ MUDE 22

23 imagens de Ricardo Pestana e Pedro Rosa \ montagem de Ricardo Pestana também disponível em VIDEO/SITE PARA INAUGURAÇÃO \ MUDE 23

24 cartazes Filipa Pires 06/314 Catarina Raio 06/308 anos 50 e 60 do século xx Ricardo Pestana 96/046 Projecto de design industrial 3e1 prof Paulo Bago d uva IADE MARço , Artist Unknown, Robert Indiana, Saul Bass, Rudolph Baranik, Push Pin Studios Collaborative, Roy Lichtenstein, Milton Glaser, Rúspoli-Rodríguez, Bantam Books Design Department, Andy Warhol, Máquina de Escrever Valentine, Ettore Sottsass para Olivetti, Steve Bryan, Keith Godard, 1968 CARTAZES DOS ANOS 50 E 60 \ PROJ. DESIGN INDUSTRIAL 24

25 1 Ricardo Pestana 96/ Catarina Raio 06/ Filipa Pires 06/ publicidade a produtos 13 anos 50 e 60 do século xx prof Paulo Bago d uva IADE MARço Projecto de design industrial 3e Herbert Bayer, Primeira Embalagem Tetra Pak, Batedeira, Pontiac, Coca-Cola, Herbert Matter, para Knoll International, General Electrics, Kellogg's, Royal Portable Typewiters, GilbertPapers, Camel Cigaretts, Raymond Savignac, para Air France, Ferro de Engomar, Gira Discos Teppaz, Alain Gauthier, Rheingold Beer, Máquina Costura Necchi, F. Grignani, Karl Gerstner, Scooter, Aspirador Hoover, Heinz Looser, c Cadillac, Chevrolet, António Garcia, SG Gigante, 1966 CARTAZES DOS ANOS 50 E 60 \ PROJ. DESIGN INDUSTRIAL 25

26 ricardo maia pestana 96/046 tecnologias de projectos fotografia Ricardo Maia Pestana 96/046 Ricardo Maia Pestana 96/046 Ricardo Maia Pestana 96/046 Tecnologias de Projectos Fotografia Prof. José António Oliveira Tecnologias de Projectos Fotografia Prof. José António Oliveira Ricardo Maia Pestana 96/046 CD E CAIXA PARA CD \ FOTOGRAFIA 26

27 GAMA DE MOBILÁRIO \ PROJ. DESIGN INDUSTRIAL 27

28 José Carlos Brandão Tiago de Oliveira A PERSONALIDADE CIENTÍFICA DE ANTÓNIO GIÃO Dissertação Apresentada à Universidade de Évora para obtenção do grau de Doutor em História e Filosofia das Ciências. Orientadores: Prof. Doutor Augusto Franco de Oliveira Prof. Doutor Manuel Costa Leite Esta tese não inclui as críticas e sugestões feitas pelo júri. Universidade de Évora 2010 CAPA PARA TESE DE DOUTORAMENTO \ CICTSUL 28

29 HISTÓRIA DO CINEMA / PROJ. DESIGN MULTIMÉDIA 29

30 CASA COM PISCINA \ PROJ. DESIGN DE AMBIENTES 30

31 CASA COM PISCINA \ PROJ. DESIGN DE AMBIENTES 31

32 PROPOSTA DE RE-DESIGN DE LOGÓTIPOS \ MARKETING E EMPRESA 32

33 MANIPULAÇÃO FOTOGRÁFICA \ TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO 33

34 STAND PARA FEIRA \ ESPAÇO E DESIGN 34

35 IMAGEM GRÁFICA DE CONFERÊNCIA \ DESIGN BIDIMENSIONAL 35

36 IMAGEM GRÁFICA DE CONFERÊNCIA (MUPI) \ DESIGN BIDIMENSIONAL 36

37 IMAGEM GRÁFICA DE CONFERÊNCIA (OUTDOOR) \ DESIGN BIDIMENSIONAL 37

38 concerto 08 jul 17...jul jul...08.jul o os mat iamat ia mar o mar o tro os t tro mat tea ma ia 9½tea ia 9½ mar ro ma tea tea 9½ 9½ Este bilhete faz parte de uma edição especial numerada. Não pode ser vendido separadamente do pack promocional que integra. uma organização: plateia fila _ lugar _ S OA S H COM I OOSNRTTAOUM OSS P A N DIIS A BRILHOZIEXTRAORDINÁNOS T D NOS O NHO U romanrias que L I G A D Oa OLHOS ce de um dia força n o ibart ée na e sestrada? nabé passada pode alguém ser oprimeiro homem dos senhor o dia 7 andar, quem nãoinstrumentos é? como marquês assimmaré 2º direito postal o meu compadre um para o canadá mudemos assunto alta de liberdade etelvina o bacalhau bastanos balada da espectáculo com um os pontos iis namoro a vida é brilhozinho nos olhos rita (do filme "kilas, o mau da o grande feita de capital pequenos é terça-feira espafita") trabalhar um tempo com que passou nadasa cuidado al h e ms foi u m a notícia a barca dos amantes um imitações arranja-me as horas extraordinárias trás-os-montes tractor organização popular as certezas_ do meu mais brilhante amor emprego soltas guerra e pazé quatro lisboaquadras que oamanhece ocoro galo ovelhas dono _ o (coisas dodas amor I) dos não vásoscontar _notícias gomo isto anda locais o primeiro da tangefugitivo que a fechadura (coisas da do tudomudei ligado a o democracia elixir rina pequenos delírios (aforismos) há-de domingo no eterna juventude domésticos fotos amor II) que ser de é a vidaperdida (o é em que não se há-de do fogo queaguenta aí nós? se mundo maçã com bem-vindo fazer?) bíblias um que sonho embosca bicho (acho eudesr da presidente o das correio deus ateu o azul velho samurai praxe) só neste país rei do zum-zum Made in the E.U. PORTUGAL, SA 2008 UNIVERSAL MUSIC PORTUGAL, SA 2008 UNIVERSAL MUSIC www pflores.com/sergiogodinho às CD QUÁDRUPLO E BILHETE PARA CONCERTO vezes o amor \ DESIGN BIDIMENSIONAL 38

39 RE-DESIGN DE LOGÓTIPO \ DESIGN BIDIMENSIONAL 39

40 Atingir o numero 700 é feito inédito para qualquer colecção policial do nosso país e proeza de que poucas congéneres se podem orgulhar, quer na Europa quer no resto do mundo. Se a isso juntarmos seis décadas de saídas regulares, o acontecimento mais invulgar se torna ainda. Para celebrar condignamente este memorável número 700, a Colecção Vampiro apresenta-se aos seus leitores num novo formato e com um aspecto gráfico renovado. na colecção: Agatha Christie O Assassinato de Roger Ackroyd Erle Stanley Gardner O Caso Da Jovem Arisca Ellery Queen O Enigma do Sapato Holandês Leslie Charteris O Santo e Os Anjos da Vingança S S. Van Dine A Série Sangrenta Raymond Chandler Ingénua Perigosa Catherine Aird Jogo Mortífero Thomas Chastain Perry Mason e o Caso dos Crimes A Mais Rex Stout Derradeira Palavra Sir Arthur Conan Doyle O Cão dos Baskervilles O livro Maigret e o Taberneiro ( Maigret et le Marchand de Vin ) de Georges Simenon é um exemplo típico da escrita deste binómio Autor/Personagem. Passado em Paris, no fim dos anos 60, este livro relata a investigação que o Comissário Divisionário Jules Maigret efectua para d e s l i n d a r o a s s a s s i n a t o d e u m r i c o comerciante de vinhos Oscar Chabut que é morto a tiro à saída de um bordel. À medida que Maigret mergulha na história da vítima, vai descobrindo os aspectos psicológicos desta e de quem a rodeia, permitindo-nos em cada página construir a pouco e pouco um retrato de uma certa classe social parisiense desta época. Por outro lado, e como sempre acontece nos livros em que o Comissário Divisionário é o herói, em M a i g r e t e o T a b e r n e i r o S i m e n o n descreve-nos ambientes físicos e mentais com minúcia, relegando para segundo plano a intriga policial. 752 GEORGES SIMENON MAIGRET E O TABERNEIRO GEORGES SIMENON MAIGRET E O TABERNEIRO Georges Simenon G e o r g e s S i m e n o n, e s c r i t o r b e l g a mundialmente famoso principalmente como «pai» do inspector Maigret, nasceu em Liège, em Decidido a dedicar-se à escrita desde muito jovem, torna-se, com apenas dezasseis anos jornalista no jornal Gazette de Liège. O seu primeiro romance, assinado com o pseudónimo de Georges Sim, é publicado em Escreveu cerca de duzentas obras entre 1923 e 1933, bem como numerosos artigos jornalísticos. Em 1929, escreve Maigret & Pietr, o Letão, o primeiro livro protagonizado por Maigret, que depressa se transforma num personagem muito popular. Simenon escreverá ao todo oitenta e quatro aventuras do inspector. Pouco tempo depois, inicia o que apelida de «romances- -romances» ou «romances duros»: escreve mais de cem títulos. Paralelamente a essa actividade literária frenética, viaja bastante. Em 1945, vai para os Estados Unidos e casa de novo. Dez anos mais tarde, regressa a França acabando por instalar-se definitivamente na Suíça. Decide deixar de escrever em Munido de um magnetofone, consagra-se aos seus Vinte e Dois Dictées e, mais tarde, após o suicídio da filha, dá início às suas gigantescas Mémoires Íntimes (1981). Simenon morre em Lausanne, em Para mais informações sobre o autor, pode consultar o site do Le Centre d'études Georges Simenon et le Fonds Simenon de l'université de Liège ou então: www toutsimenon.com. a seguir: Agatha Christie Um Crime no Expresso do Oriente Dennis Macshade Mulher e Arma com Guitarra Espanhola LAYOUT PARA COLECÇÃO DE LIVROS (CAPA) \ DESIGN BIDIMENSIONAL 40

41 Atingir o numero 700 é feito inédito para qualquer colecção policial do nosso país e proeza de que poucas congéneres se podem orgulhar, quer na Europa quer no resto do mundo. Se a isso juntarmos seis décadas de saídas regulares, o acontecimento mais invulgar se torna ainda. Para celebrar condignamente este memorável número 700, a Colecção Vampiro apresenta-se aos seus leitores num novo formato e com um aspecto gráfico renovado. na colecção: Agatha Christie O Assassinato de Roger Ackroyd Erle Stanley Gardner O Caso Da Jovem Arisca Ellery Queen O Enigma do Sapato Holandês Leslie Charteris O Santo e Os Anjos da Vingança S.S. Van Dine A Série Sangrenta Raymond Chandler Ingénua Perigosa Catherine Aird Jogo Mortífero Thomas Chastain Perry Mason e o Caso dos Crimes A Mais Rex Stout Derradeira Palavra Sir Arthur Conan Doyle O Cão dos Baskervilles Pouco depois das doze batidas da meia-noite, um nevão obriga o Expresso do Oriente a parar. Para aquela época do ano, o luxuoso comboio estava surpreendentemente cheio de passageiros. Só que pela manhã havia, vivo, um passageiro a menos. Um homem de n e g ó c i o s a m e r i c a n o j a z i a n o s e u compartimento, apunhalado até à morte. Poirot aceita o caso, aparentemente fácil, que a c a b a p o r s e r e v e l a r u m d o s m a i s surpreendentes de toda a sua carreira. É que existem pistas (muitas!), existem suspeitos (muitos!), sendo que todos eles estão circunscritos ao universo dos passageiros da carruagem. Para ajudar às investigações, o morto é reconhecido como sendo o autor de um dos crimes mais hediondos do século. Com a tensão a aumentar perigosamente, Poirot acaba por esclarecer o caso de uma maneira a todos os títulos surpreendente! 752 AGATHA CHRISTIE UM CRIME NO EXPRESSO DO ORIENTE AGATHA CHRISTIE UM CRIME NO EXPRESSO DO ORIENTE Agatha Christie Agatha Christie nasceu Agatha May Clarissa Miller, em Torquay, na Grã-Bretanha, em Durante a I Guerra Mundial, prestou serviço voluntário num hospital, primeiro como enfermeira e depois como funcionária da farmácia e do dispensário. Esta experiência revelar-se-ia fundamental, não só para o conhecimento dos venenos e preparados que figurariam em muitos dos seus livros, mas também para a própria concepção da sua carreira na escrita. Com o seu segundo marido, o arqueólogo Max Ma lowan, Agatha viajaria um pouco por todo o mundo, participando activamente nas suas e s c a v a ç õ e s a r q u e o l ó g i c a s, n u n c a abandonando contudo a escrita, nem deixando passar em claro a magnífica fonte de conhecimentos e inspiração que estas representavam. Autora de cerca de 300 obras (entre romances de mistério, poesia, peças para rádio e teatro, contos, documentários, uma autobiografia e seis romances publicados sob o pseudónimo de Mary Westmacott), viu o seu talento e o seu papel na literatura e nas artes oficialmente reconhecidos em 1956, ano em que foi distinguida com o título de Commander of the British Empire. Em 1971, a Rainha Isabel II consagrou-a com o título de Dame of the British Empire. Deixando para trás um legado universal celebrado em mais de cem línguas, a Rainha do Crime, ou Duquesa da Morte (como ela preferia ser apelidada), morreu em 12 de Janeiro de Para mais informações pode consultar o site oficial da autora em: a seguir: Georges Simenon Maigret e o Taberneiro Dennis Macshade Mulher e Arma com Guitarra Espanhola LAYOUT PARA COLECÇÃO DE LIVROS (CAPA) \ DESIGN BIDIMENSIONAL 41

42 título original Maigret et le Marchand de Vin 1969, Georges Simenon tradução de Paulo de Mello Barreto Georges Simenon Maigret e o Taberneiro tradução de Paulo de Mello Barreto 1ª Edição: Novembro de ª Edição: Abril de 2008 ISBN Depósito Legal nº /06 Edições D. Quixote Rua Ivone Silva, nº6, 2º Lisboa, Portugal capa e composição gráfica: ricardo maia pestana - 96/046 com a assumpção do título de Rei por D. Afonso Henriques, conde de Portucale, em Esta ruptura política com o Reino de Leão é provocada por uma aliança entre os grandes senhores a sul do Rio Minho, com o apoio de algumas ordens religiosas e militares. Os seus grandes centros são Braga (a mais antiga capital dos reinos pós-romanos e que disputava a primazia cristã das Espanhas com Santiago de Compostela), o Porto e Coimbra. As primeiras escolhas que se colocam ao reino são entre a expansão para Norte (a Galiza, com quem o irmana a cultura e a religião), e para Sul (com quem também o irmana a cultura, mas, na época, dominado pelos muçulmanos). A escolha, ditada pela força de Leão, acaba por ser o Sul, conquistando o primeiro Rei quase todo o Alentejo. A expansão para Sul, com avanços e recuos geográficos, alianças e guerras com os Estados muçulmanos do Alentejo e Algarve, continuará a ser uma constante até meados do século XIII. As fronteiras actuais de Portugal Continental datam dessa época, sendo as mais antigas da Europa. Os conflitos com Leão (impedindo as tentativas de expansão para Leste) e com Castela (quando este Reino absorveu o de Leão) prosseguiram, interferindo os três (e depois dois) Estados nas políticas internas uns dos outros. Ao mesmo tempo criam-se alianças (através de casamentos reais) com os outros Estados peninsulares (que não Leão) e com países da Europa do Norte e reforça-se o poder da monarquia através da aliança com os burgueses dos concelhos, evitando assim a feudalização do País. O rei passa a governar com as cortes, onde estão representados os Três Estados (Clero, Nobreza e Povo). A conquista dos territórios do Sul faz-se através da integração das populações de religião Islâmica e Judaica (para além das populações cristãs que se mantinham sob domínio muçulmano). Ao mesmo tempo, Portugal desenvolve-se economicamente, estabelecendo relações comerciais (exportando produtos mediterrânicos e marítimos) com a Europa do Norte e com o Magrebe. No século XIV começam a brilhar as primeiras luzes da Idade de Ouro de capítulo 02 título do capítulo Portugal. A sua língua separa-se do galaico-português, a sua corte ganha brilho intelectual de dimensão europeia, funda-se a universidade. Portugal continua a interferir militar e politicamente nos assuntos da Península, sustentando guerras com o seu vizinho castelhano, mas lutando também, em casos específicos, ao seu lado contra o inimigo religioso comum (o Califado de Córdova e, posteriormente, o Reino de Granada). A afirmação marítima do País, que já tinha tradição de navegação anterior à fundação do Estado, inicia-se então, com as primeiras viagens marítimas às Canárias, datando dessa época a rivalidade comercial entre Lisboa e Sevilha. O episódio de Inês de Castro, que foi cantado por toda a Europa durante o século seguinte ocorreu em meados do século XIV. No final do século, Portugal foi afectado pela crise social que percorreu toda a Europa, conjugada com uma crise política interna relacionada com a que ocorria em Castela e na qual Portugal interferiu fortemente, tal como Castela na portuguesa. A crise terminou com a vitória de um novo rei, com o reforço dos poderes dos concelhos e a aliança entre Portugal e a Inglaterra (a mais antiga aliança estável da Europa), através da qual ambos os países reforçaram os seus laços comerciais e políticos e se prestaram mutuamente apoio militar (os ingleses enviando LAYOUT PARA COLECÇÃO DE LIVROS (MIOLO) \ DESIGN BIDIMENSIONAL 42

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone

atividade florestal não-madeireira título da categoria com opção de uso de icone buscar no site OK Página inicial links rápidos a fazenda santa maria nononononono não- título em destaque texto complementar Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Praesent vestibulum

Leia mais

wireframe do novo site

wireframe do novo site wireframe do novo site home METRÔ PAINÉIS S ANUNCIE QUEM SOMOS Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Nam imperdiet sed eros ut luctus. Suspendisse eu vulputate massa. Nullam dignissim,

Leia mais

d ce R E V I S T A D I G I TA L

d ce R E V I S T A D I G I TA L d ce R E V I S T A D I G I TA L Doce Revista Digital Há 25 anos no mercado, a imagem da Doce Revista é marcada pelo jornalismo ágil e independente. É a única publicação nacional voltada exclusivamente

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013, v-1.7.1 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento

Sorriso. Metálico. Ponto de Vista. A Saúde bucal infantil. Entrevista. Comportamento Sorriso Entrevista Dr Alisson explica as vantagens dos aparelhos Autoligados Comportamento O que te faz feliz? Fique Ligado Participe, curta, compartilhe e ganhe brindes especiais Escova de dentes: A maior

Leia mais

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design

T12design MÓVEIS DE ALTO PADRÃO. Manual de Identidade Visual T12 Design Índice Capítulo Apresentação... O logo e seus elementos... Variações cromáticas... Reduções e reservas... Aplicação em fundos de cor... Tipografias de apoio... Usos indevidos... Cartão de Visita... Pág.

Leia mais

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo

MANUAL DE REGRAS BÁSICAS. CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo INSTITUTO POLITÉCNICO MANUAL DE REGRAS BÁSICAS CAPAS MESTRADO Instituto Politécnico de Viana do Castelo Capa Tese de Mestrado INSTITUTO POLITÉCNICO Dimensões da capa: A4+lombada variável+a4 Papel: Coché

Leia mais

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL

PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL PROPOSTA DE DESENVOLVIMENTO INTERNET PARA CARTÃO SUL I. Objetivos e Descrição Redesign do website que a empresa possui, acrescentando novos recursos, informações mais detalhadas dos produtos e serviços,

Leia mais

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE

EMBRACE THE FUTURE SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS NEGÓCIO ÁREAS DE EDIFÍCIO PLATINUM MOÇAMBIQUE MENU EMBRACE THE FUTURE ÁREAS DE NEGÓCIO SERVIÇO PÓS-VENDA ONDE ESTAMOS EM DESTAQUE PORTUGAL MARROCOS ARGÉLIA EDIFÍCIO PLATINUM GANA ANGOLA ARGENTINA O Grupo Ramos Ferreira vai ser responsável, em parceria

Leia mais

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199

A Database State Machine Approach. Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 A Database State Machine Approach Luís Silva m2086 Fábio Beirão m2199 Introdução Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Integer eget lacus vitae lorem varius pretium quis nec diam. Nulla

Leia mais

R.Boquino Manual de Identidade Visual

R.Boquino Manual de Identidade Visual R.Boquino Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope

Leia mais

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES

Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de Mato Grosso do Sul. Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS E APLICAÇÕES Federação do Comércio de Bens e de Serviços do Estado do Mato Grosso do Sul aguardamos envio de uma imagem de mato grosso do sul Manual de Marca NORMAS GRÁFICAS

Leia mais

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual

SOCALOR saunas Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Normas padrão para construção e uso correto da marca. Comunicação institucional padrão Apresentação 3 Envelope 36 18 Conceito da marca 4 Envelope 34 19 Marca 5 Envelope 32 20

Leia mais

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Equipe abntex2. Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2013 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de Relatório

Leia mais

MANUAL DE USO DE MARCA

MANUAL DE USO DE MARCA MANUAL DE USO DE MARCA INTRODUÇÃO A MARCA FAPEU A marca é um dos bens mais preciosos de uma empresa. Ela existe para ser vista e lembrada pelos consumidores, identificando-se com os produtos, serviços

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.5 2015

Leia mais

Normas para envio de artigos:

Normas para envio de artigos: NORMAS PARA ENVIO DE ARTIGOS Formatação da página: recuo superior e da lateral esquerda de 3 cm. Recuo inferior e da lateral direita de 2,5 cm, conforme a formatação deste documento. Título: fonte Arial,

Leia mais

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema

Recursos Naturais. Cores quentes, energia, países de clima tropical, desigualdade social. Conceito: mover para somar. Projeção de cinema Ven.ti.la.dor adj (ventilar+dor2) Que ventila; ventilante. sm 1 Aparelho que renova o ar de ambientes fechados ou que o põe em circulação; aparelho que produz corrente de ar. Recursos Naturais { Cores

Leia mais

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão

wireframe homepage Onde buscar ajuda para animais carentes onde denunciar maus tratos Feiras de doação por todo o Brasil Apadrinhe um cão wireframe homepage tipo Quem somos Doações em dinheiro Onde r ajuda para animais carentes equipe Doações em mantimentos onde denunciar maus tratos banner 720 álbum x 160 de fotos Doaçòes medicinais Feiras

Leia mais

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Index. RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872. RGB: 0-168-89 Hex: #00A859. RGB: 96-96-98 Hex: #606062 Index RGB: 174-51-54 Hex: #Ae3336 RGB: 44-72-114 Hex: #2C4872 RGB: 0-168-89 Hex: #00A859 RGB: 168-207-69 RGB: 210-226-139 RGB: 75-75-77 Hex: #A8CF45 Hex: #D2E28B Hex: #4B4B4D RGB: 96-96-98 Hex: #606062

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL ECOBRAZ Sumário Sumário 1. Apresentação 2. O logo e seus elementos...... 3. Variações Cromáticas 4. Reduções e Reservas 5. Aplicação em fundo de cor 6. Tipografias de apoio 7. Usos indevidos..................

Leia mais

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO

O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO O ALUNO SURDO E OS PROCESSOS DE INTERAÇÃO NA COMPREENSÃO DO ENUNCIADO MATEMÁTICO Ludmyla Sathler Aguiar do Nascimento 1 GD12 Educação Matemática e Inclusão A leitura e compreensão textual expõem o quanto

Leia mais

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade?

Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Olá! Vamos conhecer todas as aplicações e usos da sua Marca e de todos os elementos que formam sua identidade? Índice O que é a Marca? Conceito 4 Personalidade da Marca 5 Como ela é? Marca Principal Versão

Leia mais

Arquitetura de Informação - 7

Arquitetura de Informação - 7 Arquitetura de Informação - 7 Ferramentas para Web Design Prof. Ricardo Ferramentas para Web Design 1 Ícone Imagem Banner Logotipo Título 1 Título 2 Tabela Disclaimer Título 1 Título 2 Ícone Ícone Imagem

Leia mais

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com

Wireframes. 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com Wireframes 2006 Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas

Leia mais

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa

Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio Manual de Identidade Corporativa 1 Associação Nacional de Fabricantes de Esquadrias de Alumínio A Identidade Visual da Afeal é um de seus principais

Leia mais

Wireframes. Definição. Wireframes

Wireframes. Definição. Wireframes Wireframes Guilhermo Reis www.guilhermo.com 2 Definição Wireframes Diagrama que representa todos os elementos de uma página, definindo esses elementos, a hierarquia entre eles, agrupamentos e suas importâncias

Leia mais

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS

HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE TI NAS PREFEITURAS BRASILEIRAS LONDRINA PR 2015 HUGO QUEIROZ ABONIZIO A IMPORTÂNCIA DO PDTI NA IMPLANTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE

Leia mais

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO

MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO MANUAL DE USO DA MARCA INSTITUTO NACIONAL DO SEMIÁRIDO SUMÁRIO 1.1 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 Introdução Assinatura institucional Malha de construção Assinatura

Leia mais

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA

OS CAMINHOS PARA UMA APOSENTADORIA PLANEJADA CAPITANIA MULTI CRÉDITO PRIVADO OS CAMINHOS PARA UMA Apresentação de Produto 2º Tri 2009 APOSENTADORIA PLANEJADA Capitânia Asset & Risk Management www.capitania.net Rua Dona Leopoldina, 48 São João -Porto

Leia mais

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS, JORNALISMO E SERVIÇO SOCIAL COLEGIADO DE JORNALISMO PROJETOS EXPERIMENTAIS DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE MONOGRAFIA

Leia mais

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP

Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013. Frutacor lança coleção Inverno 2014. Confira o festival de Jazz no CCCP Arte Sacra é destaque no Salão de Negócios do Minas Trend 2013 Frutacor lança coleção Inverno 2014 Fashion City Brasil participará da Fenim Confira o festival de Jazz no CCCP Bodytech loren ipsum ad vitor

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual Capítulo 1 Normatização Geral 1. Conceito de Marca 1.1. Identidade de Foz do Iguaçu 1.2. Pôster Conceitual 2. Assinaturas Padrão 2.1. Assinaturas em Português 2.2. Assinaturas

Leia mais

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA

GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA GUIA SIMPLIFICADO DA LOGOMARCA 1 2 Introdução 04 A logomarca 05 Variantes de cor 06 Dimensões mínimas 07 Área de não-interferência 08 Usos incorretos 09 Cores institucionais 10 Tipografia Grafismo 11 12

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2013, v Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular

Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Responsabilidade social e comunicação institucional: Estudo de caso da campanha SOS Minas, da Igreja do Evangelho Quadrangular Jessica Caroline Silva de Freitas Kelly Isaura Graciano da Silva Bento Sabrina

Leia mais

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010

Selos de Certificação. Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Selos de Certificação Guia de Uso - Anexo 2 Elaborado em 28.07.2010 Sumário 01. Abertura 02. Versões Cromáticas 03. Regras de Uso 04. Exemplos de Aplicações 05. Arquivos 2 01. Abertura Os Selos de Certifi

Leia mais

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho

espaço publicitário SEJA FELIZ o poder da alegria dentário? pág.9 tratá-la? pág.9 saúde? pág.9 TEM IDADE CERTA para uso do aparelho edição 01 ano 01 Fevereiro de 2015 Publicação bimestral com distribuição gratuita no Circuito das Águas Paulista www.circuitosaude.com.br SEJA FELIZ o poder da alegria pág.7 TEM IDADE CERTA para uso do

Leia mais

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA

NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA NORMAS GRÀFICAS - INSTITUTO POLITÉCNICO DE LEIRIA CONSTRUÇÃO HORIZONTAL CONSTRUÇÃO VERTICAL LOGÓTIPO de artes e design de artes e design de tecnologia do mar de tecnologia do mar de saúde de tecnologia

Leia mais

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat

ECA-USP. Manual Simplificado de Identidade Visual. Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat ECA-USP Manual Simplificado de Identidade Visual Estudio K Arquitetura e Comunicação Visual Dorinho Bastos Juliana Baracat Logotipo Grade de Construção Identidade Visual/Cor Grade de Construção Identidade

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2014, v-1.9.2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2

Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Trabalho Acadêmico com abntex2 Modelo canônico de trabalho monográfico acadêmico

Leia mais

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2

Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.5 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Relatório Técnico e/ou Científico com abntex2 Modelo canônico de

Leia mais

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques

Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Projeto Amun Tecnologia de Imagens Ocultas Compe Truncagem de cheques Autenticação do Substrato, Validação do Correntista e Armazenamento de imagens verdadeiras em arquivos seguros Fraudes Truques Jogos

Leia mais

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL

PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL PLANO DE PATROCÍNIO INTEGRADO VICE-PRESIDÊNCIA COMERCIAL Dir. Nac. de Marketing 19/Nov/13 MUITOS MISTÉRIOS DURANTE UM JANTAR DE COMEMORAÇÃO. SERÁ UMA ARMADILHA? NÃO, APENAS MOTIVOS PARA MUITAS GARGALHADAS.

Leia mais

Colégio Notarial do Brasil Seção São Paulo Colégio Notarial do Brasil Conselho Federal. Carlos Fernando Brasil Chaves Presidente CNB/SP

Colégio Notarial do Brasil Seção São Paulo Colégio Notarial do Brasil Conselho Federal. Carlos Fernando Brasil Chaves Presidente CNB/SP Colégio Notarial do Brasil Seção São Paulo Colégio Notarial do Brasil Conselho Federal Carlos Fernando Brasil Chaves Presidente CNB/SP O CNB/SP - Mais antiga entidade representativa do Notariado. - Visa

Leia mais

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008.

Marca. Depto. de Marketing do Pirâmide Natal Resort & Convention - V. 01 - Revisado em 28/05/2008. Marca Esta é a Marca que deve ser utilizada prioritariamente. Existe uma relação única entre tipologia, corpo, forma e cores que deve ser rigorosamente respeitada. Qualquer alteração modifica totalmente

Leia mais

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013

Trabalho 2. Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias. 10 de Fevereiro de 2013 Trabalho 2 Jorge Barreto Faculdade de Ciências e Tecnologias 10 de Fevereiro de 2013 Resumo Lorem ipsum dolor sit amet, consectetuer adipiscing elit. Etiam lobortis facilisis sem. Nullam nec mi et neque

Leia mais

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor

advisor senior seu sucesso nosso compromisso senior advisor senior advisor COACHING FINANCEIRO BRANDING SERVIÇOS CONTÁBEIS COACHING FINANCEIRO SERVIÇOS CONTÁBEIS BRANDING A Senior Advisor é uma consultoria multidisciplinar, que tem como foco principal, auxiliar

Leia mais

Arquitetura de Informação para Web

Arquitetura de Informação para Web Arquitetura de Informação para Web Aula introdutória sobre Arquitetura de Informação para Web na ECA - USP Guilhermo Almeida dos Reis reis@guilhermo.com www.guilhermo.com Novembro / 2004 Agenda Definições

Leia mais

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS

MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS MANUAL DE NORMAS GRÁFICAS 01 03 APRESENTAÇÃO Este guia de identidade uniformiza a utilização da marca Fundação Bienal de Cerveira. Estas normas devem ser cumpridas de modo rigoroso para que a imagem da

Leia mais

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2

Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Brasil 2015, v-1.9.3 Equipe abntex2 Modelo Canônico de Projeto de pesquisa com abntex2 Modelo canônico de Projeto de pesquisa em conformidade

Leia mais

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta

. Aplicações - Impresso e Digital...21 Suporte: papel offset 90 g/m². . Aplicações - Cartão de Visitas...22 Impressão: jato de tinta MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL. Fevereiro/2009 01 Índice. A Identidade Corporativa do Ministério Público do Estado do Amazonas...5 ÍNDICE. Marca MP-AM...6. Composição do brasão (símbolo)...6. Espada...6.

Leia mais

QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS

QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL. Joaquim Brás/ CCS QUALIDADE DE GESTÃO EM PORTUGAL Joaquim Brás/ CCS Responsabilidades dos Empresários Constatação as boas práticas de gestão estão longe de fazer parte do dia-a-dia da maior parte das nossas empresas, em

Leia mais

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX

www.in-lex.pt ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO EDIÇÕES E DIVULGAÇÃO CONTACTOS IN-LEX www.in-lex.pt Para mais informação consulte o nosso site ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DO ANUÁRIO 2015 Data da Publicação Dimensões Papel Capa Papel Miolo Hardcover Início de 2015 230 (largura) x 297 (altura)

Leia mais

Workshop SEO Integrando TI, Marketing e Conteúdo. Por Diego Ivo, CEO da Conversion

Workshop SEO Integrando TI, Marketing e Conteúdo. Por Diego Ivo, CEO da Conversion Workshop SEO Integrando TI, Marketing e Conteúdo Por Diego Ivo, CEO da Conversion A Conversion Conversion é a maior empresa de SEO no Brasil Número do que geramos Nossos números 120 $300 3 40 Milhões de

Leia mais

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE

MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO EM TABELAS HASH DISTRIBUÍDAS PARA CONSULTAS POR SIMILARIDADE USANDO FUNÇÕES DE HASH SENSÍVEIS À LOCALIDADE LONDRINA PR 2015 MATHEUS SEREZANI NICOLOSI BALANCEAMENTO

Leia mais

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas

A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas PLANOS PLUS & TOP A maior plataforma de relacionamento da América Latina entre consumidores e empresas Pesquisar Reclamar Comparar Responder Replicar Resolver Consumidores ReclameAQUI Empresas O ReclameAQUI

Leia mais

Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen

Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen Manual de Identidade Visual Linha de Produtos MAN Linha de Produtos Caminhões e Ônibus Volkswagen Página 1 Mais consistência para nossas marcas Introdução Página 2 O Manual de Identidade Visual explica

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL WIRELESS REIDENCIAL AUTOMAÇÃO WIRELESS A Globus Soluções Inteligentes em controles, inspirada no desejo de oferecer conforto, segurança, redução de custos de energia, uso fácil, melhor

Leia mais

www.scutvias.pt Apresentação Organização EMPRESA Accionistas Contas Imprensa Infra-estrutura OPERAÇÃO Controlo Tráfego Assistência Entry point

www.scutvias.pt Apresentação Organização EMPRESA Accionistas Contas Imprensa Infra-estrutura OPERAÇÃO Controlo Tráfego Assistência Entry point Ùltima press release EMPRESA Imprensa 0_Homepage E_Apresentacao E_Organizacao E_Organizacao_2 E_ E_ Mapa Tráfego E_Imprensa E_Imprensa_ListPR E_Imprensa_ListNOT Tempo OPERAÇÃO Infra-estrutura Controlo

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014

Manual de Identidade Visual. Abril de 2014 Manual de Identidade Visual Abril de 2014 ÍNDICE 03 Para que serve este manual? 04 O logotipo 06 Variações do logotipo 07 Escala cromática 08 Fundos preferenciais 09 Malha construtiva 10 Área de não-interferência

Leia mais

Manual de Identidade Visual

Manual de Identidade Visual Manual de Identidade Visual 1.0 Marca / Significados 1 A opção pelo monograma (conjunto de letras do nome) reflete a preocupação em se vincular e respeitar a tradição das Estradas de Ferro brasileiras

Leia mais

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA GESTÃO DA CONFIGURAÇÃO, INVENTÁRIO E ATIVOS DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO LONDRINA PR 2015 NATALI SILVA HONDA GAIA INVENTÁRIO: UM MODELO PARA

Leia mais

Tutorial (Básico) de Utilização do Iramuteq 1

Tutorial (Básico) de Utilização do Iramuteq 1 Tutorial (Básico) de Utilização do Iramuteq 1 INTRODUÇÃO O Iramuteq é um software de analise textual baseado em estatísticas (Utilizando o software estatístico R) que revelem ligações e outras características

Leia mais

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software

Help Encerramento do Exercício E&L Produções de Software Help Encerramento do Exercício Note: To change the product logo for your ow n print manual or PDF, click "Tools > Manual Designer" and modify the print manual template. Title page 1 Use this page to introduce

Leia mais

Português. Grupo PPE Serviço de Imprensa e Comunicação. Carta gráfica

Português. Grupo PPE Serviço de Imprensa e Comunicação. Carta gráfica Português Grupo PPE Serviço de Imprensa e Comunicação Carta gráfica Versão: 01/10/2012 Porquê uma carta gráfica? Em maio de 2011, o Grupo PPE decidiu reunir a produção de todas as suas publicações numa

Leia mais

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos MANUAL DE MARCA SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos 2 Bem-vindo. Este manual define um conjunto de regras e recomendações que garantem uma aplicação correta dos elementos básicos da identidade CRITICAL

Leia mais

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree

Máquinas de Lavar Loiça Profissionais. Tabela de Preços 2013. Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree Máquinas de Lavar Loiça Profissionais Tabela de Preços 2013 Acresce IVA (Taxa legal em vigor) e Ecoree SteelTech 13-00 916260 998,00 com cesto 35x35 cm 1.200,50 SteelTech 13-00 S 916263 1.212,75 com descalcificador

Leia mais

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS

MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS MANUAL DE IDENTIDADE VISUAL Guia de aplicação da marca GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS Índice Apresentação...03 1. Marca / Versão positiva policromia...04 1.1. Marca / Versão positiva cores sólidas...05

Leia mais

Manual de uso da Marca

Manual de uso da Marca Manual de uso da Marca Sumário 1. Apresentação... 3 2. Direito de Uso... 4. 2.1 Procedimentos de autorização... 4. 2.2 Usuários autorizados... 5 2.2.1 Integrantes da equipe IBGC... 5 2.2.2 Associados mantenedores...

Leia mais

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO

NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO NOTAS SOBRE A ESCRITA E FORMATAÇÃO DAS DISSERTAÇÕES DE MESTRADO PEDRO M. AREZES Universidade do Minho v2.0 07.04.2011 Nota Introdutória As notas que se seguem fazem parte de uma pequena compilação de informação

Leia mais

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos

MANUAL DE MARCA. SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos MANUAL DE MARCA SECÇÃO 1.1. Manual de Elementos Básicos 2 Bem-vindo. Este manual define um conjunto de regras e recomendações que garantem uma aplicação correta dos elementos básicos da identidade CRITICAL

Leia mais

A C R A M A L D A U N A

A C R A M A L D A U N A MANUAL DA MARCA BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO 01 CONCEITO E CONSTRUÇÃO DA MARCA 02 GRADE 04 PALETA DE CORES 05 APLICAÇÕES MONOCROMÁTICAS 05 APLICAÇÕES 06 CRÉDITOS 07 01 BRIEFING & PROCESSO CRIATIVO BRIEFING...

Leia mais

Manual de Marcas do Sistema Fiep. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná

Manual de Marcas do Sistema Fiep. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná Manual de Marcas do Sistema Fiep. Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná 01 Tìtulo Capítulo SubTítulo Capítulo SubTítulo Capítulo SubTítulo Capítulo 05 12 16 02 Tìtulo Capítulo SubTítulo

Leia mais

Manual Básico de Aplicação da Logomarca Usiminas

Manual Básico de Aplicação da Logomarca Usiminas Manual Básico de Aplicação da Logomarca Usiminas Sumário 1. APRESENTAÇÃO 1.1. Introdução 1.2. Valores da marca 1.3. História da marca 1.4. Idéia da marca 2. A LOGOMARCA 2.1. Elementos e proporção da logomarca

Leia mais

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS

ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS LONDRINA PR 2016 ARTHUR ALEXANDRE ARTONI UMA ANÁLISE SOBRE REDES METROPOLITANAS E CIDADES DIGITAIS Trabalho de Conclusão

Leia mais

ALEIXO. Companhia Teatro de Grupo TEATRODAUNIVERCIDADE. Sistema de Identidade Visual da

ALEIXO. Companhia Teatro de Grupo TEATRODAUNIVERCIDADE. Sistema de Identidade Visual da TEATRODAUNIVERCIDADE APRESENTAÇÃO ALEIXO 12 / 12 PROJETOFINAL Sistema de Identidade Visual da Companhia Teatro de Grupo Projeto Final de Graduação Raphael Aleixo Avellar Dezembro 2005 Univercidade Introdução

Leia mais

GUIA_. Guia CRIATIVO de uso da Marca País BRASIL BEYOND.

GUIA_. Guia CRIATIVO de uso da Marca País BRASIL BEYOND. GUIA_ Guia CRIATIVO de uso da Marca País BRASIL BEYOND. ÍNDICE_ 1. OBJETIVO 2. LOGOMARCA 3. CORES 4. TIPOGRAFIAS 5. LINHA 01 - LETTERING CRIATIVO 6. LINHA 02 - GRAFISMOS SIMPLIFICADOS 7. DETALHE FINAL

Leia mais

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6

Fulano de Tal. Exemplo de livro produzido com. Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 Fulano de Tal Exemplo de livro produzido com abntex2 Publicações Acadêmicas Ltda. abntex2 v-1.9.6 2015

Leia mais

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016

XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas. 30/05 a 04/06/2016 XXII Jornada Acadêmica do Curso de Ciências Biológicas 30/05 a 04/06/2016 Apresentação Oral Apenas trabalhos experimentais concluídos Instruções para Resumos Expandidos Formatação Os resumos devem ser

Leia mais

Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada

Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada Fim da carta-frete, uma conquista a ser valorizada Os Transportadores Autônomos de Cargas (TAC) tem muito o que comemorar! O pagamento do frete no transporte

Leia mais

SPORTS WEEKEND UMA GRANDE OPORTUNIDADE PARA SE CONECTAR COM SEU PÚBLICO

SPORTS WEEKEND UMA GRANDE OPORTUNIDADE PARA SE CONECTAR COM SEU PÚBLICO TÊXTO 1 Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam pellentesque odio eu placerat consequat. Vivamus eget ipsum at magna sollicitudin rhoncus. Donec venenatis facilisis felis, eu molestie

Leia mais

Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos

Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos Manual de NORMALIZAÇÃO de trabalhos acadêmicos LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Ordenação dos elementos de trabalhos acadêmicos... 11 Figura 2 - Exemplo de capa...

Leia mais

SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES

SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES LONDRINA PR 2013 SEAN CARLISTO DE ALVARENGA PUSH TECHNOLOGIES Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao curso de Bacharelado em Ciência da Computação da

Leia mais

manual da marca rede telemar

manual da marca rede telemar manual da marca rede telemar manual para quê? Este manual explica como usar a marca da Oi. Por marca não entendemos apenas a logomarca, mas todo o material e as idéias que se relacionam com ela. Expressando-se

Leia mais

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN

INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN INAUGURAÇÃO DA SEDE DA EGRN Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit. Aliquam ornare ante vitae lacus varius gravida. Proin non sapien bibendum, aliquam quam luctus, mattis felis. Proin

Leia mais

Manual de Identidade Visual. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro

Manual de Identidade Visual. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Manual de Identidade Visual Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro sumário A Identidade Visual de uma instituiçãoé um de seus principais patrimônios. É por meio dela que uma instituição

Leia mais

Guia da marca. 23 de junho de 2009

Guia da marca. 23 de junho de 2009 Guia da marca 23 de junho de 2009 Apresentação da Presidência A Marca BNDES é um de nossos principais ativos intangíveis. Maximizar sua eficácia e zelar por este ativo é uma tarefa de todos os participantes

Leia mais

Apresentação. Índice. 1. Introdução. 4. Construção técnica. 2. Logotipo. 5. Aplicações. 3. Marca. 6. Contato e aprovações. 7.

Apresentação. Índice. 1. Introdução. 4. Construção técnica. 2. Logotipo. 5. Aplicações. 3. Marca. 6. Contato e aprovações. 7. Apresentação Índice 1. Introdução 1.1. Por que fazer um manual de identidade visual? 1.2. Políticas de uso 2. Logotipo 2.1. Brasão 2.2. Elementos da composição 2.2.1. A flor-de-lis 2.2.2. A espada e o

Leia mais

Identidade Visual Serasa Experian. Distribuidor Autorizado Normas de Uso Materiais de Apoio

Identidade Visual Serasa Experian. Distribuidor Autorizado Normas de Uso Materiais de Apoio Identidade Visual Serasa Experian Normas de Uso Materiais de Apoio Índice Aplicações da assinatura Materiais de apoio 03 Apresentação 15 Nota sobre os materiais de apoio 04 Assinatura 16 Cartão de visita

Leia mais

Manual da marca Revespetro

Manual da marca Revespetro Manual da marca Sumário O valor da marca Construção da marca Marca Marca com efeitos Paleta de cores Tipografia Tipografia de apoio Malha de proporção Box Branco Versões das marcas em positivo Versões

Leia mais

DICAS DE BOOTSTRAP 3

DICAS DE BOOTSTRAP 3 WEB DEV ACADEMY DICAS DE BOOTSTRAP 3 Uma coleção de dicas rápidas para você trabalhar com o framework mais popular da Web Ruan Carvalho Bem-vindo ao Ebook de Dicas do Bootstrap! O conteúdo deste guia está

Leia mais

Manual de Normas Gráficas

Manual de Normas Gráficas Manual de Normas Gráficas índice. 01 Este documento pretende ser uma orientação prática que estabelece algumas regras gráficas para que a utilização da marca seja coerente e uniforme, de forma a que seja

Leia mais

Expediente. Expediente

Expediente. Expediente Expediente Expediente Editora e diretora responsável: Lorem Ipsum Estagiárias: ALorem Ipsum Revisão: Lorem IpsumEditora de arte: Lorem Ipsum Estagiária de arte: Lorem Ipsum Espaço Revista Bem Estar: Lorem

Leia mais

Manual de Identidade do Senado Federal

Manual de Identidade do Senado Federal Manual de Identidade do Senado Federal Manual de Identidade do Senado Federal Organização Subsecretaria de Projetos Especiais (Supres/Secs) Criação e Marketing Desenvolvimento Isabela de Souza Lima Macedo

Leia mais

I D E C 1 SEMESTRE 2012 JORNAL IDEC

I D E C 1 SEMESTRE 2012 JORNAL IDEC 1 SEMESTRE 2012 I D E C JORNAL IDEC Neste pequeno informe você ficará por dentro de várias ações que o IDEC realizou nos últimos dias. Família Kuhn sendo entrevistada no sermão do Pr. Ranieri Sales No

Leia mais

Manual da Marca e da Identidade Visual

Manual da Marca e da Identidade Visual Manual da Marca e da Identidade Visual CONCEITO, ESTRATÉGIA E APLICAÇÕES Versão reduzida atualizada janeiro de 2015 Manual da Marca e da Identidade Visual CONCEITO, ESTRATÉGIA E APLICAÇÕES Versão reduzida

Leia mais